MELINA CAPELLI VARGAS SERVIÇOS ESPECIAIS DE ALIMENTAÇÃO NA HOTELARIA DE LUXO DE PORTO ALEGRE: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MELINA CAPELLI VARGAS SERVIÇOS ESPECIAIS DE ALIMENTAÇÃO NA HOTELARIA DE LUXO DE PORTO ALEGRE: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 MELINA CAPELLI VARGAS SERVIÇOS ESPECIAIS DE ALIMENTAÇÃO NA HOTELARIA DE LUXO DE PORTO ALEGRE: UM ESTUDO DE CASO CANOAS, 2009

2 1 MELINA CAPELLI VARGAS SERVIÇOS ESPECIAIS DE ALIMENTAÇÃO NA HOTELARIA DE LUXO DE PORTO ALEGRE: UM ESTUDO DE CASO Trabalho de conclusão apresentado à banca examinadora do curso de Turismo do Centro Universitário La Salle Unilasalle, como exigência parcial para obtenção do grau de Bacharel em Turismo, sob orientação da Prof.ª Me. Silvana Lehn. CANOAS, 2009

3 2 À minha mãe, luz da minha vida.

4 3 AGRADECIMENTOS Agradeço à minha mãe, luz que me ajuda enxergar os obstáculos e seguir em frente. A grande responsável pela minha dedicação nestes anos. Ao meu pai por tentar estar presente, mesmo que longe. Aos meus irmãos e irmã, que no abraço, no beijo e no apoio de todos os dias, me fazem uma pessoa feliz e amada. Aos amigos, por me incentivarem a ir em frente, pois o esforço vale a pena e a conquista tem sabor atraente, que me faz querer mais. À minha professora orientadora Silvana Lehn, por acreditar em minha dedicação e pelo apoio durante todos estes anos. Obrigada por fazer parte desta fase preciosa de minha vida. Agradeço às professoras Luciana Babinski, Roslaine Garcia, Flávia Farina e demais professores que estão e estiveram presentes nesta etapa de conquista e dedicação. Em memória agradeço a um anjo, Vô Breno, que sempre depositou em mim toda confiança, amor, sinceridade e dedicação. A todo amor que doou a minha família em toda sua vida. Obrigada por ter sido tão especial, com certeza para nós um modelo de pessoa. Amor de pai, amor de mãe, amor de irmão, amor de avô, amor de avó.

5 4 A persistência é o caminho do êxito. Charles Chaplin

6 5 RESUMO O presente trabalho traz a relevância dos serviços especiais de alimentação para os hotéis de luxo de Porto Alegre. Conta um pouco da história do turismo e da alimentação, relata sobre patologias de indivíduos com restrições alimentares e suas necessidades especiais de alimentação, demonstrando a importância dos hotéis adaptarem seus serviços a este público através da elaboração de cardápios especiais, que contenham alimentos com baixo teor de lactose, sem glúten, com opções de alimentos vegetais, que atendam às suas expectativas. Trata-se de um estudo de caso realizado em um hotel de luxo de Porto Alegre/RS. Foi feita uma entrevista com a nutricionista do hotel. Os resultados foram categorizados e analisados. Palavras-chave: Turismo. Hotelaria de luxo. Serviços especiais. Alimentação. Restrições alimentares. ABSTRACT This paper showns the relevance of special food services in Porto Alegre luxury hotels. It tells a little about tourism and food history, reports pathologies of people with dietary restrictions and their special food needs, and demonstrates the importance of hotels adapting their services to this public, through the elaboration of special menus that contain low-lactase and gluten-free food, with vegetable options, that come up to this public expectations. It is a case study performed in a luxury hotel in Porto Alegre/RS. An interview with the hotel s nutritionist was conducted. The results were categorized and analyzed. Keywords: Tourism. Luxury hotels. Special services. Food. Dietary restrictions.

7 6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O TURISMO E OS MEIOS DE HOSPEDAGEM Turismo História Conceitos de Turismo Oferta turística Demanda turística Sistema do Turismo SISTUR Os meios de hospedagem Histórico Características dos meios de hospedagem Intangibilidade Simultaneidade Perecibilidade Residualidade Tipos de hospedagem Meios de hospedagem hoteleiros Meios de hospedagem extra-hoteleiros ou alternativos Classificação hoteleira Classificação oficial Categoria simples ou uma estrela Categoria econômica ou duas estrelas Categoria turística ou três estrelas Categoria superior ou quatro estrelas Categoria luxo ou cinco estrelas Classificação comercial Classificação independente A hotelaria de luxo O luxo Hotéis de luxo... 30

8 Estrutura dos meios de hospedagem Hospedagem Alimentos e bebidas Recursos humanos Administração Marketing e vendas ALIMENTAÇÃO E NECESSIDADES ESPECIAIS DE ALIMENTAÇÂO Histórico da alimentação Alimentação na Idade Antiga Alimentação da Idade Média ao Século XVIII Alimentação no século XIX Alimentação na atualidade Costumes e hábitos alimentares Serviços de alimentação Indivíduos com necessidades de serviço especial de alimentação Vegetarianos Diabéticos Celíacos Alérgias e intolerâncias Fenilcetonúria ESTUDO DE CASO: SHERATON PORTO ALEGRE Procedimentos metodológicos A rede Starwood Sheraton Sheraton Porto Alegre Apresentação e análise dos resultados Serviços de alimentação especial na hotelaria de luxo Procedimentos para atendimento ao hóspede com necessidades especiais de alimentação Elaboração de cardápios para hóspedes com necessidades especiais de alimentação CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE A Entrevista aplicada a nutricionista do hotel Sheraton Porto Alegre APÊNDICE B Transcrição da entrevista... 74

9 8 1 INTRODUÇÃO Os serviços de alimentação são vistos como o um dos pontos de impacto dos meios de hospedagem. Não podemos viver diariamente sem nos alimentarmos, e quando buscamos outros destinos para nos acomodar, também buscamos uma boa refeição. Os hóspedes vêem restaurantes hoteleiros como referência de boa alimentação e empreendimentos hoteleiros como referência de bom atendimento. Este trabalho tem como objetivo pesquisar como hotéis de luxo da cidade de Porto Alegre oferecem serviços especiais de alimentação a hóspedes com necessidades especiais de alimentação, quais os métodos para preparo da refeição e como eles recebem a informação de que o hóspede necessitará um atendimento específico. Será realizado um estudo de caso no Sheraton Porto Alegre, hotel, de rede internacional, localizado na cidade de Porto Alegre/RS. A escolha por hotéis de luxo da cidade de Porto Alegre deve-se ao fato de possuírem restaurantes próprios, tendo, assim, maior acessibilidade de preparar alimentos diferenciados. Além disso, os hotéis estão investindo na dietoterapia, que, segundo Mahan (2000), é o tratamento de patologias através da alimentação adequada, fazendo com que hóspedes com alimentação diferenciada busquem hotéis que tenham maior qualidade e que lhes dêem maior segurança. Para analisar os serviços especiais de alimentação, foi preciso fazer um estudo sobre as principais patologias e também hábitos alimentares que requerem alimentação diferenciada como vegetarianos, celíacos, entre outros. Atualmente as pessoas buscam cuidados especiais com alimentação, procuram por alimentos mais saudáveis e muitas vezes preferem alimentar-se em seu próprio lar, pois muitos estabelecimentos não oferecem atendimento personalizado que elas requerem. Cabe, então, a alguns empreendimentos, mostrarem seu diferencial e oferecerem serviços especiais de alimentação como elaboração de cardápios diferenciados ou elaboração de alimentos para que os clientes possam levar em sua viagem ou para sua própria casa. Esses serviços atendem às suas expectativas e com certeza os conquistam.

10 9 Inicialmente é importante entender que, na rotina diária e na vida agitada a que estamos submetidos, buscamos constantemente, em períodos ociosos, lugares de conforto e descanso, muitas vezes distantes de nossa residência. Por isso, algumas pessoas têm a necessidade de hospedarem-se em ambientes confortáveis que lhe ofereçam boa cama, bom banho e, principalmente, boa alimentação. Diante disso, os estabelecimentos devem buscar entender as expectativas e a vontade de seus hóspedes, para que possam oferecer serviços de qualidade, que os conquistem e fidelizem. Com a realização deste trabalho, espera-se obter informações de como podemos atender a todos hóspedes, satisfazendo inclusive as necessidades por serviços especiais de alimentação. Esta pesquisa está dividida em três partes: a primeira parte aborda uma pesquisa bibliográfica, que propõe uma lembrança da história do turismo e dos meios de hospedagem, além de conceitos e suas características, para facilitar a compreensão dos leitores para entendimento desta pesquisa. O capítulo três relata a história da alimentação e as pessoas que buscam serviços especiais de alimentação, quais as principais necessidades especiais de alimentação, a importância dos serviços de alimentação e suas características. O quarto capítulo é a análise do estudo de caso, no qual se apresenta as informações da rede e bandeira do hotel pesquisado, além dos dados analisados através de eixos temáticos que explicam cada parte da pesquisa. Completando a pesquisa, apresentam-se as considerações finais, nas quais se destacam os principais resultados do trabalho e as conclusões diante da dissertação sobre a importância dos serviços especiais de alimentação. Acredita-se que este trabalho será de grande valia para o turismo e principalmente para os restaurantes hoteleiros, pois terão uma visão mais ampla de como o serviço especial de alimentação tem grande importância na satisfação do cliente.

11 10 2 O TURISMO E OS MEIOS DE HOSPEDAGEM 2.1 Turismo História Segundo Rejowski (2005), a história das viagens confunde-se com a própria história da humanidade, pois os deslocamentos sempre acompanharam o desenvolvimento humano. O homem pré-histórico se deslocava em busca de alimentos e proteção. Conforme De la Torre apud Barretto (2003), o turismo iniciou no século VIII a.c., na Grécia, pois as pessoas deslocavam-se para ver os Jogos Olímpicos, que aconteciam a cada quatro anos, e também motivados por viagens em busca de religiosidade e de cura. De acordo com Rejowski (2005, p. 17), a invenção da roda pelos sumérios foi um marco importante de desenvolvimento dos transportes, possibilitando ao homem viajar transportando uma quantidade maior de produtos. O Império Romano construiu muitas estradas, o que foi determinante para que as pessoas pudessem viajar entre o século II a.c. e o século II d.c. Com a queda do Império Romano pelos Bárbaros, a fase inicial do turismo passou por um período conturbado. Barretto (2003) afirma que os romanos teriam sido os primeiros a viajar por prazer. Informações obtidas através de pinturas pré-históricas, azulejos, placas, vasos e mapas demonstram que os romanos iam à praia à procura de divertimento e ao spa à procura de cura. Segundo Rejowski (2005), na década de 1840, apareceu mais um personagem importante, Thomas Cook. Ele estabeleceu as bases do turismo, sendo considerado, por vários estudiosos, como o primeiro operador profissional, o fundador das agências de viagens ou, ainda, o pai do turismo moderno. As inovações de Thomas Cook marcaram a entrada do turismo na era industrial, no aspecto comercial. No social, promoveu um significativo avanço, pois seu sistema permitiu que as viagens ficassem mais acessíveis (BARRETTO, 2003).

12 11 O movimento turístico que aos poucos se expandia foi bruscamente interrompido com o advento da Primeira Guerra Mundial, a qual levou a Europa a um estado de grande comoção. O período de recessão parecia estar declinando quando, em 1939, foi deflagrada a Segunda Guerra Mundial, que se estendeu até 1945, com a consequente paralisação do turismo (REJOWSKI, 2005). De acordo com Barretto (2003), foi a partir do século XIX que o turismo esteve marcado pelo trem em nível nacional e pelo navio em nível internacional. Outros fatores que contribuíram para o desenvolvimento do turismo foram: segurança, salubridade e alfabetização crescente. A Primeira Guerra Mundial demonstrou a importância do automóvel e, como consequência, os anos 1920 e 1940 tornaram-se a era do automóvel e do transporte em geral. Após a Segunda Guerra Mundial, o turismo tomou novos rumos: consolidou-se e expandiu-se, profissionalizando-se. Ao mesmo tempo, aparecem mais claramente algumas oportunidades e riscos do seu desenvolvimento relacionados à evolução dos estudos científicos na área. Mas o que caracterizou o turismo de 1950 a 1973 foi sua massificação, possibilitada por fatores políticos, econômicos, educacionais, culturais e sociais. O turismo no Brasil também é um fenômeno recente e atual; a atividade tem evoluído conforme as mudanças (REJOWSKI, 2005). De acordo com Rejowski (2005), o século XX termina com uma performance complexa do turismo, na qual todas as suas formas, novas e antigas, revigoram-se e assumem novos formatos. O início do século XXI trouxe desafios levando à inovação do produto turístico em decorrência da diminuição do ciclo de vida deste produto e das exigências dos novos segmentos públicos. Na próxima seção, serão mais bem explicados os estudos e conceitos sobre o termo turismo Conceitos de Turismo Segundo Barretto (2003), a partir do momento em que começaram os estudos científicos do turismo, muitas definições têm sido dadas, porém, acredita-se que o conceito de turismo surgiu no século XVII, na Inglaterra, referido a um tipo especial de viagem. A palavra tour é de origem francesa e significa volta, tendo seu equivalente no inglês turn e no latin tournare.

13 12 A primeira definição surgiu em 1911, quando o economista austríaco Hermann von Schullern zu Schattenhofen escrevia que: Turismo é o conceito que compreende todos os processos, especialmente os econômicos, que se manifestam na chegada, na permanência e na saída do turista de um determinado município, país ou estado (SCHATTNHOFEN apud BARETTO, 2003, p. 9). O conceito de turismo aceito pela Organização Mundial do Turismo (OMT): é a soma de relações e de serviços resultantes de um câmbio de residência temporário e voluntário motivado por razões alheias a negócios ou profissionais (DE LA TORRE apud BARRETO, 2003, p. 19). Um dos conceitos mais recentes sobre turismo é: Um fenômeno social que consiste no deslocamento voluntário e temporário de indivíduos ou grupos de pessoas que fundamentalmente por motivos de recreação, descanso, cultura ou saúde, saem do seu local de residência habitual para outro, no qual não exercem nenhuma atividade lucrativa nem remunerada, gerando múltiplas inter-relações de importância social, econômica e cultural (DE LA TORRE apud BARETTO, 2003, p. 13). De acordo com Lohmann (2008), nem toda viagem é um deslocamento turístico, por exemplo, o trânsito de pessoas em transportes públicos dentro de seus espaços habituais (trabalho, escola, etc.), as viagens a estudo e a trabalho. Viagem a trabalho se diferencia de turismo de negócios, pois o turismo de negócios tem como principal motivo assuntos profissionais e empresariais, enquanto que nas viagens a trabalho o viajante está se dirigindo a outro destino apenas com intuito de ir ao seu local de trabalho. Sendo assim, pode-se definir turismo como o deslocamento de pessoas para fora de seu habitat local, por períodos determinados e que não sejam motivados apenas pelo trabalho. Portanto, o profissional que viaja algumas vezes para participar de reuniões de trabalho, feiras e outros eventos profissionais fora de seu local de residência, fará turismo de negócios Oferta turística Segundo o Ministério do Turismo (2009), oferta turística é o conjunto de atrativos turísticos, assim como bens e serviços, que provavelmente induzirá as pessoas a visitarem especialmente um país, uma região ou uma cidade. A oferta turística compõe-se dos serviços de alojamento, alimentação, agenciamento, lazer e outros, bem como da infraestrutura local.

14 13 De acordo com Andrade (2002), a oferta turística se caracteriza pelo conjunto dos diversos recursos que o receptivo possui para utilizar em atividades turísticas. Os elementos que compõem a oferta são divididos em atrativos turísticos, serviços turísticos, serviços públicos e infraestrutura. Estes elementos unidos formam o produto turístico que, por sua vez, motiva os visitantes a conhecerem novos destinos: a) atrativos turísticos são elementos que despertam motivações em turistas, fazendoos visitar lugares distintos de seu ambiente rotineiro. Ignarra (2002) aponta que os turistas buscam sempre conhecer locais com atrativos diferentes de seu cotidiano, então quanto maior o diferencial, maior a valorização pelo turista. Os atrativos turísticos são classificados como culturais (museus, cinemas, teatros, feiras, entre outros) e naturais (praias, jardins botânicos, cascatas, trilhas ecológicas, etc.); b) serviços turísticos também fazem parte do produto turístico. Para o turista aproveitar um determinado atrativo, ele precisa dispor de vários serviços para dar qualidade à sua viagem. Entre esses serviços encontramos meios de hospedagens, serviços de alimentação, agências de turismo, locação de veículos e equipamentos, espaços para eventos, entretenimento, informações turísticas, comércio turístico, entre outros; c) serviços públicos são muito importantes para a atividade, pois não adianta a cidade ter atrativos interessantes, mas não oferecer serviços básicos ao turista como transportes, serviços bancários, saúde, segurança, comunicação, etc. Os serviços públicos são elementos fundamentais para exercer o turismo em determinada região; d) infraestrutura é a característica fundamental para viabilizar a atividade, é uma précondição para o desenvolvimento turístico. Sem acessos, saneamento, energia, comunicações, vias urbanas de circulação e controle de poluição é inviável a implantação de uma estrutura turística. O conceito da oferta turística engloba mais que bens e serviços, pois envolve instalações e equipamentos. Diante da influência de cada elemento citado, pode-se dizer que a oferta é de suma importância para o desenvolvimento do turismo Demanda turística Conforme Andrade (2002), a necessidade que as pessoas sentem de encontrar formas para escapar da rotina diária, deslocando-se por tempo limitado para fora de sua residência

15 14 habitual em busca de sossego, descanso e interesses diversos, é um fator chamado demanda turística. A demanda é determinada pelo preço do bem ou serviço sob análise, valor de outros bens ou serviços complementares, nível e distribuição de renda, número e idade dos consumidores, preferência, fatores de moda e outros, então se entende como a lei da demanda: à medida que o bem de consumo é mais barato, maior quantidade dele é demandada, e vice-versa (BENI, 2003, p. 146). Para poder se deslocar de um local a outro, as pessoas procuram por vários serviços que possam atendê-las adequadamente. Com o avanço da tecnologia e divulgação de viagens, houve um grande crescimento da demanda turística; as pessoas procuram viajar mais em períodos ociosos. O crescimento da demanda traz diversos benefícios para localidade receptiva, pois quanto maior a duração da viagem, maior será o lucro da cidade com o turismo, já que os visitantes gastarão mais utilizando serviços locais. O conjunto da segmentação turística, ou seja, os empreendimentos turísticos, os restaurantes e os hotéis, também influenciam na demanda, pois seus preços podem diminuir ou aumentar a demanda turística. Segundo Ignarra (2002), o excesso da demanda pode acarretar malefícios para o consumo do produto turístico, pois eleva os preços, gera má qualidade no atendimento, poluição, congestionamento, resultando em declínio, diminuindo a procura na região Sistema do Turismo SISTUR Conforme Beni (2003), sistema é um conjunto de partes que interagem de modo a atingir um determinado fim, com objetivo de construir um todo. É a forma com que a união dos elementos se organiza para produzir um resultado. Todas as coisas formam sistemas, por exemplo, no nosso corpo, um órgão depende do outro, e caso algum falhe, acarretará a parada do sistema. Outro conceito que também define sistema é um conjunto de unidades com relações entre si. Todas as demarcações de sistemas devem apontar: a) meio ambiente: não faz parte do sistema, mas tem grande impacto sobre o funcionamento do mesmo; b) elementos ou unidades: elementos do sistema; c) relações: componentes inter-relacionados, uns dependem dos outros;

16 15 d) atributos: são as qualidades que caracterizam os elementos do sistema; e) entrada (input): elementos que alimentam o sistema; f) saída (output): últimos elementos para transformação a que se submete o conteúdo da entrada; g) realimentação: mantém o sistema estabilizado; h) modelo: demonstração do sistema. A Organização Mundial de Turismo aponta quatro elementos como fundamentais no sistema: demanda turística, oferta turística, espaço geográfico e operadores do mercado. O SISTUR surgiu como uma forma de integrar todos os elementos que fazem parte da atividade turística. Na linguagem da teoria dos sistemas, o turismo é considerado um sistema aberto. Segundo estudos de Beni (2003), o SISTUR tem como objetivo organizar o plano de estudos da atividade do turismo, levando em consideração a necessidade demonstrada nas obras teóricas e pesquisas publicadas; fundamentar as hipóteses de trabalho; justificar posturas e princípios científicos; aperfeiçoar e padronizar conceitos e definições; consolidar condutas de investigação para instrumentar análises e ampliar a pesquisa, com a descoberta e o desenvolvimento de novas áreas do turismo. Para funcionar, o turismo depende de quatro grupos principais, que tem um papel determinado para cumprir e fazer com que o sistema turístico atenda às expectativas dos visitantes e seja bom para a região. São eles: a) político: funciona como o cérebro do sistema; b) empresariado: funciona como coração do sistema; c) profissionais: são os membros do sistema; d) comunidade: responsável pelos serviços indiretamente ligados ao turismo, são as células do sistema. O SISTUR nasceu para identificar e analisar os componentes e os elementos que integram o sistema e para analisar outros sistemas. O modelo estrutural do turismo aplicado por Beni abrange o estudo do espaço turístico e do perfil socioeconômico, da ordenação geopolítica e administrativa, dos estudos do comportamento do mercado de turismo e do diagnótisco do turismo na localidade receptora. No primeiro modelo elaborado por Beni para referencial do SISTUR, ele divide o sistema em subsistemas: a) superestrutura: englobam todos componentes do sistema;

17 16 b) oferta: onde estão relacionados os atrativos turísticos, serviços e equipamentos que, relacionados, formam o produto turístico; c) mercado: a oferta e a demanda são elementos para desenvolvimento do mercado; d) demanda: procura pelo motivo da viagem, variáveis endógenas e exógenas; e) infraestrutura: de acesso e básica urbana. Conforme Beni (2003, p. 44), o turismo, na linguagem da Teoria Geral de Sistemas, deve ser considerado um sistema aberto que, conforme definido na estrutura dos sistemas, permite a identificação de suas características básicas, que se tornam os elementos do sistema. Quadro 1 - Modelo Referencial do SISTUR Sistema de Turismo Fonte: Beni, O sistema proposto por Beni é composto pelos conjuntos explicados no quadro acima e especificados a seguir, conforme Lohmann e Panosso Netto (2008): a) Conjunto das Relações Ambientais: composto pelos subsistemas ecológico, social, econômico e cultural, esses quatro sistemas se separados são maiores que o SISTUR, mas quando unidos, como no Sistema do Turismo, são forte influenciadores e controladores para o turismo. O conjunto das relações ambientais procura mostrar a influência que cada subsistema representa para o desenvolvimento do turismo;

18 17 b) Conjunto da Organização Estrutural: constituído pelo subsistema, superestrutura que se refere à complexa organização (secretarias estaduais e municipais do turismo, ministério, associações, etc.), ou seja, todas organizações públicas ou privadas; constituído também pelo subsistema infraestrutura considerado como serviços urbanos (transporte, comunicação, serviços e equipamentos para o turismo), saneamento básico (água, coleta de lixo, tratamento de esgoto), o sistema aviário e de transportes (estradas e meios de transportes), a organização territorial (análise do espaço urbano e rural, uso do solo) e os custos e investimentos na infraestrutura turística (financiamentos e prazos de retorno dos empreendimentos turísticos); c) Conjunto das Ações Operacionais: neste conjunto que está a dinâmica do SISTUR, onde fazem parte os subsistemas oferta, demanda, consumo, distribuição e produção. Na oferta, estão os bens e serviços turísticos disponíveis ao turista; a demanda é a quantidade de pessoas que procuram consumir os bens e serviços turísticos; a produção agrega as empresas que produzem os produtos da ofertas, ou seja, bens e serviços turísticos (restaurantes, hotéis, etc.); no subsistema de consumo, estão os processos relacionados à decisão de compra, de consumo de bens e serviços turísticos; o de distribuição é a maneira que o produto ou serviço será disponibilizado para o consumidor. Os componentes do Sistema de Turismo estão interligados entre oferta, que abrange os atrativos turísticos, os serviços (transportes, agências e outros) e equipamentos (hotéis, alimentação, recreação). Estes formam o produto turístico, interligando a demanda e a infraestrutura. Na próxima seção, veremos conceitos sobre meios de hospedagem, um dos componentes do SISTUR, que é um dos equipamentos do produto turístico. 2.2 Os meios de hospedagem Histórico Segundo Aldrigui (2007), na época do nascimento de Cristo, já existiam locais para hospedar os visitantes, as estrebarias. Com o crescimento das viagens, os meios de hospedagens se expandiram. Na Grécia antiga, durante os Jogos Olímpicos, os estádios e

19 18 hospedarias abrigavam os atletas. Na Idade Média, os conventos e mosteiros também serviam de hospedagem para os turistas, acolhiam os peregrinos que viajavam por motivos religiosos. Conforme Chon (2003, p. 87), os avanços tecnológicos na área de transportes causaram um aumento na oferta hoteleira e na demanda. Muitas pessoas começaram a viajar mais frequentemente e permanecerem mais tempo nos locais, fazendo com que surgissem mais opções de hospedagem. De acordo com Chon (2003), foi no século XVII, época em que as rotas das carruagens se constituíram, que nasceram os coaching inns, hospedarias onde os viajantes se alimentavam e pernoitavam e os cavalos cansados podiam ser trocados por outros descansados. Além dessas hospedagens, havia casas particulares chamadas de public houses, que recebiam os visitantes. Segundo Dias apud Aldrigui (2007), a palavra hotel originou-se do francês hotel que significava a residência do rei da França, termo que se generalizou para designar, mais tarde, edifícios suntuosos e imponentes, públicos ou privados. Alguns desses prédios eram residências permanentes ou de temporada de pessoas ricas que recebiam hóspedes, mas não cobravam por isso. Depois de um tempo, consolidou-se a prática de hospedar não apenas convidados, mas aqueles que pudessem pagar, e a partir daí estabeleceu-se a relação do termo hotel a acomodações com excelência nas instalações e qualidade nos serviços oferecidos. Conforme Cândido (2003), em 1790, durante a Revolução Industrial, surgiu o primeiro hotel, na Inglaterra. Os hóspedes tinham alimentação e serviço de quarto por um custo muito baixo: dois dólares. Em 1829, houve um grande acontecimento para a hotelaria: foram construídas acomodações privadas com portas, bacias e jarros para higiene, além de sabonete como cortesia. Também se disponibilizava serviço de mensageiro para carregar as bagagens dos hóspedes, uma inovação do hotel Tremont House, que determinou os padrões para os grandes hotéis norte-americanos. Segundo Rejowski (2005), as ferrovias eram responsáveis por um grande fluxo de passageiros não tão luxuosos. Como consequência desse desenvolvimento, e para atender a esse fluxo, passou-se a implantar hotéis de ferrovias. Na Europa, considerou-se como marco inicial dos grandes e luxuosos hotéis a inauguração, em Paris, de um hotel famoso criado por César Ritz, considerado pai da hotelaria, pois desde sua adolescência sonhava em construir um hotel que fosse sinônimo de elegância, higiene, modernismo e estética. Então, em 1898, foi inaugurado o Hotel Ritz, em Paris, localizado na Place Vendôme, referência de luxo e sofisticação até os dias de hoje (CÂNDIDO, 2003).

20 19 Conforme Trigo (2000, p. 153), os primeiros empreendimentos hoteleiros brasileiros começaram a ser implantados por volta de 1820, a partir da vinda da corte e de comerciantes portugueses para o Brasil. De acordo com Aldrigui (2007), em 1920, foram feitas ações governamentais que incentivaram construções de grandes hotéis como o Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, e o Esplanada, em São Paulo. Foi a partir de 1940 que surgiram os meios de hospedagem mais populares, como colônias de férias, hotéis familiares, hotéis de lazer próximo a balneários. Com a entrada dos jatos comerciais, em 1958, um novo local para desenvolvimento de meios de hospedagem se expandiu próximo aos aeroportos. Os empreendimentos hoteleiros tiveram grande crescimento com as viagens aéreas (CHON, 2003). Conforme Trigo (2000), a criação da Embratur, em 1966, regulamentou e normatizou a hotelaria, viabilizando a implantação de grandes hotéis, e a procura por novos hotéis caracterizou a expansão de grandes redes hoteleiras. Foi então que, a partir de 1971, com a inauguração do hotel Hilton, em São Paulo, as redes hoteleiras internacionais foram introduzidas no Brasil. De acordo com Rejowski (2005), a partir de 1990, houve grande crescimento na construção e implantação de hotéis por todo país, desde os megaresorts no litoral nordestino destacando Costa do Sauípe, inaugurado em setembro de 2000 até hotéis de grandes centros urbanos, como as cidades de Rio de Janeiro e São Paulo. Nesse período, também se iniciaram grandes investimentos em hotéis econômicos, além da vinda de diversas cadeias hoteleiras internacionais como: Sol Meliá (Espanha), Posadas (México), entre outras Características dos meios de hospedagem Tanto os serviços turísticos quanto os de hospedagem têm suas particularidades. Para melhor entende-los, é necessário analisar suas peculiaridades: a intangibilidade, a simultaneidade, a perecibilidade e a residualidade são algumas características importantes para compreensão desses serviços (ALDRIGUI, 2007). Conforme Vallen e Vallen (2003), a capacidade do gerente de maximizar o número de apartamentos negociados ou aumentar a taxa diária média obtida é limitada por várias características específicas do setor de hospedagem, e algumas dessas peculiaridades também são encontradas em outras atividades.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS MEIOS DE HOSPEDAGEM.

A CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. A CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. ROIM, Talita Prado Barbosa. Bacharel em Turismo Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG Garça

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES?

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? INTRODUÇÃO Como uma consultoria em gestão hoteleira, a Mapie acredita no conhecimento como a principal ferramenta de desenvolvimento para empresas e profissionais do setor.

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Merielle Barbosa Lobo Pró-Saúde Hospital Materno Infantil Tia Dedé Tocantins Brasil merielle.hmitd@prosaude.org.br A ORIGEM DA ATIVIDADE HOTELEIRA O hotel

Leia mais

todos hóspedes neste planeta! verthoteis.com.br

todos hóspedes neste planeta! verthoteis.com.br Ramada Plaza Ramada Hotel e Suítes Encore Somos Sentido todos hóspedes neste planeta! e.suítes ícone W O R L D W I D E verthoteis.com.br B Hotelaria essencial para os clientes Sustentabilidade para o planeta

Leia mais

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO (

Leia mais

Mais de 50 anos de tradição e excelência, criando um Bourbon para cada momento da sua vida.

Mais de 50 anos de tradição e excelência, criando um Bourbon para cada momento da sua vida. Mais de 50 anos de tradição e excelência, criando um Bourbon para cada momento da sua vida. Bourbon Hotéis & Resorts Idealizada há mais de 50 anos pela família Vezozzo, a Bourbon Hotéis & Resorts consolida

Leia mais

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO A CONSTRUÇÃO OU AMPLIA- ÇÃO DE EDIFICAÇÃO COM FINALIDADE HOTELEIRA,

Leia mais

O ISS dos Serviços de Hospedagem

O ISS dos Serviços de Hospedagem O ISS dos Serviços de Hospedagem Definição de Hospedagem A Lei Federal n. 11.771/2008, que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define como meios de hospedagem os empreendimentos ou estabelecimentos,

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre a classificação oficial dos Meios de Hospedagem. Art. 2º - Fica instituído o Sistema

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

Faça seu evento de incentivo ou reunião tendo o mar como paisagem

Faça seu evento de incentivo ou reunião tendo o mar como paisagem Faça seu evento de incentivo ou reunião tendo o mar como paisagem O que seus clientes corporativos podem ter em um Cruzeiro na Celebrity Cruises Eventos a bordo para todas as suas necessidades. As melhores

Leia mais

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados)

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) Plano de Negócio MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) O Projeto 04 Cenário Econômico A Demanda Concorrência Estratégia Comercial Operação Rentabilidade O Empreendedor 06

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave:

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave: 1995: OMT IFSP Profa. Rafaela Malerba O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

TURISMO E EDUCAÇÃO JUNTO À

TURISMO E EDUCAÇÃO JUNTO À TURISMO E EDUCAÇÃO JUNTO À COMUNIDADE: O ENSINO SUPERIOR ATUANDO EM ARARAQUARA. Eduarda Escila Ferreira Lopes* Nádia Pizzolitto** Turismo e educação junto à comunidade: City Tour Hoje o turismo assume

Leia mais

Apaixonado. Pessoal. Serviço.

Apaixonado. Pessoal. Serviço. Apaixonado. Pessoal. Serviço. sobre nós Privileged (Privilegiado) é um serviço de gestão global padrão luxo que oferece uma linha de serviços padronizados, 24 horas por dia, 365 dias por ano, ou seja,

Leia mais

paraíso Novo rumo no Inspiração one experience Relatos de quem tem história

paraíso Novo rumo no Inspiração one experience Relatos de quem tem história Novo rumo no paraíso Como uma viagem para a ilha de Saint Barths fez a mercadóloga Jordana Gheler trocar a carreira que tinha no Brasil por outra muito mais ensolarada [ depoimento concedido a Ana Luiza

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ.

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO Djanira Nunes Barbosa Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. Resumo: O turismo visa uma inter-relação do homem, com o meio onde vive, sua cultura e seus

Leia mais

Fase da vida. Tendência

Fase da vida. Tendência Introdução NAVEGG EVERYBUYER Durante seis anos, a Navegg estudou metodologias para conhecer os internautas e, agora, lança uma nova forma de segmentação de audiência: o Navegg EveryBuyer. Essa metodologia

Leia mais

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos.

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos. saída; Meios de Hospedagem Os meios de hospedagem oferecerão ao hóspede, no mínimo: I- Alojamento, para uso temporário do hóspede, em unidades habitacionais(uh) específicas a essa finalidade; II - serviços

Leia mais

COPA DO MUNDO... 35 E OLIMPÍADA... 35

COPA DO MUNDO... 35 E OLIMPÍADA... 35 APRESENTAÇÃO... 13 INTRODUÇÃO... 15 Fortes transformações...15 Principais desafios...16 Evolução do setor...16 PERSPECTIVAS... 17 E TENDÊNCIAS... 17 Otimismo brasileiro...17 Tarifas dos hotéis...18 Barreiras

Leia mais

Por que Investir em Caldas Novas-GO? E Por que o Mirante da Serra?

Por que Investir em Caldas Novas-GO? E Por que o Mirante da Serra? Por que Investir em Caldas Novas-GO? E Por que o Mirante da Serra? Grupo Di Roma investe R$ 147 milhões em Caldas Novas --------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Reveillon no Perú Amazônia, Andes, Deserto e Pacífico 26 de Dezembro de 2015 a 03 de Janeiro de 2016

Reveillon no Perú Amazônia, Andes, Deserto e Pacífico 26 de Dezembro de 2015 a 03 de Janeiro de 2016 Como não poderia deixar de ser, a Turismo Consciente mantém sua essência e te levará para mais um cantinho da Amazônia neste Reveillon. Este ano vamos cruzar a fronteira e desembarcar em uma aventura no

Leia mais

Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO

Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO ANEXOS Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO A. Lista de produtos característicos do turismo A lista de produtos característicos do turismo é provisória

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS RECURSOS HUMANOS DA HOTELARIA DE PONTA GROSSA, PROPOSTA DE UM CURSO DE CAPACITAÇÃO

ANÁLISE DO PERFIL DOS RECURSOS HUMANOS DA HOTELARIA DE PONTA GROSSA, PROPOSTA DE UM CURSO DE CAPACITAÇÃO ANÁLISE DO PERFIL DOS RECURSOS HUMANOS DA HOTELARIA DE PONTA GROSSA, PROPOSTA DE UM CURSO DE CAPACITAÇÃO Larissa Mongruel Martins (UTFPR) larimongruel@hotmail.com Dr. Cezar Augusto Romano (UTFPR) romano.utfpr@gmail.com

Leia mais

Invista no hotel certo

Invista no hotel certo Invista no hotel certo O QUE VOCÊ PROCURA EM UM INVESTIMENTO HOTELEIRO ESTÁ AQUI. A economia de minas gerais cresce acima da média nacional: 5,15% no 1º trim./2011. Fonte: Informativo CEI-PIB MG _Fundação

Leia mais

FOLHETOS TURÍSTICOS: TIPOS E CARACTERÍSTICAS

FOLHETOS TURÍSTICOS: TIPOS E CARACTERÍSTICAS REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 FOLHETOS TURÍSTICOS: TIPOS E CARACTERÍSTICAS GUARALDO, Tamara de S. Brandão Mestre em Comunicação/ Unesp-Bauru

Leia mais

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL 2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL A análise realizada tem como base principal as estatísticas oficiais e alguns dados quantitativos de elaboração própria. Focamos a atenção nas mudanças

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

DESTINO : PORTO GALINHAS DATAS : 24 SETEMBRO A 02 DE OUTUBRO 2011 NR. PAX : 70 CLIENTE :

DESTINO : PORTO GALINHAS DATAS : 24 SETEMBRO A 02 DE OUTUBRO 2011 NR. PAX : 70 CLIENTE : DESTINO : PORTO GALINHAS DATAS : 24 SETEMBRO A 02 DE OUTUBRO 2011 NR. PAX : 70 CLIENTE : Apresentada por: Departamento: MI Meetings & Incentives Gestor: Lisete Costa Morada: Edifício ES Viagens, Av D.

Leia mais

HOTELARIA CLÁSSICA X HOTELARIA HOSPITALAR

HOTELARIA CLÁSSICA X HOTELARIA HOSPITALAR HOTELARIA CLÁSSICA X HOTELARIA HOSPITALAR Palestrante: Marilia Mills CONCEITOS Hotelaria Clássica é a reunião de serviços com características próprias e que tem por finalidade oferecer hospedagem, alimentação,

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIO. Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani. Orientador Antonio Carlos Giuliani. 1. Introdução

TURISMO DE NEGÓCIO. Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani. Orientador Antonio Carlos Giuliani. 1. Introdução TURISMO DE NEGÓCIO Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani Orientador Antonio Carlos Giuliani 1. Introdução A indústria do turismo se tornou uma das principais atividades econômicas

Leia mais

Rentabilidade em Food Service

Rentabilidade em Food Service Rentabilidade 6 passos para tornar sua franquia mais lucrativa Seja bem-vindo ao e-book da Linx. Aqui estão reunidos os principais caminhos para o aumento da rentabilidade em operações de fast food. São

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Prima. Empreendimentos Inovadores.

Prima. Empreendimentos Inovadores. Prima. Empreendimentos Inovadores. Fundada em 2005, a Prima Empreendimentos Inovadores é uma empresa voltada para o desenvolvimento turístico e imobiliário, com foco em produtos de alto valor agregado

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

62 o. FENINJER. Período 17 a 20 de fevereiro de 2016 Quarta à Sexta - das 10h às 20h / Sábado das 10h às 18h WTC Events Center

62 o. FENINJER. Período 17 a 20 de fevereiro de 2016 Quarta à Sexta - das 10h às 20h / Sábado das 10h às 18h WTC Events Center 62 o. FENINJER Período 17 a 20 de fevereiro de 2016 Quarta à Sexta - das 10h às 20h / Sábado das 10h às 18h WTC Events Center Hotel Quality Berrini Rua Henrich Hertz, 14 Brooklin São Paulo/SP O Quality

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 IDENTIFICAÇÃO Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 Data de efetivação do manual: / / Data da próxima revisão: / / Frequência de revisão: Anual REGISTRO

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

CONRAD ALGARVE. DÊ-SE AO LUXO DE SER AUTÊNTICO.

CONRAD ALGARVE. DÊ-SE AO LUXO DE SER AUTÊNTICO. CONRAD ALGARVE. DÊ-SE AO LUXO DE SER AUTÊNTICO. Em breve vai existir um lugar onde poderá sentir-se único. Um lugar onde o luxo, o estilo e o prazer estão acima de tudo. Uma experiência memorável que vai

Leia mais

ORLANDOCASASORLANDOCASASORLA

ORLANDOCASASORLANDOCASASORLA C CASAS EM ORLANDO TARIFÁRIO 2013/2014 NDOCASASORLANDOVVCASASORLAND OCASASORLANDOCASASORLANDOCAS ASORLANDOCASASORLANDOCASASORL ANDOCASASORLANDOCASASORLANDO C Um pouco de nossa história... A Rent A Tour

Leia mais

Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA. www.espm.br/centraldecases

Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA. www.espm.br/centraldecases Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA www.espm.br/centraldecases Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy, da ESPM-SP. Recomendado para as áreas de Marketing, Propaganda,

Leia mais

LANÇAMENTO MAGIC VILLAGE RESORT UM M UNDO DE SONHOS MAIS PRÓXIMO E REAL DO Q UE VOCÊ IMAGINA.

LANÇAMENTO MAGIC VILLAGE RESORT UM M UNDO DE SONHOS MAIS PRÓXIMO E REAL DO Q UE VOCÊ IMAGINA. LANÇAMENTO MAGIC VILLAGE RESORT UM M UNDO DE SONHOS MAIS PRÓXIMO E REAL DO Q UE VOCÊ IMAGINA. Empreendimento único em Orlando: imagine-se vizinho dos destinos mais desejados do mundo. Um lugar feito sob

Leia mais

A BP VIAGENS. www.batistaviagens.com.br

A BP VIAGENS. www.batistaviagens.com.br A BP VIAGENS Tradicionalmente inovadora Há 22 anos no mercado, a Batista Pereira (BP) é pioneira em turismo e conta com duas sedes em Palmas, proporcionando a você o melhor receptivo da capital tocantinense:

Leia mais

A representação gráfica acima não pode ser considerada de forma precisa como a representação completa e real do construtor. A planta, características

A representação gráfica acima não pode ser considerada de forma precisa como a representação completa e real do construtor. A planta, características ORION RESORT RESIDENCES, LP LOCALIZAÇÃO 201 ENTRADA PARA OS PARQUES DA DISNEY 2 KM ORION RESORT RESIDENCES LIVINGSTON ROAD, KISSIMMEE FLÓRIDA FOTO AÉREA ORION RESORT RESIDENCES VILLAS, CT Aprox. 9.85 Acres

Leia mais

Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural. Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa?

Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural. Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa? Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa? O atual mundo do trabalho ANTIGO Qualifica para o trabalho;

Leia mais

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa EM IMBITUBA Praia do Rosa SUMÁRIO Perfil do turista e avaliação do destino...3 Perfil dos meios de hospedagem - Praia do Rosa...16 Perfil do turista e avaliação do destino Pesquisa com o turista Buscando

Leia mais

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO 1999 I. ÁREA ESTATÍSTICA / LINHAS GERAIS DA ACTIVIDADE ESTATÍSTICA NACIONAL 1998-2001 O Conselho Nacional

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Bourbon Hotéis & Resorts

Bourbon Hotéis & Resorts Bourbon Hotéis & Resorts O jeito brasileiro de hospedar Mais que um conceito, é a principal filosofia da Bourbon Hotéis & Resorts. Desde 1963 administrando empreendimentos hoteleiros, conta atualmente

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA. Plano de Marketing

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA. Plano de Marketing FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS FACISA CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 5º PERÍODO ADMISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA Plano de Marketing LUCIANA RODRIGUES PAOLA PEIXOTO Belo Horizonte

Leia mais

5.10) Lazer, Turismo e Cultura

5.10) Lazer, Turismo e Cultura 5.10) Lazer, Turismo e Cultura 5.10.1) Metodologia No contexto da AII, com destaque para os Estados de Goiás e Mato Grosso, foram obtidas informações junto à EMBRATUR referentes aos principais pontos turísticos

Leia mais

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA São Paulo anuário 2012 o perfil dos visitantes Os turistas que visitam a capital paulista, a cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho Turistas conheça o perfil

Leia mais

R014 NAT / EXO African Ladies Exclusivo para mulheres

R014 NAT / EXO African Ladies Exclusivo para mulheres R014 NAT / EXO African Ladies Exclusivo para mulheres INTRODUÇÃO AO DESTINO O luxo, a exclusividade e as experiências fantásticas são o ponto chave para esse roteiro, pensando em todos os detalhes que

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

TRIUNFO HOTEL FAZENDA

TRIUNFO HOTEL FAZENDA O Hotel Fazenda Triunfo, apresenta um conceito diferenciado ao seu hospede: FAZER COM QUE NOSSA CASA, SEJA SUA CASA, com bom gosto, bom acolhimento e muita vontade de te receber. TRIUNFO HOTEL FAZENDA

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Tarifas de aluguel unidade PPAT001 no Recreio, Rio de Janeiro

Tarifas de aluguel unidade PPAT001 no Recreio, Rio de Janeiro Tarifas de aluguel unidade PPAT001 no Recreio, Rio de Janeiro Validade da Tarifa por noite por semana por mês * Estadia Mínima Carnaval custo medio estudio Fev 28 2014 - Mar 9 2014 R$ 400 R$ 2.500 4 noites

Leia mais

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007.

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. Aprova as Instruções Gerais para o Funcionamento dos Hotéis de Trânsito do Exército (IG 30-52). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso das atribuições

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL O presente regulamento rege as relações jurídicas entre o prestador de serviços PIAZITO PARK HOTEL e o(s) hóspede. As condições descritas neste regulamento também

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

1 - Lista de produtos específi cos de turismo

1 - Lista de produtos específi cos de turismo Anexos 1 - Lista de produtos específi cos de turismo Economia do Turismo Análise das atividades características do turismo 2003 (continua) 63110.0 Serviços de alojamento em hotéis e motéis 63191.0 Serviços

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

QUALIDADE EM HOSPEDAGEM AO LADO DO AEROPORTO INTERNACIONAL AFONSO PENA

QUALIDADE EM HOSPEDAGEM AO LADO DO AEROPORTO INTERNACIONAL AFONSO PENA QUALIDADE EM HOSPEDAGEM AO LADO DO AEROPORTO INTERNACIONAL AFONSO PENA Idealizada há mais de 50 anos pela família Vezozzo, a Bourbon Hotéis & Resorts consolida sua atuação no mercado da América Latina,

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

Festival de Parintins 6 dias 23 a 28 de Junho de 2015 Maior manifestação folclórica da Amazônia

Festival de Parintins 6 dias 23 a 28 de Junho de 2015 Maior manifestação folclórica da Amazônia Cunhã Poranga, personagem típico do festival que representa a força através da beleza. Embarque nesta viagem cultural para o maior festival folclórico da Amazônia! Navegaremos pelo rio Amazonas a bordo

Leia mais

Bourbon Hotéis & Resorts

Bourbon Hotéis & Resorts Bourbon Hotéis & Resorts O jeito brasileiro de hospedar Mais que um conceito, é a principal filosofia da Bourbon Hotéis & Resorts. Desde 1963 administrando empreendimentos hoteleiros, conta atualmente

Leia mais

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br Aqui você encontra dicas para viajar sem problemas. Afinal, uma viagem legal é aquela que traz boas recordações. Palavra do Ministro Prezado leitor, O turismo é uma atividade que envolve expectativas e

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS 1 INTRODUÇÃO A ANEC Associação Nacional de Educação Católica do Brasil, através de sua estrutura organizacional e de seus colaboradores, tem avançado muito no cumprimento

Leia mais

HELL & HEAVEN BAHIA 2014

HELL & HEAVEN BAHIA 2014 HELL & HEAVEN BAHIA 2014 PACOTE REGULAR 20 A 23 NOV Há pouco mais de cinco anos nascia o desejo de criar um festival para reunir o público gay durante um final de semana inteiro, para curtir música eletrônica

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS SETEMBRO / 2010 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2010 - N 05 Para 58,0%

Leia mais

Módulo Internacional em Administração

Módulo Internacional em Administração MÓDULO INTERNACIONAL Módulo Internacional em Administração Data de Realização: 21 a 30 de agosto de 2015 Convênio.................... 3 Apresentação................... 3 Universidade da Califórnia..............

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE Perfil da Amostra Especificações Técnicas Objetivo Levantar o perfil sócio demográfico, origem-destino e atitudinal em relação a turismo de negócios e de lazer. Buscou também

Leia mais

Expedição Bibliotecas Comunitárias Vaga Lume 4 dias 09 a 12 de Julho de 2015 Navegando pelo Rio Unini, no coração da Amazônia

Expedição Bibliotecas Comunitárias Vaga Lume 4 dias 09 a 12 de Julho de 2015 Navegando pelo Rio Unini, no coração da Amazônia Navegando pelo coração da Amazônia Com uma riqueza ambiental imensa, o Rio Negro é protegido em praticamente todo seu leito por Unidades de Conservação. Nosso destino nesta viagem será a Reserva Extrativista

Leia mais

A revista Segue Viagem é uma publicação bimestral, um indicador de tendências em turismo. Recheada de informações úteis, sugestões de locais e

A revista Segue Viagem é uma publicação bimestral, um indicador de tendências em turismo. Recheada de informações úteis, sugestões de locais e A revista Segue Viagem é uma publicação bimestral, um indicador de tendências em turismo. Recheada de informações úteis, sugestões de locais e hospedagens no Brasil e no mundo, também revela dicas valiosas

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Anexos. 1 - Lista de produtos específicos do turismo. 2 - Lista de atividades e produtos característicos do turismo

Anexos. 1 - Lista de produtos específicos do turismo. 2 - Lista de atividades e produtos característicos do turismo Anexos 1 - Lista de produtos específicos do turismo 2 - Lista de atividades e produtos característicos do turismo Anexos (continua) 63110.0 Serviços de alojamento em hotéis e motéis 63191.0 Serviços de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

A REDE HOTELEIRA EM SÃO JOAQUIM DA BARRA

A REDE HOTELEIRA EM SÃO JOAQUIM DA BARRA A REDE HOTELEIRA EM SÃO JOAQUIM DA BARRA Viviane Cristina Barra Braga - Uni-FACEF Introdução Neste trabalho analisaremos a cadeia hoteleira que se manifesta na cidade de São Joaquim da Barra, cidade típica

Leia mais