GUERRA DO PARAGUAI: escravidão e cidadania na formação do exército

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUERRA DO PARAGUAI: escravidão e cidadania na formação do exército"

Transcrição

1 GUERRA DO PARAGUAI: escravidão e cidadania na formação do exército

2 Agradecimentos Este livro foi elaborado entre maio de 1988 e março de Sua realização teria sido impossível sem a colaboração do AFS Programas Interculturais para o Brasil, organização a cujos quadros profissionais pertenço. Durante todo esse período, tive livre acesso a seu computador para a edição do texto em fins de semana e horários posteriores ao expediente. Entretanto, meu agradecimento vai em especial para Elizabeth Ramos Albuquerque, Superintendente do AFS por ocasião do grosso do trabalho de pesquisa, que, além da força de amiga, permitiu-me alguns períodos de licença para que pudesse realizar pesquisas em instituições com horários de funcionamento coincidentes com aqueles do AFS. Outros amigos foram meus companheiros nesta empreitada Cunca Bocaiúva e Sandra Mayrink Veiga demonstraram, durante o trabalho, o mesmo carinho e apoio que têm marcado nossa amizade já ao longo destes muitos anos. Inúmeras foram as sugestões que surgiram de nossas conversas. A força de Helena Gasparian foi decisiva na reta final, especialmente para a publicação do livro. Liliane Gnocchi da Costa Reis é a companheira que, mais que eu, teve sempre a certeza de que o livro sairia. Com ela discuti as primeiras fotos pesquisadas, o primeiro texto. Cada idéia teve sua atenção e dedicação, assim como o texto em seu aspecto de estilo e clareza. Se não fosse por isso, meu amor seria mais que o suficiente para que eu lhe dedicasse este livro.

3 Chegou a hora de fazer alguma justiça, tão pouco quanto a de que somos capazes, à raça que tem feito gratuitamente no Brasil tudo quanto ele é, a raça que não paga somente o subsídio dos representantes da nação, mas paga, também, a alta lista civil da famí1ia imperial; paga ainda os juros da nossa dívida em Londres, e quando a honra da nacionalidade brasileira corre risco, paga com seu sangue larguíssimo tributo. Joaquim Nabuco Discurso de 30 de julho de Citado por Evaristo de Moraes, A Campanha Abolicionista, Editora Universidade de Brasília, 2 a. ed., 1986.

4 Índice Introdução I - Dimensões da guerra Os recursos empregados Forças empregadas e perdas humanas As perdas materiais II - Antecedentes: crítica às versões revisionistas sobre as razões do conflito A versão tradicional O revisionismo A versão da unidade da América hispânica A versão da intervenção imperialista III - O império às vésperas da guerra do Paraguai IV - A guerra do Paraguai e o Brasil: a formação de um exército nacional e o fim do Império A organização militar do Império antes da guerra do Paraguai A organização de um exército nacional O exército e os escravos O exército e as camadas populares livres Os voluntários da Pátria O exército e as camadas médias V - O exército imperial em campanha: nacional e escravista (I) O envio de tropas ao Paraguai O cotidiano da tropa em campanha VI - O exército imperial em campanha: nacional e escravista (II) Os critérios de bravura Promoções, condecorações e disciplina no exército imperial: a marca escravista VII Conclusão

5 Apêndice: Cronologia das operações de guerra Bibliografia

6 Introdução Num país em que a fome e a miséria da imensa maioria da população estão juntas com o analfabetismo, o resgate da memória histórica parece um objetivo distante, pouco prático e quase inatingível. A história foi, durante muito tempo, o ofício de eruditos refinados cujo trabalho recuperou e muitas vezes até criou uma memória oficial: a memória de fachada, de nossas instituições, tão civilizadas e tão distantes do cotidiano do povo, dos grandes vultos de discursos pomposos, dos grandes feitos. Enfim, uma memória que, aclarando a vida das elites, envergonhada destas tristes paragens pouco européias, encobria a realidade do povo miserável. Aqui e ali, era possível, devido ao trabalho de poucos ou às frestas nas cortinas de veludo dos salões, vislumbrar o cotidiano popular, a vida e o lazer dos esquecidos. Quando se começou a tentar conhecer e compreender nossa história mais a fundo, as atenções voltaram-se para as estruturas econômicas, os grandes movimentos políticos. Pouco a pouco, entretanto, a historiografia moderna descobre novos temas do mundo do trabalho e do cotidiano e coloca sob novo prisma episódios só conhecidos por via de sua carapaça oficial. Muito ainda resta por ser feito. Há áreas, temas, acontecimentos e episódios inteiros que permanecem obscuros. A história militar é um desses temas. Não é de estranhar que os historiadores modernos dêem mais atenção ao papel dos militares na história política do Brasil do que à história militar propriamente dita e à relação desta com a vida de nosso povo. A história militar é patrimônio da memória oficial ou então tema técnico da corporação militar, igualmente pródiga em oficialismos e elogios. Tanto os conflitos internos como as guerras externas são pouco conhecidos, e quase nada se sabe sobre como esses acontecimentos foram vivenciados e protagonizados por soldados e pela massa da população. A guerra do Paraguai é um dos muitos fatos esquecidos de nossa história: ou é tratada pela historiografia oficial, e, como tal, perde interesse, ou não é tema daqueles que se dedicam à revisão de nossa formação histórica. Paradoxalmente, quando é lembrada e abordada, causa imediatamente polêmica: o Brasil é apresentado como agente civilizatório na região ou como agente do imperialismo inglês; nossas tropas são as mais bravas ou as mais covardes; o Paraguai era governado por um tirano ou por um estadista esclarecido e antiimperialista; libertamos o Paraguai ou exterminamos sua população. O quadro ainda fica mais complicado quando sabemos que até recentemente o Itamarati impediu o exame de documentos sobre o conflito, em seu poder (o que, para bem da verdade, é extensivo a documentos referentes a outros episódios de nossa história 1 ). Recentemente, diversos autores têm se dedicado a demolir os mitos oficiais da guerra do Paraguai. Não raro, sem prejuízo do enorme mérito de seu trabalho, têm criado outros tantos mitos sobre o conflito: o Paraguai é retratado como uma nação independente do imperialismo, com enorme progresso material e social. O Paraguai sofria influência do imperialismo, ainda que diferentemente de seus vizinhos da região meridional da América do Sul. Devido às peculiaridades de sua formação histórica colonial, baseada nas missões jesuíticas, não se encontrava no centro 1 A atual Constituição determinou a abertura dos arquivos públicos. A abertura dos arquivos entretanto, não revelou muitas novidades como era esperado

7 seja das atenções coloniais, seja, mais tarde, das atenções imperialistas. Daí a caracterizá-lo como uma nação independente do imperialismo, ou até como uma possibilidade de desenvolvimento autônomo na região, vai uma longa distância. Por outro lado, a estrutura econômica baseada nas missões, o poder de centralização administrativa exercido pela Igreja, o pouco desenvolvimento de uma classe dominante local crioula, proprietária de terras ou comerciante, iriam permitir que o Estado jogasse um papel decisivo na organização econômica paraguaia após a independência. Foi através deste Estado que uma parcela da classe dominante, travestida de alta burocracia estatal, exercia seu poder econômico sobre uma massa da população organizada comunitariamente. Essa parcela da classe dominante, de origem crioula, era, inclusive, dona de largas extensões de terra, além de usufruir, via honras e regalias ligadas às funções públicas, de boa parte do excedente econômico. O Estado paraguaio, portador de um nacionalismo precoce, é apresentado por alguns autores como tendo sido um legítimo defensor dos interesses de toda a nação contra o imperialismo. Leon Pomer 2 é o mais expressivo deles, mas também podemos citar Júlio José Chiavenatto 3. Esse Estado, contudo, herdeiro de uma estrutura centralizada da época colonial, era autoritário e garantia uma estrutura social desigual, ainda que bastante diversa da de seus vizinhos, em especial do Brasil escravista. É fato, entretanto, que o Paraguai, na primeira metade do século XIX, não era um país totalmente ajustado às regras de livre comércio que facilitavam a penetração da Inglaterra nas antigas áreas coloniais ibéricas. Isto mais por suas particularidades históricas do que por uma opção de resistência ao imperialismo que penetrava na região. Há, ainda, muita especulação e, principalmente, muita simplificação sobre o papel do imperialismo inglês, apresentado como a mão oculta por trás das ações da Tríplice Aliança. Se é evidente que a Inglaterra considerava as práticas monopolistas do Paraguai prejudiciais a seu comércio, é evidente também que seu interesse principal não estava concentrado nessa área secundária da região platina. Ver a guerra do Paraguai como uma necessidade do imperialismo inglês para garantir o livre comércio é, por um lado, superestimação grosseira do nacionalismo paraguaio e da cobiça inglesa e, por outro, uma subestimação dos interesses próprios da Argentina e do Brasil. Não é, no entanto, nossa intenção nos determos sobre as particularidades da formação histórica do Paraguai e, tampouco, sobre a região platina como um todo (ainda que, mais tarde, voltemos a abordar essa questão). O trabalho que se segue concentra sua atenção principalmente sobre o Brasil e a guerra e sobre as repercussões sociais e políticas do conflito no período de crise do Império e da economia escravista. Particularmente, se concentra sobre a formação do exército durante a guerra em sua relação com as camadas médias, setores populares livres e escravos. Buscaremos ver, com mais detalhes, como, no interior desse drama, formou-se no Brasil uma instituição que desempenharia um papel vital em nossa história: o Exército Nacional. 2 Leon Pomer, A Guerra do Paraguai: A Grande Tragédia RioPlatense, São Paulo, Global, 1980, e Paraguai:Nossa Guerra Contra Esse Soldado, São Paulo, Global, s.d. 3 J. J. Chiavenatto, Genocídio Americano: A Guerra do Paraguai, São Paulo, Brasiliense, 2ª ed., 1979.

8 No capítulo I, trataremos de algumas informações que revelam a magnitude da guerra do Paraguai fato nem sempre merecedor do necessário relevo em relação aos países envolvidos. Em seguida, no capítulo II, discutiremos as razões do conflito a partir da crítica a representantes da historiografia cada vez mais difundida que se opõem às versões tradicionais sobre os antecedentes da guerra. No capítulo seguinte, prosseguiremos com a análise do mesmo tema. Para tanto, procuraremos inserir as motivações brasileiras em sua política externa, notadamente em relação à região platina, na perspectiva mais ampla do desenvolvimento da sociedade escravista imperial. O processo de mobilização e recrutamento para a guerra, em seu aspecto social, no que diz respeito a sua relação com os escravos, setores livres populares e camadas médias, se constitui no tema central deste trabalho e é tratado no capítulo IV. Tentaremos delinear como o Exército Nacional, que se formava como uma necessidade do Estado Imperial, reproduziu e recriou no seu interior as contradições sociais do escravismo brasileiro. Nos capítulos V e. VI, analisando o envio das tropas ao Paraguai, seu cotidiano, suas formas de combater, os critérios de determinação dos atos de bravura, as políticas de promoções e de manutenção da disciplina e, finalmente, as relações entre oficiais e soldados, procuraremos avaliar como essas contradições não puderam ser abafadas na corporação militar, agravando as tensões internas delas decorrentes. Finalmente, há um apêndice descritivo e cronológico dós principais acontecimentos militares. Aqueles que desconhecem o andamento das operações de guerra podem achar necessário recorrer a esta descrição no sentido de melhor compreender as referências feitas a fases da guerra no decorrer do texto principal. O gigantismo do conflito impõe um tratamento mais aprofundado no estudo da guerra e de suas conseqüências para toda a região. A guerra do Paraguai requer o tratamento de drama e não de opereta, essencial se quisermos (todos nós do Cone Sul) ter uma consciência maior de nossa história.

9 I Dimensões da guerra A primeira tarefa com que nos deparamos quando analisamos a guerra do Paraguai é a de estabelecer a magnitude do conflito: sua dimensão em seu contexto histórico, o esforço social requerido, suas conseqüências políticas, sociais e econômicas e seu significado em termos de desperdício de recursos materiais e humanos. A guerra do Paraguai foi o conflito em larga escala de maior duração no continente americano, superando inclusive a guerra de Secessão nos Estados Unidos 1. Teve a duração total de quase seis anos, estendendo-se de 11 de novembro de 1864 (tomada do vapor Marquês de Olinda pelos paraguaios) a 1 de março de 1870 (morte de López em Cerro Corá). Os recursos empregados Ao considerar a década de 60 do século XIX como uma década de sangue, o historiador inglês Eric Hobsbawm levanta três fatores que teriam contribuído nesse sentido: 1. a expansão do capitalismo, multiplicando tensões no mundo não europeu e nãocapitalista; 2. a paz interna que se seguiu ao aplacamento das revoluções de 1848 na Europa, que permitiu o recurso à guerra a governos estáveis para a consecução de determinados objetivos no plano externo; 3. a nova tecnologia, que permitiu a mobilização de recursos humanos em escala e rapidez até então desconhecidas e a utilização de recursos materiais qualitativamente mais modernos e eficazes 2. A guerra do Paraguai, pelo menos no que diz respeito à participação brasileira, como veremos a seguir (capítulo III), guarda uma íntima relação com esses três fatores. Em primeiro lugar, o conflito esteve inserido ainda que mais indiretamente do que se supõe no contexto geral de expansão do capitalismo da época, especificamente do capitalismo britânico na região platina. Em segundo lugar, analogamente aos países europeus, o conflito se seguiu a um período de consolidação e estabilidade do governo imperial no Brasil. Em terceiro lugar, o governo brasileiro lançou mão de uma série de recursos tecnológicos modernos e aqui nos afastamos do historiador inglês, que considera a guerra do Paraguai como um conflito pré-tecnológico em seu esforço de guerra. Finalmente, assim como o conflito que dividiu os Estados Unidos, a guerra do Paraguai pode ser definida como uma guerra total (uma das primeiras da história): um conflito que mobilizou recursos humanos e materiais em larga escala das sociedades nacionais nele envolvidas. 1 A guerra civil americana, seja por sua contemporaneidade com o conflito platino ( ), seja por suas dimensões, será constantemente utilizada como parâmetro de comparação ao longo do texto. 2 EricJ. Hobsbawm, A Era do Capital , Rio de Janeiro, Paz e Terra, 3ª ed., 1982, pp

10 No que toca a este último aspecto, ele é absolutamente verdadeiro em relação ao grande perdedor, o Paraguai. O conjunto de sua população foi mobilizado pelo esforço de guerra e também sofreu diretamente as conseqüências do conflito, e não apenas uma parcela ou a totalidade de sua população adulta masculina. O conjunto dos recursos materiais nacionais foi mobilizado de forma centralizada pelo Estado e totalmente despendido no decorrer das operações. Como vencido, o Paraguai terminou a guerra exaurido. Em relação aos países da Tríplice Aliança Brasil, Argentina e Uruguai, a mobilização para a guerra guardou aspectos bem distintos. O Uruguai, recém-saído de um conflito civil, teve uma presença simbólica no teatro de operações, tanto numérica como materialmente. Mesmo esta presença, devido à instabilidade presente no país e à forte oposição interna ao envolvimento no conflito, foi decrescente ao longo do tempo. A Argentina, no início da guerra, contou com um forte contingente em operação, 25 mil soldados. Entretanto, a oposição das províncias ao envolvimento no conflito (como parte de uma oposição maior ao crescente domínio de Buenos Aires sobre o resto do país) levou também à redução constante dos efetivos militares em operação no teatro da guerra, em particular, após a expulsão dos paraguaios do território argentino e a possibilidade de uma nova invasão ter sido completamente afastada. No período da guerra, a Argentina enfrentou uma série de conflitos internos decorrentes da centralização do poder efetuada pela burguesia de Buenos Aires em detrimento do poder local da classe dominante e dos estancieiros das demais províncias, havendo mesmo confrontos armados. Em 1869, havia apenas argentinos em armas no Paraguai. Do ponto de vista material, a Argentina não só não teve seus recursos despendidos, como também obteve enormes ganhos com o conflito, como grande fornecedora das tropas da Tríplice Aliança. O Brasil, ao se iniciar a guerra, já havia concluído um longo processo, marcado por uma série de conflitos internos regionais, que resultara na implantação de um poder centralizado 3. O fato de esse poder já estar consolidado permitiu uma formidável mobilização de recursos materiais (principalmente) e humanos. Mesmo tendo uma parte relativamente pequena e pouco povoada de seu território afetada diretamente pelas operações militares, todo o país foi mobilizado, ainda que em graus diferentes, para a campanha. O poder central, que já anteriormente tinha uma presença marcante na vida nacional, fortaleceu-se ainda mais como elemento capaz de captar, organizar e empregar recursos humanos e materiais necessários à condução da guerra. Forças empregadas e perdas humanas Durante todo o conflito, nunca mais que cem mil soldados estiveram em operação. Alguns autores estimam o exército paraguaio no início da guerra em cerca de Em 1848, terminava em Pernambuco a última das grandes revoltas que agitaram o Império brasileiro na primeira metade do século XIX, a Revolução Praieira. O governo imperial conheceria então um período de estabilidade política com a alternância de conservadores e liberais nos diversos gabinetes que se sucederam.

11 homens 4. Se esse dado for correto, apenas em sua primeira fase (invasão de Mato Grosso, Corrientes, Entre Rios e Rio Grande pelos paraguaios) o número total de soldados mobilizados estaria em torno de No restante do conflito, em seu teatro de operações principal ao longo do rio Paraguai, o contingente total de forças empregado esteve sempre em torno de soldados. A Tríplice Aliança, com o exército brasileiro como força majoritária (pelo menos 2/3 do efetivo total aliado), esteve sempre em superioridade numérica. O exército paraguaio, depois da batalha de Tuiuti, nunca foi superior a soldados. As forças da Tríplice Aliança, por sua vez, estiveram sempre em torno de homens, em sua maioria, brasileiros. A manutenção desses contingentes ao longo de quase seis anos de conflito significou para o Paraguai a mobilização de toda a sua população masculina com idade superior a 10/12 anos de idade e inferior a 60. Como não há estatísticas certas sobre a realidade demográfica do Paraguai à época do conflito, é difícil determinar o que isso representou em números relativos. As estimativas em torno da população do país, ao iniciar-se o conflito, variam de a pessoas, sendo algo em torno do primeiro número o mais provável. As perdas paraguaias (militares e civis) variam, de acordo com a estimativa sobre o número total de habitantes do país, entre e de mortos. Em qualquer hipótese, portanto, a guerra significou o sacrifício quase total por mortes em combate, assassinatos, epidemias e fome da população. O certo é que, ao final do conflito, 95 % da população masculina do país haviam desaparecido. A mobilização militar paraguaia envolveu praticamente o conjunto da população masculina, que pereceu nos inúmeros combates ou vítima das epidemias e péssimas condições de higiene, habitação e proteção contra o frio e a fome que marcavam o cotidiano dos exércitos na época, em especial do exército paraguaio. As perdas uruguaias foram praticamente irrelevantes em relação ao contingente populacional do país. O Uruguai, apesar de ter sido o estopim da guerra, de fato, pouco esteve envolvido nela. Os argentinos, de acordo com Leon Pomer 5, perderam 18 mil soldados no conflito, um número expressivo relativamente à população do país de aproximadamente Em relação ao Brasil, também não há estatísticas precisas, seja sobre o número total da população (o primeiro censo só seria realizado em 1872), seja sobre as perdas militares. O general Paulo de Queiroz Duarte 6 cita a mobilização de soldados ao longo do conflito para uma população masculina de , estimada em Há quem considere o total mobilizado para efetivamente enviados aos campos de batalha. 7 As perdas, considerando-se as mortes em combate, por epidemias e seguramente um percentual elevado de perdas entre os feridos, devido às péssimas condições sanitárias e de 4 J. J. Chiavenatto (Os Voluntários da Pátria e Outros Mitos, São Paulo, Global, 1983), estima o exército paraguaio no início do conflito em soldados. O número de significaria cerca de mobilizados ao início do conflito e outros de reserva. 5 Leon Pomer, A Guerra do Paraguai: A Grande Tragédia RioPlatense, op. cit. 6 Gen. Paulo de Queiroz Duarte, Os Voluntários da Pátria na Guerra do Paraguai, Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército, General Antônio de Souza Júnior, "A Guerra do Paraguai", in Sérgio Buarque de Holanda (org.), História Geral da Civilização Brasileira, tomo II, voi. 3, São Paulo, DIFEL, 1987.

12 atendimento dos hospitais, não foram nunca inferiores a homens. Apenas em combate que nas guerras da época não era a principal causa de mortalidade entre a tropa, segundo o general Queiroz Duarte, foram soldados, só até a segunda fase da guerra. Baseado nesses dados, o mesmo autor contesta as estatísticas oficiais da Repartição dos Negócios da Guerra para 1870, de mortos em toda a guerra. Alguns, como Dionísio Cerqueira (Reminiscências da Campanha do Paraguai), falam em mortos, a maior cifra apontada. Pode-se considerar, aceitando as estimativas mais baixas em termos de população paraguaia, que o número de mortos total ficou em torno de 600 mil. Esta cifra é semelhante ao número de mortos (também em torno de 600 mil) da guerra civil americana, para continuarmos com nosso parâmetro de comparação. Entretanto, a população total dos Estados Unidos, incluindo-se a massa escrava, era de cerca de 22 milhões no Norte e 9 milhões no Sul. Estes números dão uma idéia da dimensão relativa da guerra do Paraguai. As perdas materiais A mobilização paraguaia para a guerra, como já dissemos, foi total. Na verdade, o Paraguai já vinha, mesmo anteriormente, canalizando recursos nacionais crescentes para a montagem de um aparelho militar desproporcionalmente grande e complexo em comparação com os recursos do país. Esse fato explica o sucesso das armas paraguaias na fase inicial do conflito. Com efeito, toda a cartada estratégica do Paraguai estava baseada nessa mobilização e preparação anteriores ao conflito. Assim como em relação ao seu manancial humano, as perdas materiais paraguaias foram completas. O país terminou a guerra arrasado, tendo suas terras cultiváveis abandonadas, seu rebanho desaparecido e as poucas manufaturas, fundições, estradas de ferro, telégrafos, etc. destruídos. Os recursos materiais acumulados (moeda, ouro e outras formas de riqueza) foram igualmente consumidos ou saqueados. Finalmente, o Paraguai foi ainda obrigado a pagar uma dívida de guerra ao Brasil até o ano de Suas perdas territoriais não foram menores: todas as terras em litígio com o Brasil na fronteira com Mato Grosso e parte do Chaco ocidental para a Argentina. Desnecessário dizer ainda que o desfecho da guerra trouxe a tutela militar e política brasileira, juntamente com a subordinação econômica, com conseqüências que se estendem até nossos dias. Para o Brasil, o outro grande contendor e vencedor da guerra, a vitória teve um gosto amargo. Além das inúmeras conseqüências políticas e sociais que veremos adiante, a condução da guerra esgotou as finanças públicas e acelerou o processo de endividamento com bancos ingleses, que já vinha acontecendo anteriormente. A formação de uma esquadra fluvial moderna, capaz de operar no rio Paraguai e na bacia do Prata, responsável última pelo desequilíbrio estratégico favorável ao Brasil na região, significou um investimento financeiro de monta para o país. A formação e manutenção de um exército numeroso, bem armado e abastecido, ao contrário dos efetivos militares até então empregados nos conflitos platinos, que podiam viver do terreno ocupado, exigiu também recursos ponderáveis do governo imperial.

13 Diferentemente de conflitos em escala semelhante envolvendo nações centrais do sistema capitalista, o término da guerra e a própria mobilização nacional para ela não foi um trampolim para uma fase de expansão econômica do vencedor. Comparando-se a guerra do Paraguai com o outro grande conflito total contemporâneo no continente, vemos que o fim da Guerra de Secessão americana, ao implicar o estabelecimento da hegemonia clara do Norte capitalista, significou a possibilidade de sua expansão econômica.

14 II Antecedentes: crítica às versões revisionistas sobre as razões do conflito Entender as razões que levaram à guerra entre o Brasil, Argentina e Uruguai, por um lado, e o Paraguai, por outro, não é tarefa simples. Sobretudo, no caso brasileiro. Não é objetivo deste trabalho discutir o assunto a fundo. A abordagem que faremos sobre os antecedentes da guerra visa apenas permitir uma maior compreensão de nosso tema principal: a formação de um exército nacional profissional, como demanda da guerra, e suas relações com a sociedade, em particular, com os escravos e as camadas populares. Entretanto, é inevitável não nos furtarmos a algumas considerações a respeito da questão das origens do conflito. Estas considerações se prenderão basicamente a dois aspectos: a crítica às versões correntes sobre as razões da guerra, principalmente, a crítica da historiografia revisionista, e, no próximo capítulo, a inserção da intervenção brasileira na região platina em uma determinada análise mais ampla da natureza da sociedade imperial. Se os estudos tradicionais sobre a guerra pecam por um excessivo oficialismo e factualismo, por sua vez, as versões revisionistas da história do conflito tendem a simplificações e nem sempre estão embasadas em investigações mais profundas. Os acontecimentos são muitas vezes adaptados a esquemas interpretativos extremamente genéricos e outros tantos fatos são deixados de lado 1. A versão tradicional De acordo com a visão tradicional do conflito, este foi basicamente decorrente da agressividade de Solano López, que tinha pretensões expansionistas ou hegemônicas na região platina. As razões para essa pretensão não são muito explicadas, ficando por conta da vaidade pessoal e da megalomania do governante paraguaio. A alegação do governo paraguaio de que entrava em guerra contra o Brasil a pedido do governo uruguaio e contra a intervenção de tropas imperiais na República Oriental é vista quase que a título de pretexto para que López iniciasse sua aventura militarista 2. 1 Como exemplos da versão tradicional poderíamos citar toda a literatura militar, especialmente Tasso Fragoso, A História da Guerra Entre a Triplice Aliança e o Paraguai, as obras clássicas de História do Brasil (Pedro Calmon, História do Brasil). Na trilha da revisão crítica, temos Chiavenatto, o mais conhecido entre nós (Guerra do Paraguai, Genocídio Americano), que em grande parte reproduz a visão de Leon Pomer (A Guerra do Paraguai, A Grande Tragédia Rioplatense). 2 Em 1864, alegando defender os interesses de cidadãos brasileiros no Uruguai contra os abusos que estes vinham sofrendo por parte da população e das autoridades, um exército brasileiro, sediado no Rio Grande do Sul, invade o território oriental e presta apoio ao caudilho colorado Venancio Flores, então em revolta contra

15 Por sua vez, a intervenção brasileira na guerra civil uruguaia 3 é explicada de forma insuficiente. Ou se considera que realmente ela visava interromper os agravos sofridos por brasileiros no Uruguai, ou, no máximo, estabelece-se uma ligação entre ela e os interesses de estancieiros riograndenses da fronteira, em constante conflito com seus rivais da Banda Oriental. Aqueles estariam interessados em uma intervenção militar brasileira no sentido de pilhar as estâncias uruguaias, seja para auferir proveitos diretos com a operação, seja para debilitar a concorrência oriental no mercado brasileiro de charque. A versão tradicional enfatiza o ataque paraguaio ao Brasil e dá pouca importância ou cobertura à intervenção militar brasileira no Uruguai. Quando não apresentada como uma questão independente, esta é mostrada como um último recurso do governo imperial ao não ter atendidos seus pedidos de reparação às agressões sofridas por brasileiros no Uruguai. Uma nota do representante uruguaio ao conselheiro Saraiva, então em missão diplomática na região platina, a propósito dos incidentes fronteiriços e maus-tratos a brasileiros residentes no Uruguai, deixa clara a atitude imperialista brasileira de buscar um pretexto a qualquer custo para uma intervenção militar. S. Excia. O Conselheiro Saraiva evocou, para pintar a situação insuportável em que viviam os brasileiros domiciliados neste país, as reclamações feitas em seu favor por seu Governo desde 1852, para não fazer, diz S. Excia., referência a uma época anterior. (...) Em doze anos, quarenta mil habitantes da República, mira de perseguições diárias ininterruptas, teriam dado lugar com razão, observem-se os infinitos incidentes da vida social quer em relação de particular com particular, quer de governado a governante, a sessenta e três reclamações da parte do Governo Imperial! - em uma população de mais de quarenta mil almas, distante, confiante, mais exposta que as demais a atos indevidos de autoridades subalternas do Governo central, aconteceram sessenta e três casos dignos de reclamação (cinco por ano) as quais por estar pendente sua resolução teriam provado uma situação intolerável e tornado forçosa uma invasão e um levante. Julgue-se, seguindo esta lógica, o que teria acontecido no Império vizinho se, em suas condições de maior desenvolvimento administrativo, a população oriental ali residente e que é de algumas centenas e não milhares, desse motivo, em um período muito menor, a quarenta e oito reclamações do Governo a seu favor. 4 o governo blanco. Este, por sua vez, pede auxílio ao governo paraguaio, que já havia manifestado suas preocupações quanto a uma intervenção militar brasileira na crise uruguaia junto ao governo imperial. Em 11 de novembro de 1864, o Paraguai apreende o vapor brasileiro Marquês de Olinda, que se dirigia à província de Mato Grosso navegando pelo rio Paraguai, e declara guerra ao Brasil. Em seguida, pede permissão ao governo argentino para que as suas tropas pudessem cruzar o território argentino para ir em auxílio do governo uruguaio e invadir o Brasil. Ao ter seu pedido negado pelo governo Mitre pró- Venancio Flores e hostil ao Paraguai López invade a Argentina. Essa decisão baseava-se em uma suposta adesão à sua causa por parte de Urquiza, chefe político das províncias de Entre Rios e Corrientes (o que não aconteceu). 3 Na verdade, a intervenção brasileira se dá como um dos fatores e não de pequeno peso na instigação da guerra civil, apoiando e patrocinando a volta de Venancio Flores ao Uruguai, desafiando o governo estabelecido. 4 Citado por Lidia Besouchet,José Maria Paranhos, o Visconde do Rio Branco. Ensaio Histórico-Biográfico, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985, p. 88

16 No capítulo seguinte, voltaremos a tratar das motivações do governo imperial em sua política platina a partir de Por hora, voltemos nossa atenção à historiografia, que, revendo as origens do conflito, efetuou uma crítica à versão oficial e à historiografia tradicional da guerra. O revisionismo A revisão das causas da guerra do Paraguai ganha força nas obras de autores platinos a partir, basicamente, do final da década de 50. Em comum, todos fazem uma inversão da história oficial e buscam revelar um Paraguai totalmente distinto daquele representado pela figura do tirano Solano López. Sublinham ainda interesses e motivos diretamente econômicos e expansionistas nas ações dos governos aliados. Essas versões apresentam análises que partilham pontos de vista semelhantes e ressaltam aspectos comuns do conflito. O Paraguai é apresentado como uma próspera república portadora de uma via original de desenvolvimento econômico e social. Desenvolvimento este que teria, por sua vez, como traço marcante, a resistência e independência em relação à penetração imperialista inglesa, que predominava no restante da região. No período imediatamente anterior e durante o conflito; à grandeza e ao heroísmo que caracterizaram a resistência paraguaia, são contrapostas a subserviência em relação à Inglaterra, a tibieza e a mesquinhez do comportamento das forças da Tríplice Aliança. Ainda que comungando basicamente o mesmo ponto de vista, para efeitos de análise, distinguiremos duas das mais conhecidas versões revisionistas, a de José Maria Rosa e a de Leon Pomer. A versão da unidade da América hispânica No prólogo da primeira edição de seu La Guerra del Paraguay y las Montoneras Argentinas, em 1964, José Maria Rosa assim resume os fatos de que trataria na coletânea de artigos que então publicava sob a forma de livro: O ocaso da nacionalidade poderia chamar-se, com reminiscências wagnerianas, esta tragédia de vinte anos que ESFACELOU a América espanhola e lhe tirou a possibilidade de integrar-se em uma nação; ao menos durante um longo século que ainda não transcorreu. Foi a última tentativa de uma grande causa, começada por Artigas nos momentos iniciais da Revolução, continuada por San Martin e Bolivar ao cristalizar-se a independência, restaurada pela habilidade e energia férrea de Rosas nos anos do Sistema Americano e que teria em Francisco Solano López sua continuidade posterior. Causa da Federação dos Povos Livres contra a oligarquia diretorial de uma massa nacionalista que busca sua unidade e sua razão de ser frente a minorias estrangeirizantes que ganhavam em manter a América débil e dividida; da própria determinação opondo-se à ingerência forânea; da pátria contra a antipátria, enfim, que

17 a historiografia colonial, da qual padecemos, deforma para que os povos hispânicos não despertem da letargia que lhes é imposta. Causa tão velha como a América. Narrála é escrever a história de nossa terra, e separar os grandes americanos das pequenas figuras das antologias escolares (grifos do autor). 5 A citação, apesar de longa, é válida porque nela estão expressos os principais elementos dessa versão da guerra. O Paraguai de Solano López é considerado como o herdeiro de uma causa da unidade hispano-americana que se manifestava numa solução de continuidade desde a época da independência. Os opositores dessa causa são principalmente determinadas oligarquias que lucravam e lucram com a influência e intervenção externas. 6 Mais tarde, os grandes vilões da história ganharão nomes definidos: a classe dominante portenha, a Inglaterra e o Brasil imperial. Finalmente, a própria história dos fatos narrados é apresentada como um prolongamento da mesma luta, e o objetivo de revisar a versão oficial presente nas antologias escolares é manifesto. O Paraguai não só é apresentado como o paladino da causa da unidade hispanoamericana em continuação às lutas de independência contra o domínio espanhol, como também o precursor de uma via distinta de desenvolvimento sócio-econômico. A República guarani é vista como um Estado nacionalista, antiimperialista, onde a classe dos proprietários de terra, crioulos, havia sido praticamente exterminada e a terra era explorada pelas comunidades guaranis. A existência de algumas manufaturas é considerada como sinal de uma política de desenvolvimento econômico nacionalista e contrária aos interesses do capitalismo inglês. O poder quase que absoluto exercido sobre o aparelho de Estado e sobre o conjunto da sociedade pelos governantes que se sucedem à independência é encarado como um paternalismo benevolente. Era um verdadeiro Estado socialista a paternalista República do Paraguai... 7 Esse socialismo precoce consistia num exemplo de organização econômica, social e política: Era um modelo na América a República paraguaia, onde a vida era sumamente fácil com a única condição de haver-se tido a fortuna de nascer ali e prestar 5 José Maria Rosa, La Guerra del Paraguay ylzas Montoneras Argentinas, Buenos Aires, Hyspamérica, Os artigos foram publicados na imprensa entre outubro de 1958 e outubro de Antes mesmo desse prólogo, o autor utiliza-se de uma citação de uma carta de Rosas, datada de fevereiro de 1869, em seu exílio em Southampton, a Solano López, na qual lhe confere simbolicamente a espada de San Martin doada por este a Rosas por seus serviços prestados ao país na luta pela independência. 7 José Maria Rosa, op. cit., p. 20

18 em forma de trabalho manual, de labor intelectual ou de tarefas militares, sua parte de serviço à comunidade 8. Entretanto e diferentemente de outra versão revisionista, a de Leon Pomer, como veremos a seguir, a ênfase de José Maria Rosa está na questão da unidade da América hispânica, particularmente no que diz respeito à região platina. Para ele, o Paraguai de Solano López representava a continuidade de um projeto de uma nação forte e unida na região do rio da Prata de colonização espanhola que teve na era de Rosas na Argentina seu momento máximo. 9 O grande inimigo desse projeto era o Brasil imperial com sua política exterior que continuava o intervencionismo português na região platina. Essa política brasileira de intervencionismo na região contava com o apoio eventual dos comerciantes e das elites de Buenos Aires e também da Inglaterra. O apoio destes dois aliados tinha seu limite no estabelecimento claro e absoluto de uma hegemonia brasileira na região:... o Império chocava-se com dois obstáculos em sua política de expansão: a resistência nativa dos castelhanos, e os diplomatas e navios da Inglaterra que não queriam deixar arrebatar o monopólio, e não tolerariam na América do Sul poder mais forte que o seu. 10 Buenos Aires, por sua vez, livre de seus inimigos internos principalmente os federalistas tinha suas próprias pretensões hegemônicas, ainda que, segundo José Maria Rosa, sob a liderança de Mitre, totalmente subordinadas aos interesses comerciais ingleses. O mitrismo era a ponta-de-lança do colonialismo no Prata, a minoria estrangeirizante que se impunha pela ajuda forãnea e se mantinha pelo engano e o terror. 11 A versão de José Maria Rosa tem o excelente mérito de, em assunto de pleno domínio da historiografia tradicional e oficialista, dar voz aos vencidos. Neste sentido, muito da diplomacia do Império e do governo Mitre é exposto, principalmente, no que diz respeito ao apoio mitrista à insurreição de Venancio Flores contra o governo de Montevidéu e a posterior intervenção militar brasileira na crise uruguaia. Por outro lado, os interesses específicos do Império são bastante caracterizados e, inclusive, em uma certa medida, contrapostos parcialmente, como já vimos na citação anterior, aos interesses imediatos ingleses. A política de estabelecimento de uma 8 Idem, ibidem, p Após uma série de lutas internas, o caudilho federalista Juan Manuel Rosas assumiu o poder em Buenos Aires. Em 1852, após uma intervenção militar brasileira apoiada no caudilho Urquiza, que dominava as províncias de Entre Rios e Corrientes, Rosas foi deposto e exilado. Entretanto, durante seu governo e mesmo representando, ao menos teoricamente, os interesses federalistas em oposição ao unitarismo da classe dominante de Buenos Aires, a unidade argentina deu enormes passos no rumo de sua consolidação. 10 José Maria Rosa, op. cit., p Idem, ibidem, p. 22.

19 hegemonia brasileira na região platina é bastante discutida, e seu significado não é minimizado por eventuais confluências de interesses com o imperialismo inglês. 12 Se há essa matização em relação ao papel do Brasil nos acontecimentos platinos, tal não parece ser o caso da análise de Rosa em relação à atuação argentina: todo o significado do período Mitre e dos governos subseqüentes para a história da Argentina é praticamente reduzido a uma entrega do país ao imperialismo e aos interesses do capital comercial e bancário de Buenos Aires e estrangeiro. A crítica principal que se pode fazer a essa versão do conflito é a respeito de seu reducionismo que superdimensiona a influência inglesa na região e ignora as motivações específicas dos países diretamente envolvidos. Não se trata, evidentemente, de negar vinculações e subordinações dos grupos dirigentes e classes dominantes e aí incluímos o caso brasileiro 13 latino-americanos a interesses do capitalismo central. Entretanto, reduzir o papel desses grupos e classes e este nos parece o caso em José Maria Rosa no que diz respeito ao mitrismo e à classe dominante portenha ao de prepostos do imperialismo pouco contribui para a elucidação de relações mais complexas e sutis que estão na base da formação efetiva de nossas nacionalidades não idealizadas, mas como realidades concretas. A contribuição e o valor documental que a obra de José Maria Rosa trouxe à compreensão do tema da guerra do Paraguai até então reduzido à monótona sucessão de vitórias militares e causas e efeitos da historiografia oficial é inegável. Contudo, é impossível não considerarmos que há uma utilização bastante acentuada da interpretação dos fatos históricos para objetivos e projetos político-ideológicos da época presente. No caso de Rosa, sua interpretação insere-se no contexto de propostas de desenvolvimento nacionalista, autônomo e antiimperialista para os países latino-americanos, características do final dos anos 50 e início da década de 60. Não se trata, é claro, de negar que toda versão, por maior que seja sua pretensão científica e neutra, do passado é informada pelo e produzida no presente e, portanto, carregada de seus conflitos, dilemas e disputas. Isto seria ingênuo. Em dois pontos específicos José Maria Rosa é simetricamente oposto à historiografia oficial: na eleição do Paraguai de López como paladino de um projeto de unidade hispano-americana na região e na subordinação total da política portenha aos interesses estrangeiros. Nesse sentido, permanece no mesmo nível de debate e de análise pouco profundos. As premissas são simplificadas. Se houve algum projeto de unidade hispanoamericana, ocorreu no período imediato da independência e não correspondeu às realidades regionais que emergiam da crise do sistema colonial. Entretanto, tal projeto ou quimera representou importante papel nos movimentos de independência das regiões do antigo Vice- Reinado do Prata. Estendê-lo, como expressão de realidades e processos sociais da região, para além dos marcos da independência em especial, da argentina é desconhecer a complexidade e a especificidade dos diferentes processos de formação das nações na região. 12 O que acontece com bastante freqüência em Leon Pomer. 13 Como verificaremos, outros autores cometem o mesmo tipo de simplificação ao se debruçarem sobre o papel do Brasil imperial nos conflitos platinos.

20 No caso do Paraguai, por exemplo, isso não ocorreu. A independência foi uma luta contra qualquer subordinação ao sistema colonial ou a qualquer sistema que implicasse a abertura e a penetração da região ao complexo platino. Estabelecer, como faz José Maria Rosa, que num primeiro momento a independência paraguaia havia sido assegurada também contra a hegemonia portenha e que mais tarde, no período Rosas, tal contradição desaparecera carece de bases documentais. As contradições do Paraguai com o sistema platino eram bem mais amplas do que as contradições internas da história argentina. O projeto de transformação da herança de centralização administrativa colonial em unidade nacional platina carecia de bases sociais e econômicas. Em larga medida, os processos de independência da região se dão contra essa centralização, vista como causa de opressão dos interesses sub-regionais emergentes. O projeto de unidade regional correspondeu, num primeiro momento, a uma necessidade de unificação das forças próindependência contra a reação metropolitana, no período da guerra de libertação do jugo colonial. Passada a conjuntura de risco, afloraram as particularidades, as vontades e interesses das forças sociais sub-regionais. A partir desse momento, um projeto de unidade hispano-americana na região platina passou a corresponder aos interesses da única força sub-regional com interesses no conjunto da região: a burguesia mercantil portenha. Ao identificar a guerra do Paraguai e, em grande parte, o próprio desenvolvimento do país a momentos da história argentina, como o período Rosas e as montoneras 14, José Maria Rosa pouco esclarece as razões de um conflito de tal magnitude. Tem o mérito de pôr a nu o encobrimento da historiografia oficial, que, em larga medida, reproduz o discurso dos próprios governos empenhados no conflito, mas não vai além de reduzir o drama a uma espécie de negociata da classe dominante portenha, de agentes imperialistas ingleses e, ainda que menos caricatamente, da política externa imperial brasileira. A versão da intervenção imperialista Na trilha da revisão da história da guerra, temos ainda a versão para as causas do conflito que foi sugerida por Leon Pomer. Segundo esta versão, o Paraguai, no concerto das nações sul-americanas, era caracterizado por um desenvolvimento próprio. No período imediatamente posterior à independência das nações hispano-americanas, o Paraguai teria seguido um caminho de desenvolvimento original, autônomo, auto-suficiente, nacionalista e, até mesmo, antiimperialista (especificamente contra a Inglaterra). Como exemplos da originalidade desse desenvolvimento histórico são citados a criação de fundições, o monopólio estatal do comércio externo, o surgimento de algumas manufaturas, a quase inexistência de importações, o fechamento do país ao contato com os vizinhos. Entretanto, utilizando-nos de dados do próprio Pomer, 15 vemos que a pauta de importações paraguaias não era muito diferente daquela de seus vizinhos, isto é, importação de manufaturados e exportação de produtos primários (em ordem decrescente de valor): tecidos de algodão e de lã, comestíveis, vinhos, vários, calçados, sedas e ferragens. O 14 Movimentos armados baseados em lideranças caudilhas regionais e que contavam com apoio popular contra o governo central de Buenos Aires 15 Leon Pomer, op. cito

21 mesmo sucedendo com as exportações: erva-mate, tabaco, couros secos, couros curtidos, vários, laranjas, cortiça e madeira. É verdade, como afirma Pomer, que à exceção do ano de 1852, o saldo da balança comercial foi sempre positivo, o que não altera a natureza da pauta de importações e exportações. 16 É bom lembrar ainda que, a partir da década de 60 até o final do século passado, pelo menos, a balança comercial brasileira também foi positiva, sem contudo significar que o país se afastava da esfera de influência do imperialismo. 17 Por outro lado, a existência de, uma fundição (de Ibicuí), de telégrafo e de estradas de ferro é insuficiente para caracterizar o Paraguai como um país que tivesse um tipo de desenvolvimento econômico que o colocasse fora do contexto geral da região de dependência do capital e do imperialismo inglês. É claro que nesse contexto e sem escapar dele o Paraguai ocupava uma posição periférica, se comparado a seus vizinhos. Isto mais por razões de natureza histórica vinculadas a sua formação durante o período colonial, quando igualmente ocupava uma posição periférica, do que por opções de desenvolvimento pós-independência. O Paraguai, ao contrário de outras regiões da América hispano-portuguesa, não teve grandes plantações tropicais nem consideráveis fazendas de gado. 18 Assim como no caso das missões na Amazônia, a presença colonial no Paraguai deu-se através dos jesuítas, que controlavam as populações indígenas organizadas em comunidadas de produção comunitária. O fato de essas comunidades não terem sido marcadas pela exploração quase absoluta, extensiva e predatória da mão-de-obra característica das regiões escravistas ou das encomiendas, não permite excluir essa forma de organização econômica do quadro geral de exploração colonial. 19 É verdade que as relações dessas regiões periféricas com aquelas de produção principal para exportação foram sempre marcadas por contradições e atritos. Muitas vezes, os colonos no século XVIII, as Coroas também não viam com bons olhos o monopólio da Igreja sobre determinadas regiões da colônia que, em parte, barrava seu acesso seja à exploração da mão-de-obra representa da pelas populações indígenas, seja a exploração direta de determinados produtos. Essas contradições, no caso do Paraguai, vão se transferir para o período pósindependência. No processo de independência da região do Vice-Reinado do Prata, a contradição entre o porto de Buenos Aires região central diretamente vinculada ao sistema colonial e o periférico Paraguai foi imediata. O Paraguai reivindicava a livre 16 Leon Pomer., op. cit., p Cf. Octávio Ianni. O Progresso Econômico e o Trabalhador Livre, in História Geral da Civilização Brasileira, op. cit., tomo 11, voi. 3, p. 300, citando Caio Prado Júnior, História Econômica do Brasil, Brasiliense, 1958, p Idem, ibidem, p Depois de descrever a ação dos jesuítas na colonização do Paraguai, através das missões que concentravam sob sua direção a população indígena numa forma comunitária de produção, Pomer considera a expulsão dos jesuítas do império espanhol e suas repercussões no Paraguai: Depois que os jesuítas foram expulsos, suas posses passam ao poder da Coroa, o que provoca um crescimento significativo nas propriedades estatais. O Estado manterá em seu poder essas terras, até que a Tríplice Aliança triunfante e o governo títere que se instalará comecem a dilapidá-las com sinistra generosidade (p. 34). Aqui temos uma espécie de estadolatria. Não importa a natureza do Estado, se colonial, absolutista e monárquico, ou autocrático pós-independência, seu controle sobre a produção é sempre superior ao controle privado, igualmente independente da natureza da exploração econômica e das relações sociais de produção

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 Não é possível exibir esta imagem no momento. A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 É também chamada Guerra da Tríplice Aliança

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870)

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Thasley Westanyslau Alves Pereira * Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) ** O projeto Levantamento de Fontes para

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI

20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI 20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI No dia 18 de setembro de 1865, ocorre a rendição do Paraguai, depois do cerco de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. É um bom momento para lembrarmos daquele que

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

A Guerra do Paraguai: duas vertentes historiográficas

A Guerra do Paraguai: duas vertentes historiográficas A Guerra do Paraguai: duas vertentes historiográficas Daniel Porciuncula Prado (FURG, Brasil) somos um exército (o exército de um homem só) no difícil exercício de viver em paz somos um exército (o exército

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

O QUE LEVOU À GUERRA DO PARAGUAI? Interesses ingleses, questões territoriais ou o caráter autoritário de Solano López?

O QUE LEVOU À GUERRA DO PARAGUAI? Interesses ingleses, questões territoriais ou o caráter autoritário de Solano López? O QUE LEVOU À GUERRA DO PARAGUAI? Interesses ingleses, questões territoriais ou o caráter autoritário de Solano López? Fábio Liberato de Faria Tavares* fabioliberatobh@yahoo.com.br *Graduado em História,

Leia mais

Guerra do Paraguai: Controvérsias da Historiografia sobre as causas do conflito

Guerra do Paraguai: Controvérsias da Historiografia sobre as causas do conflito 1 Guerra do Paraguai: Controvérsias da Historiografia sobre as causas do conflito Posso discordar de tudo o que dizes, mas lutarei até a morte para que possas dizer. Thiago Rabelo Sales Graduando em História

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

Guerras tribais ou conflitos étnicos?

Guerras tribais ou conflitos étnicos? Guerras tribais ou conflitos étnicos? O continente africano padece das conseqüências de um longo e interminável processo de exploração que espoliou a maior parte de suas nações, determinando, na maioria

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920)

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) SUB Hamburg A/548637 FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) Fernando Cacciatore de Garcia Editora Sulina Porto

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes.

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes Carlos Malamud O reconhecimento, por parte da antiga potência colonial, das novas repúblicas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE VERBETES PARA CONSTITUIÇÃO DO DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

ELABORAÇÃO DE VERBETES PARA CONSTITUIÇÃO DO DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI ELABORAÇÃO DE VERBETES PARA CONSTITUIÇÃO DO DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Eliane Gomes Nunes Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) O projeto elaboração de verbetes para constituição do dicionário

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE HISTÓRIA 8.1;8.2;8.3

ATIVIDADES ONLINE HISTÓRIA 8.1;8.2;8.3 PROFESSOR JOSÉ CARLOS ARQUETTI FILHO ATIVIDADES ONLINE HISTÓRIA 8.1;8.2;8.3 1- A Guerra do Paraguai (1865/1870) foi um grande conflito que envolveu o Brasil durante o II Reinado. Acerca desse contexto,

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL O que seria necessário, para que o Brasil, após a independência fosse reconhecido como uma Nação Livre e soberana? Seria necessário que

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL ELIANNE MARIA MEIRA ROSA Professora Titular de Direito Internacional Público da Faculdade de Direito da Universidade Braz Cubas. Mogi das Cruzes-SP. Professora de Ética Geral e Profissional da Faculdade

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Keila Grinberg * Este paper está inserido no projeto de pesquisa que venho desenvolvendo atualmente sobre escravidão e formação das relações

Leia mais

Walter Vetillo RONDON. O desbravador do Brasil

Walter Vetillo RONDON. O desbravador do Brasil Walter Vetillo RONDON O desbravador do Brasil Em maio de 1865, por meio de um acordo conhecido como Tríplice Aliança, Argentina, Brasil e Uruguai uniram suas forças para deter o presidente paraguaio Francisco

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2011

PROCESSO SELETIVO 2011 PROCESSO SELETIVO 2011 Anos 06/12/2010 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

DIPLOMACIA E SAÚDE: ACERVO DOCUMENTAL SOBRE AS RELAÇÕES ENTRE O IMPÉRIO DO BRASIL E AS REPÚBLICAS DO PRATA NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX

DIPLOMACIA E SAÚDE: ACERVO DOCUMENTAL SOBRE AS RELAÇÕES ENTRE O IMPÉRIO DO BRASIL E AS REPÚBLICAS DO PRATA NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX DIPLOMACIA E SAÚDE: ACERVO DOCUMENTAL SOBRE AS RELAÇÕES ENTRE O IMPÉRIO DO BRASIL E AS REPÚBLICAS DO PRATA NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX Cleide de Lima CHAVES DH/UESB cleide@uesb.br O objetivo do presente

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Independência da América Espanhola

Independência da América Espanhola Independência da América Espanhola Colônias espanholas na América Contexto Século XVIII: mudanças importantes iniciadas e ganhando força: Europa: Espanha e Portugal não dominavam mais o comércio colonial;

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

Equipe de História HISTÓRIA. Exercícios

Equipe de História HISTÓRIA. Exercícios Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 9R Ensino Médio Equipe de História Data: HISTÓRIA ESTADOS UNIDOS Exercícios 1. A expansão dos Estados Unidos em direção ao oeste, na primeira metade do século XIX,

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império

A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império ECEME IMM / CEE 12/JUN/2013 Marcos Henrique Camillo Côrtes Embaixador À guisa de introdução Fundamentos do Relacionamento Internacional 1. Espaço Geopolítico

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789:

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSORA ROSE LIMA Nome: PRIMEIRA PARTE SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: Art.1.º Os homens

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico

As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico Pablo de Oliveira Andrade Universidade Federal de Ouro Preto NOS ÚLTIMOS ANOS OS

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

PROGRAMA DAS DISCIPLINAS

PROGRAMA DAS DISCIPLINAS PROGRAMA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO DE TEXTO O texto elaborado pelo candidato deve atender à situação de produção apresentada na prova, obedecendo para tanto à tipologia e ao gênero textual solicitados.

Leia mais

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo I - Introdução Consideram-se como Norte os países ricos ou industrializados: o primeiro Mundo ou países capitalistas desenvolvidos, em primeiro lugar e também os países mais industrializados do antigo

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO O Ministério da Informação da República Árabe Síria expressa seus protestos de alta estima e consideração a Vossa Excelência e anexa ao presente texto a Declaração

Leia mais

O FARDO DOS BACHARÉIS

O FARDO DOS BACHARÉIS Luiz Felipe de Alencastro Tradução:Antônio Flávio Pierucci As originais circunstâncias que envolveram a independência do Brasil marcaram fundo a identidade cultural do país e a legitimidade política que

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

Palavras-chave: história política; história militar; mudanças.

Palavras-chave: história política; história militar; mudanças. HISTÓRIA POLÍTICA NO BRASIL: DA HISTÓRIA MILITAR À NOVA HISTÓRIA MILITAR 1 Sandro Heleno Morais Zarpelão (Mestre em História Política Universidade Estadual de Maringá; Doutorando em História Social Universidade

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca OS TEMAS DO DIÁLOGO "Mudando os temas

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais