Capítulo I Da origem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo I Da origem"

Transcrição

1 Normatização administrativa, didático pedagógica para as atividades de ensino, pesquisa e extensão nos curso técnicos na modalidade de Educação a Distância do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Juiz de Fora. Capítulo I Da origem Art.1º - O Núcleo de Educação a Distância NEaD-JF - do IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora foi criado através da Portaria 002/2008 CTU- Colégio Técnico Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, com o objetivo de implantar a Educação a Distância. Parágrafo Único O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Juiz de Fora, foi reconhecido pela lei nº , de 29 de dezembro de 2008, sendo o mesmo, sucessor do Colégio Técnico Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora. Capítulo II Dos cursos técnicos Art.2º - Os Cursos Técnicos, na modalidade a distância, são ofertados conforme convênio celebrado com a Secretaria de Educação a Distância/Ministério da Educação (SEED/MEC) relativo ao programa Escola Técnica Aberta do Brasil (e-tec). Art.3º - Os cursos técnicos na modalidade a distância oferecerão aos estudantes plena formação acadêmica, habilitando-os para o exercício profissional. Parágrafo Único - Os novos cursos que poderão ser ofertados deverão apresentar o projeto político do curso em consonância com esta normatização. Art.4º - A gestão didática pedagógica será exercida pelo Núcleo de Educação a Distância do IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora, pelo Coordenador Pedagógico e pelo Chefe do Departamento de Educação Profissional Tecnológica; a qual cabe o acompanhamento do curso e das disciplinas, em conjunto com a Coordenação do NEaD-JF. Parágrafo Único - A gestão pedagógica do NEaD-JF promoverá o acompanhamento da vida escolar dos alunos e dos demais profissionais da Educação proposta. Capítulo III Das transferências Art.5º - Ao estudante admitido no Curso Técnico, na modalidade a distância, não será permitida a transferência para a modalidade presencial, bem como da presencial para a distância. Art.6º - A mobilidade dos estudantes será limitada à transferência entre as Instituições de Ensino conveniadas e cursos de mesmo grau de escolaridade, desde que as matrizes ou grades curriculares entre as instituições sejam compatíveis e que haja vaga. Parágrafo Único Para a possível efetivação da matrícula na instituição de destino, é obrigatória a apresentação dos seguintes documentos, original e cópia, quando necessário, expedida pela instituição de origem: a) Guia de Transferência; b) Histórico Escolar do curso de origem; c) Ementas das Disciplinas;

2 d) Grade ou Matriz Curricular; e) Declaração de Matrícula; f) Histórico Escolar do Ensino Médio e Fundamental; g) Documento oficial de identidade; h) CPF; i) Certidão de Nascimento e/ou Casamento; j) Título de Eleitor com Comprovante de Quitação Eleitoral; k) Comprovante de residência atualizado; l) Duas fotos 3X4 recentes; m) Comprovante de estar em dia com as obrigações militares (quando for o caso). Art.7º A transferência terá seu deferimento, ou não, no prazo máximo de vinte dias úteis a contar da data do recebimento de todos os documentos exigidos no artigo 6, no seu parágrafo único. Capítulo IV Da estrutura administrativa Art.8º - Considerando a excepcionalidade dos Cursos Técnicos na modalidade a Distância, a Coordenação do Núcleo será composta de uma Coordenação Geral, uma Vice Coordenação, uma Coordenação Pedagógica, uma Coordenação Financeira e uma Coordenação de Tecnologia da Informação e os Secretários. Art.9º- A Vice Coordenação, a Coordenação Pedagógica, a Coordenação de Tutoria, a Coordenação Financeira, a Coordenação de Tecnologia da Informação e as Coordenações de Cursos, serão funções exercidas por professores convidados pelo Coordenador Geral do Núcleo. Capítulo V Das funções e competências Art.10º - Fazem parte do Núcleo de Educação a Distância: Coordenador Geral, Vice Coordenador Geral, Coordenador Pedagógico, Coordenador de Tutoria, Coordenador Financeiro, Coordenador de Tecnologia da Informação, Coordenadores de Cursos, Supervisores Pedagógicos, Coordenadores de Polos, Professores, Tutores a Distância, Tutores Presenciais, Secretários e Auxiliar Administrativo. I O Coordenador Geral que terá as seguintes atribuições: a) Representar o NEaD-JF em eventos relacionados a Educação a Distância. b) Representar o NEaD-JF ou indicar um representante, nos demais Órgãos Colegiados, de acordo com o Regimento Interno do Câmpus Juiz de Fora. c) Acompanhar as atividades dos cursos da modalidade EAD, ofertados IF Sudeste MG-JF. d) Realizar o planejamento das atividades de seleção e capacitação dos profissionais envolvidos com a educação a distância no IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora. e) Realizar o planejamento, em conjunto com os Coordenadores de Curso, dos processos seletivos de alunos. f) Propor junto a COPESE Comissão de Processos Seletivos a abertura de Processos Seletivos. g) Receber e avaliar os relatórios de desenvolvimento dos cursos elaborados pelos Coordenadores de Curso e Coordenadores de Polo. h) Acompanhar a aplicação financeira dos recursos liberados para o desenvolvimento e oferta dos cursos. i) Realizar a articulação com o MEC. j) Acompanhar o cadastramento de bolsistas na instituição de ensino. k) Acompanhar o registro acadêmico dos alunos matriculados no curso.

3 l) Exercer a gestão geral do NEaD-JF, no âmbito administrativo, pedagógico e de pessoal. m) Participar das reuniões do Departamento de Educação Profissional. n) Cumprir e fazer cumprir as deliberações dos órgãos competentes aos quais está subordinado. o) Responder pelos bens materiais sob sua guarda. p) Prestar contas aos órgãos competentes quanto ao cumprimento do orçamento do NEaD-JF, bem como das atividades administrativas. q) Indicar o Vice Coordenador Geral, Coordenador Pedagógico, Coordenador de Tutoria, Coordenador Financeiro, Coordenador de Tecnologia da Informação e Coordenadores de Cursos, bem com reconduzi-los, ou desligá-los em função do desmembramento ou extinção do curso, ou outros motivos pertinentes. r) Aplicar as medidas disciplinares advertências e desligamentos - a todos os profissionais do NEaD-JF. s) Propor a abertura de cursos e Polos aos órgãos competentes. t) Elaborar processos de seleção de tutores (Presencial e a Distância) com base nas demandas apresentadas. II O Vice Coordenador Geral que terá as seguintes atribuições: a) Responder pelo cargo de Coordenador Geral na ausência do titular. b) Assessorar o Coordenador Geral na execução de suas atribuições. c) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo para o qual foi indicado, assim como as do termo de III O Coordenador Pedagógico que terá as seguintes atribuições: a) Elaborar a proposta de calendário geral das atividades do NEaD-JF em consonância com o calendário dos cursos presenciais. b) Acompanhar o processo de seleção de tutores (Presencial e a Distância). c) Referendar em conjunto com o Coordenador Geral, os nomes dos bolsistas indicados pelo Coordenador de Curso. d) Supervisionar a observância dos programas e planos de cursos. e) Propor ações de ensino, pesquisa e extensão no âmbito do NEaD-JF. f) Articular junto a Diretoria de Extensão e Relações Comunitárias do IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora, em conjunto com o Coordenador de Polo e os Tutores Presenciais, a prospecção dos postos de estágio, cadastramento de empresas e divulgação junto aos alunos. g) Promover reuniões trimestrais com os Coordenadores de Cursos e Supervisores Pedagógicos. h) Divulgar a legislação vigente sobre a EAD e adequá-la a realidade dos cursos ofertados na modalidade a distância. i) Coordenar os cursos de capacitação em EAD para a equipe pedagógica. j) Acompanhar as atividades desenvolvidas pelos Coordenadores de Curso. k) Prever os recursos humanos necessários para o setor pedagógico e polos. l) Providenciar o encaminhamento e acompanhar os processos de 2ª chamada e Regime de Excepcionalidade. m) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo para o qual foi indicado, assim como as do termo de IV - O Coordenador de Tutoria que terá as seguintes atribuições: a) Coordenar e acompanhar as ações dos Tutores a Distância e dos Presenciais. b) Apoiar os Tutores das disciplinas no desenvolvimento de suas atividades. c) Supervisionar e acompanhar as atividades do ambiente virtual de aprendizagem (AVA). d) Acompanhar os relatórios de regularidades dos alunos.

4 e) Acompanhar os relatórios de desempenho dos alunos, principalmente nas atividades presenciais. f) Analisar com os Tutores os relatórios das turmas e orientar encaminhamentos mais adequados. g) Gerenciar a aplicação das provas. h) Dar assistência pedagógica aos Tutores Presenciais e a Distância. i) Gerenciar a realização das atividades presenciais. j) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo para o qual foi indicado, assim como as do termo de V - O Coordenador Financeiro que terá as seguintes atribuições: a) Zelar pela execução dos planos orçamentários e memórias de cálculo. b) Gerir os recursos financeiros provenientes dos projetos da EAD. c) Elaborar planilhas financeiras para cursos e projetos da EAD. d) Realizar a gestão financeira para reprodução, distribuição e expedição de material didático. e) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo para o qual foi indicado, assim como as do termo de VI - O Coordenador de Tecnologia da Informação que terá as seguintes atribuições: a) Responder pelo Ambiente Virtual de Aprendizagem utilizado no processo, configurando, customizando e atualizando o AVA. b) Promover treinamentos e adequações que se fizerem necessários. c) Gerenciar senhas de acesso e permissões. d) Coordenar desenvolvimento de softwares que se fizerem necessários. e) Estruturar, organizar, analisar, solucionar as demandas de informática e demais tecnologias educacionais. f) Atuar junto ao setor de Tecnologia de Informação do Câmpus em questões relativas ao NEaD-JF. g) Propor melhorias técnicas das ferramentas de mediação virtual. h) Definir, desenvolver, implantar e atualizar o sítio do NEaD-JF. i) Dar suporte técnico na aplicação de provas presenciais pelo AVA. j) Orientar os Coordenadores, Professores e Tutores do NEaD-JF no uso e configuração de ferramentas do AVA. k) Estabelecer horários para atendimento à equipe do NEaD-JF. l) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo para o qual foi indicado, assim como as do termo de VII O Coordenador de Curso que terá as seguintes atribuições: a) Coordenar e acompanhar o curso como um todo. b) Realizar o planejamento, em conjunto com o Coordenador Geral e Coordenador Pedagógico, dos processos seletivos de alunos. c) Realizar o planejamento e desenvolvimento das atividades de seleção e capacitação dos profissionais envolvidos com a educação a distância. d) Supervisionar o cumprimento das atribuições dos Professores, Tutores e Coordenadores de Polo, em parceria com a Supervisão Pedagógica, tais como: lançamentos de notas (Professores e Tutores a Distância), entrega de diários (Professores), aplicação e correção das atividades presenciais (Tutores), cadastramento das questões exigidas para a realização das provas, dentre outras. e) Elaboração e atualização do Projeto Pedagógico do Curso, sob a supervisão do Coordenador Pedagógico. f) Acompanhar a elaboração do material didático do curso. g) Acompanhar juntamente com o Supervisor Pedagógico os processos de avaliação de estágio dos alunos matriculados nos cursos a distância sob sua coordenação.

5 h) Promover Conselhos de Classe ao fim de cada trimestre, com a participação obrigatória dos Professores, Tutores a Distância e Supervisor Pedagógico. i) Se apresentar nos polos onde o Curso está sendo oferecido. j) Ouvir, avaliar e responder às reivindicações dos discentes nos assuntos relacionados à sua esfera. k) Participar das reuniões do Departamento de Educação Profissional Tecnológica, bem com as do NEaD-JF. l) Fazer a correção dos Relatórios de Estágio apresentados pelos alunos para a conclusão do Curso. m) Fazer as matrículas dos alunos a partir do segundo semestre no SIGA Ensino. n) Designar, com no mínimo 45 dias de antecedências, os nomes dos professores que ministrarão as disciplinas do próximo trimestre. o) Deferir ou indeferir as solicitações de transferências de alunos, no prazo máximo de vinte dias úteis a contar da data do recebimento de todos os documentos exigidos no Parágrafo Único do artigo 6, desta Normatização. p) Deferir ou indeferir as solicitações de aproveitamento de disciplinas de alunos, no prazo máximo de vinte dias úteis a contar da data do recebimento de todos os documentos exigidos na Seção II. q) Ficar subordinado à Coordenação Geral do NEaD-JF. r) Elaborar Relatórios Semestrais das Atividades do Curso, contendo Dados Estatísticos, bem como avaliar toda a equipe que atua no mesmo. s) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo para o qual foi indicado, assim como as do termo de VIII - Supervisor Pedagógico que terá as seguintes atribuições: a) Supervisionar no ambiente virtual de aprendizagem (AVA) a comunicação diária, contínua e efetiva nos diversos elos da cadeia de ensino formada pelos Coordenadores, Professores, Tutores e alunos. b) Acompanhar os processos de avaliação de aprendizagem nos Cursos e atividades de EAD. c) Supervisionar a realização dos encontros presenciais e atividades de tutoria dos Cursos a distância. d) Providenciar a impressão do material didático para as atividades presenciais previstas no Calendário. e) Supervisionar o desenvolvimento das disciplinas e atividades do curso. f) Acompanhar juntamente com o Coordenador de Curso os processos de estágio dos alunos matriculados. g) Reunir-se com os Professores designados pelo Coordenador de Curso, com no mínimo 45 dias antes do início do trimestre e informá-los de suas atribuições, conforme previsto nesta Normatização, bem como o cumprimento efetivo do Calendário e as regras de funcionamento do trimestre, programação de viagens e outros. h) Monitorar o período dos alunos em Regime de Excepcionalidade, informando-os ao término do mesmo, o prazo para a realização das atividades perdidas, fazendo a articulação com a equipe envolvida (Coordenador de Polo, Tutor Presencial, Tutor a Distância e Professores), conforme a Seção VI; i) Elaborar, juntamente com os Professores de cada disciplina, o planejamento (objetivos, critérios de avaliação, referências bibliográficas, etc.) dos conteúdos do trimestre. Posteriormente, em conformidade com os prazos estabelecidos pela coordenação do NEaD-JF, entregar a referida documentação, devidamente assinada, no Núcleo. j) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo para o qual foi indicado, assim como as do termo de IX O Coordenador de Polo que terá as seguintes atribuições: a) Coordenar e acompanhar as atividades dos tutores no Polo.

6 b) Acompanhar e gerenciar a entrega dos materiais didáticos no Polo. c) Gerenciar a infraestrutura física do Polo. d) Relatar a situação das dependências físicas do Polo ao Coordenador Geral, quando houver necessidade. e) Realizar a articulação para o uso das instalações do Polo de apoio presencial e postos de aulas práticas, para o desenvolvimento das atividades de ensino presenciais. f) Atestar a frequência dos tutores presenciais mensalmente e formalmente enviando-a ao NEaD-JF. g) Cooperar junto ao Coordenador do Curso em mecanismos de avaliação das atividades presenciais. h) Articular junto a Diretoria de Extensão e Relações Comunitárias do IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora, em conjunto com os Tutores Presenciais, a prospecção dos postos de estágio, cadastramento de empresas e divulgação junto aos alunos. i) Acompanhar em conjunto com os Tutores Presenciais e os Supervisores Pedagógicos a vida escolar dos alunos. j) Elaborar junto com o Supervisor Pedagógico e Coordenadores de Curso o plano de utilização dos laboratórios e material didático impresso. k) Coordenar a instalação de laboratórios. l) Convocar e presidir as reuniões dos Tutores, quando necessário. m) Acompanhar e supervisionar a realização das Provas Presenciais, de Segunda Chamada, Finais e Exame Complementar. n) Zelar pela manutenção, limpeza e organização do Polo como um todo. o) Cumprir as atribuições exigidas no edital de seleção para a qual foi indicado, assim como as do termo de X - O Professor que terá as seguintes atribuições: a) Elaborar dos conteúdos para os módulos do curso. b) Desenvolver a adequação dos conteúdos dos materiais didáticos para as mídias impressas e digitais e entregá-los dentro do prazo estipulado pelo NEaD-JF. c) Realizar a revisão de linguagem do material didático desenvolvido para a modalidade a distância. d) Acompanhar o desenvolvimento do desenho (layout do AVA), didático pedagógico dos Cursos Técnicos na modalidade a distância. e) Avaliar e acompanhar os alunos segundo as regras propostas pela normatização vigente. f) Propor atividades presenciais, observando o Calendário Acadêmico. g) Acompanhar as atividades pedagógicas dos Tutores dando ciência aos Coordenadores. h) Entregar na data estipulada pelo Calendário os Diários de Classe devidamente preenchidos e assinados. i) Cumprir, impreterivelmente dentro prazo, as determinações previstas no Calendário, observando em especial, as datas de: lançamentos de notas no SIGA Ensino, cadastramento das questões exigidas para a realização das provas, cumprir agenda de viagens, elaborar as atividades da Recuperação Paralela e presenciais, dentre outras. j) Ouvir, avaliar e responder as reivindicações dos discentes nos assuntos relacionados à sua esfera, no prazo máximo de 48 horas. k) Participar das reuniões, assim como cursos e treinamentos do NEaD-JF, quando convocado. l) Ter disponibilidade para ministrar aulas presenciais nos Polos, tanto as previstas em Calendário, como as de caráter excepcional, ou seja, ter disponibilidade para viajar. m) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo para o qual foi indicado, assim como as do termo de XI O Tutor a Distância que terá as seguintes atribuições: a) Conhecer melhor o contexto dos alunos.

7 b) Orientar aos alunos quanto às especificidades da EaD como modalidade de educação. c) Estabelecer uma comunicação contínua e efetiva com o Professor da disciplina, o aluno e o Tutor Presencial, utilizando uma linguagem clara, técnica e formal. d) Esclarecer, sempre que necessário, as funcionalidades do ambiente virtual. e) Programar estratégias motivacionais de trabalho colaborativo em grupo e, ao mesmo tempo, apontar os caminhos que promovam a aprendizagem autônoma. f) Corrigir todas as atividades postadas no Ambiente Virtual de Aprendizagem e as presenciais realizadas pelos alunos sob sua responsabilidade, fazendo o lançamento das notas. g) Participar de reuniões periódicas junto com seus pares e o Professor da disciplina. h) Ouvir, avaliar e responder às reivindicações dos discentes nos assuntos relacionados à sua esfera, no prazo máximo de 48 horas. i) Participar das reuniões, assim como cursos e treinamentos do NEaD-JF, quando convocado. j) Cumprir as atribuições exigidas no edital de seleção para a qual se inscreveu, assim como as do termo de XII O Tutor Presencial que terá as seguintes atribuições: a) Orientar os alunos no Polo quanto à utilização do ambiente virtual de aprendizagem. b) Acompanhar as aulas práticas e encontros presenciais segundo orientação do Professor da disciplina. c) Comunicar ao Coordenador de Polo as condições inadequadas do local. d) Zelar pelas instalações do Polo, bem como equipamentos e laboratórios. e) Aplicar avaliações e atividades presenciais para os alunos dos Cursos. f) Cumprir carga horária presencial, conforme determinada pelo MEC. g) Articular junto a Diretoria de Extensão e Relações Comunitárias do IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora, em conjunto com o Coordenador de Polo, a prospecção dos postos de estágio, cadastramento de empresas e divulgação junto aos alunos. h) Orientar aos alunos sobre a elaboração dos Relatórios de Estágio. i) Ouvir, avaliar e responder às reivindicações dos discentes nos assuntos relacionados à sua esfera, no prazo máximo de 48 horas. j) Programar estratégias motivacionais de trabalho colaborativo em grupo e, ao mesmo tempo, apontar os caminhos que promovam a aprendizagem autônoma. k) Participar das reuniões, assim como cursos e treinamentos do NEaD-JF, quando convocado. l) Manter atualizado o cadastro de todos os alunos matriculados no curso e comunicar ao NEaD-JF, quando for solicitado. m) Cumprir as atribuições exigidas no edital de seleção para a qual se inscreveu, assim como as do termo de XIII O Secretário que terá as seguintes atribuições: a) Secretariar e elaborar as atas das reuniões promovidas pelo Coordenador Geral. b) Inserir os dados dos alunos dos cursos no Sistema de Gestão Acadêmica (SIGA). c) Organizar o conjunto de dados e os registros necessários à rotina administrativa do NEaD-JF, bem como a documentação das atividades realizadas em cumprimento do Calendário Escolar Acadêmico estabelecido. d) Atender à comunidade, prestando esclarecimentos sobre os cursos oferecidos, a escrituração escolar e a legislação vigente. e) Auxiliar, no que lhe couber, ou quando for solicitado, a Coordenação e aos demais profissionais de educação do NEaD-JF. f) Responsabilizar-se pelos bens sob sua guarda. g) Providenciar a logística de transporte (solicitação de diárias e veículos) de pessoal e material que se fizer necessário.

8 h) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo acordado quando da sua admissão. XIV - Auxiliar Administrativo que terá as seguintes atribuições: a) Zelar pelo arquivo geral, organizando-o de modo a permitir consulta e obtenção imediata de informações referentes à movimentação do expediente e a dados estatísticos. b) Manter um sistema funcional de arquivamento que assegure a verificação da identidade de cada aluno, da regularidade e autenticidade de sua vida escolar. c) Providenciar a impressão do material didático. d) Responsabilizar-se pelo envio e recebimento das correspondências do NEaD-JF. e) Protocolar os documentos enviados e recebidos no NEaD-JF. f) Auxiliar, no que lhe couber, ou quando for solicitado, a Coordenação e aos demais profissionais de educação do NEaD-JF. g) Atender à comunidade, prestando esclarecimentos sobre os cursos oferecidos, a escrituração escolar e a legislação vigente. h) Cumprir as atribuições exigidas pelo cargo acordado quando da sua admissão. Capítulo VI Do sistema acadêmico Art.11 - As atividades didáticas dos cursos serão distribuídas em períodos letivos regulares, denominados módulos trimestrais. Parágrafo Único - A distribuição das atividades acadêmicas durante cada módulo trimestral será regida por Calendário Acadêmico do NEaD-JF. Art.12 - As atividades acadêmicas programadas serão divulgadas e/ou realizadas via ambiente virtual de aprendizagem, conforme Calendário Acadêmico. 1º- Durante cada módulo trimestral, serão realizados nos Polos encontros presenciais com atividades avaliativas, conforme Calendário Acadêmico. 2º- Todos os estudantes deverão, obrigatoriamente, acessar semanalmente, o ambiente virtual de aprendizagem (AVA). Seção I Do currículo Art.13 - O Currículo Pleno dos Cursos, a ser integralmente cumprido pelo estudante, faz parte do convênio com a Escola Técnica Aberta do Brasil (e-tec Brasil), aprovado pelo Órgão Colegiado Máximo do IF Sudeste MG - Câmpus JF; Seção II Do aproveitamento de disciplinas Art.14 - O aproveitamento de disciplinas cursadas está condicionado à solicitação formal dirigida à Coordenação Pedagógica, sendo anexado o Requerimento de Aproveitamento de Disciplina, oferecido pelo Coordenador de Polo, o Histórico Escolar do curso de origem, as Ementas das Disciplinas e a Grade ou Matriz Curricular, emitidas por entidade credenciada pelo MEC e com Curso devidamente autorizado. Art.15 - O aproveitamento de disciplinas só será permitido observado os artigos 5º e 6º desta Normatização, e estará sujeito a aprovação do Coordenador de Curso. 1º - O aluno deverá observar o prazo máximo de 30 dias antes do início da disciplina pretendida para fazer o Requerimento de Aproveitamento, estando este obrigado a frequentar a disciplina, até o

9 parecer final do Coordenador do Curso. 2º - O Requerimento de Aproveitamento terá seu deferimento, ou não, no prazo máximo de vinte dias úteis a contar da data do recebimento de todos os documentos exigidos. Seção III Das disciplinas e do acompanhamento acadêmico Art.16 - Disciplina é o conjunto de estudos e atividades correspondentes a um programa desenvolvido em um módulo, com um número de horas prefixado no Projeto Pedagógico do Curso. Art.17- Cada disciplina será desenvolvida por um professor designado pelo Coordenador do Curso. 1º - O professor da disciplina deverá submeter ao Coordenador do Curso um cronograma de atividades com a programação da disciplina, o material a ser veiculado na internet e outras informações pertinentes, duas semanas antes do início do trimestre. 2º - Na 1ª semana de aula, o Professor da Disciplina deverá disponibilizar para os alunos as informações gerais: objetivos instrucionais, sistema de avaliação e referência para o Curso, entre outras. Art Os estudantes contarão com o acompanhamento e a assistência de Tutores Presenciais e a Distância, que auxiliarão os Professores na orientação do processo didático pedagógico. 1º - Os Tutores a Distância e Presenciais deverão estar em contato direto com o Professor de cada disciplina com o objetivo de manter uma linha única de trabalho. 2º - Os Professores e os Tutores solicitarão, sempre que necessário, uma reunião entre eles. Seção IV Do estágio acadêmico Art.19 - Para fazer jus ao diploma de técnico os estudantes além de concluir todas as exigências do curso, deverão realizar estágio obrigatório e apresentar Relatório de Prática Profissional de acordo com a carga horária determinada na grade ou matriz curricular de seu curso e legislação vigente. 1ª - As solicitações de estágio, aprovação e controle, são de competência da Diretoria de Extensão e Relações Comunitárias do IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora, em articulação com o Coordenador Pedagógico. 2º - O aluno deverá respeitar o prazo máximo de 36 meses, contado a partir da data de conclusão com êxito de todos os módulos de ensino, para protocolar seu Relatório de Prática Profissional na Diretoria de Extensão e Relações Comunitárias do IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora. Caso contrário, perderá seu vínculo com a Instituição de Ensino e, consequentemente, o direito de obter seu Diploma de Técnico. Seção V Do enquadramento em Regime de Excepcionalidade Art.20 - Será concedido Regime de Excepcionalidade aos estudantes que se enquadrarem nas determinações do Decreto Lei no 1.044/69 e da Lei no 6.202/75. 1º - O interessado deverá encaminhar, ao Polo (Coordenador de Polo e/ou Tutor Presencial) requerimento em formulário próprio, acompanhado de laudo médico constando o número do CID, data de início do benefício e sua duração. 2º - A solicitação do Regime de Excepcionalidade deverá ser feita, no máximo, até 5 (cinco) dias úteis após o início de impedimento, mediante apresentação de atestado médico e preenchimento de formulário próprio. 3º - Os Professores e o Coordenador do Curso serão informados pela Coordenação Pedagógica da situação do aluno requerente.

10 4º - Será de responsabilidade do Supervisor Pedagógico do Curso no qual o aluno está matriculado entrar em contato com o mesmo, para em conjunto elaborar o plano de atividade a ser cumprido no período de excepcionalidade. 5º - Serão de total responsabilidade do estudante o acompanhamento da disciplina ministrada, o cumprimento das atividades planejadas e ainda outras obrigações inerentes, durante o período de excepcionalidade. 6º O período para se concluir as atividades que ocorreram durante o Regime de Excepcionalidade será igual ao período de afastamento, atestado pelo Laudo Médico. 7º Para que haja a reposição das atividades perdidas, fica vinculada a oferta das disciplinas em questão. Art. 21 Os casos omissos nesta seção serão analisados pela Coordenação Geral, Pedagógica e de Curso. Parágrafo único: A Coordenação Pedagógica informará via Correio Eletrônico a resposta da solicitação. Capítulo VII Da avaliação do rendimento acadêmico Seção I Das disposições gerais Art.22 - O aluno deverá realizar, ao final de cada trimestre, uma Prova Presencial para cada disciplina. Parágrafo único - Para a realização da Prova Presencial o aluno deverá apresentar um Documento Oficial de Identificação. Art.23 O aluno terá direito a solicitar, na forma e prazos estabelecidos e divulgados no Calendário, a Segunda Chamada para a Prova Presencial; para tanto, ficam estabelecidos os critérios relacionados a seguir: Parágrafo único: Serão aceitos pedidos, devidamente comprovados, motivados por: I Problema de saúde, mediante apresentação de atestado médico, constando o número do CID, data de início do benefício e sua duração que justifique a ausência; II Manobras ou exercícios militares comprovados por documento da respectiva unidade militar; III Luto, comprovado pelo respectivo atestado de óbito, por parentes em linha reta (pais, avós, filhos e netos), colaterais até o segundo grau (irmãos e tios), cônjuge ou companheiro (a); IV Convocação, coincidente em horário, para depoimento judicial ou policial ou para eleições em entidades oficiais, devidamente comprovada por declaração da autoridade competente; V - Declaração de Trabalho em papel timbrado, constando data, horário, CNPJ, carimbo, assinatura do responsável pelos Recursos Humanos e que justifique a ausência; VI Coincidência de horário com outra prova ou exame, desde que haja a comprovação respectiva; VII Casos omissos serão analisados pela Coordenação Pedagógica.

11 Art.24 O aluno só terá direito a realizar Prova Final, se não alcançar a média mínima, 60 pontos, para aprovação. Parágrafo Único: Não haverá Segunda Chamada para a Prova Final e para o Exame Complementar. Seção II Dos Valores e Cálculos das Avaliações Art.25 O processo de avaliação adotado será de natureza formativa, contando com atividades a distância, através do AVA, e presenciais. 1º - Os valores variam de 0 a 100 pontos, sendo 30 pontos em atividades a distância, no AVA, 10 pontos em atividades presenciais, distribuídos a critério do Professor do Curso, e 60 pontos em Prova Presencial. 2º - A média para aprovação é de 60 pontos, obtidos pela somatória das notas das atividades no AVA, atividades presenciais e somadas ao resultado da Prova Presencial, sendo que a efetiva aprovação estará condicionada à realização de, no mínimo, 50% das atividades no AVA propostas pelo Professor. 3º - Para os Cursos que possuem aulas práticas, as mesmas deverão ter avaliação própria na qual o aluno deverá alcançar 60% do total, e também participar de, no mínimo, 75% do total de aulas práticas ministradas, para aprovação. Art.26 - Se não for atingido o valor mínimo de 60 pontos previsto anteriormente, o aluno deverá fazer uma Prova de Recuperação a ser realizada no término de cada trimestre, conforme o Calendário Acadêmico. 1º - Será submetido à recuperação o aluno com participação maior ou igual a 50% nas atividades programadas, e obtiver nota menor que 60 pontos no somatório das Notas da Prova Presencial com as das atividades no AVA e presenciais. 2º - A Prova de Recuperação valerá 100 pontos e, para ser aprovado será necessário obter no mínimo, 60 pontos. 3º - Quando o aluno tirar notas acima de 60 pontos na Prova de Recuperação, ou seja, for aprovado, terá como nota máxima registrada somente 60 pontos. 4º - Não sendo atingidos os 60 pontos, o aluno será considerado reprovado na referida disciplina. Art.27 Em todos os cursos, além dos critérios já definidos para aprovação, deverá ser observado o disposto no Projeto Pedagógico do Curso (PPC). Capítulo VIII Do desligamento Art.28 - Será desligado do curso o estudante que: 1º - Não concluir o curso no prazo máximo de cinco anos, fixado para sua integralização. 2º - For reprovado por frequência (considerando a participação no AVA e realização das atividades presenciais) e/ou nota em todas as disciplinas cursadas no trimestre. 3º - For reprovado pela segunda vez em uma mesma disciplina. 4º - For reprovado no Exame Complementar. 5º- For reprovado em mais de um terço das disciplinas ofertadas. Capítulo IX Do Exame Complementar Art.29- O estudante que for reprovado em até 1/3 (um terço) das disciplinas no decorrer do curso,

12 mas tiver cumprido as demais exigências para a conclusão deste, poderá requerer Exame Complementar nessas disciplinas. 1º Dos 100 pontos oferecidos no Exame Complementar, o aluno será aprovado se obtiver 60 pontos. 2º - O Exame Complementar deverá ser requerido ao NEaD-JF, através do AVA. 3º - O Exame Complementar será realizado em data prevista no Calendário. 4º Não haverá Segunda Chamada para Exame Complementar. Capítulo X Das medidas disciplinares Art.30 Tutores a Distância, responsáveis por disciplinas em curso, não poderão permanecer mais de 48 horas ausentes da Plataforma, sem motivo justificado, sendo passíveis de advertência verbal, por escrito, e na reincidência serão desligados do projeto e-tec Brasil por decisão do Coordenador Geral. Art.31 - Tutores Presenciais deverão cumprir a carga horária determinada, presencialmente no Polo a que está ligado, em conformidade com os dias e horários determinados pelo (a) Coordenador (a) do Polo, sendo passíveis de advertência verbal, por escrito, e na reincidência serão desligados do projeto e-tec Brasil por decisão do Coordenador Geral. Art.32 Coordenadores e Professores, responsáveis por disciplinas em curso, não poderão permanecer mais de 48 horas ausentes da plataforma, sem motivo justificado ou deixar de postar semanalmente as atividades relativas a esta nova semana, sendo passíveis de advertência verbal, por escrito, e na reincidência serão desligados do projeto e-tec Brasil por decisão do Coordenador Geral. Art.33 O regime disciplinar, constando direitos e deveres do Corpo Docente e o do Corpo Técnico Administrativo do NEaD-JF, observará as disposições legais, as legislações, normas e regulamentos sobre a ordem disciplinar e sanções aplicáveis, bem como os recursos cabíveis, previstos pela Legislação Federal. Parágrafo Único Faltar às reuniões convocadas sem a devida justificativa por escrito, constituirá falta grave e em caso de reincidência poderá ser desligado do programa e-tec Brasil. Art.34 Os alunos dos Cursos na Modalidade a Distância, estão submetidos ao Regime Disciplinar do IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora. Capítulo XI Da vigência Art.35 Esta Resolução produzirá efeitos, a partir de sua publicação.

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional;

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional; RESOLUÇÃO CONSEPE 22/2014 APROVA O REGULAMENTO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS, MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF, PARA TURMAS COM INÍCIO EM

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA UNICEP DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE EXTENSÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA UNICEP DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE EXTENSÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA UNICEP DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE EXTENSÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 04/2014, de 04 de fevereiro de 2014. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES À DISTÂNCIA

EDITAL Nº 04/2014, de 04 de fevereiro de 2014. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES À DISTÂNCIA EDITAL Nº 04/2014, de 04 de fevereiro de 2014. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES À DISTÂNCIA O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais

Leia mais

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 2 Quadra 7, S/N-Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização,

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

EDITAL Nº 44 /2014, de 16 de dezembro de 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES PRESENCIAIS PROCESSO Nº 23355.

EDITAL Nº 44 /2014, de 16 de dezembro de 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES PRESENCIAIS PROCESSO Nº 23355. EDITAL Nº 44 /2014, de 16 de dezembro de 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES PRESENCIAIS PROCESSO Nº 23355.000836/2014-01 O Diretor Geral do campus Barbacena do Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU VASSOURAS - RJ 2010 REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

EDITAL Nº15 /2014, de 14 fevereiro de 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES Á DISTÂNCIA PROCESSO Nº 23355.

EDITAL Nº15 /2014, de 14 fevereiro de 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES Á DISTÂNCIA PROCESSO Nº 23355. EDITAL Nº15 /2014, de 14 fevereiro de 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES Á DISTÂNCIA PROCESSO Nº 23355.000080/2014-92 O Diretor Geral do campus Barbacena do Instituto Federal de Educação,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Braz Cubas oferecidos nas

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

EDITAL Nº06 1º SEMESTRE 2015 SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS

EDITAL Nº06 1º SEMESTRE 2015 SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS EDITAL Nº06 1º SEMESTRE 2015 SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS Junho de 2015 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CÂMPUS MUZAMBINHO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA -

Leia mais

1.2. O acompanhamento de Editais e comunicados referentes a este Processo Seletivo é de responsabilidade exclusiva do candidato.

1.2. O acompanhamento de Editais e comunicados referentes a este Processo Seletivo é de responsabilidade exclusiva do candidato. EDITAL Nº 17/2014, de 15 de outubro de 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA SERVIDORES PÚBLICOS DE ENSINO PARA INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO, DO PROFUNCIONÁRIO EAD Processo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

Universidade do Oeste Paulista Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação Núcleo de Educação a Distância

Universidade do Oeste Paulista Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação Núcleo de Educação a Distância Universidade do Oeste Paulista Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação Núcleo de Educação a Distância Regulamento dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu na Modalidade a Distância Presidente Prudente -

Leia mais

DE ADMINISTRAÇÃO A DISTÂNCIA SELEÇÃO DE TUTORES DISCIPLINAS:

DE ADMINISTRAÇÃO A DISTÂNCIA SELEÇÃO DE TUTORES DISCIPLINAS: UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA/UnB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A DISTÂNCIA SELEÇÃO DE TUTORES DISCIPLINAS: Direito Tributário e Comercial Comércio Exterior Operações e Logística Finanças Públicas Tecnologia e Inovação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO O Conselho de Administração, Ensino, Pesquisa e Extensão Consaepe, considerando as suas atribuições RESOLVE aprovar o Regulamento dos

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG CAPÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS. Art. 1º - A Educação a Distância EaD é uma modalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL 1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL O Programa de Pós-Graduação em Tecnologias e Inovações Ambientais modalidade mestrado profissional

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO E INOVAÇÃO. Título I Da finalidade, natureza e objetivos

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO E INOVAÇÃO. Título I Da finalidade, natureza e objetivos FACULDADE DE DIREITO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO E INOVAÇÃO Título I Da finalidade, natureza e objetivos Art. 1º Este regulamento disciplina, no âmbito da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADES FEDERAIS INTEGRADAS DE DIAMANTINA COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU A Coordenadoria Geral de Pesquisa

Leia mais

EDITAL Nº 195/2014 SELEÇÃO PARA TUTORES VIRTUAIS E PRESENCIAIS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTANCIA (PARFOR): PEDAGOGIA E COMPUTAÇÃO

EDITAL Nº 195/2014 SELEÇÃO PARA TUTORES VIRTUAIS E PRESENCIAIS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTANCIA (PARFOR): PEDAGOGIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 Educação a Distância EAD / UESB Fone: (77) 3425-9308 uesbvirtual@uesb.edu EDITAL Nº 195/2014 SELEÇÃO

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2º SEMESTRE 2015

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2º SEMESTRE 2015 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2º SEMESTRE 2015 PORTARIA N.º 015 - Reitoria da UNOESTE, de 01 de julho de 2015 A Reitora da Universidade do Oeste

Leia mais

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução: RESOLUÇÃO CEPE Nº 174/2007 Altera o Regulamento dos Programas de Pós- Graduação Stricto sensu. processo nº 32255/2007; CONSIDERANDO a solicitação constante no O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO 22 REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CAPÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º O Programa de

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

EDITAL Nº 094/2015. 1.2. Os tutores serão selecionados com base nos critérios estabelecidos no presente Edital.

EDITAL Nº 094/2015. 1.2. Os tutores serão selecionados com base nos critérios estabelecidos no presente Edital. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 Educação a Distância EAD / UESB Fone: (77) 3425-9308 uesbvirtual@uesb.edu EDITAL Nº 094/2015 SELEÇÃO

Leia mais

Sumário 1. CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2. CAPÍTULO II DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA... 3

Sumário 1. CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2. CAPÍTULO II DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA... 3 Sumário 1. CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2. CAPÍTULO II DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA... 3 3. CAPÍTULO III DA COORDENAÇÃO... 4 4. CAPÍTULO IV DOS PROFESSORES E TUTORES DO CURSO...

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1º. O Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 094/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 16/12/2010. Éder Rodrigo Gimenes Secretário Aprova Regulamento do componente

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

EDITAL Nº 06/2015, de 23 janeiro de 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES Á DISTÂNCIA PROCESSO Nº 23355000061/2015-47

EDITAL Nº 06/2015, de 23 janeiro de 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES Á DISTÂNCIA PROCESSO Nº 23355000061/2015-47 EDITAL Nº 06/2015, de 23 janeiro de 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES Á DISTÂNCIA PROCESSO Nº 23355000061/2015-47 O Diretor Geral do campus Barbacena do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Resolução nº 22/08

Leia mais

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Supervisor Financeiro Coordenação Geral Apoio Administrativo Supervisor de TI Apoio Financeiro Orientador Pedagógico Apoio Administrativo Avaliação dos Cursos Coordenação

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 07/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível

Leia mais

EDITAL Nº 067/2015. 1.2 Os tutores serão selecionados com base nos critérios estabelecidos no presente Edital.

EDITAL Nº 067/2015. 1.2 Os tutores serão selecionados com base nos critérios estabelecidos no presente Edital. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 Educação a Distância EAD / UESB Fone: (77) 3425-9308 uesbvirtual@uesb.edu EDITAL Nº 067/2015 SELEÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 150/2010 EMENTA: Aprovação do Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense.

Leia mais

1. CALENDÁRIO DO PROCESSO SELETIVO

1. CALENDÁRIO DO PROCESSO SELETIVO Edital n.º 004/2015 para seleção de Tutores a Distância para os Cursos Técnicos de Nível Médio Subsequentes, na modalidade a Distância EaD, da Rede Escola Técnica Aberta do Brasil, e-tec Brasil/SETEC/MEC,

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO QUADRO DOCENTE DA FACULDADE DE AMERICANA

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO QUADRO DOCENTE DA FACULDADE DE AMERICANA EDITAL N.º 002/201 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO QUADRO DOCENTE DA FACULDADE DE AMERICANA A Direção Geral da Faculdade de Americana - FAM torna público que até 12 horas do dia 1 de julho de 201

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA AEDA Nº. 053/REITORIA/2014 1/9 TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA, TRANSFERÊNCIA INTERNA E APROVEITAMENTO DE ESTUDOS PARA O PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES LETIVOS DE 2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

MINUTA REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA

MINUTA REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA 1 MINUTA REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA 1. Dos Objetivos O Mestrado Profissional em Saúde da Família objetiva: Formar lideranças para a Estratégia Saúde da Família aptas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CAPÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º O Programa de

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS DEPENDENCIAS INTERATIVAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO OFERTADOS NA MODALIDADE PRESENCIAL (Anexo da Resolução CONSUNI nº 003/2014)

REGULAMENTO DAS DEPENDENCIAS INTERATIVAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO OFERTADOS NA MODALIDADE PRESENCIAL (Anexo da Resolução CONSUNI nº 003/2014) REGULAMENTO DAS DEPENDENCIAS INTERATIVAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO OFERTADOS NA MODALIDADE PRESENCIAL (Anexo da Resolução CONSUNI nº 003/2014) CAPÍTULO I CONDIÇÕES GERAIS Art. 1o As Disciplinas em dependência

Leia mais

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2008/CONEPE Aprova criação do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos. CAPÍTULO II Da Estrutura Acadêmica

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos. CAPÍTULO II Da Estrutura Acadêmica UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MIDIAS NA EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º. A Especialização em Mídias na Educação

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS Goiânia 2010 REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais