A contextualização e a interdisciplinaridade aplicadas no Curso de Pós Graduação em Engenharia de Requisitos um estudo de caso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A contextualização e a interdisciplinaridade aplicadas no Curso de Pós Graduação em Engenharia de Requisitos um estudo de caso"

Transcrição

1 A contextualização e a interdisciplinaridade aplicadas no Curso de Pós Graduação em Engenharia de Requisitos um estudo de caso Angélica Toffano Seidel Calazans, Dra. Transformar o conhecimento em conteúdo a ser ensinado, definir o tratamento a ser dado a essas informações, e tomar decisões com o objetivo de construir um ambiente de aprendizagem tem sido um dos desafios na área do ensino. A experiência do Curso de Pós graduação em Engenharia de Requisitos tem demonstrado que isso é possível utilizando principalmente os conceitos de contextualização e interdisciplinaridade. Segundo Maranhão (2009), a contextualização do conteúdo traz importância ao cotidiano do aluno, mostra que aquilo que se aprende, em sala de aula, tem aplicação prática em nossas vidas. A contextualização permite ao aluno sentir que o saber não é apenas um acúmulo de conhecimentos técnico-científicos. Com relação a interdisciplinaridade, Saviani ( 2003, p. 53 ),afirma que é um processo de co-participação, diálogo, que caracterizam a integração não apenas das disciplinas mas de todos os envolvidos no processo educativo." Para Lenoir (1998) a interdisciplinaridade necessita do envolvimento de três níveis: curricular, didático e pedagógico. Segundo esse mesmo autor, o estabelecimento de ligações de interdependência, de convergência e de complementaridade entre diferentes disciplinas representa o nível curricular. O nível didático envolve o planejamento de estratégias de ação e de intervenção para a implementação desse currículo e sua inserção nas situações de aprendizagem. O nível pedagógico envolve os aspectos ligados à gestão da classe e ao contexto do ato de ensinar. O presente artigo apresenta a aplicação desses três níveis de interdisciplinaridade no curso de Pós Graduação em Engenharia de Requisitos do Uniceub. Implementação da interdisciplinaridade no nível curricular, didático e pedagógico Analisando o nível curricular da Pós Graduação em Engenharia de Requisitos verifica-se a preocupação pelo estabelecimento de ligações de interdependência, convergência e complementaridade, que são implementadas também no nível pedagógico e didático. Um exemplo desta interdisciplinaridade a nível curricular pode ser visualizado na figura 1, onde se identificam os relacionamentos de algumas disciplinas no mesmo nível e no nível hierárquico superior. Especificação de requisitos Modelagem de dados Processos de produção de requisitos Modelagem de requisitos do software Engenharia de requisitos Qualidade de software

2 Figura 1 Relacionamento de algumas disciplinas do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Requisitos. Mas, de acordo com Brasil(2002), o trabalho interdisciplinar, antes de garantir associação temática entre diferentes disciplinas, deve buscar unidade em termos de prática docente Como exemplo dessa associação curricular, pedagógica e didática, relata-se brevemente o caso relacionado às disciplinas de Engenharia de Requisitos e Modelagem de Dados do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Requisitos. A introdução de vários estudos de casos na disciplina de Engenharia de Requisitos proporcionou aos alunos através da contextualização o desenvolvimento de competências e habilidades para trabalhar de forma sistêmica com requisitos definidos sobre os mais diversos temas e assuntos. A utilização desses mesmos estudos de casos na disciplina de modelagem de dados proporcionou o trabalho conjunto de duas disciplinas possibilitando a utilização e aprofundamento das competências adquiridas em outro contexto. Segundo Brasil (2002) a interdisciplinaridade deve possibilitar a utilização do conhecimento de várias disciplinas para resolver um problema ou compreender um fenômeno. A seguir, exemplifica-se a implementação da interdisciplinaridade através de um dos estudos de caso aplicados na disciplina de Engenharia de Requisitos. O estudo de caso tinha por objetivo concentrar e organizar todos os requisitos identificados para o sistema de atendimento da empresa Editora ABC S/A no Módulo Publicação e Vendas, fornecendo aos membros da equipe de projeto, as informações necessárias para a implementação, assim como para a realização dos testes e homologação do sistema. Os alunos, na disciplina de Engenharia de Requisitos, trabalharam em grupo e individualmente identificando regras de negócio, requisitos funcionais e complementares etc. Todos estes dados constam do Documento de Definição de Requisitos DDR que fazem parte do Método Extreme Requeriments - XR. Todas essas informações foram analisadas e discutidas na disciplina de Modelagem de Dados para a identificação e definição do modelo Entidade e Relacionamento. Os requisitos funcionais (Tabela 1) serviram de insumo para a definição de algumas entidades (Figura 2). Identificador Requisito Funcional Requisito Complementar Regra de Negócio RF01 O sistema deve permitir cadastrar usuário RC01 RNG01 RF02 O sistema deve cadastrar autor RC02 RF03 O sistema deve cadastrar livro RC03 RNG02 Tabela 1 Exemplo de alguns dos requisitos funcionais Figura 2 - DER criado após a análise de alguns requisitos funcionais -

3 Os requisitos complementares (Tabela 2) serviram de insumo para a definição de atributos para as entidades já criadas e de relacionamentos, conforme apresentados na Figura 3. Identificador: RC01 O sistema deve cadastrar o usuário pelos seguintes atributos. Requisitos Funcional RF01 / RFXX Nome O S E Descrição Exemplo Tipo Nome usuário x x Atributo que representa o nome completo do usuário Pedro Silva A Motta. Login x x Atributo que representa o login do usuário. Este atributo é utilizado PedroSM A para efetuar o login no sistema. Senha x x Atributo que representa a senha do usuário. Este atributo é utilizado para efetuar o login no sistema A Data de x Atributo que representa a data do cadastramento do usuário a ser 17/11/2002 D cadastramento identificado pelo sistema Status x x Atributo que representa o status do usuário. I ou A -- CPF x x Atributo que representa o número do cadastro da pessoa física do N usuário RG x Atributo que representa o número do registro geral do usuário N UF do RG x Atributo que representa a unidade da federação de expedição do DF, BA, C RG do usuário. RR. Órgão expedidor do x Atributo que representa o órgão que expediu o RG do usuário. SSP/DF C RG x Atributo que representa um do usuário. l.com A RC02 O sistema deve cadastrar o autor pelos seguintes atributos. RF02 / RFXX Nome O S E Descrição Exemplo Nome Autor x Atributo que representa o nome completo do autor Pedro Silva Motta. Unidade Federação x x Atributo que representa a unidade da federação do DF, BA, RJ, SP - UF autor Cidade x x Atributo que representa a cidade do autor São Paulo Endereço x x Endereço do autor SQN 216 BL V APT 326 Bairro x x Bairro do autor Asa Norte CEP x x CEP do endereço do autor Telefone residencial x Numero do telefone residencial do autor (61) Telefone Celular x Numero do telefone celular do autor. (61) x do autor RC03 O sistema deve cadastrar o livro pelos os seguintes atributos RF03 / RFXX Nome O S E Descrição Exemplo Título livro x x Atributo que representa o título do livro do autor. Qualidade de Software Autores x x Atributo que representa os autores de um mesmo assunto. Ivan Mecenas e Viviane Oliveira Tabela 2 Exemplo de alguns dos requisitos complementares

4 Figura 3 DER atualizado após a análise dos Requisitos complementares É importante ressaltar que, nesse primeiro momento, os relacionamentos, cardinalidades e os atributos identificados podem sofrer alterações, considerando o amadurecimento posterior dos requisitos. A análise das regras de negócio permite uma ratificação ou retificação do entendimento, possibilitando também a inclusão ou alteração de entidades, relacionamentos e cardinalidades. Na tabela 3 apresentam-se algumas regras de negócio e, na Figura 4 demonstra-se como isso foi implementado no DER. Identificação da regra de negócio Descrição da regra de negócio Rng01 Quando o livro for cadastrado o sistema deve permitir cadastrar um ou mais autores Rng08 Quando cadastrar o premio o sistema deve permitir relacionar premio ao autor Tabela 3 Exemplo de algumas regras de negócio Figura 4 DER atualizado após a analise das regras de negócio

5 Na figura 4 foi incluída a entidade prêmio para atender ao Requisito de negócio Rng08. Foi também confirmada a cardinalidade do relacionamento entre autor e livro, através do Requisito de negócio Rng01. A análise dos requisitos não funcionais também é necessária para complementação do DER. Por exemplo, o Requisito não funcional RNF_Q01 - O sistema deve garantir que a atualização de dados será feita de forma atômica e imediata, sempre com registro histórico pode gerar a necessidade da inclusão de algumas outras entidades, de forma a preservar o histórico. O estudo do Quadro de permissões pode gerar modificações do DER. Dependendo do nível de permissões no sistema, talvez sejam necessárias inclusões de relacionamentos da entidade Usuário com outras entidades. Ou seja, a análise de todos os dados obtidos na DDR, permite uma modelagem de dados inicial de forma mais direcionada e eficiente. É importante ressaltar, porém, que a modelagem de dados tem como objetivo planejar ou projetar a sua base de dados para suportar uma ou mais áreas de negócio e, por esse motivo, é essencial a participação do usuário nesse processo. Mas, conforme foi identificado, as informações contidas na DDR podem ajudar a iniciar esse processo, agregando mais agilidade e qualidade ao mesmo. Referências BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, LENOIR, Yves. Didática e Interdisciplinaridade: uma complementaridade necessária e incontornável. In: FAZENDA, Ivani (org.) Didática e interdisciplinaridade. São Paulo:Papirus, MARANHÃO, Maria Edmir. A importância da interdisciplinaridade e contextualização. Disponível em< Interdisciplinaridade-e-Contextualizacao/pagina1.html>. Acesso em: SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. 29 ed., Campinas, SP:Autores associados, 2002.

Construção de. Software Orientado ao Negócio A solução proposta pelo método iron integração de Requisitos Orientados a Negócio

Construção de. Software Orientado ao Negócio A solução proposta pelo método iron integração de Requisitos Orientados a Negócio Construção de Software Orientado ao Negócio A solução proposta pelo método iron integração de Requisitos Orientados a Negócio O que é um REQUISITO? Podemos conceituar requisitos como sendo uma ação a ser

Leia mais

Software Orientado ao Negócio

Software Orientado ao Negócio Construção de Software Orientado ao Negócio A solução proposta pelo método iron - integração de Requisitos Orientados a Negócio Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc Roberto Avila Paldês, MSc Diferenciais

Leia mais

Software Orientado ao Negócio. A solução proposta pelo método iron integração de Requisitos Orientados a Negócio

Software Orientado ao Negócio. A solução proposta pelo método iron integração de Requisitos Orientados a Negócio Construção de Software Orientado ao Negócio A solução proposta pelo método iron integração de Requisitos Orientados a Negócio Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc Agenda 1) Contextualização Causas de fracasso

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) A Didática e os fundamentos educacionais

Leia mais

Chave alternativa. Angélica Toffano Seidel Calazans Abordagem Relacional

Chave alternativa. Angélica Toffano Seidel Calazans   Abordagem Relacional Chave alternativa Quando mais de uma coluna ou combinação podem servir para distinguir uma linha das demais Codempreg ado Nome CodDepto CPF E5 Ana D1 2224441995 E4 Eva D1 4445666777 E1 Pedro D2 4456879908

Leia mais

EDITAL Nº. 004/2010 DE SELEÇÃO PARA BOLSA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDITAL Nº. 004/2010 DE SELEÇÃO PARA BOLSA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL Nº. 004/2010 DE SELEÇÃO PARA BOLSA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA A Pró-Reitoria de Extensão - PROEX torna público o Edital para seleção de acadêmicos para bolsas de extensão universitária, mediante

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Rua: Padre de Conde, S/N - Suarão - Itanhaém - SP CEP: TEL/FAX: (013) TEL: (013)

Rua: Padre de Conde, S/N - Suarão - Itanhaém - SP CEP: TEL/FAX: (013) TEL: (013) Rua: Padre de Conde, S/N - Suarão - Itanhaém - SP CEP: 11740-000 TEL/FAX: (013) 3422-4975 TEL: (013) 3422-4985. EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR OORDENADOR A Diretora da Escola Estadual

Leia mais

PRH-49 / ANP PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS EM TECNOLOGIAS AVANÇADAS PARA RECUPERAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL EM CAMPOS MADUROS

PRH-49 / ANP PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS EM TECNOLOGIAS AVANÇADAS PARA RECUPERAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL EM CAMPOS MADUROS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Rua Professor Aristides Novis, nº 02 Federação EP/UFBA CEP 40.210-630 Salvador - Bahia Tel: 3203-9806,

Leia mais

JAPSYS-Sistema de Gerenciamento Restaurante Japonês Delivery

JAPSYS-Sistema de Gerenciamento Restaurante Japonês Delivery Curso Técnico Integrado de Informática 2 Ano Projeto Integrador Formação Profissional JAPSYS-Sistema de Gerenciamento Restaurante Japonês Delivery Isabela Cristina - 1560379 Monique Cabral - 1560247 Dezembro

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Alunos Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Indicador Objetivos do Curso 02 - Conheço o Projeto Pedagógico do Curso e os

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I. Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I. Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Currículo: fundamentos e concepções.

Leia mais

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

Sistema Unificado de Planejamento e Orçamento - UNI

Sistema Unificado de Planejamento e Orçamento - UNI Secretaria do Planejamento e Orçamento Planejamento Mais Perto de Você Sistema Unificado de Planejamento e Orçamento - UNI Palmas, 13 de outubrobro de 2015 CADASTRAMENTO DE USUÁRIO 1. Envio do Nome completo,

Leia mais

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSORES COORDENADOR

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSORES COORDENADOR SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DIADEMA E. E. PROFESSORA ANTONIETA BORGES ALVES Av. Dom Pedro I, 365 Vila Conceição- Diadema SP Tel. 40542321 EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO MÉDIO

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO MÉDIO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE SANTOS EE MARECHAL DO AR EDUARDO GOMES Av. Castelo Branco s/nº Jd. Enguaguaçu - Vicente de Carvalho/Guarujá-S.P.

Leia mais

EDITAL Nº 01/ SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA

EDITAL Nº 01/ SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE CÂMPUS VENÂNCIO AIRES EDITAL Nº 01/2016 - SELEÇÃO PARA O PROGRAMA

Leia mais

DUMA: AUTOMAÇÃO DE FICHA TÉCNICA PARA EMPRESA DE PEQUENO E MÉDIO PORTE

DUMA: AUTOMAÇÃO DE FICHA TÉCNICA PARA EMPRESA DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Curso de Sistemas de Informação Bacharelado DUMA: AUTOMAÇÃO DE FICHA TÉCNICA PARA EMPRESA DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Acadêmica: Ana Cristina Isensee Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro 1. Introdução

Leia mais

Manual do Aluno Engenharia Insper i

Manual do Aluno Engenharia Insper i Manual do Aluno Engenharia Insper i Capítulo 1 A visão do Insper para a Engenharia A missão dos cursos de engenharia do Insper é: Desenvolver jovens engenheiros que estarão preparados para reconhecer as

Leia mais

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) OU PROPOSTA PEDAGÓGICA Representa a ação intencional e um compromisso sociopolítico definido coletivamente

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04/10/2014 Etec: ERMELINDA GIANNINI TEIXEIRA Código: 0187 Município: SANTANA

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO NOME DO ALUNO Jaguariúna 2010 REGISTRO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Padre José Nunes Dias Código: 075 Município: Monte Aprazível Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

A gratificação da função foi implementada pela Lei Complementar nº de 15/10/2007 e pela Lei Complementar nº de 01/07/2013.

A gratificação da função foi implementada pela Lei Complementar nº de 15/10/2007 e pela Lei Complementar nº de 01/07/2013. A Diretora da EE NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES, em Guarujá com fundamento na Resolução SE 75 de 30/12/2014, torna público o processo para seleção de docente para a função gratificada de Professor Coordenador

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2014. A CÂMARA DE ENSINO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias e

RESOLUÇÃO Nº 02/2014. A CÂMARA DE ENSINO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias e RESOLUÇÃO Nº 02/2014 Estabelece normas e prazos para elaboração, reformulação e avaliação dos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da Univasf. A DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU519 DISCIPLINA: PRATICA EDUCATIVA I - DIDÀTICA CARGA HORÁRIA: 75h EMENTA: OBJETIVOS:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 238 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013. Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código:103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Modelos. Banco de dados. Professor: Jarbas Araújo CENTRO EDUCACIONAL RADIER.

Modelos. Banco de dados. Professor: Jarbas Araújo CENTRO EDUCACIONAL RADIER. Modelos Banco de dados Professor: Jarbas Araújo professorjarbasaraujo@gmail.com CENTRO EDUCACIONAL RADIER Projeto de banco de dados Todo bom sistema de banco de dados deve apresentar um projeto, que visa

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1.2.4.3.1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º - As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento, por avaliação, de habilidades, conhecimentos e

Leia mais

SIPAC MANUAL DE UTILIZAÇÃO REQUISIÇÃO DE MATERIAL

SIPAC MANUAL DE UTILIZAÇÃO REQUISIÇÃO DE MATERIAL SIPAC MANUAL DE UTILIZAÇÃO REQUISIÇÃO DE MATERIAL Sumário 1. Acessando Portal UFGNet...3 1.1 Realizando login...3 2. Acessando o módulo de Requisição de Material...4 2.1 Cadastrar Requisição...4 2.1.1

Leia mais

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Faculdade de Hortolândia REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Hortolândia 2015 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I

Leia mais

TIDE VERSÃO PM-RJ 1.0

TIDE VERSÃO PM-RJ 1.0 TIDE VERSÃO PM-RJ 1.0 1 LOGIN... 1 1.1 Geração e confirmação de nova senha...1 1.2 Escolha da Função...1 2 CADASTRO DE OCORRÊNCIA... 2 2.1 Cadastro do Solicitante...2 2.2 Cadastro do Evento...2 2.3 Cadastro

Leia mais

PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR

PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR ! UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA FORMULÁ RIO R0092 PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO

Leia mais

EDITAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ENSINO MÉDIO 2016/2017

EDITAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ENSINO MÉDIO 2016/2017 EDITAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ENSINO MÉDIO 2016/2017 A COORDENADORA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP, Profa. Dra. Ieda

Leia mais

Engenharia de Software. UML Unified Modeling Language

Engenharia de Software. UML Unified Modeling Language Engenharia de Software UML Unified Modeling Language UML - INTRODUÇÃO UML é um acrônimo para a expressão Linguagem de Modelagem Unificada. Pela definição de seu nome, vemos que a UML é uma linguagem que

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas e do Trabalho PROGEP Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos CDRH Gerência de Capacitação - GC PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA CADASTRO INICIAL

DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA CADASTRO INICIAL DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA CADASTRO INICIAL MANTER PESSOA MANTER SERVIDOR MANTER A INSTITUIÇÃO MANTER ELEMENTO ORGANIZACIONAL Cadastrar Pessoa Cadastrar Servidor Cadastrar a Instituição Cadastrar o Elemento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO EDITAL CFP Nº 07, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO EDITAL CFP Nº 07, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2011 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES O Diretor do Centro de Formação de Professores da Universidade Federal de Campina Grande, Campus de Cajazeiras - PB, considerando as prerrogativas que lhes são conferidas e na

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA VISÃO GERAL DA DISCIPLINA Antes eu não gostava de Matemática, mas agora a professora joga, conta história e deixa a gente falar né? Então é bem mais divertido, eu estou gostando mais. Pedro, 9 anos. Neste

Leia mais

SISTEMA SGPS GESTÃO DE PLANO DE SAÚDE

SISTEMA SGPS GESTÃO DE PLANO DE SAÚDE SISTEMA SGPS GESTÃO DE PLANO DE SAÚDE FORTALEZA CE JANEIRO / 2015 SGPS - Sistema Gestão Plano de Saúde Especificação de Caso de Uso Manter Conveniado UC02 Versão 1.0 HISTÓRICO DA REVISÃO Data Versão Descrição

Leia mais

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 COLEGIADO DE CURSOS Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 Institui a Política de Extensão no âmbito da Faculdade Una de Betim e dá outras providências. A Presidente do Colegiado de Cursos da Faculdade

Leia mais

Manual Grupo Módulos INTsys CND. Manual Grupo Módulos. Atualização (Abril/2016)

Manual Grupo Módulos INTsys CND. Manual Grupo Módulos. Atualização (Abril/2016) Manual Grupo Módulos INTsys CND Manual Grupo Módulos Atualização (Abril/2016) ÍNDICE ACESSO AO SISTEMA...03 DASHBOARD...03 ESCRITÓRIOS Escritórios...04 ESCRITÓRIOS Usuário...05 CLIENTES Cliente...05 AGENDAMENTO...06

Leia mais

Protocolo Eletrônico. Sistema Eletrônico de Informações. Ministério da Justiça e Cidadania

Protocolo Eletrônico. Sistema Eletrônico de Informações. Ministério da Justiça e Cidadania Protocolo Eletrônico Sistema Eletrônico de Informações Ministério da Justiça e Cidadania Sumário 1. Processo Eletrônico Nacional 2. Protocolo Eletrônico do Ministério da Justiça 3. Cadastro de Pessoa Física

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 05 Tema: Gerenciamento

Leia mais

EDITAL 01/2016 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES

EDITAL 01/2016 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS (MESTRADO) UEPB / Embrapa Algodão EDITAL 01/2016 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES 1. PREÂMBULO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: FÌSICA FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( X) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( X) Presencial

Leia mais

C u r r í c u l o p o r C o m p e t ê n c i a e Te n d ê n c i a s d e M e r c a d o. E l i a s C a d d a h

C u r r í c u l o p o r C o m p e t ê n c i a e Te n d ê n c i a s d e M e r c a d o. E l i a s C a d d a h C u r r í c u l o p o r C o m p e t ê n c i a e Te n d ê n c i a s d e M e r c a d o E l i a s C a d d a h Agenda Legislação/Contextualização; Conceitos Acadêmicos; Tendências Mercado; Desafios. LEGISLAÇÃO

Leia mais

ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID FORMULÁRIO DE DETALHAMENTO DO SUBPROJETO POR ÁREA DE CONHECIMENTO 1. Nome da Instituição: 2. UF CAMPUS

Leia mais

Sistema de Controle de Uso do e-sus

Sistema de Controle de Uso do e-sus Sistema de Controle de Uso do e-sus Passo a passo do cadastramento de utilizadores e-sus Atenção Básica Sistema de Controle de Uso do e-sus Objetivos do Sistema Habilitar o uso por parte dos gestores do

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução 037/11-COGEP

Leia mais

Professor. TOTVS Educacional

Professor. TOTVS Educacional TOTVS Educacional Sumário Sumário... 2 1 Introdução... 3 1.1 Objetivos Instrucionais... 3 1.2 Conceito... 3 1.3 Cadastro de Professores... 3 1.4 Anexo do Cadastro de Professores... 11 1.5 Conclusão...

Leia mais

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 5.3.3.4 Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 101 5.3.4 Definição das Classes - Módulo Pedagógico 5.3.4.1 Classe GrupoCurso A classe GrupoCurso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE ABRIL DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE ABRIL DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.550, DE 22 DE ABRIL DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Documento de Protótipo

Documento de Protótipo Sistema de Controle de Pedidos Documento de Protótipo Versão 1.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 07/12/2010 1.0 Versão inicial do documento Bruno Oliveira Data N.N Descrição Nome Data

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

REFLETINDO UM POUCO MAIS SOBRE OS PCN E A FÍSICA

REFLETINDO UM POUCO MAIS SOBRE OS PCN E A FÍSICA REFLETINDO UM POUCO MAIS SOBRE OS PCN E A FÍSICA Aula 4 META Apresentar os PCN+ Ensino Médio. OBJETIVOS Ao nal da aula, o aluno deverá: re etir sobre contextualização e interdisciplinaridade; re etir sobre

Leia mais

- a compreensão da profissão como uma forma de inserção e intervenção na sociedade, tendo por base a comunidade regional;

- a compreensão da profissão como uma forma de inserção e intervenção na sociedade, tendo por base a comunidade regional; UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE-RS/UFSM PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BACHARELADO (NOTURNO) PERFIL DESEJADO DO FORMANDO Entende-se que a formação

Leia mais

Características Educação SESI

Características Educação SESI EDUCAÇÃO SESI Características Educação SESI Atendimento prioritário ao Trabalhador da indústria e seus dependentes Gratuidade nos cursos EJA Atuação nas 27 Unidades Federativas 32% de evasão na EJA Cenário

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763

PLANO DE ENSINO. CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 76 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução 07/11-COGEP

Leia mais

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados COLÉGIO EST. JOÃO MANOEL MONDRONE - ENS. FUNDAMENTAL, MÉDIO, PROFISSIONAL E NORMAL Rua Mato Grosso n.2233 - Fone/Fax (045) 3264-1749-3264-1507 Banco de Dados O que é um banco de dados? Um conjunto de informações

Leia mais

Manual Gestão Garantias

Manual Gestão Garantias Manual Gestão Garantias OUTUBRO/2013 Sumário Sumário... 2 1. Introdução... 3 2. Funcionalidade... 3 3. Navegação no Sistema... 3 4. Configuração... 6 4.1. Garantias... 6 4.1.1. Cadastrar... 7 4.1.2. Validar...

Leia mais

Agência Municipal de Empregos Manual do Empregador

Agência Municipal de Empregos Manual do Empregador Agência Municipal de Empregos Manual do Empregador O Manual do Empregador, do sistema Agência Municipal de Empregos (AME), é organizado em duas seções: A - Visão geral da utilização do sistema pelo Empregador

Leia mais

Este Plano de Aprendizagem contem as indicações necessárias para o desenvolvimento do curso.

Este Plano de Aprendizagem contem as indicações necessárias para o desenvolvimento do curso. Este Plano de Aprendizagem contem as indicações necessárias para o desenvolvimento do curso. Trata-se de um roteiro sugerido com o intuito não só oferecer uma orientação para as Unidades, mas principalmente

Leia mais

http://portaldoprofessor.mec.gov.br http://twitter.com/portalprofessor Implantação de ambientes tecnológicos nas escolas Distribuição de conteúdos educativos, soluções e sistemas de informação Formação

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 2017.2 5º. PERÍODO Diálogos com a Escola-Campo I / Prática Pedagógica V Observação do Campo de Estágio (com

Leia mais

Disciplina - Requisitos. Grupo Yuni Luiz Eduardo Káthia

Disciplina - Requisitos. Grupo Yuni Luiz Eduardo Káthia Disciplina - Requisitos Grupo Yuni Luiz Eduardo Káthia RUP(Rational Unified Process) 1. Introdução. 2. Introdução a disciplinas no RUP. 3. Requisitos. 4. Gerenciamento de Requisitos. 5. Relação com outras

Leia mais

Termo de Abertura do Projeto

Termo de Abertura do Projeto [Inovar Recargas] 2016 Termo de Abertura do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Modelo de documento de uso livre, desde que seja citada a fonte. Não se esqueça de sempre consultar o Guia PMBOK 5ª

Leia mais

TUTORIAL ESPORTE DA ESCOLA

TUTORIAL ESPORTE DA ESCOLA Portal do Projeto PST Brasil em Convênio com o Ministério do Esporte - Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social TUTORIAL ESPORTE DA ESCOLA ORIENTAÇÕES DE CADASTRO: Coordenadores

Leia mais

Plano de Trabalho Docente

Plano de Trabalho Docente Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente - 2017 Plano de Curso no. 206 aprovado pela Portaria Cetec 733, de 10-9-2015, publicada no Diário Oficial de 11-9-2015 Poder Executivo

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES MULTIPLICADORES

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES MULTIPLICADORES INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES MULTIPLICADORES 1 - DAS INSCRIÇÕES 1.1 Poderão participar do presente processo seletivo os servidores públicos federais ativos do IFPA, regidos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança do trabalho Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

PNAIC Uma síntese Nilcéa Lemos Pelandré Coordenadora Geral PNAIC/UFSC Portaria No.816/GR/UFSC/2016

PNAIC Uma síntese Nilcéa Lemos Pelandré Coordenadora Geral PNAIC/UFSC Portaria No.816/GR/UFSC/2016 PNAIC Uma síntese Nilcéa Lemos Pelandré Coordenadora Geral PNAIC/UFSC Portaria No.816/GR/UFSC/2016 O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa é um compromisso formal assumido pelos governos federal,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS

PROJETO DE BANCO DE DADOS 1 UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO PROJETO DE BANCO DE DADOS RESORT SYSTEM Recife 2012 2 UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO PROJETO DE BANCO DE DADOS

Leia mais

SELEÇÃO 2017/2 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO EM CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO COMO PORTADOR DE DIPLOMA EDITAL Nº 09/2017

SELEÇÃO 2017/2 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO EM CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO COMO PORTADOR DE DIPLOMA EDITAL Nº 09/2017 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CAMPUS PESQUEIRA SELEÇÃO 2017/2 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO

Leia mais

IF Baiano / Campus Catu Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

IF Baiano / Campus Catu Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas IF Baiano / Campus Catu Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Seminário Interno. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Objetivos do ENADE Sobre a Prova 2017 Importância do

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos e socioeconômicos

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar IV Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Dimensões da participação: política,

Leia mais

Manual Pessoa Jurídica DATAPROM DATAPROM. Sistema de Bilhetagem Eletrônica. Revisão 01 / Março Manual de Pessoa Jurídica. Pág.

Manual Pessoa Jurídica DATAPROM DATAPROM. Sistema de Bilhetagem Eletrônica. Revisão 01 / Março Manual de Pessoa Jurídica. Pág. Manual de Pessoa Jurídica Sistema de Bilhetagem Eletrônica DATAPROM Manual Pessoa Jurídica DATAPROM Revisão 01 / Março 2015 www.dataprom.com Pág. 1 Índice Introdução... 3 1. Login, Senha e Cadastro...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 160 aprovado pela portaria Cetec nº 138 04/10/2012 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba. Manual de Acesso a Turma Virtual SIGAA Página 1 de 7

Universidade Federal da Paraíba. Manual de Acesso a Turma Virtual SIGAA Página 1 de 7 Manual de Acesso a Turma Virtual SIGAA Página 1 de 7 Plano de Curso O Plano de Curso contém Ementa, Objetivos, Descrição dos conteúdos, Procedimentos metodológicos, Procedimentos de avaliação da aprendizagem,

Leia mais

M A N U A L D O ADMINISTRADOR

M A N U A L D O ADMINISTRADOR M A N U A L D O ADMINISTRADOR O Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão (e-sic) servirá de auxílio ao SIC (setor físico) para consulta via internet. E-SIC Versão 1.06 Sumário Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO PROEX CAPACITASUAS UFAL EDITAL N 05, DE 29 DE MAIO DE 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO PROEX CAPACITASUAS UFAL EDITAL N 05, DE 29 DE MAIO DE 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO PROEX CAPACITASUAS UFAL EDITAL N 05, DE 29 DE MAIO DE 2017 SELEÇÃO DE INSTRUTORES PARA O CAPACITASUAS NO ESTADO DE ALAGOAS A Pró-Reitoria de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 07 Ensino Técnico Plano de Curso nº 38 aprovado pela portaria Cetec nº 7 de 3/ 09/03 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 03 Município: Matão Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 238 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Médio Etec Código: Município: Área de conhecimento: Componente Curricular: Série: C. H. Semanal: Professor: I Competências e respectivas habilidades e valores 1 1

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC - Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município:Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO TUTOR DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERFIL PROFISSIONAL DO TUTOR DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL PROFISSIONAL DO TUTOR DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Área profissional: Educação Segmento tecnológico: Educação a Distância Qualificação profissional: Tutor de Cursos de Educação a Distância

Leia mais

INFORMATIVO VERSÃO

INFORMATIVO VERSÃO VERSÃO 3.36.0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...2 NOTAS IMPORTANTES... 3 NOVAS FUNCIONALIDADES / MELHORIAS...4 EMISSOR DE NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA NFS-E...4 MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (MA)...4 MUNICÍPIO DE TAUBATÉ

Leia mais

CETRO CONSULTORIA EDUCACIONAL E PARTICIPAÇÕES LTDA FACULDADE DE ITAPECERICA DA SERRA FIT

CETRO CONSULTORIA EDUCACIONAL E PARTICIPAÇÕES LTDA FACULDADE DE ITAPECERICA DA SERRA FIT CETRO CONSULTORIA EDUCACIONAL E PARTICIPAÇÕES LTDA FACULDADE DE ITAPECERICA DA SERRA FIT Regulamento de Estágio Supervisionado REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I Das Disposições da Lei Artigo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 160 aprovado pela portaria Cetec nº 138 04/10/2012 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

ESCOLAS INCLUSIVAS. Susana Bagatini

ESCOLAS INCLUSIVAS. Susana Bagatini ESCOLAS INCLUSIVAS Susana Bagatini Educação Especial Durante a primeira metade do século XX, as pessoas eram consideradas deficientes por causas orgânicas, que se produziam no início do desenvolvimento.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 160 aprovado pela portaria Cetec nº 138 de 04/10/2012 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais Comissão da Câmara de Educação Superior

Leia mais

Equipe: Rafael Henrique. Angélica Larissa

Equipe: Rafael Henrique. Angélica Larissa Especificação dos Requisitos do Software e Análise do Projeto Salão de beleza Glamour Versão 1.0b Equipe: Rafael Henrique Angélica Larissa 1 Introdução 1.1 Objetivos deste documento Este documento vem

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Objetivo Geral Curso: Ciências Aeronáuticas Habilitação: Asas Rotatórias SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO O Curso de Ciências Aeronáuticas habilitação em asas rotativas tem como missão formar profissionais qualificados e ajustados

Leia mais