Leilão de 42 imóveis de luxo da Lusort atrai ingleses e portugueses

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leilão de 42 imóveis de luxo da Lusort atrai ingleses e portugueses"

Transcrição

1 QUARTA-FEIRA 19 JUNHO SUPLEMENTO OrelhaPublico_MDO_48x30.ai COMERCIAL 1 1 PUBLICIDADE DR Pedro Caupers Sonae Sierra acompanha as novas tendências renovando os centros comerciais, dotando-os de maior conforto, p03 Leilão de 42 imóveis de luxo da Lusort atrai ingleses e portugueses Palmela incentiva reabilitação com programa A casa da vizinha é mais bonita do que a minha? p06 PUBLICIDADE Os ingleses e os portugueses são os clientes mais interessados no leilão de 42 apartamentos de luxo da Lusort que se realiza, no próximo sábado, em Vilamoura p04 Este suplemento é parte integrante do jornal PÚBLICO e não pode ser vendido separadamente

2 02 Opinião IMOBILIÁRIO 19 JUNHO 2013 A reabilitação urbana e os seus equilíbrios em vésperas de S. João A importância do desempenho energético dos edifícios Luís Lima A reabilitação urbana é fundamental para preservar as nossas raízes culturais mas só vingará se puder ancorar-se num verdadeiro mercado de arrendamento urbano Há na noite de S. João, que volta a celebrar o Solstício de Verão já na próxima madrugada de segunda-feira, um sábio equilíbrio, apesar dos excessos, entre o yin ou princípio feminino e o yang ou princípio masculino, entre a Lua e o Sol, entre o anoitecer e o amanhecer, que só na noite mais curta, precisamente a de S.João, conseguem encontrar-se fugazmente. Este equilíbrio, que pode ganhar imensas denominações, como bom senso, sabedoria, capacidade para gerar compromissos, é o mesmo equilíbrio que procuramos para relançar a nossa própria Economia, um sábio entrelaçar entre as exigências das reformas estruturais que a nossa situação exige e a indispensabilidade de uma agenda de crescimento que gere riqueza. Às vezes, na pressa e no laconismo com que comunicamos não temos tempo nem espaço para explicar bem a magia do equilíbrio que o Solstício de Verão nos ensina quando aplicado, por exemplo, ao sector da construção e do imobiliário. Isto percebe-se, com uma estranha clareza, quando somos obrigados a aceitar que a reabilitação urbana, mesmo que seja mais cara que a construção nova, é o caminho mais equilibrado. Este é o verdadeiro sentido do que tenho vindo a dizer, às vezes citado naquela pressa e laconismo que pode trair o nosso pensamento, quando me refiro às hesitações que existem no que respeita à reabilitação urbana e às pontes que faz com o arrendamento urbano e com o turismo residencial. Algum do caminho que é preciso trilhar para a nossa recuperação tem de passar por aqui e com apoio do Estado. A reabilitação urbana é fundamental para preservar as nossas raízes culturais mas só vingará se puder ancorar-se num verdadeiro mercado de arrendamento urbano. Se há dificuldade de crédito para adquirir habitação própria nova também há dificuldade de crédito para a habitação reabilitada, mas o retorno desta opção é imensamente maior do que qualquer outro. Este retorno multiplica-se na dinamização do nosso turismo residencial, potencialmente de elevada qualidade. é visível no plano das poupanças de energia, pelo regresso aos centros de grande parte da população que migrou para as periferias, e é uma das raras vias para recuperar uma significativa fatia do emprego perdido, em especial num sector como o da construção e do imobiliário onde há muito desempregado com dificuldade em regressar à vida activa. Como tive oportunidade de dizer ao actual primeiro-ministro, quer quando ele ainda estava na Oposição quer, mais recentemente, já na sua qualidade de chefe de Governo, esta opção pela reabilitação urbana contém em si o equilíbrio que falo no início desta reflexão, um dos equilíbrios necessários ao relançamento urgente e inadiável da nossa própria Economia. Para que o anoitecer possa encontrar-se, finalmente, com o amanhecer e não fugazmente como na noite do Solstício de Verão, entre nós, noite de S. João. Presidente da APEMIP e Presidente da CIMLOP Confederação da Construção e do Imobiliário de Língua Oficial Portuguesa Carlos Matias Ramos O contexto macroeconómico está a pressionar a adoção de medidas no setor da energia que conduzam à redução do consumo e ao desenvolvimento de novas soluções para a oferta, tendo em conta os desafios de sustentabilidade ambiental, a fiabilidade e qualidade de fornecimento e o maior envolvimento dos consumidores, que passa pela tomada de decisões com vista à otimização da sua fatura energética não só como consumidor, mas também como produtor. Em relação a este último aspeto, a interação das redes elétricas com os consumidores pressupõe o aumento da capacidade de integração, nas redes elétricas, da produção distribuída e da microprodução a partir de fontes de energia renovável. Trata-se de um desafio tecnológico cuja superação depende da alteração do paradigma das redes de distribuição, implementando o conceito de redes inteligentes. É, no entanto, na área do consumo onde as intervenções de curto prazo poderão ser mais eficazes. Nesta área, é sabido que os edifícios são responsáveis, em toda a Europa, por cerca de 40% do consumo total de energia nas cidades, sendo que um terço é relativo a edifícios não residenciais, isto é, escritórios, indústria, escolas e outros edifícios de uso público e privado. A redução do consumo de energia e a utilização de energia proveniente de fontes renováveis no setor dos edifícios constituem, assim, um dos objetivos da UE que, no propósito de tornar menos dependentes os países que a constituem, publicou a Diretiva 2010/31/ UE do Parlamento Europeu. Esta diretiva estabelece que os Estados-membros devem assegurar que até 31 de dezembro de 2020 todos os novos edifícios sejam construídos por forma a satisfazer o princípio de se constituírem como nearly zero-energy buildings (edifícios com necessidades quase nulas de energia), ou seja, com muito elevado desempenho energético, e que os novos edifícios ocupados e detidos pelo setor público devem cumprir esse objectivo até 31 de Dezembro Define, igualmente, que os Estados-membros devem elaborar planos nacionais para aumentar o número de edifícios nearly zeroenergy e desenvolver políticas e definir metas que garantam que a reabilitação e a renovação de edifícios se processem com vista à satisfação desse princípio. Com a aplicação das medidas de eficiência energética, a Comissão Europeia considera que serão conseguidas poupanças de energia nos edifícios residenciais e para uso comercial de 27% a 30%. A definição de edifício com desempenho energético muito elevado pressupõe a adoção de soluções com base em novos materiais, novas tecnologias que incorporem e se ajustem à envolvente ambiental, de acordo com a sua localização, o clima local, as características da construção e que, aproveitando a energia solar, reduzam as perdas térmicas. Em suma, as intervenções, tanto na construção nova, como na reabilitação urbana, terão de ser executadas com base em metodologias ajustadas a cada caso, o que pressupõe a adoção de instrumentos legislativos adequados que tenham em conta que a reabilitação urbana é diferente da construção de raiz. Não se podem impor cegamente a edifícios do século XIX soluções adequadas para edifícios do século XXI. Bastonário da Ordem dos Engenheiros PUBLICIDADE

3 IMOBILIÁRIO 19 JUNHO 2013 Atualidade 03 Sonae Sierra acompanha novas tendências, renovando os centros, dotando-os de maior conforto Entrevista Elisabete Soares A Sonae Sierra elege todos os anos um conjunto de centros que recebem obras de renovação e reabilitação do espaço? Para a Sonae Sierra as renovações são uma forma de revitalizarmos os nossos espaços, mantendo-os sempre actuais, modernos, confortáveis e atractivos para todos os que nos visitam. Ciclicamente, a Sonae Sierra procede a intervenções profundas ao nível da arquitectura dos seus centros. Dizemos que são profundas, para distinguir das constantes melhorias de que os centros são alvo, em função das necessidades de conforto e bem-estar dos nossos clientes. Quando falamos em renovações, é quando os espaços são alvo de remodelações ao nível da imagem e da organização do espaço, passando, por vezes, por expansão da área do centro e, consequentemente, por um aumento da oferta de lojas ou de lazer. É possível saber quais são os centros comerciais que estão na lista para receber intervenções? Atualmente está a decorrer no Centro Colombo uma pequena expansão para permitir a acomodação da nova sala IMAX que pelas suas caracteristicas (écran de grandes dimensões, grande capacidade em termos de lugares, etc) levou à criação de raíz de uma nova sala adaptada ao conceito. Também neste centro comercial está Pedro Caupers é diretor de investimentos da Sonae Sierra a decorrer a total renovação do antigo espaço do FunCenter que dará lugar à nova loja da Primark a inaugurar no próximo outono. No NorteShopping estamos a inicar neste momento a intervenção ao nível da renovação da praça da restauração, com implicações na iluminação e disposição do espaço, renovação dos tetos e do mobiliário, depois de uma primeira fase de renovação geral dos tetos, iluminação e pintura do centro que já está concluida. Está ainda prevista a criação de um playground no Estação Viana Shopping que implica alguma intervenção na zona do centro onde vai ser instalado, bem como a ampliação do playground do MaiaShopping, que dará lugar a um espaço de diversão maior e do que o atual para dar resposta às necessidades dos visitantes do centro. Numa altura em que a maioria dos shoppings já está numa fase avançada de maturidade quais são os desafios que se impõe na sua renovação? Têm, essencialmente, a ver, por um lado, com o normal desgaste e a maior antiguidade dos edificios e, por outro, com a necessidade de se adaptarem às mudanças do mercado e às exigências dos consumidores. A Sonae Sierra procura acompanhar as novas tendências e a evolução do setor procedendo à renovação e atualização dos seus centros comerciais, dotando-os de maior conforto, melhorando a sua imagem e DR introduzindo novas insignias e novos conceitos. As renovações totais que temos feito em alguns centros, a par das renovações nas praças da restauração de muitos outros, as expansões em maior ou menor dimensão - para permitir a entrada de novas lojas e conceitos, bem como a instalação dos playgrounds e das pic-nic areas, são alguns exemplos destas transformações que têm como objetivo melhorar a atratividade dos centros e a experiência de visita dos nosos clientes. Quais as áreas dos shoppings que normalmente são sujeitas a maiores intervenções? São as praças da restauração e os WCs, por estarem sujeitas a um maior desgaste como resultado da utilização intensiva destes espaços e respetivo mobiliário, bem como, à constante necessidade de actualizar e valorizar estas áreas. De igual forma muito frequentemente procedemos a renovações e/ ou expansões para introduzir novas lojas e conceitos com o intuito de renovar e valorizar a oferta comercial e de lazer dos centros comerciais e de a ajustar aos gostos e preferências dos visitantes a cada momento, acompanhando as tendências do mercado. Isto significa que para acomodar a entrada de novas lojas ou conceitos ou para dar resposta a determinadas necessidades que são identificadas, por vezes é necessário proceder a alterações ao nível da arquitetura e reorganização do espaço do centro comercial. Mercado do Bom Sucesso reabriu com bancas de petiscos e produtos gourmet Elisabete Soares O novo mercado abriu, sexta-feira ao público, depois de obras de reabilitação que custaram 12 milhões de euros Depois da concorrida inauguração, que aconteceu na quinta-feira, os portuenses podem agora visitar um espaço moderno onde é possí- vel comprar fruta, legumes e carne, mas, especialmente, comer nas mais de três dezenas de bancas de petiscos que se encontram a funcionar. No fim-de-semana a visita ao Bom Sucesso foi um ponto de passagem obrigatória para muitas pessoas, que mostraram grande satisfação porque, finalmente, temos um local diferente para conviver, semelhante os que abundam em cidades do país vizinho. Assim, onde antes existiam vendedoras de fruta, hortaliças e flores - numa mistura que já não se coadunava com as exigências de qualidade dos tempos modernos - estão agora algumas dezenas de bancas de petiscos, numa grande variedade de pastéis, marisco, hambúrgueres, sushi, tapas, sandes e um grande número de marcas de vinho, mas onde o conceito gourmet - que o promotor quis imprimir - obrigou a uma grande seleção dos lojistas. A zona central do mercado é cons- tituída por um conjunto de restaurantes temáticos e por 44 bancas de produtos alimentares, com cerca de 400 lugres sentados, cujas rendas e o condomínio rondam entre os 200 e os 300 euros mensais. O Bom Sucesso mantém a funcionar um mercado tradicional de frescos, com as frutas, vegetais, carne, flores e outros produtos naturais, num total de 11 bancadas, e que trazem à memória um pouco do que foi, outrora, o mercado tradicional. Um conjunto de lojas de comércio, nos andar inferior e no superior, viradas para a praça central, completam a oferta comercial do novo espaço. A reabilitação do Mercado do Bom Sucesso foi levada a cabo pela empresa Mercado Urbano, detida a 75% pela Mota-Engil, sendo o restante da construtora Eusébios. Deste conjunto faz parte o Hotel da Música, com 85 quartos, a Fundação Manuel António da Mota e um módulo de escritórios, numa área de 800 m2.

4 04 Atualidade IMOBILIÁRIO 19 JUNHO 2013 Leilão de 42 imóveis de luxo da Lusort atrai ingleses e portugueses Os ingleses e os portugueses são os clientes mais interessados no leilão de 42 apartamentos de luxo da Lusort que se realiza no próximo sábado, no Algarve Elisabete Soares A Kennedy Wilson, grupo líder de mercado em leilões imobiliários nos Estados Unidos, vai conduzir um leilão de 42 apartamentos de luxo da Lusort. Uma operação inédita em Portugal, que se realiza no próximo sábado, dia 22 de Junho, no Tivoli Hotel Victoria, em Vilamoura. De acordo com Rhett Winchell, presidente da Kennedy Wilson, a divulgação do leilão teve especial enfoque no Reino Unido e em Portugal, os principais mercados de interesse para os imóveis em questão. Contudo, também estamos a anunciar a operação através dos nossos canais a nível internacional, estimando que os clientes potenciais registados somem mais de 15 países. Acrescenta que a metodologia passou pela promoção de anúncios em jornais de Portugal e no Reino Unido, destacando-se, na imprensa internacional o The Times, The Sunday Times, Financial Times e o The Telegraph. De acordo com Kennedy Wilson a recetividade ao leilão tem sido excelente, estando, até agora, inscritos cerca de 2500 interessados. Aguardamos uma boa resposta à dinamização deste leilão, sendo expectável mais de interessados até à data do leilão, salienta. Preços até 320 mil euros A Lusort, grupo dono de vários projetos imobiliários em Vilamoura, pretende vender, num só dia, 42 apartamentos turísticos localizados em quatro empreendimentos luxo - Monte Laguna, onde se encontra a maioria das frações, L Orangerie, The Victoria Gardens e Sunset Villas. Os imóveis a leilão apresentavam preços de venda entre os 140 mil e os 320 mil euros e têm áreas que DR vão desde os 99 até os 190 m2, com um, dois ou três quartos, alguns em duplex. Tem cozinhas equipadas, ar condicionado/aquecimento central e dispõem, ainda, de parque subterrâneo. Os apartamentos disponíveis contam também com terraços privados, quartos/suites, e vistas sobre o oceano, jardins, ou sobre os campos de golfe. Uma particularidade do leilão é que cinco apartamentos serão vendidos à licitação mais elevada e todas as licitações estão sujeitas a aprovação do vendedor. O comprador ou investidor poderá visitar as residências em questão, tendo acesso a um atendimento profissionalizado e muito próximo do modelo clássico de venda, garantindo maior confiança no momento de licitação, garante o responsável da empresa leiloeira. Para além do leilão presencial, os licitantes que se encontrem impossibilitados de se dirigir a Vilamoura, poderão adquirir os imóveis antes da data do leilão, através do processo de pré-licitação, ou submeter as suas licitações via a plataforma online de licitações da Kennedy Wilson, onde a empresa difundirá o leilão com vídeo e som, em direto e tempo real, não sendo necessário um software específico a não ser um simples computador, adianta a mesma fonte. A zona turística de Vilamoura está entre as zonas de lazer mais procuradas a nível internacional oferecendo um enorme leque de atividades desportivas e de lazer, incluindo cinco campos de golfe de 18 buracos, boas praias e a maior marina em Portugal. A maioria dos apartamentos faz parte do empreendimento Monte Laguna BPrime assinala o seu 4º ano de atividade A B. Prime, que agora assinala o seu 4º ano de atividade, contabiliza um portfólio com cerca de m2 de imóveis em comercialização na região da Grande Lisboa. A B. Prime apostou numa área específica, o segmento de escritórios nas suas várias vertentes, nomeadamente corporate tenant representation, investimento, agência, arquitetura e project management, embora apoiando os seus clientes noutras áreas como a de retail ou industrial. É a representante exclusiva da DTZ, a 3ª maior consultora imobiliária do mundo, o que possibilita um acesso direto aos principais intervenientes do mercado a nível global. Setúbal: ERA leiloa imóveis As lojas ERA Setúbal Arangues e Setúbal Centro levam a leilão 19 imóveis com preços entre os 17 mil e os 74 mil euros, no sábado, 22 de junho, às 15h00, no Hotel Esperança, em Setúbal. Os imóveis, apartamentos e espaços de comércio, com valores abaixo dos praticados no mercado e com a possibilidade de financiamento até 100%, possibilitam uma boa oportunidade de negócio para os clientes compradores. Loja do Condomínio considerada melhor marca A LDC Loja do Condomínio, franchising de origem portuguesa, especializado na administração de condomínios, alcançou o primeiro lugar no Top 5 do franchising nas categorias melhores marcas no apoio à rede e melhores marcas nacionais no apoio à rede, nos prémios de franchising A Loja do Condomínio viu, pela sexta vez, a sua estratégia na internet ser galardoada com outro prémio. PUBLICIDADE n.º quarta-feira, - tráfico em jollywood a 26 de junho, por +4,95, com o público. Colecção 14 livros. Periodicidade semanal. PVP unitário: 4,95. Preço total da colecção Portugal Continental: 69,30. Entre 29 de Maio e 28 de Agosto, às quartas-feiras. Edição limitada ao stock existente. A compra do produto implica a compra do jornal. MARSU PROD 2013

5

6 06 Oportunidades IMOBILIÁRIO 19 JUNHO 2013 Incentivo à reabilitação com A casa da vizinha é mais bonita do que a minha? Autarquia de Palmela lança programa para incentivar reabilitação urbana. O centro histórico da cidade tem sido objeto de várias medidas de apoio à renovação do espaço público Cidade em análise Elisabete Soares Com mais de 460 quilómetros quadrados de extensão, num território de transição entre a urbanidade e o mundo rural, o concelho de Palmela apresenta realidades muito distintas ao longo das cinco freguesias, que necessitam, consequentemente, de um olhar diferenciado sobre as suas necessidades específicas. Assim, para as freguesias de Pinhal Novo, Quinta do Anjo, Marateca e Poceirão, o município disponibiliza, desde 2010, o programa de medidas e incentivos de reabilitação urbana denominado A casa da vizinha é mais bonita do que a minha?. De acordo com fonte da autarquia este programa apresenta um conjunto de incentivos para a recuperação dos imóveis degradados, conservação dos existentes e preenchimento dos espaços urbanos vagos, permitindo ao munícipe usufruir de redução ou isenção de taxas municipais, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da população, reposicionando os problemas da habitação e contribuindo para a melhoria económica e social do concelho. Nas principais medidas e incentivos previstos neste programa estão: obras de conservação simples (reparação de fachadas, pinturas), com redução de 70% na taxa de ocupação de via pública; obras de reedificação que não impliquem a demolição do edifício existente, que podem ter isenção total nas taxas de licenciamento; construção nova em espaços vagos (redução de 10% nas taxas de licenciamento); obras de reabilitação de edifícios, com ampliação contida (redução de 20% nas taxas de licenciamento). Centro histórico De acordo com a mesma fonte, a autarquia tem procurado, na medida das suas competências, e apesar do contexto de crise que vivemos, apoiar e incentivar os proprietários na renovação e reabilitação dos seus imóveis. Destinado à área de intervenção do Gabinete de Recuperação do Centro Histórico da Vila de Palmela (unidade orgânica criada para acompanhar, diretamente, as especificidades deste núcleo urbano), o município lançou, em O centro histórico de Palmela tem recebido obras de renovação do espaço público 2008, o FIMOC Programa de Financiamento Municipal de Obras de Conservação, num quadro de apoio à renovação e conservação de imóveis. O FIMOC corresponde a um plano de comparticipação e apoio financeiro para obras de conservação e disponibiliza apoio financeiro para as seguintes ações: FOTOS CEDIDAS POR C.M. DE PALMELA utilização e cuja construção seja comprovadamente anterior à data de entrada em vigor do RGEU. Assim, no âmbito do Regulamento de Taxas Municipais, as obras de requalificação e conservação de edifícios localizados no centro histórico de Palmela são objeto de redução ou isenção das taxas previstas (desde que cumpram os critérios previstos no regulamento). Também em sede de IMI, a câmara tem, desde 2006, aplicado as medidas de desagravamento fiscal: caso da taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis que é reduzida em 30% na área de intervenção do Gabinete de Recuperação do Centro Histórico da Vila de Palmela; é, ainda, reduzida em 20% (cumulativa com a redução de 30%) a taxa aplicável a prédios arrendados, situados na mesma área. Em 2012, foi introduzida a exclusão deste desagravamento para prédios urbanos e frações autónomas considerados devolutos, com o objetivo de potenciar a recuperação de imóveis. Atualmente, o centro histórico é um espaço com vida e dinâmicas populacionais, culturais, sociais e económicas, onde coexistem habitações, serviços, comércio e movimento associativo, considera a autarquia, que pretende reforçar os fatores de atratividade e qualidade de vida nesta área. Investimentos na renovação do espaço público com apoio do QREN O município de Palmela desenvolveu, no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN), entre 2009 e 2012, um conjunto de investimentos na renovação do espaço público. Enquadrase, aqui, a renovação de infraestruturas (substituição dos sistemas de drenagem e abastecimento de água) e repavimentação total dos arruamentos que constituem a malha central de acesso dentro do casco histórico ruas Heliodoro Salgado, Hermenegildo Capelo, Augusto Cardoso e Contra-Almirante Jaime Afreixo. A renovação de infraestruturas e pavimentação foi, também, aplicada aos principais espaços públicos 1450 Frações em venda, sendo que 72% são usadas da vila Largo do Município e zonas adjacentes, Praça Duque de Palmela, Largo do Miradouro - que receberam, ainda, uma reconfiguração mais adequada às novas utilizações, com instalação de mobiliário urbano e sinalética. O maior espaço verde da vila, obras de conservação nas fachadas dos edifícios que confrontem diretamente com o espaço público; obras de conservação em coberturas de edifícios principais (excluindo anexos, garagens e outras construções em logradouro); obras para a construção de instalações sanitárias em fogos sem licença de o Parque Venâncio Ribeiro da Costa, que enquadra o Castelo de Palmela, o longo de três hectares, foi requalificado numa intervenção profunda, que favoreceu a sua fruição e criou espaços distintos de utilização, pelos diferentes públicos. No Castelo de Palmela, foram renovadas as infraestruturas, as galerias comerciais e museológicas e foi recuperada a Casa Capelo, entre outras intervenções. Está em curso, no momento, a recuperação, reabilitação e ampliação de um imóvel de grande dimensão, no Largo do Mercado (espaço central do núcleo mais antigo), designado como Espaço Cidadão, que deverá acolher, a partir do segundo trimestre de 2014, um conjunto de serviços de apoio à comunidade e valências culturais, bem como as novas instalações da junta de freguesia, constituindo-se como um espaço âncora para a sustentabilidade e dinamização do centro histórico.

7 IMOBILIÁRIO 19 JUNHO 2013 Oportunidades 07 Oportunidades Palmela Índice confidencial imobiliário º T º T 2013 Perfil demográfico Concelho de Palmela Perfil sociodemográfico Valor Ranking nacional Área (km2) População (n.º) Densidade populacional (n.º/km2) Famílias (n.º) N.º de fogos º 41º 95º 41º 45º Valor médio de oferta/m 2 Total 1.º T de 2013 Mais Oportunidades Millennium na área de imobiliário de millenniumbcp.pt. Marque as suas visitas através da linha M Imóveis (atendimento personalizado das 10h-22h). Custo máximo por minuto: 0,10 para chamadas a partir da rede fixa e 0,25 para chamadas a partir da rede móvel. Acresce IVA. Apartamento T0 (Ref ) Preço: euros Freguesia da Quinta do Anjo Apartamento T0 com 47 m2 de 2008, a fração encontra-se inserida em condomínio privado no Palmela Village, junto à Quinta do anjo e Cabanas, o Palmela Village Resort disponibiliza campo de golf, jardins, piscina comum e segurança. Morada: Quinta da SAPEC (Urb. Palmela Village) lote A10, R/c-A Apartamento T2 (Ref ) Preço: euros Freguesia do Pinhal Novo Apartamento T2 com 85 m2 de 1986, composto por hall, sala comum, 2 quartos, cozinha com despesa, instalação sanitária e varanda. Morada: Av. Alexandre Herculano, Nº 46-3º Direito. A A Quinta do Anjo B Palmela C Pinhal Novo D Poceirão E Marateca D C B E Frações para venda, sendo Licenciamento de novas habitações que 54% são usadas Dinâmica de promoção nova Valor Ranking nacional N.º novos fogos licenciados (acum ) N.º fogos com DCR emitido (acum ) % De 1 quarto ou inferior % De 2 quartos % De 3 quartos % De 4 quartos ou superior % Com certificação A ou A % 32% 18% 24% 39% 32º Loja (Ref ) Preço: euros Freguesia do Pinhal Novo Espaço Comercial de 2003 com 82 m2 composto por 4 salas, 2 instalação sanitária, arrecadação e garagem. Morada: Rua Salgueiro Maia, lote 32, R/c Esquerdo. Loja (Ref ) Preço: euros Freguesia de Palmela Loja com 61 m2 localizada na Estrada da Venda do Alcaide, 32, R/c. Fonte: INE; Estatísticas Ci/ADENE; LardoceLar.com

8 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS E EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILÁRIA DE PORTUGAL As Oportunidades de Imóveis de Bancos estão nas COMPRA SEGURA E COM TODA A CONFIANÇA Saiba mais informações de quais as mediadoras associadas APEMIP em

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL Reabilitação Urbana Sustentável o caso do Centro Histórico e da Baixa da cidade do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Porto, 13 de Julho de 2015 Porto Vivo, SRU Sociedade

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA UM NOVO PASSO Seminário 16 de abril de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

INVESTIR EM PORTUGAL

INVESTIR EM PORTUGAL INVESTIR EM PORTUGAL 投 资 与 移 民 门 道 是 专 门 提 供 投 资 与 移 民 服 务 的 独 立 咨 询 机 构 我 们 的 多 学 科 团 队 精 心 研 究, 旨 在 为 客 户 提 供 最 佳 的 商 业 战 略 和 国 际 投 资 方 案 INVESTIMENTO E EMIGRAÇÃO A GATEWAY É UMA CONSULTORA INDEPENDENTE,

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Dossier Promocional. Hotel Apartamento Villas de Sesimbra

Dossier Promocional. Hotel Apartamento Villas de Sesimbra Dossier Promocional Hotel Apartamento Villas de Sesimbra 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Edifício 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização

Leia mais

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA Mestrado em Geografia, Esp. em Urbanização e Ordenamento do Território O planeamento urbano e o ordenamento territorial estratégico: O papel das politicas de

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

Regeneração Urbana Um novo Impulso

Regeneração Urbana Um novo Impulso Regeneração Urbana Um novo Impulso O ENQUADRAMENTO Portugal tem 1,5 milhões de fogos que precisam de ser reabilitados dos quais 126 mil edifícios têm necessidade de intervenções urgentes e podem colocar

Leia mais

ACGD vai aproveitar a 14a edição

ACGD vai aproveitar a 14a edição CGD vai leiloar casas no SIL com descontos de 25 % A 14 a edição do Salão Imobiliário de Lisboa (11 a 16 de Outubro) é marcada pelos leilões de 237 imóveis da CGD. A Century 21 venderá 230 imóveis da banca.

Leia mais

APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA

APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA RJRU REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA AS NOVAS POLÍTICAS Reabilitar em vez de construir Reabilitar a área urbana em vez do edifício Diferenciar a responsabilidade

Leia mais

FDU JESSICA/CGD A INICIATIVA COMUNITÁRIA JESSICA. Figueira da Foz, Julho de 2014. Caixa Geral de Depósitos 2014 JULHO I 1

FDU JESSICA/CGD A INICIATIVA COMUNITÁRIA JESSICA. Figueira da Foz, Julho de 2014. Caixa Geral de Depósitos 2014 JULHO I 1 FDU JESSICA/CGD A INICIATIVA COMUNITÁRIA JESSICA Figueira da Foz, Julho de 2014 Caixa Geral de Depósitos 2014 JULHO I 1 O novo modelo de actuação no negócio imobiliário JESSICA (Joint European Support

Leia mais

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013)

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013) Reabilitação Urbana na Cidade do Porto: Incentivos e Oportunidades 21 de março de 2013 Porto Vivo, SRU (2013) Rui Ferreira de Espinheira Quelhas 2 1 1900-13% 1950-40% 2000-46,6% 2010-50,6% 2050-69,6% População

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Fundo Modernização Comércio

Fundo Modernização Comércio 1 Fundo Modernização Comércio IAPMEI Portaria 236/2013 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos a Apoiar 4. Elegibilidade

Leia mais

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 18 de maio de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Minhas Senhoras

Leia mais

1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO IMOBILIÁRIO CO-FINANCIADO POR:

1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO IMOBILIÁRIO CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Novembro 2012 Índice 1. Nota Introdutória... 2 2. Resultados do

Leia mais

Comprar: Deixe-se guiar!

Comprar: Deixe-se guiar! Está prestes a comprar um imóvel e tem numerosas perguntas bem legítimas. Quais as diferentes etapas e as formalidades a efetuar, antes, durante e após a compra? Siga o guia! Antes da compra Se está a

Leia mais

Denominação Social Sogei Engenharia e Construção, SA Sede: Av. Cidade de Lisboa Edifício Águia R/C Chã de Areia Praia Santiago CP 426/A Natureza

Denominação Social Sogei Engenharia e Construção, SA Sede: Av. Cidade de Lisboa Edifício Águia R/C Chã de Areia Praia Santiago CP 426/A Natureza Denominação Social Sogei Engenharia e Construção, SA Sede: Av. Cidade de Lisboa Edifício Águia R/C Chã de Areia Praia Santiago CP 426/A Natureza Jurídica S.A. Sociedade Anónima Telefone: (+238 2602200)

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011 Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião Junho 2011 Objectivos Avaliar se os indivíduos que habitam em casas já certificadas, conhecem o respectivo certificado energético

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PRÉDIO MUNICIPAL NO LARGO DOS TRIGUEIROS Nº 6 E 7

AVALIAÇÃO DE UM PRÉDIO MUNICIPAL NO LARGO DOS TRIGUEIROS Nº 6 E 7 AVALIAÇÃO DE UM PRÉDIO MUNICIPAL NO LARGO DOS TRIGUEIROS Nº 6 E 7 Cadastro Ortofotomapa 1. Introdução Através de email o Sr. André Tomada formalizou o interesse na aquisição do imóvel do Largo dos Trigueiros

Leia mais

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA Paula Morais mail@paulamorais.pt O REGIME LEGAL DA REABILITAÇÃO URBANA Alguns aspectos da sua evolução Decreto Lei n.º 307/2009, de 27 de Outubro Decreto Lei n.º

Leia mais

Estratégia Nacional para a Habitação

Estratégia Nacional para a Habitação Estratégia Nacional para a Habitação 8 de maio de 2015 Estrutura do Documento O diagnóstico As oportunidades A articulação com outras políticas A visão, os pilares e os desafios As medidas e iniciativas

Leia mais

INICIATIVA COMUNITÁRIA JESSICA

INICIATIVA COMUNITÁRIA JESSICA INICIATIVA COMUNITÁRIA JESSICA O crescimento começa nas cidades 12 de Novembro de 2015 1 Instrumento de financiamento Proposta Inicial Montante global - 158,6M 40,5M 36,5M FDU (Património autónomo de 77M)

Leia mais

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO EMPREENDIMENTOS DE PEQUENO PORTE 01 APRESENTAÇÃO MELNICK EVEN DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Fevereiro de 2014 Índice Pág. 1. Introdução 2 2. Objetivos da delimitação da ARU Viana do Alentejo Poente 3 3. Enquadramento

Leia mais

Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a

Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a excepção de 16 dos Concelhos. Em Portugal existem 350

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Propostas para Revitalização do sector do Turismo Residencial Janeiro de 2013

Propostas para Revitalização do sector do Turismo Residencial Janeiro de 2013 Propostas para Revitalização do sector do Turismo Residencial Janeiro de 2013 APR Associação Portuguesa de Resorts A Associação Portuguesa de Resorts (APR) tem por missão promover a imagem, empresas e

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa.

O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa. O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa. Recuperar os habitantes perdidos na última década, nos próximos 10 anos ATRAIR MAIS HABITANTES Como?

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

As exigências de sustentabilidade ambiental e económica estão sempre presentes nas soluções técnicas apresentadas pela FACTORIAL.

As exigências de sustentabilidade ambiental e económica estão sempre presentes nas soluções técnicas apresentadas pela FACTORIAL. QUEM SOMOS A FACTORIAL Desenvolvimento Integrado de Projectos e Construções, Lda. foi fundada em 2006 com o objectivo de prestar serviços na área da engenharia. Actualmente, a FACTORIAL está predominantemente

Leia mais

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em TURISMO Crédito ao Investimento no Turismo Protocolo Bancário Luís Coito 27 de Setembro de 2010 TURISMO INCENTIVOS FINANCEIROS AO SECTOR Intensidade de Auxílio Abrangência Empresarial Crédito ao Investimento

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Bairro Ourives. Lotes A, B, C e D. Setembro de 2014

Bairro Ourives. Lotes A, B, C e D. Setembro de 2014 Bairro Ourives Lotes A, B, C e D Setembro de 2014 OBJETIVO Com o objetivo de dar continuidade às ações desenvolvidas no âmbito do PIPARU - Programa de Investimento Prioritário em Ações de Reabilitação

Leia mais

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Por Elisabete Rodrigues 17 de Maio de 2013 09:05 Comentar A plataforma de demonstração de energia solar que

Leia mais

O sabor do prestígio

O sabor do prestígio Vilamoura. Algarve O sabor do prestígio Vilamoura: um cenário único, um destino especial. Vilamoura tem mais vida Situada na costa sul de Portugal e em pleno coração do Algarve, Vilamoura é um destino

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

PVP Programa de Valorização de Património. Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012

PVP Programa de Valorização de Património. Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012 PVP Programa de Valorização de Património Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012 Objectivos genéricos do PVP garantir a função social do município no apoio ao acesso à habitação; promover a adequação

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DO ANO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DO ANO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 30.951,63 10.509,00 960.567,00 960.567,00 42.565,00 1.044.592,63 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE 30.951,63 10.509,00 960.567,00 960.567,00 42.565,00 1.044.592,63 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo A em pre sa Institucional Desde 2003 no mercado do Vale do Aço, a Costa Construtora investe em qualidade e tecnologia com o objetivo de atender toda a demanda na área de construção civil e melhorar o desempenho

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Dossier Promocional. Empreendimento Vila Sol Quarteira Loulé Algarve

Dossier Promocional. Empreendimento Vila Sol Quarteira Loulé Algarve Dossier Promocional Empreendimento Vila Sol Quarteira Loulé Algarve 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização

Leia mais

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento S E M I N Á R I O AUDITORIAS DE VALOR 11 de Outubro de 2010 A. Novo Paradigma de Desenvolvimento 2007/2013 Passagem do Objectivo 1 (Convergência) para o Objectivo 2 (Competitividade e Emprego). Alteração

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião PROJECTO NAZARÉ XXI - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião Nazaré XXI é um projecto turístico de impacto regional, inserido na política de desenvolvimento económico que a Câmara Municipal

Leia mais

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates 11.02.2009 1. A execução da Iniciativa para o Investimento e o Emprego A resposta do Governo à crise económica segue uma linha de

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

HISTORIA E CARACTERIZAÇÃO DOS BAIRROS SOB GESTÃO DA CASCAIS ENVOLVENTE

HISTORIA E CARACTERIZAÇÃO DOS BAIRROS SOB GESTÃO DA CASCAIS ENVOLVENTE HISTORIA E CARACTERIZAÇÃO DOS BAIRROS SOB GESTÃO DA CASCAIS ENVOLVENTE (agosto de 2013) FREGUESIA DE ALCABIDECHE ABUXARDA O bairro da Abuxarda foi construído em 1999 no âmbito do Programa PER - Programa

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

enewsletter NOVEMBRO`09

enewsletter NOVEMBRO`09 Página Web 1 de 7 enewsletter NOVEMBRO`09 www.centralprojectos.pt Central Projectos conquista estatuto de PME Líder A Central Projectos foi recentemente reconhecida como PME Líder pelo IAPMEI no âmbito

Leia mais

T4 Duplex Jardins do Palacete

T4 Duplex Jardins do Palacete T4 Duplex Jardins do Palacete Boavista/ Porto Nª/Refª 3818 Índice 1 Localização 3 2 Informação Geral 5 3 Disponibilidades 8 4 Acabamentos 10 5 Plantas 13 Implantação 14 T4 Duplex 15 6 Contactos 17 T4 Duplex

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL Refere o Decreto-Lei nº 307/2009 de 23 de Outubro No artigo 2º Definições i) «Reabilitação de edifícios» a forma de intervenção destinada

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Galleon Capital Partners. Relatório de Gestão Exercício de 2011

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Galleon Capital Partners. Relatório de Gestão Exercício de 2011 Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Galleon Capital Partners Relatório de Gestão Exercício de 2011 Navegando Pacientemente no Mar Salgado / Sailing Paciently in the Salty Sea Comité de Investimentos

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196. 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.916,00 1 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO 116.500,00 93.625,00 100.574,00 103.487,00 1 Apoios e subsídios CM 13 18 5 05-06-02-03-99 1.000,00 1.030,00 2.122,00

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

Projeto Viva a Alameda

Projeto Viva a Alameda Projeto Viva a Alameda Janeiro 2012 I. Enquadramento a. Política de Cidades o instrumento PRU b. Sessões Temáticas II. A PRU de Oliveira do Bairro a. Visão b. Prioridades Estratégicas c. Área de Intervenção

Leia mais

reconversão de empreendimentos turísticos

reconversão de empreendimentos turísticos reconversão de empreendimentos turísticos 01. Reconversão de Empreendimentos Turísticos Com o objectivo de requalificar a oferta turística nacional, foi aprovado um novo regime jurídico dos empreendimentos

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

A atratividade dos territórios e a dinâmica imobiliária: Evolução e perspetivas para o Alto Minho Ricardo Guimarães

A atratividade dos territórios e a dinâmica imobiliária: Evolução e perspetivas para o Alto Minho Ricardo Guimarães A atratividade dos territórios e a dinâmica imobiliária: Evolução e perspetivas para o Alto Minho Ricardo Guimarães Ricardo Guimarães, rguimaraes@confidencialimobiliario.com www.confidencialimobiliario.com

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

Execução Anual das Grandes Opções do Plano

Execução Anual das Grandes Opções do Plano das Grandes Opções do Plano 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO BÁSICO 01 01 /1 Infraestruturas de Ano Anos seguintes Anos Anteriores Ano 01 01 /1 1 Centro Escolar de Caria 0102 07010305 E

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas Proposta de Regulamento do programa de incentivos à recuperação de fachadas, coberturas e vãos de imóveis degradados nos aglomerados urbano nos Concelho de Penamacor NOTA JUSTIFICATIVA Pretende-se com

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

TURIM S.A. Telefone: 2415 018 Fax: 2415 017 Móvel: 9843 432 E-mail: jasmine-villas@turim.cv Site: www.turim.cv

TURIM S.A. Telefone: 2415 018 Fax: 2415 017 Móvel: 9843 432 E-mail: jasmine-villas@turim.cv Site: www.turim.cv TURIM S.A. Telefone: 2415 018 Fax: 2415 017 Móvel: 9843 432 E-mail: jasmine-villas@turim.cv Site: www.turim.cv Index 1. Murdeira 2. Jasmine Villas O Conceito Localização Arquitectura As Vivendas Tipologias

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 LNEC - LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE LISBOA, 29/06/2015 O que é? Fundo de Eficiência Energética (FEE):

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO Resumo Não Técnico GABINETE DE REABILITAÇÃO URBANA março de 2015 Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Leia mais

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS PARA 2015 Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final de 2014. Não deixe de estar por dentro

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Lema: "Voltar a ver felicidade no Parque Mayer"

Lema: Voltar a ver felicidade no Parque Mayer IDEIAS PARA O PLANO DE PORMENOR DO PARQUE MAYER Lema: "Voltar a ver felicidade no Parque Mayer" Linha de acção: intervenção MINIMALISTA. Questões Prévias/Condicionantes: * Orçamental; * Interacção Parque

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

UM FUTURO SUSTENTÁVEL

UM FUTURO SUSTENTÁVEL UM FUTURO SUSTENTÁVEL A CORE CONCEPT é uma empresa de projetos e consultoria de Arquitetura e Engenharia composta por uma equipa dinâmica, dedicada e com vasta e sólida experiência. A nossa missão é, em

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

MINHO INovação 2014/2020

MINHO INovação 2014/2020 MINHO INovação 2014/2020 O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia de eficiência coletiva, isto é uma ação conjunta assente numa parceria que partilha um objetivo em concreto:

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

Avaliação. As avaliações são realizadas, de acordo com os métodos que melhor se adequam ao imóveis em causa.

Avaliação. As avaliações são realizadas, de acordo com os métodos que melhor se adequam ao imóveis em causa. Apresentação A Real Consul uma empresa portuguesa, com uma estrutura de capital inteiramente nacional, que se dedica à consultoria e avaliação imobiliária desde 1995. A empresa combina um alto nível de

Leia mais

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

AVALIAÇÕES IMOBILIÁRIAS

AVALIAÇÕES IMOBILIÁRIAS 2013 AVALIAÇÕES IMOBILIÁRIAS Índice 03 Apresentação 03 Clientes Sociedades Gestoras de Fundos de Investimento Imobiliário; Promotores Imobiliários; Mediadoras Imobiliárias; Empresas; Advogados; Particulares.

Leia mais

"Relação Umbilical entre o Turismo e a Cultura: Oportunidades e Desafios"

Relação Umbilical entre o Turismo e a Cultura: Oportunidades e Desafios "Relação Umbilical entre o Turismo e a Cultura: Oportunidades e Desafios" Oferecer o que temos, somos e fazemos como produto turístico Vasco Estrela Presidente da Câmara Municipal de Mação Cultura e Turismo

Leia mais