O CEMITÉRIO DOS INGLESES DA CIDADE DE SANTOS - SP. Lincoln Etchebéhère Júnior Doutor em História pela USP e professor da Universidade São Marcos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CEMITÉRIO DOS INGLESES DA CIDADE DE SANTOS - SP. Lincoln Etchebéhère Júnior Doutor em História pela USP e professor da Universidade São Marcos"

Transcrição

1 Lincoln Etchebéhère Júnior Doutor em História pela USP e professor da Universidade São Marcos Marcelo Tette Lopes Mestre em Educação. Administração e Comunicação pela Universidade São Marcos

2 Resumo A presença de protestantes no período colonial brasileiro foi escassa até iniciar o século XIX, quando da transferência da corte portuguesa para o Brasil. Os Tratados de Abertura dos Portos às Nações Amigas assinados entre os reinos de Portugal e Inglaterra em 1810, possibilitou na presença de imigrantes protestantes de origem inglesa em Santos e no Brasil. Em virtude do predomínio do catolicismo no país e do fato da Igreja Católica ser a religião oficial do Estado, os protestantes enfrentaram várias dificuldades ao longo do século XIX. Entre elas, a falta de cemitérios seculares fora dos adros das igrejas, para sepultamento de protestantes. Deste fato surgiu a necessidade de construir cemitérios particulares próprios para os colonos protestantes residentes no Brasil. Palavras-chave: cemitérios; protestantes; Santos. Abstract The presence of Protestants during the colonial period was low to start the nineteenth century, when the transfer of the Portuguese court to Brazil. The Opening of Treaty Ports to Friendly Nations signed between the kingdoms of Portugal and England in 1810, allowed the presence of immigrants of English Protestants in Santos and Brazil. Because of the predominance of Catholicism in the country and the fact that the Catholic Church is the official state religion, the Protestants have faced several difficulties during the nineteenth century. Among them, the lack of secular cemeteries outside the churchyards of the churches for burial of Protestants. From this fact arose the need to build their own private cemetery for the Protestant settlers living in Brazil. Keywords: cemetery; protestants; Santos. 2

3 Introdução Os ingleses começaram a chegar ao Brasil muito antes da abertura dos portos às nações amigas, decretada pelo príncipe regente D. João, em janeiro de 1808, após sua chegada à cidade de Salvador. Nesse contexto, sua presença em terras brasileiras não era como imigrantes, mas sob a forma de piratas, aventureiros e negociantes 1 que desembarcavam nas praias descobertas por portugueses. Mas foi o decreto promulgado pelo príncipe português na Colônia, que marcou o início da imigração e fundação de colônias inglesas no Brasil, que acabou influenciando não só a economia, como também a vida social e cultural do povo local 2. Assim, por intermédio dos Tratados de Aliança e Amizade, de Comércio e Navegação e de regulamentação das relações postais entre os reinos de Portugal e Inglaterra, assinado em 1810, que houve a possibilidade de imposição de vantagens aos novos colonos, como: o direito da extraterritorialidade, que permitia aos súditos ingleses radicados em domínios portugueses serem julgados aqui por juízes ingleses, segundo a lei inglesa; o direito de construir cemitérios e templos protestantes 3, desde que sem a aparência externa de templo; a garantia de que a Inquisição não seria instalada no Brasil, com o que a Igreja Católica perderia o controle das almas. Essas exigências favoreceram no aumento da influência econômica dos ingleses no comércio e depois no processo industrial brasileiro, possibilitando a criação das primeiras fundições modernas, primeiras estradas de ferro, primeiros telégrafos, 1 FREIRE, Gilberto. Ingleses no Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1948, p A influência britânica sobre a vida, a paisagem e a cultura do Brasil foi largamente estudada por Gilberto Freire, que define as relações entre a Grã-Bretanha e o Brasil ainda semi-colonial como "mais ou menos imperiais". 3 Praticamente desconhecida até a vinda da Família Real, começaram a ser permitidas, de maneira crescente, até a liberdade plena do fim do Império, mas sempre em relação a comunidades estrangeiras. Dos ingleses do tempo de D. João VI, aos alemães do início da imigração estrangeira em massa, os primeiros pastores vieram, sempre, como capelães de comunidades alienígenas. Embora sempre houvesse algum tipo de catequese, foi no século XX que, por influência americana, batistas e metodistas se difundiram de maneira mais ou menos intensa, constituindo ilhas protestantes em áreas tradicionalmente católicas. TÔRRES, João Camilo de Oliveira. História das idéias religiosas no Brasil: São Paulo: Grijalbo, 1968, p

4 primeiras moendas de engenho moderno de açúcar, primeira iluminação a gás, e também os primeiros cemitérios extramuros da sociedade brasileira. O primeiro cemitério extramuros de Santos Santos, por ser uma vila portuária, também teve piratas, comerciantes, aventureiros e viajantes escritores ingleses, que gravaram em seus livros a descrição sobre a região. Mas somente em meados de século XIX a colônia inglesa começou a formar-se na cidade, com a instalação de empresas de transporte, iluminação, telégrafo e agências de bancos. A formação da nova colônia, e consequentemente a inclusão de grande número de ingleses na sociedade santista, vieram a causar grande divergência político-religiosa em torno dos sepultamentos dos membros não-católicos da colônia estrangeira 4. Em virtude do predomínio do catolicismo no País e pelo fato de a Igreja Católica ser a religião oficial do Estado brasileiro, seria necessário um local apropriado para o sepultamento desses colonos protestantes, que não mais poderiam ser enterrados no cemitério situado nos fundos da Igreja do Valongo, único local disponível para sepulturas de escravos e pobres não associados em algumas das irmandades. Acredita-se que, durante algum tempo, todos os não católicos tiveram como destino certo o cemitério do Valongo, e, assim, teriam obtido um sepultamento parecido com todos os outros excluídos enterrados no mesmo campo santo, já que poderiam se misturar em um mesmo espaço os pobres, indigentes, escravos e praticantes de outras religiões. Como já acontecia na cidade do Rio de Janeiro, os mortos estrangeiros necessitavam de um local próprio para seu sepultamento, conforme comenta Reis: Nem todo mundo era sepultado nas igrejas. Os protestantes europeus e norte-americanos, por exemplo, tinha seus próprios cemitérios, em geral fora do perímetro urbano, no estilo dos 4 Assim como os católicos, os protestantes precisavam ter um lugar digno para ser sepultados, e com isto, preservar sua cultura e crendices. 4

5 cemitérios rurais norte-americanos, modelo que sucedeu aos graveyards dos templos protestantes. 5 Essas divergências deram início à construção do primeiro cemitério nãocatólico e fora dos adros das igrejas da cidade de Santos. Em ata de 15 de julho de 1844, o Sr Frederico Fomm apresentou um requerimento dos súditos protestantes existentes na cidade santista, solicitando permissão para construir, com recursos próprios, um cemitério para os sepultamentos dos membros da comunidade protestante. A Câmara de Santos nomeou em ata de 13 de agosto de , uma comissão para julgar o requerimento do Sr Fomm, que aprovou a construção do referido cemitério com a condição de ser construído fora dos limites urbanos, obedecendo a partes, da lei imposta pelo imperador D. Pedro I, em 1º de outubro de A grande necessidade dos súditos protestantes de em construir seu cemitério particular, resolvendo a questão dos enterros de seus assemelhados, foi caracterizada pela rapidez na compra e no registro do terreno. Assim, em 21 de agosto de 1844, apenas oito dias após a autorização da Câmara Municipal da cidade de Santos, foi realizada a compra do terreno pela quantia de cinqüenta mil réis, para nele se fazer um cemitério. A compra foi em nome de todos os interessados, figurando entre eles o Sr. Gustavo Backheusen, como um simples procurador de todos os súditos protestantes da cidade. 7 5 REIS, João José. A Morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2004, p A Ata de 13 de agosto de 1844, foi lido o requerimento de Frederico Foom pedindo a permissão de estabelecer um cemitério para o enterramento dos protestantes e concedido o alvará de licença, assinado pelos vereadores Montes Carmo Silva, Xavier Martins Sá Júnior, Presidente Nébias Ferreira Vergueiro e Carvalhares, porém a Câmara aceitou a condição que fosse construído fora dos limites urbanos. SANTOS, Francisco Martins dos. História de Santos. São Vicente, SP: Caudex, 1986, p Segundo a escritura de venda e compra, do 1º Cartório de Notas de Santos, começaram no dia 21 de agosto de 1844, tendo Frederico Fomm, na qualidade de administrador liquidador da Casa Fallida de Aguiar, Viúva, filhos e Cia., como vendedor e Gustavo Backhensen, como comprador, de um terreno situado ao pé da Vila Nova, subúrbio de Santos, às margens do mar Salgado e rio dos Soldados com vinte braças de largura, e dezoito de fundos, pela quantia de cinqüenta mil réis, para nele se fazer um cemitério declarando que a dita compra do terreno é em nome de todos os interessados para o estabelecimento, do dito cemitério. Idem. 5

6 A escritura de compra e venda do terreno foi registrada em 11 de junho de 1901, no Primeiro Cartório de Imóveis de Santos, constando no livro 3-C de transcrição número 6.100, folhas O terreno localizava-se nos arrabaldes da cidade, 9 junto às margens do mar Salgado e rio do Soldado, na parte extrema do Paquetá, próximo ao canal da baía de Santos, onde atualmente localiza-se o Mercado Municipal, atual Praça Iguatemi Martins, próximo ao Cemitério do Paquetá. Dessa maneira foi criado o primeiro cemitério para protestantes 10 da Província de São Paulo, como ressalta Francisco Martins dos Santos: (...) fundava a colônia inglesa de Santos o chamado cemitério dos Protestantes nascido de uma divergência religiosa local, em torno do sepultamento de um membro da mesma colônia, autorização dada pela Câmara com a condição de ser criado fora dos limites urbanos; daí a sua localização junto aos lados do rio do Soldado, extremos do Paquetá (Mercado atual). 11 A construção do cemitério dos estrangeiros estava adaptado à concepção de uma necrópole longe da cidade, integrado a um cenário rural que estava em moda na Europa e sobretudo nos Estados Unidos. 12 Esse cemitério, construído longe das áreas urbanas, caracterizou-se por ser bem dimensionado para as necessidades da comunidade estrangeira, possuindo em sua volta muros de alvenaria de pedra e estava localizado em uma área de difícil acesso, próximo ao canal da cidade, local que constantemente permanecia alagado, contrariando as orientações dos médicos e da lei criada em 1º de outubro de 1828 pelo imperador D. Pedro I. 8 A escritura de compra e venda do terreno do cemitério dos protestantes só foi registrada em 11 de junho de 1901, pois no período imperial brasileiro não existia cartório, ficando a paróquia local responsável pelos registros. Assim, somente com o advento da República é que foram criados cartórios em todo o território nacional. Idem. 9 BARBOSA, Gino Caldatto. Santos e seus arrabaldes. São Paulo: Magma, 2004, p Criado para enterrar os mortos de origem protestante, recebeu o nome de Cemitério dos Protestantes, Cemitério dos Estrangeiros ou ainda Cemitério dos Ingleses. 11 SANTOS, op. cit., p REIS, op. cit., p

7 No início da década de 1850, a Srª Bárbara Fomm doou, à Fundação ou Instituição do Cemitério dos Protestantes de Santos, dez braças de terras, um terreno próximo ao antigo, já pertencente a eles. No total, o terreno ficou com forma de retângulo, com a área superficial de 738m², mais ou menos, medindo 38,65m na frente e nos fundos; e em cada lado, 19,10m. Assim, o terreno ficou de frente para a Rua Henrique Dias, do outro lado para a Praça Iguatemy Martins, e nos fundos com a própria Cia. Docas de Santos. Com a Proclamação da República em 1889, houve a separação entre Igreja e Estado e a plena secularização dos cemitérios, e a partir de então a administração dos cemitérios passou a ser de caráter laico, de responsabilidade do município. Nesse contexto, a manutenção de um cemitério próprio para os protestantes perdeu a finalidade, pois protestantes e católicos passaram a utilizar o mesmo espaço físico. Figura 1. Foto do Cemitério dos Estrangeiros em 1865 Foto do Cemitério dos Protestantes em BARBOSA, op. cit., p

8 Figura 2 Foto do Cemitério dos Estrangeiros, ao lado do rio do Soldado Cemitério dos Protestantes ao lado do rio do Soldado 14 A transferência do Cemitério dos Ingleses para o Paquetá Logo após a Proclamação da República em 1889, o governo provisório do marechal Deodoro da Fonseca assinou o decreto de separação entre Igreja e Estado, pondo fim ao sistema do Real Padroado 15, reconhecendo o caráter leigo do Estado e garantindo a liberdade religiosa em todo o território nacional. A promulgação da primeira Constituição Republicana do Brasil, em 24 de fevereiro de 1891, deu a legalidade necessária aos atos do novo governo. Assim, a Constituição em seu parágrafo 5º do art. 72 assegurava aos brasileiros e estrangeiros residentes no País o direito de liberdade religiosa, e reafirmava a 14 Pertencente ao arquivo do Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Santos (CONDEPASA). 15 O Estado português teve, com relação à Igreja Católica, uma posição de certa dinâmica, uma espécie de entendimento entre a Coroa portuguesa e a Igreja, pelo qual a Igreja tinha poderes espirituais, mas o Estado tinha o controle na nomeação de eclesiásticos e também responsabilidade pelo pagamento do clero que vinha para o Brasil. Sobre o assunto ler: TÔRRES, op. cit., pp

9 secularização dos cemitérios brasileiros, possibilitando a união entre católicos e protestantes após a morte: Art. 72 A Constituição assegura a brasileiros e estrangeiros residentes do país a inviolabilidade dos direitos à liberdade, à segurança individual e à propriedade, nos termos seguintes: 5º - Os cemitérios terão caráter secular e serão administrados pela autoridade municipal, ficando livre a todos os cultos religiosos a prática dos respectivos ritos em relação aos seus crentes, desde que não ofendam a moral pública e as leis. 16 Esses fatores foram de grande importância na aceitação, por parte da população, de cemitérios seculares sem distinção de credo religioso, possibilitando, dessa forma, na ocupação do espaço cemiterial por diferentes entidades religiosas. No início da década de 30 a cidade de Santos que também possuía um cemitério privativo dos estrangeiros protestantes e por sua localização ser de grande valor econômico para o desenvolvimento da área portuária, foi possível a venda do terreno do Cemitério dos Protestantes. A Fundação ou Instituição do Cemitério dos Estrangeiros em Santos, interessada em vender a área do cemitério, realizou uma assembléia-geral em 24 de dezembro de 1931, cuja ata 17 foi registrada sob nº 46, no livro C, nº 1, na página 431, no Cartório de Registro Especial de Títulos e Documentos da Comarca de Santos. Na assembléia ficou decidido que o administrador estava autorizado a aceitar a oferta de contos de réis, feita pela Companhia Docas de Santos. Para possibilitar a venda do terreno, o administrador da Fundação do Cemitério dos Protestantes tratou de obter da Prefeitura Municipal de Santos a permissão para que fossem levantados os cadáveres desse cemitério e transportados para o Cemitério do Paquetá. Assim, a Prefeitura de Santos despachou, em 19 de janeiro de 1933, a ordem para transferir os restos mortais dos cadáveres enterrados no Cemitério dos Estrangeiros para o Cemitério do Paquetá. Em 25 de março de 1934, a Associação do Cemitério dos 16 Disponível em: <http://pt.wikisource.org/wiki/constitui%c3%a7%c3%a3o_de_1891_dos_estados_unidos_do_ Brasil/IV>. Acessado em Ver Anexo D, p

10 Estrangeiros em Santos publicou uma nota no jornal A Tribuna de Santos, com os seguintes dizeres: Associação do Cemitério dos Estrangeiros em Santos São convidadas todas as pessoas que tenham parentes inhumados neste cemitério, e queiram retirar seus despojos, a fazerem-no prazo de 10 dias, findo o qual esta Associação fará o recolhimento dos mesmos a uma urna especial, que será construída na necrópole do Paquetá. Os interessados poderão dirigir-se ao zelador, à Praça Marquês de Monte Alegre n. 4. Santos, 25 de março de Após o tempo informado no anúncio, os despojos do Cemitério dos Estrangeiros foram colocados na campa nº do Cemitério do Paquetá, possibilitando a venda da área do antigo cemitério, e em 23 de setembro de 1936 era lavrada a escritura de compra e venda do terreno do Cemitério dos Protestantes pela Companhia Docas de Santos. Segundo a escritura de compra e venda, compareceram no dia 23 de setembro de 1936, no 6º Cartório de Notas, como outorgante vendedora a Fundação ou Instituição do Cemitério dos Estrangeiros em Santos, representada pelo seu administrador Sr R. A. Sandall, e como outorgada compradora a Companhia Docas de Santos, com sede no Rio de Janeiro, representada por seu inspetor geral, Dr. Ismael Coelho de Souza. O contrato informa ainda que a Fundação do Cemitério havia obtido o alvará de licença em 13 de agosto de 1844 para o funcionamento do cemitério, e que havia comprado o terreno em 21 de agosto de 1844, e que ainda recebera como doação da Srª Bárbara Fomm, em 1º de novembro de 1850, mais dez braças de terreno contíguo ao existente, passando o terreno a fazer parte do referido cemitério, que não era utilizado havia muitos anos. Assim, o terreno com área superficial de 738m², localizado no perímetro urbano, foi vendido à Companhia Docas de Santos pelo valor de contos de réis. Assinaram o contrato o Sr. Luiz Jorge París, ajudante; o Sr Álvaro Pinto 18 Anúncio publicado em 27 de março de 1934 no jornal A Tribuna de Santos. 19 Ver Figuras 3 e 4, pp. 8 e 9. 10

11 da Silva Novaes, tabelião interino, e os Srs. R. A. Sandall, Ismael Coelho de Souza, Máximo Ribeiro dos Santos Júnior e Amilcare Rienzi. Com a venda do terreno, o jazigo de número 358 do Cemitério do Paquetá passou a representar a comunidade protestante da cidade de Santos, mantendo na lembrança da sociedade santista o referencial direto da história dos imigrantes estrangeiros, homens e mulheres que foram de grande importância para a evangelização do povo santista. A venda do terreno onde se localizava o Cemitério dos Protestantes não o excluiu da história e da sociedade santista, pois sua representação no Cemitério do Paquetá movimenta o interesse da comunidade de preservar sua lápide. No intuito de preservação da memória dos imigrantes estrangeiros da cidade de Santos, o Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Santos (CONDEPASA) tombou, em 6 de maio de 1998, por intermédio da Sra. Wilma Therezinha Fernandes de Andrade, então secretária de Educação de Santos, pela Resolução nº SC 01/98, como bem cultural de interesse histórico e artístico o Cemitério do Paquetá, abrangendo o jazigo do Cemitério dos Estrangeiros de Santos. O Cemitério dos Protestantes da cidade de Santos foi um dos primeiros cemitérios na Província de São Paulo construídos dentro dos princípios da lei de higienização, de 1º de outubro de 1828, que serviu de base para a construção do Cemitério do Paquetá. 11

12 Figura 3. Campa do Cemitério dos Estrangeiros Fonte: acervo do autor. 12

13 Figura 4. Placa da campa do Cemitério dos Estrangeiros Fonte: acervo do autor. Conclusão O Cemitério dos Estrangeiros da cidade de Santos, SP, criado em 1844, devido a divergências políticas e religiosas local, foi um dos primeiros cemitérios brasileiros a ser construído nos padrões da Lei de 28 de outubro de 1828, período de grande preocupação com a higiene e a saúde pública. Este cemitério, também foi um dos primeiros a contemplar a população protestante que se firmava em território santista, e que serviu de base para a construção do Cemitério do Paquetá. Sua extinção foi uma perda irreparável para a historiografia religiosa brasileira, mas sua campa representativa criada no Cemitério do Paquetá preserva a memória dos primeiros estrangeiros a residirem em Santos. Bibliografia 13

14 ALMEIDA, Fernando H. Mendes. Legislação Brasileira. São Paulo: Itatiaia; BARBOSA, Gino Caudato. Santos e seus arrabaldes: São Paulo: Magma, FREIRE, Gilberto. Ingleses no Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, REIS, João José. A Morte é uma festa. Ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, SANTOS, Francisco Martins dos. História de Santos: Poliantéia Santista: São Vicente, SP: Caudex, 1986; vol. 1, 2 e 3. 14

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0702 LINGUAGEM E SOCIEDADE: O CEMITÉRIO DE PAQUETÁ DE SANTOS MARCELO

Leia mais

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PRIMÓRDIOS DA ENFERMAGEM NO BRASIL No Brasil, a organização da enfermagem iniciou-se no período colonial, quando os cuidados

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2004

PROJETO DE LEI N.º, DE 2004 PROJETO DE LEI N.º, DE 2004 (Do Sr. Roberto Magalhães) Dispõe sobre o domínio e posse de monumento religioso constituído da Igreja de N. S. do Carmo de Olinda e respectivo terreno. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Ritos fúnebres na cidade de São Paulo no século XIX. Thais Cristina Pereira Orientadora: Zóia Vilar Campos

Ritos fúnebres na cidade de São Paulo no século XIX. Thais Cristina Pereira Orientadora: Zóia Vilar Campos Ritos fúnebres na cidade de São Paulo no século XIX Thais Cristina Pereira Orientadora: Zóia Vilar Campos Abstract This paper with the secularization of cemeteries in Brazil in the nineteenth century,

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Nome: Daniela Amaral de Paula Ano: 9º Apresentação do TCC.

Nome: Daniela Amaral de Paula Ano: 9º Apresentação do TCC. Nome: Daniela Amaral de Paula Ano: 9º Apresentação do TCC. É uma religião monoteísta que tem por princípios os ensinamentos de Jesus de Nazaré, tais como são apresentados no Novo Testamento. A fé cristã

Leia mais

O PROTESTANTISMO DE IMIGRAÇÃO NO BRASIL. Makchwell Coimbra Narcizo (Universidade Federal de Goiás)

O PROTESTANTISMO DE IMIGRAÇÃO NO BRASIL. Makchwell Coimbra Narcizo (Universidade Federal de Goiás) O PROTESTANTISMO DE IMIGRAÇÃO NO BRASIL Makchwell Coimbra Narcizo (Universidade Federal de Goiás) 1 Introdução O objetivo deste trabalho é mostrar a importância dos imigrantes na formação religiosa do

Leia mais

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1 Introdução Você iniciará agora uma viagem ao mundo da História. Anote tudo que achar interessante, os patrimônios que conhece, as dúvidas que tiver e, depois, debata em sala de aula com seus colegas e

Leia mais

Lei Municipal n.º 15.645/92

Lei Municipal n.º 15.645/92 Lei Municipal n.º 15.645/92 Lei publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 20/06/92 Ementa: Disciplina o uso dos cemitérios e os serviços Funerários do Município do Recife e dá outras providências.

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A lei de 15 de outubro de 1827 Vicente Martins O Decreto Federal nº 52.682, em 1963, criou, oficialmente, o Dia do Professor. O dia 15 de outubro não foi escolhido à toa. A data

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

Diário Oficial. Índice do diário. Outros. Atos Oficiais. Contas Públicas. Licitações. Prefeitura Municipal de Petrolina. Outros - CONVOCAÇÃO

Diário Oficial. Índice do diário. Outros. Atos Oficiais. Contas Públicas. Licitações. Prefeitura Municipal de Petrolina. Outros - CONVOCAÇÃO Páginas: 8 Outros Outros - CONVOCAÇÃO Atos Oficiais Portaria - N 02590/2015 Portaria - Nº 2571/2015 Portaria - Nº 2572/2015 Portaria - Nº 022/2015 Contas Públicas Contratos - N 023/2015 Contratos - N 025/2015

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

A EDUCAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DE 1934: 80 ANOS DE UM CAPÍTULO ESPECÍFICO NA CARTA MAGNA

A EDUCAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DE 1934: 80 ANOS DE UM CAPÍTULO ESPECÍFICO NA CARTA MAGNA 180 Memória e Documentos A EDUCAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DE 1934: 80 ANOS DE UM CAPÍTULO ESPECÍFICO NA CARTA MAGNA Francisco José da Silveira Lobo Neto Introdução A Constituição outorgada pelo primeiro Imperador,

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

Centenário da Imigração Japonesa:

Centenário da Imigração Japonesa: Centenário da Imigração Japonesa: 2008 PODE SER O ANO DA BEATIFICAÇÃO DE MONS. NAKAMURA Álvares Machado, uma cidade batizada com o nome de Brejão em 1916, recebeu seus primeiros habitantes. Eram autênticos

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA AO BRASIL Projeto apresentado e desenvolvido na

Leia mais

INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA Diretoria de Patrimônio Cultural 1. MUNICÍPIO: Agrolândia DENOMINAÇÃO: Casa de Hildegard

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil Transferência da Corte portuguesa D. João VI no Brasil A Corte no Brasil? Desde o século XVII, o governo de Portugal cogitava, eventualmente, transferir a sede do Império Português para a colônia na América.

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA A Vista Pastoral constitui-se em momento privilegiado de contato do Arcebispo com o povo santo de Deus, confiado aos seus cuidados de pastor, com a preciosa colaboração

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DA BAHIA

COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DA BAHIA COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DA BAHIA SOCIEDADE ANÔNIMA DE CAPITAL ABERTO CNPJ/MF nº 15.144.017/0001-90 NIRE nº 293.00014290 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM SEGUNDA CONVOCAÇÃO EM 26 DE ABRIL

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

6 VIEIRA, David Gueiros. O Protestantismo, op. cit., p. 279. 7 Ibidem, p. 13.

6 VIEIRA, David Gueiros. O Protestantismo, op. cit., p. 279. 7 Ibidem, p. 13. A inserção do protestantismo no Brasil no século XIX: uma breve análise de duas teorias Pedro Henrique Cavalcante de Medeiros 1 O presente trabalho pretende fazer uma breve análise de duas teorias clássicas

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil.

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade. Corpo e Alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011, 211p. Mauro Dillmann 1 Gilberto

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE. Boletim de Serviço

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE. Boletim de Serviço SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE Boletim de Serviço Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente

Leia mais

PARA CADA MORTO, A SUA COVA: ALGUMAS RESTRIÇÕES PARA O SEPULTAMENTO DE PROTESTANTES NO BRASIL, SÉCULO XIX

PARA CADA MORTO, A SUA COVA: ALGUMAS RESTRIÇÕES PARA O SEPULTAMENTO DE PROTESTANTES NO BRASIL, SÉCULO XIX PARA CADA MORTO, A SUA COVA: ALGUMAS RESTRIÇÕES PARA O SEPULTAMENTO DE PROTESTANTES NO BRASIL, SÉCULO XIX FOR EACH DEAD, HIS GRAVE: SOME RESTRICTIONS FOR THE BURIAL OF PROTESTANTS IN BRAZIL, THE NINETEENTH

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

DECRETO Nº 27.989, de 25 de maio de 2007

DECRETO Nº 27.989, de 25 de maio de 2007 DECRETO Nº 27.989, de 25 de maio de 2007 REGULAMENTA O ESTABELECIMENTO E FUNCIONAMENTO DOS CEMITÉRIOS PARTICULARES DE ANIMAIS. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Certificado Digital - Pessoa Jurídica. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A1 ou CNPJ A3)

Certificado Digital - Pessoa Jurídica. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A1 ou CNPJ A3) Certificado Digital - Pessoa Jurídica DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A1 ou CNPJ A3) Além dos documentos da Pessoa Jurídica, são necessários, também, dois documentos de identificação do

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil A UA UL LA MÓDULO 3 Independência do Brasil Nesta aula No dia 7 de setembro, comemoramos a Independência do Brasil. Por isso, é feriado nacional. Todos nós sabemos que os feriados significam algo mais

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª Criação da Freguesia do Pragal, no Concelho de Almada, Distrito de Setúbal A freguesia do Pragal tem 2,27 km² de área e 7.156

Leia mais

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Série Obras Públicas Além de documentos textuais, o Arquivo Histórico Municipal guarda em seu acervo inúmeras plantas, mapas e projetos, sejam eles arquitetônicos

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL De um lado, a pressão napoleônica para Portugal aderir ao bloqueio PORTUGAL De outro

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE PRATA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE PRATA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I Lei Municipal Ordinária nº 143/2015, de 27 de Agosto de 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO DOS CEMITÉRIOS E DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS FUNERÁRIOS NO MUNICÍPIO DE PRATA, ESTADO DA PARAÍBA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A PROCLAMAÇÃO Proclamada em 15 de novembro de 1889, a República nascia no Brasil como resultado de um movimento de cúpula, como uma espécie de revolução pelo alto controlada

Leia mais

LUGAR DE PATRIMÔNIO É NO CEMITÉRIO: O DESTERRO LUTERANO NO CEMITÉRIO SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ITACORUBI/FLORIANÓPOLIS (SC)

LUGAR DE PATRIMÔNIO É NO CEMITÉRIO: O DESTERRO LUTERANO NO CEMITÉRIO SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ITACORUBI/FLORIANÓPOLIS (SC) 1 LUGAR DE PATRIMÔNIO É NO CEMITÉRIO: O DESTERRO LUTERANO NO CEMITÉRIO SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ITACORUBI/FLORIANÓPOLIS (SC) Elisiana Trilha Castro; Alicia Norma González de Castells (NUCOMO - Núcleo de

Leia mais

Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras;

Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras; Objetivos Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras; Estruturar o profissional de eventos para compreender os mecanismos formadores da identidade festiva do

Leia mais

O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE

O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE Autores: LUCIANO BORGES DE SOUZA e MÁRCIO LIMA BARROS DA SILVA Introdução Localizado na Avenida Cruz Cabugá, bairro de Santo Amaro, no Recife, o Cemitério dos

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Igreja!de! Nossa!Senhora!do!Carmo! Da!Antiga!Sé!

Igreja!de! Nossa!Senhora!do!Carmo! Da!Antiga!Sé! AtransferênciadaCorteeainstalaçãodaFamíliaRealno Rio de Janeiro, em 1808, marcam uma nova etapa na história do País. A capital do ViceMReino passa a ser a sededogovernoedaadministraçãodoimpériolusoe experimentará

Leia mais

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Distrito Federal Água e Esgoto Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Com a proclamação da República, em 1889, a Inspetoria Geral de Obras Públicas passou a se chamar Inspeção Geral das Obras

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL. Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2

O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL. Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 51 O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2 1 Discente

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

Alegre. Câmara Municipal. de Porto PROC. N. 5555/05 P.L.L. N. 261/05 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Alegre. Câmara Municipal. de Porto PROC. N. 5555/05 P.L.L. N. 261/05 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Breve Histórico da Paróquia São João Batista Levantamento de dados da realização da Festa do Padroeiro Dados coletados através do Livro Tombo e depoimentos Organização: Lucas Bernardes

Leia mais

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Câmara Municipal de Perdizes, Estado de Minas Gerais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA, ESPORTE, LAZER E TURISMO

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA, ESPORTE, LAZER E TURISMO Rio Doce - Listagem de bens já inventariados Bens Inventariados em 2006 Estruturas Arquitetônicas e Urbanísticas área 1 01 - Res. Israel Martins de Souza 02 - Igreja Matriz de Santo Antônio 03 - Jardim

Leia mais

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas.

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas. Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Questão 1 Na unidade que você estudou, você pôde observar a foto da Praça Tiradentes no Rio de Janeiro, com a estátua de D. Pedro I ao centro. Tiradentes

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line FONTES PRIMÁRIAS DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A PRIMEIRA EDIÇÃO DE AS CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS DO ARCEBISPADO DA BAHIA - 1707. Paulo de Tarso Gomes UNISAL Americana- SP paulo.gomes@am.unisal.br Foto

Leia mais

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 AGOSTO 2015 1 APRESENTAÇÃO O Museu da Energia de Itu, pertencente à Fundação Energia e Saneamento, integra a Rede Museu da Energia composta por mais dois núcleos

Leia mais

Um chão para cair morto: os cemitérios de imigrantes protestantes em Santa Catarina no século XIX. Elisiana Trilha Castro. Resumo

Um chão para cair morto: os cemitérios de imigrantes protestantes em Santa Catarina no século XIX. Elisiana Trilha Castro. Resumo Um chão para cair morto: os cemitérios de imigrantes protestantes em Santa Catarina no século XIX. Resumo Elisiana Trilha Castro Este artigo apresenta dois casos de cemitérios de imigrantes Protestantes

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL CERTIFICADO

CONSTITUIÇÃO DA IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL CERTIFICADO CONSTITUIÇÃO DA IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL CERTIFICADO Certificamos que o presente texto é a nova Constituição da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil aprovado na 26ª Reunião do Sínodo da Igreja

Leia mais

Medidas higienistas e a construção dos cemitérios extramuros no Rio de Janeiro (1800-1850)

Medidas higienistas e a construção dos cemitérios extramuros no Rio de Janeiro (1800-1850) Medidas higienistas e a construção dos cemitérios extramuros no Rio de Janeiro (1800-1850) Caroline Rodrigues 1 A relação dos indivíduos com a morte passou por significativos processos de transformações

Leia mais

FUNDACIÓN MAPFRE VOLUME 3_ 1890/1930 A crise do liberalismo

FUNDACIÓN MAPFRE VOLUME 3_ 1890/1930 A crise do liberalismo Cronologia 1890 11 de janeiro Ultimatum inglês, que exige a retirada das forças militares portuguesas dos territórios entre Angola e Moçambique, sob pena de corte de relações diplomáticas. 1891 31 de janeiro

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII HISTÓRIA SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII - A Dinastia

Leia mais

Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde

Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde 1 1545 1563 Concílio de Trento. 2 1567 Fundação da Congregação de S. Bento no reino de Portugal. 3 1569 O Mosteiro beneditino de São Martinho de Tibães torna-se

Leia mais

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil.

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. FL 46 ACTA DE / /20 Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. Acta º12 --------Aos vinte e quatro dias do mês

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE SANTA CATARINA COMARCA DE PORTO UNIÃO 1ª VARA CÍVEL Rua Voluntários da Pátria, nº. 365, CEP 89.400-000 Porto União/SC

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE SANTA CATARINA COMARCA DE PORTO UNIÃO 1ª VARA CÍVEL Rua Voluntários da Pátria, nº. 365, CEP 89.400-000 Porto União/SC PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE SANTA CATARINA COMARCA DE PORTO UNIÃO 1ª VARA CÍVEL Rua Voluntários da Pátria, nº. 365, CEP 89.400-000 Porto União/SC EDITAL DE LEILÃO Pelo presente, se faz saber a todos o quanto

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

ANÚNCIO INSOLVÊNCIA DE ALCINO MANUEL POLÓNIA SOARES VENDA DE BENS

ANÚNCIO INSOLVÊNCIA DE ALCINO MANUEL POLÓNIA SOARES VENDA DE BENS ANÚNCIO INSOLVÊNCIA DE ALCINO MANUEL POLÓNIA SOARES VENDA DE BENS FAZ-SE SABER que, pela Administradora da Insolvência, ouvida a Comissão de Credores e o insolvente, nos autos de Liquidação do Activo por

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

REGULAMENTO DO CEMITÉRIO DA FREGUESIA DE CARVALHAL REGULAMENTO DO CEMITÉRIO DA FREGUESIA DE CARVALHAL

REGULAMENTO DO CEMITÉRIO DA FREGUESIA DE CARVALHAL REGULAMENTO DO CEMITÉRIO DA FREGUESIA DE CARVALHAL REGULAMENTO DO CEMITÉRIO DA FREGUESIA DE CARVALHAL CAPITULO I Da organização e funcionamento dos serviços Artigo 1.º Objecto 1-0 Cemitério da Freguesia de Carvalhal destina-se à inumação dos cadáveres

Leia mais

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO Após a aprovação do crédito e a avaliação do imóvel, retorne à sua Agência com a relação completa dos documentos descritos nos itens abaixo, para a efetivação de seu financiamento. 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE

Leia mais

António Clemente Pinto, Barão de Nova Friburgo

António Clemente Pinto, Barão de Nova Friburgo António Clemente Pinto, Barão de Nova Friburgo http://www.bairrodocatete.com.br/baraodenovafriburgo.html http://www.marcopolo.pro.br/genealogia/paginas/cantagalo_pinto.htm Barão de Nova Friburgo Conde

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

Licença para morrer: a questão do sepultamento dos ingleses por ocasião dos Tratados de 1810

Licença para morrer: a questão do sepultamento dos ingleses por ocasião dos Tratados de 1810 1 Licença para morrer: a questão do sepultamento dos ingleses por ocasião dos Tratados de 1810 Heraldo Costa RESUMO: A presente comunicação pretende analisar de que modo, a partir do Tratado de Comércio

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I história Unidade 1 A vinda da família real portuguesa para o Brasil Os desdobramentos sociais, políticos e econômicos da independência do Brasil Os aspectos históricos do início do Império brasileiro O

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O MAR TERRITORIAL E A ZONA CONTÍGUA. Os Estados partes na presente Convenção acordaram nas disposições seguintes:

CONVENÇÃO SOBRE O MAR TERRITORIAL E A ZONA CONTÍGUA. Os Estados partes na presente Convenção acordaram nas disposições seguintes: Decreto-Lei n.º 44490 Convenção sobre o mar territorial e a zona contígua, aprovada na 1.ª Conferência de Direito do Mar, realizada em Genebra em 1958, e assinados em 28 de Outubro do mesmo ano Usando

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 Preâmbulo Nós, os representantes do povo brasileiro, reunidos em Congresso Constituinte, para organizar um regime livre e democrático, estabelecemos, decretamos e promulgamos

Leia mais

Assembleia Geral Ordinária da CRB Nacional. Brasília/DF, 25 março de 2014

Assembleia Geral Ordinária da CRB Nacional. Brasília/DF, 25 março de 2014 Assembleia Geral Ordinária da CRB Nacional Brasília/DF, 25 março de 2014 Organizações Religiosas Base Legal: Constituição Federal e Código Tributário Nacional: templo de qualquer culto art. 150, VI, b

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S HISTÓRIA 2 a 1 - Este Caderno de Prova contém cinco questões, que ocupam um total de nove páginas, numeradas de 3 a 11.. Caso haja algum

Leia mais