PROJETO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MODALIDADE EAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MODALIDADE EAD"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO PROJETO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MODALIDADE EAD Vitória, Junho de 2008

2 PROPONENTE: NOME: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO CNPJ: END.: AV. VITÓRIA 1729 JUCUTUQUARA CIDADE: VITÓRIA UF: ES CEP: FONE: (27) FAX: (27)

3 SUMÁRIO 1 DIRIGENTE PRINCIPAL DA MANTENEDORA IDENTIFICAÇÃO DO CURSO HISTÓRICO DA MANTENEDORA E DA INSTITUIÇÃO MANTIDA ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR FINALIDADE JUSTIFICATIVA OBJETIVO DO CURSO PERFIL DESEJADO DO FORMANDO Habilidades e Competências ÁREAS DE ATUAÇÃO ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA Processo de Comunicação entre os participantes Material Didático Acessibilidade às pessoas com necessidades especiais Descrição da Equipe Multidisciplinar Papel do Coordenador de Curso Papel do Pedagogo Papel do Professor Conteudista Papel do Professor Especialista Papel do Tutor a distância Papel do Tutor Presencial Tutor de Laboratório Coordenador de produção de materiais (Designer Instrucional) Coordenador de Pólo ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR EMENTAS, COMPETÊNCIAS E BIBLIOGRAFIA ATIVIDADES COMPLEMENTARES ESTÁGIO CURRICULAR EXTENSÃO, PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA PLANO DE CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS NO CURSO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Avaliação da Aprendizagem AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO À APRENDIZAGEM INSCRIÇÕES, PROCESSO SELETIVO E INGRESSO PÓLOS BIBLIOTECA RECURSOS HUMANOS Coordenação de Curso Colegiado do Curso Equipe Multidisciplinar - Corpo Docente efetivo com suas respectivas formações acadêmicas: Gestores do Curso

4 1 DIRIGENTE PRINCIPAL DA MANTENEDORA Nome: Jadir José Pela Endereço: Rua Carlos Alves, 200 / 202 Praia do Suá Cidade: Vitória UF: ES CEP: Telefone: (27) Fax: (27) Pró-Reitor de Graduação ou Diretor de Ensino Cargo: Diretor de Ensino Nome: Denio Rebello Arantes Endereço: Praça Cristóvão Jacques, 37/801 Santa Helena Cidade: Vitória UF: ES CEP: Telefone: (27) Fax: (27)

5 2 IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Nome do Curso Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Modalidade Educação a Distância Nível Status Regime de Matrícula Periodicidade Letiva Graduação Tecnólogo Crédito Sob demanda Quantitativo de vagas Carga horária total do curso 2.400H Nº de Vagas 250 Nº de Turmas Total Alunos 5

6 3 HISTÓRICO DA MANTENEDORA E DA INSTITUIÇÃO MANTIDA O Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo - CEFETES foi oficializado em 23 de setembro de 1909, no governo do presidente Nilo Peçanha e foi regulamentado pelo Decreto de 25 de outubro de Inicialmente, foi denominada Escola de Aprendizes de Artífices do Espírito Santo, tendo como propósito a formação de profissionais artesãos, com ensino voltado para o trabalho manual. A partir de 1937, com a denominação de Liceu Industrial de Vitória, passou a formar profissionais habilitados para a produção industrial, porém com um ensino ainda com características artesanais. Em 11 de dezembro de 1942, foi inaugurada a Unidade de Ensino de Jucutuquara, em Vitória. Nessa época, contava com internato e externato, oficinas e salas de aula para atender aos cursos de artes de couro, alfaiataria, marcenaria, serralheria, mecânica de máquinas, tipografia e encadernação. Em 3 de setembro de 1965, passou a denominar-se Escola Técnica Federal do Espírito Santo, ETFES, visando a adequar a educação às exigências da sociedade industrial e tecnológica, com ênfase na preparação de mão de obra qualificada para o mercado de trabalho. Em 1993 foi inaugurada a Unidade de Ensino de Colatina, como forma de atender a região noroeste do estado, formando inicialmente profissionais nas áreas de informática e construção civil. Através de Decreto Presidencial em março de 1999, a ETFES passa a ser um Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo - CEFETES, com maior abrangência e possibilidades de atuação. Hoje o CEFETES oferece formação continuada de trabalhadores, ensino médio, educação profissional técnica de nível médio, educação profissional tecnológica de graduação e de pós-graduação. Em 12 de março de 2001, foi inaugurada a Unidade de Ensino de Serra, e iniciadas as atividades acadêmicas com os cursos de Informática e Automação Industrial, tendo como principal objetivo a expansão da oferta de cursos nessas áreas, devido a sua proximidade do complexo industrial da Grande Vitória. Em 2004 o Cefetes passa a ser uma Instituição de Ensino Superior, com os decretos e 5.225, hoje substituído pelo Em 2005 a Unidade de Ensino Descentralizada de Cachoeiro de Itapemirim entra em funcionamento, oferecendo o Curso Técnico em Eletromecânica e o Curso Técnico em Rochas Ornamentais, inédito no Brasil. Em 2006 duas novas Unidades de Ensino iniciam suas atividades: A Unidade de Ensino de São Mateus, oferecendo o Curso Técnico em Mecânica, e a Unidade de Ensino de Cariacica, oferecendo o Curso Técnico em Ferrovias, inédito no Brasil e fruto de uma parceria do CEFETES com a Companhia Vale do Rio Doce. 6

7 Atualmente, o CEFETES funciona como sistema e conta com 6 Unidades de Ensino: Vitória, Colatina, Serra, Cachoeiro de Itapemirim, São Mateus e Cariacica. O Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo, próximo da marca de seu centenário no Estado, orgulha-se de seu esforço de atualização e reestruturação das condições de atendimento qualificado à sociedade capixaba em sua trajetória. 7

8 4 ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR 4.1 FINALIDADE A educação em nível nacional está em fase de grandes mudanças na busca do atendimento às exigências da sociedade contemporânea. São profundas as mudanças estruturais na organização do ensino formal principalmente quando relacionamos a sistematização dessa educação com o mercado de trabalho atual. É, pois, à luz desse contexto que a construção de uma Proposta Pedagógica na modalidade a distância deve ser encaminhada, de forma a atender a demanda de profissionais capacitados na área de sistemas de informação para atuar como consultor, projetista, analista e gerente da área de sistemas. Esse profissional deverá ter uma formação humanista, pensamento crítico e reflexivo a respeito dos aspectos éticos, políticos, sociais e econômicos relacionados à área, com condições de assumir o papel de agente transformador da sociedade e capacidade de provocar mudanças por meio da incorporação de novas tecnologias na solução de problemas. 4.2 JUSTIFICATIVA O Brasil é um país que, apesar de apresentar, atualmente, um quadro de mudanças significativas, seja no campo econômico, político ou no social, ainda é recordista de um grau de seletividade e exclusão, mantendo fora da escola uma grande maioria daqueles que, na verdade, mais necessitam dela. Neste contexto, assumir projetos de Educação a Distância significa trilhar caminhos que visem romper com um quadro determinado há muito tempo. Esse rompimento não significa e nem pretende ser, a substituição de sistemas presenciais por sistemas à distância. É preciso que os Centros Educacionais iniciem um trabalho para atender as diferenças individuais, possibilitando interações múltiplas e não lineares. A escola atual deve fazer uso pleno das novas tecnologias, dos novos paradigmas, tornando-os fundamentais dentro desse novo espaço educacional. O Ensino a Distância é uma realidade imposta não somente pelo mercado, mas pela própria educação, bem identificada na LDB desde 1996, em especial, no seu art. 80 que incentiva o desenvolvimento e a veiculação de programas de ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada O Ensino a Distância não somente quebra fronteiras e aproxima os que estavam separados, como cria uma nova mentalidade de trabalho colaborativo e de equipes multidisciplinares. O projeto da UAB (Universidade Aberta do Brasil), chega para atender à demanda pelo ensino a distância no país e a ampliação do acesso à educação superior, com vistas ao cumprimento da meta do Plano Nacional de Educação (PNE), de atender 30% da população entre 18 e 24 anos. Só 30% dos municípios oferecem educação superior presencial. Esse é um momento importante da educação pública no Brasil, em que a população distante dos centros de ensino superior, terá possibilidades de ingressarem nesse, e, isso é urgente para o país. 8

9 Este projeto do governo por meio da UAB, hoje instituído como Sistema Universidade Aberta do Brasil UAB, pelo Decreto nº 5.800, de 08 de junho de 2006, é um fator que sinaliza para a necessidade de uma resposta do CEFETES no sentido de ampliar seu atendimento de formação profissional de nível superior, revertendo o quadro de carência apresentado pela população do interior. Nesse sentido apresenta o projeto do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas na modalidade a distância. A criação do curso superior de tecnologia em Análise e Desenvolvimento de sistemas na modalidade a distância que ora encaminhamos, já possui uma aprovação do Conselho Diretor do CEFETES, por meio da Resolução nº08/2003, de 19 de maio de 2003, para funcionar na modalidade presencial. Dado o interesse do CEFETES em atender o encaminhamento das diretrizes Nacionais de Educação do Governo Federal, quanto à extensão e interiorização da educação superior, o projeto do curso superior de tecnologia em Análise e Desenvolvimento de sistemas na modalidade a distância, recebe uma roupagem nova para chegar até o interior do Estado do Espírito Santo e levar tecnologia e informações que capacitem profissionais para lidarem com Sistemas de Informações: projetando, analisando, gerenciando e oferecendo consultoria. Essa proposta está elaborada considerando as diretrizes da Educação a Distância e da Graduação Tecnológica constante dos Referenciais de Qualidade para Educação a Distância, da Secretaria de Educação a Distância/MEC, assim como as orientações da portaria 641, de 13 de maio de 1997, do Ministério da Educação, que dispõe sobre a autorização de novos cursos em faculdades, institutos superiores ou escolas superiores em funcionamento e, posteriormente adaptado de acordo com a portaria nº 1.647, de 25 de novembro de 1999; da Resolução CNE/CP nº 3 de 18/12/2002, publicada no DOU em 23/12/2002, que instituiu as Diretrizes Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos cursos superiores de tecnologia, o Decreto nº de 1/10/2004, que dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica, o Parecer CES nº 277/2006, que dispõe sobre a organização da Educação Profissional e Tecnológica de Graduação; O Decreto 5.786, de 24/5/06; Decreto nº 5.622, de 19/12/2005 e o Decreto nº 5.773, de 09/05/2006, alterados pelo Decreto nº 6.303, de 12/12/2007. O CEFETES, por meio de seu Projeto Pedagógico busca garantir o atendimento às demandas profissionais regionais, resgatando os múltiplos significados do processo de aprendizagem, valorizando o contato, o diálogo com as empresas e comunidades, difundindo o saber aqui produzido e, assim, efetivando melhorias concretas, novas formas de ler e de fazer o mundo no qual se insere o indivíduo, respeitando nesse processo as necessidades reais daqueles que procuram esta Instituição. (CEFETES. Projeto Pedagógico Institucional, disponível em: 4.3 OBJETIVO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas tem como objetivo: 9

10 Contribuir para o desenvolvimento científico e tecnológico na área de sistemas de informação para atender às necessidades regionais e nacionais em termos de formação de recursos humanos com uma atitude empreendedora e criativa. 4.4 PERFIL DESEJADO DO FORMANDO O profissional formado no Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas deve ser dotado de capacidades para concepção de projetos e incorporação de novas tecnologias na solução de problemas, adequadas às necessidades da sociedade seja qual for seu nível de atuação. Os requisitos para essa tarefa são muitos. Esse profissional deve ser capaz de identificar as necessidades da sociedade e as oportunidades relacionadas, o que implica em uma sintonia com o meio em que vive e um bom nível de informação. A partir da identificação dos problemas e oportunidades, o profissional deve ter a capacidade de articular e implementar soluções otimizadas quanto a custos, complexidade, acessibilidade, manutenção, etc. Esta etapa pode envolver o planejamento, a captação de recursos, motivação de parceiros, a execução do projeto em si e a manutenção de seus resultados. Segundo o indicativo das Diretrizes Curriculares de Cursos da Área de Computação e Informática proposto pela Comissão de Especialistas em Ensino de Computação e Informática (CEEInf), da SESu/MEC, é possível identificar duas grandes áreas de atuação dos profissionais de Sistemas de Informação: inovação, planejamento e gerenciamento da infra-estrutura de informação e coordenação dos recursos de informação nas organizações; e desenvolvimento e evolução de sistemas de informação e de infra-estrutura de informação para uso em processos organizacionais, departamentais e/ou individuais. Como um profissional atento às inovações do seu momento histórico é imprescindível a criatividade, iniciativa, sociabilidade, capacidade de expressão, organização, liderança, postura ética e elevada capacidade técnica e científica, bem como aquelas citadas nas diretrizes curriculares para o Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. O Profissional de informática deve ter condições de assumir o papel de agente transformador da sociedade, capacidade de provocar mudanças por meio da incorporação de novas tecnologias na solução de problemas. Além disso, propiciar novos tipos de atividades. Esse processo de formação não pode prescindir de levar em conta também que o profissional em Análise e Desenvolvimento de Sistemas é, antes de tudo, um profissional de nível superior, cujo perfil deve refletir a seguinte configuração: Uma sólida formação geral-profissional, pautada por princípios ético-políticos e técnico-científicos voltados para a complexidade das relações e das demandas humanas e sociais; 10

11 Entendimento de que a formação profissional é um processo contínuo de construção de competências que demanda aperfeiçoamento e atualização permanentes; A compreensão da profissão como uma forma de inserção e intervenção na sociedade, tendo por base a comunidade regional; Uma atitude crítica, responsável, criativa e respeitosa em relação às questões sociais e ambientais, com vistas à identificação e à resolução de problemas; A disponibilidade e competência para o exercício da interdisciplinaridade e para a atuação em equipes multiprofissionais, resguardada a autonomia profissional; A capacidade de pensar e de aportar o seu conhecimento no conhecimento já disponível, de maneira crítica, pessoal e consistente; A capacidade de utilizar os conhecimentos científicos e tecnológicos existentes e disponíveis e de produzir novos conhecimentos, deles derivando condutas pessoais e profissionais responsáveis, justas e éticas; e A capacidade de auto-análise tendo em vista o aprimoramento de seu autoconhecimento e de suas relações interpessoais Habilidades e Competências Estes profissionais adquirirão os seguintes conjuntos de competências e habilidades durante o curso: Contextualizar a área de Sistemas de Informação em termos históricos, políticos, sociais e econômicos; Analisar o funcionamento de uma organização, propor e implantar sistemas de informação; Utilizar, adequada e eficazmente, tecnologias de informação na solução de problemas relativos a domínios de aplicação específicos; Prever/compreender os impactos das novas tecnologias no homem, nas organizações e na sociedade; Auxiliar os demais profissionais a compreenderem como os sistemas de informação podem contribuir para as áreas de negócio nas organizações; Participar dos processos de mudança nas áreas de negócio, com base nas contribuições que os sistemas de informação podem oferecer; Aplicar conhecimentos de forma independente e inovadora, acompanhando a evolução da área e contribuindo para a busca de soluções em diferentes setores nas organizações; Interagir com os diversos setores da organização, a fim de conceber, desenvolver, gerenciar e aprimorar sistemas de tratamento automatizado de informações; Interagir produtivamente com o usuário, mediante seleção e utilização de formas adequadas de comunicação oral, escrita e gráfica; Assumir postura ética no tratamento e na disponibilização de informações; Relacionar e compatibilizar ferramentas e ambientes computacionais entre si e com os usuários e respectivas tarefas; Desenvolver projetos de software ergonomicamente concebidos, incorporando, entre outros aspectos, modelos cognitivos e lingüísticos que dão suporte a elementos de usabilidade, garantindo uma efetiva interface homem-máquina; 11

12 Identificar e compreender a arquitetura de computadores para otimizar as possibilidades de desenvolvimento de tarefas afeitas à atuação profissional, bem como os respectivos resultados; Conceber, projetar e desenvolver soluções para problemas, por meio da construção de programas; Selecionar sistemas operacionais em função de suas características e da disponibilidade de ferramentas, privilegiando o mais adequado; Identificar tecnologias de redes de computadores necessárias para atender as necessidades da organização; Integrar Sistemas de Bancos de Dados às soluções em tecnologia da informação nas organizações. 4.5 ÁREAS DE ATUAÇÃO O profissional de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas poderá atuar em diversos setores da economia pública e privada, nas seguintes funções: projetista de sistemas de informação; analista de sistemas; analista de negócios; gerente de área de sistemas de informação; empresário na área de sistemas de informação; consultor na área de sistemas de informação. 4.6 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA O Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas sob responsabilidade do CEFETES, foi concebido dentro dos princípios gerais que regem a Educação a Distância e a educação tecnológica. Esse projeto conduzirá a formação do profissional de tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, e tem como elemento norteador, utilizando-se dos estudos e reflexões individuais e das discussões em grupo e atividades práticas, a incorporação de novas tecnologias na solução de problemas adequados às necessidades da sociedade de forma contextualizada. Na organização didático-pedagógica serão considerados como princípios: uma metodologia de ensino que privilegie a construção dos conhecimentos como princípio educativo; a flexibilidade, quanto ao respeito ao ritmo e condições do aluno para aprender o que se exigirá dele; a autonomia dos alunos e o auto-gerenciamento da aprendizagem; a interação como ação compartilhada em que existem trocas, capaz de contribuir para evitar o isolamento e manter o processo motivador da aprendizagem; 12

13 a contextualização que é um recurso para tirar o aluno da condição de expectador passivo; articulação entre teoria e prática no percurso curricular; o planejamento, considerando as necessidades de aprendizagem e o perfil cultural dos alunos; o acompanhamento do processo de aprendizagem por professores especialistas(tutores a distância) e Orientadores acadêmicos (Tutores presenciais), assessorados por pedagogos; a motivação do estudante para com o objeto da sua profissão; uma base sólida para a compreensão de conceitos fundamentais à profissão de Sistemas de Informação; o uso e difusão de novas tecnologias; incentivo à pesquisa como princípio educativo. A aprendizagem é compreendida como um dos elementos do processo educativo que possibilita a resignificação da educação à distância, principalmente em termos de permitir, em razão de suas características, o rompimento da noção de tempo/espaço da escola tradicional. A Equipe multidisciplinar, composta por tutores à distância, professores especialistas, tutores presenciais, tutores de laboratório e pedagogo, trabalharão o planejamento, organização, assessoria e orientação do processo de aprendizagem dando ênfase a uma postura de construção do conhecimento, com uma metodologia dialética, na qual se propicie a passagem de uma visão do senso comum o que o aluno já sabe sobre a área de sistemas de informação, com base em suas experiências de vida; a uma visão tecnológica mediante o desenvolvimento de práticas pedagógicas voltadas para: mobilização do aluno para o conhecimento, a disponibilização de instrumentos que lhe proporcionem oportunidades de construir conhecimentos novos e o desenvolvimento da capacidade de elaboração de sínteses integradoras do saber construído com aqueles que já possuíam anteriormente. O aluno será o centro do processo. Os tutores a distância e presenciais deverão utilizar-se de uma metodologia que garanta a troca de informações entre os estudantes e entre estudantes e tutores. Através da condução não diretiva do processo é que o aluno construirá sua própria aprendizagem. O tutor, aqui, será um mediador fornecendo os instrumentos e conteúdos necessários à construção dos conceitos científicos que sela os conhecimentos. O tutor presencial deverá incentivar permanentemente e sensibilizar o aluno sobre o que vai fazer. Deve valorizar a importância da participação do aluno em todo processo de orientação e aprendizagem, considerando-o como sujeito de sua aprendizagem. Os estudantes deverão ser capazes de sair de uma postura passiva, assumindo um papel mais ativo no processo, tornando-se agente de sua própria aprendizagem na busca da construção dos seus conhecimentos. Para tal, serão disponibilizados meios para que o estudante desenvolva sua capacidade de julgamento, de forma suficiente, para que ele próprio esteja apto a buscar, selecionar e interpretar informações relevantes ao aprendizado. Um dos pontos chaves para o sucesso na formação do profissional de Análise e Desenvolvimento de Sistemas é a motivação do estudante. Para tal, o conhecimento dos 13

14 fundamentos de matemática, lógica e outros, é uma das ferramentas que o aluno dispõe para consolidação de suas idéias. Pensando em maneiras de resolver essa questão, os professores especialistas, junto com os tutores a distância devem ter a preocupação real com uma orientação efetiva dos alunos que apresentam dificuldades, durante os três primeiros semestres do curso. Além disso, serão disponibilizados laboratórios de informática nos pólos de apoio presencial, com tutores de laboratório, que ficaram à disposição dos alunos que, além das atividades práticas indicadas, quiserem, por sua própria autonomia, um aprofundamento de conhecimentos. Outro importante fator a ser considerado é a atualização dos conhecimentos e suas aplicações. Os assuntos relativos às novas tecnologias tendem a despertar um grande interesse nos estudantes, bem como suas relações com a sociedade. Considerando o acelerado desenvolvimento na área de Sistemas de Informação, pode-se afirmar, que esses tópicos são imprescindíveis em uma formação de qualidade e comprometida com a realidade. Vemos com total importância, para o êxito deste plano, que as atividades propostas no curso propiciem oportunidades para o desenvolvimento das habilidades complementares, desejáveis aos profissionais da área, vendo o aluno como um todo, relacionando também suas atitudes e respeitando as peculiaridades de cada disciplina/atividade didática, bem como a capacidade e a experiência de cada docente. O estímulo e o incentivo ao aprimoramento dessas características devem ser continuamente perseguidos, objetivando sempre a melhor qualidade no processo de formação profissional. Assim configurado, o currículo a ser cumprido associará a dinâmica propiciada pela metodologia EAD à complexidade dos processos que envolvem a atuação dos profissionais que atuarão na área de sistemas de informação. Para tal, o processo de aprendizagem em formato EAD, serão produzidas, emitidas e avaliadas sob responsabilidade da instituição promotora, com acompanhamento de tutor presencial e de laboratório, nos pólos municipais - espaço de interação com constante reflexão, debates e avaliação do conteúdo e orientação ao estudo independente. Os momentos não presenciais ocorrerão por meio do auto estudo e através da Internet via Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle além de fascículos impressos para cada disciplina. Quando necessário (conforme planejamento por disciplina) haverá interação por meio de vídeo conferência, ou outra ferramenta síncrona, com os professores especialistas e/ ou tutores à distância. Orientação e acompanhamento do aluno O aluno será orientado e acompanhado pelo tutor presencial em suas atividades. Cada tutor presencial se responsabilizará por um grupo de 20 a 25 alunos para que possa acompanhar individualmente cada aluno de forma presencial orientando seus estudos e atividades. Os alunos serão organizados em grupos de 5 a 8, no máximo. Caso o aluno não apresente um desempenho satisfatório em termos de compreensão dos conteúdos trabalhados, ele será aconselhado a refazer seu percurso, aprofundando e ampliando suas leituras. O acompanhamento será realizado através da orientação acadêmica nos encontros semanais, com descrição em fichas individuais e por grupo, com critérios para análise do envolvimento do aluno e do grupo no processo. 14

15 O tutor a distância fará a orientação e acompanhamento dos alunos observando a participação e envolvimento destes nas atividades desenvolvidas no Ambiente Virtual de Aprendizagem. O pedagogo acompanhará o processo de orientação e aprendizagem do aluno por meio dos instrumentos preenchidos pelo tutor presencial e tutor a distância, além de reuniões com professores especialistas e coordenador de curso Processo de Comunicação entre os participantes Interação entre Alunos x Tutores Presenciais x Tutores de Laboratório. A interatividade com os alunos dar-se-á por meio de momentos presenciais nos encontros semanais com o Tutor Presencial nos pólos municipais. Essa comunicação entre alunos e tutor presencial é fundamental para a formação do aluno buscando garantir a plenitude da formação e os conceitos norteadores da educação à distância. Nos momentos presenciais serão utilizadas metodologias que promovam a discussão e reflexão conceitual, bem como, ações práticas de aplicação, com apoio do tutor de laboratório, através dos laboratórios equipados com computadores utilizando-se de softwares específicos conforme necessidade da unidade curricular em questão. Os tutores presenciais terão carga horária semanal de 20 horas de atuação nos Pólos Municipais, distribuídas em atendimento presencial semanal, reuniões com a equipe do pólo (tutor de laboratório e coordenador de pólo). Os encontros semanais são práticos e teóricos, sendo que nos laboratórios os alunos contarão com o apoio do Tutor de Laboratório. Nos Laboratórios, os Tutores de Laboratório farão atendimento individualizado ou em pequenos grupos para apoiar os alunos na realização das atividades diárias, na utilização dos equipamentos e auxiliar na compreensão da aplicação dos conteúdos na prática. A interatividade entre alunos e tutores a distância, será através de ferramentas comunicação assíncrona ( , fórum) ou síncrona (softwares de comunicação p.ex.: Skype -, vídeoconferência), conforme plano pedagógico da disciplina, e, ou necessidade apresentada pelo tutor presencial. Interação Tutor Presencial x Coordenador de Curso Segundo a proposta do CEFETES, o coordenador de curso é o responsável pelo gerenciamento das tutorias presenciais e do acompanhamento das disciplinas quanto à adequação ao projeto pedagógico do curso (acompanhamento do professor especialista). Sendo assim, cabe ao coordenador de curso juntamente com os professores especialistas gerenciar o trabalho de tutoria realizado pelo tutor presencial. A interação entre coordenador de curso e tutor presencial ocorre em vários momentos e de formas diferentes. Através de reuniões presenciais para relato de problemas e soluções, assim 15

16 como compartilhamento de experiências entre tutores de diversos pólos. Obviamente que apesar de ser uma solução bem efetiva ela apenas pode ser realizada esporadicamente devido a necessidade de grandes deslocamentos por parte dos tutores dos pólos. Há ainda na forma síncrona, o meio de reuniões através de um software de comunicação. No caso do CEFETES é utilizado o Skype para comunicação on-line. Também é utilizado esporadicamente por limitações de horários entre os envolvidos. Uma outra maneira de interação é através de s. Porém, um agravante aqui é o fato dos s ficarem misturados com outros que não são de mesmo assunto, dificultando o acesso futuro e a sua utilização como histórico. Além dessas formas apresentadas, será utilizada também uma sala no Ambiente de Virtual de Aprendizagem Moodle chamada Sala de Coordenação. Nesta sala serão inseridos tanto o coordenador do curso, como professores especialistas, tutores presenciais e de laboratório. Na sala de coordenação serão disponibilizados alguns recursos, como arquivos para download e fóruns de discussão para problemas e soluções encontrados no dia-a-dia. Por ser um local de compartilhamento de experiências, uma pessoa de certo pólo pode conseguir resolver seu problema através do relato de algum colega ou do próprio coordenador. Assim, o coordenador acompanha de um local único os acontecimentos em todas as disciplinas de todos os pólos. A atuação dos tutores na sala de coordenação é garantida através de relatórios obtidos no próprio Moodle e através de formulários semanais enviados pelos tutores presenciais ao coordenador para acompanhamento dos momentos presenciais com os diversos grupos. Interação Professor Especialista x Tutor a Distância Por ser o gestor do processo de aprendizagem (Gestor do conhecimento), o professor especialista é o responsável pela realização e pela qualidade da mediação do processo de aprendizagem entre tutor a distância e aluno em uma determinada disciplina. É ele quem define as atividades que serão realizadas, as avaliações, os critérios. Por outro lado, cabe ao tutor a distância ser o mediador do processo, uma vez que é ele quem interage com os alunos, corrige suas avaliações e esclarece suas dúvidas. Assim, para que o processo de aprendizagem ocorra adequadamente, o CEFETES adota uma forte interação entre professor especialista e tutor a distância. Uma maneira de interação é através de reuniões periódicas entre o professor especialista com os tutores a distância da sua disciplina. Da mesma forma que ocorre na sala de coordenação, é interessante que o professor especialista possua um local de compartilhamento de idéias com seus tutores a distância. No CEFETES, o local para isso são as chamadas Salas de Desenvolvimento, uma para cada disciplina, que ficam no Moodle. Em cada sala de desenvolvimento estão o professor especialista da disciplina e seus tutores a distância. Esta é a sala em que o professor monta todo o conteúdo que futuramente será replicado no Ambiente Virtual de Aprendizagem para cada pólo. Nesta sala, os tutores ficam a par de tudo que está sendo elaborado pelo professor e assim se preparam para a disciplina. Mas sua utilização não se limita a isso. Nela os tutores trocam idéias para a correção de 16

17 questões, citam problemas encontrados, compartilham experiências, entre outros. As reuniões ocorridas presencialmente também são marcadas através de enquetes na sala. O professor especialista acompanha o andamento dos alunos nos pólos através de relatórios semanais entregues pelo tutor a distância sobre o grupo de alunos de sua responsabilidade. É possível também acompanhar o trabalho do tutor através de relatórios de acesso dos mesmos ao ambiente Moodle, uma vez que o acesso deve ser diário. O professor faz amostragens nas salas de cada tutor para verificar, por exemplo, o tempo de resposta do mesmo aos questionamentos dos alunos, a qualidade das respostas e seu o grau de acerto, a forma de expressão, o português utilizado etc. Interação Tutor Presencial x Tutor a Distância O Tutor a distância é um gestor da aprendizagem para uma dada disciplina, de um ou mais pólos. O tutor presencial, por sua vez, é de determinado pólo, mas não de uma disciplina específica. Assim, é o tutor a distância que possui o conhecimento necessário na disciplina para atendimento aos alunos, mas é o tutor presencial que está no pólo e tem encontros presenciais com os alunos. Assim, é grande também a necessidade de interação entre estes dois atores. No CEFETES, os tutores presenciais estão em todas as salas, de todas as disciplinas, do seu pólo. O tutor a distância está apenas na sala da sua disciplina do(s) pólo(s) em que atua. Assim, nesta sala de interseção, tutor a distância e tutor presencial podem interagir para tentar evitar ou solucionar os problemas que venham ocorrer. Em cada sala existe um fórum disponível apenas aos tutores com esta finalidade. O tutor a distância pode, por exemplo, informar datas de atividades e avaliações, repassar comunicados do professor especialista, sugerir a montagem de grupos de estudos de temas mais complexos. O tutor presencial pode informar ao tutor a distância sobre o perfil dos alunos, deficiências de aprendizagem identificadas, os alunos que não estão comparecendo ao pólo, os que têm maior dificuldade de aprendizagem, os que não se dedicam o suficiente, entre outros. Interação Tutor de Laboratório x Tutor Presencial x Tutor a Distância O Tutor Presencial é o responsável pelo acompanhamento das atividades do tutor de laboratório. Como eles estão fisicamente no mesmo pólo, a comunicação muitas vezes é presencial. Porém, devemos lembrar que os tutores a distância não se encontram fisicamente nos pólos. Assim, a comunicação com estes também se dá através da sala da disciplina referente ao pólo. Por exemplo, um aluno pode estar com problemas na instalação de uma ferramenta necessária em certa disciplina. O tutor a distância pode instruir o tutor de laboratório quanto à instalação desta ferramenta no pólo para posterior instrução aos alunos. Interação Professor Especialista x Tutor Presencial x de Laboratório 17

18 É importante ressaltar que os alunos interagem diretamente com os tutores a distância (virtualmente) e com os tutores de laboratório e presencial (presencialmente). Problemas detectados presencialmente podem ser informados pelo tutor presencial ao tutor a distância e ao coordenador do curso que, caso seja necessário, informam ao professor especialista. O professor especialista, por sua vez, resolve os problemas que refere-se a disciplina que gerencia e informa aos tutores a distância e ao coordenador, que enfim comunicam aos tutores presenciais e, estes, aos alunos. Esta forma de comunicação entre tutor presencial e de laboratório e o professor especialista visa minimizar atrasos na detecção e solução de problemas. Desta forma, é necessária uma comunicação direta entre estes atores, para maior eficácia no processo Material Didático O material didático produzido para o desenvolvimento de cada um dos conteúdos propostos buscará estimular o estudo e produção individual de cada aluno, não só na realização das atividades propostas, mas também na experimentação de práticas operativas centradas na compreensão e experimentações em relação à tecnologia digital. O material didático constitui-se como dinamizador da construção curricular e também como um elemento balizador metodológico do curso, tendo o apoio de uma equipe de especialistas voltada para a produção deste material adequado a EAD. Para cada disciplina do curso será elaborado material impresso onde constará o conteúdo que o aluno precisa estudar, além de exercícios. Esse material estará colocado ao dispor dos alunos nos pólos e será de uso obrigatório. Cabe ao CEFETES, a elaboração do material por meio de seus professores especialistas, bem como, a reprodução e distribuição desse material.. Material impresso (constando de Guia do estudante, Caderno/Apostila Didática da disciplina e de Caderno de Exercícios e orientações de trabalhos práticos em Laboratório de informática). Guia do estudante: O guia do estudante será apresentado aos alunos em forma de manual escrito e também estará disponível na biblioteca do professor do ambiente virtual de aprendizagem. E terá como objetivo orientar os caminhos a percorrer e vivenciar durante o curso em todo o processo ensino-aprendizagem. O Guia do Estudante conterá informações sobre: Educação a distância: o que é a EAD? Universidade Aberta do Brasil: o que é a UAB? O CEFETES Funcionamento do Pólo ou núcleo de educação. Informações sobre o curso: base legal, objetivos, competências do curso, perfil do profissional, estrutura curricular, equipe multidisciplinar. 18

19 Metodologia EAD: - Como realizar o estudo a distância: com orientações sobre hábitos importantes, organização do estudo, compromisso com a própria aprendizagem, ambiente virtual de aprendizagem - Moodle. - Como realizar os estudos presenciais: funcionamento do Pólo ou núcleo de educação Materiais didáticos Formas de comunicação entre Orientador acadêmico/tutor Presencial e alunos Avaliação da Aprendizagem Material audiovisual programas em videoconferência A metodologia empregada no Programa de Interiorização da EAD envolve as mais avançadas tecnologias de informação e comunicação, cujo domínio se torna indispensável na sociedade contemporânea. Salas de Videoconferência permitem transmitir Imagem e Voz em tempo real. No uso de videoconferência, esta será ministrada por docentes e especialistas, mestres ou doutores indicados pelo CEFETES, e seu uso dependerá da implantação da infra-estrutura nos pólos municipais. Material virtual programas computacionais educativos via CD/DVD-ROM, páginas e portais na Internet, todos os recursos oferecidos pelo ambiente virtual de aprendizagem (AVA) como: bate-papo, fórum, disponibilização de material online e exercícios, biblioteca do aluno, além da realização de trabalhos cooperativos/colaborativos Acessibilidade às pessoas com necessidades especiais. O CEFETES, em consonância com sua missão, expressa na promoção da educação profissional e tecnológica de excelência por meio do ensino, pesquisa e extensão com foco no desenvolvimento humano sustentável, cumpre o papel fundamental de reversão de situações de exclusão com a promoção de ações no sentido da garantia de acessibilidade como compromisso de buscar a melhoria da qualidade de vida de todas as pessoas. O Plano de Desenvolvimento Institucional do CEFETES, em atendimento ao que determina a Lei Federal /2000 e a Portaria MEC 1.679/1999, prevê que a acessibilidade das pessoas com necessidades especiais deve ser motivo de atenção especial na Instituição. Neste documento institucional são previstos investimentos em equipamentos didáticos e tecnologias educacionais para o atendimento adequado aos portadores de deficiência física e sensorial, além de flexibilidade na correção de avaliações, valorizando o conteúdo semântico. Estas ações visam garantir condições básicas de acessibilidade ao curso de Análise Desenvolvimento de Sistemas a Distância. Todos os pólos municipais, centros regionais incorporados ao UAB e Centro de EAD do CEFETES, foram projetados fisicamente para atender a demanda de alunos com necessidades especiais. 19

20 4.6.4 Descrição da Equipe Multidisciplinar A equipe multidisciplinar será composta de profissionais pertencentes ao sistema CEFETES, como efetivos ou contratados, e também profissionais selecionados através de edital público. Coordenador de Curso profissional do quadro efetivo do CEFETES, com formação mínima de mestrado na área de Informática. Responsável pelo gerenciamento do curso. Pedagogo profissional do sistema CEFETES, formado em Pedagogia com conhecimentos em informática. Fará o acompanhamento sistemático do desenvolvimento do processo ensinoaprendizagem, no que se refere ao desempenho do aluno e do professor/tutor. Professor conteudista - professor do sistema CEFETES, com mestrado ou doutorado em área específica ou em Educação. Esse professor é responsável pela elaboração do material impresso e pela disponibilização dos mais variados recursos no ambiente virtual de aprendizagem. Professor especialista professor do sistema CEFETES, com mestrado ou doutorado em área específica ou em Educação. Esse professor planeja e gerencia todo o processo de desenvolvimento da aprendizagem na disciplina de sua responsabilidade. Tutor a distância profissional graduado ou pós-graduado nas áreas específicas das disciplinas oferecidas por semestres/módulos e com experiência mínima de um ano de magistério. O tutor a distância fará orientação e acompanhamento das atividades dos alunos on-line através do ambiente colaborativo de aprendizagem, tirando dúvidas e corrigindo tarefas. Tutor Presencial profissional graduado na área de Informática ou com graduação em qualquer área com pós-graduação na área de Informática, com experiência mínima de um ano de magistério. Será o mediador da aprendizagem, que irá acompanhar os alunos presencialmente, orientando seus estudos. Tutor de Laboratório técnico em informática ou estudante de curso de graduação na área de Informática. Irá acompanhar os alunos presencialmente, orientando os estudos no laboratório de aprendizagem. Coordenador de produção de materiais (Designer Instrucional) - profissional do CEFETES, formado em Informática. Tem a função de garantir que o material didático tenha uma interface de comunicação adequada ao projeto pedagógico do curso. Coordenador de Pólo Profissional da prefeitura. Responsável por apoiar a implantação e gestão acadêmica do curso no pólo municipal. A responsabilidade de cada profissional diretamente envolvido com a aprendizagem do aluno está em pesquisar, planejar e aperfeiçoar as metodologias mais adequadas para os temas desenvolvidos com os estudantes. 20

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

PROJETO DE CURSO NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PROJETO DE CURSO NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROJETO DE CURSO NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Atendimento ao Edital de Seleção UAB 01/2006 Vitória,

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Categoria: C. Setor Educacional: 3. Natureza do Trabalho: C. Classe: 2

Categoria: C. Setor Educacional: 3. Natureza do Trabalho: C. Classe: 2 Comunicação e interação entre os atores responsáveis pela gestão EAD - experiência do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD CEFETES 05 2008 Isaura Alcina Nobre, Msc

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO O curso de Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Propriedade Intelectual e Inovação faz parte do Programa de Capacitação dos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

Carga Horária :144h (07/04 a 05/09/2014) 1. JUSTIFICATIVA: 2. OBJETIVO(S):

Carga Horária :144h (07/04 a 05/09/2014) 1. JUSTIFICATIVA: 2. OBJETIVO(S): Carga Horária :144h (07/04 a 05/09/2014) 1. JUSTIFICATIVA: Nos últimos anos, o cenário econômico mundial vem mudando significativamente em decorrência dos avanços tecnológicos, da globalização, das mega

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA SUMÁRIO Capítulo I 3 DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS 3 Capítulo II 3 DA APRESENTAÇÃO 3 Capítulo III 4 DOS OBJETIVOS

Leia mais

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. CENÁRIO PROFISSIONAL 3. CONCEPÇÃO DA APRENDIZAGEM E METODOLOGIA 4. ESTRATÉGIAS

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 010 /03 Dispõe sobre as condições para oferta de disciplinas à distância nos cursos presenciais da UERJ. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 Normatiza a oferta de cursos a distância, em nível de graduação, sequenciais, tecnólogos, pós-graduação e extensão universitária ofertados pela Universidade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007 A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM), em parceria com os estados e municípios

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Projetos de apoio ao SUS

Projetos de apoio ao SUS Carta Convite: Facilitação dos Cursos de Especialização em Gestão da Vigilância em Saúde, Gestão da Clínica nas Redes de Atenção à Saúde, Regulação em Saúde no SUS e Gestão do Risco e Segurança do Paciente

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE

GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE UNIASSELVI-PÓS Programa de Pós-Graduação APRESENTAÇÃO Seja bem-vindo ao programa de pós-graduação UNIASSELVI-PÓS! Aqui você encontra, de forma simples e ágil, todas as orientações

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial.

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Nos programas e cursos da Educação a Distância da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (EAD/ ENSP), a formação dos profissionais

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 INSTITUIÇÃO PROPONENTE: Ministério da Educação CNPJ: 00.394.445/0124-52 SETOR RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Secretaria de Educação Básica(SEB) ENDEREÇO: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

ANEXO IV - Configuração tecnológica exigida... 15 ANEXO V Ficha de Inscrição... 16

ANEXO IV - Configuração tecnológica exigida... 15 ANEXO V Ficha de Inscrição... 16 EDITAL DE SELEÇÃO SUMÁRIO 1. Apresentação... 01 2. Objetivo geral... 04 3. Objetivo específico... 04 4. Duração... 04 5. Público-alvo... 04 6. Critérios de seleção dos municípios... 04 7. Contrapartidas

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas: Relato de uma Experiência Pioneira de EAD no Ifes na Percepção do Aluno.

Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas: Relato de uma Experiência Pioneira de EAD no Ifes na Percepção do Aluno. 1 Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas: Relato de uma Experiência Pioneira de EAD no Ifes na Percepção do Aluno Serra, 05/2009 Isaura Alcina Nobre, Msc Ifes - isaura@ifes.edu.br Sônia

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE tornar

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC INSTITUTO EDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA IC PRO-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE EaD PRO-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO MÓDULO EaD 2013 PROCD Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil

Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E TRABALHO Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM MÍDIAS INTEGRADAS NA EDUCAÇÃO 2013 A Universidade

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa RESUMO Jacyene Melo de Oliveira Araújo Profª Drª UFRN- CE-SEDIS Os Estágios

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais