RELANCE Comandos Linux

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELANCE Comandos Linux"

Transcrição

1 1 RELANCE Comandos Linux As pessoas aceitarão sua idéia muito mais facilmente se você disser a elas que quem a criou foi Albert Einstein. Lei de Comim Prefácio O objetivo proposto por este texto técnico é de auxiliar na compreensão e utilização dos comandos Linux, além de constituir uma referência para consultas rápidas sempre que for necessário. Dado tal sentido justifica a forma da abordagem que tender a ser resumida, qualquer alongamento do texto é suficientemente conveniente para destacar elementos ou aspectos fundamentais. O presente trabalho é organizado a informar os termos aplicados a este texto, a instruir o formato empregado, os modos de execução e acesso, orientar sobre o ambiente de teste e na sequência os comandos são categorizados por finalidade - nos casos de mais de uma natureza permanecerá a dominante. Todos os comandos são exemplificados seguidos de pelo menos um exemplo para ilustrar a forma de utilização. A última grande parte discorre sobre arquivos de configuração, variávies de configuração e o shell nos seus elementos referentes a símbolos e a linguagem. Conteúdo Tabela de Termos... 1 Compreender o Formato... 2 Modo de Execução e Acesso... 2 Ambiente de Teste... 3 Manuais... 3 Arquivo & Diretório... 3 Recursos do Terminal...8 Gerenciamento de Pacote...9 Processo & Memória...9 Usuário & Grupos...10 Propriedade & Permissão...10 Configuração & Hardware...10 Sistema...11 Tela & Temporizador...12 Localizadores...12 Repetidores...12 Expressão e Aritméticos...13 Arquivos de Configuração...14 Variáveis de Ambiente...15 Símbolos do Shell...15 Shell Script...18 Outras Linguagens...22 Tabela de Termos Argumento: valor de referência a ser trabalho pelo programa. Background: plano de fundo ou segundo plano. Backspace: tecla que excluir caracteres. Concatenar: ato de unir duas ou mais parte em apenas uma. Comando: programa invocado via terminal. Distro: abreviação de distribuição Linux. Foreground: plano de frente ou primeiro plano. GID: Group Identification (Identificador do Grupo). Home: diretório pessoal do usuário. Interpolar: intercalação de partes literais com as de significância de execução. Laço: sinônimo de Loop. Literal: sinônimo de String. Loop: Execução repetitiva de comando até o alcance de determinada condição ou esgotamento de valores. Opção: mecanismo que mudar o comportamento padrão de um programa. PCI: Peripheral Component Interconnect (Interconexão de Componentes Periféricos). PID: Process Identification (Identificador do Processo). PGID: Process Group Identification (Identificador do Grupo do Processo). Recursividade: ação de operar sobre si mesmo. Regex: abreviação inglesa de expressão regular. Root: administrador (super usuário) de sistema operacional do tipo Linux. Sintaxe: forma convencionada.

2 2 SO: abreviação de Sistema Operacional. String: conjunto de caracteres. Wildcard: caracter curinga para representar um ou mais caracteres. ^ (Acento Circunflexo): representa a tecla CTRL. Compreender o Formato Por se tratar de um guia rápido a forma resumida é a prevista e conhecida para este tipo de texto. O entendimento sobre o formato da sintaxe dos comandos e exemplos precisam ser compreendidos neste momento para evitar desentendimentos ou equívocos. Todo comando tem uma sintaxe a ser seguida, seja simples ou um pouco mais complexa. Alguns comandos não necessitam de opção ou argumento, como o caso do pwd e do clear. Para utilizá-los basta digitar no terminal: $ pwd $ clear Outros comandos recebem somente opções ou não. Se a utilização de opções for facultativo, então ela aparecerá entre colchetes para indicar visualmente como visto abaixo para o comando free: free [opções] Existem outros comandos, que além das opções também recebem argumentos. O comando cp, por exemplo, recebe dois argumentos obrigatórios, sendo o primeiro o recurso alvo e o outro a localização que será enviado a cópia do recurso. Para indicar essa sintaxe é posta seguinte na forma: cp [opções] recurso destino Observe que o argumento esperado é disposto na forma nomeada, ao invés de chamar arg1 e arg2, assim foi colocado como recurso e destino para refletir o tipo de valor correto esperado pelo programa. Alguns programas não exigem qualquer tipo de opção, apenas é esperado um argumento ou mais, por exemplo, o type, que tem como única entrada o nome de qualquer programa: type programa Fique atento que todos os exemplos são ilustrativos, isto não significa que ao executar no terminal, por exemplo, o comando basename com o argumento /tmp/hello.odt terá tal arquivo como visto abaixo: próximo exemplo do comando cp possivelmente não terá o arquivo chamado file1 no diretório corrente, logo para viabilizar o teste é necessário criar tal arquivo e depois proceder com o teste: $ touch file1 # Criado arquivo file1 vazio. $ cp file1 file1.backup #Realizando o teste. Ao executar o comando apt-get com o argumento scribus, não significa que você tenha o pacote scribus instalado em seu sistema operacional e os valores dos argumentos nos exemplos não são absolutos, você poderá mudá-los, desde que respeite o tipo de valor esperado: $ apt-get purge scribus Ao último ponto que não serão abordadas todas as opções de todos os comandos apresentados, apenas as mais importantes, usuais e/ou interessantes. Caso queira saber mais sobre determinado comando utilize o comando man. Modo de Execução e Acesso Existem dois modos básicos relativos a operação de um programa ou acesso à arquivos e dispositivos, sendo elas na forma limitada ou privilegiada. As ações sobre objetos do próprio usuário ou programas que lêem dados do sistema operacional sem provocar qualquer anormalia ou violação de segurança e a alteração de configuração de conta ou da sessão podem ser realizados na forma limitada. Observe que para indicar tal modo é usado o símbolo "$" (cifrão) no início da linha de comandos, como será percebido nos exemplos adiante. Outras ações como alteração de parâmetros, argumentos ou mudança do sistema de permissão de determinado objeto de outro usuário, renicialização e desligamento do computador, alteração do estado ou mudança da prioridade de processos ou monitoramento de recursos restritos são viáveis através do acesso privilegiado, também chamado de modo root (Super Usuário). O símbolo "#" (cerquilha) no início da linha de comandos representa esse modo elevado. Tenha em mente que os símbolos tratados são convenções, mas que podem ser alterados nos arquivos de configuração do sistema ou nas variáveis de ambiente, além de ser possível através do comando sudo adquirir temporariamente acesso ou execução privilegiada estando no modo limitado. Observe abaixo a ordem das partes e ao executar o comando dmidecode de acesso restrito através do sudo será exigido a senha do Super Usuário: $ sudo dmidecode t 0 $ basename /tmp/hello.odt.odt Você poderá criar tal arquivo para viabilizar a realizar do teste do referido exemplo. Da mesma forma que no

3 3 Ambiente de Teste Se esta for a sua primeira vez ou não senti-se seguro para realizar os exemplos expostos, então utilize uma máquina virtual ou um computador sem uso cotidiano. Entre as duas opções, a forma mais comum é a utilização de ambiente virtualizado, pois qualquer falha que prejudicaria o correto funcionamento ficará isolado dentro do próprio sistema operacional virtualizado. O VirtualBox, VMware e Virtual PC são os mais populares para suportar plenamento o processo de virtualização. Ao preparar uma máquina virtual sempre tire uma cópia dela no final do processo de criação, isto será bem útil quando qualquer erro acontecer, pois poderá substituir o arquivo do sistema operacional com problemas pela cópia anterior sem grande dificuldades, além de evitar todo o processo de instalação e configuração que já foi realizado. Prefira realizar os testes nas distribuições Debian, tais como Ubuntu, Mint, Zorin, Peppermint, além do próprio. No site dispõem em sua página inicial 100 distribuições Linux para download. Sempre observe a questão da arquitetura, pois é importante para o sucesso no processo de virtualização ou instalação física. Os exemplos desenvolvidos nesta obra foram realizados sobre o bash, Bourne Again Shell, logo não existem garantias do correto funcionamento em outros shells como Korn, C Shell ou Z Shell. Caso não tenha o bash, instale-o através do seu gerenciador de pacotes da distribuição escolhida, outra forma é de obter a partir do endereço eletrônico: Manuais info [opções] [item] Imprime o documento Info do comando. Ex: 1. Realiza a saída do manual do programa ifconfig: $ info ifconfig man [opções] comando Renderiza o manual de referência de um programa. Ex: 1. Mostra o manual de uso do programa stat: $ man stat Ex: 2. Busca na descrição de todos os manuais pela palavra process (processo): $ man k 'process' Ex: 3. Pela força bruta faz uma busca global pela palavra-chave memory e apresenta em sequência o manual que tenha correspondência: $ man K memory Ex: 4. Faz breve descrição do programa a2p: $ man f a2p Ex: 5. Imprime na tela o caminho do manual do programa gcc: $ man ww gcc Ex: 6. Realiza busca nos nomes ou descrições dos manuais baseado em expressão regular: $ man --regex '^[a-z][0-9].$' Ex: 7. Semelhante ao exemplo 6, porém na forma resumida: $ man -k '^[a-z][0-9].$' Ex: 8. Localiza apenas os nomes dos manuais que tenham correspondência de acordo com a expressão regular: $ man --names-only --regex '^[0-9].+' Ex: 9. Encontra os nomes dos manuais correspondentes baseado no wildcard interrogação: $ man --names-only --wildcard 'c?t' Arquivo & Diretório basename caminho [sufixo] Imprime a última parte do caminho. Ex: 1. Imprimi o nome do último diretório, a saída do comando é bin: $ basename /usr/bin Ex: 2. Mostra o nome do arquivo sem a extensão odt: $ basename /tmp/utf8.odt.odt Ex: 3. Equivalente ao exemplo 2: $ basename s.odt /tmp/utf8.odt Ex: 4. Suporte para vários caminhos de uma única vez: $ basename -a /tmp/brasero /home/he-man base64 [opções] [arquivo] Codifica e decodifica uma entrada de dados ou um arquivo para texto. Ex: 1. O executável do Doro PDF é convertido para texto simples (codificar), assim é possível trafegar o arquivo por canais que possuam filtros de segurança, por exemplo serviços de $ base64 doro-pdf.exe > /tmp/doro.txt Ex: 2. Revertendo o processo do exemplo anterior (decodificar): $ base64 d /tmp/doro.txt > /tmp/doro.exe Ex: 3. Codificando e decodificando um arquivo PDF. A forma longa de -d é --decode: $ base64 bash-guide.pdf > guide $ base64 --decode guide > bg.pdf Ex: 4. Com strings, também, é possível realizar o mesmo processo: $ echo Arch Enemy base64 cat [opções] arquivo Visualiza o conteúdo do arquivo. Ex: 1. Imprime o texto do arquivo /etc/apt/source.list: $ cat /etc/apt/source.list Ex: 2. Imprime em tela o conteúdo do arquivo /etc/aliases com enumeração das linhas do texto: $ cat n /etc/aliases Ex: 3. Apresenta em sequência o conteúdo dos arquivos (operação de concatenação) authors.txt, publishers.txt e readers.txt: $ cat authors.txt publishers.txt readers.txt chattr [opções] atributos arquivo Altera os atributos do arquivo. Ex: 1. Torna o arquivo config imutável: $ chattr +i config Ex: 2. Remove o atributo de apendamento do arquivo sum: $ chattr a sum Ex: 3. Remove o atributo de imutabilidade, efeito contrário do exemplo 1: $ chattr i config Ex: 4. Aplica o atributo de apendamento de forma recursiva sobre o diretório files: $ chattr -R +a files

4 4 cp [opções] recurso destino Copia arquivos e diretórios. Ex: 1. Realiza uma cópia do arquivo file1 para o nome file1.backup: $ cp file1 file1.backup Ex: 2. Copia recursivamente o diretório dir2 para /tmp: $ cp R dir2 /tmp Ex: 3. Em modo incremental solicita confirmação antes de sobrescrever o arquivo screen, caso exista em ~/others: $ cp -i /tmp/screen ~/others Ex: 4. Cria um hard link do arquivo file em home de nome hx: $ cp l /tmp/file ~/hx Ex: 5. Preserva o arquivo heros caso ele exista no local de destino: $ cp n /tmp/heros ~/heros Ex: 6. Cria um link simbólico de nome tomcat do arquivo tomcat7: $ cp s tomcat7 tomcat Ex: 7. Imprime em tela quais arquivos com a extensão php foram copiados para o diretório backup: $ cp v *.php backup/ Ex: 8. Copia todos os arquivos do diretório files que comecem com "0", "1" ou "2" seguindos de "a", "b" ou "c" para a pasta moved: $ cp files/[0-2][a-c]* moved Ex: 9. Reproduz os arquivos com a extensão doc do diretório articles para magazine: $ cp articles/*.doc magazine/ Ex: 10. Copia os arquivos que comecem com a letra "a" seguido de "0", "1" ou "2" e de extensão txt para a pasta boards: $ cp files/a[0-2]*.txt boards Ex: 11. Reproduz para o diretório masters os arquivos de /tmp que não tiverem a extensão odt: $ cp /tmp/!(*.odt) masters Ex: 12. Faz cópia para planets os arquivos que tenham a extensão xml ou pdf que estão no diretório descriptions: $ cp descriptions/*.{xml,pdf} planets/ cut [opções] [arquivo] Extair determinadas partes do texto de um arquivo. Ex: 1. Seleciona do texto apenas o primeiro byte de cada linha: $ cut -b 1 <<FILE > This is text test for command cut. > Virtual file by document here. > FILE Ex: 2. Extrai do primeiro até o 18º byte: $ cut -b 1-18 <<FILE > This is text test for command cut. > Virtual file by document here. > FILE Ex: 3. Exibe do texto do 23º byte até o último de cada linha: $ cut -b 23- <<FILE > This is text test for command cut. > Virtual file by document here. > FILE Ex: 4. Define como delimitador (opção "-d") entre campos o espaço em branco e apresenta a primeira palavra de cada linha: $ cut -d ' ' -f 1 <<FILE > This is text test for command cut. > Virtual file by here document. > FILE Ex: 5. Apresenta de cada linha o primeiro ao terceiro campo e tem como delimitador o ponto-e-vírgula: $ cut -d ';' -f 1-3 <<FILE > This;is;text;test;for;command;cut. > Virtual;file;by;here;document. > FILE Ex: 6. Extrai de cada linha o quarto campo em diante, toma como delimitador entre as palavras o ponto-e-vírgula e o delimitador entre os campos de saída permanece como espaço em branco: $ cut -d ';' -f 4- --output-delimiter=" " <<FILE > This;is;text;test;for;command;cut. > Virtual;file;by;here;document. > FILE du [opções] [recurso] Estima o espaço usado pelo arquivo. Ex: 1. Calcula o tamanho do diretório /bin em megabytes: $ du m /bin Ex: 2. Imprime o tamanho em bytes do arquivo hostname em /etc: $ du -b /etc/hostname Ex: 3. Exibe no formato legível para humanos a quantidade da medida do arquivo /etc/passwd: $ du -h /etc/passwd Ex: 4. Apresenta o sumário final legível para humanos referente ao diretório /opt: $ du s /opt Ex: 5. Não inclui na contagem subdiretórios, apenas os arquivos presentes na raiz de /usr: $ du S /usr Ex: 6. Excluir da contagem os arquivos e diretórios que contenham.config em /etc: $ du --exclude=*.config /etc Ex: 7. Ignora na contagem qualquer arquivo ou diretório que tenha algum número em /etc: $ du --exclude=*[0-9]* /etc Ex: 8. Ignora na contagem os diretórios que sejam.cache,.local e.config em home: $ du --exclude=.{cache,local,config} ~ file [opções] arquivos Determina o tipo do arquivo. Ex: 1. Mostra o tipo do arquivo ls presente em /bin: $ file /bin/ls Ex: 2. Imprime as informações sobre o tipo de todos os arquivos da pasta /bin: $ file /bin/* Ex: 3. Apresenta o mine do arquivo /bin/ls: $ file i /bin/ls Ex: 4. Apresenta em modo breve o tipo do arquivo /bin/gunzip: $ file -b /bin/gunzip Ex: 5. Dispensa o processo de buffer para provocar a saída imediata dos tipos dos arquivos em home que comecem com.gnome: $ file -n ~/.gnome* grep [opções] padrão [arquivo] Imprimi as linhas que correspondem a um padrão. Ex: 1. Seleciona toda as linhas que contenham a palavra root do arquivo /etc/group: $ grep root /etc/group Ex: 2. Extrai as linhas que estão em caixa alta ou baixa que contenham a palavra reboot da saída do comando last: $ last grep i reboot Ex: 3. Exibe as linhas que correspondem a expressão regular: $ grep e '^a.*[a-z]$' /etc/passwd Ex: 4. Executa uma expressão regular extendida no texto do arquivo passwd em /etc: $ grep -E '^a.*[a-z]$ ^b.+[0-9]' /etc/passwd Ex: 5. Realiza a seleção invertida, apenas as linhas que não contenham a palavra root em /etc/passwd: $ grep v root /etc/passwd Ex: 6. Imprime as linhas que contenham a palavra bash por inteiro em /etc/bash.bashrc: $ grep -w bash /etc/bash.bashrc

5 5 Ex: 7. Conta a quantidade de linhas correspondentes ao padrão domain em /etc/hosts.deny: $ grep -c domain /etc/hosts.deny Ex: 8. Trata o arquivo binário /bin/ls como texto e imprime as ocorrências correspondentes a linux: $ grep -a linux /bin/ls Ex: 9. Exclui da pesquisa pela palavra host os arquivos que comecem com o nome hosts em /etc: $ grep host --exclude=/etc/hosts* /etc/host* Ex: 10. Ignora da pesquisa pela palavra host os diretórios que comecem com a letra "b" em /etc: $ grep host --exclude-dir=/etc/b* /etc/bash* Ex: 11. Realiza uma busca recursiva em todos os arquivos de todos diretórios em /etc pela palavra host: $ grep -R host /etc head [opções] [arquivo] Imprimi as primeiras linhas de um arquivo. Ex: 1. Seleciona as 5 primeiras linhas do arquivo shadow em /etc: $ head -5 /etc/shadow Ex: 2. Mostra as 10 primeiras linhas (comportamento padrão) da saída do comando lspci: $ lspci head Ex: 3. Imprime os 3 primeiros bytes (equivale a 3 caracteres) do arquivo numerical: $ head -c 3 numerical Ex: 4. Imprime os 2 primeiros kilobytes (2048 caracteres) do arquivo numerical: $ head -c 2K numerical Ex: 5. Os 10 primeiros megabytes de numerical: $ head -c 10M numerical Ex: 6. Os 2 primeiros gigabytes de numerical: $ head -c 2G numerical less [opções] [arquivos] Realiza a paginação de saída de dados com navegação. Ex: 1. Pagina o conteúdo do arquivo source.list em /etc/apt: $ less /etc/apt/source.list Ex: 2. Pagina com o número da linha da impressão de dados do comando lshw: $ lshw less N Ex: 3. Após a última página ocorre a saída sem a necessidade do uso da tecla "q": $ lshw less e Ex: 4. Mostra no rodapé o percentual ou bytes já paginados da saída do comando ls: $ ls /etc less M Ex: 5. Destaca na saída as correspondências de acordo com a expressão regular: $ ls /etc less --pattern=l[aeiou].*[e-f]$ Ex: 6. Ao encontrar várias linhas em branco no arquivo blanks as consideras como uma ao imprimir na tela: $ less -s blanks ln [opções] recurso alvo Cria links entre arquivos. Ex: 1. Cria um link do tipo simbólico, onde file2 aponta para file1: $ ln s file1 file2 Ex: 2. Cria um link do tipo hard, onde file2 apontam para o mesmo local no disco de file1: $ ln file1 file2 Ex: 3. Força a criação de um link simbólico de nome net para o arquivo internet: $ ln sf internet net Ex: 4. Semelhante ao exemplo anterior, porém um link hard: $ ln f internet net Ex: 5. Pergunta se deseja remover o link de nome mint antes da operação: $ ln i distros mint Ex: 6. Gera um link simbólico entre diretórios onde browser aponta para chromium: $ ln s chromium browser ls [opções] [arquivo] Lista o conteúdo do diretório. Ex: 1. Mostra os objetos (arquivos e diretórios) da pasta corrente: $ ls Ex: 2. Acrescenta a listagem os arquivos ocultos do diretório home: $ ls a ~ Ex: 3. Aplica aos itens da pasta /usr/bin caractere classificador: $ ls F /usr/bin Ex: 4. Lista apenas o nome dos subdiretórios em /etc: $ ls -d /etc/* Ex: 5. Apresenta a data completa com hora dos objetos do diretório atual: $ ls --full-time Ex: 6. Não imprime o nome dos objetos que comecem entre "d" a "f": $ ls --hide=[d-f]* Ex: 7. Adiciona a listagem o inode dos objetos em home: $ ls -i ~ Ex: 8. Imprime todas as informações como permissões, dono, grupo e data de alteração/criação do objetos em /opt: $ ls l /opt Ex: 9. Coloca todos os objetos selecionados em /bin entre vírgulas: $ ls m /bin Ex: 10. Ao invés de apresentar o nome do dono e do grupo do objeto são trocados por UID (User Id) e GID (Group Id) para os objetos de /lib: $ ls n /lib Ex: 11. Apresenta os arquivos de home na ordem inversa: $ ls n ~ Ex: 12. Imprime todos os objetos em /etc de forma recursiva: $ ls R /etc Ex: 13. Ordena os arquivos de /proc por extensão, tal opção suportar outros valores de ordenação (none, time, size e version): $ ls -sort=extension /proc Ex: 13. Seleciona os objetos que comecem entre as letras "a" e "c" do diretório /etc. Use optivamente a opção " d" para facilitar a visualização: $ ls -d /etc/[a-c]* Ex: 14. Imprime qualquer arquivos ou diretório que tenha um número em seu nome: $ ls -d /etc/*[0-9]* Ex: 15. Apenas os arquivos comecem com a letra "r" e o final sejam um numeral entre "0" a "6" seguido de ponto e a letra "d": $ ls -d /etc/r*[0-6].d Ex: 16. Apresenta os objetos que comecem com a letra "h", a segunda posição podendo ser qualquer caractere e seguido de "st": $ ls -d /etc/h?st* Ex: 17. Comece com a letra "f", sendo a segunda, terceira e quarta posição em aberto para qualquer caractere desde que seguido por "b": $ ls -d /etc/f???b* lsattr [opções] [arquivo] Lista os atributos de arquivo.

6 6 Ex: 1. Mostra os atributos do arquivo config: $ lsattr config Ex: 2. Imprime os atributos de todos os arquivos nos subdiretórios da pasta atual na forma recursiva: $ lsattr -R Ex: 3. Inclui na listagem de atributos os arquivos ocultos em home: $ lsattr a ~ Ex: 4. Lista os atributos do diretório /etc: $ lsattr -d /etc lsof [opções] [nomes] Lista os arquivos abertos. Ex: 1. Apresenta todos os objetos em aberto pelo sistema: $ lsof Ex: 2. Seleciona todos os arquivos do processo de PID 5504: $ lsof p 5504 Ex: 3. Lista todos os processos que comecem com letra "c": $ lsof -c 'c' Ex: 4. Extende o exemplo anterior para as letras "c", "r" e "e": $ lsof c 'c' c 'r' c 'e' Ex: 5. Busca os nomes dos arquivos em aberto que correspondam a palavra virtual. Coloque o termo entre barras, use "b" para expressão regular básica e "i" para insensível a caixa: $ lsof c '/virtual/bi' Ex: 6. Seleciona as linhas correspondentes ao diretório /media/linux/hd1tb: $ lsof +D '/media/linux/hd1tb' Ex: 7. Extrai as linhas da listagem dos recursos relacionados ao PGID 6857: $ lsof -g '6857' Ex: 8. Apresenta todos os arquivos relacionados com endereços da Internet: $ lsof -i Ex: 9. Imprime em tela os recursos vinculados ao usuário leonidas: $ lsof u leonidas Ex: 10. Use vírgula e sem espaços para referenciar mais de um usuário: $ lsof u 'root,leonidas' Ex: 11. Desabilita qualquer mensagem de aviso: $ lsof -w Ex: 12. Faz a seleção de acordo com os PIDs e do nome do usuário: $ lsof -p '14009,6857,4650' -u root mkdir [opções] diretórios Cria diretórios. Ex: 1. Cria o diretório de nome dir1: $ mkdir dir1 Ex: 2. Gera em sequência os diretórios dira, dirb e dirc: $ mkdir p dira/dirb/dirc Ex: 3. Apresenta uma mensagem de aviso ao término da operação: $ mkdir v ~/no-know mv [opções] recurso destino Move ou renomeia arquivos. Ex: 1. Renomeia o arquivo file1 para file2: $ mv file1 file2 Ex: 2. Move os arquivos file1, file2 e o diretório dir3 para a pasta dir4: $ mv file1 file2 dir3 dir4 Ex: 3. Força a operação sem confirmação antes de executar: $ mv /tmp/environ ~/environ Ex: 4. Solicita confirmação de execução da operação antes sobrescrever arquivo lubuntu existente em /opt: $ mv i ~/lubuntu /opt Ex: 5. Não sobrescreve o arquivo existente no diretório ~/test: $ mv n /tmp/hello ~/test Ex: 6. Imprimi em tela a execução da operação: $ mv v files/*.xml /opt/files nl [opções] [arquivo] Enumera as linhas de um arquivo. Ex: 1. Enumera as linhas do conteúdo do arquivo cpuinfo em proc na forma sequencial: $ nl /proc/cpuinfo Ex: 2. Aplica a enumeração de linhas a saída de dados do programa lsusb: $ lsusb nl Ex: 3. Posto em sequência os arquivos são concatenados em apenas uma saída enumerada: $ nl x/listone y/listtwo z/listtree Ex: 4. Incrementa a enumeração das linhas 20 a 20 para o arquivo ~/.bashrc_history: $ nl i 20 ~/.bashrc_history Ex: 5. Aplica o separador ">>" entre o número da linha e o conteúdo de /etc/hosts: $ nl s ' >> ' /etc/hosts Ex: 6. Inicia a contagem das linhas a partir do número 4, comportamento padrão é iniciar de 1: $ nl v 4 /etc/hosts Ex: 7. Altera a quantidade de colunas para 2 entre a esquerda e a numeração do conteúdo de /etc/mime.types: $ nl w 2 /etc/mime.types rm [opções] recurso Remove arquivos e diretórios. Ex: 1. Exclui o arquivo teste da pasta atual: $ rm teste Ex: 2. Remove na forma recursiva os objetos contidos em olds e depois ele próprio: $ rm r /tmp/olds Ex: 3. Utiliza a força bruta para realizar remoção de test. Faça uso da opção " r" para o caso do objeto ser um diretório: $ rm f ~/test Ex: 4. Solicita confirmação para excluir o arquivo a0.pdf em y: $ rm -i y/a0.pdf Ex: 5. Remove apenas diretórios que estejam vazios em /tmp: $ rm d /tmp/* Ex: 6. Imprimi em tela quais foram os arquivos de extensão txt que foram removidos em ~/logs: $ rm -v ~/logs/*.txt Ex: 8. Exclui os arquivos que comecem de "a" a "c" e tenham extensão "xml" ou "pdf" da pasta atual: $ rm [a-c]*.{xml,pdf} rmdir [opções] diretórios Remove diretórios vazios. Ex: 1. Exclui o diretório empty de ~/personal: $ rmdir ~/personal/empty Ex: 2. Remove os diretórios na ordem de eua a americas: $ rmdir -p americas/norte/eua sort [opções] [arquivo] Ordena as linhas de um texto. Ex: 1. Imprime em ordem alfabética o texto do arquivo items.txt: $ sort items.txt Ex: 2. Ordena numericamente a saída do conteúdo de numbers: $ sort n numbers split [opções] [arquivo] [prefixo] Quebra um arquivo em várias partes. Ex: 1. Divide o arquivo library.zip em partes de bytes:

7 7 $ split b library.zip Ex: 2. Divide o arquivo ansi.pdf em duas partes iguais com prefixo ansi e sufixo númerico: $ split d n 2 ansi.pdf ansi stat [opções] arquivo Lista os status do arquivo. Ex: 1. Lista as informações do arquivo iomem em /proc: $ stat /proc/iomem tail [opções] [arquivo] Imprimi as últimas linhas de um arquivo (contrário de head). Ex: 1. Imprimi as 5 últimas linhas do arquivo index.html em /var/www: $ tail -5 /var/www/index.html Ex: 2. Mostra as 10 últimas linhas da saída do comando lspci: $ lspci tail uniq [opções] [arquivo] Reporta ou omite linhas repetidas. Ex: 1. Ignora todas as linhas próximas repetidas de hosts.log: $ uniq hosts.log Ex: 2. Ignora em absoluto todas as linhas repetidas de accesses.log: $ uniq u accesses.log unzip [opções] [arquivo] Lista, testa e extrair o conteúdo interno de um arquivo zipado (compactado). Ex: 1. Use apenas unzip para visualizar as opções rápidas de uso: $ unzip Ex: 2. Descompacta o arquivo signals no diretório corrente: $ unzip signals.zip Ex: 3. Extrai apenas do zipado os arquivos de extensão PDF: $ unzip signals.zip *.pdf Ex: 4. Extrai apenas do zipado o arquivo pdf dentro do diretório files. Observe files, também, constará no disco: $ unzip signals.zip files/00001.pdf Ex: 5. Lista o conteúdo interno do compactado através do uso de -l: $ unzip l signals Ex: 6. Testa a integridade dos arquivos internos zipados, opção -t: $ unzip t frequencies.zip Ex: 7. Apresenta através da opção -v as informações dos arquivos, tais como tamanho, método e porcentagem de compreensão, data de modificação, CRC (Cyclic Redundancy Check) e caminho relativo: $ unzip v waves.zip Ex: 8. A opção -n preserva, não sobreescreve, arquivos já existentes no diretório: $ unzip n starks.zip Ex: 9. Ao contrário do exemplo anterior, -o, realiza a sobreescrita automaticamente. Tenha certeza antes de usar: $ unzip o starks.zip Ex: 10. Descompacta o arquivo gameofthrones.zip protegido pela senha lannister: $ unzip P lannister gameofthrones.zip Ex: 11. Apenas realiza extração sem apresentar qualquer saída da operação: $ unzip q tyrionlannister.zip Ex: 12. Extra todos os arquivos do compactado targaryen.zip, exceto daenerys: $ unzip targaryen x daenerys wc [opções] [arquivo] Conta a quantidade de bytes, palavras ou linhas de um arquivo. Ex: 1. Conta a quantidade de linhas existentes de /etc/passwd: $ wc l /etc/passwd Ex: 2. Apresenta a quantidade bytes de /etc/passwd: $ wc c /etc/passwd Ex: 3. Conta a quantidade de palavras de /etc/passwd: $ wc w /etc/passwd zip [opções] [arquivo] Comprime e gerencia arquivo zipado (compactado). Ex: 1. Use apenas zip para visualizar as opções rápidas de uso: $ zip Ex: 2. Inclui todos os arquivos do diretório corrente na forma compactada no arquivo files.zip. O acréscimo do sufixo zip é automático: $ zip files * Ex: 3. Seleciona e compacta todos os arquivos de texto dentro de txts: $ zip txts *.txt Ex: 4. Através da opção r é possível adicionar os diretórios e seus conteúdos a um arquivo compactado. O zipado netbeans é criado dentro de /tmp: $ zip r /tmp/netbeans ~/NetBeansProjects Ex: 5. O símbolo representa uma entrada de lista de arquivos. O programa find listará a partir de home todos os arquivos de final awk e todos estes arquivos serão unidos no zipado codes: $ find ~ -iname *.awk zip codes Ex: 6. Reunir e zipar todas as ocorrências (arquivos e diretórios) de which da busca rápida realizada por locate: $ locate which zip -r which Ex: 7. O conteúdo dos arquivos de final de txt e sh são unidos em uma única stream e zipados para dentro de concated, nele existirá outro arquivo nomeado como "-" (traço): $ cat *.{txt,sh} zip > concated Ex: 8. Proceda normalmente para adicionar um novo arquivo a um zipado existente, pois o zip por padrão fará o acréscimo. Ao final book.zip terá dois PDFs: $ zip book ~/lib/dom-quixote.pdf $ zip book ~/lib/quincas-borbas.pdf Ex: 9. A opção -u ou --update realiza a atualização de um arquivo dentro do objeto compactado, caso o arquivo não exista, então é adicionado. No exemplo, o processo é simplificado, pois dispensa descompactar configs.zip para atualizar apenas chromium.conf: $ zip configs.zip u chromium.conf Ex: 10. No mesmo sentido do exemplo anterior, porém realiza o processo de exclusão, também, cabe o uso da forma longa --delete: $ zip configs.zip d chromium.conf Ex: 11. Para copiar um arquivo de um compactado use -U ou --copy. Observe a necessidade do uso de --out para manter o arquivo original intacto. Na operação sugirá um novo zipado que é necessário descompacta-lo com unzip: $ zip cc.zip U license.pdf --out license.zip $ unzip license.zip Ex: 12. A opção -FS, File Sync, realiza uma sincronização entre o arquivo zipado e o arquivos em disco: $ mkdir /tmp/fs $ echo Creative Commons > cc $ echo GNU General Public License > gpl $ zip licenses * #Zipando os dois arquivos. $ echo 4.0 >> cc $ zip licenses FS * #O cc será atualizado dentro do zipado, licenses. $ rm gpl $ zip licenses FS * #O gpl será excluído dentro do zipado, licenses. Ex: 13. Para acompanhar o progresso realizado byte a byte use -db ou --display-bytes: $ zip --display-bytes dali_pictures * Ex: 14. Apresenta as entradas realizadas conforme o andamento do processamento. Disponível a forma longa --display-counts:

8 8 $ zip davinci_pictures * -dc Ex: 15. Semelhante ao exemplo anterior, porém são postos pontos para indicar o progresso. Disponível a forma longa --display-dots: $ zip michelangelo_works * -dd Ex: 16. Apresenta os pontos de acordo com o progresso de processamento global: $ zip -dg renaissance * Ex: 17. Use a opção -e para adicionar uma senha de segurança de acesso ao arquivos dentro do zipado: $ zip -e secrets.zip *.pass Ex: 18. Para quebrar o arquivo zipado em várias partes use a opção -s seguida do tamanho desejado (k: kilobytes, m: megabytes, g: gigabytes e t: terabytes). Observe que a última parte poderá ter tamanho inferior: $ zip -s 2m myfiles * Ex: 19. Verifica a integridade do arquivo: $ zip T mysql.confs.zip Recursos do Terminal alias string Cria um atalho para um comando. Ex: 1. Lista todos os atalhos registrados da sessão aberta: $ alias Ex: 2. Associa o comando "ls a" como "lsa": $ alias lsa="ls -a" Ex: 3. Cria atalho para contar a quantidade de usuários logados: $ alias qtd-logados="who wc -l" Ex: 4. Automatiza através do atalho criado de nome info-user a busca de informações sobre determinado usuário: $ alias info-user="cat /etc/passwd grep -i" Ex: 5. Apelida o procedimento de remoção de todos os arquivos da pasta samurai como rem : $ alias rem="rm samurai/*" cd [diretório] Navega entre diretórios. Ex: 1. Muda para o diretório /usr/bin: $ cd /usr/bin Ex: 2. Navega para o diretório pai da pasta corrente: $ cd.. Ex: 3. Permance na pasta atual: $ cd Ex: 4. Equivalente ao exemplo 3: $ cd. exit 1) Fecha o terminal; 2) Encerra uma sessão aberta através do su. Ex: 1. Finaliza a execução do terminal: $ exit Ex: 2. Após logado como root, é usado exit para sinalizar o encerramento da sessão: $ su root $ exit history Apresenta o histórico dos últimos comandos executados no terminal. Ex: 1. Apresenta a listagem dos últimos comandos executados: $ history Ex: 2. Executa o comandos de número "45" do histórico: $!45 Ex: 3. Executa o último 5º comando da listagem: $!-5 Ex: 4. Referece ao último comando executado: $!! Ex: 5. Reexecuta o último comando echo do histórico: $!echo Ex: 6. Utiliza todos os argumentos do comandos executado anteriormente no basename: $ basename!* Ex: 7. Injeta para basename o último argumento do comando anterior: $ basename!$ Ex: 8. Trabalha com o primeiro argumento do comando anterior: $ echo!^ Ex: 9. Executa o último comando que tenha "default" em seu nome ou nos argumentos: $!?default Ex: 10. Injeta no touch o segundo ao quinto argumento do programa anterior: $ touch!:2-5 Ex: 11. Aplica ao touch o primeiro e segundo argumentos do último comando echo: $ touch!echo:1-2 Ex: 12. Repassa ao programa file do segundo até o último argumento do comando já executado: $ file!:2-$ jobs Lista os comandos em execução dentro do shell. Ex: 1. Mostra todos os processos relacionados: $ jobs pwd Imprime o caminho absoluto do diretório corrente. Ex: 1. Exibe no terminal a localização atual: $ pwd read [variável] Ler uma entrada de dados para uma variável. Ex: 1. Recebe o valor de entrada para a variável name e após um enter retornar ao prompt de comando para executar o comando echo: $ read name $ echo $name Ex: 2. Inseri uma mensagem personalizada: $ read p "Type the name: " name Ex: 3. Aguarda até 5 segundos antes de encerrar a recepção de dados: $ read t 5 name Ex: 4. Aceita até 10 caracteres para a variável name: $ read n 10 name Ex: 5. Define como delimitador padrão o "." em vez de enter: $ read d "." name Ex: 6. Recepciona vários valores para o array de nome names: $ names=() $ read a names Ex: 7. Permite injetar o primeiro valor para a variável code e o segundo para serial: $ read code serial reset [opções] [caractere] Inicializa o terminal. Ex: 1. Reinicializa o terminal: $ reset Ex: 2. Configura a tecla "x" como backspace: $ reset e x Ex: 3. Altera a tecla de interrupção padrão, "^c", para "^t": $ reset i ^t Ex: 4. Apresenta o tipo de terminal: $ reset -q Ex: 5. Exibe na resumidamente as opções: $ reset -m

9 9 setterm [opções] Configura atributos do terminal. Ex: 1. Habilita a visibilizadade do cursor: $ setterm cursor on Ex: 2. Torna o curso invisível: $ setterm cursor off Ex: 3. Altera a cor de background para azul (as cores disponíveis são: black, blue, green, cyan, red, magenta, yellow e white): $ setterm background blue -store Ex: 4. Muda para a cor de foreground para amarelo (as cores disponíveis são as mesmas informadas no exemplo anterior): $ setterm foreground yellow -store Ex: 5. Inverte as cores de background e foreground: $ setterm inversescreen on Ex: 6. Equivalente ao exemplo anterior: $ setterm reverse on -store Ex: 7. Desfaz a inversão de cores entre background e foreground: $ setterm inversescreen off Ex: 8. Atribui negrito ao foreground: $ setterm bold on -store Ex: 9. Limpa a tela, mesmo efeito que o comando clear: $ setterm -clear type comando Indica se o comando é embutido ou um arquivo executável. Ex: 1. Descobre o tipo do comando who: $ type who unalias atalho Remove um atalho registrando na sessão do terminal. Ex: 1. Desvincula o atalho "lsa" da sessão: $ unalias lsa Gerenciamento de Pacote apt-cache [opções] string padrão Busca e lista pacotes. Ex: 1. Pesquisa pelos pacotes relacionados a virtualbox: $ apt-cache search virtualbox Ex: 2. Realiza a listagem com a especificação completa do pacote cacti: $ apt-cache f search cacti Ex: 3. Apresenta as informações sobre a dependência direta e reversa do pacote brasero: $ apt-cache showpkg brasero Ex: 4. Mostra todas as informações referentes ao pacote caja: $ apt-cache show caja Ex: 5. Visualiza as dependências de bash: $ apt-cache depends bash Ex: 6. Imprime outros detalhes (versão, repositório e arquivo de status) sobre gcc: $ apt-cache policy gcc apt-get [opções] string pacote Manipula pacotes. Ex: 1. Instala o pacote apache2: $ apt-get install apache2 Ex: 2. Remove o pacote htop: $ apt-get remove htop Ex: 3. Atualiza todos os pacotes instalados no sistema: $ apt-get update Ex: 4. Remove todos os pacotes desnecessários do sistema: $ apt-get autoremove Ex: 5. Remove o pacote scribus com a exclusão de qualquer arquivo de configuração: $ apt-get purge scribus Ex: 6. Atualiza o pacote clamav e checa por dependências quebradas: $ apt-get check clamav Ex: 7. Remove todos os pacotes em cache do repositório local: $ apt-get clean Ex: 8. Baixa para o diretório atual o pacote pdfgrep do repositório central: $ apt-get download pdfgrep Processo & Memória free [opções] Apresenta a quantidade memória livre do sistema. Ex: 1. Lista a quantidade de memória em megabytes: $ free -m Ex: 2. Repete a cada "2" segundos a quantidade de memória em gigabytes: $ free g s 2 kill [opções] pid Envia um sinal para um processo. Ex: 1. Desliga de imediato do processo de PID 1024: $ kill Ex: 2. Comanda sinal de parada de processamento para um processo de PID 3611: $ kill Ex: 3. Envia sinal de continuedade de processamento ao processo 3611: $ kill nice [opções] [comando] [argumentos] Executa um programa com prioridade alterada. Ex: 1. Altera a prioridade para baixa do comando zip files.zip *.pdf: $ nice -n 20 zip files.zip *.pdf Ex: 2. Executa com máxima prioridade o comando cp all.zip /tmp: $ nice -20 cp all.zip /tmp pgrep [opções] padrão Busca o PID do processo baseado no padrão fornecido em nomes e outros atributos. Ex: 1. Lista todos os PIDs que tenham firefox: $ pgrep firefox Ex: 2. Conta a quantidade de ocorrências para o padrão init: $ pgrep c init pidof [opções] programa Encontra o identificador do processo. Ex: 1. Encontra os PIDs dos processos de bash: $ pidof bash Ex: 2. Retorna apenas um PID dos processos de apache2: $ pidof s apache2 pmap [opções] pid Reporta o mapa de memória relacionado a um processo. Ex: 1. Apresenta o mapa de memória do processo de PID 5841: $ pmap 5841 Ex: 2. Exibe o mapa de memória de forma extendida para o processo de PID 2139: $ pmap x 2139

10 10 ps [opções] Gera relatório rápido dos processos correntes. Ex: 1. Lista todos os processos no formato POSIX e UNIX: $ ps aux Ex: 2. Obtém informações sobre as threads em execução: $ ps elf pstree [opções] [pid] Desenha uma árvore de processos. Ex: 1. Mostra a árvore de processos do sistema: $ pstree Ex: 2. Constrói a árvore dos processos de PID 5181: $ pstree s 5181 renice [opção] [argumento] Altera a prioridade de um processo em execução. Ex: 1. Muda a prioridade para prioridade baixa o processo de PID 7666: $ renice n 15 p 7666 Ex: 2. Altera para prioridade alta de execução os processos do usuário highlander: $ renice n -18 u highlander strace comando Imprime a trilha de chamadas ao sistema e sinais. Ex: 1. Imprime as chamadas ao sistema do comando ls: $ strace ls Ex: 2. Encontra as ocorrências das chamadas para o comando locate com o argumento boot: $ strace locate boot top [opções] Providencia uma visão de tempo real dos processo em execução no sistema. Ex: 1. Executa e apresenta formato padrão: $ top Ex: 2. Aplica o tempo de atualização para 1 segundo: $ top d 1 Usuário & Grupos addgroup [opções] grupo Adiciona um grupo. Ex: 1. Adiciona o grupo nomeado como thundercats: # addgroup thundercats Ex: 2. Adiciona o grupo xman e torna como home a pasta /home/groups/xman: # addgroup --home "/home/groups/xman" xman Ex: 3. Acrescenta o grupo averges e define como shell padrão o bash: # addgroup --shell /bin/bash averges Ex: 4. Adiciona o grupo zoodico com GID 3000: # addgroup --gid 3000 zoodico Propriedade & Permissão chgrp [opções] usuário recurso Muda o grupo proprietário do recurso. Ex: 1. Concede a propriedade da pasta animals para o grupo tiger: $ chgrp tiger animals chmod [opções] permissões recurso Manipula o esquema de permissões vinculados ao recurso. Ex: 1. Concede permissão de leitura e escrita para o grupo do usuário corrente sobre o arquivo rules: $ chmod g+rw rules Ex: 2. Remove todas as permissões do grupo do usuário e de outros sobre o arquivo documents: $ chmod 700 documents chown [opções] usuario recurso Muda o dono e grupo proprietário do recurso (arquivo ou diretório). Ex: 1. Troca a propriedade do arquivo marvel para o wolverine: $ chown wolverine marvel Ex: 2. Altera a propriedade do arquivo blacklist para o usuário master do grupo ever: $ chown master:ever blacklist su [opções] username Se passa como outro usuário. Ex: 1. Assumi o perfil de conta do usuário root: $ su -l Ex: 2. Torna-se o usuário deploy: $ su deploy sudo [opções] [comando] Executa um comando como outro usuário. Ex: 1. Executa o comando lshw C storage como root: $ sudo lshw C storage Ex: 2. Efetua o comando cat view.pdf como se fosse o usuário magneto: $ sudo u magneto cat view.pdf Configuração & Hardware df [opções] [arquivo] Reporta o espaço utilizado em disco. Ex: 1. Mostra informações no formato padrão: $ df Ex: 2. Exibe em formato de saída legível para humanos: $ df -h lsblk [opções] Lista os blocos dos dispositivos. Ex: 1. Lista todos os dispositivos de armazenamento: $ lsblk Ex: 2. Imprime com as permissões aceitas por cada dispositivo: $ lsblk -m lscpu [opções] Mostra informações sobre a arquitetura da CPU. Ex: 1. Lista as informações correntes da CPU: $ lscpu lshw [opções] [string] Lista o hardware do computador. Ex: 1. Imprime todas as classes de dispositivos: $ lshw Ex: 2. Lista apenas os dispositivos de classe da memória: $ lshw C memory lspci [opções] Imprime todos os dispositivos PCI. Ex: 1. Lista de forma curta: $ lspci Ex: 2. Listagem detalhada dos dispositivos: $ lspci -v lsusb [opções] Lista os dispositivos do tipo USB.

11 11 Ex: 1. Apresenta todos os dispositivos: $ lsusb Ex: 2. Exibe os dispositivos em forma de árvore: $ lsusb -t Sistema crontab [opções] [usuário] [arquivo] Gerencia em modo alto nível o agendamento de execução de tarefas. Ex: 1. A opção -l visualiza as entradas existentes. As linhas em branco ou comentadas pelo caractere "#" em início de linha são ignoradas. Cada linha de agendamento é composto por seis campos separados por espaços, sendo na ordem de minuto (0 a 59), hora (0 a 23), dia (1 a 31), mês (1 a 12), dia da semana (0 a 6) e comando: $ crontab -l Ex: 2. Semelhante ao exemplo anterior, porém é visualizado as entradas de agendamento do usuário brahms: $ crontab l -u brahms Ex: 3. Use a opção -e para editar o arquivo de configuração. Observe que na primeira vez de edição do arquivo é solicitado que se escolha o editor padrão. Use o asterisco para representar todos os valores do universo de cada campo. Na linha de edição do arquivo fica registrado que a cada minuto deve ser executado o comando date e a sua saída direcionada para /tmp/now: $ crontab -e * * * * * date > /tmp/now Ex: 4. Semelhante ao exemplo anterior, porém haverá execução no 2º minuto de cada hora: 2 * * * * date > /tmp/now Ex: 5. A opção -u seguida do nome do usuário faz o registro de agendamento como se fosse ele próprio. O programa uploads em /scripts executará sempre as 4 horas: u root 0 4 * * * /scripts/uploads Ex: 6. A entrada de agendamento configura para executar o programa refresh em /scripts as 5 horas e 34 minutos do dia 13 de todo o mês: * * /scripts/refresh Ex: 7. O script remove-all executará as 6 horas e 55 minutos do dia 20 de fevereiro (2): * /scripts/remove-all Ex: 8. As 4 horas e 20 minutos das quartas-feiras (0: domingo, 1: segunda, 2: terça, 3: quarta, 4: quinta, 5: sexta-feira e 6: sábado) é disparado o payments: 20 4 * * 3 /scripts/payments Ex: 9. Use o hífen para sinalizar um intervalo de valor. No exemplo, status-net executa nos minutos 45, 46, 47, 48, 49, 50 e 51: * * * * /scripts/status-net Ex: 10. A partir das 16 horas é executado o programa scan nos minutos que são divisíveis por 2 minutos: */2 16 * * * /usr/local/bin/scan Ex: 11. Nas 17 horas entre 20 e 59 minutos o script kill entra em estado de execução nos minutos divisíveis por 3: 20-59/3 17 * * * /usr/local/scripts/kill Ex: 12. Semelhante ao exemplo anterior, porém com a restrição de somente nas quartas-feiras (3) de julho (7): 20-59/3 17 * 7 3 /usr/local/scripts/kill Ex: 13. Do dia 15 a 30 ou nas segundas-feiras (1) do mês de fevereiro (2) a setembro (9) o script collector entra em execução a cada minuto: * * /scripts/collector Ex: 14. Semelhante ao exemplo anterior com o acréscimo do mês de novembro (11), além de haver execução nas segundas (1), quartas (3), quintas (4) e sábados (6) dos referidos meses: * * ,11 1,3,4,6 /scripts/collector Ex: 15. No exemplo é intercalo intervalos e valores fixos. O script backup executará em cada minuto das horas 0, 1, 2, 4, 6, 7 e 8 de segunda a sexta-feira: * 0-2,4,6-8 * * 1-5 /scripts/backup Ex: 16. O agendador levatará o programa events nas horas divisíveis por 2, na 11ª hora e em todos os seus minutos nos domigos e sábados: * */2,11 * * 0,6 /usr/local/tasks/events Ex: 17. Na décima terceira hora nos minutos 0, 2 e 4 nos dias 2, 3, 6, 7, 10 e 12 ou terças-feiras (2) de julho (7) o script load será posto em execução pelo agendador: 0,2,4 13 2,3,6,7,10, /scripts/load Ex: 18. O script clear disparará todos os dias do mês de julho (7) a cada minutos de 12 a 13h: * * 7 * /scripts/clear Ex: 19. Use a opção -r para excluir o arquivo de agendamento do usuário: $ crontab r Ex: 20. Combine com a opção -u para apagar todas as entradas feitas de outro usuário: $ crontab r u brahms Ex: 21. Para eleger um novo arquivo de agendamento de tarefas, apenas indique o seu caminho absoluto (preferencialmente): $ crontab /home/rammstein/crontab Ex: 22. Combine a opção -u para realizar a substituição como se fosse o próprio usuário: $ crontab u sabaton /home/sabaton/crontab date [opções] [formato] Imprime a data e hora. Ex: 1. Mostra a data no formato padrão: $ date Ex: 2. Imprime em tela no formato dd/mm/aaaa hh:mm:ss: $ date +"%d/%m/%y %H:%M:%S" last [opções] [nome] Mostra a listagem dos últimos usuários logados. Ex: 1. Apresenta todos os últimos usuários: $ last Ex: 2. Lista apenas o usuário de nome eduardo: $ last eduardo poweroff [opções] Desliga o sistema. Ex: 1. Desativa o sistema em tempo normal: $ poweroff Ex: 2. Força o desligamento imediato:

12 12 $ poweroff -f printenv [opções] [variável] Imprime variáveis de ambiente. Ex: 1. Lista todas as variáveis com seus respectivos valores: $ printenv Ex: 2. Imprimi o valor da variável OLDPWD: $ printenv OLDPWD reboot [opções] Reinicializa ou parar o sistema. Ex: 1. Inicializa novamente o sistema em tempo normal: $ reboot Ex: 2. Força uma reinicialização imediata: $ reboot -f shutdown [opções] [tempo] [mensagem] Desliga, parar ou reinicializa o sistema de forma segura. Ex: 1. Desliga o sistema após de 2 minutos: $ shutdown P 2 Ex: 2. Reinicializa o sistema após 15 minutos e envia a mensagem "Reboot in 15 minutes!" para todos os usuários logados: $ shutdown r 15 "Reboot in 15 minutes!" uname [opções] Imprime informações sobre o sistema. Ex: 1. Apresenta o tipo do sistema operacional: $ uname Ex: 2. Imprime todas as informações relevantes sobre o sistema operacional: $ uname a who [opções] [arquivo] Mostra quem está logado. Ex: 1. Lista todos os usuários logados: $ who Ex: 2. Conta a quantidade de usuários logados e imprimi todos os nomes de logins: $ who -q whoami [opções] Imprimi o username do usuário logado. Ex: 1. Imprime o username do usuário corrente: $ whoami Tela & Temporizador clear Limpa a tela do terminal. Ex: 1. Remove todos os caracteres da tela: $ clear echo [opções] [string] Imprimi uma linha de texto. Ex: 1. Imprimi no terminal Hello World: $ echo "Hello World" Ex: 2. Apresenta o nome do usuário e o caminho de sua pasta pessoal de forma tabulada: $ echo -e "$USERNAME\t$HOME" sleep número[sufixo] Atrasa o controle para a próxima ação por determinado tempo. Ex: 1. Atrasa a retormada do terminal por 2 segundos: $ sleep 2s Ex: 2. Retarda a execução do segundo date em 5 minutos: $ date ; sleep 5m ; date tee [opções] [arquivo] Recebe uma entrada de dados, grava em um arquivo e os imprime em tela. Ex: 1. Através da saída do resultado da busca por awk pelo comando locate é gerado o arquivo results e o conteúdo apresentado em tela: $ locate awk tee results Ex: 2. Grava no arquivo directories todos os nomes dos diretórios do usuário corrente e as exibe: $ find /home/$username type d tee directories tr [opções] charset1 charset2 Substitui ou deleta caracteres. Ex: 1. Converte todos os caracteres do arquivo names.txt de minúsculo para maiúsculo: $ cat names.txt tr 'a-z' 'A-Z' Ex: 2. Deleta todas as consoantes e espaços da frase hello world: $ echo "hello world" tr d 'dhlrw[:blank:]' Localizadores find [diretórios] [expressão] Realiza busca por nome de recurso através da força bruta. Ex: 1. Encontra qualquer arquivo regular chamado help que esteja a partir do diretório raiz / (barra): $ find / -type f name help -print Ex: 2. Localiza qualquer diretório que comece com o nome init dentro da pasta /etc: $ find /etc type d iname "init*" print locate [opções] padrão Busca a localização de arquivos por nome na base de dados. Ex: 1. Aponta os caminhos de arquivos e diretórios que contenham o padrão de nome init em maiúsculo ou minúsculo: $ locate -i init whereis comando Localiza o binário, código e manual de um programa. Ex: 1. Encontra as ocorrências para o programa shutdown: $ whereis shutdown which comando Localiza um programa. Ex: 1. Aponta o caminho do executável de nmap: $ which nmap Repetidores timeout [opções] duração comando argumentos Executa um comando por um determinado limite de tempo. Ex: 1. Pinga o endereço educode.com.br por 10 segundos (10s), após esse tempo a execução é encerrada (-s 15): $ timeout s 15 10s ping educode.com.br Ex: 2. Exibe o conteúdo do dispositivo /dev/urandom durante 1 minuto (1m), logo depois encerra de força bruta (-s 9) o comando cat: $ timeout s 9 1m cat /dev/urandom Ex: 3. Grava continuamente durante 3 horas (3h) a palavra Debian no arquivo "os" em /tmp, após o tempo estabelecido pausa a execução do yes: $ timeout s 19 3h yes Debian > /tmp/os

13 13 Ex: 4. Permanece por 4 dias (4d) monitorando as mensagem do sistema através do comando dbus-monitor: $ timeout s 15 4d dbus-monitor --system watch [opções] comando Executa um comando continuamente em tela cheia. Ex: 1. Executa a cada 2 segundos o comando vmstat com a opção "-s": $ watch n 2 "vmstat -s" Ex: 2. Mostra as últimas cinco ocorrências da saída de dados de ps a cada 1 segundo: $ watch n 1 "ps aux tail -5" yes [opções] string Repete uma string até ser encerrado. Ex: 1. Reproduz a frase "Hasta Pronto!" até que o programa seja interrompido (^c): $ yes "Hasta Pronto!" Ex: 2. Grava no arquivo classical em /tmp o nome "Vivaldi" até que a operação sofra parada (^c): $ yes Vivaldi > /tmp/classical xargs [opções] [comando] Executa comandos definidos a partir de uma entrada. Ex: 1. Encontra o PID do processo do gedit e passa-o como argumento para encerramento do processo: $ pidof gedit xargs kill -9 Ex: 2. Lista os arquivos que começam com a letra "d" em /etc e passa-os como argumento para a execução em sequência para file com opção "-i": $ ls /etc/d* xargs file i Expressão e Aritméticos bc [opções] [arquivo] Linguagem de cálculo de precisão arbitrária. Ex: 1. Para enviar os cálculos a serem realizados pelo bc é necessário usar um fluxo de dados com pipeline, here strings, here document ou um arquivo em disco. Neste exemplo é feito a soma de dois números: $ echo ' ' bc Ex: 2. Use a variável interna do bc de nome scale para mensurar a precisão da parte fracionário na realização do cálculo: $ echo 'scale=3; ' bc Ex: 3. A realização da substração também tem o mesmo símbolo da matemática. Atente-se que o separador da parte inteira da fracionária é o ponto e não a vírgula: $ bc <<< 'scale=2; ' Ex: 4. A divisão utiliza-se a barra. Neste exemplo a variável scale recebe 4: $ bc <<< 'scale=4; 15 / ' Ex: 5. A multiplicação é feita com o uso de asterisco: $ bc <<< 'scale=7; 0.05 * 0.009' Ex: 6. Neste exemplo é feito a injeção da variável "$num" no fluxo de dados para o cálculo de "calc": $ num=3 $ calc=$(echo "scale=2;20 / $num" bc) $ printf $calc Ex: 7. Para capturar o valor remanescente da divisão de 25 pela variável "$num" use "%": $ rest=`bc <<< "25 % $num"` Ex: 8. Uso do here document com subshell para realizar o cálculo da variável "$calc". Observe a operação de exponenciação através do acento circunflexo: $ calc=$(bc <<CALC > x = 20 ^ 2 > x = x % $num > print x > CALC > ) Ex: 9. O uso de parênteses estabelece uma ordem de prioridade. No exemplo primeiro é feito a soma de 20 mais 5 e depois a substração por 4 do seu resultado e por fim a divisão por 3: $ bc <<< '((20 + 5) - 4) / 3' Ex: 10. Um exemplo com uso de apenas de variáveis definidas externas ao programa bc: $ rate="0.20"; months=5; number=".6" $ bc <<< "scale=3;$rate * $months / $number" Ex: 11. O pós-incremento (capacidade de adicionar mais 1 depois da chamada da variável) tem a forma de "var++" : $ echo 'x=10; print x++," ",x' bc Ex: 12. O pré-incremento (capacidade de adicionar mais 1 antes da chamada da variável) tem a forma de "++var": $ echo 'y=10; print ++y' bc Ex: 13. O pré-decremento (capacidade de substrair 1 antes da chamada da variável) tem a configuração de "--var": $ echo 'y=10; print --y' bc Ex: 14. O pós-decremento (capacidade de substrair 1 depois da chamada da variável) segue o padrão de "var--": $ echo 'x=10;print x--," ",x' bc expr expressão Avalia uma expressão. Ex: 1. Imprime o valor do terceiro argumento, pois o primeiro é vazio ou tem tamanho igual a zero. Observe que o pipeline está entre aspas, pois cumpri o papel de argumento: $ expr '' ' ' 'First parameter is null' Ex: 2. Apresenta o conteúdo da variável "$USER", ao invés de "No user" (terceiro argumento), pois não se encontra vazia: $ expr $USER " " "No user" Ex: 3. Realiza o teste de comparação de menor que, sendo o resultado na saída igual a 1 (verdadeiro): $ expr 5 '<' 6 Ex: 4. A saída será zero (falso) pelo fato que "7" não é menor que "6": $ expr 7 '<' 6 Ex: 5. As comparação também podem ser realizadas para literais. O resultado é igual a 1 (verdadeiro): $ expr 'abc' '<' 'abd' Ex: 6. A diferença do exemplo anterior é a alteração do segundo argumento para "<=" (menor ou igual): $ expr 'abc' '<=' 'abd' Ex: 7. O resultado também será verdadeiro como no exemplo anterior: $ expr 'abc' '<=' 'abc' Ex: 8. Realiza teste de igualdade entre o valor da variável "$TERM" e a literal "linux" : $ expr "$TERM" '=' "linux" Ex: 9. O teste de igualdade entre dois numerais: $ expr 1 = 2 Ex: 10. A verificação de diferença entre estas duas strings semelhantes resultará em verdadeiro, visto que o teste é sensível a caixa (maiúsculo ou minúsculo): $ expr 'Command' '!=' 'command' Ex: 11. No mesmo sentido que o exemplo anterior, porém com numerais: $ expr 1!= 2 Ex: 12. Um teste de maior que entre duas strings: $ expr 'Command' '>' 'command' Ex: 13. Com o uso de números para o teste de maior que: $ expr 9 '>' 10 Ex: 14. Semelhante ao exemplo 12, sendo o resultado igual a 0 (falso): $ expr 'Command' '>=' 'COmmand'

14 14 Ex: 15. As operação aritméticas devem ser com inteiros e podem receber mais de dois numerais, como visto neste exemplo da soma: $ expr '10' '+' '30' + 40 '+' 50 Ex: 16. Para substração use o sinal de menos: $ expr '15' - '4' - 5 Ex: 17. A multiplicação usa o sinal asterisco: $ expr '2' '*' '20' Ex: 18. A divisão utiliza o barra: $ expr '27' '/' '5' Ex: 19. Para o resto da divisão entre dois números use o percente: $ expr '35' '%' '9' Ex: 20. Combinação simples entre dois operadores aritméticos: $ expr Ex: 21. Uma combinação mais complexa com 4 operadores: $ expr 20 / '*' 30-5 Ex: 22. Junção de operador aritmético com operador relacional: $ expr 45 % 4 '>' 37 / 2 Ex: 23. O primeiro argumento match indica que a operação a ser realizada é de teste de correspondência do segundo argumento com o terceiro (regex): $ expr match 'opera' '^o.*[a-z]$' Ex: 24. Para extrair apenas uma parte de uma string indique no terceiro argumento a posição de início a contar de um e a posição final. O primeiro argumento deve ser substr: $ expr substr 'configuration' 1 4 Ex: 25. Use index e no terceiro argumento os caracteres que serão localizados a sua posição na string do segundo argumento: $ expr index 'enemark' 'k' Ex: 26. O cálculo do tamanho de uma string use length: $ expr length 'Soy Brasileño' [ expressão Checa o tipo de arquivo e compara valores. Ex: 1. Converte o valor de falso para verdadeiro: $ [! false ] $ echo $? Ex: 2. Converte o valor de verdadeiro para falso: $ [! true ] Ex: 3. Caso a variável "$OLDPWD" tenha algum valor atribuído será verdadeiro. Use a variável especial "$?" para verificar o resultado do teste: $ [ -n "$OLDPWD" ] $ echo $? Ex: 4. Enquanto que "-n" considera verdadeiro o teste onde a string que tenha a quantidade de caracteres maior que zero, a opção "-z" tem ação contrária: $ [ -z "$OLDPWD" ] Ex: 5. O teste de igualdade é feito com "=". Observe o uso do duplo "&&" para condicionar a execução do echo em caso verdadeiro: $ [ 'A' = 'A' ] && echo "Equals charts" Ex: 6. O uso de "-eq" (igualdade) é destinado para inteiros: $ [ "$UID" eq 0 ] echo root Ex: 7. O sinal de "!=" verifica se existe diferença entre ambos. O resultado do teste é verdadeiro, pois a diferença de caixas já é suficiente para não serem iguais os caracteres: $ [ 'A'!= 'a' ] Ex: 8. Desde que o resultado dos comandos contidos em um subshell retornem um número inteiro, então é possível realizar comparações. No exemplo é de diferença, sendo o mesmo que "!=": $ [ "$(awk 'END{print FNR}' /etc/hostname)" ne 0 ] Ex: 9. O uso de "-ge" tem equivalência a ">=". O resultado do teste é igual a falso: $ [ 10 ge 11 ] Ex: 10. O argumento "-gt" tem a forma de ">" exclusivo para inteiros: $ [ 10 gt 9 ] Ex: 11. O "-le" é a representação de "<=" exclusivo para inteiros: $ [ "$LINES" le 30 ] Ex: 12. Menor que, "<", para teste com inteiros: $ [ ${#LANGUAGE} lt ${#HOSTNAME} ] Ex: 13. Se o arquivo file2 for mais recente que file1, então o teste é verdadeiro: $ [ ~/file2 nt ~/file1 ] Ex: 14. Se a data de criação de file1 é anterior a de file2, logo resultado verdadeiro: $ [ ~/file1 ot ~/file2 ] Ex: 15. Verifica se loop0 existe em /dev e se também é um arquivo de bloco especial: $ [ -b /dev/loop0 ] Ex: 16. Testa se tty existe em /dev e se também é arquivo de caractere especial: $ [ -c /dev/tty ] Ex: 17. Avalia se "1" em /proc é um diretório: $ [ -d /proc/1 ] Ex: 18. Consta se o arquivo grub existe no caminho: $ [ -e /etc/default/grub ] Ex: 19. Para expressa o operador "and" (e) utilize o argumento "-a". O resultado do teste abaixo é verdadeiro: $ [ 1 = 1 a 2!= 3 ] $ printf $? Ex: 20. O teste pode ser realizado com a união de várias partes com distintas operações: $ [ "$PWD" = ~ -a 10 -gt 5 -a 2 ne 4 ] $ echo $? Ex: 21. Use "-o" para obter o mesmo efeito que "or" (ou): $ [ "$PWD" = ~ -o "$SHELL" = "sh" ] $ echo $? Arquivos de Configuração ~/.bashrc Configurações personalizadas do usuário que serão executadas na inicialização de uso do terminal. ~/.bash_logout Configurações personalizadas do usuário que serão executadas no encerramento da sessão no terminal. ~/.bash_history Histórico dos comandos digitados no terminal. Use o comando history como alternativa rápida. /etc/default/keyboard Relativo as configurações do teclado. A variável "XKBMODEL" expressa o modelo do teclado (valor comum "pc105"), enquanto que "XKBLAYOUT" contém a sigla em minúsculo do país (use "br" para Brasil). /etc/group Listagem de todos os grupos cadastros no sistema com os seus respectivos "GID" e os membros associados a ele. /etc/adduser.conf Estabelece os valores das variáveis de configuração para criação de novos usuários. /etc/passwd Listagem de todos os usuários do sistema com os seus respectivos "UID","GID", home e shell. /etc/shadow Contém todas as senhas criptogradas dos usuários cadastros no sistema.

15 15 /etc/default/grub Organiza as variáveis de inicialização do boot loader GRUB. O "GRUB_DEFAULT" recebe o número da linha a ser selecionada correspondente ao SO a contar de "0"; enquanto que "GRUB_TIMEOUT" contém o tempo em segundos para qualquer ação de seleção antes do repasse definitivo ao SO. Altere o valor para "text" da variável "GRUB_CMDLINE_LINUX_DEFAULT", execute o comando update-grub e reboot para desabilitar a interface gráfica. /var/lib/dpkg/status Retém informações relevantes dos pacotes instalados no sistema, tais como status, prioridade, tamanho, mantenedor, arquitetura, versão, descrição e dependência. /usr/share/x11/xkb/rules/base.lst Ao início do arquivo a lista dos modelos de teclados com as suas descrições relacionadas aos fabricantes e logo abaixo as siglas respectivas do layout de cada país. Variáveis de Ambiente $HOME Informa o diretório pessoal do usuário logado na sessão corrente. Para verificar o seu valor use o comando echo: $ echo $HOME $OLDPWD Aponta para o último diretório acessado no terminal. No mesmo sentido anterior use o printenv: $ printenv OLDPWD $PS1 Contém as configurações do prompt de comando. Os princiapis identificadores são: "\u" para nome do usuário, "\h" para nome do host, "\w" para diretório de trabalho, "\$" para simbolizar usuário limitado ou root, "\#" contar a quantidade de comandos executados no terminal, "\t" para horário no formato de 24h (HH:MM:SS), "\T" para o formato de 12h e "\!" indica o número no histórico para o comando. $PWD Aponta o caminho do diretório atual de trabalho. $SHELL Aponta o caminho para o executável do shell da sessão em aberto. $? Variável especial dinâmica que guarda o código de retorno da execução de um comando. Se o código for igual a "0" (zero), então ocorreu tudo como esperado, senão igual ou maior que "1" houve falha ou erro. No teste abaixo o comando ls executa com sucesso, enquanto que printf não: $ ls ; echo $? ; printf ; echo $? $$ Informa o PID do programa shell que esteja em execução. Símbolos do Shell ; (ponto e vírgula) Separador de comandos na mesma linha. Ex: 1. Executa o comando echo e depois cat: $ echo "Hello World" >> hello ; cat hello Ex: 2. Atualiza os pacotes do sistema e reinicializa o computador: $ apt-get update ; reboot. (ponto) Dentro de um contexto pode representar o diretório corrente, o início de um nome de arquivo ou pode ser combinado com outro(s) caractere(s) para outro fim, por isto sempre é necessário observar para compreender. Ex: 1. Apresenta todos os objetos do diretório corrente: $ ls. Ex: 2. Semelhante ao exemplo anterior, porém ponto-ponto representa o diretório pai: $ ls.. Ex: 3. Combinado com asterisco, apresenta todos os arquivos que se iniciam com ponto, arquivos ocultos: $ ls.* Ex: 3. O arquivo usain-bolt localizado em /tmp é movido para o diretório corrente: $ mv /tmp/usain-bolt. Ex: 4. O primeiro argumento para cp indica que a partir do diretório atual deve-se subir outros 3 para alcançar a tmp que contém o arquivo yohan-blake. O segundo argumento sinaliza a localização da cópia, que deve ser para o diretório pai: $ cp../../../tmp/yohan-blake../ Ex: 5. Quando combinado com barra indica execução imediata do arquivo. Observe que é necessário pelo menos que o arquivo contenha as permissões de leitura e execução para o dono: $./script Ex: 6. Você, também, pode invocar a execução de forma absoluta, assim não irá importar onde você esteja: $ ~/tmp/script Ex: 7. Caso o programa ou script não tenha as permissões mínimas como já dito ou o sistema de arquivos não ofereça suporte nativo, então use a seguinte forma para caminho relativo: $../script Ex: 8. Semelhante ao exemplo anterior, porém o endereçamento é posto em absoluto: $. /media/zotos/scripts/submit.sh (pipeline) Transforma a saída de um comando em entrada para outro. Ex: 1. A saída do comando ls vira entrada para o comando tail para visualizar o último objeto do diretório corrente: $ ls tail -1 Ex: 2. A impressão da variável "$PATH" sofre troca do seu caractere ":" por "\n" e por seguinte é gravado no arquivo de nome directories e apresentado em tela: $ printenv PATH tr ':' '\n' tee directories (dois pipelines) Condiciona a execução do próximo comando caso o anterior tenha falhado. Ex: 1. O comando ls terá falha ao não encontrar, logo causará a execução do echo: $ ls l Thundercats echo No dir/file. Ex: 2. A forma de chamada do printf sem argumento causa um erro, então printenv apresenta o valor da variável "$USER": $ printf printenv USER Ex: 3. O teste do comando "[" é verdadeiro, portanto a mensagem em printf e ele mesmo serão ignorados: $ [ 1 = 1 ] printf "Equals numbers" & (ampersand) Coloca a execução de um comando em background.

16 16 Ex: 1. Coloca em segundo plano a compactação dos arquivos de extensão xml: $ zip files-xml.zip *.xml & Ex: 2. Realiza o processo de copia de diretóris e arquivo em background: $ cp R ~/folders ~/backups & && (dois ampersands) Condiciona a execução do próximo comando caso o anterior tenha executado com sucesso. Ex: 1. O comando echo executa com sucesso, logo também é executado ls: $ echo List of files: && ls Ex: 2. A forma de chamada do printf sem argumento causa um erro, então printenv não executará: $ printf && printenv USER Ex: 3. O teste do comando "[" é verdadeiro, portanto será impresso em tela a mensagem "Equals numbers": $ [ 1 = 1 ] && printf "Equals numbers" (aspas simples) Considera na forma literal uma string. Ex: 1. Imprime a frase na forma que se encontra: $ echo 'Meu usuário: $USER' (aspas duplas) Avalia o conteúdo da string. Ex: 1. Ao imprime a frase faz a substitui da variável "$USER" por seu respectivo valor de ambiente: $ echo "Meu usuário: $USER" Ex: 2. Dispõem a troca da variável "$$" pelo identificador do processo: $ echo "PID do terminal: $$" `` (aspas invertidas) Avalia e executa o comando. Ex: 1. Uni o resultado do comando pwd com o do echo: $ echo "Current dir: "`pwd` Ex: 2. Congela todos os processos do navegador chrome: $ kill -19 `pidof chrome` > (sinal de maior) Direciona a saída de dados para um arquivo ou dispositivo. Ex: 1. Despeja a saída do comando whois para dentro do arquivo domain: $ whois eduardoenemark.com.br > domain Ex: 2. Direciona a saída do comando ls para o dispositivo /dev/null (buraco negro): $ ls R / > /dev/null >> (dois sinais de maior) Adiciona ao final de um arquivo ou dispositivo uma saída de dados. Ex: 1. Grava as estatísticas no arquivo stat, aguarda 10 segundos e adiciona ao final do arquivo as novas estatísticas: $ iostat > stat ; sleep 10s ; iostat >> stat Ex: 2. Registra no arquivo users os usuários logados a cada 15 minutos: $ while [ true ]; do who >> users; sleep 15m; done & 2> (dois seguido de sinal de maior) Direciona a saída de erro para um arquivo ou dispositivo. Ex: 1. Direciona o erro do comando ls para o arquivo no-xxx: $ ls xxx 2> no-xxx Ex: 2. Grava qualquer erro gerado pelo comando service no arquivo error.log: $ service virtualbox status 2> error.log 2>> (dois seguido de dois sinais de maior) Adiciona ao final de um arquivo ou dispositivo uma saída de erro. Ex: 1. Grava no arquivo denied todos os erros gerados pelo comando find: $ ls xyz 2> no-file ; ls x2 2>> no-file ~ (til) Representa o home do usuário. Ex: 1. Acessa o diretório pessoal do usuário atual: $ cd ~ Ex: 2. Navega para home do usuário de nome highlander: $ cd ~highlander Ex: 3. Copia o arquivo /tmp/date.log para home: $ cp /tmp/date.log ~ { } (brace expansion chave aberta e fechada) Dentre as possibilidades de uso estão como principais: geração de strings arbitrárias e demilitação de código de função anômima ou nomeada. Ex: 1. Combina os valores separados por vírgulas com o caractere "1": $ echo {a,b,c}1 #Resulting: a1 b1 c1 Ex: 2. Algumas combinações, como visto no exemplo, são possíveis: $ echo {,a}{,b}2 #Resulting: 2 b2 a2 ab2 Ex: 3. São geradas strings como edu, efu e ebu: $ echo e{d,f,b}u Ex: 4. Caso seja necessário que se tenha dois dígitos, coloque um zero a esquerda: $ echo {05..99} #Resulting: Ex: 5. Semelhante ao exemplo anterior, porém com três dígitos: $ echo { } Ex: 6. A combinação entre elmentos dos conjuntos dá-se na forma que o primeiro elemento relaciona-se com o primeiro até o último de outro conjunto. No exemplo, as primeiras strings são 1a, 1b e 1c e os últimas são 4a, 4b e 4c: $ echo {1,3,4}{a,b,c} Ex: 7. A geração de strings acontece antes da passagem das mesmas como argumento para o programa touch: $ touch x{41,89,99}{.txt,.final} Ex: 8. As combinações diminuem repetições. No exemplo, evita-se 3 repetições próximas: $ rm /tmp/test/x{89,99}{.txt,.final} Ex: 9. São apresentados os objetos (diretórios e arquivos) que iniciam-se em "b","l" ou "m". Observe a combinação com o asterisco: $ ls /{b,l,m}* Ex: 10. Um pequeno loop empregando o comando for: $ for pwd in > do > echo $pwd >> ~/passwds Ex: 11. Use ponto-ponto para definir um intervalo. No exemplo, o segundo conjunto terá "1", "2", "3", "4" e "5" como valores combinatórios: $ echo {a,b}{1..5} Ex: 12. Use ponto-ponto em mais de um conjunto para uma combinação poderosa: $ touch /tmp/{a..z}{0..9} Ex: 13. Observe uma combinação de formato misto: $ touch Ex: 14. Poupe tempo e esforço em comandos que recebem argumentos que podem ser automatizados: $ rm {a..y}{0..8}*xy.txt Ex: 15. Use a forma valor inicial, ponto-ponto, valor final, pontoponto e o valor de incremento do intervalo para maior

17 17 flexibilização. No exemplo, apenas é apresentado os números ímpares entre 1 e 10: $ echo { } #Resulting: Ex: 16. A mesma ideia que do exemplo anterior,porém com letras: $ echo {A..Z..6} #Resulting: A G M S Y Ex: 17. Valores negativos, também, são aceitos em todas as formas construídas: $ echo metal{ } Ex: 18. O isolamento de código é outra forma de emprego. No exemplo, é combinado o here document: $ { > read band > echo I am listing $band > } <<< "Amon Amarth" Ex: 19. Assim, também, é possível direcionar a saída para um arquivo, por exemplo: $ { > date > head /proc/iomem > } > /tmp/memnow #! (shebang - cerquilha mais exclamação) Sempre na primeira linha de um script informa qual é o caminho do interpretador do código do arquivo. Ex: 1. Quando o código é Shell Script utiliza-se por padrão o bash: #!/bin/bash Ex: 2. O código sendo do tipo AWK, então além do caminho também o acréscimo da opção "-f": #!/usr/bin/awk -f Ex: 3. Para scripts que contenham códigos do tipo Perl: #!/usr/bin/perl <<HEREDOC (here document - dois sinais de menor e um delimitador próprio) Cria um arquivo virtual para servir como entrada para determinado programa. Ex: 1. O delimitador definido é "TEXT" e ao encontra-lo novamente na quarta linha é encerrado o limite do arquivo: $ cat <<TEXT > This is text based in here document, > who is virtual file. > TEXT Ex: 2. O nome do marcador pode ser personalizado para melhor definição do objetivo a ser alcançado. Não existe uma regra própria para nomes. Neste exemplo é usado "CALC" para expressa o uso de cálculos matemáticos, mas poderia ser usado outro como "MATH": $ bc <<CALC > scale = 2 > x = 20 > ++ x > CALC Ex: 3. O here document interpreta o seu conteúdo interno, logo a presença de variáveis terão os seus valores substituídos e o seu de subshell ou aspas invertidas serão executados e imprimirão apenas o resultado da execução: $ cat <<INFO > Name: ${USER}, location: `pwd` > INFO <<< (here string três sinais de menor) Injeta uma cadeia de caracteres no programa. Essa forma é similar ao here document tem como unidade o word (palavra) Ex: 1. Quando apenas uma única palavra, as apas são dispensáveis: $ cat <<< Chess Ex: 2. O direcionamento de apenas duas palavras ou mais exige o uso de aspas simples ou duplas: $ cat <<< "Mozilla Firefox" Ex: 3. O efeito de interporlação também acontece no here string: $ tee <<< "Hello ${USER}" Ex: 4. É viável colocar as palavras em mais de uma linha: $ tee <<< ' > Now go or break... > Was all work.' \ (escape - contrabarra) 1) Torna literal caracteres de significado especial; 2) Indica o prosseguimento do programa, opções e argumentos nas próximas linhas. Ex: 1. Será apresentado na forma que está. Não ocorrerá a interpolação para "$USER": $ echo "Variable of user: \$USER" Ex: 2. Ao invés de criar dois arquivos, é criado apenas um de nome de "Computer Science": $ touch Computer\ Science Ex: 3. Faz com que o direcionador de saída (sinal de maior) seja interpretado como um argumento comum: $ expr 2 \> 0 Ex: 4. Os caracteres especiais pipeline e parênteses ficam sem efeito com o uso do escape: $ echo Use \ \(pipeline\) to comunication. Ex: 5. Desmembrar a codificação realizada no awk em várias linhas: $ awk \ > 'BEGIN{FS=":"} > $3 > 1000 {print $1}' /etc/passwd Ex: 6. Os argumentos de tr são posto na próxima linha: $ printenv PATH tr \ > ':' '\n' # (comentário - cerquilha) Texto descritivo sem efeito de processamento sobre determinada parte do código ou programa. Ex: 1. Depois da opção "-a" é posto um comentário para informar que será acrescido arquivos ocultos: $ ls -a #Listing hidden files. Ex: 2. O comentário pode ser posicionado no final de uma linha ou ocupar toda ela: $ #Date default format. $ date $( ) (subshell cifrão seguido de parênteses) Executa os comandos contidos no subshell em uma outra instância de processamento (subprocesso). Ex: 1. O resultado obtido do pwd é apresentado pelo echo: $ echo $(pwd) Ex: 2. O cálculo é realizado pelo bc e depois exibido pelo printf: $ printf $(bc <<< "2 ^ 10") Ex: 3. A variável files dinamicamente suporta na forma de array os nomes dos diretórios e arquivos providos de ls: $ files=($(ls)) $ echo ${files[1]} Ex: 4. O pipeline e outros símbolos especiais podem ser utilizados dentro de um subshell livremente: $ echo "CPU's Cores: $(lscpu 'awk FNR == 4 {print 2}')" ( ) (agrupador parênteses) Realiza a união de saída de comandos. Ex: 1. Imprime o resultado do comando free conjuntamente com o do ls: $ (free ; ls -a) Ex: 2. Uni a mensagem provida de echo e as linhas correspondentes ao padrão "box" dos nomes dos pacotes do repositório: $ (echo "Ocorrences:"; apt-cache search

18 18 virtualization grep i box) Ex: 3. Ao invés de despejar a saída dos comandos date e awk individualmente através de duas linhas de comandos, elas podem ser unidas em apenas: $ (date; awk '/reserved/' /proc/iomem) > ~/reserved >& (maior seguido de ampersand) Direciona a saída de dados e de erros para um arquivo ou dispositivo. Ex: 1. Injeta no arquivo file o resultado da execução do echo: $ echo Ok >& ~/file Ex: 2. No mesmo sentido lógico que o exemplo anterior: $ uname a grep y >& ~/result Ex: 3. Apenda ao final do arquivo file o resultado da operação independentemente do seu resultado. O uso dessa forma exige o descritor explícito: $ echo Go! >> ~/file 2>&1 Shell Script Variável É o espaço de memória nomeado para armazenar um determinado valor a ser trabalhado para uso em um algoritmo. O valor atribuído pode ter natureza númerica ou literal, algumas linguagem exigem que se faça tal diferenciação no momento da declaração, enquanto que outras não fazem tal distintção, que é o caso do próprio Shell Script e PHP. Ex: 1. Cria na sessão corrente a variável de nome distro e a atribui a literal "linux" e na próxima linha realiza a impressão. Observe que no momento de atribuição o "$" (cifrão) é utilizado: $ distro="linux" $ echo $distro Ex: 2. Atribui a literal "Hello" para msg, depois adiciona a ela mesma outra literal "World", então a impressão resultará na mensagem Hello World: $ msg="hello" $ msg=$msg" World" $ echo $msg Ex: 3. Mesmo efeito do exemplo anterior. Somente com a utilização de aspas duplas é possível o efeito da interporlação: $ msg="hello" $ msg="$msg World" $ echo $msg Ex: 4. Operações matemáticas : $ number=10 $ expr $number + 20 Ex: 5. As variáveis podem ser utilizadas para compor argumentos para comandos: $ cd /home/$user Ex: 6. Uma variável pode receber dinamicamente o resultado da execução de um subshell: $ lastobject="$(ls tail -1)" $ printf "%s\n" $lastobject Ex: 7. Use aspas invertidas para promover a execução de um comando e a saída atribuída a variável path: $ path="`pwd`" $ print $pwd Ex: 8. Quando necessário injetar uma variável em meio de uma string, então faça uso do "${var}": $ numbers= $ echo "password: xyz${numbers}qxb" Ex: 9. Uma variável pode receber o nome de um programa e depois ser executada como se fosse o próprio em linha de comando: $ command="echo" $ $command "Hello with variable" Ex: 10. A adição de opções é viável, como visto para command que recebe "ls" com "-l": $ command="ls -l" $ $command ~ Ex: 11. Caso seja necessário retornar um valor padrão na situação que a variável "xyz" esteja vazia ou não exista, então siga a seguinte forma: $ printf ${xyz:-"default value"} Ex: 12. A forma "${var:=value}" comporta-se da mesma que o exemplo anterior, porém atribui o valor "default value" a "xyz": $ printf ${xyz:="default value"} $ echo $xyz Ex: 13. Apresenta a quantidade de caracteres atribuídos a variável "xyz": $ echo ${#xyz} Ex: 14. Para remover a parte inicial de uma string em uma variável use "${var#padrao}". No exemplo o resultado será apenas "Violin Concert": $ album="tchaikovsky Violin Concert" $ echo ${album#tchaikovsky} Ex: 15. Para eliminar o final use a forma "${var%padrao}": $ echo "Author: ${album%"violin Concert"}" Ex: 16. A forma "${!prefix*}" busca no ambiente os nomes das variável com determinado começo. No exemplo são listadas que iniciam com "H": $ echo ${!H*} Ex: 17. Indica a posição de início da string vista na forma abaixo. A conteúdo da variável será apresentado a partir da posição "5": $ echo ${album:5} Ex: 19. Use esta outra forma para indicar começo e fim das posições, no exemplo é iniciado na posição 5º posição até o terceiro caractere adiante: $ echo ${album:5:3} Ex: 20. Neste é exemplo na variável author é substituído a literal "a" por "x": $ author=handel $ echo ${author/a/x} Ex: 21. Para excluir omita a terceira parte como visto no código: $ echo ${author/a} Ex: 22. A variável tmp recebe a string author e ao usar a forma "${!var}" faz referência indireta ao seu conteúdo da variável author: $ tmp=author $ printf ${!tmp} true É a uma representação embutida no shell para designar o valor de verdadeiro. Tenha em mente que o valor mencionado em sua forma numérica igual a 0. Ex: 1. O comando echo sempre executará devido ao condicionamento sempre verdadeiro do true: $ true && echo True Ex: 2. Através deste simples código é possível constatar o valor de true: $ true; echo $? false É a representação embutida no shell para designar o valor de falso. Em sua forma númerica é igual 1. Ex: 1. De forma inversa ao exemplo 1 do true: $ false printf False Ex: 2. Semelhante ao código visto no exemplo 2 de true: $ false; printf $? if Realiza a execução de comandos na forma de um prévio teste condicional. Se a condição do teste for verdadeira, então os comandos entre then e fi serão realizados.

19 19 Ex: 1. Um simples teste de verificação de igualdade com uso do programa "[": $ if [ 1 = 1 ]; then echo "Equals"; fi Ex: 2. Se o usuário logado na sessão corrente não for root, então os dois comandos echo serão executados: $ if expr $UID!= 0 > then > echo You are not root > echo Use \"su l\" to became root. Ex: 3. Se a variável "$num" for menor que 4, então serão processados os comandos entre then e fi: $ num=3 $ if [ $(bc <<< "$num < 4") ];then > echo Variable \$num is less than 4 > num=10 > echo Now is 10 else No caso onde é necessário executar algum código padrão ou apresentar uma mensagem se o teste condicional do if falhar. Ex: 1. Executa o comando date com o seu argumento e se for menor que 6 caíra na execução da primeira mensagem, senão será apresentado a frase em else: $ if [ `date +"%H"` -gt 6 ] > then > echo Still is night > else > echo Already is day Ex: 2. Verifica se no caminho da variável "$SHELL" tem o termo bash, caso positivo apresenta a primeira mensagem, senão a segunda: $ if [ $(grep -i bash <<< $SHELL) ] > then > echo Default shell of Linux > else > echo Other shell elif Nos casos onde é preciso realizar mais de um teste condicional, quando apenas o if não é suficiente. Ex: 1. Se existir o arquivo file1 em home será apresentado o seu conteúdo pelo comando cat, caso não tenha é procurado pela existência de file2 e se encontrado executa o comando more. Se em todo o caso não for encontrado nem file1 e file2, então é criado file2 com a frase: "This create file2 in home". Em um segunda execução do código o comando elif executará: $ if [ -e ~/file1 ] > then > cat ~/file1 > elif [ -e ~/file2 ] > then > more ~/file2 > else > cat > ~/file2 <<TXT > This create file2 in home. > TXT Ex: 2. Gera um arquivo a partir do comando yes e através dos testes das condições é decidido por compactar, dividir ou alertar sobre o tamanho do arquivo: $ timeout -s 9 15s yes "Anna Netrebko" > /tmp/soprano $ file_length="$(du /tmp/soprano cut -d '/' -f 1)" $ max_length=`expr '1024' '*' '1024'` $ if [ $file_length -le $max_length ];then > echo "Zipping file..." > zip /tmp/soprano.zip /tmp/soprano > elif [ $file_length -ge `expr $max_length '*' '2'` ];then > echo "Dividing file in 3 parts..." > split -d -n 3 /tmp/soprano /tmp/sopranopart > else > echo 'No operation! file is very big.' case Assemelha-se em mesmo sentido lógico ao if, elif e else juntos, porém o uso do case é mais adequado quando os valores de entrada são conhecidos e cada valor condiciona determinada ação. Ex: 1. No código a mensagem apresentada ao final é condicionada de acordo com o nome do país digitado. O asterico sinaliza comportamento padrão para os casos de desconhecimento do valor do valor testado: $ read -p "Hello. What is your country? " country $ case "$country" in > Brazil) > continent="america" > ;; > "South African") > continent="african" > ;; > Mongolia) > continent="asia" > ;; > *) > continent="europe or Oceania" > ;; > esac $ printf "Continent: %s.\n" "$continent" Ex: 2. O uso de expressão regular pode ser utilizada para promover um teste baseado em padrão ao invés de valor absoluto: $ read -p "Type a letter or number: " -n 1 input $ case "$input" in > [a-za-z]) > echo -e "\nwas typed a letter" > ;; > [0-9]) > echo -e "\nwas typed a number" > ;; > *) > echo -e "\nok. You inserted a special > char" > ;; > esac > printf 'Thank by your participation!\n' Ex: 3. O código de retorno da execução de um comando pode servi como objeto de um teste para condicionar outras ações de acordo com determinado valor: $ com='wget $ $com >& /dev/null $ case "$?" in > 0) > echo 'Download Ok!' > ;; > 4) > echo "5 minutes to try again..." > sleep 5m ; $com > ;; > 8) > echo 'File not find.'

20 20 > ;; > esac while Executa uma porção de código de forma interativa até que a condição de teste seja falsa. Tal comando é dito que se trata de um loop (laço) devido a sua característica computacional. Ex: 1. Um loop de código simples que conta de 0 até 3: $ while [ ${i:=0} le 3 ] > do > echo $i > let i++ Ex: 2. A execução de um laço pode ser infinita com o uso de true: $ while true > do > who; sleep 2s Ex: 3. A cada interação do loop é perguntado ao usuário se deseja encerra-lo, caso digite "y" para sim é terminado o processamento: $ while expr "$out" "!=" "y" > do > echo "Log: `date`" > read p "Exit (y or n): " out for Executa uma porção de código de forma interativa até esgotar todos os valores da lista. A diferença entre Esse comando é dito que se trata de um loop (laço) devido a sua característica computacional. Ex: 1. Conta de 0 até 3. Observe a diferença : $ for i in > do > echo $i Ex: 2. Equivalente ao exemplo anterior: $ for i in {0..3}; do echo $i; done Ex: 3. Realiza a contagem da quantidade de diretórios e arquivos de "/etc" que comecem com uma vogal: $ for file in ls -d /etc/[aeiou]* > do > [ -d "$file" ] && let count_dir++ > [ -f "$file" ] && let count_file++ > printf "Directories: $count_dir \n" > printf "Files: $count_file \n" Ex: 4. São criadas três pastas em home e em tmp01 ficarão todos os arquivos de nome "1a" até "5f", em temp02 os de "5g" até "9z" e tmp03 os demais até "15z": $ mkdir ~/tmp01 ~/tmp02 ~/tmp03 $ for i in {1..15} > do > for j in {a..z} > do > if [ "$i" -le "5" ]; then # up to '5f' > if (expr "$i" "=" "5" && expr "$j" ">" "f") > /dev/null ; then > dir="tmp02" > else > dir="tmp01" > elif [ "$i" -le "9" ] ; then # up to '9z' > dir="tmp02" > else > dir="tmp03" > touch ~/$dir/"${i}${j}" until Executa uma porção de código de forma interativa até que a condição de teste seja verdadeira. Observe que tal comando requer progressão do laço na condição inversa do while. Ex: 1. Equivalente ao exemplo 1 feito no while: $ until [ "${i:=0}" -gt 3 ] > do > echo $i; let i++ Ex: 2. Semelhante ao exemplo 2 realizado em while: $ until false; do who; sleep 2s; done Ex: 3. O código do exemplo gera um arquivo de teste em /tmp de nome violinist até que ele tenha o tamanho de 20Kb: $ file="/tmp/violinist" $ rm $file >& /dev/null ; touch $file $ # Max file length: 20KB $ until expr "`du $file cut -f 1`" ">=" "20" > /dev/null > do > printf "Julia Fischer\n" >> $file break Causa a interrupção imediata de um laço quando alcançado. Em um loop quando alcançado determinada condição e não se deseja mais a progressão do processamento, então o uso do break é o mais adequado. Ex: 1. Conta de 0 a 3. Essa forma de código tem resultado igual a forma do exemplo 1 do while: $ while x=`expr ${x:="0"} + 1`; do > [ "$x" -gt 3 ] && break > echo "$x" Ex: 2. Gera um chave de tamanho máximo de 20 dígitos aleatórios: $ key="" $ until false; do > expr "${#key}" ">=" 20 > /dev/null && break > key="${key}$(sleep 1s;rand -u -N 1 -M 9)" $ echo $key continue Ignora a porção de código restante do laço e parti para o próximo loop. Ao contrário do break que causa uma interrupção, o continue sinaliza que todo código posterior a ele deverá não ser processado em determinado momento. Ex: 1. Conta de 0 a 3, porém ignora o 2: $ while x=`expr ${x:="0"} + 1` && [ "$x" -le 3 ] > do > [ "$x" -eq 2 ] && continue; echo "$x" Ex: 2. Semelhante ao exemplo 2 do break, porém a diferença é que dígitos iguais não poderão ficar lado a lado: $ key="" $ until false; do > expr "${#key}" ">=" 20 > /dev/null && break > number="$(sleep 1s;rand -u -N 1 -M 9)" > [ $(expr length "$key") -eq 0 ] && key="$number" > [ $number -ne $(expr substr "$key" `expr length "$key"` 1) ] continue > key="${key}${number}"

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Introdução a. Shell Script. Clésio Matos clesior.matos@gmail.com

Introdução a. Shell Script. Clésio Matos clesior.matos@gmail.com Introdução a Shell Script Clésio Matos clesior.matos@gmail.com 1 Plano de apresentação O que são shell scripts Comandos básicos Estruturas básicas do BASH - Comandos condicionais - Comandos de repetição

Leia mais

Manual de Comando Linux

Manual de Comando Linux Manual de Comando Linux 1 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Comandos Simples Linux... 3 Gerir Directórios e Ficheiros... 4 Gerir processos... 6 Estrutura de Diretórios do LINUX... 6 Executar comandos

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Agenda Manipulação de arquivos Comandos: cat, cut, expand,fmt, head, join, nl, od, paste, pr, split, tac, tail, tr,

Leia mais

Principais Comandos do Terminal no LINUX

Principais Comandos do Terminal no LINUX Principais Comandos do Terminal no LINUX Estes comandos não visam ser um compêndio completo de operação, haja vista que se possui mais comandos que esses aqui que serão listados, logo os comandos são:

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

GNU/Linux/Bash. Aula 2

GNU/Linux/Bash. Aula 2 GNU/Linux/Bash Aula 2 O que é? Ubuntu GNU Linux Ubuntu 12.04 Ubuntu é um sistema operacional baseado em Linux desenvolvido pela comunidade e é perfeito para notebooks, desktops e servidores. Ele contém

Leia mais

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Curso UNIX Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Universidade Federal de Santa Catarina 25 de Setembro de 2010 CHAMADA Objetivos Instalação do sistema Ubuntu 10.04 Conhecer a origem do sistema

Leia mais

Comandos Básicos no Linux

Comandos Básicos no Linux Comandos Básicos no Linux Material desenvolvido por Rafael Fernando Diorio Última revisão em 04/08/2013 www.diorio.com.br rafael@diorio.com.br Tópicos Primeiros comandos Metacaracteres Paginação e filtros

Leia mais

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Introdução ao Linux Comandos Ubuntu/Linux Michelle Nery Agenda Comandos do Sistema Comandos para Processos

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

A linha de comando do Unix e GNU/Linux

A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux Michael Opdenacker Free Electrons http://free-electrons.com Traduzido por Klayson Sesana Bonatto Criado com OpenOffice.org

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Conteúdo Programático Login e Logout Iniciando e Desligando o Sistema Tipos de arquivo Texto Binário Arquivos e Diretório Manipulação de

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 1. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes?

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 1. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores Módulo LPI Aula 1 Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? 1 [1] NEVES, Júlio César Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Comandos.::. Aplicativos > Sistema > Acessar Console

Comandos.::. Aplicativos > Sistema > Acessar Console Comandos Aplicativos > Sistema > Acessar Console jonilso 23 de outubro de 2012 Comandos Iniciais whoami Comandos Iniciais whoami Exibe o login do usuário que executou o comando. Comandos Iniciais whoami

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Labgrad. Usúario: Senha: senha

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha Suporte A equipe do Suporte é responsável pela gerência da rede do Departamento de Informática, bem como da manutenção dos servidores da mesma, e também é responsável pela monitoria do LabGrad e do LAR.

Leia mais

Comandos básicos do Linux

Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Introdução Alguns comandos que você verá nesta página, equivalem aos utilizados no DOS. No entanto, saiba que conhecendo ou não o DOS, você poderá estranhar

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Laboratório de Sistemas Operacionais

Laboratório de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Módulo 1 Gerência de Memória e de Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Comandos para gerenciamento de processos: top, htop, ps, kill,

Leia mais

Principais Comandos Linux. Hélder Nunes haanunes@gmail.com

Principais Comandos Linux. Hélder Nunes haanunes@gmail.com Principais Comandos Linux Hélder Nunes haanunes@gmail.com Shell ou Terminal Mais conhecido como interpretador de comando, é o programa responsável por decifrar as instruções enviadas pelos usuários e os

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

Uso Eficiente da Linha de Comando com os Shells do Unix. Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com)

Uso Eficiente da Linha de Comando com os Shells do Unix. Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com) Uso Eficiente da Linha de Comando com os Shells do Unix Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com) GUI CLI Tópicos História da Linha de Comando Shells mais comuns Interpretação e transformações da linha digitada

Leia mais

Prova de Pré requisito para o curso Linix System Administration (451)

Prova de Pré requisito para o curso Linix System Administration (451) 1 No editor de textos VIM (Vi Improved) qual comando copia o conteúdo de uma linha? Escolha todas que se aplicam. a) ctrl + c b) :cp c) :y d) :yy e) yy f) :copy g) cp 2 No editor de textos VIM (Vi Improved)

Leia mais

Curso de Introdução ao Linux Aula 1. Angelo Brito - asb Adriano Melo - astm

Curso de Introdução ao Linux Aula 1. Angelo Brito - asb Adriano Melo - astm + Curso de Introdução ao Linux Aula 1 Angelo Brito - asb Adriano Melo - astm + Ementa Introdução a Unix e Linux Conceitos Relacionados ao Linux Distribuições Linux Ambiente desktop gráficos Comandos básicos

Leia mais

Simulado LPI 101. 5. Qual o comando que exibe a última vez em que o sistema de arquivos foi verificado. dumpe2fs

Simulado LPI 101. 5. Qual o comando que exibe a última vez em que o sistema de arquivos foi verificado. dumpe2fs Simulado LPI 101 1. Quais comandos exibem os processos no Linux? Escolha uma. a. ls e df b. ps e top c. ps e df d. df e top e. du e df 2. O que representa o dispositivo /dev/hdb6? Escolha uma. a. Um partição

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais Não-Proprietários II

Administração de Sistemas Operacionais Não-Proprietários II Faculdade Senac Porto Alegre - FSPOA Administração de Sistemas Operacionais Não-Proprietários II UC: Administração de Redes Aula 01 1/15 Faculdade Senac Porto Alegre - FSPOA Revisão 2/15 Linux e Distribuições

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Gerenciamento de Memória no Linux O Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer que

Leia mais

Pratique o seu conhecimento

Pratique o seu conhecimento Pratique o seu conhecimento QUESTÕES DO CAPÍTULO 1 (A HISTÓRIA ) 1) Explique com suas palavras qual a importância de Richard Stallman para o software livre e o que é o projeto GNU. R.: Richard Stallman

Leia mais

Introdução ao Shell Script

Introdução ao Shell Script Faculdade do Pará-FAP Disciplina: Programação em Ambiente de Redes Professor: Armando Hage Introdução ao Shell Script Introdução O que é o Shell Shell Script Primeiro Script Recebendo Parâmetros Exercícios

Leia mais

Linux. Comandos Básicos e Avançados. Alessandro Vivas Andrade Leonardo Carneiro de Araújo Cristiano Grijó Pitangui Luciana Pereira de Assis

Linux. Comandos Básicos e Avançados. Alessandro Vivas Andrade Leonardo Carneiro de Araújo Cristiano Grijó Pitangui Luciana Pereira de Assis Linux Comandos Básicos e Avançados Alessandro Vivas Andrade Leonardo Carneiro de Araújo Cristiano Grijó Pitangui Luciana Pereira de Assis Diamantina, Minas Gerais 20 de novembro de 2015 Alessandro Vivas

Leia mais

Editora AltaBooks. Linux: Fundamentos, Prática & Certificação LPI (Exame 117-101) Simulado

Editora AltaBooks. Linux: Fundamentos, Prática & Certificação LPI (Exame 117-101) Simulado Editora AltaBooks Linux: Fundamentos, Prática & Certificação LPI (Exame -) Simulado : Qual dos comandos a seguir nos permite saber a quantidade e quais são os dispositivos SCSI presentes no sistema: a(

Leia mais

Comandos de Linux. Autor: Patrick Wallace Figueiredo dos Santos Rocha

Comandos de Linux. Autor: Patrick Wallace Figueiredo dos Santos Rocha Comandos de Linux Autor: Patrick Wallace Figueiredo dos Santos Rocha Comandos de linux 1. ls (lista o conteúdo de um diretório) $ ls 2. ls -a (lista os diretórios, arquivos oculto e executáveis) $ ls -a

Leia mais

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

Programação em Shell Script (Linux Administration) Jacson RC Silva

Programação em Shell Script (Linux Administration) Jacson RC Silva <jeiks> Programação em Shell Script (Linux Administration) Jacson RC Silva Conteúdo O que é shell Comandos mais utilizados em shell Condicionais e laços Scripts Informações do Sistema Obtendo informações

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Comando free Gerência de Memória exibe a quantidade de memória livre e utilizada pelo sistema Usage: $ free

Leia mais

Oficina de ShellScript

Oficina de ShellScript Oficina de ShellScript Segunda Parte Wildcards Variáveis de Ambiente Comans em Shell Script Parâmetros para o programa Mais comans /dev/null Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies PET Computação UFRGS Wildcards

Leia mais

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013 1 2 INTRODUÇÃO A LINUX ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais Kernel núcleo do

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

Comandos Básicos do Linux/Unix

Comandos Básicos do Linux/Unix Comandos Básicos do Linux/Unix Vou partir do pressuposto que você sabe o básico de um sistema Linux/Unix. É importante para qualquer usuário de sistemas baseados em Unix aprender a trabalhar no modo texto

Leia mais

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Objetivos Detalhar conceitos sobre o sistema operacional Linux; Operar comandos básicos de sistemas Linux em modo Texto; Realizar a manutenção de arquivos

Leia mais

Universidade Católica de Brasília Laboratório de Redes de Computadores 1 Prof Eduardo Lobo. Comandos LINUX. principais vi ifconfig.

Universidade Católica de Brasília Laboratório de Redes de Computadores 1 Prof Eduardo Lobo. Comandos LINUX. principais vi ifconfig. Comandos LINUX Universidade Católica de Brasília Laboratório de Redes de Computadores 1 Prof Eduardo Lobo Comandos LINUX principais vi ifconfig Comando Descrição Exemplo cd Muda o diretório corrente cd

Leia mais

Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações feitas durante a prática (para os itens 1, 3, 4, 5, 6 e 7).

Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações feitas durante a prática (para os itens 1, 3, 4, 5, 6 e 7). EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática 2 Certificados digitais e Linux-TCP/IP Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações feitas durante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO SHELL SCRIPT Allan Robson Silva Venceslau Hélio Batista de Araújo Júnior Rafael Medeiros Teles 1 Apresentar

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux.

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux. INSTALL 2014-08-12 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador

Leia mais

MSXDOS GUIA DE CONSULTA RÁPIDA. Escrito e editorado por: Edison Antonio Pires de Moraes eapmoraes@msxall.com www.msxtop.msxall.com

MSXDOS GUIA DE CONSULTA RÁPIDA. Escrito e editorado por: Edison Antonio Pires de Moraes eapmoraes@msxall.com www.msxtop.msxall.com MSXDOS GUIA DE CONSULTA RÁPIDA Escrito e editorado por: Edison Antonio Pires de Moraes eapmoraes@msxall.com www.msxtop.msxall.com 22/05/2004 14 MSXDOS Um pode ser: CON Console PRN Impressora

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais O Sistema de Arquivos Fabricio Breve O que você encontra no Sistema de Arquivos do Linux... Processos Portas seriais Canais de comunicação entre

Leia mais

Práticas de Desenvolvimento de Software

Práticas de Desenvolvimento de Software Aula 1. 23/02/2015. Práticas de Desenvolvimento de Software Aula 1 Unix, Linux e a linha de comando Oferecimento Ambiente de desenvolvimento Computador (hardware) Sistema operacional Idealmente: iguais

Leia mais

Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13

Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13 Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13 INSTALL 2010-05-20 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO:

Leia mais

comandos básicos linux.

comandos básicos linux. comandos básicos linux. clear: Limpa a tela e posiciona o cursor no canto superior esquerdo do vídeo. df: Mostra o espaço livre/ocupado de cada partição. df [opções] a Inclui sistemas de arquivos com 0

Leia mais

LABORATÓRIO UNIDADES 1 REVISÃO LINUX E COMANDOS BÁSICOS ABRINDO A MÁQUINA VIRTUAL UBUNTU SERVER 14.04.1 PELO VIRTUALBOX

LABORATÓRIO UNIDADES 1 REVISÃO LINUX E COMANDOS BÁSICOS ABRINDO A MÁQUINA VIRTUAL UBUNTU SERVER 14.04.1 PELO VIRTUALBOX LABORATÓRIO UNIDADES 1 REVISÃO LINUX E COMANDOS BÁSICOS ABRINDO A MÁQUINA VIRTUAL UBUNTU SERVER 14.04.1 PELO VIRTUALBOX Procure no MENU INICIAR PROGRAMAS o ícone do VirtualBox e execute-o. Em seguida clique

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux GNU / Linux Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009 Conceitos Básico O S.O. é case sensitive, ou seja, sensível à caixa; Exemplo: o arquivo apple.txt é diferente do arquivo Apple.txt e podem conviver juntos

Leia mais

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática 2 Certificados digitais Permissões Comandos Password cracker

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática 2 Certificados digitais Permissões Comandos Password cracker EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática 2 Certificados digitais Permissões Comandos Password cracker Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações

Leia mais

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente?

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? Conteúdo 1 Comandos Básicos Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? a) shutdawn b) shutdown t now c) shutdown r now d) shutdwon h now e) shutdown h now Questão 2: Que comando

Leia mais

Introdução ao Sistema. Características

Introdução ao Sistema. Características Introdução ao Sistema O sistema Provinha Brasil foi desenvolvido com o intuito de cadastrar as resposta da avaliação que é sugerida pelo MEC e que possui o mesmo nome do sistema. Após a digitação, os dados

Leia mais

LABORATÓRIO 0 Revisão GNU/Linux

LABORATÓRIO 0 Revisão GNU/Linux FACULDADE PITÁGORAS Tecnólogo em Redes de Computadores Redes Sem fio Prof. Ulisses Cotta Cavalca LABORATÓRIO 0 Revisão GNU/Linux OBJETIVOS Rever os principais comandos do sistema

Leia mais

Comandos importantes Virtual Box Linux Compartilhamento

Comandos importantes Virtual Box Linux Compartilhamento Comandos importantes Virtual Box Linux Compartilhamento 1º passo - Acessar Virtual Box plataforma criada dispositivos pasta compartilhadas clicar no botão + no canto direito escolher destino ( Desktop)

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos Comandos de Administração

Introdução a Sistemas Abertos Comandos de Administração Introdução a Sistemas Abertos Comandos de Administração Objetivos! Familiarização com os comandos do Linux! Conhecimento e prática de comandos que informam ou manipulam informações do sistema! Comandos

Leia mais

https://help.ubuntu.com/6.10/ubuntu/ about-ubuntu/pt_br/

https://help.ubuntu.com/6.10/ubuntu/ about-ubuntu/pt_br/ ! 1 LINUX Sistema operacional de livre distribuição, semelhante ao UNIX, constituído por um kernel, ferramentas de sistema, aplicativos e completo ambiente de desenvolvimento. Nos anos 90 com o crescimento

Leia mais

Certificação Linux: Conhecendo o caminho das pedras

Certificação Linux: Conhecendo o caminho das pedras LPI Linux Professional Institute Certificação Linux: Conhecendo o caminho das pedras Sobre esta apresentação: - Nível: Intermediário - Escopo: Dicas sobre como obter a certificação LPI. - Pré-requisitos:

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

Disparando o interpretador

Disparando o interpretador Capítulo 2: Usando o interpretador Python Disparando o interpretador O interpretador é frequentemente instalado como /usr/local/bin/python nas máquinas onde está disponível; adicionando /usr/local/bin

Leia mais

Visão Geral. Funções básicas. Tipos de sistemas operacionais. Facilidade de acesso aos recursos

Visão Geral. Funções básicas. Tipos de sistemas operacionais. Facilidade de acesso aos recursos 1 Conceitos Básicos "Não basta ensinar ao homem uma especialidade, porque se tornará assim uma máquina utilizável, mas não uma personalidade. É necessário que adquira sentimento, um senso prático daquilo

Leia mais

http://introcomp.pet.inf.ufes.br

http://introcomp.pet.inf.ufes.br O SITE http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br O MOODLE http://introcomp.pet.inf.ufes.br/moodle http://introcomp.pet.inf.ufes.br/moodle

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Linux: Adicionando Usuários Fabricio Breve Introdução Administradores precisam ter um entendimento completo de como funcionam contas Linux Contas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Yoshimi Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Apresentação Carga horária: 2 horas-aula/semana 2/11 Objetivos Possibilitar ao aluno: Entendimento

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS LINUX. Professor Mauricio Franceschini Duarte

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS LINUX. Professor Mauricio Franceschini Duarte INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Professor Mauricio Franceschini Duarte SOFTWARE LIVRE É todo software sobre o qual o usuário tem o livre direito de instalar, usar, estudar, modificar e redistribuir. 2 FSF FREE

Leia mais

Administração de Sistemas Livres

Administração de Sistemas Livres Administração de Sistemas Livres Introdução a Comandos GNU/Linux Prof. Lais Farias Alves Comandos GNU/Linux O Linux (na verdade, GNU/Linux), assim como qualquer sistema operacional moderno, é perfeitamente

Leia mais

Mini curso de GNU/Linux Aula 03

Mini curso de GNU/Linux Aula 03 Rudson Ribeiro Alves Mestre em Física (Semi Condutores) Usuário Unix de 1991 1998 Usuário Slackware deste 1994 Professor da UVV deste 1998 Mini curso de GNU/Linux Aula 03 Noções básicas sobre GNU/Linux

Leia mais

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira <fred@madeira.eng.br> Lista de Exercícios 3 Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3 1. Qual dos seguintes comandos linux não inclui a capacidade de listar o PID das aplicações que estão

Leia mais

Sistema Operacional GNU/Linux

Sistema Operacional GNU/Linux Sistema Operacional GNU/Linux Histórico: 1969 Bell Labs anuncia a primeira versão do Unix 1983 Criação do Projeto GNU 1987 Andrew Tenenbaum anuncia o Minux, versão do Unix para Desktops 1990 Microsoft

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Informática Departamento de Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto

Licenciatura em Engenharia Informática Departamento de Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Licenciatura em Engenharia Informática Departamento de Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Sandra Manuela Lemos Machado Versão 2 Março 2002 Criticas e sugestões: smachado@dei.isep.ipp.pt

Leia mais

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA #20 Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA VITEC Versão 1.0 Agosto/2007 1 Revisões Versão Data Descrição 1.0.0 03/08/2007 Elaboração do Manual. Página 2 de 18 Índice 1 REVISÕES... 2 2 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba Mini Curso Linux Eu defendo!!! Apresentação Rafael Arlindo Dias Técnico em Informática CEFET Rio Pomba/MG Cursos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Configuração de Redes www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução O Linux foi criado por Linus Torvalds em 1991, na época em

Leia mais

Se não existisse uma variável de ambiente chamada PATH você teria que digitar todo o caminho do comando para listar por exemplo:

Se não existisse uma variável de ambiente chamada PATH você teria que digitar todo o caminho do comando para listar por exemplo: Variáveis de ambiente Denição: São variáveis que guardam informações sobre preferências pessoais usadas por programas para que eles peguem dados sobre seu ambiente sem que você tenha que passar sempre

Leia mais

IV Curso de Bioinformática Algoritmos e técnicas computacionais para montagem e análise de genomas

IV Curso de Bioinformática Algoritmos e técnicas computacionais para montagem e análise de genomas IV Curso de Bioinformática Algoritmos e técnicas computacionais para montagem e análise de genomas Linux Introdução ao Sistema Operacional e Comandos Básicos do Shell Introdução Linux é o nome dado tanto

Leia mais