LABGEO UM PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO, CÁLCULO E EMISSÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LABGEO UM PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO, CÁLCULO E EMISSÃO"

Transcrição

1 LABGEO UM PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO, CÁLCULO E EMISSÃO DE RELATÓRIO PARA LABORATÓRIOS DE MECÂNICA DOS SOLOS LUIS EDMUNDO PRADO DE CAMPOS (1) ADELVAN SANTOS DA SILVA (2) Sumário O LABGEO é um programa para gerenciamento dos ensaios realizados em laboratórios de mecânica dos solos, elimina os cálculos manuais e possibilita a emissão de relatório. Permitir cadastrar interessados, ordens de serviços e amostras, gerenciando o andamento dos ensaios até a emissão do relatório. Calcula de forma iterativa com o operador os resultados dos ensaios, facilitando o trabalho do mesmo. O programa é divido em cinco grandes módulos que são: Cadastro, Ensaios, Calibração, Acompanhamento e Impressão. Com a implementação desse programa melhorou consideravelmente a confiabilidade dos cálculos dos ensaios e o gerenciamento do laboratório, além de facilitar a emissão de relatório. Palavras chaves: Programação, Ensaios, Mecânica dos Solos 1 Introdução A falta de um sistema capaz de gerenciar os diversos ensaios realizados num laboratório de mecânica dos solos, levou o Grupo de Geotecnia da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia a desenvolver um programa para suprir tal carência. O sistema foi desenvolvido dividindo em cinco grandes grupos visando facilitar a utilização do mesmo. Os grupos são: Cadastro, Ensaios, Calibração, Acompanhamento e Impressão. Uma descrição do que é realizado em cada grupo é apresentado no corpo deste trabalho. O programa foi desenvolvido utilizando a linguagem Delph. Uma visão da tela principal é apresentada a seguir: Figura 1 Tela principal 2 Cadastro 1 Professor Titular da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia 2 Aluno de graduação de Engenharia Civil da Universidade Federal da Bahia

2 Essa parte do programa permite o cadastramento dos diversos interessados que solicitam ensaios ao laboratório, cadastro das ordens de serviços (OS), cadastro das amostras para cada OS, e cadastro dos ensaios para cada amostra. No cadastro do interessado constam as informações básicas de identificação do cliente (nome, CNPJ, inscrição estadual, endereço, telefone, Fax, e engenheiro responsável pela empresa e seu telefone). Para registrar uma OS, inicialmente, necessita informar o interessado (já cadastrado), seguindo-se por informar o número de amostras enviadas para que o sistema já aloque a faixa de numeração das amostras. As ordens de serviços são cadastradas em ordem crescente de acordo com a data de abertura da mesma. Após cadastro da OS o sistema permite o cadastramento das amostras. número da bandeja em que a mesma foi colocada no laboratório, tipo da amostra (saco, bloco ou Shelby ), textura, cor e origem (aterro, sedimentar ou residual). O sistema numera automaticamente as amostras de forma crescente, permitindo o cadastramento dos diversos ensaios solicitados para cada amostra, de acordo com o que o laboratório realiza. Posteriormente, quando do grupo dos ensaios, só serão disponibilizados para preenchimento dos dados os ensaios solicitados, estando os demais desabilitados. Figura 3 Cadastro das Amostras 3 Ensaios Os ensaios disponibilizados pelo sistema atualmente são: granulometrria por peneiramento e sedimentação, limites de liquidez e plasticidade, massa específica dos sólidos, compactação nas Figura 2 Cadastro da ordem de serviço Para cadastrar as amostras são necessárias informações que envolvem descrição, furo/estaca, profundidade de coleta, diversas energias, CBR, cisalhamento direto, triaxial e adensamento, sendo os primeiros nos grupos dos ensaios convencionais de caracterização e compactação e os três últimos no grupo dos ensaios especiais, que estão em

3 fase de implantação, não estando disponível no momento. A forma de apresentação da tela para digitação dos dados dos ensaios são semelhantes às fichas de anotação dos dados (ficha de ensaio), facilitando a alimentação da informação. Para o ensaio de granulometria, as telas são subdivididas nos ensaios de teor de umidade higroscópica, peneiramento e sedimentação. A tela de peneiramento, permite a entrada das diversas etapas do mesmo, sendo essas subdivididas em frações graúda, grossa e fina, informando a massa total e a massa retida em cada peneira. A escolha do jogo de peneiras para cada etapa é definida no grupo do cadastramento. Na sedimentação, informa-se o densímetro e proveta utilizados, que são previamente calibrados no grupo de Calibração, e os dados das leituras efetuadas de densidade da suspensão e temperatura nos diversos tempos pré-estabelecidos. O sistema busca automaticamente o valor da massa específica dos sólidos que deve ser digitada anteriormente, após a realização do ensaio, para permitir a realização dos cálculos. Figura 4 Ensaio de Granulometria Após a digitação dos dados o programa apresenta a curva de distribuição granulométrica do solo, permitindo o cálculo da porcentagem retida para qualquer diâmetro através de interpolação. Os ensaios do limites de liquidez e plasticidade são informados de forma semelhante aos demais, podendo o operador escolher o número de pontos para cada ensaio. Figura 5 Ensaio de limite de liquidez Após a informação dos resultados desses ensaios, o programa faz a classificação do solo com base nos sistemas HBR e USCS, além da análise granulométrica pela ABNT, DNER e ISSMGE. Para os ensaios de compactação, é necessário informar a energia, cilindro utilizado e

4 número de pontos realizados, sendo solicitado os dados dos mesmos. O sistema calcula o valor do teor de umidade ótimo e peso específico seco máximo, utilizando para isto interpolação do 3º grau - spline, indicado pelo usuário, mostrando na tela a curva de saturação para ajudar na escolha do melhor ajuste da curva. Para o ensaio de CBR, o mesmo pode ser efetuado com apenas um ponto ou utilizando diversos pontos da curva de compactação. A alimentação de dados pode ser manual ou através de um arquivo, cujos resultados foram adquiridos por um sistema automático de dados. Figura 7 Ensaio de CBR Após entrada de dados é apresentado o gráfico de carga versus penetração com a eventual indicação da reta de correção inicial, podendo a mesma ser modificada pelo usuário utilizando o mouse. Para o caso do CBR múltiplo, é traçado um gráfico semelhante ao de compactação, onde é ilustrado o valor do CBR versus o teor de umidade de moldagem, sendo calculado e apresentado o valor do CBR para a umidade ótima. 4 Calibração Figura 6 Ensaio de compactação Para o caso de um único ponto, o sistema informa o valor do teor de umidade ótimo e o peso específico seco máximo, obtidos do ensaios de compactação, fornecendo adicionalmente o peso específico seco de moldagem do corpo de prova e o valor do grau de compactação. No grupo de Calibração o sistema permite a calibração dos densímetros, picnômetros e cilindros de compactação e CBR, além de permitir a escolha das peneira utilizadas nas diversas etapas do peneiramento (graúdo, grosso e fino), dentre as disponíveis comercialmente no mercado. O usuário pode cadastrar diversos grupos de peneiras, que deverá ser escolhida na fase de execução dos ensaios. Apenas as peneiras escolhidas

5 apareceram no quadro para realização dos ensaios. Nesse grupo, o programa solicita a informação do valor da aceleração da gravidade no local do laboratório, para converter os dados para o sistema SI, e em qual diretório deverá ser armazenados os dados. 6 Impressão O grupo de Impressão permite ao usuário imprimir um relatório por ordem de serviço ou individual por amostra. Pode ainda, escolher em apresentar o quadro com as informações de cadastramento das amostras, quadro resumo dos ensaios e gráficos individuais. Permite, também, fazer a opção de escolha da impressora para a impressão. No quadro resumo consta a porcentagem retida em 10 peneiras previamente escolhidas pelo usuário, valor do limite de liquidez, plasticidade, índice de plasticidade, classificação HRB e USCS, energia de Figura 8 Escolha das peneiras 5 Acompanhamento compactação, teor de umidade ótimo, peso específico seco máximo, expansão e CBR. O sistema permite ao usuário acompanhar os ensaios em andamento no laboratório, informando os ensaios programados e já realizados para cada amostra de cada ordem de serviço. A alimentação da condição do ensaio programado para realizado é feita automaticamente, quando o usuário confirma a realização do ensaio na digitação dos dados do mesmo. Com esse acompanhamento, o responsável pelo laboratório por reprogramar as atividades visando atender a demanda de serviços. Figura 9 Tela de impressão Na ficha individual, é apresentada a curva de distribuição granulométrica, carta de plasticidade, análise granulométrica pela ABNT, DNER e ISSMGE, e classificação dos solos pelos sistemas HRB e USCS. Para o ensaio de compactação é apresentada a curva com

6 indicação do valor do teor de umidade ótimo e peso específico seco máximo, complementado com os valores obtidos de teor de umidade e peso específico seco proveniente dos ensaios. Dados semelhantes são apresentados para ensaios de CBR. 7 Conclusões A implementação do sistema no Laboratório de Geotecnia possibilitou uma melhoria considerável na qualidade e tempo para cálculos dos ensaios realizados, atendendo plenamente os seus objetivos. O sistema vem sendo adotado por empresas de geotecnia da Bahia, melhorando a apresentação e a qualidade dos ensaios realizados, possibilitando também, a liberação dos técnicos para trabalhos mais nobres. Pretende-se na próxima etapa finalizar a parte dos ensaios especiais e implementar uma nova filosofia na qual o usuário poderá acompanhar os resultados e previsão de finalização dos ensaios pela internet. Referencias Bibliográficas Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas pertinentes aos ensaios de solos e preparação de amostras

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Anexo 3 Secção de Urbanismo,

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2009 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

EFEITOS DA ADIÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO FRESADO NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE SOLOS

EFEITOS DA ADIÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO FRESADO NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE SOLOS EFEITOS DA ADIÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO FRESADO NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE SOLOS Rafael Batezini Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil, rafaelbatezini@gmail.com Fernando José Pugliero Gonçalves

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA

CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA Ana Patrícia Nunes Bandeira 1 José Robson de Lima Feitosa 2 1. Introdução/Desenvolvimento Entende-se por barragem qualquer

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA

DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA 1. Objetivo Determinar as dimensões das partículas e suas proporções relativas de ocorrência de forma a se obter o traçado da curva granulométrica de um determinado solo.

Leia mais

SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA

SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA.: RELATÓRIO DE ESTUDOS GEOTÉCNICO :. SSA Nº. 089/15 Cliente: GENPOWER PARTICIPAÇÕES S.A. Endereço: Avenida das Américas, 7935, bloco 02, sala 247, Bairro Tijuca Rio

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG

CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG (1) Marcela Ribeiro Gomes, marcelaribeiro.mah@hotmail.com (2) Mário Vitor Pinheiro, mariovitorpinheiro@hotmail.com

Leia mais

MANUAL. Assunto (o que é) Objetivo (porquê) Público-Alvo (para quem) Natureza (como)

MANUAL. Assunto (o que é) Objetivo (porquê) Público-Alvo (para quem) Natureza (como) Assunto (o que é) Manual de Acesso e Cadastro para Ficha de Inscrição do Concurso Agrinho 2017. Objetivo (porquê) Auxiliar nas dúvidas no preenchimento da Ficha de Inscrição do Concurso Agrinho 2017. Público-Alvo

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I Aula 03 Granulometria dos solos Augusto Romanini Sinop - MT 2017/1

Leia mais

ALESSANDER C. MORALES KORMANN

ALESSANDER C. MORALES KORMANN ALESSANDER C. MORALES KORMANN ENSAIOS DE COMPACTAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO Universidade Federal do Paraná APRESENTAÇÃO O presente roteiro tem o objetivo de auxiliar os alunos da disciplina Mecânica dos Solos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 03 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos (alinecris16@hotmail.com) SOLO: Heterogeneidade PARTÍCULAS LAMELARES SOLO: Comportamento SOLO: Estudos

Leia mais

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Caracterização e Estado dos solos Prof. Caio Rubens Caracterização dos solos 2) Índices de Consistência (Limites de Atterberg) Somente a distribuição granulométrica

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS Felipe Cordeiro de Lima Ricardo Almeida de Melo ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS

Leia mais

P L A N O D E C U R S O. Objetivos Gerais: Estudar o solo como material de construção e como material para estruturas.

P L A N O D E C U R S O. Objetivos Gerais: Estudar o solo como material de construção e como material para estruturas. D E PA RTA M E N T O D E E N G E N H A R I A E N G 1 0 8 1 - G E O T E C N I A I T U R M A C 0 1 3 Ementa: P L A N O D E C U R S O Fundamentos de geologia de engenharia. Estudo das propriedades físicas

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO -

MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO - PROF. SILVRANO ADONIAS DANTAS NETO, DOUTOR EM GEOTECNIA INTRODUÇÃO:

Leia mais

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS Marcelo Angst Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista de Iniciação Científica, mangciv@urisan.tche.br Universidade Regional Integrada

Leia mais

Sistema Fumproate - Inscrição

Sistema Fumproate - Inscrição CARTILHA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS NO Sistema Fumproarte - Inscrição Manual do Usuário Índice 1. Introdução...2 2. Conceitos iniciais...2 3. Orientações Gerais...3 3.1. Segurança do Sistema... 3 3.2.

Leia mais

Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia

Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia GEOTÉCNICA Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia T.M.P. de Campos (2011) Tamanho de Grãos Matacão Calhau Pedregulho > 200mm 60 < < 200mm 2 < < 60mm Areia Silte Argila 0,06 < < 2mm 0,002

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 5)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 5) 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 5) Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Aula prática: Ensaios de determinação dos índices físicos, e ensaio de granulometria Conteúdo da aula prática

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE RCD PARA REFORÇO DE SOLO COM ADIÇÃO DE FIBRAS

REAPROVEITAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE RCD PARA REFORÇO DE SOLO COM ADIÇÃO DE FIBRAS REAPROVEITAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE RCD PARA REFORÇO DE SOLO COM ADIÇÃO DE FIBRAS Thaísa Ferreira Macedo Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco, Recife/PE, Brasil, thaisa_197@hotmail.com

Leia mais

4. MATERIAIS UTILIZADOS

4. MATERIAIS UTILIZADOS 4. MATERIAIS UTILIZADOS Descrevem-se nesse capítulo a origem e as características dos materiais utilizados na pesquisa. 4.1 AREIA O Departamento de Edificações Rodovias e Transportes do Ceará - DERT, cedeu

Leia mais

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais;

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; 2014 Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; Relatório diário das atividades executadas; Caracterização

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DE ENTRADA DE NOTAS FISCAIS VIA B2B ONLINE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DE ENTRADA DE NOTAS FISCAIS VIA B2B ONLINE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DE ENTRADA DE NOTAS FISCAIS VIA B2B ONLINE Versão 2.0 01/2006 ÍNDICE 1. Objetivo...3 2. Como acessar o Sistema...3 3. Cadastro de Notas...4 3.1. A digitação da Nota Fiscal

Leia mais

Manual Sistema de Gerenciamento dos Auxiliares da Justiça

Manual Sistema de Gerenciamento dos Auxiliares da Justiça 2016 Manual Sistema de Gerenciamento dos Auxiliares da Justiça MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS AUXILIARES DA JUSTIÇA PÚBLICO EXTERNO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO STI

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO CURSOS QUE ATENDE DEPARTAMENTO ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

AULA 3 AGREGADOS Propriedades Físicas

AULA 3 AGREGADOS Propriedades Físicas AULA 3 AGREGADOS Propriedades Físicas Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil FINALIDADE

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 358 ENTECA 2003 ESTUDO TEÓRICO EXPERIMENTAL: INFLUÊNCIA DO TIPO DE CIMENTO PORTLAND NA ESTABILIZAÇÃO DE SOLO LATERÍTICO DO NOROESTE DO PARANÁ Juliana Azoia Lukiantchuki, Antonio Belincanta, Maria Tereza

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL Moura, Washington A.(1); Gonçalves, Jardel P. (2); (1) Eng. Civil, Doutor em Engenharia Civil, professor

Leia mais

ME-55 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO EXPEDITA DO ÍNDICE MINI-CBR POR PENETRAÇÃO DINÂMICA

ME-55 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO EXPEDITA DO ÍNDICE MINI-CBR POR PENETRAÇÃO DINÂMICA ME-55 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO EXPEDITA DO ÍNDICE MINI-CBR POR PENETRAÇÃO DINÂMICA DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

O que é a Nota Fiscal Eletrônica?

O que é a Nota Fiscal Eletrônica? O que é a Nota Fiscal Eletrônica? A Nota Fiscal Eletrônica - NFS-e é um documento fiscal digital gerado e armazenado eletronicamente em tempo real, no site da própria Prefeitura, com o objetivo de registrar

Leia mais

SARESP Manual do Sistema Integrado do Saresp - SIS

SARESP Manual do Sistema Integrado do Saresp - SIS SARESP 2010 Manual do Sistema Integrado do Saresp - SIS Sumário 3 INTRODUÇÃO 5 AGENTE VUNESP 5 Acesso ao Sistema 5 Atualização de Cadastro 6 Alocação de Fiscais 7 Visualização e Manutenção da Alocação

Leia mais

UNIP - COMPLEMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS E FUNDAÇÕES PROFESSORA MOEMA CASTRO, MSc. [ AULA 05]

UNIP - COMPLEMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS E FUNDAÇÕES PROFESSORA MOEMA CASTRO, MSc. [ AULA 05] EXERCÍCIOS 01 - COMPACTAÇÃO Com base nos dados de um ensaio de compactação feito com a energia Proctor MODIFICADA, apresentados na tabela a seguir, e sabendo que a massa específica dos grãos do solo é

Leia mais

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. 1 Material de apoio 2 Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto,

Leia mais

Calibração de Sensores Medidores de Umidade para Solo - Comparação entre Calibração de Laboratório e Campo

Calibração de Sensores Medidores de Umidade para Solo - Comparação entre Calibração de Laboratório e Campo XVIII Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica O Futuro Sustentável do Brasil passa por Minas 19-22 Outubro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil ABMS, 2016 Calibração de Sensores

Leia mais

4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos

4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos 4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos O presente capítulo apresenta tanto os procedimentos experimentais empregados para a realização dos ensaios de caracterização geotécnica dos materiais

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 1)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 1) 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 1) Hélio Marcos Fernandes Viana Tema: Visita ao laboratório de Mecânica dos Solos (ou Geotecnia) - Apresentação das normas e equipamentos utilizados

Leia mais

Análise Experimental de Solos Característicos do Distrito Federal Estabilizados com Cal

Análise Experimental de Solos Característicos do Distrito Federal Estabilizados com Cal XVIII Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica O Futuro Sustentável do Brasil passa por Minas 19-22 Outubro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil ABMS, 2016 Análise Experimental

Leia mais

ESTUDO AMBIENTAL E TÉCNICO DA APLICAÇÃO DO AGREGADO RECICLADO NA ESTRUTURA DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

ESTUDO AMBIENTAL E TÉCNICO DA APLICAÇÃO DO AGREGADO RECICLADO NA ESTRUTURA DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS ESTUDO AMBIENTAL E TÉCNICO DA APLICAÇÃO DO AGREGADO RECICLADO NA ESTRUTURA DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS RESPLANDES, Helaine da Mota Santos 1 ; REZENDE, Lilian Ribeiro de 2 Palavras-chave: Resíduos da construção

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 10)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 10) 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 10) Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Ensaio CBR (California Bearing Ratio) Conteúdo da aula prática 1 Importância do ensaio CBR ou Índice de Suporte

Leia mais

3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO

3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO 3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO 3.1 ESTUDO DO SUBLEITO 3.1.1 OBJETIVOS (A) Reconhecimento dos solos do subleito - Perfis dos solos Perfis (unidades) geotécnicos - Caracterização das camadas (densidade,

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema de Notas Fiscais Produtor/Avulsa. Módulo NFPA - e

Manual do Usuário. Sistema de Notas Fiscais Produtor/Avulsa. Módulo NFPA - e Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso Superintendência do Sistema Administrativo Fazendário Superintendência Adjunta de Gerenciamento de Tecnologia da Informação Manual do Usuário Sistema de Notas

Leia mais

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido Manual de Instalação do Gold Pedido 1 Visão Geral Programa completo para enviar pedidos e ficha cadastral de clientes pela internet sem usar fax e interurbano. Reduz a conta telefônica e tempo. Importa

Leia mais

CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS

CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS Introdução Dada a infinidade de solos que existem na natureza é necessário um sistema de classificação que indique características geotécnicas comuns de um determinado grupo de solos a partir de ensaios

Leia mais

Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc.

Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. C O M P L E M E N T O S D E M E C Â N I C A D O S S O L O S E F U N D A Ç

Leia mais

Parte 1: Conceitos Básicos GEOTÉCNICA. Granulometria

Parte 1: Conceitos Básicos GEOTÉCNICA. Granulometria Parte 1: Conceitos Básicos GEOTÉCNICA Granulometria Conceitos Geotécnicos Básicos Grãos individuais Tamanho, forma, rugosidade, mineralogia, superfície específica Relações entre fases Porosidade, índice

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz 1 Diretoria de Administração SGA Seção de Patrimônio

Fundação Oswaldo Cruz 1 Diretoria de Administração SGA Seção de Patrimônio Fundação Oswaldo Cruz 1 ÍCONES / FÍGURAS Abrir (Possibilita o acesso em outra tela) Confirmar ou Enviar Sair ou Voltar Imprimir Este Sinal simboliza a ajuda, possibilitando ao usuário acessar as diversas

Leia mais

MANUAL. Via Portal do Cidadão

MANUAL. Via Portal do Cidadão MANUAL Enviar Proposta de Licitações" Via Portal do Cidadão Para efetuar esta operação o usuário deverá acessar o portal balneariopicarras.atende.net rolar a página até o final, clicando na aba Enviar

Leia mais

TEXTURA DO SOLO. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva

TEXTURA DO SOLO. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva TEXTURA DO SOLO Atributos físicos e químicos do solo -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva Introdução Textura vs Granulometria Tamanho das partículas minerais Frações de interesse Atributo intrínseco

Leia mais

7 Ensaios de laboratório

7 Ensaios de laboratório 17 7 Ensaios de laboratório Neste capítulo serão apresentados os resultados dos ensaios de laboratório realizados. Estes ensaios visam a caracterização e a obtenção de parâmetros de resistência e deformabilidade

Leia mais

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Secretaria De Estado de Fazenda Superintendência de Gestão da Informação Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários DECLARAÇÃO DE COMPRA

Leia mais

Compactação dos Solos. Fernando A. M. Marinho 2012

Compactação dos Solos. Fernando A. M. Marinho 2012 Compactação dos Solos Fernando A. M. Marinho 2012 Por que Compactar os Solos? Objetivos da Compactação Aumentar a capacidade suporte do solo. Diminuir os recalques indesejados nas estruturas. Controlar

Leia mais

Ensaio Proctor Intermediário E 12,9 Kg.cm/cm³. w ót ) 19,70% Umidade Ótima (

Ensaio Proctor Intermediário E 12,9 Kg.cm/cm³. w ót ) 19,70% Umidade Ótima ( INTRODUÇÃO O ensaio CBR (Califórnia Bearing Ratio), tem como objetivo fornecer o índice de resistência do solo compactado. Com a obtenção deste parâmetro, podemos verificar se o solo em estudo tem propriedades

Leia mais

PROCAD Sistema Eletrônico de Processos Administrativos

PROCAD Sistema Eletrônico de Processos Administrativos PROCAD Sistema Eletrônico de Processos Administrativos MANUAL PARA USUÁRIOS O Sistema PROCAD é uma das soluções que compõem o SAT Sistema de Arrecadação Tributária. Este manual é um passo-a-passo para

Leia mais

ESTUDO DE MISTURAS DE SOLO ARGILOSO LATERÍTICO DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL E BRITA PARA USO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 2ª FASE 1

ESTUDO DE MISTURAS DE SOLO ARGILOSO LATERÍTICO DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL E BRITA PARA USO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 2ª FASE 1 ESTUDO DE MISTURAS DE SOLO ARGILOSO LATERÍTICO DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL E BRITA PARA USO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 2ª FASE 1 Lucas Pufal 2, Carine Norback 3, Mariana Bamberg Amaral 4,

Leia mais

Análise Granulométrica. Análise Granulométrica. Análise Granulométrica

Análise Granulométrica. Análise Granulométrica. Análise Granulométrica Associação Educativa Evangélica UniEvangélica Curso de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II AGREGADOS AULA 06 - GRANULOMETRIA 2 Oprocessodedividirumaamostradeagregadoem

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO ESTRUTURAL DE VIAS SOBRE LASTRO

AVALIAÇÃO DO ESTADO ESTRUTURAL DE VIAS SOBRE LASTRO 11 a. SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA FÓRUM TÉCNICO AVALIAÇÃO DO ESTADO ESTRUTURAL DE VIAS SOBRE LASTRO AUTORES: (1) CÁSSIO EDUARDO LIMA DE PAIVA - UNICAMP (2) JOÃO DINI PIVOTO MRS LOGÍSTICA (3) FERNANDO

Leia mais

SOLUÇÕES EM GESTÃO DE RELACIONAMENTO

SOLUÇÕES EM GESTÃO DE RELACIONAMENTO SOLUÇÕES EM GESTÃO DE RELACIONAMENTO Hoje as empresas necessitam e muito de uma ferramenta de Gestão de Clientes! Porém, o alto custo de tal ferramenta inviabiliza sua implantação em empresas de pequeno

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA PORTAL ESTUDANTE PASSO A PASSO PROCEDIMENTOS

SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA PORTAL ESTUDANTE PASSO A PASSO PROCEDIMENTOS SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA PASSO A PASSO PROCEDIMENTOS Origem: Data de Criação: 01/07/2010 Ultima alteração: Versão: 1.2 Tipo de documento: PRO-V1. 0 Autor: Adriano Padovani Colaborador:

Leia mais

Material de apoio. Granulometria do Solo. Granulometria do Solo

Material de apoio. Granulometria do Solo. Granulometria do Solo Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. Material de apoio 2 PINTO, C. de S. CursoBásicodeMecânicados Solos, Editora

Leia mais

O que é a Nota Fiscal Eletrônica?

O que é a Nota Fiscal Eletrônica? O que é a Nota Fiscal Eletrônica? A Nota Fiscal Eletrônica - NFS-e é um documento fiscal digital gerado e armazenado eletronicamente em tempo real, no site da própria Prefeitura, com o objetivo de registrar

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA Usada para caracterizar o tamanho das partículas de um material Distinguem-se pelo tamanho cinco tipos de sólidos particulados: Pó: partículas de 1 μm até 0,5 mm Sólidos Granulares:

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

3 Caracterização física, compactação e contração

3 Caracterização física, compactação e contração 20 3 Caracterização física, compactação e contração 3.1. Introdução No presente capítulo apresenta-se uma revisão bibliográfica, materiais e métodos, resultados e discussão dos ensaios de caracterização

Leia mais

Figura 1 Acesso ao módulo de projetos da IECLB

Figura 1 Acesso ao módulo de projetos da IECLB Pela graça de Deus, livres para cuidar. Buscai o bem e não o mal (Amós 5.14ª) Secretaria Geral IECLB nº 246.301/16a Manual para cadastramento de propostas de projeto Edital I Ação Missionária O presente

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS Questão 1- Uma amostra de solo foi coletada em campo. Verificou-se que a amostra, juntamente com seu recipiente, pesavam 120,45g. Após permanecer

Leia mais

Alegres, Jubilai! Igreja sempre em reforma: agora são outros 500 Nele vivemos, nos movemos e existimos (Atos a)

Alegres, Jubilai! Igreja sempre em reforma: agora são outros 500 Nele vivemos, nos movemos e existimos (Atos a) Alegres, Jubilai! Igreja sempre em reforma: agora são outros 500 Nele vivemos, nos movemos e existimos (Atos 17. 28a) Secretaria Geral IECLB nº 254.455a/17 Manual para cadastramento de propostas de projeto

Leia mais

Prospecção. Sistema de Prospecção de Clientes Manual do Usuário. versão 1

Prospecção. Sistema de Prospecção de Clientes Manual do Usuário. versão 1 Prospecção Sistema de Prospecção de Clientes Manual do Usuário versão 1 Sumário Introdução 1 Operação básica do aplicativo 2 Formulários 2 Filtros de busca 2 Telas simples, consultas e relatórios 3 Parametrização

Leia mais

Manual Grupo Módulos INTsys CND. Manual Grupo Módulos. Atualização (Abril/2016)

Manual Grupo Módulos INTsys CND. Manual Grupo Módulos. Atualização (Abril/2016) Manual Grupo Módulos INTsys CND Manual Grupo Módulos Atualização (Abril/2016) ÍNDICE ACESSO AO SISTEMA...03 DASHBOARD...03 ESCRITÓRIOS Escritórios...04 ESCRITÓRIOS Usuário...05 CLIENTES Cliente...05 AGENDAMENTO...06

Leia mais

Plano de Ensino de GEOTECNIA I TURMAS A02 e C01 PRELEÇÃO

Plano de Ensino de GEOTECNIA I TURMAS A02 e C01 PRELEÇÃO Plano de Ensino de GEOTECNIA I TURMAS A02 e C01 PRELEÇÃO 1. Ementa Fundamentos de geologia de engenharia. Estudo das propriedades físicas e classificação dos solos. Compactação. Pressões geostáticas e

Leia mais

RECE7000 Emissão de recibos de Adiantamentos. RECE7000 Emissão de Recibos de Adiantamentos 1 / 12

RECE7000 Emissão de recibos de Adiantamentos. RECE7000 Emissão de Recibos de Adiantamentos 1 / 12 RECE7000 Emissão de recibos de Adiantamentos 1 / 12 Ao fechar um negócio, o cliente pode adiantar uma parte do pagamento combinado, mesmo antes da emissão da NF correspondente. O registro do recebimento

Leia mais

Devido a heterogeneidade os solos e a grande variedade de suas aplicações, é praticamente impossível

Devido a heterogeneidade os solos e a grande variedade de suas aplicações, é praticamente impossível 6.0 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS 6.1 Introdução Devido a heterogeneidade os solos e a grande variedade de suas aplicações, é praticamente impossível estabelecer um único critério rio para sua classificação.

Leia mais

Mecânica dos solos AULA 4

Mecânica dos solos AULA 4 Mecânica dos solos AULA 4 Prof. Nathália Duarte Índices físicos dos solos OBJETIVOS Definir os principais índices físicos do solo; Calcular os índices a partir de expressões matemáticas; Descrever os procedimentos

Leia mais

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO Amaro Gabriel Joaquim Priscila Santos Salgado Orientador:

Leia mais

Suprimentos Licitações Kit C9396

Suprimentos Licitações Kit C9396 Suprimentos LC Licitações Kit C9396 Copyright GOVERNANÇABRASIL 2011 SUMÁRIO 1. MÓDULO PRINCIPAL... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 2. VISÃO GERAL DO SISTEMA... 5 3. KIT PESQUISA - PREENCHIMENTO DA PESQUISA

Leia mais

SAO-WEB Manual do Usuário

SAO-WEB Manual do Usuário Documento SAO-WEB Manual do Usuário 1 Referência: SAO-WEB Sistema SAO-WEB Módulo Geral Responsável Trion Data 05/2010 Objetivo Descrever o funcionamento do SAO WEB. O SAO-WEB é uma forma de acesso ao SAO-ERP

Leia mais

DO USUÁRIO. Relatórios de Atividades da Lei Pilhas e Baterias Fabricante Nacional

DO USUÁRIO. Relatórios de Atividades da Lei Pilhas e Baterias Fabricante Nacional MANUAL DO USUÁRIO Relatórios de Atividades da Lei 10.165 Pilhas e Baterias Fabricante Nacional IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATU- RAIS RENOVAVÉIS Elaborado por Priscila Pivante

Leia mais

Composição dos Solos

Composição dos Solos Composição dos Solos Composição do Solo Fragmentos de rocha Minerais primários Minerais secundários: Argilo-minerias Silicatos não cristalinos Óid Óxidos e hidróxidos hidóid de ferro e alumínio íi Carbonatos

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA PORTAL CIDADÃO PASSO A PASSO PROCEDIMENTOS

SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA PORTAL CIDADÃO PASSO A PASSO PROCEDIMENTOS SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA PASSO A PASSO PROCEDIMENTOS Origem: Data de Criação: 15/11/2010 Ultima alteração: Versão: 1.1 Tipo de documento: PRO-V1. 0 Autor: Adriano Padovani Colaborador:

Leia mais

Manual Sistema de Gerenciamento dos Auxiliares da Justiça

Manual Sistema de Gerenciamento dos Auxiliares da Justiça 2016 Manual Sistema de Gerenciamento dos Auxiliares da Justiça MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS AUXILIARES DA JUSTIÇA PÚBLICO EXTERNO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO STI

Leia mais

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados G. Nassetti e C. Palmonari Centro Cerâmico Italiano, Bologna,

Leia mais

Entrada de Mercadoria

Entrada de Mercadoria Entrada de Mercadoria Para cadastrar ou gerenciar uma Entrada de Mercadoria acesse o menu: Compras > Entrada de Mercadoria. Em seguida clique no botão 1 / 23 Dados da entrada No campo Fornecedor informe

Leia mais

SISTEMA DE INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS MODALIDADE EXPERIÊNCIA MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA DE INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS MODALIDADE EXPERIÊNCIA MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS MODALIDADE EXPERIÊNCIA MANUAL DO USUÁRIO 1) TELA INICIAL DE INSCRIÇÃO OPÇÃO 1 (CA experiência): A área de inscrições é destinada ao candidato

Leia mais

ERP BRASCOMM Sistema de Gestão Empresarial 100% Web. Manual do Usuário. Módulo de CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente

ERP BRASCOMM Sistema de Gestão Empresarial 100% Web. Manual do Usuário. Módulo de CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente ERP BRASCOMM Sistema de Gestão Empresarial 100% Web Manual do Usuário Módulo de CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente O módulo de CRM possui ferramentas práticas para auxiliar no atendimento ao cliente

Leia mais

Operações Unitárias Experimental I PENEIRAMENTO

Operações Unitárias Experimental I PENEIRAMENTO Operações Unitárias Experimental I PENEIRAMENTO Tamisação Separação sólido - sólido A tamisação (peneiramento) trata da separação de uma mistura de materiais sólidos granulados de diversos tamanhos em

Leia mais

Processo de inscrição

Processo de inscrição Processo de inscrição O processo de inscrição das equipes nos Jogos Sindusfarma foi totalmente reformulado e agora passou a ser muito mais prático e seguro. Será necessário apenas seu e- mail corporativo

Leia mais

Recadastramento Nacional. Pesquisa sobre o Perfil dos/as Assistentes Sociais no Brasil: condições de trabalho e exercício profissional

Recadastramento Nacional. Pesquisa sobre o Perfil dos/as Assistentes Sociais no Brasil: condições de trabalho e exercício profissional Recadastramento Nacional Pesquisa sobre o Perfil dos/as Assistentes Sociais no Brasil: condições de trabalho e exercício profissional Substituição das atuais carteiras e cédulas de Identidade Profissional

Leia mais

Como se origina um curso de especialização no SIGAA?

Como se origina um curso de especialização no SIGAA? SIGAA Manual de Usuário Gestor de Cursos Lato Sensu O Módulo Lato Sensu no SIGAA possibilita o gerenciamento das atividades acadêmicas dos cursos do tipo Especialização existentes na Instituição. A Pró-Reitoria

Leia mais

7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS

7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS 7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS Na tentativa de melhor identificar os materiais de alteração de rocha, como rocha alterada ou solo residual, realizou-se a imersão das mesmas em água,

Leia mais

Docente do Curso de Engenharia Civil da UNIJUÍ -

Docente do Curso de Engenharia Civil da UNIJUÍ - ESTUDO COMPARATIVO DA CURVA GRANULOMÉTRICA DO RCD (RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO) PRÉ E PÓS ENSAIO DE PRÓCTOR. 1 COMPARATIVE STUDY OF THE GRANULOMETRIC CURVE OF RCD (RESIDUE OF CONSTRUCTION AND DEMOLITION)

Leia mais

Mecânica de Solos revisão: conceitos de solos. Prof. Fabio B. Tonin

Mecânica de Solos revisão: conceitos de solos. Prof. Fabio B. Tonin Mecânica de Solos revisão: conceitos de solos Prof. Fabio B. Tonin solo Palavra oriunda do latim solum Na língua portuguesa, terreno sobre que se constrói ou se anda; chão, pavimento. A definição depende

Leia mais

MANUAL INTEGRAÇÃO SAT X PagBem Criado em: 11/05/2016 Atualizado em: 20/02/2017

MANUAL INTEGRAÇÃO SAT X PagBem Criado em: 11/05/2016 Atualizado em: 20/02/2017 O Objetivo deste manual é auxiliar o usuário a fazer uso da ferramenta de integração com o sistema PagBem para programar pagamentos como Adiantamentos, Pedágio e Saldo. 1 - Cadastrando a Operadora de Cartão

Leia mais

Manual da Turma Virtual: LANÇAR NOTAS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo:

Manual da Turma Virtual: LANÇAR NOTAS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: Manual da Turma Virtual: LANÇAR NOTAS Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: MENU ALUNOS LANÇAR NOTAS Essa operação tem como finalidade possibilitar o cadastro

Leia mais

SMART CADASTRO DE EMPRESA

SMART CADASTRO DE EMPRESA SMART CADASTRO DE EMPRESA -> Cadastros/ Parâmetros/ Empresa O objetivo principal é cadastrar dados relacionados a Empresa (razão social da empresa, fantasia, alíquotas para cálculo de custos) conforme

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 FUNCIONALIDADES Visualização do Plano Estratégico do Grupo Hospitalar Conceição... 3

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 FUNCIONALIDADES Visualização do Plano Estratégico do Grupo Hospitalar Conceição... 3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 FUNCIONALIDADES... 3 Visualização do Plano Estratégico do Grupo Hospitalar Conceição... 3 Visualização/Edição de Status e Parecer... 4 Visualização/Inserção de Encaminhamentos...

Leia mais

Compacidade das areias e Limites de Atterberg

Compacidade das areias e Limites de Atterberg Conceitos Básicos P.P. (2011) GEOTÉCNIA Compacidade das areias e Limites de Atterberg Introdução (revisão) Mineralogia: argila se caracterizam por seu tamanho muito pequeno e sua atividade elétrica superficial

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Classificação de Solos Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA (Dispersão Total)

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA (Dispersão Total) 12 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA (Dispersão Total) 12.1 Método do densímetro 12.2.1 Princípio Baseia-se na sedimentação das partículas que compõem o solo. Após a adição de um dispersante químico, fixa-se um tempo

Leia mais

Liberação de Atualização

Liberação de Atualização Liberação de Atualização Autônomos Efetuadas diversas alterações e novas implementações nas rotinas de Autônomos. Com estas alterações, será possível criar eventos diversos de vencimento e desconto e lançá-los

Leia mais