ROSA MOREIRA FARIA: UMA ARTE-EDUCADORA SERGIPANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROSA MOREIRA FARIA: UMA ARTE-EDUCADORA SERGIPANA"

Transcrição

1 ROSA MOREIRA FARIA: UMA ARTE-EDUCADORA SERGIPANA Patrícia Francisca de Matos Santos Universidade Federal de Sergipe Grupo de Estudos e Pesquisas em História da Educação Palavras-chave: História da Educação. Nova História Cultural. Biografia. INTRODUÇÃO O artigo intitulado, Rosa Moreira Faria: uma arte-educadora sergipana tem como objetivo resgatar a trajetória da educadora e artista plástica sergipana Rosa Moreira Faria, destacando a forma como através da pintura retratou a história do Brasil e de Sergipe. A motivação para realização deste estudo resultou do contato que, enquanto estagiária do Memorial de Sergipe, pude manter com seu acervo, composto por ladrilhos, porcelanas, lajotas, azulejos e telas. Esta visão inicial me encantou, despertou minha curiosidade e nesse percurso pude perceber a pouca divulgação que há das obras e da atuação docente da referida educadora. Trata-se, portanto, de um estudo biográfico, que na visão de Levillain (2006 apud BORGES, p. 215), Não tem por vocação esgotar o absoluto do eu de um personagem, como já se quis a ainda se quer [...] Ela é o melhor meio de mostrar os laços entre passado e presente, memória e projeto, individuo e sociedade e de experimentar o tempo como prova de vida [...] a biografia é o local por excelência da condição humana em sua diversidade. Para realizar este estudo foi necessário proceder ao levantamento bibliográfico em livros, revistas, monografias e internet como também visitas a Biblioteca Pública Epiphânio Dória, ao BICEN (Biblioteca Central - UFS), e ao Memorial de Sergipe, onde se encontram documentos e o acervo iconográfico de Rosa Faria, com o intuito de buscar subsídios para situar a personagem no contexto histórico, econômico e social em que nasceu, cresceu e desenvolveu sua atividade docente e artística. Além da fonte escrita, recorri à fonte oral, entendida como um instrumento de pesquisa que lida com o que o indivíduo deseja revelar, ocultar e com a imagem que quer projetar de si e de outros. Pois segundo Freitas (2003), a história de vida, busca atingir a coletividade de que o informante faz parte e do qual é um mero representante, através do qual se revelam os traços desta. No caso do presente estudo, foram realizadas doze entrevistas com familiares, amigos, ex-colegas de trabalho, ex-alunos, historiadores, etc.

2 TRAJETÓRIA PROFISSIONAL - DOCENTE E ARTISTICA Na primeira década do Século XX, o mundo e o Brasil vivenciavam profundas transformações, conseqüência, sobretudo da I Guerra Mundial ( ). Após o conflito, a Inglaterra, cedeu espaço para os Estados Unidos no cenário comercial e financeiro internacional. O Brasil, tradicional cliente dos Bancos Ingleses, intensificou suas relações comerciais e financeiras com os norte-americanos e, por conseguinte, passou a sofrer influência cultural através de filmes, imprensa, literatura e estendeu-se ao campo educacional e pedagógico, a exemplo do Movimento Escola Nova, na versão norte-americana dos educadores John Dewey e Willian Kilpatrick, que ganhou adeptos entre os intelectuais jovens. Verificou-se ainda um impulso à imigração européia que no Brasil constituiu basicamente o operariado, os quais, através da organização sindical sobre influência anarquista, contribuíram para alterar as relações de trabalho vigentes e estimularam uma maior participação feminina no mercado de trabalho. No aspecto econômico, verificou-se uma mudança no modelo econômico que passou de uma economia agrário-exportador para uma fase industrial. Emergiu desse novo contexto uma burguesia industrial urbana, estratos emergentes de uma pequena burguesia e o operariado. Tais mudanças provocaram uma acelerada urbanização e a instalação de serviços públicos, a exemplo dos bancos e da modernização dos meios de comunicação e transporte. Contribuiu também para desencadear novas pressões em favor da escolarização, por parte dos intelectuais horrorizados com o analfabetismo generalizado. Na década de 20 a divulgação de dados estatísticos que revelavam a existência de 75% de analfabetos entre a população brasileira, fez ressurgir o entusiasmo pela educação, com a criação das ligas contra o analfabetismo. Fundadas por intelectuais, industriais e médicos, que cheios de fervor nacionalista, pregavam o civismo, o escotismo, o patriotismo, e a erradicação do analfabetismo, como instrumento político, de aumento da quantidade de eleitores, e, por conseguinte, de formação social através do voto consciente (GHIRALDELLI JR., 1994). O fim da Guerra e a presença dos imigrantes contribuíram para desencadear um surto de nacionalismo e patriotismo, que levou a retomada dos princípios defendidos pela Republica. Nesse contexto, surgiram vários movimentos políticos e culturais, a exemplo da Fundação do Partido Comunista Brasileiro (1922); das Revoltas Tenentistas, que representaram o descontentamento dos segmentos médio urbano com a oligarquia dominante, emergindo desses revoltosos a Coluna Prestes (1924); e por parte da intelectualidade brasileira, imbuída do propósito de construir uma identidade nacional e de resolver os graves problemas que o país se defrontava, movimentos como a Semana de Arte Moderna (1922) e a criação da Associação Brasileira de Educação - ABE (1924). Resultante de muitos desses movimentos, desencadeou-se uma onda de greves que pressionou o governo a promulgar leis que garantissem os direitos dos trabalhadores, dentre eles, o acesso à escolarização, pois o sistema educacional não atendia às exigências da nova classe em ascensão, uma vez que era arcaica, livresca e satisfazia apenas a classe latifúndio - mercantilista. Sergipe em final do Século XIX, vivenciou um período de modernização do setor açucareiro com a criação de engenhos e usinas os quais permitiram transformar a manufatura do açúcar em processo industrial, diferenciando dos engenhos tradicionais pela substituição do maquinário usado na produção do açúcar por maquinas modernas. Vários produtores sergipanos investiram nas usinas, possibilitando que o Estado chegasse a possuir o maior número delas em todo o país. O primeiro engenho implantado foi o Central, em 1888, no município de Riachuelo. Tais transformações do setor açucareiro levaram os senhores de

3 engenho que não possuíam maiores recursos, à condição de meros fornecedores de cana para as usinas vizinhas, outros se voltaram para a pecuária ou para a produção de cereais (NUNES, 1984). Ainda nesse período, em função da Guerra de Secessão dos EUA ( ), o algodão ganhou importância econômica com o aumento das exportações. Com o fim da Guerra, o algodão voltou-se para o mercado local, servindo de estímulo para o surgimento da indústria têxtil. Em 1884, entrou em funcionamento à primeira fabrica de tecido do Estado, a Sergipe Industrial, anteriormente denominada Cruz e Companhia, sendo instalada no Bairro Industrial em Aracaju, produzindo brim, cetim, bulgariana, algodãozinho e estopa. Na década seguinte foi criada a Companhia Industrial de Estância, em No começo do século XX, a produção do algodão cresceu e novas fabricas instalaram-se. Em 1915 a indústria têxtil marcava presença nos municípios de Neópolis, Própria, Maroim, Riachuelo, São Cristóvão, Aracaju e Estância. O setor industrial do Estado passou a contar ainda com pequenas fábricas de descaroçar algodão, de óleo de coco, de sabão, beneficiamento de arroz, fumo, curtumes, voltado para o consumidor de baixa renda. Verificaram-se nesse período várias iniciativas de modernização do Estado, sobretudo no aspecto cultural, a exemplo da expansão da imprensa e das casas tipográficas que contribuíram para a difusão da cultura em Sergipe, ao possibilitar a publicação de livros e o acesso à leitura. Também foram criadas associações culturais e científicas como: O Clube Literário Progressista (1905) em Frei Paulo; o Grêmio Literário Simãodiense (1905) em Simão Dias; o Clube Literário Silvio Romero (1918) na cidade de Boquim; o Gabinete de Leitura de Riachuelo (1927) e a Casa do Livro de Capela (1928). Em Aracaju foram criados O Centro Operário Sergipano (1910), a Sociedade Médica de Sergipe (1910), o Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe (1912), a Liga Sergipense Contra o Analfabetismo (1916), o Centro Pedagógico Sergipano (1918) e o Instituto Parreiras Horta (1924). Foi nesse cenário que nasceu a 28 de abril de 1917, Rosa Moreira Faria, na cidade de Riachão do Dantas, Sergipe, filha de João Guilherme Farias e de D. Arminda Moreira Faria. Contudo, o registro civil foi oficiado na cidade da Capela, local para onde a família transferiuse quando ela ainda era pequena. Segundo o irmão João Guilherme Farias (entrevista concedida em 31/05/2005), Rosa foi registrada como capelense, porque naquela época não era fácil registrar uma pessoa como nos dias atuais, de modo que, o pai solicitou e o juiz autorizou que fosse feito o registro em Capela. Segundo Machado (entrevista concedida em 24/05/2005), João Guilherme Farias, também conhecido como João da Luz, era mecânico do Serviço de luz e Força de Capela. Conhecia de máquina, funilaria e tinha a capacidade de consertar e construir coisas. Homem bom, muito prestativo, a quem todos recorriam, pedindo que consertassem utensílios domésticos e não cobrava nada pelo serviço. D. Arminda Moreira Faria, segundo João Guilherme Farias (entrevista concedida em 31/05/2005), morreu da gripe espanhola. Desde então, a avó materna de Rosa passou a morar com a família, ajudando na educação das crianças. A avó Rosa Moreira Frião, nasceu em Estância em 1860 e era filha de Joaquim Carneiro Frião (primeiro secretário da Associação Comercial de Sergipe em 1872) e Mª Rosa Bandeirinha Frião, ambos portugueses. De família abastada, estudou em Portugal, diplomando-se professora, pianista, poetisa e escritora. Casou com o português Antônio Moreira Monteiro e regressou ao Brasil fixando residência em Estância. Do casamento, nasceu uma única filha Arminda e ficou viúva cinco anos depois de ter chegado ao Brasil. Foi professora de grandes intelectuais sergipanos como: Craccho Cardoso, João Dantas Martins dos Reis, Dr. José Thomaz Nabuco e de Genésia Fontes, de quem foi à única

4 professora, até aposentar-se em Pela habilidade artística era conhecida como mãos de fada. Em Capela, quando chegou o primeiro piano para a família Guimarães ela o inaugurou, tocando o Hino Nacional Brasileiro O senhor João Guilherme de Faria somente contraiu núpcias entre 1941 e 1942, com o falecimento da sogra, em 1938, e com a emancipação dos filhos. Papai morreu em 14 de dezembro de 1961, não sei se com 74 anos, vitimado por problemas cardíacos (João Guilherme de Faria, entrevista concedida em 31/05/2005). Rosa teve seis irmãos, sendo quatro do primeiro casamento de João Guilherme de Faria e três do segundo. Conforme descreveu Machado, Rosinha, eu a chamava assim, teve quatro irmãos do primeiro casamento de seu pai. O mais velho era Luiz que nós apelidamos de Luiz Dentão. Djalma era o mais moço e estudou no Colégio até ingressar na Faculdade de Direito, tornando-se advogado. Luiz ficou na Capela e lá constituiu família. Carmelita não estudou. Depois de algum tempo, seu João Guilherme casou pela segunda vez, tendo deste segundo consórcio João Guilherme, Maria Auxiliadora e Carlos, este último reside em São Paulo (Manoel Cabral Machado, entrevista concedida em 24/05/05). Capela, município localizado a 65 km de Aracaju, foi considerado no passado um ponto de desenvolvimento de cultura do Estado. Teve seu povoamento iniciado em 1735 com a doação da área pelo Capitão Luís de Andrade Pacheco e sua esposa Perpétua de Matos Franco, cujo filho era padre e ficou sensibilizado com o desgaste dos moradores que recorriam a matriz em Pé do Banco (atual município de Siriri), situado nove léguas para participarem de missas e festas. A povoação foi elevada a categoria de freguesias em 1813, desmembrando-se do território Pé do Banco. Em 1835, transformou-se em Vila e em 28 de agosto de 1888, passou a condição de Cidade com o nome de Capela. Sua economia estava pautada no beneficiamento da cana de açúcar, chegando a ter mais de uma centena de engenho para fabricação de açúcar. Cultivava ainda o algodão e mandioca. Em 1914, primeiros anos de República, Capela teve instalada sua primeira Usina mecanizada de açúcar cristal (Usina Proveito), surgindo mais tarde a Santa Clara e Vassouras. Em 1915 o município passou a contar com um ramal da estrada de ferro, o que possibilitou a interligação com outras cidades e capitais, a exemplo de Aracaju e Salvador. Tais inovações contribuíram para acelerar o progresso econômico do município desencadeando novas demandas por serviços e provocando mudanças na forma de pensar e nas aspirações intelectuais da população, de modo que se tornou um centro cultural comparável a Laranjeiras e Estância. Exemplo disso foi à criação do jornal O Capelense Hebdomadário (1897), a fundação do Grupo Escolar Coelho e Campos (1918), primeiro a ser instalado no interior do Estado; da Sociedade Cultural Casa do Livro (1928) e do Colégio da Imaculada Conceição fundado em 1929, sob a responsabilidade das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição, situando o movimento intelectual que se fazia presente em Capela, no início do séc. XX. Nesse período, passou a contar com o Serviço de Luz e Força, movida a lenha. Às 6 horas da noite, começava a botar fogo na caldeira e a rodar a turbina. Tínhamos luz até 10 horas ou 10h30min. De vez em quando os motores velhos, cansados encrencavam e chamavam João da Luz que pelejava até que afinal o motor funcionava. Lembrança semelhante tem o filho João Guilherme Faria. Segundo ele, Lembro as várias noites que ele saía 5:30 horas, 6 horas, aí ligava o motor, e quando chegava 15 para 10 da noite ele dava aqueles cortes, que era o aviso de que a luz ia faltar. Dez e pouca ela chegava. Às vezes eu estava

5 acordado, e via ele ouvindo rádio, aqueles rádio de bateria, onde tinha uma parte da casa que ele chamava de oficina, um grande armário com uma série de baterias lá dentro carregando, não só a dele, como das outras pessoas de Capela (Entrevista concedida em 31/05/2005). Segundo Manoel Cabral Machado, a inclinação para a atividade artística começou na Capela. Eu não sei com quem ela aprendeu se foi com a avó. Rosinha inicialmente fazia uma porção de quadros com cromos, ficava uma beleza aqueles quadrinhos para botar em parede, mais não era de pintura, era um quadro de moldagem. Trabalhava também com flores, acho que sempre-viva. E fazia um quadro bonito dos Santos. Na cidade natal fez os estudos primário e secundário. Segundo Cáscia Maria Freire de Barros (entrevista concedida em 12 de junho de 2005), Rosa iniciou os estudos no Grupo Escolar Coelho e Campos, transferindo-se depois para o Colégio das Freiras. O pai fazia alguns trabalhos para as freiras, o que possibilitou que ela pudesse estudar no Colégio de meninas ricas. Conforme explicitado por Cruz (2002), durante as duas primeiras décadas do século XX não existia em Capela instituição destinada à instrução pública seriado estando o ensino restrito a algumas escolas particulares e algumas cadeiras de aulas públicas, freqüentadas pelos filhos da elite e das camadas médias de Capela. Somente em 1918, por iniciativa do sergipano José Luiz Coelho e Campos, então Ministro do Supremo Tribunal Federal, que doou sua residência com o objetivo de fazer funcionar no prédio uma casa de instrução, foi implantado o Grupo Escolar Coelho e Campos 1. Teve como primeiro diretor o farmacêutico Bruno Manoel de Carvalho, que permaneceu por dezesseis anos na direção. O Colégio Imaculada Conceição foi fundado em 1929, por iniciativa de Antão Correia e Ariosvaldo Barreto. Mantido por freiras e atendendo ao sexo feminino, era uma instituição destinada à educação das filhas da elite de Capela e da região. Utilizava métodos de ensino considerados ultrapassados pela direção do grupo escolar, que fazia o discurso da pedagogia moderna. Rosa recebeu o diploma de normalista em e o prêmio de uma cadeira, por ter sido classificada em primeiro lugar em todo o curso. Rosa se formou num período em que o estado modernizava-se em termo intelectual, sendo o Diretor da Instrução Publica Manoel Franco Freire e o governador Eronildes Ferreira de Carvalho que governou de 1935 a Foi desenvolvida uma política educacional baseada nas diretrizes pós-30, inovadora, por esta de acordo com as modernas tendências pedagógicas preconizada pela Escola Nova com caráter técnico, não se limitando ao aspecto quantitativo, por imprimir inovação à educação e investir em viagens para o Rio, São Paulo e Minas com a finalidade de Observar e Aplicar o Ensino, no que houvesse de mais adiantado, estimulando a criatividade dos alunos, difundindo a imprensa com orientação educativa, recreativa instrutiva, a institucionalização da semana da educação por pretender Vulgarizar os Ideais da Escola do novo tempo e unificação de praticas escolares de acordo com as necessidades regionais. Em 1935 o ingresso no magistério era dado mediante concurso público com prova de idade inferior a 30 anos, sanidade, ausência de defeito físico ou mutilação, exame de saúde anual para todos os professores da rede. Preconizando que... em todas as escolas era obrigatória a Educação Física, Canto Orfeônico e Trabalhos Manuais, refletindo um

6 clima de nacionalidade. E na ausência de professores habilitados a Lei possibilitava por períodos determinados pessoas que demonstrassem habilidades. Que com a finalidade de preparar o quadro de professores, fixou no artigo 14 que a orientação geral desses serviços fosse entregue a Técnicos especializados, fazendo vir do Rio a Missão Carioca com renomados especialistas de Educação Física e Música como Tito Pádua e José Vieira, tendo em Fernando de Azevedo o primeiro representante para o desenvolvimento da Educação Física, não limitando o ensino a inclusão dessas disciplinas conforme Portaria nº 51 de 1937, sendo criado o Conselho de Educação do Estado, de caráter consultivo e constituído por educadores do quadro efetivo ou personalidades com experiências em assuntos pedagógicos com o intuito de elevar o nível da cultura sergipana e o progresso do Estado. As iniciativas empreendidas por Franco Freire foram refletidas na Escola Normal Rui Barbosa, por procurar dotar o professor de melhor preparo técnico-pedagógico e valorização profissional, moralizando e disciplinando a aprovação dos alunos e ingresso do professor equiparado ao Colégio Pedro II da capital federal. Foi elevado o nº de matriculas do 1º ano para 100, e fixou em 6h semanais a carga horária dos docentes. Em 1936, segundo mensagem enviada ao governo, a Escola Normal foi equiparada aos Colégios Nossa Senhora das Graças (Própria), Sagrado Coração de Jesus (Estância) e Imaculada Conceição (Capela). A Lei nº 60/36 procurou organizar o currículo do Curso Normal definindo que os programas das matérias deveriam equivaler ao curso secundário, equiparando ao curso normal a este ramo de ensino, abrangendo os estudos de Português, Literatura, Francês, Inglês, Matemática: Aritmética, Geometria Plana e Noções de Álgebra; Geografia Geral, do Brasil e Noções de Cosmografia; História Geral; História do Brasil; Física e Química; História Natural, Higiene, Puericultura, Desenho; Trabalhos Manuais; Música; Educação Física; Pedagogia; Psicologia Aplicada a Educação; Metodologia e Práticas do Ensino; Educação Moral e Cívica; Agricultura e Economia Rural. A partir de 1947 em Sergipe, o ruralismo Pedagógico transformou-se, devido ao capitalismo, como instrumento de fixação no campo, fomentando uma proposta voltada para a vocação rural da civilização brasileira, reforçando tais valores. Devido a esse quadro Franco Freire criou escolas normais rurais e a cadeira de ensino Rural; surgiram também as escolas infantis anexas a normal com o intuito de ampliar as normalistas e os professores na observação e experiência para uma melhor adaptação. Iniciou sua atividade no magistério público estadual em 1942 e em função das promoções a que fez jus, foi transferida para Aracaju, passando a residir na Capital em Inicialmente ela e a irmã Carmelita, moraram na Rua de Própria nº 33, mudando-se posteriormente para a casa da Praça Olímpio Campos, onde viveu até a morte. Em Aracaju, além do magistério, fez concurso para o Correio, onde exerceu a função de telegrafista, sem, contudo esquecer-se de cultivar a sua paixão pelas artes. Ao vim para Aracaju Rosa se depara com transformações no âmbito democrático, devido ao termino do Estado Novo. Eleições para presidente e governadores, igualdade de oportunidades educacionais no lar e na escola (Carta Constitucional de 1946), a União passa a legislar a educação (art. nº 5, xv, letra d), recursos mínimos para a educação (art. nº 169) sendo vista a educação como mecanismo de democratização da sociedade e instrumento para legitimar o governo, servindo para que a sociedade ocultasse o precário ensino as camadas populares. Foram promulgadas as Leis Orgânicas de Ensino Primário e Normal (nº e de 2 de janeiro de 1946), retomando o escolanovismo, a normalidade democrática passando o Estado por uma fase de transição econômica na cana-de-açúcar e setor têxtil, cedendo lugar a agropecuária e incipiente industrial (90% de pequenos estabelecimentos), favorecendo mudanças sociais e políticas em Sergipe, não sendo suficiente para mudar

7 substancialmente as forças do Estado, por ser controlado por duas ou três famílias ou grupos políticos. Após 1945 os partidos que faziam parte do cenário político sergipano acompanham a tendência nacional. José Rollemberg Leite foi eleito governo (1947 a 1950), criterioso, com assessores de prestígio familiar e experiência acumulada frente aos órgãos públicos. Nomeando Acrisio Cruz para a direção geral do departamento de Educação, sendo a educação rural o foco das preocupações. Estabeleceu o convênio com o INEP, construiu a Escola Normal Murilo Braga (Itabaiana), mais de 200 escolas rurais e 15 Grupos Escolares, considerada modelo, para outros estados. Durante o seu governo Rollemberg Leite aumentou consideravelmente a rede de escolas primárias, promovendo oportunidades com a criação de Escolas Superiores, qualificação dos professores primários e secundários oferecendo cursos de aperfeiçoamento e de bolsas de estudos para ambos. Embora de temperamento reservado, ao longo da vida cultivou alguns amigos, como revela os depoimentos que se seguem: Eu conheci Rosa Faria, quando ingressei nos Correios e Telégrafos. Eu, funcionário da parte postal e ela da parte burocrática. Então no dia-a-dia, nos encontros que aconteciam por ocasião da chegada na repartição, nós tínhamos tempo para um dialogo, mesmo porque ela era uma pessoa culta, voltada as artes, e eu era um estudioso, um esforçado, uma pessoa que naturalmente desejava, como todo jovem na minha idade, vencer. Morava ali no parque Teófilo Dantas, juntamente com seus irmãos, era uma pessoa comunicativa, porém reservada, só falava e só se manifestava nas horas próprias, quando se tornava indispensável a sua participação. Estudiosa, pesquisadora, apaixonada e posso lhe dizer que, para mim, o seu maior heroísmo é que tudo fez não pensando nela, nem ajudada por quem quer que seja somente ajudada por Deus (José Sebastião dos Santos, entrevista concedida em 13/06/2005). Por tudo quanto realizou foi homenageada em vida com os títulos de: Amiga da Marinha em Salvador, no ano de 1991; Amiga de Exército; Medalha do Mérito Serigy nos graus de Oficial e Comendador, concedidas respectivamente pelos prefeitos Jackson Barreto (1988) e Wellington Paixão (1991); Título de Cidadã Aracajuana concedido em 1986 pela Câmara Municipal, através do Projeto de Vereador Raul Andrade). Em 1991, recebeu o Troféu Destaque Imprensa, no 59 Aniversário da ASI. Foi reverenciada pelo programa TV Memória, pelo Jornal da Cidade e Gazeta de Sergipe (1989) e na página Memória de Sergipe do Jornalista Osmário Santos. Nos 25 anos de existência do Colégio Imaculada Conceição (1989), foi homenageada como Patrona do Colégio. Finalmente no ano de 1999 a Vereadora Nazaré Carvalho, elaborou um Projeto de Lei, aprovado pelo Prefeito João Augusto Gama da Silva, no qual denominava uma Rua do Loteamento Parque dos Coqueiros, com o nome Professora Rosa Faria. Também foi vencedora do Prêmio do 1º Centenário de Aracaju, conforme texto jornalístico que se segue: Referente às suas obras concorreu a um concurso de Pintura criado pela Prefeitura de Aracaju, para apresentação de uma tela a óleo, com assunto alusivo ao 1º Centenário de Aracaju, recebeu prêmio por ser classificada em 1º lugar; em 1954, escreveu um trabalho sobre a crise do Adolescente; em 1947, fez a Biografia do 1º Bispo de Sergipe, Dom José Tomás Gomes da Silva, em novembro de 1948 (Jornal da Academia Literária da Vida, ano 1, n.0 junho e julho de 1997).

8 Rosa Faria todos os anos comemorava a Mudança da Capital (17 de março) e fazia uma grande solenidade em frente ao Museu Histórico para lembrar esta data. Ela conseguia fechar o trânsito e a programação contava com a presença das bandas de música do Exército e da Polícia Militar, de autoridades e estudantes das diversas escolas, fardados e perfilhados. Eram cantados hinos, hasteada a bandeira e em seguida ela proferia um discurso relatando a história da Mudança da Capital e culminava com a visitação ao Museu. Era um momento de educação cívica, em que ela, muito compenetrada, assumia seu papel de velha mestra. Tinha também uma função de incentivar nas jovens gerações o sentido de civismo, de culto as datas históricas que reativa, na memória do cidadão os feitos do passado (Beatriz Góis Dantas entrevista concedida em 16/06/2005). A preocupação com a destinação que seria dada ao acervo foi uma constante nos últimos meses em que viveu. Segundo Cássia Maria F. de Barros, cerca de sessenta dias antes de sua morte, Rosa mandou chamá-la e falou que não tinha sucessor e não sabia com quem ficaria o acervo, sugerindo na oportunidade que ela o oferecesse a Fundação Roberto Marinho e a Silvio Santos, o que não chegou a se concretizar, porque no dia 28 de abril de 1997, Carmelita ligou informando que a irmã tinha sido acometida por um aneurisma cerebral e os médicos informaram que não tinha mais jeito a dar. Em 1º de maio de 1997, Sergipe foi surpreendido com a notícia do falecimento de Rosa Faria. Sua morte provocou uma grande comoção na cidade, de modo que o enterro foi muito concorrido, o Corpo de Bombeiros conduziu o caixão envolto em uma bandeira de Sergipe em carro aberto. O Exército a Marinha e autoridades civis se fez representar. Quero morrer ocupando minhas mãos. Em uma delas. Levarei terço que é minha profissão de fé; na outra, levo o pincel, meu eterno e inseparável companheiro, e, lá de cima, eu ainda quero pintar (Rosa Faria). A partir da sua morte começaram as negociações para ver qual o destino as ser dado ao acervo. As amigas Lígia Pina, Cáscia Maria Freire de Barros, Cléia Brandão, tomaram a frente das negociações. Cássia Maria F. Barros, como tinha acesso à mídia, manteve por quinze dias seguidos a mídia falando do nome de Rosa Faria e do acervo e mostrando a necessidade do poder público adquiri-lo. Segundo Ivone Mendonça, havia um grupo de São Paulo, interessado em adquirir o acervo, mas Carmelita gostaria que ele ficasse em Sergipe, de modo que os amigos ficaram aguardando que os órgãos públicos se pronunciassem. Contudo, foi o professor Jouberto Uchôa de Mendonça, proprietário da Universidade Tiradentes e admirador da obra de Rosa Faria, o primeiro sergipano a fazer a proposta. Nós as amigas dissemos a Carmelita, que quem deveria realmente ficar com toda a obra de Rosa Faria, era o Professor Uchôa, um homem voltado para as causas educacionais do Estado, ex-aluno dela, então, ninguém melhor do que ele para adquirir a obra. Momento histórico, da maior relevância assumido pelo Professor Uchôa. Todas nós, amigas de Rosa Faria, ficamos felizes por saber que a obra não seria transplantada para outro estado e muito mais, guardado, porque no Museu, no Memorial da Universidade Tiradentes (Ivone Mendonça de Souza, entrevista concedida em 10/06/05).

9 Na missa de sétimo dia Professor Uchôa se fez presente e manifestou o desejo de incorporar o acervo de Rosa Faria ao Museu que ele pretendia organizar. Foram iniciadas as negociações, pois os amigos não queriam que houvesse uma venda, mais um acordo, porque com a venda você pode dispor depois do acerco como quiser. Neste caso foi feito um contrato onde foi estabelecido que enquanto D. Carmelita Faria vivesse ela receberia uma pensão em caráter vitalício que corresponderia ao salário de um professor pós-graduado da Universidade Tiradentes; todo dia 17 de Março a instituição que se comprometeria em realizar festividade em homenagem a mudança da Capital e acima de tudo manteria o acervo. Em contra partida, todo o acervo foi transferido para Universidade Tiradentes (UNIT) e após a morte de D. Carmelita, o acervo será incorporado definitivamente ao patrimônio da Universidade. O contrato de transferência foi assinado em 14 de julho de 1997, após um mês de conversação acompanhado pela advogada Cáscia Freire de Barros com a irmã e herdeira Maria Carmelita Moreira Faria. No dizer do Reitor da Universidade Tiradentes Jouberto Uchôa de Mendonça, Rosa Faria fez com as mãos uma obra inédita que só uma máquina poderia realizar. Você saindo daqui para qualquer país, vê coisas monumentais, mas um trabalho igual ao de Rosa Faria não existe em país nenhum, ninguém produziu isso. Não existe em lugar nenhum no mundo, uma obra daquela qualidade feita à mão, por uma pessoa simples, você não encontra em lugar nenhum (entrevista concedida em 27/05/2005). Rosa Faria iniciou sua trajetória no magistério público estadual em 1942, como professora no Povoado Boa Vista, município de Capela, por indicação do então Secretário de Educação, Dr. José Rollemberg Leite, prestando seus serviços no período compreendido entre 1º de setembro de 1935 a Foi removida para o povoado Itapicuru, município de Nossa Senhora das Dores e, posteriormente, para o Grupo Coelho e Campos. Os Grupos Escolares, instituições que aparecem a partir das primeiras décadas do regime republicano com inovações educacionais (séc. XIX), caracterizado como Escola Modelo, por ser progressista na instrução publica (modernidade pedagógica, método intuitivo, ensino seriado e classe homogenia) originados através de debates de intelectuais, educadores e políticos, como o deputado Gabriel Prestes. Em Sergipe, os Grupos Escolares foram criados na administração do General Oliveira Valadão, surgindo em Capela em 1918 o Coelho e Campos, de suma importância por oferecer as quatros series primarias, atender os requisitos da política educacional, condensar as idéias da Pedagogia Moderna, adotar o método intuitivo como técnicas fundamental do ensino (modernos princípios pedagógicos) e metodologia que priorizava os valores presentes do discurso pedagógico da Escola Nova. O prestigio da escola podia ser aferido pelo fato de que, logo após a conclusão do curso primário, as moças eram de imediato convidadas ou indicadas para ensinar nas escolas publicas existentes no município, principalmente nos povoados (CRUZ, 2002). Fez o curso de Aperfeiçoamento para Professores Primários promovido pelo Departamento de Educação na Capital do Estado. Em função disso, foi mais uma vez foi removida em 1946 para o Grupo Barão de Maruim em Aracaju. Em setembro do mesmo ano foi requisitada para o Colégio Estadual de Sergipe (Atheneu), onde ministrou as disciplinas Trabalhos Manuais (na 2ª série ginasial, turmas D e E com três aulas semanais) e Economia Doméstica (na 4ª série, turmas C e D no total de quatro aulas semanais. Recebia então Cr$ 35,00 por aula, conforme Portaria nº 14 de 1º de março de 1956, as despesas contidas na portaria correu pela verba de Segundo Maria Lígia Madureira Pina (entrevista concedida em 18/06/2005), ela era contratada e quando fez concurso para postalista deixou de ensinar na rede estadual.

10 Contudo, não abandonou o Magistério, de tal modo que recorreu ao Dr. José Rolemberg Leite, então diretor do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e começou a ministrar aulas nessa instituição, situada na época a Rua de Própria, 201, aos 29 anos, de 26/09/1946 a 05/12/1963, com um salário de Cr.$ 800,00 mensais, com registro de empregados nº25, Carteira Profissional de nº Série 54ª, com Instituto de Industriários com nº O SENAI, instituição de âmbito nacional criada em 24 de janeiro 1942, surge através da inspiração do antigo Centro Ferroviário de Ensino e Seleção Profissional (CFESP) em 1934 em São Paulo por Roberto Mange, sendo oficializado através do Decreto nº4. 048, publicado no Diário Oficial da União, tendo como lideres Euvaldo Lodi e Roberto Simonsen, presidentes da CNI e FIESP, respectivamente. Com a finalidade de desenvolver um sistema de educação profissional no Brasil, atendendo a 28 áreas com formação de recursos humanos e de prestação de serviços, há 60 anos. O SENAI faz parte da história de Sergipe desde 1945, quando inaugurou o primeiro Centro de Formação Profissional em Aracaju, hoje CET Coelho e Campos. As atividades do SENAI foram iniciadas em 1945, como apoio ao setor industrial sergipano, sendo ampliadas suas ações na capital e interior. Em 1946 em Sergipe, o SENAI inaugura a Escola Têxtil de Estância, despontando como pólo industrial, oferecendo também cursos de mecânica, tornearia, elétrica gráfica, transformando-se em Centro de Educação e Tecnologia, como também a inauguração dos Centros de Treinamento em Boquim e Neopolis; Em 1983, é inaugurado o Centro de Educação Albano Franco (DIA); Em 1995, oferece aos clientes da Indústria da Construção Civil modernas instalações e laboratórios. Sobre sua atuação profissional, os entrevistados ressaltaram a paixão pelo magistério, rigidez com que conduzia sua atuação pedagógica e o respeito que despertava nos alunos. Ela foi minha professora de artes e de trabalhos manuais. Na disciplina Trabalhos Manuais ela dava ênfase à arte. Era uma professora autêntica, dura, segura. Ela chegava à sala, nos recebíamos de pé. Quem tentasse fazer gracinha, se dava mal. Ela tinha pulso, dava duro no aluno e o aluno se enquadrava. E quando terminava o curso todos os alunos a adoravam. Isso aconteceu com ela e com diversos outros professores (Jouberto Uchôa de Mendonça, entrevista concedida em 27/05/2005). Ao longo de sua trajetória profissional procurou aperfeiçoar-se, sendo inclusive contemplada, na década de 50, com bolsa para fazer curso de Artes Aplicadas no Rio de Janeiro pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial que teve duração de 18 meses. Rosa fez vários cursos, mais nunca ingressou em curso superior, porque não existia no Estado. As primeiras Faculdades foram sendo formando já na minha época, por essa razão, eu acredito que ela também não teve oportunidade de fazer Curso Superior, mas fez muitos cursos fora do estado de Sergipe. No Rio, ela foi premiada pela inteligência e pela distinção que ela demonstrava em tudo que fazia (Ivone Mendonça de Souza, entrevista concedida em 10/06/2005). Ainda no Rio fez curso de Extensão Universitária, na Universidade do Brasil, sobre a Psicologia Adolescente e Curso de Psicologia Educacional de Adolescente, promovido pela Associação Brasileira de Educação. Fez também Curso de Desenho em 1952 (Registro n.º D 16299), com autorização de lecionar desenho em todo Território Nacional. Em 1956, fez o Curso de Didática pela Faculdade Católica de Filosofia de Sergipe, o Curso de Orientação Didática e Relações Humanas, pela Escola de Serviço Social de Sergipe e em

11 1959, de Psicologia pelo Centro Acadêmico Silvio Romero, da Faculdade de Direito de Sergipe, e ministrado pelo Profº João Batista Perez Garcia Moreno. No Rio de Janeiro, onde ela fez o curso, passou quase dois anos, oportunidade que aproveitou para pesquisar na Biblioteca Nacional e no Arquivo Público, do Rio de Janeiro (Maria Lígia Madureira Pina entrevista concedida em 18/06/2005). Rosa Faria foi uma pessoa que exerceu múltiplas atividades. Ao enumerá-las ela informa que foi taquigrafa telegrafista, pesquisadora, poetisa, artista, jornalista e em primeiro lugar, professora. Desse somatório de atividades, gostaria de destacar a Rosa que associando seus conhecimentos de professora às artes da pintura, ajudou a construir uma memória de Sergipe, enquanto divulgava o nosso Estado (Beatriz Góis Dantas, entrevista concedida em 16/06/2005). Ainda como professora do SENAI em 1946, foi indicada para dar curso de artes plásticas em Petrolina, quando era bispo daquela cidade, D. Avelar Brandão Vilela. Como artista plástica e historiadora foi vencedora do concurso de pintura criado pela Prefeitura de Aracaju, alusivo ao Primeiro Centenário de Aracaju, sendo classificada em primeiro lugar. Segundo Pina (1999), Rosa foi vencedora do 1º Centenário de Aracaju, instituído pelo Prefeito Dr. Jorge Maynard e realizado no governo de Dr. Roosewelt Menezes, 1955, merecendo aplausos em público de pessoas expressivas da nossa sociedade, como Epifhânio Dorea e o artista Rodolfo Tavares. Em 1954, escreveu um trabalho sobre a crise do Adolescente, em 1947, fez a biografia do Primeiro Bispo de Sergipe, Dom José Tomás Gomes da Silva e em 1975, escreveu o Hino do 4º Centenário do Início da Civilização em Sergipe e realizou várias exposições de pintura na capital sergipana, em Recife e Rio através de amigos como Dom Helder Câmara e Helena Lauly. Outro importante aspecto da trajetória de Rosa M Faria foi a publicação do livro Sergipe Passo a Passo pela sua História, que consiste em cento e vinte e duas placas de cerâmica contando a História do nosso Estado, o qual se baseou em documentos. Este livro foi assim analisado pelos entrevistados: O livro Sergipe passo a passo pela sua história da autoria de Rosa Faria é uma tentativa de perenizar no suporte papel o que ela desenvolvia sobre objetos (tela, cerâmica porcelanizada sob a forma de pratos e azulejos), que apresentava ao público do seu Museu (Beatriz Góis Dantas entrevista concedida em 16/06/2005). Rosa costumava presentear Instituições com obras suas, a exemplo da PMSE, com a imagem de Tiradentes contendo dados biográficos em painel de azulejo; a Loja Maçônica Cotinguiba uma peça de cerâmica do antigo Templo; a Paróquia do Orlando Dantas com um painel de Nossa Senhora do Perpetuo Socorro; ao 28BC de Sergipe um retrato contendo dados biográficos de Duque de Caxias; a Fernando Collor de Melo um painel em azulejo contendo sua foto. Ela tem obras não apenas em azulejo, mas telas. Na casa de Ivone Mendonça de Souza, encontra-se a tela Primavera. A tela Tempestade e Oração, adquirida por Gisélia Torres, foi presenteado a Cáscia Mª F. Barros depois da sua morte. Outras obras foram doadas a parentes e amigos, a exemplo de Romance Eterno, Espelho da Natureza, Nostalgia Sertaneja. Na Associação Sergipana de Imprensa, encontram-se várias telas a óleo, assim como, na cidade de Capela onde se encontram vários painéis, entre eles, os do Colégio

12 Imaculada Conceição e da Igreja de Nossa Senhora do Amparo. Criou também as comarcas Gumercindo Bessa para o tribunal de contas e de Tobias Barreto para a Procuradoria da Justiça. A sua mais importante obra possui uma cópia as quais se encontram na casa de Maria Lígia M Pina, e é denominada Incêndio no Canavial. Esta obra serviu de inspiração para que Ligia Pina, poetisa e membro da Academia Sergipana de Letras, registrasse sua impressão em um poema. A partir da tela Incêndio no Canavial, eu criei a história, baseada na escravidão. Ganhei até uma medalha do Rotary Clube, por causa desse poema (Maria Lígia Madureira Pina, entrevista concedida em 18/06/2005). Em 1968, fundou uma Galeria de Arte e História, transformada em 1977 em Museu de Arte e História Rosa Faria, único em Aracaju, construído sem ajuda de nenhum Órgão Público. Uma contrariedade por ocasião da realização de uma exposição sua na Galeria Álvaro Santos, quando foi informada que deveria retirar os quadros, porque outros artistas também queriam expor seus trabalhos, levou-a a criar a Galeria de Arte Rosa Faria. Segundo Maria Ligia M Pina, Ela se sentiu muito magoada. Mas como não era mulher de se render aos desgostos, as coisas ruins que aconteciam, ela procurou dar a volta por cima, então foi que ela resolveu criar a própria Galeria. Depois ela foi multiplicando suas peças e transformou em Museu, tirou o titulo de galeria e botou o nome de Museu de Arte e História Rosa Faria (entrevista concedida em 18/06/2005). A Galeria e posteriormente o Museu tinham por finalidade perpetuar a História de Sergipe, através de um acervo de fatos históricos da vida sergipana, desde a divisão do Brasil em Capitanias Hereditárias. Segundo a professora Beatriz Góis, O Museu de Arte e História apresentava-se para mim, muito mais como um espaço de divulgação de Sergipe, do que propriamente de pesquisa. Esse aspecto da potencialidade de pesquisa, a meu ver, ganha visibilidade a partir do momento em que o acervo de Rosa é incorporado pela UNIT e começou a ser catalogado o que revelou as fontes por ela utilizadas para fazer suas produções de prédios antigos, personagens etc. Mais essa é uma visão muito pessoal de quem não teve muita aproximação com Rosa. Os arquivos de Rosa não eram disponíveis ao grande público. O que era mostrava era apenas o resultado do seu trabalho, através do que estava exposto ou à venda. O acervo de Rosa, hoje reunido no Memorial de Sergipe, é importante fonte de pesquisa para diversos profissionais. A partir da década de 1980 passei a visitar o Museu com certa freqüência, geralmente levando pessoas de outros lugares que queriam ver coisas de Sergipe com um pouco mais de sofisticação do que o que era apresentado nos mercados públicos. Ali tinha objetos para se ver, eram peças do Museu, mais também objetos para se comprar. Como as peças eram por ela produzidas, restava sempre a possibilidade de fazer um novo exemplar, de modo que muitos dos trabalhos eram destinados à venda. Muitos eram produzidos com essa intenção explicita. Eram artigos apresentados a turistas em busca de suvenir original, ou presenteadores que procuravam um mimo que fugisse a mesmice da produção industrial, objetos aos quais a mão da artista imprimia um toque singular e especial. Museu, local de memória de Sergipe e também de comercialização de objetos (entrevista concedida em 16/06/2005).

13 Rosa Faria, pede o registro do seu trabalho In Memorian publicado pela primeira vez em 1º de dezembro de 1948, e a segunda edição em 04 der agosto de 1973, na qual consta a vida do primeiro Bispo, Dom José Gomes da Silva, em forma de calendário. O Museu de Arte e História Rosa Faria expunha obras de arte nas quais eram utilizados materiais como: ouro, platina, lustres, em relevo, alto relevo, cerâmica vitrificada, vitral, etc. O Museu funcionava das 8h às 12h, das 14h às 18h e das 19h às 21h e era visitado por estudantes, professores, turistas, intelectuais, jornalistas, militares, clero e ministros, onde deixavam suas impressões como testemunho do inestimável valor do Patrimônio Cultural. Recebia inúmeras visitas, registradas no livro de presença como Carmem Viana, Graziela Cabral, Aurélio Buarque de Holanda, Aristeu Bulhões, Monsenhor Carlos Costa, Severino Uchôa, Sebrão Sobrinho, Leyda Regis, Cônego Domingos Fonseca, Dom Luciano Cabral Duarte, os repórteres da globo Cid Moreira e Alexandre Garcia. E todos deixaram registrada a sua admiração. O Dr. José Calazans ficou tão surpreendido e encantado que, parafraseando o poeta Gonçalves Dias, escreveu numa exclamação Meninos eu vi!! (PINA, 1999). Apesar do seu empenho em preservar a memória de Sergipe e em particular de Aracaju, sua obra hoje embora preservada continua pouco conhecida do publico. CONSIDERAÇÕES FINAIS Durante o período colonial, a educação feminina ficou restrita aos conventos, resumido-a a educação da leitura, escrita, formação religiosa e trabalhos manuais, e algumas jovens eram encaminhada aos colégios particulares para dar continuidade aos estudos. Em 1824, a mulher adquiriu direito a educação pública, devido a criação de escolas de primeiras letras. Em 1834, com o Ato Adicional, surge as primeiras Escolas Normais no Brasil. Em 1870, as mulheres lutam pelo direito ao Ensino Superior e após a Revolução Constitucionalista, a mulher vive sua primeira experiência na política. Reconhecendo que as transformações acima mencionadas acontecem nas relações concretas da vida, percebemos a necessidade de fazer um estudo da vida social, cultural e profissional de Rosa Faria, com a finalidade de compreender quais motivos fomentaram a tal educadora construir um acervo de fatos históricos, através de pesquisas, reproduzindo em azulejos, porcelanas, lajotas, ladrilhos e telas a História do Brasil e de Sergipe. Segundo Anamaria Bueno (2003. p. 6) Trata-se de desvendar as intricadas relações entre a mulher, a sociedade e o fato, mostrando como o ser social que ela é articula-se com o fato social que ela mesma fabrica e do qual faz parte integrante. Contudo, foi possível constatar que Rosa Moreira Faria, contribuiu para divulgar a memória do nosso estado, principalmente daqueles que marcara com suas vidas a cultura e história de um povo. Fato que ocorreu devido o retratar de suas peças, educando os jovens com suas aulas de civismo e de história, tendo como suporte o seu acervo, contribuindo para o melhoramento intelectual do povo sergipano.

14 NOTAS: 1 Capela foi à primeira cidade do interior do Estado de Sergipe a ter um Grupo Escolar. Nesse período, foram também criadas: o Grupo Escolar Modelo, anexo a Escola Normal, o Central, o Barão de Maroim e o General Valadão. Até o final da década de 1920, estavam funcionando no Estado, quatorze grupos escolares cinco na capital e nove nas principais cidades do interior. 2 No dia 20 de fevereiro de 1936 ocorreu o primeiro exame de admissão das futuras normalistas. As provas foram realizadas de acordo com a regulamentação estabelecida por portaria da Diretoria Geral da Instrução Pública do Estado de Sergipe. No dia 1º de março foram iniciadas as aulas da primeira turma de normalistas do Colégio Imaculada Conceição, com 23 alunas (Cf. Livro de Atas do Colégio Imaculada Conceição. p. 55.8). REFERÊNCIAS ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. 2. ed. São Paulo: Moderna, Anais do 17 de março de Aracaju144 anos, 17 de marco de 1855/1999: Seminário Sergipe uma reflexão histórica. Aracaju: UNIT, BRITO, Luzia Cristina Pereira. Ecos da modernidade pedagógica na Escola Normal Rui Barbosa - ( ) Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, BORGES, Vavy Pacheco. Grandezas e misérias as biografia. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes históricas. 2 ed. São Paulo: Contexto, p CARVALHO, Maria Isaura Santos de. O compromisso com a educação na trajetória da professora Letícia Soares Sant Anna Monografia (Graduação em Pedagogia). Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, CINFORM. História dos Municípios. Um jeito fascinante de conhecer Sergipe, Edição Histórica, CRUZ, Maria Madalena da Silva. A trajetória do Grupo Escolar Coelho e Campos ( ) Trabalho apresentado à disciplina prática de pesquisa (Graduação em História), Universidade Federal de Sergipe, Própria, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. v. XIX. Rio de Janeiro: IBGE, FARIA, Rosa M. Sergipe passo a passo pela sua história. Aracaju: J. Andrade, FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de. Educação, trabalho e ação política: sergipanas no inicio do século XX Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas- Faculdade de Educação, Campinas, GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. História da educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, GOLDEMBERG, Miriam. O método biográfico em ciências sociais: a arte de pesquisar. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, GOFF, Jacques Le. Documento/monumento. In: História e memória. 5. ed. Campinas: UNICAMP, p

15 GRAÇA. Tereza Cristina C. da. Pés-de-Anjo e letreiros de neon Ginasianas na Aracaju dos Anos Dourados - Cultura Urbana e Práticas Escolares nos anos Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, HILSDORF, Maria Lucia Spedo. História da educação brasileira: leituras. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, PINA, Maria Lígia Madureira. A mulher na história. Aracaju: Fundese, MEDINA, Ana Maria Fonseca. Memória da Ordem do Mérito Serigy. Aracaju: J. Andrade, MENDONÇA, Jouberto Uchôa de; SILVA, Maria Lúcia Marques Cruz e. Sergipe panorâmico. Aracaju: UNIT, NUNES, Maria Thetis. História da educação em Sergipe. Aracaju: UFS, RUDIO, Franz Víctor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 19. ed. Petrópolis: Vozes, SANTOS, Lenalda Andrade; OLIVA, Terezinha Alves de. Para conhecer a história de Sergipe. Aracaju: Opção Gráfica, SANTOS, Maria das Graças Oliveira. Memorial de Sergipe em textos. Aracaju: UNIT, SOUZA, Josefa Eliana. Nunes Mendonça: um escolanovista sergipano. São Cristóvão: UFS, SOUZA, Luciana Santos de. Difusão cultural em Sergipe: o papel da sociedade cultural casa do livro no município de Capela, no período de 1928 a Monografia (Graduação em Pedagogia). Universidade Tiradentes, Aracaju, TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, ENTREVISTAS Beatriz Góis Dantas, historiadora - entrevista concedida em 16/06/2005. Cascia Maria Freire de Barros, amiga e advogada - entrevista concedida em 12/06/05. João Guilherme da Rocha Farias, irmão entrevista concedida em 31/05/05. Maria Auxiliadora Farias de Santana, irmã - entrevista concedida em 31/05/05. Manoel Cabral Machado, amigo - entrevista concedida em 24/05/05. Ivone Mendonça de Souza, amiga - entrevista concedida em 10/06/05. José Sebastião dos Santos, amigo - entrevista concedida em 13/06/05. Maria Ligia Madureira Pina, amiga - entrevista concedida em 18/06/05. Luiz Antônio Barreto, amigo - entrevista concedida em 30/05/05. Jouberto Uchôa de Mendonça, ex-aluno - entrevista concedida em 25/05/2005. Ofenisia Soares Freire, amiga - entrevista concedida em 15/06/2005. Nazaré Carvalho, amiga - entrevista concedida em 13/06/05.

O MUSEU DE ARTE E HISTÓRIA ROSA FARIA COMO ESPAÇO EDUCATIVO (1968-1977) GT1 - ESPAÇOS EDUCATIVOS, CURRÍCULO E FORMAÇÃO DOCENTE (SABERES E PRÁTICAS)

O MUSEU DE ARTE E HISTÓRIA ROSA FARIA COMO ESPAÇO EDUCATIVO (1968-1977) GT1 - ESPAÇOS EDUCATIVOS, CURRÍCULO E FORMAÇÃO DOCENTE (SABERES E PRÁTICAS) O MUSEU DE ARTE E HISTÓRIA ROSA FARIA COMO ESPAÇO EDUCATIVO (1968-1977) GT1 - ESPAÇOS EDUCATIVOS, CURRÍCULO E FORMAÇÃO DOCENTE (SABERES E PRÁTICAS) RESUMO Patrícia Francisca de Matos Santos* Anderson Teixeira

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

Valéria Carrilho da Costa

Valéria Carrilho da Costa A FOLIA NA ESCOLA: ENTRE CORES E CANTOS Valéria Carrilho da Costa gmacala@netsite.com.br Prefeitura Municipal de Uberlândia E.M. Profª Maria Leonor de Freitas Barbosa Relato de Experiência Resumo O projeto

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

NOTÍCIAS. Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal. V.4 - N.4 - Setembro de 2015

NOTÍCIAS. Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal. V.4 - N.4 - Setembro de 2015 V.4 - N.4 - Setembro de 2015 Vilma Lúcia da Silva 05 Assessora de Comunicação do Parque da Cidade Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal Só no mês de setembro o Parque da Cidade recebeu

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

O Sr. NEUTON LIMA (PTB-SP) pronuncia o seguinte. Senhoras e Senhores Deputados, Cumpre saudar Indaiatuba pelos 175 anos do

O Sr. NEUTON LIMA (PTB-SP) pronuncia o seguinte. Senhoras e Senhores Deputados, Cumpre saudar Indaiatuba pelos 175 anos do O Sr. NEUTON LIMA (PTB-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Cumpre saudar Indaiatuba pelos 175 anos do município, que celebrou no dia 9 de dezembro a sua

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

MERITOR INVESTE EM AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

MERITOR INVESTE EM AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NOTÍCIAS Contato Paula Balduino SD&PRESS Consultoria Tel. 11 3759-1333 MERITOR INVESTE EM AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Formare ganha reconhecimento internacional por conta de suas iniciativas voltadas

Leia mais

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS BATISTA¹, Paloma Priscila Bispo, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias-PROBEX 2013

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

ELENEILDES SOUZA DO CARMO MARIA GORETTI SERRA PLANEJAMENTO DA ATIVIDADE DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PARA SIGNIFICAR O ENSINO DE HISTÓRIA

ELENEILDES SOUZA DO CARMO MARIA GORETTI SERRA PLANEJAMENTO DA ATIVIDADE DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PARA SIGNIFICAR O ENSINO DE HISTÓRIA ELENEILDES SOUZA DO CARMO MARIA GORETTI SERRA PLANEJAMENTO DA ATIVIDADE DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PARA SIGNIFICAR O ENSINO DE HISTÓRIA Rafael Jambeiro 27/03/2012 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB/EAD

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

Conselhos Tutelares do Estado de Sergipe

Conselhos Tutelares do Estado de Sergipe Conselhos Tutelares do Estado de Sergipe Nº Município/Lei de Criação Endereço/ E-mail Telefone 01 Amparo do São Francisco 09/07 02 Aracaju 1º Distrito 03 Aracaju 2º Distrito 04 Aracaju 3º Distrito 05 Aracaju

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Amarílis Maria de Medeiros Chaves

Amarílis Maria de Medeiros Chaves Amarílis Maria de Medeiros Chaves Amarílis Chaves nasceu em Belo Horizonte, onde muito cedo despertou para as Artes Plásticas, nunca mais tendo parado este percurso, sempre na procura do traço certo, da

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Apresentação. Prezado aluno,

Apresentação. Prezado aluno, A Faculdade São Judas Tadeu tem como missão promover a emancipação do indivíduo através da educação, compreendida pelo desenvolvimento do conhecimento, atitudes e valores e respeito à dignidade humana.

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

Profissionais Qualificados

Profissionais Qualificados Profissionais Qualificados Em 1910 foram criadas as primeiras escolas profissionais públicas na cidade de São Paulo, como parte de um projeto de constituir um mercado de mão de obra qualificada. Essas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO 486 Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO Samuel Brito Ferreira Santos 1 ; Rebecca Ruhama Gomes Barbosa 2 ; Adeilton Padre de Paz

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal do Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA PROFESSORA ELEIKA BEZERRA GUERREIRO

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal do Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA PROFESSORA ELEIKA BEZERRA GUERREIRO Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal do Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA PROFESSORA ELEIKA BEZERRA GUERREIRO Projeto de Decreto Legislativo nº 15 /2014 Institui a Comenda

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 1 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 O Pibid: ações de formação de professores que impactam a escola e a universidade Maurivan Güntzel Ramos mgramos@pucrs.br O presente texto

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Patrimônio. Foco na história

Patrimônio. Foco na história Patrimônio Foco na história 30 metrópole campinas 19/6/11 À esquerda, a foto vencedora Corredor, de Matheus Spina; abaixo, detalhe da Mandala, por José Roberto Magalhães: exposição que vai até 31 de julho

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Diretoria de Acesso à

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho 1 de 5 A realização de um sonho Natalino Salgado Filho É do poeta Paulo Leminski a frase: Haja hoje para tanto ontem. Ela se encaixa com perfeição na realização de um sonho embalado por tantos anos e agora

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO Gisela Morena de Souza 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: QUANDO FUNDADA EM 1876, A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO FEZ

Leia mais

A Cerâmica como Inclusão Social e Produtiva direcionada as crianças, adolescentes e adultos.

A Cerâmica como Inclusão Social e Produtiva direcionada as crianças, adolescentes e adultos. A Cerâmica como Inclusão Social e Produtiva direcionada as crianças, adolescentes e adultos. Silvia Helena Machado Cavalcanti Uma experiência no Centro de Referência da Assistência Social Hércules Mandetta

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas Natalino Salgado Filho A Universidade Federal do Maranhão teve o privilégio de abrigar nesta semana o I Seminário Patrimônio Cultural & Cidades

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE OS CURSOS DA ETEC CONEGO JOSE BENTO E AS POSSIBILIDADES DE REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO EDUCACIONAL NO ESTADO DE ESTADO DE SÃO PAULO

UM ESTUDO SOBRE OS CURSOS DA ETEC CONEGO JOSE BENTO E AS POSSIBILIDADES DE REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO EDUCACIONAL NO ESTADO DE ESTADO DE SÃO PAULO UM ESTUDO SOBRE OS CURSOS DA ETEC CONEGO JOSE BENTO E AS POSSIBILIDADES DE REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO EDUCACIONAL NO ESTADO DE ESTADO DE SÃO PAULO Ana Paula Paula Gomes Júlia Naomi Kanazawa - orientadora

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Conselho Nacional de Controle Interno

Conselho Nacional de Controle Interno Veículo: Site Congresso em Foco Data: 13/07/2012 Editoria: Lei de Acesso Coluna: - Página: - Só 12% das prefeituras dão atenção a transparência Uma mesma pergunta foi feita às administrações de 133 cidades

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais