Reitor. Prof. José Campos de Andrade. Vice-reitora. Prof. Maria Campos de Andrade. Pró-Reitora Financeira. Prof. Lazara Campos de Andrade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reitor. Prof. José Campos de Andrade. Vice-reitora. Prof. Maria Campos de Andrade. Pró-Reitora Financeira. Prof. Lazara Campos de Andrade"

Transcrição

1 1

2 Reitor Prof. José Campos de Andrade Vice-reitora Prof. Maria Campos de Andrade Pró-Reitora Financeira Prof. Lazara Campos de Andrade Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Prof. José Campos de Andrade Filho Pró-Reitora de Planejamento Prof. Alice Campos de Andrade Lima Pró-Reitora de Graduação Prof. Mari Elen Campos de Andrade Pró-Reitor Administrativo Prof. Anderson José Campos de Andrade Comissão Organizadora Prof. Ms. Ana Maria Cordeiro Vogt Prof.Dr. Eduardo Borba Neves Prof. Ms. Gleidson Brandão Oselame Capa Lincon Rodolfo Schindler 2

3 APRESENTAÇÃO Este Caderno de Resumos registra os trabalhos apresentados no XII Seminário de Pesquisa / Seminário de Iniciação Científica do Centro Universitário Campos de Andrade UNIANDRADE. O Evento ocorreu no nesta instituição, nos dias 25, 26 e 27 de novembro de Nesta edição do evento, foram apresentados 242 trabalhos científicos nas áreas das Ciências da Saúde e das Ciências Sociais e Humanas. Mais de 900 participantes entre alunos, professores e convidados puderam desfrutar de três dias de comunicações científicas e da apresentação dos pôsteres. Agradecemos aos alunos, professores e funcionários que trabalhando em conjunto conduziram o evento de maneira brilhante, contribuindo para a construção do conhecimento científico. Professor Dr. Eduardo Borba Neves Coordenador de Pesquisas 3

4 Sumário MEDIDAS PARA MELHOR QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM ARTRITE REUMATÓIDE TRATAMENTO DA CONDROMALÁCEA PATELAR SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO FASCITE PLANTAR LESÃO RAQUIMEDULAR BREVE RELATO DA RABDOMIÓLISE EXERCICIO FÍSICO RESISTIDO: UM FATOR MODIFICADO NA SARCOPENIA EM IDOSOS SÍNDROME DO CANAL DE GUYON POR CISTO SINOVIAL EPICONDILITE MEDIAL, EPITROCLEITE OU COTOVELO DE GOLFISTA LOMBALGIA ARTROSE NA COLUNA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA HIPERLORDOSE LOMBAR DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CAUSAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PREVENÇÃO DA RUPTURA DO MANGUITO ROTADOR DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA TENDINITE OSTEOPOROSE PÓS-MENOPAUSA CONHECIMENTO POPULACIONAL SOBRE A EPICONDILITE LATERAL DO COTOVELO INSTABILIDADE GLENOUMERAL SÍNDROME DO OMBRO DOLOROSO: UMA REVISÃO DE LITERATURA RUPTURA DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR CONTRIBUIÇÕES DA ENFERMAGEM PARA A CIRURGIA SEGURA COMUNICAÇÃO E ACOLHIMENTO NA SALA DE PREVENTIVO O PERFIL ACADÊMICO DE ENFERMAGEM EPIDERMÓLISE BOLHOSA HÉRNIA DE DISCO LOMBAR ASSISTÊNCIA DO ENFERMEIRO FRENTE A EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAL HUMANIZAÇÃO NA ASSISTÊNCIA NO PRÉ-OPRETÓRIO DE CIRURGIA AMBULATORIAL OBESIDADE INFANTIL E OS IMPACTOS À SAÚDE: REVISÃO DE LITERATURA IMPACTO DO AMBIENTE HOSPITALAR COMO RESERVATÓRIO DE MICROORGANISMOS MULTIRRESISTENTES DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM À CRIANÇA PORTADORA DE CARDIOPATIA CONGÊNITA DIFICULDADES ENCONTRADAS POR DEFICIENTES AUDITIVOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE MOTIVADORES DO DESMAME PRECOCE NO BRASIL DISBIOSE INTESTINAL EM PROFISISONAIS DE SAÚDE PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS FRENTE AO USO DA ESCALA NIH EM UNIDADE DE URGENCIA E EMERGENCIA, UMA REALIDADE? TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR NA ADOLESCÊNCIA

5 VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA OSTEOGÊNESE IMPERFEITA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROMOÇÃO INFANTO-JUVENIL - HIGIENE BUCAL: RIR E EDUCAR SAUDÁVEL ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTES QUEIMADOS FATORES QUE LEVAM AO DESMAME PRECOCE COMPLICAÇÕES DE MAIORES INCIDÊNCIAS EM PUÉRPERAS QUE PREJUDICAM A AMAMENTAÇÃO EM REDE PÚBLICA E PRIVADA ORIENTAÇÃO DE ENFERMAGEM NA ALTA HOSPITALAR DIFERENÇAS ANATOMOFISIOLOGICAS DO APARELHO URINÁRIO FEMININO E MASCULINO ESCALAS UTILIZADAS PARA AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA EM PACIENTES GRAVES CAUSAS E CONSEQUENCIAS DA AUTOAGRESSÃO E SUÍCIDIO EM ADOLESCENTES MUSICOTERAPIA VOLTADA À PACIENTES DE TERCEIRA IDADE EM UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO (UTI) VALIAÇÃO DA CULTURA DE SEGURANÇA EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO ESCOLAR COM CRIANÇAS AUTISTAS CUIDADOS PALIATIVOS EM PEDIATRIA: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM O PAPEL DO ENFERMEIRO COMO AGENTE TERAPÊUTICO NA SAÚDE MENTAL RABDOMIÓLISE POR EXCESSO DE ATIVIDADE FISÍCA: REVISÃO SISTEMÁTICA CARACTERIZAÇÃO DE GESTANTES EM ATENDIMENTO PRÉ-NATAL DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 64 FATORES QUE LEVAM À DESCOMPENSAÇÃO DA D. M. EM UM GRUPO DE PESSOAS DEPRESSÃO E ANSIEDADE EM CRIANÇAS OBESAS: UMA REVISÃO DA LITERATURA A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO FRENTE Á EDUCAÇÃO EM SAÚDE DO AGENTE COMUNITÁRIO CARACTERIZAÇÃO DE GESTANTE COM DIABETES MELLITUS GESTACIONAL VINCULADAS A UNIDADE BASICA DE SAÚDE OS PERFUROCORTANTES E OS ACIDENTES, UMA PERCEPÇÃO DA ENFERMAGEM DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL: PROPOSTA ESCALA PERROCA RISCOS NA INSERÇÃO DO CATETER CENTRAL PERIFÉRICO (PICC) NA NEONATOLOGIA CUIDADOS EM ENFERMAGEM O PORTADOR DE HANSENIASE E O AUTOCUIDADO APOIADO REVISÃO DE LITERATURA CARACTERIZAÇÃO DE GESTANTES EM ATENDIMENTO PRÉ-NATAL DE UMA UNIDADE BASICA DE SAÚDE 73 ADESÃO DO EXAME COLPOCITOPATOLÓGICO EM FUNCIONÁRIAS FEDERAIS DE CURITIBA ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM SOBRE ALEITAMENTO MATERNO ENFERMEIRO COMO AGENTE PRECEPTOR NA ADESÃO AO EXAME DE COLPOCITOLOGIA ONCÓTICA VISÃO DOS ENFERMEIROS E USUÁRIOS FRENTE À VACINA DO HPV PLANEJAMENTO DA ASSISTÊNCIA: O CASO DA ANOTAÇÃO EM ENFERMAGEM O PERFIL DO ENFERMEIRO ATUANTE NO SERVIÇO MÓVEL DE URGÊNCIA DE CURITIBA PERCEPÇÃO DOS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE O TESTE BIOLÓGICO

6 EDUCAÇÃO PERMANENTE DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE FRENTE AO PLANO GERENCIAMENTO RESÍDUOS SERVIÇOS DE SAÚDE PERCEPÇÕES DE ADOLESCENTES SOBRE SEXUALIDADE, PREVENÇÃO DE DST E GRAVIDEZ INDESEJADA DIÁLISE PERITONEAL: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO AOS PACIENTES EM TRATAMENTO DIALÍTICO DOMICILIAR O PAPEL DO ENFERMEIRO NO CUIDADO COM CUIDADOS A FÍSTULA ARTERIOVENOSA EM PACIENTE EM HEMODIALISE O CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE AS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES EM UNIDADES DE INTERNAÇÃO: ANÁLISE DAS AÇÕES DE ENFERMAGEM SEGURANÇA PARA PACIENTES NA TERAPIA MEDICAMENTOSA O INFARTADO E A EQUIPE DE ENFERMAGEM: UMA IDENTIFICAÇÃO DE CUIDADOS NECESSÁRIOS NA UTI ASPECTOS DA SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NA MICRO E PEQUENA EMPRESA QUALIDADE E HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO EM UNIDADE HOSPITALAR DA SOB A ÓTICA DOS USUARIOS ENFERMAGEM GERIÁTRICA COM ÊNFASE NA ATIVIDADE TERAPÊUTICA, DANÇA SÊNIOR, EM PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON TUBERCULOSE PRÁTICAS INTEGRATIVAS COMPLEMENTARES DISPONIBILIDADE NO ATENDIMENTO PÚBLICO DE SAÚDE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM ADOLESCENTES A INCIDENCIA DE ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS E O PAPEL DO ENFERMEIRO NO PRIMEIRO ATEDIMENTO COLONOSCOPIA: ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM CPRE: COLANGIOPANCREATOGRAFIA RETRÓGRADA ENDOSCÓPICA HEMOGRAMA: ORIENTAÇÕES AO CLIENTE INTOXICAÇÃO POR GASES: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM AS INGESTÕES DE SUBSTANCIAS QUIMICAS ASSOCIADO AO PAPEL DO ENFERMEIRO NO ATENDIMENTO DE EMERGENCIA O PAPEL DO ENFERMEIRO NO PRIMEIRO ATENDIMENTO DE ACIDENTES COM PLANTAS TÓXICAS E MEDIDAS DE PREVENÇÃO RAIO-X CONTRASTADO: A ENFERMAGEM NA DETECÇÃO DE COMPLICAÇÕES A INCLUSÃO DOS IDOSOS NA TECNOLOGIA DIGITAL HUMANIZAÇÃO AO RECEM NASCIDO PREMATURO EM UTI NEONATAL A PREVENÇÃO DO CANCER GINECOLÓGICO ENTRE AS ACADÊMICAS DE ENFERMAGEM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL OS FATORES ESTRESSORES NOS PROFISIONAIS DE ENFERMAGEM TRIAGEM NEONATAL INTOXICAÇÃO ALIMENTAR: EXAME FÍSICO E CONDUTA DE ENFERMAGEM INTOXICAÇÃO POR GASES, RISCOS, E ABORDAGEM DA ENFERMAGEM ENFERMAGEM FRENTE AO USO DO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO: RISCOS E BENEFÍCIOS AS DIFICULDADES DO ENFERMEIRO FRENTE À SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA A ENFERMAGEM

7 ERROS DE MEDICAÇÃO: ERROS DE PRESCRIÇÃO MÉDICA ESTRUTURAÇÃO DE UMA FARMÁCIA NO CONTEXTO DA BIOSSEGURANÇA USO DA DIPIRONA SÓDICA E SUAS ASSOCIAÇÕES NA CIDADE DE RIO BRANCO DO SUL - PR LEVANTAMENTO DAS PRINCIPAIS DESIGNER DRUGS DERIVADAS DE ANFETAMINAS ENCONTRADAS EM COMPRIMIDOS ANALISADOS NO INSTITUTO DE CRIMINALÍSTICA DO PARANÁ ESCHERICHIA COLI: INDICADOR DE CONTAMINAÇÃO FECAL EM ÁGUAS DE CONSUMO HUMANO INCOMPATIBILIDADE MEDICAMENTOSA: O QUE VOCÊ SABE SOBRE ISSO? DOENÇA RENAL CRÔNICA: COMUM, SILENCIOSA, MAS PREVENÍVEL ANTIBIOTICOPROFILAXIA CIRÚRGICA: A IMPORTÂNCIA DO USO RACIONAL MODULAÇÃO HORMONAL BIOIDÊNTICA: TERAPIA INDIVIDUALIZADA QUE BUSCA O EQUILÍBRIO DOS NÍVEIS HORMONAIS INSULINOTERAPIA PARA O TRATAMENTO DE DIABETES MELLITUS ÁGUA MINERAL: O MELHOR MEDICAMENTO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DE MEDICAMENTOS EM PROCESSOS LICITATÓRIOS MEDICAMENTO FRACIONADO: BENEFÍCIOS, DESAFIOS DO ACESSO, PAPEL AMBIENTAL E PERCEPÇÃO DO USUÁRIO ANÁLISE DOS PRINCIPAIS ADULTERANTES ENCONTRADOS EM AMOSTRAS DE COCAÍNA APREENDIDAS NO ESTADO DO PARANÁ A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NA GESTÃO DE ESTOQUES DE MEDICAMENTOS E MATERIAS MÉDICO-HOSPITALARES EM UM CENTRO CIRÚRGICO NEW DELHI METALLOBETALACTAMASE: UM NOVO E POTENTE TIPO DE RESISTÊNCIA BACTERIANA ANÁLISE DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SAÚDE EM TRÊS CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS DE CURITIBA-PR, PARANÁ; AÇÃO MULTIDISCIPLINAR E INTEGRADA COM O FARMACÊUTICO INDICAÇÕES DE USO ATUAIS E ASPECTOS REGULATÓRIOS DA PRESCRIÇAO E DISPENSAÇAO DA TALIDOMIDA NO BRASIL TOXOPLASMOSE UMA DOENÇA NEGLIGENCIADA PELAS AUTORIDADES E POUCO CONHECIDA PELA POPULAÇÃO. LEVANTAMENTO DE CASOS E ÓBITOS ENTRE 2000 E 2014 NO ESTADO DO PARANÁ REAÇÕES ADVERSAS DOS ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS (AINES) NA LACTAÇÃO HPV NO CONTEXTO DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E VACINA PROFILÁTICA DIABETES MELLITUS GESTACIONAL: FISIOPATOLOGIA, EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO USO DE PRODUTOS DE ORIGEM NATURAL NA GRAVIDEZ IMPORTÂNCIA DO GERADOR DE ALTA FREQUÊNCIA COMO AUXILIAR NA LIMPEZA DE PELE AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE RESIDUAL DA ESTERILIZAÇÃO POR ÓXIDO DE ETILENO EM BOLSA DE SOLUÇÃO FISIOLÓGICA ISOTÔNICA ANÁLISE DAS CAUSAS E TRATAMENTOS DA FLACIDEZ DO TRÍCEPS TRATAMENTOS E PREVENÇÕES DAS LINHAS DE EXPRESSÃO DO MÚSCULO ORBICULAR DOS OLHOS SULCO NASOGENIANO A APLICAÇÃO DA ESTÉTICA PARA A FLACIDEZ MUSCULAR DOS GLÚTEOS A INFLUÊNCIA DO RETO ABDOMINAL EM NOSSO CORPO AGENTES PATOGÊNICOS ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A TEORIA EVOLUCIONISTA E A TEORIA CRIACIONISTA

8 ARACNÍDEOS: A EVOLUÇÃO ARTRÓPODES PRIMITIVOS E SUA EVOLUÇÃO CARACTERÍSTICAS GERAIS DA APIS MELLIFERA CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS ANÊMONAS DO MAR CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS PLATELMINTOS E CESTÓIDES PARASITAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E EVOLUÇÃOS DOS CORAIS ECOLOGIA E EVOLUÇÃO DOS ESCORPIÕES EVOLUÇÃO E ADAPTAÇÃO DOS ARTRÓPODES EVOLUÇÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS ARACNÍDEOS EVOLUÇÃO E CARACTERÍTICAS GERAIS DOS EQUINODERMOS FISIOTERAPIA NA INDUSTRIALIZAÇÃO ESCLEROSE MÚLTIPLA ELETROTERAPIA E A BIOFÍSICA FISIOTERAPIA NA ANTIGUIDADE ESCLEROSE MÚLTIPLA: CONSEQUÊNCIAS E SINTOMAS BIOFÍSICA APLICADA A ELETROTERAPIA INFLUÊNCIA DA FISIOTERAPIA NA DISFUNÇÃO DO TIBIAL POSTERIOR: ESTUDO DE CASO AMIOTROFIA ESPINHAL PROGRESSIVA BIOLOGIA CELULAR NA ESCLEROSE MÚLTIPLA BIOFÍSICA APLICADA À ELETROTERAPIA ENVELHECIMENTO FACIAL PRECOCE E TABAGISMO: REVISÃO LITERÁRIA EFEITOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA CRÔNICA REVISÃO LITERÁRIA DISTROFIA MUSCULAR DE DUCHENE PRODUÇÃO CIENTIFICA NA ÁREA DA ANATOMIA HUMANA DISTROFIA MUSCULAR DE DUCHENNE PARALISIA CEREBRAL E HIDROTERAPIA: REVISÃO DA LITERATURA BIOLOGIA CELULAR NA ESCLEROSE MÚLTIPLA O QUE É A ESCLEROSE MULTIPLA E O QUE A DOENÇA CAUSA ESCLEROSE MÚLTIPLA APLICADA À FISIOTERAPIA ESCLEROSE MÚLTIPLA (EM): SINTOMAS E CONSEQUÊNCIAS FISIOTERAPIA NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL A ORIGEM DA FISIOTERAPIA NO BRASIL HIDROTERAPIA NA DISTROFIA MUSCULAR DE DUCHENNE A INFLUÊNCIA DATERAPIA NEUROMOTORA INTENSIVA EM UMA PACIENTE PORTADORA DE ENCEFALOPATIA CRÔNICA NÃO PROGRESSIVA DA INFÂNCIA DO TIPO QUADRIPLEGIA ESPÁSTICA: ESTUDO DE CASO A INCIDÊNCIA DE LINFEDEMA COMO COMPLICAÇÃO FÍSICO-FUNCIONAL EM PACIENTES COM LINFONODO SENTINELA NEGATIVO SUBMETIDAS A QUADRANTECTOMIA E RADIOTERAPIA OS EFEITOS TERAPEUTICOS DO ALONGAMENTO MUSCULAR PARA ALIVIO DA DOR EM PROFISSIONAIS MANICURES COM DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO

9 AVALIAÇÃO SENSORIAL DOS PÉS DE DIABÉTICOS TIPO REALIBITAÇÃO ORO FACIAL EM PÓS OPERATÓRIO DE CIRURGIA ORTOGNÁTICA EXERCÍCIOS PROPRIOCEPTIVOS EM IDOSOS PARA PREVENÇÃO DE QUEDAS ANALISE DE LESÕES DE ATLETAS DE ALTO RENDIMENTO DE TAEKWONDO EM COMPETIÇÕES DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL PÓS MASTECTOMIA: REVISÃO LITERÁRIA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA SINDROME DE DOWN ESCLEROSE MÚLTIPLA SÍNDROME MIASTÊNICA DE LAMBER - EATON A FISIOTERAPIA NO PERÍODO DO RENASCIMENTO LESÕES E TRAUMAS MUSCULOESQUELÉTICOS EM FISIOTERAPEUTAS A ELETROTERAPIA NA BIOFÍSICA DIGITAL INCLUSION IN THE THIRD AGE AND ITS IMPACTS THE INTERNET IMPACT ON TEENAGERS LIFE SECURITY AND PRIVACYCHALLENGES IN CLOUDCOMPUTING ENVIRONMENTS NEWS TECHNOLOGIES INFLUENCE THE PHYSICAL ACTIVITY LEVEL CENSORSHIP ON THE INTERNET FOR CHILDREN UNDER 18 YEARS RELACIONAMENTO DOS CONJUNTOS DE DIAGRAMAS ESTRUTURAIS E COMPORTAMENTAIS DA UML. 195 A COMUNICAÇÃO NA GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE REDE LAN ATENDENDO PMES A DIMENSÃO TOPOGRÁFICA DO INCONSCIENTE SEGUNDO FREUD COMPARAÇÃO ENTRE OS MODELOS HISTÓRICOS DA NEUROPSICOLOGIA E OS MODELOS ATUAIS NEUROPSICOLOGIA DAS PSICOSES O TRANSTORNO BIPOLAR (TB) COMPARAÇÃO DE FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO DE QI E PERSONALIDADE NO ADULTO E NA CRIANÇA REFLEXÕES SOBRE A NEUROPSICOLOGIA DA ESQUIZOFRENIA CASAMENTO E O CONCEITO PSICANALÍTICO DA TRANSFERÊNCIA "EGOBOOK'' DA SOCIEDADE VIRTUAL NEUROPSICOLOGIA DO TRANSTORNO BIPOLAR DE INICIO NA INFÂNCIA ASPECTOS DA NEUROPSICOLOGIA NO DIAGNÓSTICO DO TRANSTORNO BIPOLAR A APRENDIZAGEM E AS INTERFERÊNCIAS COGNITIVAS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM TRANSTORNO BIPOLAR RELEVÂNCIAS NO DIAGNÓSTICO DE TDAH E TB NA INFÂNCIA SOB OS ASPECTOS DA NEUROPSICOLOGIA PASSOS NA REABILITAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO NEUROPSICOLOGIA DAS PSICOSES CORRELAÇÃO ENTRE NEUROPSICOLOGIA DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS E AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DAS FUNÇÕES ESTIMULAÇÃO PRECOCE NA SÍNDROME DE EDWARDS: UMA PRÁTICA DA PSICOLOGIA TERCEIRA IDADE: IDOSO OU VELHO?

10 NEUROPSICOLOGIA DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS E DA ATENÇÃO PROPOSIÇÃO DE PROCEDIMENTO DE AUTO AVALIAÇÃO DO HUMOR EM DEPENDENTES QUIMICOS EM TRATAMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE LAVAR AS MÃOS CORRETAMENTE COMO MEIO DE PREVENIR PROBLEMAS DE SAÚDE PARA CRIANÇAS EM IDADE ESCOLAR LEITURA DE CIFRAS E SUA APLICAÇÃO NO VIOLÃO ANÁLISE COMPORTAMENTAL: TRANSTORNO DE APEGO REATIVO CARACTERÍSTICAS DA ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO SOCIAL COMUNITÁRIA ANÁLISE FUNCIONAL DO TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO UM ESTUDO SOBRE A PSICOLOGIA EDUCACIONAL CARACTERÍSTICAS DA ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA PSICOLOGIA JURÍDICA AVALIAR A AUTOESTIMA DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS COMPORTAMENTO SEXUAL NA ADOLESCÊNCIA UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES PSICOLOGIA DAS EMERGÊNCIAS E DOS DESASTRES PSICOLOGIA DO ESPORTE PSICOLOGIA DO TRÂNSITO ANÁLISE DA PSICOLOGIA HOSPITALAR DESDE SEU SURGIMENTO ATÉ O CONTEXTO ATUAL O PSICÓLOGO NA DOCÊNCIA PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL TRABALHO DOMÉSTICO: DA SENZALA AO SÉCULO XXI, A LUTA E EVOLUÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS A IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA IDENTIFICAÇÃO E RETENÇÃO DE TALENTOS O IMPACTO DO TREINAMENTO NO TRABALHO A EDUCAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DA MORALIDADE E NA FORMAÇÃO DA ÉTICA FATORES QUE INFLUENCIAM A MUDANÇA DE EMPREGO ASSÉDIO MORAL O GRANDE MAL DAS ORGANIZAÇÕES PLANO DIRETOR CICLOVIÁRIO DE CURITIBA: DIMINUIÇÃO OU REFORÇO DAS CONTRADIÇÕES DO ESPAÇO URBANO? RELAÇÕES ENTRE LITERATURA, FICÇÃO, E PESQUISA HISTÓRICA EM BOCA DO INFERNO DE ANA MIRANDA EDUCAÇÃO NO OCIDENTE MEDIEVAL O PARAÍSO NA TERRA: A BUSCA PORTUGUESA PELO REINO MÍTICO DO PRESTE JOÃO NO REINADO DE DOM JOÃO II ( ) A REPRESENTAÇÃO DO EXÉRCITO EGÍPCIO DURANTE O REINO NOVO (1550 A.C 1070 A.C) POR MEIO DA ICONOGRAFIA O PAPEL DA MONITORIA EM ESPAÇOS DE PRESERVAÇÃO E EXPOSIÇÃO DA CULTURA A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO PARA O APRIMORAMENTO DO OFÍCIO DO HISTORIADOR O ESTÁGIO E A EXPERIÊNCIA DO ESTUDANTE DE HISTÓRIA EM BIBLIOTECAS PATRIMÔNIO EXPRESSO PELA ARQUITETURA E PELA ARTE NAS RUAS QUE CARREGAM UM GRANDE CONTEXTO HISTÓRICO

11 A MATEMÁTICA E OS JOGOS A TRANSIÇÃO DEMOGRAFICA A SUAS INTERAÇÕES SOCIOECONOMICA COM A DINÂMICA ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE O PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO EXPANSÃO URBANA E POPULACIONAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA A DINÂMICA POPULACIONAL DE BELÉM UMA METROPOLE NA AMAZONIA A EXPANSÃO GEOECONÔMICA E POPULACIONAL DE RECIFE DE A DINÂMICA PRODUTIVA DO ESPAÇO MINEIRO: O CASO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ENSINO E APRENDIZAGEM: RECURSOS E ESTRATÉGIAS PARA INTERVENÇÃO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

12 Ciências Da Saúde MEDIDAS PARA MELHOR QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM ARTRITE REUMATÓIDE Adriana Fernandes Auer Ricardo Augusto Leoni De Sousa Introdução: A artrite reumatóide (AR) é uma doença inflamatória crônica, auto-imune, caracterizada por poliartrite periférica, que gera inflamação articular e destruição das articulações por erosão da cartilagem e do osso. Seus sintomas são rigidez matinal, diminuição do apetite, cansaço, perda de peso, inchaço nas juntas, febre baixa e deformidades com a evolução da doença. Sua maior incidência é em mulheres e aumenta com o avançar da idade. Objetivo: Identificar como melhorar a qualidade de vida em pacientes com artrite reumatoide, isto inclui, alivio sintomático da dor, melhoria da capacidade funcional, emocional, social e espiritual. Método: O método utilizado foi uma revisão bibliográfica realizada com base de dados do Google acadêmico e Scielo. Resultados: A pesquisa sobre qualidade de vida, pós diagnosticada AR, com exames laboratoriais e radiológicos, com associação de sinais e sintomas, subentende-se que por se tratar de uma doença crônica, seu tratamento se faz através de medidas sintomáticas para alívio da dor, medicamentos para reduzir a inflamação nas articulações e prevenir o dano articular, terapia ocupacional e fisioterapia. Conclusão: Medidas para aliviar a dor, tratamento adequado e fisioterapia, ajudam a melhorar a qualidade de vida em pacientes com artrite reumatoide. Palavras-chave: Artrite reumatóide, dor, qualidade de vida. 12

13 TRATAMENTO DA CONDROMALÁCEA PATELAR Eliane Maria Sauer Bernardidene Ricardo Augusto Leoni De Sousa Introdução: Condromalácia patelar é também conhecida como Síndrome da dor paleto femoral ou joelho de corda é uma patologia degenerativa da cartilagem articular da superfície posterior dos côndilos e patela. Comum nos jogadores, ciclista e corredores. Objetivo: Identificar práticas no tratamento da condromalácea patelar que tenham resultados efetivos. Método: Foi realizada uma revisão de literatura buscando informações sobre o diagnóstico e tratamento da condromalácea patelar para uma melhor qualidade de locomoção do paciente. Resultados: A condromalácea patelar pode ocorrer em quatro níveis: adormecimento da cartilagem e edema; fragmentação da cartilagem ou rachaduras com diâmetro inferior a 1,3 cm; fragmentação ou rachaduras com diâmetro superior a 1,3 cm; erosão ou perda total da cartilagem articulação. Um diagnóstico pode ser obtido através da ressonância magnética. O tratamento não cura e sim proporciona uma estabilização visto que o processo de cicatrização não recupera o tecido lesionado. Alguns medicamentos como os chamados condoforotetores, composto de sulfato de glicosamina/ condoritina e outras substancias, conseguem agir como protetores da cartilagem existente sem no entanto atuar nas áreas lesionadas. O colágeno tipo 2 em uso com demais substancias vem sendo utilizado e apresenta resultados no controle da dor e melhorando a função da articulação. Um outro recurso muito usado é o Hialuronato de sódio que consiste em infiltrações em sequencias com o objetivo de promover a lubrificação e nutrição intra-articular e proporcionar uma vitalidade e um movimento paleto-femoral melhor. Em alguns casos de maior gravidade pode-se optar pela artroscopia. Conclusão: Não existe um tratamento que efetivamente elimine suas consequências, mas, tão somente, estabilizam as lesões. Um diagnóstico médico feito por especialistas pode poupar o paciente de um tratamento mais radical, proporcionando e ele uma melhor qualidade de vida. Palavras-chave: condromalácea patelar, joelho, dor, tratamento. 13

14 SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO Everson Malek dos Santos Ricardo Augusto Leoni De Sousa Introdução: Ao longo do tempo o ser humano vem construindo e modernizando tudo o que está a sua volta. As mãos são instrumentos indispensáveis para essa evolução, porém está sujeita a lesões que podem originar uma incapacidade funcional. Dentre as lesões que podem ocorrer nos membros superiores está a Síndrome do Túnel do Carpo (STC). É uma neuropatia que ocorre em maior incidência devido a compressão do nervo mediano, dificultando ou impossibilitando movimentos manuais indispensáveis para o nosso cotidiano. Atingindo assim cerca de 1 % da população em geral, predominando em mulheres na faixa etária dos 40 aos 60 anos. Objetivo: O objetivo deste estudo foi identificar as principais causas que levam a neuropatogênia da STC. Método: Os métodos utilizados para a elaboração dessa pesquisa foram revisões bibliográficas baseadas em artigos científicos da base de dados Scielo. Resultados: Os resultados indicaram que a STC pode ser considerada, além de um agravo na saúde, como também um problema social. Interfere no dia a dia do indivíduo como fator negativo em sua vida profissional, uma vez que terá maior dificuldade de realização das suas atividades sociais, podendo afetar ainda seus vínculos familiares. A má qualidade de vida pode ser agravada. Conclusão: O excesso de trabalho, má postura e má qualidade de vida contribuem para o desenvolvimento de diversas enfermidades, entre elas, a STC promovendo uma necessidade de intervenções e procedimentos médicos. Palavras-chave: síndrome do túnel do carpo, neuropatia, qualidade de vida. 14

15 FASCITE PLANTAR Janaína Leite Ricardo Augusto Leoni De Sousa Introdução: A planta do pé tem importância na sustentação e locomoção do corpo humano. A fascite plantar pode ser causada por danos na mesma. Objetivo: Avaliar as causas que influenciam no alinhamento postural ocasionados pela fascite plantar. Método: Foi realizada uma revisão em trabalhos sobre a deformidade nos pés. Resultados: Observou-se que as principais lesões causadas na planta do pé são pelo uso de calçados inadequados. Por isso, a importância de um desenvolvimento e uso de palmilhas para a correção ou prevenção dessas lesões, fato este que passa despercebida pelos usuários e fabricantes. Deve-se identificar o calçado certo para cada tipo e pé. Conclusão: Deve existir um maior cuidado e escolher um calçado compatível com o formato do pé de cada indivíduo, facilitando a sustentação e locomoção do mesmo. Palavras-chave: fascite plantar, corpo humano, movimento. 15

16 LESÃO RAQUIMEDULAR Patricia Bocnhia Ricardo Augusto Leoni de Sousa Introdução: Quando a medula espinhal é danificada por resultado de um trauma haverá alteração na sensibilidade e na função motora, dependendo da extensão e da localização da lesão, isto é o que chamamos de lesão medular. Pode-se identificar o comprometimento da lesão dependendo do nível atingido. O que determina o nível de uma lesão não é o nível da fratura, mas o nível do comprometimento neurológico. Quanto mais alta a lesão, maior a perda, quanto mais baixa mais movimentos e sensibilidade preservados. Objetivo: Identificar as características principais da lesão medular. Método: Os métodos utilizados para a elaboração dessa pesquisa foram revisões bibliográficas baseadas em artigos científicos de base de dados SCIELO, GOOGLE ACADÊMICO, LILACS. Resultados: Atinge preferencialmente homens, sendo casos ao ano e com faixa etária variando de 15 a 40 anos. O custo aos cofres públicos é alto, chegando a 300 milhões de dólares ao ano em países como os Estados Unidos. As causas principais: acidentes automobilísticos 45%; queda altura/mergulho 20%; acidentes esportivos 15% e outros 5% nos demais. Pacientes acidentados, suspeitos de fraturas de coluna e lesão raquimedular devem ser imobilizados onde a coluna esteja em posição neutra. Metade das lesões ocorre na coluna cervical, 1/6 na região toráxica e 1/3 na lombosacra. Conclusão: O atendimento inicial será determinante para o processo de reabilitação. Palavras- chave: Lesão medular, medula espinhal, tratamento. 16

17 BREVE RELATO DA RABDOMIÓLISE Wellington César Peres Ricardo Augusto Leoni De Sousa Introdução: A rabdomiólise é uma síndrome comum e muitas vezes de etiologia multifatorial. Normalmente ocorre em indivíduos saudáveis como consequência de traumatismos, crises convulsivas, excesso de atividades físicas, infecções ou consumo de álcool e outras drogas. Objetivo: Identificar as causas da rabdomiólise, sua evolução nos pacientes, seu diagnostico e tratamento. Método: Foi realizada revisão bibliográfica nas bases de dados do Google e Google acadêmico. Resultados: A rabdomiólise leva a lesão das células musculares, ocorrendo o extravasamento do seu conteúdo. A acumulação de cálcio intracelular, ativação de proteases e lipases, a síntese de radicais livres são alguns dos processos que causam a necrose muscular. Dois fatores ocorrem para ocorrer a evolução para insuficiência renal aguda (IRA) mioglobinúrica: a liberação da proteína mioglobina na corrente sanguínea pelo tecido muscular esquelético, associada a um quadro de hipovolemia com redução da perfusão renal. Suas principais complicações são as alterações eletrolíticas (hipocalcemia, hipercalemia e acidose metabólica), agravadas ou não pela IRA. Seu diagnostico é realizado via laboratorial e assenta na determinação de creatina-fosfoquinase e presença de mioglobinúria. A sua terapia envolve a remoção dos fatores precipitantes, o tratamento das complicações das alterações bioquímicas, visando à prevenção e o tratamento da insuficiência renal aguda, quando indicada opta-se pela terapêutica substitutiva da função renal. Conclusão: A rabdomiólise é uma síndrome que pode atingir qualquer pessoa saudável e suas complicações podem evoluir para o óbito. Um diagnóstico certo e precoce é essencial para um tratamento rápido e sobrevida dos pacientes. Palavras-chave: rabdomiólise; mioglobina; mioglobinúria. 17

18 EXERCICIO FÍSICO RESISTIDO: UM FATOR MODIFICADO NA SARCOPENIA EM IDOSOS Carla Tamara Nunes Ricardo Augusto Leoni De Sousa Introdução: Até 2050 no mundo todo haverá cerca dois bilhões de idosos, sendo que 80% desses idosos estarão localizados nos países em processo de desenvolvimento. Foram verificadas mudanças qualitativas e quantitativas nessa população nos aspectos físicos e cognitivos. A redução de massa muscular em idosos, chamada sarcopenia, é um exemplo de uma mudança quantitativa, pois a perca que ocorre é de 1% da massa muscular em idosos ao ano a partir da quarta década de vida, mas podendo ser acentuada com avanço da idade (maior em ocorrência em adultos maiores que 65 anos). Com isso diversos fatores podem interferir na sarcopenia, o exercício físico resistido sendo um deles. Objetivo: O objetivo foi realizar uma revisão dos estudos para verificar o fator modificável da sarcopenia em idosos, suas causas e seus tratamentos. Método: Os métodos utilizados foi uma revisão bibliográfica realizada nas bases de dados do Scielo, Google e Google acadêmico. Resultados: Os resultados mostraram que a reversão da Sarcopenia pode haver quando os idosos são submentidos a pratica de exercícios físicos resistidos com o aumento da massa muscular. O inverso é verdadeiro também, se o treinamento que está sendo submetido for suspenso ocorre a regressão desta e a elevação da penetração do tecido adiposo na fibra muscular. A sarcopenia pode contribuir com o aumento de quedas em idosos, pois a redução da força vem ocasionada pela perca de massa muscular, e assim favorecendo o desequilíbrio no idoso. Conclusão: O exercício físico resistido ajuda na reversão da sarcopenia. Palavras-chave: Sarcopenia, envelhecimento, exercício físico. 18

19 SÍNDROME DO CANAL DE GUYON POR CISTO SINOVIAL Danielle De Oliveira Ricardo Augusto Leoni De Sousa Introdução: Síndrome do canal de Guyon por cisto sinoavial é a compressão do nervo ulnar causada por cisto sinovial. Os principais sintomas são déficit de força muscular, deformação da mão, e parestesia. Objetivo: Avaliar os procedimentos utilizados para a investigação das causas dos sintomas descritos. Metodologia: Para o desenvolvimento da pesquisa deste estudo foram utilizados o Google, o Google acadêmico e Scielo com as seguintes descrições: cistos sinoviais, causas e tratamento, cistos sinoviais do punho. Foram obtidos resultados onde foram utilizados os mais relevantes de acordo ao objetivo proposto. Resultados: Exames radiográficos e eletroneuromiografia são usados para diagnóstico da diminuição na velocidade de condução no nervo ulnar do punho, bem como submissão a exploração cirúrgica por incisão zigue-zague, normalmente, apresentando sinais positivos pós-cirúrgicos, com o alivio significativo das dores e melhoria da sensibilidade, a reversão da atrofia muscular. Muitos fatores são relacionados com a causalidade da compressão do canal de Guyon, promovendo aumento da pressão e retardando os estímulos, podemos dividir em três tipos: (tipo I) compressão com déficit sensitivo; (tipo II) compressão isolado do ramo profundo; (tipo III) compressão isolada do ramo superficial. Conclusão: O quadro clinico é variável e o diagnóstico é bem detalhado com exames adequados a detecção do problema. A ressonância magnética e a ultrassonografia auxiliam na localização do cisto e a eletroneuromiografia localiza a compressão. O procedimento cirúrgico é o tratamento que faz a descompressão do nervo, destaca-se de grande importância o diagnostico precoce, pois trás como benefícios melhores resultados pós-cirúrgicos evitando assim perda da sensibilidade permanente, atrofia muscular e paralisia motora. Palavras-chave: cisto sinovial, canal de guyon, força muscular. 19

20 EPICONDILITE MEDIAL, EPITROCLEITE OU COTOVELO DE GOLFISTA Fabio Silveira Oliveira Ricardo Augusto Leoni De Sousa Introdução: A Epicondilite Medial chamada também de "Cotovelo do Golfista", gera contração dos músculos e tendões do cotovelo podendo gerar inflamação local. Muitas outras atividades repetitivas podem gerar Epicondilite: pintar, serrar e outras atividades manuais. Qualquer atividade que gera estresse repetitivo nos músculos do antebraço pode gerar esta patologia. Objetivo: Avaliar e discutir, através de revisão bibliográfica, as possíveis causas de Epicondilite Medial em trabalhadores e desportistas. Metodologia: Trata-se de um estudo qualitativo bibliográfico com o objetivo de apresentar os estudos e as diferentes correntes já desenvolvidas pelos estudiosos relacionados ao tema. Contribuindo para o processo de síntese e análise dos resultados e discussões de vários estudos, criando assim um corpo de literatura compreensível. O levantamento bibliográfico propriamente dito foi realizado através de sites SCILO, LILACS e BIREME, utilizado as palavras-chave como, cotovelo de golfista, epitrocleíte, epicondilite medial. Foi também efetuado, um levantamento manual de capítulos textos de livros e periódicos nas bibliotecas das universidades localizadas na cidade de Curitiba PR. Os livros, periódicos e artigos científicos foram adotados a partir do ano de 2000 progredindo até o ano de 2014 e que estivessem relacionados ao tema. Resultados: Dos referencias utilizado nesta pesquisa, podemos verificar que na revisão de livros, artigos de revistas, publicações eletrônicas, encontramos 5% de causas relacionadas à atividade física e 95% sobre causas de Lesão de esforço repetitivo (LER) no trabalho. Conclusão: Desta forma, podemos verificar que as causas da Epicondilite Medial, acometem em desportistas, porem sua maior incidência se dá em trabalhadores. Palavras-chave: Epicondilite Medial, atividades repetitivas, desportistas. 20

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS! Tudo o que o gestor deve saber sobre fisioterapia e como implantá-la em seu município. Cura Diagnóstico Funcional Bem Estar Qualidade

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular Luxação da Articulação Acrômio Clavicular INTRODUÇÃO As Luxações do ombro são bem conhecidas especialmente durante a prática de alguns esportes. A maior incidencia de luxção do ombro são na verdade luxação

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 MED-100 - Unidades de Ensino da área de conhecimento das bases moleculares e celulares dos processos normais e alterados, da estrutura e função

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PONTO-FINAL CUO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DERIÇÃO: Cursos presenciais Vale 3,0 pontos para a Revalidação do TEOT PROGRAMAÇÃO: OSTEONECROSE DA CABEÇA BELÉM/ PA 18.05.2007 SEXTA-FEIRA 20:00-20:20

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ O GRANDE guia de PILATES E BEM-ESTAR 40 exercícios para fazer com bola, no solo e nos aparelhos MELHOR IDADE DE VERDADE Conheça o segredo para ganhar mais vitalidade e ainda evitar quedas GESTANTE FELIZ

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Processo de Trabalho em saúde: Integralidade e Cuidado do 6º ou 7º Biossegurança no trabalho, aspectos legais, suas classificações

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO ORTOPÉDICA PARA O JORNALISTA ESPORTIVO AGRADECIMENTOS Secretaria Municipal de Esporte e Lazer Agradecemos o apoio imprescindível do presidente da Associação Brasileira de Traumatologia Desportiva e médico

Leia mais

Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830

Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830 Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830 O que é Osteoporose? A osteoporose é uma doença freqüente que é definida como diminuição absoluta da quantidade de osso e desestruturação

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Ádila Siqueira de Basto Lima Wilkelane Ferreira da Silva Marcela Medeiros Melo Mirella Oliveira Barata Thayane de Cácia Brito A fibromialgia

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

INSTABILIDADE E LUXAÇÃO DO OMBRO. A instabilidade do ombro é definida como a incapacidade para manter

INSTABILIDADE E LUXAÇÃO DO OMBRO. A instabilidade do ombro é definida como a incapacidade para manter INSTABILIDADE E LUXAÇÃO DO OMBRO Centro da Articulação gleno umeral Labrum Ligamentos gleno-umerais e capsula Primal pictures INTRODUÇÃO A instabilidade do ombro é definida como a incapacidade para manter

Leia mais

ondas de choque Terapia

ondas de choque Terapia ondas de choque Terapia contato@btlnet.com.br www.btlnet.com.br Todos os direitos reservados. A elaboração deste catalogo foi efetuada com todo o critério para fornecer informações corretas e atualizadas

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008

ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008 ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008 LOMBALGIA O QUE É? Vulgarmente conhecida como dor nas costas, é a dor que acomete a coluna vertebral

Leia mais

Dor no Ombro. Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo. Dr. Marcello Castiglia

Dor no Ombro. Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo. Dr. Marcello Castiglia Dor no Ombro Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O que a maioria das pessoas chama de ombro é na verdade um conjunto de articulações que, combinadas aos tendões e músculos

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

OSTEOPOROSE. Disciplina de Reumatologia da FML. Prof M Viana Queiroz Prof João Eurico Fonseca Profª Helena Canhão

OSTEOPOROSE. Disciplina de Reumatologia da FML. Prof M Viana Queiroz Prof João Eurico Fonseca Profª Helena Canhão OSTEOPOROSE Disciplina de Reumatologia da FML Prof M Viana Queiroz Prof João Eurico Fonseca Profª Helena Canhão DEFINIÇÃO Doença óssea sistémica caracterizada por baixa massa óssea, deterioração da micro-arquitectura

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Biologia Geral, Citologia e Genética Estudo da célula, seus componentes e relação com as funções

Leia mais

VIII JORNADA DE EXTENSÃO Mostra de Trabalhos Grupo 1 - Área: Saúde 12/11 08:00 Hall do Centro Educacional

VIII JORNADA DE EXTENSÃO Mostra de Trabalhos Grupo 1 - Área: Saúde 12/11 08:00 Hall do Centro Educacional VIII JORNADA DE EXTENSÃO Mostra de Trabalhos Grupo 1 - Área: Saúde 12/11 08:00 Hall do Centro Educacional Nº CAVALETE TÍTULO 1 25 ANOS DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFTM: TRAJETORIAS 2 A ATENÇÃO A USUÁRIOS

Leia mais

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura REGIÃO CERVICAL, OMBROS E MEMBROS SUPERIORES Dor muscular dor decorrente de traumatismo esportivo, por erro de postura e/ou tensão emocional. Exemplo: dor no

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES www.shenqui.com.br Na década de 80, após 25 anos de pesquisas, em renomadas instituições do mundo, a OMS publicou o documento Acupuncture:

Leia mais

14/07/2015 14/07/2015

14/07/2015 14/07/2015 São doenças responsáveis por grande número de internações, respondem pela morte de muitos brasileiros idosos e custam caro aos cofres públicos. Assistir o idoso envolve particularidades que requerem conhecimentos

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-3

1. Documento: 20026-2015-3 1. Documento: 20026-2015-3 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Ementas das Disciplinas CURSO DE GRADUAÇÃO DE FISIOTERAPIA ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares correspondem a 204 horas realizadas nos diferentes espaços proporcionados

Leia mais

USO DE COLÁGENO BIOATIVO COMO ADJUVANTE NA PROFILAXIA E TRATAMENTO DE ARTROPATIAS EM CÃES

USO DE COLÁGENO BIOATIVO COMO ADJUVANTE NA PROFILAXIA E TRATAMENTO DE ARTROPATIAS EM CÃES USO DE COLÁGENO BIOATIVO COMO ADJUVANTE NA PROFILAXIA E TRATAMENTO DE ARTROPATIAS EM CÃES Prof. Pós-Dr. José Ricardo Pachaly Instituto Brasileiro de Especialidades em Medicina Veterinária ESPECIALVET Programa

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Patologias dos membros inferiores

Patologias dos membros inferiores Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Doenças do quadril Doenças do joelho Doenças do pé e tornozelo Introdução Doenças

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA Pedro Ferreira Reis Antonio Renato Pereira Moro 1 Introdução No mundo contemporâneo, percebe-se

Leia mais

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES INTRODUÇÃO Um número cada vez maior de pessoas apresenta, em seu cotidiano, atividades repetitivas e restritivas, que conduzem a uma perda do sinergismo

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) ANÁLISE BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO (1504) C/H 68 Análise anátomo-funcional do movimento humano com ênfase no

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 As algias são dores que acometem a coluna vertebral. As principais regiões a serem acometidas são: a cervical (cervicalgia), a dorsal (dorsalgia) e a lombar (lombalgia). Diversos tratamentos fisioterápicos

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

FISIOTERAPIA. TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO SALA 17 OU 18 SE FOR INTERDISCIPLINAR SALA 70 E 71 SE FOR CONGRRESSO

FISIOTERAPIA. TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO SALA 17 OU 18 SE FOR INTERDISCIPLINAR SALA 70 E 71 SE FOR CONGRRESSO TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO A INCLUSÃO DO MÉTODO DE VACINAÇÃO CONTRA O VÍRUS HPV: UMA INTERVENÇÃO DE CONSCIENTIZAÇÃO ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E METABÓLICAS EM INDIVÍDUO COM DISTROFIA

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

Hérnia de Disco: diagnóstico e tratamento

Hérnia de Disco: diagnóstico e tratamento ANO 2 Hérnia de Disco: diagnóstico e tratamento Direção: Dr José Goés Instituto da Dor Criação e Diagramação: Rubenio Lima 85 8540.9836 Impressão: NewGraf Tiragem: 40.000 ANO 2 Rua: Henriqueta Galeno,

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

Formação Interna Ortopedia Técnica

Formação Interna Ortopedia Técnica Formação Interna Ortopedia Técnica Maria Martins Costa 17 de Setembro de 2013 Tronco Dor lombar insuficiência muscular; Disturbios ligamentosos Dor lombar disturbios das articulações; Desequilibrio do

Leia mais

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005)

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Mens JMA, Chavannes AW, Koes BW, Lubbers WJ, Ostelo RWJG, Spinnewijn WEM, Kolnaar BGM traduzido do original em

Leia mais

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE Bianca Emanuelle Silva Constâncio Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ, email: biancaemanuelle@live.com

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações Acupuntura Acupuntura e Traumatologia e Traumatologia É o estudo das patologias próprias do sistema esquelético, causadas principalmente por traumatismos utilizando a especialidade de acupuntura como recurso

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE)

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) DESCRIÇÃO: Aulas interativas ao vivo pela internet. Participe ao vivo, respondendo as enquetes e enviando suas perguntas. Vale pontos para a Revalidação

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ESTÁGIO OBRIGATÓRIO I E II DO CURSO DE FISIOTERAPIA

PLANO DE ATIVIDADES ESTÁGIO OBRIGATÓRIO I E II DO CURSO DE FISIOTERAPIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 714. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 PLANO DE ATIVIDADES ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais