Evolução urbana da Avenida Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução urbana da Avenida Brasil"

Transcrição

1 Evolução urbana da Avenida Brasil Renato Gama-Rosa Costa

2

3 Escolha e justificativa do tema: 1. Questões surgidas a partir da pesquisa sobre a evolução do campus da Fiocruz em Manguinhos 2. Associação do processo de abertura da via à Circulação e mobilidade na cidade do Rio de Janeiro: Nova imagem de cidade e de vida urbana. Marco da presença do automóvel na vida de nossa Cidade e nos discursos sobre o desenvolvimento Econômico do país.

4 3. Inquietações sobre a nomenclatura da via: «Avenida» (escala da cidade) ou «rodovia» (escala do território)? 4. Estudos históricos sobre a abertura de vias urbanas vem merecendo o olhar de poucos pesquisadores do urbano. 5. No Brasil, estudos históricos sobre vias urbanas vêm privilegiando a Avenida Presidente Vargas e a Avenida Central. Estudos mais completos sobre a Avenida Brasil permaneciam inéditos. 6. Igualmente, raros estudos no Brasil apontam a década de 1950 como a mais visível para a relação automovel e cidade e poucos se detêm sobre os períodos introdutórios.

5 Objetivos do trabalho: 1. Analisar o processo de abertura da Avenida Brasil. 2. Historicizar este processo perguntando por que, como e por quem a via foi aberta.

6 Estes estudos nos proporcionaram: Identificar os atores sociais envolvidos (sanitaristas, engenheiros, arquitetos, urbanistas, politicos, entidades e associações) As dificuldades de se abrir uma estrada pelo litoral da zona da Leopoldina evidenciaram o longo processo de aprimoramento das técnicas de se abrir rodovias e retardaram sua abertura por quatro décadas A competição entre ferrovias e rodovias na hegemonia dos transportes mostraram a vitória incontestável das rodovias. Noções de progresso, unidade territorial e mobilidade associadas às rodovias. Criação de estruturas de discussão, politicas e de planejamento urbano favorecendo as rodovias. Identificar a periodização deste processo

7 Periodização A Cidade e o automóvel : Fabricação dos primeiros automóveis com motor a explosão. Atuação das Good Road Conventions : Henry Ford e o nascimento da indústria automobilística Popularização do automóvel O automóvel se torna o transporte urbano por excelência : Desativação dos bondes nos EUA. Surgimento das auto-estradas e vias expressas : A avenida : Estradas e ruas urbanas : A volta com força total da avenida

8

9

10 : Primeiras ações relativas a pavimentação e calçamentos urbanos Atuação dos engenheiros da École des Ponts et Chaussés : Surgimento dos automóveis até sua popularização : Consolidação da indústria automobilística. Os planos urbanos destacam a questão da circulação viária. Vitória do automóvel sobre o trem e o bonde : Automóvel: o mal necessário para as cidades : Primeiras avenidas abertas pelo higienismo : Planos urbanos destacando as questões da circulação viária : A atuação da Société Française des Urbanistes pelo mundo e os planos de melhoramentos para as metrópoles

11

12 Determinação da periodização adotada para o estudo de caso 1º: Vinculação de sua abertura à Estrada Rio-Petrópolis. 2º: Vinculação às propostas de «avenidas» e a interligação dos proprios bairros suburbanos e à melhoria da circulação viária e mobilidade urbanas. 3 : Vinculação às propostas de abertura de uma «variante» à Estrada Rio-Petrópolis. 4 : Vinculação à abertura da «rodovia» Rio-São Paulo.

13 Periodização adotada para o estudo de caso (Forte dependência dos trajetos e das técnicas construtivas das ferrovias) - Primeira idéia de se abrir uma via de ligação entre Petrópolis e a Capital Federal - Sistemas de avenidas de Pereira Passos - Criação do Automóvel Clube do Brasil - Criação do Ministério de Viação e Obras Públicas - Primeiras leis de trânsito e licenciamento - Primeiros congressos de estrada de rodagem - Governo Washington Luís: Governar é abrir estradas - Primeiros trabalhos de aterramento do litoral da zona da Leopoldina

14

15 (Gradual autonomia das rodovias) - Inauguração da estrada Rio-Petrópolis pelos sócios do ACB (1926) - Inauguração da estrada Rio-Petrópolis por Washington Luís (1928): dos quatro trajetos estudados, o pelo litoral não foi considerado exeqüível - Criação do Club dos Bandeirantes - Projeto do Bairro Industrial de Manguinhos e a Avenida do Norte - Plano de Melhoramentos para o Rio de Janeiro por Alfred Agache e a criação da Comissão do Plano da Cidade - Criação das primeiras diretorias e orgãos ligados ao rodoviarismo - Criação do DNER - Surgimento do termo auto-estrada - Governo de Getúlio Vargas

16

17

18

19

20

21 (Consolidação das políticas viárias e rodoviárias) - Obras de construção da Avenida Brasil - Criação dos departamentos estaduais de estrada de rodagem e do Fundo Rodoviário Nacional - Projeto do anel viário para o Rio de Janeiro - Inauguração do Trevo das Missões

22 CRONOLOGIA DA AVENIDA BRASIL 1913: Pedido publicado pela Revista Cosmopolita para a abertura de uma via pela frente do Instituto Oswaldo Cruz, ou seja, pelo litoral. 1927/1928: Dentre os cinco trajetos estudados para a Rio-Petropolis, um deles passaria pelo litoral. 1927: Projeto para a abertura da Avenida do Norte, dentro de projeto de criação do bairro industrial de Manguinhos

23

24

25

26

27

28

29 /dezembro: Lançamento do primeiro edital de concorrência publica para a construção da variante de acesso à Rio-Petropolis. Edital cancelado /dezembro: Segundo e efetivo edital. Engenheiros responsaveis pelo projeto e pela fiscalização: Renato Leite Silva e Urano Barbieri /dezembro: Inicio das obras da variante da auto-estrada Rio-Petropolis. (Parte dos recursos financiados pelo Banco do Brasil).

30

31

32 1942 Uma das primeiras menções da variante como Avenida Brasil: artigo de José de Oliveira Reis sobre o Plano Diretor da Cidade /novembro: Inauguração do trecho da Avenida Brasil entre Benfica e a rua Lobo Junior (Penha) /fevereiro: Inauguração do trecho entre a rua Lobo Junior e Parada de Lucas /abril: Inauguração do trecho entre São Cristovão e Manguinhos.

33 Álbum da Avenida Brasil Coleção Oliveira Reis AGCRJ

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43 1950 Inicio das obras de duplicação /junho: Inauguração do trecho de duplicação entre o Rio Faria e a Avenida New York (Bonsucesso) /janeiro: Inauguração entre a Av. New York e a Ilha do Fundão Inauguração final. Incluindo as avenidas das Bandeiras (para São Paulo), das Missões (para Petropolis) mais o trecho até Santa Cruz Inauguração do Trevo das Missões.

44

45

46 CONCLUSÃO A Avenida Brasil representa um momento de inflexão nas politicas publicas em relação ao sistema viario e rodoviario brasileiros. A historia da Avenida Brasil evidencia um descompasso entre sua denominação (avenida) e seu efetivo uso (rodovia), deixando claro que um modelo foi melhor sucedido que o outro. A escolha de seu nome somente em 1942, evidencia igualmente, que o projeto de sua abertura, gestado durante quatro décadas, aguardava sua efetiva construção.

47 Sua historia possibilita que estudos em urbanismo possam abranger tanto a escala da cidade quanto a escala do territorio: a cidade contemporânea està multiterritorializada. Finalmente, sua historia nos permite compreender como o planejamento urbano a falta dele levou a fazer dos eixos rodoviarios, como a Avenida Brasil, um dos emblemas da vida moderna.

A ABERTURA DA AVENIDA BRASIL E O DESENVOLVIMENTO DOS SUBÚRBIOS NO RIO DE JANEIRO

A ABERTURA DA AVENIDA BRASIL E O DESENVOLVIMENTO DOS SUBÚRBIOS NO RIO DE JANEIRO A ABERTURA DA AVENIDA BRASIL E O DESENVOLVIMENTO DOS SUBÚRBIOS NO RIO DE JANEIRO Renato da Gama-Rosa Costa Historiador de Arquitetura e Urbanismo Casa de Oswaldo Cruz Doutorando PROURB/FAU/UFRJ I - Introdução

Leia mais

A CIDADE ONDE QUEREMOS VIVER Planejamento Urbano e Viário. São Luís, 18 de junho de 2012

A CIDADE ONDE QUEREMOS VIVER Planejamento Urbano e Viário. São Luís, 18 de junho de 2012 A CIDADE ONDE QUEREMOS VIVER Planejamento Urbano e Viário São Luís, 18 de junho de 2012 NOVO CORREDOR DE TRANSPORTE URBANO DE SÃO LUÍS-MA EXPANSÃO DO SISTEMA VIÁRIO ITAQUI-BACANGA LEI DA MOBILIDADE

Leia mais

CAMPUS DE SANTIAGO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

CAMPUS DE SANTIAGO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO CAMPUS DE SANTIAGO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Fundada em 1973, a Universidade de Aveiro (UA) é reconhecida nacional e internacionalmente como um importante centro tecnológico que aposta em áreas inovadoras.

Leia mais

SUMÁRIO DO PREÂMBULO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Seção I Da Estrutura da Lei Art. 1º. Seção II Dos Objetivos Art. 2º e Art.

SUMÁRIO DO PREÂMBULO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Seção I Da Estrutura da Lei Art. 1º. Seção II Dos Objetivos Art. 2º e Art. SUMÁRIO DO PREÂMBULO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Da Estrutura da Lei Art. 1º Dos Objetivos Art. 2º e Art. 3º CAPÍTULO II DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Do Plano Diretor Urbanístico Ambiental Art. 4º

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Capítulo 1 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Tecnologia dos Transportes 2 SISTEMAS DE TRANSPORTE E SOCIEDADE De extrema importância para o desenvolvimento de uma sociedade O desenvolvimento está diretamente

Leia mais

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA EIXO TEMÁTICO: O MUNDO 1 O ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES Compreender o espaço geográfico como resultante das interações históricas entre sociedade e natureza

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

SENHOR CHEFE DE GABINETE, DIRETORES DE DIRETORIAS, DE DIVISÕES REGIONAIS E PROCURADOR DE AUTARQUIA CHEFE

SENHOR CHEFE DE GABINETE, DIRETORES DE DIRETORIAS, DE DIVISÕES REGIONAIS E PROCURADOR DE AUTARQUIA CHEFE 1 Ref.: Exped. nº 9-50.015/DE/99 Intº: Diretoria de Engenharia DTM-SUP/DER-009-01/06/1999 (1.10) SENHOR CHEFE DE GABINETE, DIRETORES DE DIRETORIAS, DE DIVISÕES REGIONAIS E PROCURADOR DE AUTARQUIA CHEFE

Leia mais

Prof. RAQUEL ROLNIK REGULAÇÃO URBANISTÍCA E ZONEAMENTO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO 2011

Prof. RAQUEL ROLNIK REGULAÇÃO URBANISTÍCA E ZONEAMENTO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO 2011 FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO REGULAÇÃO URBANISTÍCA E ZONEAMENTO ORIGENS (EUROPÉIA E NORTE AMERICANA E SUA DISSEMINAÇÃO NA AMERICA LATINA) Prof. RAQUEL ROLNIK AGOSTO 2011

Leia mais

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL CAOS LOGÍSTICO REGIONAL O POLO, O PORTO E AS CIDADES NÃO PODEM PARAR Carolina Lembo Gerente do Departamento de Infraestrutura ÍNDICE 1. Contextualização 2. Vantagens do Polo de Cubatão 3. Entraves Logísticos

Leia mais

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS OPORTUNIDADES PROMOVER ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E ALÍVIO DOS VOLUMES DE TRÁFEGO IMPORTANTE VIA ESTRUTURAL.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATUALIZAÇÃO DO MODELO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE RODOVIAS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS

AVALIAÇÃO DA ATUALIZAÇÃO DO MODELO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE RODOVIAS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS AVALIAÇÃO DA ATUALIZAÇÃO DO MODELO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE RODOVIAS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS Giovanna Fernandes de Lima gflima@id.uff.br Ricardo Abranches Felix Cardoso Jr. ricofelix@gmail.com

Leia mais

CARTA COMPROMISSO DO I FÓRUM DA CONSTRUÇÃO CIVIL Construindo soluções para aprovações de projetos e licenciamentos de obras

CARTA COMPROMISSO DO I FÓRUM DA CONSTRUÇÃO CIVIL Construindo soluções para aprovações de projetos e licenciamentos de obras CARTA COMPROMISSO DO I FÓRUM DA CONSTRUÇÃO CIVIL Construindo soluções para aprovações de projetos e licenciamentos de obras Os representantes do Ministério Público, do PROCON RS, Poder Executivo Municipal,

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DE GOIÂNIA ESTADO DE GOIÁS

PREFEITURA DA CIDADE DE GOIÂNIA ESTADO DE GOIÁS LEI N 9 5.450, DE 02 DE MARÇO DE 1979. "Autoriza a abertura de cré ditos adicionais, de natureza especial, e dá outras providencias." SANCIONO A SEGUINTE LEI: A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA DECRETA E EU

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.614, DE 2010

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.614, DE 2010 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.614, DE 2010 Autoriza o Guia de Turismo a usar seu próprio veículo, sob sua condução, no desempenho de suas atividades profissionais,

Leia mais

O movimento integralista em petrópolis ( ) Alexandre Luís de Oliveira* Leandro Pereira Gonçalves**

O movimento integralista em petrópolis ( ) Alexandre Luís de Oliveira* Leandro Pereira Gonçalves** O movimento integralista em petrópolis (1933-1938) Alexandre Luís de Oliveira* Leandro Pereira Gonçalves** RESUMO status Palavras-chave: ABSTRACT 295 Keywords: 1 INTRODUÇÃO 296 Tribuna de Petrópolis, Jornal

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: História II Curso: Técnico do Nível Médio Integrado em Mineração Série/Período: 2ª série Carga Horária: 2 a/s - 80h/a 67h/r

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE PORTO MARAVILHA

PLANO DE MOBILIDADE PORTO MARAVILHA PLANO DE MOBILIDADE PORTO MARAVILHA CRONOGRAMA 12/10 sábado - Início da divulgação de medidas de redução de impacto sobre o trânsito Sinalização Incentivo ao uso de rotas alternativas Campanha para incentivo

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

TRANSCARIOCA: Trecho da Avenida Brasil está totalmente interditado até às 10h de quarta-feira (23/04)

TRANSCARIOCA: Trecho da Avenida Brasil está totalmente interditado até às 10h de quarta-feira (23/04) TRANSCARIOCA: Trecho da Avenida Brasil está totalmente interditado até às 10h de quarta-feira (23/04) Intervenção, em Ramos, foi necessária para a continuidade das obras do arco estaiado do Viaduto Pedro

Leia mais

Operários Tarsila do Amaral (1933) R.I.S. Relatório de Impacto Social

Operários Tarsila do Amaral (1933) R.I.S. Relatório de Impacto Social Operários Tarsila do Amaral (1933) R.I.S. Aplicação RIS RIS pesquisa aplicada quando o cliente decide realizar um investimento social, que busca um diagnóstico da situação atual e de melhorias no assunto.

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB Hawick Arnaud do Nascimento Lopes Universidade Federal da Paraíba hawickarnaud@hotmail.com Rafael de Mendonça Arruda Prefeitura Municipal de Sapé rafaelmend@ymail.com ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS

Leia mais

A proposta da criação do Anel Ferroviário surgiu, basicamente, em função destas citadas condições.

A proposta da criação do Anel Ferroviário surgiu, basicamente, em função destas citadas condições. Mesmo a construção mais recente do ramal Paratinga-Perequê, interligando as linhas da Ferroban e da MRS, tornou a primeira cativa dos serviços operacionais da MRS para os acessos às margens direita e esquerda

Leia mais

ortland: Uma Cidade de Intenções Papel de Planejamento e Operações Metropolitanos de Transportes

ortland: Uma Cidade de Intenções Papel de Planejamento e Operações Metropolitanos de Transportes ortland: Uma Cidade de Intenções Papel de Planejamento e Operações Metropolitanos de Transportes Desde mais que 100 anos atrás, transportes não automobilísticos são importantes no desenvolvimento de Portland

Leia mais

Uma Visão METROPOLITANA. Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP

Uma Visão METROPOLITANA. Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP Uma Visão METROPOLITANA Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP Estado de São Paulo RMC Região Metropolitana de Campinas Lei Complementar 870 de 19 de junho de

Leia mais

Probabilidade de morte (%) <5% Velocidade do veículo na colisão (km/h)

Probabilidade de morte (%) <5% Velocidade do veículo na colisão (km/h) 30 29 28 27 26 25 24 23 22 21 20 19 18 17 16 15 14 13 12 11 10 98 76 54 32 1 30 Probabilidade de morte (%) 1 0.8 0.6 0.4 0.2

Leia mais

Secretaria de Urbanismo

Secretaria de Urbanismo Propostas e Diretrizes Prefeitura do Rio de Janeiro Maria Madalena Saint Martin de Astácio A ocupação urbana é condicionada à preservação dos maciços e morros; das florestas e demais áreas com cobertura

Leia mais

Missão Empresarial Minas Gerais

Missão Empresarial Minas Gerais Faz negócio. Convite Missão Empresarial 3º Encontro Ourém 18 a 22 de Abril Belo Horizonte Brasil 29 de Junho a 2 de Julho Centro de Negócios de Ourém Portugal Missão Empresarial 3º Encontro Ourém / Convite

Leia mais

UM NORTE PARA A PERIMETRAL. Senhor Presidente, ao longo de sua formação, alguns anseios, que vão se

UM NORTE PARA A PERIMETRAL. Senhor Presidente, ao longo de sua formação, alguns anseios, que vão se Discurso proferido pelo Deputado GERALDO RESENDE (PMDB-MS), em sessão no dia 29/04/2009. UM NORTE PARA A PERIMETRAL Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Cada país, Estado ou município acalenta,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases 1º PERÍODO 1 02010-9 Introdução à Computação 4-2 06216-2 Leitura e produção de textos para

Leia mais

Lançamentos de Livros no V Congresso da ABRAMD

Lançamentos de Livros no V Congresso da ABRAMD Lançamentos de Livros no V Congresso da ABRAMD Dia 2/12-18h30-19h30 VULNERABILIDADES, RESILIÊNCIA, REDES - Uso, abuso e dependência de drogas Eroy Aparecida da Silva; Yone Gonçalves de Moura; Denise Kopp

Leia mais

Infra-estrutura de transportes

Infra-estrutura de transportes Infra-estrutura de transportes Prof. Adm. Denilton Macário de Paula Modal Rodoviário No modal rodoviário podemos encontrar tanto o transporte de passageiros como o transporte de cargas. A infra-estrutura

Leia mais

SOLENIDADE DE ASSINATURA DA ORDEM DE SERVIÇO PARA OBRAS DE INFRA ESTRUTURA VIÁRIA

SOLENIDADE DE ASSINATURA DA ORDEM DE SERVIÇO PARA OBRAS DE INFRA ESTRUTURA VIÁRIA SOLENIDADE DE ASSINATURA DA ORDEM DE SERVIÇO PARA OBRAS DE INFRA ESTRUTURA VIÁRIA 1- TÚNEL DA LIBERDADE 2 2- PROLONGAMENTO DA RUA CASTRO ALVES 3- RECAPEAMENTO ASFÁLTICO AV. TROLESI 4- RECAPEAMENTO ASFÁTICO

Leia mais

Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias

Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias contato@institutominere.com.br www.institutominere.com.br (31) 3657-5578 Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias

Leia mais

Medida Normalização e Qualidade. Aspectos da história da metrologia no Brasil

Medida Normalização e Qualidade. Aspectos da história da metrologia no Brasil Medida Normalização e Qualidade Aspectos da história da metrologia no Brasil Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo _ MICT Ministro José Botafogo Gonçalves Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

Anéis Viários e Economia Urbana

Anéis Viários e Economia Urbana Anéis Viários e Economia Urbana Um estudo comparativo Prof. Vladimir Fernandes Maciel CCSA Curso de Economia Semana da Ciência e 1 MOTIVAÇÃO PROJETO DO RODOANEL METROPOLITANO DE SÃO PAULO 2 CCSA - Semana

Leia mais

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2011-2020 Gestão da Segurança Rodoviária A Estratégia Nacional Escola Nacional de Saúde Pública, 11 de Maio Paulo Marques Augusto 1965 1966 1967 1968 1969 1970

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS PÚBLICAS

ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS PÚBLICAS ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS PÚBLICAS Órgão / entidade SMO/CGO Coordenadoria Geral de Obras Datas das 1ª e 2ª visitas 03/04/2012 e 03/05/2012 Contrato selecionado Contrato nº 117/2011 Implantação da Transcarioca

Leia mais

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 9 Educador: Franco Augusto

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 9 Educador: Franco Augusto ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial Capítulo 9 Educador: Franco Augusto Alguns significados: fonte: http://www.significados.com.br Hegemonia significa preponderância de alguma coisa sobre outra. É a

Leia mais

PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO/MANUTENÇÃO DE RODOVIA - C.R.E.M.A 2ª ETAPA

PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO/MANUTENÇÃO DE RODOVIA - C.R.E.M.A 2ª ETAPA R E P Ú B L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES-DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 18/2011

RESOLUÇÃO N.º 18/2011 Dispõe sobre a divisão territorial da Comarca de Itacoatiara, Estado do Amazonas, e define a competência das unidades extrajudiciais de registro imobiliário. O Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do

Leia mais

PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL. Construção da nova Via Binário do Porto

PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL. Construção da nova Via Binário do Porto PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL Construção da nova Via Binário do Porto CRONOGRAMA 12/10 - sábado - Início da divulgação de medidas de redução de impacto sobre o trânsito Sinalização Incentivo ao uso de

Leia mais

Carta de compromisso com a mobilidade por bicicletas - candidatos a prefeito

Carta de compromisso com a mobilidade por bicicletas - candidatos a prefeito Em abril de 2012 a Ciclocidade e o CicloBR iniciaram o projeto Eleições 2012 e a bicicleta em São Paulo, com objetivo de promover a discussão sobre o tema durante as eleições e garantir o compromisso dos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA

AVALIAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA JULGAMENTO DA PROPOSTA TÉCNICA EDITAL Nº 312/2008 Objeto: Elaboração do Projeto Básico e Executivo de Engenharia de Adequação de Capacidade, Melhoria da Segurança e Eliminação de Pontos Críticos e Estudos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: CONTABILIDADE DE CUSTOS Eixo tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1º FASE

INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1º FASE INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1º FASE Até 1822- Era praticamente proibido a instalação de qualquer tipo de estabelecimentos industriais na colônia, pois tudo vinha da metrópole. Até 1930 a indústria brasileira

Leia mais

OBRAS. Departamento de Estradas de Rodagem de Alagoas - DER/AL Planilha de acompanhamento de Obras

OBRAS. Departamento de Estradas de Rodagem de Alagoas - DER/AL Planilha de acompanhamento de Obras Departamento de Estradas de Rodagem de Alagoas - DER/AL Planilha de acompanhamento de Obras OBRAS Última Atualização: 04/08/2016 Denominação da obra: / / Ampliação Objeto Implantação e Pavimentação da

Leia mais

Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação, Museus: Por uma Política Pública Regional de Memória e Patrimônio

Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação, Museus: Por uma Política Pública Regional de Memória e Patrimônio Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação, Museus: Por uma Política Pública Regional de Memória e Patrimônio Maria de Lourdes Ferreira Centro de Memória de Diadema Secretaria de Cultura do Município

Leia mais

COORDENADOR DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

COORDENADOR DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ENIO MORO JUNIOR COORDENADOR DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Graduação (1983), Mestrado (1999) e Doutorado (2005) em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade Legado Urbano e Ambiental Ações Prioritárias: rias: - Reordenamento do espaço o urbano - Integração do sistema de transporte - Despoluição e controle ambiental - Reabilitação de áreas centrais degradadas

Leia mais

Meio Ambiente e Geoprocessamento SUMÁRIO EXECUTIVO

Meio Ambiente e Geoprocessamento SUMÁRIO EXECUTIVO Meio Ambiente e Geoprocessamento Estudo sócio, econômico e ambiental dos municípios de Cabo Verde/MG e Divisa Nova/MG para avaliação de eventual pavimentação viária SUMÁRIO EXECUTIVO Cabo Verde, 19 de

Leia mais

Esquema operacional de trânsito para a construção do BRT TransBrasil

Esquema operacional de trânsito para a construção do BRT TransBrasil Esquema operacional de trânsito para a construção do BRT TransBrasil Desde sábado, dia 10 de janeiro, a Avenida Brasil tem 2,5 faixas interditadas no trecho Caju e Manguinhos A Prefeitura do Rio, por meio

Leia mais

Cidade Compacta. Diagonal Norte. Carandiru-Vila Maria. Água Branca. Lapa-Brás. Lapa-Brás Celso Garcia Centro. Vila Leopoldina. Rio Verde.

Cidade Compacta. Diagonal Norte. Carandiru-Vila Maria. Água Branca. Lapa-Brás. Lapa-Brás Celso Garcia Centro. Vila Leopoldina. Rio Verde. Repensar a cidade Diagonal Norte Cidade Compacta Vila Leopoldina Lapa-Brás Água Branca Carandiru-Vila Maria Lapa-Brás Celso Garcia Centro Rio Verde Vila Sonia Faria Lima Mooca-Vila Carioca Made by: SMDU/ATOU

Leia mais

A Convenção do Patrimônio Mundial

A Convenção do Patrimônio Mundial A CANDIDATURA A Convenção do Patrimônio Mundial A UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura cuida de promover a identificação, a proteção e a preservação do patrimônio

Leia mais

HISTÓRICO & EXPERTISE

HISTÓRICO & EXPERTISE HISTÓRICO & EXPERTISE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA 1974 FUNDAÇÃO CONSTRUÇÃO CIVIL FAMÍLIA E EMPRESA NASCEM JUNTAS E CONTINUAM JUNTAS 1974 1980 1992 MA ES RJ NOSSA PRESENÇA PARÁ PIAUÍ MARANHÃO SÃO PAULO ESPÍRITO

Leia mais

2º ENCONTRO BRASILEIRO DAS CIDADES HISTÓRICAS TURÍSTICAS E PATRIMÔNIO MUNDIAL. 24 a 27 de fevereiro de 2016 São Luís MA

2º ENCONTRO BRASILEIRO DAS CIDADES HISTÓRICAS TURÍSTICAS E PATRIMÔNIO MUNDIAL. 24 a 27 de fevereiro de 2016 São Luís MA 2º ENCONTRO BRASILEIRO DAS CIDADES HISTÓRICAS TURÍSTICAS E PATRIMÔNIO MUNDIAL 14 às 18h Credenciamento 24 a 27 de fevereiro de 2016 São Luís MA Dia 24 de fevereiro - Quarta-feira Teatro Arthur Azevedo

Leia mais

*Área/Sub área História/ História Moderna e Contemporânea ( )

*Área/Sub área História/ História Moderna e Contemporânea ( ) Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Rondônia Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Apoio as Politicas Acadêmicas Coordenação de Ingresso e Carreira Docente A Coordenadora de Ingresso

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS Direção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Código 161366 Contribuinte nº 600 074 978 Escola Secundária Dr. Bernardino Machado PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO 2012 2013

Leia mais

Artigo 3º - Para efeito de cobrança será adotado o critério de número de eixos de cada veículos, incluindo-se também qualquer tipo de reboques.

Artigo 3º - Para efeito de cobrança será adotado o critério de número de eixos de cada veículos, incluindo-se também qualquer tipo de reboques. LEI N.º 265/2002 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2 002 AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL IMPLANTAR PEDÁGIO NA RODOVIA CHAFIC SAAB, NO QUE PERTENCER AO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS RUBENS FRANCISCO, Prefeito

Leia mais

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar Disciplina: Gestão e Organização Escolar Código da Disciplina: EDU336 Curso: Pedagogia Período: 6º Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2015 Número de créditos: 05 Horas-aula:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO NORMA Nº 02/ DO REGULAMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELH0 FISCAL

REGIMENTO INTERNO NORMA Nº 02/ DO REGULAMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELH0 FISCAL REGIMENTO INTERNO NORMA Nº 02/2010 - DO REGULAMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELH0 FISCAL Art. 1º - Este Regulamento fixa normas para eleição da Diretoria Executiva e Conselho Fiscal da, de

Leia mais

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro)

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro) Planejamento das Aulas de História 2016 8º ano (Prof. Leandro) Fevereiro Aula Programada (As tensões na Colônia) Páginas Tarefa 1 As tensões na Colônia 10 e 11 Mapa Mental 2 A viradeira 12 Exerc. 1 a 5

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO SEMINÁRIO RIO METROPOLITANO: DESAFIOS COMPARTILHADOS O FUTURO DA MOBILIDADE NA METRÓPOLE VERTICALIDADES Aspectos metropolitanos HORIZONTALIDADES Interações entre

Leia mais

TIPOS DE AÇÕES GOVERNAMENTAIS

TIPOS DE AÇÕES GOVERNAMENTAIS CÓDIGO DA SUB- CÓDIGO DA SUB- CORPO LEGISLATIVO 01.01.01.00 LEGISLATIVA 1 ACAO LEGISLATIVA 31 PROCESSO LEGISLATIVO CÓDIGO DO 1.001 MANUTENÇÃO DAS ATIVIDADES LEGISLATIVAS CÓDIGO DO 2.001 592.100,00 627.626,00

Leia mais

UNIDADE: DATA: 03 / 12 / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 7.º ANO/EF

UNIDADE: DATA: 03 / 12 / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 7.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 03 / 2 / 205 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 7.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

Distribuição dos casos notificados de dengue MRJ

Distribuição dos casos notificados de dengue MRJ Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde AP Janeiro

Leia mais

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo AlphaVille Urbanismo Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo História A história de um conceito de bem viver 1974 1994 História A história de um

Leia mais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais Usos Inovadores do Gás Natural (GN) Promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais (APLs) Temas Estrutura Geral do Projeto As investigações em Viena As investigações em Viena Propostas

Leia mais

DO DISCURSO AO PLANO: O AUTOMÓVEL NA CIDADE DO RIO DE JA- NEIRO (1900-1946) i

DO DISCURSO AO PLANO: O AUTOMÓVEL NA CIDADE DO RIO DE JA- NEIRO (1900-1946) i DO DISCURSO AO PLANO: O AUTOMÓVEL NA CIDADE DO RIO DE JA- NEIRO (1900-1946) i Renato Gama-Rosa Costa Historiador da arquitetura e do urbanismo Dr. em Urbanismo PROURB/FAU/UFRJ. Pesquisador COC/FIOCRUZ

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente

A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente - Uma discussão preliminar sobre as oportunidades e limites da incorporação da ecologia industrial à gestão pública do meio ambiente

Leia mais

Assunto: HISTÓRIA: CAMINHO DO MAR: Na estrada de Santos!

Assunto: HISTÓRIA: CAMINHO DO MAR: Na estrada de Santos! Assunto: 1958 HISTÓRIA: CAMINHO DO MAR: Na estrada de Santos! Se você pretende saber quem eu sou, eu posso lhe dizer. Entre no meu carro, e na estrada de Santos, você vai me conhecer. Em 1958, certamente

Leia mais

TEMAS CENTRAIS EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAMENTO DOS TEMAS AOS SEGUINTES ASPECTOS ESTRUTURANTES

TEMAS CENTRAIS EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAMENTO DOS TEMAS AOS SEGUINTES ASPECTOS ESTRUTURANTES 6º CONGRESSO ESTADUAL DE PROFISSIONAL DO CREA AIPANA HOTEL G R U P O L O U R I V A L C A R D O S O F Á B I O V I E I R A 17 e 18 de Julho 2013 P R O P O S T A N º ( 0 0 1 ) de Roraima Formulação de Propostas

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DEONTOLOGIA JURÍDICA Código da Disciplina: JUR268 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 2º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de:

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS Jean Carlos Pejo J C PEJO CONSUTORES ASSOCIADOS S/C LTDA Mapa da Produção de Soja no Brasil Projeção da Produção de Soja no Brasil Safra Produção Exportação 2009/2010

Leia mais

Equipamentos /Obras com Recursos do Governo Federal e Estadual

Equipamentos /Obras com Recursos do Governo Federal e Estadual Secretaria Municipal de Planejamento Equipe: Giovana Graciano de Sá Secretária Municipal de Planejamento Glaúcia Maria da Costa Diretora Municipal de Planejamento José Welinton Moreira Engenheiro Caio

Leia mais

Limites dos modelos de prevenção e novas abordagens em acidentes de trânsito: o caso dos motociclistas

Limites dos modelos de prevenção e novas abordagens em acidentes de trânsito: o caso dos motociclistas Ministério do Trabalho e Emprego FUNDACENTRO Limites dos modelos de prevenção e novas abordagens em acidentes de trânsito: o caso dos motociclistas Eugênio Hatem Diniz- Fundacentro; UFMG Fernando Augusto

Leia mais

PROJETO U-BIKE PORTUGAL

PROJETO U-BIKE PORTUGAL PROJETO U-BIKE PORTUGAL Lisboa Auditório do IRHU 28 de janeiro 2016 PROJETO U-BIKE PORTUGAL Auditório do IRHU 28 jan 2016 1. Enquadramento 2. Objetivos 3. Regulamento Geral do Projeto 4. Protocolo IMT

Leia mais

Eletiva A volta ao mundo através dos jogos

Eletiva A volta ao mundo através dos jogos Eletiva A volta ao mundo através dos jogos E.E. Princesa Isabel Sala 14 / 2ª. Sessão Professor(es) Apresentador(es): Cristina Viecelli Costa do Nascimento Jairo Augusto Fernandes Realização: Foco Por meio

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec CENTRO PAULA SOUZA Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

PERCURSO 14 Região Norte: a construção de espaços geográficos. Prof. Gabriel Rocha 7º ano - EBS

PERCURSO 14 Região Norte: a construção de espaços geográficos. Prof. Gabriel Rocha 7º ano - EBS PERCURSO 14 Região Norte: a construção de espaços geográficos. Prof. Gabriel Rocha 7º ano - EBS 1 A construção do espaço geográfico de 1500 a 1930 A ocupação da Amazônia não despertava tanto interesse

Leia mais

O Centro da Indústria, Arte e Cidade inscreve-se na nova Praça da Liberdade como um instrumento potencializador desse abrangente projeto de futuro.

O Centro da Indústria, Arte e Cidade inscreve-se na nova Praça da Liberdade como um instrumento potencializador desse abrangente projeto de futuro. O Circuito Cultural é parte de um grande projeto de reestruturação de Belo Horizonte, visando adequá-la aos requisitos dos grandes centros metropolitanos do séc. XXI. O Centro da Indústria, Arte e Cidade

Leia mais

MINICURSO DE 8 HORAS

MINICURSO DE 8 HORAS MINICURSO DE 8 HORAS Curso 3 - SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS EM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL Instrutores: Luis Enrique Sánchez EP/USP Graduado em Engenharia de Minas pela Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Apresentação de sugestões para o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas Audiência Pública 19/11/2015

Apresentação de sugestões para o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas Audiência Pública 19/11/2015 Apresentação de sugestões para o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas Audiência Pública 19/11/2015 Nossa expectativa com a criação do Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas

Leia mais

Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Capacidade de absorção do conhecimento nas empresas brasileiras

Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Capacidade de absorção do conhecimento nas empresas brasileiras www.fdc.org.br Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Capacidade de absorção do conhecimento nas empresas brasileiras Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Equipe Coordenadores Alessia Franco

Leia mais

DOCUMENTO 1 = Requerimento ao DENATRAN

DOCUMENTO 1 = Requerimento ao DENATRAN 1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO 10ª REGIÃO MILITAR PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO/10 ANEXO II AO EDITAL DE LEILÃO PÚBLICO Nº 02/2014 AÇÕES NECESSÁRIAS PELO ARREMATRANTE PARA A REGULARIZAÇÃO DAS

Leia mais

Carnaval da Av. Rio Branco agora é na Av. Graça Aranha Interdições para desfiles de Blocos de Rua de 14 a 18 de fevereiro

Carnaval da Av. Rio Branco agora é na Av. Graça Aranha Interdições para desfiles de Blocos de Rua de 14 a 18 de fevereiro Carnaval da Av. Rio Branco agora é na Av. Graça Aranha Interdições para desfiles de Blocos de Rua de 14 a 18 de fevereiro Os Blocos de Carnaval de Rua que desfilavam pela Avenida Rio Branco, foram transferidos

Leia mais

FERROVIA EF 267: TODOS JUNTOS PARA. Senhor Presidente, os defensores das ferrovias como o melhor modal para

FERROVIA EF 267: TODOS JUNTOS PARA. Senhor Presidente, os defensores das ferrovias como o melhor modal para Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 06/08/2013. FERROVIA EF 267: TODOS JUNTOS PARA TRONÁ-LA REALIDADE Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, É com muita

Leia mais

CURSO NOÇÕES EM PROPRIEDADE INTELECTUAL PARCERIA DA OAB BARUERI COM A OAB DE SANTANA DE PARNAÍBA

CURSO NOÇÕES EM PROPRIEDADE INTELECTUAL PARCERIA DA OAB BARUERI COM A OAB DE SANTANA DE PARNAÍBA PARCERIA DA OAB BARUERI COM A OAB DE SANTANA DE PARNAÍBA Vagas Limitadas Duração do curso: de 25/10/2016 à 29/11/2016 Horário do curso: 09:00h às 11:00h Local: Auditório da OAB/Barueri Endereço: R. José

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

Comunicação & Relações Governamentais

Comunicação & Relações Governamentais Plano de Ação Comunicação & Relações Governamentais Data: 06.dezembro.2013 Eng. Antonio E. F. Müller Presidente História Associação Brasileira de Engenharia Industrial Entidade civil sem fins lucrativos

Leia mais

Mobilidade Urbana em Rio Branco: soluções e desafios. Eng. Civil Marcus Alexandre Prefeito de Rio Branco

Mobilidade Urbana em Rio Branco: soluções e desafios. Eng. Civil Marcus Alexandre Prefeito de Rio Branco Mobilidade Urbana em Rio Branco: soluções e desafios Eng. Civil Marcus Alexandre Prefeito de Rio Branco A Cidade que temos e sua complexidade! A ocupação não planejada impõe grande desafio à mobilidade

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Braga Braga

Dossier Promocional. Moradia em Braga Braga Dossier Promocional Moradia em Braga Braga 1 1. Contexto e Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA OBJETIVOS

INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA OBJETIVOS Currículo 2010 INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Tópicos especiais em estradas Campus Alto Paraopeba Período Teórica 00 Carga Horária Prática 36 Total 36 Código CONTAC ENC225 Tipo Habilitação / Modalidade

Leia mais

Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC

Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC Luis Paulo Bresciani Consórcio Intermunicipal Grande ABC Universidade Municipal de São Caetano do Sul ciclo de debates A indústria

Leia mais