As Percepções sobre Gestão Ambiental dos Trabalhadores em um Hotel Metropolitano de Luxo de Goiás Elise Alves dos Santos Universidade Católica de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Percepções sobre Gestão Ambiental dos Trabalhadores em um Hotel Metropolitano de Luxo de Goiás Elise Alves dos Santos Universidade Católica de"

Transcrição

1 As Percepções sobre Gestão Ambiental dos Trabalhadores em um Hotel Metropolitano de Luxo de Goiás Elise Alves dos Santos Universidade Católica de Goiás Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Introdução Este estudo foi realizado em um hotel cinco estrelas associado à Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, seção Goiás ABIHGO. Objetivou investigar como os trabalhadores percebiam o SGA Sistema de Gestão Ambiental desta empresa de médio porte dentro de seu contexto de trabalho. Considerando-se a dialética da constituição da sociedade e do sujeito, existem poucos estudos em Goiás com sujeitos trabalhadores de empresas que aderiram a programas de gestão ambiental, o que confere caráter diferencial do presente trabalho, justificando sua necessidade. Os resultados deste caso se destacaram perante demais empresas da região metropolitana de Goiânia e da hotelaria em Goiás, em função de seu adiantamento em relações às ações ambientais praticadas de acordo com Macêdo e cols. (2007). 1- O Contexto Empresarial Hoteleiro A hotelaria nacional possui em torno de 25 mil meios de hospedagem; movimenta cerca de US$ 8 bilhões ao ano; possui um patrimônio de R$ 78,7 bilhões e gasta em média R$ 2 bilhões por ano com mão de obra. Segundo a ABIH (2007) os hotéis investem cerca de US$ 50 milhões por ano somente para manter o que já existe. De acordo com a ABIHGO (2007), Goiás é um dos cinco estados brasileiros que mais atraem investimentos no setor, junto ao Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Pernambuco. O estado de Goiás é o 16º do país com maior quantidade de apartamentos em hotéis: são 2598 espalhados em 34 hotéis na capital e 17 em outros cinco municípios no interior do estado. Até 2009 estima-se que 152 novos empreendimentos hoteleiros sejam inaugurados em Goiás, dentre eles um hotel a se instalar em Goiânia, de uma grande rede nacional em operação no Brasil, apontando como um forte concorrente em potencial para o hotel em estudo, mesmo considerando a situação de baixo índice de ocupação (abaixo de 40%) em Goiás. Na capital do estado o hotel metropolitano pesquisado continua se reservando até o momento e desde 1999, o único com o título de cinco estrelas, segundo a matriz de classificação da ABIHGO (2007).

2 2 2- Cinco estrelas Para instituir um novo sistema de classificação dos meios de hospedagem, a diretoria da Instituto Brasileiro de Turismo EMBRATUR resolveu na deliberação normativa de 2002 que os regulamentos ora instituídos modificassem o Regulamento dos Meios de Hospedagem, o Manual de Avaliação e a Matriz de Classificação. Desde então, surgiram conceitos de responsabilidade ambiental avaliativos do padrão para concessão de estrelas. Foram estabelecidos 12 Itens Específicos de Ações Ambientais exigidos para classificação de hotel categoria luxo, simbolizado pelas cinco estrelas: 1) Manter um programa interno de treinamento de funcionários para a redução do consumo de energia elétrica, de água e de produção de resíduos sólidos; 2) Manter um programa interno de separação de resíduos sólidos; 3) Manter um local para armazenamento de resíduos sólidos separados; 4) Manter um local independente e vedado para armazenamento de resíduos sólidos contaminantes; 5) Dispor de critérios específicos para destinação adequada dos resíduos sólidos; 6) Manter monitoramento específico sobre o consumo de energia elétrica; 7) Manter critérios especiais e privilegiados para aquisição de produtos e equipamentos que apresentem eficiência energética e redução de consumo; 8) Manter monitoramento específico sobre o consumo de água e planos para redução e/ou uso eficiente da água; 9) Manter critérios especiais e privilegiados para aquisição e uso de equipamentos e complementos que promovam a redução do consumo de água; 10) Manter registros específicos e local adequado para armazenamento de produtos nocivos e poluentes; 11) Manter critérios especiais e privilegiados para aquisição e uso de produtos biodegradáveis; 12) Manter critérios de qualificação de fornecedores levando em conta as ações ambientais realizadas por eles. Na pesquisa de Costa, Almeida e Costa (2001) em hotéis de quatro e cinco estrelas, verificou-se que a gestão de empresas hoteleiras possui uma tendência para a adoção de uma posição reativa, ou seja, empresas caracterizadas como cumpridoras de regras. Mesmo porque, com base em Figueiredo (1994), o voluntarismo de convicções internas que poderia existir nas ações ambientais é barrado pela intenção do lucro com vendas adicionais de mercadorias (freqüente no setor de serviços) implica, quase

3 3 sempre, em maior geração de resíduos. O que existe, segundo este autor, é uma escamoteação da questão do consumo de forma leviana em relação à necessidade de se tratar a questão a partir de suas raízes, a partir de uma educação ambiental, à luz dos valores que norteiam as sociedades contemporâneas. Ballestero-Alvarez (2001) conceitua um SGA como o conjunto formado pela estrutura organizacional, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos necessários para implementar e manter o gerenciamento ambiental por parte da empresa. Reiterando a pesquisa dos autores citados acima, para essa autora, o setor de serviços no Brasil é o que mais tem demorado para absorver mudanças relacionadas à qualidade ambiental ocorridas no cenário mundial, como implantar um SGA. 3 - A Psicologia e a Questão Ambiental nas Organizações O presente estudo aproxima-se da Psicologia do meio ambiente, que possui interfaces com o campo da Psicologia social e do trabalho. Segundo Dorsch (2001, p.758) essa área aparece para designar as atividades da pesquisa e da prática psicológica que se pode relacionar estreitamente com os chamados problemas ambientais, tais como a proteção do meio ambiente. Czapski (1998) afirma que o meio ambiente não deveria ser apresentado só como entorno físico, mas compreendido também como um dos aspectos sociais, culturais, econômicos etc., que são inter-relacionados entre si. Tauk-Tornisielo (1995) complementa essa idéia apresentando a necessidade de padronização da terminologia referente à análise ambiental e da atuação de equipes multidisciplinares. Segundo Oliveira (2005) e Souza (2002) entre 1970 e 1980 as mudanças de práticas ambientais, como parte da responsabilidade social das empresas, foram uma resposta das empresas tanto a sanções legais, a vigilância de órgãos públicos, quanto sociais, por parte de ambientalistas, organizações não governamentais etc. Ilustrando o posicionamento do estado de Goiás perante a questão ambiental verifica-se a partir da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento de Goiás SEPLAN (2005, p.95) que: A implantação de programas, projetos e ações que geram desenvolvimento econômico devem levar em conta a questão ambiental. Já não se concebe mais promover o crescimento econômico a qualquer custo, desrespeitando o meio ambiente e seus recursos naturais.

4 4 A responsabilidade ambiental tem se tornado de interesse para os empresários, uma vez que adotar ações isoladas de proteção ao meio ambiente é imediatamente mais barato e lucrativo do que apresentar indicadores consistentes de responsabilidade social. Assim a implantação de ações referentes à gestão ambiental favorece a redução de custos com energia, água e demais insumos; possibilita maior envolvimento dos funcionários, maior satisfação e produtividade; além de resultar em melhorias na imagem da empresa perante o mercado, afetando positivamente o comportamento do consumidor. As empresas então separam as ações de responsabilidade ambiental das de responsabilidade social (como se isso fosse de fato possível!), burlando as próprias posturas a fim de atingir os benefícios do status de ser responsável, mesmo que de forma fragmentada, com apenas determinadas ações. Conforme a prática profissional de grande número de responsáveis pela área, ainda conhecida como Recursos Humanos, as ações voltadas à preservação do meio ambiente tem se tornado uma atribuição, na maioria das vezes, do psicólogo organizacional em contextos empresariais, centralizada neste departamento. Diferente da recomendação de Dejours (1996) de que elas deveriam efetuar-se paralelamente e em conjunto com a de recursos humanos. No entanto o maior obstáculo do país em relação à recorrência dos problemas apontados por profissionais que trabalham na área ambiental, segundo Freire (1995), é a insuficiência de recursos humanos especializados. Guedes (2004) atenta para a necessidade de programas de educação ambiental contínuos, envolvendo todos os funcionários, inclusive chefias com o processo, pois caso isso não ocorra de nada adiantará ter um SGA perfeito burocraticamente. Souza (2002) apresenta o modelo de conformidade ambiental em que há o cumprimento restrito das regulações e leis aplicáveis, visando maximizar o retorno para os investidores. As despesas ambientais são vistas como custos. E no modelo estratégico as despesas ambientais são vistas como investimentos na criação de vantagens competitivas. Empresas que atuam em mercados de produtos altamente diferenciados tendem a se inserir neste modelo de gestão ambiental. A postura de quem adota estratégias pró-ativas é contrária a da reativa: compreende as demandas ambientais como duráveis e urgentes.

5 5 A presidência da ABIH, segundo a BR PRO (2004), acentua a necessidade de ações estratégias, uma vez que com os conceitos de responsabilidade ambiental exigidos pela nova matriz de classificação para concessão de estrelas, grandes operadoras internacionais iniciaram um claro posicionamento de não enviar turistas a destinos que não tenham um programa de responsabilidade ambiental adotado. Assim, pode-se afirmar que a gestão ambiental em hotéis se configura como uma exigência que está posta. A crise ambiental vivida intensamente, proveniente da atuação inadequada das empresas em relação ao meio ambiente, merece atenção e estudo a fim de se conhecer a percepção dos trabalhadores por meio da análise de seus discursos. II - Método Para Zanelli (2002), na pesquisa qualitativa, busca-se compreender o significado que a realidade tem para os pesquisados. Logo, realizou-se entrevistas semi-estruturadas individuais com trabalhadores do grupo de chefias G1 e o grupo de trabalhadores operacionais G2, além da análise documental 1. O roteiro de entrevista foi baseado na norma ISO da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT (1996), que define os princípios para a implantação de um SGA, em Hormozi (1997) e nos itens específicos de ação ambiental do manual de avaliação da EMBRATUR. Após a transcrição literal das entrevistas (realizada com consentimento dos entrevistados) utilizou-se para tratamento de dados a técnica de análise gráfica do discurso de Lane (1985), em que o discurso é reproduzido graficamente, mantendo-se as setas e os números que indicavam a relação e a seqüência de forma a se poder ler a entrevista tal qual fora produzida. Na medida em que os gráficos se configuram os núcleos de pensamento se destacam e detecta-se neles, quando descritos, a apresentação de contradições e rupturas o que permite detectar elementos ideológicos que permeiam os indivíduos e assim pode-se constatar a sua consciência se processando. Participaram do estudo de caso sete entrevistados: quatro compunham o G1, escolhidos intencionalmente, pois o grupo contemplava todos os nomeados para a comissão de gestão ambiental do hotel e os outros três compunham o G2, escolhidos aleatoriamente. Quatro entrevistados haviam cursado o ensino médio, dois apenas o ensino fundamental e um tinha nível superior completo. Todos eram trabalhadores com vínculo empregatício com o hotel. Dois deles estavam na empresa desde sua fundação 1 Os documentos não foram listados nas referências bibliográficas para fins de garantir o sigilo da empresa pesquisada.

6 6 em 1986, outros dois tinham mais de 12 anos de antigüidade e o restante entre mais de dois e até sete anos na empresa. Em 1999 o hotel passou por reformas em infra-estrutura e nos procedimentos de prestação de serviços. Para isso investiu R$ 2 milhões para reclassificação como Hotel Luxo de categoria superior 5 estrelas, junto a EMBRATUR e a ABNT. Dentre os demais programas realizados pelo hotel ressalta-se o programa de responsabilidade social, assumido como atribuição do departamento de Recursos Humanos. Também foi listado em outro item a contribuição em prol dos interesses e do crescimento da organização aliados ao crescimento da comunidade a partir de sua política e programas como o programa de qualidade de vida dos colaboradores. III Análise e discussão dos resultados Os itens específicos de ações ambientais para classificação cinco estrelas mostraram-se mais adiantados que as necessidades de recursos subjetivos (mudança de condutas, iniciativa para desenvolver indicadores claros e objetivos, comunicação e envolvimento dos trabalhadores), de acordo com o discurso dos participantes. Tido como de grande importância, o SGA do hotel foi comparado ao de outras empresas que segundo uma das chefias: não tem nada do que a gente tem (E3G1) 2. Houve também considerações de trabalhadores do G1 que o SGA: representa... diferenciamento... Em ter qualidade de vida (E4G1). Aqui percebe-se a associação feita entre qualidade ambiental e qualidade de vida, pouco percebida, inclusive na documentação do hotel. Para os entrevistados do G2 a representação do SGA é baseada na crença de uma melhoria, as referências ao conhecimento do um SGA parecem distantes: Uai, eu creio que toda empresa deveria ter isso aqui, né? esse, essa implantação dessa gestão ambiental... (E5G2). A falta de envolvimento foi encarada como fruto da acomodação ou da falta de cobrança. O SGA foi percebido como fragmentado, sem integração entre as partes responsáveis: Eu não vejo um projeto montado... um planejamento específico... um setor encarregado... nada de concreto... Na verdade, pros nossos trabalhadores, você fala pra eles: 'Gestão Ambiental' e eles: 'que isso?...na verdade, ninguém sabe, a gente trabalha, mas não se fala (E4G1). 2 Legenda referente aos entrevistados da pesquisa, sendo E entrevistado seguido do número e G grupo ao qual pertence, podendo ser G1 grupo de chefias ou G2 grupo de trabalhadores de nível operacional.

7 7 Observou-se contradição entre o discurso do G1 e o do G2 quanto ao conhecimento do que era feito no hotel em relação à gestão ambiental. Tanto os entrevistados do G1 como os do G2 indicaram desconhecimento parcial ou total das evidências físicas e documentais de atividades voltadas às ações ambientais realizadas, com a ressalva de que os entrevistados do G2 tiveram maior freqüência para o desconhecimento das questões relativas ao SGA. Devido às falhas de comunicação pontuadas pelos trabalhadores sugere-se que se atente para a alerta de Heloani (2003) para a empresa adotar uma linguagem que legitima os sistemas de regras para ter crédito e situar-se em relação às normas que ela enuncia para desenvolver uma comunicação eficaz tida por Ballestero-Alvarez (2001), Donaire (1996) e outros como requisito para o SGA, além estar atrelada às exigências dos itens específicos para gestão ambiental, segundo a matriz de classificação estabelecida pela EMBRATUR A alta administração do hotel ao assumir a adaptação resistente (SOUZA, 2002) indica que a empresa está a caminho de uma fase de percepção em que há reconhecimento que a variável ambiental é importante, porém ainda não se providenciou pessoal especializado, postura criticada por Freire (1995) e pelos próprios representantes da comissão ambiental, uma vez que relataram sentir despreparo para assumir as atividades da área ambiental, devido sua escolha aleatória pela direção do hotel. O nível incipiente do programa pode ser justificado pela conseqüente falta de cumprimento devido das etapas de implantação de um SGA descritas pela ABNT (1996), Ballestero-Alvarez (2001) e Hormozi (1997) que também caracteriza a falta de percepção da empresa para essa necessidade. Os resultados apontaram que a questão ambiental ainda é tida predominantemente por um ângulo defensivo, característica do modelo de conformidade de Souza (2002). O discurso de preocupação com a questão ambiental é o que mais parece permitir a sustentação de uma boa imagem institucional no mercado para a empresa, característico do modelo estratégico (SOUZA, 2002) ao se utilizarem do marketing para imagem ambiental da empresa a fim de obter vantagens competitivas, segundo Oliveira (2005). A falta de indicadores precisos e claros para um balanço social, impossibilita a

8 8 divulgação da afirmação certa de redução de gastos com as ações ambientais praticadas no ambiente interno da empresa. Esses benefícios (OLIVEIRA, 2005) se apresentaram como mínimos para o hotel em vista do que o programa mais sistematizado poderia realmente resultar. Sugere-se então à empresa pesquisada que se utilize de estratégias pró-ativas para garantirem o adjetivo de ambientalmente responsável. E mais que uma certificação ou reclassificação, sustente o diferencial de empresa ética e de ações ambientais mais voluntaristas que contingentes, uma vez que afirma em seu discurso oficial que o interesse voluntarista às questões ambientais antecedeu os interesses contingenciais. Parece haver nos gestores responsáveis pela comissão de gestão ambiental, o que se convencionou chamar de consciência ambiental. O que indica estar em falta são atitudes características de um comportamento organizacional integrado voltado às questões ambientais, que ainda precisa ser estabelecido e conhecido. Souza (2002) e SEBRAE (1998) afirmam que as empresas mais avançadas que atuam em mercados de produtos e prestação de serviços altamente diferenciados tendem a adotar um modelo estratégico de gestão ambiental, em que a preocupação com o meio ambiente torna-se um valor para a integração dos temas qualidade, proteção ambiental, saúde ocupacional e segurança, convergindo para uma postura de maior responsabilidade social da organização perante seus colaboradores, fornecedores e a sociedade em geral. A sugestão de intervenção é justamente assumir essa tendência na atuação da empresa, que presta serviços altamente diferenciados. A contribuição desse estudo pode sensibilizar a alta administração enfocando aspectos tais como os apresentados, com ênfase para o desenvolvimento de um programa de educação ambiental para o programa de gestão ambiental aliado à capacidade de diálogo e comunicação contínua, além de profissionais com formação especializada na área ambiental, além da manutenção do cumprimento à legislação. A difusão de uma cultura ambiental na empresa que deve ser ensinada, conhecida e vivida por todos como parte constitutiva da responsabilidade social da empresa, conforme Alves (2004), Ckzapski (1998) Donaire (1996), Freire (1995), Guedes (2004) e Oliveira (2005) para que haja o envolvimento necessário. Espera-se que as sugestões estimulem discussões críticas e construtivas com respeito à preocupação e conscientização ambiental emergente, como parte de prática

9 9 social responsável, que emerge do discurso dos trabalhadores e aponta para as perspectivas futuras da empresa pesquisada. Referências Bibliográficas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE HOTÉIS ABIH. Deliberação Normativa n.º 429, de 23 de abril de Disponível em: < http: Acesso em: 07 jun ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE HOTÉIS, SEÇÃO GOIÁS - ABIHGO. Notícias: Goiás é o 5º em investimentos hoteleiros. Disponível em: < http: Acesso em: 07 jun ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT. NBR ISO 14001: Sistemas de Gestão Ambiental. Rio de Janeiro: ALVES, Luis Roberto. Uma Leitura Didática de Cultura Organizacional: entre o Invento da Enunciação e o Impasse do Enunciado. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação em Pesquisa em Administração, Anais...São Paulo, BALLESTERO-ALVAREZ, Maria Esmeralda (coord.). Administração da Qualidade e da Produtividade: abordagens do processo administrativo. Atlas: BR PRO Produtividade Consultoria S/C Ltda. Cartilha de Classificação de Meios de Hospedagem. Curitiba, CZAPSKI, S. A implantação da Educação Ambiental no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Educação e do Desporto, COSTA, Benny Kramer Costa, ALMEIDA, Martinho Isnard Ribeiro e COSTA, Frederico Kramer. Modelo Resultante de Análise na Gestão de Empresas Hoteleiras. In: EnANPAD - Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós- Graduação em Pesquisa em Administração, Anais...São Paulo, DONAIRE, Denis. A internalização da gestão ambiental na empresa. Revista de Administração da Universidade de São Paulo. v. 31, n. 1, p.44-51, jan./mar DORSCH, Friedrich e cols. Dicionário de Psicologia Dorsch. Petrópolis: Vozes, FREIRE, Oneida Divina da Silva. Estratégias institucionais de fomento à formação de profissionais na área ambiental. In: TAUK-TORNISIELO, Sâmia Maria, GOBBI, Nivar e FOWLER, Harold Gordon. (orgs.) Análise Ambiental: uma análise

10 10 multidisciplinar. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, FIGUEIREDO, Paulo Jorge Moraes. A sociedade do lixo. Os resíduos, a questão energética e a crise ambiental. Piracicaba: editora UNIMEP, GUEDES, Clóvis. Ajudando na implantação de um sistema de gestão ambiental. São Paulo: editora Epse. Revista Falando de Qualidade: Gestão, Processos e Meio Ambiente. Ano XIII, p , n. 146, julho HELOANI, José Roberto. Gestão e Organização no Capitalismo Globalizado: História da Manipulação Psicológica no Mundo do Trabalho. São Paulo: Atlas, HORMOZI, Amir M. ISO 14000: The next focus in standardization. Sam Advanced Management Journal. College of Business, Texas A e M University-Corpus Christi v. 62, n. 3, p.32-40, summer LANE, Silvia T. Maurer. Uma análise gráfica do discurso. In: Psicologia e Sociedade, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, p , MACÊDO, Kátia Barbosa. (org.), SANTOS, E.A., FARIA, K.M.O. e (cols.). Gestão Ambiental em Organizações Goianas: a percepção dos trabalhadores. No prelo OLIVEIRA, J. A. P. Responsabilidade ampliada. Revista GV executivo: Inovação e Conectividade. Fundação Getúlio Vargas, v.4, n. 2, p.78-81, mai/jul SERVIÇO BRASILEIRO PARA A PEQUENA E MÉDIA EMPRESA - SEBRAE. A questão ambiental e as empresas. Brasília: Edição Sebrae, SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SEPLAN. Meio Ambiente: Qualidade de Vida. Revista Economia e Desenvolvimento: Conjuntura Socioeconômica de Goiás, jan SOUZA, R. S. A evolução e condicionantes da gestão ambiental nas empresas. REAd Revista de Administração Edição Especial 30. Universidade Federal de Santa Maria: UFSM. v. 8, n. 6, p.1-22, nov./dez ZANELLI, José Carlos. Pesquisa qualitativa em estudos de gestão de pessoas. Revista Estudos em Psicologia (Natal). V. 7, n. spe. Natal, TAUK-TORNISIELO, Sâmia Maria, GOBBI, Nivar e FOWLER, Harold Gordon.(orgs.) Análise Ambiental: uma análise multidisciplinar. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1995.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

AUDITORIA INTERNA COMO INSTRUMENTO DE VERIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ESTUDO DE CASO EM UM EMPREENDIMENTO HOTELEIRO

AUDITORIA INTERNA COMO INSTRUMENTO DE VERIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ESTUDO DE CASO EM UM EMPREENDIMENTO HOTELEIRO AUDITORIA INTERNA COMO INSTRUMENTO DE VERIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ESTUDO DE CASO EM UM EMPREENDIMENTO HOTELEIRO Adriano Lucena (*), Isaiane Vieira de Melo, Diego Rodrigues de Lucena *Professor

Leia mais

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa.

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa. Forma de coleta e período Nesta pesquisa exploratória, as entrevistas foram pessoais e telefônicas, tendo sido realizadas entre 25 de novembro de 2014 e 10 de abril de 2015. As entrevistas com os líderes

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

INFORMAÇÕES RELACIONADAS ÀS SITUAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE SEIS MEIOS DE HOSPEDAGEM

INFORMAÇÕES RELACIONADAS ÀS SITUAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE SEIS MEIOS DE HOSPEDAGEM INFORMAÇÕES RELACIONADAS ÀS SITUAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE SEIS MEIOS DE HOSPEDAGEM Patrícia P. P. Cesa 1 Suzana Maria De Conto 2 Resumo Quais são as informações que os responsáveis

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS Cláudio Alexandre de Souza José Manoel Gonçalves Gândara Katleen Nairene Rolan Biavatti

Leia mais

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA:

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES NO ENANPAD ENTRE OS ANOS DE 010 014. Ronaldo Maciel Guimarães 1. RESUMO Como o mercado vem sofrendo

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Título - Gestão ambiental em organizações: as contradições percebidas pelas trabalhadores Autor- Dra. Kátia Barbosa Macêdo Universidade Católica de

Título - Gestão ambiental em organizações: as contradições percebidas pelas trabalhadores Autor- Dra. Kátia Barbosa Macêdo Universidade Católica de Título - Gestão ambiental em organizações: as contradições percebidas pelas trabalhadores Autor- Dra. Kátia Barbosa Macêdo Universidade Católica de Goiás katia.macedo@cultura.com.br Co-autores- Elise Alves

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS 1 GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS Murilo Fortunato Dropa (UTFPR) mfdropa@hotmail.com Ivanir Luiz

Leia mais

A Importância da Matriz de Classificação da EMBRATUR para o Paradigma Ambiental nos Meios de Hospedagem da Região Uva e Vinho

A Importância da Matriz de Classificação da EMBRATUR para o Paradigma Ambiental nos Meios de Hospedagem da Região Uva e Vinho 1 A Importância da Matriz de Classificação da EMBRATUR para o Paradigma Ambiental nos Meios de Hospedagem da Região Uva e Vinho Autor: Roberto do Nascimento e Silva.* Universidade de Caxias do Sul - Aluno

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA PRIVADA NA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE CATOLÉ DO ROCHA PB

A RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA PRIVADA NA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE CATOLÉ DO ROCHA PB A RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA PRIVADA NA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE CATOLÉ DO ROCHA PB MOISÉS OZÓRIO DE SOUZA NETO JOSUÉ BEZERRA DA COSTA FRANCISCO TAVARES FILHO Natal

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

Por que ouvir é fundamental.

Por que ouvir é fundamental. Por que ouvir é fundamental. Apresentação GRUPO ATTITUDE SA Líder na América Latina em comunicação de negócios e construção de relacionamentos para incremento da reputação Atuação no âmbito estratégico

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO U.F.: 1995-1998 DF GOVERNADOR: Cristovam

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários Perfil das empresas Porte da Empresa (NA) Média 84 De 00 a 499 funcionários Grande 69 4 00 ou mais funcionários 3 00 Tipo de indústria (NA) Indústria/agência de embalagens 33 Usuária de embalagens 02 67

Leia mais

Gestão ambiental no curso de administração: a percepção dos futuros gestores

Gestão ambiental no curso de administração: a percepção dos futuros gestores Gestão ambiental no curso de administração: a percepção dos futuros gestores Aparecida Rodrigues Rebouças 1 Luana Lacaze de C. Casella 2 RESUMO As questões ambientais, tão discutidas neste novo século,

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 Erika Gisele Lotz. Universidade Tuiuti do Paraná e Faculdades Spei Curitiba R. General Aristides Athaide Jr. 414 apto. 308 Curitiba

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS

CONTABILIDADE AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS CONTABILIDADE AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS Karla Priscilla Sales de LIMA Universidade Federal do Maranhão

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1.1. TÍTULO: Viagens de Estudos e Visitas Técnicas Internacionais

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão Mais Eficiência e Eficácia cia nas Organizações Através s da Gestão de Processos Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão 14/03/2007 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental e o Pilar de Meio Ambiente A Experiência da Eletronorte Rondônia Para a produção Sustentável de Energia Elétrica

Sistema de Gestão Ambiental e o Pilar de Meio Ambiente A Experiência da Eletronorte Rondônia Para a produção Sustentável de Energia Elétrica Sistema de Gestão Ambiental e o Pilar de Meio Ambiente A Experiência da Eletronorte Rondônia Para a produção Sustentável de Energia Elétrica F. I. B. S. Bastos a, J. M. Degan b, E. Temporim Filho c a.

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESTÚDIO PILATES, YOGA E FISIOTERAPIA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESTÚDIO PILATES, YOGA E FISIOTERAPIA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESTÚDIO PILATES, YOGA E FISIOTERAPIA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA FELIPE RABELO DE AGUIAR Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA feliperabelo11@yahoo.com.br Héber Lavor Moreira Professor Orientador

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES Alessandra Aparecida da Silva, Unisalesiano de Lins e-mail: alessandrasilvamig@yahoo.com.br Renata Angélica Freitas, Unisalesiano de Lins

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Se hoje investir em responsabilidade socioambiental é uma opção, em breve será praticamente obrigatório para se manter no mercado. Especialistas da indústria

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS

INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS ARTIGO INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS Elaine Arantes Graduada em Administração- FAE; Especialista em Planejamento e Gestão de Negócios FAE.

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. 23 e 24 de Novembro. LOCAL: Brasília, DF

SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. 23 e 24 de Novembro. LOCAL: Brasília, DF 23 e 24 de Novembro LOCAL: Brasília, DF SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres Nas últimas décadas, o mundo tem testemunhado o desenvolvimento da consciência ambiental em diferentes setores da sociedade,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS SEMANA AMBIENTAL NA BRASIMET 2006 CIDADANIA E EDUCAÇÃO PARA UM PLANETA MELHOR A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS A atual conjuntura econômica e os novos cenários sócio-ambientais nacionais e internacionais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda.

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. 1 Objetivo Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento do Laboratório Weinmann Ltda. com as suas partes interessadas

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA.

SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA. SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA. 1 SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA. PAPEL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE PESSOAS

Leia mais

13 e 14. SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. Abril

13 e 14. SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. Abril 13 e 14 Abril LOCAL: Rio de Janeiro - RJ SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas Evento direcionado para a área de Gestão de Pessoas

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO Bem-vindo aos Programas Executivos do ISAG. A experiência adquirida ao longo dos anos e a atualização de conceitos, permitiu ao ISAG European Business School desenvolver

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Programa... 4. Duração do Curso... 4. Idioma... 4. Coordenador... 5. Docentes...

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Programa... 4. Duração do Curso... 4. Idioma... 4. Coordenador... 5. Docentes... MÓDULO INTERNACIONAL MÓDULO INTERNACIONAL Data de realização: 10 a 17 de Outubro de 2015 Convênio..................... 3 Apresentação.................... 3 ISCTE / INDEG....................... 3 Programa.......................

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais