Para o vestibular. Revisão em 22 volumes História Gabarito. ESTUDANDO Revolução Russa. 1 d. 14 b. 15 c

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para o vestibular. Revisão em 22 volumes História Gabarito. ESTUDANDO Revolução Russa. 1 d. 14 b. 15 c"

Transcrição

1 Revisão em 22 volumes História Gabarito ESTUDANDO Revolução Russa Para o vestibular 1 d 14 b 2 a) A gravíssima crise econômica (com a carestia, a escassez e até mesmo o desaparecimento dos gêneros de primeira necessidade), motivada pela participação da Rússia na Primeira Guerra Mundial, somada à manutenção dos grandes latifúndios rurais, que propiciavam os privilégios da aristocracia, foi um dos fatores que mais contribuíram para a eclosão do processo revolucionário de 1917, que primeiro derrubou a monarquia e depois levou os comunistas (bolcheviques) ao poder. 3 b 4 b 5 d 6 c 7 a 8 d 9 b 10 b b) Os Soviets (em russo) ou Sovietes (na forma aportuguesada) eram assembleias de deputados eleitos diretamente pelas classes ou pelos segmentos sociais revolucionários (operários, camponeses, soldados). Apareceram em cena, pela primeira vez, na Revolução de E tiveram um papel de primeira importância nas revoluções de 1917, quando se apresentaram como alternativa de poder ao governo provisório, instaurado após a queda da monarquia. Nos meses intensos que se seguiram à Revolução de evereiro, a radicalização das massas fez com que a liderança dos Sovietes passasse das mãos dos mencheviques e socialistas revolucionários, de tendência moderada e conciliadora, para as mãos dos bolcheviques, que propunham levar o processo revolucionário às últimas consequências. No dia 25 de outubro de 1917 (segundo a datação do Calendário Juliano, então adotado na Rússia), o II Congresso Panrusso dos Sovietes, reunido na capital, Petrogrado, endossou a tomada do poder pelos bolcheviques, legitimando a insurreição desencadeada na véspera. 15 c 16 a) Ao implantar um regime socialista, a Revolução Russa representava uma experiência inédita; além disso, no contexto entre as duas guerras mundiais, a Rússia socialista não sofria as crises do capitalismo pós-29; e as próprias democracias liberais pareciam estar em risco nos anos 1930, em virtude da ascensão de diversos regimes ditatoriais, de caráter fascista, na Europa ocidental. 17 d 18 e 21 c b) Entre os fatores que levaram à derrocada dos regimes socialistas, pode-se citar, por exemplo, a estagnação econômica causada pelo atraso tecnológico e pelos altos investimentos na indústria bélica. Nesse cenário, a economia soviética tornou-se incapaz de sustentar os regimes dos outros países socialistas. Além disso, houve um enfraquecimento político do regime, em razão da derrota após dez anos de ocupação do Afeganistão. Com a ascensão de Gorbachev, teve início um movimento de abertura política e econômica que levou ao fim os regimes socialistas e a própria União Soviética. 19 O principal elemento da Revolução Russa foi o fato de a Rússia ter realizado uma revolução de base popular, aproveitando as insatisfações geradas pela participação do país na Primeira Guerra Mundial e unindo camponeses e operários no movimento, uma vez que a classe operária era uma parcela pequena da população. Após a revolução, Lenin implantou um governo socialista e o Estado assumiu o controle dos meios de produção russos. 20 Durante a Primeira Guerra Mundial, muitos camponeses russos foram recrutados como soldados, o que resultou em uma crise de abastecimento no país e aumentou a insatisfação dos russos com o governo czarista. A situação da guerra também facilitou a disseminação dos ideais bolcheviques entre os soldados russos, o que tornou possível a conversão dos Sovietes em soldados que foram fundamentais à Revolução de Outubro. 11 a 12 d 13 d

2 ESTUDANDO Revolução Russa Para o ENEM 1 c 2 d 3 a 4 b 5 b 6 d 7 a

3 Revisão em 22 volumes História Gabarito ESTUDANDO A crise de 1929 Para o vestibular 1 c 2 a) A crise de 1929 foi consequência da desregulamentação econômica praticada especialmente pelos Estados Unidos, que, fundamentando-se nos princípios do liberalismo, não exerciam nenhum controle sobre a economia, que se desenvolveu durante e após a Primeira Guerra. Esse crescimento ocorreu porque as grandes empresas americanas produziam para o mercado interno e para os europeus. A partir de 1925, com a reorganização industrial da Europa, a indústria dos Estados Unidos começou a perder consumidores, sem diminuir o ritmo de produção. Além do problema de superprodução e subconsumo, houve especulação desmedida na Bolsa de alores. Em 1929, as empresas não estavam bem financeiramente, apesar de suas ações serem vendidas a preços exorbitantes. A partir daí, todos passaram a querer vender suas ações podres de uma vez. oi isso que causou o crack do mercado de ações, arrastando o sistema capitalista do mundo inteiro para a crise. 3 b) Após essa crise econômica e social, chegou ao poder o presidente Roosevelt, com a missão de reordenar a economia do país. Ele pôs em prática um plano econômico conhecido como New Deal, que previa dinamizar a economia com a intervenção do Estado, gerando empregos e, consequentemente, reaquecendo o consumo. Posteriormente, o Estado passou a controlar os agentes econômicos e financeiros para evitar a especulação desmedida. 4 a) Ele se opunha à teoria econômica liberal, que rejeitava qualquer intervenção estatal na economia e afirmava que o mercado corrigiria, por si só, as eventuais distorções, assegurando a saúde do sistema capitalista. A tese liberal, se já era passível de crítica na época do capitalismo concorrencial, tornou-se totalmente falsa com a formação do capitalismo oligopolista. No capitalismo concorrencial, os preços dos produtos oscilavam em torno do valor real das mercadorias, pois a empresa que vendia caro perdia compradores para a concorrente que vendia barato. A chamada lei da oferta e da procura funcionava, de certa forma, como um mecanismo regulador puramente econômico. No capitalismo oligopolista, porém, cartéis formados por empresas gigantescas passaram a controlar ramos inteiros ou mesmo vários ramos da produção, combinando e ditando preços sempre superiores aos valores reais das mercadorias. A superprodução e o subconsumo tornaram-se fatores crônicos. A esses elementos, acrescentou-se a forte especulação financeira, com a compra e a venda de ações a preços superdimensionados. 5 c 6 c b) A equipe do presidente Roosevelt elaborou uma política econômica, chamada New Deal, para tirar os Estados Unidos da Grande Recessão. Investimentos estatais em obras de grande porte e empréstimos estatais a empresários em dificuldades possibilitaram a geração de empregos e a recontratação de trabalhadores. A criação do salário-desemprego e da assistência social foi outra maneira de socorrer os desempregados. Essas e outras medidas estimularam o consumo, reaquecendo paulatinamente a economia. Essa teoria estabeleceu as bases do que seria definido como o Estado do Bem-Estar Social (Welfare State). 7 a 8 a 9 I 10 a 11 d

4 12 a) Na agricultura, com o fim da Primeira Guerra Mundial, os preços diminuíram no mercado internacional e a superprodução de grãos não encontrou mercados suficientes para absorvê-la, levando muitos fazendeiros à falência; na indústria, a expansão foi acompanhada da concentração de renda, da estagnação dos salários das classes trabalhadoras e do desemprego, em função do grande desenvolvimento tecnológico, o que, no conjunto, acarretou uma queda na capacidade interna de consumo. Além disso, a recuperação econômica europeia no pós-guerra trouxe como resultado a queda na compra de bens industriais americanos, o que reduziu a capacidade de exportação do país. Em consequência, houve redução nos lucros, o que levou os empresários a especularem com as ações de suas empresas, provocando a desconfiança dos investidores. 13 d 14 a 15 e b) Entre as muitas medidas do New Deal, podem ser destacados: incentivo à construção de obras públicas, oferecendo novas oportunidades de emprego; criação do salário-desemprego; redução da jornada de trabalho; controle da produção, visando à manutenção dos preços dos produtos básicos; fixação de um salário mínimo; ampliação do sistema de previdência social. 16 a) Com a queda da produção industrial nos EUA, a América Latina deixou de exportar matérias-primas, o que constituía a base de sua economia; o consumo de produtos primários não essenciais, como café, açúcar, cacau, caiu em todo o mundo por causa do desemprego crescente. b) O New Deal foi um conjunto de medidas do governo norte-americano para contornar a crise iniciada em 1929; entre suas ações podem ser considerados: incentivo à geração de empregos com a realização de obras públicas e a ampliação dos serviços públicos, estímulos a empresas privadas americanas por meio de contratos de fornecimento de produtos ao governo e política de auxílio aos desempregados. 18 a) A crise de 1929 foi uma crise do capitalismo liberal, um sistema que se baseava na ausência de regulamentação estatal sobre as atividades econômicas, deixando o setor privado livre para buscar as melhores oportunidades de ganhos e acumulação. Com a crise, o Estado passou a regular a economia, implantando o modelo keynesiano. 20 b b) O modelo desregulado, ou neoliberal, veio a superar nos anos 1970 o modelo keynesiano, pois considerava-se que a regulamentação da economia pelo Estado limitava o crescimento da economia, já que impedia a expansão do capitalismo em escala mundial. 19 a) Medidas que poderiam ser mencionadas: subsídios aos agricultores americanos, para sustentar o valor dos produtos; estabelecimento de um valor para o salário mínimo, para garantir o poder de compra dos trabalhadores; geração de empregos em serviços e obras públicas; estímulo às indústrias americanas, com a compra de produtos pelo governo. b) A crise de 2008 foi provocada, entre outros elementos, pelo grande volume de endividamento dos norte-americanos e a especulação nos setores financeiro e imobiliário. O aumento da inadimplência bancária criou dificuldades para bancos, e a queda no valor dos imóveis minou as garantias oferecidas por empréstimos. 21 As duas crises foram precedidas por uma onda especulativa que, em 1929, foi mais evidente no mercado de ações e, em 2008, mais visível no mercado imobiliário. Na prática, as ondas especulativas geraram as duas crises. Essas valorizações excessivas atraíram investimentos de capitais, mas foram seguidas por grandes desvalorizações, levando os investidores a acumular grandes perdas. 17 atores que contribuíram para a crise: especulação financeira; superprodução agrícola; superprodução industrial; desaceleração do consumo; quebra da Bolsa de Nova York; reaquecimento das economias europeias. O desdobramento para a Europa: crise econômica e financeira, iniciada com a falência de empreendimentos agrícolas e industriais dependentes de capitais norte-americanos, repatriados em função da quebra da Bolsa de Nova York.

5 ESTUDANDO A crise de 1929 Para o ENEM 1 a 2 c 3 d 4 d 5 e 6 b 7 b

6 Revisão em 22 volumes História Gabarito ESTUDANDO Segunda Guerra Mundial, mundo bipolar e Guerra ria Para o vestibular 1 Soma: = 12 2 d 3 e 4 c 5 b 6 c 7 C C C C 8 e 9 a) A falácia da superioridade racial do povo alemão e a exploração econômica descarada de outros povos eram valores plenamente assumidos pelos nazistas. Por isso, ao invadir numerosos países, os nazistas não vacilaram em matar milhões de pessoas, saquear matérias-primas, submeter grandes massas humanas ao trabalho escravo ou semiescravo e roubar obras de arte e outros tesouros culturais. 10 d b) A participação do Brasil na guerra resultou tanto da pressão dos Estados Unidos quanto da intensa mobilização popular, liderada, na clandestinidade, pelo Partido Comunista. A orientação dos comunistas era formar a mais ampla frente possível para derrotar as potências do Eixo e impedir a vitória nazifascista. Os soldados da orça Expedicionária Brasileira (EB) combateram na Itália sob coordenação americana. A Batalha de Monte Castello, que opôs a EB ao Exército Alemão, foi vencida pelos brasileiros, que perderam 443 vidas no combate. 11 a) Podem-se citar três países: rança, Inglaterra, União Soviética ou Estados Unidos. O motivo dessa aliança foi a defesa de seus territórios contra o expansionismo promovido pelos países do Eixo. b) A criação da ONU, que passou a deliberar sobre questões internacionais; a desmilitarização dos países do Eixo após a Segunda Guerra Mundial. 12 a) A União Soviética era uma confederação de nações, cujos integrantes gozavam de hipotética igualdade de direitos. No período de transição abrupta da economia centralizada para a economia de mercado, várias repúblicas se retiraram da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), inclusive a Geórgia. A região da Ossétia não conseguiu se constituir em Estado independente: uma parte de seu território permaneceu dentro da ederação Russa e a outra, dentro da Geórgia. Os interesses econômicos sobre o petróleo e o gás natural levaram a Rússia a defender a separação da Ossétia do Sul do restante da Geórgia. Essa foi a causa imediata do conflito entre a Rússia e a Geórgia. 13 b 14 e 16 d 18 d 20 b b) Os países do leste europeu passaram a integrar a área de influência soviética. Um dos instrumentos de subordinação era o Pacto de arsóvia, que reprimiu pesadamente as populações que procuraram se libertar. oi o caso dos húngaros, em 1956, e dos tchecos, em O sistema todo entrou em crise, em razão do atraso das forças produtivas da União Soviética; a mobilização de enormes recursos econômicos para se manter na corrida armamentista contra os Estados Unidos; a estagnação política e cultural do país; o desgaste sofrido pelas forças armadas soviéticas em decorrência de sua malsucedida intervenção no Afeganistão etc. c) A queda do Muro anunciou o colapso da Alemanha Oriental e, por extensão, do bloco soviético. A desestruturação que se seguiu levou de arrastão todos os regimes do leste, inclusive aqueles que mantinham certa independência em relação a Moscou, como Iugoslávia, Albânia e Romênia. 15 Soma: = 9 17 e 19 e 21 e

7 ESTUDANDO Segunda Guerra Mundial, mundo bipolar e Guerra ria Para o ENEM 1 c 2 d 3 c 4 a 5 b 6 c 7 a 8 b

8 Revisão em 22 volumes História Gabarito ESTUDANDO A exploração colonial da América portuguesa Para o vestibular 1 d 2 e 15 b 16 c 3 a) Desde a chegada de espanhóis e portugueses às terras americanas, a rança sempre mostrou interesse em participar dessa expansão colonial, porém teve suas intenções frustradas pelo Tratado de Tordesilhas, que garantiu aos países ibéricos o monopólio de exploração daqueles territórios. Naquele momento, a rança vivia um processo de centralização política fortemente marcado pelos conflitos religiosos entre católicos e huguenotes. Estes estavam interessados na expansão comercial e na conquista de novas terras, que poderiam servir também de refúgio para que professassem sua religião. 4 Soma: = 30 5 b 6 d 7 c 8 Soma: = 10 9 b) Outra incursão francesa ao território português na América ocorreu entre 1612 e 1615 no litoral do atual Maranhão, onde um grupo de franceses católicos fundou o orte de São Luís. O governo francês era controlado pelo cardeal Richelieu, de tendência absolutista, que garantia apoio àqueles que buscassem expandir domínios coloniais, desde que possuíssem vínculos políticos e religiosos com o Estado. 17 c 18 c 19 e 20 Soma: = a) As duas interpretações apresentadas no texto são: uma, considerada tradicional, associa a luta contra os holandeses a um feito dos colonos brasileiros e negros, e não do colonizador português, o que serviria para reforçar a identidade nacional; a outra, que critica essa primeira, nega a existência de um sentimento nativista entre os brasileiros que lutaram contra os holandeses, e explica essa luta pela inserção dos senhores de engenho na economia açucareira, na qual eles se sentiam excluídos ou favorecidos pela ocupação holandesa. 22 a b) ários fatores poderiam ser mencionados, como a ausência de um herdeiro para o trono português, após a morte de D. Sebastião no norte da África, o que levou à União Ibérica, reunindo Portugal e Espanha sob um só governo; ao mesmo tempo, a Holanda se tornava independente do império espanhol, criando uma rivalidade que impedia o comércio com as antigas colônias portuguesas; nesse comércio, os holandeses tinham grande interesse no açúcar produzido no Nordeste; além disso, visavam ao tráfico de escravos. 10 Prerrogativas das Câmaras Municipais coloniais: participar da administração da Justiça; inspecionar o abastecimento de gêneros; supervisionar os terrenos e vias públicas; negociar junto à monarquia os interesses da região; em alguns conselhos, administrar tributos especificamente locais e municipais. 11 b 12 b 13 c 14 b

9 ESTUDANDO A exploração colonial da América portuguesa Para o ENEM 1 e 2 b 3 e 4 e 5 c 6 b

10 Revisão em 22 volumes História Gabarito ESTUDANDO O século do ouro no Brasil Para o vestibular 1 Soma: = 14 2 a) Podem ser citadas: a religião católica; a língua portuguesa; a divisão hierárquica da sociedade, entre outras. 3 Errado A disseminação do protestantismo pela Europa fez com que a Igreja de Roma incumbisse a recém-reconhecida Companhia de Jesus, criada por Ignácio de Loyola, de reafirmar e fortalecer valores, dogmas e princípios católicos. Na Europa, os jesuítas criaram universidades; na América portuguesa, agiram a fim de catequizar as populações nativas. 4 5 e 6 b b) Podem ser citadas: o escravismo como base da sociedade; o latifúndio monocultor; a miscigenação racial; a maior mobilidade social, entre outras. 7 Portugal/Holanda: parceria na produção e no mercado do açúcar colonial até 1580; disputa pelas áreas produtoras de açúcar no nordeste da colônia; ocupação holandesa no Brasil em 1624/1625 e de 1630 a Portugal/Inglaterra: dependência comercial de Portugal em relação à Inglaterra desde o século XII; descoberta do ouro no Brasil aprofundando sua dependência, pois Portugal comprava mercadorias da Inglaterra pagando com o ouro do Brasil; assinatura, em 1703, do Tratado de Methuen vinhos e azeites versus tecidos e manufaturados; publicação do Alvará de 1795, em Portugal, proibindo indústrias no Brasil. 9 Portugal/Holanda: A descoberta do ouro atraiu para a região do atual estado de Minas Gerais grande número de mineradores e aventureiros, vindos de outras capitanias e de Portugal. Considerando injusto que os que chegaram depois, especialmente os portugueses, tivessem os mesmos direitos de exploração do ouro que eles, paulistas, estes reivindicaram à Coroa portuguesa que a outorga de concessão de exploração do território aurífero fosse exclusivamente feita pelas autoridades da capitania de São Paulo. A recusa da Coroa em atender a essa reivindicação agravou ainda mais a disputa já existente entre paulistas e emboabas, que era como aqueles designavam os forasteiros, terminando por desencadear um violento conflito, conhecido como Guerra dos Emboabas. Em 1789, nova agitação político-social ocorreu na zona de mineração. O declínio da produção aurífera em Minas Gerais fez com que a Coroa portuguesa estabelecesse a derrama, uma taxação compulsória em que a população deveria completar a cota de 100 arrobas (1.500 kg) de ouro, prevista na lei como arrecadação anual mínima da tributação metropolitana, quando esta não era atingida. Como reação a isso, um grupo de descontentes com o domínio português arquitetou uma conspiração, denominada Inconfidência Mineira, com o objetivo de fazer de Minas Gerais um país independente. A partir disso, podemos concluir que tanto a Guerra dos Emboabas como a Inconfidência Mineira tiveram como motivação as queixas de brasileiros contra a legislação que regia a atividade mineradora na colônia, por eles considerada injusta. 10 a) A originalidade de algumas revoltas ocorridas na primeira metade do século XIII consistia na contestação dos direitos do rei e na participação dos estratos sociais inferiores. b) Diferentemente do que ocorria nas revoltas da primeira metade do século XIII, a participação na Inconfidência Mineira era restrita às camadas mais abastadas da sociedade. Além disso, o movimento tinha um conteúdo ideológico emancipacionista e republicano. 11 Soma: = 49 8 e 12 e 13

11 14 a) O número de índios é bem superior ao número de escravos de origem africana. Isso é justificado pelo trabalho de aprisionamento de índios desenvolvido pelos bandeirantes paulistas (bandeirismo de aprisionamento). Outra justificativa encontra-se nas condições econômicas de São Paulo, que eram inferiores às do Nordeste açucareiro, assim como às de Minas Gerais, mesmo que a mineração estivesse ainda se iniciando, nos primeiros anos do século XIII. 15 b b) Inicialmente era permitida apenas a escravidão dos indígenas capturados em guerra justa, por não se sujeitarem ou resistirem à conversão religiosa. No século XIII, durante o governo do marquês de Pombal, Portugal extinguiu oficialmente a escravidão indígena. 16 Soma: = d 18 a 19 b 20 c 21 a) O conflito foi a Guerra dos Emboabas. Os paulistas consideravam que os demais colonos não teriam direitos sobre a mineração por não terem participado do processo de descoberta do ouro. b) Sim. A economia mineradora atraiu uma grande população para o interior e se desenvolveu em torno de núcleos urbanos, o que gerou um mercado consumidor na região, estimulando o desenvolvimento da pecuária e da agricultura voltada ao abastecimento interno. 22 a

12 ESTUDANDO O século do ouro no Brasil Para o ENEM 1 c 2 c 3 c 4 b 5 c 6 a 7 c

13 Revisão em 22 volumes História Gabarito ESTUDANDO A transferência da Corte, a abertura dos portos e a Revolução do Porto Para o vestibular 1 c 2 a 3 b 4 d 5 a) As mudanças suscitadas pela transferência da Corte enfatizadas no texto são, basicamente, a criação de novas instituições pela Coroa portuguesa, sediadas no Rio de Janeiro, e a centralização administrativa. b) Entre os objetivos do movimento pernambucano de 1817 é possível citar a independência da região ou a instituição de um regime republicano. 15 a) Assinatura do Tratado de Aliança e Comércio entre Brasil e Inglaterra, em b) Impactos econômicos: essa ação determinou o congelamento de um possível desenvolvimento manufatureiro no Brasil que, a partir de 1808, observou a revogação do Alvará de 1785; o fluxo de produtos manufaturados ingleses para o Brasil determinou uma balança econômica desfavorável e um crescente endividamento. Impactos políticos: a subordinação da economia brasileira à economia inglesa acarretou uma subordinação política e uma grande perda de autonomia; coibiu o desenvolvimento de mais um grupamento socioeconômico, no caso o burguês, fato que perpetuou o imobilismo das velhas oligarquias. 6 d 7 a) Com base no texto, percebe-se duas mudanças significativas ocorridas em 1808 quanto ao tráfico negreiro. Por um lado, ele foi proibido tanto nos Estados Unidos quanto no Império Britânico; por outro lado, no Império Português ocorreu a intensificação do tráfico de escravos, que entravam em quantidade cada vez maior no porto do Rio de Janeiro. 8 c 9 c b) Entre os interesses do Império Britânico na proibição do tráfico negreiro, pode-se mencionar a formação de um mercado consumidor para os produtos britânicos por meio da generalização do trabalho assalariado e a necessidade de reduzir a presença de comerciantes luso-brasileiros na África, onde os ingleses buscavam se fixar. 10 Soma: Basta citar duas destas inovações: a Biblioteca Real, atual Nacional, o Real Horto, atual Jardim Botânico, a Intendência de Polícia ou a vinda da Missão Artística rancesa. Uma das mudanças e sua respectiva consequência: a abertura dos portos às nações amigas e o rompimento com o pacto colonial, ou a elevação do Brasil a Reino Unido e o fim do status de colônia da América portuguesa. 16 e 17 Entre as ações que enriqueceram a vida cultural, podem ser citadas duas: a instalação da Biblioteca Real, atual Biblioteca Nacional, em 1810; a criação do Jardim Botânico, que deu impulso à botânica e ao naturalismo no Brasil; a Missão Artística rancesa de 1816 e a fundação da Escola de Belas-Artes; a fundação da Escola Militar e de outras instituições de ensino no Rio de Janeiro; a fundação da Imprensa Régia, que passou a publicar documentos oficiais, além de livros e jornais. Controle sobre as atividades culturais: A Imprensa Régia monopolizava a impressão de livros e de periódicos no Rio de Janeiro; sendo assim, as ideias vindas da Europa eram filtradas pela Coroa antes de serem publicadas. 18 Soma: c 20 a 21 c 22 d 23 a 12 c 13 Soma: c

14 ESTUDANDO A transferência da Corte, a abertura dos portos e a Revolução do Porto Para o ENEM 1 e 2 c 3 c 4 a 5 d 6 b 7 d

15 Revisão em 22 volumes História Gabarito ESTUDANDO A crise do sistema colonial e a Independência do Brasil Para o ESTIBULAR 1 a) A naturalização da pobreza pelas elites é funcional, porque as exime da resolução da questão. A inexorabilidade com que a pobreza é representada impede que esta seja entendida como uma construção social e histórica e, portanto, reversível. b) O efeito desse discurso é o superdimensionamento da coerção, em detrimento do combate aos mecanismos estruturadores da exclusão social. c) No que concerne à serventia para Portugal, o padrão excludente gerado na colônia contribuía para a conservação do Antigo Regime. d) Com exceção de alguns movimentos, como a Conjuração Baiana (1798), de caráter popular, e a Revolta dos Malês (1835), de escravos e libertos africanos, as rebeliões não eram antiescravagistas. 2 O quadro Independência ou morte retrata o grito do Ipiranga. O episódio, considerado o marco zero da Independência do Brasil, teria ocorrido em 7 de setembro de O pintor representou a Independência do Brasil como resultado do voluntarismo e heroísmo expressos no grito de independência ou morte do futuro imperador, aclamado por civis e militares que o acompanhavam. A obra foi produzida em um contexto de construção de uma memória positiva sobre o Império e a nação o Segundo Reinado estava nos seus últimos anos, imerso em uma crise política que desencadeou a Proclamação da República, em novembro de Setores políticos e sociais que apoiavam o regime entre eles, as elites contrárias à abolição, setores da Igreja e, principalmente, os militares rompiam com o imperador D. Pedro II, e as campanhas a favor da República espalhavam-se por todo o Brasil. Assim, ao valorizar a imagem do pai de D. Pedro II como líder e herói nacional, o quadro ecoava as tentativas de estabilizar um império em crise. 7 a) O sistema político brasileiro concebido em 1822 pode ser definido como uma monarquia constitucional, cuja Constituição previa a existência de um quarto poder, o Moderador d 11 b 12 d 13 a 14 c 15 e 16 c b) O desequilíbrio entre poder econômico e poder político na segunda metade do século XIX pode ser relacionado, por exemplo, a transformações econômicas, como a decadência das economias açucareira, no Nordeste, e cafeeira, no vale do Paraíba, diante da expansão da cafeicultura no oeste paulista. 3 a d 17 e 18 c 19 d

16 20 a) O texto apresenta dois significados para o termo: um seria o da independência administrativa haveria o governo de D. Pedro no Brasil, com preservação dos laços com a Coroa lusa; o outro seria a emancipação completa de Portugal o que se realizou em setembro de b) As Cortes foram formadas em Portugal como embrião de um parlamento português, em Sua atuação levou ao retorno de D. João I para Portugal e à criação da primeira Constituição portuguesa. Quanto às possessões na América, as Cortes desejavam o retorno do Brasil à condição de colônia e o restabelecimento do monopólio comercial luso, anulando todas as medidas tomadas por D. João no Brasil. 21 a) No texto, o federalismo corresponde, por um lado, à autonomia provincial sem a abolição do governo central; por outro, associa-se aos conceitos de democracia, república ou governo popular. 23 b b) Entre os interesses econômicos envolvidos no processo de independência estão o interesse português em restaurar o monopólio do comércio com o Brasil, o interesse inglês em comerciar diretamente com o Brasil e o interesse dos agricultores brasileiros, que defendiam o livre comércio. 22 Soma: = 21.

17 ESTUDANDO A crise do sistema colonial e a Independência do Brasil Para o ENEM 1 c 2 c 3 a 4 a 5 b 6 d 7 b

18 Revisão em 22 volumes História Gabarito ESTUDANDO Primeiro Reinado e Regência Para o ESTIBULAR 1 e 2 a) E 5 c 6 d b) E c) E 3 a) No início da década de 1830, a continuidade do reinado de D. Pedro I tornou-se insustentável. A crise financeira, desencadeada pelo declínio das exportações, pelo crescente endividamento externo e pelos gastos com a Guerra da Cisplatina, resultou em aumento da inflação e agravamento da pobreza. Outro fator importante foi o empenho do imperador na luta contra seu irmão, D. Miguel, o qual disputava com a sobrinha, D. Maria II, filha de D. Pedro I, a sucessão do trono português. 4 e b) Governo regencial. c) A menoridade do herdeiro, D. Pedro II, que tinha, à época da abdicação, apenas 5 anos de idade. d) oram causas imediatas da antecipação da coroação do príncipe, com apenas 14 anos de idade: a ascensão dos regressistas ao poder, com a regência de Pedro Araújo Lima (1837); a limitação da autonomia provincial, com a aprovação da Lei de Interpretação do Ato Adicional (1840); o interesse dos grandes proprietários rurais em restabelecer a ordem social, convulsionada pelos sucessivos levantes populares ocorridos no período regencial, como a Revolta dos Malês (1835); e o desejo das elites políticas de evitar que a unidade territorial brasileira fosse quebrada por movimentos separatistas, como a Revolta arroupilha (1835) e a Sabinada (1837). 9 a) A naturalização da pobreza pelas elites é funcional, porque as exime da resolução da questão. A imutabilidade com que é apresentada impede que se entenda a pobreza como uma construção social e histórica, reversível, portanto. 10 c 11 e 12 b 13 d 14 b b) O efeito disso é o superdimensionamento da coerção em detrimento do combate aos mecanismos estruturadores da exclusão social. c) No que concerne à serventia para Portugal, o padrão excludente gerado na Colônia contribuía para a conservação do Antigo Regime. d) As rebeliões coloniais e regenciais, excetuando alguns movimentos, como a Conjuração Baiana (1798), de caráter popular, e a Revolta dos Malês (1835), empreendida por escravos e libertos africanos, não se notabilizaram pelo antiescravagismo. 15 a) Segundo o texto, a construção da imagem de D. Pedro II, ao diferenciá-lo de seu pai, simbolizava tanto a segurança e a estabilidade do país quanto a sua unificação em torno da figura do imperador. b) Uma característica do período regencial que gerava instabilidade era a vacância do trono, durante a menoridade de D. Pedro II, e a consequente ausência de uma figura que representasse a legitimidade do poder monárquico. Além disso, a estabilidade do país estava ameaçada por revoltas com aspirações autonomistas ou separatistas nas províncias ou por revoltas escravas, como a dos Malês (Salvador, 1835). 7 e 8 a 16 d 17 c 18 O Brasil preservou a monarquia como forma de governo, mantendo D. Pedro I no poder e apenas coroando-o como imperador, já que na prática era o regente desde a partida de D. João I, em Em 1824, o Brasil adotou uma Constituição que dava amplos poderes ao imperador e que instaurava um sistema de voto censitário, o que, juntamente à manutenção da escravidão, garantiu a continuidade do status da elite colonial, então classe dirigente do país.

19 19 a) Poderiam ser consideradas condições geográficas: o solo fértil e grandes áreas planas para a agricultura e a maior proximidade da região Nordeste às rotas de comércio português no Atlântico. A condição econômica seria o desenvolvimento da cultura açucareira na região, que se tornou a principal exportação do Brasil colonial nos séculos XI e XII. 20 a 21 e b) O desenvolvimento da região do Oeste elho paulista no século XIX se deve à expansão agrícola relacionada à cafeicultura. 22 a) A região norte da África foi alvo da expansão islâmica nos séculos II e III, e o islamismo se espalhou, desde então, por áreas do continente, chegando até os povos da chamada África Negra ou subsaariana, de onde vinham os escravos negociados no Brasil dos séculos XI ao XIX. 23 d 24 a 25 b 26 d 27 e b) Podem ser considerados: o desejo de se libertar da escravidão; a organização do movimento apenas em torno dos malês, ou seja, dos escravos muçulmanos, o que caracteriza o movimento como religioso; o objetivo de formar uma comunidade malê, uma nação malê ; a ação violenta contra os brancos.

20 ESTUDANDO Primeiro Reinado e Regência Para o ENEM 1 b 2 e 3 b 4 a 5 c 6 a 7 d

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Revolução Russa de 1917 A Revolução Russa de 1917 foi uma série de eventos políticos na Rússia, que, após a eliminação da autocracia russa, e depois do Governo

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL O que seria necessário, para que o Brasil, após a independência fosse reconhecido como uma Nação Livre e soberana? Seria necessário que

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio?

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio? Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 2ª. Disciplina: História (p2,1ª,chamada, 3º. Bimestre) prova dia 26 setembro de 2015.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO 01) Para muitos brasileiros que vivenciaram o período regencial (1831-1840), aquele foi um tempo de impasses, mudanças

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

HISTÓRIA 8ºano 3º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLENTARES

HISTÓRIA 8ºano 3º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLENTARES 1. O fuzilamento de Frei Caneca está ligado ao seguinte fato da História do Brasil: ( A ) Inconfidência Mineira ( B ) Confederação do Equador ( C ) Revolta dos Canudos ( D ) A Praieira 2. A organização

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de HISTÓRIA do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de HISTÓRIA do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

ANTECEDENTES A idéia de República

ANTECEDENTES A idéia de República ANTECEDENTES A idéia de República Silêncio, o imperador está governando o Brasil Piada comum entre os republicanos. Para eles, não era apenas o imperador que estava envelhecido e incapaz. O próprio regime

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano CRISE DE 29 Colapso do sistema financeiro americano Antecedentes: Europa destruída pela grande guerra depende do capital americano; EUA responsável por 50% de toda produção industrial do mundo; American

Leia mais

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A PROCLAMAÇÃO Proclamada em 15 de novembro de 1889, a República nascia no Brasil como resultado de um movimento de cúpula, como uma espécie de revolução pelo alto controlada

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. A proclamação da República correspondeu ao encontro de duas forças diversas Exército e fazendeiros de café movidas por razões

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Para dar uma definição compreensível de revolução, diremos que ela é uma tentativa de substituir o poder estabelecido por outro poder, usando meios ilegais. Esses meios, geralmente, implicam

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral.

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral. Expansão Territorial Norte (Vale Amazônico): Drogas do Sertão / Missões Nordeste: Cana-de-açúcar Sertão Nordestino Litoral Sul Pecuária Fortes de defesa Pau-Brasil Missões Jesuíticas Pecuária Tratados

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso CNPJ: 13.911.052/0001-61 e Inscrição Municipal

Leia mais

DÉCADA DE 80. Profa. Dra. Regina S. A. Martins

DÉCADA DE 80. Profa. Dra. Regina S. A. Martins Eventos Marcantes: Guerra das Malvinas Guerra nas Estrelas Glasnost e Perestroika Queda do Muro de Berlim Massacre da Praça da Paz Celestial (Tiananmen) Tragédias sociais e ambientais ESTADOS UNIDOS 1981-1988:

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA http://www.youtube.com/watch?v=lmkdijrznjo Considerações sobre a independência -Revolução racional científica do

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.)

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.) 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 1 O DIA GABARITO 1 33 HISTÓRIA QUESTÕES DE 51 A 60 51. Analise o mapa e o texto a seguir: (Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em:

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL * Três etapas: 1) Revoltas Nativistas 2) Revoltas Emancipacionistas 3) Período Joanino Família Real no Brasil (1808-1822)

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil A UA UL LA MÓDULO 3 Independência do Brasil Nesta aula No dia 7 de setembro, comemoramos a Independência do Brasil. Por isso, é feriado nacional. Todos nós sabemos que os feriados significam algo mais

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

Tarefa Net 9º ano História. 2º Bimestre

Tarefa Net 9º ano História. 2º Bimestre Tarefa Net 9º ano História 2º Bimestre 1. Há 70 anos o mundo assistiu ao começo da Guerra Civil Espanhola, cujo saldo de 600 mil mortos provocou comoção internacional, mas não evitou a instalação de uma

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de História COMENTÁRIO GERAL: Foi uma prova com conteúdos de História do Brasil e História Geral bem distribuídos e que incluiu também questões de História da América

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

Transição da condição colonial para o país livre

Transição da condição colonial para o país livre Transição da condição colonial para o país livre ERA COLONIAL (1521-1810): Conhecido como Nova Espanha, a maior parte das terras era comandada por proprietários espanhóis. Economia e política mexicanas

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais