CRESCIMENTO DO FEIJAO CAUPI (VIGNA UNGUICULATA) EM DIFERENTES NIVEIS DE SALINIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRESCIMENTO DO FEIJAO CAUPI (VIGNA UNGUICULATA) EM DIFERENTES NIVEIS DE SALINIDADE"

Transcrição

1 CRESCIMENTO DO FEIJAO CAUPI (VIGNA UNGUICULATA) EM DIFERENTES NIVEIS DE SALINIDADE J. W. S. Barbosa 1 ; J. R. Andrade 2 ; A. E. V. Alencar 3 ; R. Nascimento 4 ; D. F. M. Costa 3 RESUMO: O feijão-de-corda tolera a irrigação com água salina com condutividade elétrica de até 3,3 ds m-1, sendo considerada então como uma espécie moderadamente tolerante à salinidade. O grau de tolerância do caupi ao estresse salino varia entre genótipos. Utilizou-se o delineamento inteiramente ao acaso, num fatorial 5x4 (cinco genótipos de feijão caupi e quatro níveis de salinidade) com 4 repetições. Os tratamentos foram constituídos de diferentes níveis de salinidade da água de irrigação (1,5; 3,0; 4,5 e 6,0 ds m-1), sendo cada unidade experimental representada por uma planta/vaso, com capacidade de 1,5 Kg de solo adubado. Para os genótipos dentro dos níveis de salinidade, o G2 (BRS-JURUÁ) foi o que apresentou um melhor resultado em comparado aos de mais. O objetivo deste trabalho foi avaliar a área foliar e altura de plantas do feijão-caupi submetido a diferentes níveis de salinidade. PALAVRAS - CHAVES: genótipos, estresse salino, condutividade elétrica GROWTH OF COWPEA BEAN (VIGNA UNGUICULATA) BY DIFFERENT LEVELS IN SALINITY SUMARY- The cowpea tolerates irrigation with saline water with electrical conductivity of 3.3 ds m -1, considered then as a species moderately tolerant to salinity. The degree of tolerance to salt stress in cowpea genotypes varies between. The objective of this study was to evaluate the leaf area and plant height of cowpea subjected to different salinity levels. We used a completely randomized in a factorial 5x4 (five cowpea and four salinity levels) with four replications. The treatments consisted of different levels of salinity of irrigation water (1.5, 3.0, 4.5 and 6.0 ds m -1 ), each experimental unit was represented by one plant / pot, with a capacity, 5 kg of soil. For the genotypes within the salinity levels, on G2 (BRS-JURUÁ), showed a better result in comparison with the other. 1 Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia Agrícola na área de Irrigação e Drenagem, UFCG, CEP.: , Campina Grande, PB. TEL. (83) Licenciada em Ciências Agrárias, Mestrandos em Engenharia Agrícola na área de Irrigação e Drenagem, UFCG, Campina Grande, PB. 3 Graduanda em Engenharia Agrícola, (UFCG), Campina Grande, PB. 4 Prof. Dr. da Uindade Academica de Engenharia Agrícola/CTRN/UFCG

2 INTRODUÇÃO O feijão-de-corda [Vigna unguiculata (Walp.)], também conhecido como feijão-caupi ou feijão macassar, é uma leguminosa comestível dotada de alto conteúdo protéico, boa capacidade de fixar nitrogênio e contribui com a principal fonte de proteína vegetal para a população rural da Região Nordeste do Brasil (ASSIS JÚNIOR et al., 2007; MORAES e BLEICHER, 2007). No Nordeste brasileiro, as águas utilizadas na irrigação apresentam, na maioria das vezes, concentração de sais na faixa de 1 a 30 mmolc L -1 correspondendo à faixa de condutividade elétrica de 0,1 a 3,0 ds m -1 (HOLANDA & AMORIM, 1997). Dantas et al. (2002) afirmam que o grau de tolerância do caupi ao estresse salino varia entre genótipos. O objetivo deste trabalho foi avaliar a produção de fitomassa do feijão-caupi submetido a diferentes níveis de salinidade. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido em casa de vegetação da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), nas dependências da UFCG, Centro de Tecnologia e Recursos Naturais (CTRN), Unidade Acadêmica de Engenharia Agrícola (UAEA). Cujas coordenadas geográficas são latitude sul 7º13 11, longitude oeste 35º53 31 e altitude de 547,56 m. Utilizou-se o delineamento inteiramente ao acaso, num fatorial 5x4 (cinco genótipos de feijão caupi e quatro níveis de salinidade) com 4 repetições. Os níveis de salinidade (1,5; 3,0; 4,5 e 6,0 ds m-1), sendo cada unidade experimental representada por uma planta/vaso, com capacidade de 1,5 Kg de solo adubado de acordo com Novais et al. (1991). Foram semeadas em cada vaso três sementes, permanecendo apenas uma planta por vaso após o desbaste, realizado cinco dias após a emergência, deixando-se a planta mais vigorosa. Os cinco genótipos utilizados foram: MNC01-649F-1-3, BRS-JURUÁ, MNC02-675F-4-9, MNC03-736F-7 e MNC02-684F-5-6, cedidas pela Embrapa Meio Norte, localizada na Cidade de Teresina-PI. As irrigações foram realizadas diariamente com água proveniente da rede de abastecimento do campus da UFCG, até ser efetuado o desbaste, quando a partir deste, a água utilizada na irrigação apresentava diferentes níveis de salinidade, de acordo com os tratamentos estudados. Os níveis de salinidades avaliados foram obtidos pela mistura dos sais Ca, Na e Mg, sendo as plantas coletadas aos 40 dias após a semeadura, onde as variáveis estudadas foram: Área Foliar (AF) e Altura da Planta(AP). Para determinação da área foliar foi realizado a medição da nervura prinipal da folha, já para a altura da planta foi utilizado uma trena graduada em centímetros. Os resultados obtidos foram submetidos às análises de variância e, por serem oriundos tratamentos com variáveis quantitativas foram submetidos à análise de regressão. RESULTADOS E DISCUSSÃO Para a variável área foliar, pode ser avaliado que houve um decrescimento na área foliar conforme a adição de níveis crescentes de salinidade, se ajustando melhor ao modelo de regressão linear, obteve um nível de significância a nível de (p<0,01), com o melhor valor no

3 nível 1,5 dsm -1 de 0,04m 2. Trabalhos realizados com outras culturas também demonstram o efeito da salinidade sobre o número de folhas. Oliveira et al. (2006) constataram redução no numero de folhas em mamoneira e Oliveira et al. (2007) na cultura do milho pipoca, híbrido Jade. Resultado semelhante foi encontrado por Silva et. al (2009), onde área foliar foi reduzida linearmente com o incremento da salinidade. Já para o desdobramento da Altura da Planta em relação aos genótipos dentro dos níveis salinos, pode-se perceber que para todos os níveis de salinidade S1, S2, S3 e S4 o genótipo 2 se comportou da melhor forma com 18,87, 15,37, 16,95 e 13,12cm respectivamente, em contrapartida, os menores valores encontrados para todos os níveis salinos foram para o genótipo 1 com 12,95, 10, 9,75 e 9,05 sequencialmente, apresentando assim um incremento de 31,3, 34,9, 42,4 e 31,02% consecutivos. Já no que se refere aos níveis de salinidade dentro dos genótipos, para todos os tipos de genótipos com exceção do G4 se ajustaram a um modelo de regressão linear onde os G1, G2 e G3 apresentaram significância ao nível de 0,01 de probabilidade já o G5 a 0,05, não apresentando significância para o G4, Para todos os genótipos o nível de 1,5 dsm -1 foi quem apresentou melhor resultado com exceção apenas do G5 com o nível 3 dsm -1. Oliveira et. al. (2009), trabalhando com milho-pipoca (JADE), observou uma tolerância até a salinidade de 4,3 ds m -1, segundo o autor a redução da altura com o incremento da salinidade, foi apenas no maior nível salino diferindo das demais, apresentando o menor resultado. CONCLUSÕES O nível 1,5 dsm -1 de salinidade foi quem proporcionou um melhor resultado tanto para área foliar quanto para os níveis de sais dentro dos genótipos. Para os genótipos dentro dos níveis de salinidade o G2 apresentou um melhor resultado em comparado aos de mais. REFERÊNCIAS ASSIS JÚNIOR, J.O. et al. Produtividade do feijão-de-corda e acúmulo de sais no solo em função da fração de lixiviação e da salinidade da água de irrigação. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v. 27, n. 3, p , DANTAS, J.P.; MARINHO, F. J. L.; FERREIRA, M.M.M.; AMORIM,M.S.N.; ANDRADE, S.I.O.; SALES, A.L. Avaliação de genótipos de caupi sob salinidade. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.6, n.3, p , HOLANDA, J. P.; AMORIM, J.R.A. Qualidade de água para irrigação. In: GHEYI, H.R.; QUEIROZ, J.E.; MEDEIROS, J.M. (ed.) Manejo e controle da salinidade na agricultura irrigada. Campina Grande: UFPB-SBEA, p LIMA, C. J. G. S.; OLIVEIRA, F. A.; MEDEIROS J. F.; OLIVEIRA M. K. T.; ALMEIDA JÚNIOR, A. B.; Resposta do Feijão Caupi a Salinidade da Água de Irrigação. REVISTA VERDE DE AGROECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Mossoró, RN. v.2, n.2, p Julho/Dezembro de MORAES, J.G.L.; BLEICHER, E. Preferência do pulgão-preto, Aphis craccivora Koch, a diferentes genótipos de feijão-decorda, Vigna unguiculata (L.) Walp. Ciência Rural, Santa Maria, v. 37, n. 6, 2007

4 OLIVEIRA, F.A.; MEDEIROS, J.F.; OLIVEIRA, M.K.T.; LIMA, C.J.G.S.; GALVÃO. D.C. desenvolvimento inicial do milho-pipoca Jade irrigado com água de diferentes níveis de salinidade. Revista Verde de Agroecologia e Agricultura Sustentável, Mossoró, v.2, n.1, p.45-52, OLIVEIRA, M. K. T.; OLIVEIRA, F.A.; MEDEIROS, J. F.; LIMA, C. J. G. S.; GUIMARÃES, I. P. Efeito de diferentes teores de esterco bovino e níveis de salinidade no crescimento inicial da mamoneira (Ricinus communis). Revista Verde de Agroecologia e Agricultura Sustentável, Mossoró, v.1. n.1, p.68-74, SILVA, F.E.O.; MARACA,P.B.; MEDEIROS, J.F.; OLIVEIRA, F.A.; OLIVEIRA,M.K.T. Desenvolvimento do feijão caupi, irrigado com água salina em casa de vegetação. Revista Caatinga, Caatinga (Mossoró,Brasil), v.22, n3, p , 2009 Figura 1. Niveis de salinidade na área foliar (AF) de feijoeiro caupi. Campina Grande, (A) (B) (C) (D) Figura 2. Desdobramento para genótipos dentro dos níveis de salinidade S1(A), S2(B),S3(C) e S4(D) aplicados no feijoeiro caupi. Campina Grande, 2011

5 (A) (B) (C) (D) Figura 3. Desdobramento de níveis de salinidade dentro dos tipos de genótipos de feijoeiro caupi. Campina Grande, 2011.

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE INTRODUÇÃO

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE INTRODUÇÃO Acúmulo de biomassa em planta de gergelim irrigada com águas salinas em solo com biofertilizante bovino G. G. de Sousa 1 ; P. G. R. de Sousa 2 ; J. B. de O. Silva 5 ; G. L. da Silva 3 ; V. dos S. Rodrigues

Leia mais

TAXAS DE CRESCIMENTO EM ALTURA DA MAMONEIRA SUBMETIDA AO ESTRESSE HÍDRICO- SALINO(*)

TAXAS DE CRESCIMENTO EM ALTURA DA MAMONEIRA SUBMETIDA AO ESTRESSE HÍDRICO- SALINO(*) TAXAS DE CRESCIMENTO EM ALTURA DA MAMONEIRA SUBMETIDA AO ESTRESSE HÍDRICO- SALINO(*) Luis Nery Rodrigues 1, Aparecida Rodrigues Nery 2, Pedro Dantas Fernandes 3 e Napoleão Esberard de Macedo Beltrão 4

Leia mais

EFEITO DA SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL EM DOIS TIPOS DE SOLOS DIFERENTES

EFEITO DA SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL EM DOIS TIPOS DE SOLOS DIFERENTES EFEITO DA SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL EM DOIS TIPOS DE SOLOS DIFERENTES A. M. A. Medeiros ; J. L. A. Silva ; F. A. Oliveira 2 ; S. S. V. Alves 3 ; I. B. Nascimento 4 ; N. O. Miranda 2

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DO MILHO DOCE EM FUNÇÃO DO ESTRESSE SALINO E BIORREGULADOR

CRESCIMENTO INICIAL DO MILHO DOCE EM FUNÇÃO DO ESTRESSE SALINO E BIORREGULADOR CRESCIMENTO INICIAL DO MILHO DOCE EM FUNÇÃO DO ESTRESSE SALINO E BIORREGULADOR R. C. CUNHA 1, M. W. L. SOUZA 1, L. A. LIMA 1, P. A. A. COSTA 1, F. M. S. BEZERRA 1, J. P. B. M. COSTA 1, F. A. OLIVEIRA 2

Leia mais

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO DISCIPLINA: SEMINÁRIO II PROFº: MARIO DE ANDRADE LIRA JR. Ciência do Solo ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS

Leia mais

CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSÓIS ORNAMENTAIS IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA 1

CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSÓIS ORNAMENTAIS IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA 1 CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSÓIS ORNAMENTAIS IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA 1 L. O. Andrade 2 ; R. G. Nobre 3 ; H. R. Gheyi 4 ; N. S. Dias 5 ; E. C. S. Nascimento 6 ; H. S. Medeiros 7 RESUMO: Buscou-se,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

MASSA SECA DO FEIJÃO CAUPÍ IRRIGADO COM ÁGUA SALINA E EFLUENTE TRATADO EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES

MASSA SECA DO FEIJÃO CAUPÍ IRRIGADO COM ÁGUA SALINA E EFLUENTE TRATADO EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES MASSA SECA DO FEIJÃO CAUPÍ IRRIGADO COM ÁGUA SALINA E EFLUENTE TRATADO EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES S. de O. Feitosa 1, S. L. da Silva 2, H. de O. Feitosa 3, C. M. de Carvalho 4, L. L. S. de Carvalho 5,

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

CRESCIMENTO VEGETATIVO DO PINHÃO MANSO EM FUNÇÃO DA SALINIDADE DA ÁGUA E DA ADUBAÇÃO NITROGENDA

CRESCIMENTO VEGETATIVO DO PINHÃO MANSO EM FUNÇÃO DA SALINIDADE DA ÁGUA E DA ADUBAÇÃO NITROGENDA 1 CRESCIMENTO VEGETATIVO DO PINHÃO MANSO EM FUNÇÃO DA SALINIDADE DA ÁGUA E DA ADUBAÇÃO NITROGENDA J. B. Santos 1 ; H. R. Gheyi 2 ; C. A.Uyeda 3 ; C. R. M. Centeno 4 ; F. S. L. Carvalho 5 ; J. A. F. Cardoso

Leia mais

FONTES ORGÂNICAS DE NUTRIENTES E SEUS EFEITOS NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA*

FONTES ORGÂNICAS DE NUTRIENTES E SEUS EFEITOS NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA* FONTES ORGÂNICAS DE NUTRIENTES E SEUS EFEITOS NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA* Márcia Maria Bezerra Guimarães 1 ; Robson César Albuquerque 1 ; Amanda Micheline Amador de Lucena 1 ; Fabiana

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTAS SUBMETIDAS A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE NUTRIENTES NA SOLUÇÃO NUTRITIVA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTAS SUBMETIDAS A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE NUTRIENTES NA SOLUÇÃO NUTRITIVA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTAS SUBMETIDAS A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE NUTRIENTES NA SOLUÇÃO NUTRITIVA P. S. F. Linhares 3 ; F. A. Oliveira ; R. C. Alves 3 ; A. M. A. Medeiros 3 ; J. F. de Medeiros ; E.

Leia mais

ANÁLISE DE CRESCIMENTO DE MUDAS DE MORINGA (Moringa oleífera Lam.) ADUBADAS COM ESTERCO BOVINO

ANÁLISE DE CRESCIMENTO DE MUDAS DE MORINGA (Moringa oleífera Lam.) ADUBADAS COM ESTERCO BOVINO ANÁLISE DE CRESCIMENTO DE MUDAS DE MORINGA (Moringa oleífera Lam.) ADUBADAS COM ESTERCO BOVINO Francisco Marto de Souza 1 ; Adriana da Silva Santos 1 ; Emmanuel Moreira Pereira 2 ; Ellen Caroline Santos

Leia mais

TOLERÂNCIA DA CULTURA DO PINHÃO MANSO AO ENCHARCAMENTO DO SOLO

TOLERÂNCIA DA CULTURA DO PINHÃO MANSO AO ENCHARCAMENTO DO SOLO TOLERÂNCIA DA CULTURA DO PINHÃO MANSO AO ENCHARCAMENTO DO SOLO Lígia Rodrigues Sampaio 1, Liv Soares Severino 2, Rosiane de Lourdes Silva de Lima 3, Maria Aline de Oliveira Freire 4, Valdinei Sofiatti

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO. Irrigação com água salina e adubação com nitrogênio no cultivo do feijão-caupi

ARTIGO CIENTÍFICO. Irrigação com água salina e adubação com nitrogênio no cultivo do feijão-caupi Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável http://revista.gvaa.com.br ARTIGO CIENTÍFICO Irrigação com água salina e adubação com nitrogênio no cultivo do feijão-caupi Irrigation with saline

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA Amanda Micheline Amador de Lucena 1, Liv Soares Severino 2, Valdinei Sofiatti 2, Maria Aline de

Leia mais

FITOMASSA SECA E DIÂMETRO DO CAPÍTULO DO GIRASSOL SOB NÍVEIS DE SALINIDADE E ADUABAÇÃO NITROGENADA

FITOMASSA SECA E DIÂMETRO DO CAPÍTULO DO GIRASSOL SOB NÍVEIS DE SALINIDADE E ADUABAÇÃO NITROGENADA FITOMASSA SECA E DIÂMETRO DO CAPÍTULO DO GIRASSOL SOB NÍVEIS DE SALINIDADE E ADUABAÇÃO NITROGENADA D. H. Guedes Filho 1 ; J. B. Santos 2 ; K. D. Travassos 1 ; H. L. de Farias 3 ; P. P. H. Ribeiro 4 ; H.

Leia mais

RELAÇÕES HÍDRICAS EM DUAS CULTIVARES DE BETERRABA SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE

RELAÇÕES HÍDRICAS EM DUAS CULTIVARES DE BETERRABA SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE RELAÇÕES HÍDRICAS EM DUAS CULTIVARES DE BETERRABA SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE A. O. da Silva ; A. E. Klar ; Ê. F. de F. e Silva ; R. N. F. Monteiro ; J. F. Silva Júnior RESUMO: Tendo como objetivo

Leia mais

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Thiago Henrique Carvalho de Souza

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213 Página 1213 COMPORTAMENTO DA CULTIVAR DE MAMONA BRS ENERGIA CULTIVADA SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTIO EM IRECÊ, BA Jalmi Guedes Freitas 1, José Carlos Aguiar da Silva 1, Jocelmo Ribeiro Mota 1 Gilvando

Leia mais

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis NOGUEIRA, C. H. P (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - nogueirachp@gmail.com), CORREIA, N. M. (Embrapa, Brasília/DF

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA CULTURA COUVE-CHINESA EM FUNÇÃO DO TIPO DE ÁGUA EM HIDROPONIA

PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA CULTURA COUVE-CHINESA EM FUNÇÃO DO TIPO DE ÁGUA EM HIDROPONIA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA CULTURA COUVE-CHINESA EM FUNÇÃO DO TIPO DE ÁGUA EM HIDROPONIA P. R. F. Medeiros 1 ; R. M. L. Dantas 2 ; E. F. F. Silva 3 ; A. N. Santos 2 ; M. E. H. P. Marques 4 ; V. V. Lima

Leia mais

ASPECTOS MORFOLÓGICOS DE BERINJELA CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO SOB NÍVEIS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA

ASPECTOS MORFOLÓGICOS DE BERINJELA CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO SOB NÍVEIS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA ASPECTOS MORFOLÓGICOS DE BERINJELA CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO SOB NÍVEIS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA F. G. Silva 1 ; W. F. Dutra 1 ; S. O. Maia Júnior 2 ; A. S. Melo 3 ; L. M. B. Filgueiras 1 RESUMO. Esse

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DOSES E TIPOS DE ADUBOS NO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA

INFLUÊNCIA DE DOSES E TIPOS DE ADUBOS NO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA INFLUÊNCIA DE DOSES E TIPOS DE ADUBOS NO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA Márcia Maria Bezerra Guimarães 1, Vera Lúcia Antunes de Lima 1, Napoleão Esberard de Macedo Beltrão 2, Fabiana Xavier

Leia mais

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA.

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA. EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA Joab Josemar Vitor Ribeiro do Nascimento 1, Maria José Vieira Tavares 2, Liv Soares Severino 3, Valdinei Sofiatti 3 1UFCG,

Leia mais

Evapotranspiração da Cultura da Berinjela Irrigada com Diferentes Concentrações de Sais na Água.

Evapotranspiração da Cultura da Berinjela Irrigada com Diferentes Concentrações de Sais na Água. Evapotranspiração da Cultura da Berinjela Irrigada com Diferentes Concentrações de Sais na Água. Luiz Antonio Augusto Gomes 1 ; Débora Candeias Marques de Moura 2 ; Jacinto de Assunção Carvalho 2. 1 Universidade

Leia mais

RESPOSTA DO FEIJÃO CAUPI A SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO

RESPOSTA DO FEIJÃO CAUPI A SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO RESPOSTA DO FEIJÃO CAUPI A SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO Carlos José Gonçalves de Souza Lima Graduando em Engenharia Agronômica, Bolsista PIBIC/CNPq, Dept. Ciências Ambientais UFERSA, Mossoró RN. E-mail:

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573 Página 1573 AVALIAÇÃO DE LINHAGENS DE MAMONEIRA NO MUNICÍPIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES/SE Francisco Elias Ribeiro 1 ; Samuel Silva da Mata 1 ; Milena Mascarenhas de Jesus Ribeiro 2 ; Máira Milani 3 1Pesquisador

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA, CULTIVADA EM VASOS, SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA EM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO

DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA, CULTIVADA EM VASOS, SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA EM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA, CULTIVADA EM VASOS, SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA EM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO Cybelle Barbosa e Lima Eng. Agrônoma, Aluna do Mestrado em Agronomia:

Leia mais

CRESCIMENTO VEGETATIVO DA MAMONEIRA IRRIGADA COM ÁGUA SALINA EM LISÍMETRO DE DRENAGEM

CRESCIMENTO VEGETATIVO DA MAMONEIRA IRRIGADA COM ÁGUA SALINA EM LISÍMETRO DE DRENAGEM CRESCIMENTO VEGETATIVO DA MAMONEIRA IRRIGADA COM ÁGUA SALINA EM LISÍMETRO DE DRENAGEM J. dos Santos ; C. V. de Azevedo ; L. F. Cavalcante ; D. dos Santos ; M. Rebequi ; C. R. M. Centeno 6 RESUMO: Um experimento

Leia mais

ANÁLISE DO TECIDO VEGETAL DO PINHÃO MANSO, SUBMETIDOS A FONTES E DOSES DE FERTILIZANTES

ANÁLISE DO TECIDO VEGETAL DO PINHÃO MANSO, SUBMETIDOS A FONTES E DOSES DE FERTILIZANTES ANÁLISE DO TECIDO VEGETAL DO PINHÃO MANSO, SUBMETIDOS A FONTES E DOSES DE FERTILIZANTES Andréia de Sousa Guimarães 1, Napoleão Esberard de Macedo Beltrão 2 1 UFPB, asgbio@yahoo.com.br, 2 Embrapa Algodão,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS NO CRESCIMENTO DO NONI CULTIVADO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE MATÉRIA ORGÂNICA

INFLUÊNCIA DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS NO CRESCIMENTO DO NONI CULTIVADO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE MATÉRIA ORGÂNICA INFLUÊNCIA DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS NO CRESCIMENTO DO NONI CULTIVADO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE MATÉRIA ORGÂNICA M. C. M. R. de Souza 1 ; A. S. Menezes 2 ; C. F. de Lacerda 3 ; C. K. G. dos Santos

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES FONTES E TEORES DE MATÉRIA ORGÂNICA NO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONEIRA

EFEITO DE DIFERENTES FONTES E TEORES DE MATÉRIA ORGÂNICA NO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONEIRA EFEITO DE DIFERENTES FONTES E TEORES DE MATÉRIA ORGÂNICA NO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONEIRA Joab Josemar Vitor Ribeiro do Nascimento Engenheiro Ambiental, Mestrando em Ciência do Solo, Universidade Federal

Leia mais

TAXAS DE CRESCIMENTO DE FABÁCEAS IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS

TAXAS DE CRESCIMENTO DE FABÁCEAS IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS TAXAS DE CRESCIMENTO DE FABÁCEAS IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS C. S. dos Santos 1 ; P. T. Carneiro 2 ; V. R. dos Santos 3 ; M. A. L. dos Santos 4 ; R. A. Santos 1 ; J. M. dos S. Junior 1 RESUMO: O excesso

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

RENDIMENTO DE SEMENTES DE GIRASSOL SOB DIFERENTES DISPONIBILIDADES HÍDRICAS E NÍVEIS DE FÓSFORO

RENDIMENTO DE SEMENTES DE GIRASSOL SOB DIFERENTES DISPONIBILIDADES HÍDRICAS E NÍVEIS DE FÓSFORO RENDIMENTO DE SEMENTES DE GIRASSOL SOB DIFERENTES DISPONIBILIDADES HÍDRICAS E NÍVEIS DE FÓSFORO S. O. Maia Júnior 1 ; D. L. Araujo 2 ; J. T. L. Oliveira 2 ; L. H. G. Chaves 3 ; H. O. C. Guerra 3 RESUMO:

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DO FEIJÃO DE CORDA PRETO SOB DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO FOSFATADA

CRESCIMENTO INICIAL DO FEIJÃO DE CORDA PRETO SOB DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO FOSFATADA CRESCIMENTO INICIAL DO FEIJÃO DE CORDA PRETO SOB DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO FOSFATADA A. C. do N. Silva 1 ; J. J. S. Leandro 1 ; H. de O. Feitosa 2 ; C. M. de Carvalho 3 ; J. A. Pereira 4 ; C. B. G.

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

ADIÇÃO DE TORTA DE ALGODÃO A COMPOSIÇÃO DE DIFERENTES SUBSTRATOS PARA A PRODUÇÃO DE MAMONEIRA

ADIÇÃO DE TORTA DE ALGODÃO A COMPOSIÇÃO DE DIFERENTES SUBSTRATOS PARA A PRODUÇÃO DE MAMONEIRA ADIÇÃO DE TORTA DE ALGODÃO A COMPOSIÇÃO DE DIFERENTES SUBSTRATOS PARA A PRODUÇÃO DE MAMONEIRA Rosiane de Lourdes Silva de Lima 1 Liv Soares Severino 2 Robson César de Albuquerque 3 Maria Isabel de Lima

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTRESSE HÍDRICO SOBRE A CULTURA DO SORGO SUDÃO COM DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA

AVALIAÇÃO DO ESTRESSE HÍDRICO SOBRE A CULTURA DO SORGO SUDÃO COM DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA AVALIAÇÃO DO ESTRESSE HÍDRICO SOBRE A CULTURA DO SORGO SUDÃO COM DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA Ricardo Rafael Andrade de Vasconcelos 1 ; Renato Américo de Araújo Neto 2 ; Tadeu Patêlo Barbosa

Leia mais

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo EDUCAR para PRESERVAR el suelo y conservar la vida en La Tierra Cusco Perú, del 9 al 15 de Noviembre del 2014 Centro de Convenciones

Leia mais

Palavras-chave: Agricultura sustentável; Composto orgânico; resíduos orgânicos.

Palavras-chave: Agricultura sustentável; Composto orgânico; resíduos orgânicos. USO DE SUBSTRATOS DE PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE MUDAS DE RABANETE Julio Cesar Gradice Saluci 1, Mário Euclides Pechara da Costa Jaeggi 2, Alex Justino Zacarias

Leia mais

PARÂMETROS DE CRESCIMENTO DE VARIEDADES DE FEIJÃO-CAUPI PRODUZIDOS SOBRE PROCESSOS AGROECOLÓGICOS EM CONDIÇÕES DO SEMIÁRIDO

PARÂMETROS DE CRESCIMENTO DE VARIEDADES DE FEIJÃO-CAUPI PRODUZIDOS SOBRE PROCESSOS AGROECOLÓGICOS EM CONDIÇÕES DO SEMIÁRIDO Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC 2016 Rafain Palace Hotel & Convention Center- Foz do Iguaçu - PR 29 de agosto a 1 de setembro de 2016 PARÂMETROS DE CRESCIMENTO DE VARIEDADES

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DO PINHÃO MANSO COM DIFERENTES DOSES DE FÓSFORO E ÁGUA RESIDUÁRIA

CRESCIMENTO INICIAL DO PINHÃO MANSO COM DIFERENTES DOSES DE FÓSFORO E ÁGUA RESIDUÁRIA You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work. You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor CRESCIMENTO INICIAL DO PINHÃO MANSO COM DIFERENTES

Leia mais

NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA

NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA Rafael Batista Ferreira 1 (PG)*, Ananda Helena Nunes Cunha 2 (PQ), Itamar Rosa Teixeira 3 (PQ) 1* Eng.

Leia mais

GESSO AGRÍCOLA E LAVAGEM DE UM SOLO SALINO- SÓDICO NA REDUÇÃO DA SALINIDADE E SODICIDADE E NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSOL

GESSO AGRÍCOLA E LAVAGEM DE UM SOLO SALINO- SÓDICO NA REDUÇÃO DA SALINIDADE E SODICIDADE E NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSOL GESSO AGRÍCOLA E LAVAGEM DE UM SOLO SALINO- SÓDICO NA REDUÇÃO DA SALINIDADE E SODICIDADE E NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSOL P. D. dos Santos 1 ; L. F. Cavalcante 2 ; H. R. Gheyi 3 ; R. M. Rodrigues

Leia mais

ANÁLISE DE CRESCIMENTO DE GENÓTIPOS DE BANANEIRA IRRIGADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE

ANÁLISE DE CRESCIMENTO DE GENÓTIPOS DE BANANEIRA IRRIGADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE XLII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 ANÁLISE DE CRESCIMENTO DE GENÓTIPOS DE BANANEIRA

Leia mais

EMISSÃO E ABORTAMENTO DE FLORES EM Lycopersicon pimpinellifolium SOB ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA

EMISSÃO E ABORTAMENTO DE FLORES EM Lycopersicon pimpinellifolium SOB ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA EMISSÃO E ABORTAMENTO DE FLORES EM Lycopersicon pimpinellifolium SOB ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA Antônio Suassuna de Lima 1, Rennan Fernandes Pereira 2, Salatiel

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE GIRASSOL EM FUNÇÃO DE NÍVEIS DE FÓSFORO E ÁGUA DISPONÍVEL

PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE GIRASSOL EM FUNÇÃO DE NÍVEIS DE FÓSFORO E ÁGUA DISPONÍVEL PRODUÇÃO DE MTÉRI SEC DE GIRSSOL EM FUNÇÃO DE NÍVEIS DE FÓSFORO E ÁGU DISPONÍVEL D. L. raujo 1 ; S. O. Maia Júnior 2 ; J. T. L. Oliveira 2 ; L. H. G. Chaves 3 ; H. O. C. Guerra 3 RESUMO: combinação de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES DOSAGENS DE ESTERCO CAPRINO NA CULTURA DO MILHO PIPOCA (ZEA MAYS L.) NA REGIÃO DO SUBMÉDIO DO VALE DO SÃO FRANCISCO

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES DOSAGENS DE ESTERCO CAPRINO NA CULTURA DO MILHO PIPOCA (ZEA MAYS L.) NA REGIÃO DO SUBMÉDIO DO VALE DO SÃO FRANCISCO AVALIAÇÃO DE DIFERENTES DOSAGENS DE ESTERCO CAPRINO NA CULTURA DO MILHO PIPOCA (ZEA MAYS L.) NA REGIÃO DO SUBMÉDIO DO VALE DO SÃO FRANCISCO Evaluation of different doses of goat manure in the popcorn culture

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE FLORESTAIS USANDO COMPOSTO ORGÂNICO

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE FLORESTAIS USANDO COMPOSTO ORGÂNICO DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE FLORESTAIS USANDO COMPOSTO ORGÂNICO Suayra Marta Gomes de Almeida 1, Maria Tereza Cristina do Nascimento 1, Rodolpho Gomes Martins 1, Joelma Sales dos Santos 1 1 Universidade

Leia mais

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MAMONA SUBMETIDOS A DIFERENTES TEMPERATURAS NOTURNAS: CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO*

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MAMONA SUBMETIDOS A DIFERENTES TEMPERATURAS NOTURNAS: CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO* COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MAMONA SUBMETIDOS A DIFERENTES TEMPERATURAS NOTURNAS: CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO* Lígia Rodrigues Sampaio 1, Robson César Albuquerque 2, Liv Soares Severino 3. 1 Universidade

Leia mais

INFLUÊNCIA DE BORDADURA NAS LATERAIS E NAS EXTREMIDADES DE FILEIRAS DE MILHO NA PRECISÃO EXPERIMENTAL 1

INFLUÊNCIA DE BORDADURA NAS LATERAIS E NAS EXTREMIDADES DE FILEIRAS DE MILHO NA PRECISÃO EXPERIMENTAL 1 INFLUÊNCIA DE BORDADURA NAS LATERAIS E NAS EXTREMIDADES DE FILEIRAS DE MILHO NA PRECISÃO EXPERIMENTAL 1 CASAROTTO, Gabriele 2 ; CARGNELUTTI FILHO, Alberto 3 ; BURIN, Cláudia 4 ; TOEBE, Marcos 5 ; SILVEIRA,

Leia mais

BIOMETRIA DE PLANTAS DE TOMATE CEREJA CULTIVADAS SOB DIFERENTES ADUBAÇÕES ORGÂNICAS, EM AMBIENTES COM E SEM BARREIRA VIVA

BIOMETRIA DE PLANTAS DE TOMATE CEREJA CULTIVADAS SOB DIFERENTES ADUBAÇÕES ORGÂNICAS, EM AMBIENTES COM E SEM BARREIRA VIVA BIOMETRIA DE PLANTAS DE TOMATE CEREJA CULTIVADAS SOB DIFERENTES ADUBAÇÕES ORGÂNICAS, EM AMBIENTES COM E SEM BARREIRA VIVA Letícia Kenia Bessa de Oliveira 1, Rafael Santiago da Costa 1, Francisco Evair

Leia mais

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil.

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Luís Cláudio de Faria 1, Patrícia Guimarães Santos Melo 2, Leonardo Cunha Melo 1, 1, 1, Antônio Joaquim Braga

Leia mais

INFLUÊNCIA DA LÂMINA DE IRRIGAÇÃO E POPULAÇÃO DE PLANTAS EM COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA MAMONA CULTIVAR BRS ENERGIA

INFLUÊNCIA DA LÂMINA DE IRRIGAÇÃO E POPULAÇÃO DE PLANTAS EM COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA MAMONA CULTIVAR BRS ENERGIA INFLUÊNCIA DA LÂMINA DE IRRIGAÇÃO E POPULAÇÃO DE PLANTAS EM COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA MAMONA CULTIVAR BRS ENERGIA Sérvulo Mercier Siqueira e Silva 1, Hans Raj Gheyi 2, Napoleão Esberard de Macedo Beltrão

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

REVISTA CAATINGA ISSN X UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO (UFERSA) Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

REVISTA CAATINGA ISSN X UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO (UFERSA) Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação INFLUÊNCIA DA ÁGUA SALINA NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO- QUÍMICAS DO SOLO E NO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA CULTIVADA EM VASOS Cybelle Barbosa e Lima Eng. Agrônoma, Aluna no curso de doutorado em Fitotecnia

Leia mais

Germinação e crescimento inicial de duas cultivar

Germinação e crescimento inicial de duas cultivar Germinação e crescimento inicial de duas cultivares de mamoneira sob estresse salino 347 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental (Suplemento) 25 Campina Grande PB DEAg/UFCG - http://www.agriambi.com.br

Leia mais

CRESCIMENTO VEGETATIVO DE PLANTAS JOVENS DE LARANJA VALÊNCIA SUBMETIDAS A ESTRESSE CONTÍNUO E INTERMITENTE 1

CRESCIMENTO VEGETATIVO DE PLANTAS JOVENS DE LARANJA VALÊNCIA SUBMETIDAS A ESTRESSE CONTÍNUO E INTERMITENTE 1 CRESCIMENTO VEGETATIVO DE PLANTAS JOVENS DE LARANJA VALÊNCIA SUBMETIDAS A ESTRESSE CONTÍNUO E INTERMITENTE 1 E. F. Fraga Júnior 2, R. Mauri 2 ; D. P. V. Leal 3 ; F. S. Barbosa 2 ; L. M. Vellame 3 ; R.

Leia mais

Produção de mudas de tomate submetida à água residuária. Production of seedlings of tomato plants submitted to residual water

Produção de mudas de tomate submetida à água residuária. Production of seedlings of tomato plants submitted to residual water 10843 - Produção de mudas de tomate submetida à água residuária Production of seedlings of tomato plants submitted to residual water ALVES, Rita de Cássia¹; NASCIMENTO, Maria Laiane¹; CAVALCANTE, Jussiara

Leia mais

Otaciana Maria dos Prazeres da Silva Graduanda em Agronomia, Departamento de Ciências Ambientais, UFERSA,

Otaciana Maria dos Prazeres da Silva Graduanda em Agronomia, Departamento de Ciências Ambientais, UFERSA, GRUPO VERDE DE AGRICULTURA ALTERNATIVA (GVAA) ISSN 191-3 CRESCIMENTO DE MUDAS DE MORINGA (Moringa oleifera Lam.) SUBMETIDAS AO ESTRESSE SALINO Otaciana Maria dos Prazeres da Silva Graduanda em Agronomia,

Leia mais

TROCAS GASOSAS EM PLANTAS DE FEIJÃO -DE-CORDA À APLICAÇÃO FOLIAR DE BIOFERTILIZANTE, SOB CONDIÇÕES DE SALINIDADE1

TROCAS GASOSAS EM PLANTAS DE FEIJÃO -DE-CORDA À APLICAÇÃO FOLIAR DE BIOFERTILIZANTE, SOB CONDIÇÕES DE SALINIDADE1 TROCAS GASOSAS EM PLANTAS DE FEIJÃO -DE-CORDA À APLICAÇÃO FOLIAR DE BIOFERTILIZANTE, SOB CONDIÇÕES DE SALINIDADE1 F. L. B. da Silva 2 ; C. F. Lacerda 3 ; A. L. R. Neves 2 ; C. H. C. de Sousa 2 ; F. J.

Leia mais

EFEITO DA SALINIDADE NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE MELOEIRO

EFEITO DA SALINIDADE NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE MELOEIRO REVISTA VERDE DE AGROECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 12 EFEITO DA SALINIDADE NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE MELOEIRO Romenique da Silva de Freitas Eng. Agro. Departamento de Ciências

Leia mais

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA JAEVESON DA SILVA 1, JOSÉ RAIMUNDO FERREIRA FILHO 2 1 Eng. Agr., DSc., Pesquisador da Embrapa Mandioca

Leia mais

TAXA DE ACÚMULO DE FITOMASSA DO CAPIM-CORRENTE ADUBADO COM ESTERCO SUÍNO SOB DUAS ALTURAS DE CORTE EM TRÊS CICLOS CONSECUTIVOS INTRODUÇÃO

TAXA DE ACÚMULO DE FITOMASSA DO CAPIM-CORRENTE ADUBADO COM ESTERCO SUÍNO SOB DUAS ALTURAS DE CORTE EM TRÊS CICLOS CONSECUTIVOS INTRODUÇÃO TAXA DE ACÚMULO DE FITOMASSA DO CAPIM-CORRENTE ADUBADO COM ESTERCO SUÍNO SOB DUAS ALTURAS DE CORTE EM TRÊS CICLOS CONSECUTIVOS Eduardo Henrique de Sá Júnior 1 ; Manoela Gomes da Cruz 1 ; Maurício Luiz

Leia mais

Produtividade de variedades locais de feijão em diferentes doses de cama de aviário e pó de basalto

Produtividade de variedades locais de feijão em diferentes doses de cama de aviário e pó de basalto 13632 - Produtividade de variedades locais de feijão em diferentes doses de cama de aviário e pó de basalto Productivity of local varieties of common beans in different doses of poultry manure and basalt

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES LÂMINAS E FORMA DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CRESCIMENTO DO CAFEEIRO

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES LÂMINAS E FORMA DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CRESCIMENTO DO CAFEEIRO INFLUÊNCIA DE DIFERENTES LÂMINAS E FORMA DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CRESCIMENTO DO CAFEEIRO 1 VALDINEY J. SILVA 1, HUDSON P. CARVALHO 2 e CLÁUDIO R. SILVA 3 1 Mestrando em Agronomia, Instituto de Ciências

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA FOTOSSÍNTESE NO CULTIVO DO FEIJOEIRO EM RELAÇÃO À UMIDADE DO SOLO

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA FOTOSSÍNTESE NO CULTIVO DO FEIJOEIRO EM RELAÇÃO À UMIDADE DO SOLO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA FOTOSSÍNTESE NO CULTIVO DO FEIJOEIRO EM RELAÇÃO À UMIDADE DO SOLO Alexandre C. Salvestro 1, Diego Brandão 2, Paulo Sérgio L.

Leia mais

BIOMETRIA DO COQUEIRO ANÃO SUMETIDO À UTILIZAÇÃO DE BIOFERTILIZANTE LÍQUIDO COM E SEM COBERTURA DO SOLO

BIOMETRIA DO COQUEIRO ANÃO SUMETIDO À UTILIZAÇÃO DE BIOFERTILIZANTE LÍQUIDO COM E SEM COBERTURA DO SOLO BIOMETRIA DO COQUEIRO ANÃO SUMETIDO À UTILIZAÇÃO DE BIOFERTILIZANTE LÍQUIDO COM E SEM COBERTURA DO SOLO José Avelino De Queiroga Neto 1 ; Ubiratan Matias De Queiroga Júnior 1 ; Ériton Eriberto Martins

Leia mais

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA CULTIVADA COM ÁGUAS SALINAS E DOSES DE NITROGÊNIO

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA CULTIVADA COM ÁGUAS SALINAS E DOSES DE NITROGÊNIO COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA CULTIVADA COM ÁGUAS SALINAS E DOSES DE NITROGÊNIO L. A. dos A. Soares 1 ; R. G. Nobre 2 ; H. R. Gheyi 3 ; G. S. de Lima 2 ; A. O. da Silva 2 ; S. da S. Soares 2

Leia mais

ESTRESSE SALINO E TRATAMENTOS DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTE SOBRE A QUALIDADE DE MUDAS DE MAXIXEIRO

ESTRESSE SALINO E TRATAMENTOS DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTE SOBRE A QUALIDADE DE MUDAS DE MAXIXEIRO 8 a 13 de novembro de 215, UFS - São Cristóvão/SE ESTRESSE SALINO E TRATAMENTOS DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTE SOBRE A QUALIDADE DE MUDAS DE MAXIXEIRO M. L. SOUZA NETA 1, S. B. TORRES 2, A. A. T. SOUZA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

CORRELAÇÕES LINEARES ENTRE CARACTERES E DIFERENCIAÇÃO DE HÍBRIDOS SIMPLES, TRIPLO E DUPLO DE MILHO 1

CORRELAÇÕES LINEARES ENTRE CARACTERES E DIFERENCIAÇÃO DE HÍBRIDOS SIMPLES, TRIPLO E DUPLO DE MILHO 1 CORRELAÇÕES LINEARES ENTRE CARACTERES E DIFERENCIAÇÃO DE HÍBRIDOS SIMPLES, TRIPLO E DUPLO DE MILHO 1 ANTONELLO, Bruno Ioppi 2 ; CARGNELUTTI FILHO, Alberto 3 ; CASAROTTO, Gabriele 2 ; BURIN, Cláudia 4 ;

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DO GERGELIM SOB NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO E BIOFERTILIZANTE BOVINO

CRESCIMENTO INICIAL DO GERGELIM SOB NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO E BIOFERTILIZANTE BOVINO CRESCIMENTO INICIAL DO GERGELIM SOB NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO E BIOFERTILIZANTE BOVINO M. L. S. Silva 1 ; T. V. A. Viana 2 ; G. G. Sousa 3 ; L. G. Pinheiro Neto 4 ; F. R. M. Borges 5 ; J. A. Cavalcante Júnior

Leia mais

NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS

NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS Rodrigo Salvador 1 ; Guilherme Vitória 2 ; Herberto Lopes 3 ; Francieli Steffler Weber 4 ; Romano Roberto Valicheski 5 ; Sidinei Leandro Klöckner

Leia mais

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Página 1650 COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Marcelo Abdon Lira 1 ; Máira Milani 2 ; Hélio Wilson Lemos de Carvalho 3 ; João

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 2012/2013. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 2012/2013.

CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 2012/2013. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 2012/2013. CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 202/203. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 202/203. Maiara Paula de Oliveira () Kaio César Ragghianti (2) Bruno Fernandes

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PIMENTÃO HÍBRIDO AMARELO SOB ENERGIZAÇÃO DA ÁGUA E DOSES DE BIOFERTILIZANTE: ALTURA E DIÂMETRO CAULINAR

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PIMENTÃO HÍBRIDO AMARELO SOB ENERGIZAÇÃO DA ÁGUA E DOSES DE BIOFERTILIZANTE: ALTURA E DIÂMETRO CAULINAR CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PIMENTÃO HÍBRIDO AMARELO SOB ENERGIZAÇÃO DA ÁGUA E DOSES DE BIOFERTILIZANTE: ALTURA E DIÂMETRO CAULINAR F. R. M. Borges 1 ; L. G. Pinheiro Neto 2 ; T. V. A. Viana 3 ; A.

Leia mais

Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA a

Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA a Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA 28.09 a 01.10.2015 Acúmulo de massa fresca e seca de plântulas de tomate em função dos diferentes tipos de substratos utilizados Fresh and dry

Leia mais

Reação de genótipos de rabanete a adubação nitrogenada

Reação de genótipos de rabanete a adubação nitrogenada Reação de genótipos de rabanete a adubação nitrogenada Illana Reis Pereira 2, Fabrício Rodrigues 1, Adilson Pelá 1, Lincon Rafael da Silva 2, Renan Cesar Dias da Silva 2, Geovani Soares da Silva Junior

Leia mais

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno.

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno. PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE José Tiago Rambo Hoffmann 1 ; Leandro Werlang 1 ; Rogério Klein 1 ; Marcos Paulo Zambiazi 1 ; Fabiana Raquel Mühl 2 ; Neuri Antônio Feldman

Leia mais

Produção de cebolinha cultivada em garrafa pet sob irrigação com água salina

Produção de cebolinha cultivada em garrafa pet sob irrigação com água salina Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA 28.09 a 01.10.2015 Produção de cebolinha cultivada em garrafa pet sob irrigação com água salina Chives production grown in pet bottle under irrigation

Leia mais

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 Avaliação de diferentes cultivares de milho (Zea mays) para a produção de minimilho na região Bambuí MG Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 1 Estudante

Leia mais

Influência da irrigação com água salina sobre o formato dos frutos de coqueiro

Influência da irrigação com água salina sobre o formato dos frutos de coqueiro 10753 - Influência da irrigação com água salina sobre o formato dos frutos de coqueiro Influence of irrigation with saline water on the shape of coconut fruit SOUTO, Erinaldo Almeida¹; MARINHO, Francisco

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

FLUORESCÊNCIA DA CLOROFILA A EM MAMOEIRO HÍBRIDO UENF/CALIMAN 01 EM DIFERENTES NÍVEIS DE REPOSIÇÃO DA ET O

FLUORESCÊNCIA DA CLOROFILA A EM MAMOEIRO HÍBRIDO UENF/CALIMAN 01 EM DIFERENTES NÍVEIS DE REPOSIÇÃO DA ET O FLUORESCÊNCIA DA CLOROFILA A EM MAMOEIRO HÍBRIDO UENF/CALIMAN 01 EM DIFERENTES NÍVEIS DE REPOSIÇÃO DA ET O M. S. S. Sousa 1 ; S. O. Maia Júnior 2 ; R. L. S. Ferraz 3 ; I. M. Oliveira 4 ; J. M. Silva 5

Leia mais

Desempenho de Cultivares de Alface Americana Para Mesorregião da Mata do Estado de Pernambuco.

Desempenho de Cultivares de Alface Americana Para Mesorregião da Mata do Estado de Pernambuco. Desempenho de Cultivares de Alface Americana Para Mesorregião da Mata do Estado de Pernambuco. Humberto P. Lyra Filho 1 ; Maria Cristina L. da Silva 2 ; Elizabeth A. de A. Maranhão 1 ; Silvio Luiz Tavares

Leia mais

EFEITOS DA SALINIDADE DO SOLO NOS NIVÉIS DE NPK NA FOLHA DO FEIJÃO CAUPI

EFEITOS DA SALINIDADE DO SOLO NOS NIVÉIS DE NPK NA FOLHA DO FEIJÃO CAUPI EFEITOS DA SALINIDADE DO SOLO NOS NIVÉIS DE NPK NA FOLHA DO FEIJÃO CAUPI C. TAGLIAFERRE¹, A. S. P. COSTA², D. U. G. GUIMARÃES², L. J. GONÇALVES², C. H. F. AMORIN³, W. V. CAMPOS 4, V. da S. RODRIGUES² RESUMO:

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 465

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 465 Página 465 AVALIAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE ADUBOS ORGÂNICOS NO CULTIVO DA MAMONEIRA Dário Costa Primo (1) ; Kennedy N. de Jesus (1); Tácio O. da Silva (2) ; Leandro G. dos Santos (3), Karla M. M. Pedrosa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INICIAL DO CAJUEIRO SOB DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS

DESENVOLVIMENTO INICIAL DO CAJUEIRO SOB DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS DESENVOLVIMENTO INICIAL DO CAJUEIRO SOB DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS N. S. da Silva 1 ; K. S. Alves 1 ; F. E. P. Mousinho 2 RESUMO: Este trabalho teve como objetivo avaliar o crescimento do cajueiro através

Leia mais

EFEITO DO DIURON NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.)

EFEITO DO DIURON NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) EFEITO DO DIURON NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) José Carlos de Cerqueira Moraes 1, Dário Costa Primo 1, Leandro Gonçalves dos Santos 1, Ubiratan Oliveira Souza 1, Maria de Fátima

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE SALINIDADE EM DOIS SOLOS SUBMETIDOS A LÂMINAS CRESCENTES DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE SALINIDADE EM DOIS SOLOS SUBMETIDOS A LÂMINAS CRESCENTES DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE SALINIDADE EM DOIS SOLOS SUBMETIDOS A LÂMINAS CRESCENTES DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA André Souza Lima Eng. Agr. Mestre em Irrigação e Drenagem. UFERSA Universidade Federal Rural

Leia mais

COMPONENTES DE PRODUÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA ORDEM DOS RACEMOS NO RENDIMENTO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO-CAUPI E AMENDOIM

COMPONENTES DE PRODUÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA ORDEM DOS RACEMOS NO RENDIMENTO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO-CAUPI E AMENDOIM COMPONENTES DE PRODUÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA ORDEM DOS RACEMOS NO RENDIMENTO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO-CAUPI E AMENDOIM Maria Lita Padinha Corrêa 1, Francisco José Alves Fernandes Távora 2, João

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES TEORES DE ESTERCO BOVINO E NÍVEIS DE SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DA MAMONEIRA (Ricinus communis L.)

EFEITO DE DIFERENTES TEORES DE ESTERCO BOVINO E NÍVEIS DE SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DA MAMONEIRA (Ricinus communis L.) EFEITO DE DIFERENTES TEORES DE ESTERCO BOVINO E NÍVEIS DE SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DA MAMONEIRA (Ricinus communis L.) Mychelle Karla Teixeira Oliveira Bolsista PIBIC/UFERSA, UFERSA, Mossoró RN

Leia mais

Resposta de Cultivares de Milho à Adubação Nitrogenada em Cobertura

Resposta de Cultivares de Milho à Adubação Nitrogenada em Cobertura Resposta de Cultivares de Milho à Adubação Nitrogenada em Cobertura Previous Top Next JOSÉ C. CRUZ. 1, FRANCISCO T. F. PEREIRA. 1, ISRAEL A. PEREIRA FILHO 1 e ANTONIO M.COELHO 1 1Embrapa Milho e Sorgo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 FRAGA JUNIOR, E. F. 2 ; VALLE JUNIOR, R.F. 3 ; FERREIRA JUNIOR, J. A. 4 ; CASSIA, M. T. 4 ; BONTEMPO, A.R. 4 ; FERREIRA,

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA NA CULTURA DA SOJA EM SOLO COM BIOFERTILIZANTE

MANEJO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA NA CULTURA DA SOJA EM SOLO COM BIOFERTILIZANTE MANEJO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA NA CULTURA DA SOJA EM SOLO COM BIOFERTILIZANTE V.S. Rodrigues 1, G.G. de Sousa 2, S.S. da Costa 3, E. R. Cardoso 3, E. D. R. de Ceita 3, J. N. Fiuza 3 RESUMO: O excesso

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais