UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS GIULIA LORENZINI PALMIRO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: Uma análise em Minas Gerais ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS GIULIA LORENZINI PALMIRO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: Uma análise em Minas Gerais (2000 2010)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS GIULIA LORENZINI PALMIRO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: Uma análise em Minas Gerais ( ) VARGINHA/MG 2013

2 GIULIA LORENZINI PAMIRO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: Uma análise em Minas Gerais ( ) Monografia apresentada como parte dos requisitos para conclusão da graduação em Ciências Econômicas com Ênfase em Controladoria pela Universidade Federal de Alfenas. Orientadora: Profª. Dra Alinne Alvim Franchini Colaboradora: Profª. Dra Pamila Cristina Lima Siviero VARGINHA/MG 2013

3 GIULIA LORENZINI PAMIRO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: Uma análise em Minas Gerais ( ) A banca examinadora abaixo-assinada aprova o trabalho de conclusão de curso apresentado como parte dos requisitos para obtenção do título de Bacharel em Ciências Econômicas com Ênfase em Controladoria pelo Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas Campus Varginha Aprovada em: Profª. Dra. Alinne Alvim Franchini Universidade Federal de Alfenas - campus Varginha Assinatura: Profª. Dra Pamila Cristina Lima Siviero Universidade Federal de Alfenas - campus Varginha Assinatura: Prof. Dr. Ângelo Marcos Queiroz Prates Universidade Federal de Alfenas campus Varginha Assinatura: Prof. Dr. Luiz Antonio Staub Mafra Universidade Federal de Alfenas - campus Varginha Assinatura:

4 RESUMO A percepção do nível de desenvolvimento econômico de uma determinada região vai além da simples análise de sua renda produzida. Em verdade, esta característica é válida para a concepção de crescimento, o qual mede seu produto agregado, em determinado período de tempo. Como complementação, para que uma região tenha o caráter desenvolvido, é necessário que seja feita uma catalogação de dados qualitativos, além de econômicos, mas também sociais. As características de distribuição do produto agregado para com a população e os níveis de bem-estar são determinantes à análise. De certa forma, o estudo do crescimento e desenvolvimento como conjunto é primordial. Nesse contexto, o objetivo desse trabalho é aplicar esta concepção conjunta, anteriormente demonstrada, em Minas Gerais. Para tanto, serão utilizados estudos teóricos sobre os conceitos de crescimento e desenvolvimento econômico, de forma a moldar a perspectiva histórica, e o debate de concepções de diferentes autores e em crítica à situação atual, utilizando tanto índices quantitativos quanto índices de qualidade de vida do Estado, com o intuito de aplicar a análise teórica em cenário prático. Por meio desta base de dados, busca-se traçar o perfil econômico e social de Minas Gerais, além de relacioná-lo com os resultados dos mesmos índices obtidos para o Brasil, de forma a lhe atribuir, ou não, de forma justa, o caráter desenvolvido. Palavras chave: Crescimento econômico. Desenvolvimento econômico. Minas Gerais. Brasil.

5 ABSTRACT The perceived level of economic development of a particular region goes beyond simple analysis of your income produced. In fact, this feature applies to the design of growth, which measures its aggregate product in a given period of time. As a complement to a region that has the character "developed", it is necessary that we make a cataloging of qualitative data, as well as economic, but also social. The distribution characteristics of the aggregate product with the population and levels of well-being are crucial to the analysis. In a way, the study of growth and development as a whole is paramount. In this context, the aim of this work is to apply this joint design, previously demonstrated in Minas Gerais. For this, we used theoretical studies on the concepts of economic growth and development, in order to shape the historical perspective, and discussing concepts of different authors and critique the current situation, using both quantitative indices as indices of quality of life of the state in order to apply the theoretical analysis in practical scenario. Through this database, seeks to trace the economic and social profile of Minas Gerais, and relate it to the results of these indices obtained for Brazil, in order to assign it or not, fairly, the character "developed". Key words: Economic growth. Economic development. Minas Gerais. Brazil.

6 Gráfico 1 Gráfico 2 Gráfico 3 Gráfico 4 Gráfico 5 - Gráfico 6 - Gráfico 7 - Gráfico 8 - Gráfico 9 - Gráfico 10 - Gráfico 11 - Gráfico 12 - Gráfico 13 - Gráfico 14 - Gráfico 15 - Gráfico 16 - Gráfico 17 - Gráfico 18 - Tabela 1 - LISTA DE ILUSTRAÇÕES PIB a preços correntes e a preços constantes - Minas Gerais ( )... PIB per capita - Minas Gerais ( )... PIB per capita - Minas Gerais e Brasil ( )... Taxa Específica de Mortalidade Infantil - Por mil habitantes - Minas Gerais ( )... Gráfico 5: Tmi por mil habitantes - Minas Gerais e Brasil - MASCULINO ( )... Tmi por mil habitantes- Minas Gerais e Brasil- FEMININO ( )... Esperança de vida ao nascer - Minas Gerais ( )... Esperança de vida ao nascer - MASCULINO - Minas Gerais e Brasil ( )... Esperança de vida ao nascer- FEMININO - Minas Gerais e Brasil ( )... Taxa de Fecundidade Total - Minas Gerais ( )... Taxa de Fecundidade Total - Minas Gerais e Brasil ( )... Taxa de Analfabetismo - Masculino - Minas Gerais e Brasil (1991/2000/2010)... Taxa de Analfabetismo - Feminino - Minas Gerais e Brasil (1991/2000/2010)... Índice de Gini da renda domiciliar per capita - Minas Gerais e Brasil (1991/2000/2010)... IDH - Renda- Minas Gerais e Brasil (1991 e 2000)... IDH - Educação- Minas Gerais e Brasil (1991 e 2000)... IDH - Saúde - Minas Gerais e Brasil (1991 e 2000)... IDH - Minas Gerais e Brasil (1991 e 2000)... Taxa de desemprego, Minas Gerais e Brasil, 1991, 2000,

7 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS PIB - Produto Interno Bruto PNB - Produto Nacional Bruto IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IDH - Índice de Desenvolvimento Humano DATASUS - Departamento de Informática do SUS CORECON - Conselho Regional de Economia TBM - Taxa Bruta de Mortalidade TEM - Taxa Específica de Mortalidade TMI - Taxa de Mortalidade Infantil TEF - Taxa Específica de Fecundidade TFT - Taxa de Fecundidade Total PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 8 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Perspectivas históricas do desenvolvimento econômico Conceitos de crescimento e desenvolvimento A crítica do subdesenvolvimento JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos METODOLOGIA Índices de Crescimento Econômico Produto Interno Bruto (PIB) Produto Interno Bruto per capita Índices de Desenvolvimento Econômico Variáveis de bem estar relacionadas à saúde Taxa de Mortalidade Infantil Esperança de vida ao nascer Taxa de fecundidade total Variáveis de bem estar relacionadas à educação Taxa de Analfabetismo Variáveis de bem estar relacionadas ao nível de emprego Taxa de desemprego Variáveis de bem estar relacionadas à distribuição de renda Índice de Gini Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) RESULTADOS Índices de Crescimento Econômico Produto Interno Bruto (PIB) Produto Interno Bruto per capita Índices de Desenvolvimento Econômico Variáveis de bem estar relacionadas à saúde Taxa de Mortalidade Infantil Esperança de vida ao nascer Taxa de fecundidade total Variáveis de bem estar relacionadas à educação Taxa de Analfabetismo Variáveis de bem estar relacionadas ao nível de emprego Taxa de desemprego Variáveis de bem estar relacionadas à distribuição de renda Índice de Gini Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS 39

9 1. Introdução Geralmente, tem-se o hábito de mensurar o progresso de uma economia como forma de atribuição de caráter desenvolvido. Frequentemente, quando se pretende demonstrar à sociedade que um determinado país está evoluindo econômico e socialmente, analisam-se os valores da produção, mensurados pelo Produto Interno Bruto (PIB) ou pelo Produto Nacional Bruto (PNB). No entanto, relacionar melhorias sociais à evolução da produção é de certa forma, insuficiente, uma vez que um maior produto agregado não implica, necessariamente, melhorias de qualidade de vida à população em geral. Nesse sentido, a inter-relação entre índices de crescimento e desenvolvimento é útil para a demonstração do perfil econômico e social de um país ou região. O crescimento econômico é medido por meio de análises do produto agregado, ou seja, da sua capacidade de geração de renda, com base em indicadores quantitativos, PIB e PNB, ou, ainda, PIB e PNB per capita. Por outro lado, o nível de desenvolvimento pode ser mensurado com base em indicadores sociais de distribuição de renda e de qualidade de vida da população. A relação entre crescimento demográfico e crescimento econômico também se faz presente. Por exemplo, assinala o economista David Lam (apud Gois, 2011), no período de explosão demográfica, ocorrida entre 1960 e 1999 (onde a população dobrou de tamanho, passando de três a seis bilhões de habitantes), a globalização, a evolução dos mercados e a expansão da tecnologia foram determinantes para a adequação deste crescimento demográfico ao cenário econômico mundial. O século XX foi o século de maior crescimento populacional e econômico já apresentado. No entanto, é incorreto afirmar que esta situação permanecerá no futuro. Assim, o papel do estudo da evolução demográfica e da adequação econômica e social da população, em diferentes países, mediante atual alarme à: necessidade de diminuição do ritmo de crescimento populacional, mazelas sociais causadas pelo crescimento econômico e tecnológico desenfreados durante séculos passados e as novas características da população mundial, em termos de padrão de vida, é de grande importância (ALVES apud GOIS, 2011). O estudo crítico de índices de crescimento e desenvolvimento, em Minas Gerais, se faz necessária de forma a contribuir para analisar tanto as impressões de renda, como as impressões da sociedade residente, em termos de renda, saúde, educação e desenvolvimento humano. Com base em uma análise que contemple estes dados característicos, torna-se possível verificar o perfil produtivo e social de Minas Gerais, bem como sua parcela de importância no País.

10 Admitindo o setor econômico como primordial à estrutura e sociedade de uma região, em Minas Gerais esta situação também é ocorrente. Sua capacidade produtiva e políticas econômicas e sociais caracterizam consequências à sua população, oferecendo tanto benefícios quanto eventuais malefícios. Considerando o papel elucidativo da pesquisa, é necessário o estudo do perfil econômico da região, e das consequências geradas à população, em seu desenvolvimento. Assim, a análise proposta é uma forma de aderir maior conhecimento científico de uma das características primordiais do Estado: sua economia relacionada à sociedade. Deste modo, o tema torna-se de grande importância. É necessário que seja feita uma análise não somente focada em pesquisas gerais, que geralmente associam o desenvolvimento econômico a valores como o Produto Interno Bruto, por exemplo. É também importante analisar a relação entre volumes de crescimento e desenvolvimento econômico, de forma a moldar-se um perfil econômico e social do Estado. Analisar não somente o desempenho de sua economia, mas também a forma com que este produto está sendo distribuído e influenciando nos níveis de qualidade de vida da população de Minas Gerais, em comparação com o País como um todo. 2. Revisão bibliográfica 2.1 Perspectivas históricas do desenvolvimento econômico Furtado (1961), em análise de teorias gerais, mostra que o desenvolvimento é analisado pelo aumento do fluxo de renda, em análise qualitativa, ao chamado preço relativo. Quando o preço de um bem aumenta sua importância em relação a outro, a renda real é aumentada, sendo considerada finalidade do desenvolvimento. Esta consideração, no entanto, não leva em consideração diversos outros fatores também condicionantes, como a cultura da população, características históricas da economia, além da distribuição de renda e a dinâmica do mercado. Sandroni (1994) abrange a importância das características históricas e condições demográficas e culturais de um país para conceitualizá-lo como desenvolvido ou não. A perspectiva histórica do desenvolvimento, a seguir, é discutida tendo como base os escritos de Furtado (1961), tomando a suposição de Sandroni (1994) como determinante. De acordo com Furtado (1961), a validação da forma como o excedente produtivo era e é utilizado pelas instituições que o detém torna-se papel importante à escala de desenvolvimento de uma economia. No período dos antigos impérios, por exemplo, a

11 escravidão de outros povos e o constante pagamento de tributos por estas comunidades escravizadas era à base da construção da grandiosidade e força da época. A busca por novos territórios e povos era constante, e a guerra era a principal tomadora do excedente. A partir da estabilidade da expansão territorial, a forma de arrecadação por tributos tornou-se limitada. No entanto, as conquistas militares anteriores permitiram uma maior integração entre os povos, permitindo, assim, um enfoque ao progresso de atividades comerciais. Não obstante, o lucro comercial tornou-se forma de apropriação do excedente, destinado, pelo grupo de comerciantes, a inverterem a tomada do excedente, agora destinado às novas experiências mercantis. No sistema escravista, o consumo negativo dos escravos era compensado na elite (FURTADO, 1961). No século VIII, a expansão comercial-escravista da Europa foi interrompida quando sua base política foi atingida e entrou em períodos de crise. Desta forma, tanto a força militar quanto a força comercial da evolução das cidades foi interrompida, cessando, por conseguinte, sua produção e seu desenvolvimento econômico. O feudalismo permaneceu como um período de atrofiação da economia, segundo Furtado (1961), em um estado de desenvolvimento econômico menos avançado que o existente anteriormente. O período, no entanto, foi de grande consumo. As técnicas desenvolvidas nos períodos anteriores eram persistidas na classe trabalhadora, e, como a produção era basicamente de bens de consumo imediato, o consumo por parte dos senhores feudais era muito elevado. O excedente também era relativamente alto, quando relacionado à subsistência. Assim, a apropriação deste excedente, no feudalismo, era direcionada às grandes construções. O desenvolvimento pós-feudalismo ocorreu por relações exteriores. O comércio, o qual se estendia pelos países, acabou por influenciar e, gradativamente, modificar, o estado de pausa econômica do feudalismo. Pirenne (apud Furtado, 1961) mostra que a Europa recebeu o comércio externo, permitindo ao continente uma melhor utilização de seus recursos, combinadas às técnicas de produção, havendo, assim, a diversificação do consumo e formação de uma nova classe dominante junto aos senhores feudais, a burguesia. Dentro do sistema comercial que se desenvolvia na Europa, o excedente da economia rural era apropriado ao desenvolvimento das cidades. O lucro comercial era utilizado para desenvolver e aumentar a capacidade produtiva das corporações de artesões, dada a diversificação cada vez maior da estrutura, tanto da demanda quanto da oferta. No entanto, o problema da distribuição de renda, ou seja, dos preções relativos, torna-se a problemática na

12 expansão comercial e no desenvolvimento das cidades. Percebem-se, nesse momento, os conflitos perante aumentos arbitrários nos preços (FURTADO, 1961). Além disso, as cidades, internamente, com as corporações de artesãos, funcionavam com o objetivo de minimização das margens de lucro, para que não houvesse um aumento exorbitante nos preços relativos e, também, as corporações, de certa forma, tornavam a produção interna como exclusiva, não permitindo, por meio de acordos entre as oficinas, a entrada de novos comerciantes nas cidades. Externamente, o comércio funcionava com intensa relação entre os mercados, culminado pela concorrência perfeita e pelo laisserfaire. Ainda segundo Furtado (1961), esta característica liberal da expansão comercial iniciou rupturas em períodos posteriores. A abertura do comércio e a consequente intensificação da concorrência levaram os governos a proteger cada vez mais seu mercado interno, os chamados Estados nacionais, de medidas protecionistas. O mercantilismo, período econômico desta expansão, era um sistema econômico baseado na acumulação. A produção das economias, por sua vez, buscava diminuir cada vez mais seus custos de produção com maior produtividade, o que direcionou a produção das oficinas à especialização das fábricas. Assim, verifica-se, na era industrial, a inovação das técnicas produtivas para o alcance do desenvolvimento. A estrutura da produção, acumulação e distribuição da renda é dependente da capacidade produtiva do sistema econômico vigente, o fluxo real da renda é determinante na estruturação da sociedade (FURTADO, 1961). Souza (1999) admite que, no processo de industrialização e urbanização das nações, a questão da concentração de renda, é, de fato, corriqueira. As disparidades entre nações e a influência de alguns países em relação a outros fez com que as teorias que consideravam o mercado como perfeito e como gerador de renda, emprego e desenvolvimento como um todo, fossem colocadas à prova. Entre os séculos XIX e XX, houve intenso processo de inovações tecnológicas que aumentaram a produtividade, tanto da indústria, quanto da agricultura. Consequentemente, o nível de empregos também foi aumentando. No entanto, o nível de qualidade de vida da população não apresentou melhorias significativas. A partir de 1929, com a quebra da bolsa de valores de Nova York, a economia entra em crise e o crescimento é comprometido, principalmente no nível de empregos, o qual foi altamente atingido. As mazelas sociais e a grande depressão permitiram a entrada do Estado nas questões econômicas. Admitindo que, em tempos de crise, aqueles menos afortunados de renda e poderio são os que mais sofrem prejuízos, as necessidades básicas do sustento da população e a busca por um crescimento econômico sólido que reativasse a produtividade e

13 atendesse às necessidades de toda a sociedade em crise tornaram-se alvo de estudos (SOUZA, 1999). Segundo Souza (1999), a crise foi determinante para que tanto as economias internas quanto órgãos como a Organização das Nações Unidas (ONU) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) levassem em conta que investimentos em infraestrutura e tecnologias não eram suficientes para alcançar o desenvolvimento, era preciso, além, investimentos na sociedade. Com a reconstituição das principais economias mundiais, a relação entre os países desenvolvidos e subdesenvolvidos tornou-se foco das teorias imperialistas. A dependência dos países subdesenvolvidos era tomada como fator de estagnação de suas economias. A produção de bens de baixo valor agregado e a dependência ao setor externo foram considerados fatores decisivos ao subdesenvolvimento. Em contrapartida, a teoria defensora do imperialismo considerava a estagnação destes países com base na escassez de capital (SOUZA, 1999). No Brasil, em perspectiva histórica, Brum (apud Souza, 2005) mostra que o desenvolvimento pode ser classificado em fases, de acordo com a política e economia dos períodos mais significativos economicamente. Durante o período do País como colônia portuguesa, Brum (apud Souza, 2005) considera o poder econômico e político como concentrado em 2% da população. Toda a produção agropecuária e de exploração de matérias-primas era direcionado para o mercado externo. No século XX, o período é marcado pelo desenvolvimento econômico por forças estatais. Mais precisamente entre 1930 e 1964, o crescimento industrial era buscado por meio do processo de substituição de importações, ou seja, o desenvolvimento interno era o pontochave da política do governo, o qual participava ativamente da economia, como forma de recuperar o atraso que o Brasil havia sofrido nos processos de industrialização e crescimento econômico, quando comparado a outros países (BRUM, apud SOUZA, 2005). Souza (1999) admite que, na América Latina, as décadas de 1940 e 1950 foram determinantes para o estudo do desenvolvimento econômico, pela Cepal. O ideário de que a divisão internacional do trabalho vigente, em que cada país deveria especializar-se na produção em que houvesse vantagem comparativa, era injusta aos países de produção de bens de baixo valor agregado, e foi tomada como base de estudos da estagnação dos países pobres. O Brasil não detinha infraestrutura necessária à expansão, além de sua produção ser insuficiente. A forma de financiamento da industrialização maciça ocorreu por meio da

14 emissão excessiva de moeda e empréstimos no exterior. A dívida externa torna-se preocupante, a inflação aumenta, colocando a política keynesiana aplicada em crise (BRUM, apud SOUZA, 2005). No período do milagre econômico, ocorrido pós-golpe militar de 1964, a política econômica era um grande oposto à política anterior. Empresas de grande porte recebiam maior incentivo do governo em relação às menores, permanecendo a dominação e a dificuldade de ascensão no campo econômico industrial interno, além da desigualdade social, que se tornou mais forte, graças ao elitismo culminado no período (BRUM, apud SOUZA, 2005). Neste sentido, a entrada de capital estrangeiro, por multinacionais, permitiu a culminação do papel assistencialista do governo. O milagre econômico, em verdade, não foi perdurado, permanecendo a crise, além do conhecido período de exorbitantes taxas de inflação observadas nos anos Segundo Brum (apud SOUZA, 2005), no período de poderio militar, houve piora significativa na qualidade de vida da população. Nesse contexto de crise e buscando combater a inflação, ocorreram políticas governamentais no país, mediante acordos de natureza interessante ao setor externo de crédito. Neste período, a aceitação do chamado neoliberalismo permitiu a entrada cada vez maior e dependência da economia interna às variações e políticas do setor externo. Estas políticas movimentaram, por meio da estabilização dos preços, um crescimento econômico baseado no setor privado. O desenvolvimento, portanto, permanece à luz de políticas governamentais, que estão cada vez mais dependentes do setor privado e este setor do setor externo. 2.2 Conceitos de crescimento e desenvolvimento Sachs (apud OLIVEIRA, 2006) denota que o crescimento econômico, sem desenvolvimento, é comum. Na verdade, o cenário econômico atual é moldado a partir da dicotomia entre progresso e desigualdades sociais. Somente tem acesso ao progresso uma minoria empreendedora, enquanto a maioria populacional não participa dos ganhos desta evolução. Considerando a denotação, os indicadores sociais, medidores de qualidade de vida e distribuição de renda, tornam-se muito úteis para a avaliação do contraste de desenvolvimento- crescimento. Souza (1999) caracteriza o crescimento e desenvolvimento com base nas teorias econômicas mais importantes. A Teoria Clássica considera o desenvolvimento como qualificação do processo produtivo. O capitalismo, em termos de produção e progresso

15 técnico, gera acumulação de capital, aumentando as expectativas de qualidade de vida da população. O mercado como regulável, a produção utilizando mão de obra, distribuindo salários e atribuindo valores às mercadorias, gerava uma produção e uma riqueza cada vez mais suficiente. Já para Schumpeter ( ), assinala Souza (1999), há diferenciação entre crescimento e desenvolvimento. No crescimento, as variáveis econômicas eram modificadas dependendo de sua relação com a expansão demográfica. No desenvolvimento, há o chamado lucro extraordinário advindo das inovações tecnológicas. Este lucro extraordinário, obtido por crédito, era a variável determinante do desenvolvimento. Na teoria Marxista, os conflitos de classes são cruciais para a afirmação do desenvolvimento, dadas as contradições entre capitalistas e trabalhadores. Autores brasileiros, membros da Cepal, são ligados a esta corrente, e atribuem o desenvolvimento a modificações estruturais na economia, política, sociedade e instituições, em conjunto (SOUZA, 1999). Estas modificações devem acompanhar o crescimento econômico, sendo este contínuo e superior às taxas de crescimento demográfico. A longo prazo é gerada maior força à economia nacional, ampliação da economia de mercado e produtividade. Consequentemente há uma maior participação do mercado interno no cenário econômico mundial e, dadas as transformações em escala social e econômica, há elevação do padrão de vida populacional e aumento dos níveis de salário e renda. No entanto, o desenvolvimento deve abranger à distribuição de renda e produto à população, em termos de produtividade e qualidade de vida (SOUZA, 1999). Em ótica Keynesiana, os investimentos líquidos eram responsáveis pelo aumento da renda e do emprego, que permite o crescimento e estimula o desenvolvimento. Furtado (1961), define que a teoria Keynesiana do equilíbrio econômico, no curto prazo, atribui às inversões um caráter gerador de renda. A limitação é dada de forma que as inversões não somente são determinantes de renda, mas também criadores de capacidade produtiva. Assim, o equilíbrio de renda somente seria alcançado com crescimento do nível de renda igual ao crescimento da capacidade produtiva. Milone (1998) caracteriza o desenvolvimento como uma resultante do histórico da variação positiva de seu crescimento. Scatolin (1989) considera que o crescimento econômico é ineficiente à sua população, e deve ser maior que o crescimento populacional. Além disso, o crescimento econômico continuo é importante, pois permite que chegue a toda população. Feijó (2007), em estudo à teoria de Solow (1950), mostra o crescimento econômico como possível por meio do estoque de capital. É preciso que o capital presente seja suficiente

16 para suprir as perdas e a depreciação da produção anterior. Dada a característica decrescente do crescimento marginal, este aumento do estoque de capital é dado pelo investimento e redução nas taxas de crescimento populacional, para que as taxas de crescimento per capita não se tornem constantes em consequência o crescimento da população ao longo dos anos. Entendidos os diferentes níveis de produto e as características sociais e de renda das diferentes populações, os países de população de maioria pobre e classe média, tendo simplesmente aumento do investimento por meio do acúmulo de poupança (advindo da teoria Keynesiana de que poupança é igual a investimento), não os levará ao crescimento sustentável. Tanto a população pobre como a média e alta são poupadoras, seja por forma de ativos financeiros ou não. A problemática está no baixo incentivo e mecanismos ineficientes da captação de poupança pelo governo. É necessário atentar-se a estas promoções à poupança, para que haja maior poupança, e, consequentemente, maior investimento (FEIJÓ, 2007). Além do incentivo, a teoria defende a conscientização da importância de poupar recursos, nas populações. Esta característica, somada à diminuição nas taxas de crescimento populacional e ao avanço tecnológico, que permite uma acumulação per capita de capital maior que o crescimento da população, é importante, mas não suficiente. A teoria de Solow foi complementada por novos estudos, nos anos Destaca-se que, além das inovações tecnológicas, é necessário que o capital humano seja qualificado, inserindo o trabalhador na assimilação tecnológica, somado, ainda, a uma infraestrutura institucional estável. Em relação ao desenvolvimento, Feijó (2007), qualifica o foco do desenvolvimento como por meio da busca de um processo democrático pleno, em termos sociais, e políticas determinantes para o patamar. Desta forma, uma dualidade de benefícios pode ser alcançada: tanto para o aumento da gama de oportunidades de ascensão social à população, quanto para a maior participação ativa da sociedade na riqueza do país. 2.3 A crítica do subdesenvolvimento Segundo Furtado (apud SOUZA, 2005), os países subdesenvolvidos são aqueles que não conseguem uma variação própria da forma de produção, ou seja, nas técnicas de produção, ou, ainda, quando o mercado externo toma maior parte na produção quando comparada ao mercado externo. No caso do Brasil, a presença do capital externo compete diretamente com o mercado interno e o saldo de poupança atenta-se a estar relativamente baixo, desta forma, não há grandes níveis de desenvolvimento (FURTADO, 1961). Cardoso e Faleto (apud SOUZA,

17 2005) complementam, mostrando que, além destas falhas no sistema produtivo, os países subdesenvolvidos ainda são subordinados às relações exteriores. Claramente, as características sociais da população são determinantes na sua adequação em crescimento e desenvolvimento. Souza (2005) mostra que o capital físico é escasso, o capital humano é pouco especializado, afetado pelo desemprego em grandes níveis e baixos níveis de educação, além da relação desvantagem que os países subdesenvolvidos têm em relação ao comércio com os países desenvolvidos. Em aspectos nacionais, a desigualdade de renda é presente, como pode ser observado, por exemplo, na formação de grandes centros industriais, em contraste com regiões sem qualquer nível tecnológico. Souza (1999) admite-o como uma insuficiência de crescimento econômico ao crescimento populacional. As economias subdesenvolvidas podem caracterizar-se pelas formas pré-capitalistas de produção ou, ainda, pela extremidade de se observar, em um mesmo país, regiões de estrutura produtiva desenvolvida e regiões onde persistem formas précapitalistas de produção. Nas economias de caráter dualístico, a renda produtiva acaba por concentrar-se nas regiões de maior poderio econômico, causando desigualdade entre as regiões. O baixo nível de empregos no setor privado causa a necessidade de formação de empregos pelo setor público, o que aumenta seu défcit. Esta situação, combinada a pagamentos de dívida interna e externa pública, e à dependência econômica maciça interna aos países desenvolvidos não permite o investimento público em estruturas produtivas, tampouco em estruturas de melhorias de bem-estar social. O abandono social faz crescer as mazelas sociais e a estagnação da economia como um todo (SOUZA, 1999). 3. Justificativa Considerando o estudo das características de Minas Gerais, e partindo do pressuposto da relação intrínseca existente entre os aspectos econômicos, de produção e renda, e as características físicas, políticas e sociais do Estado, faz-se necessária uma análise aprofundada desta base de estudos. Assim, será possível atribuir o caráter de desenvolvido, ou não, ao Estado e, além disso, relacionar o seu nível de importância econômica no País. 4. Objetivos 4.1 Objetivo geral

18 O objetivo geral do presente estudo é a análise de crescimento e desenvolvimento econômico de Minas Gerais, entre 2000 e Para cumprir esse objetivo, mensurou-se o crescimento com base em dados de produto agregado. Em seguida, no intuito de caracterizar o desenvolvimento do Estado, foi analisada a relação existente entre a renda produzida e os consequentes benefícios recebidos pela população, por meio de indicadores qualitativos. No caso da pesquisa aqui apresentada, a análise qualitativa da renda, infraestrutura, educação e saúde foi o foco do debate sobre o crescimento e desenvolvimento, segundo diversas teorias, que se diferenciam entre autores. Em perspectiva histórica, buscou-se remeter ao início da importância dada aos estudos econômicos de renda e aos estudos sobre a sociedade, relacionando as duas esferas como conjuntas. 4.2 Objetivos específicos a) Discussão, em perspectiva histórica, da evolução dos conceitos de crescimento e desenvolvimento econômico; b) Mensuração do nível de atividade econômica para o período entre os anos 2000 e 2010; c) Medição da qualidade de vida da região em função de indicadores tanto de produto (PIB, PIB per capita) quanto de qualidade de vida da população (IDH, mortalidade infantil, esperança de vida ao nascer, taxa de analfabetismo, taxa de desemprego, índice de Gini e taxa de fecundidade); d) Moldagem de um paralelo entre o processo de crescimento e desenvolvimento econômico para o Estado. 5. Metodologia Considerando que o crescimento econômico é analisado pela variação da renda per capita e o desenvolvimento econômico por meio de índices de bem-estar social, a pesquisa em questão busca a análise de dados perante tal fundamento, mediante indicadores expostos na sequencia. 5.1 Índices de Crescimento Econômico Produto Interno Bruto (PIB) Em relação às análises de crescimento econômico, o produto agregado, ou PIB, demonstra o quanto de renda é gerada, durante certo período, por região. De acordo com a

19 análise do produto agregado, em 2005, o Brasil era apontado como a 11ª economia do mundo, com um PIB de valor 966,83 (PAULANI, 2007). Segundo Vasconcellos (2008, p.214), é a renda devida à produção dentro dos limites territoriais do país. Como medida de crescimento, realiza a medição do nível de atividade econômica de uma região, durante um período determinado, a partir da análise do produto agregado. Para a seguinte pesquisa foram coletadas informações acerca do PIB no Departamento de Informática do SUS (DATASUS, 2013), para os anos de 2000 a 2009, de Minas Gerais, a preços correntes. A partir dos resultados coletados, foram calculados os valores de PIB a preços constantes, a partir dos deflatores do PIB, tomando como ano-base o ano 2000, encontrados no site do Conselho Regional de Economia - 1ª Região (CORECON-RJ, 2012). Diante dos resultados calculados, realizou-se a formulação gráfica comparativa entre os valores de PIB corrente e constante do Estado Produto Interno Bruto per capita O PIB per capita relaciona o produto agregado ao tamanho da população. Segundo a RIPSA (2008, p.96): Caracteriza-se pelo valor médio agregado por indivíduo, em moeda corrente e a preços de mercado, dos bens e serviços finais produzidos em determinado espaço geográfico, no ano considerado. O PIB per capita é calculado por meio da relação entre o PIB calculado no ano em questão e sua população, sendo a população utilizada àquela contabilizada no meio do ano, ou seja, em 30 de julho (FEIJÓ, RAMOS, 2003, p.20). Apesar de seu caráter democrático, o PIB não atende às necessidades da variação do desenvolvimento econômico, pois distribui igualmente a renda de um país por seus habitantes, quando, na verdade, a distribuição de renda não é homogênea. Para Minas Gerais e Brasil, foram utilizados os resultados do PIB a preços correntes. O contingente populacional entre 2000 e 2010 foi coletado no site do Departamento de Informática do SUS (DATASUS, 2013), possibilitando, assim, a realização do cálculo Índices de Desenvolvimento Econômico Variáveis de bem estar relacionadas à saúde 1 Para informações adicionais sobre PIB per capita, ver Anexo 1.

20 Taxa de Mortalidade Infantil A taxa de mortalidade infantil indica o risco que um nascido vivo tem de falecer antes de completar um ano de idade, dado que medem o número de óbitos ocorridos em indivíduos de idade de zero a um ano, por mil nascidos vivos, em uma determinada população de uma região, em um ano considerado. Valores como 50 óbitos, por mil habitantes, são considerados altos, enquanto de 20 a 49 e menos de 20 óbitos por habitantes são, respectivamente, valores medianos e baixos (RIPSA, 2008). É estimado pelo Ministério da Saúde, pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), e Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc). Em análise mais ampliada, a Taxa de Mortalidade Infantil espelha as condições do sistema de saúde, de dada região, em relação ao nível de acesso e meios de cuidados para com a população infantil e materna, além de seu desenvolvimento socioeconômico e estrutura disponível. (RIPSA, 2008). A Taxa Bruta de Mortalidade (TBM) corresponde ao quociente entre o total de óbitos em um ano determinado e a população total residente em um ano determinado, ou seja, descreve o risco de morte da população geral, no decorrer dos anos. Não é considerado um bom indicador, dado que sofre a influência da estrutura etária. Duas populações que têm a mesma TEM podem indicar TBMs de valores diferentes, por conta das diferenças encontradas em suas distribuições etárias (CARVALHO, 1998). Como, na pesquisa, calculou-se a Taxa de Mortalidade Infantil separadamente para o sexo masculino e feminino, foram coletados, primeiramente, dados populacionais, no Departamento de Informática do SUS (DATASUS, 2013), e divididos em faixas etárias quinquenais, de onde foi selecionada a faixa de população de zero a um ano, para ambos os sexos. A estimativa da cobertura dos óbitos na microrregião sul de saúde de Minas Gerais pode ser considerada excelente (Lima et al, 2012). Após, foram coletados dados de óbito, na mesma base de dados (DATASUS, 2013), de 1999 a 2010, e divididos em faixas etárias quinquenais. Foram realizadas médias dos óbitos, a cada três anos (1999, 2000, 2001; 2000, 2001, 2002; assim sucessivamente até 2009, 2010), a fim de evitar a flutuação decorrente dos pequenos números.

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

GABARITO ECONOMIA - PEN

GABARITO ECONOMIA - PEN GABARITO ECONOMIA - PEN CAPITULO 1 A ESSENCIA DO PROBLEMA ECONOMICO Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira as condições de vida em uma

Leia mais

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31 CORREÇÃO TAREFAS Aulas 1 4 Pág. 24-31 Paginas 24 e 25 1. a) População absoluta é a população total de um determinado local. b) População relativa é a densidade demográfica, ou seja, média de habitantes

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Econômico

Crescimento e Desenvolvimento Econômico FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Crescimento e Desenvolvimento Econômico Prof. Tiarajú A. de Freitas Bem-vindo! É com grande

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 BOTELHO, Nayara Thyelly Rodrigues Maia 1 OLIVEIRA, Cinthya Rodrigues 2 RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

2. DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO: UMA REVISÃO

2. DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO: UMA REVISÃO CARACTERÍSTICAS DO INDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: COMPARATIVO ENTRE CASCAVEL E FOZ DO IGUAÇU Área: ECONOMIA Leila Fernanda Pedron UNIOESTE lfpedron@hotmail.com Marcia Rudy

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE 1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE INDICADORES DE DESNUTRIÇÃO Peso e altura são duas das principais características antropométricas sensíveis às condições de vida e nutrição de crianças e adolescentes

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25 Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM Assessoria Técnica da Superintendência População, PIB, Emprego e Renda no Estado do Acre: Evolução no Período 2000 a 2013. Dr. Paulo Roberto Correia

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010 CAPA Dreamstime 18 Desenvolvimento março/abril de 2010 Como nossos pais? Bruno De Vizia de Brasília Mudança no perfil etário da população, crescimento econômico e melhor acesso à educação ressaltam importância

Leia mais

Histórico. Com o final da Segunda Guerra Mundial, tem. sofre um freio em seu crescimento global. O final da Velha Ordem Mundial entre os anos

Histórico. Com o final da Segunda Guerra Mundial, tem. sofre um freio em seu crescimento global. O final da Velha Ordem Mundial entre os anos Histórico As iniciadas no século XV, são consideradas como o marco inicial da (capitalismo comercial). O fenômeno segue crescendo com o período do Neocolonialismo europeu na Ásia e na África. Paralelamente

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DOS PAÍSES INTEGRANTES DO BRICS - BRASIL, RÚSSIA, ÍNDIA, CHINA E AFRICA DO SUL

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DOS PAÍSES INTEGRANTES DO BRICS - BRASIL, RÚSSIA, ÍNDIA, CHINA E AFRICA DO SUL INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DOS PAÍSES INTEGRANTES DO BRICS - BRASIL, RÚSSIA, ÍNDIA, CHINA E AFRICA DO SUL Udo Strassburg 1 Rogério Cardoso de Souza 2 Paulo Henrique de Cezaro Eberhardt 3 Resumo: O objetivo

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico Estatísticas da CPLP 23-21 12 de julho de 213 Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico A população residente no conjunto dos oito países 1 da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Patrine Soares Santos Ciências Econômicas Centro de Economia, Administração patrinedetaio@hotmail.com Nelly Maria Sansígolo

Leia mais

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 7º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da Recuperação Industrialização Urbanização População 1- A função urbana de uma cidade diz respeito

Leia mais

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(3). Edição 38 Aline da Silva Oliveira 1 Cristiana Maria de Sousa Macedo 1 Mércia da Silva Sousa 1 Márcia Andrea Lial Sertão

Leia mais

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM 1.00.00.00-3 CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.02.00.00-2 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM AUTOR: GABRIEL LOPES DOS SANTOS FILIAÇÃO: CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

2012 3ª PROVA PARCIAL (QUESTÕES FECHADAS) DE CIÊNCIAS E GEOGRAFIA

2012 3ª PROVA PARCIAL (QUESTÕES FECHADAS) DE CIÊNCIAS E GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 3ª PROVA PARCIAL (QUESTÕES FECHADAS) DE CIÊNCIAS E GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 27/11/2012 Nota: Professoras: Karina e Edvaldo Valor da Prova:

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade 2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há cerca de cinquenta anos estimava-se a população em cerca

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2060 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 Agosto de 2013 1 Presidenta da República

Leia mais

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050 Introdução: O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há quarenta anos estimava-se a população em cerca de 3000 milhões de pessoas. Daí em diante

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE Unidade III Cidadania e movimento. 2 Aula 14.2 Conteúdos Outros elementos medidos pelo IDH. Comentários sobre o IDH de 2011. 3 Habilidade

Leia mais

José Eustáquio Diniz Alves 1

José Eustáquio Diniz Alves 1 China e Índia: população, economia e desenvolvimento humano José Eustáquio Diniz Alves 1 A Chína e a Índia são os dois países mais populosos do mundo e que também já foram, antes de 182, os dois países

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL Eixo temático: Indicadores Sociais 1 Variável: IDESE O Idese (Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico) é um índice sintético, inspirado

Leia mais

Diagnóstico da Educação Municipal

Diagnóstico da Educação Municipal Diagnóstico da Educação Municipal Oneide Ferraz Alves Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Temas 1º dia Planejamento Planejamento Educacional Plano Anual de Educação Diagnóstico da Educação no

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: uma Análise de Indicadores de Educação e Rendimento no Brasil

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: uma Análise de Indicadores de Educação e Rendimento no Brasil Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: uma Análise de Indicadores de Educação e Rendimento no Brasil Adriana Stankiewicz Juliana Ortigara INTRODUÇÃO A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013. Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013

Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013. Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013 Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013 Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam

Leia mais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais Artig tigo 4º_ página 67 A mortalidade por VIH/SIDA em Portugal: alterações da estrutura etária Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Edson Ronaldo Nascimento

PRINCÍPIOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Edson Ronaldo Nascimento PRINCÍPIOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Edson Ronaldo Nascimento Brasília Julho de 2006 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. A Economia Solidária... 4 2.1 Indicadores Sociais...5 2.2. Critérios de Avaliação do IDH...6

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009 Pedro H. G. Ferreira de Souza Renda domiciliar per capita (R$ setembro/2009) 700 600 500 400 521 1995 2003: 1% a.a. 2003 2009: +4.8% a.a 637 300 200 100 0 1995

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção Índice de Gini e IDH Prof. Antonio Carlos Assumpção Redução da pobreza e Desigualdade de Renda Redução da pobreza e Desigualdade de Renda A partir da estabilização da economia, em 1994, houve no Brasil

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2007 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: Conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

V NOÇÕES DE MACROECONOMIA

V NOÇÕES DE MACROECONOMIA V NOÇÕES DE MACROECONOMIA 1. Introdução A Macroeconomia estuda a economia como um todo, analisando a determinação e o comportamento de grandes agregados, tais como: renda e produto nacionais, nível geral

Leia mais

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA de Andrade Lima, Ana Elizabeth; Pinheiro Rodrigues, Cristina; da Fonseca Santa Cruz,

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. Cleber Yutaka Osaku 1 ; Alexandre de Souza Correa 2. UFGD/FACE - Caixa Postal - 364 - Dourados/MS,

Leia mais

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária *

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Olga Collinet Heredia UNISINOS Palavras chaves: estrutura etária, população ativa, envelhecimento. INTRODUÇÃO Modificações na dinâmica demográfica

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Sugestão de Atividades Geografia 8º ano Unidade 1

Sugestão de Atividades Geografia 8º ano Unidade 1 1. Complete a cruzadinha: I - C II - A III - P IV - I V - T VI - A VII - L VIII I IX - S X - M XI - O I. A lei da oferta e da procura é que determina os valores das mercadorias, pois o sistema capitalista

Leia mais