UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE MARKETING E QUALIDADE NA ÁREA BANCÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE MARKETING E QUALIDADE NA ÁREA BANCÁRIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE MARKETING E QUALIDADE NA ÁREA BANCÁRIA Por: João Luiz Saturnino Alves Orientador: Prof. André Gustavo Rio de Janeiro 2003

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE MARKETING E QUALIDADE NA ÁREA BANCÁRIA Apresentação de monografia ao Conjunto Universitário Cândido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Marketing no Mercado Globalizado. Por: João Luiz Saturnino Alves

3 3 AGRADECIMENTOS Aos professores, pelo ótimo nível profissional e a amizade demonstrada durante o curso.

4 4 DEDICATÓRIA A minha esposa, Andréia, pelo carinho, pela atenção, por compartilhar de forma tão completa minhas idéias e incansável apoio em todos os meus projetos de vida.

5 5 RESUMO Durante os anos 80, o Marketing bancário surgiu como forma de suprir a demanda por informações de clientes e empresas estrangeiras que começavam acenar com a possibilidade de investimentos no país. Neste ponto, o Marketing bancário limitava-se ao conceito de propaganda e promoção de vendas. Entretanto, com o advento da abertura econômica e o fim dos altos ganhos proporcionados pelos spreads praticados em décadas de inflação alta, por ocasião do plano real, as empresas bancárias entraram em regime de concorrência acirrada que, rapidamente, apontou para a personalização dos serviços, redefinindo o Marketing financeiro. O Marketing de Relacionamento surgiu, neste contexto, como uma nova estratégia de desenvolvimento e fidelização da carteira de clientes, impondo, porém, um novo paradigma à empresa, ao abordar de maneira totalmente nova a dinâmica das relações de troca no mercado, defendendo a necessidade de manter e privilegiar relacionamentos de longo prazo, em detrimento do Marketing tradicional, cujos objetivos limitavam-se ao resultado imediato e desconexo de operações futuras.

6 6 METODOLOGIA Para a elaboração da presente monografia utilizou-se de uma pesquisa bibliográfica, recorrendo-se a Internet na busca de informações inerentes ao assunto abordado.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I O MARKETING NO SETOR BANCÁRIO CAPÍTULO II A COMPETITIVIDADE DO SETOR BANCÁRIO NO BRASIL CAPÍTULO III ESTUDO DE CASO BANCO DO BRASIL CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ÍNDICE... 37

8 8 INTRODUÇÃO O trabalho aqui proposto tem como objetivo realizar uma reflexão sobre a implementação do conceito de Marketing como estratégia para crescimento e desenvolvimento de negócios no setor financeiro no Brasil. Este setor tem enfrentado grandes desafios desde o início do Plano Real em 1994, tendo buscado alternativas para manter seus níveis de lucratividade e ao mesmo tempo criar soluções criativas para as diversas necessidades dos clientes diante das constantes alterações do cenário econômico do país. A nova ordem restringe às instituições financeiras a obtenção de receitas advindas de artifícios próprios de uma economia inflacionária. Com o objetivo de superar os novos desafios de mercado, as instituições financeiras têm direcionado suas ações principalmente em três direções: (1) introdução de produtos e serviços inovadores no portfolio ofertado, visando atrair novos clientes e reter os clientes atuais; (2) administração da carteira de clientes com o objetivo de incrementar as receitas; (3) reestruturação interna por meio de revisão de processos e implantação de suporte tecnológico, visando melhor atendimento ao cliente e custos menores. Observando-se o direcionamento das ações gerenciais do setor, percebe-se que a prática do Marketing de Serviços torna-se possível e fundamental para enfrentar os novos desafios, principalmente por dois motivos: (1) o serviço prestado por uma instituição financeira implica relacionamento prolongado que permite um alto grau de interação empresacliente entretanto, geralmente, as organizações não estão estruturadas para acrescentar valor continuamente para seus clientes a partir destas interações; (2) As barreiras de mudança de fornecedor do serviço são baixas um cliente pode mudar facilmente de fornecedor caso esteja insatisfeito.

9 9 Justificam-se portanto, reflexões acadêmicas neste mercado, com o objetivo de apoiar o setor na busca de alternativas produtivas de comercialização e de relacionamento com os clientes. A importância da análise do tema se dá pelo fato de que no mercado de informações intensivas atual, o sucesso das instituições financeiras não depende apenas da extensão pela qual elas coletam informações sobre seus clientes atuais, mas também da forma que usarão as informações coletadas. As instituições financeiras que se relacionam de forma continuada vendendo seus serviços tem a facilidade de coletar rotineiramente informações de seus clientes adaptar-se-ão ao novo marketing de informação intensiva com relativa facilidade. Os esforços de implantar o banco de dados de clientes serão recompensados pelo aumento da lealdade dos mesmos. Nesse contexto, a monografia tem por objetivo investigar as principais estratégias adotadas pelo marketing bancário no sentido não apenas de captação de clientes, mas também na manutenção dos mesmos.

10 10 CAPÍTULO I O MARKETING NO SETOR BANCÁRIO O marketing é o processo que identifica as necessidades dos clientes e descobre como satisfazê-los de forma a oferecer algum valor acrescentado. Atualmente, as organizações de serviços financeiros vêm dando importância crescente à componente «marketing» como fator estratégico do desenvolvimento dos negócios. Assim sendo, o «marketing» tem cada vez mais se tornado essencial. Para Kotler (1999) um banco não pode utilizar uma abordagem do «marketing tradicional», pois um serviço não está exposto numa prateleira à espera que um consumidor o compre, tal como acontece num negócio que envolve produtos. Então, no setor de serviços financeiros, tudo se torna mais complexo, daí Gronroos (1995) argumentar que o «marketing de serviços» exige um «marketing externo», um «marketing interno» e um «marketing interativo». Marketing Externo - retrata todo o trabalho que a empresa tem para preparar e fixar os preços, assim como, na distribuição e promoção do serviço junto do consumidor; Marketing Interno - analisa todo o trabalho de formação e motivação dos funcionários no bom atendimento do consumidor;

11 11 Marketing Interativo - retrata a experiência dos funcionários no atendimento ao consumidor, onde este vai julgar a qualidade do serviço, não só em termos técnicos mas também a nível funcional. Entender e traduzir necessidades no mercado, interpretar tendências de evolução da procura, perceber o enquadramento competitivo e a partir daí gerar soluções capazes de responder às solicitações, comunicando-as e promovendo-as com eficácia, são as funções assumidas passo a passo pelas estruturas de «marketing» nas empresas de serviços financeiros. Por conseguinte, o aumento progressivo do «marketing» nos bancos possibilita que estes tenham os meios necessários para que, de forma efetiva e eficiente, melhor concretizem os seus objetivos, facilitando assim a tarefa de estar no mercado certo, com os serviços certos, nos momentos certos, de forma cada vez mais pró-ativa. Em suma, o «marketing» tem um papel cada vez mais "fundamental na identificação dos mercados e produtos apropriados e na garantia de satisfação de uma clientela cada vez mais exigente. Nesse contexto, segundo Michael Porter cinco forças são determinantes do processo concorrencial têm vindo a acentuar-se de forma diversa, mas constante no sector bancário: - A concorrência interna e externa atualmente existente; - O nível de exigência (poder de negociação) dos diversos segmentos de clientela de passivo (fornecedores de recursos); - O nível de exigência (poder de negociação) dos diversos segmentos de clientela do ativo (captação de recursos); - O desenvolvimento de produtos e serviços substitutos (não bancários); - A entrada de novos concorrentes nacionais e estrangeiros.

12 12 A atuação destas cinco forças tem operado uma visível alteração no tipo de relação da clientela até há poucos anos existente", pois, de fato, a postura tradicional dos bancos face aos clientes tem sido abalada por um aumento de alternativas financeiras disponíveis, por um maior grau de informação dos clientes e por uma maior sensibilidade destes à qualidade, rapidez e benefícios dos serviços prestados, conforme verificamos no capítulo anterior. É neste contexto, em rápida evolução, que faz sentido enquadrar o marketing bancário, como forma de reforço da competitividade dos bancos face à concorrência, quer esta seja interna ou externa. Para Kotler (1999) os banqueiros, muito recentemente, tinham pouco conhecimento ou consideração pelo «marketing». Segundo o mesmo autor "os bancos eram construídos à imagem de um templo grego, planeado para impressionar o público pela importância e solidez. O interior era austero e os caixas, raramente sorriam. Um encarregado de empréstimo arrumava a sua sala de maneira a que um futuro cliente se sentasse em uma cadeira mais baixa, frente a uma mesa imponente. A janela da sala era localizada atrás do encarregado e o sol batia sobre o desolado cliente que tentava explicar porque necessitava do empréstimo. Esta era a postura do banco antes da era do «marketing»".(p. 42) Sendo impossível apontar a data precisa do aparecimento do conceito moderno de «marketing», muitos autores acreditam que este emergiu nos anos 50 e teve o seu reconhecimento mundial com a publicação do seminário Marketing Myopia, de Ted Levitt em 1960.

13 13 No que diz respeito ao «marketing bancário», este surgiu pela primeira vez em 1958 nos EUA devido ao aparecimento de novos tipos de entidades financiadoras. Esta nova concorrência fez aumentar o número de agências na procura de um melhor contacto com clientes potenciais ou reais e num melhor acompanhamento do negócio. O cedo despertar para uma abordagem de «marketing» nos bancos americanos "deveu-se à existência de grandes restrições à expansão da rede de balcões, à fixação administrativa das taxas de juro das operações ativas e passivas e à especificidade inerente ao próprio negócio. Os bancos americanos não acreditavam na simples expansão da rede de balcões como forma de incrementar os lucros e começaram a utilizar uma abordagem de «marketing» para promover a venda dos seus serviços. Por outro lado, os bancos ingleses, os primeiros na Europa a adotar o «marketing», até aos anos 60 limitavam-se a agir como meras instituições de guarda de depósitos ou procura de empréstimos, sendo o livro de cheques a única forma de efectuar transacções sobre uma conta. A partir do início dos anos 70 esta situação alterou-se, pois os bancos ingleses criaram os seus departamentos de Marketing procurando beneficiar da abolição da regulamentação de controlo do crédito e da taxa de juro. Mais tarde, no final dos anos 80, a dinâmica dentro das instituições financeiras passou a sofrer alterações a par com o desenvolvimento do mercado financeiro. Em qualquer economia de mercado a mudança é um processo contínuo e dinâmico. A competição entre instituições é um fator importante

14 14 na efetivação da mudança, mas é ela própria influenciada pelo grau para as quais as oportunidades lucrativas são direcionadas. Estas mudanças podem ser um fator de encorajamento para que as instituições alterem as suas estruturas internamente e externamente, de forma a conseguirem alcançar novas oportunidades no mercado. Deste modo, os bancos deixaram de ser organizações construídas em redor de produtos e focadas no simples serviço ao cliente para serem moldadas em torno dos seus clientes e centradas na venda. Os departamentos de Marketing dos bancos não são alheios a estas mudanças. Desta forma, redefiniram as suas funções e estruturas para acompanharem estas alterações. Todos estes fatores providenciam o contexto no qual todos os esforços do «marketing» de serviços financeiros serão desenvolvidos. Assim, para que possamos compreender a evolução do «marketing» no contexto do sector bancário, Kotler (1999) apresenta as várias fases dessa evolução através dos "diferentes estádios na lenta aprendizagem do «marketing bancá-rio»". Esta evolução não obedece a uma cronologia própria, dependendo apenas das diferentes conjunturas no quadro de desenvolvimento econômico de cada país. Para Kotler "o «marketing» foi introduzido nos bancos não na forma de "conceito de «marketing», mas na forma de conceito de propaganda e promoção". Devido ao aumento da concorrência entre os bancos a propaganda e promoção de vendas tornaram-se os meios privilegiados pelos quais as organizações fornecem informações sobre elas próprias, sobre os

15 15 seus serviços, as suas estruturas de preços e os seus canais de distribuição para os diversos clientes reais ou potencias. Assim sendo, e com o intuito de aliciar os atuais clientes e de captar contas de novos clientes, um grande número de bancos passou a investir fortemente nesta área, oferecendo brindes ou prêmios. Deste modo, os concorrentes foram forçados a apressarem-se em contratar agências de publicidade e especialistas em promoção de vendas. Atualmente, o investimento em publicidade e promoção continua a ser grande, denotando-se uma considerável evolução qualitativa, de forma a diluir o fator intangibilidade dos serviços financeiros A grande questão que se põe é saber se o cliente adere ao serviço pela sua utilidade ou simplesmente pelo benefício pontual que daí advém.

16 16 CAPÍTULO II A COMPETITIVIDADE DO SETOR BANCÁRIO NO BRASIL Competição, em biologia, pode ser entendida como a luta pela sobrevivência, especialmente quando são escassos os elementos necessários à vida entre os componentes de uma comunidade. Competitividade é, portanto, a capacidade de luta pela sobrevivência de um indivíduo ou grupo em um ambiente com recursos e condições limitadas. No contexto empresarial, o termo aplica-se de forma ampliada, denotando também o esforço para liderança em um cenário caracterizado por incessante disputa pela preferência de consumidores, em um ambiente onde operam forças e ofertas diversificadas. A competitividade de uma empresa pode ser entendida como a utilização de seus recursos e capacidades distintas, de modo a proporcionarlhe um desempenho superior ao de seus concorrentes na indústria, com referência aos atributos do produto/marca, os quais se convertem no conjunto de benefícios proporcionados ao cliente-alvo e considerados como tendo valor para ele. No mercado bancário, competitividade traduz-se pela capacidade das empresas de apresentar um desempenho superior ao da concorrência, em termos, por exemplo, de atendimento de melhor qualidade, preços competitivos, taxas atrativas e outros atributos que agregam valor, tudo isso avaliado segundo a ótica do cliente. Para a consecução deste propósito são necessárias ações internas como, por exemplo, intensificar o

17 17 nível de automação das operações por meio de serviços telefônicos e de computador, reduzir custos administrativos e qualificar o quadro de colaboradores. 2.1 A importância do Atendimento ao Cliente Philip Kotlher (1999) utiliza o termo produto para designar bens e serviços, sugerindo a idéia de que um produto é algo que pode ser oferecido para satisfazer a uma necessidade ou desejo. Assim sendo, segundo a ótica de marketing, o produto deve ser interpretado à luz dos benefícios que pode proporcionar, de acordo com a percepção do consumidor e não apenas pela suas características e aspectos técnicos e funcionais. Há empresas que agregam serviços aos bens produzidos, como forma de diferenciá-los da concorrência e atrair o consumidor, mas há empresas que trabalham exclusivamente com prestação de serviços. Segundo define o mesmo autor, um serviço é qualquer ato ou desempenho que uma parte pode oferecer a outra e que seja essencialmente intangível e não resulte na propriedade de nada. Serviços não podem ser vistos ou provados antes de serem comprados. São produzidos e consumidos simultaneamente e podem ser muito heterogêneos, pois dependem de quem os executa e de outras variáveis. Mesmo aquelas empresas categorizadas como prestadoras de serviços podem recorrer ao conceito de produto ampliado, agregando à sua atividade-fim outros serviços que permitam criar um diferencial em relação à concorrência. Pela ótica do consumidor, qualquer que seja a natureza do

18 18 que está sendo oferecido-produto tangível ou serviço o que é relevante é o benefício proposto ao comprador pela aquisição e utilização do mesmo. Visto pelo ângulo de sua configuração, um serviço é formado por um conjunto de elementos visíveis e por outro de elementos invisíveis. Quando um consumidor dirige-se a um banco procurando crédito, ele encontra outras pessoas esperando por serviços. Tem oportunidade de observar o prédio, as instalações, a sinalização, a organização e limpeza, o tipo de atendimento prestado pelos funcionários, entre outros detalhes. Tudo isso lhe é visível e influenciará, de algum modo, sua avaliação sobre a qualidade do serviço e propiciará a formação de um conceito geral do atendimento que a instituição pode proporcionar. Enquanto estiver sendo atendido, analisará a taxa a ser negociada, o prazo e as condições de pagamento, a cortesia, a presteza e a capacidade do funcionário de resolver seu problema. Não lhe é visível, no entanto, o sistema de produção e a estratégia organizacional que está por trás do serviço e lhe dá suporte. Sob a perspectiva da competitividade, a estratégia adotada pela empresa indicará se o serviço deve focar-se na diferenciação, elevando a qualidade intrínseca do serviço, pela incorporação de atributos superiores, ou focada nos custos, oferecendo ao cliente um preço menor que seus concorrentes, com um nível de qualidade aceitável. No primeiro caso, tem-se uma situação em que a origem da vantagem é externa, buscando a empresa maior poder de mercado, procurando conseguir esse intento com o recurso de estratégias de diferenciação. O poder de mercado pode ser interpretado como a capacidade da empresa de tornar a demanda mais inelástica. No segundo caso, a origem da vantagem é interna, procurando a empresa operar de modo a conseguir um desempenho superior, investindo

19 19 em maior produtividade e eficiência de seus processos de produção, distribuição e administração. Com a redução de custos decorrente desta última proposta, a empresa terá um leque de opções de preço mais elástico para criar diferenciais em relação aos concorrentes. O modo como a empresa administra seu negócio e define sua estratégia competitiva determinará como ela organizará seus sistemas, ou seja, seus processos e práticas, e a performance que poderá obter de seus empregados. Contudo, é a experiência do cliente diante dos elementos visíveis que determina sua percepção da qualidade, que é afetada principalmente pela qualidade do atendimento prestado pelas pessoas com quem o cliente tenha estabelecido contato. Assim como o produto é o que o cliente obtém, o atendimento é o como ele obtém. O atendimento é uma dimensão pela qual o cliente avalia, escolhe ou rejeita determinado produto. Pesquisas desenvolvidas sobre os motivos pelos quais os clientes mudam de fornecedores mostram que 70% das razões nada têm a ver com o produto, mas com a qualidade do atendimento prestado. Apesar de, atualmente, o atendimento, de modo geral, e o atendimento bancário, de modo específico, realizarem-se por meio de um extenso número de instrumentos, tais como telefone (telemarketing receptivo e ativo), internet (sites interativos e home banking) e terminais de autoatendimento (geralmente localizados nos saguões das agências bancárias, shopping centers, postos de gasolinas e supermercados), para o consumidor, o termo atendimento é ainda interpretado quase que exclusivamente sob o aspecto de contato pessoal.

20 20 Observa-se nas pesquisas de satisfação dos clientes, bem como na literatura sobre o assunto, que apenas atributos relativos ao atendimento pessoal são apontados pelos consumidores: - PRESTEZA - desejo de ajudar o cliente e fornecer pronto serviço. - COMPETÊNCIA capacitação dos recursos humanos e tecnológicos. - CORTESIA educação, respeito, consideração, cordialidade do prestador de serviço. - CONFIABILIDADE - capacidade de cumprir o prometido. - CREDIBILIDADE transmissão de confiança e honestidade no trato com o cliente. - SEGURANÇA sigilo, confidencialidade nos negócios, segurança pessoal, segurança do patrimônio. - FACILIDADE DE ACESSO pessoas acessíveis e canais de comunicação sempre abertos. - COMUNICAÇÃO manter o cliente informado em linguagem compreensível, fornecendo instruções de uso adequado, manuais, etc. - ADAPTABILIDADE capacidade de resposta a situações não-previstas. - IMAGEM visão ou conceito formado sobre a empresa.

21 A qualidade no atendimento ao cliente Um ponto fundamental para os bancos é a prestação de serviços de alta qualidade. O essencial é equiparar ou até exceder as expectativas dos clientes, pois apenas desta forma se consegue que estes se mantenham fiéis aos serviços. Na realidade, os clientes têm a exata noção das diversas alternativas de oferta e dos elevados padrões de serviços, daí as suas expectativas na qualidade de serviço serem bastante elevadas. Como as expectativas dos clientes são geradas por experiências passadas e também por aquilo que ouvem, os bancos e as outras instituições financeiras estão a desenvolver iniciativas de qualidade de serviço. De fato, a qualidade de serviço aliada ao bom atendimento do cliente constituem a chave da estratégia de «marketing», pois os clientes após serem atendidos comparam o serviço recebido com o serviço esperado. Segundo Parasuraman, Zeitthaml e Berry (1988) existem cinco lacunas que originam problemas na prestação de serviços, a saber: Lacuna entre a expectativa do consumidor e a percepção da empresa - nem sempre os gestores têm a percepção correta daquilo que os consumidores querem na realidade. Os gestores de um banco podem pensar que os clientes desejam melhores condições nas taxas de juro, enquanto eles podem estar mais preocupados com um bom atendimento personalizado.

22 22 Lacuna entre a percepção da empresa e as especificações da qualidade do serviço - os gestores até podem perceber corretamente os desejos dos consumidores, no entanto não adotam um padrão de desempenho específico. Os gestores de um banco podem dizer que o atendimento de clientes está mais rápido, embora não especifiquem isto quantitativamente. Lacuna entre as especificações de qualidade do serviço e sua execução - o padrão mínimo de qualidade no atendimento pode não ser atingindo, devido à sobrecarga de trabalho ou à falta de preparação dos funcionários. Existe o dilema de como dedicar tempo em ouvir os consumidores e, ao mesmo tempo, executar um serviço com rapidez. Lacuna entre a execução do serviço e as comunicações externas - as declarações dos funcionários de um banco e a publicidade influenciam as expectativas dos consumidores. Se um folheto de divulgação de crédito habitação diz que o banco tem taxas muito atrativas, mas se o consumidor ao dirigir-se a um balcão considera as taxas elevadas, então a comunicação distorceu as expectativas do consumidor. Lacuna entre o serviço percebido e o esperado - neste caso o consumidor subestima a qualidade do serviço, pois avalia o desempenho da empresa de maneira diferente. Um cliente assíduo de um banco vai fazer um depósito num dos caixas do banco, contudo se o gerente o chama ao seu gabinete para o cumprimentar, o cliente pode interpretar isto como uma indicação que poderá haver algum problema. Ainda, segundo estes três autores existem cinco determinantes da qualidade de um serviço, apresentadas numa ordem decrescente de importância dada pelos consumidores: Confiabilidade - A habilidade em desempenhar o serviço com segurança e precisão.

23 23 Atenção - Disponibilidade e cortesia dos funcionários em ajudar o consumidor fornecendo um serviço exato e rápido. Segurança - Conhecimento e habilidade dos funcionários em transmitir confiança e responsabilidade. Empatia - Atendimento personalizado ao consumidor. Tangibilidade - A aparência das instalações, equipamentos, funcionários e materiais de comunicação O Modelo dos Cinco Gaps O simples fato de uma empresa acreditar na importância do atendimento não é suficiente. É preciso pôr em movimento o ciclo contínuo de monitorar as percepções do cliente daquilo que seja qualidade do serviço, identificando as causas da não-qualidade percebida e tomando medidas apropriadas para superar a carência. Parasuraman (1988) apresenta um modelo teórico para auxiliar as empresas a avaliarem a qualidade do serviço prestado e entenderem as razões da dificuldade de oferecer serviços de alta performance e a desenvolverem meios para conseguí-lo. O modelo foi desenvolvido a partir da identificação de gaps ou lacunas durante o processo de prestação de serviços que afetam a qualidade do produto final. O Quadro 1 ilustra como uma empresa de prestação de serviços pode identificar as lacunas de qualidade, as quais implicam perda de competitividade e de dinheiro.

24 24 Quadro 1 Modelo conceitual de qualidade em serviços Fonte: PARASURAMAN, 1988, p. 36. Os quatro primeiros gaps associam-se aos processos internos da empresa, materializados na entrega do serviço ao cliente. São eles: - GAP 1: A alta administração não percebe corretamente as expectativas do consumidor - GAP 2: A alta administração não traduz as expectativas do consumidor em especificações de processos e serviços.

25 25 - GAP 3: O serviço prestado na linha de frente não coaduna com as especificações de processos e serviços - GAP 4: Há um viés entre a comunicação externa da organização e os serviços prestados aos clientes na linha de frente. O quinto gap está associado ao sentimento do cliente com relação ao serviço recebido, ou seja: - GAP 5: A percepção do cliente acerca da qualidade dos serviços recebidos está aquém de suas expectativas. Uma empresa de grande porte, com muitos níveis hierárquicos, pode não conseguir suficiente interação entre a alta administração e os funcionários do atendimento ao cliente, de modo que a opinião do cliente não circule adequadamente pela empresa e chegue distorcida, ou talvez nem chegue à alta administração, prejudicando a qualidade das diretrizes que possam emanar dos níveis decisórios hierárquicos mais altos. Essa situação propiciará o surgimento dos Gaps 1 e 2. Analisando empresas prestadoras de serviços, Parasuraman listou uma série de fatores capazes de gerar gaps, os quais podem ser vistos com mais detalhe no quadro 2.

26 26 Quadro 2 Fatores associados aos Gaps Fonte: PARASURAMAN, 1988, p. 46.

27 27 Esses fatores orbitam o estilo de gestão da empresa, especialmente no que tange aos recursos humanos, e afetam a qualidade do serviço prestado. A partir da análise dos fatores, as organizações deixam de tratar os problemas relativos ao atendimento em seus efeitos, passando a identificar em sua própria essência as causas de seus desajustes.

28 28 CAPÍTULO III ESTUDO DE CASO BANCO DO BRASIL 3.1 Perfil da Empresa em Estudo O Banco do Brasil, em quase dois séculos de existência, participou diretamente dos principais acontecimentos da vida econômicofinanceira do Brasil. Foi responsável pela liberação das primeiras linhas de financiamento agrícola e pela introdução do crédito rural, um dos marcos na expansão da agricultura brasileira. A diversificação das linhas de atuação e o ingresso em novos segmentos do mercado não afastaram o Banco do propósito de fomentar as atividades produtivas. Para cumprir sua missão, tem dado prioridade ao atendimento a empresas e produtores de pequeno porte, executado funções de agente financeiro do Governo e mantido a Fundação Banco do Brasil. É o banco brasileiro com a maior rede de Agências no exterior e, por esse motivo, importante apoio às operações do país no comércio internacional. O Banco do Brasil vem destacando-se também como banco de varejo, ancorando-se na condição de possuir a maior rede nacional de pontos de atendimento, contando com mais pontos, dos quais cerca de mais de situados no Estado de São Paulo. A empresa é reconhecida principalmente por atributos como solidez e confiabilidade, ostentando por vários anos seguidos o título de top of mind da categoria Bancos. No segundo semestre de 1998, o Banco do Brasil apresentou resultado financeiro de R$ 869 milhões, que representa retorno de 13,1% sobre o Patrimônio Líquido.

29 29 O lucro conquistado nos últimos semestres deve-se, principalmente, às mudanças estruturais implementadas ao longo dos últimos anos, mudanças estas que visam a tornar o Banco flexível, ágil e moderno, mantendo sua imagem de segurança e credibilidade. 3.2 Como os Clientes Avaliam o Atendimento do Banco do Brasil Em pesquisa realizada junto a correntistas que operam com um ou mais bancos, objetivando avaliar o serviço prestado pelo Banco do Brasil, observou-se a ocorrência de atributos positivos como solidez e segurança. Esta é a primeira associação que se realiza com a apresentação do nome do banco. É seu principal ponto forte, seu diferencial positivo, diz o relatório de pesquisa. O atendimento recebeu pontuações inferiores em relação a outros atributos. Por esse motivo, a administração tem investido intensamente na melhoria do desempenho relativamente a esse fator desde o último trimestre de Pesquisa semelhante foi realizada entre seus clientes 15. Em geral, um pequeno mas importante número de respondentes reclama da atenção e cortesia com que são tratados. 3.3 O Modelo dos Cinco Gaps Aplicado ao Banco do Brasil Para investigar a origem da insatisfação com o atendimento do Banco do Brasil, apontada nas pesquisas de opinião, foi utilizado o modelo proposto por Parasuraman, descrito anteriormente.

30 30 Cada fator foi analisado a partir de dados secundários provenientes de relatórios de trabalhos realizados por diferentes institutos de pesquisa independentes. Alguns dos trabalhos referem-se a pesquisas feitas junto a pessoas que possuem conta em um ou mais bancos, ou a pesquisas junto a clientes do Banco; outros trabalhos consultados dizem respeito à questão relativa a clima organizacional. Foram utilizados, ainda, como fonte de dados secundários, os resultados decorrentes de pesquisas desenvolvidas pela própria Empresa. Cada fator considerado recebeu um peso, de acordo com sua importância relativa para a determinação do GAP. Além disso, avaliou-se cada fator mediante a atribuição de um conceito, segundo a observância da seguinte escala: não atende, atende pouco, atende parcialmente, atende plenamente. Estabeleceu-se como ideal este último conceito. A indicação de qualquer um dos três primeiros conceitos foi interpretada como a presença de um gap. O tamanho do gap revela, figurativamente, a gravidade da situação existente na empresa. 3.4 Medidas Corretivas para Estreitar os GAPS A partir da compreensão da importância, origem e dimensão dos fatores associados aos GAPs foi realizado um trabalho de orientação das deficiências que lhes dão origem, visando a supri-las ou, ao menos, minimizá-las. As recomendações constantes no documento foram realizadas de maneira genérica para que a Empresa pudesse ter liberdade de trabalhálas individualmente ou em conjunto, mediante um cronograma estabelecido por ela própria.

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES 1 CONQUISTAR E MANTER CLIENTES Historicamente, o marketing se concentrou na atração de novos clientes. O pessoal de vendas era mais recompensado por achar um novo cliente do que por prestar muita atenção

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Banco do Brasil - Escriturário ATENDIMENTO

Banco do Brasil - Escriturário ATENDIMENTO Banco do Brasil - Escriturário ATENDIMENTO ATENDIMENTO Nível de Importância TEMA QTD % 1º Marketing de Relacionamento 4 18,1% 2º Ouvidoria 3 13,6% 3º Necessidades e Expectativas do Cliente 2 9,2% 4º Valor

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL RESUMO O setor bancário sofre crescente modificação no que tange aos seus canais de vendas e comunicação com os clientes. O atendimento, que era feito através

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Questões de Atendimento Professor Marcelo Marques 1. Para criar a satisfação dos clientes, as empresas devem gerenciar sua cadeia de valor, bem como seu sistema de entrega de valor, com foco: a) nas vendas

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Alexandra Cardoso da Rosa Bittencourt 1 ; Rogério

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto:

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto: 1- Do Projeto: O projeto visa dar acesso aos associados de associações comunitárias de Rio Pardo de Minas/MG à compra de produtos em uma rede credenciada local através de um cartão de compras que garanta

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

O que discutimos neste módulo

O que discutimos neste módulo Marketing Governamental Antonio Roberto Bono Olenscki São Paulo, 14 de junho de 2011 O que discutimos neste módulo Marketing de serviços públicos; foco no cidadão, dimensões da qualidade em serviços públicos;

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO FÁBIO RODRIGO DE ARAÚJO VALOIS Discente do Curso de Ciências Contábeis - UFPA RESUMO Não é de uma hora pra outra que um comerciante abre as portas de seu empreendimento. Se fizer deste modo, com certeza

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS RESTAURANTES DE SOBRAL

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS RESTAURANTES DE SOBRAL A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS RESTAURANTES DE SOBRAL KECIA CRISTINA PEREIRA DE SOUSA 1 Resumo: O objetivo principal desta pesquisa é analisar a satisfação dos clientes em relação aos serviços

Leia mais

VENDAS DE ALTO IMPACTO B2B. Resultado Esperado: Responder as indagações. - Como alcançar metas desafiadoras? - Como vender qualitativamente?

VENDAS DE ALTO IMPACTO B2B. Resultado Esperado: Responder as indagações. - Como alcançar metas desafiadoras? - Como vender qualitativamente? Oficina de trabalho VENDAS DE ALTO IMPACTO B2B Resultado Esperado: Responder as indagações - Como alcançar metas desafiadoras? - Como vender qualitativamente? - Como manter uma força de vendas matadora?

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ATENDIMENTO DOS BARES E RESTAURANTES DA CIDADE DE SERRA TALHADA (PE)

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ATENDIMENTO DOS BARES E RESTAURANTES DA CIDADE DE SERRA TALHADA (PE) XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

ARTIGO 132 A ESCORAGEM DE CRÉDITO PESQUISA MAIS PROFUNDAMENTE OS DADOS

ARTIGO 132 A ESCORAGEM DE CRÉDITO PESQUISA MAIS PROFUNDAMENTE OS DADOS ARTIGO 132 A ESCORAGEM DE CRÉDITO PESQUISA MAIS PROFUNDAMENTE OS DADOS RESUMO: Escoragem de crédito pode auxiliar na simplificação de operações e eliminação de custos, na redução de perdas, na ampliação

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE: O CASO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

REFLEXÕES SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE: O CASO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR 1300 REFLEXÕES SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE: O CASO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR José Eduardo Fernandes 1, Silmara Pereira Brites de Moura 2, Caroline Kraus Luvizotto 3 1 Discente do

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki

Leia mais

MBA EM DESIGN ESTRATÉGICO & INOVAÇÃO

MBA EM DESIGN ESTRATÉGICO & INOVAÇÃO MBA EM DESIGN ESTRATÉGICO & INOVAÇÃO O programa prepara você para tornar-se um gestor do design nos ambientes de negócio; oferecendo as habilidades gerenciais necessárias para desenvolver e administrar

Leia mais

A QUALIDADE NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: A AVALIAÇÃO DOS USUÁRIOS INTERNOS.

A QUALIDADE NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: A AVALIAÇÃO DOS USUÁRIOS INTERNOS. A QUALIDADE NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: A AVALIAÇÃO DOS USUÁRIOS INTERNOS. Carolina Nunes Prado 1 Silvio da Silva Neves Adriana Sartório Ricco 2 Resumo O crescimento do setor

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO 122 A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO Edilene Mayumi Murashita Takenaka, Sérgio Luís Destro, João Vitor Minca Campioni, Dayane Magalhães Fernandes, Giovana Maria

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

As pessoas tendem a prestar mais atenção àquilo que é avaliado e medido, pois é justamente o mensurável que a organização traduz em recompensa.

As pessoas tendem a prestar mais atenção àquilo que é avaliado e medido, pois é justamente o mensurável que a organização traduz em recompensa. Projeto para um Estudo da Contribuição ao Estudo da Qualidade como Instrumento de Gestão Estratégica aplicado as empresas situadas na região de Tangará da Serra Estado de Mato Grosso Brasil. Ivon de Mello

Leia mais

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Gestão de Vendas e Relacionamento O programa desenvolve conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional atender de

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia Resumo Renato Gallina (Centro Universitário da FEI) gallina@fei.edu.br Roberto G. Rotondaro (Depto Eng. Produção

Leia mais

Marketing de Causas Sociais

Marketing de Causas Sociais Marketing de Causas Sociais Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br AEDB Lúcia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Vanderléia Duarte potter_van@yahoo.com.br AEDB Rayanna Mattos Viana rayannamviana@gmail.com

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS Alexandre Milkiewicz Sanches (UTFPR) riversonic@ibestvip.com.br Profª. Dra. Isaura Alberton de Lima (UTFPR)

Leia mais

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014 http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Estrutura possível de um plano de marketing 1. Sumário Executivo 7. Marketing-mix

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais