UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Administração. Bruna Catallão Mirian Heloisa Fogolin Pedro Luiz Fogolin Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Administração. Bruna Catallão Mirian Heloisa Fogolin Pedro Luiz Fogolin Filho"

Transcrição

1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Administração Bruna Catallão Mirian Heloisa Fogolin Pedro Luiz Fogolin Filho LOGÍSTICA REVERSA: Uma alternativa para reduzir custos Promilat Indústria e Comércio de Laticínios Ltda. Promissão-SP. LINS SP 2012

2 BRUNA CATALLÃO MIRIAN HELOISA FOGOLIN PEDRO LUIZ FOGOLIN FILHO LOGÍSTICA REVERSA: Uma alternativa para reduzir custos. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Administração sob a orientação das professoras Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame e Ma. Heloisa Helena Rovery da Silva. LINS SP 2012

3 C355l Catallão, Bruna; Fogolin, Mirian Heloisa; Fogolin, Pedro Luiz Logística Reversa: Uma alternativa para reduzir custos. Promilat Indústria e Comércio de Laticínios Ltda. / Bruna Catallão; Mirian Heloisa Fogolin; Pedro Luiz Fogolin Filho. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Administração, Orientadores: Máris de Cássia Ribeiro Vendrame; Heloisa Helena Rovery da Silva 1. Logística Reversa. 2. Redução de Custos. 3. Promilat Ltda. I Título. CDU 658

4 BRUNA CATALLÃO MIRIAN HELOISA FOGOLIN PEDRO LUIZ FOGOLIN FILHO LOGÍSTICA REVERSA: Uma alternativa para reduzir custos Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do título de Bacharel em Administração. Aprovada em: / / Banca Examinadora: Professora Orientadora: Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Titulação: Mestre em Administração pela Universidade Metodista de Piracicaba UNIMEP. Assinatura: 1º Profº (a): Titulação: Assinatura: 2º Profº (a): Titulação: Assinatura:

5 A DEUS... Dedico ao senhor por tudo que me proporciona na vida. À minha mãe e meu pai, Maria José Andrade Fogolin e Pedro Luiz Fogolin, os quais amo muito, pelo exemplo de vida e família, a meus irmãos, Pedro Luiz Fogolin Filho e Carlos Eduardo Fogolin por tudo que me ajudaram até hoje, a meu namorado Emerson Gatti por entender minhas ausências e oferecer todo o apoio para que pudesse realizar meu trabalho, a minha amiga em especial Bruna Catallão pelo companheirismo e amizade, e a todos que acreditaram em mim na realização desse sonho. Amo muito vocês! Mirian Heloisa Fogolin Dedico este trabalho primeiramente a Deus que permitiu que este se fizesse, dedico também a meus familiares, minha mãe e meu pai que sempre apoiaram minhas ideias a minha irmã Mirian Fogolin, por encarar este desafio ao meu lado, também a Bruna Catallão, pelo companheirismo no desenvolvimento deste trabalho, não poderia me esquecer de agradecer minha noiva Graziele Mendonça por entender minhas ausências e por me oferecer o apoio fundamental para que jamais desistisse de meus sonhos, deixo a todos o meu muito obrigado. Pedro Luiz Fogolin Filho Em primeiro lugar agradeço a Deus. Dedico este trabalho a toda minha família especialmente meus pais Márcia e Carlos, meu marido Thiago, que me compreenderam e me apoiaram incentivaram, tiveram enorme paciência nos momentos em quais não pude lhes dar minha atenção durante esta jornada. Aos amigos do grupo, Pedro e Mirian, por juntos realizarmos esse sonho. Aos professores, a orientadora Máris e a pró-reitora Heloísa, pela dedicação e compreensão dada ao grupo, pelos ensinamentos que contribuiu para a realização deste trabalho. Obrigada a Todos! Bruna Catallão

6 AGRADECIMENTOS A DEUS Por nos proporcionar a oportunidade e alegria de conviver com pessoas maravilhosas, por oferecer muita força, luz e coragem para superar as dificuldades na elaboração deste trabalho. A EMPRESA PROMILAT E FUNCIONÁRIOS Por nos abrir as portas para realização do trabalho, contribuindo de forma significativa, cedendo dados, informações, entre outros fatores relevantes. Muito obrigado a toda equipe, que nos recebeu de braços abertos. A NOSSA PROFESSORA ORIENTADORA MÁRIS C. R. VENDRAME Por aceitar o convite pelo seu profissionalismo, competência e pela sua dedicação, orientando em todos os passos de nossa pesquisa, pela amizade que conquistamos no decorrer destes anos, pelos ensinamentos em sala de aula, que Deus ilumine muito e proporcione tudo de melhor em sua vida! AO UNISALESIANO E A TODOS OS PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS Pelos ensinamentos, dedicação, amizade e qualidade nos tornando os melhores profissionais. AOS AMIGOS E COLEGAS Por todos os momentos bons e difíceis que passamos juntos nestes quatro anos de aprendizado. Vocês tornaram esta fase muito especial e agradável. Bruna Catallão Mirian Heloisa Fogolin Pedro Luiz Fogolin Filho

7 RESUMO Nos últimos anos a logística reversa adquiriu maior importância, devido às mudanças ambientais e o reconhecimento dos consumidores. A iniciativa relacionada à logística reversa tem trazido consideráveis retornos para as empresas, economia com a utilização de embalagens retornáveis ou com reaproveitamento de matérias para produção, os quais estimulam cada vez mais novas iniciativas. Além disto, os esforços em desenvolvimento e melhorias nos processos de logística reversa podem produzir também retornos consideráveis que justificam os investimentos realizados. Este trabalho vem explicitar a importância da logística reversa no setor produtivo da empresa Promilat/SP, como uma oportunidade de adicionar valor à imagem da empresa junto à sociedade com relação aos aspectos ambientais e a sua responsabilidade social. Com a prática da logística reversa cria diferenciais competitivos e gera gestão integrada do ciclo do produto e dos custos envolvidos ao longo de vida, possibilitando a redução de custos e gerando vantagem frente aos seus concorrentes. Devido a legislações ambientais mais rígidas e maior consciência por parte dos consumidores as empresas estão não só utilizando uma maior quantidade de materiais reciclados, mas como também se preocupando com o descarte ecologicamente correto. Com isso todas as empresas têm feito da logística reversa uma grande estratégia em seu planejamento de negócio. A pesquisa levou em consideração as práticas da logística reversa juntamente com atividades de reaproveitamento de produtos e embalagens. Palavras-chave: Logística reversa. Redução de custos.

8 ABSTRACT In recent years, reverse logistics has become more important due to environmental changes and consumer recognition. The initiative related to reverse logistics has brought considerable returns for businesses, saving with the use of returnable containers or reuse of materials for production, which increasingly stimulate new initiatives. Moreover, efforts towards development and improvements in reverse logistics processes can also produce considerable returns that justify the investment. This work comes explain the importance of reverse logistics in the productive sector of the company Promilat-SP, as an opportunity to add value to the company's image in the society with respect to environmental and social responsibility. With practice of reverse logistics creates competitive advantages and generate integrated management of the product cycle and the costs involved throughout life, enabling reduced costs and generating advantage over their competitors. Due to stricter environmental laws and greater awareness by consumers companies are not only using a larger amount of recycled materials, but it also is worrying about the environmentally friendly disposal. With that all companies have done a great reverse logistics strategy in your business planning. The research took into account the practices of reverse logistics activities along with reusing products and packaging. Keywords : Reverse Logistics. Cost Reduction.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Produtos Montanha Barnca Figura 2: Produtos Promilat Figura 3: Principais Fornecedores da Promilat Figura 4: Clientes Promilat Figura 5: Organograma Funcional da Empresa Promilat Figura 6: Empresas Concorrentes da Promilat no Segmento de Laticínios Figura 7: Frota de Caminhões da Promilat Figura 8: Visita de Estudantes na Promilat Figura 9: Processo Logístico Direto e Reverso Figura 10: Símbolo Reciclagem Figura 11: Processo de produção da massa do requeijão Figura 12: Processo de produção do requeijão balde 3,6 quilos Figura 13: Processo de produção do requeijão bag de 5quilos LISTA DE QUADROS Quadro 1: Componentes utilizados para produção do requeijão...57 Quadro 2: Produção do requeijão balde três quilos e seiscentos...57 Quadro 3: Produção do requeijão bag de cinco quilos...58 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS MPS - Plano Mestre de Produção PPCP - Programação e Controle da Produção PEAD Polietileno de Alta Densidade

10 Sumário INTRODUÇÃO CAPÍTULO I PROMILAT LTDA EVOLUÇÃO HISTÓRICA Visão Missão Valores Crenças Produtos Processos Básicos de Industrialização do Leite Fornecedores Clientes Organograma Concorrentes Projeto de Expansão Recursos Humanos Logística da Empresa Responsabilidade Social e cultural CAPÍTULO II LOGÍSTICA LOGÍSTICA Origem Eras da Logística Primeira era Segunda era Terceira era Quarta era Quinta era Responsabilidades da logística Missão da logística Objetivos da logística Benefícios da logística Funções da logística Estocagem de um sistema logístico

11 2.9 Manuseio de materiais Tipos de logística Logística de transporte Logística de marketing Logística industrial Logística empresarial Logística integrada Logística verde Logística reversa O âmbito econômico e social da logística reversa A logística reversa e o meio ambiente Logística reversa: sinônimo de ciclo de vida A logística reversa como forma de diferencial competitivo Reciclagem Etapas da reciclagem Tipos de reciclagem Benefícios da reciclagem Símbolo da reciclagem Gestão de custos Tipos de custos Custos diretos Custos indiretos Custos fixos Custos variáveis Custos semi-variaveis ou semi-fixo A importância da logística reversa para redução de custos no processo produtivo CAPÍTULO III A PESQUISA INTRODUÇÃO Relato e discussão sobre logística reversa na Promilat Promissão- SP Custo de produção do requeijão Processo produtivo do requeijão Processo produtivo do requeijão

12 3.2.2 Processo produtivo do requeijão balde Processo de produtivo do requeijão bag Parecer final do caso PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES... 72

13 11 INTRODUÇÃO A logística reversa é a área da logística empresarial que planeja, opera e controla fluxo e informações logísticas correspondentes ao retorno de bens ao seu ciclo produtivo de origem ou a sua destinação como matéria prima a outro ciclo produtivo. A logística reversa insere-se em um processo de revisão conceitual da manufatura na medida em que esta passou a discutir os impactos econômicos e ambientais da produção mais limpa em suas estratégias de negócios (ADLMAIER; SELLITTO, 2007). Segundo Ballou (1993), a logística reversa estuda a melhor forma de se atingir um melhor nível de rentabilidade na distribuição de produtos até o consumidor, planejando, organizando e controlando o movimento e estocagem, de forma a proporcionar facilidade no fluxo de mercadorias. No Brasil, a logística surgiu nas universidades a partir de Durante esse período, a logística estava integrada ao marketing, passando a ser um instrumento de manutenção da competitividade empresarial (ALVARENGA, NOVAES, 2000). A logística reversa é a área responsável por um fluxo reverso de produtos, seja qual for o motivo: reciclagem reusa recall, devoluções entre outras. A importância deste processo reside em dois extremos: em um, as regulamentações, que exigem o tratamento de alguns produtos após seu uso, o segundo, a possibilidade de agregar valor ao que seria lixo. Segundo Lacerda (2002), a utilização de embalagens retornáveis ou o reaproveitamento de materiais em processos produtivos tem proporcionado economia para as empresas que utilizam estas práticas o que vem cada vez mais despertando interesse em adotá-las. Com o objetivo de caracterizar a logística reversa e mostrar as oportunidades de redução de custos e a crescente sensibilidade ecológica relacionada ao meio ambiente foi realizada uma pesquisa de campo no período de fevereiro a outubro de 2012 na Promilat-SP. A Promilat indústria e comércio de laticínios, esta localizada no município de promissão, no noroeste do estado de São Paulo, os produtos da Promilat são distribuídos em São Paulo capital e em alguns comércios da região. A empresa trabalha com um variado portfólio de produtos para atender

14 12 a rede Habib s e também ao mercado de varejo na região, investindo cada vez mais na qualidade de seus produtos para garantir a satisfação do cliente e conquistar novos mercados. Para realização da pesquisa utilizou-se dos métodos de observação sistemática, histórico e de estudo de caso descrito no capitulo III desta monografia. A pergunta problema que norteou este trabalho foi: Até que ponto a logística reversa pode contribuir para a sustentabilidade financeira e ambiental da organização? Em resposta a tal questionamento surgiu a seguinte hipótese: A Promilat através de sua prática de reciclagem, embalagem e responsabilidade sócio ambiental adota a logística reversa como alternativa para otimizar seus custos e garantir a sua sustentabilidade financeira no exercício de seu processo produtivo. O trabalho está assim estruturado: O capítulo I, discorre sobre a evolução histórica da empresa em estudo. O capítulo II, descreve a fundamentação teórica sobre logística, logística reversa e redução de custos. O capítulo III, demonstra a pesquisa realizada na empresa. Por fim vem a proposta de intervenção e a conclusão.

15 13 CAPÍTULO I A EMPRESA A Promilat indústria e comércio de laticínios está localizada no município de promissão, no noroeste do estado de São Paulo e tem como cidades vizinhas: ao norte Ubarana e Avanhandava, ao sul Getulina e Guaiçara, e a leste a cidade de Alto alegre. Distante 460 km da capital do estado é cercada por cidades relativamente grandes como Bauru, Araçatuba, Marília e São José do Rio Preto. Atualmente, no município, encontram-se três tipos de economia forte sendo elas a pecuária e agricultura de grande volume e agricultura de subsistência que são os assentamentos da reforma agrária que também contribuem para o desenvolvimento do município. No setor de pecuária destaca-se o frigorifico Marfrig que produz tanto para consumo interno como para exportação. No setor agrícola a usina Equipav que no ano de 2011 foi comprada pelo grupo indiano Renuka tornando-se assim Renuka do Brasil, hoje é uma das maiores usinas produtoras de açúcar e álcool do estado de São Paulo. 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA EMPRESA No ano de 1997 o grupo Habib s visando sua expansão em território nacional, teve a ideia de criar um laticínio que fornecesse produtos de origem láctea, como o queijo minas frescal utilizado em grande quantidade para rechear as esfirras vendidas em todas as lojas da rede Habib s no Brasil e também o requeijão cremely utilizado principalmente no recheio de pizzas e coxinha, com intuito de conseguir preços mais competitivos e a padronização de seus produtos já que se trata de uma rede de franquias. Naquela ocasião os principais produtos lácteos utilizados pela rede eram comprados de marcas famosas o que encarecia o produto final no mercado, reduzindo assim o poder competitivo da rede Habib s.

16 14 Com esta ideia foi feito um estudo da bacia leiteira nacional, foi constatado que a região noroeste paulista tinha grande potencial leiteiro. Foi então, através de influências politicas, que o prefeito do município concedeu ao grupo um terreno com área suficiente para que fosse feita as instalações industriais da Promilat, em setembro de 1997 iniciaram-se as atividades do laticínio do grupo Habib s, então chamado de Promilat indústria e comércio de laticínios. A Promilat também conta com filiais na cidade de São Paulo capital que funciona como distribuidora de produtos, conta também com três postos de capitação de leite localizados em pontos estratégicos, um posto na Cidade de São Pedro do Turvo que fica a oeste do estado, outros dois postos localizados nas cidades de Santa Rita d Oeste e São Sebastião do Pontal/MG ao norte do estado. 1.1 Visão A visão atual da Promilat é expandir seu portfólio de produtos e divulgar a marca Montanha Branca que é utilizada somente no leite pasteurizado de modo a conquistar novos clientes, com importante diferencial que é a qualidade de seus produtos. 1.2 Missão Atender primeiramente a rede Habib s com produtos de alta qualidade e padrão, garantindo assim o abastecimento da rede, contribuindo com desenvolvimento econômico e social da região. 1.3 Valores Baseada em princípios éticos a Promilat prega entre seus colaboradores, clientes e fornecedores, que a honestidade, integridade e justiça formam as bases do relacionamento humano e o caráter de cada indivíduo dentro e fora da empresa.

17 Crenças Há 14 anos a Promilat e seus gestores acreditam no potencial humano, e no desenvolvimento de cada colaborador e no valor profissional que cada um pode trazer para empresa. Por esse motivo trabalha com recrutamento interno, pois uma empresa só obtém sucesso se valorizar pessoas, é por meio delas que tudo se realiza. 1.5 Produtos A Promilat trabalha com um variado portfólio de produtos para atender a rede Habib s e também ao mercado de varejo na região em que está instalada os principais produtos são: minas frescal, ricota fresca, requeijão tipo cremely, queijo processado sabor cheddar, mussarela tradicional, mussarela tipo bolinha de búfala, parmesão peça, parmesão ralado, manteiga, creme de leite, bebida láctea sabores morango e pêssego, iogurte de frutas, queijo prato eo leite pasteurizado integral. Investindo cada vez mais na qualidade de seus produtos para garantir a satisfação de seus clientes e conquistar novos mercados consumidores, buscando estar sempre a frente de seu tempo, a Promilat não mede esforços para satisfazer seus clientes. Figura 1: Produtos Montanha Branca Fonte: Elaborado pelos autores, 2012.

18 16 Figura 2: Produtos Promilat Fonte: Elaborado pelos autores, Processos básicos de industrialização do leite A matéria prima conhecida como leite in natura chega ao laticínio por meio de caminhões tanque, que coletam o leite que fica em tanques de expansão, também conhecidos como balões de leite, refrigerados a 4C na fazenda, a fim de garantir a qualidade do produto os caminhões são equipados com tanques isotérmicos. Ao chegar à plataforma de recebimento de leite no laticínio o leite passa por uma bateria de análises antes de ser descarregado, caso as analises apresentarem índices insatisfatórios o leite é devolvido ao produtor. No processo de descarregamento do leite ele é novamente refrigerado e armazenado em tanques conhecidos como balões de leite cru. Feito este procedimento o leite é bombeado para o pasteurizador, equipamento que faz o processo de pasteurização do leite que consiste no aquecimento do leite há temperatura de 76C,o leite passa também pelo processo de centrifugação feito pelo equipamento conhecido como centrífuga, este equipamento faz a retirada de sujidades do leite e também padroniza o leite retirando o creme de leite que nada mais é do que a gordura do leite, produto este que mais adiante vai se

19 17 transformar em manteiga. Após sofrer todos esses processos o leite tem distintos destinos de acordo com cada item a ser produzido que ao final do processo produtivo cada produto e armazenado em camarás fria, ate ser expedido. 1.7 Fornecedores Figura 3: Principais fornecedores da Promilat Fonte: Elaborado pelos autores, A Promilat conta com vários fornecedores principalmente na área de embalagens como a empresa Artvac que fornece embalagens termoencolhivel, para queijos como mussarela, prato, minas frescal entre outros, ainda no setor de embalagens a principal fornecedora de baldes onde é colocado o requeijão cremely e o cheddar é a groupack fornecendo mais de vinte mil baldes mês para Promilat. Os produtos de limpeza são fornecidos pela nippon chemical, e os ingredientes lácteos, essenciais para produção de queijos e iogurtes são adquiridos de diversas empresas, como o coalho, fermentos, polpa de frutas, aromas, amidos dentre outros são fornecidos por empresas como, Bela vista fermentos, Borsato preparado de frutas, Horizonte amidos, CapLab fornecedora de materiais para o laboratório essenciais para liberação de

20 18 produtos após a produção, trabalha também com a empresa Dinamic fornecedora de garrafas para o iogurte com variados fornecedores é possível obter o melhor preço seguido de melhor qualidade. 1.8 Clientes Figura 4: Clientes Promilat Fonte: Elaborado pelos autores, Atualmente cerca de 80% de seus produtos são destinados ao abastecimento da rede Habib s, os 20% restantes são vendidos no atacado para empresas do ramo alimentício, supermercados e refeitório de empresas como GRSA e rede Dia Brasil, Amigão supermercados, Grupo Marfrig e JBS. Dentro do grupo Habib s são fornecidos derivados lácteos ás cozinhas centrais localizadas estrategicamente em cada estado por ordem de fundação: São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ, Goiânia/GO, Belém/PA, Fortaleza/CE, recife/pe, Ribeirão Preto/SP, Curitiba/PR, Salvador/BA, Canoas/RS, Belo Horizonte/MG, Manaus/AM e Campo Grande/MS. Também abastece outras unidades ligadas ao grupo como a padaria Arabian Bread e o restaurante de

21 19 comida italiana Ragazzo cliente este que consome grande parte de sua produção de requeijão. O leite pasteurizado integral, industrializado na Promilat é bastante conhecido na região, pois o seu consumo dentro da rede é pequeno, então ele é destinado a supermercados, padarias, escolas, restaurantes, hotéis, refeitórios de empresas tanto na região de Promissão, Marília, Araçatuba e Lins, na cidade de São Paulo onde está localizada sua filial, são comercializados cerca 90% de toda a produção. 1.9 Organograma Figura 5: Organograma funcional da empresa Promilat EMPRESA PROMILAT Diretoria Geral Organograma Matriz Promissão Filial São Paulo Filial São Sebastião do Pontal Filial Santa Rita d`oeste Filial São Pedro do Turvo 1 Matriz Promissão Gerencia Administrativa Gerencia Operacional Depto Vendas Recursos Humanos Captação de Leite Compras Industria Transportes Financeiro TI Dpto Fiscal e Contábil Recepção Manutenção Controle de Qualidade Industria 2 A Almoxarifado Embalagem Empacotamento de Leite, Creme e Manteiga Estação de Tratamento de Efluentes Expedição Produção de Queijos Frescos Lavagem de Caixas Pasteurização e Beneficiamento Plataforma Recepção de Leite Laboratório Físico- Químico e Microbiológico Produção de Queijos Maturados Produção de Queijos Processados Fonte: Promilat, 2012.

22 20 O organograma é dividido em partes distintas, o setor de gerência administrativo é controlado pelo gerente administrativo onde são atribuídos os setores de compras de suprimentos e insumos para produção, o setor vendas que é responsável pela retirada de pedidos da rede e transferido para o setor de produção, e também o RH que controla o pagamento dos funcionários, gerencia também a TI, financeiro, contábil e captação de leite responsável pela politica leiteira do leite na região. A indústria é controlada pelo gerente industrial que comanda toda a produção e o controle de qualidade dos produtos contando com aproximadamente 116 funcionários que trabalham em três turnos. Responsável também pela logística de transportes e manutenção de maquinas e equipamentos, cada setor e controlado por um encarregado responsável pela produção de determinado produto e consequentemente pelos funcionários que trabalham no setor, com autonomia para resolver pequenos problemas referentes à produção Concorrentes Figura 6: Empresas concorrentes da Promilat no segmento de laticínios. Fonte: elaborado pelos autores, 2012.

23 21 Os principais concorrentes da Promilat no segmento de laticínios são: o laticínios Salute especializado na produção de iogurtes, está localizado na cidade de São Carlos e outro principal é o laticínios Catupiry com mais de cem anos de tradição, produz o requeijão com a marca Catupiry concorrente direto da marca Cremely feito pela Promilat e distribuído em toda a rede Habib s do Brasil, as demais marcas concorrem em questão de captação de leite no estado de São Paulo que competem em um mercado bastante concorrente Projeto de expansão A Promilat pretende expandir o setor fabril em aproximadamente 10% para implantação de um novo setor de produção onde serão produzidos os novos produtos com a marca Montanha Branca Recursos humanos O setor de RH conta com duas funcionárias que cuidam da documentação, pagamentos e contratação de todos os funcionários da matriz e também das filiais, em São Paulo, são Sebastião do Pontal em Minas Gerais, Santa Rita do Oeste em São Paulo Logística da empresa Atualmente a Promilat possui frota própria, para efetuar as suas entregas em todas as centrais do Habib s no Brasil desde a cidade de Canoas no estado do Rio Grande do Sul até Fortaleza no estado do Ceará percorrendo cerca de km por mês somente dentro da rede e mais km para transportar o leite in natura para produção de queijos em sua matriz. Contando com 4 carretas tanque sendo duas alugadas e duas próprias com capacidade para transportar litros de leite cada tanque por viagem, 6 carretas tipo baú com capacidade para quilos de produtos e 4 caminhões truck com capacidade para quilos de produtos, possui também 4 veículos menores para entrega de produtos em supermercados das cidades vizinhas totalizando 13 veículos.

24 22 Figura 7: Frota de caminhões Promilat Segundo Lambert, O papel da logística nas organizações é complementar as ações do marketing da empresa, visando garantir vantagens e diferenciais no mercado, proporcionando um direcionamento eficaz do produto ao cliente e colocando o produto no lugar certo no momento certo (1998, p.132). Fonte: elaborado pelos autores, Responsabilidade social e cultural A Promilat realiza um trabalho beneficente com as instituições do município que cuidam principalmente de crianças carrentes e idosos, com doações mensais de leite e mantimentos, além do leite doado pela empresa os funcionários também contribuem com roupas e agasalhos. Constantemente a Promilat recebe a visita de estudantes desde o ensino fundamental, que são as escolas municipais e as faculdades de cidades vizinhas como Unip de Araçatuba e Unisalesiano de Lins, oferece também estagio aos estudantes de química, nutrição, engenharia de alimentos e veterinária, estudantes estes que buscam conhecer um pouco mais sobre o leite e seus derivados.

25 23 Figura 8: Visita de estudantes na Promilat Fonte: Elaborado pelos autores, Durante as visitas os estudantes tem a oportunidade de conhecer todo o processo de fabricação de queijos, iogurte, manteiga, requeijão entre outros sempre acompanhados pelos supervisores de produção e qualidade, que durante a visita explicam todo o processo de produção do laticínio desde a chegada do leite na plataforma de recepção, a preparação do leite para se transformar em queijo o processo de embalagem, armazenamento e por fim a expedição dos produtos. Após o passeio pela indústria todos são convidados a degustar alguns de seus produtos como o queijo minas, mussarela e o iogurte bastante apreciado pelos mais jovens, de acordo com a foto acima.

26 24 CAPÍTULO II LOGÍSTICA 2 LOGÍSTICA 2.1 Origem A logística originou-se no século XVIII, no reinado de Luiz XIV onde existia o posto de Marechal General de Lógis responsável pelo suprimento e pelo transporte do material bélico nas batalhas. (QUARESMA DIAS, 2005). O sistema logístico foi desenvolvido com intuito de abastecer, transportar e alojar tropas. Desde os tempos bíblicos, os líderes militares já utilizavam à logística. (QUARESMA DIAS, 2005). As guerras eram longas e geralmente distantes e eram necessários grandes e constantes deslocamentos de recursos, propiciando que os recursos certos estivessem no local certo e na hora certa. Este sistema operacional permitia que as campanhas militares fossem realizadas, e contribuía para a vitória das tropas nos combates. (POZO, 2004). A partir do momento em que os militares começaram a perceber o poder estratégico que o sistema logístico possuía, deu-se mais atenção ao serviço de apoio que as equipes prestavam no sentido de deslocamento de distribuição de equipamentos, armazenagem, suprimentos e socorro médico nas batalhas. (POZO, 2004). Consequentemente, despertou-se o interesse em estudos nesta área que foi evoluindo após os resultados observados na Segunda Guerra Mundial em relação ao sistema logístico utilizado pelos militares. (POZO, 2004). Existem algumas versões para a origem da palavra logística: alguns autores afirma que ela é vem do francês Logistique e tem como uma de suas definições a parte da arte da guerra que trata do planejamento, realização de projeto e desenvolvimento, obtenção, armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação de material para fins operativos ou administrativos. Logística também pode ser definida como a satisfação do cliente ao menor custo total (POZO, 2004).

27 25 Pode-se dizer então que os termos logísticos e cadeia de suprimentos tem o mesmo significado, já que ambos têm a finalidade de satisfazer o cliente com menor custo possível. Outros historiadores defendem que a palavra logística vem do antigo grego logos, razão que significa a arte de calcular, pensar e analisar detalhes de uma operação. (OLIVEIRA, 2007). 2.2 Eras da logística Os professores John L. Kent. Jr. e Daniel J. Flint estudaram a evolução do pensamento de logística em cinco eras: Primeira era A primeira era, denominada do campo ao mercado, teve seu início situado na virada para o século XX, sendo a economia agrária sua principal influência teórica. A principal preocupação, no caso, era com questões de transporte para escoamento da produção agrícola. (FIGUEIREDO; ARKADER, 2007) Segunda era Rotulada de funções segmentadas, a segunda era, apesar dessa evolução, até a década de 40 havia poucos estudos e publicações sobre o tema. A partir dos anos 50 e 60, as empresas começaram a se preocupar com a satisfação do cliente. Foi então que surgiu o conceito logístico empresarial, motivado por uma nova atitude do consumidor. (FIGUEIREDO; ARKADER, 2007) Terceira era década de 70. A terceira era, denominada de funções integradas, vai do inicio da

28 26 Como seu nome indica, trata-se do começo de uma visão integrada nas questões logísticas, explorando-se aspectos como custo total e abordagem de sistemas. (FIGUEIREDO; ARKADER, 2007). Pela primeira vez, o foco deixa de recair na distribuição física para englobar um aspecto mais amplo de funções, sobre influência da economia industrial. (FIGUEIREDO; ARKADER, 2007). É interessante observar que é neste período que se presencia o aparecimento, tanto no ensino quanto na prática da logística, de um gerenciamento consolidado das atividades de transportes de suprimentos e distribuição, armazenagem, controle de estoques e manuseio de materiais. (FIGUEIREDO; ARKADER, 2007) Quarta era Na era seguinte, após os anos 80, a logística passa a ter realmente um desenvolvimento revolucionário, empurrado pelas demandas ocasionadas pela globalização, pela alteração da economia mundial e pelo grande uso de computadores na administração. (FIGUEIREDO; ARKADER, 2007). Nesse novo contexto da economia globalizada, as empresas passam a competir em nível mundial, mesmo dentro de seu território local, sendo obrigadas a passar de moldes multinacionais de operações para moldes mundiais de operação. (FIGUEIREDO; ARKADER, 2007) Quinta era A quinta era que vai de meados da década de 80 até o presente, tem ênfase estrategicamente, como indica o rótulo que lhe foi atribuído: a logística como elemento diferenciador. (FIGUEIREDO; ARKADER, 2007). 2.3 Responsabilidades da Logística A logística é a área da gestão responsável por prover recursos, equipamentos e informações para a execução de todas as atividades de uma empresa. A logística está intimamente ligada às ciências humanas, tais

29 27 como: à administração, a contabilidade, a estatística e o marketing, envolvendo diversos recursos da engenharia, tecnologia, do transporte e dos recursos humanos. (HARA, 2005). Fundamentalmente, a logística possui uma visão organizacional holística, onde esta administra os recursos materiais, financeiros e pessoais, onde exista movimento na empresa, gerenciando desde a compra e entrada de materiais, o planejamento de produção, o armazenamento, o transporte e a distribuição dos produtos, monitorando as operações e gerenciando informações. (HARA, 2005). Segundo Hara (2005), a logística trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que tem como objetivo facilitar o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até a finalização do produto, assim como, os fluxos de informações que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviços adequados aos clientes a um custo razoável. 2.4 Missão da logística De acordo com Bowersox e Closs (2001), a logística existe para atender às necessidades dos clientes, de modo a facilitar as operações relevantes de produção e marketing. O desafio é equiparar as expectativas de serviços e os gastos de modo a alcançar os objetivos do negócio. É possível atingir qualquer nível de serviço logístico se a empresa estiver disposta a alocar os recursos necessários. O serviço logístico representa um equilíbrio entre prioridade de serviço e custo. Quanto mais significativo for o impacto da falha do serviço sobre o cliente, maior será a prioridade dada ao desempenho logístico. (BOWERSOX; CLOSS, 2001). A medição do desempenho do serviço logístico se dá em termos de disponibilidade, desempenho operacional e confiabilidade do serviço. (BOWERSOX; CLOSS, 2001). 2.5 Objetivos da logística

30 28 Conforme Kotler e Armstrong (2003), infelizmente, nenhum sistema de logística pode maximizar o atendimento ao cliente e minimizar o custo de distribuição ao mesmo tempo. Um processo logístico efetivo é essencial para satisfazer o cliente e ganhar vantagem competitiva. Melhorar a qualidade do serviço que a logística fornece, aumenta a participação do mercado e a margem de lucro. (KOTLER; ARMSTRONG, 2003). Ao mesmo tempo, focalizar as reais necessidades do cliente elimina custo de serviço não valorizado. Melhorar a produtividade do processo logístico também reduz custo. Juntas, essas ações ajudam a tornar os produtos e serviços mais atraentes ao mercado. (KOTLER; ARMSTRONG, 2003). 2.6 Benefícios da logística Ao ser corretamente entendida e aplicada, a logística permite desenvolver estratégias para a redução de custos e o aumento de nível de serviço ofertado ao cliente. Com essas duas condições, isoladamente ou em conjunto, possibilitam o estabelecimento de diferenciais competitivos, justificando-se que este caminho escolhido por um número crescente de empresas para buscar vantagens sobre a concorrência. Segundo Guimarães e Jardim (2005), a utilização da logística pode permitir a uma empresa: a) penetrar rapidamente em novos mercados; b) dividir custos e riscos; c) ter acesso a soluções inovadoras, com a utilização de tecnologia da informação, através de hardware e software, para o gerenciamento e controle de centros de distribuição. Guimarães e Jardim (2005) enfatizam que a logística gera adicionalmente melhorias como: a) melhoria do nível de serviço ao cliente: pontualidade na entrega, rastreabilidade de carga, redução do tempo de ciclo; b) melhoria da qualidade dos serviços: que pode resultar em maior disponibilidade de estoques, menores tempos de ciclo e maior pontualidade nas entregas;

31 29 c) melhoria da malha logística: tamanho da frota, capacidade de veículos, localização dos centros de distribuição. 2.7 Funções da logística Em uma economia cada vez mais dependente de resultados operacionais, em que as empresas lutam para manter sua participação no mercado, o sucesso das operações passou a ser vital. Neste cenário, a logística é a ferramenta de maior impacto na melhoria dos resultados operacionais, pois é com ela que as empresa podem obter grandes reduções de custo e melhorias de desempenho. De acordo com Kotler e Armstrong (2003), as funções mais importantes da logística incluem processamento de pedidos, armazenagem, manuseio de materiais, gerenciamento de estoques e transportes. Podem-se incluir ainda os sistemas de informação. Os pedidos podem ser processados de diversas formas - por correio, telefone, vendedores, fax, internet e EDI. (KOTLER; ARMSTRONG, 2003). Em alguns casos até os próprios fornecedores geram pedidos para seus clientes recebendo diariamente relatórios com informações de vendas dos produtos. Essas informações são recebidas e analisadas pelos fornecedores que produz um novo pedido e reenvia ao cliente aguardando sua aprovação. (KOTLER; ARMSTRONG, 2003). Após o recebimento da aprovação do pedido pelo cliente, outro passo importante é o processamento com rapidez e precisão, acelerando assim o ciclo pedido - expedição - cobrança. (KOTLER; ARMSTRONG, 2003). 2.8 Estocagem de um sistema logístico Devem decidir quantos e de que tipos de depósitos irão precisar, onde serão localizados. Quanto maior o número de depósitos, mais rapidamente os produtos serão entregues. No entanto, se a empresa tiver muitos depósitos em localidades diferentes, os custos de armazenagem serão mais altos. O armazenamento de materiais é uma atividade especializada e consiste em armazenar adequadamente os materiais para que seja possível sua rápida

32 30 recuperação e a manutenção dos níveis de qualidade para que a entrega seja facilitada. (MARTINS, 2006). O bom armazenamento também ajuda a diminuir o espaço alocado, a estocagem dos materiais e consequentemente os custos relacionados a ela. Segundo Rosenbloom (2002), o componente armazenamento ou estocagem de um sistema logístico diz respeito à guarda dos produtos até que eles possam ser vendidos. O armazenamento pode ser um dos mais complexos componentes de um sistema logístico porque, ao considerar opções para armazenamento, a empresa frequentemente enfrenta várias decisões críticas, e cada uma delas pode ser difícil e complexa de se lidar. As mais básicas dessas decisões são: a localização das instalações, o número de unidades de armazenamento, o tamanho das unidades, o projeto das unidades, incluindo layout, sistemas internos e a questão da propriedade. 2.9 Manuseio de materiais Segundo Rosenbloon (2002), o manuseio de materiais envolve todas as atividades e equipamentos ligados à acomodação e movimentação de produtos em área de armazenamento. A manutenção dos estoques pode atingir de um a dois terços dos custos logísticos, o que torna a manutenção de estoques uma atividade chave da logística. Selecionar o equipamento adequado para manuseio físico dos produtos, incluindo o próprio prédio do armazém, constitui o subsistema do manuseio dos materiais na administração da distribuição física. (ROSENBLOON, 2002). Um equipamento bem apropriado para a tarefa pode minimizar prejuízos decorrentes de quebra, dano se furto. Um equipamento eficiente pode reduzir os custos de manuseio, bem como o tempo necessário para realizá-lo. (ROSENBLOON, 2002). A conteinerização é um sistema de manuseio da carga que se tornou uma prática padrão na distribuição física. Os carregamentos de produtos são colocados em grandes contêineres de metal ou madeira. Os contêineres são transportados fechados, desde o momento em que deixam as instalações do expedidor, até que cheguem ao seu destino. (ROSENBLOON, 2002).

33 31 A conteinerização minimiza o manuseio físico, reduzindo as avarias, diminuindo o risco de furto e permitindo um transporte mais eficiente. (ROSENBLOON, 2002) Tipos de logística Logística de transporte De acordo com Caixeta (2007), logística de transporte é responsável pelo deslocamento de bens de um ponto a outro, respeitando a integridade da carga e atendendo aos prazos estipulados. Apesar de não agregar valor ao produto, é essencial para que cheguem ao seu ponto de aplicação para garantir o retorno investi do pelos agentes econômicos envolvidos no processo. O subsistema transportes é o de maior risco e custo carecendo de uma necessidade de gerenciamento especial. Diante disso, o subsistema transporte precisa ser gerenciado de perto. Geralmente, as empresas capacitadas para fornecer um transporte mais ágil, podem cobrar mais caro pelo serviço, e quanto mais ágeis for à entrega, menor será o tempo que o estoque ficará em movimentação e indisponível. Sendo assim, é de extrema importância ter o equilíbrio entre a velocidade e o custo do transporte. (CAIXETA, 2007). Segundo Bowersox e Closs (2001), as necessidades de transporte são atendidas de três maneiras básicas: a) pode-se ter uma frota exclusiva de veículos; b) pode-se fazer contratos com empresas de transportes; c) pode-se contratar os serviços de várias transportadoras que ofereça diversos serviços de transporte de cargas individuais. Segundo Martins (2006), possuir os próprios meios de distribuição exige imobilização de recursos, grande investimento inicial e manutenção constante, que vem levando as empresas a fazer cada vez mais uso de terceiros. A gerência de transporte deve prover, a qualquer tempo, os serviços de transportes necessários, dentro do orçamento operacional aprovado. Também é responsabilidade da gerência de transporte a pesquisa de meios alternativos,

34 32 pelos quais o transporte possa ser efetuado com redução do custo logístico total. (BOWERSOX; CLOSS, 2001) Logística de marketing Deve-se ter a clareza de que ambos os setores trabalham em função de gerar lucro para a empresa, um lucro suficientemente grande para valer a pena à existência do negócio. E isto ocorre quando é possível vender produtos a um preço acima dos gastos totais de disponibilizá-lo ao mercado. (COELHO; FOLLMANN; RODRIGUEZ, 2008). Um consumidor faz a sua compra quando percebe que o desembolso que irá fazer será um bom negócio para ele, isto é, perceber uma relação de valor favorável para ele no processo de aquisição. (COELHO; FOLLMANN; RODRIGUEZ, 2008). Desta forma, tem-se por um lado o marketing, trabalhando para que o cliente esteja disposto a gastar o maior valor possível com o produto. Isto é feito de diversas maneiras, dentre elas pode-se citar a propaganda com pessoas ou situações que geram uma sensação de glamour e status. (COELHO; FOLLMANN; RODRIGUEZ, 2008). Por outro lado tem-se a logística, que visa disponibilizar o produto nas condições ideais para o consumo. E isto tem duas frentes: pode-se aumentar a percepção de valor, auxiliando o marketing no convencimento do cliente, ou pode-se trabalhar na redução de custos do processo de distribuição. O que se pretende é propor um meio para que a logística seja mais efetiva na valorização do produto oferecido, agindo integradamente com a área de marketing. (COELHO; FOLLMANN; RODRIGUEZ, 2008) Logística industrial De acordo com Christopher (apud KUEHNE, 2004), a logística industrial, no que tange a parte interna das organizações, acompanha fluxo do pedido desde o plano mestre de produção (MPS) através dos pedidos. Esta área é mencionada como planejamento, programação e controle da produção (PPCP). Menciona também que todas as abordagens logísticas, embora diferentes

35 33 conceitualmente, podem e devem ter uma inter-relação com aplicações distintas. O elo representado pela logística industrial objetiva que os resultados melhorem o desempenho de todos os outros elos, colaborando para a melhoria do nível de serviço de todo o contexto da logística empresarial. Conforme Martins (2006), o primeiro conceito de logística industrial apareceu no final do século XIX, nos Estados Unidos, com a sistematização do conceito de produtividade, onde a procura por melhores métodos de trabalho e processos de produção eram incessantes Logística empresarial Atualmente as empresas brasileiras vivem momentos extremamente desafiadores. Este novo cenário é caracterizado pela busca por maior competitividade, maior desenvolvimento tecnológico, maior oferta de produtos e serviços adequados às expectativas dos clientes e maior desenvolvimento e motivação. (BOWERSOX; CLOSS, 2001). A logística empresarial visa satisfazer as necessidades dos clientes, e ao mesmo tempo arranjar os recursos e esforços da empresa em sua produção, distribuição e competitividade. (BOWERSOX; CLOSS, 2001). Conforme Bowersox e Closs (2001), as atividades principais estão baseadas no transporte, na manutenção de estoques e no processamento de pedidos. Aliadas a estas, desenvolve-se a administração de materiais na armazenagem, no manuseio e obtenção de matéria prima, na programação de produtos e na manutenção de informação. A distribuição física e a administração de matérias são as operações chaves da logística empresarial, de outro modo, a empresa não satisfaria os interesses de seus clientes nem as expectativas próprias, aplicando esforços e recursos exageradamente. (BOWERSOX; CLOSS, 2001). A logística empresarial tem como meta garantir a disponibilidade de produtos e materiais nos mercados e pontos de consumo com a máxima eficiência, rapidez e qualidade, com custos controlados e conhecidos. (CAIXETA, 2007, p.211). Com a abertura de mercados ao comércio internacional, migração de capitais, uniformização e expansão tecnológica, avanço do comércio eletrônico

36 34 e expansão dos meios de comunicação, percebe-se que há uma constante mudança nos hábitos e conceitos, procedimentos e instituições. Globalização implica na uniformização de padrões econômicos e culturais em âmbito mundial. O mundo passou a ser visto como uma referência para obtenção de mercados, locais de investimento e fontes de matériasprimas. (POZO, 2002). Nesse universo de crescentes exigências em termos de produtividade e de qualidade do serviço oferecido aos clientes, as organizações passaram a se preocupar mais com a qualidade do fluxo de bens dentro do processo produtivo, com o objetivo de atender bem ao cliente e consequentemente fidelizá-lo, mas para isso houve a necessidade de mudarem suas estratégias. Uma das soluções encontradas para amparar tais mudanças foi à logística empresarial. (POZO, 2002). De acordo com Pozo (2002), logística empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. Segundo Ribeiro e Gomes (2004), logística empresarial é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenamento de materiais, peças e produtos acabados, sua distribuição, pela organização e pelos seus canais de marketing de modo a poder maximizar as lucratividades presentes e futuras por meio de atendimento dos pedidos a baixo custo. Porém, atualmente, somente a logística não basta para conquistar e fidelizar o mercado consumidor há uma mudanças na visão de consumo na sociedade moderna, qual tem-se preocupado com as questões que tratam do equilíbrio ambiental Logística integrada De acordo com Bowersox e Closs (2001), a logística integrada é vista como a competência que vincula a empresa a seus clientes e fornecedores. As informações recebidas de clientes e sobre eles fluem pela empresa na forma

37 35 de atividade de vendas, previsões e pedidos. As informações são filtradas em planos específicos de compra e de produção. No momento do suprimento de produtos e materiais, é iniciado um fluxo de bens de valor agregado que resulta na transferência de propriedade de produtos acabados aos clientes. Logística integrada é a gestão do planejamento, operação e controle de todo o fluxo de mercadorias e informações desde a fonte fornecedora até o consumidor. (DIAS, 2005) Logística verde Conforme Donato (2008), a preservação do meio ambiente também está diretamente ligada aos diversos sistemas logísticos. Surgindo assim a Logística Verde ou Ecologística entre o final do século XX e inicio do XXI. A logística Verde ou Ecologística é a parte da logística que se preocupa com os aspectos e impactos ambientais causados pela atividade logística. Por se tratar de uma ciência em desenvolvimento ainda existe uma grande confusão conceitual a respeito deste conceito. Muitas pessoas confundem logística verde com logística reversa. Conforme Donato (2008), alguns fatores que deu início a movimentação da logística verde, tais como: a) a crescente poluição ambiental decorrente da emissão dos gases gerados pela combustão incompleta dos combustíveis fósseis durante os diversos sistemas de transportes; b) a crescente contaminação dos recursos naturais como consequência de cargas desprotegidas, tais como: caminhões com produtos químicos que acidentam e contaminam rios, navios petroleiros que contaminam os oceanos; c) movimentação e armazenagem destacou-se como fator de extrema importância que forma os impactos causados por vazamento dos diversos produtos contidos através de rompimento dos diques de contenção, utilizados pela armazenagem de resíduos da atividade produtiva (mineração e celulose); d) a necessidade de desenvolvimento de projetos adequados à efetiva necessidade do produto contido, de forma a evitar qualquer ações

38 36 geradas pelo transporte ou armazenagem não causem avarias à embalagem em produtos químicos, petroquímicos, defensivos agrícolas e farmacêuticos. O objetivo principal da logística verde é o de atender aos princípios de sustentabilidade ambiental como o da produção limpa, onde a responsabilidade é do começo ao fim, ou seja, quem produz deve se responsabilizar- se também pelo destino final dos produtos gerados, de forma a reduzir o impacto ambiental que eles causam. Assim, as empresas devem organizar canais reversos, retorno de materiais após seu ciclo de utilização, para terem a melhor destinação, seja por reparo, reutilização ou reciclagem. A logística verde será um referencial importante para as empresas que queiram ter um diferencial competitivo no mercado. (DONATO, 2008). Um dos desafios dos empresários que atuam na logística verde é construir um modelo de distribuição reversa com parte da cadeia de distribuição direta, pois com a rapidez que um produto é lançado no mercado, o rápido avanço da tecnologia, juntamente com um grande fluxo de informações, a alta competitividade das empresas e o crescimento da consciência ecológica quanto às consequências provocadas pelos produtos e seus descartes no meio ambiente, com isso estão contribuindo para conscientização da adoção de novos comportamentos por parte das organizações e da sociedade. (DONATO, 2008) Logística reversa As diversas definições e citações de logística reversa revelam que o conceito ainda está em evolução, em face das novas possibilidades de negócios relacionadas com o crescente interesse empresarial, além daqueles em pesquisas, na última década, (SOUZA; FONSECA, 2011). Logística reversa é uma perspectiva de logística de negócios, o qual refere-se ao papel da logística no retorno de produtos, redução na fonte, reciclagem, substituição de materiais, reuso de materiais, disposição de resíduos, reforma reparação e remanufatura. (STOCK,1998, p.20). Rogers e Tibben-Lembke (1999), adaptando a definição de logística do Council of Logistics Management (CLM), definem a logística reversa como: o

39 37 processo de planejamento, implementação e controle da eficiência e custo efetivo do fluxo de matérias-primas, estoques em processo, produtos acabados e as informações correspondentes do consumo para o ponto de origem com o propósito de recapturar o valor ou destinar à apropriada disposição. Lacerda (2000), define que logística reversa pode ser entendida como sendo o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo de matérias-primas, estoque em processo e produtos acabados (e seu fluxo de informação) do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recapturar valor ou realizar um descarte adequado. A logística reversa trata dos aspectos de retornos de produtos, embalagens ou materiais ao seu centro produtivo. Esse processo já ocorre há alguns anos nas indústrias de bebidas (retorno de vasilhames de vidro) e distribuição de gás de cozinha com a reutilização de seus vasilhames, isto é, o produto chega ao consumidor e a embalagem retorna ao seu centro produtivo para que seja reutilizada e volte ao consumidor final em um ciclo contínuo. (DONATO, 2008). Processo da logística reversa movimenta materiais reaproveitados que retornam ao processo tradicional da produção. A logística reversa é composta por uma serie de atividades que a empresa tem que realizar para atendê-la, como por exemplo: coletas, embalagens, separações e expedições até os locais de reprocessamento das matérias, quando necessários. (GONÇALVES; MARTINS, 2006). O processo de logística reversa tem que ser sustentável, pois trata de questões muito mais amplas do que simples devoluções. Os materiais envolvidos nesse processo geralmente retornam ao fornecedor, são revendidos, recondicionados, reciclados, ou simplesmente, são descartados e substituídos. Os clientes valorizam empresas que possuem políticas de retorno de produtos, pois lhes garantem o direito de devolução ou troca de produtos. (GONÇALVES; MARTINS, 2006). Segundo Barbieri e Dias (2002), a logística reversa deve ser concebida como um dos instrumentos de uma proposta de produção e consumo sustentável, por exemplo, se o setor responsável desenvolver critérios de avaliação ficará mais fácil recuperar peças, componentes e embalagens reutilizáveis e reciclá-los.

40 38 A importância da logística reversa está relacionada, além da contribuição para a preservação do meio ambiente, também como a redução de custos e matérias na produção, acionando assim, a satisfação do seu consumidor a preços competitivos e respeitando as legislações ambientais cada vez mais rígidas. (SINNECKER, 2007). O estudo da logística reversa tornou-se relevante em função do crescimento da frequência das operações reversas nos últimos tempos, as empresas e a sociedade passaram a dar atenção especial para este tema, tendo em vista a vantagem competitiva. Conforme levantamentos efetuados é possível concluir os seguintes fatos de acordo com Leite (2003): a) a devolução de mercadorias tem se tornado uma prática comum dos clientes de varejo, visto seu alto nível de exigência; b) os produtos tornam-se obsoletos cada vez mais rápido devido ao avanço tecnológico, o que obriga as empresas a eliminarem tais produtos da forma mais econômica possível; c) as possibilidades de reutilização de materiais por meio da reciclagem, recondicionamento ou outro tipo de reaproveitamento, para a produção de novos produtos com menores custos; d) economia de recursos, gerando ganhos financeiros O âmbito econômico e social da logística reversa A importância da logística reversa pode ser vista em dois grandes âmbitos: o econômico e o social. O econômico refere-se aos ganhos financeiros obtidos a partir de práticas que envolvem a logística reversa. Por exemplo, uma empresa pode reduzir seus custos reutilizando materiais que seriam descartados pelos clientes finais, como retorno de revistas que não foram vendidas. Após a triagem, voltam às bancas como promoções. O âmbito social diz respeito aos ganhos recebidos pela sociedade. Por exemplo, ao se depositar menos lixo em aterros sanitários, adotando-se a reciclagem, reduz-se a chance de contaminação de lençóis freáticos e elimina a possibilidade de corte de árvores A logística reversa e o meio ambiente

41 39 No Brasil, a legislação exige o retorno de produtos considerados perigosos após o término da vida útil, por conter metais pesados, tais como pilhas e baterias, e de produtos considerados problemáticos, devido às poucas opções de tratamento, como pneus. Nestes casos a responsabilidade pela logística e pelo tratamento dos resíduos é do fabricante. Preocupadas com as questões ambientais, as empresas estão cada vez mais acompanhando o ciclo de vida de seus produtos. Isto torna-se cada vez mais claro quando se observa um crescimento considerável no número de empresas que trabalham com reciclagem de materiais. Um exemplo dessa preocupação é o projeto Replaneta, que consiste em coletas de latas de alumínio e garrafas PET, para posterior reciclagem, e que tem como bases de sustentação para o sucesso do negocio a automação e uma eficiente operação de logística reversa. As novas regulamentações ambientais, em especial as referentes aos resíduos, vem obrigando a logística a operar nos seus cálculos com os custos e os benefícios externos. E, em função disso, entende-se que a logística pode ser vista como um novo paradigma no setor. (COELHO, 2009). Existe uma clara tendência de que a legislação ambiental caminhe no sentido de tornar as empresas cada vez mais responsáveis por todo ciclo de vida de seus produtos. Isto significa ser legalmente responsável pelo seu destino após a entrega dos produtos aos clientes e do impacto que estes produzem no meio ambiente. Um segundo aspecto diz respeito ao aumento de consciência ecológica dos consumidores que esperam que as empresas reduzam os impactos negativos de sua atividade ao meio ambiente. Isto tem gerado ações por parte de algumas empresas que visam comunicar ao público uma imagem institucional ecologicamente correta. (LACERDA, 2002) Logística reversa: sinônimo de ciclo de vida Por traz do conceito de logística reversa está um conceito mais amplo que é o do ciclo de vida. A vida de um produto, do ponto de vista logístico, não termina com sua entrega ao cliente. Produtos se tornam obsoletos, danificados, ou não funcionam e deve retornar ao seu ponto de origem para serem adequadamente descartados, reparados ou reaproveitados, danificados ou

42 40 absoletos dos pontos de consumo até os locais de reprocessamento, revenda ou de descarte. Do ponto de vista financeiro, fica evidente que além dos custos de compra de matéria-prima, de produção, de armazenagem e estocagem, o ciclo de vida de um produto inclui também outros custos que estão relacionados a todo o gerenciamento do seu fluxo reverso. Do ponto de vista ambiental, esta é uma forma de avaliar qual o impacto que um produto sobre o meio ambiente durante toda a sua vida. Esta abordagem sistêmica é fundamental para planejar a utilização dos recursos logísticos de forma a contemplar todas as etapas do ciclo de vida dos produtos. Neste contexto, pode-se então definir logística reversa como sendo o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo de matériasprimas, estoque em processo e produtos acabados (e seu fluxo de informação) do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recapturar valor ou realizar um descarte adequado. (LACERDA, 2002). Figura 9: Processo logístico direto e reverso Materiais novos novis Processo Logístico Direto Suprimento Produção Distribuição Materiais reaproveitados Processo Logístico Reverso Fonte: Adaptado de Lacerda (2002). novis O processo de logística reversa gera materiais reaproveitados que retornam ao processo tradicional de suprimento, produção e distribuição, conforme indicado na figura 9. Este processo é geralmente composto por um conjunto de atividades que uma empresa realiza para coletar, separar, embalar e expedir itens usados, medicamentos, dar destinação final e adequada aos produtos que

43 41 estiverem sendo comercializados na rede de farmácia no Estado do Paraná, que estejam com seus prazos de validade vencidos ou fora de condições de uso A logística reversa como forma de diferencial competitivo. A utilização da logística reversa como forma de diferencial é importante para a empresa. A obtenção de vantagem competitiva é um dos principais fatores que levam as organizações a implementarem o processo reverso de distribuição. Mudanças no comportamento de consumo das pessoas também têm contribuído para a incorporação da logística reversa por parte da empresa. Além deste aumento da eficiência e da competitividade das empresas, a mudança na cultura de consumo por parte dos clientes também tem incentivado a logística reversa. Os consumidores estão exigindo um nível de serviço mais elevado das empresas e estas, como forma de diferenciação e fidelização dos clientes, estão investindo em logística reversa. (CHAVES; MARTINS, 2005). Empresas que possuem um processo de logística reversa, bem gerido, tendem as e sobressair no mercado, uma vez que estas podem atender seus clientes de forma melhor e diferenciada de seus concorrentes (BARBOSA, 2009). As empresas que se anteciparem quanto à implementação da logística reversa em seus processos irá se destacar no mercado. Passará para a sociedade uma imagem de empresa corretamente ecológica, inovará na revalorização de seus produtos e irá explorar produtos e materiais de pósvenda e pós-consumo, agregando valor a estes Reciclagem Segundo Razzolini e Berté (2009), a reciclagem pode ser definida como uma atividade de recuperação de materiais descartados que podem ser transformados novamente em matéria prima para a fabricação de novos produtos. Também se denomina reciclagem o retorno da matéria prima ao ciclo de produção, além de designar, genericamente, o conjunto de operações

44 42 envolvidas para esse retorno, é importante esclarecer que, na maior parte dos processos de reciclagem, o produto reciclado é absolutamente diferente do produto original e também não pode ser reutilizado para compor o mesmo produto que lhe deu origem (alimentos, somente são aceitos materiais virgens como embalagem). Basicamente, a reciclagem pode se dividida em etapas, ou técnicas, com a finalidade de aproveitar os resíduos. Essas etapas podem ser divididas em: coleta, separação, revalorização e transformação. Reciclar significa Re (repetir) + Cycle (ciclo). De acordo com Simplício, Ribeiro e Rey (2008), a reciclagem tornou-se importante em muitas partes do mundo como, por exemplo, na cultura norte americana, onde na década de 40 vários produtos eram reciclados para suportar o período da guerra. Com economia dos anos pós-guerra voltou o aumento do consumo e a falta de conscientizar e racionalizar os recursos naturais. Nos anos 70 voltou a ideia de reciclagem e que atualmente vem crescendo a cada ano, não só da sociedade como das indústrias. Essa prática se atribuiu através das leis ambientais presente em determinados processos industriais. A reciclagem é o termo genericamente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. Muitos materiais podem ser reciclados e os exemplos mais comuns são o papel, o vidro, o metal e o plástico. As maiores vantagens da reciclagem são a minimização da utilização de fontes naturais, muitas vezes não renováveis; e a minimização da quantidade de resíduos que necessita de tratamento final, como aterramento, ou incineração. (COMPAM, 2009). Reciclagem é o processo pela qual passa um mesmo material já utilizado para fazer o mesmo produto ou um produto equivalente. A reciclagem é a transformação dos resíduos (o que resta) das embalagens, depois de terem sido separados por famílias de materiais (papel, metal, plástico e vidro) em novos objetos, que podem ou não voltarem a ser embalagens. Esta transformação faz-se através da utilização desses resíduos, substituindo-os por materiais novos no processo de produção. (BARBOSA, 2009). Segundo Barbosa (2009), os resíduos são resultados de processos de diversas atividades, tais como:

45 43 a) industrial; b) doméstica; c) hospitalar; d) comercial; e) agrícola; f) serviços. Tais resíduos pode apresentar-se em três estágios: sólido, gasoso e líquido. Está incluso nesta definição todos os resíduos que restam dos sistemas de tratamento de água, os gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição e determinados líquidos, cujas particularidades tornam inviável seu lançamento na rede pública de esgoto ou rios. Para o fim de tratar e preservar existe soluções técnicas e economicamente viáveis de acordo com a melhor tecnologia disponível. (BARBOSA, 2009) Etapas da reciclagem Segundo Batista e Pagliuso (2006), a caracterização das etapas do processo de reciclagem, considerando as atividades que cada uma delas compreende, pode ser descrita da seguinte maneira: a) coleta: é a atividade de recolhimento dos materiais, nos locais onde são depositados ou descartados pelos consumidores ou usuários; b) separação: atividade de triagem dos materiais por seus tipos (plástico, vidro, metal, madeira, papel etc.); c) revalorização: etapa intermediária em que os materiais separados são preparados para serem transformados em novos produtos; d) transformação: é o processamento dos materiais revalorizados para a geração de novos produtos/insumos destinados a novos ciclos produtivos. Para compreender a reciclagem, é importante alterar o conceito que se tem de lixo, de algo sujo e inútil em sua totalidade. O primeiro passo é perceber que o lixo, quando encaminhado ao processo de tratamento correto, é fonte de riqueza. Para tanto, necessita que se faça uma separação de materiais, (BATISTA; PAGLIUSO, 2006).

46 Tipos de reciclagem são: Segundo a empresa COMPAM (2009), os principais tipos de reciclagem a) metal: são muito utilizados em equipamentos, estruturas e embalagens devido sua elevada durabilidade, resistência e facilidade de conformação, separam-se as sucatas em ferrosos e não ferrosos; b) papel: a reciclagem de papel é utilizada na transformação de novas folhas de papel comercialmente vendidas e são cortadas em tamanhos pré-definidos. Os mais comuns são carta e A4, usados em escritórios e tarefas escolares. As gráficas também usam papel em tamanho A3, principalmente para confecção de cartazes; c) plástico: vem das resinas derivadas do petróleo e pertence ao grupo dos polímeros (moléculas muito grandes, com características especiais e variadas). A palavra plástica tem origem grega e significa aquilo que pode ser moldado. Além disso, uma importante característica do plástico é manter a sua forma após a moldagem; d) vidro: o caco funciona como matéria prima já balanceada, podendo substituir o feldspato que tem função fundente, pois o caco precisa de menos temperatura para fundir. Os cacos devem ser separados por cor (transparente, marrom e verde). (COMPAM, 2009) Benefícios da reciclagem Os resultados da reciclagem são expressivos tanto no campo ambiental, como nos campos econômico e social. No meio-ambiente a reciclagem pode reduzir a acumulação progressiva de resíduos na produção de novos materiais, como por exemplo o papel, que exigiria o corte de mais árvores; as emissões de gases como metano e gás carbônico; as agressões ao solo, ar e água; entre outros tantos fatores negativos. (CALVALCANTE, 1995).

47 45 No aspecto econômico a reciclagem contribui para o uso mais racional dos recursos naturais e a reposição daqueles recursos que são passíveis de reaproveitamento. No âmbito social, a reciclagem não só proporciona melhor qualidade de vida para as pessoas, através das melhorias ambientais, como também tem gerado muitos postos de trabalho e rendimento para pessoas que vivem nas camadas mais pobres. De acordo com Cavalcante (1995), a reciclagem oferece os seguintes benefícios: a) contribui para diminuir a poluição do solo, água e ar; b) melhora a limpeza da cidade e a qualidade de vida da população; c) prolonga a vida útil de aterros sanitários; d) melhora a produção de compostos orgânicos; e) gera empregos para a população não qualificada; f) gera receita com a comercialização dos recicláveis; g) estimula a concorrência, uma vez que os produtos gerados a partir dos reciclados são comercializados em paralelos àqueles gerados a partir de matérias primas virgens; h) contribui para a valorização da limpeza pública e para formar uma consciência ecológica. A reciclagem é indispensável e beneficia não só ao meio ambiente como também ás empresa que as realizam gerando assim um lucro onde antes não existia. Poupar e preservar os recursos naturais reduzindo o volume de resíduos a ser tratado e descartado. Algumas indústrias brasileiras vêm praticando a reciclagem de seus próprios resíduos, buscando diminuir o impacto ambiental e reduzir os custos produtivos. (PIVA; WIEBECK, 2004) Símbolo da reciclagem Conforme Saldanha (2009), com a conscientização ambiental crescente entre os consumidores, surgiu uma ideia de uma empresa de Chicago, a Container Corporation of America, a patrocinar um concurso nacional para estudantes de arte e design com o objetivo de encontrar o símbolo definitivo para o movimento.

48 46 Poucos podiam imaginar que o símbolo, ganhador de um concurso de ideias patrocinado por essa empresa, terminaria por se converter em um dos mais difundidos e conhecidos da história. (SALDANHA, 2009). O ganhador do concurso, no qual se apresentaram mais de 500 propostas, foi um jovem de 23 anos, estudante da University of Southern Califórnia, Gary Anderson. A grande sacada das três flechas, ou do anel que nunca termina, é que foi criado sobre a faixa Möbius, um signo conceitual matemático que revela duas faces e sugere eterna continuidade. (SALDANHA, 2009). Figura 10: Símbolo da Reciclagem Fonte: Pixabay, O símbolo mundial da reciclagem é um triângulo, formado por três setas no sentido horário. A primeira seta representa a indústria, que produz um determinado produto. A segunda refere-se ao consumidor, que utiliza o item. A terceira seta representa a reciclagem, que permite a reutilização da matéria prima.

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R.

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R. . CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MONOGRAFIA ÁREA: LOGÍSTICA LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

LOGISTICA REVERSA UM COLABORADOR PARA O MEIO AMBIENTE RESUMO

LOGISTICA REVERSA UM COLABORADOR PARA O MEIO AMBIENTE RESUMO LOGISTICA REVERSA UM COLABORADOR PARA O MEIO AMBIENTE Fernanda Furio Crivellaro fercrivellaro@hotmail.com Fernanda Teixeira de Sousa fernanda_tsousa@yahoo.com RESUMO A logística é uma vantagem competitiva,

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

LOGISTICA EMPRESARIAL

LOGISTICA EMPRESARIAL 1 UM POUCO DA HISTÓRIA DA LOGÍSTICA (GOMES & RIBEIRO, 2004), afirmam que a palavra logística é originária do vocábulo francês loger, que significa alocar. As operações logísticas iniciaram na Grécia Antiga,

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística 2.0 A Logística Neste capítulo será realizada uma breve análise sobre os conceitos e métodos aplicados à logística empresarial, construindo o arcabouço teórico necessário para o desenvolvimento do modelo

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

LOGÍSTICA: diferencial competitivo em uma empresa florestal

LOGÍSTICA: diferencial competitivo em uma empresa florestal LOGÍSTICA: diferencial competitivo em uma empresa florestal Alan Cassio Gnoato Kunrath Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Rubens Bruno Leal Ramalho Graduando em Administração

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL Aline Pereira dos Anjos 1 Larissa Fabiana Oliveira Caetano 1 Luciana Pereira Mendonça 1 Clézio Antônio Lara 2 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS Edilaine Gomes Fiuza edilainefiuza@hotmail.com Fatec Zona Leste Marcos José Corrêa Bueno mjvm@ig.com.br

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E MARKETING VERDE Bruna Catallão - bruna_catallao@yahoo.com.br Mirian Heloisa Fogolin - mirianfogolin@yahoo.com.

LOGÍSTICA REVERSA E MARKETING VERDE Bruna Catallão - bruna_catallao@yahoo.com.br Mirian Heloisa Fogolin - mirianfogolin@yahoo.com. LOGÍSTICA REVERSA E MARKETING VERDE Bruna Catallão - bruna_catallao@yahoo.com.br Mirian Heloisa Fogolin - mirianfogolin@yahoo.com.br RESUMO O presente artigo vem explicitar a importância da Logística Reversa,

Leia mais

PROCESSO DE ARMAZENAMENTO, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS EM UMA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

PROCESSO DE ARMAZENAMENTO, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS EM UMA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS PROCESSO DE ARMAZENAMENTO, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS EM UMA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS Naraiana Agapito (UFSC) naraagapito@yahoo.com.br Elane Schwinden Prudêncio (UFSC) elane@cca.ufsc.br Nos últimos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros

Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Guilherme Castro Ferreira (UFOP) guilhermecferreira@yahoo.com.br Gustavo

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E MARKETING VERDE

LOGÍSTICA REVERSA E MARKETING VERDE LOGÍSTICA REVERSA E MARKETING VERDE Bruna Catallão - bruna_catallao@yahoo.com.br Mirian Heloisa Fogolin - mirianfogolin@yahoo.com.br RESUMO O presente artigo vem explicitar a importância da Logística Reversa,

Leia mais

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA Maria do Carmo Jampaulo Plácido Palhaci UNESP, Departamento de Artes e Representação Gráfica palhaci@faac.unesp.br Ricardo

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA FASA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA Lorena Palma Araújo RA nº. 20350584

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental Alexandre Borges Fagundes (UTFPR) borges.fagundes@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira (UTFPR) ivanir@utfpr.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE COMO INSTRUMENTOS DE CONTROLE GERENCIAL Por: Auremilia Vilena de Almeida Orientador Prof.

Leia mais

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag Paulo Daniel Pessoa (FAGEN/UFU) pd.pessoa@hotmail.com Claúdio Luis Miotto (FAGEN/UFU) miotto@ufu.br Resumo Estudo

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO LEITE DE CONSUMO NO BRASIL. Daniela Rodrigues Alves. A formação do setor industrial de leite

INDUSTRIALIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO LEITE DE CONSUMO NO BRASIL. Daniela Rodrigues Alves. A formação do setor industrial de leite INDUSTRIALIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO LEITE DE CONSUMO NO BRASIL Daniela Rodrigues Alves A formação do setor industrial de leite Origens (... - 1920) A origem do leite de consumo no Brasil está intimamente

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável Balanço Sustentável ÍNDICE SUSTENTABILIDADE PARA A SONDA IT...03 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS...05 CONHEÇA AS AÇÕES SUSTENTÁVEIS DA SEDE DA SONDA IT...06 DATA CENTER PRÓPRIO...13 ASPECTOS AMBIENTAIS...15 Sustentabilidade

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício.

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Daniel Davi Boff ddboff@gmail.com Unochapecó Moacir Francisco Deimling moacir@unochapeco.edu.br Unochapecó Rodrigo Barichello rodrigo.b@unochapeco.edu.br

Leia mais

Estudo de caso sobre Logística Reversa

Estudo de caso sobre Logística Reversa Estudo de caso sobre Logística Reversa Autores Cristiane Meneghel Dorizotto Angelita Barski Orientador Rosangela Vanalle 1. Introdução Na sociedade moderna, os resíduos sejam eles industriais ou residenciais,

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

CAPÍTULO II LOGÍSTICA

CAPÍTULO II LOGÍSTICA CAPÍTULO II LOGÍSTICA Uma boa estrutura organizacional não produz por si só um bom desempenho - assim como uma boa Constituição não garante grandes presidentes, ou boas leis, ou uma sociedade moral. Mas

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE ISSN 1984-9354 ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE Área temática: Logística Erika Ribeiro erika.thais2510@gmail.com Myriã Lozano myricapopis@hotmail.com

Leia mais

Fabio Rosa (G CESPAR) Luiz Alberto de Oliveira (G - CESPAR)

Fabio Rosa (G CESPAR) Luiz Alberto de Oliveira (G - CESPAR) RINGA MANAGEMENT RESUMO Redução de custos passou a ser a diretriz primária das empresas para enfrentar a acirrada concorrência atual. Diante desse desafio desenvolveram formas de melhoria de produção,

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica 1 Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica Alexandre Valentim 1 Dário Pinto Júnior 2 Fausto Kunioshi 2 Heloisa Nogueira 1 alexandrevalentim@uol.com.br dariompj@yahoo.com.br fausto.kunioshi@csn.com.br

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS O QUE É LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO? LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS Prof., Ph.D.????? DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO Logística é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e economicamente eficaz

Leia mais

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL.

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. Vanessa Teresinha Alves (UFSM) vanerotta@gmail.com Julio Cezar Mairesse

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA Antonia Maria Gimenes¹, Marcio Jabour de Oliveira², William Gonçalves São Leão⁴

Leia mais

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO 40 Logística Reversa como Política Pública para o Desenvolvimento Regional: Uma Proposta de Pesquisa sobre a Aplicabilidade da Política Nacional de Resíduos Sólidos no município de Franca (SP) Fernando

Leia mais

Visão Geral da Logística Empresarial

Visão Geral da Logística Empresarial Visão Geral da Logística Empresarial Prof. Dr. Nicolau D. Fares Gualda Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes email: ngualda@usp.br LOGÍSTICA Verbo Loger

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Departamento de Ciências Contábeis Curso de Ciências Contábeis LOGÍSTICA REVERSA: UM ESTUDO APLICADO

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais