KAREN FRIEDRICH ABRASCO FIOCRUZ UNIRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "KAREN FRIEDRICH ABRASCO FIOCRUZ UNIRIO"

Transcrição

1 KAREN FRIEDRICH ABRASCO FIOCRUZ UNIRIO NOVEMBRO 2016

2 OGM NO BRASIL: SAÚDE E MEIO AMBIENTE 2º maior consumidor de sementes transgênicas > 40 mi ha plantados

3 OGM NO BRASIL: SAÚDE E MEIO AMBIENTE 2º maior consumidor de sementes transgênicas > 40 mi ha plantados Vacinas, microorganismos, plantas etc TRABALHADOR MEIO AMBIENTE CONSUMIDOR Plantas transgênicas Resistência a insetos Tolerância herbicidas (glifosato, 2,4-D etc)

4 OGM NO BRASIL: SAÚDE E MEIO AMBIENTE 2º maior consumidor de sementes transgênicas > 40 mi ha plantados Vacinas, microorganismos, plantas etc TRABALHADOR MEIO AMBIENTE CONSUMIDOR Plantas transgênicas Resistência a insetos Tolerância herbicidas (glifosato, 2,4-D etc)

5 Liberação Comercial de OGM RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 05, DE 12 DE MARÇO DE 2008 Art. 6º. Para efeitos desta Resolução Normativa considera-se: I avaliação de risco: combinação de procedimentos ou métodos, por meio dos quais se avaliam, caso a caso, os potenciais efeitos da liberação comercial do OGM e seus derivados sobre o ambiente e a saúde humana e animal (...) Art. 19. A avaliação de risco, conforme definida no art. 4º, inciso I, desta Resolução Normativa, deverá identificar e avaliar os efeitos adversos potenciais do OGM e seus derivados na saúde humana e animal, no ambiente e nos vegetais, mantendo a transparência, o método científico e o princípio da precaução. (...)

6 Liberação Comercial de OGM RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 05, DE 12 DE MARÇO DE 2008 ANEXO III AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA E ANIMAL (A) ORGANISMOS CONSUMIDOS COMO ALIMENTO (B) MICRORGANISMOS UTILIZADOS COMO VACINAS ANEXO IV AVALIAÇÃO DE RISCO AO MEIO AMBIENTE (A) PLANTAS (B) MICRORGANISMOS (C) MICRORGANISMOS QUE VIVEM ASSOCIADOS A ANIMAIS (D) MICRORGANISMOS ASSOCIADOS A PLANTAS (E) ORGANISMOS UTILIZADOS PARA CONTROLE BIOLÓGICO (F) ORGANISMOS PARA BIORREMEDIAÇÃO (G) ANIMAIS VERTEBRADOS (EXCLUINDO PEIXES) (H) PEIXES E DEMAIS ORGANISMOS DE VIDA AQUÁTICA (I) ANIMAIS INVERTEBRADOS

7 Liberação Comercial de OGM RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 05, DE 12 DE MARÇO DE 2008 ANEXO III AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA E ANIMAL (A) ORGANISMOS CONSUMIDOS COMO ALIMENTO (B) MICRORGANISMOS UTILIZADOS COMO VACINAS TIPOS DE EFEITOS AGUDOS efeitos imediatos após exposição a uma dose e, em geral, elevada CRÔNICOS efeitos tardios após a exposição a doses repetidas e, em geral bem baixas ANEXO IV AVALIAÇÃO DE RISCO AO MEIO AMBIENTE (A) PLANTAS (B) MICRORGANISMOS (C) MICRORGANISMOS QUE VIVEM ASSOCIADOS A ANIMAIS (D) MICRORGANISMOS ASSOCIADOS A PLANTAS (E) ORGANISMOS UTILIZADOS PARA CONTROLE BIOLÓGICO (F) ORGANISMOS PARA BIORREMEDIAÇÃO (G) ANIMAIS VERTEBRADOS (EXCLUINDO PEIXES) (H) PEIXES E DEMAIS ORGANISMOS DE VIDA AQUÁTICA (I) ANIMAIS INVERTEBRADOS

8 Liberação Comercial de OGM RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 05, DE 12 DE MARÇO DE 2008 ANEXO III AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA E ANIMAL (A) ORGANISMOS CONSUMIDOS COMO ALIMENTO (B) MICRORGANISMOS UTILIZADOS COMO VACINAS TIPOS DE EFEITOS AGUDOS efeitos imediatos após exposição a uma dose e, em geral, elevada CRÔNICOS efeitos tardios após a exposição a doses repetidas e, em geral bem baixas ANEXO IV AVALIAÇÃO DE RISCO AO MEIO AMBIENTE (A) PLANTAS (B) MICRORGANISMOS TRABALHADOR (C) MICRORGANISMOS QUE VIVEM ASSOCIADOS A ANIMAIS (D) MICRORGANISMOS ASSOCIADOS A PLANTAS (E) ORGANISMOS UTILIZADOS PARA CONTROLE BIOLÓGICO CONSUMIDOR MEIO AMBIENTE (F) ORGANISMOS PARA BIORREMEDIAÇÃO (G) ANIMAIS VERTEBRADOS (EXCLUINDO PEIXES) (H) PEIXES E DEMAIS ORGANISMOS DE VIDA AQUÁTICA (I) ANIMAIS INVERTEBRADOS

9 Liberação Comercial de OGM RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 05, DE 12 DE MARÇO DE 2008 ANEXO III AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA E ANIMAL (A) ORGANISMOS CONSUMIDOS COMO ALIMENTO (B) MICRORGANISMOS UTILIZADOS COMO VACINAS TIPOS DE EFEITOS AGUDOS efeitos imediatos após exposição a uma dose e, em geral, elevada CRÔNICOS efeitos tardios após a exposição a doses repetidas e, em geral bem baixas ANEXO IV AVALIAÇÃO ESTUDOS DE REALIZADOS RISCO AO MEIO PELAS AMBIENTE EMPRESAS AGUDO o animal recebe uma dose (A) elevada PLANTAS e é observado por 14 dias (B) MICRORGANISMOS (C) SUBCRÔNICO MICRORGANISMOS o animal QUE VIVEM recebe ASSOCIADOS doses diárias por 28 ou 90 dias A ANIMAIS (D) ALERGIA MICRORGANISMOS modelos ASSOCIADOS computacionais A PLANTAS (E) ORGANISMOS UTILIZADOS PARA CONTROLE BIOLÓGICO TERATOGENIA animais de laboratório (F) ORGANISMOS PARA BIORREMEDIAÇÃO (G) NÃO ANIMAIS SOMENTE VERTEBRADOS O TIPO DE (EXCLUINDO ESTUDO MAS PEIXES) A (H) VIA PEIXES DE EXPOSIÇÃO E DEMAIS ORGANISMOS TAMBÉM SÃO DE VIDA IMPORTANTES AQUÁTICA (I) ANIMAIS INVERTEBRADOS NEM SEMPRE ESSES ESTUDOS SÃO APRESENTADOS PELAS EMPRESAS

10 ISCOS DOS OGM PARA A SAÚDE E O MEIO AMBIENTE Exemplo 1: Liberação comercial (LC) de microorganismos para a produção de detergentes e óleos comestíveis apresentado na Plenária novembro/ Avaliação do risco à saúde não incluiu estudos para identificar possíveis efeitos sobre a saúde do trabalhador (via inalatória) Caso 2: Liberação comercial (LC) de plantas transgênicas resistentes a herbicidas Não inclui avaliação do impacto da LC para o aumento do uso de herbicidas

11 ISCOS DOS OGM PARA A SAÚDE E O MEIO AMBIENTE Exemplo 1: Liberação comercial (LC) de microorganismos para a produção de detergentes e óleos comestíveis - Avaliação do risco à saúde não inclui estudos para identificar possíveis efeitos sobre a saúde do trabalhador (via inalatória) Exemplo 2: Liberação comercial (LC) de plantas transgênicas resistentes a herbicidas Não inclui avaliação do impacto da LC no aumento do uso de herbicidas e as consequências para a saúde e o ambiente

12 PLANTAS TRANSGÊNICAS RESISTENTES A MAIS DE UM HERBICIDA IARC Agência Internacional de Pesquisa de Câncer Organização Mundial da saúde GLIFOSATO Herbicida Classe IV PROVÁVEL CANCERÍGENO PARA SERES HUMANOS 2A (Linfoma non-hodgkin) 2,4-D Herbicida Classe I POSSÍVEL CANCERÍGENO PARA SERES HUMANOS 2B (Linfoma non-hodgkin) GLIFOSATO + 2,4-D =???

13 ISCOS DOS OGM PARA A SAÚDE E O MEIO AMBIENTE Estudos científicos independentes mostram impactos sobre a saúde e o meio ambiente mas não são citados durante o processo de liberação comercial. Esses estudos apontam: Modos de ação que não estão totalmente elucidados Sinergias e interações entre os proteínas produzidas pelos OGM Danos sobre organismos não-alvo (abelhas, borboletas etc) Disseminação e persistência no ambiente Toxicidade para mamíferos como alergias, danos para o fígado, distúrbios hormonais e câncer

14 Liberação Comercial do milho MON e milho 3272 Pauta da 195ª Reunião Ordinária da CTNBIO Parecer das setoriais saúde humana/animal e vegetal/ambiental pelo deferimento em 31/08 e 01/09/2016 Pedido de vistas de membros representantes do MDA e MMA, adiando votação para outubro/2016

15 Liberação Comercial do milho MON e milho 3272 Pauta da 196ª Reunião Ordinária da CTNBIO

16 Liberação Comercial do milho MON e milho 3272 A Pauta 196ª definia que a liberação comercial tinha finalidade de produção, manipulação, transporte, transferência, comercialização, importação, exportação, armazenamento, consumo e descarte Apesar disso, foi informado na Plenária que a importação dos grãos seria destinada apenas para produção de ração e não para cultivo. NÃO EXISTE ESSA MODALIDADE DE LIBERAÇÃO COMERCIAL EXCLUSIVA PARA CULTIVO NA NORMA VIGENTE EXISTE POSSIBILIDADE REAL DE LIBERAÇÃO DOS GRÃOS PARA CULTIVO.

17 Parecer do pedido de vistas do milho MON Monsanto Milho desenvolvido para resistir a condições de estresse hídrico No relatório do pedido de vista foram levantados 21 pontos de preocupação por conta da ausência de estudos e desacordo com a legislação vigente, tais como: Metodologias não foram descritas de forma adequada, não foram usados dados de consumo no Brasil, não foram realizados estudos de impacto ambiental no Brasil, não foram realizados estudos de toxicidade subcrônica nem de teratogênese (malformação fetal) etc

18 Parecer do pedido de vistas do milho Syngenta Milho desenvolvido para produção de etanol com medidas para impedir o uso como alimento nos EUA No relatório do pedido de vista foram levantados 18 pontos de preocupação por conta da ausência de estudos e desacordo com a legislação vigente, tais como: Metodologias não foram descritas de forma adequada, não foram usados dados de consumo no Brasil, não foram realizados estudos de impacto ambiental no Brasil, não foram realizados estudos de toxicidade aguda, subcrônica nem de teratogênese (malformação fetal) etc

19 Liberação Comercial do milho MON e milho 3272 Apesar das fragilidades expostas, não houve pedido de diligência, nem questionamentos sobre os pareceres do pedido de vista apresentados O milho 3272 e o milho Monsanto foram aprovados por 17 votos favoráveis e 3 contrários no dia 06/10/2016.

20 Liberação Comercial de OGM RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 05, DE 12 DE MARÇO DE 2008 Art. 6º. Para efeitos desta Resolução Normativa considera-se: I avaliação de risco: combinação de procedimentos ou métodos, por meio dos quais se avaliam, caso a caso, os potenciais efeitos da liberação comercial do OGM e seus derivados sobre o ambiente e a saúde humana e animal (...) Art. 19. A avaliação de risco, conforme definida no art. 4º, inciso I, desta Resolução Normativa, deverá identificar e avaliar os efeitos adversos potenciais do OGM e seus derivados na saúde humana e animal, no ambiente e nos vegetais, mantendo a transparência, o método científico e o princípio da precaução. (...)

21 OGM, AGROTÓXICOS NO BRASIL: SAÚDE E MEIO AMBIENTE MAPA DOS BIOMAS BRASILEIROS MAPA DA SOJA E MILHO MAPA DOS AQUÍFEROS BRASILEIROS

22 Obrigada!

Transgênicos x HLB: existe a bala de prata?

Transgênicos x HLB: existe a bala de prata? 39 a Semana da Citricultura Transgênicos x HLB: existe a bala de prata? Marcos A. Machado O que é um organismo transgênico? Organismo cujo material genético (ADN/ARN) tenha sido modificado por qualquer

Leia mais

BRASIL ENVENENADO { }

BRASIL ENVENENADO { } BRASIL ENVENENADO O Brasil, um dos países mais biodiversos do planeta, vem sendo sistematicamente envenenado pelo agronegócio, que despeja, por ano, só no país, cerca de UM BILHÃO de litros/toneladas de

Leia mais

BIOTECNOLOGIA NA AGRICULTURA BRASILEIRA

BIOTECNOLOGIA NA AGRICULTURA BRASILEIRA São Paulo, fevereiro de 2017 BIOTECNOLOGIA NA AGRICULTURA BRASILEIRA A D R I A N A B R O N D A N I A BIOTECNOLOGIA MODERNA REÚNE AS TÉCNICAS DE MAIOR PRECISÃO PARA O MELHORAMENTO GENÉTICO DE PLANTAS MELHORAMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural Brasília (DF), 18 de março de 2008. NOTA TÉCNICA Nº 13/2008 4ª CCR Da:

Leia mais

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para:

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para: Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios Apresentação para: Março 2014 Agenda Ambiente regulatório Eucalipto GM FuturaGene Avaliação ambiental e de segurança Resumo 2 Estrutura legal no

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Resolução Normativa nº 5, de 12 de março de 2008. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 5, DE 12 DE MARÇO DE 2008 Com as alterações da Resolução Normativa

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Fiscalização de atividades com organismos geneticamente modificados 15 Artigo Técnico 2 Fiscalização de Atividades

Leia mais

Alimentos transgênicos. Aluna: Maria Eugênia Araújo

Alimentos transgênicos. Aluna: Maria Eugênia Araújo Alimentos transgênicos Aluna: Maria Eugênia Araújo Sumário O que é um transgênico? Métodos de transgenia Aplicações da transgenia Pontos positivos Pontos negativos Rotulagem dos transgênicos Considerações

Leia mais

Marco Regulatorio envolvendo a Avaliação do Risco Ambiental de Organismos Geneticamente

Marco Regulatorio envolvendo a Avaliação do Risco Ambiental de Organismos Geneticamente Avaliação do Risco Ambiental de Plantas Geneticamente Modificadas Environmental Risk Assessment (ERA) of Genetically Modified Plants Marco Regulatorio envolvendo a Avaliação do Risco Ambiental de Organismos

Leia mais

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

Os Organismos Geneticamente Modificados e a Lei de Biossegurança. Ricardo Oliveira

Os Organismos Geneticamente Modificados e a Lei de Biossegurança. Ricardo Oliveira Os Organismos Geneticamente Modificados e a Lei de Biossegurança Ricardo Oliveira Transgênico X OGM Transgênico Fonte: Aula da Dr a. Rosane Silva, 2008 Transgênico X OGM Fonte: Aula da Dr a. Rosane Silva,

Leia mais

Organismos Geneticamente Modificados

Organismos Geneticamente Modificados Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Biotecnologia Organismos Geneticamente Modificados Breve Panorama da Soja Transgênica no Brasil e no Mundo Antônio Carlos Roessing

Leia mais

Decisões sobre biossegurança no Brasil

Decisões sobre biossegurança no Brasil Decisões sobre biossegurança no Brasil Mesa de controvérsias sobre transgênicos CONSEA 12 de julho de 2013 Gabriel B. Fernandes Transgênicos liberados Milho 19 Soja 5 Algodão 12 Feijão 01 15 Vacinas 02

Leia mais

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE. Transgênicos, Saúde e Meio Ambiente 2011

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE. Transgênicos, Saúde e Meio Ambiente 2011 II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE Transgênicos, Saúde e Meio Ambiente 2011 Silvio Valle - valle.fiocruz@gmail.com Lei 11.105, de 24 de março de 2005 Regulamenta os incisos II, IV e V do 1º do art.

Leia mais

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... PREFÁCIO... IX XI CAPÍTULO 1 Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia.... 1 1.1 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS.... 5 1.1.1 A Substância... 6 1.1.2 O Organismo Afetado....

Leia mais

PRODUÇÃO CONSTANTE DE ALIMENTOS X IMPACTO SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE

PRODUÇÃO CONSTANTE DE ALIMENTOS X IMPACTO SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE PRODUÇÃO CONSTANTE DE ALIMENTOS X IMPACTO SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE ADRIANA BRONDANI, PhD em Ciências Biológicas Diretora-executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB) V I I I C O N G

Leia mais

O caso da Cadeia Produtiva dos Transgênicos

O caso da Cadeia Produtiva dos Transgênicos O caso da Cadeia Produtiva dos Transgênicos Seminário Internacional em Governança para Bionegócios e Biotecnologia da UTFPR Curitiba, 09 de outubro de 2014 PALESTRANTE Frederico Eduardo Z. Glitz o Doutor

Leia mais

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS À MICROBIOTA DO SOLO

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS À MICROBIOTA DO SOLO OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS À MICROBIOTA DO SOLO Adolf Hitler Cardoso de Araújo (1) Universidade Estadual da Paraíba, adolf_araujo@hotmail.com INTRODUÇÃO A engenharia genética é uma das inovações da

Leia mais

INTRODUÇÃO À GENÉTICA MOLECULAR. Aula 1. LGN0232 Genética Molecular. Maria Carolina Quecine Departamento de Genética

INTRODUÇÃO À GENÉTICA MOLECULAR. Aula 1. LGN0232 Genética Molecular. Maria Carolina Quecine Departamento de Genética INTRODUÇÃO À GENÉTICA MOLECULAR Aula 1 LGN0232 Genética Molecular Maria Carolina Quecine Departamento de Genética mquecine@usp.br LGN0232 Genética Molecular Método de avaliação 1ª PROVA TEÓRICA: 25/09-29/09

Leia mais

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS VEIS - IBAMA Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos Reunião da Câmara Temática de Insumos Agropecuários

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FUNDAÇÃO CECIERJ / CONSÓRCIO CEDERJ PROFESSOR/CURSISTA: MARIA DE LOURDES N

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FUNDAÇÃO CECIERJ / CONSÓRCIO CEDERJ PROFESSOR/CURSISTA: MARIA DE LOURDES N FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FUNDAÇÃO CECIERJ / CONSÓRCIO CEDERJ PROFESSOR/CURSISTA: MARIA DE LOURDES N. DE MEDEIROS COLÉGIO: TUTOR (A): SÉRIE: 3ª SÉRIE / ENS. MÉDIO 4º BIMESTRE

Leia mais

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Camila Queiroz Moreira Coordenação de Reavaliação Gerência de Pós-registro Gerência Geral de Toxicologia 23

Leia mais

PLANTAS TRANSGÊNICAS

PLANTAS TRANSGÊNICAS PLANTAS TRANSGÊNICAS 1. INTRODUÇÃO 2. PLANTAS TRANSGÊNICAS 3. VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS PLANTAS TRANSGÊNICAS 4. PLANTAS TRANSGÊNICAS: IMPACTO NA SAÚDE E MEIO AMBIENTE 5. PLANTAS TRANSGÊNICAS: ASPECTOS

Leia mais

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6.

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6. Defensivos Agrícolas, Produtos Fitossanitários, Agrotóxicos ou Pesticidas? FCA / UNESP Campus de Botucatu DPV Defesa Fitossanitária raetano@fca.unesp.br TERMINOLOGIA Agrotóxicos: Lei dos Agrotóxicos 7.802/89

Leia mais

PORTARIA GR Nº 628/2010, de 26 de julho de 2010.

PORTARIA GR Nº 628/2010, de 26 de julho de 2010. PORTARIA GR Nº 628/2010, de 26 de julho de 2010. Dispõe sobre o Regimento para a Comissão Interna de Biossegurança da UFSCar O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

Pulverização aérea no Paraná O Direito de Saber SOJA

Pulverização aérea no Paraná O Direito de Saber SOJA Pulverização aérea no Paraná O Direito de Saber Quase nada se sabe sobre a pulverização aérea no Paraná. Em análise do banco de dados da ADAPAR, há um grande numero de produtos liberados; inseticidas,

Leia mais

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS Adolf Hitler Cardoso de Araújo (1) Universidade Estadual da Paraíba, adolf_araujo@hotmail.com INTRODUÇÃO Com os diversos avanços biotecnológicos como a engenharia

Leia mais

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 RESUMO Legislação Federal de Agrotóxicos Necessidade do

Leia mais

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016 PAINEL Aspectos Regulatórios da Área de Agrotóxicos: Processo de Reavaliação de Herbicidas no Brasil Avaliação e Reavaliação de Herbicidas: como funciona e o que o MAPA pode fazer. XXX Congresso Brasileiro

Leia mais

Legislação de Biossegurança no Brasil: Cenário Atual

Legislação de Biossegurança no Brasil: Cenário Atual Legislação de Biossegurança no Brasil: Cenário Atual Mônica Cibele Amâncio, com colaboração de Maria José Sampaio* Ao contrário do que a maioria da sociedade brasileira pensa, a pesquisa com plantas geneticamente

Leia mais

Milho Doce SV0006SN Seminis. Milho Doce SV9298SN Seminis. Biotecnologia e qualidade que unem o campo, indústria e mercado.

Milho Doce SV0006SN Seminis. Milho Doce SV9298SN Seminis. Biotecnologia e qualidade que unem o campo, indústria e mercado. Milho Doce Seminis Biotecnologia e qualidade que unem o campo, indústria e mercado. Milho Doce SV0006SN Seminis Qualidade que une campo, indústria e mercado. Milho doce Performance series single pro sc

Leia mais

Registro de Agrotóxicos no Brasil

Registro de Agrotóxicos no Brasil Produtos Fitossanitários Registro de Agrotóxicos no Brasil HELEN CALAÇA 02/08/2016 O que é um agrotóxico? Produtos correlatos Impurezas FORMULAÇÃO INGREDIENTE ATIVO Produto Formulado Produto Comercial

Leia mais

Cronologia do embargo judicial

Cronologia do embargo judicial Cronologia do embargo judicial Desde 1999, uma batalha jurídica impede a liberação da produção comercial de soja transgênica no Brasil. As ações foram movidas pelo Instituto de Defesa do Consumidor (IDEC)

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural Brasília (DF), 27 de fevereiro de 2008. NOTA TÉCNICA Nº 09/2008 4ª CCR

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas Cultivares da Embrapa Soja: Embrapa 48 Grupo de Maturação: Precoce/Semiprecoce; *Semeadura: a partir de 25/10 até 10/12; Substituiu a cv. BR-16; *Alto

Leia mais

Módulo 4. Controle químico

Módulo 4. Controle químico Módulo 4 Controle químico Controle químico Manejo de Helicoverpa spp. Monitoramento e NC - Nunca aplicar com base em calendários Retardar a primeira pulverização o máximo possível Inseticidas seletivos

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: KYARAD MR Page: (1 of 5) Data de elaboração: (04 /01 / 2006) Data de revisão: (16 / 08 / 2006) Número de Revisão: (01) ATENÇÃO: Leia

Leia mais

BIOTECNOLOGIA Parte I PROF: NICK BUCK

BIOTECNOLOGIA Parte I PROF: NICK BUCK BIOTECNOLOGIA Parte I PROF: NICK BUCK BIOTECNOLOGIA BIOTECNOLOGIA É O CONJUNTO DE CONHECIMENTOS QUE PERMITE A UTILIZAÇÃO DE AGENTES BIOLÓGICOS (ORGANISMOS, CÉLULAS, ORGANELAS, MOLÉCULAS) PARA OBTER BENS

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL E O PRINCIPIO DA PRECAUÇÃO

DIREITO AMBIENTAL E O PRINCIPIO DA PRECAUÇÃO DIREITO AMBIENTAL E O PRINCIPIO DA PRECAUÇÃO Felipe BLENSKI 1 Fernando do Rego BARROS FILHO 2 Igor RATKOSKI 3 Genésio Aires de SIQUEIRA 4 1.1 CONCEITOS DE DIREITO AMBIENTAL Em sua obra de Direito Ambiental

Leia mais

TRABALHO DE GENÉTICA MOLECULAR (LGN0232) ANÁLISES DE PARECERES DA CNTBIO

TRABALHO DE GENÉTICA MOLECULAR (LGN0232) ANÁLISES DE PARECERES DA CNTBIO TRABALHO DE GENÉTICA MOLECULAR (LGN0232) ANÁLISES DE PARECERES DA CNTBIO REGRAS: 1. O trabalho será constituído por 3 partes: apresentação escrita, apresentação oral, debate e participação do grupo, CADA

Leia mais

MICRORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS E ALGUMAS IMPLICAÇÕES PARA A SAÚDE AMBIENTAL

MICRORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS E ALGUMAS IMPLICAÇÕES PARA A SAÚDE AMBIENTAL MICRORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS E ALGUMAS IMPLICAÇÕES PARA A SAÚDE AMBIENTAL Vera Lúcia Castro Jaguariúna, novembro 2003. O interesse pelo controle biotecnológico tem crescido consideravelmente

Leia mais

INOVAÇÕES BIOTECNOLÓGICAS E MELHORAMENTO GENÉTICO DO ALGODOEIRO

INOVAÇÕES BIOTECNOLÓGICAS E MELHORAMENTO GENÉTICO DO ALGODOEIRO INOVAÇÕES BIOTECNOLÓGICAS E MELHORAMENTO GENÉTICO DO ALGODOEIRO MARC GIBAND Cirad / Embrapa Algodão marc.giband@cirad.fr marc.giband@colaborador.embrapa.br A produção algodoeira no Brasil: - 5 produtor,

Leia mais

Institucionais Entidades Competências Legislação Entidade Competência Lacunas e Observações DGA. Notificar a DGA. DGA Inspecção de [+INSA]

Institucionais Entidades Competências Legislação Entidade Competência Lacunas e Observações DGA. Notificar a DGA. DGA Inspecção de [+INSA] QUADRO ANALÍTICO RELATIVO ÀS COMPETÊNCIAS INSTITUCIONAIS NO DOMÍNIO DOS OGM Investigação e Desenvolvimento Domínios Experimentação laboratorial Competências Institucionais Deveres do Utilizador Controlo

Leia mais

Papel timbrado MANIFESTAÇÃO. (Anexo V - RESOLUÇÃO Nº 16, DE 12 DE MARÇO DE 2010.)

Papel timbrado MANIFESTAÇÃO. (Anexo V - RESOLUÇÃO Nº 16, DE 12 DE MARÇO DE 2010.) Papel timbrado MANIFESTAÇÃO (Anexo V - RESOLUÇÃO Nº 16, DE 12 DE MARÇO DE 2010.) Medida nº: 03 - Subtração, por tempo determinado, do prazo de proteção de direitos sobre patentes de produtos ou processos

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Resolução Normativa nº 6, de 6 de novembro de 2008. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre as normas para liberação

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo São os organismos que tiveram inseridos em seu código genético, genes estranhos de qualquer outro ser vivo Isolar o gene desejado, retirando-o da molécula de DNA

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA DA CTNBIO REFERENTE Ao PEDIDO DE LIBERAÇÃO COMERCIAL DO EUCALIPTO GENETICAMENTE MODIFICADO - EVENTO H421

AUDIÊNCIA PÚBLICA DA CTNBIO REFERENTE Ao PEDIDO DE LIBERAÇÃO COMERCIAL DO EUCALIPTO GENETICAMENTE MODIFICADO - EVENTO H421 AUDIÊNCIA PÚBLICA DA CTNBIO REFERENTE Ao PEDIDO DE LIBERAÇÃO COMERCIAL DO EUCALIPTO GENETICAMENTE MODIFICADO - EVENTO H421 FuturaGene Brasil Tecnologia Ltda.; CQB 325/11; Processo 01200.000202/2014-71;

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

Resumo: Dispõe sobre normas para liberação comercial de Organismos Geneticamente Modificados e seus derivados.

Resumo: Dispõe sobre normas para liberação comercial de Organismos Geneticamente Modificados e seus derivados. Resolução Normativa Nº 5, de 12 de março de 2008 Resumo: Dispõe sobre normas para liberação comercial de Organismos Geneticamente Modificados e seus derivados. Data no DOU: 13/03/2008 Seção no DOU: 1 Página

Leia mais

Organismos Geneticamente Modificados -OGMs (Transgênicos)

Organismos Geneticamente Modificados -OGMs (Transgênicos) Organismos Geneticamente Modificados -OGMs (Transgênicos) Brasília, 8 de novembro de 2012 O IBAMA, antes da lei de Biossegurança de 2005, balizava sua ações nas seguintes normas: - Resolução CONAMA nº

Leia mais

MISTURAS DE DEFENSIVOS

MISTURAS DE DEFENSIVOS MISTURAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM TANQUE Ac. Albert Kenji Hirose Ac. André Hiroshi Kobayashi Ac. Fausto Nimer Terrabuio Ac. Gustavo Takeshi Hacimoto INTRODUÇÃO Misturas em tanque associações de dois

Leia mais

Nota contra pulverização aérea de inseticidas para controle de vetores

Nota contra pulverização aérea de inseticidas para controle de vetores Nota contra pulverização aérea de inseticidas para controle de vetores A proposta elaborada pelo Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola pretende realizar estudos-piloto pulverizando malation

Leia mais

Os OGM e a Legislação Brasileira

Os OGM e a Legislação Brasileira Os OGM e a Legislação Brasileira Marcus Vinícius Segurado Coelho Coordenação de Biossegurança de OGM Secretaria de Defesa Agropecuária Curso de Biossegurança IAPAR Londrina- PR, 2010 Maiores Produtores

Leia mais

REUNIÃO CÂMARA SETORIAL DE FIBRAS NATURAIS CRISE NA COCONICULTURA BRASILEIRA DIAGNÓSTICO DE CAUSAS, IMPACTOS À CADEIA PRODUTIVA E SOLUÇÕES PROPOSTAS

REUNIÃO CÂMARA SETORIAL DE FIBRAS NATURAIS CRISE NA COCONICULTURA BRASILEIRA DIAGNÓSTICO DE CAUSAS, IMPACTOS À CADEIA PRODUTIVA E SOLUÇÕES PROPOSTAS REUNIÃO CÂMARA SETORIAL DE FIBRAS NATURAIS CRISE NA COCONICULTURA BRASILEIRA DIAGNÓSTICO DE CAUSAS, IMPACTOS À CADEIA PRODUTIVA E SOLUÇÕES PROPOSTAS Sumário Executivo Diagnóstico de Causas Impactos à Cadeia

Leia mais

Plantas Geneticamente Modificadas: Tecnologias de Obtenção & Aplicações. Luís Fernando Revers Pesquisador - Biologia Molecular Vegetal

Plantas Geneticamente Modificadas: Tecnologias de Obtenção & Aplicações. Luís Fernando Revers Pesquisador - Biologia Molecular Vegetal Plantas Geneticamente Modificadas: Tecnologias de Obtenção & Aplicações Luís Fernando Revers Pesquisador - Biologia Molecular Vegetal Estrutura do DNA - meio século de uma revolução 1953-2003 Segmentos

Leia mais

BIOTECNOLOGIA E ALIMENTOS: DESAFIOS DA DÉCADA

BIOTECNOLOGIA E ALIMENTOS: DESAFIOS DA DÉCADA CRBio2 na Fundação Rio-Zoo Rio de Janeiro 4/09/2014 SIMPÓSIO DE BIOLOGIA: DESAFIOS DA DÉCADA Alimentos transgênicos: economia e qualidade de vida BIOTECNOLOGIA E ALIMENTOS: DESAFIOS DA DÉCADA Dra. MARIA

Leia mais

Oportunidades para Biotecnologia na Agricultura. Denis Lima Diretor LatAm para Assuntos Regulatórios Bayer CropScience - SEEDS

Oportunidades para Biotecnologia na Agricultura. Denis Lima Diretor LatAm para Assuntos Regulatórios Bayer CropScience - SEEDS Oportunidades para Biotecnologia na Agricultura Denis Lima Diretor LatAm para Assuntos Regulatórios Bayer CropScience - SEEDS AGENDA Bayer Fatores de Sucesso para Biotecnologia Fatores de Risco Conclusões

Leia mais

Ao Ilustríssimo Senhor DIRCEU BRÁS APARECIDO BARBANO Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

Ao Ilustríssimo Senhor DIRCEU BRÁS APARECIDO BARBANO Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Curitiba, 01 de outubro de 2012. Excelentíssima Senhora GLEISE HELENA HOFFMANN Ministra-Chefe da Casa Civil Presidenta do Conselho Nacional de Biossegurança CNBS Excelentíssimo Senhor GILBERTO CARVALHO

Leia mais

DETECÇÃO DE EVENTOS TRASNGÊNICOS EM AMOSTRAS DE MILHO (ZeaMays) PELA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE EM TEMPO REAL

DETECÇÃO DE EVENTOS TRASNGÊNICOS EM AMOSTRAS DE MILHO (ZeaMays) PELA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE EM TEMPO REAL DETECÇÃO DE EVENTOS TRASNGÊNICOS EM AMOSTRAS DE MILHO (ZeaMays) PELA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE EM TEMPO REAL Carlos A. M. Oliveira¹, Nilo Ikuta² e Vagner R. Lunge² 1 Acadêmico do curso Agronomia ULBRA/Canoas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 232/2007 4ª CCR Brasília/DF, 03 de outubro de 2007

Leia mais

América Latina é muito importante nesse contexto, bem como o do Brasil em particular.

América Latina é muito importante nesse contexto, bem como o do Brasil em particular. Biossegurança 01 Nas últimas três décadas, as questões ambientais passaram a integrar, de forma proeminente, fóruns científicos internacionais, decorrentes, dentre outras razões, do aumento da poluição

Leia mais

PROGRAMA DE COMPONENTES CURRICULARES

PROGRAMA DE COMPONENTES CURRICULARES U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE COMPONENTES CURRICULARES Unidade: ICS Instituto de Ciências da Saúde Departamento:

Leia mais

Excelentíssima Senhora Presidenta da República,

Excelentíssima Senhora Presidenta da República, Brasília, 28 de maio de 2014 E.M. nº 002-2014/CONSEA Excelentíssima Senhora Presidenta da República, O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA), reunido em plenária, no dia 28 de

Leia mais

IMPACTOS NAS LAVOURAS

IMPACTOS NAS LAVOURAS SEMENTES DA DISCÓRDIA Sumário Executivo - 1 IMPACTOS NAS LAVOURAS Os impactos diretos das sementes transgênicas nas lavouras da América do Norte serão examinados nos capítulos 03, 06, 08 e 09. Muitos dos

Leia mais

6º Colóquio Nacional do Milho

6º Colóquio Nacional do Milho 6º Colóquio Nacional do Milho 11 de Fevereiro, 2011, Santarém Ana Bárbara Oliveira Divisão de Homologação e Avaliação Toxicológica, Ecotoxicológica, Ambiental e de Identidade de produtos Fitofarmacêuticos,

Leia mais

RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO

RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO A agropecuária na América Anglo- Saxônica I- Os norte-americanos são os principais representantes da agropecuária comercial no mundo,com cultivos e criações intensamente

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 232/XIII/1.ª PROÍBE A APLICAÇÃO DE PRODUTOS CONTENDO GLIFOSATO EM ZONAS URBANAS, ZONAS DE LAZER E VIAS DE COMUNICAÇÃO

PROJETO DE LEI N.º 232/XIII/1.ª PROÍBE A APLICAÇÃO DE PRODUTOS CONTENDO GLIFOSATO EM ZONAS URBANAS, ZONAS DE LAZER E VIAS DE COMUNICAÇÃO Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 232/XIII/1.ª PROÍBE A APLICAÇÃO DE PRODUTOS CONTENDO GLIFOSATO EM ZONAS URBANAS, ZONAS DE LAZER E VIAS DE COMUNICAÇÃO Exposição de motivos O glifosato é um herbicida

Leia mais

Biossegurança dos Alimentos Geneticamente Modificados. Rita Batista Março de 2012

Biossegurança dos Alimentos Geneticamente Modificados. Rita Batista Março de 2012 Biossegurança dos Alimentos Geneticamente Modificados Rita Batista Março de 2012 O que é um Organismo Geneticamente Modificado (OGM)? É um organismo no qual foi introduzido, com recurso à engenharia genética,

Leia mais

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas Departamento de Sanidade Vegetal DSV Análise de Risco de Pragas Análise de risco de pragas Organização Mundial do Comércio OMC Acordo sobre Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (SPS) Convenção

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis Competências a serem trabalhadas nesta aula Conhecer o segmento econômico da Agroindústria

Leia mais

Biossegurança dos Alimentos Geneticamente Modificados. Rita Batista Novembro de 2011

Biossegurança dos Alimentos Geneticamente Modificados. Rita Batista Novembro de 2011 Biossegurança dos Alimentos Geneticamente Modificados Rita Batista Novembro de 2011 O que é um Organismo Geneticamente Modificado (OGM)? É um organismo no qual foi introduzido, com recurso à engenharia

Leia mais

RADIOLOGIA PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM RADIOLOGIA

RADIOLOGIA PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM RADIOLOGIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DINÂMICA DAS CATARATAS RADIOLOGIA PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM RADIOLOGIA Prof.ª Dr.ª Ana Lúcia Billig Foz do Iguaçu, fevereiro 2017 Bacharelado: Enfermagem e Obstetrícia UPF Licenciatura:

Leia mais

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Seminário FIESP Cooperação Brasil-Holanda: Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas Recuperação de

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Comissão Técnica Nacional de Biossegurança - CTNBio

Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Comissão Técnica Nacional de Biossegurança - CTNBio 120 a REUNIÃO ORDINÁRIA DA CTNBio Data: 12/02/2009 horários: 9h às 18h Local: Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede do MCT, Bloco E - Térreo - Auditório Renato Archer. A. Abertura da Reunião. B. Aprovação

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CAMPUS RIO DO SUL SEDE

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CAMPUS RIO DO SUL SEDE LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CAMPUS RIO DO SUL SEDE ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, 05 de Maio de 2016.

Leia mais

REFÚGIO ESTRUTURADO NA CULTURA DE SOJA E MILHO COM TECNOLOGIA BT

REFÚGIO ESTRUTURADO NA CULTURA DE SOJA E MILHO COM TECNOLOGIA BT ESTRUTURADO NA CULTURA DE COM TECNOLOGIA BT Saiba por que adotar e como realizar esta prática fundamental para preservação dos benefícios trazidos pela tecnologia Bt. Uma publicação Refúgio na Área www.refugionaarea.com.br

Leia mais

Codex Alimentarius. 5º módulo.

Codex Alimentarius. 5º módulo. Codex Alimentarius 5º módulo CCAB Comitê do Codex Alimentarius do Brasil CCAB CCAB foi criado em 1980; Coordenação e a Secretaria Executiva responsabilidade do INMETRO; Ponto de Contato MRE. Membros do

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes.

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. Gerência Geral de Toxicologia - GGTOX Gerência de Saneantes - GESAN Diretoria de Autorização

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR Este programa de extensão rural foi aprovado pela Câmara Setorial da Carne Bovina do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador Segurança no uso de animais de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Ética no uso dos animais Segurança do experimentador Como em qualquer laboratório, pratique Boas Praticas Laboratoriais no

Leia mais

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO NORTE 2014/2015. dekalb.com.

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO NORTE 2014/2015. dekalb.com. LANÇAMENTO DKB 290 O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES + MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO NORTE 2014/2015 dekalb.com.br ASAS PARA O SEU POTENCIAL. DKB 310 Alto potencial produtivo

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES Nome do produto: ÓLEO DE AÇAÍ Page: (1 of 1) Data de elaboração: (19 /01 / 2005) Data de revisão: (19 / 01 / 2005) Número de Revisão: (00) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 2013/2014. niderasementes.com.br

CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 2013/2014. niderasementes.com.br CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 3/4 niderasementes.com.br Parceria que rende mais. NS4823 A mais precoce do mercado. Resistência ao acamamento. Ótima arquitetura de plantas. Marrom Ereta, porte

Leia mais

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015. dekalb.com.

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015. dekalb.com. LANÇAMENTO DKB 290 O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES + MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015 dekalb.com.br ASAS PARA O SEU POTENCIAL. DKB 290 O novo híbrido para altas

Leia mais

Poluição do Solos (Meio Rural)

Poluição do Solos (Meio Rural) Poluição do Solos (Meio Rural) CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Gerenciamento Ambiental Prof: Thiago Edwiges 2 FERTILIZANTES NATURAIS Revolução Industrial Disponibilidade de fertilizantes produzidos localmente;

Leia mais

O Desenvolvimento da Genética. (na resolução de problemas da sociedade)

O Desenvolvimento da Genética. (na resolução de problemas da sociedade) HEREDITARIEDADE O Desenvolvimento da Genética (na resolução de problemas da sociedade) A Produção de Alimentos } Manipulação de seres vivos em laboratório, alterando o seu genomapara melhorar uma ou maias

Leia mais

Conceituar e discutir os benefícios e os prejuízos da utilização de transgênicos na

Conceituar e discutir os benefícios e os prejuízos da utilização de transgênicos na Transgênicos Objetivo da Aula agricultura. Conceituar e discutir os benefícios e os prejuízos da utilização de transgênicos na Organismos transgênicos ou Organismos Geneticamente Modificados (OGM) são

Leia mais

Integração de Negócios. Integração de Negócios

Integração de Negócios. Integração de Negócios Especializada na negociação de matérias primas estratégias A empresa oferece oportunidades de investimentos através da integração dos negócios e atuação com clientes em diversos setores e países. Matérias

Leia mais

A atuação profissional do graduado em Biotecnologia.

A atuação profissional do graduado em Biotecnologia. A atuação profissional do graduado em Biotecnologia. Com ênfases especialmente fortes em e Celular, e Bioinformática, o profissional em Biotecnologia formado pela UFRGS irá ocupar uma ampla lacuna existente

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Karina Cham Analista Ambiental Carlos Tonelli Analista Ambiental Programação Papel do Ibama no Registro

Leia mais

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade Silvana Kitadai Nakayama Merck Repelentes de Insetos IR3535 DEET Óleo de Citronela Óleo de Neem Óleo de Andiroba e outros óleos naturais

Leia mais

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E O CONTEXTO INTERNACIONAL. André Jean Deberdt Coordenação Geral de Fauna/IBAMA

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E O CONTEXTO INTERNACIONAL. André Jean Deberdt Coordenação Geral de Fauna/IBAMA ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E O CONTEXTO INTERNACIONAL André Jean Deberdt Coordenação Geral de Fauna/IBAMA Convenção Sobre Diversidade Biológica Art. 8 Conservação in situ

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE BIOSSEGURANÇA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTABÉIS DE ITABIRA FACCI/FUNCESI. CAPÍTULO I

REGIMENTO DO COMITÊ DE BIOSSEGURANÇA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTABÉIS DE ITABIRA FACCI/FUNCESI. CAPÍTULO I REGIMENTO DO COMITÊ DE BIOSSEGURANÇA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTABÉIS DE ITABIRA FACCI/FUNCESI. CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O presente Regimento tem o propósito

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

b) Comprovante de pagamento do Documento de Recolhimento de Receitas DR, realizado em qualquer agência da rede bancária autorizada, segundo códigos da

b) Comprovante de pagamento do Documento de Recolhimento de Receitas DR, realizado em qualquer agência da rede bancária autorizada, segundo códigos da INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº03, de 10 de Março de 2006 O SEETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA

Leia mais

Última Revisão Data : 13/01/2016 Página 1/5

Última Revisão Data : 13/01/2016 Página 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO DA EMPRESA Nome do produto: SOLUÇÃO ANTIEMBAÇANTE BLUECARE Aplicação do produto: Limpeza e antiembaçamento de lentes de EPIs Fornecedor: BLUECARE DO BRASIL INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais