DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016"

Transcrição

1 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.

2 PRODUTOS

3 MERCADO DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS NO BRASIL FATURAMENTO US$ 21 BILHÕES EXPORTAÇÕES US$ 8 BILHÕES (40%) MERCADO INTERNO US$ 35 BILHÕES IMPORTAÇÃO US$ 19 BILHÕES (55%) 18% Estados Unidos 10% Argentina 10% Países Baixos 5% México 22% Estados Unidos 16% China 14% Alemanha FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO 9% Itália

4 A INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL É DIVIDIDA EM 2 SEGMENTOS BENS SERIADOS BENS SOB ENCOMENDA

5 BENS SERIADOS Representam 80% do mercado de bens de capital; São produzidos em larga escala, de forma padronizada; São produzidos por vários segmentos, entre os quais: máquinas e ferramentas, máquinas têxteis, máquinas e implementos agropecuários, máquinas para artigos de plásticos, máquinas gráficas, equipamentos para instalações elétricas, hidráulicas, térmicas, refrigeração e ventilação, balanças, correntes industriais entre outros.

6 BENS SOB ENCOMENDA Respondem por 20% do mercado; Possuem características próprias, por isso dependem de tecnologia; Os principais segmentos produzidos são: caldeiraria, turbinas hidráulicas, fornos industriais, equipamentos de geração de energia, equipamentos ferroviários e navais.

7 PROCESSO PRODUTIVO

8 BENS SERIADOS: Sua produção é feita a partir de projetos padronizados, em lotes médios ou grandes. A fabricação desses equipamentos se dá no curto prazo. Vale destacar que este segmento é um dos primeiros a ser afetado por crises econômicas e também um dos últimos a reagir com a retomada da atividade da economia. BENS SOB ENCOMENDA: A produção é realizada a partir de projetos específicos para determinadas unidades produtivas ou, também, a partir de projetos padronizados de produtos cuja fabricação é sob encomenda. Este segmento opera com carteira de pedidos de médio e longo prazos, o que lhe confere alguma margem de manobra para enfrentar mudanças no ritmo de crescimento da economia.

9 SAZONALIDADE

10 SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO BRADESCO DE BENS DE CAPITAL SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO DE BENS DE CAPITAL FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: 9,5% 9,1% 9,0% 8,5% 8,6% 8,1% 8,5% 8,2% 8,5% 8,8% 8,7% 8,8% 8,0% 7,5% 7,4% 7,6% 7,5% 7,0% 6,5% 6,0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO BRADESCO

11 CUSTOS DE PRODUÇÃO

12 OS PRINCIPAIS CUSTOS DE PRODUÇÃO DO SEGMENTO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS SÃO MATÉRIAS-PRIMAS (50% DO TOTAL) E MÃO-DE- OBRA (30%). EM SUA MAIORIA, OS INSUMOS DE PRODUÇÃO SÃO PRODUTOS TRANSFORMADOS DO AÇO, ALUMÍNIO E OUTROS MINERAIS METÁLICOS, ALÉM DE COMPONENTES ELETRÔNICOS, PLÁSTICOS E BORRACHA. SEGUNDO A ABIMAQ, O AÇO RESPONDE POR 15% DOS CUSTOS DO SETOR.

13 FORNECEDORES

14 Os principais fornecedores encontram-se no mercado interno, entre eles: siderurgia e metalurgia, indústria de plásticos, energia elétrica e combustíveis O principal fornecedor externo é o segmento de componentes eletrônicos e informática (hardware e software), cuja intensidade de utilização pode ser tomada como indicador da evolução tecnológica do setor e da indústria em geral.

15 As importações de máquinas e equipamentos representam mais de 50% do consumo aparente. Diversos países compõem a pauta das importações brasileiras. Cerca de 80% das importações são feitas por fabricantes nacionais e representam 30% de seu faturamento. Algumas empresas instaladas no Brasil estão tornando-se revendedores de marcas estrangeiras e fornecedoras de serviços de assistência técnica desses produtos importados.

16 Distribuição setorial do IED em 2011 (jan-abr) fonte BC Gráfico Pizza - importações PRINCIPAIS PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS 2015 Outros 24,6% Estados Unidos 20,9% Coréia do Sul 2,3% França 2,7% Espanha 3,9% Japão 6,3% Itália 9,1% Alemanha 14,4% China 15,7% FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

17 REGIONALIZAÇÃO

18 PARTICIPAÇÃO DO NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS NA FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR REGIÃO 2012 Nordeste 4,3% Centro-Oeste 3,2% Norte 0,8% Sul 36,0% Sudeste 55,7% FONTE: RAIS ELABORAÇÃO BRADESCO

19 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS NA FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UF 2012 SP RS SC PR MG RJ GO ES CE PE BA MT MS AM PB RN PA DF SE MA RO AL PI TO AC AP FONTE: RAIS ELABORAÇÃO BRADESCO 6.265

20 PLAYERS MUNDIAIS

21 No mundo, a produção de bens de capital mais sofisticados está concentrada principalmente nos países desenvolvidos, em especial Estados Unidos, Japão, Alemanha e Itália; No que diz respeito aos países em desenvolvimento, além do Brasil, somente Coréia do Sul, Taiwan, China e México possuem um setor de bens de capital expressivo.

22 CONSUMIDORES

23 BENS SERIADOS NO SEGMENTO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS SERIADOS, OS PRINCIPAIS CLIENTES ESTÃO LIGADOS À INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO, COM DESTAQUE PARA OS SETORES AUTOMOTIVO, MÁQUINAS AGRÍCOLAS, ELETRODOMÉSTICOS, ELETRÔNICOS, TÊXTIL, CALÇADOS E BRINQUEDOS.

24 BENS SOB ENCOMENDA Antes dos processos de privatizações, grande parte da demanda por bens de capital pesados era bastante dependente das encomendas do governo. Atualmente a demanda está concentrada nos investimentos privados. Os principais setores atendidos são: geração de energia elétrica, siderurgia, produção e exploração de petróleo e gás, petroquímica, mineração, papel e celulose e movimentação de cargas.

25 PRINCIPAIS PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS 2015 Outros 33,4% Estados Unidos 18,2% Argentina 10,2% Paises Baixos (Holanda) 9,9% Bolívia 3,0% Peru 3,2% Chile 3,6% Paraguai 3,8% México 4,5% Colômbia 3,2% Alemanha 3,4% Venezuela 3,7% FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

26 FATORES DE RISCO

27 SETOR DEPENDENTE DO NÍVEL DE INVESTIMENTOS DA ECONOMIA SETOR DEPENDENTE DAS TAXAS DE JUROS E DAS LINHAS DE CRÉDITO PARA FINANCIAMENTOS DE LONGO DE PRAZO MUDANÇAS NO CÂMBIO AFETAM A COMPETITIVIDADE DOS BENS DE CAPITAL IMPORTADOS, ACIRRANDO A CONCORRÊNCIA NO MERCADO BRASILEIRO E REDUZ AS EXPORTAÇÕES DOS FABRICANTES NACIONAIS PARCELA SIGNIFICATIVA DA PRODUÇÃO NACIONAL É DESTINADA AO MERCADO EXTERNO NOS SEGMENTOS EM QUE ATUAM EMPRESAS MULTINACIONAIS, AS BARREIRAS À ENTRADA SÃO ELEVADAS, SEJA POR CUSTO, DIFERENCIAÇÃO DE PRODUTO OU GRAU DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO AS PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS IDENTIFICADAS NO SETOR DE BENS DE CAPITAL NO PAÍS SÃO BAIXA ESCALA PRODUTIVA, POUCO CONTEÚDO TECNOLÓGICO E FALTA DE CERTIFICAÇÃO PARA COLOCAÇÃO DOS PRODUTOS NOS MERCADOS DOS PAÍSES DESENVOLVIDOS

28 CENÁRIO ATUAL E TENDÊNCIAS

29 RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO milhões de R$ R$ Milhões Evolução do faturamento nominal da indústria de bens de capital FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

30 VARIAÇÃO DA RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO milhões de R$ 45,0% Evolução do faturamento nominal da indústria de bens de capital ,0% 32,8% 26,7% 28,6% 25,0% 19,8% 15,0% 11,5% 13,0% 12,6% 13,9% 5,0% 2,7% 4,1% -5,0% -2,1% -1,5% -7,3% -6,6% -15,0% -25,0% -18,9% FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

31 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/16 FATURAMENTO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ACUMULADO EM 12 Fonte: MESES Abimaq RECEITA LÍQUIDA VENDAS DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS R$ milhões ACUMULADO EM 12 MESES R$ Milhões FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

32 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/16 FATURAMENTO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ACUMULADO EM 12 Fonte: MESES Abimaq RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS VAR. ACUMULADA EM 12 MESES 41,0% 38,0% 33,0% 25,0% 28,0% 27,6% 17,0% 9,0% 9,8% 16,4% 11,2% 1,0% -7,0% 1,8% -3,3% -3,7% 0,6% -15,0% -23,0% -18,9% -21,2% -31,0% FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

33 NÍVEL DE UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DA INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS Fonte: Abimaq 85,0 Em % 85,9 84,2 81,8 81,1 80,2 80,0 75,9 76,7 77,5 77,2 80,1 79,0 79,2 75,0 73,2 70,0 65,0 68,3 65,2 68,7 66,4 67,6 70,6 69,3 65,5 60,0 55,0 FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

34 Fonte: Abimaq Utilização Capacidade Instalada EM % NÍVEL DE UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DA INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/16 90,0 88,0 86,0 84,0 82,0 80,0 78,0 76,0 74,0 72,0 70,0 68,0 66,0 64,0 62,0 60,0 Em % 86,9 85,6 84,4 82,3 82,9 79,3 78,3 79,0 77,0 76,5 76,67 75,0 74,5 73,2 70,6 69,40 68,70 68,80 63,60 63,40 FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

35 NÚMERO DE SEMANAS PARA ATENDER PEDIDOS EM CARTEIRAS Semanas Fonte: Abimaq Em semanas 25,0 Número de semanas para atender pedidos em carteiras * (*) Média jan-fev 08 23,1 20,0 15,0 20,2 18,4 18,6 20,8 19,9 21,0 16,6 16,0 16,8 17,5 17,6 19,4 18,9 20,2 19,5 17,5 14,2 13,2 10,0 11,8 11,5 5, FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

36 anas out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/16 ABIMAQ) NÚMERO DE SEMANAS PARA ATENDER PEDIDOS EM CARTEIRAS Em semanas 24 22, ,5 19,7 19, ,1 18,3 17,9 17, ,7 16,7 15,3 14, ,2 11,50 11, FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

37 Exportações de máquinas e equipamentos EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS Fonte: Abimaq US$ Milhões US$ Milhões 15,000 12,848 12,000 9,000 7,727 7,029 8, ,5547,554 10,710 10,046 9,272 9,581 8,030 6,000 3,000 4,373 3,229 3,3893,900 3,727 3,5913,701 3,298 0 FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

38 out/04 fev/05 jun/05 out/05 fev/06 jun/06 out/06 fev/07 jun/07 out/07 fev/08 jun/08 out/08 fev/09 jun/09 out/09 fev/10 jun/10 out/10 fev/11 jun/11 out/11 fev/12 jun/12 out/12 fev/13 jun/13 out/13 fev/14 jun/14 out/14 fev/15 jun/15 out/15 fev/16 jun/16 out/16 EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS ACUMULADO EM 12 MESES US$ Milhões FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

39 PARTICIPAÇÃO % DAS EXPORTAÇÕES NO FATURAMENTO NOMINAL DA INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS - MÉDIA MÓVEL 12 MESES out/04 fev/05 jun/05 out/05 fev/06 CAPITAL MECÂNICOS - MÉDIA MÓVEL 12 MESES (FONTE: ABIMAQ) jun/06 out/06 fev/07 jun/07 out/07 fev/08 jun/08 out/08 fev/09 jun/09 out/09 fev/10 jun/10 out/10 fev/11 jun/11 out/11 fev/12 jun/12 out/12 fev/13 jun/13 out/13 fev/14 jun/14 out/14 fev/15 jun/15 out/15 fev/16 jun/16 out/16 44,1% 43,0% 42,9% 36,0% 33,0% 32,2% 33,8% 31,0% 27,3% 25,3% 23,0% 18,1% 20,2% 13,0% 16,3% FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

40 EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS TAXA DE CRESCIMENTO ACUMULADA EM 12 MESES jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/16 R$ milhões 70,0% 74,4% 50,0% 30,0% 26,2% 25,5% 22,1% 27,6% 10,0% 15,4% 7,8% 11,3% 8,2% 2,3% -10,0% -1,8% -17,7% -30,0% -50,0% -38,7% FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

41 US$ Milhões IMPORTAÇÕES DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS US$ Milhões FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

42 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/ IMPORTAÇÕES DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS ACUMULADO EM 12 MESES US$ Milhões Fonte: Abimaq FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

43 PARTICIPAÇÃO % DAS IMPORTAÇÕES NO CONSUMO APARENTE DA INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS - MÉDIA MÓVEL 12 MESES out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/16 59,0% 56,0% 53,0% 56,0% 54,8% 50,0% 47,0% 46,2% 46,3% 44,0% 42,4% 41,0% 41,7% 38,7% 39,9% 38,0% 37,4% 35,0% 35,8% 34,4% 32,0% FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

44 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/16 IMPORTAÇÕES DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS TAXA DE CRESCIMENTO ACUMULADA EM 12 MESES 55,0% 45,0% 49,3% 35,0% 31,3% 33,7% 25,0% 23,4% 15,0% 5,0% 5,7% 9,9% 5,7% -5,0% -2,4% -15,0% -25,0% -16,9% -22,0% -35,0% FONTE: ABIMAQ ELABORAÇÃO BRADESCO

45 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL (CATEGORIA DE USO) - VARIAÇÃO ACUMULADA EM 2015 Bens de Capital Para Fins Industriais Não-Seriados 2,5% Bens de Capital Para Fins Industriais Bens de Capital Para Fins Industriais Seriados -7,4% -4,9% Bens de Capital para o Setor de Energia Elétrica Bens de Capital Peças Agrícolas Bens de Capital Agrícolas Bens de Capital Bens de Capital de Uso Misto Bens de Capital Equipamentos de Transporte -15,1% -20,8% -23,3% -25,3% -27,0% -30,6% Bens de Capital para Construção -43,6% -50,0% -40,0% -30,0% -20,0% -10,0% 0,0% 10,0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

46 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL (CATEGORIA DE USO) - VARIAÇÃO ACUMULADA EM 12 MESES ATÉ OUTUBRO/2016 Bens de Capital Peças Agrícolas Bens de Capital para o Setor de Energia Elétrica Bens de Capital Para Fins Industriais Seriados Bens de Capital Para Fins Industriais Bens de Capital Agrícolas Bens de Capital Equipamentos de Transporte Bens de Capital Para Fins Industriais Não-Seriados Bens de Capital de Uso Misto Bens de Capital Bens de Capital para Construção -2,7% -7,7% -8,9% -11,8% -13,1% -18,7% -19,2% -23,8% -24,5% -27,3% -59,0% -49,0% -39,0% -29,0% -19,0% -9,0% 1,0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

47 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 Produção industrial - Bens de capital NÍVEL DESSAZONALIZADO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL BENS DE CAPITAL MÉDIA 1991= FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

48 em m ilhões US$ VARIAÇÃO ANUAL DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL ,0% 15,0% 20,7% 21,3% 19,2% 16,2% 12,2% 5,0% 2,4% 3,4% 5,1% 5,0% -5,0% -15,0% -11,2% -9,3% -16,5% -25,0% -25,4% -35,0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

49 * 2017* 2018* 2019* PRODUÇÃO DE BENS DE CAPITAL 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 2,4% -4,0% 20,7% 8,5% 19,2% 12,3% -2,1% 21,3% 0,8% 12,2% -7,0% 14,0% 4,5% BK FBKF 10,5% 9,0% 7,0% 6,0% -10,0% -20,0% -16,5% -11,2% -14,1% -10,5% -30,0% -25,4% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

50 set/04 dez/04 mar/05 jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Bens DE de BENS Capital DE CAPITAL VARIAÇÃO % de Uso Misto ACUMULADA EM 12 MESES 30.0% 20.0% 20.6% 21.4% 10.0% 10.7% 0.0% 3.8% -10.0% -9.5% -20.0% -17.9% -19.7% -30.0% -40.0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

51 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 Bens de Capital PRODUÇÃO INDUSTRIAL Para DE Fins Industriais BENS DE CAPITAL PARA FINS INDUSTRIAIS VARIAÇÃO % ACUMULADA EM 12 MESES 30.0% 20.0% 10.0% 16.2% 11.7% 22.1% 0.0% -10.0% -2.7% -6.3% -10.1% -20.0% -30.0% -28.1% -40.0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

52 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 jan/14 mai/14 set/14 jan/15 mai/15 set/15 jan/16 mai/16 set/16 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL PARA FINS INDUSTRIAIS Bens de Capital Para Fins Industriais Seriados SERIADOS VARIAÇÃO % ACUMULADA EM 12 MESES 40.0% 30.0% 29.1% 20.0% 17.7% 10.0% 0.0% -1.2% -10.0% -5.4% -7.0% -7.4% -20.0% -30.0% -40.0% -35.1% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

53 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 jan/14 mai/14 set/14 jan/15 mai/15 set/15 jan/16 mai/16 set/16 Bens de Capital Para Fins Industriais Não-Seriados PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL PARA FINS INDUSTRIAIS NÃO SERIADOS VARIAÇÃO % ACUMULADA EM 12 MESES 25.0% 20.0% 17.9% 17.0% 15.0% 10.0% 11.2% 11.9% 5.0% 0.0% 4.9% 0.7% -5.0% -10.0% -7.7% -11.7% -15.0% -17.1% -20.0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

54 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 jan/14 mai/14 set/14 jan/15 mai/15 set/15 jan/16 mai/16 set/16 Bens de Capital Agrícolas PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL AGRÍCOLAS - VARIAÇÃO % ACUMULADA EM 12 MESES 80.0% 60.0% 59.7% 40.0% 38.5% 20.0% 17.5% 15.3% 0.0% 7.6% -20.0% -9.0% -16.7% -40.0% -37.7% -30.6% -60.0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

55 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 jan/14 mai/14 set/14 jan/15 mai/15 set/15 jan/16 mai/16 set/16 Bens de Capital Peças Agrícolas PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL PEÇAS AGRÍCOLAS VARIAÇÃO % ACUMULADA EM 12 MESES 250.0% 232.3% 200.0% 150.0% 100.0% 50.0% 18.0% 30.2% 0.0% -7.2% -50.0% -40.5% % -68.2% -69.0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

56 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 jan/14 mai/14 set/14 jan/15 mai/15 set/15 jan/16 mai/16 set/16 Bens de Capital para Construção PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL PARA CONSTRUÇÃO VARIAÇÃO % ACUMULADA EM 12 MESES 120.0% 100.0% 101.1% 80.0% 60.0% 40.0% 31.9% 20.0% 20.2% 0.0% -20.0% -40.0% 5.0% -23.8% -34.6% -60.0% -51.0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

57 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 jan/14 mai/14 set/14 jan/15 mai/15 set/15 jan/16 mai/16 set/16 Bens de Capital Equipamentos de Transporte PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE VARIAÇÃO % ACUMULADA EM 12 MESES 40.0% 30.0% 31.3% 27.0% 20.0% 15.5% 10.0% 0.0% -10.0% -20.0% -1.6% -9.4% -9.9% -21.2% -30.0% -40.0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

58 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 jan/14 mai/14 set/14 jan/15 mai/15 set/15 jan/16 mai/16 set/16 Bens de Capital PRODUÇÃO INDUSTRIAL de Uso DE Misto BENS DE CAPITAL DE USO MISTO VARIAÇÃO % ACUMULADA EM 12 MESES 30.0% 20.0% 13.5% 18.7% 10.0% 7.2% 0.0% -10.0% -7.6% -20.0% -30.0% -22.4% -26.6% -40.0% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

59 Bens de Capital para o Setor de Energia Elétrica PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BENS DE CAPITAL PARA O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA VARIAÇÃO % ACUMULADA EM 12 MESES set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 jan/14 mai/14 set/14 jan/15 mai/15 set/15 jan/16 mai/16 set/ % 40.0% 40.8% 30.0% 26.7% 20.0% 10.0% 0.0% 13.4% -0.6% 4.4% -10.0% -6.1% -20.0% -17.4% -30.0% -40.0% -32.5% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

60 DEPEC-BRADESCO

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL AGOSTO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL AGOSTO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL AGOSTO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES AGOSTO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES AGOSTO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES AGOSTO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Cenário macroeconômico

Cenário macroeconômico Cenário macroeconômico 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017* TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - Título 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

AUTOPEÇAS NOVEMBRO DE 2016

AUTOPEÇAS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AUTOPEÇAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA AGOSTO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA AGOSTO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA AGOSTO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO DE 2016 FABIANA D ATRI Departamento

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 O objetivo do transporte aéreo é fornecer o serviço de transporte de cargas e passageiros.

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15 abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15-822 -869-928 -761-829 -678-749 -708-748 -537-482 -349 I Resultados Mensal: -31,9% Acum. Ano:

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14 dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14-1.067-914 -822-869 -707-761 -829-928 -678-749 -708-528 I Resultados Mensal: -30,3% Acum.

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%)

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) 1 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 CRESCIMENTO DO PIB

Leia mais

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012 Ministério do Trabalho e Emprego Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. de 2012 1. Resultados do Programa de Microcrédito no 2 de 2012.

Leia mais

TÊXTIL E CONFECÇÕES NOVEMBRO DE 2016

TÊXTIL E CONFECÇÕES NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR. Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 11,5% nos últimos 5 anos, tendo passado de um faturamento Ex Factory, líquido de impostos sobre vendas de R$

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES MAIO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES MAIO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 A CADEIA TÊXTIL É DIVIDIDA EM 3 SEGMENTOS: FIBRAS E FILAMENTOS TÊXTIL CONFECÇÕES 3 FATURAMENTO DA CADEIA

Leia mais

CIMENTO NOVEMBRO DE 2016

CIMENTO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos EMBALAGENS JULHO DE 2014

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos EMBALAGENS JULHO DE 2014 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos EMBALAGENS JULHO DE 2014 PRODUTOS EMBALAGENS SÃO BENS INTERMEDIÁRIOS COM A FINALIDADE DE PROTEGER, CONSERVAR E IDENTIFICAR O PRODUTO, ALÉM DE ATRAIR

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2016

CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SHOPPING CENTER NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15).

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15). 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em jan-jul.15 caíram, em valor (US$), 5,93%, as exportações caíram 8,66%, enquanto a queda do déficit na Balança Comercial foi de 5,38% em

Leia mais

Números da Indústria Gráfica Brasileira

Números da Indústria Gráfica Brasileira Ago/2016 Números da Indústria Gráfica Brasileira Números da Indústria Gráfica Brasileira Jun/2016 INDÚSTRIA GRÁFICA BRASILEIRA Exportação Importação Indústria Gráfica Brasileira em 2015 FOB - US$ 270,4

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUPERMERCADOS NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUPERMERCADOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUPERMERCADOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16 jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16-559 -457-490 -395-386 -404-359 -380-436 -327-226 -113 I Resultados Mensal: -14,22% Acum.

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA JUNHO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA JUNHO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA JUNHO DE 2016 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS 2011 Vendas Internas US$ 25.733 milhões US$ 1.453 milhões 5,6% exportação 13,5% Argentina

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil - 2013 Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Unidade de Negociações Internacionais Confederação Nacional da Indústria -

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

QUÍMICA E PETROQUÍMICA NOVEMBRO DE 2016

QUÍMICA E PETROQUÍMICA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos QUÍMICA E PETROQUÍMICA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO São Paulo, 20 de março de 2016 Fevereiro 2016 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO Em fevereiro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 23,7 bilhões,

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS MAIO DE 2016 PRODUTOS CADEIA DE ELETROELETRÔNICOS Matérias-primas Básicas Aço Motores Componentes Outros insumos

Leia mais

Soluções Belgo Pronto

Soluções Belgo Pronto Aços Longos Soluções Belgo Pronto Corte e Dobra e Armadura Pronta Soldada Belgo Pronto Mais que um serviço de corte e dobra de aço, Belgo Pronto é um conjunto de soluções em aço para a execução da etapa

Leia mais

SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2016

SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PLANTA DE TELEFONIA NO BRASIL 2011 Acessos fixos 14,4% Acessos móveis 85,6% FONTE: ANATEL dez/10 PLANTA

Leia mais

LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2016

LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA 8 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A crise econômico-financeira originada nos Estados Unidos, em 2008, denominada Crise dos Subprime, afetou toda a economia mundial. A atual crise da União Europeia, chamada

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais

Apoio à Inovação. Novembro 2009

Apoio à Inovação. Novembro 2009 Apoio à Inovação Novembro 2009 Agenda O BNDES Inovação Política de Inovação do BNDES Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Prioridades 1950 1960 1970 1980 1990 Infra-estrutura

Leia mais

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, SETEMBRO DE 2011 03 2011 PANORAMA GERAL O crescimento

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre 2016 Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 Avisos Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas

Leia mais

SiSUTEC. 2014/2 (3ª edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

SiSUTEC. 2014/2 (3ª edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica SiSUTEC 2014/2 (3ª edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília, julho de 2014 Pronatec Mais de 7,59 milhões de matrículas realizadas até julho de 2014: 2,16

Leia mais

Departamento Nacional do SENAI

Departamento Nacional do SENAI do SENAI Rede SENAI de Serviços Técnicos e Tecnológicos Sérgio Motta 16 de Agosto de 2011 O que é o SENAI - Criado em 1942 por iniciativa do empresariado do setor industrial; - Maior complexo de educação

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 1 2 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE INFORMÁTICA - 2007 Hardware Software Serviços 38,2% 11,8% 50,0% Computadores Gerenciamento

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

Sondagem Indústria da Construção CNI. 23/maio/2014

Sondagem Indústria da Construção CNI. 23/maio/2014 Sondagem Indústria da Construção CNI 23/maio/2014 Sondagem Indústria da Construção 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção ENIC Confederação Nacional da Indústria Goiânia 23 de maio de 2014 Indicadores

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Release de Resultados 1T de abril de 2016

Release de Resultados 1T de abril de 2016 Release de Resultados 1T16 27 de abril de 2016 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Panorama da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônica e Software. Eugênio E. Staub Abril de 2004

Panorama da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônica e Software. Eugênio E. Staub Abril de 2004 Panorama da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônica e Software Eugênio E. Staub Abril de 2004 Sumário Indústria Eletro-Eletrônica Indústria de Software Conclusão 2 Indústria Eletro-Eletrônica Principais

Leia mais

Instituto SENAI de Tecnologia Ambiental

Instituto SENAI de Tecnologia Ambiental Instituto SENAI de Tecnologia Ambiental Programa SENAI + Competitividade LOCALIZAÇÃO DOS INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (62) DF - Construção AC - Madeira e Mobiliário MT Bio-energia MT - Alimentos e Bebidas

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Setembro/2016

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Setembro/2016 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Setembro/2016 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA O investimento direto estrangeiro e o Brasil Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

Aviação Geral. Óbices ao Desenvolvimento

Aviação Geral. Óbices ao Desenvolvimento Aviação Geral Óbices ao Desenvolvimento A Aviação Civil tem muitos segmentos... ... divididos percentualmente em... 280 aeronaves (1,93%) 96 aeronaves (0,67%) 13.965 aeronaves (97,4%) Evolução Aviação

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

É a produção de bens materiais, além dos agrícolas, por empresas não artesanais. Este termo começou a ser utilizado a partir da 1ª Revolução

É a produção de bens materiais, além dos agrícolas, por empresas não artesanais. Este termo começou a ser utilizado a partir da 1ª Revolução É a produção de bens materiais, além dos agrícolas, por empresas não artesanais. Este termo começou a ser utilizado a partir da 1ª Revolução Industrial, que se iniciou em Inglaterra no século XVIII. Indústria

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Situação atual da indústria química no Brasil e no Mundo: Perspectivas e ameaças

Situação atual da indústria química no Brasil e no Mundo: Perspectivas e ameaças Situação atual da indústria química no Brasil e no Mundo: Perspectivas e ameaças Gabriel Lourenço Gomes Chefe do Departamento de Indústria Química Junho 2011 Julho/2009 Importância da Indústria Química

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003:

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: CONDIÇÕES ADVERSAS DO MERCADO INTERNO LIMITAM A RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL Segundo o IBGE, em novembro, a produção industrial cresceu 0,8% na comparação com o mês outubro,

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES O m ercado de crédito e o papel do B N D ES Demian Fiocca Presidente do BNDES FELABAN 13 DE NOVEMBRO DE 2006 www.bndes.gov.br 1 O CRÉDITO NA AMÉRICA LATINA A relação Crédito/PIB na América Latina é expressivamente

Leia mais

Competitividade com Sustentabilidade

Competitividade com Sustentabilidade Competitividade com Sustentabilidade Status do Programa 1 SETORES PORTADORES DE FUTURO 2 ROTAS ESTRATÉGICAS SETORIAIS 3 MASTERPLAN EM ANDAMENTO EM ANDAMENTO Setores Portadores de Futuro Agroalimentar

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados de 2011 Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular São Paulo, 07 de fevereiro de 2012 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior -

Leia mais

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011 BAHIA Proteção Previdenciária ria - Perfil dos socialmente desprotegidos segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2009 - BRASÍLIA, MAIO DE 2011 1 1. Indicadores de Cobertura Social Cobertura

Leia mais

ALTERAÇÕES NO RICMS/MG

ALTERAÇÕES NO RICMS/MG ALTERAÇÕES NO RICMS/MG Marcelo Jabour Rios Jabour Brandão Alkmin Advogados associados IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS COM O DIFERIMENTO DO ICMS (ITEM 41 DO ANEXO II) Decreto 46.920 28/12/2015 Importação de MP,

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL REUNIÃO APIMEC BH BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DA ABIT PRESIDENTE DA CEDRO TÊXTIL Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais