10/23/16. Introdução. Problemas em vista. Linha do tempo. Linha do tempo. Plantas medicinais na Farmacopeia Brasileira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10/23/16. Introdução. Problemas em vista. Linha do tempo. Linha do tempo. Plantas medicinais na Farmacopeia Brasileira"

Transcrição

1 Introdução Fitoterapia no terceiro setor e a legislação brasileira Ana Maria Soares Pereira Fabio Carmona Historicamente, a prescrição de plantas medicinais é feita por curandeiros, raizeiros, benzedeiros, etc. Grande parte dos medicamentos alopáticos é derivada de plantas. Apesar dos avanços na medicina, cerca de 80% da população mundial usa fitoterápicos como única opção de tratamento. Abandono e esquecimento... Plantas medicinais na Farmacopeia Brasileira Número de plantas ª 2ª 3ª 4ª 5ª Edição Problemas em vista Crescimento acelerado do mercado de fitoterápicos no mundo todo. Brasil à ritmo mais lento Maioria da produção à artesanal, farmácias de manipulação, terceiro setor Maior visibilidade à necessidade de regulamentação Como adequar-se à legislação? Linha do tempo Linha do tempo 1978 Declaração de Alma-Ata (OMS) 2008 PNPMF IN nº Plantas medicinais como prioridade na CEME 10ª CN Saúde 2009 RENISUS 2010 RDC nº 10, RDC nº 14, RDC nº 17 Farmacopeia Brasileira 5ª edição 2004 RE nº 90, RDC nº Formulário de Fitoterápicos 1ª edição 2006 PNPIC 2013 Consultas públicas ANVISA 1

2 Etapas do processo Cultivo da espécie de pragas Cultivo em Identificação botânica Controle consórcio Adubação orgânica Produção da droga vegetal Coleta Beneficiamento Armazenamento Produção de derivados da droga vegetal Extratos Tinturas Outros Produção de fitoterápicos Pomadas Sabonetes Cremes Xaropes Novas categorias Medicamento Fitoterápico (MF) Produto Tradicional Fitoterápico (PTF) Segurança e eficácia Estudos clínicos Tradicionalidade de uso Boas práticas de fabricação Informações ao consumidor final Autorização junto à ANVISA RDC 17/2010 RDC 13/2013 Bula Registro e Registro simplificado Folheto informativo Registro, Registro simplificado e Notificação Controle de qualidade SIM SIM Controle do Insumo Farmaceûtico Ativo (IFA) de origem vegetal SIM SIM Farmácias de manipulação Regras específicas: RDC nº 67/2007 RDC nº 87/2008 Farmácias Vivas: RDC nº 18/2013 Controle de qualidade Boas Práticas Agrícolas Ministério da Agricultura Boas Práticas de Fabricação (BPF) dos Insumos Farmacêuticos Ativos (IFA) ANVISA Obtenção da espécie vegetal Cultivo ou Coleta Data da coleta Período do dia ou horário Local (cidade e estado e coordenadas GPS) Condições climáticas Fase do desenvolvimento da planta Se cultivo: Tipo de substrato ou solo, adubação, irrigação, luminosidade, coleta mecanizada ou manual, uso de agrotóxicos, etc. 2

3 Cartilha Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Estabilização, secagem e conservação Cultivo mínimo Adubação verde Compostagem Consórcio de espécies cacoes/cartilha_plantas_medicinais.pdf Brasília, DF Outubro, 2006 Inativação de enzimas: Aquecimento Solventes Irradiação Secagem: Natural ou artificial Conservação: Estocagem Embalagem (REF) Identificação Botânica Análise macroscópica e microscópica Química Perfil cromatográfico Prospecção fitoquímica Testes de pureza e integridade Matérias estranhas Água Cinzas Metais pesados Agrotóxicos e afins Radioatividade Contaminantes microbiológicos Micotoxinas Solventes Quadro 10 Limites microbianos para produtos não estéreis advindos de origem vegetal conforme FB 5ª Ed. Fitoterápico uso oral de Droga vegetal que será usada na forma Derivado vegetal de infuso, decocto ou macerado Droga vegetal que Droga vegetal que Extrato Tintura será submetida a será submetida a seco e extrato processo extrativo processo extrativo fluido quente frio Contagem total de fungos / leveduras Contagem total de bactérias aeróbias Escherichia coli Ausente em 1 g Ausente N/A ou ml em 10 g ou 10 ml Salmonella spp. Staphylococcus aureus Enterobacteriaceae Ausente em 10 g ou 10 ml Ausente em 1g ou 1 ml 10 2 bact. Gram (-) bile tolerante em 1 g ou ml Ausente em 10 g ou Ausente em 10 g Ausente N/A ml ou ml em 10g ou 10 ml N/A N/A N/A N/A 10 4 bact. Gram (-) bile tolerante em 1 g ou ml 10 3 bact. Gram (-) bile tolerante em 1 g ou ml spp. todas ou quaisquer espécies do gênero. Fonte: Farmacopeia Brasileira (FB), quinta edição. N/A N/A Caracterização físico-química do derivado vegetal Quadro 11 Lista não exaustiva de testes, provas ou ensaios físico-químicos exigidos para o controle de qualidade do derivado vegetal. Granulometria Resíduo seco ph Índice de acidez Índice de ésteres Índice de iodo Índice de saponificação Índice de refração Poder rotatório Densidade relativa Densidade aparente Determinação de água Determinação de etanol ou teor alcoólico Determinação de metanol e 2-propanol Determinação de substâncias extraíveis por etanol Volume médio Extrato X X X X X X X X X fluido Extrato X X X mole Extrato X X X X X X seco Óleo X X X X essencial Óleo fixo X X X X X X * Outros testes podem ser adicionados ou substituir os descritos de acordo com monografia farmacopeica específica Viscosidade Solubilidade 2.6 TESTES DE CONTROLE DE QUALIDADE DO PRODUTO ACABADO DE ACORDO COM A FORMA FARMACÊUTICA Para comprovar a qualidade de produtos formulados, é necessário que sejam apresentados os resultados de todos os testes exigidos em farmacopeia oficial, de acordo com a forma farmacêutica solicitada, no controle de qualidade para um lote de fitoterápico, incluindo os testes microbiológicos, conforme determinado no Inciso III do Art. 15 da RDC XX/XXXX. Para facilitar o entendimento desse item, foi elaborada o quadro Quadro 12, p. 55, que apresentada uma lista não exaustiva de testes exigidos para algumas formas farmacêuticas. O ensaio de eficácia do conservante não é geralmente incluso nas especificações de rotina, mas é testado durante o desenvolvimento do produto, quando existe a presença de conservantes. 3

4 Controle de qualidade do produto acabado Comprimido Cápsula Granulado Líquido (xarope, tintura) Semissólido Adesivo transdérmico Supositórios e óvulos vaginais Sabão Pomada, creme, gel Marcadores Ativo Possui relação com o efeito terapêutico. Analítico Não possui relação com o efeito terapêutico. Tipo de Correlação com o Exemplos - Variação permitida marcador efeito terapêutico marcador (extratos) do marcador Ativo Sim Senosídeos (Senna alexandrina); 15% Silimarina (Silybum marianum); Kavalactonas (Piper methysticum); Escina (Aesculus hippocastanum); Hipericinas (Hypericum perforatum); Flavonoides (Crataegus oxyacantha), (Ginkgo biloba) Analítico Não Ác. valerênicos (Valeriana officinalis); Echinacosídeos (Echinacea purpurea); Derivados do ácido cafeoilquínico (Cynara scolymus) 20% Segurança e eficácia PTF: não precisam. MF: Ensaios pré-clínicos Ensaios clínicos MINISTÉRIO DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE GUIA PARA A CONDUÇÃO DE ESTUDOS NÃO CLÍNICOS DE TOXICOLOGIA E SEGURANÇA FARMACOLÓGICA NECESSÁRIOS AO DESENVOLVIMENTO DE MEDICAMENTOS Quem pode prescrever? Gerência de Avaliação de Segurança e Eficácia GESEF Situações fictícias Após 2 meses de tratamento Uma mulher jovem busca atendimento por causa de dores em ambos os joelhos. Visualmente, não se constatam anormalidades. Um homem jovem busca atendimento por causa de dores em ambos os joelhos. Visualmente, não se constatam anormalidades. A mulher retornou relatando melhora importante das dores. O homem morreu de leucemia. Posso prescrever para ela Uncaria tomentosa? Posso prescrever para ele Uncaria tomentosa? 4

5 Médicos Podem prescrever quaisquer fitoterápicos que constam na legislação brasileira ou são registrados na ANVISA: IN-5 (2008) RDC-10 (2010) Farmacopeia Brasileira, 5ª edição (2010) Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira, 1ª edição (2011) Outros? Pesquisa! Dentistas Lei nº 5081/1966 Art. 6º Compete ao cirurgião-dentista: II - prescrever e aplicar especialidades farmacêuticas de uso interno e externo, indicadas em Odontologia; Portaria SVS/MS nº 344/98 Art. 38. As prescrições por cirurgiões dentistas e médicos veterinários só poderão ser feitas quando para uso odontológico e veterinário, respectivamente. Nutricionistas Resolução CFN 402/2007 Regulamenta a prescrição fitoterápica pelo nutricionista de plantas in natura frescas, ou como droga vegetal nas suas diferentes formas farmacêuticas, e dá outras providências. Resolução CFN 525/2013 Regulamenta a prática da fitoterapia pelo nutricionista, atribuindo-lhe competência para, nas modalidades que especifica, prescrever plantas medicinais, drogas vegetais e fitoterápicos como complemento da prescrição dietética, e dá outras providências. Art. 2º. O Nutricionista poderá adotar a fitoterapia para complementar a sua prescrição dietética somente quando os produtos prescritos tiverem indicações de uso relacionadas com o seu campo de atuação e estejam embasadas em estudos científicos ou em uso tradicional reconhecido. Paragrafo Único. Ao adotar a Fitoterapia o nutricionista deve basear-se em evidências científicas quanto a critérios de eficácia e segurança, considerar as contra indicações e oferecer orientações técnicas necessárias para minimizar os efeitos colaterais e adversos das interações com outras plantas, com drogas vegetais, com medicamentos e com os alimentos, assim como os riscos da potencial toxicidade dos produtos prescritos. 5

6 Art. 3º. A competência para a prescrição de plantas medicinais e drogas vegetais é atribuída ao nutricionista sem especialização, enquanto a competência para prescrição de fitoterápicos e de preparações magistrais é atribuída exclusivamente ao nutricionista portador de título de especialista ou certificado de pós-graduação lato sensu nessa área. Art. 4º. A competência do nutricionista para atuar na Fitoterapia não inclui a prescrição de produtos sujeitos à prescrição médica, seja na forma de drogas vegetais, de fitoterápicos ou na de preparações magistrais. Art. 5º. A prescrição de plantas medicinais ou drogas vegetais deverá ser legível, conter (...) todas as seguintes especificações quanto ao produto prescrito: I. Nomenclatura botânica, sendo opcional incluir a indicação do nome popular; II. Parte utilizada; III. Forma de utilização e modo de preparo; IV. Posologia e modo de usar; V. Tempo de uso. Art. 6º. (...) devem ser preparadas unicamente por decocção, maceração ou infusão, conforme indicação, não sendo admissível que sejam prescritas sob forma de cápsulas, drágeas, pastilhas, xarope, spray ou qualquer outra forma farmacêutica, nem utilizadas quando submetidas a outros meios de extração, tais como extrato, tintura, alcoolatura ou óleo, nem como fitoterápicos ou em preparações magistrais. Farmacêuticos Resolução CFF 546/2011 Dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos isentos de prescrição e o seu registro. Resolução CFF 586/2013 Regula a prescrição farmacêutica e dá outras providências. Farmacêuticos (2011) Art. 2º. Quando o usuário/paciente, por iniciativa própria e devido à fácil acessibilidade, solicitar indicação, em face de sinais/sintomas apresentados, o farmacêutico poderá encaminhá-lo a outro profissional de saúde ou dispensar-lhe uma planta medicinal e/ou fitoterápico isento de prescrição. 6

7 Farmacêuticos (2011) Art. 4º. 1º. Considera-se habilitado (...): a) Ter cursado a disciplina de fitoterapia com carga horária de no mínimo 60 (sessenta) horas, no curso de graduação de Farmácia, complementadas com estágio em manipulação e/ou dispensação de plantas medicinais e fitoterápicos, de no mínimo 120 (cento e vinte) horas, (...); b) Título de especialista ou curso de especialização em fitoterapia que atenda às resoluções pertinentes do Conselho Federal de Farmácia em vigor. Farmacêuticos (2013) Art. 5º. O farmacêutico poderá realizar a prescrição de medicamentos e outros produtos com finalidade terapêutica, cuja dispensação não exija prescrição médica, incluindo medicamentos industrializados e preparações magistrais - alopáticos ou dinamizados -, plantas medicinais, drogas vegetais e outras categorias ou relações de medicamentos que venham a ser aprovadas pelo órgão sanitário federal para prescrição do farmacêutico. Farmacêuticos (2013) Art. 6º. O farmacêutico poderá prescrever medicamentos cuja dispensação exija prescrição médica, desde que condicionado à existência de diagnóstico prévio e apenas quando estiver previsto em programas, protocolos, diretrizes ou normas técnicas, aprovados para uso no âmbito de instituições de saúde ou quando da formalização de acordos de colaboração com outros prescritores ou instituições de saúde. Acordo de colaboração É a parceria formal entre o farmacêutico e o prescritor ou a instituição, com explícito acordo entre quem está delegando (prescritor ou instituição) e quem está recebendo a autorização (farmacêutico) para prescrever. Então como fica? RDC-10 (2010) IN-5 Farmacopeia Formulário RDC-10 Algumas exigem prescrição médica. Não exigem prescrição médica. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. Art. 2º. As drogas vegetais relacionadas no Anexo I são produtos de venda isenta de prescrição médica destinados ao consumidor final (...). 1º. (...) destinam-se ao uso episódico, oral ou tópico, para o alívio sintomático (...) exclusivamente na forma de droga vegetal para o preparo de infusões, decocções e macerações. 7

8 RDC-10 (2010) Nome científico Nome científico Nome Nome científico científico Achillea millefolium Curcuma longa Matricaria recutita Psidium guajava Achyrocline satureioides Cymbopogon citratus Maytenus ilicifolia Punica granatum Aesculus hippocastanum Cynara scolymus Melissa officinalis Rhamnus purshiana Ageratum conyzoides Echinodorus macrophyllus Mentha pulegium Rosmarinus officinalis Allium sativum Equisetum arvense Mentha x piperita Salix alba Anacardium occidentale Erythrina verna Mikania glomerata Salvia officinalis Arctium lappa Eucalyptus globulus Momordica charantia Sambuccus nigra Arnica montana Eugenia uniflora Passiflora spp Schinus terebinthifolia Baccharis trimera Glycyrrhiza glabra Paullinia cupana Senna alexandrina IN-5 (2008) Determina a publicação da LISTA DE MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS DE REGISTRO SIMPLIFICADO. Alguns necessitam de prescrição médica, MAS A MAIORIA NÃO PRECISA. Bidens pilosa Hamamelis virginiana Peumus boldus Solanum paniculatum Caesalpinia ferrea Harpagophytum procumbens Phyllanthus niruri Stryphnodendron adstringens Calendula officinalis Illicium verum Pimpinella anisum Taraxacum officinale Casearia sylvestris Justicia pectoralis Plantago major Uncaria tomentosa Cinnamomum verum Lippia alba Plectranthus barbatus Vernonia condensata Citrus aurantium Lippia sidoides Polygala senega Vernonia polyanthes Cordia verbenacea Malva sylvestris Polygonum punctatum Zingiber officinale IN-5 (2008) Nome científico Nome científico Nome científico Nome científico Aesculus hippocastanum Echinacea purpurea Mentha x piperita Rhamnus purshiana Allium sativum Eucalyptus globulus Mikania glomerata Salix alba Aloe vera Ginkgo biloba Panax ginseng Sambuccus nigra Arctostaphylos uva-ursi Glycyrrhiza glabra Passiflora spp Senna alexandrina Arnica montana Hamamelis virginiana Paullinia cupana Serenoa repens Calendula officinalis Hypericum perforatum Peumus boldus Symphytum officinale Centella asiatica Matricaria recutita Pimpinella anisum Tanacetum parthenium Cimicifuga racemosa Maytenus ilicifolia Piper methysticum Valeriana officinalis MAS CUIDADO... O Conselho Federal de Medicina (CFM) esclarece à população que, mesmo com a manutenção dos vetos da presidente Dilma Rousseff à Lei /2013, os médicos continuam a ser responsáveis pelo diagnóstico de doenças e prescrição de tratamentos, sendo que os outros profissionais atuarão dentro das atribuições previstas em suas legislações e conforme jurisprudência dos Tribunais Superiores. Cynara scolymus Melissa officinalis Polygala senega Zingiber officinale Código Penal Brasileiro (1940) Exercício ilegal da medicina, arte dentária ou farmacêutica Art Exercer, ainda que a título gratuito, a profissão de médico, dentista ou farmacêutico, sem autorização legal ou excedendo-lhe os limites. Pena - detenção, de seis meses a dois anos. Parágrafo único - Se o crime é praticado com o fim de lucro, aplica-se também multa. Código Penal Brasileiro (1940) Charlatanismo Art Inculcar ou anunciar cura por meio secreto ou infalível. Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. 8

9 Código Penal Brasileiro (1940) Qual é a diferença? Curandeirismo Art Exercer o curandeirismo: I. Prescrevendo, ministrando ou aplicando, habitualmente, qualquer substância; II. III. Usando gestos, palavras ou qualquer outro meio; Fazendo diagnósticos. Pena - detenção, de seis meses a dois anos. Parágrafo único - Se o crime é praticado mediante remuneração, o agente fica também sujeito à multa. Um homem comprou por conta própria um fitoterápico na farmácia, tomou e morreu. Um homem recebeu receita de fitoterápico em uma instituição de caridade, tomou e morreu. Conclusão O diagnóstico é ato privativo do médico. A prescrição de medicamentos fitoterápicos é ato de profissional médico, dentista, nutricionista e farmacêutico. Há restrições para não médicos. O terceiro setor PODE e DEVE se adequar à legislação vigente, sem que isso comprometa seu trabalho assistencial e filantrópico. Obrigado! 9

INTRODUÇÃO METODOLOGIA

INTRODUÇÃO METODOLOGIA Pesquisas agronômicas das plantas medicinais nativas regulamentadas pela ANVISA Lin Chau Ming, Gabriela Granghelli Gonçalves, Maria Izabela Ferreira Departamento de Horticultura, Faculdade de Ciências

Leia mais

Pesquisas agronômicas das plantas medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA

Pesquisas agronômicas das plantas medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA Pesquisas agronômicas das plantas medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA 131 MING, L.C. ; FERREIRA, M.I.; GONÇALVES, G.G. UNESP-Faculdade de Ciências Agronômicas, Departamento de Produção

Leia mais

Núcleo de Farmácia Viva

Núcleo de Farmácia Viva Núcleo de Farmácia Viva Brasília-DF A FARMÁCIA VIVA NO ÂMBITO O SUS-DF Secretaria de Estado da Saúde do Distrito Federal Nilton L. Netto Junior; Farm. M.Sc. OFICIALIZAÇÃO DA FITOTERAPIA NA SES-DF (25 ANOS)

Leia mais

Prefeitura de Londrina Pr. Secretaria Municipal de Saúde PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES. Diretoria de Planejamento e Gestão em Saúde

Prefeitura de Londrina Pr. Secretaria Municipal de Saúde PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES. Diretoria de Planejamento e Gestão em Saúde Prefeitura de Londrina Pr. Secretaria Municipal de Saúde PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Diretoria de Planejamento e Gestão em Saúde REGIÃO METROPOLITANA Zona Urbana de Londrina 53 UBS s; 502.000

Leia mais

Atuação Multidisciplinar em Fitoterapia: os Conselhos de Classe e as Normatizações. Eliane Moreira Vaz

Atuação Multidisciplinar em Fitoterapia: os Conselhos de Classe e as Normatizações. Eliane Moreira Vaz Atuação Multidisciplinar em Fitoterapia: os Conselhos de Classe e as Normatizações Eliane Moreira Vaz BREVE HISTÓRIA - MISSÃO Conselho Sistema CFN/CRN Orienta, disciplina e fiscaliza o exercício profissional

Leia mais

ANEXO LISTA DE MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS DE REGISTRO SIMPLIFICADO. Nomenclatura botânica Aesculus hippocastanum L. 1

ANEXO LISTA DE MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS DE REGISTRO SIMPLIFICADO. Nomenclatura botânica Aesculus hippocastanum L. 1 ANEXO LISTA DE MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS DE REGISTRO SIMPLIFICADO Nomenclatura botânica Aesculus hippocastanum L. 1 Castanha da Índia Sementes Escina Fragilidade capilar, insuficiência venosa 32 a 120

Leia mais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais FARMACOTÉCNICA INTRODUÇÃO À FARMACOTÉCNICA Tópicos abordados: Definições em Farmacotécnica. Classificação dos Medicamentos. Legislação vigente. POSIÇÃO DA FARMACOTÉCNICA ENTRE AS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS Aquisição e qualificação de fornecedores de medicamentos homeopáticos

Leia mais

Levantamento de fitoterápicos manipulados em farmácias magistrais de Dourados-MS

Levantamento de fitoterápicos manipulados em farmácias magistrais de Dourados-MS Artigo Revista Brasileira de Farmacognosia Brazilian Journal of Pharmacognosy 20(1): 28-34, Jan./Mar. 2010 Received 25 July 2008; Accepted 29 November 2008 Levantamento de fitoterápicos manipulados em

Leia mais

Fitoterapia e a Prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos

Fitoterapia e a Prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos Fitoterapia e a Prática do Nutricionista Nutricionista Jacira Santos Nutrição Clínca Anos 70 Dietoterapia Hospitalar Anos 80 Dietoterapia em Consultório Anos 90/2000 Regulamentação de prescrição de suplementos

Leia mais

FARMACOGNOSIA 1ª PROVA: 04 de maio (T1)

FARMACOGNOSIA 1ª PROVA: 04 de maio (T1) FARMACOBOTÂNICA FBF 0343 http://www.youtube.com/watch?v=mn_ah6drfpe Política nacional de plantas medicinais (2006) programa de PLANTAS MEDICINAIS (2008) Profas: Edna T. M. Kato; Dominique C. H. Fischer.

Leia mais

Orientação sobre a Notificação Simplificada de Produto Tradicional Fitoterápico (PTF)

Orientação sobre a Notificação Simplificada de Produto Tradicional Fitoterápico (PTF) Orientação sobre a Notificação Simplificada de Produto Tradicional Fitoterápico (PTF) A COFID informa que o sistema de notificação simplificada foi atualizado para permitir a notificação de Produtos Tradicionais

Leia mais

ANEXO LISTA DE MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS DE REGISTRO SIMPLIFICADO

ANEXO LISTA DE MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS DE REGISTRO SIMPLIFICADO ANEXO LISTA DE MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS DE REGISTRO SIMPLIFICADO Aesculus hippocastanum L. 1 Castanha da Índia Sementes Glicosídeos triterpênicos expressos em escina anidra Fragilidade capilar, insuficiência

Leia mais

Relação Droga Formas Extrativas. Formas Farmacêuticas. Exercícios

Relação Droga Formas Extrativas. Formas Farmacêuticas. Exercícios Relação Droga Formas Extrativas Formas Farmacêuticas Exercícios Farm. Elisabeth Prado março 2011 Relação Droga Formas Extrativas: Droga: parte(s) da planta que contém os princípios ativos, sob a forma

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública n 14, de 14 de maio de 2013 D.O.U de 15/05/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Consulta Pública n 14, de 14 de maio de 2013 D.O.U de 15/05/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 14, de 14 de maio de 2013 D.O.U de 15/05/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Avanços e Desafios Biodiversidade a serviço da vida e da ciência I Encontro sobre Práticas Integrativas e Complementares Yanten 21 anos Medianeira/PR

Leia mais

INFORME TÉCNICO Nº 007/ Versão 00

INFORME TÉCNICO Nº 007/ Versão 00 INFORME TÉCNICO Nº 007/2016 - Versão 00 Assunto: Esclarecimentos sobre a regulamentação de industrialização, manipulação, comercialização e registros de insumos, de medicamentos fitoterápicos e de produtos

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 09 de abril de 2014 [Página 58 e 59]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 09 de abril de 2014 [Página 58 e 59] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 09 de abril de 2014 [Página 58 e 59] INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 2, DE 13 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE FÁRMACOS VEGETAIS

CONTROLE DE QUALIDADE DE FÁRMACOS VEGETAIS 26 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia Manual Prático - Farmacognosia II Márcia do Rocio Duarte Nilce Nazareno da Fonte Cid Aimbiré

Leia mais

Pesquisas Agronômicas de Plantas Medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA

Pesquisas Agronômicas de Plantas Medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA Pesquisas Agronômicas de Plantas Medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA Lin Chau Ming 1 ; Maria Izabela Ferreira 1 ; Gabriela Granghelli Gonçalves 1. 1 UNESP-Faculdade de Ciências Agronômicas-Departamento

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO. CURSO DE ENFERMAGEM DISICPLINA: FITOTERAPIA Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO

LEGISLAÇÃO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO. CURSO DE ENFERMAGEM DISICPLINA: FITOTERAPIA Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO LEGISLAÇÃO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO CURSO DE ENFERMAGEM DISICPLINA: FITOTERAPIA Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO AÇÕES VIGILÂNCIA SANITÁRIA Controle sanitário Normatização Atividades educativas Registro

Leia mais

Fitoterápicos Aspectos regulatórios. Ezequiel Paulo Viriato

Fitoterápicos Aspectos regulatórios. Ezequiel Paulo Viriato Fitoterápicos Aspectos regulatórios Ezequiel Paulo Viriato - 2009 Fitoterápicos São medicamentos obtidos empregando-se exclusivamente derivados de drogas vegetais como ativos. Excipientes e outros componentes

Leia mais

Relação de plantas reconhecidas como eficazes, pela ANVISA.

Relação de plantas reconhecidas como eficazes, pela ANVISA. UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA Relação de plantas reconhecidas como eficazes, pela ANVISA. RESOLUÇÃO-RE Nº 89, DE 16 DE MARÇO DE 2004. O Adjunto da Diretoria

Leia mais

Extratos vegetais principais processos extrativos

Extratos vegetais principais processos extrativos Extratos vegetais principais processos Prof. Drielly Rodrigues Viudes Disciplina de Fitoterapia Aplicada à Nutrição UniSalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Fim do século XVI emprego

Leia mais

TÓPICO 2 - Processos de Extração

TÓPICO 2 - Processos de Extração UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Disciplina de Farmacognosia I- (FBF-0428) TÓPICO 2 - Processos de Extração Profa Dra Dominique C H Fischer 2017 CONCEITOS ANVISA- RDC 26/2014

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 05 de abril de 2010 Página [85-87]

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 05 de abril de 2010 Página [85-87] Diário Oficial da União Seção 01 DOU 05 de abril de 2010 Página [85-87] RESOLUÇÃO-RDC Nº 14, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM FARMACOLOGIA TAMARA SIMÃO BOSSE FITOTERÁPICOS NO SUS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM FARMACOLOGIA TAMARA SIMÃO BOSSE FITOTERÁPICOS NO SUS UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM FARMACOLOGIA TAMARA SIMÃO BOSSE FITOTERÁPICOS NO SUS CRICIÚMA 2014 TAMARA SIMÃO BOSSE FITOTERÁPICOS NO SUS Monografia apresentada

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE FÁRMACOS VEGETAIS

CONTROLE DE QUALIDADE DE FÁRMACOS VEGETAIS 27 CONTROLE DE QUALIDADE DE FÁRMACOS VEGETAIS O controle de qualidade de fármacos vegetais deve ser realizado em todas as etapas que envolvem a produção de drogas, como seleção da espécie, cultivo racional

Leia mais

A realidade e o futuro do controle de qualidade de alimentos e de fitoterápicos

A realidade e o futuro do controle de qualidade de alimentos e de fitoterápicos A realidade e o futuro do controle de qualidade de alimentos e de fitoterápicos GMEFH/GGMED/ANVISA Prêmio Inovação na Gestão Pública Federal 2006/2007 27 de setembro de 2007 Plantas medicinais X Fitoterápicos

Leia mais

FITOTERÁPICOS E PLANTAS MEDICINAIS CONHECIMENTO E USO POR IDOSOS

FITOTERÁPICOS E PLANTAS MEDICINAIS CONHECIMENTO E USO POR IDOSOS FITOTERÁPICOS E PLANTAS MEDICINAIS CONHECIMENTO E USO POR IDOSOS Iêda Maria de Araujo Calife (1); Carina Almeida Morais (2) (1) Secretaria Municipal de Saúde de Natal/RN ieda1maria1@gmail.com (2) AVM Faculdade

Leia mais

CONFLITO DE INTERESSES

CONFLITO DE INTERESSES CONFLITO DE INTERESSES Sócia da Ometto Advogados Associados, desde 1993. Consultoria em Direito Médico e Hospitalar. Defesa de clínicas médicas. Defesa de interesses de médicos (éticas e civis). Assessora

Leia mais

MEDICAMENTOS. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Assunto: Análise de resíduos de agrotóxicos em fitoterápicos

MEDICAMENTOS. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Assunto: Análise de resíduos de agrotóxicos em fitoterápicos MEDICAMENTOS Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Assunto: Análise de resíduos de agrotóxicos em fitoterápicos 2ª edição Brasília, 18 de setembro de 2017 Gerência de Medicamentos Específicos,

Leia mais

Circular 201/2017 São Paulo, 26 de Abril de 2017.

Circular 201/2017 São Paulo, 26 de Abril de 2017. Circular 201/2017 São Paulo, 26 de Abril de 2017. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) FATURAMENTO indicação de substâncias de livre prescrição pelo fisioterapeuta. DOU Nº 78 de 25 de Abril de 2017. Prezados Senhores,

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE ANÁLISE DE RESÍDUO DE AGROTÓXICOS PELA GMESP

ORIENTAÇÃO SOBRE ANÁLISE DE RESÍDUO DE AGROTÓXICOS PELA GMESP ORIENTAÇÃO SOBRE ANÁLISE DE RESÍDUO DE AGROTÓXICOS PELA GMESP 17/02/2016 O uso de agrotóxicos em plantas medicinais e a presença de seus resíduos em fitoterápicos é assunto de discussão constante e preocupação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR MULHERES RESIDENTES EM IJUÍ /RS¹ 1

AVALIAÇÃO DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR MULHERES RESIDENTES EM IJUÍ /RS¹ 1 AVALIAÇÃO DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR MULHERES RESIDENTES EM IJUÍ /RS¹ 1 Morgana Schiavo 2, Christiane De Fátima Colet 3, Karla Renata De Oliveira 4, Evelise Moraes Berlezi 5. 1 ¹Estudo vinculado

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFº MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Introdução a Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02 DE 13 DE MAIO DE 2014 Publica a Lista de

Leia mais

APRESENTAÇÃO: Henriqueta Tereza do Sacramento Médica, Coordenadora e Idealizadora do Programa Municipal de Fitoterapia de Vitória-ES

APRESENTAÇÃO: Henriqueta Tereza do Sacramento Médica, Coordenadora e Idealizadora do Programa Municipal de Fitoterapia de Vitória-ES PREFEITURA DE VITÓRIA Secretaria de Saúde PREFEITURA DE VITÓRIA Secretaria de Saúde APRESENTAÇÃO: Henriqueta Tereza do Sacramento Médica, Coordenadora e Idealizadora do Programa Municipal de Fitoterapia

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 567, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 567, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 567, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010 Nota: Portaria em Consulta Pública O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA,

Leia mais

AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE SAÚDE 1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde

AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE SAÚDE 1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE

Leia mais

Especificações técnicas de MP e PT. Controle de qualidade de fitoterápicos

Especificações técnicas de MP e PT. Controle de qualidade de fitoterápicos Especificações técnicas de MP e PT Controle de qualidade de fitoterápicos Fluxo de entrada de MP Recebimento Código interno Lote interno Identificação de quarentena Almoxarifado de Quarentena Amostragem

Leia mais

Monografias para registro de Fitoterápicos

Monografias para registro de Fitoterápicos Monografias para registro de Fitoterápicos São Paulo, 01/11/2013 COFID/GTFAR/GGMED Brasília, 20 de junho de 2013 Monografias oficiais no Brasil Elaboração do Memento fitoterápico Facilitam o registro por

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Ementa: Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no âmbito da homeopatia e dá outras providências. O Conselho Federal de Farmácia (CFF), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF

Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF R. Mário Viana 523 Santa Rosa - Niterói - R.J. E-mail: lean@vm.uff.br BIOMAS DO BRASIL Biomas são

Leia mais

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011.

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. À Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) A/C: Dr. Dirceu Brás Aparecido Barbano Diretor-Presidente Substituto em exercício Ref.: Resolução nº

Leia mais

Artigo RESUMO ABSTRACT. Camila Miranda Moura. DOI: /vd.v2i2.140

Artigo RESUMO ABSTRACT. Camila Miranda Moura. DOI: /vd.v2i2.140 DOI:10.3395/vd.v2i2.140 Artigo Rotulagem de medicamentos fitoterápicos industrializados: está adequada às diretrizes legais? Labeling of manufactured herbal medicines: does it comply with the legal standards?

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Produção de chás e extratos de plantas medicinais Maria das Graças Lins Brandão Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais CETEC agosto 2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Art. 4º Fica revogada a Portaria n.º 6 SVS/MS, de 31 de janeiro de 1995, e o inciso XIX do Anexo da Portaria n.º 2, de 24 de janeiro de 1995.

Art. 4º Fica revogada a Portaria n.º 6 SVS/MS, de 31 de janeiro de 1995, e o inciso XIX do Anexo da Portaria n.º 2, de 24 de janeiro de 1995. esolução - RDC n de 6 24/11/2008 17:17 Resolução - RDC n.º 17, de 24 de fevereiro de 2000 (*) Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

considerando que é responsabilidade da ANVISA a atualização e revisão periódica da Farmacopéia Brasileira;

considerando que é responsabilidade da ANVISA a atualização e revisão periódica da Farmacopéia Brasileira; Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 73, de 16 de julho de 2010. D.O.U de 20/07/2010 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA

PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA A Medicina Tradicional (MT), a Medicina Complementar e Alternativa (MCA) e seus produtos, principalmente plantas medicinais, cada vez mais têm se tornado

Leia mais

As práticas integrativas e complementares e os aspectos regulatórios

As práticas integrativas e complementares e os aspectos regulatórios As práticas integrativas e complementares e os aspectos regulatórios Lei 9782/1999 Serviços Produtos Incumbe à Agência, respeitada a legislação em vigor, regulamentar, controlar e fiscalizar os produtos

Leia mais

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento ISSN versão eletrônica 14 O USO DE FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DA OBESIDADE Caroline Nunes do Prado 1, Dayse Regina de Jesus Neves 1, Helena Dias de Souza 1, Francisco Navarro 1,2 RESUMO Introdução: A fitoterapia clássica está

Leia mais

Lei 6.433/77, Artigo 10, Inciso XIX. Lei 6.433/77, TÍTULO I - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES - Art São infrações sanitárias, Inciso IV.

Lei 6.433/77, Artigo 10, Inciso XIX. Lei 6.433/77, TÍTULO I - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES - Art São infrações sanitárias, Inciso IV. Nível: Médio Área: Agente de Vigilância Sanitária QUESTÃO 39 Situação: Procedente Questão 39 - Na prova para Agente de Vigilância Sanitária, de nível médio, menciona: A infração que é sujeita a pena de

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

Estudo das plantas medicinais, utilizadas pelos pacientes atendidos no programa Estratégia saúde da família em Maringá/PR/Brasil

Estudo das plantas medicinais, utilizadas pelos pacientes atendidos no programa Estratégia saúde da família em Maringá/PR/Brasil 702 Estudo das plantas medicinais, utilizadas pelos pacientes atendidos no programa Estratégia saúde da família em Maringá/PR/Brasil LOPES, M.A. 1* ; NOGUEIRA, I.S. 1 ; OBICI, S. 2 ; ALBIERO, A.L.M. 1.

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 31, de 26 de maio de 2009. D.O.U de 27/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para o enquadramento de medicamentos como isentos de prescrição e o reenquadramento como medicamentos

Leia mais

LISTA PRELIMINAR DOS TEMAS DA AGENDA REGULATÓRIA (54 temas/102 subtemas)

LISTA PRELIMINAR DOS TEMAS DA AGENDA REGULATÓRIA (54 temas/102 subtemas) CONTROLE ADMINISTRATIVO ALIMENTOS LISTA PRELIMINAR DOS TEMAS DA AGENDA REGULATÓRIA 2015-2016 (54 temas/102 subtemas) Temas Migrados da AR 2013-2014 Processos em Andamento - Fora da AR 2013/2014 Novos Temas

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS : Propriedades, uso e Cultura Popular.

PLANTAS MEDICINAIS : Propriedades, uso e Cultura Popular. PLANTAS MEDICINAIS : Propriedades, uso e Cultura Popular. HERCOS, Emylciane Costa 1 ; FIUZA, Denise de Almeida Fonseca 2, ARAÚJO, Valdinéia Nogueira da Silva 3. PALAVRAS-CHAVE: Plantas Medicinais, Propriedades

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 11/13 DVVSA/DVVSP/CEVS/SESA 10 de dezembro 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 11/13 DVVSA/DVVSP/CEVS/SESA 10 de dezembro 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 11/13 DVVSA/DVVSP/CEVS/SESA 10 de dezembro 2013. Comercialização de Chás (alimentos) e Fitoterápicos (medicamentos)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Farmácia Qualificação:

Leia mais

Profissional Farmacêutico

Profissional Farmacêutico 1 Profissional Farmacêutico Decreto nº 20.377 de 08/09/1931: Aprova a regulamentação do exercício da profissão farmacêutica no Brasil. Lei nº 3820 d2 11/11/1960: Cria o Conselho Federal e os Conselhos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010 1. A RDC 44/2010 é válida para quais tipos de antimicrobianos? A RDC nº 44/2010 estabelece o controle para os antimicrobianos de uso sob prescrição (faixa vermelha)

Leia mais

Um exemplo de relógio

Um exemplo de relógio Falar em plantas medicinais é falar da história da humanidade. Desde os tempos da pré-história as plantas medicinais fazem parte da vida das pessoas. Os homens primitivos, assim como os animais iniciaram

Leia mais

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO E ETNOFARMACOLÓGICO NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE QUIRINÓPOLIS GO

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO E ETNOFARMACOLÓGICO NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE QUIRINÓPOLIS GO LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO E ETNOFARMACOLÓGICO NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE QUIRINÓPOLIS GO Lilian Gomes dos Santos Adam Heron Oliveira Resumo: Desde os primórdios o homem mantém uma relação estreita

Leia mais

Justificativa: Estimulante do útero, contraceptiva, abortiva, emenagoga

Justificativa: Estimulante do útero, contraceptiva, abortiva, emenagoga Plantas Contra-indicadas na Gestação e Lactação Atenção: Durante os três primeiros meses de gestação, deve ser evitado o uso de qualquer espécie de planta medicinal, cujos estudos para avaliação de efeitos

Leia mais

DEFENSIVOS PARA GRAMADOS

DEFENSIVOS PARA GRAMADOS LEGISLAÇÃO E REGISTRO DE DEFENSIVOS PARA GRAMADOS Prof. Dr. Carlos Gilberto Raetano FCA/UNESP Campus de Botucatu Depto. Produção Vegetal Defesa Fitossanitária Raetano@fca.unesp.br LEGISLAÇÃO - AGROTÓXICOS

Leia mais

CURSO: Farmácia PROFESSOR (A): Me. Erika Lizette S. UNIDADE CURRICULAR:

CURSO: Farmácia PROFESSOR (A): Me. Erika Lizette S. UNIDADE CURRICULAR: CURSO: Farmácia PROFESSOR (A): Me. Erika Lizette S. UNIDADE CURRICULAR: Farmacotécnica I CARGA HORÁRIA: 40 horas/aula PERÍODO: 3º semestre TURNO: Quinta-feira noite(2 horário) Farmacotécnica 1 O programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E AMBIENTE MESTRADO EM SAÚDE E AMBIENTE MARCELO DE CARVALHO GONÇALVES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E AMBIENTE MESTRADO EM SAÚDE E AMBIENTE MARCELO DE CARVALHO GONÇALVES UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E AMBIENTE MESTRADO EM SAÚDE E AMBIENTE MARCELO DE CARVALHO GONÇALVES FARMACOVIGILÂNCIA EM FITOTERAPIA: comércio e controle de qualidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

Resoluções de Boas Práticas de Fabricação

Resoluções de Boas Práticas de Fabricação Resoluções de Boas Práticas de Fabricação Thais Mesquita do Couto Araujo GERÊNCIA DE INSPEÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE MEDICAMENTOS, INSUMOS FARMACÊUTICOS E PRODUTOS GIMEP/ANVISA BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE

Leia mais

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de 2015. Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. I. Introdução. Recentemente, a ANVISA publicou a Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

Componentes aromatizantes provenientes de espécies botânicas regionais para uso em alimentos. Gerência Geral de Alimentos - GGALI Agosto de 2016

Componentes aromatizantes provenientes de espécies botânicas regionais para uso em alimentos. Gerência Geral de Alimentos - GGALI Agosto de 2016 Componentes aromatizantes provenientes de espécies botânicas regionais para uso em alimentos Gerência Geral de Alimentos - GGALI Agosto de 2016 Espécies botânicas regionais Processo n. 25351.396498/2013-85;

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS DE USO ORAL

MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS DE USO ORAL V Workshop de Farmácia Magistral MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS DE USO ORAL PARA PETS Ana Cláudia Pompeu Raminelli 03 de outubro de 2015 Belém/PA SEJAM BEM-VINDOS AO MUNDO VETERINÁRIO DOS PETS...

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 914/2017

DELIBERAÇÃO Nº 914/2017 DELIBERAÇÃO Nº 914/2017 Dispõe sobre a Assistência Técnica Farmacêutica nos Estabelecimentos Farmacêuticos Públicos O CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ CRF- PR, diante das atribuições legais

Leia mais

I Simpósio de Farmácia Clínica Homeopática, CRF-RJ 10/03/17. Prescrição Farmacêutica em Homeopatia

I Simpósio de Farmácia Clínica Homeopática, CRF-RJ 10/03/17. Prescrição Farmacêutica em Homeopatia I Simpósio de Farmácia Clínica Homeopática, CRF-RJ 10/03/17 Prescrição Farmacêutica em Homeopatia ABFH - Associação Brasileira de Farmacêuticos Homeopatas Diretora DNA de placa nos dentes revela que Neanderthal

Leia mais

Aspectos da legislação no controle dos medicamentos fitoterápicos

Aspectos da legislação no controle dos medicamentos fitoterápicos ARTIGO Aspectos da legislação no controle dos medicamentos fitoterápicos Ana Cecilia Bezerra Carvalho, Diana de Souza Garcia Nunes, Tatiana de Gouveia Baratelli, Nur Shuqaira Mahmud Said Abdel Qader Shuqair

Leia mais

Consolidado de normas da COFID

Consolidado de normas da COFID Consolidado de normas da COFID (Versão II) Coordenação de Fitoterápicos, Dinamizados e Notificados (COFID) Gerência de Tecnologia Farmacêutica (GTFAR) Gerência Geral de Medicamentos (GGMED) Agência Nacional

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos sobre a regulamentação de medicamentos fitoterápicos, plantas medicinais, drogas vegetais e derivados vegetais.

Assunto: Esclarecimentos sobre a regulamentação de medicamentos fitoterápicos, plantas medicinais, drogas vegetais e derivados vegetais. Informe Técnico nº. 005 MED/NVP/DVS/CEVS/SES/RS Assunto: Esclarecimentos sobre a regulamentação de medicamentos fitoterápicos, plantas medicinais, drogas vegetais e derivados vegetais. 1. Introdução A

Leia mais

SUBEMENDA AGLUTINATIVA DE PLENÁRIO. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

SUBEMENDA AGLUTINATIVA DE PLENÁRIO. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SUBEMENDA AGLUTINATIVA DE PLENÁRIO Dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas e dá outras providências. Autor: Senado Federal O Congresso Nacional decreta: Capítulo I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública*

Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública* Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública* FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES PARA CONSULTA PÚBLICA Este formulário tem a finalidade de identificar e orientar as contribuições para

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional.Nº 62 DOU 29/03/12 seção 1 - p.104

Diário Oficial Imprensa Nacional.Nº 62 DOU 29/03/12 seção 1 - p.104 Diário Oficial Imprensa Nacional.Nº 62 DOU 29/03/12 seção 1 - p.104 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO - RDC Nº 21, DE 28

Leia mais

I. JUSTIFICATIVA: II. EMENTA:

I. JUSTIFICATIVA: II. EMENTA: PLANO DE ENSINO 2016 CURSO: Bacharelado em Agronomia DISCIPLINA: Plantas Bioativas (AG-98) TURMA: 9ª fase SEMESTRE LETIVO: 1º / 2016 MODALIDADE: Presencial CARGA HORARIA SEMESTRAL: 30 horas PRÉ-REQUISITO:

Leia mais

NASCIMENTO JÚNIOR, B.J. 1* ; TÍNEL, L.O. 2 ; SILVA, E.S. 2 ; RODRIGUES, L.A. 2 ; FREITAS, T.O.N. 2 ; NUNES, X.P. 1 ; AMORIM, E.L.C.

NASCIMENTO JÚNIOR, B.J. 1* ; TÍNEL, L.O. 2 ; SILVA, E.S. 2 ; RODRIGUES, L.A. 2 ; FREITAS, T.O.N. 2 ; NUNES, X.P. 1 ; AMORIM, E.L.C. Avaliação do conhecimento e percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família sobre o uso de plantas medicinais e fitoterapia em Petrolina-PE, Brasil. 57 NASCIMENTO JÚNIOR, B.J. * ; TÍNEL,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA Nota Técnica nº 134-02 SJ-CFM Interessado: Comissão de Licitação da Prefeitura de Campinas SP Assunto: Registro de empresa fabricante de órteses e próteses Ref.: Protocolo

Leia mais

Conhecimento Sobre a Utilização das Plantas Medicinais em Dourados, MS.

Conhecimento Sobre a Utilização das Plantas Medicinais em Dourados, MS. 16413 - Conhecimento Sobre a Utilização das Plantas Medicinais em Dourados, MS. Knowledge About the Use of Medicinal Plants in Dourados, MS. RIGOTTI, Marcelo 1 ; FERREIRA, Mayara de Oliveira 2 ; SANTANA,

Leia mais

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ALOPÁTICA OU HOMEOPÁTICA Lei 3.820/60 Artigo 10 Item C

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ALOPÁTICA OU HOMEOPÁTICA Lei 3.820/60 Artigo 10 Item C 1 FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ALOPÁTICA OU HOMEOPÁTICA Lei 3.820/60 Artigo 10 Item C N º de Processos FICHA Nº / 20 Profissional : T. I. n º / 20 Estabelecimento

Leia mais

PLANO DE ENSINO I. JUSTIFICATIVA:

PLANO DE ENSINO I. JUSTIFICATIVA: PLANO DE ENSINO CURSO: Agronomia MODALIDADE: Presencial DISCIPLINA: Plantas Bioativas CÓDIGO: AG-98 PROFESSOR(A): Alexandra Goede de Souza CARGA HORÁRIA SEMANAL/SEMESTRAL: 2/30 SEMESTRE/ANO: 1º/2014 SEMESTRE

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Tópicos Enfermagem Materno e Saúde Pública - A Fitoterapia Clínica na Atenção Primária à Saúde CÓDIGO: EMI038 COORDENADOR: CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS INÍCIO

Leia mais

Prefeitura da Cidade de São Paulo

Prefeitura da Cidade de São Paulo Página 1 de 7 Serviços A Cidade Compras Notícias Governo Busca no portal Pesquisa de Legislação Municipal N o 82 Ano: 2015 Secretaria: SMS Voltar Imprimir PORTARIA 82/15 - SMS A Secretaria Municipal da

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e definição dos mecanismos para rastreamento de medicamentos, por meio de tecnologia

Leia mais

HISTÓRIA DA FARMACOTÉCNICA grego phárn, que tanto pode significar veneno/remédio.. substância química conhecida e de estrutura química definida dotada

HISTÓRIA DA FARMACOTÉCNICA grego phárn, que tanto pode significar veneno/remédio.. substância química conhecida e de estrutura química definida dotada FARMACOTÉCNICA AULA 1 PROF: ERIKA LIZ HISTÓRIA DA FARMACOTÉCNICA grego phárn, que tanto pode significar veneno/remédio.. substância química conhecida e de estrutura química definida dotada de propriedade

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS POR UMA COMUNIDADE DA ZONA RURAL NA REGIÃO DE MOGI MIRIM-SP

PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS POR UMA COMUNIDADE DA ZONA RURAL NA REGIÃO DE MOGI MIRIM-SP PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS POR UMA COMUNIDADE DA ZONA RURAL NA REGIÃO DE MOGI MIRIM-SP RODRIGUES, Janaína Elvira 1 elvirinha02@yahoo.com.br RODRIGUES, Gismar Monteiro Castro 2 gismarcastro@yahoo.com.br

Leia mais

Aula 02. Enem

Aula 02. Enem Aula 02 Enem - 2017 Enem - 2014 Suplementos são, na maioria das vezes, vitaminas, minerais e aminoácidos que completam a alimentação; importante para pessoas com carências nutricionais e também para praticantes

Leia mais

Droga Medicamento Insumo Farmacêutico

Droga Medicamento Insumo Farmacêutico TAF Lei 5.991 de 1973 I - Droga - substância ou matéria-prima que tenha a finalidade medicamentosa ou sanitária; II - Medicamento - produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade

Leia mais

ALCACHOFRA NATULAB MEDICAMENTO FITOTERÁPICO

ALCACHOFRA NATULAB MEDICAMENTO FITOTERÁPICO ALCACHOFRA NATULAB MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica oficial: Cynara scolymus L. Nomenclatura popular: Alcachofra Família: Asteraceae Parte da planta utilizada: Folhas FORMA FARMACÊUTICA Cápsula

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Consulta Pública nº 61, de 12 de agosto de 2002. D.O.U de 14/08/2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS *PNPMF*

POLÍTICA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS *PNPMF* POLÍTICA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS *PNPMF* Elzo Velani ABIFISA Em torno de 2,8 % do mercado farmacêutico total. Maioria das empresas são de capital nacional. PANORAMA

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais