RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA TELEVISÃO VERDES MARES: INDEXAÇÃO DE IMAGENS AUDIOVISUAIS JORNALISTICAS RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA TELEVISÃO VERDES MARES: INDEXAÇÃO DE IMAGENS AUDIOVISUAIS JORNALISTICAS RESUMO"

Transcrição

1 XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA TELEVISÃO VERDES MARES: INDEXAÇÃO DE IMAGENS AUDIOVISUAIS JORNALISTICAS Lívia Maria Caetano da Costa 1 RESUMO Este trabalho apresenta o relato da minha experiência da qual eu estou adquirindo durante o estágio que faço atualmente. As imagens para um jornal são extremamente importantes, todavia é preciso um meio eficaz para trabalhar estas informações, de modo a recuperá-las de modo fácil, rápida e fidedigna, pois a indexação nas imagens jornalísticas é trabalhada de forma muito específica e complexa, de maneira significativa e discriminante. Houve um grande interesse em recuperação de imagens principalmente diante das novas tecnologias de comunicação, as imagens tornaram-se fonte de informação verídica e valiosa para muitos. Os jornais são importantes fontes de informação, principalmente nos últimos anos que a produção de matérias jornalísticas cresceu consideravelmente, daí a importância de trabalhar com a indexação de imagens. Os mesmos desenvolvem um importantíssimo papel na sociedade, sempre se preocupando com questões sociais da comunidade. Esta preocupação é vista nas matérias jornalísticas e nos programas realizados para a própria comunidade. Com esta experiência estou me preparando para um mercado de trabalho que cresce a cada dia, além de ser uma área pouco convencional da Biblioteconomia, da qual a tendência é crescer cada vez mais. Este relato conta com uma pesquisa qualitativa pois busco observar e vivenciar ativamente no ambiente da indexação de imagens, identificando os fenômenos. Baseia-se na pesquisa estudo de caso, por se tratar de uma pesquisa muito específica, que incide no estudo profundo e detalhado do meu objeto. Devemos descobrir todos os elementos constituintes desta área diferente, que com certeza irá contribuir e muito para a área de biblioteconomia. Baseia-se na pesquisa estudo de caso, por se tratar de uma pesquisa muito específica, que incide no estudo profundo e detalhado do meu objeto. Palavras-chave: Indexação de imagens. Jornal. Recuperação da informação. Representação da informação. 1 Graduando da 6ª fase de Biblioteconomia da Universidade Federal do Ceará.

2 1 INTRODUÇÃO A informação é a arma mais poderosa nos dias de hoje, pois com seu domínio é possível liderar o setor seja da empresa ou constituição a que se destina. Isto porque o mundo gira em torno de informação rápida, segura e ágil. Então, analisar a agilidade e rapidez do processo de representação dessas informações é de suma importância. Com desenvolvimento científico e tecnológico, o volume na produção do conhecimento cresce a cada dia. Contudo, a grande quantidade de informação requer um meio adequado para trabalhá-la, para que posteriormente possa ser recuperada. Diante disso, podemos ver a importância da indexação. Podemos dizer que a indexação é uma análise atribuindo termos indexadores visando a recuperação do conteúdo de forma clara, concisa, segura e consistente. Esses termos são aplicados por meio de uma linguagem de indexação. Infelizmente estas linguagens são compostas por vocabulários controlados ou não, é a partir daí que surge os diversos problemas na recuperação. Existem diversas estruturas de informação, que se estabelece através de várias formas, uma delas é a multimídia, sob a forma de imagens, sons e textos. Diante desse grande volume de informações, a representação dessas informações deve ser feitas de maneira correta; pois caso contrário haverá ruídos na busca da informação, causando dificuldades para acessar as informações desejadas. Há uma ausência e até mesmo uma deficiência no processo de representar a informação. Os jornais são importantes fontes de informação, principalmente nos últimos anos que a produção de matérias jornalísticas cresceu consideravelmente. Os mesmos desenvolvem um importantíssimo papel na sociedade, sempre se preocupando com questões sociais da comunidade. Esta preocupação é vista nas matérias jornalísticas e nos programas realizados para a própria comunidade. Diante de tantas informações impostas aos jornais a todo o momento, é preciso um meio para trabalhá-las. Diante disso, podemos ver o importante papel do bibliotecário, isto porque é este profissional da informação que irá trabalhar todas as informações dos jornais e torná-las disponíveis sempre que necessitarem. Ao mesmo tempo em que acontece a transformação nos procedimentos e materiais das imagens e sua reprodução, aumenta também a variedade em formatos e suportes. O trabalho se torna complicado uma vez que diante de tantos registros das matérias,

3 existem dificuldades no processo de indexação, para registrar seus traços pertinentes, para poder recuperar a imagem. A mídia tem grande domínio com seu público essa aproximação é possível com o fazer jornalístico. Seu papel surgiu com a necessidade de informar o cidadão. O objetivo deste trabalho é descobrir esta área diferente da Biblioteconomia, de forma a identificar novos meios para atuação, possibilitando portas abertas para o mercado de trabalho. A indexação de imagens é uma área que requer atenção, pois a mesma está crescendo consideravelmente, permitindo que o bibliotecário atue de forma satisfatória, descobrindo e inovando cada vez mais, como forma a contribuir para os jornais.

4 2 TELEVISÃO VERDES MARES A TV Verdes Mares é uma emissora de televisão brasileira, com sede em Fortaleza, localizada na Avenida desembargador Moreira, Atua no canal 10, tem programação própria e nordestina, representa o meio de televisão dentro do Sistema Verdes Mares de Comunicação. Foi fundada por Edson Queiroz, em 31 de janeiro de A empresa é filiada a Rede Globo de comunicação, apresenta uma preocupação em realizar campanhas sociais e culturais para a comunidade. 2.1 ARQUIVO DE IMAGENS O arquivo de imagens, assim como a Tv Verdes mares foi criada em 31 de janeiro de Atualmente o acervo é composto de aproximadamente nove mil unidades entre dvd s e fitas. O arquivo conta com duas bibliotecárias, Selma Maia e Sônia Oliveira, dois auxiliares administrativos: Antônio Marrocos e Rosângela Colares. O arquivo conta também com uma estagiária de biblioteconomia: Lívia Costa. O local onde o acervo está localizado é climatizado, com ar-condicionado especial para a coleção de fitas e dvd s. A biblioteca utiliza seu próprio sistema: SISTEMA VERDES MARES: Arquivo de imagens. O setor atende a todos os jornalistas, editores e pessoas que trabalham no jornal, além das pessoas de outros setores, como a Tv Diário e o jornal Diário do Nordeste. 2.2 SERVIÇOS OFERECIDOS Atendimento ao usuário: interação com o usuário, auxiliando-o na busca de informações desejadas, e eventual recuperação de informação, tornando o material disponível ao usuário. O arquivo tem um público grande e específico, se trata de funcionários da Verdes Mares, TV diário e Diário do Nordeste. Os jornalistas, editores e repórteres são os usuários mais assíduos. Dentre os diversos serviços oferecidos, o aluno irá atender aos usuários como já foi dito, buscando a informação desejada no mesmo instante, além de realizar

5 empréstimo e devolução, atendimento direto ao usuário executando o empréstimo de materiais através do seu registro O aluno também terá a oportunidade de fazer a decupagem, que se trata de um processo de observação em identificar todos os dados de uma imagem ou até mesmo vídeos. É preciso que faça uma divisão de todos os elementos que compõe uma imagem ou vídeo. Outra atividade a ser desenvolvida é a pesquisa, feita no próprio Sistema Verdes Mares, buscando por palavras chaves, termos ou sintagmas de vocabulário controlado. A reposição de material na estante, no caso fitas, dvd s ou bluray s, também será uma atividade. Um processo muito importante é a cópia feita de matéria jornalística, que se trata de uma transposição da fita UMATIC ou DVC-pro para o DVD ou bluray, quando necessário o conteúdo das fitas, são transferidos apenas para um computador, onde a informação será enviada para o departamento de redação do jornal. A indexação é um passo complicado, pois o grau de informação deverá ser exaustiva, pois caso contrário, os vídeos ou imagens, jamais serão encontrados novamente, por conta da grande quantidade de acervo. 2.3 A INDEXAÇÃO A SERVIÇO DA REPRESENTAÇÃO DA INFORMAÇÃO A indexação consiste na Tradução de um documento em termos documentários, isto é, em descritores, cabeçalhos de assuntos, termos-chave, que têm por função expressar o conteúdo de um documento (LANCASTER, 1993, p. 19). Este processo incide em atribuir termos úteis, ou seja; identificar conceitos dos documentos que são expressos na terminologia da linguagem natural, para posteriormente identificar os descritores, vocabulário controlado etc. Este convertimento propõe a mudança da linguagem natural para a linguagem controlada, para isto, o indexador deve fazer uma leitura analítica do documento para nomear palavras-chaves, similares ao vocabulário para representar de maneira autêntica o conteúdo. Esta indexação é compreendida como indexação manual. A indexação é composta por um processo de análise do qual é feita em duas fazes. A primeira fase consiste na descrição, que corresponde a identificação, seleção e análise dos conceitos do conteúdo de um documento. A segunda fase consiste na representação, ou seja; representar por meio de descritores que sejam

6 similares com o vocabulário ou sistema de recuperação. As duas fases satisfazem a análise do conteúdo e palavras que representem esse conteúdo. Com a chegada das tecnologias da informação, o processo de indexação sofreu grandes mudanças. Há a indexação automática, que equivale aos mesmos procedimentos da indexação manual, com a diferença que a indexação automática vai ser subsidiada pelo computador e/ou internet, que permitirá identificar e selecionar termos para representar os documentos com o auxilio do computador, que já contém meio eficazes para compor o processo de representação, que são previamente programados. Porém, o processo não deixa de ser complexo, isto porque a atuação do indexador é a mesma, em relação a estudar e compreender do que se trata os documentos, quais seus conceitos e termos corretos para recuperá-lo. 2.4 INDEXAÇÃO DE IMAGENS AUDIOVISUAIS JORNALÍSTICAS A indexação nas imagens jornalísticas é trabalhada de forma muito específica e complexa, de maneira significativa e discriminante, relacionado ao usuário; que no jornalismo é usado um vocabulário informal, com linguagem natural. De acordo com (BARRETO, 2007, p.4), o conteúdo da imagem é classificado em dois principais tipos: Conteúdo primitivo de imagens: refere-se aos elementos básicos que compõem a imagem; são características visuais que podem ser reconhecidas e extraídas automaticamente pelo computador com reconhecimento de padrões e visão computacional. Conteúdos primitivos são em geral de natureza quantitativa; [outro tipo de conteúdo] conteúdo complexo de imagens refere-se aos padrões de uma imagem que são percebidas por seres humanos como fontes de significados. Dificilmente podem ser identificados por máquinas e são principalmente de natureza qualitativa. A agilidade e eficiência do jornal vão depender das atualidades das informações transmitidas pelo jornal, a fim de garantir a credibilidade do mesmo. Para isso é preciso contar com o apoio de um bom sistema de informação, armazenamento adequado, controle no processo de registro da informação, a recuperação e disseminação da informação para ser possível gerenciar a base de dados de forma confiável. Houve um grande interesse em recuperação de imagens principalmente diante das novas tecnologias de comunicação, as imagens tornaram-se fonte de

7 informação verídica e valiosa para muitos. No jornalismo a imagem é extremamente importante, pois com elas é possível regressar em um melhor ambiente de trabalho, com mais valorização e eficiência. Encontrar a imagem desejada muitas vezes é complicado, pois com a diversidade de informações existentes em uma base de dados, por exemplo, tornas-se difícil encontrar a imagem especifica, uma vez que muitos outros resultados também aparecem por isso a indexação deve ser bem elaborada. Este é um trabalho de pesquisa e atribuição de conceitos nas imagens, que sempre significam algo e muitas vezes são mais verídicos do que simplesmente a informação transmitida pelo repórter. A linguagem de indexação é considerada um aparelho controlador do vocabulário nos sistemas de recuperação da informação. Para representar as imagens é preciso descrevê-las com palavras todos os traços da mesma, e contextualizando todas as variáveis e requisitos necessários para a indexação de imagens. O pesquisador de imagens precisa descrever descritores por meio de palavras de forma a recuperar a que mais lhe convém, utilizando ferramentas de linguagem controlada para descrever o conteúdo informacional das imagens de acordo com os níveis de exaustividade e especificidade de indexação. Com as novas tecnologias o processo e armazenamento da indexação de imagens audiovisuais mudaram, podemos ver esta diferença no processo de indexação automática por meio do próprio sistema de representação, onde é feita a classificação, catalogação e indexação no sistema facilitando tanto o trabalho do profissional, como o usuário no momento da recuperação da informação. A análise da imagem de acordo com (SMIT, 1996), é feita em três níveis: nível pré-iconográfico, iconográfico e iconológico. O nível pré-iconográfico refere-se aos objetos e ações representados pela imagem. O nível iconográfico compõe o assunto convencional da imagem, em outras palavras, trata-se de um significado simbólico da imagem. O terceiro nível é o iconológico, refere-se a interpretação do significado essencial do conteúdo da imagem. O público corresponde aos jornalistas e editores do jornal, eles utilizam linguagem natural para facilitar o acesso à informação, além das adaptações para as necessidades dos usuários.

8 Adequar percepções e necessidades dos usuários potenciais com os critérios desenvolvidos pelos bancos de imagens para tornar disponíveis os seus fundos. E tudo isso sem esquecer que o usuário é um cliente e que seu espectro pode ser muito amplo, e responder às diversas necessidades. (Tradução nossa. MUÑOZ CASTAÑO, 2001, p. 04). A armazenagem pode ser feita em Blu Ray, o que permite maior capacidade de armazenamento além do fácil acesso a informação. As representações das imagens são feitas da seguinte forma; há uma interpretação dos elementos constituintes da imagem, estes processos são: descrever e interpretar as informações da imagem. Na indexação baseada em texto, quer dizer que é preciso descrever as características fundamentais das imagens, como onde ocorre, como ocorre, com quem ocorre etc. As palavras chaves são usadas na indexação para descrever todos os elementos associados a imagem, tratando-se também em qual repórter, cinegrafista, nome da matéria jornalística e outros.

9 2.5 CONCLUSÃO Concluo que esta experiência é primordial para minha carreira profissional. Todavia esta experiência merece ser repassada para todos os alunos que desejam conhecer novas áreas da Biblioteconomia e descobrir o fascinante mundo da indexação de imagens audiovisuais jornalística. O assunto merece um novo olhar, técnicas que melhorem cada vez mais este campo tão vasto e importante para os telejornais.

10 REFERÊNCIAS APOLINÁRIO, Fábio. Metodología da ciencia: filosofía e prática da pesquisa. São Paulo: Thompson, BANCO de imagens e indexação Disponível em: < Acesso em 09 nov BARRETO, Juliano Serra. Desafios e avanços na recuperação automática da informação audiovisual. Ciência da informação. Brasília, v. 36, n. 3, Castaño, Jesús E. Muñoz. Bancos de imágenes: evaluación y análisis de los mecanismos de recuperación de imágenes. Disponível em : < Acesso em 15 dez LANCASTER, F. W. Indexação e resumo: teoría e prática. Brasília, DF: Brinquet de Lemos/Livros, SMIT, Jahanna W. A representação da imagen. Informare, Rio de Janeiro, v. 2, p , Jul./dez

Universidade de Brasília UnB Faculdade de Ciência da Informação LAILA FIGUEIREDO DI PIETRO NATHALIA FERREIRA DE CARVALHO

Universidade de Brasília UnB Faculdade de Ciência da Informação LAILA FIGUEIREDO DI PIETRO NATHALIA FERREIRA DE CARVALHO Universidade de Brasília UnB Faculdade de Ciência da Informação LAILA FIGUEIREDO DI PIETRO NATHALIA FERREIRA DE CARVALHO PROPOSTA DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS AUDIOVISUAIS PARA

Leia mais

ESTÁGIO: TREINANDO E DESENVOLVENDO HABILIDADES - UM RELATO DA EXPERIÊNCIA NA BIBLIOTECA SESI

ESTÁGIO: TREINANDO E DESENVOLVENDO HABILIDADES - UM RELATO DA EXPERIÊNCIA NA BIBLIOTECA SESI Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - ESTÁGIO: TREINANDO E DESENVOLVENDO

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO OBIGATÓRIO CURRICULAR NA BIBLIOTECA SETORIAL DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIAS, CONTÁBEIS E SECRETARIADO

REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO OBIGATÓRIO CURRICULAR NA BIBLIOTECA SETORIAL DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIAS, CONTÁBEIS E SECRETARIADO XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO

Leia mais

Produção de Vídeo: Uma Proposta para Gestão de Acervo 1. Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Produção de Vídeo: Uma Proposta para Gestão de Acervo 1. Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Produção de Vídeo: Uma Proposta para Gestão de Acervo 1 Flávia da Costa Medina 2 Juliana Lima Eduardo 3 Adriane Maria Arantes de Carvalho 4 Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Leia mais

BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK

BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DA BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK (INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PLANALTO IESPLAN) Brasília Janeiro/2014 1 EQUIPE TÉCNICA Thayanne Farias das Virgens Ferreira Bibliotecária Diretora

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE IMAGENS THE DOCUMENTARY ANALYSIS OF IMAGES

ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE IMAGENS THE DOCUMENTARY ANALYSIS OF IMAGES 1 ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE IMAGENS THE DOCUMENTARY ANALYSIS OF IMAGES Miriam Paula Manini 1 Introdução Pretendemos desenvolver, nesta comunicação, questões atinentes à transposição de métodos e técnicas

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE UNIDA DE CAMPINAS (FACUNICAMPS)

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE UNIDA DE CAMPINAS (FACUNICAMPS) XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 POLÍTICA DE FORMAÇÃO

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS 2011 CONSELHO REGIONAL DE

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

A PRÁTICA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO II e III NA BIBLIOTECA DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DO CEARÁ SENAC-CE

A PRÁTICA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO II e III NA BIBLIOTECA DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DO CEARÁ SENAC-CE XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A PRÁTICA DO ESTÁGIO

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES.

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. 1. INTRODUÇÃO A biblioteca Joaquim Maria Machado de Assis do Colégio

Leia mais

II PRÊMIO OCB/MS DE JORNALISMO

II PRÊMIO OCB/MS DE JORNALISMO O II PRÊMIO OCB/MS DE JORNALISMO é um programa institucional desenvolvido pelo Sistema OCB-SESCOOP/MS - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado no Mato Grosso do Sul e Serviço Nacional

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Hardware Processo Informação Codificação Armazenamento Decodificação Informação Modelo computacional

Leia mais

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico Biblioteca UPIS 1 SUMÁRIO 1. Biblioteca... 3 2. Infra-Estrutura... 3 2.1 Espaço físico... 3 Campus I... 3 Instalações para estudos individuais... 3 Instalações para estudos em grupo... 3 3. Acervo Bibliográfico...

Leia mais

TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação

TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ANÁLISE DA INFORMAÇÃO I TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação

Leia mais

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? RESUMO

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? RESUMO CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? Harold Borko Equipe de Tecnologia e Sistemas de Informação System Development Corp. Santa Monica, California RESUMO Buscando um novo consenso quanto à identidade, questionamos,

Leia mais

Classes Funcionais 21

Classes Funcionais 21 Classes Funcionais 21 3 Classes Funcionais Em todo trabalho de classificação funcional é necessário determinar quais serão as classes funcionais utilizadas. Esta divisão não se propõe a ser extensiva,

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Comunicação Social Rádio e TV, Bacharelado

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Comunicação Social Rádio e TV, Bacharelado Credenciada pela Portaria nº 590 de 18/05/2011 Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Comunicação Social Rádio e TV, Bacharelado DOS FUNDAMENTOS, OBJETIVOS E CONTEÚDOS Art. 1º. Os Trabalhos

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC Florianópolis, 2011 Universidade do Estado de Santa Catarina Biblioteca Universitária POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

Classificação / Indexação

Classificação / Indexação Classificação / Indexação Classificação Entende-se por classificação: o processo pelo qual se torna possível dispor de uma forma ordenada, um determinado conjunto de elementos, de molde a facilitar a sua

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA II SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 2007

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA II SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 2007 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA II SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 2007 1 CURSO Indexação da Informação Imagética de Documentos Fotográficos 2 Prof.a Dr.a Miriam Paula Manini Curso de Arquivologia

Leia mais

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS CARDOSO, Débora Regina 1 debora.cardoso@click21.com.br VALENTIM, Marta Lígia Pomim 2 valentim@marilia.unesp.br

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Da Biblioteca Art.

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1)

A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1) A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1) Mariana de Oliveira Inácio 1, Mariângela Spotti Lopes Fujita 2 1 Mestranda,

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 Conceitos V Prêmio AMRIGS de Jornalismo REGULAMENTO O Prêmio AMRIGS de Jornalismo, quinta edição, é uma iniciativa da Associação Médica do Rio Grande do Sul, com o apoio do

Leia mais

I Simpósio ICIA58 - Arquivos de Som e Imagem em Movimento 13 de novembro de 2013. Salvador, BA.

I Simpósio ICIA58 - Arquivos de Som e Imagem em Movimento 13 de novembro de 2013. Salvador, BA. A IMPORTÂNCIA DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO NA SELEÇÃO DE MATERIAL AUDIOVISUAL Benjamín Camacho 1 RESUMO: Os progressos sobre as principais tarefas de seleção, preservação e tratamento documental, bem como

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. º A biblioteca é uma unidade subordinada,

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA 1 INTRODUÇÃO Devido às suas características, enquadra-se na categoria de Biblioteca Universitária. O Sistema de Bibliotecas das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba é formado

Leia mais

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Porto Alegre, 2010 ESADE - Política de Aquisição de Material Bibliográfico - 2 1 POLÍTICA DE SELEÇÃO É essencial que se estabeleça

Leia mais

Proposta para otimização da qualidade no controle do gerenciamento de documentos técnicos de engenharia

Proposta para otimização da qualidade no controle do gerenciamento de documentos técnicos de engenharia Proposta para otimização da qualidade no controle do gerenciamento de documentos técnicos de engenharia Maria Lenir Rodrigues da Costa a (marialenir.costa@yahoo.com.br); Rutenio Luiz Castro de Araujo b

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS SUMÁRIO CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO II DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III DOS USUÁRIOS CAPÍTULO IV DO EMPRÉSTIMO CAPÍTULO V DAS PENALIDADES CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

EDITAL. Seleção de propostas de temas para o programa televisivo semanal. Dia de Campo na TV 2016

EDITAL. Seleção de propostas de temas para o programa televisivo semanal. Dia de Campo na TV 2016 EDITAL Seleção de propostas de temas para o programa televisivo semanal Dia de Campo na TV 2016 Por meio da Embrapa Informação Tecnológica (Brasília, DF), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 023/2008

ATO NORMATIVO Nº 023/2008 EDIÇÃO Nº: 4600 DATA DE PUBLICAÇÃO:1/11/2008 SEXTA-FEIRA ANO:18 ATO NORMATIVO Nº 023/2008 Aprova o Regulamento do Sistema de Bibliotecas do Ministério Público do Estado da Bahia. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace A Biblioteca Digital do Senado Federal eo DSpace André Luiz Lopes de Alcântara Chefe do Serviço de Biblioteca Digital Simone Bastos Vieira Diretora da Biblioteca do Senado Federal BIBLIOTECA DO SENADO

Leia mais

o resumo é um instrumento de trabalho acadêmico muito utilizado por alunos, professores, pesquisadores, bibliotecários

o resumo é um instrumento de trabalho acadêmico muito utilizado por alunos, professores, pesquisadores, bibliotecários APRESENTAÇÃO DE RESUMOS: Norma Brasileira Registrada n 6028 Maria do Rosário Guimarães Almeida' Maria Rosivalda da Silva Pereira" RESUMO Resumo como forma de comunicação da produção científica. Abordase,

Leia mais

CONQUISTASAVANÇOS SOLIDARIEDADE DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO TRANSPORTE AVANÇOS SOLIDARIEDADE CRÉDITO DESENVOLVIMENTO RENDA COOPERAÇÃO COMUNICAÇÃO

CONQUISTASAVANÇOS SOLIDARIEDADE DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO TRANSPORTE AVANÇOS SOLIDARIEDADE CRÉDITO DESENVOLVIMENTO RENDA COOPERAÇÃO COMUNICAÇÃO PRORROGADO 06/NOV I N S C RI Ç Ã O E V EIC U L A Ç Ã O TRANSPORTE C OMU NID ADE AGRONEGÓCIO E DUC A Ç Ã O RENDA C OMU NID A D E FELICIDADE CRÉDITO RENDA COMUNICAÇÃO CONSUMO EQUIDADE DEMOCRACIA S A Ú D

Leia mais

TERMO DE ADITAMENTO AO REGULAMENTO DO 1º PRÊMIO COMIGO DE JORNALISMO REGULAMENTO GERAL

TERMO DE ADITAMENTO AO REGULAMENTO DO 1º PRÊMIO COMIGO DE JORNALISMO REGULAMENTO GERAL TERMO DE ADITAMENTO AO REGULAMENTO DO 1º PRÊMIO COMIGO DE JORNALISMO A Promotora do Prêmio Comigo de Jornalismo alterou os itens [1.1 e 1.2], tornando-se necessário ajustar o Regulamento do mesmo, que

Leia mais

05/05/2015. Recuperação de Informação

05/05/2015. Recuperação de Informação Recuperação de Informação Recuperação de Informação Recuperar consiste em identificar, em um conjunto de documentos (corpus), quais atendem à necessidade de do usuário. O usuário de um sistema de recuperação

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

Fluxo da informação em uma redação de TV 1

Fluxo da informação em uma redação de TV 1 Fluxo da informação em uma redação de TV 1 Leire BEVILAQUA 2 Ricardo POLETTINI 3 Rosimeire PANDO 4 Resumo O desenvolvimento das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) possibilitou novas maneiras

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 Bibliotecário Emanuel Vieira Pinto CRB-5/1618 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 5

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA RESOLUÇÃO N.º 04 O Diretor Geral das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba, no uso de suas atribuições regimentais, estabelece o regulamento da Biblioteca das FARESC. A

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Rua Adualdo Batista, 1550 Parque Iracema Fortaleza Ceará CEP: 60.824-140 Fone: (85) 3218.7020 www.cogerh.com.

TERMO DE REFERÊNCIA. Rua Adualdo Batista, 1550 Parque Iracema Fortaleza Ceará CEP: 60.824-140 Fone: (85) 3218.7020 www.cogerh.com. TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM PRODUÇÃO DE VÍDEO PARA ROTEIRIZAÇÃO, EDIÇÃO, GRAVAÇÃO DE LOCUÇÕES PROFISSIONAIS E MONTAGEM DE MATRIZ DE DVD COM MENU DE OPÇÕES DE ACESSO A CONTEÚDOS

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco Universidade Alto Vale do Rio do Peixe UNIARP 82.798.828/0001-00 Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro - Cx. Postal 232 CEP 89500-000 - Caçador - SC Fone/Fax: (49)3561-6200/3561-6202 Política de Desenvolvimento

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP ESTRUTURA

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP ESTRUTURA SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP ESTRUTURA Sala de Aula A instituição disponibiliza equipadas com todos os recursos multimídias necessários, que são estes: Projetor

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Bibliotecária Juliana Ribeiro de Campos Solla CRB-8 201/2013 Provisório Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00 h às 12:00 h e das 17:00 h às 21:00

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: UMA EXPERIÊNCIA NO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SANTA CATARINA

ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: UMA EXPERIÊNCIA NO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SANTA CATARINA ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: UMA EXPERIÊNCIA NO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SANTA CATARINA Juliana Aparecida Gulka 1 RESUMO Este relato de experiência busca apresentar as atividades desenvolvidas

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I Das considerações preliminares Art. 1º - A Biblioteca e a Biblioteca Digital da instituição é o depositário de todo material bibliográfico

Leia mais

PORTARIA Nº 24/2009. Art. 1º - Fica instituído o Regulamento das Bibliotecas do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, anexo a esta Portaria.

PORTARIA Nº 24/2009. Art. 1º - Fica instituído o Regulamento das Bibliotecas do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, anexo a esta Portaria. Pubicação: 18/09/09 DJE: 17/09/09 PORTARIA Nº 24/2009 Institui o Regulamento das Bibliotecas do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais. O SEGUNDO VICE-PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 7 5 Diretrizes... 9 6 Responsabilidades...12 7 Disposições Gerais...15 2 1 Objetivo

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE CIÊNCIA DA INFORAMÇÃO-CEECInfo Indicadores e Padrões de Qualidade

Leia mais

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 Patrícia Marques da Silva 2 ; Aline Cardoso Militão 3 ; Sônia Cristina Soares Dias Vermelho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

A informação jurídica e seus desdobramentos: a experiência de implantação de uma biblioteca especializada em um escritório de advocacia

A informação jurídica e seus desdobramentos: a experiência de implantação de uma biblioteca especializada em um escritório de advocacia XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A informação jurídica

Leia mais

IV Prêmio de Jornalismo AMRIGS Edição Especial REGULAMENTO

IV Prêmio de Jornalismo AMRIGS Edição Especial REGULAMENTO IV Prêmio de Jornalismo AMRIGS Edição Especial REGULAMENTO 1. Considerações gerais 1.1 Conceitos O Prêmio AMRIGS de Jornalismo, quarta edição, é uma iniciativa da Associação Médica do Rio Grande do Sul.

Leia mais

REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO

REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO 1. Apresentação Na Faculdade do Sudeste Goiano a biblioteca tem sido alvo de constante atenção, seu

Leia mais

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES:

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES I FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Funções, Políticas

Leia mais

Regulamento da Biblioteca:

Regulamento da Biblioteca: Regulamento da Biblioteca: Professor Paulo Petrola CAPÍTULO I Do Regulamento Art. 1º O presente Regulamento normaliza o funcionamento da Biblioteca. CAPÍTULO II Do Funcionamento Art. 2º A Biblioteca funciona

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO CRIAÇÃO DO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB Relatório Biblioteca Penha Shopping 2015 SUMÁRIO 1 SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS - SIBi... 02 2 NÚCLEO DE COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS - NCB... 02 3 UNIDADE

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo Manual do Usuário Índice Conheça o Projeto...3 Apresentação...3 Finalidade...3 Objetivo...3 Histórico...4 Usando o Portal...5 Efetuando o cadastro na biblioteca digital...5 Logando na Biblioteca Digital...6

Leia mais

REGULAMENTO BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA CAPÍTULO I DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA CAPÍTULO I DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA Estabelece parâmetros de funcionamento, serviços, procedimentos e dá outras disposições. CAPÍTULO I DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA Art. 1º. É obrigatória, por parte

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO SOFTWARE ANT MOVIE CATALOG SOB O PONTO DE VISTA DA ORGANIZAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO AUDIOVISUAL FÍLMICA

ANÁLISE CRÍTICA DO SOFTWARE ANT MOVIE CATALOG SOB O PONTO DE VISTA DA ORGANIZAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO AUDIOVISUAL FÍLMICA ANÁLISE CRÍTICA DO SOFTWARE ANT MOVIE CATALOG SOB O PONTO DE VISTA DA ORGANIZAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO AUDIOVISUAL FÍLMICA ROBSON ASHTOFFEN JOHANNA W. SMIT RESUMO O trabalho analisa criticamente a base de dados

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Ações culturais em bibliotecas especializadas: a experiência da Eletrobras Resumo: Relata a experiência da Biblioteca Central da Eletrobras na implantação de ações culturais visando atender às demandas

Leia mais

As etapas de automação

As etapas de automação As etapas de automação NEGREIROS, Leandro Ribeiro. Sistemas eletrônicos de gerenciamento de documentos arquivísticos: um questionário para escolha, aplicação e avaliação. Dissertação (mestrado em Ciência

Leia mais

Oarquivamento de conteúdo na nuvem é outra. A evolução dos sistemas de gestão de acervos digitais

Oarquivamento de conteúdo na nuvem é outra. A evolução dos sistemas de gestão de acervos digitais A evolução dos sistemas de gestão de acervos digitais Nesta edição da Revista da SET avançamos com a segunda parte do artigo que analisa os sistemas de gestão de acervos digitais. Na edição anterior foram

Leia mais