ROSEANE BARCELLOS MARQUES. ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) NO BRASIL: Uma avaliação de sua capacidade de retratar a realidade social

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROSEANE BARCELLOS MARQUES. ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) NO BRASIL: Uma avaliação de sua capacidade de retratar a realidade social"

Transcrição

1 ROSEANE BARCELLOS MARQUES ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) NO BRASIL: Uma avaliação de sua capacidade de retratar a realidade social PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM ECONOMIA POLÍTICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO São Paulo 2006

2 ROSEANE BARCELLOS MARQUES ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) NO BRASIL: Uma avaliação de sua capacidade de retratar a realidade social PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM ECONOMIA POLÍTICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Dissertação apresentada a banca examinadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, como exigência parcial para a obtenção do título de MESTRE em Economia Política, sob a orientação do Prof. Doutor João Batista Pamplona. São Paulo 2006

3 FOLHA DE APROVAÇÃO DA BANCA EXAMINADORA DE DEFESA

4 Autorizo, exclusivamente para fins acadêmicos e científicos, a reprodução total ou parcial desta dissertação por processos de fotocopiadoras ou eletrônicos. Assinatura: Local e Data:

5 AGRADECIMENTOS Expressar minha gratidão não será tarefa fácil, afinal foram muitos e diferentes auxílios recebidos no desenvolvimento desta dissertação. Agradeço à Universidade Anhembi Morumbi pela bolsa indispensável a realização do curso de Mestrado. Desta instituição recebi não só fomento financeiro como a possibilidade de aplicar meus conhecimentos na atividade docente. Lá, também, passei minhas tardes pesquisando, lendo e escrevendo assuntos realizados ao tema. Lembrarei, sempre do apóio que recebi dos professores, funcionários e demais colaboradores nos momentos mais difíceis. A Sônia, funcionária do Programa de Mestrado em Economia Política da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pela colaboração efetiva, sempre procurando resolver os problemas que eu lhe levava. Se existissem mais pessoas como ela nos lugares por onde eu passo a vida seria mais simples e agradável. Aos professores Doutores Otília Maria Lucia Barbosa Seiffert, Carlos Educardo Carvalho e João Batista Pamplona meus orientadores agradeço pela paciência, atenção e dedicação destinadas a mim e à minha dissertação. Tudo começou nas aulas da Profa. Otilia, minha primeira orientadora, em virtude do direcionamento da pesquisa o Professor Carlos Eduardo Carvalho prosseguiu por algum tempo com a difícil tarefa de me orientar. Eram tantas as tarefas destinadas à ele que esta ficou para o Professor João Pamplona. À ele toda minha gratidão pela realização e encerramento desta dissertação. A paciência e apoio incondicionais foram cruciais para manter meu estado psíquico normal durante o período de realização desta atividade. Aos demais professores àqueles que foram meus professores nas disciplinas que estudei e àqueles que me auxiliaram em momentos específicos do curso; meu muitíssimo obrigada. Agradeço à Professora Rosa Maria Marques pelas importantes sugestões durante o exame de qualificação. Aos professores coordenadores da Universidade Anhembi Morumbi entre eles João Garção e Elaine Chovick, os quais me deram a primeira oportunidade na carreira docente, Madalena Auricino, Karin Decker e Gracira Gabrera pela confiança e credibilidade depositados no meu trabalho.

6 Ao Professor Sebastião Hermes Verniano por exatamente tudo, dele recebi apoio, consideração, carinho, afeto e admiração. Existem pessoas que passam pela nossa vida e nela deixam marcas. Minha história de vida tem alguns marcos importantes entre eles o dia em que conheci este grande amigo, admirador, companheiro, a quem eu considero como um segundo pai. Obrigada! Aos amigos eternos Juliana Azeredo Carvalho, Rosana Aparecida Glasser, Rosilene Rosário e Kelly Cristina. Amigos de momentos diferentes, mas de almas iguais. Aos professores Carlos Roberto Carneiro, Sergio Macedo e João de Souza pelas constantes torcidas e palavras de apoio. A minha madrinha e revisora ortográfica Mônica Nalbadian pela amizade e presteza com que realizou a tarefa árdua de dilapidação desta dissertação. A todos meus amigos e parentes aquela lista que mesmo que conseguisse lembrar de todos os nomes ainda sim alguém ficaria de fora, pois não caberia nestas breves páginas. Eu costumo dizer que sem amigos e sem nossos parentes somos como um arbusto no deserto. Por isso, agradeço a eles por estarem sempre ao meu lado. Agradeço à Deus pela minha família, razão da minha existência, por ter colocado na minha vida pessoas insubstituíveis as quais representam meu início, meio e fim. Àqueles que já não estão mais neste mundo, mas são inesquecíveis como minha irmã Rosivane e meu pai Noecir. A permanência física ao meu lado foi curta, mas as lembranças e a saudade serão eternas. Àqueles que, para minha sorte, estão ao meu lado como minha mãe Joventina, irmã Roniele e sobrinhos Luciano, Leornardo, Aline e Jéssica pessoas que iluminam a minha vida. Nesta vida só há uma certeza: a certeza do amor recíproco entre minha mãe e eu. Obrigada! Ao Vitor Miguel Sousa meu amigo, namorado, noivo e marido minha intensa gratidão. Foram dias intermináveis, noites imperceptíveis com humor comprometido, mas conseguimos pelo amor que temos pela confiança, credibilidade e pela admiração mútua chegar até aqui juntos. Você é minha esperança de vida familiar. Sem vocês, nada disto teria sido possível.

7 RESUMO Este estudo avalia a capacidade do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) em retratar a realidade social brasileira. Evidencia os conceitos de desenvolvimento econômico, social, humano e sustentável com o objetivo de identificar a base de sustentação do índice. Esclarece a metodologia atual deste índice criado pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas e publicado pelo Banco Mundial nos Relatórios de Desenvolvimento Humano, assim como apresenta sua evolução entre os anos de 1991 a Apresenta as avaliações críticas sobre a relação entre o IDH e os conceitos relacionados ao desenvolvimento, sobre a amplitude analítica das dimensões avaliadas e sobre as alterações metodológicas ao longo de sua existência. Compara a aplicação e resultados do IDH com o Índice de Exclusão Social evidenciando as potencialidades e fragilidades de ambos. Apresenta, ainda, a divisão entre as variáveis analisadas na velha e na nova exclusão e/ou realidade social brasileira.

8 ABSTRACT This study evaluates the capacity the Human Development Index (HDI) has of showing the Brazilian social reality. It demonstrates the economical, social, human and sustainable development concepts with the purpose of identifying the sustainability base of the index. The study clarifies nowadays methodology of the index as created by the United Nations Development Program, and published by the World Bank in its Human Development Reports, as well as presents its evolution from 1990 to The work shows the critical evaluations about the relationship between the HDI and development related concepts, about the analytical extent of the evaluated dimensions, and about the methodological alterations along its existence. At the same time, compares the application and results of the HDI with the Social Exclusion Index showing the potentiality and fragility of both. It also presents the division among the analyzed variables in the old and new exclusions, and/or the Brazilian social reality.

9 SUMÁRIO

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Curva de Lorenz LISTA DE QUADROS QUADRO Nº 1 - Índices sociais brasileiros LISTA DE TABELAS TABELA Nº 1 - Valores balizadores para o cálculo do IDH TABELA Nº 2 - Resultado da dimensão saúde em 2004 países selecionados TABELA Nº 3 - Resultado da dimensão educação em 2004 países selecionados TABELA Nº 4 - Resultado da dimensão renda em 2004 países selecionados TABELA Nº 5 - Resultado do IDH em 2004 países selecionados TABELA Nº 6 - Evolução, em números, do IDH no Brasil entre

11 SUMÁRIO Introdução Desenvolvimento Econômico Desenvolvimento Social Pobreza Desigualdade na distribuição de renda Diferenças sociais, econômicas e culturais Desenvolvimento Humano Desenvolvimento Sustentável Indicadores sócio-econômicos no Brasil Indicadores de qualidade de vida (bem-estar) no Brasil Indicadores de distribuição de renda Indicadores de pobreza...36 Capítulo 2 - Metodologia do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Dimensões básicas da existência Humana Evolução nos procedimentos metodológicos do IDH Avaliação das dimensões componentes do IDH...50 Capítulo 3 - Uma avaliação geral do IDH Avaliação da Teoria que deu origem ao IDH Avaliação das dimensões do IDH Avaliação metodológica do IDH...67 Capítulo 4 - O IDH no Brasil...Erro! Indicador não definido Evolução, dos resultados, do IDH no Brasil...Erro! Indicador não definido. a) Até o ano de 1994 o cálculo do segundo indicador da dimensão educação era Média dos anos de escolaridade cuja unidade de medida estava em anos. Após esta data o indicador anterior foi substituído pelo indicador Taxa bruta de matrícula combinada e a unidade de medida passou a ser em porcentagem. Erro! Indicador não definido Avaliação da Capacidade do IDH de retratar a realidade social brasileira Erro! Indicador não definido Índice de Exclusão Social e o IDH...Erro! Indicador não definido Distribuição da Renda e IDH...Erro! Indicador não definido. 5. Conclusão...76

12 Referências Bibliográficas

13 7 Introdução O tema desta dissertação surgiu do debate entre a idéia de desenvolvimento e a idéia de crescimento econômico, no qual questões como qualidade de vida dos indivíduos são colocadas em pauta sob enfoques diferenciados. Na literatura econômica convencional predomina a idéia de que crescimento econômico é sinônimo de desenvolvimento. Para os economistas mais ortodoxos, há uma clara equivalência entre riqueza e desenvolvimento. A idéia é que bastaria medir o grau de opulência econômica, através de indicadores como renda per capita, para se saber se há desenvolvimento ou não. Em outras palavras, esses economistas acreditam que a partir do crescimento quantitativo da renda, indicadores de qualidade de vida como expectativa de vida, educação, saúde, pobreza, entre outros, alcançariam automaticamente valores satisfatórios, como numa relação de causa e efeito. Para eles, o crescimento da renda melhora, por si só, os indicadores sociais, incluindo os indicadores de qualidade de vida, atingindo assim o desenvolvimento. A partir dos anos 60, a visão acima começa a sofrer fortes críticas. Nesse período, foram surgindo evidências demonstrando que a relação entre crescimento e melhorias nos indicadores sociais, incluindo qualidade de vida, não ocorriam de forma direta. Essa afirmação em Veiga (2005) é exemplificada pelo caso dos países em desenvolvimento que mesmo após atingirem crescimento elevado da renda não avançaram nos indicadores sociais. No Brasil, o período da industrialização proporcionou um rápido aumento de renda per capita, entretanto, a elevação da renda não foi condição suficiente para ampliar os resultados dos indicadores sociais. Essas evidências reforçam a idéia de que para alcançar o desenvolvimento é necessária uma avaliação de um conjunto mais amplo de indicadores. Dentro dessa idéia, o PNUD (Programa das Nações Unidas) desenvolveu o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), um indicador que tem por objetivo substituir o indicador de renda per capita como índice para o desenvolvimento por um indicador que absorva uma quantidade maior de variáveis sócio-econômicas. Nesse sentido a teoria econômica recebeu diversas contribuições e entre elas a contribuição do economista Amartya Sen, pelo conjunto de obras literárias, e de sua participação nos estudos realizados pelo Banco Mundial cujos trabalhos estão

14 8 concentrados em encontrar uma medida eficaz de mensurar o grau de desenvolvimento entre os países. Muitos indicadores foram criados entre eles o IDH que ganhou maior expressão em termos mundiais ao ser utilizado pelo Banco Mundial. A criação do IDH, entre outros fatores, ofereceu à teoria do desenvolvimento uma possibilidade de absorver uma dimensão maior do aspecto humano em relação ao indicador anterior que avaliava apenas o aspecto renda, PIB per capita. É importante destacar na criação do IDH além da contribuição do economista Amartya Sen, alguns questionamentos que surgiram no debate econômico e em outras áreas do saber após a sua criação e aplicação. Entre eles, a capacidade em espelhar o grau de desenvolvimento de um país. Afinal, como exposto anteriormente, o desenvolvimento enquanto teoria requer um campo de estudo mais abrangente e o IDH apura informações de apenas três dimensões do aspecto humano, como: renda, educação e saúde. É possível que estas dimensões absorvam toda a abrangência da teoria? É possível que elas consigam captar todos os aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais em cada país? Este e outros pontos foram levantados e estudados por pesquisadores nacionais e internacionais e o debate permanece em ascensão na atualidade. E como fica o Brasil nesse debate? O Brasil é um dos países avaliados pelo Banco Mundial e tem suas informações, sobre o IDH, comparadas com os demais países avaliados. Nesse caso, além da discussão apresentada acima, outros pontos se tornaram passíveis de questionamentos como, por exemplo, as diferenças regionais em todas as dimensões sociais e econômicas investigadas pelo índice e mesmo naquelas não absorvidas por ele. Após todos os aspectos apontados sobre o tema o objetivo da pesquisa desta dissertação foi delineado a partir de uma preocupação com a situação social brasileira. Assim, o problema central a ser investigado é: Em que medida o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é um bom índice para refletir o quadro social brasileiro? Os procedimentos de pesquisa utilizados para o desenvolvimento deste trabalho serão: a) pesquisa Bibliográfica: levantamento e revisão crítica da produção científica disponibilizada e selecionada em periódicos científicos, livros, Bibliotecas Virtuais (nacionais e internacionais) e documentos oficiais; b) pesquisa empírica: consulta a bases de dados estatísticos sócio-econômicos junto ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA)

15 9 e Programa das Nações Unidades para o Desenvolvimento (PNUD) e Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS). As bases de dados pesquisadas serão: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), vários anos, e o Censo de 1991 e A partir dessas bases, pretende-se estabelecer uma comparação do IDH com o índice de Gini da distribuição de renda, a incidência de pobreza e o Índice de Exclusão Social (IES) extraído do Atlas da Exclusão Social no Brasil organizado por Campos et al (2004) em 5 volumes. As unidades da federação (estados) serão utilizadas como unidades geográficas de análise para essa comparação, utilizando-se o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) calculado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) como forma de obter o IDH estadual. Nesta dissertação pressupomos que o IES é um índice sintético que tem alta capacidade para avaliar pormenorizadamente à realidade social brasileira. Para atender tal objetivo, a dissertação foi dividida nos seguintes capítulos: No primeiro capítulo são abordados os conceitos sobre o desenvolvimento e suas ramificações ao longo do tempo; tais como: desenvolvimento econômico, desenvolvimento social, desenvolvimento humano e desenvolvimento sustentável. Além do enfoque teórico/conceitual, o capítulo apresentará uma breve explicação dos principais indicadores sócio-econômicos disponíveis no Brasil. No segundo capítulo é apresentada a metodologia utilizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) na construção e cálculo do IDH. Para isso, são investigados os cálculos de cada dimensão que o compõe, tais como: saúde, educação e renda. No terceiro capítulo é realizada uma avaliação geral do IDH. Esta avaliação está fundamentada na pesquisa bibliográfica internacional que apresenta tal discussão e aponta para alguns aspectos positivos e outros negativos. No quarto capítulo o enfoque é na aplicação do IDH no Brasil. Os pontos que compõem este capítulo são: a evolução do IDH (em números) e a avaliação comparativa do IDH com o IDH-M, o IES, o Índice de Gini e o percentual da população abaixo da linha de pobreza objetivando identificar a capacidade do IDH de bem retratar a realidade social brasileira. Na conclusão são evidenciados os resultados obtidos com a pesquisa seja no âmbito teórico seja no empírico. Procura-se responder ao problema central e

16 10 apresentar dificuldades e alguns outros desdobramentos percebidos durante o processo de pesquisa.

17 11 Capítulo 1 - Desenvolvimento: teorias e conceitos 1.1. Desenvolvimento Econômico Os estudos sobre o conceito de desenvolvimento econômico em Todaro (1981) esclarece que este conceito ganhou espaço na literatura econômica após a II Grande Guerra Mundial em No período pós-guerra a preocupação mundial em todas as áreas do conhecimento esteve voltada para recuperação dos países que tiveram suas economias nacionais devastadas por ela. As teorias sobre desenvolvimento foram sofrendo alterações ao longo dos anos. De 1940 até meados da década de 60, grande parte dos economistas considerava que desenvolvimento econômico e crescimento econômico eram sinônimos. As teorias sobre desenvolvimento estavam pautadas, para eles, por um desenvolvimento quantitativo, no qual os indicadores sobre a renda tinham maior significado numa avaliação do grau de desenvolvimento dos países. Conforme mesmo autor, a partir dos anos finais da década de 60, as teorias sobre o tema demonstraram que a análise quantitativa fazia apenas uma mensuração da capacidade de produção e conseqüentemente de renda dos países, entretanto não demonstravam as condições de vida dos indivíduos destes países. Após este momento, os estudos sobre o desenvolvimento avançaram no sentido de agregar indicadores sociais, não só econômicos, à avaliação do grau de desenvolvimento dos países. Estas alterações conceituais trouxeram à luz da discussão econômica, questões como pobreza e desigualdade na distribuição de renda, variáveis que apresentaram resultados perversos em termos mundiais, enquanto muitos se preocupavam tão somente com o crescimento da renda para alcançar o desenvolvimento. Os economistas adeptos da primeira versão sobre o desenvolvimento consideravam que desenvolvimento e crescimento eram sinônimos e, portanto, a acumulação de capital seria o ponto de maior preocupação na economia de um país. Quanto à sociedade, eles acrescentavam que quando o país cresce nesses termos toda a sociedade recebe seu benefício. Esta primeira versão conceitual teve adeptos tanto para alguns economistas neoclássicos quanto para os keynesianos.

18 12 [...] o desenvolvimento nos anos 50 e 60 era... um fenômeno econômico no qual rápidos ganhos no crescimento do PNB total e per capita ou iriam vazar para a massa populacional na forma de empregos e outras oportunidades econômicas, ou iriam criar as condições necessárias para uma distribuição mais ampla dos benefícios econômicos e sócias do crescimento (TODARO, 1981, p. 164). Este conceito ficou conhecido como curva de Kuznets ou curva do U invertido e no Brasil como a Teoria do Bolo 1, que surgiu das contribuições do economista Simon Kuznets sobre a relação entre crescimento e distribuição. [...] Kuznets procurou mostrar que as evidências disponíveis faziam pensar que a desigualdade de renda tendia a aumentar na fase inicial da industrialização de um país, ocorrendo o inverso em fase posterior, quando esse país estivesse desenvolvido. Foi essa a base científica daquela famosa parábola que insistia na necessidade de que primeiro o bolo crescesse para que depois fosse repartido (VEIGA, 2005, p. 43). Alguns economistas brasileiros adeptos da Teoria do Bolo acreditavam que primeiro o bolo deveria crescer para depois ser distribuído. Desta forma estratégias políticas foram adotadas para promover o crescimento econômico reforçando a tese de que este seria vazado para a sociedade como um todo. Voltando ao conceito quantitativo de desenvolvimento, para manter as taxas de crescimento elevadas e com taxa de acumulação de capital ascendente era necessária alteração na capacidade produtiva dos países, caso contrário, haveria um limite para o crescimento. O progresso tecnológico surgiu para ampliar as possibilidades de manutenção das taxas através da ampliação das curvas de fronteiras de produção. Como observado por Lima (1999) que explica o comportamento do progresso tecnológico endogeneizado na literatura póskeynesiana 2. [...] a trajetória do progresso tecnológico torna-se um determinante fundamental da acumulação de capital e do crescimento, seja diretamente por requerer a instalação de novos equipamentos de capital, seja indiretamente por afetar a distribuição funcional da renda (LIMA, 1999, p.191). Para Kalecki 3, citado por Sachs, a inserção do progresso tecnológico tem duas vertentes, uma para ser utilizada com o objetivo de alterar as ferramentas do processo produtivo, e outra com o objetivo de substituir a mão-de-obra por 1 Mais detalhes a respeito podem ser encontrados em Lessa (1998). 2 Mais detalhes a respeito podem ser encontrados em Lima (1999). 3 Mais detalhes, a respeito, podem ser encontrados em Sachs apud Pomeranz, Miglioli e Lima (2001).

19 13 máquinas, o que alteraria todo o processo de produção propriamente dito. Neste ponto o progresso tecnológico surge com alguns dilemas, como por exemplo, a discussão entre em que condições os países deveriam investir em progresso tecnológico, ou se países com elevado contingente populacional pobre deveriam fazer tal investimento. Para ele, se estes países investirem, isto pode significar desemprego em massa, se não investirem pode significar atraso tecnológico, perda de competitividade e até mesmo condições subumanas de trabalho. Um caso importante na escolha das técnicas é o das fileiras e dos processos de produção que comportam elos intensivos de mão-de-obra mas ao mesmo tempo demandam o uso de técnicas avançadas. Por isso a análise desagregada dos processos de produção se impõe, levando-se em conta a diferença entre o progresso técnico definido pela natureza e a qualidade do produto e o progresso técnico no nível do processo de produção propriamente dito. Os países subdesenvolvidos devem aprender a gerir melhor o pluralismo tecnológico (SACHS, 2001, p. 283). A ampliação da acumulação de capital através do progresso tecnológico ocorre, inclusive, pela apropriação do valor que antes era gasto com trabalhadores, ou seja, a substituição do homem pela máquina propicia uma elevação dos ganhos sobre a produção. Isso ocorre porque a prática da capacidade ociosa nas empresas por um lado demonstra a subutilização do maquinário e por outro demonstra redução na necessidade de demanda por trabalhadores. Como observa Lima (1999, p.197),... a existência de capacidade ociosa permite que as firmas concretizem seus planos de acumulação, com o grau de utilização se ajustando para eliminar qualquer excesso de demanda ou oferta na economia.. O que o mesmo autor chama atenção para uma causa danosa à economia como um todo, pois ao reduzirem os custos unitários de trabalho, inovações tecnológicas poupadoras de mão-de-obra afetam diretamente a participação dos salários na renda (LIMA, 1999, p. 206). Parafraseando Lima (1999), para baixos níveis de participação salarial na renda, os governos devem programar políticas redistributivas pró-salários, isso produzirá uma elevação no grau de utilização da capacidade e aceleração no crescimento econômico. O inverso deverá ocorrer em níveis elevados de participação salarial. As concepções teóricas de Kalecki, em Sachs (2001), adicionam à discussão a necessidade do emprego no crescimento econômico.

20 14 A taxa de crescimento da economia é sensivelmente igual à soma da taxa de crescimento do emprego, e, com a taxa de aumento da produtividade do trabalho, p, resultante do progresso técnico: r= e+p, onde r (taxa de crescimento da economia) (SACHS, 2001, p. 277). Sachs explica que para Kalecki o progresso técnico deve estar voltado para a condição econômica de cada país, e defende que em países com população numerosa, o progresso técnico eliminador de emprego é perverso, como também é perverso o país que coloca grande parte da sua população para desempenhar trabalhos manuais pesados. Assim, uma combinação entre a utilização do progresso tecnológico e a utilização da mão-de-obra deve ser realizada para um adequado crescimento econômico. As contribuições expostas acima apontam para a necessidade da manutenção da remuneração do trabalhador para a economia e conseqüentemente para o crescimento econômico. Para Kalecki, a busca do pleno emprego e a proteção das rendas do trabalho constituem um imperativo moral e a condição sine qua non do engajamento em favor da justiça social...a criação de emprego constitui, por motivo ainda mais forte, portanto, a base de sua teoria do desenvolvimento e do financiamento deste (SACHS, 2001, p. 277). Enquanto os pós-keynesianos, discutidos por Lima (2001), oferecem uma receita para os governos, Kalecki, explicado por Sachs (2001), oferece o que poderíamos chamar de conselho ou advertência para a relação justiça social e gastos governamentais, nos países do Terceiro Mundo 4. Devido ao atraso de seu aparato produtivo e à imensidão da dívida social a suprimir, esses países não têm o direito moral de desperdiçar os recursos em fins não prioritários ou de se dar o luxo de deixar inaproveitadas suas capacidades. Esses países devem aumentar consideravelmente seus investimentos para acelerar a expansão do aparato produtivo. Para isso, é preciso planejar não só o volume mas também a estrutura dos investimentos e sua repartição entre a produção de bens de consumo essenciais, bens de consumo não essenciais e bens de equipamento (SACHS, 2001, p. 275). Tanto a preocupação dos pós-keynesianos com a participação do salário na renda quanto a preocupação dos kaleckianos com a relação produção, emprego e renda sinalizam para uma abordagem sobre, como a renda gerada na órbita produtiva migra para os trabalhadores participantes deste processo. Se o interesse 4 Mais detalhes a respeito podem ser encontrados em Sachs (2001).

21 15 daqueles que igualam crescimento e desenvolvimento econômicos está apenas com a questão da renda, então é possível perceber que as contribuições expostas aqui levam a questionamentos, ainda que na órbita quantitativa, sobre o acesso da renda gerada pelos trabalhadores. Ora, então não é só fazer o bolo crescer, mas de que forma ele está crescendo. Com o passar dos anos as experiências dos países que se preocupavam apenas com o desenvolvimento quantitativo mostraram que o mesmo era insuficiente perto da diversidade de problemas que eles enfrentavam, derivado muitas vezes da busca incessante do crescimento econômico. Embora alcançassem resultados elevadíssimos nos indicadores de renda, estes benefícios não foram transferidos para os demais membros da população. Assim, estas economias conseguiram um estágio de crescimento sacrificando sua autonomia econômicofinanceira e os aspectos sociais de sua população, o que provocou a construção de um conceito de desenvolvimento diferente. Nesse âmbito questões como: pobreza absoluta e relativa, desigualdade na distribuição de renda e o crescente desemprego tornaram-se questões imprescindíveis para uma verificação mais apurada do grau de desenvolvimento dos países. Todaro (1981), chama atenção para a redefinição do conceito de desenvolvimento: O desenvolvimento econômico foi redefinido em termos da redução ou eliminação da pobreza, da desigualdade e do desemprego, dentro de um contexto de uma economia em crescimento. A `redistribuição` do crescimento tornou-se um lema comum...pelo menos três componentes básicos ou valores centrais deveriam servir como base conceitual e orientação prática para que se compreenda o significado interior do desenvolvimento. Estes valores são manutenção da vida, auto-respeito e liberdade... (TODARO, 1981, p.165). Para Todaro os valores como manutenção da vida (capacidade de prover as necessidades básicas), auto-respeito (ser uma pessoa com dignidade, honra, autenticidade, identidade, respeito ou reconhecimento) e liberdade (ter autonomia para escolher) devem ser transformados em objetivos para o desenvolvimento. Países que não contemplam estes valores/objetivos não podem ser considerados desenvolvidos. Nessa nova versão destacam-se economistas, como, Lewis, Hirschman, Myrdal, Nurkse que embora com raízes ortodoxas, distinguiram os dois conceitos.

22 16 Para eles 5 o crescimento econômico é definido como uma simples variação quantitativa do produto, enquanto o desenvolvimento envolve mudanças qualitativas no modo de vida das pessoas, das instituições e das estruturas produtivas. Outros economistas inseridos neste novo conceito são àqueles considerados mais críticos, como Raúl Prebish, Celso Furtado e demais autores da tradição cepalina e marxista, bem como grande parte dos economistas do desenvolvimento. Desenvolvimento econômico define-se, portanto, pela existência de crescimento econômico contínuo(g), em ritmo superior ao crescimento demográfico(g*), envolvendo mudanças de estruturas e melhoria de indicadores econômicos e sociais. Compreende um fenômeno de longo prazo, implicando o fortalecimento da economia nacional, a ampliação da economia de mercado e a elevação geral da produtividade. Cabendo, portanto, ao crescimento econômico(g) a função de...superar o crescimento demográfico(g*), para expandir o nível de emprego e a arrecadação pública, a fim de permitir ao Governo realizar gastos sociais e entender prioritariamente às pessoas mais carentes (SOUZA, 1999, p. 22). É importante ressaltar que embora haja uma distinção entre os dois conceitos, nenhum deles deixou de existir nem como conceito nem como método de avaliação entre os países. Os indicadores econômicos como, renda agregada e renda per capita são utilizados e relevantes para uma análise econômica dos países no que tange à capacidade de produção de bens e serviços, ou seja, capacidade de geração de renda. Entretanto, além destes, os indicadores sociais como método de avaliar grau de acesso de serviços sociais tais como: saúde, educação, moradia, nutrição, saneamento, entre outros, também fazem parte do conceito de desenvolvimento Desenvolvimento Social A discussão sobre conceitos e teorias do item anterior demonstra que eles são passíveis de sofrer alterações ao longo dos anos. Entretanto, as mazelas sociais parecem resistentes na realidade mundial. As teorias, os conceitos, a tecnologia, a biomedicina, enfim, quase todas as questões em termos de pesquisas, sofreram alterações nas últimas décadas. Mesmo com esses avanços, a pobreza e desigualdade se mantiveram em destaque em todos os âmbitos das economias mundiais como situações sem soluções efetivas. 5 Mais detalhes, a respeito, podem ser encontrados em Souza (1999, p. 21).

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Econômico

Crescimento e Desenvolvimento Econômico FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Crescimento e Desenvolvimento Econômico Prof. Tiarajú A. de Freitas Bem-vindo! É com grande

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS Painel 3 A Importância da Integração das Estatísticas Oficiais Paulo de Martino Jannuzzi IDH Data: 14 e 15 de abril de 2014. 1 Limitações

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA Silvio A. F. Cario Prof. dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Economia e Administração da Universidade

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento Questões de partida 1. Podemos medir os níveis de Desenvolvimento? Como? 2. Como se distribuem os valores

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Desenvolvimento Sustentáveluma tarefa da Humanidade

Desenvolvimento Sustentáveluma tarefa da Humanidade Desenvolvimento Sustentáveluma tarefa da Humanidade Para onde vocês acreditam que caminha a humanidade? Para a frente, é claro! A frente é para lá!! É preciso abandonar a idéia simplista de que o progresso

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ ED Comunicação e Expressão 2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 1 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Pauta da aula: (02-30) Educação Especial; Princípios da educação nacional; Análise dos dados referentes à Educação no Brasil;

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção Índice de Gini e IDH Prof. Antonio Carlos Assumpção Redução da pobreza e Desigualdade de Renda Redução da pobreza e Desigualdade de Renda A partir da estabilização da economia, em 1994, houve no Brasil

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária

ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Autores: Fábio Bruno da Silva Marcos Paulo de Sá Mello Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária INTRODUÇÃO

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas Profa. Dra. Maria Ozanira da Silva e Silva, GAEPP/UFMA Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito CARIACICA-ES ABRIL DE 2011 FACULDADE ESPÍRITO SANTENSE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Pesquisa direcionada a alunos egressos dos cursos

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI, AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 Excelentíssimo Senhor Enrique Ig lesias, Presidente do Banco

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população.

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população. RESULTADOS O Espírito Santo que se deseja em 2015 é um Estado referência para o País, na geração de emprego e renda na sua indústria, com conseqüente eliminação das desigualdades entre os municípios capixabas.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais