Empreendedorismo no ramo de hospedagem: estudo de caso na Estrada Real

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empreendedorismo no ramo de hospedagem: estudo de caso na Estrada Real"

Transcrição

1 Empreendedorismo no ramo de hospedagem: estudo de caso na Estrada Real Denise Carneiro dos Reis Bernardo (Universidade Federal de São João del Rei/UFSJ Universidade Federal de Lavras/UFLA) João Paulo B. Nascimento (Universidade Federal de São João del Rei /UFSJ) Elaine Cristina Arantes (Universidade Federal de São João del Rei/UFSJ) Reinaldo Aparecida Fonseca (Universidade Federal de São João del Rei /UFSJ) RESUMO O objetivo deste trabalho foi analisar a viabilidade de implantação de uma rede de chalés no Circuito Estrada Real, região Campos das Vertentes, pólo São João Del Rei. Esse tipo de empreendimento inovador é capaz de proporcionar geração de renda, diversificação no ramo de hospedagem e propiciar o ecoturismo, já que os chalés são vias de interação entre hóspede e o ambiente natural. Para tanto, foram aplicados 316 questionários durante a realização do 19º Inverno Cultural. Este evento é realizado pela Universidade Federal de São João del Rei, no mês de julho de 2006, momento favorável para realização da pesquisa de campo, já que neste período a região recebe grande número de turistas. Foram analisadas variáveis como sexo, estado civil, faixa etária, grau de escolaridade, ocupação profissional, motivos que levam/levariam os turistas a optarem por hospedagem em chalés. Os resultados demonstraram que há uma carência desse tipo de serviço na região e que os visitantes optariam por essa acomodação caso houvesse. Palavras-chave: Empreendimento; Rede de chalés; Circuito da Estrada Real. 1 Introdução A atual situação econômica do país exige cada vez mais eficiência e desenvoltura dos empresários. As transformações aceleradas e a instabilidade econômica afetam o mercado de trabalho e de negócios apresentando nos dias de hoje, um cenário de dúvidas, incertezas e insegurança. Uma das formas de enfrentar os problemas socioeconômicos, tais como o desemprego e o nível educacional é através da expansão do empreendedorismo, que resulta na criação de novas micro e pequenas empresas. Ser empreendedor significa ter, acima de tudo, a necessidade de realizar coisas novas, colocar em prática as idéias. Tem o espírito empreendedor quem assume riscos, e o sucesso está na capacidade de conviver e sobreviver a eles, via lucro. Diante deste contexto o empreendedor terá que ter um bom conhecimento de gestão e estar sempre em busca de inovação. O início de qualquer novo empreendimento deve ser bem planejado para que se possa alcançar o sucesso. O planejamento é uma ferramenta básica e de extrema importância. A sua falta pode levar o empreendimento ao insucesso. Este planejamento permite aos empreendedores uma análise segura da viabilidade e mensuração dos riscos do novo negócio. Assim, o objeto de estudo deste trabalho é a viabilidade de implantação de uma rede de chalés na região Campos das Vertentes, pólo São João Del Rei, Circuito Estrada Real. Para garantir a viabilidade do empreendimento, alguns itens devem ser analisados e estudados a fim de evitar futuros problemas e transtornos o que poderia levar ao fechamento do negócio. Para o sucesso do novo empreendimento, deve-se realizar, a principio, um profundo estudo mercadológico, analisando questões como: público alvo e suas tendências de aceitação.

2 Em outras palavras, analisar os fatores que influenciam os resultados desta iniciativa. A partir da análise e estudo destas variáveis, devemos fazer a seguinte pergunta: É viável a implantação de uma rede de chalés na região do Campo das Vertentes? A intenção de abrir uma rede de chalés surgiu, a princípio, pela carência deste tipo de atividade na região e pelo grande desenvolvimento turístico que está sendo almejado pelo Circuito Estrada Real e governo do estado de Minas Gerais, já que a mesma apresenta grande atratividade ao turismo histórico-cultural. Porém, cada oportunidade de negócio tem seu risco, por isso é fundamental que o empreendedor defina o conceito do negócio em si, faça um planejamento, seja criativo, pois empreender requer dinamismo e planejamento estratégico adequado (Sebrae, 1994). 2 Referencial teórico 2.1 Empreendedorismo: uma breve consideração Muito se têm estudado sobre empreendedorismo. Estudiosos e outros já se interessam por essa temática por acreditar que essa é uma importante prática para o desenvolvimento de alguns países. A tamanha atenção ao assunto é perceptível devido o fato que os empregos estão cada vez mais escassos e os indivíduos para se manterem ativamente econômicos têm a opção e sentem-se necessitados de criar seu próprio negócio. No Brasil, o movimento do empreendedorismo começou a se formar nos anos 90, sendo que algumas universidades brasileiras, tais como PUC-RJ, FEA-USP, FGV-USP dentre outras, implementaram em suas grades curriculares cursos voltados para o empreendedorismo, vale ressaltar que entidades como Sebrae e Softex foram grandes aderentes a esse novo nicho inovador. Empreendedorismo é utilizado para designar os estudos relativos ao empreendedor, seu perfil, suas origens, seu sistema de atividades, seu universo de atuação. Para Dolabela (1999 a, p.43) o termo empreendedor é utilizado para designar pessoa que se dedica a geração de riqueza, seja na transformação de conhecimento em produtos ou serviços, na geração do próprio conhecimento ou na inovação em áreas como marketing, produção, organização, etc.. Drucker (1987) retrata de forma bastante precisa o conceito de empreendedor elaborado por Say: aquele que tem o papel de transferir recursos econômicos de um setor de produtividade mais baixa para um setor de produtividade mais elevada e de maior rendimento, possibilitando desse modo, uma maior eficiência e eficácia à economia, alcançando, sobretudo, o equilíbrio financeiro da sua empresa e o máximo de lucros e de vendas. Permanece até hoje a concepção que Say tinha do empreendedor alguém que inova e é agente de mudanças. A concepção do empreendedor como um motor da economia, um agente de inovações e mudanças capaz de desencadear o crescimento econômico também é compartilhada por muitos pensadores atuais. Segundo Dolabela 1999 b, p.28) o empreendedor é um ser social, produto do meio em que vive. Portanto, o empreendedorismo é um fenômeno regional, ou seja, o perfil do empreendedor (fatores do comportamento e atitudes que contribuem para o sucesso) pode variar de um lugar para o outro, o que leva a crer que se uma pessoa vive em um ambiente em que ser empreendedor é visto como algo positivo então terá motivação para criar se próprio negócio. Embora nenhum perfil científico tenha sido traçado, as várias pesquisas desenvolvidas têm dado muitas contribuições ao identificar as principais características de empreendedores bem-sucedidos, o que serve de ferramenta de aperfeiçoamento para quem pretende se tornar um empreendedor. A maioria das características identificadas se referem à iniciativa para criar um novo empreendimento e entusiasmo pelo que desenvolve; à utilização de recursos disponíveis de forma criativa transformando o ambiente social e econômico onde vive; e a aceitação de riscos e desafios moderados (Dornelas, 2001).

3 O empreendedorismo pode conduzir ao desenvolvimento econômico, gerando e distribuindo riquezas e benefícios para a sociedade. É indispensável a concepção e adoção de políticas públicas de apoio e suporte à criação de empresas, abrangendo práticas econômicas legais, tributárias, de financiamento e incentivo a áreas como educação, ciência, tecnologia e outros. O que se pretende é destacar o papel do empreendedor para o desenvolvimento de uma nação a partir do apoio das esferas públicas e privadas. A responsabilidade do Estado na geração de emprego, renda e promoção do desenvolvimento econômico e social do país se mantêm, mesmo com o apoio ao empreendedorismo. É preciso que não se esqueça da função do poder público, de suas responsabilidades com a nação, porque não se pretende de forma alguma transferir responsabilidades do setor público para o para o privado na figura do empreendedor. 3 Metodologia A pesquisa deve estar incluída na realidade social que pretende investigar. Assim, optou-se pela realização de uma pesquisa qualitativa, por envolver a interpretação das particularidades dos comportamentos ou atitudes dos indivíduos (Bogdan e Bikley, 1994). O método de pesquisa considerado adequado para o desenvolvimento de uma investigação qualitativa é o estudo de caso, pois esse tipo de abordagem procura trabalhar com cenários sociais bastantes específicos ( Alencar, 1999). A presente investigação constitui um estudo de caso, uma vez que circunscrita a uma unidade de estudo (Região do Campo das Vertentes). A obtenção dos dados para análise deste estudo embasou-se na triangulação de algumas técnicas de pesquisas, tais como análise documental, entrevistas, e observação nãoparticipante, desenvolvida na região de São João de Rei no mês de julho, durante a realização do 19º Inverno Cultural - um programa de extensão realizado pela Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ, desde 1988, através de atividades como: oficinas, exposições, shows e seminários nas mais variadas linguagens da cultura e da arte. O principal foco do Inverno Cultural tem sido o resgate, revitalização, promoção e incentivo às variadas formas de manifestação artístico-cultural da região, Campos das Vertentes, da qual ela se insere, e interação com culturas oriundas de diversas partes do Brasil, tornando-se referência para o campo da cultura em âmbito nacional. A pesquisa de campo foi realizada em duas etapas. Primeiramente, realizou-se a análise documental. Foi fornecido um material de estudo contendo o histórico da Estrada Real. Posteriormente a análise documental, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com os turistas da região. O universo em que se realizou a investigação foi na região Campos das Vertentes, pólo São João Del Rei, Circuito Estrada Real. Durante o período do Brasil-Colônia, particularmente no decorrer do século XVIII, as únicas vias de acesso à região das reservas de minérios preciosos da capitania das Minas Gerais autorizadas pela coroa metropolitana eram os caminhos reais, já a partir da sua abertura essas vias obtiveram caráter oficial. Todo o tráfego de pessoas, mercadorias, ouro e diamante eram feitos por essas vias, não sendo permitido a abertura de novos caminhos. O rigor quanto à fiscalização e controle nas vias reais se dava meramente pelo interesse da coroa portuguesa na indexação de recursos que provinham através dos tributos relativos à exploração dos minérios preciosos.a denominação de Estrada Real passou a referir àquelas vias que eram propriedade da Coroa metropolitana e de suma importância para acesso às regiões auríferas e diamantíferas do centro sul da colônia (Sntos, 2001). 4 Análise dos Resultados e Discussões

4 Durante a pesquisa, buscou-se entrevistar os participantes do Inverno Cultural do sexo masculino e feminino. Isso é importante já que ambos os sexos são público alvo. No qual 58% dos entrevistados eram mulheres e o restante, 42%, homens. Gráfico 01 - Sexo Sexo 42% Masculino 58% Feminino Dentre as 316 pessoas entrevistadas, o maior índice foi de pessoas casadas, 59% em comparação com os 31% de pessoas solteiras, 6% de pessoas separadas e 4% viúvas. Isso é um fator positivo, pois os casais são grandes interessados em desfrutarem de ambientes favoráveis que os chalés propiciam, cujo um dos pontos mais relevantes é o ambiente familiar. Gráfico 02 - Estado Civil Estado Civil 6% 4% 31% SOLTEIRO (A) 59% CASADO (A) SEPARADO (A) VIÚVO (A) A maior parte das pessoas entrevistadas se encaixam na faixa etária de 41 a 50 anos seguida pelas pessoas com idade de 31 a 40 anos. Juntos a estas duas faixas etárias somam 64% dos entrevistados. Gráfico 03 Idade 21% 35% Idade 3% 12% 29% MENOS DE 20 DE 20 A 30 DE 31 A 40 DE 41 A 50 ACIMA DE 50

5 Em relação ao grau de escolaridade, observou-se que 65% dos entrevistados já concluíram ou estão cursando o terceiro grau. Ou seja, mais de 1/3 do universo analisado é um público mais elitizado e que tem acesso a níveis mais altos de educação e conseqüentemente, de melhores empregos e salários, sendo resultante a busca por hospedagens mais cômodas, ecologicamente adaptadas. Gráfico 04 - Grau de Escolaridade 35% 0% 30% Escolaridade 3% 8% 24% 1 GRAU COMPLETO 2 GRAU INCOMPLETO 2 GRAU COMPLETO 3 GRAU INCOMPLETO 3 GRAU COMPLETO Das 316 pessoas entrevistadas, a maioria cerca de 24% são trabalhadores do setor privado, 21% são do setor público e 17% são profissionais liberais. Os outros se encaixam conforme o Gráfico 05. Gráfico 05 Ocupação profissional Ocupação A P O S EN T A D O E S T UD A N T E D O N A D E C A S A 24% 21% 12% 7% 11% 3% 5% 17% A UT Ô N O M O P R O F IS S IO N A L LIB E R A L E M P R E S./C O M E R C IA L T R. SE T O R P R IVA D O T R. SE T O R P ÚB LIC O Dos entrevistados, 73% nunca haviam freqüentado hospedagem em chalés, o que corresponde a 231 pessoas, porém demonstraram grande interesse em estarem usando esse tipo serviço. Os entrevistados que já freqüentaram chalés, ou seja, 27% aprovaram o citado tipo de hospedagem e motivaram-se a utilizá-la, caso seja realmente implantado esse empreendimento no Circuito Estrada Real, regional São João Del Rei. Gráfico 06 - Freqüência Frequência 27% J Á F R E Q UEN T A R A M 73% N UN C A F R E Q UE N T A R A M

6 Das 316 pessoas entrevistadas, 231 não haviam freqüentado chalés e os principais motivos foram: a falta desse tipo de hospedagem na região, que representa 85% e distância, com seus 9%. Gráfico 07 - Motivos Motivo Pelo Qual Nunca Frequentaram PREÇO 9% 6%0% FALTA DE CHALÉ DISTÂNCIA 85% FALTA DE INTERESSE OUTROS Dentro os benefícios preferidos pelos entrevistados a maioria, 46%, considera importante tanto o preço quanto o melhor serviço, já 26% consideram que o preço baixo é o fator mais importante. Gráfico 08 - Benefícios Benefícios Preferidos 46% 5% 26% PREÇO BAIXO MELHOR SERVIÇO OS DOIS ACIMA 23% INDIFERENTE 5 Considerações Finais A região do Campo das Vertentes, a qual é um importante pólo regional turístico da Estrada Real, não dispõe de hospedagem de qualidade que diferencie de hotéis e pousadas, como uma rede de chalés. Essa nova atividade de serviço esta direcionada principalmente às pessoas que buscam um serviço de hospedagem mais barato que vem se tornando uma opção tão atrativa como as demais e familiaridade com o ambiente exposto. O contato com a natureza, a construção rústica e as lareiras criam um clima de paz e romantismo, indicado para quem quer relaxar. As famílias podem acomodar-se bem, pois os chalés, ao contrário dos hotéis, são hospedagens mais espaçosas, tendo às vezes de dois a três quartos, oferecendo um custo benefício satisfatório. Outra vantagem é que os chalés costumam ser equipados com cozinha, muito importante para quem gosta de preparar suas refeições. Sendo assim, verificou-se que é viável a implantação de uma rede de chalés na região Campos das Vertentes, pólo São João Del Rei, Circuito Estrada Real.

7 6 Referências bibliográficas: DOLABELA, F. Oficina do empreendedor. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999a. cap O segredo de Luísa. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999b.. O ensino do empreendedorismo: panorama brasileiro. In: BROCKHAUS, R. H. et al. Empreendedorismo: ciência, técnica e arte. Brasília: CNI/IEL, p DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando idéias em negócios. Rio de Janeiro: Campus, DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor. São Paulo: Pioneira, cap. 1, 12 e 13. OLIVEIRA, D. de P. R. de. Manual de consultoria empresarial: conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas, ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Proceedings of women entrepreneurs in small and medium enterprises. Paris: OCDE, SANTOS, Márcio. Estradas Reais: introdução ao estudo dos caminhos do ouro e do diamante no Brasil. Belo Horizonte: Editora Estrada Real, SEBRAE Brasil, Agência de Apoio ao Empreendedor e Pequeno Empresário. Disponível em Acesso em: 12/07/06. SCHUMPETER, J. A. O fenômeno fundamental do desenvolvimento econômico. In:. A Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Abril, (Coleção Os Economistas). UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI. Disponível em Acesso em: 12/07/06.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS COM INFORMÁTICA Professor Victor Sotero 1 OBJETIVOS DA DISCIPLINA Esta disciplina apresenta uma metodologia para formação de empreendedores. Aberta e flexível, baseada em princípios

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL Programa de Apoio à Reinserção e Fomento das Atividades Econômicas Locais CONTROLE DE REVISÃO CÓDIGO REVISÃO DATA P00.SM-032/14 00 30/01/2014 P00.SM-032/14 01 30/04/2014

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PERFIL DO NOVO EMPREENDEDOR E OS RESULTADOS DE SUA GESTÃO

O EMPREENDEDORISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PERFIL DO NOVO EMPREENDEDOR E OS RESULTADOS DE SUA GESTÃO O EMPREENDEDORISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PERFIL DO NOVO EMPREENDEDOR E OS RESULTADOS DE SUA GESTÃO Judimar da Silva Gomes Administrador, Mestre em Tecnologia pelo CEFET/RJ Celso Suckow da Fonseca Coordenador

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

A AÇÃO DO EMPREENDEDORISMO COMO MOLA PROPULSORA DA ECONOMIA NO INÍCIO DO SECULO XXI

A AÇÃO DO EMPREENDEDORISMO COMO MOLA PROPULSORA DA ECONOMIA NO INÍCIO DO SECULO XXI A AÇÃO DO EMPREENDEDORISMO COMO MOLA PROPULSORA DA ECONOMIA NO INÍCIO DO SECULO XXI Paulo Cezar Ribeiro da Silva Mestre em Administração FGV/RJ Coordenador da Empresa Júnior FABAVI Vitória RESUMO: Trata

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DO JOVEM EMPREENDEDOR NO MERCADO DE VAREJO NA CIDADE JALES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DO JOVEM EMPREENDEDOR NO MERCADO DE VAREJO NA CIDADE JALES TÍTULO: A IMPORTANCIA DO JOVEM EMPREENDEDOR NO MERCADO DE VAREJO NA CIDADE JALES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JALES

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

O PAPEL DA UNIVERSIDADE NA FORMAÇÃO DE EMPREENDEDORES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO

O PAPEL DA UNIVERSIDADE NA FORMAÇÃO DE EMPREENDEDORES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO O PAPEL DA UNIVERSIDADE NA FORMAÇÃO DE EMPREENDEDORES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO Andrieli Ariane Borges Avelar (IC), (UNESPAR/FECILCAM), andri-avelar@hotmail.com João Marcos Borges Avelar (OR), (UNESPAR/FECILCAM),

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

ALTERNATIVAS NO MUNDO DO TRABALHO NA PÓS-MODERNIDADE: UMA ANÁLISE DO PROCESSO E DO PERFIL EMPREENDEDOR 1

ALTERNATIVAS NO MUNDO DO TRABALHO NA PÓS-MODERNIDADE: UMA ANÁLISE DO PROCESSO E DO PERFIL EMPREENDEDOR 1 ALTERNATIVAS NO MUNDO DO TRABALHO NA PÓS-MODERNIDADE: UMA ANÁLISE DO PROCESSO E DO PERFIL EMPREENDEDOR 1 VENCATO, C.²; ROSO, A.³ 1 Trabalho de Pesquisa 2 Mestrando do Curso de Administração de Pós-Graduação

Leia mais

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples.

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Perfil Sócio-Demográfico da Regional Centro - Sul Prezado Associado, Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Além da concorrência assustadora que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E GESTÃO

EMPREENDEDORISMO E GESTÃO REINVENTANDO O ENSINO MÉDIO ÁREA DE EMPREGABILIDADE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO PROPOSTA CURRICULAR Belo Horizonte Dezembro de 01 Governador de Minas Gerais Antônio Augusto Junho Anastasia Vice-Governador

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 06/08/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores

Leia mais

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples.

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Perfil Sócio-Demográfico da Regional Venda Nova 1 Prezado Lojista, Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Além da concorrência assustadora que impõe

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 1 MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Dia das Crianças 2014 Rua Venâncio Borges do

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

Pesquisa com Comerciantes de Artesanato setembro / 2013

Pesquisa com Comerciantes de Artesanato setembro / 2013 Pesquisa com Comerciantes de Artesanato setembro / 2013 1 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO Código: CTB - 251 Pré-requisito: -------- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec: ETEC PROF.MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU E I X O T E C N O L Ó G I C O : G E S T Ã O E N E G Ó C I O S O F I C I N A 2 : G E S T Ã O D E P E S S O A S E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S Consultora

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014

INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014 1 INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Natal 2014 Rua Venâncio Borges do Nascimento, 377 Jardim Tv Morena Campo Grande - MS, 79050-700 Fone:

Leia mais

Pesquisa junto ao público visitante e turistas do Desfile das Escolas de Samba do Carnaval de Vitória. Vitória, março de 2011

Pesquisa junto ao público visitante e turistas do Desfile das Escolas de Samba do Carnaval de Vitória. Vitória, março de 2011 Pesquisa junto ao público visitante e turistas do Desfile das Escolas de Samba do Carnaval de Vitória Vitória, março de 2011 Governo do Espírito Santo Governador Jose Renato Casagrande Vice Governador

Leia mais

Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro

Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro Tayná Bernardes Miguel¹, Rayanne Sartorio Stoduto Almeida¹, Julianne Alvim Milward-de-Azevedo

Leia mais

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO PARAIBANO Silva, Hellosman de Oliveira, Rodrigues, Tárcio

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

PROFESSORA Paula Nogueira Bartkiw. Especialista (MBA em Gestão Empresarial) Graduação em Marketing. Aula 5. Disciplina EMPREENDEDORISMO

PROFESSORA Paula Nogueira Bartkiw. Especialista (MBA em Gestão Empresarial) Graduação em Marketing. Aula 5. Disciplina EMPREENDEDORISMO PROFESSORA Paula Nogueira Bartkiw Especialista (MBA em Gestão Empresarial) Graduação em Marketing Aula 5 Disciplina Plano de Negócios. Definições; Por que escrever um plano de negócios?; Plano de Negócios

Leia mais

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas Relatório final Realização: Dezembro - 1999 Estudo da Mortalidade

Leia mais

Demanda e Marketing Turísticos em Áreas Rurais

Demanda e Marketing Turísticos em Áreas Rurais Demanda e Marketing Turísticos em Áreas Rurais Retrato do Turismo Rural no Brasil, com foco nos Pequenos Negócios Perfil Empresarial Andrea Faria da Silva 1 Resumo: O estudo objetiva a geração de insumos,

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER RESUMO

VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER RESUMO 146 VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER Carolina Guimarães de Souza Eliane Vargas de Campos RESUMO O presente artigo tem como objetivo conhecer o processo de Vendas Diretas, suas principais características

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E A CULTURA EMPREENDEDORA: UM ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL

EMPREENDEDORISMO E A CULTURA EMPREENDEDORA: UM ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL EMPREENDEDORISMO E A CULTURA EMPREENDEDORA: UM ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL André Roese 1 Erlaine Binotto 2 Hélio Büllau 3 RESUMO Este artigo objetiva analisar a eficácia dos programas de estímulo

Leia mais

XI Inic EPG - UNIVAP 2011. Top Business Magazine: a linguagem empresarial da região Alan Douglas Batista, Profª Msc. Vânia Braz de Oliveira

XI Inic EPG - UNIVAP 2011. Top Business Magazine: a linguagem empresarial da região Alan Douglas Batista, Profª Msc. Vânia Braz de Oliveira XI Inic EPG - UNIVAP 2011 Top Business Magazine: a linguagem empresarial da região Alan Douglas Batista, Profª Msc. Vânia Braz de Oliveira Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP/ Faculdade de Ciências

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo.

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped.

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped. Panorama da área fiscal e tributária A área fiscal no Brasil recebe constantemente mudanças e atualizações ligadas aos processos de fiscalização, tributação, contribuição, regulamentação entre outros.

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE SERVIÇOS E HOSPITALIDADE EM EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS E EVENTOS

MBA EM GESTÃO DE SERVIÇOS E HOSPITALIDADE EM EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS E EVENTOS MBA EM GESTÃO DE SERVIÇOS E HOSPITALIDADE EM EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS E EVENTOS O programa foi desenvolvido para capacitar o aluno a atuar no segmento Business de Turismo e Eventos, dando-lhe competências

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS PAIS DO ANO DE 2011

CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS PAIS DO ANO DE 2011 CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS PAIS DO ANO DE 2011 GOIÂNIA 2011 1. INTRODUÇÃO. Este trabalho apresenta os resultados da pesquisa social aplicada,

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba

Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba Karoline Varão de Almeida Graduada em Ciências Contábeis pela UEPB e graduanda

Leia mais

http://www.rsopt.com 8 de março de 2012 http://www.empreend.pt empreend@empreend.pt Doutora Maria do Rosário Almeida

http://www.rsopt.com 8 de março de 2012 http://www.empreend.pt empreend@empreend.pt Doutora Maria do Rosário Almeida http://www.rsopt.com http://www.empreend.pt empreend@empreend.pt 8 de março de 2012 Doutora Maria do Rosário Almeida Índice Empreend Associação Portuguesa para o Empreendedorismo Conceitos de Empreendedorismo

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 IMPLANTAÇÃO DE UM PLANO DE SAÚDE EM UMA EMPRESA DE BAMBUÍ: Estratégias de Viabilidade MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 1 ; ANDERSON LUIS SILVA COSTA 2 ; MÁRCIO TORRES GOTIERRE LOPES 3 RESUMO Esse trabalho tem

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE NOVOS EMPREENDEDORES

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE NOVOS EMPREENDEDORES ANAIS DO I EGEPE, p. 123-131, out./2000 (ISSN 1518-4382) PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE NOVOS EMPREENDEDORES CARLOS AUGUSTO CANDÊO FONTANINI (Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUC/PR) Resumo O presente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

NEGÓCIOS I PLANO DE PLANO DE NEGÓCIOS I. Ementa. Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I. Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br PLANO DE NEGÓCIOS I

NEGÓCIOS I PLANO DE PLANO DE NEGÓCIOS I. Ementa. Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I. Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br PLANO DE NEGÓCIOS I Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br Ementa Como preparar um Plano de Negócios. Razões para elaborar um Plano de Negócios. Estrutura do Plano de Negócios. Concepção

Leia mais

O PERFIL DO EMPREENDEDOR NA CIDADE DE RIBEIRÃO DAS NEVES: SINAIS

O PERFIL DO EMPREENDEDOR NA CIDADE DE RIBEIRÃO DAS NEVES: SINAIS INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CLEONICE FERREIRA HONORATO REINALDO GOMES DOS SANTOS O PERFIL

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

Realizador. Ficha Técnica. Equipe. Parceiro. Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) Fernando Fagundes Milagre Presidente

Realizador. Ficha Técnica. Equipe. Parceiro. Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) Fernando Fagundes Milagre Presidente 1 Realizador Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) Ficha Técnica Fernando Fagundes Milagre Presidente Julio César Vasconcelos Vice Presidente Érik Capodeferro Diretor Executivo Equipe Ananda

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE

Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE Udo Strassburg (Docente da UNIOESTE), udo@udostrassburg.com.br, rua Rodrigues Alves, 1197, Jardim Maria Luiza,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

Motivações e Competências Pessoais

Motivações e Competências Pessoais O PERFIL EMPREENDEDOR Motivações e Competências Pessoais A criação e a consolidação de empresas bem sucedidas num mercado competitivo depende de um conjunto de factores que não podem ser reduzidos à personalidade

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

HOSPEDAGEM DOMICILIAR: UMA DISCUSSÃO SOB A ÓTICA DE MORADORES E TURISTAS NA CIDADE DE CARACARAÍ, RORAIMA 1

HOSPEDAGEM DOMICILIAR: UMA DISCUSSÃO SOB A ÓTICA DE MORADORES E TURISTAS NA CIDADE DE CARACARAÍ, RORAIMA 1 HOSPEDAGEM DOMICILIAR: UMA DISCUSSÃO SOB A ÓTICA DE MORADORES E TURISTAS NA CIDADE DE CARACARAÍ, RORAIMA 1 Raimundo dos Santos Cardoso 2 Thiago José Costa Alves 3 Universidade Estadual de Roraima Resumo:

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

FACULDADES ALVES FARIA - ALFA

FACULDADES ALVES FARIA - ALFA FACULDADES ALVES FARIA - ALFA CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA PESQUISA : ENDIVIDAMENTO DO CONSUMIDOR GOIANIENSE 2013-1 GOIÂNIA 2013 1. INTRODUÇÃO. Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E O INCENTIVO A PRÁTICAS EMPREENDEDORAS: Um estudo de caso do comércio de Bebedouro-SP

POLÍTICAS PÚBLICAS E O INCENTIVO A PRÁTICAS EMPREENDEDORAS: Um estudo de caso do comércio de Bebedouro-SP 974 POLÍTICAS PÚBLICAS E O INCENTIVO A PRÁTICAS EMPREENDEDORAS: Um estudo de caso do comércio de Bebedouro-SP Renata de Souza Martinez1 - Uni-FACEF Sheila Fernandes Pimenta e Oliveira2 - Uni-FACEF Introdução

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO O título do projeto deve delimitar a área de abrangência onde as ações serão executadas. Setembro, 2014 1 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Dra. em Ciências Sociais (UNICAMP) Bom dia, Primeiramente gostaria de cumprimentar a todos e a todas

Leia mais

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Rui Ferreira, AUDAX/ISCTE Instituto Politécnico de Coimbra Oficina-E 15/10/08 Enquadramento O O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será

Leia mais