UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DE ASUNCIÓN FACULDAD DE CIENCIAS HUMANÍSTICAS DE LA COMUNICACIÓN MAESTRÍA EN CIENCIAS DEL MOVIMIENTO HUMANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DE ASUNCIÓN FACULDAD DE CIENCIAS HUMANÍSTICAS DE LA COMUNICACIÓN MAESTRÍA EN CIENCIAS DEL MOVIMIENTO HUMANO"

Transcrição

1 UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DE ASUNCIÓN FACULDAD DE CIENCIAS HUMANÍSTICAS Y DE LA COMUNICACIÓN MAESTRÍA EN CIENCIAS DEL MOVIMIENTO HUMANO O IMPACTO DE UM PROJETO SÓCIO ESPORTIVO NA COMUNIDADE DA VILA KENNEDY Tibério Costa José Machado Asunción - Paraguay 2012

2 FICHA CATALOGRÁFICA Machado, Tibério Costa José O IMPACTO DE UM PROJETO SÓCIO ESPORTIVO NA COMUNIDADE DA VILA KENNEDY. Tibério Costa José Machado / 116 páginas. Orientador: Prof. Dr. Angelo Vargas Disertación Académica en Ciencia del Movimiento Humano (Maestría) UAA 2012.

3 SUMÁRIO v RESUMO... xiv RESUMEN... xv LISTA DE TABELAS... viii LISTA DE GRÁFICOS... x LISTA DE FIGURAS... xi LISTA DE FÓRMULAS... xii LISTA DE ANEXOS... xiii INTRODUÇÃO Definição de Termos Objetivos do Estudo Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa do Estudo Relevância do Estudo REVISÃO DE LITERATURA Esporte Projeto Sócio Esportivo Vila Kennedy e Vila Olímpica Ary Carvalho Evasão Escolar Detecção e Encaminhamento de Atletas Integração entre Comunidades Inclusão Social Comportamento Humano Enquadramento na Ciência da Motricidade Humana... 44

4 3 METODOLOGIA E ESTRATÉGIA DE AÇÃO Método Seleção dos Sujeitos Técnica de Amostragem Amostra Critérios de Inclusão Critérios de Exclusão Ética da Pesquisa Instrumento Protocolo para Coleta Tratamento Estatístico RESULTADOS Resultados do Contexto Indicadores Comportamentais Relacionamento Interpessoal Gestualidade: manifestações corporais Uso de Linguagem Específica Reação de Impulsividade ou Agressão Física Ausência de Cooperação Resultados do Questionário Outros Resultados das Observações DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS vi

5 vii 8 AGRADECIMENTOS ANEXOS APÊNDICE

6 LISTA DE TABELAS viii Tabela Nº 1 Frequência escolar na Região Sudeste Tabela Nº 2 Frequência escolar e situação de ocupação na semana de realização da pesquisa Tabela Nº 3 Principais motivos encontrados para afastamento da instituição escolar Tabela Nº 4 Pesquisa Social de Vargas Indicadores Comportamentais Observados Tabela Nº 5 Apresentação da distribuição de frequência e dos valores percentuais pertinentes a Abrangência Sócio Esportiva Tabela Nº 6 Representação da distribuição de frequência e dos valores percentuais às opções pertinentes a estrutura familiar Tabela Nº 7 Apresentação da distribuição de frequência e dos valores percentuais relativos à frequência escolar Tabela Nº 8 Apresentação da distribuição de frequência e dos valores percentuais referentes a participação competitiva em representatividade a Vila Olímpica Ary Carvalho Tabela Nº 9 Apresentação da distribuição de frequência e dos valores percentuais relativos aos participantes com vivência esportiva competitiva que possuem vínculo com Federações, Associações ou Clubes Esportivos Tabela Nº 10 Apresentação da distribuição de frequência e dos valores percentuais relativos aos participantes que utilizam as atividades com vista à assistência social Tabela Nº 11 Apresentação da distribuição de frequência e dos valores percentuais relativos ao cotidiano dos participantes Tabela Nº 12 Apresentação da distribuição de frequência e dos valores percentuais relativos ao contato ou consumo de substâncias ilícitas... 73

7 ix Tabela Nº 13 Apresentação da distribuição de frequência e dos valores percentuais relativos a contribuição do Projeto Sócio Esportivo para a Comunidade da Vila Kennedy e demais localidades da região... 74

8 LISTA DE GRÁFICOS x Gráfico Nº 1 Representação gráfica relativa a distribuição de frequência e os valores percentuais referentes as características sócioeducacionais Gráfico Nº 2 Representação gráfica da distribuição de frequência e valores percentuais entre os indicadores motivacionais para ingresso no projeto Gráfico Nº 3 Representação gráfica da distribuição de frequência e dos valores percentuais relativos a preferência esportiva Gráfico Nº 4 Representação gráfica da distribuição de frequência e dos valores percentuais relativos a frequência semanal dos participantes Gráfico Nº 5: Representação gráfica da distribuição de frequência e dos valores percentuais relativos ao meios de locomoção predominante Gráfico Nº 6 Representação Gráfica da distribuição de Frequência e dos valores percentuais relativos ao reconhecimento de alterações realizadas pelo Projeto sócio esportivo na vida dos participantes... 73

9 LISTA DE FIGURAS xi Figura Nº 1 Representação gráfica das instalações de uma Vila Olímpica Figura Nº 2 Obrigatoriedades e metas do Projeto Sócio Esportivo Figura Nº 3 Disposição gráfica da comunidade da Vila Kennedy e as subdivisões componentes da região Figura Nº 4 Disposição gráfica da Abrangência Esportiva na comunidade da Vila Kennedy e as subdivisões componentes da região Figura Nº 5 Disposição gráfica da região da comunidade da Vila Kennedy e efeito promovido pela Avenida Brasil... 62

10 xii LISTA DE FÓRMULAS Fórmula Nº 1 Cálculo do tamanho aproximado da amostra Fórmula Nº 2 Cálculo da Amostra... 50

11 LISTA DE ANEXOS xiii ANEXO Nº 1 Termo de Consentimento Livre e Esclarecido ANEXO Nº 2 Autorização do Comitê de Ética ANEXO Nº 3 Questionário ANEXO Nº 4 Autorização para realização de Pesquisa ANEXO Nº 5 Autorização para realização de Pesquisa

12 O Impacto de um Projeto Sócio Esportivo na Comunidade da Vila Kennedy xiv RESUMO O estudo objetivou investigar o impacto decorrente da participação no Projeto Sócio Esportivo, Vila Olímpica Ary Carvalho no cotidiano dos sujeitos e na comunidade da Vila Kennedy. Em igualdade com outras comunidades carentes da cidade do Rio de Janeiro, a enunciada região, apresentou um cenário intrigante, quando o tema refere-se aos problemas sociais, que promovem como vítimas prioritárias o público jovem, já que são substancialmente vulneráveis. O estudo compreendeu três fases distintas com utilização de diferentes abordagens metodológicas. Na primeira fase, objetivou-se a compreensão do funcionamento do projeto e das peculiaridades da região, utilizando como recurso metodológico a Pesquisa Observacional Participante. Na segunda fase, onde se objetivou investigar os Indicadores Comportamentais, pautados na Pesquisa Social desenvolvida por Vargas (2002), optou-se pela utilização da Pesquisa Observacional Não Participante. Já terceira fase, foi utilizada a abordagem metodológica denominada Estudo de Caso. O instrumento empregado constitui-se de um questionário semi-estruturado, formado por dezessete perguntas, que objetivaram analisar o Projeto Sócio Esportivo, através das respostas oriundas das 306 (trezentos e seis) crianças de ambos os sexos que compreenderam a amostra. No que concerne ao tratamento dos achados, optou-se pela Estatística Descritiva e o método escolhido foi a Distribuição de Frequência. Os resultados provenientes da análise comportamental e sobre o impacto do projeto na visão dos sujeitos, permitem inferir que ocorre influência positiva, mormente no comportamento e para comunidade da Vila Kennedy. Além disso, foram constatadas atividades sem a ligação esportiva e que objetivam benefícios sociais. Desta forma, tornou-se possível depreender que iniciativas desta natureza devem ser fomentadas, sobretudo quando voltadas para o atendimento do público carente. PALAVRAS-CHAVE: Pobreza; Problemas Sociais; Criança; Políticas Públicas; Esportes.

13 O Impacto de um Projeto Sócio Esportivo na Comunidade da Vila Kennedy xv RESUMEN El objetivo del estudio fue investigar el impacto causado por el Proyecto Social y Deportes, Villa Olímpica de Ary Carvalho en la comunidad de Vila Kennedy y en la vida de sus participantes. Igualmente con otras comunidades pobres en la ciudad de Río de Janeiro, la región ha establecido un escenario intrigante cuando la cuestión se relaciona con los problemas sociales que promueven a los niños como principales víctimas, porque son más vulnerables. El estudio se dividió en tres fases distintas, con el uso de diferentes enfoques metodológicos. La primera fase tuvo como objetivo comprender el escenario de la región y fue empleado como enfoque metodológico la Investigación Observación Participante. En la segunda fase, donde el objetivo fue investigar los indicadores de comportamiento, basado en la Investigación Social de Vargas, se optó por utilizar la Investigación Observacional No- Participante. En la tercera fase, se optó por un enfoque metodológico llamado Estudio de Caso. Como instrumento fue empleado un cuestionario semi-estructurado con diecisiete preguntas que tenía como finalidad evaluar el Proyecto Social y Deportes a través de la respuestas procedentes de 306 (trescientos seis) niños de ambos sexos, que constituyeron la muestra. En cuanto a las estadísticas, se optó por la estadística descriptiva y el método elegido es la distribución de frecuencias. Los resultados de los análisis del comportamiento y el impacto del proyecto sobre la muestra nos permiten inferir que este proyecto tiene una influencia positiva, especialmente en el comportamiento y en la comunidad de Vila Kennedy. Además, se constató la presencia de actividades sin estar ligado al deporte y que tienen como finalidad mejorar las condiciones sociales. Llegamos a la conclusión de que estas iniciativas deben impulsarse, especialmente cuando se dirige a ayudar a la población pobre. Palabras Claves: Pobreza; Problemas Sociales; Niño; Políticas Públicas; Deportes.

14 O Impacto de um Projeto INTRODUÇÃO O bairro de Bangu na cidade do Rio de Janeiro é um dos bairros mais populosos, com população estimada em aproximadamente habitantes, distribuídos em uma área de 4.570,69 hectares. Pertencente a Zona Oeste da Cidade do Rio de Janeiro, o referido bairro compreende uma significativa extensão, apresentando subdivisões em sua composição que recebem o nome de sub-bairros, como Rio da Prata, Catiri, Jardim Bangu, Vila Aliança, Vila Kennedy, entre outras localidades 1. Todavia, este bairro caracterizou-se pelo baixo poder econômico do público residente, ocupando 96ª posição na classificação do Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 2, com um valor considerado baixo, no entanto quando comparado com outras regiões da cidade, tornou-se possível compreender que esta diferença remete a necessidade de ações públicas, com finalidade de promover melhorias no desenvolvimento. Os sub-bairros são localidades menores que integram o bairro de Bangu e outros bairros da cidade do Rio de Janeiro, sendo alguns criados por iniciativas do Poder Público, como no caso da comunidade da Vila Kennedy, que foi criada durante o mandato de Carlos Lacerda, Governador do Estado do Rio de Janeiro, através do Decreto de Lei Estadual de dezembro de 1964, pela Companhia de Habitação do Estado COHAB, em decorrência de uma política de realocação populacional que promoveu a desocupação de regiões da cidade onde na atualidade temos a Universidade Estadual do Rio de Janeiro UERJ e antes era a Favela do Esqueleto no bairro do Maracanã, do Morro do Pasmado em Copacabana, da Favela da Praia do Pinto na Lagoa e de algumas áreas do bairro de Ramos, Brás de Pina e Vila Proletária da Penha 3. Importa ressaltar que no decorrer das visitas a comunidade da Vila Kennedy, a referida versão histórica foi contada por diversos moradores que presenciaram o surgimento e o desenvolvimento da localidade, permanecendo até os dias atuais.

15 O Impacto de um Projeto... 2 Entretanto, com o passar dos anos e o gradual crescimento da cidade do Rio de Janeiro, a região apresentou aumento de sua extensão de maneira não planejada. Como resultado esta localidade exprimiu alterações, como início do processo de favelização e aumento descontrolado de problemas como a violência e a exclusão social, que pode ser compreendida como a exclusão do indivíduo do seio da sociedade 4. No caso específico da violência, a mesma atingiu com maior incidência o público jovem, que apresentou como característica a maior exposição às situações consideradas de risco social 5,6,7,8. De acordo com dados da Organização das Nações Unidas para a Educação e a Cultura UNESCO no ano de 2004, a média de crescimento deste problema foi sempre superior entre as camadas mais jovens da população, apresentando maior frequência de acontecimento 9. No estudo, restringiu-se a investigação com crianças, que de acordo com o Artigo 2º do Estatuto da Criança e do Adolescente ECA de 1990, com base em critérios pediátricos pode ser definida como indivíduo com até os doze anos de idade 10. Em concordância com o filósofo e sociólogo Karl Mannheim, investimentos deverão ser realizados com a finalidade de proteger as crianças. Com base no postulado filosófico apresentado por Karl Mannheim: O que se faz agora com as crianças é o que elas farão depois com a sociedade 11. Em decorrência das enunciadas situações, os governantes brasileiros buscaram medidas para amenizar, atenuar e estancar este problema instaurado e crescente na sociedade contemporânea, preenchendo o tempo livre destes jovens e diminuindo assim a probabilidade de contato com situações caracterizadas como de risco social 12, 13,14. Uma dentre as medidas empregadas e com significativa notoriedade é a utilização do esporte como estratégia de transformação e emancipação social, que é oferecido no universo dos Projetos Sócio Esportivos 15,16, que foram definidos como projetos sociais que utilizaram o esporte como estratégia para afastar os jovens de comunidades carentes do contato com a criminalidade, consumo de drogas e a violência prioritariamente 17,18.

16 O Impacto de um Projeto... 3 No caso extraordinário da comunidade da Vila Kennedy, que é uma localidade carente e sofre com todos os problemas enunciados, classificada por especialistas em segurança pública como uma região de mancha criminal, que são áreas onde existem incidência e participação ativa da criminalidade 19,20, temos como Projeto Sócio Esportivo, a Vila Olímpica Ary Carvalho, que objetivou através da oferta esportiva, afastar seus participantes de situações caracterizadas como de risco social como a violência, a criminalidade e o consumo de drogas, através dos princípios e da potencialidade do esporte 17,18,21. Diante de tudo que foi relatado surgiu o seguinte questionamento: será que independente do poder do esporte, a Vila Olímpica Ary Carvalho consegue atender seus objetivos, ou seja, ela realmente cumpre o papel que lhe foi designado? Este estudo está inserido na linha da atividade motora relacionada à saúde e ao desempenho físico do Programa de Pós-graduação em Ciência do Movimento Humano da Universidad Autónoma de Asunción Paraguay. 1.1 Definição de Termos Mancha Criminal Localidades de uma determinada região, que possuem grande incidência de crimes ou atuações criminosas 22. Comunidade Expressão defensiva criada para nomear as antigas áreas conhecidas como favelas, porém de uma forma não agressiva ou pejorativa, dando ênfase a vivência coletiva, ciclo de amizades, respeito e criação de uma identidade 23. Complexo São várias comunidades (favelas) carentes juntas, como se fossem vários bairros distintos, uma quase cidade informal 24.

17 O Impacto de um Projeto... 4 Marginalidade Condição, qualidade ou caráter do que ou de quem é marginal, ou seja, de quem vive à margem da lei, fora das leis, sendo considerado um indigente, vadio ou delinquente 25, Objetivos do Estudo Os objetivos deste estudo, geral e específicos, estão abaixo relacionados Objetivo Geral O estudo objetivou identificar o impacto provocado pelo Projeto Sócio Esportivo, Vila Olímpica Ary Carvalho, na comunidade da Vila Kennedy Objetivos Específicos 1. Identificar o perfil sócio educacional dos participantes do Projeto Sócio Esportivo. 2. Verificar a freqüência de participação em Unidade Educacional dos participantes do Projeto Sócio Esportivo. 3. Listar os casos de abandono e retorno à Instituição Escolar, após a participação no Projeto Sócio Esportivo. 4. Listar quais modalidades esportivas apresentam maior adesão entre os participantes. 5. Analisar a ocorrência de fomentação do processo de detecção e encaminhamento de atletas.

18 O Impacto de um Projeto Identificar quais modalidades esportivas apresentam maior destaque no processo de detecção e encaminhamento de atletas. 7. Analisar os indicadores comportamentais pautados na Pesquisa Social de Vargas. 8. Identificar se os sujeitos participam de outros projetos com vistas à assistência social. 9. Identificar quais comunidades da região apresenta maior incidência de participação no Projeto Sócio Esportivo. 1.3 Justificativa do Estudo A utilização do esporte como estratégia para o treinamento das competências sociais ganhou notoriedade e visibilidade na sociedade contemporânea, sobretudo após atuação do Poder Público 27. Entretanto, os reais resultados carecem de investigação profunda, principalmente na conjuntura dos Projetos Sócio Esportivos que possuem uma variedade substancial no que respeita as formas de atuação 28,29,30. Este cenário estimulou o interesse a realização da investigação neste contexto, com a finalidade de esclarecer as carências existentes na literatura. 1.4 Relevância do Estudo O entendimento dos resultados oriundos do Projeto Sócio Esportivo, Vila Olímpica Ary Carvalho, tornaram-se relevantes tendo em vista à lacuna existente de estudos que objetivem a compreensão da função deste tipo de projeto no trabalho com crianças e jovens. Este aspecto ganhou significância em decorrência do cenário de degradação social característico da comunidade da Vila Kennedy e ausência ou hiposuficiência da atuação governamental. Este cenário corrobora para o desenvolvimento de situações caracterizadas

19 O Impacto de um Projeto... 6 como de risco social e que promovem como vítimas principais o público jovem. Desta forma, o esporte emergiu como estratégia de treinamento das competências sociais, atendendo prioritariamente o público carente.

20 O Impacto de um Projeto REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Esporte O vocábulo esporte, apesar de conhecido e empregado pelos Profissionais de Educação Física e demais áreas do conhecimento, não é simples de ser definido e compreendido, devido as diferentes áreas e formas de intervenção, não permitindo, destarte, delimitação unicista 31. Segundo o dicionário Der Sport,... a palavra esporte deriva do inglês sport, que originalmente significava passatempo/jogo. Este termo era uma abreviação de disport, (divertimento), o qual surgiu do termo francês desport, que possui sua raiz no latim popular deportare (se divertir) 32. Já na Língua Portuguesa as terminologias esporte e desporto são utilizadas como sinônimos, sempre relacionados com a prática motora ou corporal, com o jogo, a disputa, a educação, a competitividade, superando limites pessoais e tendo inúmeras formas de atuações, representando um universo econômico sem limites na atualidade, com status de indústria 33,34. No que respeita à Legislação Brasileira, nomeadamente na Constituição da República Federativa do Brasil, o legislador constituinte optou pela utilização da terminologia Desporto. Historicamente, o esporte esteve presente na vida do homem, independente da fase vivida, ou seja, desde o homem pré-histórico onde não existiam regras, mas o jogo desenvolvido figurava como auxílio substancial para o alcance da sobrevivência, como no caso da caça e dos deslocamentos executados 35. Contudo, as manifestações esportivas com maior representatividade emergem na Grécia Antiga, com os denominados Jogos Gregos, que culminaram por originar os Jogos Olímpicos 35,36. O Esporte Moderno tem origem no século XIX e emerge com base conceitual nos postulados filosóficos de Rousseau e englobam relação direta entre o exercício físico e o

21 O Impacto de um Projeto... 8 pensamento humano 37. Com origem na Inglaterra, sob a influência de Thomas Arnold, que incentivou a criação de regras para o jogo por seus alunos do Colégio de Rugby, o Esporte Moderno promoveu notória influência aos ideais do humanista francês Pierre de Coubertain, que foi o responsável pela ressurreição dos Jogos Olímpicos. O pedagogo e idealista com o objetivo de promover a paz através do esporte, proporcionando um período de trégua durante as realizações dos jogos, período este conhecido como Armistício Olímpico. Os enunciados preceitos são idealizados até os dias atuais no Simbolismo Olímpico 34,38. Como apresentado, não é correto associar o termo esporte unicamente à realidade que compreende os jogos, competições ou disputas esportivas envolvendo regras 34,37. A potencialidade do esporte é imensurável e abrange outras áreas do conhecimento e de atuação. Este fenômeno social proporciona um amplo campo de estudo e desenvolvimento para os profissionais de Educação Física. Porém, o conhecimento, a compreensão e a aceitação deste fato não é algo simples de ser alcançado. Esta ocorrência foi denominada como ciência normal, praticada por profissionais normais 39. No magistério de Popper 39, a ciência normal no sentido de Kuhn baseou-se no profissional que não busca o novo, não ousa revolucionar, mas segue os padrões já existentes, sem realizar contestações. Assim o referido profissional fica restrito, preso ao dogma dominante do dia-a-dia, novas teorias só seriam aceitas posteriormente a incorporação pela maioria ou a incontestável aceitação de um número expressivo de profissionais, consolidando assim o fenômeno. Esta ocorrência denota um completo contra ponto entre o esporte e os profissionais que atuam nesta área, onde o esporte possui varias fases, no entanto os profissionais não são capazes ou não estão aptos para explorar sua versatilidade, como já apontado por Sérgio em sua Tese nº4 sobre Ciências da Motricidade Humana: A Educação Física necessita de pesquisadores e não de defensores. Caminhar para a ciência da Motricidade Humana e deixar questionar-se por ela significa reconhecer que há uma profissão com a sua linguagem, o seu paradigma, a sua ciência normal e o seu lugar definido na sociedade 40.

22 O Impacto de um Projeto... 9 Compreendido o universo de abrangência do esporte, tornou-se imperativo um referencial teórico no sentido da compreensão de suas áreas e formas de atuação, além da sua representatividade na sociedade contemporânea. Com base nos ensinamentos de Tubino é possível depreender que o esporte é uma importante estratégia na sociedade atual, principalmente no processo de desenvolvimento das crianças, dos adolescentes e dos cidadãos em geral, afirmando assim sua necessidade de implementação e disseminação 29,41. Segundo o Artigo 217, da Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 1988, as dimensões sociais do esporte podem ser apresentadas de três formas distintas na sociedade: esporte educação ou esporte educacional, esporte participação ou participativo e esporte de rendimento 42 O esporte educação é representado pela prática esportiva com base nos princípios educacionais como participação e integração. Não obstante, o esporte participação objetiva a prática esportiva como possibilidade de ocupação do tempo livre e opção de lazer, entretenimento, para o combate ao ócio. Finalmente, o esporte de rendimento, que atualmente possui substancial visibilidade e objetiva o desenvolvimento do padrão competitivo, seguindo normas de disputa, regras de instituições e organizações 43. Tornou-se evidente a diferença entre as três dimensões sociais do esporte, sendo assim a mesma afirmou-se como uma imprescindível estratégia, sendo empregada até os dias atuais, fato que poderá ser observado ao longo do estudo. 2.2 Projeto Sócio Esportivo A ampla importância e capacidade de atuação do esporte em toda sua trajetória histórica, fez com que o mesmo mais de uma vez fosse solicitado para solução de problemas encontrados na sociedade contemporânea, na função de instrumento de socialização 12, 13,14, 44.

23 O Impacto de um Projeto Importa ressaltar que na Grécia Antiga, o esporte apresentou significante atuação na unificação do povo grego, visto que durante os Jogos Gregos existiu um período chamado Armistício Olímpico, que compreendia um período de sete dias antes e depois dos jogos sem conflitos 38,45,46. Mesmo que momentaneamente, o esporte já assumia um cunho pacificador. Outro momento histórico que corrobora para confirmação do cunho pacificador do esporte, diz respeito ao episódio ocorrido na data de 18 de agosto de 2004, fato este ocorrido no Haiti, que pode ser recordado pela música de Caetano Veloso e Gilberto Gil, onde um amistoso da Seleção Brasileira de Futebol conseguiu o magnífico feito de paralisar mesmo que momentaneamente a Guerra Civil entre grupos rivais e desarmar parte destes grupos, já que o ingresso foi trocado por armas de fogo 45,47. Ambos os relatos apontaram de forma pertinente que a utilização do esporte como estratégia de socialização não é algo novo. No entanto, como surgiu esta prática na sociedade contemporânea? De onde surgiu este ideal? São questões que norteiam nossas mentes. Com intuito de responder as enunciadas indagações, tornou-se necessário analisar a década de 80, que se caracterizou pelo surgimento dos primeiros estudos com relatos que unem as políticas públicas desenvolvidas ao esporte, que passa a ter ação efetiva na sociedade 27. Porém, como discorrido por Linhales 48, inicialmente o esporte foi visto com a seguinte visão:...como prática social incipiente, com baixos níveis de conflito e de demandas, ausência de interesses secundários e pequena intervenção por parte do Estado 46. Entretanto, quando a violência e participação dos jovens na criminalidade, tornaram-se rotineiras, o esporte e os projetos sociais ganharam substancial destaque 5,9,49. Esta ocorrência foi evidenciada por Zaluar 27, onde o autor relatou que os projetos sociais que buscaram a educação através do esporte e/ou pelo trabalho ganharam impulso na década de 80, que figurou como período que apresentou substancial crescimento de importância e desenvolvimento do esporte, mudando seu cenário de apresentação.

24 O Impacto de um Projeto Concomitantemente ao prosseguimento da nossa linha de raciocínio que buscou comprovar o crescimento e ganho de importância do esporte no cenário nacional, não pode deixar de ser evidenciada a mudança de concepção relativa ao esporte. É notório o crescimento e a valorização, que com o passar do tempo deixou de ser uma atividade desinteressada ou uma atividade sem fins objetivos e tornou-se uma atividade de abrangência significante, desempenhando diversos papéis, suprindo as necessidades existentes na sociedade 50. Neste momento o esporte passou a atender interesses de maior amplitude, podendo ser considerado uma estratégia efetiva, como ocorreu em outros momentos ao longo da história 44,45,46,47. Este processo de valorização do esporte ganhou destaque na narrativa de Tubino, onde o autor apresentou a função do esporte na vida de seus praticantes. Segundo Tubino 29 : [...] o esporte é como um instrumento fundamental no auxílio ao processo de desenvolvimento integral das crianças, dos adolescentes e dos jovens; respeitando as experiências e expectativas individuais, democratizando o acesso a espaço esportivo, valorizando o esporte como complementar a técnica de saúde preventiva, incutindo valores éticos e sociais, resgatando a cultura esportiva. 29. Toda a abordagem realizada serviu para demonstrar e confirmar a nova face assumida pelo esporte na sociedade contemporânea, no sentido de solucionar e/ou atenuar problemas, sendo assimilada como valiosa estratégia para o alcance da transformação social 44. No que respeita ao Projeto Sócio Esportivo, modelo de propostas que utiliza o esporte com fins sociais prioritariamente 16,44 na cidade do Rio de Janeiro, os indícios remeteram que o primeiro Projeto Social de grande porte com utilização do esporte como estratégia de transformação social, não nasceu de uma medida governamental 27. Falamos na presente ocasião da Vila Olímpica da Mangueira, que foi criada através de uma parceria do Grêmio Recreativo Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, uma notável Escola de Samba do carnaval carioca e o Setor Privado 51. O objetivo do projeto, como relatado por Rezende 51, é apresentar o esporte como uma alternativa de socialização do morador de favela e dos

25 O Impacto de um Projeto bairros populares, sendo igualmente o grande responsável pela receptividade do projeto junto ao público infanto-juvenil 51, na expectativa de propiciar benefícios no âmbito social, diante do esporte como agente efetor. Este Projeto Sócio Esportivo em específico alcançou substancial destaque, sendo reconhecido positivamente pela UNESCO, e pela emissora de TV British Broadcasting Corporation BBC de Londres, sendo atuante até os dias atuais. Este momento tornou-se significante para visibilidade e afirmação dos Projetos Sócio Esportivos, assim como apresentado na abordagem onde o esporte foi consolidado como estratégia valorosa, suprindo as necessidades da sociedade não importando quais sejam 50. Todo o destaque alcançado pelo Projeto Sócio Esportivo denominado Vila Olímpica da Mangueira, proporcionou que este modelo fosse implementado em outros pontos da cidade, entretanto sob uma nova forma de gestão, onde se tornou inconteste a participação ativa dos Órgãos Governamentais. O ano de 1988 tornou-se de suma importância para compreensão desta nova forma de gestão apresentada pelos Projetos Sócio Esportivos, em decorrência de um fato de extrema significância para o Esporte e para Educação Física no cenário brasileiro. De acordo com o Artigo 217 da Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988:... é dever do Estado fomentar práticas desportivas formais e não formais, como direito de cada um 42. Como toda lei necessita ser cumprida, o relatado momento propiciou a obrigatoriedade de desenvolvimento do esporte pelo Estado, logo o esporte necessitou ser fomentado entre todas as camadas da sociedade. Com a obrigatoriedade de disseminação da prática esportiva, observou-se o crescimento do esporte no seio da sociedade contemporânea. O esporte ganhou espaço, diferentemente do que ocorreu na época do Brasil Colônia, onde as práticas esportivas como a capoeira, prioritariamente desenvolvidas pelos escravos, ou os exercícios desenvolvidos pelos índios como o nado e a pesca eram vistos como atividades realizadas pelas camadas inferiores da população 45,52. No entanto, o proporcional crescimento da perspectiva esportiva,

26 O Impacto de um Projeto juntamente com a utilização do mesmo com cunho social é notório. O esporte cresceu e atendeu principalmente as camadas consideradas inferiores, porém nesta fase com o apoio de Organizações Não Governamentais e Associações Comunitárias. Este fato nos remeteu a algo contraditório, já que na história do Brasil Colônia, encontrou-se um cenário diferenciado, onde a capoeira apresentou relativo crescimento, sendo praticada pelas camadas menos favorecidas da sociedade, constituída em sua maioria por escravos, teve sua prática proibida 52. Na cidade do Rio de Janeiro, tornou-se evidente que a explanada mudança de cenário ganhou sustentabilidade quando a Prefeitura local iniciou a implementação de um Projeto Sócio Esportivo, denominado Vila Olímpica, que objetivou gerar saúde, equilíbrio e principalmente ser um importante instrumento de capacitação para ingresso construtivo na sociedade, promovendo cidadania e inclusão social 53,54,55. A estrutura utilizada no modelo esportivo assemelha-se com a estrutura desenvolvida na Vila Olímpica da Mangueira, fato que pode explicar a semelhança na nomenclatura. Não obstante, a presente iniciativa contou com substancial apoio do Governo Municipal 55, acontecimento não encontrado até os dias atuais na Vila Olímpica da Mangueira 51. Atualmente na cidade do Rio de Janeiro, funcionam oito Vilas Olímpicas (Maré, Gamboa, Mestre André, Carlos Castilho, Ary Carvalho, Clara Nunes, Oscar Schmidt e Manoel José Gomes Tubino), além de dois projetos de grande porte (Parque das Vizinhanças Dias Gomes e Centro Esportivo Miécimo da Silva) que objetivam ofertar atividades esportivas assim como as Vilas Olímpicas 54,55, ato que nos remeteu a um tema diversas vezes abordado que é a valorização e a utilização do esporte como estratégia de transformação social 16,44.

27 O Impacto de um Projeto Vila Kennedy e Vila Olímpica Ary Carvalho A comunidade da Vila Kennedy é uma subdivisão do extenso bairro de Bangu, localizada na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro 3, que é a zona mais extensa 1,3. Atenham destaque para a nomenclatura utilizada. Foi empregada a terminologia comunidade, deixando de lado o termo rotineiro e popular denominado favela. Isto ocorreu pelo fato, do termo favela, na realidade atual, ser utilizado por muitos indevidamente, sendo empregado com propósito de diminuir algo ou alguém. É um termo conotado na sociedade contemporânea, originando o termo favelado, que é utilizado com a finalidade de diminuir, recriminar ou rejeitar algo ou alguém. Em decorrência deste fato, na atualidade é recomendada a utilização da nomenclatura comunidade. Gomes 56 evidenciou que esta mudança e a utilização do termo comunidade proporcionaram a diminuição do emprego equivocado da palavra favela e que a nova nomenclatura apresenta ideia de solidariedade, autenticidade, simplicidade e harmonia. Com relação a sua origem, a comunidade da Vila Kennedy surgiu em decorrência de uma política de realocação populacional realizada durante o Governo Lacerda, que recebeu esta nomenclatura, pois na época o Governo do Estado do Rio de Janeiro era gerido pelo então Governador Carlos Lacerda, no ano de Estabelecendo como parâmetros dados não oficiais, obtidos através da Associação de Moradores da Vila Kennedy AMOVIK, na atualidade vivem no Complexo da Vila Kennedy cerca de 120 mil moradores, distribuídos em dezessete comunidades: Vila Kennedy, Metral, Estrada Sargento Miguel Filho, Favela do Quiabo, Vila Progresso, Estrada da Saudade, Estrada Guandu do Sena, Rua Congo, Alto Kennedy, Barrão, Jardim do Éden, Manilha, Malvinas, Conjunto Sociólogo Betinho, Conjunto Antônio Gonçalves, Quafá e Castor de Andrade III. Todas as comunidades enunciadas estão localizadas nas proximidades da Vila Kennedy e nasceram em decorrência

28 O Impacto de um Projeto do aumento demográfico da região e falta de uma política de controle e realocação populacional, fato que transformou a região numa área com característica marcante de favelização. Mesmo sendo oriunda de uma ação governamental 3, toda a região onde está localizada a comunidade da Vila Kennedy caracterizou-se com rotulação negativa, incluída na classificação policial como uma região de mancha criminal. De acordo com especialistas na área de segurança pública, estas regiões são áreas onde podem ser encontradas incidência e participação maciça da criminalidade 19,20,57. Esta ocorrência denotou que a referida região foi criada, porém algo de controverso ocorreu no seu processo de desenvolvimento, onde o Poder Público perdeu espaço para a criminalidade, que ocupou a lacuna deixada pelos órgãos competentes e instaurou sua filosofia de comando, exercendo seus atos ilícitos 57, 58, 59. De acordo com o ex-chefe de Polícia Civil da cidade do Rio de Janeiro no ano de 1995, em entrevista para o documentário Notícias de uma guerra particular, retratou a violência e a realidade do tráfico de drogas na cidade do Rio de Janeiro de três pontos de vista distintos: ótica do morador de comunidade, ótica do policial e ótica do traficante, estes locais podem ser classificados como locais de exclusão social, já que recebem pouca ou nenhuma assistência do Estado, sofrendo com a falta de acesso a bens e serviços, à segurança, à justiça e à cidadania 4,60. Sposati 61 definiu exclusão social como o não direito a cidadania. Ferreira 62 definiu cidadania como o direito de ter direito. Logo o indivíduo que não possuiu acesso a este direito, que não possuiu cidadania, pôde ser considerado um excluído socialmente, podendo estar em situação de risco social. Le Breton 63 definiu a enunciada situação como o momento ao qual o indivíduo apresentou envolvimento com situações degradantes socialmente, como envolver-se frequentemente em acidentes de trânsito, suicídios e tentativas de suicídios, fugas do meio familiar e afastamento das instituições de

29 O Impacto de um Projeto socialização primária, envolvimento na delinquência, alcoolismo e uso de drogas e problemas de comportamento alimentar 63,64. O público infantil apresentou vulnerabilidade substancial de envolvimento com tais situações 9,63,64,65, em decorrência de estarem em fase de formação e desenvolvimento, além de amadurecimento biológico, que objetiva adequação e adaptação ao meio físico e social. Com base nos postulados filosóficos de Marx e Engels 66 onde o Homem figurou como produto do meio, sofrendo todas as interveniências do meio social onde encontrou-se inserido, tornou-se possível compreender que esta mesma casuística atinja o público infantil, quando expostos a situações classificadas como de risco social, já que estão em processo de formação e de criação de uma identidade. Vargas 30 corroborou asseverando que o público infanto-juvenil acaba por reproduzir os atos, gestos e ações presenciadas em seu cotidiano e ambiente de convívio, apresentando motricidade com estereotipia degradante. Com finalidade de retratar o cenário encontrado na comunidade da Vila Kennedy, as visitas realizadas a região, tornaram possível confirmar a existência dos enunciados problemas. Além disso, importa ressaltar que a proximidade existente entre as comunidades que compõem a região remetem a ideia de um complexo, haja vista que a maioria das localidades não apresentou suas delimitações devidamente definidas. Com base em dados do IDH do ano 2000, a Vila Kennedy como parte integrante do bairro de Bangu, ocupou a 96ª posição na classificação de bairros da cidade do Rio de Janeiro 2, com uma classificação baixa em comparação direta com outros bairros da cidade. O IDH é um indicador social que classifica regiões utilizando como base, indicadores como a riqueza, educação e expectativa de vida ao nascer encontrada na região 66. Na busca por indicadores que comprovem a realidade encontrada na região, no ano de 2000 o bairro de Bangu ocupou a 125ª posição na classificação do Índice de Desenvolvimento Social IDS dos bairros da cidade do Rio de Janeiro 67. O IDS é outro indicador social que almeja classificar regiões, estabelecendo

30 O Impacto de um Projeto parâmetros diferentes do IDH, pois utiliza dez indicadores em sua classificação: rede de água adequada, rede de esgoto adequada, coleta de lixo adequada, banheiros por moradores, responsáveis por domicílio com menos de 4 anos de estudo, responsáveis por domicílios com 15 ou mais anos de estudo, analfabetismo em maiores de 15 anos, responsáveis por domicílios com renda até dois salários mínimos, responsáveis por domicílios com rendimento igual ou superior a 10 salários mínimos e rendimento médio dos responsáveis por domicílio em salários mínimos 68. Apesar da cidade do Rio de Janeiro possuir 140 km de ciclovias e diversos parques e locais propícios para prática de atividade física e lazer 69, a comunidade da Vila Kennedy não foi contemplada com estes benefícios, além de possuir poucas praças públicas, que são locais que podem servir para prática de atividade física e lazer. Em visita a região foi constatada que a maioria das praças públicas está em péssimo estado de conservação, fato que dificulta a utilização dos locais. Não obstante, a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, no ano de 2003 inaugurou na comunidade da Vila Kennedy o Projeto Sócio Esportivo denominado Vila Olímpica Ary Carvalho 54,55. O presente projeto recebeu o referido nome, em homenagem ao jornalista Ary Carvalho, falecido no mesmo ano. Apresentando a Vila Olímpica Ary Carvalho, com objetivo de proporcionar melhor compreensão, é possível mencionar que na atualidade, de acordo com informações da Secretária do Projeto Sócio Esportivo, são atendidas aproximadamente pessoas, oriundas da comunidade da Vila Kennedy, demais comunidade da região e bairros vizinhos, sendo ofertadas vinte e duas modalidades esportivas: futebol de campo, futebol society, futsal, natação, hidroginástica, polo aquático, atletismo, karatê, judô, taekwondo, capoeira, dança do ventre, step, alongamento, ginástica, iniciação desportiva, voleibol, basquetebol,

31 O Impacto de um Projeto handebol, tchoukball, badminton e hóquei sobre grama. Importa destacar que todas as atividades são oferecidas gratuitamente. A Vila Olímpica Ary Carvalho ocupa um espaço físico de m 2, onde são encontradas instalações como quadras esportivas, piscina semiolímpica, pista de atletismo, campo de futebol e parque infantil. As atividades são ministradas de 3ª a 6ª feira, no horário das 07:00hs às 17:00hs. O projeto também oferece atividades no final de semana, funcionando sábado e domingo das 09:00hs às 16:00hs 69. Além do esporte, no local são oferecidas outras atividades ligadas ao âmbito social, que objetivam auxiliar a população, já que compreendem eventos tais como realocação profissional e serviços voltados para melhora da saúde. Toda organização e custo do local são de responsabilidade da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro 70. O enunciado projeto segue um modelo de gestão e funcionamento padronizado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Neste modelo de política sócio esportiva, o objetivo prioritário é promover a formação de uma juventude com valores morais e assim diminuir a probabilidade de contato com a violência e a criminalidade, caracterizando-se assim como uma ação governamental nos locais com características de risco social 52, 61,62. Estabelecendo como referência as informações da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, esta política alcançou substancial destaque, com resultados consideráveis no âmbito social 55. Para implementação deste tipo de projeto, possuem prioridade as regiões que apresentem baixo IDH 67 e ofereça risco social aos residentes 54,63,64, tornando assim o público carente o principal alvo a ser atendido, entretanto outras classes sociais podem ser beneficiadas com a iniciativa 55. Além do aspecto social, outros pontos são observados para implementação do projeto, assim como ocorreu na comunidade da Vila Kennedy. A viabilidade técnica de construção, o comprometimento da comunidade com o projeto, a

32 O Impacto de um Projeto densidade demográfica da região, a facilidade de acesso, a circulação e o impacto econômico, são pontos observados, com a finalidade de favorecer o sucesso desta iniciativa 55. Para um projeto da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro receber a nomenclatura Vila Olímpica, o mesmo deve possuir obrigatoriamente em sua composição 01 ginásio poliesportivo com palco (com sala) e vestiários. Além disso, o ginásio deve estar equipado com adaptador de altura nas tabelas de basquete e portões de acesso que permitam a passagem de cadeirantes, 01 piscina de 25 x 12 x 1,50 m (c/grade e portão adaptado para portador de deficiência), com vestiários, 01 piscina infantil com 40 cm de profundidade, 01 campo de futebol society, 01 minipista de atletismo, com caixa para salto, 01 quadra poliesportiva descoberta com adaptador de altura das tabelas de basquete e portões de acesso que permitam a passagem de cadeirantes, 01 recanto para lazer, com mesas, bancos e churrasqueiras, 03 salas para esportes de salão (no mínimo 25 m²), 04 salas de administrativo (no mínimo 12 m²), 02 banheiros administrativos, 01 guarita de segurança com banheiro (no mínimo 9 m²), 01 sala para professores com 02 banheiros (no mínimo 12 m²), 02 banheiros, 01 copa com pia, 02 vestiários e 01 conjunto de brinquedos 53. A Figura Nº 1 apresenta a representação gráfica, com a disposição espacial de todos os componentes necessários para que um projeto da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro receba a nomenclatura Vila Olímpica. Importa salientar, que os projetos não necessitam obrigatoriamente seguir a apresentada disposição dos componentes, entretanto os mesmos necessitam ser ofertados ao público, de acordo com as normas enunciadas.

33 O Impacto de um Projeto Figura Nº1: Representação gráfica das instalações de uma Vila Olímpica. Fonte: SMEL. Secretaria Municipal de Esporte e Lazer. Manual das Vilas Olímpicas da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro 55. A capacitação técnica e o trabalho multidisciplinar são pontos regulamentados e elencados no Manual das Vilas Olímpicas da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Segundo dados da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer SMEL, Órgão pertencente à Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e responsável pela gestão e manutenção dos Projetos Sócio Esportivos na cidade, o trabalho em conjunto, aliado a capacidade profissional dos envolvidos, tornou-se fundamental para o alcance dos objetivos elencados no Manual dos Projetos Sócio Esportivos da Cidade do Rio de Janeiro, publicado no ano de Todos os professores de Educação Física precisam estar registrados no Conselho Regional de Educação Física CREF, além de estar devidamente regular com suas obrigações profissionais 55. Todos os Projetos Sócio Esportivos gerenciados pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, denominados Vilas Olímpicas, assim como a Vila Olímpica Ary Carvalho, seguiram o referido direcionamento de trabalho, que objetivou avaliar a incidência de atos infracionais, diminuir a evasão escolar e promover a inclusão social de portadores de deficiência. Os projetos possuem a obrigatoriedade de fomentar a atividade econômica, aumentar a expectativa de vida da 3ª idade, diminuir a ocorrência de casos de problemas respiratórios,

34 O Impacto de um Projeto democratizar o lazer e a valorização da família e descobrir talentos. Com isso, esperam a obtenção de resultados como a detecção e encaminhamento de atletas, criação de empregos e renda, avaliação de atos infracionais, integração de comunidades, vigilância epidemiológica, promoção de saúde, promoção da autoestima, melhoria do desempenho escolar e redução da evasão escolar 55, atendendo assim uma variedade de possibilidades que podem ser propiciadas através do esporte, como se observa na Figura Nº 2. Figura Nº 2: Obrigatoriedades e metas do Projeto Sócio Esportivo. REDUÇÃO DE EVASÃO ESCOLAR MELHORIA DO DESEMPENHO ESCOLAR PROMOÇÃO DA AUTO- ESTIMA PROMOÇÃO DA SAÚDE DETECÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE ATLETAS VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CRIAÇÃO DE EMPREGOS E RENDA AVALIAÇÃO DE ATOS ÍINFRACIONAIS INTEGRAÇÃO DE COMUNIDADES Fonte: SMEL. Secretaria Municipal de Esporte e Lazer. Manual das Vilas Olímpicas da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro 55. Apresentados os objetivos elencados no universo dos Projetos Sócio Esportivos, o presente estudo objetivou averiguar como são desenvolvidos quatro dos objetivos na Vila Olímpica Ary Carvalho 53, com intuito de identificar a eficácia deste tipo de iniciativa, no contexto social da comunidade da Vila Kennedy.

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Sumário Executivo. Avaliação Econômica do Programa Mais. Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ)

Sumário Executivo. Avaliação Econômica do Programa Mais. Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ) Sumário Executivo Avaliação Econômica do Programa Mais Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ) O objetivo deste documento é descrever os resultados da avaliação de impacto realizada para o Programa

Leia mais

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 ESCOLA DE Pedal Batatais Histórico da Entidade e Descritivo de Atividades Fundada em 1999 por JOSÈ REGINALDO

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO E.E. PROFª ALICE MADEIRA JOÃO FRANCISCO SANTA EUDÓXIA-DISTRITO DE SÃO CARLOS RUA

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Implantar o Plano Diretor. Implantar o Orçamento participativo. Valorização pessoal do funcionário público municipal. Implantação

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social PRÊMIO GESTOR PÚBLICO PARANÁ PGP/PR DADOS CADASTRAIS Ano/Edição: 2015 Município: Mandaguari - PR Função de Governo: III - Assistência Social CNPJ: 76285345-0001/09 Endereço: Avenida Amazonas, 500 - Centro

Leia mais

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP ESPORTE O partido Solidariedade está atento à necessidade do esporte na vida da população. Entendemos que ele é uma importante ferramenta para retirar crianças das ruas e assim, reduzir a violência e o

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE APRESENTAÇÃO DO CURSO O curso de licenciatura em Educação Física da FAPEPE tem como objetivo formar profissionais que estejam aptos a atuarem no contexto escolar,

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL FORMANDO CIDADÃOS E ATLETAS PARA O FUTURO. 1 P á g i n a

PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL FORMANDO CIDADÃOS E ATLETAS PARA O FUTURO. 1 P á g i n a PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL FORMANDO CIDADÃOS E ATLETAS PARA O FUTURO 1 P á g i n a DESEMBARGADOR OTONI/MG 2014 ÍNDICE 1. SÍNTESE 2. JUSTIFICATIVA 3. OBJETIVOS GERAIS 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 5. METODOLOGIA

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LINHARES, Clarice Schneider UNICENTRO clarinha_linhares@yahoo.com.br Área Temática: Formação de Professores Este trabalho partiu

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios O Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais do IBGE (Munic) mostra que, apesar de 93,6% das cidades brasileiras

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 MENDONÇA, Marcelo Rodrigues OLIVEIRA, João Manoel Borges RESUMO: O Ponto de Cultura Fazendo Arte é uma ação da Associação dos Moradores do Bairro Santa Terezinha

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

AS DIMENSÕES HUMANAS DO ESPORTE

AS DIMENSÕES HUMANAS DO ESPORTE REALIDADE AS DIMENSÕES HUMANAS DO ESPORTE Prof. Dr. Elio Carravetta ESPORTE PRÁTICA REALIDADE JOGO REGRAS EXERCICIOS FÍSICOS COMPETIÇÃO ESTRUTURA DE DESENVOLVIMENTO FEDERAÇÕES TENIS BASQUETEBOL VELA JUDÔ

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

REGULAMENTO GERAL OLIMPÍADA ESCOLAR DE NOVO HAMBURGO 2012

REGULAMENTO GERAL OLIMPÍADA ESCOLAR DE NOVO HAMBURGO 2012 REGULAMENTO GERAL OLIMPÍADA ESCOLAR DE NOVO HAMBURGO 2012 OBJETIVO GERAL Formação para o pleno exercício da cidadania de crianças e adolescentes por meio do esporte. CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

Programas e Ações Ministério do Esporte

Programas e Ações Ministério do Esporte Ministro do Esporte Aldo Rebelo Secretário Executivo Luis Fernandes Gabinete do Ministro / Assessor Federativo - João Luiz dos Santos Santos Programas e Ações Ministério do Esporte Contato Assessoria Parlamentar

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS - TOLEDO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Guarani, 1640 Centro Fone/Fax: 45 3252-7479 Toledo Paraná tooceebjatoledo@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

A INICIAÇÃO ESPORTIVA EM PROJETOS SOCIAIS-ESPORTIVOS: O CASO DO PROJETO FUTSAL SOCIAL DA UNIÃO JOVEM DO RINCÃO NOVO HAMBURGO/RS

A INICIAÇÃO ESPORTIVA EM PROJETOS SOCIAIS-ESPORTIVOS: O CASO DO PROJETO FUTSAL SOCIAL DA UNIÃO JOVEM DO RINCÃO NOVO HAMBURGO/RS A INICIAÇÃO ESPORTIVA EM PROJETOS SOCIAIS-ESPORTIVOS: O CASO DO PROJETO FUTSAL SOCIAL DA UNIÃO JOVEM DO RINCÃO NOVO HAMBURGO/RS Introdução LUIZ FERNANDO FRAMIL FERNANDES Universidade da Região da Campanha/URCAMP

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

APRESENTAÇÃO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Regulamento APRESENTAÇÃO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas FGV como entidade de caráter técnico-científico e educativo, fundada em 1944, visa ao estudo dos problemas relativos à economia

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos / / Fique ligado Notícias / Especiais Promenino Fundação Telefônica 10/12/2012 Os desafios da fiscalização do trabalho infantil Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, NA SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DO DESPORTO APLICADAS AO FUTEBOL Luanda, 29 de Agosto

Leia mais

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60 Um pouco da História da Educação Ambiental Década de 60 1962 Livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson - alertava sobre os efeitos danosos de inúmeras ações humanas sobre o ambiente, como por exemplo

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Bacharelado em Educação Física

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Bacharelado em Educação Física EMENTÁRIO Disciplina: Introdução à Educação Física EMENTA: Disciplina que estuda as diferentes concepções de Educação Física, assim como suas perspectivas no campo da ciência em relação à intervenção profissional.

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Resultados dos Projetos de Esporte para todos: Educação e Cidadania através do Esporte. Programa SESI-SP Atleta do Futuro

Resultados dos Projetos de Esporte para todos: Educação e Cidadania através do Esporte. Programa SESI-SP Atleta do Futuro Resultados dos Projetos de Esporte para todos: Educação e Cidadania através do Esporte. Programa SESI-SP Atleta do Futuro NO BRASIL CLASSIFICAÇÃO DO ESPORTE QUANTO ÀS FORMAS DE EXERCÍCIO DO DIREITO ÀS

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos Mostra de Projetos 2011 Construindo a Sociedade que Queremos Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Indicação nº. 006/2012 Processo nº. 001.047780.11.8

Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Indicação nº. 006/2012 Processo nº. 001.047780.11.8 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Indicação nº. 006/2012 Processo nº. 001.047780.11.8

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO PÚBLICA TRABALHANDO EM CONJUNTO: O PROERD COMO UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO.

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO PÚBLICA TRABALHANDO EM CONJUNTO: O PROERD COMO UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO PÚBLICA TRABALHANDO EM CONJUNTO: O PROERD COMO UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO. DINIZ, Carlos Alberto Malveira 1 Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes carlosalbertodiniz@ymail.com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais