A transformação sensível, neblina sobre trilhos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A transformação sensível, neblina sobre trilhos"

Transcrição

1 Anexo - II PROEXT MEC/CULTURA 2008 ANEXO II Ficha de Identificação Área Temática: Produção de conteúdo audiovisual e linguagens alternativas PROJETO DOCUMENTÁRIO: Transformação sensível: Neblina sobre os trilhos. INSTITUIÇÃO PROPONENTE: Centro Universitário Fundação Santo André Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. (Escola Pública Municipal, criada por Lei Municipal Nº1.840 de 19/06/1962). REITOR Prof. Dr. Oduvaldo Cacalano PRÓ-REITOR DE EXTENSÃO: Profª. Dra. Márcia Zorello Laporta COORDENADOR (nome, telefone, ): Prof. Me. Odair de Sá Garcia Telefone: Profa. Dra. Terezinha Ferrari Telefone: TÍTULO DOCUMENTÁRIO: A transformação sensível, neblina sobre trilhos SANTO ANDRÉ, NOVEMBRO,

2 RESUMO: O filme documentário intitulado A transformação sensível: neblina sobre os trilhos busca através do resgate da implantação e desenvolvimento da São Paulo Railway, a primeira via férrea construída no estado de São Paulo, mostrar a trajetória de luta dos ferroviários desde a construção da ferrovia, passando por todo o século XX colocando em contraste com a situação atual desta importante categoria profissional. Mostraremos o processo histórico de mudança em que todo o cenário da região foi se transformando sensivelmente com a presença da via férrea e como se encontram hoje as estações e cidades que surgiram e ainda hoje permanecem sob influência desta construção ocorrida no século XIX e os impactos desta influência para as comunidades da região. Coordenador Profa. Dra. Terezinha Ferrari 10 de Novembro de Coordenador Prof. Me. Odair de Sá Garcia 10 de Novembro de Profa. Dra. Márcia Laporta Pró-Reitor de Extensão 10 de Novembro de Centro Universitário Fundação Santo André Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Av. Príncipe de Gales, Bairro Príncipe de Gales - Santo André SP - CEP Telefone: (11)

3 PROEXT MEC/CULTURA 2008 Proposta Extensão ref. Edital 01/2008 de 24/09/2008 Área temática: Produção de conteúdo audiovisual e linguagens alternativas PROJETO: DOCUMENTÁRIO HISTÓRIA SOBRE TRILHOS Transformação sensível: Neblina sobre os trilhos. INSTITUIÇÃO PROPONENTE: Centro Universitário Fundação Santo André Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. (Escola pública municipal, criada por Lei Municipal Nº1.840 de 19/06/1962) ANEXO III EQUIPE TÍTULO: A transformação sensível, neblina sobre os trilhos COORDENADORES: Profa. Dra. Terezinha Ferrari Prof. Me. Odair de Sá Garcia NOME UNIDADE CATEGORIA PROFISSIONAL FUNÇÃO NO PROJETO 1.Caroline Antunes Martins FAFIL Graduanda em História Produtor de Base Alamino 2.Demócrito Mangueira Nitão FAFIL Graduando em História Diretor de Produção Júnior 3.Fábio Luiz Cardozo FAFIL Graduando em História Produção 4.Fernando Pereira da Silva FAFIL Graduando em História Coordenador de Produção 5..Marina Rosmaninho FAFIL Bacharel e licenciada em Ciências Sociais-2007 Pré-Produção e Produtor de Locação 6.Michel Anderson Breve FAFIL Graduando em Geografia Produtor Elenco 7.Sebastiana da Silva Fontes FAFIL Bacharel e licenciada em Produtor Executivo Ciências Sociais Soraia Oliveira Costa FAFIL Bacharel e licenciada em Ciências Sociais-2007 Pré Produção e Direção 3

4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 1. APRESENTAÇÃO: Este projeto de extensão, cuja produção será apresentada ao público o documentário intitulado A transformação sensível, neblina sobre os trilhos possui como foco principal documentar através de imagens a capacidade do gênero humano, em função de sua atividade prática, de transformar a sociedade em que vive. O dinamismo das relações sociais devido à ação humana em conjunto determina as mutações ocorridas em todo contexto histórico, mas se torna necessário mostrar também que, na sociedade atual esta capacidade estrita do ser humano se encontra submissa ao jugo do capital. Por isso através do cotidiano nos deparamos com uma sociedade em que os valores e tradições são inseridos como perenes os que nos remete a concluir que definitivamente nos relacionamos num mundo estático, em que as mudanças se encontram na jurisdição de algo maior e, principalmente, externo ao conjunto dos homens. O trabalho de pesquisa e documentário decorrente dele procura, através do resgate da implantação e desenvolvimento da São Paulo Railway, a primeira via férrea do estado de São Paulo, mostrar a trajetória de luta dos ferroviários e colocar em contraste com a situação presente desta categoria; como todo cenário da região foi se transformando com a presença da via férrea e como se encontram hoje as principais estações e cidades que surgiram e ainda hoje permanecem sob influência desta construção ocorrida no século XIX. 1.1 Contexto histórico Para contextualizar a construção, implantação e desenvolvimento da estrada de ferro São Paulo Railway é necessário explicitar de forma sucinta a expansão da monocultura cafeeira no Brasil, insumo crucial para a introdução deste meio de circulação de mercadorias devido ao interesse ascendente de procura do mercado consumidor. Com a corte instalada no Rio de Janeiro e a abertura dos Portos em 28 de janeiro de 1808 proporcionou a viabilização do aumento no volume de demanda, o que resulta na alta do preço do café, período em que os EUA passam a ser o principal importador deste produto. O cultivo que até o momento era concentrado no Rio de Janeiro se amplia para o Vale do Paraíba, localizado ao norte de São Paulo, e através do caminho 4

5 da serra continua a expandir-se também para zona oeste, regiões interioranas. Porém as condições de transporte eram muito precárias para o escoamento do café. Anterior ao transporte ferroviário a circulação das mercadorias eram realizadas por tropas de muares, o que determinou a parada pouso da tropa de lágrimas, compreendida na atual cidade de São Caetano, e parada dos meninos, compreendida na atual cidade de SBC ao longo do percurso do interior até o porto de Santos. Com o trajeto extremamente rudimentar o tempo de viagem era muito longo e desgastante e por isso tornou-se necessário o cultivo de insumos agrícolas e matérias-primas para consumo imediato devido a necessidade de subsidiar os tropeiros, categoria que realizava constantemente o percurso, e também a população paulistana, principalmente a elite. Este último fator caracteriza, a partir deste momento histórico a região de SCS e SBC como subúrbio rural da província de SP e um grande desenvolvimento do comércio nas proximidades do trajeto. Nos fins do século XIX o volume de demanda do café chegou a um patamar que mesmo com diversas dificuldades a utilização do percurso chegou a colocar em risco a Mata Atlântica ao atender as necessidades mercantis vigentes neste período. É neste panorama que a economia brasileira passa a concentrar e se basear estritamente na monocultura cafeeira, processo que se difere de toda lógica de acumulação de capital ao ter como base de sua produção a mão-de-obra escravista. Apesar do trabalho não ser remunerado, os escravos eram submetidos a uma organização de trabalho pautada pelo relógio, fator que demonstra a subordinação já existente de acumulação primitiva do capital. Portanto, apesar da diferença existente na base de mão-de-obra o Brasil também seguia os moldes de produção submissos aos novos interesses e necessidades voltados à ampliação do capital. No entanto, com o trabalho escravo a Inglaterra se deparou com uma grande problemática, pois neste padrão, em que o escravo não consome por não possuir poder de compra, diminuiu drasticamente a potencialidade do Brasil como um mercado consumidor, o que não era interessante para os ingleses que tinham como foco escoar o máximo de suas mercadorias. Com a abolição efetiva do trabalho escravo através das lutas contra a intransigência dos proprietários de terra através da lei de Maio de 1888 proporcionou de fato a resolução da problemática inglesa em relação ao mercado consumidor brasileiro, fator que podemos constatar pelo grande interesse inglês em investir e aperfeiçoar o sistema ferroviário do país e, consequentemente, potencializar o processo de circulação das mercadorias inglesas e a exportação não apenas do café, mas também de 5

6 extrativismos vegetal e mineral, fontes de energia e matérias-primas principalmente voltadas para a construção civil, provenientes da Mata Atlântica, através do porto de Santos O processo de viabilização da S.P.R. Através desta análise podemos afirmar que a concessão da malha ferroviária em 1854 com o intuito de realizar a interligação do oeste de São Paulo ao porto de Santos foi determinada primeiramente com o intuito de escoar mercadorias para o porto de Santos de forma mais eficaz e foi o cenário propício à efetivação do país como um mercado consumidor em potencial. Apesar de ser concedido aval para a construção da ferrovia o projeto não possuía recursos financeiros, pois o Governo Imperial não forneceu verba alguma devido a desavenças com o mais interessado em retomar o projeto já antes idealizado por volta de 1830, Irineu Evangelista de Souza ( ), o Barão de Mauá, pois procurou através da ferrovia inserir o Brasil no processo de industrialização mundial. Este choque de interesses se deu porque a economia do país era baseada estritamente na monocultura cafeeira e por isso não era interessante ao Governo Imperial viabilizar de forma concreta a possibilidade de iniciar este processo, diferente dos interesses do Barão que ao presenciar na Inglaterra o contato direto com as mudanças proporcionadas pela industrialização considerava sua iniciativa e objetivos como progressista. Com a ausência de fomento e mão-de-obra especializada para a construção da ferrovia que Barão de Mauá recorreu ao engenheiro inglês especializado em construções ferroviárias James Bronlles para analisar e avaliar a viabilidade da construção. Com o grande interesse de efetivar o Brasil como um de seus mercados consumidores e escoar suas mercadorias de forma mais eficaz o que de fato se insere no monopólio da Inglaterra diante da primeira ferrovia paulista, ao ser na íntegra construída através de investimentos provenientes de bancos ingleses A construção e sistemas de funcionamento da S.P.R. A construção da estrada de ferro São Paulo Railway, com a extensão de 246 km até 1930, foi liderada pelo engenheiro inglês Daniel Makinson Fox, este que desenvolveu o primeiro sistema funicular devido à dificuldade de atravessar planalto paulistano, localizado na baixada Santista, ser extremamente íngreme, com 796 metros de altitude. Para viabilizar este sistema era 6

7 necessária uma máquina a vapor fixada que por meio de cabos de aço tracionavam em quatro rotas as composições e em 15 de maio de 1860 foi realizado um projeto de acampamento para os trabalhadores do sistema ferroviário provisório até o término das obras apenas para executar sua construção. Este trecho denominado Primeiro Sistema Funicular Serra Velha foi finalizado em 1864 e no dia de sua inauguração em 16 de fevereiro de 1867 foi constatada a precisão de manter os trabalhadores fixados próximos da malha ferroviária, pois este carecia de manutenção ininterrupta e a partir disso que alguns trabalhadores foram recrutados a residir efetivamente no que seria inicialmente uma moradia provisória. O período de 1860 a 1899 é compreendido como Serra Velha. Devido à expansão da economia cafeeira e dos interesses de atender o mercado agroexportador a estrada de ferro foi um meio fundamental para a circulação de mercadorias, este sistema de transporte articulou o porto de Santos, a província de São Paulo e a cidade de Jundiaí, sua introdução impulsionou o desenvolvimento do comércio e da produção agrícola no interior paulista. Com isso, foi inaugurado Segundo Sistema Funicular Serra Nova em 1900, entregue ao público em 28 de dezembro 1901, voltado para tracionar as composições nas subidas e descidas entre Raiz da Serra (Piaçangueira) e para o Alto da Serra. O segundo sistema exigia o desmembramento dos conjuntos de vagões, estes que eram conduzidos por cerca de 10 km pela locomotiva Locobreque que, no caso de uma precisão a locomotiva era presa a um cabo de tração no centro dos trilhos, o que impedia alguma eventual falha, pois possuía a capacidade de rebocar o vagão, equilibrar e também evitar sua queda. O sistema era composto por cinco rampas separadas a uma distância de 2 km e uma máquina a vapor fixa em cada uma delas. A S.P.R. operou até expirar o prazo da concessão em 13 de outubro de 1946 e ser de posse da Estrada de Ferro Santos Jundiaí Por trás da neblina: o passado e o presente em confronto Torna-se imprescindível a abordagem sobre a Vila Paranapiacaba por sua construção estar intrinsecamente vinculada a uma necessidade que não foi constatada anteriormente para manter a ferrovia em funcionamento. Ao confrontar a história da Vila com sua situação atual o intuito é demonstrar o quanto nebuloso está o motivo para sua decadência ao ser atualmente voltada para fins turísticos sem visar à preservação do patrimônio histórico para beneficio da comunidade 7

8 como, por exemplo, a situação que se encontra a desativada estação de Campo Grande, a falta de subsídios para melhorias voltadas aos moradores deste local, inclusive os que já trabalharam na ferrovia. Ao documentar a história dos ferroviários, os protagonistas do funcionamento deste sistema de transporte, pretendemos mostrar através de entrevistas o que de fato a própria categoria e seus descendentes conhecem sobre todo o processo de viabilização, implantação, desenvolvimento e decadência da ferrovia, quais foram os fatores que promoveram a diferenciação de importância que exerce a S.P.R. e a categoria ferroviária na atualidade. Colocaremos em confronto passado e presente, documentaremos o resultado deste embate para demonstrar como mudanças na forma de organização do trabalho ou a maneira como produzimos e reproduzimos o nosso cotidiano, refletem na economia de uma cidade, na paisagem de um trajeto da ferrovia, e como estas mudanças estão ligadas ao condicionamento da ação prática humana em suprir as novas necessidades para a produção e reprodução do sistema de organização atual. 2. JUSTIFICATIVA: É através deste contraste de cenário entre passado e presente que abordaremos como a sociedade é dinâmica, que o ser humano, a todo o momento, transforma através de sua ação tudo ao seu redor, promove mudanças que no cotidiano nos parece lentas, mas que podemos perceber em um trajeto de uma via férrea, demonstrar como todo cenário mudou dos grandes trens de carga para o cenário decadente das indústrias abandonadas em torno dos trilhos, abordar o dinamismo das mudanças na organização de trabalho que promovem mudanças no cenário econômico e geográfico das cidades em que a São Paulo Railway passou, como a forma como produzimos e reproduzimos o cotidiano transforma o cenário e importância de cidades, lutas e memórias, através dos trilhos da São Paulo Railway. 3. OBJETIVOS: Promover um resgate histórico da São Paulo Railway, o que inclui a Vila ferroviária de Paranapiacaba e, também, procurar relatar sobre a história dos ferroviários como as transformações ocorridas em torno do trajeto dos trilhos, influenciou para a condição dos trabalhadores nos dias atuais, qual rumo tomou seus descendentes e como se encontra hoje a 8

9 preservação da memória histórica e a importância deste resgate, tanto da situação dos ferroviários, como da própria ferrovia antiga São Paulo Railway e algumas das principais estações que ainda guardam esta memória, mas em um cenário totalmente distinto, que ao mesmo tempo em que resguardam o passado, demonstram através do novo cenário dos trilhos o momento presente. O objetivo central do documentário é expor através da construção e desenvolvimento da São Paulo Railway o dinamismo da sociedade, mostrar as mudanças geográficas e econômicas que ocorreram nas cidades em que o caminho de ferro percorreu, e desta forma mostrar que, assim como a atividade humana é objetiva, sensível, podemos expor através de imagens estas transformações ao confrontar presente e passado, mostrar como a vila de Paranapiacaba, por exemplo, resguarda o passado e ao mesmo tempo nos mostra de forma real as conseqüências das novas necessidades e interesses da organização societária vigente. Além disso, podemos através do trajeto do início da ferrovia até os dias atuais, ou seja, percorrer o caminho dos trilhos desde sua construção até o surgimento de novos caminhos de ferro e estações, explicar como a forma da organização do trabalho nos mostra de forma objetiva a transformação de todo o cenário das cidades, confrontar o caminho antigo do trem com as carcaças de indústrias e armazéns encontrados hoje no trajeto, fator que possui vínculo com o processo de desmantelamento do complexo industrial nas cidades de Santo André, no bairro de Utinga e proximidades, na cidade de São Caetano do Sul e etc., além da prioridade do transporte rodoviário pelo ferroviário para o escoamento de mercadorias. Este último fator nos remete a refletir sobre a importância que possui a primeira via ferroviária paulista e responder se esta história foi ou não preservada através do acesso e conhecimento que os filhos dos ferroviários possuem sobre ela na atualidade. Através desta reflexão se torna necessário explicar como estes grandes protagonistas do surgimento e manutenção do caminho de ferro (ferroviários), a cidade berço de sua construção (Paranapiacaba) e o sistema ferroviário neste trajeto específico (São Paulo Railway//trajeto Santos-Jundiaí) estão em um mesmo processo de decadência. 9

10 4. METAS E RESULTADOS ESPERADOS: Atividade Resultado Meta EXPOSIÇÃO ITINERANTE E PERMANENTE Evento de Lançamento do Projeto 1.1. Visitantes tendo contato com a história da Ferrovia no estado de São Paulo. 1.2.Resgate da memória social realizado Comunidade reconhecendo e compreendendo a importância da preservação do patrimônio histórico e cultural 1.4. Canal de diálogo entre universidade e comunidade Interação entre universidadecomunidade 1.6. Estudantes desenvolvendo novos projetos de pesquisa e extensão Moradores da Vila de Paranapiacaba reconhecidos. 1.8 Patrimônio Histórico e Social preservado Memória Social dos moradores de Paranapiacaba preservada Antigos operários reconhecidos pela sociedade Reconhecimento das possibilidades históricas da ferrovia como meio de transporte alternativo de passageiros e de carga Reconhecimento do saber-fazer dos atuais trabalhadores ferroviários. Ações do projeto divulgadas na universidade e comunidade Estudantes interagindo com a comunidade local Indivíduos reconhecendo-se como agentes da história pessoas sensibilizadas com historia da ferrovia Resgatar o patrimônio social Projetos de engenharia dos transportes resgatando alternativas de transporte ferroviário Projetos de recuperação dos saberes locais Recuperação da memória de cada uma das estações que compõem o trajeto Santos- Brás Sensibilização dos meios de comunicação quanto ao valor do transporte ferroviário Projeto divulgado e comunidade envolvida 1.1. Promover o contato dos expectadores com a história da primeira estrada de ferro paulista; 1.2. Possibilitar o resgate da memória social da Vila de Paranapiacaba e dos ferroviários; 1.3. Reconhecer e compreender a importância da preservação patrimônio histórico e cultural; 10

11 1.4. Construção de canal de diálogo entre escolas públicas, universidade e comunidade; 1.5 Promover maior interação entre alunos, universidade e comunidade; 1.6 Memória Social dos moradores de Paranapiacaba; 1.7 Antigos operários reconhecidos pela sociedade. 1.8 Reconhecimento das possibilidades históricas da ferrovia como meio de transporte alternativo de passageiros e de carga. 1.9 Reconhecimento do saber-fazer dos atuais trabalhadores ferroviários 5. METODOLOGIA: Os dados serão coletados por meio de pesquisa bibliográfica em livros, revistas especializadas, monografias, teses e dissertações acadêmicas, além de sítios da internet, conforme referências bibliográficas deste projeto e outras mais que ainda serão catalogadas. Na pesquisa de campo, serão realizadas entrevistas semi-estruturadas junto aos moradores de Paranapiacaba, ex-ferroviários, além dos atuais trabalhadores nas estruturas ferroviárias remanescentes que deverão contribuir para a compreensão sensível das transformações históricas. 6. PÚBLICO-ALVO: Moradores e visitantes (durante o Festival de Inverno) da Vila de Paranapiacaba, principalmente os antigos operários da estação da ferrovia, estudantes das instituições de ensino superior de Santos, ABC e São Paulo e usuários das estações de trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos da linha Luz-Rio Grande da Serra. 7. NÚMERO DE PESSOAS BENEFICIADAS: 20 mil pessoas, entre usuários das estações de trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos-CPTM, da linha Luz-Rio Grande da Serra, estudantes universitários e do ensino médio e demais moradores da região em que se faz ou fez presente a ferrovia SPR. 11

12 8. MUNICÍPIOS BENEFICIADOS: Mauá Ribeirão Pires Rio Grande da Serra Santo André Santos São Caetano do Sul São Paulo 9. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO: 9.1. EVENTO E PERÍODO Atividade/Evento Evento de Lançamento do Projeto Exibição na Fundação Santo André Exibição no Porto de Santos Exibição na Estação da Luz Exibição na Estação Brás Exibição na Estação Prefeito Celso Daniel-Santo André Exibição na Estação São Caetano do Sul Exibição na Estação Mauá Exibição na Estação Rio Grande da Serra Exibição na Festival de Inverno de Paranapiacaba MÊS 01 MÊS 02 MÊS 03 MÊS 04 MÊS 05 MÊS 06 MÊS 07 MÊS 08 EVENTO: Exibições do documentário em escolas de ensino fundamental e médio dos municípios de Rio Grande da Serra, Mauá, Santo André, São Paulo e Santos, no Centro Universitário Fundação Santo André (C.U.F.S.A.) e Casa da C.U. F.S.A de pesquisa e extensão em Paranapiacaba PERÍODO E OBSERVAÇÕES No mês de fevereiro será realizado o pré-lançamento do documentário com a exibição de pequenos trechos de filmagens coletadas durante a sua execução com o intuito de promover o evento da exibição do documentário ao apresentar através de um conteúdo de 2 minutos de 12

13 imagens uma prévia do documentário na íntegra. Neste primeiro mês o foco principal será o de estruturar e finalizar o documentário, concomitantemente com a realização de eventos para a divulgação que será realizada através de folders, banners, cartazes e alguns trechos do conteúdo de filmagem. A exibição do documentário acontecerá em duas apresentações semanais, com a duração de exibição do documentário de 20 minutos, as sessões serão acompanhadas de monitores que ficarão responsáveis por fomentar um debate sobre o assunto abordado e/ou sanar eventuais dúvidas com intuito de abordar sobre o papel do ser humano na sociedade. O período de pré-lançamento e exibição do documentário ocorrerá no decorrer dos sete meses com início em fevereiro e seu término estipulado para julho de ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO Durante a execução do projeto de extensão a equipe realizará reuniões sistemáticas e periódicas para o planejamento e avaliação das atividades desenvolvidas para detectar as necessidades de possíveis correções, mudanças e/ou readequações com o intuito de atingir os resultados esperados. Uma equipe multidisciplinar composta por professores e estudantes realizará o acompanhamento e condução das ações propostas, além da elaboração dos relatórios para cada exibição realizada com o objetivo de apurar e avaliar se as metas foram alcançadas INDICADORES: Número de estudantes envolvidos em projetos de pesquisa e extensão; Número de solicitações de visitas à exibição; Número de cópias de vídeo documentário solicitadas; Grau de satisfação dos telespectadores; Avaliação da exibição do filme; Depoimentos dos presentes; Lista de presença; Número de visitas ao museu da ferrovia em São Paulo; Número de visitantes à vila de Paranapiacaba; 13

14 Abaixo-assinado do maior número de usuários pelo restabelecimento das linhas ferroviárias desativadas; Sítio do projeto de extensão; Número de solicitações de material SISTEMÁTICA: Durante a execução do projeto a equipe realizará reuniões sistemáticas de planejamento e avaliação das atividades desenvolvidas nas quais deverão ser identificadas possíveis necessidades de correções, mudanças e readequações a fim de atingir os resultados esperados. Uma equipe multidisciplinar composta de professores e estudantes acompanhará e conduzirá o planejamento e execução das ações e, também a elaboração dos relatórios das atividades realizadas INFRA-ESTRUTURA: As imagens serão captadas a partir de câmeras de vídeo e fotográficas. Posterior e durante o processo de realização e tratamento das imagens será divulgado o documentário através de banners e folders no Centro Universitário Fundação Santo André e estações de trem da linha Luz-Rio Grande da Serra também serão projetadas imagens de algumas das realizações do grupo. O documentário será exibido em sessões nas escolas do ensino publico próximas as principais estações no percurso estudado e na cidade de Santos. A proposta é de utilizar horários disponíveis nas escolas e ocupar uma sala durante 2 períodos letivos com a exposição de banners, folders, um projetor, cadeiras e 2 monitores do grupo. 14

15 11. PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA ITEM Valor Bens de capital R$ 2.200,00 CUSTEIO Material de Consumo R$ 1.500,00 Passagens e Deslocamento R$ 1.400,00 Diárias R$ 2.400,00 Outros Serviços de Terceiros Pessoa Física Outros Serviços de Terceiros Pessoa Jurídica R$ ,00 Total Investimento R$ ,00 15

16 REFERÊNCIAS: AB SABER, Aziz Nacib. Geógrafo da Universidade de São Paulo, na VIII Semana do Ferroviário, em setembro de acesso em 07 de novembro de AZEVEDO, F. Um trem corre para o Oeste. SP: Melhoramentos s/d BARAT, Josef. Transportes e industrialização no Brasil no período : o caso da industria siderúrgica.ed. Abril. São Paulo (org.) Logística e transporte no processo de globalização. Oportunidades para o Brasil. SP: UNESP/ IEEI, BRUIT, Hector. Acumulação Capitalista na América Latina. Brasiliense. Série Primeiros Vôos. São Paulo, CALDEIRA, Jorge. Mauá, Empresário do Império. São Paulo, Companhia das Letras, CALDERÓN, A.I. e CHAIA, V. (orgs.) Gestão Municipal: descentralização e participação popular. SP: Cortez, CALO, Fabrício. Ferrovias paulistas. Ed. Martins Fontes. São Paulo DANIEL, Celso. Uma estratégia econômica para o grande ABC. Dissertação de Mestrado. Fundação Getúlio Vargas. São Paulo FARIA, Alberto de. Mauá: Irineu Evangelista de Souza, barão e visconde de Mauá ( ). Rio de Janeiro: Paulo Pongetti & Cia., FERRARI, T. Fabricalização da cidade e ideologia da circulação. SP: Terceira Margem, FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. Ed. IMPRES. São Paulo, KARL, Marx e ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Editora Martins Fontes. São Paulo, KARL, Marx e ENGELS, Friedrich. Formações Econômicas Pré-Capitalistas. Eric Hobsbawm. 6ª edição. Editora Paz e Terra. KÜLL, Beatriz Mugayar. Arquitetura de Ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo: reflexões sobre sua preservação. Ateliê Editorial. Fapesp. Secretaria de Cultura. São Paulo LANGENBUCH, Juerguen R. A estruturação da grande São Paulo:estudo da geografia humana. Fundação IBGE. São Paulo LANN Ana Lucia Duarte. Ferrovias cidades e trabalhadores Ed. USP. São Paulo

17 LUZ, Luciano Ferreira. Os trilhos nas áreas urbanas: conflitos, deafios e oportunidades em dez cidades paulistas. Dissertação de Mestrado em Geografia.USP MARTINS, Margareth Guimarães. Caminhos Tortuosos: um painel em ter o Estado e as empresas ferroviárias brasileiras. Dissertação de Doutorado. USP. São Paulo MATOS, O. N. Café e ferrovias de São Paulo. SP: Ed. Alfa/Ômega, MOISÉS, J. A. e MARTINEZ-ALIER, V. A revolta dos suburbanos ou patrão, o trem atrasou In: Contradições urbanas e movimentos sociais. São Paulo: CEDEC/Paz e Terra, PALLAMIN, V. (org.) Cidade e cultura. SP: Estação Liberdade, PALMIRA, Petratti Teixeira. A Instituição da São Paulo Railway. Kid s produções. São Paulo RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do Poder. Ed. Atica. São Paulo RALPH, Mennucci Giesbrecht. Um dia o trem passou por aqui. Studio HI.Asão Paulo SAES, Flavio Azevedo Marques de. As ferrovias de São Paulo, Ed. Hucitec, São Paulo SCIFONI, S. O verde do ABC. Diário do Grande ABC, Santo André, 02 nov TOLEDO, V. V., BRANCATELLI, M. O., LOPES, H. A riqueza nos trilhos. A história das ferrovias no Brasil. Coleção Desafios. SP: Moderna, VELHO, L. C. Pequena antologia do trem. RJ: RFFSA/SENAI acesso em 24/10/2008 acesso em 15/09/08 acesso em 15/09/08 acesso em 15/09/2008 acesso em 04/11/08 acesso em 04/11/08 acesso em 04/11/08 acesso em 04/11/08 FILME: Mauá, o imperador e o rei (Brasil. 1999) DIREÇÃO: Sérgio Resende. 134 min. FILME: Carlota Joaquina, princesa do Brasil (Brasil 1995). DIREÇÃO: Carla Camurati. 100 min. 17

18 Coordenador Profa. Dra. Terezinha Ferrari 10 de Novembro de Coordenador Prof. Me. Odair de Sá Garcia 10 de Novembro de Profa. Dra. Márcia Zorello Laporta Pró-Reitor de Extensão 10 de Novembro de Centro Universitário Fundação Santo André Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Av. Príncipe de Gales, Bairro Príncipe de Gales - Santo André SP - CEP Telefone: (11)

Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS

Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS Profa. Wanda Pivetta Prof. Ms. Alan Victor Pimenta Esse texto não se pretende uma reprodução de todas as atividades desenvolvidas no Estudo do Meio realizado pelo Colégio,

Leia mais

MRS - MRS Logística S. A.

MRS - MRS Logística S. A. MRS - MRS Logística S. A. A MRS Logística S. A., vencedora do leilão de desestatização da Malha Sudeste da RFFSA em 20 de setembro de 1996, iniciou suas atividades no dia 1 de dezembro de 1996, constituída

Leia mais

Nos Trilhos São Paulo Railway 1. Tatiana Stephanie Gimenez Silveira 2. Paula Veneroso 3. Marco César Araújo 4. UNIFIEO Centro Universitário Fieo

Nos Trilhos São Paulo Railway 1. Tatiana Stephanie Gimenez Silveira 2. Paula Veneroso 3. Marco César Araújo 4. UNIFIEO Centro Universitário Fieo 1 Nos Trilhos São Paulo Railway 1 Tatiana Stephanie Gimenez Silveira 2 Paula Veneroso 3 Marco César Araújo 4 UNIFIEO Centro Universitário Fieo Palavras-chave: Trilhos; São Paulo Railway; Fotodocumentário

Leia mais

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO TRANSPORTE FERROVIÁRIO O transporte ferroviário no Brasil sofreu, durante um grande período, talvez devido à grande concorrência do transporte rodoviário, a falta de incentivo com relação à ampliação do

Leia mais

Maria-fumaça leva turistas a distrito em SP que parece cenário de novela

Maria-fumaça leva turistas a distrito em SP que parece cenário de novela Maria-fumaça leva turistas a distrito em SP que parece cenário de novela Distrito de Luís Carlos, em Guararema, que passou por processo de reestruturação; casas foram transformadas em comércios. Fotos:

Leia mais

Paulo Liebert Realização: Patrocínio: Apoio:

Paulo Liebert Realização: Patrocínio: Apoio: Paulo Liebert Realização: Patrocínio: Apoio: 2 Vila de Paranapiacaba, história e patrimônio ambiental Em tupi-guarani, paranapiacaba significa lugar de onde se vê o mar. A sabedoria indígena não podia

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Março/2012 Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Itaquaquecetuba Osasco Barueri São

Leia mais

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, integra o conjunto das "Revoluções Burguesas" do século XVIII, responsáveis

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO: O CASO DO BAIRRO SANTA CRUZ DO JOSÉ JACQUES

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO: O CASO DO BAIRRO SANTA CRUZ DO JOSÉ JACQUES O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO: O CASO DO BAIRRO SANTA CRUZ DO JOSÉ JACQUES DANILO GOMES JARDIM 1 Apresentação Esta comunicação é fruto dos resultados de minha pesquisa sobre a urbanização

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

RS - Uma viagem de trem ao passado de Cachoeira

RS - Uma viagem de trem ao passado de Cachoeira RS - Uma viagem de trem ao passado de Cachoeira Exposição de Renate Aguiar e Claiton Nazar relembra os tempos em que o trem passava no centro da cidade. Claiton Nazar e Renate Aguiar com os painéis fotográficos

Leia mais

O trajeto. Podemos dividir o trajeto em 4 partes:

O trajeto. Podemos dividir o trajeto em 4 partes: 01 O que é? A Rota Marcia Prado é uma proposta de caminho cicloturístico que possa ser percorrida por todo tipo de ciclista por um trajeto de São Paulo a Santos, pedalando pelo mínimo de rodovias possíveis,

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Ferrovias, capitalismo e história econômica

Ferrovias, capitalismo e história econômica Ferrovias, capitalismo e história econômica Alexandre Macchione Saes 1 Gian Carlo M. Guimarães Hespanhol 2 O debate sobre a construção das estradas de ferro e seu papel no desenvolvimento da sociedade

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Título do Trabalho Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Autores: Antonio Carlos de Oliveira, Eng. Dr. Professor Pleno e Diretor e da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima nona edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação do

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

EDITAL SALA DE IMAGENS CONBRACE 2015

EDITAL SALA DE IMAGENS CONBRACE 2015 Fortaleza, 06 de julho de 2015 Estão abertas as inscrições para envio de fotografias e vídeos que irão ser exibidos na SALA de IMAGENS (SIM), projeto sob coordenação do GTT2/Comunicação e Mídia para o

Leia mais

Ver também Túnel do Canal da Mancha.

Ver também Túnel do Canal da Mancha. Estrada de ferro, Sistema de transporte sobre trilhos, que compreende a via permanente e outras instalações fixas, o material rodante e o equipamento de tráfego. É também chamado ferrovia ou via férrea.

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

FERROVIA E MODERNIDADE Barsanufo Gomides Borges 1

FERROVIA E MODERNIDADE Barsanufo Gomides Borges 1 dossiê FERROVIAS FERROVIA E MODERNIDADE Barsanufo Gomides Borges 1 As ferrovias resolveram um problema crucial da humanidade no século XIX:. O trem de ferro substituiu as carruagens e as trapas nos longos

Leia mais

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 Anexo 1.50 Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: acesso pela rodovia SP 122 Ribeirão Pires Paranapiacaba, Santo André SP, Brasil. Autoria: a vila foi construída pela

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pósgraduação em Arquitetura e Urbanismo

I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pósgraduação em Arquitetura e Urbanismo I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pósgraduação em Arquitetura e Urbanismo Centro Histórico de São Paulo: documentação e estudos de reabilitação Universidade Presbiteriana Mackenzie

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

A FERROVIA E O DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG

A FERROVIA E O DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG A FERROVIA E O DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG Luiz Carlos dos Santos Júnior Universidade Federal de Uberlândia luizcarlosgeo@yahoo.com.br Prof. Dr. William Rodrigues Ferreira Universidade

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

VILA DE PARANAPIACABA: Paradoxos de um patrimônio histórico e um ponto turístico

VILA DE PARANAPIACABA: Paradoxos de um patrimônio histórico e um ponto turístico VILA DE PARANAPIACABA: Paradoxos de um patrimônio histórico e um ponto turístico CAROLINE ANTUNES MARTINS ALAMINO * APRESENTAÇÃO Este trabalho é o resultado de um estudo sobre a questão dos moradores da

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

Estrada de Ferro de Campos do Jordão. Resumo

Estrada de Ferro de Campos do Jordão. Resumo 1 Estrada de Ferro de Campos do Jordão Brenda Laisa Morais Bruno Duarte Joana 1 Resumo O presente artigo tem por objetivo demonstrar as origens da Estrada de Ferro Campos do Jordão desde sua idealização,

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU Ano: 2015 Edital nº 01/2015 Temas: energia elétrica;

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO NUFAC SÃO PAULO/SP 2014

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO NUFAC SÃO PAULO/SP 2014 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO NUFAC SÃO PAULO/SP 2014 1) SOBRE O NUFAC O Núcleo de Formação de Agentes de Cultura da Juventude Negra resulta da parceria entre Fundação Cultural Palmares, órgão vinculado

Leia mais

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 ÁREA: PRESERVAÇÃO AUDIOVISUAL Os representantes de preservação audiovisual, presentes ao Fórum do Audiovisual Paranaense, reconhecendo

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

Desafio National Geographic 2010 CADERNO DE CAMPO

Desafio National Geographic 2010 CADERNO DE CAMPO Realização: Patrocínio: Desafio National Geographic 2010 CADERNO DE CAMPO 2 São Paulo em movimento: os sistemas de circulação na cidade Em 1872, São Paulo tinha 31 mil habitantes. Quase um século depois,

Leia mais

O GRANDE PORTO MODERNIZAÇÃO NO PORTO DE SANTOS

O GRANDE PORTO MODERNIZAÇÃO NO PORTO DE SANTOS O GRANDE PORTO MODERNIZAÇÃO NO PORTO DE SANTOS Resenha, José Alberto Carvalho dos Santos Claro José Alberto Carvalho dos Santos Claro Universidade Católica de Santos UniSantos Programa de Mestrado em Gestão

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA FLG0435 - TRABALHO DE CAMPO EM GEOGRAFIA I PROF. DR. TARIK REZENDE DE AZEVEDO CADERNO DE CAMPO (GRUPO

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010

MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010 MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010 José Maria Filho ¹, Bruno Rodrigo 1, Sandra Maria Fonseca da Costa¹ 1 Universidade do Vale do Paraíba Faculdade

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MARÇO/98 Nº 19 Transporte Ferroviário Regional de Passageiros 1. INTRODUÇÃO A história do transporte ferroviário, em escala comercial, principia

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11 Introdução Nos trabalhos sobre aeroportos e transporte aéreo predominam análises específicas que tratam, por exemplo, do interior do sítio aeroportuário, da arquitetura de aeroportos, da segurança aeroportuária,

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos.

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos. 4.3.3 Programa de Monitoramento Arqueológico O Programa de Monitoramento Arqueológico, conforme consta no Plano Básico Ambiental prevê a catalogação de amostras nas áreas de construção da Estrada Parque,

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Mário Manuel Seabra Rodrigues Bandeira Diretor Presidente maio/2013 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco

Leia mais

Fetranspor vence UITP Awards com projeto sobre BRTs e Diálogo Jovem ganha menção honrosa

Fetranspor vence UITP Awards com projeto sobre BRTs e Diálogo Jovem ganha menção honrosa RJ 10/06/2015 Nº 1084 Fetranspor vence UITP Awards com projeto sobre BRTs e Diálogo Jovem ganha menção honrosa Alain Flausch, Richele Cabral, Lélis Teixeira e Thierry Wagenknecht A Fetranspor acaba de

Leia mais

Título do Trabalho. Perspectivas de Mercado para Produtos Estampados

Título do Trabalho. Perspectivas de Mercado para Produtos Estampados Título do Trabalho Perspectivas de Mercado para Produtos Estampados Autores: Antonio Carlos de Oliveira, Eng. Dr. Professor Pleno e Diretor e da Faculdade de Tecnologia de Sorocaba (FATEC-So) Luiz Carlos

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

Modernização. Trecho de A onda verde,, de Monteiro Lobato, citado por Ana Luiza Martins,

Modernização. Trecho de A onda verde,, de Monteiro Lobato, citado por Ana Luiza Martins, Modernização e imigração A UU L AL A MÓDULO 6 Os altos preços atingidos pelo café no mercado internacional, a melhoria das vias de comunicação, o aperfeiçoamento dos meios de transporte, a possibilidade

Leia mais

Convocatória Residência NECMIS 2015

Convocatória Residência NECMIS 2015 Convocatória Residência NECMIS 2015 O Museu da Imagem e do Som abre inscrições para a Residência Núcleo de Estudos Contemporâneos do MIS (NECMIS), que visa desenvolver pesquisa na área de humanidades aplicadas

Leia mais

João Ambiente. construindo uma casa sustentável para todos nós

João Ambiente. construindo uma casa sustentável para todos nós João Ambiente construindo uma casa sustentável para todos nós O Projeto Filme documentário, com 52 minutos de duração, para exibição em exposição audiovisual itinerante, destinada a crianças, jovens e

Leia mais

Ateliê de artes para crianças: um trabalho em progresso

Ateliê de artes para crianças: um trabalho em progresso Maria Christina S.L. Rizzi e Sumaya Mattar Moraes Ateliê de artes para crianças: primeiros registros e reflexões de um trabalho em progresso O Ateliê de Artes para Crianças é um curso de extensão do Departamento

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DAS ATIVIDADES DE COMÉRCIO EM PEQUENAS CIDADES: pensando Ipeúna SP

REFLEXÕES ACERCA DAS ATIVIDADES DE COMÉRCIO EM PEQUENAS CIDADES: pensando Ipeúna SP REFLEXÕES ACERCA DAS ATIVIDADES DE COMÉRCIO EM PEQUENAS CIDADES: pensando Ipeúna SP Karlise Klafke kaklafke@hotmail.com Graduanda em Geografia pela UNESP Rio Claro INTRODUÇÃO O presente trabalho refere-se

Leia mais

Aplicações Móveis em Ferrovias: Aumento de Produtividade e Inclusão Social

Aplicações Móveis em Ferrovias: Aumento de Produtividade e Inclusão Social Aplicações Móveis em Ferrovias: Aumento de Produtividade e Inclusão Social Apesar de todos os avanços implementados nos serviços e na rede ferroviária brasileira, podemos notar problemas que impedem a

Leia mais

Escolas Profissionais e Oficinas Ferroviárias: Uma História Social da Transferência da Tecnologia Ferroviária em São Paulo.

Escolas Profissionais e Oficinas Ferroviárias: Uma História Social da Transferência da Tecnologia Ferroviária em São Paulo. Escolas Profissionais e Oficinas Ferroviárias: Uma História Social da Transferência da Tecnologia Ferroviária em São Paulo. CRISTINA DE CAMPOS Este trabalho tem como proposta o estudo das Escolas e das

Leia mais

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa percursos percursos Ação educativa INSTITUTO TOMIE OHTAKE síntese dos projetos Projetos especiais ProGrAmAs PermANeNtes exposições Prêmios PArA jovens ArtistAs PuBlicAçÕes objetivo Ação educativa Aproximar

Leia mais

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos.

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima oitava edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação

Leia mais

Nordestinos em São Paulo: o deslindar de uma trajetória

Nordestinos em São Paulo: o deslindar de uma trajetória Nordestinos em São Paulo: o deslindar de uma trajetória Luciano Deppa Banchetti* PAIVA, Odair da Cruz. Caminhos cruzados: migração e construção do Brasil moderno (1930-1950). Bauru: EDUSC, 2004. 306 p.

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 TM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Constituição do COMITÊ PAULISTA (Grupo Executivo

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

Livro Hospital das Clínicas 65 anos

Livro Hospital das Clínicas 65 anos Plano de Patrocínio e Projeto Editorial Livro Hospital das Clínicas 65 anos Realização: Hospital das Clínicas Museu Histórico da Faculdade de Medicina da USP 1/7 Hospital das Clínicas 65 anos 1. Objetivos

Leia mais

Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2015

Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2015 Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2015 1 - DO FESTIVAL 1.1 - O CINEfoot - Festival de Cinema de Futebol é o primeiro festival de cinema do Brasil e da América Latina com abordagens conceitual e

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário

Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário O Núcleo de Audiovisual e Documentário do CPDOC convida alunos inscritos regularmente em cursos

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 0 N o 9 Seade realiza Pesquisa Municipal sobre drenagem urbana Consulte Levantamento junto às prefeituras paulistas visa captar informações para construção do Índice de Drenagem Urbana. PIB paulista

Leia mais

O COMPLEXO FERROVIÁRIO DE PONTA GROSSA COMO ESPAÇO CULTURAL, E POSSÍVEL ESPAÇO TURÍSTICO

O COMPLEXO FERROVIÁRIO DE PONTA GROSSA COMO ESPAÇO CULTURAL, E POSSÍVEL ESPAÇO TURÍSTICO O COMPLEXO FERROVIÁRIO DE PONTA GROSSA COMO ESPAÇO CULTURAL, E POSSÍVEL ESPAÇO TURÍSTICO Hayssa Kattiaviana 1 Andressa Stefany Teles 2 Márcia Maria Dropa 3 RESUMO A preservação do patrimônio cultural envolve

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação. 32.ssoc@capes.gov.br

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação. 32.ssoc@capes.gov.br RELATÓRIO DA REUNIÃO DE COORDENADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SERVIÇO SOCIAL Dia 09 e 10 de Novembro de 2011 Local: CAPES Brasília/DF Presença Estiveram presentes 25 programas de Pós

Leia mais

CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM PROL DA ECONOMIA SOLIDÁRIA

CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM PROL DA ECONOMIA SOLIDÁRIA ÁREA: ECONOMIA SOCIAL, DA SAÚDE, SOLIDÁRIA E DO TRABALHO Área 6. Economia Social, Economia da Saúde, Economia Solidária e Economia do Trabalho (Trabalho completo) CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais