Instituto Superior de Línguas e Administração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Superior de Línguas e Administração"

Transcrição

1 Instituto Superior de Línguas e Administração Mestrado em Marketing Relatório de Estágio Quais os motivos para a fraca ocupação ao fim-desemana de um hotel de Negócios Vera Sofia Vicente Garcia Roquete Relatório de estágio submetido como requisito para a obtenção do grau de Mestre em Marketing Orientação: Professor Doutor Rui Cruz Lisboa 2013

2 Instituto Superior de Línguas e Administração Mestrado em Marketing Relatório de Estágio Quais os motivos para a fraca ocupação ao fim-desemana de um hotel de Negócios Vera Sofia Vicente Garcia Roquete Relatório de estágio submetido como requisito para a obtenção do grau de Mestre em Marketing Orientação: Professor Doutor Rui Cruz Lisboa 2013 ii

3 Agradecimentos Agradeço ao Exmo. Dr. Professor Rui Cruz, por todo o acompanhamento e tempo dispensado para a orientação deste trabalho. E agradeço aos meus pais por todo o apoio e amor ao longo da minha existência. iii

4 Índice Agradecimentos... iii Índice... iv Resumo... vi Abstract... vii 1. Introdução Motivação Caracterização da empresa Teixeira Duarte, S.A Descrição das funções do estágio Caracterização do contexto Institucional Principais argumentos que sustentam a importância desta Investigação Implicações Práticas Objectivos Conceitos a investigar Revisão da literatura Marketing de Serviços Marketing Relacional Objectivos do Marketing Relacional Benefícios do Marketing Relacional para os clientes e para as empresas Turismo e Hotelaria O turismo de negócios Definição de turista Conceitos de Hotelaria Oferta Turística Mercado Turístico Marketing de eventos Impactos turísticos e económicos do Marketing de Eventos Eventos em Hotelaria Taxa de Ocupação e Sazonalidade Causas da Sazonalidade Impactos da sazonalidade Estratégias para combater a Sazonalidade Segmentos de Mercado iv

5 Preços e Promoções - descontos de produtos e serviços fora da época alta Discussão e revisão da literatura Proposta da metodologia Taxa de Ocupação do Lagoas Park Hotel Ano Taxas de ocupação acumuladas dos hotéis da cadeia TDHotels no ano de Questões da entrevista Análise das entrevistas Conclusão Limitações do estudo Bibliografia Anexo 1: Caracterização da empresa Teixeira Duarte... viii Anexo 2: Entrevistas Externas... xv Anexo 3: Entrevistas Internas... xix v

6 Resumo A sazonalidade turística é caracterizada por uma divergência entre a oferta e a procura em determinados períodos e afecta as taxas de ocupação dos hotéis, sendo de consenso geral que deve ser minimizada. Durante um estágio realizado no Lagoas Park Hotel foi possível detectar a presença desta problemática aparente na maioria das unidades hoteleiras. O presente estudo, qualitativo e exploratório, pretendeu entender os motivos para a fraca ocupação ao fim-de-semana de um hotel de negócios com um público-alvo essencialmente empresarial, como é o caso do Lagoas Park Hotel, e encontrar estratégias para melhorar a ocupação do mesmo. Palavras-chave: Turismo, Hotelaria, Sazonalidade, Taxa de ocupação, Marketing de serviços, vi

7 Abstract Seasonality in the tourism industry, characterized by a deviation between offer and demand in certain periods, affects hotels occupancy rates and is general consensus that should be minimized. During an internship carried out at Lagoas Park Hotel was possible to detect the presence of this apparent problem in most hotels. The present study, qualitative and exploratory, intended to understand the reasons for the low occupancy at the weekend of a business hotel with a mainly business target, such as the Lagoas Park Hotel, and find strategies to improve occupation rates. Keywords: Tourism, Hospitality, Seasonality, Occupancy rate, Services Marketing vii

8 1. Introdução O presente trabalho, realizado na âmbito de finalização do Mestrado de Marketing, no ISLA Instituto Superior de Línguas e Administração, pretende descrever o período de estágio realizado no Lagoas Park Hotel, na área de Marketing e Comercial e toda a estratégia desenvolvida no que se refere á gestão de clientes, num hotel essencialmente orientado para serviços, tais como, eventos, alojamento e restauração. Pretendo com este estudo, dar a conhecer o percurso que realizei ao longo do estágio curricular, indo de encontro alguns temas abordados nas variadas disciplinas dadas em aula. É efectuado um enquadramento teórico dos conteúdos base, que fundamentaram o desenvolvimento do trabalho realizado. Para Cassar (2005), o turismo é considerado hoje a principal actividade económica do mundo, e as previsões para os próximos anos são de que o crescimento permanecerá a atingir patamares cada vez mais altos. O ser humano é um ser social, que necessita de fazer turismo, para conhecer outros destinos, culturas, férias, eventos, diversão, negócio, entre outras, que os permitem sair de casa em busca de algo novo. Para Trigo (2001), existem vários motivos que levam as pessoas a fazer turismo, ou seja, o turismo classifica-se de acordo com a motivação que o homem tem de se deslocar. O turismo é um dos mais importantes sectores da economia portuguesa, representando cerca de 8% do PIB e absorvendo perto de 10% do emprego. O aumento do número de turistas e a importância estratégica deste sector, traduzida nas receitas que proporciona, na mão-de-obra que ocupa e nos efeitos multiplicadores que induz em várias áreas, tem levado os agentes económicos, perante a concorrência internacional, a adoptar um conjunto de medidas dinamizadoras, especialmente no âmbito da oferta. Para Bicalho (2002), a hotelaria é considerada como elemento essencial e indispensável para a viabilidade do turismo, pois é o motivo que possibilita a permanência do turista no local visitado, através da hospedagem. Os serviços oferecidos pelos hotéis, quando realizados de maneira a satisfazer as necessidades dos clientes, tornam-se garantia de retorno e da publicidade boca a boca a favor do hotel, cidade, região. Porém os clientes 1

9 estão cada vez mais exigentes e conscientes das suas necessidades, e o sector de serviços deve estar consciente para estes motivos, e preparar-se a nível profissional para obter a qualidade total. O papel dos serviços na economia global tem vindo a aumentar, quer seja através da participação do produto interno bruto (PIB) ou na geração de empregos, mas também pela análise das tendências e transformações que estão a ocorrer na economia mundial. Parece improvável que um negócio de sucesso não faça do serviço o alicerce da sua estratégia competitiva (Hoffman e Bateson, 2003). Segundo Lovelock e Wright (2004), a satisfação do cliente é resultado do serviço percebido e consequentemente do serviço esperado pelo cliente, ou seja, o cliente normalmente tem sempre uma expectativa relativamente a um serviço ou produto, que pode ser influenciado por vários factores como o passa palavra, a publicidade, entre outros. E como o cliente é o factor fundamental para a sobrevivência da organização, as empresas hoje, têm que ter o cliente como atracção principal, e ter um serviço de excelência para os mesmos. E como o cliente é a peça da sobrevivência e do sucesso de uma organização, uma das estratégias que as organizações devem adoptar, segundo vários autores na literatura é uma estratégia de marketing relacional, onde o objectivo é conseguir fidelizar o cliente (Antunes e Rita, 2007). Podemos observar cada vez mais, que a realização de eventos são estratégias de marketing, que contribuem fortemente para o crescimento e visibilidade de uma região, localidade ou país. Cada vez mais, os eventos ganham peso, e movimentam grupos de pessoas, que se deslocam dentro do seu próprio país, ou mesmo internacionalmente. Para Mike e Pikkemaat (2002), a meta estratégica dos eventos é atrair os turistas fortalecendo a imagem da cidade anfitriã. Concluindo, o turismo é um fenómeno que se pratica há vários anos, mas devido ao seu aumento, conseguiu tornar-se hoje a principal actividade económica do mundo. Para que o turismo aconteça, são necessários serviços hoteleiros, que ofereçam ao turista serviços básicos de alimentação e descanso. Para qualquer organização obter sucesso, é necessário conhecer o mercado, conhecer o cliente, e saber as necessidades do mesmo, para conseguir arranjar estratégias diversificadas e competitivas para conseguir vencer e 2

10 destacar- se da concorrência captando o maior número de clientes. Estratégias como o marketing de serviços, marketing relacional, marketing de eventos, segmentação, preços e promoções neste estudo, como vamos observar, serão uma mais valia para uma unidade hoteleira. 3

11 1.1. Motivação Este estágio curricular ao qual me candidatei na área de Marketing e Comercial no Lagoas Park hotel, para mim é de todo uma mais- valia, no sentido em que vou conciliar as matérias dadas no âmbito da frequência do meu Mestrado de Marketing, com a prática do dia- dia de trabalho. Sendo a gestão hoteleira a minha área de formação, cresceu a vontade de me instruir no marketing de forma a ampliar os meus conhecimentos e formação. A escolha do marketing surgiu porque é uma área que me desperta muito interesse e vontade de aprender, e sendo o marketing um tema cada vez mais importante na sociedade e nas empresas, considero que será uma vantagem para mim complementar a minha formação inicial e a minha área profissional, que é a hotelaria. Realizar estas funções permitiram-me ir mais além da matéria teórica e passar á prática, entender e estar por dentro desta área que tanto me interessa e cativa. Tenho como objectivo captar toda a informação recebida acerca deste departamento, de forma a aprender todas as suas características e funcionalidades e conseguir ser útil na realização destas mesmas funções. Gostar deste departamento e de todo o seu envolvente, é uma motivação extra para um possível futuro profissional. 4

12 Caracterização da empresa Teixeira Duarte, S.A. Actuando desde 1921, a Teixeira Duarte, segundo informações retiradas do site, é hoje um dos maiores grupos empresariais em Portugal, marcando a sua presença em 14 países e com proveitos operacionais de cerca de milhões de Euros por ano. Ao longo de mais de oito décadas, a Teixeira Duarte construiu uma imagem de responsabilidade e competência, reconhecida pelo seu elevado padrão de qualidade. O processo de internacionalização foi iniciado na década de 70 e resultou no estabelecimento do Grupo em quatro continentes. Tendo como ponto de partida da sua actuação os sectores da Construção Civil e Obras Públicas, o Grupo desenvolveu valências que lhe permitiram promover, gerir e comercializar projectos imobiliários dedicados aos mais variados segmentos do mercado. O Grupo marca também a sua presença nos sectores das Concessões e Serviços, Hotelaria, Distribuição, Energia e no sector Automóvel. Capital Social: Síntese de Indicadores Teixeira Duarte Variação % 2011/2012 Trabalhadores ,5% Vendas/ Prestação de serviços ,0% Proveitos operacionais ,8% 119 EBITDA 13% ,8% Margem EBITDA/ Volume de negócios 67 16% 23,2% EBIT ,9% Activos fixos tangíveis+ próprio investimento ,5% Investimentos + activos disponíveis para venda + outros investimentos ,3% 385 Endividamento líquido ,90% (129) Total do capital próprio ,40% Resultados líquidos atribuíveis a detentores de capital - 6 Fonte: Dados retirados do site da Teixeira Duarte Nota: Os valores contabilísticos estão expressos em milhões de euros 5

13 Descrição das funções do estágio As funções efectuadas durante este estágio que realizei no Lagoas Park Hotel, foram essencialmente na área comercial. Passei por dois diferentes departamentos, que se complementam, e foi possível perceber principalmente como se vende o hotel. Na área Comercial realizei as seguintes funções: Telemarketing contactar o cliente, que está fidelizado ou não, via telefónica, para falar sobre o hotel e o grupo hoteleiro. Agendamentos de visitas conhecer o cliente pessoalmente, perceber as suas necessidades e vontades, para apresentar as características e vantagens, não só do Lagoas Park Hotel, como das restantes unidades do grupo. Programa New Plan inserir no programa toda a informação retida da visita e todo o feedback do cliente, para que exista sempre um histórico de informação e para que todos os colaboradores, administradores, directores envolvidos nesta área possam obter esta informação facilmente. Perceber e realizar a fixação das tarifas. Realizar a contratação das empresas nacionais e internacionais, através de contractos. Resumindo, esta área é puramente comercial, procurar o cliente, abordar o cliente, e tentar captar e fidelizar o mesmo é sem dúvida o grande objectivo desta área. Mas não existe só contacto com empresas novas, mas também é função deste, manter contacto com os clientes que frequentam normalmente o Lagoas Park Hotel, criar alternativas se for necessário, para perceber se os mesmos não estão a adquirir serviços, e conseguir encontrar o motivo. 6

14 Departamento centro de Congressos Neste departamento realizei, funções também em torno do cliente, mas não é o próprio departamento a procurar o cliente, ou seja, o cliente é que procura o serviço. Atendimento ao cliente Receber o contacto do cliente e perceber as características que o cliente necessita para a realização do evento. Feedback Realizar uma proposta modelo de acordo com as características solicitadas pelo cliente, isto é, o tipo de evento, os dias, a sala do evento, o material necessário, a sala de apoio para os coffe -breacks, os pacotes de refeições etc. Para ser apreciada pelo cliente, e fazer as devidas alterações se necessário. Realizar no programa New Plan, toda a marcação do serviço, e depois de aceite o mesmo pelo cliente, realizar as ordens de serviço com todo o evento especificado, para distribuir por todas as secções envolventes, tais como, a cozinha no caso das refeições, para o Centro de Congressos, para a montagem da sala, para a Manutenção, para a montagem do material, para os Serviços Administrativos, para confirmar a facturação e pagamentos, para o housekeeping, para a limpeza, e para a recepção para estarem preparados para encaminhar os clientes para o sala certa. Dar o Check in do evento no programa New Plan. Fazer o acompanhamento do cliente á sala, e estar sempre disponível para qualquer questão. Dar o Check out do evento, confirmando todos os consumos e valores das salas e dos pacotes, para passar a recepção a fim de serem facturados. 7

15 Resumindo, nesta área existe um contacto constante e pormenorizado com os clientes, através da troca de s, telefones, ou mesmo visitas com o intuito de verificação de pormenores, por parte do cliente. Isto acontece, pois de ambas as partes para se realizar um evento, é necessário delinear vários factores, e para que tudo corra bem, o contacto é fundamental, para um evento de sucesso. 8

16 2. Caracterização do contexto Institucional 2.1. Principais argumentos que sustentam a importância desta Investigação Durante o período do estágio realizado no Lagoas Park Hotel, observei que existe uma grande problemática, ou seja, boas ocupações durante a semana e fracas ocupações ao fim-de-semana, o que me remeteu rapidamente ao estudo sobre a Quais os motivos para a fraca ocupação ao fim- de - semana de um hotel de negócios. Sendo o Lagoas Park hotel situado e rodeado por grandes parques empresariais, e também devido às suas características intrínsecas, ou seja, a sua grande quantidade e capacidade de salas para a realização de qualquer tipo de eventos, remete obrigatoriamente a procura de um público alvo maioritariamente de negócios. Em contrapartida este público, só frequenta o hotel durante a semana, o que significa que durante o fim- de semana a ocupação do mesmo, desce brutalmente em períodos de épocas baixas. A taxa de ocupação é uma das principais preocupações e dores de cabeça para qualquer unidade hoteleira, pois essa taxa é responsável por providenciar meios detalhados, consistentes e contínuos para a mensuração da sazonalidade hoteleira (Jefferey; Barden, 1999). A taxa de ocupação informa a percentagem de unidades hoteleiras ocupadas durante um período pelo hóspede. Conforme Weise (2006), taxas acima de 80% são excelentes, e poucos hotéis têm isso. Uma taxa de ocupação maior significa um hotel com mais activo e mais valorizado pelas acomodações e serviços adicionais. Taxas abaixo de 20% são muito perigosas para o futuro do hotel, não apenas pela avaliação que faz com que este hotel valha menos, mas porque este hotel será menos lucrativo. Percentagens acima dos 95% e menores de 10% são raros na ocupação hoteleira. E é neste sentido, na busca de motivos e melhoramentos que vou debruçar-me sobre alguns temas importantes, tais como, o Turismo, Hotelaria, Marketing de Serviços, Marketing Relacional e Marketing de Eventos que contribuirão certamente para este estudo. 9

17 Segundo Lage e Milone (2000), o turismo é sem dúvida, uma actividade socioeconómica, na medida em que gera a produção de bens e serviços para o homem procurando a satisfação de diversas necessidades básicas e secundárias. Complementam ainda, observando o turismo actual como uma rica e grandiosa indústria que se relaciona com todos os sectores da economia mundial e que deverá continuar atender os interesses da humanidade nos próximos milénios. O turismo é um dos mais importantes sectores da economia portuguesa, representando cerca de 8% do PIB e absorvendo perto de 10% do emprego. O aumento do número de turistas e a importância estratégica deste sector, traduzida nas receitas que proporciona, na mão-de-obra que ocupa e nos efeitos multiplicadores que induz em várias áreas, tem levado os agentes económicos, perante a concorrência internacional, a adoptar um conjunto de medidas dinamizadoras, especialmente no âmbito da oferta. E é nesta linha de raciocínio, que entra o Marketing de serviços que pode ser considerado, peça fundamental para atrair e fidelizar clientes, onde a constante preocupação num serviço de qualidade, que satisfaça as necessidades dos clientes, é a sua principal preocupação. Para Hoffman e Bateson (2003),o papel dos serviços na economia global tem vindo a aumentar, a importância do sector de serviços na nossa sociedade pode ser demonstrada, não só pela posição que ocupa na economia, quer seja através da participação no Produto Interno Bruto (PIB), ou na geração de empregos, mas também, pela análise das tendências e transformações que estão ocorrer na economia mundial. Parece improvável que um negócio de sucesso não faça do serviço o alicerce da sua estratégia competitiva. Segundo Gronroos (2000), o marketing relacional é o marketing que melhor se adequa ao sector dos serviços, uma vez que este se caracteriza por interacções contínuas entre prestadores e adquirentes dos serviços, e na forma como estas acções descorem e se revestem de certas particularidades, produzindo um impacto muito relevante nos comportamentos de compra dos clientes. O marketing de eventos, que é tão importante neste estudo, pois influência fortemente tanto externamente, como internamente na procura e no consumo de uma unidade hoteleira. Isto sem falar, nas consequências positivas para a localidade, região ou cidade. 10

18 Segundo o Turismo de Portugal, uma das suas prioridades consiste em atrai e realizar grandes eventos internacionais, com o objectivo de projectar a imagem e aumentar a notoriedade do destino Portugal no exterior. O plano estratégico nacional do turismo indica para o horizonte 2015, a necessidade de Portugal acolher mega eventos, de vários prismas, de cariz estruturante, como foram a Expo98 e o Euro2004. Além da sua enorme exposição mediática, este tipo de eventos deixam no país um legado de infra- estruturas e de património constituído, que geram fluxos de turistas no imediato a longo prazo. Os eventos de carácter sócio- profissional, igualmente incentivados pelo Turismo de Portugal, permitem a divulgação do destino, dos principais produtos que compõem a oferta turística de Portugal e contribuem para reduzir a sazonalidade, e consequente aumento da taxa de ocupação das unidades hoteleiras, além de reduzirem o contacto entre os circuitos de comercialização e da oferta. Para, Zanella (2006, p. 15) Os eventos têm importância significativa na área do turismo e é uma das actividades que mais cresce neste segmento Implicações Práticas Decidi realizar este estudo, porque encontrei durante a realização do meu estágio no Lagoas Park Hotel, como já referi anteriormente, uma problemática, que é com certeza um problema geral a todos os hotéis de negócios, ou seja, boas ocupações durante a semana e fracas ao fim- de- semana. Este estudo é relevante, primeiramente para o meu desenvolvimento pessoal e académico, pois quero muito poder contribuir para o estudo, e para a empresa, ou seja, no sentido em que vou estudar alguns conceitos, e obter algumas respostas, que considero importantes para esclarecer e ajudar a própria empresa a conhecer os motivos de tal problema e poder contribuir para o planeamento e realização de estratégias que melhor se adaptem ao caso, embarcando para as soluções, melhorias e eliminação de lacunas na fraca ocupação ao fim-de- semana. 11

19 Todos os temas que vou abordar ao longo deste estudo são temas actuais, em ascensão, ou seja, estão a cada dia a ganhar mais importância para a sociedade e consequentemente para a literatura. Considero que este é um tema que devido á sua importância, deveria suscitar interesses para mais estudiosos do tema e para mais investigações. E espero também que esta pesquisa sirva de ponto de partida para outras sobre o tema, uma vez que é um tema em contínua evolução, que sofre grandes e significativas transformações Objectivos O objectivo específico desta pesquisa baseia-se em analisar e entender o porque da problemática de estudo, ou seja, quais os motivos para a fraca ocupação ao fim-desemana de um hotel de negócios, concretamente no Lagoas Park Hotel, de forma a encontrar e perceber os motivos e causas, bem como encontrar estratégias para solucionar os mesmos. Para que tal facto aconteça, numa primeira fase, foram estudados vários temas na literatura importantes e relacionados com a problemática de estudo, que permitam chegar a percepções e conclusões. Será realizado posteriormente entrevistas internas e externas, de forma a conseguirmos obter respostas importantes e significativas para o estudo. 12

20 Conceitos a investigar Os conceitos que me propus a investigar para este estudo, são os seguintes: marketing de serviços, marketing relacional, marketing de eventos, turismo, sazonalidade e taxa de ocupação, que na minha opinião são importantes para conseguir entender a problemática do estudo e dar respostas ao mesmo. Como será referido mais aprofundadamente cada um destes temas na revisão da literatura, o turismo é um fenómeno realizado por pessoas que se deslocam da sua residência por varias motivações, (Andrade 1998 e Trigo 2001), que podem ser sociais, culturais, religiosos, desportivos, saúde, eventos, de lazer e de negócios, e que procuram serviços, como as unidades hoteleiras para pernoitarem, descansarem, desfrutarem e adquirirem refeições. As unidades hoteleiras oferecem serviços aos seus clientes, e é neste ponto que o marketing de serviços contribuiu para o estudo, pois este está intrínseco em qualquer empresa, pois tanto a nível do prestador, como do consumidor existe uma expectativa e uma avaliação de satisfação a ser feita (Lovelock, 2004). E para que uma empresa triunfe, é necessário que o serviço corresponda á expectativa e á necessidade do cliente, para que este o valorize, e volte. Já o marketing relacional é o marketing que melhor se adequa ao sector dos serviços, visto que este consiste em atrair, manter e intensificar as relações com os clientes (Proença e Silva, 2008), e estas relações constituem tudo aquilo que qualquer unidade hoteleira deseja. Já o marketing de eventos vem reforçar um dos grandes motivos para que se faça turismo, ou seja, um evento, ou um mega evento, não acontece sempre e pode provocar uma procura massificada de serviços, principalmente hoteleiros. Ou seja, é um acontecimento que foge á rotina, sempre programado para reunir em grupo de pessoas (Senac, 2000). 13

21 3. Revisão da literatura 3.1. Marketing de Serviços As empresas são os organismos que trabalham e criam valor oferecendo diferentes tipos de serviços, com determinadas características e capacidades, capazes de satisfazer o consumidor. E para que uma empresa triunfe é necessário que esse serviço seja um benefício para o consumidor. Para Hoffman e Bateson (2003), a definição de serviço automaticamente remete para a distinção de produto, mas essa distinção não é perfeitamente clara. Um produto puro implicaria que os benefícios recebidos pelo cliente não contivessem elementos fornecidos por serviços. Da mesma forma que um serviço puro não conteria bens tangíveis. Mas muitos serviços contêm pelo menos alguns elementos de bens tangíveis, é o caso dos estabelecimentos de restauração, sendo o menu a parte tangível do serviço. A maioria dos produtos, por sua vez, oferece pelo menos um serviço, como a entrega. Segundo Kotler (2000), os serviços são intangíveis. Ao contrário dos produtos físicos, eles não podem ser vistos, sentidos, ouvidos, cheirados ou provados antes de serem adquiridos. Complementando Kotler (2000), a fim de reduzir essa incerteza, os compradores procurarão por sinais ou evidências da qualidade do serviço. Deduzirão a qualidade com base nas instalações, nas pessoas, nos equipamentos, no material de comunicação, nos símbolos e nos preços percebidos. Por isso a tarefa do prestador de serviços é administrar as evidências, para deixar tangível o intangível. De acordo com vários especialistas na área, existem basicamente quatro características que distinguem os serviços de produtos: 1. Intangibilidade Esta característica desempenha um papel principal de diferenciação em relação ao produto, e é a fonte da qual emergem as outras três características que faremos referência mais a baixo. Um serviço é algo que não pode ser tocado fisicamente, e devido a estas características, surgem certos desafios de Marketing. Especificamente a impossibilidade de o serviço ser armazenado, a falta de protecção por meio de patentes, a dificuldade para mostrar ou comunicar os atributos do serviço e a dificuldade para a 14

22 determinação dos preços dos serviços. Existem certas soluções para os problemas da intangibilidade, como tentar tornar o intangível em tangível, através da evidência física, por exemplo, a melhoria das instalações onde o serviço é concebido, ou a melhoria da aparência dos funcionários (Wilson, 2008). 2. Inseparabilidade - de um modo geral, os serviços são produzidos e consumidos simultaneamente (Kotler, 2000, p.451). Os produtos ou bens tangíveis são consumidos posteriormente a serem produzidos, implicando um alto nível de relação entre o prestador do serviço e o consumidor. 3. Heterogeneidade - O serviço prestado a um cliente, não será exactamente prestado de igual forma a outro cliente. Pelo simples facto de dependerem de quem os fornece, onde e quando são fornecidos, os serviços são altamente variáveis (Kotler, 2000, p.452). A prestação de serviços é realizada por pessoas, sejam colaboradores ou clientes, o que torna difícil controlar a variabilidade tanto no processo operacional como no resultado final do serviço. Esta característica dificulta a qualidade uniforme dos serviços produzidos e entregues aos clientes. Uma solução possível para este problema, será a formação e regras bem definidas e entendidas por todos os colaboradores, de forma a operarem todos no mesmo sentido. Desenvolver serviços que satisfaçam as exactas especificações, características e necessidades de cada cliente, que variam de cliente para cliente (Lovelock e Wright, 2001). 4. Perecibilidade Uma vez que um serviço é uma acção ou realização, e não um bem tangível que o cliente guarda, não pode ser armazenado, logo é perecível (Lovelock e Wright, 2001, p.20). Se o serviço não for utilizado, ou consumido, estará perdido. Esta característica não é evidente, quando existe uma procura constante, mas se houver oscilações ou descida da procura, as empresas de serviços enfrentam alguns problemas. Conseguir trabalhar a capacidade do atendimento, tendo em vista o problema da variação e das oscilações da procura dos clientes, é um grande e bom desafio para o sector de serviços. 15

23 Devido ao grande crescimento de consumidores que atribuem importância ao sector de serviços, não só na economia Portuguesa como internacionalmente, vem obrigar diversas organizações empresariais a reflectirem sobre os níveis adequados de excelência na prestação de serviços para os clientes. Hoje em dia, o mercado força as empresas em geral a conseguirem um diferencial ao focalizarem os serviços como recursos para a agregação de valores postos á disposição de consumidores, classificando-os sobre modernos parâmetros de análise, no que abrande os desejos e as reais necessidades desses consumidores. Segundo Davis (2007), o hóspede é a pessoa mais importante do hotel. O hotel, os seus colaboradores, e os seus sistemas estão orientados e centralizados para servir eficientemente o hóspede/cliente. Como resultado, a estada do hóspede determina o fluxo de negócios por meio da prosperidade. Infelizmente, na maioria dos hotéis não é uma constante. No entanto, durante o período de ocupação alta, são necessários funcionários bem treinados e sistemas eficientes para evitar que o hotel fique atolado de serviço e não possa oferecer ao hóspede um serviço de qualidade. Conforme Davis (2007), o nível de serviços oferecidos varia de hotel para hotel, independentemente do tipo ou do tamanho. Há aqueles que oferecem mais de um nível de serviço, sendo que esse serviço, por ser diferenciado influi no preço final. Conforme Davis (2007), todas as organizações necessitam de uma estrutura formal para alcançar as suas metas e objectivos. Uma maneira comum de representar essa estrutura é o organograma. Estes demonstram as relações entre as posições dentro de uma organização. Eles possibilitam uma compreensão automática de como cada posição se situa dentro de toda a organização e demonstra as divisões de responsabilidade e as linhas de autoridade. Ainda Davis (2007), afirma que na hotelaria o funcionário executa as tarefas sobre os olhos de outras pessoas a quem tem obrigação de servir. Se por alguma razão esse funcionário encontrar alguma dificuldade no atendimento ou serviço de essa pessoa, automaticamente existe um serviço de má qualidade. O colaborador deve atender sempre todos os clientes correctamente e sem demoras, com simpatia e boa vontade. 16

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

AULA 1 Marketing de Serviços

AULA 1 Marketing de Serviços AULA 1 Marketing de Serviços Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS Descubra a importância da reputação online do seu hotel na rentabilidade. Perceba qual a melhor maneira de tirar partido das ferramentas digitais. O PORQUÊ DE LER ESTE EBOOK!

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

Marketing Territorial: uma aposta regional?

Marketing Territorial: uma aposta regional? Marketing Territorial: uma aposta regional? Conferência Alentejo Atractivo: nas rotas do Investimento Global Évora, 10 de Março de 2012 Contexto Contexto de competição entre territórios - regiões, cidades,

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 2 CAPÍTULO II Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Capítulo II Sumário As características especiais do Marketing em Hotelaria e Turismo O ambiente

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Conceito, Análise de Concorrência 1. INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO Custos Prazo de execução /Esforço Qualidade EXTRAS Ambiente Socio-Políticos Imposições legais Segurança

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros Certified Quality System in compliance with the standard UNI EN ISO 9001:2000. Certificate n SQ.41823. Pixel Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros CURSOS INDIVIDUAIS PARA ESTRANGEIROS

Leia mais

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL Junior Heberle 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO Este artigo busca enfocar a questão da qualidade no atendimento nos restaurantes

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011 Diogo Gaspar Ferreira 1. PONTOS FRACOS E FORTES DO TURISMO RESIDENCIAL PORTUGUÊS 2. PLANO ESTRATÉGICO A

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERISDADE DE COIMBRA

FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERISDADE DE COIMBRA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERISDADE DE COIMBRA MESTRADO EM GESTÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Marketing na Clínica High Care Center Aluno: Leandro Ferreira Mariz, Nº 2002018910 Orientador da FEUC: Dr. Filipe

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS Marketing O que é para você? Como se faz? Quais os pontos chaves? Quais as maiores dificuldades? Marketing Vendas? Promoção? Publicidade? Marketing Simplificar

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Exemplos de Boas Práticas de RSE

Exemplos de Boas Práticas de RSE Exemplos de Boas Práticas de RSE 7.4. Pritchard Englefield Filme sobre a RSE na comunidade Resumo A empresa Pritchard Englefield foi fundada em 1848. Está sediada na City de Londres (Grã-Bretanha). A Pritchard

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de.

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de. Área Departamental de Engenharia Electrotécnica 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25 Teste de Gestão 1. Defina organização e enuncie os seus princípios fundamentais. Podemos

Leia mais