Ferrovias, capitalismo e história econômica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ferrovias, capitalismo e história econômica"

Transcrição

1 Ferrovias, capitalismo e história econômica Alexandre Macchione Saes 1 Gian Carlo M. Guimarães Hespanhol 2 O debate sobre a construção das estradas de ferro e seu papel no desenvolvimento da sociedade brasileira suscita a nostalgia de uma memória já esvanecida. Memória essa que pode nos trazer toda sorte de sentimentos à tona: uns se recordam das histórias de seus antepassados, outros de suas próprias histórias e há, ainda, aqueles cuja simples elucubração de como poderia ter sido a vida naquele tempo áureo de expansão ferroviária os faz imaginar uma memória inexistente. Entretanto não podemos deixar que os sentimentos advindos dessa memória nublem nossa compreensão sobre o presente. A introdução das ferrovias no Brasil, portanto, de sua rápida expansão na transição do século XIX ao XX e sua crise em meados do século XX não pode ser compreendida apenas pelas determinações internas a esse projeto. Avaliar quem lutou por sua introdução, quem defendeu outros modelos viários ou mesmo como se deu as disputas em torno dos projetos de transporte no Brasil, revela-se apenas como parte das causas dessa trajetória. Assim, para entendermos o processo de expansão das estradas de ferro no Brasil, devemos nos voltar também para um todo mais complexo, avaliando o sentido destas ferrovias brasileiras num contexto de capitalismo mundial. Nas palavras de Caio Prado Junior (2010, p.18): Os pormenores mais ou menos complexos, que constituem a trama de sua história e que ameaçam por vezes nublar o que verdadeiramente forma a linha mestra que a define, passam para segundo plano; e só então nos é dado alcançar o sentido daquela evolução, compreendê-la, explicá-la. Como resultado da segunda fase da Revolução Industrial, ainda na primeira metade do século XIX, uma rápida expansão da construção ferroviária partiu da Inglaterra para outros países da Europa e para os Estados Unidos. Com as ferrovias, o capitalismo se espraiava para o globo, promovendo uma maior integração dos países quanto ao comércio de mercadorias e de capital. O Brasil, que não pretendia perder o trem da história, logo criou sua primeira legislação ainda genérica de incentivo à construção de vias de transportes em Anos mais tarde, em 1835, o Padre e Regente Diogo Antonio Feijó promulgou a primeira concessão para estrada de ferro no país, no intuito de implementar uma ligação entre o Norte e o Sul do país. Essa idealização, finalmente, foi sistematizada com o Plano Rebelo de De medidas efetivas, entretanto, somente em 1852 o Império promulgaria a lei de garantia de juros de 5% sobre o capital investido para os concessionários de estradas de ferro, mas ainda assim, a construção das estradas de ferro manteve-se tímida até a década de A verdade é que ainda o projeto ferroviário brasileiro não estava amadurecido e não por questões internas aos interesses dos políticos brasileiros, afinal, nada menos que o Imperador D.Pedro II era um dos maiores entusiastas deste projeto. Contudo, externamente os interesses comerciais e financeiros para um investimento de tamanha monta e num país periférico como o Brasil não estavam disponíveis. O amadurecimento desse capital em direção a periferia, como para a América Latina e mesmo para a Ásia, somente teria início com mudanças bastante profundas da economia mundial da década de A Revolução Industrial Inglesa, a qual as estradas de ferro são herdeiras, teve início quase um século antes desse amadurecimento deste capital internacional. Nos primórdios da revolução industrial, como ensina Adam Smith em A Riqueza das Nações, o processo de produção era extremamente simples. A introdução de novas máquinas, de novas fontes de 1 Professor do Departamento de Economia FEA/USP 2 Discente do curso de Economia FEA/USP

2 energia (da fonte motriz humana ou animal para a inanimada a vapor, por exemplo), iam reduzindo a necessidade de trabalho humano e ampliando em muito a produtividade das empresas. Naquela fase, como lembra Adam Smith, a livre concorrência permitia gigantes saltos de produção em pouco tempo por impor aos produtores a competição como sobrevivência no mercado. Grande parte das máquinas utilizadas nas manufaturas em que o trabalho está mais subdividido constituiu originalmente invenções de operários comuns, os quais, com naturalidade, se preocuparam em concentrar sua atenção na procura de métodos para executar sua função com maior facilidade e rapidez, estando cada um deles empregado em alguma operação muito simples. Quem quer que esteja habituado a visitar tais manufaturas deve ter visto muitas vezes máquinas excelentes que eram invenção desses operários, a fim de facilitar e apressar a sua própria tarefa no trabalho. Nas primeiras bombas de incêndio um rapaz estava constantemente entretido em abrir e fechar alternadamente a comunicação existente entre a caldeira e o cilindro, conforme o pistão subia ou descia. Um desses rapazes, que gostava de brincar com seus companheiros, observou que, puxando com um barbante a partir da alavanca da válvula que abria essa comunicação com um outro componente da máquina, a válvula poderia abrir e fechar sem ajuda dele, deixando-o livre para divertir-se com seus colegas. Assim, um dos maiores aperfeiçoamentos introduzidos nessa máquina, desde que ela foi inventada, foi descoberto por um rapaz que queria poupar-se no próprio trabalho. (SMITH, 1996, p.69-70). Foi neste contexto que as primeiras experiências de controle das máquinas como meio de transporte foram colocados em funcionamento. James Watt, nesta altura, já tinha disseminado a energia a vapor pela Grã-Bretanha, e o ferro e o carvão eram duas grandes indústrias na região. Finalmente, em 1825 entrava em funcionamento a primeira ferrovia no mundo ligando os 60 km entre as cidades de Darlington e Stockton na Inglaterra. Era uma grande revolução e que chegava em boa hora. Conforme defende Eric Hobsbawm no livro Da revolução industrial inglesa ao Imperialismo, estava chegando a segunda fase da revolução industrial: a profunda acumulação de capital resultante da expansão da indústria têxtil inglesa tinha limitado os investimentos dos empresários ingleses que não sabiam mais onde investir. As estradas de ferro surgem, desta forma, como um grande solução não somente para o desenvolvimento do transporte, mas para a reprodução do capital. E seria essa a tônica dos investimentos ingleses na primeira metade do século XIX: buscando traçados vantajosos para a construção de novas ferrovias, como por exemplo, nas duas manias ferroviárias inglesas de meados de 1830 e de 1840, o capital acumulado precisava de grandes investimentos para se realizar. Todavia, o território inglês é limitado. Logo tais investimentos precisariam buscar novas localidades para atender seu ímpeto expansionista. Neste sentido, a partir da década de 1840 as ferrovias começariam a chegar em países como França, Alemanha e, inclusive, os Estados Unidos. Ao mesmo tempo em que a expansão das técnicas e do capital se deslocavam da Grã-Bretanha para outros países da Europa e para os Estados Unidos, deslocava-se também as potencialidade do capitalismo. Em pouco tempo o mundo se aproximou: o transporte ferroviário e, inclusive o marítimo realizado pelos barcos à vapor, reduziam as distâncias e o tempo de comunicação entre regiões. Com a aceleração do relógio, mais rápida, foi a introdução de novas potências econômicas entre aquelas com técnicas industriais. O ponto de inflexão deste processo de expansão do capital, personificado pelas estradas de ferro, se deu com a mudança da fase de livre concorrência para a fase monopolística do capitalismo, que pode ser marcada em meados da década de A

3 questão na qual se encontrava o mundo também mudou. Não existia mais capital industrial e capital bancário. Houve uma mescla, na qual não se distinguia mais o que ia para a indústria e o que ficava para realizar e facilitar transações. Os bancos necessitavam da indústria para poder tornar produtivo seu capital, e por outro lado as indústrias necessitavam dos bancos para poderem ajuntar enormes quantias de capital. Seja para comprar outras empresas, e assim aumentar o monopólio, seja para garantir um poder de barganha com outras empresas quando se trata de definir quanto produzir, em um processo de cartelização. Surge então o capital financeiro. É claro que essa mudança no centro do capitalismo refletiu na periferia. Essa nova fase do capitalismo a monopólica -, mudou a lógica com a qual se realizavam empréstimos para lugares mais arriscados. Se antes, difícil era conseguir um empréstimo, no momento da cartelização estes eram necessários para realizar o capital financeiro. O banco emprestava para garantir a venda de suas empresas associadas. Principalmente as grandes empresas: ora produtoras de bens de capital, ora atuantes nos setores de construção e infraestrutura. Como era o caso das indústrias viárias. Às maiores empresas, associavam-se os maiores bancos. Entrando, assim, em um círculo vicioso. Com esse pano de fundo podemos entender o processo de expansão viária no Brasil. Muito mais como parte de um todo de um contexto do que pela empreita de alguns poucos personagens. Brasileiros ou não. E, neste contexto, sedimentava-se o sentido a ser dado ao modelo do sistema de transportes brasileiro: o projeto político se subordinava ao econômico; os interesses internos, por sua vez, se subordinavam aos determinantes externos. Como atestam trabalhos clássicos como de Celso Furtado (1959) e Ana Célia Castro (1979), as condições econômicas fosse por determinantes internos como a reintegração do Brasil no mercado internacional por meio da economia cafeeira, fosse por determinantes externos, da maior exportação de capitais das economias centrais para a periferia impulsionariam novo ritmo à economia brasileira na segunda metade do século XIX. Um ritmo que a princípio parecia destoar do resto da música, aos poucos foi tornandose a tônica principal: um processo de integração socioeconômica, aumento do mercado interno e início da industrialização. Aos poucos e lentamente vão-se transformando a realidade brasileira. Entretanto, se o ritmo mudara, a ópera continuava a mesma. A dinâmica de construção das estradas ainda encontrava-se sob o jugo do capital externo. Fácil era de perceber: as estradas de ferro eram construídas longitudinalmente, partindo do interior, das plantações de café, por exemplo, e desembocando no litoral, nos seus portos de exportação. Com essa lupa, podemos analisar melhor a famigerada personagem do Barão de Mauá, famosa por construir a primeira ferrovia brasileira em 1858 (D. Pedro II), e depois, idealizar a estrada de ferro mais rentável da história do Brasil, mesmo que sem concluir o projeto: a São Paulo Railway foi inaugurada pelos ingleses em Ambas possibilitadas com o know-how, e capitais britânicos. Ambas para facilitar o escoamento do café para os portos. Ou seja: sua venda para o mercado externo. Houve, porém, alguns planos de integração brasileira que não respondiam necessariamente às demandas dos cafeicultores. O plano Rebelo, por exemplo, idealizado em 1838, visava a integração de todas as províncias (exceto o Amazonas) com aquilo que ficou conhecido de Estradas reais. Ainda não era propriamente um plano ferroviário, mas era um plano cujo sentido era de integração nacional: mas não se efetivou. Essas experiências da formulação dos sistemas de transportes regionais são emblemáticas na caracterização desta economia brasileira na transição do século XIX para o XX período de transição para um sistema de transportes modernos, baseado na integração ferroviária. Período de construção que reforça o argumento de que as tentativas de integração regional somente ocorreriam quando, de um lado a tecnologia necessária para essa integração estivesse disponível e, de outro lado, quando internamente cada localidade buscasse se integrar economicamente com outros mercados - principalmente mercados externos. Como toda regra possui sua exceção, vale destacar que em casos muito particulares, como a construção da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, ligando o Estado de São Paulo com a fronteira boliviana, o sentido da construção ferroviária teria sido estratégico e militar. Mas no

4 geral, as ferrovias seguiam as produções rentáveis como por exemplo o café, e com isso, reforçavam a desigualdade regional (tabela 1). Tabela 1. Quilometragem e porcentagem da malha ferroviária dos principais estados produtores de café ( ) UF São Paulo Minas Gerais Rio de Janeiro Espírito Santo Brasil Fonte: Estatísticas Históricas do Brasil. IBGE. Rio de Janeiro, Quando observado de maneira individualizada, por sua vez, cada estrada de ferro podia construir potencialidades regionais: esses variados sistemas de transporte tendiam a dar ênfase para um caráter particular e completo do seu próprio sistema de comunicação; rompese com a interpretação de um sentido disperso e exportador, por exemplo, pensado por Caio Prado Jr. (2010). Essa divergência está na base dos debates recentes da historiografia brasileira, do papel do mercado interno na construção de uma economia nacional. Se cada localidade consegue internamente se reproduzir e constituir seu próprio sistema de transporte de uma maneira plena calcado por suas atividades econômicas internas e pelos interesses das elites locais, em suma, por meio de uma dinâmica endógena de acumulação, reforçasse que o mercado interno brasileiro poderia ser considerado como pujante e possivelmente permitiria a construção de um projeto de economia nacional com maior autonomia. Entretanto, o que se observa não é bem esse cenário. Podemos observar que as regiões menos dinâmicas da economia teriam dificuldade de sustentar suas próprias ferrovias. A verdade é que respondendo aos interesses políticos e econômicos locais, o sistema de transporte nem sempre conseguia se mostrar rentável para se sustentar por meio das atividades ligadas ao mercado interno ou comunicação regional tais como os casos de Minas Gerais e do Nordeste brasileiro respectivamente. O que se verifica historicamente é, por outro lado, que mesmo a produção cafeeira não tendo a capacidade de impedir a disseminação de outras atividades econômicas muito pelo contrário, tinha a capacidade de estimulá-las o fato é que a existência de uma atividade estreitamente ligada ao mercado externo era o que garantia a sobrevivência econômica das ferrovias (SAES, 1981). Em suma, a história dos transportes no Brasil foi marcada por essa forte prevalência das atividades regionais, sem que a proposição de uma integração nacional pudesse ser efetivamente colocada em prática. Ademais, seu sentido é dado pela ligação com o exterior, com a exportação de nossas matérias-primas. Ainda hoje, portanto, as cinco maiores companhias ferrovias do país respondem por 95% da Tonelagem-Quilômetro Útil, na ligação das produções voltadas ao mercado externo com os portos brasileiros. Em suma, o projeto Rebelo de 1838 que pretendia fazer a efetiva integração econômica nacional por meio das ferrovias, não somente não se realizou, como o sentido da economia brasileira pouco se transformou nestas longas décadas de história. As ferrovias ajudaram o país no desenvolvimento do capitalismo, introduzindo o sistema moderno de transportes e todos os hábitos de uma sociedade industrial. Mas, ainda assim, era produto de um desenvolvimento maior. Periférico e, portanto, contraditório por sua própria natureza. O sentido não estava voltado para a formação da nação. É neste sentido que, lançar questões sobre o desenvolvimento ferroviário brasileiro é passar pelo entendimento da dificuldade histórica de romper as dispersas dinâmicas regionais para a formação de um projeto nacional e de nossa subordinação econômica ao comércio internacional: os transportes brasileiros personificam os próprios dilemas da economia brasileira. Referências: CASTRO, Ana Célia. As empresas estrangeiras no Brasil: Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

5 FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, HOBSBAWM, Eric. Da revolução industrial inglesa ao Imperialismo. São Paulo: Forense Universitária, PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Brasiliense, 2010 (1942). SAES, Flávio. As ferrovias de São Paulo, São Paulo: Hucitec, SMITH, Adam. A riqueza das nações. Coleção os economistas. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1996 (1776). Imagens: Barão de Mauá. Construtor da primeira ferrovia brasileira.

6 Estação da Luz em São Paulo, São Paulo Railway, Fonte: Fonte:

7 Inauguração da Estrada de Ferro D. Pedro II, em 29 de Março de 1858, com a presença do Imperador D. Pedro II e toda a Côrte. Após a cerimônia, todos foram convidados para um "esplêndido copo d'água", oferecido pelo Imperador, como relatou um cronista da época. Foto do Acervo RFFSA-Preserfe. Publicada no Livro A Ferrovia e Sua História - Estrada de Ferro Central do Brasil, de Eduardo Gonçalves David. FONTE:

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique?

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? 27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? A implantação da informática em quase todos os campos de atividades humanas tem seu lado positivo, mas, por outro lado, a mão

Leia mais

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis.

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis. David Ricardo David Ricardo nasceu em Londres, em 18 ou 19 de abril de 1772. Terceiro filho de um judeu holandês que fez fortuna na bolsa de valores, entrou aos 14 anos para o negócio do pai, para o qual

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - Eram aprendizes órfãos? Todos aprendizes órfãos. - E com que idade eram admitidos? Os que vinham de Londres tinham entre 7 e 11 anos. - (...) Qual o horário de trabalho? De 5 da

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial;

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial; PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Histórico de nossa industrialização A industrialização no Brasil teve início a partir de meados do século XIX; A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto

Leia mais

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento Questões de partida 1. Podemos medir os níveis de Desenvolvimento? Como? 2. Como se distribuem os valores

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Inglaterra século XVIII

Inglaterra século XVIII Inglaterra século XVIII Revolução: Fenômeno político-social de mudança radical na estrutura social. Indústria: Transformação de matérias-primas em mercadorias, com o auxílio de ferramentas ou máquinas.

Leia mais

Ver também Túnel do Canal da Mancha.

Ver também Túnel do Canal da Mancha. Estrada de ferro, Sistema de transporte sobre trilhos, que compreende a via permanente e outras instalações fixas, o material rodante e o equipamento de tráfego. É também chamado ferrovia ou via férrea.

Leia mais

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, integra o conjunto das "Revoluções Burguesas" do século XVIII, responsáveis

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2)

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam diferenças

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Formação Territorial do Brasil Carga Horária: 60 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso:

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Habilidades: Conhecer os principais reflexos da cultura industrial no cotidiano amazonense do início do século XX Manaus na Belle

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO http://www.administradores.com.br/artigos/ A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS),

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

A economia global e a organização do espaço

A economia global e a organização do espaço littleny/ Shutterstock ssguy/ Shutterstock A economia global e a organização do espaço Xangai, China Las Vegas, EUA Alain Lacroix/ Dreamstime.com Empresas multinacionais e economia global A revolução tecnocientífica,

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Economia Industrial 1

Economia Industrial 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso de Economia Economia Industrial Análise Estrutural dos Mercados e da Concorrência em Oligopólios Conceitos Introdutórios Professor : Johnny Luiz Grando

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. GEOGRAFIA - Grupos

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 5B AULA 14 e 15. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 5B AULA 14 e 15. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 5B AULA 14 e 15 Profº André Tomasini Formação Industrial Brasileira Proibição da produção (fim do século XVIII). Barão de Mauá (ferrovias e indústrias). Ciclo do café fase capitalista

Leia mais

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr.

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr. Bureau de Inteligência Competitiva do Café Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013 www.icafebr.com PARA TER ACESSO AOS DEMAIS RELATÓRIOS DO BUREAU, NOTÍCIAS E COTAÇÕES, ACESSE:

Leia mais

O trabalho infantil é uma realidade terrível em todo o mundo. Podemos vê-lo nos

O trabalho infantil é uma realidade terrível em todo o mundo. Podemos vê-lo nos O trabalho infantil é uma realidade terrível em todo o mundo. Podemos vê-lo nos países ocidentais e orientais. Podemos vê-lo nos países do norte, bem como nos países do sul. Podemos vê-lo nas cidades e

Leia mais

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte I)

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte I) www.brasil-economia-governo.org.br A desigualdade de renda parou de cair? (Parte I) Marcos Mendes 1 O governo tem comemorado, ano após ano, a redução da desigualdade de renda no país. O Índice de Gini,

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA

A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA Zedequias Vieira Cavalcante¹, Mauro Luis Siqueira da Silva² RESUMO: A Revolução Industrial

Leia mais

Inteligência Competitiva e Tecnológica

Inteligência Competitiva e Tecnológica Inteligência Competitiva e Tecnológica Gilda Massari Coelho, Lúcia Regina Fernandes, Cícera Henrique da Silva, Vera Lúcia Maria Lellis A globalização constitui uma chave essencial para explicar os fenomênos

Leia mais

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 8 Educador: Franco Augusto

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 8 Educador: Franco Augusto ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial Capítulo 8 Educador: Franco Augusto EUA: Processo histórico Colônia de povoamento (Reino Unido, em especial a Inglaterra) A ocupação da costa do Atlântico foi baseada

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

OS NÚMEROS DA CRISE CAPÍTULO I

OS NÚMEROS DA CRISE CAPÍTULO I CAPÍTULO I OS NÚMEROS DA CRISE A crise de 1929 consistiu, acima de tudo, numa queda generalizada da produção em quase todo o mundo industrializado (com exceção da URSS e do Japão). Convém primeiro entendê-la

Leia mais

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde?

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? África e Ásia (Neocolonialismo) e América (Imperialismo). Causas

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

Plataforma Global Find. Uma ferramenta para localização empresarial. 10 de Novembro de 2009. Maria Alexandre Costa, Engª

Plataforma Global Find. Uma ferramenta para localização empresarial. 10 de Novembro de 2009. Maria Alexandre Costa, Engª Plataforma Global Find Uma ferramenta para localização empresarial 10 de Novembro de 2009 Maria Alexandre Costa, Engª A aicep Global Parques integra o universo da aicep Portugal Global Agência para o Investimento

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS A FUP defende Mudanças Imediatas no Marco Regulatório da Indústria de Exploração, Produção e Comercialização de Petróleo e Gás Natural no Brasil Documento final aprovado pela primeira reunião do Conselho

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E SUBDESENVOLVIMENTO NO BRASIL

DESENVOLVIMENTO E SUBDESENVOLVIMENTO NO BRASIL DESENVOLVIMENTO E SUBDESENVOLVIMENTO NO BRASIL Luiz Carlos Bresser-Pereira Verbete para o livro Temas clássicos (e não tanto) do Pensamento Social no Brasil, organizado por André Bueno e Lilia Moritz Schwarcz.

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE Com a criação da CEE, as trocas comerciais entre membros sofreram enormes aumentos de tráfego, tendo as empresas a oportunidade de aceder a um mercado muito mais vasto.

Leia mais

La Brazilian Traction en la industrialització del Brasil

La Brazilian Traction en la industrialització del Brasil Les hidroelèctriques i la transformació del Paisatge Universitat de Lleida La Brazilian Traction en la industrialització del Brasil Alexandre Macchione Saes Departamento de Economia Universidade de São

Leia mais

CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 )

CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 ) CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 ) Roberto Lobato Corrêa Departamento de Geografia- UFRJ Tel.: (021) 590-1880 UFRJ-IBGE, Rio de Janeiro, Brasil Este estudo

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil CRISTINA FRÓES DE BORJA REIS (*) O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil Esse artigo apresenta as relações entre investimento público e desenvolvimento econômico no Brasil entre

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Gabarito das Questões do Módulo 5

Gabarito das Questões do Módulo 5 Gabarito das Questões do Módulo 5 2. De que maneira as inovações tecnológicas contribuem para o aumento do consumo? Quais as consequências ambientais deste aumento? Resposta O lançamento de produtos cada

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 12R Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA CHINA 1. 1952: China Socialista. Um grande movimento guerrilheiro de base camponesa, liderado por Mao Tse Tung,

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais