As Percepções sobre Gestão Ambiental dos Trabalhadores em um Hotel Metropolitano de Luxo de Goiás Elise Alves dos Santos Universidade Católica de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Percepções sobre Gestão Ambiental dos Trabalhadores em um Hotel Metropolitano de Luxo de Goiás Elise Alves dos Santos Universidade Católica de"

Transcrição

1 As Percepções sobre Gestão Ambiental dos Trabalhadores em um Hotel Metropolitano de Luxo de Goiás Elise Alves dos Santos Universidade Católica de Goiás Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Introdução Este estudo foi realizado em um hotel cinco estrelas associado à Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, seção Goiás ABIHGO. Objetivou investigar como os trabalhadores percebiam o SGA Sistema de Gestão Ambiental desta empresa de médio porte dentro de seu contexto de trabalho. Considerando-se a dialética da constituição da sociedade e do sujeito, existem poucos estudos em Goiás com sujeitos trabalhadores de empresas que aderiram a programas de gestão ambiental, o que confere caráter diferencial do presente trabalho, justificando sua necessidade. Os resultados deste caso se destacaram perante demais empresas da região metropolitana de Goiânia e da hotelaria em Goiás, em função de seu adiantamento em relações às ações ambientais praticadas de acordo com Macêdo e cols. (2007). 1- O Contexto Empresarial Hoteleiro A hotelaria nacional possui em torno de 25 mil meios de hospedagem; movimenta cerca de US$ 8 bilhões ao ano; possui um patrimônio de R$ 78,7 bilhões e gasta em média R$ 2 bilhões por ano com mão de obra. Segundo a ABIH (2007) os hotéis investem cerca de US$ 50 milhões por ano somente para manter o que já existe. De acordo com a ABIHGO (2007), Goiás é um dos cinco estados brasileiros que mais atraem investimentos no setor, junto ao Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Pernambuco. O estado de Goiás é o 16º do país com maior quantidade de apartamentos em hotéis: são 2598 espalhados em 34 hotéis na capital e 17 em outros cinco municípios no interior do estado. Até 2009 estima-se que 152 novos empreendimentos hoteleiros sejam inaugurados em Goiás, dentre eles um hotel a se instalar em Goiânia, de uma grande rede nacional em operação no Brasil, apontando como um forte concorrente em potencial para o hotel em estudo, mesmo considerando a situação de baixo índice de ocupação (abaixo de 40%) em Goiás. Na capital do estado o hotel metropolitano pesquisado continua se reservando até o momento e desde 1999, o único com o título de cinco estrelas, segundo a matriz de classificação da ABIHGO (2007).

2 2 2- Cinco estrelas Para instituir um novo sistema de classificação dos meios de hospedagem, a diretoria da Instituto Brasileiro de Turismo EMBRATUR resolveu na deliberação normativa de 2002 que os regulamentos ora instituídos modificassem o Regulamento dos Meios de Hospedagem, o Manual de Avaliação e a Matriz de Classificação. Desde então, surgiram conceitos de responsabilidade ambiental avaliativos do padrão para concessão de estrelas. Foram estabelecidos 12 Itens Específicos de Ações Ambientais exigidos para classificação de hotel categoria luxo, simbolizado pelas cinco estrelas: 1) Manter um programa interno de treinamento de funcionários para a redução do consumo de energia elétrica, de água e de produção de resíduos sólidos; 2) Manter um programa interno de separação de resíduos sólidos; 3) Manter um local para armazenamento de resíduos sólidos separados; 4) Manter um local independente e vedado para armazenamento de resíduos sólidos contaminantes; 5) Dispor de critérios específicos para destinação adequada dos resíduos sólidos; 6) Manter monitoramento específico sobre o consumo de energia elétrica; 7) Manter critérios especiais e privilegiados para aquisição de produtos e equipamentos que apresentem eficiência energética e redução de consumo; 8) Manter monitoramento específico sobre o consumo de água e planos para redução e/ou uso eficiente da água; 9) Manter critérios especiais e privilegiados para aquisição e uso de equipamentos e complementos que promovam a redução do consumo de água; 10) Manter registros específicos e local adequado para armazenamento de produtos nocivos e poluentes; 11) Manter critérios especiais e privilegiados para aquisição e uso de produtos biodegradáveis; 12) Manter critérios de qualificação de fornecedores levando em conta as ações ambientais realizadas por eles. Na pesquisa de Costa, Almeida e Costa (2001) em hotéis de quatro e cinco estrelas, verificou-se que a gestão de empresas hoteleiras possui uma tendência para a adoção de uma posição reativa, ou seja, empresas caracterizadas como cumpridoras de regras. Mesmo porque, com base em Figueiredo (1994), o voluntarismo de convicções internas que poderia existir nas ações ambientais é barrado pela intenção do lucro com vendas adicionais de mercadorias (freqüente no setor de serviços) implica, quase

3 3 sempre, em maior geração de resíduos. O que existe, segundo este autor, é uma escamoteação da questão do consumo de forma leviana em relação à necessidade de se tratar a questão a partir de suas raízes, a partir de uma educação ambiental, à luz dos valores que norteiam as sociedades contemporâneas. Ballestero-Alvarez (2001) conceitua um SGA como o conjunto formado pela estrutura organizacional, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos necessários para implementar e manter o gerenciamento ambiental por parte da empresa. Reiterando a pesquisa dos autores citados acima, para essa autora, o setor de serviços no Brasil é o que mais tem demorado para absorver mudanças relacionadas à qualidade ambiental ocorridas no cenário mundial, como implantar um SGA. 3 - A Psicologia e a Questão Ambiental nas Organizações O presente estudo aproxima-se da Psicologia do meio ambiente, que possui interfaces com o campo da Psicologia social e do trabalho. Segundo Dorsch (2001, p.758) essa área aparece para designar as atividades da pesquisa e da prática psicológica que se pode relacionar estreitamente com os chamados problemas ambientais, tais como a proteção do meio ambiente. Czapski (1998) afirma que o meio ambiente não deveria ser apresentado só como entorno físico, mas compreendido também como um dos aspectos sociais, culturais, econômicos etc., que são inter-relacionados entre si. Tauk-Tornisielo (1995) complementa essa idéia apresentando a necessidade de padronização da terminologia referente à análise ambiental e da atuação de equipes multidisciplinares. Segundo Oliveira (2005) e Souza (2002) entre 1970 e 1980 as mudanças de práticas ambientais, como parte da responsabilidade social das empresas, foram uma resposta das empresas tanto a sanções legais, a vigilância de órgãos públicos, quanto sociais, por parte de ambientalistas, organizações não governamentais etc. Ilustrando o posicionamento do estado de Goiás perante a questão ambiental verifica-se a partir da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento de Goiás SEPLAN (2005, p.95) que: A implantação de programas, projetos e ações que geram desenvolvimento econômico devem levar em conta a questão ambiental. Já não se concebe mais promover o crescimento econômico a qualquer custo, desrespeitando o meio ambiente e seus recursos naturais.

4 4 A responsabilidade ambiental tem se tornado de interesse para os empresários, uma vez que adotar ações isoladas de proteção ao meio ambiente é imediatamente mais barato e lucrativo do que apresentar indicadores consistentes de responsabilidade social. Assim a implantação de ações referentes à gestão ambiental favorece a redução de custos com energia, água e demais insumos; possibilita maior envolvimento dos funcionários, maior satisfação e produtividade; além de resultar em melhorias na imagem da empresa perante o mercado, afetando positivamente o comportamento do consumidor. As empresas então separam as ações de responsabilidade ambiental das de responsabilidade social (como se isso fosse de fato possível!), burlando as próprias posturas a fim de atingir os benefícios do status de ser responsável, mesmo que de forma fragmentada, com apenas determinadas ações. Conforme a prática profissional de grande número de responsáveis pela área, ainda conhecida como Recursos Humanos, as ações voltadas à preservação do meio ambiente tem se tornado uma atribuição, na maioria das vezes, do psicólogo organizacional em contextos empresariais, centralizada neste departamento. Diferente da recomendação de Dejours (1996) de que elas deveriam efetuar-se paralelamente e em conjunto com a de recursos humanos. No entanto o maior obstáculo do país em relação à recorrência dos problemas apontados por profissionais que trabalham na área ambiental, segundo Freire (1995), é a insuficiência de recursos humanos especializados. Guedes (2004) atenta para a necessidade de programas de educação ambiental contínuos, envolvendo todos os funcionários, inclusive chefias com o processo, pois caso isso não ocorra de nada adiantará ter um SGA perfeito burocraticamente. Souza (2002) apresenta o modelo de conformidade ambiental em que há o cumprimento restrito das regulações e leis aplicáveis, visando maximizar o retorno para os investidores. As despesas ambientais são vistas como custos. E no modelo estratégico as despesas ambientais são vistas como investimentos na criação de vantagens competitivas. Empresas que atuam em mercados de produtos altamente diferenciados tendem a se inserir neste modelo de gestão ambiental. A postura de quem adota estratégias pró-ativas é contrária a da reativa: compreende as demandas ambientais como duráveis e urgentes.

5 5 A presidência da ABIH, segundo a BR PRO (2004), acentua a necessidade de ações estratégias, uma vez que com os conceitos de responsabilidade ambiental exigidos pela nova matriz de classificação para concessão de estrelas, grandes operadoras internacionais iniciaram um claro posicionamento de não enviar turistas a destinos que não tenham um programa de responsabilidade ambiental adotado. Assim, pode-se afirmar que a gestão ambiental em hotéis se configura como uma exigência que está posta. A crise ambiental vivida intensamente, proveniente da atuação inadequada das empresas em relação ao meio ambiente, merece atenção e estudo a fim de se conhecer a percepção dos trabalhadores por meio da análise de seus discursos. II - Método Para Zanelli (2002), na pesquisa qualitativa, busca-se compreender o significado que a realidade tem para os pesquisados. Logo, realizou-se entrevistas semi-estruturadas individuais com trabalhadores do grupo de chefias G1 e o grupo de trabalhadores operacionais G2, além da análise documental 1. O roteiro de entrevista foi baseado na norma ISO da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT (1996), que define os princípios para a implantação de um SGA, em Hormozi (1997) e nos itens específicos de ação ambiental do manual de avaliação da EMBRATUR. Após a transcrição literal das entrevistas (realizada com consentimento dos entrevistados) utilizou-se para tratamento de dados a técnica de análise gráfica do discurso de Lane (1985), em que o discurso é reproduzido graficamente, mantendo-se as setas e os números que indicavam a relação e a seqüência de forma a se poder ler a entrevista tal qual fora produzida. Na medida em que os gráficos se configuram os núcleos de pensamento se destacam e detecta-se neles, quando descritos, a apresentação de contradições e rupturas o que permite detectar elementos ideológicos que permeiam os indivíduos e assim pode-se constatar a sua consciência se processando. Participaram do estudo de caso sete entrevistados: quatro compunham o G1, escolhidos intencionalmente, pois o grupo contemplava todos os nomeados para a comissão de gestão ambiental do hotel e os outros três compunham o G2, escolhidos aleatoriamente. Quatro entrevistados haviam cursado o ensino médio, dois apenas o ensino fundamental e um tinha nível superior completo. Todos eram trabalhadores com vínculo empregatício com o hotel. Dois deles estavam na empresa desde sua fundação 1 Os documentos não foram listados nas referências bibliográficas para fins de garantir o sigilo da empresa pesquisada.

6 6 em 1986, outros dois tinham mais de 12 anos de antigüidade e o restante entre mais de dois e até sete anos na empresa. Em 1999 o hotel passou por reformas em infra-estrutura e nos procedimentos de prestação de serviços. Para isso investiu R$ 2 milhões para reclassificação como Hotel Luxo de categoria superior 5 estrelas, junto a EMBRATUR e a ABNT. Dentre os demais programas realizados pelo hotel ressalta-se o programa de responsabilidade social, assumido como atribuição do departamento de Recursos Humanos. Também foi listado em outro item a contribuição em prol dos interesses e do crescimento da organização aliados ao crescimento da comunidade a partir de sua política e programas como o programa de qualidade de vida dos colaboradores. III Análise e discussão dos resultados Os itens específicos de ações ambientais para classificação cinco estrelas mostraram-se mais adiantados que as necessidades de recursos subjetivos (mudança de condutas, iniciativa para desenvolver indicadores claros e objetivos, comunicação e envolvimento dos trabalhadores), de acordo com o discurso dos participantes. Tido como de grande importância, o SGA do hotel foi comparado ao de outras empresas que segundo uma das chefias: não tem nada do que a gente tem (E3G1) 2. Houve também considerações de trabalhadores do G1 que o SGA: representa... diferenciamento... Em ter qualidade de vida (E4G1). Aqui percebe-se a associação feita entre qualidade ambiental e qualidade de vida, pouco percebida, inclusive na documentação do hotel. Para os entrevistados do G2 a representação do SGA é baseada na crença de uma melhoria, as referências ao conhecimento do um SGA parecem distantes: Uai, eu creio que toda empresa deveria ter isso aqui, né? esse, essa implantação dessa gestão ambiental... (E5G2). A falta de envolvimento foi encarada como fruto da acomodação ou da falta de cobrança. O SGA foi percebido como fragmentado, sem integração entre as partes responsáveis: Eu não vejo um projeto montado... um planejamento específico... um setor encarregado... nada de concreto... Na verdade, pros nossos trabalhadores, você fala pra eles: 'Gestão Ambiental' e eles: 'que isso?...na verdade, ninguém sabe, a gente trabalha, mas não se fala (E4G1). 2 Legenda referente aos entrevistados da pesquisa, sendo E entrevistado seguido do número e G grupo ao qual pertence, podendo ser G1 grupo de chefias ou G2 grupo de trabalhadores de nível operacional.

7 7 Observou-se contradição entre o discurso do G1 e o do G2 quanto ao conhecimento do que era feito no hotel em relação à gestão ambiental. Tanto os entrevistados do G1 como os do G2 indicaram desconhecimento parcial ou total das evidências físicas e documentais de atividades voltadas às ações ambientais realizadas, com a ressalva de que os entrevistados do G2 tiveram maior freqüência para o desconhecimento das questões relativas ao SGA. Devido às falhas de comunicação pontuadas pelos trabalhadores sugere-se que se atente para a alerta de Heloani (2003) para a empresa adotar uma linguagem que legitima os sistemas de regras para ter crédito e situar-se em relação às normas que ela enuncia para desenvolver uma comunicação eficaz tida por Ballestero-Alvarez (2001), Donaire (1996) e outros como requisito para o SGA, além estar atrelada às exigências dos itens específicos para gestão ambiental, segundo a matriz de classificação estabelecida pela EMBRATUR A alta administração do hotel ao assumir a adaptação resistente (SOUZA, 2002) indica que a empresa está a caminho de uma fase de percepção em que há reconhecimento que a variável ambiental é importante, porém ainda não se providenciou pessoal especializado, postura criticada por Freire (1995) e pelos próprios representantes da comissão ambiental, uma vez que relataram sentir despreparo para assumir as atividades da área ambiental, devido sua escolha aleatória pela direção do hotel. O nível incipiente do programa pode ser justificado pela conseqüente falta de cumprimento devido das etapas de implantação de um SGA descritas pela ABNT (1996), Ballestero-Alvarez (2001) e Hormozi (1997) que também caracteriza a falta de percepção da empresa para essa necessidade. Os resultados apontaram que a questão ambiental ainda é tida predominantemente por um ângulo defensivo, característica do modelo de conformidade de Souza (2002). O discurso de preocupação com a questão ambiental é o que mais parece permitir a sustentação de uma boa imagem institucional no mercado para a empresa, característico do modelo estratégico (SOUZA, 2002) ao se utilizarem do marketing para imagem ambiental da empresa a fim de obter vantagens competitivas, segundo Oliveira (2005). A falta de indicadores precisos e claros para um balanço social, impossibilita a

8 8 divulgação da afirmação certa de redução de gastos com as ações ambientais praticadas no ambiente interno da empresa. Esses benefícios (OLIVEIRA, 2005) se apresentaram como mínimos para o hotel em vista do que o programa mais sistematizado poderia realmente resultar. Sugere-se então à empresa pesquisada que se utilize de estratégias pró-ativas para garantirem o adjetivo de ambientalmente responsável. E mais que uma certificação ou reclassificação, sustente o diferencial de empresa ética e de ações ambientais mais voluntaristas que contingentes, uma vez que afirma em seu discurso oficial que o interesse voluntarista às questões ambientais antecedeu os interesses contingenciais. Parece haver nos gestores responsáveis pela comissão de gestão ambiental, o que se convencionou chamar de consciência ambiental. O que indica estar em falta são atitudes características de um comportamento organizacional integrado voltado às questões ambientais, que ainda precisa ser estabelecido e conhecido. Souza (2002) e SEBRAE (1998) afirmam que as empresas mais avançadas que atuam em mercados de produtos e prestação de serviços altamente diferenciados tendem a adotar um modelo estratégico de gestão ambiental, em que a preocupação com o meio ambiente torna-se um valor para a integração dos temas qualidade, proteção ambiental, saúde ocupacional e segurança, convergindo para uma postura de maior responsabilidade social da organização perante seus colaboradores, fornecedores e a sociedade em geral. A sugestão de intervenção é justamente assumir essa tendência na atuação da empresa, que presta serviços altamente diferenciados. A contribuição desse estudo pode sensibilizar a alta administração enfocando aspectos tais como os apresentados, com ênfase para o desenvolvimento de um programa de educação ambiental para o programa de gestão ambiental aliado à capacidade de diálogo e comunicação contínua, além de profissionais com formação especializada na área ambiental, além da manutenção do cumprimento à legislação. A difusão de uma cultura ambiental na empresa que deve ser ensinada, conhecida e vivida por todos como parte constitutiva da responsabilidade social da empresa, conforme Alves (2004), Ckzapski (1998) Donaire (1996), Freire (1995), Guedes (2004) e Oliveira (2005) para que haja o envolvimento necessário. Espera-se que as sugestões estimulem discussões críticas e construtivas com respeito à preocupação e conscientização ambiental emergente, como parte de prática

9 9 social responsável, que emerge do discurso dos trabalhadores e aponta para as perspectivas futuras da empresa pesquisada. Referências Bibliográficas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE HOTÉIS ABIH. Deliberação Normativa n.º 429, de 23 de abril de Disponível em: < http: Acesso em: 07 jun ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE HOTÉIS, SEÇÃO GOIÁS - ABIHGO. Notícias: Goiás é o 5º em investimentos hoteleiros. Disponível em: < http: Acesso em: 07 jun ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT. NBR ISO 14001: Sistemas de Gestão Ambiental. Rio de Janeiro: ALVES, Luis Roberto. Uma Leitura Didática de Cultura Organizacional: entre o Invento da Enunciação e o Impasse do Enunciado. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação em Pesquisa em Administração, Anais...São Paulo, BALLESTERO-ALVAREZ, Maria Esmeralda (coord.). Administração da Qualidade e da Produtividade: abordagens do processo administrativo. Atlas: BR PRO Produtividade Consultoria S/C Ltda. Cartilha de Classificação de Meios de Hospedagem. Curitiba, CZAPSKI, S. A implantação da Educação Ambiental no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Educação e do Desporto, COSTA, Benny Kramer Costa, ALMEIDA, Martinho Isnard Ribeiro e COSTA, Frederico Kramer. Modelo Resultante de Análise na Gestão de Empresas Hoteleiras. In: EnANPAD - Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós- Graduação em Pesquisa em Administração, Anais...São Paulo, DONAIRE, Denis. A internalização da gestão ambiental na empresa. Revista de Administração da Universidade de São Paulo. v. 31, n. 1, p.44-51, jan./mar DORSCH, Friedrich e cols. Dicionário de Psicologia Dorsch. Petrópolis: Vozes, FREIRE, Oneida Divina da Silva. Estratégias institucionais de fomento à formação de profissionais na área ambiental. In: TAUK-TORNISIELO, Sâmia Maria, GOBBI, Nivar e FOWLER, Harold Gordon. (orgs.) Análise Ambiental: uma análise

10 10 multidisciplinar. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, FIGUEIREDO, Paulo Jorge Moraes. A sociedade do lixo. Os resíduos, a questão energética e a crise ambiental. Piracicaba: editora UNIMEP, GUEDES, Clóvis. Ajudando na implantação de um sistema de gestão ambiental. São Paulo: editora Epse. Revista Falando de Qualidade: Gestão, Processos e Meio Ambiente. Ano XIII, p , n. 146, julho HELOANI, José Roberto. Gestão e Organização no Capitalismo Globalizado: História da Manipulação Psicológica no Mundo do Trabalho. São Paulo: Atlas, HORMOZI, Amir M. ISO 14000: The next focus in standardization. Sam Advanced Management Journal. College of Business, Texas A e M University-Corpus Christi v. 62, n. 3, p.32-40, summer LANE, Silvia T. Maurer. Uma análise gráfica do discurso. In: Psicologia e Sociedade, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, p , MACÊDO, Kátia Barbosa. (org.), SANTOS, E.A., FARIA, K.M.O. e (cols.). Gestão Ambiental em Organizações Goianas: a percepção dos trabalhadores. No prelo OLIVEIRA, J. A. P. Responsabilidade ampliada. Revista GV executivo: Inovação e Conectividade. Fundação Getúlio Vargas, v.4, n. 2, p.78-81, mai/jul SERVIÇO BRASILEIRO PARA A PEQUENA E MÉDIA EMPRESA - SEBRAE. A questão ambiental e as empresas. Brasília: Edição Sebrae, SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SEPLAN. Meio Ambiente: Qualidade de Vida. Revista Economia e Desenvolvimento: Conjuntura Socioeconômica de Goiás, jan SOUZA, R. S. A evolução e condicionantes da gestão ambiental nas empresas. REAd Revista de Administração Edição Especial 30. Universidade Federal de Santa Maria: UFSM. v. 8, n. 6, p.1-22, nov./dez ZANELLI, José Carlos. Pesquisa qualitativa em estudos de gestão de pessoas. Revista Estudos em Psicologia (Natal). V. 7, n. spe. Natal, TAUK-TORNISIELO, Sâmia Maria, GOBBI, Nivar e FOWLER, Harold Gordon.(orgs.) Análise Ambiental: uma análise multidisciplinar. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1995.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS SEMANA AMBIENTAL NA BRASIMET 2006 CIDADANIA E EDUCAÇÃO PARA UM PLANETA MELHOR A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS A atual conjuntura econômica e os novos cenários sócio-ambientais nacionais e internacionais

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012.

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. Gisele Hiromi Matsumoto de Freitas¹; Ronan Yuzo Takeda Violin²;

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL www.pmquality.com.br SOBRE A CONSULTORIA CONHEÇA A PMQUALITY A PMQuality é uma empresa 100% brasileira, criada em 2004 com o objetivo de atender o mercado de energia e que com

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Webinar DNV O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações 04/09/2013 Associação civil, sem fins

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Gestão Ambiental e Gerenciamento de Riscos

Gestão Ambiental e Gerenciamento de Riscos CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Gestão Ambiental e Gerenciamento de Riscos Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO COM ADMINISTRAÇÃO PARTE TÉCNICA GESTÃO EMPRESARIAL

PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO COM ADMINISTRAÇÃO PARTE TÉCNICA GESTÃO EMPRESARIAL PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO COM ADMINISTRAÇÃO PARTE TÉCNICA GESTÃO EMPRESARIAL 1. História da Teoria da Administração: fundamentos da Administração: Era Clássica; Revolução Industrial;

Leia mais

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009 BARREIRAS À IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Maria Teresa Baggio Rossi 20 de maio de 2009 Agenda Ambiente Empresarial Fator Motivador Objetivo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Francisco M.J.Leme da Silva

Francisco M.J.Leme da Silva Oportunidades e Desafios do Setor de Viagens Corporativas Breve perfil do palestrante Francisco M.J.Leme da Silva é diretor da Jet Stream Turismo - Agência de Viagens Corporativas, onde atua há quase 20

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

JOGO DOS 4 ERROS - ANALISANDO UM NOVO INVESTIMENTO: ONDE ESTÃO OS 4 ERROS?

JOGO DOS 4 ERROS - ANALISANDO UM NOVO INVESTIMENTO: ONDE ESTÃO OS 4 ERROS? JOGO DOS 4 ERROS - ANALISANDO UM NOVO INVESTIMENTO: ONDE ESTÃO OS 4 ERROS? Análise este novo investimento Onde estão os 4 erros? Justifique Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Início em 28 de Abril de 2016 Aulas as terças e quintas, das 7h às 9h30 Valor do curso: R$ 18.130,00 À vista com desconto: R$ 16.679,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais