A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO DOS MUNICÍPIOS DA AMUNOP 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO DOS MUNICÍPIOS DA AMUNOP 1"

Transcrição

1 1 A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO DOS MUNICÍPIOS DA AMUNOP 1 1 V ECOPAR (Encontro de Economia Paranaense), UFPR, Curitiba PR, 04 e 05 de outubro de 2007.

2 2 A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO DOS MUNICÍPIOS DA AMUNOP RESUMO O presente trabalho analisou os vinte municípios que compõem a microrregião do norte do Paraná, a Amunop. Levantou-se os principais indicadores de desenvolvimento econômico como PIB per capita, coeficiente de Gini e IDH destes municípios de forma a confrontar com indicadores nacional e mundial. Por fim a discussão da política pública regional e industrial para reduzir a distância econômica entre os municípios da Amunop e Londrina. Palavras Chaves: Microrregião, renda, desenvolvimento ABSTRAT The present work analyzed the twenty cities that the microregion of the north of the Paraná composes, the Amunop. One arose the main pointers of economic development as the per capita PIB, coefficient of Gini and IDH of these cities of form to collate with pointers national and world-wide. Finally the quarrel of the regional and industrial public politics to reduce in the distance economic enters the cities of the Amunop and Londrina. Key-Words: Microregion, income, development

3 3 INTRODUÇÃO Este estudo avalia uma das microrregiões do norte do Paraná sob a ótica da economia regional inseridos nos conceitos de desenvolvimento. A região escolhida foi o conjunto de municípios que formam a Associação dos Municípios do Norte do Paraná (AMUNOP). O esboço em análise é uma forma estratégica de discutir problemas políticos comuns e estratégias de crescimento e desenvolvimento. Alguns municípios contam com infra-estrutura razoável, tecnologia e universidade, outros, carentes, isolados e fardados ao isolamento econômico, daí a importância da Associação e desta matéria. INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO A Teoria Econômica beneficia-se do conceito do desenvolvimento regional e este pode ser aplicado no estudo das microrregiões paranaenses. Começamos com os indicadores de renda, isto é, do PIB per capita, porém, esse não é melhor apontador do desenvolvimento. Clemente (2000, p e 136-7) alerta num capítulo específico que o indicador mais amplamente utilizado para representar o nível de desenvolvimento de uma região ou de um país é a renda per capita ; no entanto, as deficiências desse procedimento são evidentes, principalmente quando não se complementa a análise com outros indicadores. Entre esses outros indicadores surge imediatamente a distribuição de renda, pois, sendo a renda per capita um valor médio, é muito desejável que haja também informação sobre a distribuição. (...) Há, porém, outro conceito de desenvolvimento que merece ser considerado: o desenvolvimento auto-sustentado. (...) O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) publica desde 1990 o Relatório de Desenvolvimento Humano. Esse relatório é baseado no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que considera três fatores: longevidade, educação e renda per capita. Nessa abordagem, fica clara a dimensão econômica do desenvolvimento. (...) O desenvolvimento de uma região tende a estimular o desenvolvimento das regiões vizinhas ou, pelo contrário, constitui obstáculo para que estas também se desenvolvam? A Teoria do Crescimento Regional fornece resposta positiva a essa questão. (...) Não seria possível exagerar a importância dessas hipóteses para a política de desenvolvimento regional. Se a hipótese de espraiamento estiver correta, os desequilíbrios regionais tenderão a diminuir espontaneamente com o passar do tempo, e as regiões menos desenvolvidas aos poucos se aproximarão dos padrões das regiões adiantadas. Se entretanto, a hipótese de dominação estiver correta, os desequilíbrios

4 4 tenderão a se exacerbar com o passar do tempo e as cada vez mais das regiões desenvolvidas [grifo meu]. regiões atrasadas se distanciarão Dessa forma, para ampliar a dimensão econômica do desenvolvimento a Tabela 1 mostra os vinte municípios da Amunop que compõem uma das regiões do norte do Paraná e também os indicadores de desenvolvimento, como o PIB per capita, o Coeficiente de Gini, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e a taxa de crescimento da população. O primeiro indicador analisa a renda dos indivíduos de acordo com o produto interno bruto. O PIB per capita é o somatório de tudo que se produz no país, estado ou município dividido pela respectiva população. O segundo é muito utilizado para medir a concentração da renda. O terceiro mede o desenvolvimento humano em nível de educação, longevidade e renda. O quarto mede a taxa de crescimento populacional em porcentagem. TABELA 1 A CONJUNTURA DOS 20 MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A AMUNOP Municípios PIB per capita 1 (R$) Coeficient e de Gini 2 IDH 3 Taxa de Crescimento 4 (%) 1 Assaí ,550 0,748-1,33 2 Bandeirantes ,530 0,756-0,19 3 Congonhinhas ,520 0,692 0,11 4 Cornélio Procópio ,550 0,791 0,05 5 Curiúva ,530 0,675 2,34 6 Itambaracá ,510 0,715-3,47 7 Leópolis ,540 0,742-0,78 8 Nova América da Colina ,500 0,716-1,51 9 Nova Fátima ,570 0,747-0,11 10 Nova Santa Bárbara ,590 0,701-0,36 11 Rancho Alegre ,490 0,738-0,80 12 Santa Amélia ,570 0,711-0,55 13 Santa Cecília do Pavão ,520 0,712-2,11 14 Santa Mariana ,520 0,751-0,98 15 Santo A. do Paraíso ,530 0,715 1,29 16 São Jerôrimo da Serra ,590 0,674-1,36 17 São S. da Amoreira ,530 0,724 0,83 18 Sapopema ,500 0,698-0,36 19 Sertaneja ,560 0,786-0,32 20 Uraí ,560 0,751-1,26 FONTE: IPARDES, (2007) NOTAS: (1) 2004; (2) 2000; (3) 2000; (4) 2000

5 5 PIB PER CAPITA De posse das informações preliminares da Tabela 1, o melhor PIB per capita fica com Sertaneja (R$ ), seguido de Leópolis (R$ ) e Rancho Alegre (R$ ). A última posição está com Curiúva (R$ 4.515). Segundo o IPARDES, (2007) o PIB per capita paranaense vem evoluindo sensivelmente no período analisado na Tabela 2 assim como o nacional. TABELA 2 PIB PER CAPITA DO BRASIL E PARANÁ A PREÇOS CORRENTES DE MERCADO Ano Unidade Brasil Paraná 1994 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ FONTE: IPARDES, (2007) e (1) BACEN, (2007) No tocante a esta Tabela, o Paraná está em melhores condições pois cresceu 10,24% no ano de 2004 em relação à média nacional. A comparação destes dados regionais com os nacionais dará uma dimensão dos números em estudo. Confrontando as informações da Tabela 1 com a Tabela 2, verifica-se que os dois primeiros municípios desfrutam de uma posição privilegiada em relação ao índice nacional. Para dados do Bacen (2007), o PIB per capita do ano de 2006 (R$ ) é inferior ao dos municípios Sertaneja e Rancho Alegre. Porém, a cidade de Curiúva apresentou um índice equivalente ao ano de 1995, isto é, está bem aquém do mínimo necessário para renda regional e nacional.

6 6 No entanto, segundo informações do Banco Central, a Tabela 3 mostra a taxa média de crescimento do PIB brasileiro, da população e do PIB per capita. Com ênfase neste último, a década de 1970 se mostrou superior a de Isso foi o reflexo do Milagre Brasileiro (sem precedentes) e dos I e II PNDs (Plano Nacional de Desenvolvimento), porém a década de 1980 amargou um índice negativo devido aos dois choques do petróleo (1973 e 1979), da elevação da dívida externa, da alta taxa inflacionária e da recessão mundial. A década de 1990 foi de transformação, pois a economia nacional abriu-se para o mundo, privatizou as empresas públicas e estancou, na metade desta década, a inflação. TABELA 3 Taxas médias de crescimento (%) Período PIB População PIB per capita Década de 60 ( ) 6,17 2,89 3,19 Década de 70 ( ) 8,63 2,44 6,04 Década de 80 ( ) 1,57 2,14-0,56 Década de 90 ( ) 2,64 1,57 1,06 FONTE: FGV e IBGE apud BACEN, (2007) Pode-se tirar três conclusões destas informações quanto à taxa de crescimento do PIB per capita. A primeira é na Década Perdida, que herdou e deixou resultados impactantes ao desenvolvimento para a próxima década, e esta, não reverteu o tempo submergido a um crescimento significativo, apenas 2,64% no PIB e 1,06% no PIB per capita. A segunda é o impacto nas economias regionais. A terceira é a herança da ineficiência da gestão pública. Ampliando o horizonte do estudo, a Tabela 4 fornece dados sobre as economias desenvolvidas, em desenvolvimento e subdesenvolvidas latinoamericanas. TABELA 4 PIB per capita Mundial (%) Período Economias avançadas 3,3 0,6 0,9 1,3 2,7 2,0 2,3 Países em desenvolvimento 4,4 2,7 3,5 5,2 6,0 5,1 5,0 Países em desenvolvimento 2,4-1,0-1,5 0,7 4,2 2,4 2,3 América Latina (1) FONTE: WORLD ECONOMIC OUTLOOK, FMI (MAR/2007) apud BACEN, (2007) NOTA: (1) exceto Estados Unidos, Canadá e Cuba.

7 7 Nesta análise, o PIB per capita das economias avançadas cresceu 2,3% em 2006 que curiosamente foi o mesmo índice dos países da América Latina, porém, inferior aos países em desenvolvimento que foi de 5,0% no mesmo ano. Se fizermos a média aritmética dos dados da referida Tabela tem-se como resultado dessas economias, respectivamente, um crescimento no período de 1,87%, 4,56 e 1,36%. Isso significa que a América Latina, na média, não acompanha o crescimento mundial e isso reflete no Brasil, nos Estados Federativos e também nas microrregiões. Até o presente momento a renda per capita foi amplamente usada para medir o desenvolvimento de uma microrregião, do estado, do país ou mesmo com outras nações. Mas não é o suficiente uma vez que este indicador não averigua os males da má distribuição da renda ou mesmo sobre a educação, longevidade e renda. Com reforço a esse argumento Lourenço, (2005, p. 9) escreve que é conveniente ter presente que nem sempre as grandezas, PIB total ou per capita, expressam a disponibilidade de potencialidades econômicas ou de qualidade de vida das populações locais, a não ser quando são fruto da combinação entre expansão da renda e da população e, por extensão, dos níveis de emprego. Em certas situações, a implantação e consolidação de atividades com parâmetros assimétricos de agregação de valor e de absorção de mão-deobra pode provocar inclusive o fenômeno de impulsão da renda e de expulsão de população, bastante comum em municípios de pequeno porte, especializados na exploração agrícola de subsistência e/ou desprovidos de infra-estrutura [grifo meu]. Aproveitando-se da citação no que diz respeito à taxa de crescimento da população, a última coluna da Tabela 1 exibe esse índice. Setenta e cinco por cento dos municípios apresentam número negativo, isto é, a população não está aumentando e isso não é devido à redução do índice de natalidade ou do índice de longevidade de vida, mas sim do efeito migração para grandes centros em busca de oportunidades com renda melhor. O índice mais alarmante fica com o município de Itambaracá com -3,47% seguido por Santa Cecília do Pavão (-2,11%) e Nova América da Colina (-1,51%). A maior taxa positiva fica com Curiúva (2,34%). Infelizmente as comunas deste estudo estão com uma população cada vez mais idosa. A falta de emprego e o aumento do custo de vida também são refletidos no país com a redução do crescimento populacional (veja Tabela 3) e com o envelhecimento da população.

8 8 COEFICIENTE DE GINI Com relação a outros indicadores, e estes mais apropriados, a Tabela 1 exibe na terceira coluna o coeficiente de Gini. Este é muito utilizado para medir a concentração da renda. O valor para análise varia de 0 a 1, isto é, quanto mais próximo de 0, menor a concentração e quanto mais perto de 1, maior a concentração da renda. Dessa forma a distribuição de renda é mais bem distribuída nos centros urbanos de Rancho Alegre (0,490) seguido por Nova América da Colina e Sapopema (0,500). O pior índice fica com Nova Santa Bárbara e São Jerônimo da Serra (0,590). Colacionando com o índice estadual, dados de 2000 pelo IBGE, o Paraná apresentou o número 0,607, um escândalo. A nível nacional, a Tabela 5 mostra uma série de dados que relatam a péssima distribuição de renda no Brasil. São índices que variam de 0,636 (1989) a 0,569 (2005), bem alto. Os três primeiros municípios citados desdenham o glamour da melhor distribuição de renda. TABELA 5 - Renda - desigualdade - coeficiente de Gini Período Coef. Gini Período Coef. Gini Período Coef. Gini Período Coef. Gini Período Coef. Gini , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,569 FONTE: IPEA, (2007) NOTA: Atualizado em 22 de novembro de Checando a Tabela 6, alguns dados de países selecionados verificam-se que os países desenvolvidos apresentam um coeficiente inferior as nações subdesenvolvidas, isto é, apresentam uma melhor distribuição de renda.

9 9 TABELA 6 COEFICIENTE DE GINI EM PAÍSES SELECIONADOS Países Selecionados 2004 Canadá 0,326 Estado Unidos 0,408 México 0,495 Brasil 0,580 Argentina 0,528 Chile 0,571 Rússia 0,399 Índia 0,325 China 0,447 Japão 0,249 Austrália 0,325 FONTE: Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização das Nações Unidas (ONU), 2004 apud CORECONSP (2007) Contudo, países como a Rússia e a Índia apresentam índices inferiores ao dos Estados Unidos. O Brasil infelizmente lidera esse ranking que está entre os mais elevados do mundo. ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO O último indicador em análise é o do desenvolvimento humano (IDH). Este está ilustrado na quarta coluna da Tabela 1 e tem como base o Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). No Brasil é organizado pelo IPEA e pela FJP 2 com base nos censos do IBGE 3. Lembrando que esse índice mede o nível de educação, longevidade e renda tendo como valor para análise entre 0 a 1, dividido em intervalos, isto é, quanto mais próximo de 0, menor o IDH e quanto mais perto de 1, maior o IDH. No intervalo de 0 a 0,499 diz-se que existe desenvolvimento humano baixo, entre 0,500 a 0,799 médio e acima de 0,800 é considerado alto. Os três primeiros municípios analisados na Tabela 1 são: Cornélio Procópio (0,791), Sertaneja (0,786) e Bandeirantes (0,756). A última cidade foi São Jerônimo da Serra 2 Fundação João Pinheiro-MG. 3 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

10 10 (0,674). Assim, todas as comunas estão na faixa de médio desenvolvimento humano. Contudo, numa análise mais abrangente como é mostrado na Tabela 7, Cornélio Procópio ocupava a 29ª posição em 1991 e caiu para a 38ª em 2000 no ranking das urbes paranaenses (veja 5ª coluna). Sertaneja perdeu 9 posições e Bandeirantes ganhou 4. Não obstante, todos os centros urbanos apresentaram melhoramentos no IDH (veja 7ª coluna). O destaque ficou com Nova Fátima que aumentou o IDH em 20,10% no período de 1991 a TABELA 7 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO SEGUNDO OS 20 MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A AMUNOP Municípios IDH-M 1991 Ranking IDH-M 2000 Ranking Ranking % IDH Paraná 1 0, , ,69 Curitiba 2 0, , ,27 Londrina 3 0, , ,71 1 Assaí 0, , ,84 2 Bandeirantes 0, , ,67 3 Congonhinhas 0, , ,07 4 Cornélio Procópio 0, , ,41 5 Curiúva 0, , ,38 6 Itambaracá 0, , ,50 7 Leópolis 0, , ,28 8 Nova A. da Colina 0, , ,05 9 Nova Fátima 0, , ,10 10 Nova Santa Bárbara 0, , ,17 11 Rancho Alegre 0, , ,15 12 Santa Amélia 0, , ,05 13 Santa C. do Pavão 0, , ,84 14 Santa Mariana 0, , ,13 15 Santo A. do Paraíso 0, , ,37 16 São J. da Serra 0, , ,61 17 São S. da Amoreira 0, , ,73 18 Sapopema 0, , ,13 19 Sertaneja 0, , ,78 20 Uraí 0, , ,42 FONTE: PNUD/IPEA/FJP apud IPARDES, (2007) NOTAS: (1) Ranking entre os estados da federação; (2) Capital do Paraná; (3) Segunda maior cidade do Paraná e está na proximidade dos municípios da Amunop. A título de comparação em relação aos estados da federação, o Estado do Paraná teve o índice em 0,711 em 1991 e 0,787 em 2000, reduzindo uma posição (7ª para 6ª) e aumentando o IDH em 10,69%. A capital paranaense, Curitiba, tinha 0,798 em 1991 e passou para 0,856 em 2000, saindo da posição de médio desenvolvimento para alto desenvolvimento, isto é, aumentou 7,27% mantendo a liderança no ranking. A segunda maior cidade do Estado, Londrina, é circunvizinha

11 11 dos municípios em estudo e apresentou o IDH em 1991 de 0,765 e 0,824 em 2001, saindo do médio desenvolvimento para o alto desenvolvimento mas perdendo posições (2ª para 10ª). Vale à pena inserir neste contexto o IDH dos países selecionados da Tabela 6 (disposto na Tabela 8) assim como das nações desenvolvidas, subdesenvolvidas e países em desenvolvimento da América Latina e Caribe. TABELA 8 IDH EM PAÍSES SELECIONADOS Países Selecionados 2003 Canadá 0,950 Estado Unidos 0,948 México 0,821 Brasil 0,792 Argentina 0,863 Chile 0,859 Rússia 0,797 Índia 0,611 China 0,768 Japão 0,949 Austrália 0,957 FONTE: Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização das Nações Unidas (ONU), 2003 apud CORECONSP (2007) A primeira vista da Tabela 8, não é surpresa os países desenvolvidos terem um alto IDH, mas a novidade apareceu no México, na Argentina e no Chile em relação ao Brasil. O grande questionamento a essa altura é como esperar dos municípios em estudo um IDH alto se nem mesmo a média brasileira consegue, ao menos, estar próximo dos seus conterrâneos latinos? Embora Curitiba e Londrina não sejam objetos deste estudo estas comunas conseguiram passar do médio para o alto desenvolvimento humano. A importância dessas metrópoles justifica-se numa pesquisa feita pelo IPEA, onde os municípios de Londrina e Curitiba estariam em uma relação das quinze áreas do País consideradas de abrangência de pólos ou centros de inovação (LOURENÇO, 2005, p.11).

12 12 POLÍTICA PÚBLICA REGIONAL E INDUSTRIAL O grande desafio proposto aqui é a criação de uma ponte 4 entre os municípios das Amunop e Londrina. A troca de experiências, a formação de parcerias e a pesquisa no que diz respeito à atividade comercial, serviços, agronegócio, pólo industrial e pesquisas universitárias tendem a multiplicar o produto regional. A Tabela 9 comprova o poder econômico de Londrina e a grande distância das cidades da microrregião da Amunop. A relação do PIB está na ordem de 2,39 vezes ou 139%. Isto também pode ser comprovado pelo número total de estabelecimentos no município subdividindo em indústria, comércio varejista, comércio atacadista e serviços. A população economicamente ativa (PEA) excede em 73,24%, isto é, mais renda agregada e maior o impacto na demanda agregada. 4 A proximidade entre as comunas está num raio de 60 km.

13 13 TABELA 9 Números dos municípios da Amunop versus Londrina Municípios PIB Nº total de estabelecimentos no Município PEA C (US$) Ind C Var Atac Serv (hab) Assaí , Bandeirantes , Congonhinhas , Cornélio Procópio , Curiúva , Itambaracá , Leópolis , Nova Am. da Colina , Nova Fátima , Nova Santa Bárbara , Rancho Alegre , Santa Amélia , Santa Cecília do Pavão , Santa Mariana , Santo Ant. do Paraíso , São Jerôrimo da Serra , São Seb. da Amoreira , Sapopema , Sertaneja , Uraí , Amunop , Londrina , Lond./Amunop (%) 2,39 3,92 2,50 5,06 2,82 1,73 FONTE: PARANACIDADE, (2007) Outra informação relevante é o perfil dos principais produtos agrosilvopastoris e industriais. Na microrregião da Amunop destaca-se no setor primário a soja, uva, algodão, cana-de-açúcar, alfafa, trigo, milho, mamão, leite, bovinos, aves de corte e

14 14 madeira em tora para papel e celulose. No setor secundário os produtos alimentares, têxteis, metalurgia, bebidas, perfumaria, sabões e velas, produtos minerais não metálicos, madeira, mecânica, química, produto elétrico e de comunicação, editorial e gráfico, vestuário, mobiliário, calçados e tecidos. Em Londrina o primeiro setor abrange a soja, o milho e o gado bovino. No segundo setor os produtos alimentares, química, vestuário, calçados e tecidos. Salienta-se aqui a grande diversidade da microrregião. Posto isso, complementa-se a inclusão de políticas compartilhadas que apreciem a redução das disparidades regionais e a maior dispersão das atividades econômicas no Estado requerem a adoção de políticas públicas dirigidas ao estímulo aos segmentos produtivos absorventes de mão-de-obra, caso da construção civil e do agronegócio, e ao empreendedorismo, além de vultosos investimentos na recuperação e ampliação do aparato infra-estrutural, variável que deve anteceder qualquer etapa sustentada de crescimento econômico (LOURENÇO, 2005, p. 12). Adicionam-se a estas estratégias as políticas públicas industriais pela ótica da competência de inovar no pensamento schumpeteriano e das políticas macroeconômicas, isto é, o aumento da demanda agregada que representa o consumo, os investimentos públicos e privados, tendo como resposta a geração de renda e empregos. CONCLUSÃO As principais conclusões que se pode tirar deste esboço são: 1º) o município de Sertaneja apresenta o maior PIB per capita (R$ ), o segundo melhor IDH (0,786) mas apresenta uma péssima distribuição de renda (muito próxima a nacional) e uma taxa de crescimento de -0,32%; 2º) a cidade pólo da microrregião, Cornélio Procópio, não está entre as três primeiras urbes com o maior PIB per capita e tão pouco está entre os três primeiros com melhor índice do coeficiente de Gini, apenas detém o maior índice de IDH, aproximando da classificação alta;

15 15 3º) o município de Curiúva necessita de atenção urgente para elevação do PIB per capita e os municípios de Nova Santa Bárbara e São Jerônimo da Serra precisam melhorar a distribuição de renda; 4º) a taxa negativa de crescimento populacional em 75% dos municípios reflete a perspectiva de um futuro nada promissor principalmente em Itambaracá; 5º) a comparação dos índices nacional e mundial com o PIB per capita, o Coeficiente de Gini e o Índice de Desenvolvimento Humano apresentaram clara noção da necessidade de melhorar esses números na microrregião; 6ª) a aplicação de políticas públicas regionais condizentes com a microrregião faz-se necessária e urgente sob o risco da hipótese de dominação, isto é, os desequilíbrios tenderão a se exacerbar com o passar do tempo e as regiões atrasadas se distanciarão cada vez mais das regiões desenvolvidas (op. cit., 2000); 7ª) A inserção de políticas públicas industriais torna-se essencial a promoção da pesquisa e do desenvolvimento (P&D) no pensamento schumpeteriano. Sintetizando, espera-se que este trabalho agregue mais um passo em direção a eficiência da política pública regional e industrial paranaense, que o PIB per capita seja mais alto e uniforme, que o Coeficiente de Gini aproxime dos países desenvolvidos, que o IDH passe para o alto desenvolvimento humano e que a ponte entre os municípios da Amunop e Londrina seja rapidamente erguida e trafegada. REFERÊNCIAS AMUNOP Associação dos Municípios do Norte do Paraná. Disponível em <www.amunop.org.br>. Acesso em 5 abr BACEN Banco Central do Brasil. Disponível em <www.bacen.gov.br>. Acesso em 13 abr CLEMENTE, Ademir. HIGACHI, Hermes Y. Economia e Desenvolvimento Regional. São Paulo: Atlas, CORECONSP Conselho Regional de Economia do Estado de São Paulo. Disponível em <www.coreconsp.org.br/indicadores>. Acesso em 16 abr 2007

16 16 IPARDES Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social. Disponível em <www.ipardes.gov.br>. Acesso em 5 abr IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Disponível em <www. Acesso em 11 abr LOURENÇO, G. M. A dimensão econômica dos municípios brasileiros. Análise Conjuntural. Curitiba, v. 27, n.5-6, p., mai/jun Disponível em <www.ipardes.gov.br>. Acesso em 16 abr PARANACIDADE. Associação dos Municípios do Norte do Paraná (AMUNOP). Disponível em <www.paranacidade.org.br/base/ associacoes/>. Acesso em 18 jan PARANACIDADE. Disponível em <www.paranacidade.org.br/municipios/a_ economicos.php>. Acesso em 28 abr 2007.

17 17 ANEXO A Figura 1 ilustra o mapa do Estado do Paraná, a microrregião em estudo (área 6) e o Anel de Integração. São 20 municípios que constituem a associação (Amunop), sendo Cornélio Procópio a cidade pólo. FIGURA 1 MAPA DO ESTADO DO PARANÁ: MICRORREGÕES FONTE: PARANACIDADE, (2003) Ampliando a área 6 as comunas são ilustradas geograficamente na Figura 2.

18 18 FIGURA 2 LOCALIZAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DA AMUNOP FONTE: AMUNOP, (2007)

A importância dos indicadores de desenvolvimento dos municípios da Amunop

A importância dos indicadores de desenvolvimento dos municípios da Amunop A importância dos indicadores de desenvolvimento dos municípios da Amunop Ricardo Dalla Costa 1 Resumo: O presente trabalho analisou os vinte municípios que compõem a microrregião do norte do Paraná, a

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o O Brasil e o IDH No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) divulgou o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH 2005), com a análise de 177 países. Com dados

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população.

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população. RESULTADOS O Espírito Santo que se deseja em 2015 é um Estado referência para o País, na geração de emprego e renda na sua indústria, com conseqüente eliminação das desigualdades entre os municípios capixabas.

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Econômico

Crescimento e Desenvolvimento Econômico FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Crescimento e Desenvolvimento Econômico Prof. Tiarajú A. de Freitas Bem-vindo! É com grande

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011 O DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho Janeiro/2011 O modelo atual (1994/2010) MAIS QUE UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO É UM MODELO DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano C Montanhas Rochosas

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS José Lúcio Alves Silveira 1 RESUMO O trabalho apresenta que o importante desafio para o País consiste na União

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 Carlos Fadigas A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 10 % do PIB INDUSTRIAL 6 ª MAIOR Indústria Química DO MUNDO A INDÚSTRIA QUÍMICA DEVE FATURAR US$ 157 BILHÕES

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES Sylvio Bandeira de Mello e Silva Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

Desenvolvimento Regional: AMUNOP - Associação dos Municípios do Norte do Paraná

Desenvolvimento Regional: AMUNOP - Associação dos Municípios do Norte do Paraná Desenvolvimento Regional: AMUNOP - Associação dos Municípios do Norte do Paraná Ricardo Dalla Costa 1 RESUMO Este artigo analisa o campo da economia regional e coloca como exemplo uma associação de municípios

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores.

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores. DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI Jeniffer Fonseca da Silva Jean Carlos da Silva Américo Tito Carlos Machado de Oliveira 1 Aluna do curso de ciências econômicas da UFMS,

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

2. DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO: UMA REVISÃO

2. DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO: UMA REVISÃO CARACTERÍSTICAS DO INDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: COMPARATIVO ENTRE CASCAVEL E FOZ DO IGUAÇU Área: ECONOMIA Leila Fernanda Pedron UNIOESTE lfpedron@hotmail.com Marcia Rudy

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil Perspectivas para o setor agrícola no Brasil O que a conjuntura macroeconômica nos reserva? Felippe Serigati O queaconteceucom o setoragrícola nas últimas décadas? A importânciado agronegócioparao Brasil

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 14 José Ricardo Roriz Coelho PARTE II Novembro

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Fernando A. Veloso Ibmec/RJ XII Seminário Anual de Metas para a Inflação Maio de 2010 Crescimento da Renda per Capita Entre 1960 e 1980, a renda

Leia mais

REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS DOS INDICADORES ESTATÍSTICOS DA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE COM DESTAQUE PARA O CONTEXTO DE CORUMBATAÍ DO SUL

REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS DOS INDICADORES ESTATÍSTICOS DA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE COM DESTAQUE PARA O CONTEXTO DE CORUMBATAÍ DO SUL REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS DOS INDICADORES ESTATÍSTICOS DA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE COM DESTAQUE PARA O CONTEXTO DE CORUMBATAÍ DO SUL PAGLIARINI JR., Sérgio Norberto. IC, Fecilcam, Geografia,

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção Índice de Gini e IDH Prof. Antonio Carlos Assumpção Redução da pobreza e Desigualdade de Renda Redução da pobreza e Desigualdade de Renda A partir da estabilização da economia, em 1994, houve no Brasil

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB.

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO Introdução NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. MsC. Elídio Vanzella Professor da Estácio e Ensine Faculdades Email: evanzella@yahoo.com.br O crescimento da população

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8 Conteúdo Introdução... 4 Percepção sobre a economia e o comércio... 5 Gargalos da economia brasileira... 7 Consumo das famílias... 8 Ambiente regulatório... 9 Logística pública... 10 Mão de obra... 10

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL 15/03/2012 Joésio D. P. Siqueira Vice-Presidente STCP 1/29 A STCP Conquistas recentes Clientes de 38 países das Américas, África, Europa, Ásia e Oceania 17 escritórios

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais