Representações da arquitetura inglesa e do urbanismo austríaco no século XIX:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Representações da arquitetura inglesa e do urbanismo austríaco no século XIX:"

Transcrição

1 Representações da arquitetura inglesa e do urbanismo austríaco no século XIX: da tradição no revivalismo gótico à modernidade na formação da Ringstrasse Introdução Dentro do processo de modernização econômica e social sem precedentes no século XIX - decorrente das transformações provocadas pela Revolução Industrial, juntamente com a formação de um nacionalismo crescente, em consonância com as culturas do passado histórico, Carl Schorske afirma que a arquitetura urbana teria se apropriado dos estilos de tempos passados para dar peso e linhagem simbólicos às construções modernas, de estações ferroviárias e bancos, a parlamentos e prefeituras. 1 Ao buscar os laços que mantinha com o seu passado, fornecendo uma roupagem decente para vestir a nudez da utilidade moderna, a cultura arquitetônica vitoriana se viu dividida entre o avanço da engenharia e da consolidação da arquitetura do ferro, em contraposição ao pudor dos costumes burgueses. Do debate estilístico à idealização de uma sociedade ideal, a transposição de uma infinidade de estilos históricos correspondia plenamente à intolerância em relação à rude e vergonhosa nudez estrutural das construções (colunas e vigas) que, de fato, deviam ser completamente escondidas e revestidas por motivo de decoro. 2 A consolidação do poder burguês, em meio ao discurso progressista da civilização industrial, levou a um entrelaçamento da cultura romântica com os ideais nacionais, em que o dilema artístico e a qualidade da produção em série tornou ainda mais difícil eleger, classificar ou mesmo julgar os estilos dentro da rica experiência lingüística do ecletismo historicista. Ao procurar compreender o ecletismo tão proeminente na arquitetura européia da segunda metade do século XIX, Schorske observa a ausência de um estilo autônomo como um reflexo da força arcaizante da burguesia e dos ricos industriais patrocinadores daquela arquitetura, questionando por que as pontes e as fábricas eram construídas em estilos utilitários novos, enquanto os edifícios públicos e as residências eram concebidos em estilos históricos anteriores ao século XVIII. Patetta, por sua vez, reforça uma mudança na tradicional relação entre utilidade e beleza, quando os novos elementos construtivos em ferro deveriam (ou não) se adaptar às formas e às proporções das ordens arquitetônicas, sobretudo na arquitetura neoclássica. Além disso, a inexistência de uma corrente estética predominante (como ocorreu nos séculos anteriores) tornou evidente a inquietação dos arquitetos quanto ao caos das 1 SCHORSKE, Carl E. Pensando com a História: indagações na passagem para o Modernismo. São Paulo: Companhia das Letras, p.15 2 PATETTA, Luciano. Considerações sobre o Ecletismo na Europa. In: FABRIS, Annateresa (org.) Ecletismo na Arquitetura Brasileira. São Paulo: Nobel, p.15 1

2 múltiplas vertentes estilísticas, as combinações por vezes grotescas, a simultaneidade de revivals, e que a busca por um estilo autêntico seguia em direção anacrônica, pois não viam que o século XIX já encontrara o próprio estilo, e que este era o Ecletismo. 3 Ainda na Inglaterra, Schorske aponta que o historicismo vitoriano expressava a incapacidade dos habitantes da cidade em aceitar o presente ou de conceber o futuro senão como ressurreição do passado. Os construtores da nova cidade relutavam em encarar diretamente a realidade de sua própria criação, não encontrando formas estéticas para afirmá-la. 4 Cabe lembrar que, entre as conseqüências da industrialização, os intelectuais ingleses trouxeram à tona, já em meados do século XIX, descrições do crescimento dos centros ingleses marcados por construções de tijolos e fuligens das fábricas, além da imundície e do crime social da época. Essa imagem negativa da paisagem social e urbana seria o contraponto do cenário idílico e familiar almejado pelas classes médias enriquecidas, que começavam a se deslocar dos centros urbanos para os subúrbios ajardinados e tranqüilos um retorno ao culto da natureza, característico do cenário pitoresco inglês do final do século XVIII. Por outro lado, a experiência estética do sublime, como afirma Bresciani, é identificada claramente nessa arquitetura fabril e utilitária urbana, na monotonia das extensas séries de casas destinadas à classe operária e na infinitude das gares metálicas das estações, enfatizada ainda pelo aspecto majestoso e eloqüente dos edifícios públicos, símbolo do poder alcançado pela burguesia. 5 Sob essa ótica, Frampton avalia que a formação das vanguardas modernas na arquitetura teria se dividido entre aqueles que idealizaram as primeiras comunidades utópicas (como a cidade fisiocrática de Ledoux, em 1804) em oposição aos referenciais anti-classicistas, anti-racionais e anti-utilitários da reforma cristã (esboçados pela primeira vez nos Contrastes, de Pugin, em 1836). Diante disso, a cultura burguesa, na tentativa de encontrar alternativas à exploração na divisão do trabalho, às condições precárias e alarmantes da produção industrial (tanto do ponto de vista social, como na qualidade estética dos produtos), oscilou entre as utopias totalmente planejadas (enquanto sociedades ideais e futuristas ) e àquelas que propunham uma negação da realidade histórica efetiva da produção mecânica. 6 O revivalismo gótico como representação simbólica da tradição arquitetônica inglesa Schorske aborda a trajetória de três intelectuais ingleses Coleridge, Pugin e Disraeli, que tinham como principal convicção a exaltação da Idade Média fundamentada essencialmente na 3 Id., ibid., p.13 4 SCHORSKE, Carl. Op. Cit., p.62 5 BRESCIANI, Maria Stella M. Metrópoles: as faces do monstro urbano (as cidades do século XIX). Revista Brasileira de História. São Paulo. Vol.05, nº 8/9, p FRAMPTON, Kenneth. História Crítica da Arquitetura Moderna. São Paulo: Martins Fontes, p. X 2

3 religião, visto que a destruição da autonomia do poder religioso pela dinastia Tudor e pela aristocracia Whig (no século XVIII), teria causado um rompimento daquilo que seria o passado ideal da Inglaterra. Dentro desse espírito medieval e como bons defensores do gótico, além do gosto pelo exótico, o grotesco e o sublime, a concepção da civilização medieval inglesa era tida como uma cultura integrada e um símbolo da boa sociedade, representando, portanto, uma antítese da era industrial vitoriana. Dessa forma, ao tratar as virtudes da cultura medievalista como um paraíso perdido, os críticos ingleses ampliaram ainda mais o abismo entre o passado e o presente que pretendiam transcender. 7 Na crítica cultural de Augustus Welby Pugin 8, o ato de construir refletia a ética dos construtores, assim como o belo deveria manifestar o bem. A serviço de sua fé católica, Pugin utilizava imagens representativas do desenho das cidades no século XV, afirmando que a arquitetura gótica - ao contrário do classicismo pagão, apontava para Deus e saltava para o céu e, portanto, era cristã. A utilização da linguagem clássica dos templos gregos, por sua vez, embora estivesse intimamente ligada aos ritos religiosos, não deixava de ser uma adaptação dos cânones da arquitetura pagã no seio de uma sociedade cristã, sobretudo a partir do Renascimento, o que Pugin caracterizou como uma falsa idolatria e como um sintoma de uma impotência arquitetônica e cultural particular. 9 Acreditava, portanto, que o gótico era a forma arquitetônica que correspondia ao verdadeiro sentimento cristão, 10 propondo a retomada de um ideal de arquitetura, tal como nos século XIII e XIV, em harmonia com os ideais religiosos e sociais. Sua representação de uma cidade fabril de 1840, por exemplo, nos mostra uma dura condenação à industrialização inglesa, quando ele substitui as altivas agulhas das torres e as árvores de uma cidade católica, de 1440, por chaminés fumacentas e fábricas grotescas. Adotando um princípio universal para a cultura arquitetônica da época, como reforça Schorske, e fiel ao seu princípio muito secular de que a história da arquitetura é a história do mundo, Pugin examinou os objetivos e os valores que as formas de construção medieval encarnavam. 11 Embora estivesse imbuído de um sentido religioso e nostálgico sobre a cidade medieval, o arquiteto propôs a volta de uma estética arquitetônica em consonância com os princípios do funcionalismo moderno, uma vez que o estilo neogótico estava em perfeita simbiose com a arquitetura do ferro. Diferentemente da cultura neoclássica, onde a engenharia quase sempre desempenhava um papel secundário nas edificações, na cultura neogótica a forma 7 SCHORSKE, Carl. Op. Cit., p.89 8 No manifesto intitulado: Contrastes ou, um paralelo entre os nobres edifícios da Idade Média e os prédios correspondentes do presente, mostrando a decadência atual do gosto. Pugin se converteu ao catolicismo em SCHÜTZE, Petra L.(org.) Teoria da Arquitectura: do Renascimento aos nossos dias. Köln: Taschen, p CHOAY, Françoise. O Urbanismo: utopias e realidades. 4.ed. São Paulo: Perspectiva, p SCHORSKE, Carl. Op. Cit., p.101 3

4 arquitetônica podia ser essencialmente uma forma estrutural (...) revelando uma coincidência formal entre as estruturas metálicas e as modenaturas dos edifícios góticos. 12 Considerando também as construções enquanto organismos vivos 13, a finalidade deveria determinar a forma do edifício, enquanto a estrutura combinaria a forma, os ornamentos e os materiais utilizados de acordo com as necessidades do projeto. Entretanto, para Pugin o edifício gótico não era apenas mais um estilo alternativo à miscelânea estética e historicista à disposição dos arquitetos do século XIX, mas representava principalmente a verdade da fé que fizera da Inglaterra uma comunidade na Idade Média. 14 John Ruskin, em sua obra As Pedras de Veneza, 15 sedimentou a base teórica do medievalismo romântico tardio para Morris ao mostrar, como Pugin, a superioridade do gótico sobre a estética da antiguidade greco-romana e a busca por um autêntico estilo moderno. Como outros intelectuais ingleses, Ruskin também teria idealizado a Idade Média como um refúgio de inspiração sentimental e nacionalista em meios às inquietações culturais da era vitoriana. No seu universo de trabalho, buscava a unidade entre artista e artesão, arte e ofício, beleza e utilidade. Assim como Pugin, a religiosidade estava presente num sistema que tratava a arquitetura como uma expressão moral e onde o esteticismo era concebido como remédio para os problemas sociais. Atento ao ornamento, às minúcias e aos detalhes construtivos, Ruskin afirmava ainda que uma escola é superior à outra quando seu trabalho torna seus produtores mais felizes. 16 Apresentando também grande domínio sobre as artes decorativas, Morris promoveu um intenso retorno da atividade artesanal abrindo, inclusive, uma sociedade comercial destinada à criação diferenciada de tais artefatos, em Foi um autêntico renovador artístico e, diferentemente de seus conterrâneos, ele compreendeu que a produção mecânica apontou novos problemas para a arte, mas que a simples melhoria do desenho não resultaria num objeto esteticamente bem produzido. Pevsner explica que, longe de ser um inventor de formas decorativas, Morris teria se inspirado em modelos e padrões antigos utilizados em tapeçarias, no desenho de móveis, pisos, tetos e paredes, promovendo uma originalidade em seu trabalho justamente na escolha dos ornamentos ou formas que lhe interessavam, mas não fazendo simplesmente uma cópia ou 12 PATETTA, Luciano. Op. Cit., p Conforme a interpretação de Viollet-le-Duc, ao analisar o esqueleto de uma catedral gótica como um conjunto de nervos e juntas, descrevendo nos Entretièns, de 1863, o sistema de abóbadas como uma estrutura de painéis sustentados por costelas, similar a uma estrutura com painéis de vidro sustentados por um esqueleto metálico. 14 SCHORSKE, Carl. Op. Cit., p Publicada originalmente em 1853, Ruskin faz uma crítica à divisão do trabalho capitalista e à degradação do operário no maquinário industrial, comparando o artesanato tradicional ao trabalho mecânico da produção em massa. 16 RUSKIN, John. As Pedras de Veneza. São Paulo: Martins Fontes, p.xv 17 A firma Morris, Marshall & Faulkner - operários de Belas-Artes em Pintura, Gravura, Móveis e Metais, preconizava, literalmente, fazer com as próprias mãos uma arquitetura e objetos artísticos correspondentes aos seus ideais 4

5 imitação. A clareza e a sobriedade visíveis em seus desenhos demonstram uma fidelidade aos estilos decorativos, mais do que simplesmente um retorno superficial ao passado histórico. Com uma unidade lógica de composição e um estudo detalhado dos movimentos da natureza aspecto que seria marcante na Art Nouveau Morris foi capaz de influenciar jovens artistas, arquitetos e amadores que passaram a se dedicar inteiramente ao artesanato. 18 Desenhando e produzindo uma infinidade de papéis de parede, cortinados e tapeçarias, suas preocupações, entretanto, tornaram-se gradativamente mais públicas e menos poéticas e artesanais (...) era seu dever encarregar-se publicamente das causas socialistas e preservacionistas de Ruskin. 19 Vale lembrar ainda que, na construção de sua residência a Red House 20, sob encomenda de Philip Webb, adotou-se o ideal medieval de uma casa simples, mas com uma linguagem estética unificadora, do desenho de mobiliário aos materiais utilizados nas fachadas uma opção oposta ao modelo de casa tipicamente eclético. Interiormente, seguindo à risca seus preceitos, além da mobília, as paredes foram pintadas com ilustrações de romances clássicos e medievais mas, como bem destaca Schorske, a casa já era moderna em sua concepção: uma precursora audaciosa de projeto unificado da planta ao cinzeiro, uma única concepção harmoniosa e quase tirânica de beleza residencial. 21 Cultura urbana em Viena: o ideal nacional e o esteticismo histórico no desenho da Ringstrasse Como em outros centros europeus, Viena se preparava para implantar uma arquitetura pública monumental dentro dos modelos historicistas adotando, além da funcionalidade tipológica nos edifícios públicos, uma exibição dos valores de seus patronos. Após a revolução de 1848, a determinação de um novo espaço, com a substituição da muralha central por um anel viário contemplativo, se apresentava dentro da capital austríaca dividida em duas frentes: de um lado, a Corte restaurada e recém-fortalecida, juntamente com as forças aristocráticas, eclesiásticas e militares; de outro lado, a ascensão de uma burguesia liberal, cheia de aspirações e que, através de manobras políticas, buscava conseguir espaço e poder na capital austríaca. Como bem ressalta Schorske, junto à elite cultural vienense, com sua rara mescla de provincianismo e cosmopolitismo, tradicionalismo e modernismo, tornou-se desejável que a sede do poder imperial se transformasse no centro irradiador de uma consciência moderna, 18 PEVSNER, Nikolaus. Os Pioneiros do Desenho Moderno: de William Morris a Walter Gropius. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, p FRAMPTON, Kenneth. Op. Cit., p. 45. Em 1877, Morris fundou a primeira Society for the Protection of Ancient Building (SPAB), com a premissa de adotar uma conservação histórico-documental dos monumentos ingleses. 20 Ao contrário das referências da Itália renascentista ou da França Barroca, a inserção de detalhes góticos como arcos ogivais, tetos altos, irregularidade das formas, além do tijolo à vista nas fachadas, poderia ser vista como um descaso decorativo, uma vez que o estuque trabalhado e pintado foi um requinte decorativo do Neoclassicismo. 21 SCHORSKE, Carl. Op. Cit., p.111 5

6 transnacional e pan-austríaca. As instituições da Corte teatros, museus, óperas deveriam chegar ao público de todo o Império para criar uma cultura uniforme. 22 A partir de 1860, as instituições do Estado passaram por um processo de transição que, além de atenderem às exigências da Constituição e aos valores culturais da classe média 23, deram início à remodelação da cidade à sua própria imagem. O ponto de partida dessa reconstrução foi justamente a Ringstrasse vasto cinturão aberto onde seria levantado um complexo de edifícios públicos e residências particulares, separando a antiga cidade interna (ainda amuralhada) das áreas suburbanas. A transposição de uma cidade-dentro-da-cidade ideal 24 foi ocorrendo lentamente. Até meados do século XIX, a antiga esplanada, que representava o local de defesa e poderio militar, passaria a ser o símbolo da representação política e cultural de Viena, assim como a era Vitoriana remetia às transformações sociais inglesas e o Segundo Império às reformas urbanas de Haussmann, em Paris. Ao contrário do centro da cidade marcado por elegantes palácios aristocráticos e pelas igrejas, ao cenário da Ringstrasse seriam incorporados os órgãos do governo constitucional e os edifícios da alta cultura prédios monumentais dispostos ao longo de seu trajeto. Com isso, a linguagem eclética passou a ter um sentido não apenas estético, mas sócio-cultural, pois se anteriormente a produção arquitetônica procurava apenas exprimir a grandeza aristocrática e a pompa eclesiástica, agora se tornava propriedade comum aos cidadãos, exprimindo os vários aspectos do ideal cultural burguês. 25 De qualquer maneira, a cultura permaneceu como uma extensão do poder monárquico, uma vez que na proposta de Gottfried Semper, a unificação das áreas da Corte e do museu, com os arcos triunfais pontuados no grande projeto, representavam plenamente o domínio simbólico do império sobre o espaço cívico da capital. 26 Como referência estética desse espaço, as culturas históricas do passado clássica, medieval, renascentista e barroca forneceram o vocabulário arquitetônico simbólico no qual se expressou a disputa pela representação no espaço. 27 Schorske ainda considera uma atitude moderna o uso da história e seus elementos de maneira eclética dentro da produção arquitetônica embora não pudesse ser chamada de modernista por não fazer um ruptura histórica. Entretanto, os críticos já apontavam as principais contradições na concepção da Ringstrasse: primava-se pela representação estilística histórica ou pela 22 Id., ibid., p Intelectuais como arquitetos, historiadores e historiadores da arte foram chamados para serem consultores dos conselhos do governo. 24 SCHORSKE, Carl. Op. Cit., p SCHORSKE, Carl. Viena fin-de-siècle: política e cultura. São Paulo: Companhia das Letras, p Id., Pensando com a História..., p Id., ibid., p.21 6

7 utilidade funcional? Esta nova proposta urbanística deveria se apresentar como um produto orgulhoso de uma cultura histórica ou como uma capital destinada a um novo homem? Dois arquitetos exerceram papel de destaque na discussão dos projetos para a Ringstrasse: Camillo Sitte defensor do historicismo e da concepção clássica de cidade, e Otto Wagner, partidário de um futurismo funcional e do racionalismo da vida moderna. Embora Sitte levasse em conta os aspectos técnicos e racionais da construção urbana, a concepção moderna de eficiência e praticidade se opunha ao emocionalmente tocante, ao traçado pitoresco, enfim, à espacialidade marcada pelas formas livres do tecido urbano medieval, com suas ruas e praças irregulares e que, segundo ele, não deveria surgir na prancheta, mas in natura. Assim, o traçado da cidade para Sitte não deveria ser tratado apenas como uma questão técnica, mas prevendo a valorização essencial dos aspectos estéticos. Para ele, o urbanismo era, acima de tudo, uma criação artística, um todo orgânico, uma obra de arte nas suas três dimensões, assim como a arquitetura. 28 Otto Wagner, entretanto, construiu sua trajetória praticamente na vertente oposta: concentrandose nos fatores não estéticos do desenvolvimento urbano e nos ideais da vida moderna, ele procurou enfatizar as formas de comunicação na cidade, propondo um controle social e sanitário (visíveis nas principais reformas urbanas do período), além da hierarquia no uso dos terrenos. Sua proposta para Viena priorizava uma expansão ilimitada, com cinturões concêntricos rodoviários e ferroviários, atravessados por artérias radiais. Com isso, os conceitos de representação e embelezamento urbano já não teriam significado algum no planejamento da Ringstrasse, na década de 1890, uma vez que a necessidade tornou-se a única senhora da arte. Wagner também acreditava que as grandes transformações sociais sempre resultavam em novos estilos, mas Schorske explica que, inevitavelmente, a partir de meados do século XIX, este processo fora interrompido: o ritmo de transformação social se acelerara tanto que o desenvolvimento da arte não conseguiu acompanhá-lo. Incapazes de elaborar um estilo que expressasse as necessidades e as perspectivas do homem moderno, os arquitetos desenterraram todos os estilos históricos passados para preencher esse vazio. 29 Como resultado, o espírito historicista e a concepção social de cidade, tão valorizados por Sitte, na década de 1870 deram lugar aos projetos de engenharia urbana e, futuramente, à consolidação do movimento da Secessão Vienense 30 uma ramificação do estilo Art Nouveau, que já começava a despontar por toda a Europa. Foi nesse período de transição cultural que 28 SCHÜTZE, Petra L.(org.) Op. Cit., p SCHORSKE, Carl E. Viena fin-de-siècle...,p A Secessão iniciou-se em 1897, quando um grupo de artistas e intelectuais formaram uma associação que pretendia romper com os cânones tradicionais da Academia, despontando a Áustria para as vanguardas européias, especialmente nas artes plásticas. Seu lema à época sua arte, à arte sua liberdade, dentro de uma ideologia nitidamente anti-histórica, buscou novos rumos para a introdução de um estilo moderno. 7

8 Wagner executou os primeiros projetos de estações, viadutos, pontes e túneis, além dos edifícios residenciais e comerciais. Entre 1868 e 1873, a diferenciação das fachadas e da espacialidade interna tornou evidente o desejo pela diversidade social entre os membros da alta burguesia vienense formada por integrantes da aristocracia, burocratas, comerciantes e profissionais liberais. Os industriais têxteis também representavam o grupo com maior número de proprietários e inquilinos da Ringstrasse. Logo, essa mescla dos conjuntos residenciais com os imponentes edifícios públicos formou uma ambientação urbana única e afirmativa na Viena liberal do final do século XIX. Quanto à função da arquitetura nessa passagem para o século XX, além do movimento da Secessão, imbuída pelo desejo de manifestar uma personalidade individual e sensorial, mas ainda vinculada à cultura aristocrática; um segundo movimento, liderado por Adolf Loos, propôs um funcionalismo ético racionalista, com a casa sem adornos e a simplicidade estética das fachadas (em oposição ao desenho ornamental), além da modéstia do homem privado. Assim como Wagner, embora fosse partidário da racionalidade da vida moderna (sobretudo por ter morado nos Estados Unidos, familiarizando-se com as primeiras conquistas da Escola de Chicago), Loos afirmava que toda cultura apresentava certa continuidade com seu passado. Portanto, seria inaceitável para ele a idéia romântica de que mesmo um indivíduo muito talentoso pudesse transcender os limites históricos de sua própria época. 31 Finalmente, as críticas à Ringstrasse logo viriam à tona: considerando a concepção do seu traçado como essencialmente barroco, sem um ponto de destaque ou um foco principal, o cinturão edificado tornou-se uma área de isolamento social, onde as árvores alinhadas ao longo do Anel favoreceram ainda mais a supremacia da rua, reforçando o aspecto ilhado dos edifícios - projetados dentro de uma pluralidade de estilos arquitetônicos. 32 Entre outros aspectos, a ostentação dos majestosos edifícios públicos encobriu facilmente os grandes prédios residenciais, que ocupavam a maior parte da área e estavam distribuídos conforme os interesses econômicos e os valores culturais da elite vienense. Considerações finais Através das transformações culturais e políticas na Inglaterra e na Áustria durante o século XIX, foi possível observar como o ecletismo arquitetônico, ancorado num passado historicista, e uma nova estética urbana estiveram intimamente ligados às reivindicações sociais, à legitimação do 31 FRAMPTON, Kenneth. Op. Cit., p Como a inspiração grega no edifício do Parlamento, de Hansen; gótica, na Rathaus, de Schmidt; renascentista na Universidade, de Ferstel; e barroca no Burgtheater, de Gottfried Semper. 8

9 poder de classes e, principalmente, às inquietações trazidas pelo desejo de modernidade, dentro de um panorama que ainda privilegiava os valores da tradição artística. Enquanto a Inglaterra representava o desejo de progresso estruturado na produção industrial, valorizando as virtudes morais e as inovações alcançadas pelas técnicas de engenharia, apesar das manifestações contrárias que buscavam justamente reavivar a produção artesanal e a glorificação da arte medieval através do estilo neogótico; em Viena, a produção urbanística e arquitetônica se dividiu entre os adeptos da praticidade moderna evidente no posicionamento de Wagner e Loos, e aqueles que se utilizaram do valor dos estilos históricos como forma de dar status à burguesia e legitimar o poder monárquico, identificado na concepção da Ringstrasse. No panorama inglês, vale ressaltar que o desprezo estético de Ruskin pela produção industrial e as preocupações sociais de Morris impossibilitavam-lhes de apreciar as características positivas dos novos materiais. Recalcados pela perda do prazer no trabalho artesanal, eram capazes de enxergar apenas o que a Revolução Industrial conseguiu destruir, embora Morris tenha percebido algumas vantagens na produção em série. Por outro lado, os engenheiros estavam demasiadamente ocupados com suas emocionantes descobertas, como novas soluções estruturais e de infra-estrutura urbana, tornando-os incapazes de perceber as disputas e os problemas sociais. Com isso, engenharia e arquitetura não puderam unir forças até o final do século XIX, enfrentando desafios completamente diferentes. Com os desdobramentos da Art Nouveau e da Art Déco, nas primeiras décadas do século XX, é que estes dois campos de atuação - juntamente com as vanguardas artísticas chegarão a uma nova síntese que resultará no Movimento Moderno. Embora a inspiração do movimento Arts & Crafts estivesse presente na Secessão Vienense, o revivalismo gótico, o valor do trabalho artesanal e o impulso reformista social não foram ideais compartilhados pelos artistas austríacos. Schorske sintetiza: não estavam alienados de sua sociedade como suas almas irmãs na França, nem se engajavam nela, como na Inglaterra. Eles careciam do amargo espírito antiburguês dos franceses e do caloroso impulso melhorista dos ingleses (...) Dessa forma, o jardim da beleza da jovem Áustria [estava] estranhamente suspenso entre a realidade e a utopia. 33 Sob o aspecto moral, tanto a alta burguesia vienense como as classes médias vitorianas caracterizavam-se pela convicção, a virtuosidade, a repressão e, no âmbito político, importavam-se com o império da lei. Ambas as culturas estavam em sintonia com a valorização do progresso social através da ciência, da educação e do trabalho diário. No entanto, dois fatores distinguiram a burguesia austríaca da inglesa e francesa: a elite vienense não destruiu, mas também não se fundiu com a aristocracia mantendo, inclusive, uma 33 SCHORSKE, Carl. Viena fin-de-siècle...,p

10 profunda lealdade ao imperador como um protetor paterno distante, mas indispensável. Somado a isso, cultura, arte e religiosidade se entrelaçavam também no âmbito da produção arquitetônica: profundamente católica, era uma cultura plástica, sensual (...) A cultura austríaca tradicional, ao contrário da alemã, não era moral, filosófica ou científica, mas basicamente estética. Suas maiores realizações estavam nas artes aplicadas e de espetáculo: arquitetura, teatro e música. 34 Como descreve Schorske, Camillo Sitte considerava que a fria cidade moderna de régua e cálculo e dos bairros miseráveis, dominada pelo tráfego, a praça pinturesca psicologicamente reconfortante, pode redespertar memórias do passado do burgo desaparecido. 35 Essa idéia, apesar de estar vinculada à herança artística de um passado já ausente, também não poderia ser considerada uma mera nostalgia romântica. Diferentemente da Inglaterra, onde Ruskin e Morris procuravam reavivar a importância do trabalho artesanal em plena Revolução Industrial, na Áustria, o panorama social referente ao final do século XVIII ainda estava totalmente presente em meados do século XIX.Portanto, se a questão primordial para Sitte era a preservação de uma sociedade artesanal que, de fato, ainda estava viva, mas mortalmente ameaçada, por outro lado, sob os aspectos da funcionalidade de projeto, com a separação entre estrutura e estilo, os materiais passaram a determinar o desenho e a forma dos edifícios, embora às vezes tivessem uma função ornamental, apresentando-se como uma pele, um revestimento estético que deveria simbolizar a elegância e a glorificação da vida moderna. Mesmo assim, a simplificação geométrica, o uso do concreto e de materiais leves (geralmente trabalhados em ferro), a modulação das esquadrias e o rigor espacial marcaram não apenas uma nova tecnologia, mas uma concepção artística original adotada por Otto Wagner. Destituída da natureza romântica preconizada por Sitte, com seus espaços contidos e a valorização das praças, privilegiou-se a primazia da rua e a movimentação urbana - sedimentada no homem burguês com pouco tempo, muito dinheiro e gosto pelo monumental. Como aspecto em comum, podemos destacar que ambos buscavam expressar a monumentalidade urbana da nova Viena, que poderia ser alcançada através de uma beleza historicista ou da arte funcional e utilitária da vida moderna. Enfim, Adolf Loos, ao ser questionado se haveria alguma civilização na virada do século XX que adotasse o sentido prático e belo da cultura grega, afirma: os ingleses e os engenheiros são nossos gregos. É deles que adquirimos nossa cultura; deles, ela se espalha pelo globo todo Id. ibid., p Id., Viena fin-de-siècle..., p Id., Pensando com a História..., p

11 Iconografia 1. Augustus Welby Pugin comparação de uma cidade católica em 1440 (abaixo) e como estaria a mesma cidade em Extraído de Contrasts. Fonte: SCHORSKE, Carl E. Pensando com a História: indagações na passagem para o Modernismo. São Paulo: Companhia das Letras, p John Ruskin Estudo comparativo de arcadas e janelas ogivais das catedrais de Caen, Bayeux, Rouen e Beauvais. Londres, Fonte: SCHÜTZE, Petra L.(org.) Teoria da Arquitectura: do Renascimento aos nossos dias. Köln: Taschen, p.465 1

12 3. Camillo Sitte - projeto de praça em frente à Votivkirch, seguida de trecho da Ringstrasse, em Viena. À esquerda, uma praça fechada, em forma de átrio e rodeada por arcadas, representando um acesso monumental. À direita, implantação dos edifícios monumentais: Universidade, Parlamento, Câmara Municipal e o Burgtheater. Fonte: SCHÜTZE, Petra L.(org.) Teoria da Arquitectura: do Renascimento aos nossos dias. Köln: Taschen, p Vista da Ringstrasse, marcada pela imponência do Parlamento, a Prefeitura, a Universidade e o Teatro Municipal. Fonte: SCHORSKE, Carl E. Pensando com a História: indagações na passagem para o Modernismo. São Paulo: Companhia das Letras, p.138 1

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre 8º Ano Artes 2º bimestre BARROCO A arte barroca desenvolveu-se no século XVII, num período muito importante da história da civilização ocidental, pois nele ocorreram mudança que deram nova feição à Europa

Leia mais

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura A arquitectura neoclássica De acordo com os ideais iluministas, os arquitectos neoclássicos responderam às necessidades do seu tempo com originalidade e engenho,

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

FLORENÇA. Data do Sec. I a. C.

FLORENÇA. Data do Sec. I a. C. FLORENÇA Data do Sec. I a. C. Cópia do Sec. XIX Pianta della Catena A cidade nasce da política, da observação do que existe, dos levantamentos feitos e da meditação na realidade a cidade não nasce, vai-se

Leia mais

Engenharia e Arquitetura no século XIX

Engenharia e Arquitetura no século XIX AUH0154 História e Teorias da Arquitetura III Engenharia e Arquitetura no século XIX Camilla Bernal P. L. Mendes - 6817461 Fernanda Adams Domingos - 6816870 Fernanda Nogueira Ribeiro - 6816932 Guilherme

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU

ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU TH3 Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo III ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Art Nouveau/ Secessão de Viena

Art Nouveau/ Secessão de Viena 1760 Revolução Francesa 1789 Revolução Industrial 1819 Rainha Vitória 1840 1901 1874 Arts and Crafts 1880 1890 Primeira Guerra Mundial 1914 1918 1924 Art Déco Impressionismo 1925 Art Nouveau/ Secessão

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Movimento das Artes e Ofícios Movimento nascido na Inglaterra, na segunda metade do século XIX; Conhecido como Movimento

Leia mais

AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA

AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA O novo modelo de projeção estabelecido no início do século XV se aplica teoricamente a todo gênero de objetos, desde os artefatos menores à cidade e ao território. Mas

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

Entre o século XI e o início do século XIV houve a retomada do crescimento demográfico na Europa Ocidental. Os dados permitem uma visão mais clara

Entre o século XI e o início do século XIV houve a retomada do crescimento demográfico na Europa Ocidental. Os dados permitem uma visão mais clara ARQUITETURA GÓTICA O período conhecido por Baixa Idade Média, que se estendeu dos séculos X ao XV, foi marcado por profundas transformações na sociedade, as quais conduziram à superação das estruturas

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA Ano Letivo 2014/2015 I - AVALIAÇÃO: Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora 1. Domínios de avaliação, parâmetros e ponderações I Domínio dos Conhecimentos

Leia mais

O MODERNISMO - ARQUITECTURA

O MODERNISMO - ARQUITECTURA O MODERNISMO - ARQUITECTURA ARTE VS TÉCNICA TRADIÇÃO VS MODERNIDADE ACADEMISMO VS FUNCIONALISMO FORMA VS FUNÇÃO BELO VS ÚTIL PAPEL DO ARQUITECTO NA SOCIEDADE O MODERNISMO - ARQUITECTURA ESCOLAS DE BELAS-ARTES

Leia mais

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSORA: ELOANE CANTUÁRIA TURMAS: 1ARQV-1 e 1ARQN-1 UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 MACAPÁ-AP MARÇO/2006

Leia mais

CAPÍTULO 03 ARQUITETURA GÓTICA

CAPÍTULO 03 ARQUITETURA GÓTICA CAPÍTULO 03 72 ARQUITETURA GÓTICA 73 3.1. CONTEXTO HISTÓRICO-CULTURAL Trata-se de uma fase da história da arte ocidental, identificável por características muito próprias no contexto social, político e

Leia mais

Uso ou mistura de estilos do passado ocorrido na 2ª metade do séc. XIX

Uso ou mistura de estilos do passado ocorrido na 2ª metade do séc. XIX INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA IEI DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Arquitetura e Urbanismo EDI - 64 Série 1º e 2º Ano Carga Horária Semanal: 02 Teoria / 01 laboratório

Leia mais

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média Natal, RN / /2014 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 7º D V DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - III 1º trimestre TATIANE A arte da Europa Ocidental no início

Leia mais

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo 2º ano - ENSINO MÉDIO Aula dia 20/02/15 Neoclassicismo, Romantismo e Realismo Professora Alba Fim do século XVIII e início do século XIX. Período complexo e inquietante de profundas mudanças. A Revolução

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações Cronologia 1. Pré-História Arquitetura neolítica 2. Antigüidade Arquitetura egípcia Arquitetura

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

A Revolução Industrial

A Revolução Industrial textos de José Manuel Russo A Revolução Industrial A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Introdução Embora o século XIX seja conhecido como o da Revolução Industrial, as suas origens centram-se nas transformações assistidas

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944)

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) Lúcio Costa e Oscar Niemeyer TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA IV Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura Profa. Isabela Ferrante 1. Arquitetura Moderna Brasileira

Leia mais

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 155 A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO Korina Costa Arquiteta e Urbanista, Especialista em Docência do Ensino

Leia mais

Sociologia. 1ª série SOCIOLOGIA NO BRASIL DANILO ARNALDO BRISKIEVICZ

Sociologia. 1ª série SOCIOLOGIA NO BRASIL DANILO ARNALDO BRISKIEVICZ Sociologia 1ª série SOCIOLOGIA NO BRASIL DANILO ARNALDO BRISKIEVICZ INTRODUÇÃO O desenvolvimento do pensamento sociológico no Brasil obedeceu às condições de desenvolvimento do capitalismo e da inserção

Leia mais

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra)

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Apresentamos um conjunto de 8 PowerPoint que abordam todos os conteúdos programáticos e das Metas Curriculares do 8.º ano. Estes obedecem

Leia mais

Nome: nº. Data: / / Trabalho de recuperação 1º EM Arte Prof. Denise ARTE GREGA. QUESTÃO 01 Sobre a arte feita na Grécia antiga marque a alternativa

Nome: nº. Data: / / Trabalho de recuperação 1º EM Arte Prof. Denise ARTE GREGA. QUESTÃO 01 Sobre a arte feita na Grécia antiga marque a alternativa 1 Nome: nº Data: / / Trabalho de recuperação 1º EM Arte Prof. Denise ARTE GREGA QUESTÃO 01 Sobre a arte feita na Grécia antiga marque a alternativa correta: a- ( ) Os gregos não produziram pinturas. b-

Leia mais

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes,

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes, Arte românica é o nome dado ao estilo artístico vigente na Europa entre os séculos XI e XIII. O estilo é visto principalmente nas igrejas católicas construídas após a expansão do cristianismo pela Europa

Leia mais

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE Aninha Duarte 2004 CRÍTICA Arte ou faculdade de examinar e/ou julgar as obras do espírito, em particular as de caráter literário ou artístico. Apreciação minuciosa. (AURÉLIO,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

A face popular da arquitetura do espetáculo

A face popular da arquitetura do espetáculo A face popular da arquitetura do espetáculo O Ecletismo como símbolo de transformações sociais no Cabo de Santo Agostinho/PE (1900-1935) John Kennedy Ferreira da Luz A face popular da arquitetura do espetáculo

Leia mais

ARQUITETURA PRÉ-MODERNISTA: ADOLF LOOS E A RACIONALIDADE DA FORMA

ARQUITETURA PRÉ-MODERNISTA: ADOLF LOOS E A RACIONALIDADE DA FORMA 257 ARQUITETURA PRÉ-MODERNISTA: ADOLF LOOS E A RACIONALIDADE DA FORMA Liza da Fonseca Jeronymo¹, Francinne Xavier dos Santos¹, Mariana Malheiro Negrão Bandeira¹, Mariele Silva Ferragini¹, Valquíria Patricia

Leia mais

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica e Gótica 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica O estilo românico germinou, desde o final do século X até XIII. Sua denominação foi dada por arqueólogos do século XIX, quando

Leia mais

Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX

Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves História da Arquitetura 2008 O Concurso O Grand Palais começou a ser construído em 1897 para abrigar a Exposição Universal de 1900, envolvendo um complexo processo

Leia mais

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Neoclassicismo e o Romantismo Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações

Leia mais

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti Palácio de Versailles Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti O Palácio de Versalhes (em francês Château de Versailles) é um château real localizado na cidade de Versalhes, uma aldeia

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique Atividade extra Vivendo a vida do seu jeito Questão 1 A agricultura para consumo era, no feudalismo, a atividade principal. O comércio, muito reduzido. As terras não tinham valor de troca, de mercado,

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

Barroco Local / Espaço, Versalhes

Barroco Local / Espaço, Versalhes Barroco Local / Espaço, Versalhes O local Os palcos: a corte, a igreja, a academia O palco no reinado de Luís XIV Os palcos : a Corte, a Igreja e a Academia. A morada do rei - A Corte - tornou-se por isso

Leia mais

A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período.

A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período. A Arquitetura Brasileira do século XIX A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período. Prof. Dr. Carlos Augusto Mattei Faggin Denis de Souza e

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO EDITAL Nº 16/2014 O Instituto Camillo Filho torna público que estará recebendo, no período de 15 a 22/12/2014, inscrição de candidatos para admissão no cargo de Professor, para as disciplinas e conforme

Leia mais

MUSEU DO LOUVRE. REVISTA LOUVRE Museus de Arte

MUSEU DO LOUVRE. REVISTA LOUVRE Museus de Arte REVISTALOUVRE MuseusdeArte MUSEU DO LOUVRE O"Castelo do Louvre" foi fundado pelo rei Filipe II em 1190, como uma fortaleza para defender Paris a oeste contra os ataques dos Vikings. No século XIV, o rei

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

ARTE PALEOCRISTÃ PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS. Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica - ESPIRITUALIDADE

ARTE PALEOCRISTÃ PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS. Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica - ESPIRITUALIDADE Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica ARTE PALEOCRISTÃ ARTE PALEOCRISTÃ Também chamada de Arte das Catacumbas, desenvolveu-se dentro do Império Romano, quando surgiram os primeiros núcleos cristãos.

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Alexandre Chan - arquiteto e urbanista A Cidade e a Circulação Trinta e oito anos depois de sua inauguração, Brasília ultrapassou todas as expectativas para seu desenvolvimento.

Leia mais

ARTE GÓTICA. História da Arte Profª Denise Dalle Vedove

ARTE GÓTICA. História da Arte Profª Denise Dalle Vedove ARTE GÓTICA História da Arte Profª Denise Dalle Vedove Introdução A Idade Média foi um dos períodos mais longos da história : durou cerca de dez séculos.iniciouse no ano 476, com a ocupação de Roma pelos

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PINHEIRO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PINHEIRO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PINHEIRO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - HISTÓRIA 8º Ano Turma A ANO LECTIVO 2011/2012 Disciplina 1º Período Nº de aulas previstas 38

Leia mais

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015 Arte Romana 1º Ano Artes Professor Juventino 2015 Arte Romana A soberania do Império Romano, sem paralelos na história, estendia-se da Espanha ao sul da Rússia, da Inglaterra ao Egito e em seu apogeu absorveu

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

O DIREITO À CIDADE APRISIONADO EM CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES: A ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

O DIREITO À CIDADE APRISIONADO EM CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES: A ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA O DIREITO À CIDADE APRISIONADO EM CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES: A ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA RESUMO: O Direito apresenta-se para a sociedade, a partir de

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX HISTÓRIA DA ARTE II Século XIX O Neoclassicismo na Europa Contexto Histórico - Século XVIII: Idade das Luzes - Descoberta de Herculano (1713) e Pompéia (1748) - Na Europa: guerras (esgotamento das riquezas)

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

História Ilustrada da Arte volume 1. Marcos Faber www.historialivre.com

História Ilustrada da Arte volume 1. Marcos Faber www.historialivre.com História Ilustrada da Arte volume 1 Marcos Faber www.historialivre.com O Renascimento foi um movimento intelectual e cultural que iniciou na Itália, por volta do século XIV, como resultado das relações

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA IDADE ANTIGA CULTURA GRECO-ROMANA ANTROPOCÊNTRICA ANTROPO = Homem CÊNTRICA = centro

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular HISTÓRIA

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

Habilidades Específicas - Arquitetura

Habilidades Específicas - Arquitetura Habilidades Específicas - Arquitetura 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da Unicamp prepara o profissional arquiteto para compreender e projetar soluções viáveis e criativas para as necessidades

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920)

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) A MAX WEBER Vida e Obra de Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) Erfurt/Alemanha (Contexto) 1830: Alemanha - país mais atrasado da Europa Origem burguesa, origem protestante e religiosa, família de comerciantes

Leia mais

IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA

IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA A partir do século XII, após as cruzadas, tem início na Europa uma economia fundamentada no comércio. Isso faz com que o centro da vida social se desloque do campo para a cidade

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 02406 Projeto A 068 FAU Projeto B 136 76074

Leia mais

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das necessidades por um consumo de imagens e valores agora

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica

SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica Prof. Marco Pádua O período conhecido como pré-história, ou seja, sem registro dos acontecimentos, situa-se a partir de 8.000 a.c. Chamado de Neolítico

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais