Prezado produtor A preservação da qualidade da água constitui, hoje, um dos principais desafios da humanidade. Apesar da sua capacidade de renovação,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prezado produtor A preservação da qualidade da água constitui, hoje, um dos principais desafios da humanidade. Apesar da sua capacidade de renovação,"

Transcrição

1 Prezado produtor A preservação da qualidade da água constitui, hoje, um dos principais desafios da humanidade. Apesar da sua capacidade de renovação, o crescimento desordenado da população e das atividades econômicas estão comprometendo a qualidade da água, fazendo-se necessário reverter essa situação. O problema se agrava no campo, pois, ao contrário das cidades que em sua maioria dispõem de água tratada por empresas de saneamento básico no meio rural, esse benefício ainda não chegou. Estima-se que grande parte das fazendas leiteiras utiliza, em seu processo de produção, fontes de água sem tratamento prévio, comprometendo a qualidade do leite e a própria saúde dos animais. A qualidade da água é necessária em todas as etapas de produção do leite. A começar pela alimentação dos animais, limpeza dos tetos no ato da ordenha, lavagem e desinfecção dos vasilhames e equipamentos de ordenha, além da higienização das instalações. Dependendo do volume de produção do leite, tipo de alimentação dos animais e clima, uma vaca pode ingerir entre 40 litros e 120 litros de água/dia. O tratamento da água no meio rural é fundamental para garantir a saúde de pessoas e animais, contribuindo diretamente para a qualidade do leite e para a produção de alimentos pela agroindústria. Por isso, a água é o tema desta cartilha, que aborda desde a seleção da fonte até o seu tratamento final, contrubuindo de forma decisiva para a preservação de nossos recursos hídricos. Cooperativa Central do Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda.

2 Qualidade da Água Processos de captação e tratamento 1 - Importância da água A água é um bem essencial à vida, necessária em todas as atividades da produção animal, particularmente do leite e de seus derivados. Para isso ela deve ser: Límpida, arejada, livre de matéria orgânica, substâncias tóxicas e agentes causadores de verminose, leptospirose, colibacilose, salmonelose, brucelose, tuberculose e outros. 1.1 Demanda de água na bovinocultura Tipo de Consumo Consumo de água Bebida 40 a 120 litros/animal adulto Produção de leite 100 litros/vaca ordenhada + 06 litros de água/litro de leite produzido Limpeza de instalações 25 litros/m² de área de limpeza Produção de queijo 5-6 litros/kg queijo Produção de leite pasteurizado 2 litros/litro de leite empacotado Abate em frigorífico litros/animal abatido 1.2 Disponibilidade de Água no Mundo Águas superficiais e Águas do mar: 97,4% subterrâneas: 0,62% Geleiras: 1,98%

3 Para preservar e proteger os mananciais de água doce é necessário: tratar os resíduos da produção leiteira; manejar adequadamente os animais, plantas e solos para não causar degradação ambiental; conservar as águas de chuva (maior infiltração no solo). A manutenção dos mananciais depende da taxa de infiltração das águas de chuva nos solos (fig. 1). 2 - Águas Superficiais São formadas pelas águas de rios, córregos, lagoas, represas e açudes. 2.1 Vantagens Atendimento, em geral, de grandes demandas; facilidade na determinação da vazão anual; autodepuração (interação entre fatores físicos, biológicos e químicos); segurança no planejamento das atividades de produção animal, especialmente quanto ao crescimento do rebanho e ao uso da irrigação para o plantio de grãos e forragens para a alimentação animal. Os rios e lagoas pertencentes à "classe especial" têm as margens protegidas por mata ciliar, não recebem contaminação/poluição importante, possuem águas límpidas, contém pouca matéria orgânica e são ricas em oxigênio. Mesmo assim é necessário que essas águas recebam um tipo simplificado de tratamento (fotos 1 e 2)

4 2.2 Desvantagens Necessidade de "tratamento" para eliminar a contaminação do ambiente. Aumento da matéria orgânica, argila, areia, folhas, resíduos de agrotóxicos/adubos, etc, na época das chuvas (foto 3). Possibilidade de surgimento do fenômeno de "reversão de corrente", que produz efeito contrário à autodepuração, com mistura entre a água e a "lama" depositada no fundo do manancial (morte de peixes). Obs: As águas de "minas" ou nascentes (minadouros, brejos), quando correm a céu aberto, passam a ser consideradas águas superficiais. 2.3 Captação de águas superficiais Cuidados Básicos a) Verificar se o manancial está protegido do ponto de vista ambiental. b) Vistoriar a área de captação para avaliar se há riscos de degradação por assoreamento, contaminantes, poluentes e agrotóxicos. c) Fazer a captação um pouco afastada das margens e a alguns centímetros de profundidade. Com esses cuidados evita-se o excesso de matéria orgânica presente nas margens e na superfície.

5 d) Perfurar e revestir a extremidade do cano com uma tela fina. e) Usar um recipiente perfurado (tambor), suspenso por uma bóia de isopor, para impedir que o cano atinja o fundo do curso d'água (fig. 2). 2.4 Tratamento das águas superficiais Objetivo Promover a clarificação da água para remover a matéria orgânica e inorgânica e ganhar maior eficiência na filtração e cloração. Tipo de Tratamento Abordaremos nessa cartilha o chamado "tratamento apropriado" que consta de procedimentos relativamente simples, eficientes e de baixo custo. Por não incluir as fases de coagulação/floculação química da água (tratamento clássico), torna-se fácil o seu funcionamento e sua manutenção. Fases do Tratamento Apropriado Clarificação preliminar (1ª etapa) Tratamento final: filtração e cloração (2ª etapa) Clarificação preliminar (1ª etapa) Consta de um conjunto de procedimentos simples que facilitam a inspeção do sistema e a retirada de grande parte da matéria orgânica e suspensões presentes na água. a) Caixas de passagem / telas / caixa de acumulação As caixas de passagem ou de inspeção destinam-se a facilitar a observação quanto aos problemas de entupimentos e vazamentos. Nesse ponto devem ser colocadas telaspara remover corpos ou objetos flutuantes (folhas, madeiras, lodo) para que eles não cheguem ao interior do sistema de tratamento. A caixa de acumulação (manilha ou caixa de alvenaria) tem por finalidade facilitar o processo de captação de água para o sistema (fig. 3).

6 Importante: Por ocasião de fortes chuvas deve-se fechar a entrada da água ao sistema de tratamento até que ela se torne novamente límpida. b) Caixas de Areia Têm a função de remover da água os sólidos em suspensão (areia, argila, folhas) e parte da matéria orgânica. São semelhantes à caixa de gordura para esgotamento sanitário. Dependendo da turbidez da água (matérias em suspensão), aconselha-se construir uma ou mais caixas de areia, que podem ser feitas de alvenaria (técnica ferrocimento) ou com manilhas de concreto préfabricadas. Para reduzir a velocidade da água na caixa de areia utilizam-se anteparos de alvenaria (figuras 4 e 5).

7 c) Decantação (tanque de decantação) Consiste em deixar a água de repouso durante 3 a 4 horas para reduzir matéria orgânica, areia, argila que, pelo seu peso, acumulam-se no fundo do depósito (fig. 6). Esse fenômeno acontece na natureza, quando, após uma chuva pesada, as águas de rios e represas se tornam barrentas e somente depois de um certo tempo (horas ou dias) retomam a sua condição anterior. É necessário que a profundidade do tanque de decantação seja de 2,5 a 4,5m. As demais medidas dependem da demanda de água necessária. A desvantagem do processo refere-se ao custo elevado da construção. No entanto ele pode ser substituído pelos pré-filtros, de menor custo. d) Pré-filtração Tem por objetivo reduzir as suspensões presentes nas águas superficiais por meio de um pré-filtro construído por uma camada de brita zero ou cascalho rolado, que ocupa cerca de 70% de sua capacidade, enquanto a água preenche o espaço restante. Não pode ser considerado um filtro verdadeiro por não incluir a camada de areia. Pode ser construído em alvenaria, pela técnica de ferro-cimento ou utilizar uma manilha pré-fabricada. No fundo do pré-filtro devem ser colocados vários canos de PVC, com pequenas perfurações para drenagem da água. É conveniente deixar uma saída na parte inferior para facilitar o processo de limpeza e uma saída na parte superior (ladrão). Um pré-filtro com altura de 1 m e diâmetro de 90 cm tem uma vazão em torno de 11 mil litros de água por dia (fig. 7)

8 2.4.2 Tratamento final: filtração e cloração (2ª etapa) a) Filtração lenta em camada de areia A água deve estar bem límpida quando chegar o momento de ser filtrada. A sua turbidez não pode ser maior que 30 mg/l. O filtro pode ser contruído em alvenaria (técnica ferro-cimento) ou utilizando duas ou mais manilhas justapostas. É composto por camadas sucessivas (de baixo para cima) de pedra partida ou brita 1, cascalho rolado ou brita zero, areia e lâmina de água, nas medidas indicadas na figura 8. A qualidade e o tipo de areia são os fatores mais importantes desse filtro. Caso não seja possível fazer um teste laboratorial de granulometria(medida do tamanho efetivo e da uniformidade da areia), deve-se escolher aquela que não apresenta impurezas, contaminantes e poluentes. Geralmente a areia considerada ideal situa-se na faixa intermediária entre a fina e a grossa. Na superfície da camada de areia forma-se uma membrana gelatinosa que desempenha papel fundamental no mecanismo de filtração. Por isso a entrada da água no sistema deve ser feita de forma lenta para impedir a ruptura dessa membrana. Quando a vazão do filtro diminuir basta retirar 2 a 3 cm da camada superficial de areia para que ela volte ao normal. Por isso, a entrada da água no sistema, deve ser feita de forma lenta para impedir a ruptura dessa membrana. Cloração A cloração representa a última etapa do processo de tratamento de água. Para volumes de água a tratar superiores a 5 mil litros/dia, recomenda-se usar um clorador por gotejamento ou ainda o clorador de pastilhas. Para volumes menores, podem ser usados os cloradores pr difusão ou flutuadores do tipo piscina, com pastilhas de cloro. Consulte o técnico para ajudá-lo a escolher o melhor tipo de clorador. Podem ser usados produtos à base de cloro líquidos (hipoclorito de sódio: solução a 10% e água sanitária) e sólidos (hipoclorito de cálcio, HTH em pastilhas ou granulado, cal clorada) O nível de cloro livre deve estar entre 0,2 e 0,4 mg/l. Para medir o cloro final, utilize um cloroscópio portátil disponível no comércio. Quantidade de Cloro para tratar 1000 litros de água (1 mg/l de cloro aplicado)

9 Produtos à base de Cloro Dose / 1 m³ (1 ppm) Hipoclorito de sódio: 20 a 30% de Cl (líquido) 30 a 50 ml Água sanitária a 2% (líquido) 50 ml Hipoclorito de cálcio a 10% (pó) 10 gramas Cloro granulado a 65% (pó) 1,54 gramas Cloro estabilizado em tabletes (65% a 90% de cloro) Seguir instrução do fabricante Determinação do Nível de cloro Fig. Cloroscópio portátil Exemplo: nível de cloro= 0,4 mg/l Recapitulação: tratamento de água superficial Compare os esquemas a e b de tratamento de água superficial

10 O esquema b não inclui a clarificação preliminar, o que é desaconselhável, pois a quantidade de matéria orgânica provocaria rápida obstrução do filtro. A matéria orgânica que passa pelo filtro nessas condições poderá neutralizar todo o cloro aplicado e formar compostos considerados prejudiciais à saúde (trihalometano). 3. Águas Subterrâneas (minas, poços rasos, poços artesianos) 3.1 Como elas se formam? 3.2

11 As águas de chuva penetram no solo e formam os lençóis freáticos ou livres quando encontram uma camada impermeável. Já os lençóis confinados ou artesianos são formados pelas águas de chuva que ficam retidas entre duas camadas impermeáveis de rocha ou argila (fig. 11). Vantagens Gealmente são puras, porque elas vão sendo naturalmente filtradas quando penetram no solo, livrando-se da matéria orgânica e de outros resíduos. Quando são bem captadas não necessitam de outro tratamento auxiliar, podendo receber uma cloração residual de 0,2 mg/l. Desvantagens A vazão é muito variável, limitando assim o seu uso para diversas demandas da fazenda leiteira. Muitos poluentes têm a propriedade de se infiltrarem no solo e atingir o lençol de água. Em algumas regiões podem conter sais responsáveis pelo fenômeno da "dureza", que provoca entupimento das canalizações e outros problemas. 3.2 Captação das águas subterrâneas Poços rasos ( cisternas, cacimbas) A captação é feita por meio de escavação manual até encontrar o lençol d água. O poço raso deve ser revestido totalmente com manilhas ou tijolos e coberto com tampa de concreto, sem deixar fendas ou aberturas. É também indicado um reforço de concreto de 10 cm de espessura em torno das manilhas ou dos tijolos nos três metros iniciais da escavação ou um anel de concreto com 1 metro de diâmetro em volta da abertura do poço (figuras 12 e 13).

12 Concluída a construção, deve-se fazer uma desinfecção inicial da água do poço. Para isso, use o cloro com uma dosagem mais elevada (100 ml de hipoclorito de sódio a 10% ou 3,0 gramas de hipoclorito de cálcio a 30%, para cada 1000 litros de água a tratar) por um período de 12 horas. A água deverá ser bombeada até a caixa central. Cerca de 10 dias após essa desinfecção inicial, recomenda-se fazer o exame laboratorial para atestar a potabilidade da água Poços artesianos São lençóis situados a grandes profundidades e que estão localizados entre duas camadas impermeáveis de rocha. Geralmente essas águas são mais seguras do ponto de vista de qualidade, porque os lençóis estão situados a maiores profundidades, e pelo fato de serem captados por meio de um tipo de canalização mais segura contra contaminações. Mesmo assim, em relação aos poços artesianos, devem ser tomados cuidados quanto ao risco de contaminação do lençol. Lembre-se: Poços rasos e artesianos perfurados em terrenos com excesso de matéria orgânica (currais, esterqueiras, lagoas de tratamento de dejetos animais) ou de adubo (horta ou pomar) podem apresentar nitratos e nitritos Nascentes ou "minas" O conhecimento popular considera que a água da mina é sinônimo de água pura. Geralmente esse conceito é válido, desde que a nascente esteja protegida quanto aos

13 riscos de contaminação e que tenha uma profundidade adequada para permitir um bom processo de filtração pelo solo. É relativamente comum a formação de "lodo vermelho" nas caixas e canalizações pela presença de ferro e manganês, o que exige uma limpeza mais freqüente, apesar de ele não ser prejudicial à saúde. Nascentes "de encosta" Próprias de terrenos inclinados Nascentes "difusas" Próprias de terrenos Úmidos São drenadas por meio de canos perfurados, colocados no "olho da mina" (fig. 14) São drenadas, a céu aberto, por canais secundários até o canal principal ou por valetas com canos perfurados (figuras 15 e 16).

14 Para diminuir a erosão do terreno, os canais podem conter uma camada de cascalho rolado ou brita. Valetas de drenagem de nascentes difusas As valetas podem ser feitas com 30 a 40 cm de profundidade e 15 a 20 cm de largura, onde se coloca um tubo de PVC de 100 mm de diâmetro, com perfurações laterais, intervaladas de 10 a 15 cm. Em torno dessa canalização coloca-se brita 1 ou cascalho rolado, na seqüência cobre-se com lona preta e finalmente, com a terra que foi tirada do local da escavação. Pode ser utilizado material alternativo como bambu, cascalho rolado, capim seco ou feno. É o mesmo sistema utilizado para drenagem de várzeas. A água é conduzida para uma caixa de acumulação (fig. 16).

15 Lembre-se Quando a nascente situa-se em local inacessível e está protegida pela vegetação densa, mas é captada após a água escorrer pelo terreno, torna-se necessário o tratamento dessa água. 4 - Águas de Chuva Vantagens e Desvantagens Geralmente são águas de boa qualidade do ponto de vista bacteriológico e físico-químico, relativamente fáceis de serem captadas e representam uma alternativa em regiões de clima árido e semi-árido. Os aspectos negativos referem-se principalmente ao custo das instalações para sua captação e armazenamento, ao ph ácido e à incorporação da poluição atmosférica em locais de intensa atividade industrial ("chuva ácida"). Podem ser utilizadas todas as superfícies impermeáveis existentes na propriedade para recolher as águas de chuva, a exemplo de telhados de moradias, galpões e áreas como terraços, pátios, etc. É recomendável eliminar as primeiras chuvas para limpeza preliminar das superfícies de captação. Em seguida elas podem ser filtradas, cloradas e armazenadas em depósitos bem vedados (fig. 17).

16 O custo dos depósitos para armazenagem das águas de chuva é reduzido quando são revestidos com lonas plásticas utilizadas para cobrir silos. Pode ser usada ainda a técnica do ferro-cimento. Para fins de simplificação de cálculo cada mm de chuva que cai em uma superfície de 1 m² corresponde a 1 litro de água acumulada. Consultoria Técnica: Francisco Cecílio Viana Textos, Roteiro e Fotos Francisco Cecílio Viana Projeto Gráfico Phernandel Arte-Final e Ilustrações Phernandel Hugo Leonardo Góes Revisão Francisco Ferreira Sobrinho Alexnaldo Alves Dias Elder José de Mello Bruno Maria José Motta Viana Alternativa Comunicação e Marketing Os direitos autorais deste projeto pertencem à CCPR-MG. Cópias parciais ou integrais somente com divulgação da fonte. Realização

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

REALIZAÇÃO. Rua Eloi Lemos de França, 110 - sala 02 Gruta de Lourdes - Maceió - AL - CEP: 57052-880 Fone/Fax: (82)338-3644 / (82)338-9607 APOIO

REALIZAÇÃO. Rua Eloi Lemos de França, 110 - sala 02 Gruta de Lourdes - Maceió - AL - CEP: 57052-880 Fone/Fax: (82)338-3644 / (82)338-9607 APOIO REALIZAÇÃO Rua Eloi Lemos de França, 110 - sala 02 Gruta de Lourdes - Maceió - AL - CEP: 57052-880 Fone/Fax: (82)338-3644 / (82)338-9607 APOIO Seu dessalinizador está pronto! Agora é cuidar bem dele e

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural Tecnologias e Ações Socioeducativas Saneamento Rural abril/ 2013 OBJETIVO DO SANEAMENTO RURAL Desenvolver e coordenar atividades relacionadas com obras e serviços de engenharia voltados para o Saneamento

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL

ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL INTERESSADO Nome / Razão Social ENDEREÇO DO IMÓVEL OBJETO DO LICENCIAMENTO Logradouro Número Bairro Inscrição Fiscal ENTREVISTADO (responsável pelas respostas do questionário)

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A sociedade define as atividades que os seres humanos devem fazer a partir do seu sexo. Aos homens são destinadas aquelas consideradas produtivas, ou seja, que servem para ganhar

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE CISTERNA MUITO MAIS INOVAÇÃO E FACILIDADE PARA ARMAZENAR ÁGUA DA CHUVA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Usos da água As águas são usadas ou consumidas pelo homem de várias maneiras. As águas são classificadas em dois grupos: - consuntivo;

Leia mais

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Apresentação Este manual foi criado para fornecer importantes informações sobre o tratamento de piscinas e todos os processos envolvidos. Um guia que traz conceitos

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

Tratamento de Água Clorador de pastilhas

Tratamento de Água Clorador de pastilhas Tratamento de Água Clorador de pastilhas Tratamento de Água Clorador de pastilhas BELO HORIZONTE EMATER MG maio de 2014 FICHA TÉCNICA Autora: Pedagoga Maria Edinice Soares Souza Rodrigues Coordenadora

Leia mais

Reciclagem 40 - A Fossa Alterna. da fossa com terra. adicional da adição de terra e, especialmente. possa ser aproveitado. também a homogeneizar

Reciclagem 40 - A Fossa Alterna. da fossa com terra. adicional da adição de terra e, especialmente. possa ser aproveitado. também a homogeneizar Reciclagem 40 - A Fossa Alterna 105 40 A Fossa Alterna A fossa alterna é um sistema de instalação sanitária simples especificamente construído para produzir fertilizante valioso para jardins e terrenos.

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO.

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO. Núcleo de Pesquisa em Ambiência e Engenharia de Sistemas Agroindustriais AMBIAGRO Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Viçosa ambiagro@ufv.br 031 3899 2729 031 3899 1865 RESPOSTA

Leia mais

TECNOLOGIAS DE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA O SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

TECNOLOGIAS DE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA O SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO TECNOLOGIAS DE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA O SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO JOHANN GNADLINGER ABCMAC / IRPAA LUIZ RAFAEL PALMIER UFMG ELIZABETH SZILASSY AMAS LUIZA TEIXEIRA BRITO EMBRAPA Semiarido Resumo:

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade:

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: Data do Relatório: (dd:mm:aa) Entrevistador (a) N O. QUEST.: II. CARACTERÍTICAS DOS MORADORES DO DOMICÍLIO Nome do chefe da família: SEXO: 1. M 2.

Leia mais

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano Ministrante: Eduardo Gomes Bispo Minicursos CRQ-IV - 2008 Técnico Químico e graduado em Administração de Empresas. Atua há mais de 20 anos em ETAs, sendo responsável pela distribuição da água distribuída

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

ABC da Agricultura Familiar. Barragens, cacimbas e poços amazonas

ABC da Agricultura Familiar. Barragens, cacimbas e poços amazonas ABC da Agricultura Familiar Formas de garantir água nas secas 2 Barragens, cacimbas e poços amazonas Barragens, cacimbas e poços 2004 FL- 15651 1111111//111//111//11/111/111111111111///1111111//11//111//111//1/111/111/1

Leia mais

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS COMPOSIÇÃO: Sais inorgânicos e estabilizantes. PROPRIEDADES: Impermeabilizante de concreto e argamassas. MOGIBASE é de fácil aplicação e não altera os

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 121 DOE de 13/01/2011 p.32-33

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 121 DOE de 13/01/2011 p.32-33 Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 121 DOE de 13/01/2011 p.32-33 Comunicado CVS 006, de

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL INTRODUÇÃO Abrangem todas as modalidades

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento.

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento. RESPOSTA TÉCNICA Título Fossa séptica Resumo Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave Fossa séptica; esgoto; tratamento. Assunto Meio ambiente, reciclagem e tratamento de resíduos Demanda

Leia mais

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO PROJETO FORMANDO MULTIPLICADORES No combate ao desperdício de água e preservação nos nossos rios e mananciais CRIAÇÃO E FINALIDADES A CAESA - Companhia de Água e Esgoto do

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços IN-2/06 Outubro/26 1/6 1. OBJETIVO Esta Instrução Normativa em sua primeira versão visa definir procedimentos genéricos para desativação de poços tubulares que tenham sido abandonados por qualquer motivo

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Cisterna Junho/2013 Sendo a água doce um recurso natural escasso, as diversas questões a ela relacionadas são hoje motivo de preocupação em todo o mundo. Dentre

Leia mais

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas Técnicas de filtragem para irrigação Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP IV SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA Bebedouro, 06 de julho de 2006 O que é filtragem? Processo de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1 ; Everaldo Rocha Porto 2 1 Av. do Sol, n o 100, apt o 302, Caminho do

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

Abastecimento de Água Notas de Aula - Unidade II

Abastecimento de Água Notas de Aula - Unidade II Abastecimento de Água Notas de Aula - II.1. Mananciais O manancial refere-se a qualquer local que contenha água, superficial ou subterrânea, que possa ser retirada para atender as mais diversas finalidades

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre Treinamento SENAR Lages -SC. Qualidade da Água na Produção Agropecuária

Clique para editar o estilo do título mestre Treinamento SENAR Lages -SC. Qualidade da Água na Produção Agropecuária Clique para editar o estilo do título mestre Treinamento SENAR Lages -SC Qualidade da Água na Produção Agropecuária João Luis dos Santos Especialista em qualidade da água na produção animal. Reflexõessobre

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

Preserve a água e a vida

Preserve a água e a vida Preserve a água e a vida Informações básicas sobre a preservação dos recursos hídricos A consciência de toda sociedade sobre a importância da conservação dos recursos hídricos é fator imprescindível em

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

O FAN Press Screw Separator PSS

O FAN Press Screw Separator PSS O FAN Press Screw Separator PSS Os separadores PSS podem processar resíduos grossos com (20% de sólidos), bem como resíduos finos (abaixo de 0,1% de sólidos). A umidade dos sólidos separados pode ser ajustada

Leia mais

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Nívea Maria Vicentini Pesquisadora Embrapa Gado de Leite 15 o Encontro Técnico do Leite Campo Grande, 15 de maio de 2012 O QUE É O PAS?

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

Apostila Tratamento de Água

Apostila Tratamento de Água Apostila Tratamento de Água Estação de Tratamento de Água em Caçaroca Vila Velha MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da

Leia mais

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água www.tsga.ufsc.br O QUE É E COMO FUNCIONA? Trata-se de um sistema desenvolvido para captar e armazenar

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE Para refletir A Água A água, tal como o Sol, é essencial para a vida na Terra. A água é

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente.

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. Poluição do Solo 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. 2) Objetivo Específico Conscientizar os alunos da importância

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

Rebaixamento de lençol freático

Rebaixamento de lençol freático Rebaixamento de lençol freático Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Necessidade do Controle da Água Subterrânea Interceptação da água percolada que emerge nos taludes e fundo de escavações Aumentar a estabilidade

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 3: Construção de cisternas Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal de Campina Grande Financiadores:

Leia mais

Amanco Fossa Séptica

Amanco Fossa Séptica MANUAL DE INSTALAÇÃO Amanco Fossa Séptica M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o A m a n c o F o s s a S é p t i c a Este manual também pode ser visualizado através do site > Produtos > Predial > Esgoto e

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA TRATAMENTO FÍSICO Consiste na remoção de todas impurezas físicas visíveis na água ou depositadas nas superfícies internas das piscinas, como por exemplo, as folhas, os insetos, poeiras, argila, minerais

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

GB ECO Solutions. especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL. Reuso e Aproveitamento de Água da Chuva

GB ECO Solutions. especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL. Reuso e Aproveitamento de Água da Chuva GB ECO Solutions especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL GB ECO Solutions www.gb-ecosolutions.com.br info@gb-ecosolutions.com.br + 55 11 4702-4619 Cotia/SP Sistemas de Remediação

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO TRABALHO TÉCNICO:

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO TRABALHO TÉCNICO: 1 34 a ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO TRABALHO TÉCNICO: TRATAMENTO DE ÁGUA PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO COM O USO DE TABLETES DE ÁCIDO TRICLOROISOCIANÚRICO

Leia mais

INTRODUÇÃO. 1 Por a piscina a funcionar

INTRODUÇÃO. 1 Por a piscina a funcionar INTRODUÇÃO 1 Por a piscina a funcionar Instruções para o início da temporada 1 Se for necessário, deve reparar a superfície do vaso da piscina. Limpar com uma solução de 10 cc de Algidelsa por litro de

Leia mais

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS Laura Rita Rui laurarui@cpovo.net Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

RESOLVENDO PROBLEMAS DE TRATAMENTO QUÍMICO DA SUA PISCINA

RESOLVENDO PROBLEMAS DE TRATAMENTO QUÍMICO DA SUA PISCINA RESOLVENDO PROBLEMAS DE TRATAMENTO QUÍMICO DA SUA PISCINA Os problemas que ocorrem na piscina podem geralmente ser resolvidos com um tratamento padrão descrito para cada caso, sendo adaptado para cada

Leia mais

Separadores Água/Óleo

Separadores Água/Óleo Separador Água/Óleo Separadores Água/Óleo Tratamento de Água e Efluentes Folheto Técnico Separadores Água-Óleo (SAO) A poluição da água pela presença de hidrocarbonetos oleosos é especialmente danosa a

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA Filtro

Leia mais

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO Sérgio Luis da Silva Cotrim (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio do Sul - UFRGS em 1993. Mestre em

Leia mais