"ASPECTOS DA IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS BIM EM EMPRESAS DE PROJETOS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO CIVIL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""ASPECTOS DA IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS BIM EM EMPRESAS DE PROJETOS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO CIVIL."

Transcrição

1 ISSN "ASPECTOS DA IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS BIM EM EMPRESAS DE PROJETOS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO CIVIL. Otávio Knaipp de Sousa (LATEC/UFF) Marcelo Jasmim Meiriño (LATEC/UFF) Resumo: "Esta pesquisa tem como objetivo identificar as dificuldades de implantação das ferramentas tecnológicas baseadas no conceito BIM, bem como os impactos de sua utilização no gerenciamento e desenvolvimento de projetos arquitetônicos, além de propor diretrizes para estimular e otimizar sua prática nas empresas de planejamento arquitetônico e projetos complementares relacionados à construção civil. Embora seja um conceito antigo, o uso da metodologia BIM é relativamente recente e, por conseguinte, muitos profissionais abordam o assunto de forma equivocada. Procurou-se desmistificar o tema, elucidando diversos aspectos, com o propósito de eliminar crenças errôneas e situar o leitor no contexto do trabalho. Palavras-chaves: BIM, implantação, CAD, Construção Civil, tecnologia, projeto.

2 1. Introdução Diante do atual cenário da economia mundial, em que o ambiente produtivo encontra-se completamente inserido no contexto da globalização, os processos industriais necessitam constante atualização, a fim de aumentar a produtividade nas empresas e, por conseguinte, atender demandas cada vez mais exigentes. Portanto, é vital situar-se no contexto das inovações tecnológicas como estratégia competitiva. A indústria da Construção Civil vem sendo um dos principais alvos de questionamentos no que diz respeito ao desenvolvimento sustentável, em razão da complexidade dos seus processos e, também, dos impactos sociais e ambientais oriundos de seus empreendimentos. Torna-se necessário otimizar procedimentos e investir em novas tecnologias, de forma que os processos construtivos incorporem práticas adequadas a determinados padrões de sustentabilidade. Não basta, no entanto, renovar sistemas de gerenciamento e gestão na fase da construção propriamente dita, mas sim rever e reavaliar os conceitos e procedimentos que norteiam todo o ciclo de vida do empreendimento, desde a concepção até a demolição ou reconstrução. Neste sentido, as empresas de AEC devem adotar modelos de gestão com foco em sistemas de projeto integrado, evitando, dentro do possível, a fragmentação das etapas que envolvem a produção. As etapas de concepção, ou seja, as fases de projeto são de extrema relevância na conformação do produto final. Sobre este aspecto, Oliveira (2005) destaca: Os processos de concepção e projeto são estratégicos para a qualidade do edifício ao longo do seu ciclo de vida. E a busca de novos métodos e processos que possam considerar precocemente a totalidade das questões envolvidas no projeto é de extrema relevância para o sucesso dos empreendimentos e para o progresso do setor de construção. (OLIVEIRA, 2005). 2

3 A evolução da tecnologia da informação tem estreita relação com o desenvolvimento da produção industrial. Após a Segunda Guerra Mundial, um grupo de pesquisa do Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveu um sistema informatizado com foco na produção de desenhos técnicos. Este sistema deu origem ao conceito CADD (Computer Aided Draft and Design Desenho e Projeto Auxiliado por Computador) ou simplesmente CAD. A partir de então, vários sistemas informatizados foram desenvolvidos com base neste conceito, criando uma verdadeira revolução na forma de projetar. A construção civil, além de incorporar os sistemas informatizados com base em CAD, consolidou sua utilização como principal ferramenta para o desenvolvimento de projetos. Até então, as ferramentas CAD possibilitavam somente a automação digital dos desenhos, utilizando a mesma lógica do processo manual. Contudo, o nível de precisão na execução de comandos, associado às facilidades de edição das formas geométricas, incrementaram significativamente a produtividade, evidenciando grande avanço em relação ao desenho artesanal. Segundo Ayres (2009), na década de 60 já se pensava em ir além das informações geométricas. A idéia era criar um banco de dados com vários tipos de informações sobre um determinado empreendimento. Todavia, a indústria do Hardware, na época, não conseguiria atender às demandas de processamento requeridas pela manipulação de grande quantidade de informações interligadas. Com relação à evolução dos sistemas baseados em CAD, Souza (2009) cita o prenúncio da metodologia BIM: Na sua concepção inicial, o CAD foi pensado como ferramenta capaz de abrigar dados referentes a diferentes disciplinas, permitindo o trabalho simultâneo de diversos projetistas e a integração de vários tipos de informações, viabilizando o desenvolvimento de análises e simulações diversas. No entanto, a baixa capacidade de processamento dos computadores da época não permitia suportar a grande quantidade de informações gerada pela complexa rede de processos envolvidos no projeto. Desta forma, as empresas de software desenvolveram inicialmente a parte geométrica, mais fácil de ser resolvida diante das tecnologias disponíveis na ocasião. (SOUZA, 2009) 3

4 BIM é a abreviação de Building Information Modelling ou Modelagem de informações da Construção. Trata-se de uma metodologia de trabalho vinculada a sistemas informatizados, que tem por finalidade promover o gerenciamento de todas as etapas de um empreendimento relacionado à construção civil. Os sistemas BIM podem trazer muitos avanços para a indústria da construção civil quando bem empregados, como por exemplo, a minimização de problemas freqüentes tais como a fragmentação das etapas de projeto, identificação tardia de interferências entre projeto arquitetônico e projetos complementares, desperdício de materiais, retrabalho, alto custo da produção e a baixa qualidade dos produtos finais. Observa-se, atualmente, expressivo crescimento na utilização do BIM em empresas de AEC, incorporando novas estratégias para concepção e desenvolvimento de projetos. Por outro lado, também existe muita resistência à adoção destas práticas, uma vez que os sistemas CAD tradicionais ainda estão culturalmente enraizados nas empresas e escritórios de Arquitetura e Engenharia Civil. O presente trabalho, além do propósito elucidativo, tem como objetivo identificar as maiores dificuldades enfrentadas pelas empresas de AEC na incorporação da metodologia BIM, bem como abordar os aspectos positivos e negativos da sua aplicação nas etapas de desenvolvimento dos projetos relacionados à construção civil. Por fim, pretende-se formular condutas de implantação com base em experiências relatadas, a fim de facilitar a transição entre os métodos tradicionais e as novas práticas operacionais decorrentes do avanço tecnológico. Ressalte-se que o BIM, por si só, não é um conceito de vanguarda. Entretanto, a evolução da informática possibilitou o desenvolvimento de sistemas que incorporaram seus preceitos, fazendo surgir novas opções de gestão para empreendimentos relacionados à construção civil. 4

5 2 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS CAD E DEFINIÇÃO DE BIM O crescente desenvolvimento da tecnologia da informação observado após a Segunda Guerra Mundial possibilitou o surgimento de sistemas informatizados baseados em CADD ( Computer Aided Draft and Design Desenho e Projeto Auxiliado por Computador ou simplesmente CAD). Segundo Nunes (1997), um sistema CAD constitui uma tecnologia para utilização de recursos computacionais associada ao ato de projetar e criar, servindo como apoio para o desenvolvimento do projeto de concepção, análise, dimensionamento e representação. (NUNES, 1997). Em janeiro de 1963, por ocasião da defesa de sua tese de doutorado no Massachusetts Institute of Technology (MTI), o norte americano Ivan Edward Sutherland apresentou como resultado do desenvolvimento de sua pesquisa um editor gráfico inovador chamado Sketchpad. Esta ferramenta possibilitava a criação e edição de formas geométricas de maneira distinta, sendo considerada um marco na história da informática e no desenvolvimento da computação gráfica, tornando-se o primeiro software baseado em CAD. Desenho de linhas, pontos e círculos com extrema precisão, além da inserção de textos e da realização de operações básicas tais como copiar, colar e apagar, constituíram características que, associadas às possibilidades de armazenamento, utilização e re-utilização da informação total e/ou parcial (especialmente em desenhos repetitivos) tornaram-se premissas dos sistemas CAD desenvolvidos posteriormente. Os primeiros softwares de CAD tiveram utilização restrita às empresas do setor aeroespacial e também à indústria automobilística, não comercializados, sendo o seu desenvolvimento baseado em demandas específicas dos referidos setores. Com base no trabalho de Kale e Arditi (2005), Souza (2009) cita a evolução dos softwares CAD dividida em três gerações. A saber: 1) desenho auxiliado por computador, 2) modelagem geométrica e 3) modelagem de produto. Ainda de acordo com Kale e Arditi (2005), Souza (2009) explica as fases de desenvolvimento dos sistemas CAD: 5

6 Na primeira geração, o objetivo era automatizar e levar para o computador o processo de desenho até então realizado nas pranchetas. A segunda geração permitia a inserção de informações na terceira dimensão, possibilitando a obtenção de visualizações tridimensionais dos objetos. Os softwares da terceira geração surgiram efetivamente nos anos 80 e baseiam-se na associação de dados geométricos e não-geométricos criando uma relação de parametrização e correlação de dados. (SOUZA, 2009) Como já foi dito, apesar dos primeiros softwares de CAD trabalharem com foco na criação e edição de geometrias, já se pensava, ainda na década de 60, em associação das informações geométricas com outros atributos. Em 1975, o norte americano Charles M. Eastman publica o artigo Building Description System, propondo um sistema informatizado com as principais características que constituem a essência do conceito BIM. Martinez (2010) descreve o trabalho de Estman : O BDS (Building Description System) proposto possibilitava a geração de diversos cortes e perspectivas e consistia em um modelo de elementos da edificação interativos e atributáveis, com consistência e não duplicidade das informações, possibilitando que as alterações fossem realizadas somente uma vez no modelo e consequentemente atualizadas em todos os outros documentos do projeto. Além disso, permitia realizar qualquer tipo de análises quantitativas, como de material e de custos, em uma base de dados integrada. (MARTINEZ, 2010) BIM é a sigla de Building Informatiom Modeling ou Modelagem de Informações da Construção. Trata-se de um conceito relacionado a procedimentos de trabalho informatizados com foco na construção civil. Apesar de muitos autores utilizarem o termo Tecnologia BIM, deve-se ter ciência que, neste caso, as tecnologias (Tecnologia da Informação) são utilizadas como meios para realização de tarefas que constituem o ciclo operacional deste método. Portanto, o BIM, em sua essência, não é uma tecnologia, não é um software e sim um conceito, uma metodologia baseada em sistemas informatizados, mais precisamente em sistemas 6

7 CAD. Existem vários softwares baseados no conceito BIM desenvolvidos a partir de tecnologias diversas. Pode-se citar como exemplo a comparação entre o aplicativo ArchiCAD da empresa Graphisoft e o Revit da Autodesk : enquanto o primeiro é construído a partir da linguagem de programação GDL (uma variação da linguagem BASIC ) o segundo desenvolve-se a partir da linguagem C#. De acordo com o trabalho de Kale e Arditi (2005), os softwares BIM fazem parte da terceira geração dos softwares CAD, ou seja, são desenvolvidos com base na associação de informações geométricas com informações não geométricas. Sendo assim, um software baseado em BIM também é um sistema CAD. Alguns autores utilizam as expressões CAD geométrico e CAD-BIM. Os sistemas CAD-BIM permitem a criação de um protótipo digital da edificação, ou seja, uma construção virtual composta não somente por dados geométricos, mas também por informações relativas a todas as atividades envolvidas na produção, operação e manutenção de um empreendimento. De acordo com Martinez (2010), Toledo (2009) define BIM como: (...) um modelo digital do edifício que representa não só suas características geométricas, mas também o interrelacionamento entre seus componentes e os inúmeros parâmetros e atributos destes, fornecendo informações relevantes para a tomada de decisão pelos diferentes agentes envolvidos no empreendimento, em todo o ciclo de vida da edificação. (TOLEDO, 2009) Os edifícios virtuais gerados através da metodologia BIM diferem das tradicionais maquetes eletrônicas, pois além da representação tridimensional, constituem fontes de análises quantitativas, possibilitam a geração automática da documentação projetual (plantas, cortes, fachadas, perspectivas), facilitam os processos de modificações de projeto, evitando o retrabalho e otimizando a integração profissional dos diversos agentes envolvidos na concepção, construção e manutenção do empreendimento. 7

8 3 METODOLOGIA Adotou-se a Revisão da Literatura como principal método para realização da pesquisa. Foram analisadas teses de mestrado e diversos artigos científicos publicados sobre o tema, buscando o aprofundamento na compreensão do conceito BIM e a assimilação das principais características de seus sistemas informatizados. Também foram considerados os Estudos de Caso abordados em algumas das teses e artigos estudados, com a finalidade de situar o trabalho no contexto da implementação dos sistemas BIM em escritórios e empresas de AEC, além de consultas a profissionais liberais e experiência pratica do autor através de treinamento intensivo nos softwares ArchiCAD 12 da Graphisoft e Revit 2009 da Autodesk (durante 3 semanas em 2010) e Revit 2012 da Autodesk (durante 2 meses em 2012). 4 AS PRINCIPAIS BARREIRAS PARA A ADOÇÃO DO BIM. A principal característica dos sistemas BIM consiste na criação de modelos tridimensionais alimentados por diversos tipos de informações nas fases iniciais de projeto. Os protótipos, uma vez construídos, permitem a geração de todo e qualquer tipo de documentação, tais como plantas, cortes, elevações, perspectivas e tabelas, além de possibilitar a realização de análises e simulações relacionadas ao empreendimento. Considerando a metodologia tradicional, culturalmente enraizada nos escritórios e empresas de AEC, o desenvolvimento de um projeto, invariavelmente tem início a partir de uma planta baixa, ou seja, ao invés das partes serem obtidas da totalidade, busca-se o resultado final através de etapas fragmentadas e desconexas. Neste aspecto, a modelagem de produto na construção civil consiste em uma grande mudança 8

9 de paradigma para os projetistas, existindo muita resistência à incorporação deste conceito. Com base no trabalho de Bazjanac (2004), Souza (2009) expõe: (...) a grande maioria dos projetos de edifícios ainda é desenvolvida no método tradicional, com desenhos 2D e documentos de texto. O setor de projetos, em geral, está resistindo à mudança em direção a esse novo modelo de informação. (SOUZA, 2009) De acordo com os trabalhos de Jacoski (2005) e Kymmel (2008), a necessidade da configuração de parâmetros e definição de informações não geométricas nas fases iniciais de concepção do modelo, exige do usuário um certo nível de experiência e conhecimento projetual, dificultando o uso dos sistemas por estagiários e projetistas recém formados, uma vez que a maioria dos cursos universitários de Arquitetura e Engenharia Civil ainda não incorporaram as novas ferramentas computacionais ao ensino de projeto. Outra questão relevante é o investimento financeiro necessário à implementação da metodologia BIM. Os custos dos softwares são considerados altos, dependendo do porte da empresa, além dos gastos com treinamento e aquisição de Hardware de alto desempenho. Souza (2009) ressalta o tamanho dos arquivos gerados em plataformas BIM e suas demandas de processamento, sendo necessária a utilização de máquinas mais robustas para otimizar o desempenho das ferramentas. Justi (2008), em seu estudo de caso sobre a implementação da plataforma Revit em escritórios brasileiros, aborda as objeções com relação ao preço do software oferecido pela Autodesk : 9

10 Em visitas aos escritórios, uma das primeiras reclamações é quanto ao custo de implantação. O software é relativamente caro para alguns, principalmente para os profissionais liberais. (JUSTI, 2008) Destacam-se, também, a existência de custos extras para aquisição de módulos complementares e plugins bem como as restrições de tempo para avaliação gratuita dos softwares. Observam-se dificuldades de interoperabilidade entre os softwares, ou seja, um arquivo do Revit, por exemplo, não pode ser aberto no ArchiCAD e vice versa. O mesmo problema pode ocorrer entre versões diferentes do mesmo aplicativo, onde um modelo construído na versão mais recente não pode ser acessado por versões anteriores, contrariando a premissa dos ambientes acessíveis e colaborativos. A integração entre as informações geradas por diferentes softwares torna necessário o desenvolvimento de padrões de interoperabilidade que permitam a troca irrestrita de informações garantindo sua consistência (KYMELL, 2008). O protocolo IFC (Industry Foundation Classes) surge como principal alternativa de intercâmbio entre os aplicativos relacionados à modelagem de produto na construção. Trata-se de um formato de arquivo que pode ser gerado e acessado por diferentes softwares BIM. Todavia, esta tecnologia ainda apresenta deficiências, uma vez que não consegue manter a integridade total das informações contidas nos arquivos originais. Estudo de caso realizado por Bottega (2012) aponta a dificuldade para troca de arquivos BIM através da internet em função da grande quantidade de informações contidas, fato que torna o arquivo muito pesado. De acordo com esta pesquisa, profissionais que enfrentam este empecilho sugerem a utilização do BIM SERVER, um servidor específico para BIM que utiliza a tecnologia Cloud Computing, permitindo que os modelos sejam enviados através do formato IFC. No entanto, como já foi dito, este formato necessita melhorias no sentido de 10

11 minimizar os problemas com a manutenção da consistência das informações. Bottega (2012) destaca que a tecnologia dos models servers ou servidores BIM está apenas no começo. Por se tratar de uma prática relativamente recente, o número de projetistas capacitados fazendo uso efetivo das ferramentas BIM é insuficiente para promover total integração entre os escritórios, empresas e profissionais autônomos de AEC. De acordo com Campbell (2007), o isolamento daqueles que investiram nos sistemas BIM acarreta uso incipiente da totalidade de suas possibilidades. Reclamação freqüente entre usuários remete à falta de flexibilidade dos softwares, ou seja, às poucas possibilidades de customização, sendo necessária a aquisição de plugins para o desenvolvimento de geometrias complexas. Apesar das versões mais recentes do Revit Architecture ( Autodesk ) e ArchiCAD ( Graphisof ) terem incorporado melhorias significativas às ferramentas de modelagem tridimensional, ainda se gasta muito tempo com o desenvolvimento de formas não triviais, além das dificuldades para atribuir parâmetros e informações a tais elementos. Kymell (2008) aborda a questão dos direitos autorais e responsabilidades técnicas. Por se tratar de modelo utilizado por diversos profissionais ao longo de todas as fases de projeto, inclusive após o término das obras, é necessária a criação de mecanismos jurídicos que assegurem a autoria dos projetos e a integridade das informações técnicas especificadas por todos os especialistas envolvidos. 5 IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS BIM Justi (2008) cita o resultado de pesquisas realizadas pela Autodesk com foco na implantação do sistema Revit em escritórios de AEC nos Estados Unidos. Na maioria dos casos, observou-se inicialmente uma queda na produtividade em função do tempo gasto para treinamento dos projetistas e adequação do software às necessidades de cada escritório. Com a 11

12 adaptação das empresas às novas práticas, foi constatado crescimento exponencial da produção e melhorias na qualidade dos projetos. O Estudo de caso realizado por Sheer et al (2007), com base na utilização do aplicativo ArchiCAD10 em determinado escritório da cidade de Curitiba, apontou aumento significativo da produtividade, tendo em vista que as atualizações e alterações de projeto puderam ser realizadas automaticamente em toda a documentação, evitando o retrabalho com modificações em desenhos. Os usuários relataram dificuldades na atribuição de parâmetros aos elementos tridimensionais, fato que provavelmente ocorreu nas etapas iniciais de concepção do modelo. Também foram citados os benefícios da visualização tridimensional, tais como a facilidade para identificar interferências de projeto, além da previsão criteriosa de detalhes construtivos, contribuindo, desta forma, para a redução de erros na execução da obra. Hippert e Araújo (2010) relatam a experiência da implantação do software Revit Architecture 2008 ( Autodesk ) em um pequeno escritório de Arquitetura localizado em Juiz de Fora. Os estudos preliminares de cada projeto eram desenvolvidos no aplicativo AutoCAD, através da produção de plantas, cortes e elevações, sendo estes desenhos importados para o software 3D Studio MAX, a partir do qual era construída maquete eletrônica elemento utilizado como grande estratégia de marketing para impressionar os clientes. Muitas vezes, por questões de tempo, as maquetes eletrônicas eram terceirizadas. O Revit Architecture começou a ser utilizado como alternativa para o desenvolvimento das maquetes eletrônicas e imagens renderizadas, oferecendo facilidades para alterações do projeto, caso não fosse aprovado pelo cliente. Com isto, todo o trabalho de transferência de arquivos entre AutoCAD e 3DStudio MAX deixou de ser necessário, bem como a preocupação com ajustes nos desenhos em função de modificações no projeto, uma vez que os sistemas BIM atualizam automaticamente toda a documentação gerada. Ressalte-se que houve a necessidade de um aprendizado específico para a utilização do programa através de pesquisas na internet, treinamento e consultorias a outros profissionais. Em sua tese de mestrado, Souza (2009) resume diversas vantagens oferecidas pelos sistemas BIM em relação a otimização da produção dos desenhos de projeto: 12

13 (...) todas as informações complementares e simbologias (indicações de corte, numeração de desenhos e pranchas) são geradas automaticamente e se ajustarão conforme a mudança de escala. Também não há preocupação com configurações de espessuras de linhas, que já se encontram pré definidas em função dos elementos de projeto. Do mesmo modo, as cotas também podem ser lançadas com grande facilidade, muito rapidamente. (SOUZA, 2009) Desta forma, o projetista tem mais tempo para dedicar-se às soluções de projeto, minimizando o trabalho com o desenvolvimento de desenhos técnicos (BIRX, 2006). Assim, o desenho tornase uma conseqüência do processo de projeto (SOUZA, 2009), não sendo o meio através do qual se concretiza o ato de projetar. Oliveira (2011), através de entrevistas com diversas empresas de AEC que assimilaram o BIM, comprova os benefícios da utilização dos módulos complementares (de softwares BIM) referentes às disciplinas de cálculo estrutural, instalações elétricas e hidráulicas, demonstrando ser realmente possível trabalhar de forma conjunta, através da troca de informações dentro de um modelo único. Uma das empresas entrevistadas, no estudo supracitado, alegou elevado número de interferências detectadas pelo módulo Revit MEP, ainda na fase de anteprojeto, possibilitando a realização de ajustes antes das etapas executivas. Questão relevante refere-se à relação dos sistemas BIM com a realização de simulações energéticas. Os sistemas BIM, de maneira geral, realizam com sucesso estudo de insolação, limitando-se, porém, às questões de sombreamento. Alguns softwares possuem módulos complementares que permitem análise superficial da massa edificada, não sendo possível cálculo mais preciso da carga térmica na envoltória. De acordo com Martins (2011), no cenário atual, a maior contribuição dos sistemas BIM para avaliação energética de edificações é a importação do modelo para softwares específicos, evitando o retrabalho de modelagem. Todavia, os problemas de intercâmbio entre as plataformas BIM e os referidos aplicativos constituem entraves para otimizar este tipo de inferência. 13

14 6 ADOÇÃO DA METODOLOGIA BIM 6.1 Estágios de Implantação Oliveira (2011), a partir dos trabalhos de Tobin (2008) e Clayton et al. (2008), menciona níveis de adoção para a metodologia BIM, com base no grau de utilização efetiva das premissas do conceito. Tobim (2008) caracteriza três gerações distintas: BIM 1.0, BIM 2.0 e BIM 3.0. A primeira geração, chamada BIM 1.0, refere-se ao estágio de transição entre os sistemas CAD Geométricos e os sistemas CAD-BIM. Nesta primeira fase, os modelos tridimensionais são desenvolvidos individualmente com foco na geração automática dos desenhos (plantas, cortes, esquemas, elevações, etc), sem o envolvimento e a colaboração de outros profissionais. A geração BIM 1.0, representa a prática atual de projeto na maioria dos escritórios que utilizam o BIM. (ANDRADE e RUSCHEL, 2009) Na segunda fase, ou BIM 2.0, entram em cena outros agentes além dos projetistas de arquitetura, estrutura e instalações prediais. Informações relativas ao tempo (4D), custos (5D), análise de eficiência energética, dentre outras, são inseridas no modelo, sendo necessária a adoção de estratégias que minimizem os problemas de interoperabilidade, a fim de promover melhorias no intercâmbio entre os diversos participantes. Segundo Tobim (2008), a adoção efetiva do BIM 2.0 já é realidade na América do Norte, na Ásia e na Europa. (OLIVEIRA, 2011) De acordo com o trabalho de Andrade e Ruschel (2009), a era BIM 3.0 (Tobim, 2008) ou BIG BIM (Jernigan, 2007) é apenas uma tendência, não existindo na prática. Caracterizar-se-á pela integração total entre todos os agentes envolvidos no empreendimento, não existindo qualquer tipo de obstáculo com relação à interoperabilidade entre sistemas e ao intercâmbio de informações. 14

15 6.1 Diretrizes para Implantação Bottega (2012) destaca que a caracterização do perfil da empresa é fundamental para implantação da metodologia BIM. É necessário um planejamento, levando-se em consideração o porte da empresa, os tipos de projetos desenvolvidos e os resultados esperados com a adoção destes métodos, definindo-se o nível de utilização do BIM, bem como as soluções tecnológicas mais adequadas. Em outras palavras, deve-se ter em mente os seguintes questionamentos: é uma empresa pequena, média ou de grande porte? Quantos funcionários possui? Desenvolve projetos de arquitetura? Em que níveis? (estudo de viabilidade, estudo preliminar, anteprojeto, projeto executivo). Realiza cálculo estrutural? Desenvolve projetos de instalações prediais? Quais? (elétrica, hidráulica, instalações de gás e prevenção de incêndio) Realiza levantamento topográfico? Desenvolve Maquetes eletrônicas? Executa obras? Terceiriza serviços? Quais? Como é realizada a troca de informações técnicas com os profissionais de outras especialidades? Como é a estrutura hierárquica? Existe algum modelo de gestão voltado ao desenvolvimento de projetos? Quais são os procedimentos básicos dos processos de projeto? Estas informações são de extrema utilidade para direcionar os investimentos, uma vez que possibilitam a escolha das opções de software e hardware que melhor se adaptam às necessidades da empresa. Sobre o processo de implantação, Bottega (2012) discorre: O processo de implantação é longo, exige das empresas investimento em licenças de softwares, computadores com capacidade de processamento maior, tempo para aprendizagem dos intervenientes e adequação dos processos. (BOTTEGA, 2012) Importante é salientar que o processo de transição deve ser gradual, sendo impertinente, inoportuna e imprudente a total abolição dos sistemas CAD geométricos. Justi (2008), em seu trabalho sobre a implantação da plataforma Revit em escritórios brasileiros, aborda esta questão: 15

16 Com a finalidade de expandir o mercado do Revit, a Autodesk lançou um pacote, que é oferecido aos usuários, contendo o AutoCAD. Isso se deve a preocupação das empresas, que adquirem o Revit, sobre a implantação da plataforma junto a sua equipe de trabalho sem perda de produtividade. Com a venda do AutoCAD no pacote, as empresas podem se manter trabalhando com uma ferramenta conhecida até conseguirem passar pela fase de treinamento e adaptação, não perdendo os trabalhos (JUSTI, 2008) Existem vários softwares BIM disponíveis no mercado. A maioria oferece um período mínimo de treinamento incorporado ao pacote de aquisição da licença. Os serviços de suporte técnico e consultorias essenciais para a assimilação da tecnologia podem representar custos adicionais. Por exemplo: a Graphisoft, responsável pelo desenvolvimento do sistema ArchiCAD, oferece suporte técnico gratuito através de serviço telefônico 0800, enquanto a Nemetschek (fabricante do software Vector Works ) oferece opção de suporte gratuito via internet e, também, uma opção mais completa (com custos extras), incluindo serviço telefônico e conexão remota. Justi (2008) destaca a importância das consultorias após o período de treinamento: A definição de um projeto piloto com apoio de um consultor experiente permite definir processos de trabalho organizados, colocando em prática todas as fases de um projeto usando as ferramentas do Revit, sem esforços desnecessários tentando descobrir por conta própria como realizar determinada tarefa utilizando o software. (JUSTI, 2008) Ainda com relação ao aprendizado dos softwares, existem vários tutoriais disponíveis gratuitamente na internet, bem como vídeos explicativos gravados informalmente por usuários e que constituem material de grande valia para troca de experiências e difusão do conhecimento. No Brasil, dentro deste contexto, destacam-se os trabalhos de David Pinto, Dênio Guimarães e Eron Costin cursos em vídeo aula do Revit Architecture 2012 com acesso irrestrito através do site You Tube. 16

17 A ASBEA Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura criou uma tabela comparativa entre as principais plataformas BIM comercializadas, cuja última atualização se deu em dezembro de Trata-se de um breve levantamento dos valores e características das licenças, dos meios de suporte técnico, dos aplicativos complementares, da interoperabilidade entre os sistemas, etc. Este material encontra-se disponível para download no próprio site da associação. O mesmo site, disponibiliza um roteiro que aborda aspectos básicos para adoção do BIM em escritórios de arquitetura. Este guia de implantação, desenvolvido pela ASBEA, observa a importância da padronização de arquivos modelo, também conhecidos como arquivos templates, ou seja, a pré definição de configurações de projeto utilizadas pelo escritório, tais como unidades de medida, modulações, níveis de pavimentos, formatos de pranchas, carimbos, etc. A referida cartilha sugere também a aquisição e/ou organização de bibliotecas paramétricas. As bibliotecas são compilações de arquivos que contêm modelos prontos, muito úteis para a inserção de elementos triviais no arquivo principal, onde é desenvolvido o projeto, tais como eletrodomésticos, peças sanitárias, portas, janelas, mobiliário, dentre outros. A principal diferença entre as bibliotecas BIM e aquelas utilizadas nos sistemas CAD geométricos é a parametrização. Diversos modelos de portas e janelas, por exemplo, podem ser ajustados a quaisquer dimensões, desde que investidos dos parâmetros apropriados, tais como largura, altura, profundidade, altura de peitoril, dimensões do alisar, etc. 7 CONCLUSÃO Embora se tratando de um conceito antigo, foi necessário determinado nível de desenvolvimento tecnológico para dar início à prática da metodologia BIM. O advento dos sistemas BIM é comparado à fase de transição ocorrida nas empresas de AEC, na qual as pranchetas foram substituídas por computadores. Entretanto, apesar da metodologia BIM representar mudanças significativas no processo de trabalho tradicional, realizado nos CAD geométricos, sua implantação não é tão impactante como foi a incorporação dos sistemas informatizados nos escritórios de projeto, haja visto que as novas práticas também demandam suporte da tecnologia da informação. Existe uma linha tênue de similaridades operacionais entre os CAD Geométricos e os CAD-BIM e, desta forma, um sistema BIM pode vir a ser mais intuitivo para o usuário de CAD geométrico do que um computador para o projetista que trabalha na prancheta. 17

18 BIM é uma metodologia de contínuo refinamento, não de mudança drástica. O sucesso vai ocorrer por evolução, não revolução (traduzido de KRYGIEL e NIES, 2008 por OLIVEIRA, 2011) Contudo, é evidente que a metodologia BIM constitui uma grande mudança de paradigma com relação ao ato de projetar. É fato que os sistemas BIM disponíveis estão em fase de desenvolvimento, uma vez que o nível de tecnologia utilizado, principalmente no que se refere à parte lógica (ou de programação), ainda não é suficiente para promover a aplicação efetiva de todas as premissas do conceito. Ao longo do estudo, observou-se a existência de inúmeras deficiências com relação ao intercâmbio de informações e à comunicação entre sistemas, de maneira que, atualmente, o grande desafio tecnológico das empresas que desenvolvem os softwares é resolver os entraves com relação à interoperabilidade. Outra questão, que merece destaque, está relacionada aos processos de modelagem tridimensional nos sistemas BIM. Alvos de críticas entre usuários, as ferramentas de modelagem foram melhoradas nas versões mais recentes dos softwares, facilitando o desenvolvimento de geometrias complexas. Todavia, ainda existem limitações, principalmente se compararmos, dentro deste contexto, os sistemas BIM com softwares específicos de modelagem tais como o 3D Studio MAX, por exemplo. Além disto, a modelagem 3D nos sistemas BIM demanda alta capacidade de processamento e produz arquivos muito grandes. Cabe ressaltar que, mesmo com restrições, a modelagem gerada em plataformas BIM permite inúmeras possibilidades de ajustes e modificações instantâneas, constituindo, neste aspecto, vantagem em relação ao uso de softwares exclusivos da área de computação gráfica. A evolução é questão de tempo. Fato curioso remete à criação de um mito com relação à extinção dos sistemas CAD geométricos, cujo maior representante é o AutoCAD da empresa Autodesk. Muitos profissionais de AEC acreditam que, com o estabelecimento das plataformas BIM, o AutoCAD irá sair de linha. Ora, sendo o BIM um conceito relacionado à indústria da construção civil, obviamente que os sistemas baseados em BIM não atendem às necessidades de 18

19 outros setores industriais, tais como o setor automobilístico, o setor aeroespacial, o setor naval, etc. É evidente que o conceito de modelagem de produto pode e deve ser aplicado em diversos segmentos industriais, mas não seria a indústria da construção civil a única responsável pela remota possibilidade de abolição do AutoCAD. Com relação a este aspecto, Justi (2008), em seu artigo sobre o software Revit Architecture, é taxativo: Vale lembrar que o AutoCAD não será extinto ou substituído pelo Revit, pois não existem apenas arquitetos e engenheiros usando o AutoCAD. (JUSTI, 2008) Aliás, como já foi mencionado, seria um grande equívoco, na atual conjuntura, a abolição dos sistemas CAD geométricos nas empresas de AEC. 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, Max Lira Vergas X. de; RUSCHEL Regina Coeli. BIM: conceitos, cenário das pesquisas publicadas no Brasil e tendências. Simpósio Brasileiro de Qualidade do Projeto no Ambiente Construído - IX Workshop Brasileiro de Gestão do Processo de Projeto na Construção de Edifícios. São Carlos, Disponível em: < >. Acesso em: março ASBEA - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA. Disponível em: < Acesso em: abril AYRES F., Cervantes. Acesso ao modelo do edifício f. Dissertação (Mestrado em Construção Civil) - Setor de Tecnologia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Disponível em: < Acesso em: fevereiro

20 BIRX, Glenn W. Getting started with Building Information Modeling. The American Institute of Architects Best Practices, Revisado em Disponível em: < Acesso em: fevereiro BOTTEGA, Bruna Sara. Avaliação dos efeitos do uso da tecnologia BIM sobre a coordenação de projetistas f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Disponível em: < Acesso em: março HIPPERT, Maria Aparecida Steinherz; ARAÚJO, Thiago Thielmann. A contribuição do BIM para a representação do ambiente construído. I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.anparq.org.br/dvd-enanparq/simposios/173/ sp.pdf>. Acesso em: março JUSTI, Alexander Rodrigues. Implantação da plataforma Revit nos escritórios brasileiros: relato de uma experiência. Gestão e Tecnologias de Projeto, São Paulo, v. 3, n 1, p , maio Disponível em: < 20

IMPACTOS DO USO DO SISTEMA CAD GEOMÉTRICO E DO USO DO SISTEMA CAD-BIM NO PROCESSO DE PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA

IMPACTOS DO USO DO SISTEMA CAD GEOMÉTRICO E DO USO DO SISTEMA CAD-BIM NO PROCESSO DE PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA IMPACTOS DO USO DO SISTEMA CAD GEOMÉTRICO E DO USO DO SISTEMA CAD-BIM NO PROCESSO DE PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA Sérgio SCHEER D.Sc / Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Construção

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

A contribuição do BIM para a representação do ambiente construído

A contribuição do BIM para a representação do ambiente construído Análise e representação em contextos diversos: projeto, técnica e gestão do ambiente construído A contribuição do BIM para a representação do ambiente construído HIPPERT, Maria Aparecida Steinherz (1)

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP Raquel Ragonesi Permonian (UFSCAR) raquelrpermonian@hotmail.com Jose da Costa Marques

Leia mais

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural BIM Building Information Modeling no Impactos e benefícios potenciais Nelson Covas BIM Building Information Modeling ou Modelagem de Informação da Construção ou Modelagem de Informação do Edifício Premissas

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

Ensinando Colaboração aos Estudantes

Ensinando Colaboração aos Estudantes Arq. Fernando Lima Autodesk Education ED4900_V Essa aula vai demonstrar o processo básico de colaboração usando o Autodesk Revit 2013, depois de preparar o projeto básico de arquitetura vamos simular um

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13 www.espacotempo.com.br 1 PALESTRA EARQ 2013 Goiânia, 10 de Setembro de 2013 FERNANDO DAHER ALVARENGA Arquiteto e Urbanista Diretor e proprietário da Espaço Tempo www.espacotempo.com.br www.fernandodaher.com

Leia mais

BIM E A QUALIDADE DO PROJETO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DE PROJETO

BIM E A QUALIDADE DO PROJETO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DE PROJETO BIM E A QUALIDADE DO PROJETO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DE PROJETO Maria A. S. Hippert (1); Thiago T. Araújo (2) (1) Departamento de Construção Civil - Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

CURSO BIM. 20 horas de formação operacional 20 horas de formação gerencial 60 horas de formação téorico-prática

CURSO BIM. 20 horas de formação operacional 20 horas de formação gerencial 60 horas de formação téorico-prática CURSO BIM Curso de 100h São Paulo 11 Ago. 17 Nov. 2015 Setor da Arquitetura, Engenharia e Construção O Curso BIM resultou de uma parceria entre a BIMMS e o Instituto de Engenharia de São Paulo, inicialmente

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

Experiência do uso de REVIT em Projeto de Estrutura

Experiência do uso de REVIT em Projeto de Estrutura REVIT em Projeto de Estrutura Angelo Ricardo Rech REFE engenharia Descrição do processo de implantação e treinamento no uso do Revit Structure, e relato das vantagens alcançadas no uso diário profissional.

Leia mais

Plantas Industriais. Objetivo de aprendizado. Sobre o Palestrante. AutoCAD Plant 3D - Inovação em projetos de tubulação

Plantas Industriais. Objetivo de aprendizado. Sobre o Palestrante. AutoCAD Plant 3D - Inovação em projetos de tubulação Plantas Industriais Odair Maciel Dedini Indústrias de Base AutoCAD Plant 3D - Inovação em projetos de tubulação Objetivo de aprendizado Ao final desta palestra você terá condições de: Total conhecimento

Leia mais

Sobre os Palestrantes ANDRÉ WENDLER EMPRESA WENDLER PROJETOS /CAMPINAS-SP SITE: http://www.wendlerprojetos.com.br/

Sobre os Palestrantes ANDRÉ WENDLER EMPRESA WENDLER PROJETOS /CAMPINAS-SP SITE: http://www.wendlerprojetos.com.br/ Demonstrar o fluxo de trabalho e Gestão de Orçamento REVIT/BIM da Construtora FA OLIVA com o Escritório de Engenharia Wendler Projetos para projetos de alvenaria estrutural. Apresentadores: Marcelo Antoniazzi

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias SP I PR I DF Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG Revit 2011 - o software para projetos de edificações para agora

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

DESENHOAUXILIADO PORCOMPUTADOR. PaolaCaliariFerariMar ns

DESENHOAUXILIADO PORCOMPUTADOR. PaolaCaliariFerariMar ns DESENHOAUXILIADO PORCOMPUTADOR PaolaCaliariFerariMar ns INFRAESTRUTURA Autora Paola Caliari Ferrari Martins Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 1999.

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 QUANTIFICAÇÃO BASEADA EM MODELAGEM BIM: VALIDAÇÃO E FOMENTO DE PRÁTICA PROJETUAL A PARTIR DA MODELAGEM DA CASA BAETA. Diogo Humberto Muniz¹;Rodrigo Luiz Minot Gutierrezr 2 1, 2 Universidade de Uberaba

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

Quarta 04/11 14:45-16:25. Quinta 05/11 13:50-15:30. Sexta 06/11 14:10-15:30. Edificações, Infraestrutura e Cidade: do BIM ao CIM

Quarta 04/11 14:45-16:25. Quinta 05/11 13:50-15:30. Sexta 06/11 14:10-15:30. Edificações, Infraestrutura e Cidade: do BIM ao CIM 1A Tic Em Apoio A Projeto 1 1 A Realidade Virtual Imersiva Como Tecnologia De Suporte À Compreensão De Modelos Computacionais 37 O Uso De Tecnologias De Realidade Aumentada Como Estratégia De Empoderamento

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DO EVENTO 13 :30 13:45 Abertura - Dr. Antonio Carlos, diretor SINDUSCON RIO 13:45 14:30 Introdução ao BIM:

Leia mais

Documentação de Projeto Executivo em BIM

Documentação de Projeto Executivo em BIM Jano Quintanilha Felinto GDP Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Apresentação das oportunidades de extração e apresentação de informações e documentação de projeto executivo e seus desafios no

Leia mais

Permanecendo competitivo

Permanecendo competitivo Permanecendo competitivo Você consegue sobreviver sem o BIM? AFINAL, É UM MUNDO EM 3D Na virada do século 21, a indústria de edificações e construção passou por uma transição do método 2D para projetos

Leia mais

2. Revisão da literatura - Building Information Modeling BIM

2. Revisão da literatura - Building Information Modeling BIM 2. Revisão da literatura - Building Information Modeling BIM Um modelo 3D BIM representa os objetos do mundo real como, paredes, portas e janelas como objetos tridimensionais. Complementando a geometria,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PROJETOS CORPORATIVOS / INDUSTRIAIS

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PROJETOS CORPORATIVOS / INDUSTRIAIS APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PROJETOS CORPORATIVOS / INDUSTRIAIS MISSÃO Oferecer soluções que aliem beleza, funcionalidade e inovação, ao contribuir para a satisfação de nossos clientes e colaboradores,

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG AutoCAD 2010 - o software AutoCAD para arquitetos. Criação, coordenação e colaboração

Leia mais

BIM - Conceitos e Aplicações!

BIM - Conceitos e Aplicações! BIM - Conceitos e Aplicações! Introdução Como Projetávamos no Passado? Quais eram as Ferramentas Utilizadas? Introdução Resultados! Introdução Avanço da Tecnologia Surgimento das Ferramentas CAD CAD -

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil?

PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil? PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil? A AUTODESK possui parceiros denominados CSI Consulting System Integrator para ampliar o valor das suas soluções, sendo uma consultoria

Leia mais

Fluxo de trabalho em empresas de elevação e transporte

Fluxo de trabalho em empresas de elevação e transporte Fluxo de trabalho em empresas de elevação e transporte Leandro Castellanos Castellanos Tecnologia LTDA È apresentado um fluxo de trabalho (Estudo Projeto Revisão e Informações técnicas) em empresas que

Leia mais

BIM. Um Novo Paradigma. BIM: Um Novo Paradigma TQS. Vantagens, Desvantagens e Dificuldades. O BIM do ponto de vista do projeto estrutural

BIM. Um Novo Paradigma. BIM: Um Novo Paradigma TQS. Vantagens, Desvantagens e Dificuldades. O BIM do ponto de vista do projeto estrutural BIM Um Novo Paradigma O BIM do ponto de vista do projeto estrutural O BIM do ponto de vista de um fornecedor de software de projeto estrutural Abram Belk - abram@tqs.com.br 2 Metodologia de projeto Automação

Leia mais

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projetos/turma 149 29 de julho de 2015 Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Flávia Ciqueira

Leia mais

Desenho Auxiliado por Computador Aula 2. Professora: Priscila Medeiro

Desenho Auxiliado por Computador Aula 2. Professora: Priscila Medeiro Desenho Auxiliado por Computador Aula 2 Professora: Priscila Medeiro O que é CAD? Desenho auxiliado por computador Sistema baseado em desenho Facilita o Projeto e Desenhos Técnicos Utilizados pela geologia,

Leia mais

Teoria e prática comparativo entre a tecnologia BIM e CAD no projeto arquitetônico de instituição educacional

Teoria e prática comparativo entre a tecnologia BIM e CAD no projeto arquitetônico de instituição educacional 1 Teoria e prática comparativo entre a tecnologia BIM e CAD no projeto arquitetônico de Ítalo Pereira Fernandes italo@live.com Master em Arquitetura Instituto de Pós-Graduação - IPOG João Pessoa, PB, 02

Leia mais

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR Definições Conceitos de BIM Curso CMU ago/08 IFC Penn State Carnegie Mellon University 1905-1912 PITTSBURGH- PA- aço Fallingwater FLW 3 LEED building B = BUILDING I= INFORMATION

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

3 - BIM. 3.1 Histórico

3 - BIM. 3.1 Histórico 3 - BIM 3.1 Histórico O modelamento de geometrias 3D foi objeto de extensiva pesquisa devido a sua ampla aplicação não só na Arquitetura, no Design e na Engenharia, mas também no desenvolvimento de jogos

Leia mais

Aspectos Relevantes da Qualidade do Software Estrutural e Sua Influência na Elaboração de Projetos

Aspectos Relevantes da Qualidade do Software Estrutural e Sua Influência na Elaboração de Projetos Aspectos Relevantes da Qualidade do Software Estrutural e Sua Influência na Elaboração de Projetos Eng. Nelson Covas São Paulo, 23 de outubro de 2008 1. Introdução 2. Relação Software / Projeto Estrutural

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

O desenvolvimento de um aplicativo de verificação de requisitos através do Revit API

O desenvolvimento de um aplicativo de verificação de requisitos através do Revit API O desenvolvimento de um aplicativo de verificação de requisitos através do Revit API Silvia Maria Soares de Araujo Pereira Fundação Oswaldo Cruz / Universidade Federal Fluminense Sergio Roberto Leusin

Leia mais

BIM. OProjeto como Modelo de antecipação do Produto Final. Building Information Modeling. Basílica de São Pedro

BIM. OProjeto como Modelo de antecipação do Produto Final. Building Information Modeling. Basílica de São Pedro BIM Building Information Modeling OProjeto como Modelo de antecipação do Produto Final Por muitos séculos coube ao arquiteto a Concepção e a Responsabilidade pelo PROJETOS e... Execução das obras Eram

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS Vinicius Coutinho dos Santos BARBOSA (1); Michele Tereza Marques CARVALHO (2) (1) Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Cláudio Leones Bazzi 1 ; Juliano Rodrigo Lamb

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

A base do BIM para engenharia estrutural. Autodesk Revit. Structure 2010

A base do BIM para engenharia estrutural. Autodesk Revit. Structure 2010 A base do BIM para engenharia estrutural. Autodesk Revit Structure 2010 Melhore a Eficácia, a Precisão e a Coordenação O software Autodesk Revit Structure oferece modelagem simultânea para projeto estrutural,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

GESTÃO DA TECNOLOGIA: USO DO SISTEMA BIM PARA A COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS

GESTÃO DA TECNOLOGIA: USO DO SISTEMA BIM PARA A COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS GESTÃO DA TECNOLOGIA: USO DO SISTEMA BIM PARA A COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS leila soares viegas barreto chagas (IF Sertão) leila_viegas@hotmail.com marcos antonio padilha junior (IF Sertão) jr_padilhamarcos@hotmail.com

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

Agenda. Gafisa S.A. Planejamento Estratégico. Novas Idéias: BIM + Padronização. BIM: Primeiros Desafios. BIM: Implementação e Diretrizes

Agenda. Gafisa S.A. Planejamento Estratégico. Novas Idéias: BIM + Padronização. BIM: Primeiros Desafios. BIM: Implementação e Diretrizes Agenda Gafisa S.A. Planejamento Estratégico Novas Idéias: BIM + Padronização BIM: Primeiros Desafios BIM: Implementação e Diretrizes 2 Gafisa S.A. Uma das empresas líderes do mercado de incorporação e

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

CRISTIANO CLAY GUIOT DA COSTA ALVES PLATAFORMA BIM NA CONSTRUÇÃO CIVIL: VANTAGENS E DESVANTAGENS NA IMPLANTAÇÃO.

CRISTIANO CLAY GUIOT DA COSTA ALVES PLATAFORMA BIM NA CONSTRUÇÃO CIVIL: VANTAGENS E DESVANTAGENS NA IMPLANTAÇÃO. i ii CRISTIANO CLAY GUIOT DA COSTA ALVES PLATAFORMA BIM NA CONSTRUÇÃO CIVIL: VANTAGENS E DESVANTAGENS NA IMPLANTAÇÃO. Artigo apresentado ao curso de graduação em Engenharia Civil da Universidade Católica

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

Proposição do Manual Técnico de Gestão do Processo de Projeto Colaborativo com o uso do BIM para o Estado de Santa Catarina

Proposição do Manual Técnico de Gestão do Processo de Projeto Colaborativo com o uso do BIM para o Estado de Santa Catarina Proposição do Manual Técnico de Gestão do Processo de Projeto Colaborativo com o uso do BIM para o Estado de Santa Catarina Prof. Dr. Eng. Leonardo Manzione Outubro 2014 Sobre o apresentador Prof. Dr.

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos O que oferecemos 11/05/2015 BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM Quem somos Clientes 1 2 3 Agenda 1. Introdução 2. O que é BIM? 3. Por que BIM? 4. O que ganho com BIM? 5. BIM &

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 O USO DA TECNOLOGIA CAD PARA O ENSINO DE DESENHO TECNICO NO CURSO DE ENGENHARIA MECANICA GEOVANI NUNES DORNELAS Mestre em Modelagem Matemática e Estatística Aplicada- UNINICOR DADOS DE IDENTIFICAÇÃO O

Leia mais

Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura

Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura www.ravagnistudio.it PROPOSIÇÃO Esta proposta destina-se a arquitetos, estudantes de arquitetura e também pessoas desejosas de aprender língua italiana, que

Leia mais

Brasileira. Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB. Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB

Brasileira. Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB. Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB A Aplicação do processo BIM na Construção Brasileira Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB Apresentação Conceituação Elos do BIM Cadeia de Valor Produtivo

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA BIM EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA

A IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA BIM EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE OBRAS FERNANDA LOUIZE MONTEIRO BROCARDO A IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA BIM EM ESCRITÓRIOS

Leia mais

Mudanças metodológicas decorrentes da implantação recente de BIM em escritórios de arquitetura

Mudanças metodológicas decorrentes da implantação recente de BIM em escritórios de arquitetura Mudanças metodológicas decorrentes da implantação recente de BIM em escritórios de arquitetura Methodological changes resulting from the recent implementation of BIM in architectural firms Ludmila Cabizuca

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

BIM E PROJETOS NO SETOR PÚBLICO

BIM E PROJETOS NO SETOR PÚBLICO BIM E PROJETOS NO SETOR PÚBLICO Cervantes Ayres Filho Arq. MSc. SÃO JOSÉ DOS PINHAIS ATÉ 2009: CONTRATAÇÃO DE PROJETOS (INCLUSIVE PROGRAMA) BAIXA QUALIDADE DAS OBRAS E FALTA DE IDENTIDADE A PARTIR DE 2009:

Leia mais

Integração Laser Scanner - BIM

Integração Laser Scanner - BIM Fernando Cesar Ribeiro Toppar Engenharia de Levantamentos Marcelo Nepomuceno Uso da nuvem de pontos geradas em levantamentos por Laser Scanner para modelagem de geometria e informações para construção

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc.

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. A GDP, Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Ltdª, nasceu da convicção de que o projeto deve ser o protagonista

Leia mais

Viabilizando a utilização do Autodesk Revit Structure com outras soluções de cálculo

Viabilizando a utilização do Autodesk Revit Structure com outras soluções de cálculo Viabilizando a utilização do Autodesk Revit Structure com outras soluções de cálculo Palestrante: Rafael Ramalho ConstruBIM Co-Palestrante: Manuel Casanova Estra Engenharia A utilização da tecnologia BIM

Leia mais

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS 1. Identificação Curso Técnico em Informática Unidade São José Coordenador da S.A Walter André de Almeida Pires Unidade(s) Curricular(es) Envolvida(s)

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Ferramenta BIM para Projetos de Estruturas Pré-Fabricadas

Ferramenta BIM para Projetos de Estruturas Pré-Fabricadas Ferramenta BIM para Projetos de Estruturas Pré-Fabricadas Marco Moschini CSG Engineering Local: UNIDAVI - Rio do Sul / SC BIM ( Building Information Modeling ) ( Modelagem da Informação da Construção )

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

ESCRITÓRIOS Carril de la Condesa, 58 Edificio Torre Proconsa Escritório 509 30010 Murcia ( España) Coordenadas: N 37º 58' 5.4588" W -1º 8' 1.

ESCRITÓRIOS Carril de la Condesa, 58 Edificio Torre Proconsa Escritório 509 30010 Murcia ( España) Coordenadas: N 37º 58' 5.4588 W -1º 8' 1. Anovel engenharia Integral desenvolve seus trabalhos no mundo da engenharia e da construção, podendo desenvolver projetos em todas as fases, desde o desenho inicial, passando pelo desenvolvimento e detalhamento

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais