Efeitos do Programa Bolsa Família nas condições de vida de beneficiários em municípios de muito baixo IDH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeitos do Programa Bolsa Família nas condições de vida de beneficiários em municípios de muito baixo IDH"

Transcrição

1 Efeitos do Programa Bolsa Família nas condições de vida de beneficiários em municípios de muito baixo IDH Lucélia Luiz Pereira Leonor Maria Pacheco Santos Micheli Dantas Soares Flavia Conceição dos Santos Henrique Simone Costa Guadagnin Sandra Maria Chaves dos Santos Resumo Estudou-se o efeito do PBF em beneficiários de cinco municípios com os mais baixos IDH por região, onde foram aplicados questionários e realizados grupos focais com famílias beneficiárias ou não (grupo comparação) e realizadas entrevistas com gestores e informantes chaves. Beneficiárias e representantes do comércio local confirmam que o recurso transferido é utilizado na compra de alimentos, material escolar e merenda, roupas e calçados infantis. No quesito poder decisório houve diferença significativa: 65,7% das beneficiárias declaram assumir responsabilidade administrando o orçamento doméstico contra 42,6% do grupo comparação. As famílias investigadas apresentavam situação crítica de insegurança alimentar (IA), com mais de 20% experimentando IA grave; o problema foi mais freqüente entre famílias beneficiárias (diferença não significativa). A análise dos dados antropométricos das crianças pré-escolares mostrou alta prevalência de retardo de crescimento, evidenciado pelo indicador Altura/Idade (17,6%). O estudo evidenciou a contribuição do PBF para a autonomia das mulheres. Palavras-chave: Programa Bolsa Família / autonomia das mulheres / consumo alimentar / segurança alimentar Projeto financiado com recursos do CNPq, Edital Universal, proc. número /

2 1. Introdução O poder público tem adotado muitos modelos e estratégias para combater a pobreza, fenômeno reconhecido como um problema que impede o desenvolvimento da sociedade de forma mais equitativa. Mudanças positivas ocorreram em relação ao desenho das intervenções estatais de combate à pobreza representando inovações nas políticas sociais brasileiras, introduzindo princípios importantes como a descentralização, a articulação entre os programas e a busca de maior participação dos movimentos sociais. O Brasil possui um elevado grau de concentração de renda e de riqueza, assim, a garantia de uma renda mínima, passou a ser uma estratégia importante para combater a pobreza no país. De acordo com Senna et al. os programas brasileiros de garantia de renda mínima têm como proposta promover a articulação com outras políticas e programas sociais, criando a possibilidade de, em tese, romper com a fragmentação típica das políticas sociais brasileiras e facilitar a adoção de ações intersetoriais (Senna et al. 2007). É neste contexto que se insere o Programa Bolsa Família - PBF, criado em 2003, é, hoje em dia, o maior Programa de transferência de renda do mundo. Criado pela Lei nº , de 9 de janeiro de 2004 (Brasil, 2004a), e regulamentada pelo Decreto nº 5.209, de 17 de setembro de 2004 (Brasil, 2004b), o PBF é resultado da unificação de diversos programas nacionais de transferência de renda, criados entre 2001 e 2003, como o Bolsa Escola (Lei nº de 11 de abril de 2001) (Brasil, 2001a), Bolsa Alimentação (Medida Provisória nº de 6 de setembro de 2001) (Brasil, 2001b), Programa Nacional de Acesso à Alimentação - Cartão Alimentação (Lei nº , de 13 de junho de 2003) (Brasil 2003). O PBF unificou os procedimentos de gestão e execução das ações de transferência de renda do Governo Federal se configurando em uma estratégia do governo, assumida pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) para o fortalecimento e articulação das políticas voltadas ao enfrentamento da pobreza. O Programa busca emancipar as famílias beneficiárias à medida que associa à transferência do benefício financeiro ao acesso às políticas de educação e saúde por meio de condicionalidades (Silva, 2007). A inovação nos critérios e na gestão do Programa, bem como o volume de recursos públicos investidos torna importante a realização de pesquisas que tenham como foco a análise dos resultados e efeitos das ações na vida dos beneficiários. Além disso, como ainda é recente a implementação do PBF existe uma carência de avaliações e diagnósticos sobre os efeitos do Programa em relação a aspectos como empoderamento das famílias inscritas (sobretudo das mulheres), consciência dos beneficiários a respeito de seus direitos sociais, cumprimento das condicionalidades e efeitos sobre a segurança alimentar das famílias. 2

3 Desta forma, este artigo apresenta os resultados da pesquisa que teve como objetivo verificar os efeitos do PBF na vida das famílias beneficiadas. Está estruturado de forma a contemplar os aspectos sobre destinação de recursos, empoderamento das mulheres beneficiárias, cumprimento de condicionalidades, segurança alimentar e percepções sobre ações complementares para emancipação das famílias. A sistematização das informações visa contribuir com a discussão dos resultados das ações no que toca a redução das desigualdades e aprimoramento das estratégias de combate à pobreza. 2. Metodologia A metodologia empregada na pesquisa é baseada na abordagem tridimensional de estrutura-processo-resultado descrita por diversos autores (Donabediam, 1992; Silva e Formigli, 1994; Contandriopoulos et al, 1997; Hartz et al, 1997, Tanaka e Melo, 2001, Santos e Santos, 2007). Neste artigo, no entanto, será enfocado especificamente os resultados, dimensão que busca verificar o alcance dos objetivos gerais indicados na formulação do programa, assim como outros resultados esperados, como, por exemplo, sobre a segurança alimentar e situação nutricional dos beneficiários. Outro manuscrito desta série aborda os aspectos da gestão e da implementação do PBF nestes municípios. Desta forma, o resultado é representado por mudanças verificadas nas condições de vida dos beneficiários e que possam ser imputadas à intervenção realizada. Abrange também mudanças no comportamento e conhecimento, assim como a satisfação do beneficiário. Amostragem A amostragem da pesquisa foi de caráter intencional: o objeto de estudo foram municípios selecionados entre os que apresentam os mais baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH), nas cinco regiões brasileiras. De acordo com este critério foram selecionados Manari/PE, Setubinha/MG, Buritinópolis/GO e Ortigueira/PR, que são, de fato, os municípios de menor IDH de suas regiões. Ressalta-se que Manari apresenta o menor IDH do Brasil. No caso da região Norte o acesso ao município de menor IDH - Jordão/AC - mostrou-se impraticável por demandar seis dias de viagem em transporte fluvial ou táxi aéreo; por este motivo foi necessário selecionar um município com acesso terrestre - Guajará/AM 1 - que apresenta um dos menores IDH da região Norte, sendo o segundo mais baixo entre os municípios pesquisados. Vale destacar que, neste trabalho, optou-se por realizar análises gerais sobre os efeitos do 1 À época da realização da pesquisa de campo Guajará estava localizado no Estado do Amazonas, no entanto, a partir de abril de 2008, este município passou a fazer parte do Estado do Acre. 3

4 Programa, não especificando resultados por municípios. Tal opção tem como intuito impossibilitar a identificação dos municípios garantindo tanto o sigilo das informações coletadas como o anonimato dos entrevistados 2. Na seleção das famílias incluídas na pesquisa novamente prevaleceu o critério de privilegiar, de modo intencional, as comunidades de mais baixa renda. A seleção ocorreu por triangulação de informações: informantes chave foram convidados a opinar sobre qual seria a comunidade mais carente no município e quando ocorreu a concordância de pelo menos três indicações, o bairro foi selecionado. Nesta área foram entrevistadas 20 famílias inscritas no PBF e 20 famílias não beneficiadas, em cada um dos municípios. A localização das famílias não beneficiadas (grupo comparação) obedeceu ao critério de vizinhança imediata com as famílias inscritas. O propósito de incluir famílias não beneficiadas foi explorar os possíveis problemas no acesso ao benefício. Este processo resultou em questionários válidos para 99 famílias inscritas no Bolsa Família e 103 não inscritas. Entrevistas com informantes chaves e grupos focais As entrevistas semi-estruturadas, com ajuda de roteiros pré-elaborados, foram realizadas com: (a) gestores e responsáveis diretos pela administração e execução do programa no nível municipal; (b) informantes chave da sociedade civil nos cinco municípios, visando sempre incluir representantes de diferentes segmentos; em particular buscou-se dentificar e entrevistar membros dos conselhos e comissões locais constituídos para garantir o controle social do programa; (c) comerciantes locais, como fonte de informação sobre a destinação dos recursos transferidos (alimentos ou outro destino) e sobre o possível efeito da transferência de recursos no comércio local. Foram realizadas 35 entrevistas nos cinco municípios. Foram realizados dois tipos de grupos focais em cada município selecionado, um com mulheres beneficiárias e outro com não beneficiárias do programa, totalizando dez grupos focais, com o objetivo de revelar diferenças e diversidade de concepções dos dois grupos quanto ao Programa Bolsa Família. A opção dos grupos focais serem compostos apenas por mulheres deveu-se basicamente a dois fatores: 1) preferencialmente são as mulheres que possuem a titularidade do Cartão do PBF, portanto, são as responsáveis pelo benefício; 2) a dinâmica desta técnica de pesquisa recomenda que haja uma homogeneidade na composição 2 Em atenção à Resolução 196/96, o Projeto foi submetido ao Comitê de Ética da Universidade ao qual estava vinculado a pesquisa, tendo sido aprovado em março de

5 dos grupos, desta forma, a presença de homens, neste caso específico, poderia inibir a exposição das mulheres. As demais variáveis como idade, origem étnica, estado civil e religião foram consideradas, neste momento, como fatores que viriam enriquecer o grupo, pela oportunidade da revelação das diferenças. O número de mulheres participantes nos grupos focais realizados variou entre 8 e 12, com exceção do município de Setubinha, onde 15 mulheres beneficiárias participaram do grupo. Estes grupos focais ocorreram nos bairros onde os questionários foram aplicados com o objetivo de facilitar o deslocamento das mulheres. Procurou-se selecionar local acessível, mas que evitasse interferências externas, bem como proporcionasse privacidade e silêncio suficiente para a gravação de fitas. Duas investigadoras ficaram responsáveis pela condução dos trabalhos, uma atuando como moderadora e a outra como assistente. O grupo foi conduzido a partir de um roteiro de tópicos, relacionados às percepções sobre o município investigado bem como o acesso e implementação do PBF. Todas as narrativas e discussões foram gravadas em fita cassete. Além das entrevistas e dos Grupos Focais cada investigador possuía seu caderno de campo para anotação de informações não estruturadas no decorrer do estudo. Questionário familiar A coleta de dados junto às famílias em campo foi conduzida para analisar, sob diferentes aspectos, a relação dos beneficiários com o programa. O questionário para famílias beneficiadas foi elaborado com perguntas abertas e fechadas e serviu para coletar dados sobre: acesso ao benefício respeitando os direitos de cidadania, controle social, cumprimento das condicionalidades, participação em programas estruturantes, empoderamento da mulher, destino do recurso monetário transferido, segurança alimentar das famílias e situação nutricional das crianças. Entre as famílias não inscritas foram coletados dados sobre as razões para o não cadastramento, a transparência e controle social no processo de cadastramento e sobre a segurança alimentar e situação nutricional das crianças. Para avaliar a segurança alimentar foi empregado o instrumento conhecido como Escala de Insegurança Alimentar de Radimer/Cornell (ou Escala da Fome) (Frongillo,1999). A adequação do instrumento e a validação desta metodologia no contexto brasileiro foram realizadas em zonas urbanas e rurais de quatro regiões brasileiras, coordenada por professores da UNICAMP com a participação de diversos pesquisadores, inclusive da coordenadora do projeto (Segall-Correia et al, 2003). 5

6 Avaliação antropométrica Na avaliação antropométrica das crianças menores que cinco anos seguiram-se as recomendações da Organização Mundial da Saúde (WHO 1995). Para aferição do comprimento foi usado infantômetro em madeira com intervalo de 10 a 99 cm e graduações em milímetros, da marca CARCI. Para a medição da estatura foi utilizado o estadiômetro AlturaExata, com intervalo 0 a 2,13 metros e graduação em milímetros. Para obtenção do peso foram utilizadas as balanças eletrônicas Day Home, com capacidade de 150 Kg e intervalos de 100g. Manejo e análise de dados As entrevistas e grupos focais foram gravados e posteriormente transcritos para permitir análise por pesquisadores experientes na metodologia qualitativa. A partir de leituras sucessivas realizou-se a sistematização dos seus conteúdos, a categorização e a análise mais refinada do material obtido (Minayo, 1992). Os questionários foram digitados formando um banco de dados que foi analisado empregando Epi Info Para o cálculo dos índices nutricionais, expressos como desviospadrão (escores Z) da população de referência OMS-2005 foi utilizado o programa WHO Anthro A classificação do estado nutricional das crianças analisadas foi realizada segundo o critério internacional recomendado pela OMS: crianças com valores abaixo de 2 escore-z da população de referência foram consideradas com déficit nutricional. A classificação das famílias segundo a linha de pobreza considerou a renda familiar mensal per capita, a partir da soma de todos os rendimentos informados de seus membros no mês de referência (o mês anterior à realização do trabalho de campo) excluindo o valor do benefício, dividido pelo número de membros. Foram adotados como pontos de corte para definição da situação de pobreza e de extrema pobreza os definido o Decreto n o do Bolsa Família: R$120,00 e R$60,00 per capita respectivamente. 3. Resultados e Discussão Tendo em vista a amostra intencional, era de se prever que os cinco municípios apresentassem características de extrema pobreza e até de isolamento. Alguns sequer possuem transporte intermunicipal regular, sendo necessário recorrer a transporte alternativo uma vez por dia. Mesmo quando o transporte existe, o acesso é precário: em um dos locais, no período de chuvas intensas em 2006, as estradas de terra que levam ao município não permitiram o acesso do ônibus (e da equipe da pesquisa) por cerca de quinze dias. O acesso à internet e ao sinal de celular também não é garantido em todos os municípios. Em um dos 6

7 municípios, carros-pipa abastecem cisternas coletivas nas ruas e cada família tem direito a uma quota de quatro baldes de água por dia. Um dos municípios estudados não contava com comunicação via internet - essencial para a gestão de programas sociais, como os de educação, saúde e transferência de renda - e tampouco com Caixa Automático ou correspondente bancário da Caixa Econômica Federal, sendo necessário recorrer ao município vizinho para suprir estas deficiências. Existia uma rede mínima de saúde e de ensino, muito embora fugisse ao escopo desta pesquisa avaliar a sua resolutividade. Chama atenção o grande número de escolas multi-seriadas. A renda referida pelas famílias beneficiárias indicou uma excelente focalização do Programa, pois apenas uma das famílias estudadas não era elegível pelo critério de renda As 99 famílias beneficiárias e as 103 famílias do grupo comparação apresentavam muita semelhança em relação à maioria dos indicadores analisados, com exceção de renda familiar per capita e densidade domiciliar. No grupo comparação 83,5% das famílias era elegível pelo critério de renda. Os dados da pesquisa evidenciam, também, a desigualdade na oferta de serviços de saneamento. Embora alguns dos municípios apresentassem rede de esgotos, a cobertura entre a população estudada (de bairros de baixa renda), foi praticamente inexistente para esgotamento sanitário Destinação dos recursos A destinação dada aos recursos do Programa Bolsa Família se constituiu em tema fundamental da pesquisa. Os dados sobre a questão foram levantados nas entrevistas e também nos grupos focais com mulheres beneficiárias, sendo aqui exploradas três questões: 1) formas de utilização do recurso monetário recebido e tipos de despesas realizadas; 2) condições de acesso ao crédito local em decorrência do benefício. Em relação à destinação dos recursos do PBF, tanto os representantes do comércio quanto as participantes do grupo focal de beneficiárias afirmam que grande parte do valor repassado às famílias era utilizado na compra de alimentos. Os comerciantes entrevistados ressaltam que na maioria das vezes as famílias compram apenas itens básicos, como, por exemplo, arroz, feijão. As pessoas usam o dinheiro mesmo com alimentação, o básico: arroz, óleo e feijão (comerciante) Primeiro os mantimentos de casa, depois, se sobrar elas compram o caderno do filho, lapiseira, caderno, mais ou menos isso (comerciante) 7

8 Poucos foram os relatos do uso dos recursos para a compra de carne e não foram citadas nas entrevistas a compra de verduras e frutas. As beneficiárias, por sua vez, relatam a compra de material e merenda escolar, roupas e calçados. A maioria das beneficiárias dá ênfase à importância de utilizar o recurso do PBF de modo a suprir as necessidades das crianças da família. Eu compro sapato, roupas pros meninos. Não adianta ninguém aqui falar que compra só comida porque é mentira (Beneficiária, Grupo focal) As entrevistas mostraram que há um entendimento por parte das beneficiárias de que os recursos do PBF devem ser utilizados basicamente para a compra de alimentos, desta forma, as entrevistadas justificavam quando ocorriam gastos com outros itens: Ah, meu filho não precisa só de comer né? Ele precisa de um calçado, uma roupa, então quando dá pra comprar eu compro, mas não deixo faltar a comida né (Beneficiária, Grupo Focal) As entrevistadas compartilham a idéia de que os recursos do PBF são destinados a compra de alimentos e de subsídios para a manutenção das crianças na escola, e somente excepcionalmente devem ser utilizados para outros fins. Ressaltam a importância da titularidade do cartão do PBF pertencer à mulher, justificando o maior conhecimento pelas mães das necessidades dos filhos. Houve apenas um relato de beneficiária cuja renda foi utilizada para investimento e não para a compra de bens básicos. Percebeu-se, no entanto, o desconforto da informante uma vez que as demais participantes haviam ressaltado a necessidade do gasto imediato do benefício com os filhos. Os resultados revelam que as Secretarias de Assistência Social e as demais Secretarias gestoras do Programa também têm interesse na destinação dos recursos do PBF. Ao abordarem a questão os informantes chave oscilam entre um discurso de autonomia dos beneficiários para o gasto dos recursos e de uma obrigação do gasto do PBF com alimentação. Geralmente elas gastam mais com alimentação, mas tem umas que faz extravagâncias e compram até roupas (Gestor da Saúde) Noto aqui na escola que as crianças que recebem, eles tem um dinheirinho para comprar merenda, sempre está tendo um caderno. Parece que os pais tão investindo mesmo (Gestor da Educação) Sempre que a família chega, a gente procura saber como está sendo gasto o recurso e o que elas tem nos falado é que gastam com alimentação (...) a forma que se procura saber é mais informal (Gestor da Assistência Social) 8

9 Os resultados da pesquisa mostraram que a opinião dos entrevistados sobre as formas de utilização dos recursos estão estreitamente relacionadas à percepção que possuem sobre o benefício de transferência de renda, ora como um direito, ora como um benefício assistencialista que promove a acomodação dos beneficiários. Em relação às condições de acesso ao crédito local em decorrência do recebimento do PBF, a análise dos dados mostrou que os comerciantes consideram os recursos do Programa como fundamental para a movimentação do comércio e crescimento da economia dos municípios. Nas entrevistas, o universo de representantes do comércio ressaltou o aumento da renda após o Programa, como ilustrado: Nós também dependemos do programa, pois movimenta o município. Fora de época de recebimento, a venda é mais parada. Caso acabasse o programa prejudicaria o comércio (comerciante) Depois que iniciou o PBF, mudou bastante. Ajudou muito o comércio, na época do recebimento do dinheiro, o movimento aumenta muito. Se deixasse de existir o PBF, o comércio perderia muito, uns 40% (comerciante) Um dos comerciantes entrevistados ressaltou não só o aumento das vendas, mas também a prática do auxílio fornecido às beneficiárias no momento da compra. Percebesse pela fala que alguns comerciantes compartilham com os beneficiários da necessidade do gasto do benéfico com alimentação: A gente até auxilia na compra dos alimentos, que não são de primeira linha, mas são mais baratos. O programa melhorou a situação da fome, não consegue suprir tudo, ajuda mais na alimentação (comerciante) Apesar de todos os comerciantes reconhecerem o aumento das vendas após a existência do PBF, não foi freqüente atribuir tal incremento à facilidade da compra a prazo ou a existência de tratamento diferenciado às famílias beneficiárias em contraposição às não beneficiárias. O universo de comerciantes ressaltaram a não distinção entre clientes beneficiários e não beneficiários. Vale destacar, no entanto, que a maioria das beneficiárias participantes dos grupos focais apontaram o acesso ao crédito local como uma das principais mudanças que afetaram suas vidas após o ingresso no PBF, como ilustrado abaixo: Ah, muda muita coisa na vida, quem recebe o programa pode comprar fiado (Beneficiária, grupo focal) Na minha casa provocou uma mudança que eu não tinha a liberdade de comprar fiado, de chegar uma loja e pediu uma roupa meu filho e não ter com o que pagar, hoje eu posso (Beneficiária, grupo focal) 9

10 Muitos foram os relatos de beneficiárias contrapondo as falas dos comerciantes. Algumas compararam a relação com o comércio antes e depois do benefício, afirmando que diferentemente do que os comerciantes declaram, o benefício amplia a possibilidade de comprar a crédito uma vez que haveria um recurso constante que leva os comerciantes a depositar confiança e estabelecer uma relação diferenciada para beneficiárias Empoderamento da mulher e redução das desigualdades de gênero Os dados obtidos no domicílio revelaram que em 87,8% dos casos investigados as mulheres eram titulares do PBF. Uma questão que perpassa toda a pesquisa é a representação das mulheres como mães, esposas e responsáveis pela organização do ambiente doméstico. Tais representações contribuem para as explicações fornecidas tanto pelas mulheres quanto por representantes governamentais e da sociedade civil para o fato da titularidade do benefício preferencialmente ser das mulheres. Indagadas sobre as razões pelas quais as mulheres devem receber o beneficio, as participantes dos grupos focais enfatizaram: Se desse o dinheiro para o homem, ele toma tudo em cachaça e quando chega em casa a esposa fica sem dar de comer para os filhos... a mulher é mais cuidadosa, sabe o que precisa dentro de casa (Beneficiária, Grupo Focal) Certos homens não pensam nem nos filhos. A mulher é mais sentimental, ela tira da boca para dar o filho (Não Beneficiária, Grupo Focal) Outros entrevistados nesta pesquisa corroboraram também as falas das beneficiárias e não beneficiárias sobre a melhor utilização dos recursos pelas mulheres: A mãe tem mais jeitinho da economia, de saber onde vai gastar (Representante da sociedade civil) Não tenho nada contra a mulher receber. As mães se preocupam mais com a vida da casa, dos filhos do que os homens (Representante governo local) Observou-se que os entrevistados demonstraram uma tendência a associar o recebimento do benefício pela mulher à sua responsabilidade pelo atendimento das necessidades dos filhos. Essa visão, nesta pesquisa, foi compartilhada também pelas próprias mulheres beneficiárias. Ressaltou-se, portanto, uma tendência de representar como sinônimos as palavras mulher e mãe e uma crença em torno da maternidade como critério determinante de acesso ao benefício. Pode-se atribuir tal fato ao modelo de socialização tradicional onde é enfatizado o papel das mulheres como reprodutoras e responsáveis pelo lar. O papel de cuidadora, não só dos filhos, mas também do esposo e outros entes pertencentes à família são reforçados nesta socialização. 10

11 De acordo com a autora Lourdes Bandeira, historicamente tem sido associadas às mulheres características que enfatizam o sexo biológico como definidor de atributos psicológicos e sociais, restringindo a função da mulher ao desempenho de papéis ligados a procriação e maternidade, tendo com isso suas atividades assentadas na esfera familiar (Bandeira, 1999). Além disso, outro ponto importante a ser enfatizado, diz respeito à nãoparticipação do homem nas questões domésticas. Tradicionalmente, no processo de socialização, os homens são estimulados a manterem-se alheios a tais questões. Os resultados deste estudo agregam mais elementos à discussão acima, ao revelarem que o cumprimento das condicionalidades previstas pelo PBF é tido pelos entrevistados, beneficiárias e gestores, como responsabilidade das mulheres, de tal forma que os gestores das áreas de educação e saúde quando se referiram às obrigações do acompanhamento das condicionalidades citavam majoritariamente às mães. Por isso, as questões que envolvem educação, saúde e outras ligadas aos cuidados dos filhos envolvem predominantemente as mulheres. Contudo, surgiu nas entrevistas um segundo motivo para as mulheres serem responsáveis pelo recebimento do benefício. De acordo com alguns entrevistados, o fato das mulheres receberem, por um lado, impede que o recurso seja gasto de forma inadequada, e por outro lado, que os homens não se acomodem: O pai deve estar livre e não amarrado num programa do governo para sobrevivência eterna. Grande parte dos pais acomoda e não trabalha de jeito nenhum. Uma parte desse recurso, eu sei que é para um bocadinho de cachaça. Não tem como controlar. É por isso que nos cadastros só aceita o responsável legal, só mulher, para minimizar essas questões (Representante Governo Local) Esse não foi um resultado isolado na pesquisa. Nos grupos focais, principalmente de não beneficiárias, houve consenso de que o recebimento dos recursos do PBF pelo homem poderia comprometer o direcionamento do benefício para as necessidades do lar e dos filhos. Nesse sentido, foi freqüentemente apontado o provável gasto do benefício com jogos e compra de bebidas alcoólicas. A fala acima ressalta também uma questão que apareceu repetidas vezes nas entrevistas com representantes do governo local e gestores, principalmente da área de educação, qual seja, o Programa Bolsa Família como incentivo à acomodação e a não procura por trabalho. Nestes casos as falas não reconheciam a importância do PBF como uma ação de transferência de renda, sendo encarado quase sempre como uma ajuda e não como um direito. 11

12 Analisando mais especificamente os impactos da transferência de renda na autonomia decisória das mulheres após o recebimento do benefício, ao ser utilizada a variável sexo do chefe de família percebe-se que 62,6% das beneficiárias e 62,1% das não beneficiárias apontam que a chefia do domicílio é exercida pelo companheiro. Desta forma, não há uma diferença percentual significativa em relação a beneficiárias e não beneficiárias no que tange a chefia dos domicílios. Tal resultado não permite inferir que o PBF não provocou mudanças em relação a atribuição de chefes, uma vez que não se dispõe dos dados dessas famílias anteriores ao recebimento do benefício para realizar uma comparação. Ao analisarmos os resultados apresentados na Tabela 1, verifica-se que o quesito responsabilidade pela administração do dinheiro no domicílio mostra uma diferença significativa uma vez que 65,7% das beneficiárias contra 42,6% das não beneficiárias administram os recursos (p=0,022). Esse dado evidencia um impacto significativo do PBF uma vez que a gestão do benefício torna possível o aumento da autonomia das mulheres no domicílio, podendo tomar decisões sobre as formas de gastos dos recursos. Nos grupos, surgiram diversos depoimentos reforçando a importância do acesso ao benefício: Quando não recebia do programa quem decidia era meu marido, agora com esse dinheiro, sou eu ou então nós dois que decide (Beneficiaria, Grupo focal) Eu me sinto mais a vontade porque é meu. Não tem que estar pedindo para o marido:esse é para isso, esse eu compro aquilo, esse é para o caderno, comida. Não tenho que dar satisfação a ninguém (Beneficiaria, Grupo focal) Quanto à responsabilidade pela compra dos alimentos para o domicílio não há diferença entre beneficiárias (45,5%) e não beneficiárias (42,7%). Reitera-se novamente aqui o papel atribuído às mulheres pela gestão dos afazeres domésticos, sendo ressaltado nas entrevistas que a compra de alimentos é apenas a extensão dessa obrigação. Em relação ao quesito definição sobre a escolha da compra do alimento, também não há diferença substancial. Essa diferença aumenta, no entanto, se juntarmos as opções entrevistada/ mãe com os dois, mostrando que as mulheres beneficiárias têm um poder maior de decisão sobre a compra de alimentos (87,9%) do que as não beneficiárias (77,5%). O estudo indicou que houve um empoderamento das mulheres e um aumento do poder e decisão e negociação no âmbito doméstico. No entanto, perguntadas sobre a possível existência de conflitos com os companheiros após acesso ao PBF, a maioria das beneficiárias ressaltaram que o PBF não causa conflitos no domicílio. Atribuem tal realidade ao fato de que todos os membros da família, inclusive o companheiro, se beneficia dos recursos do Programa, uma vez que compram basicamente alimentos. 12

13 Para além dos impactos causados pelo programa no âmbito doméstico, muitas beneficiárias ressaltaram a sua maior visibilidade na sociedade e poder de decisão fora do domicílio. O fato de possuírem o cartão, a dinâmica de deslocamento para o recebimento do PBF e a negociação com comerciantes locais para a abertura de créditos foram apontadas pelas beneficiárias como mudanças ocorridas após ingresso no PBF. Na minha casa provocou uma mudança que eu não tinha liberdade de comprar fiado, de chegar a uma loja e pedir uma roupa para meu filho e não ter com que pagar, hoje eu posso, tenho condições de comprar fiado (Beneficiária, Grupo focal) Tabela 1 - Compartilhamento de responsabilidades nas famílias beneficiárias e não beneficiárias do Programa Bolsa Família, municípios de baixo IDH, Brasil Famílias Famílias Variáveis Beneficiárias Não beneficiárias N % N % Responsável pela administração do dinheiro no domicílio a Entrevistada / mãe da família 65 65, ,6 Marido 19 19, ,2 Os dois 9 9, ,7 Outro 6 6,0 7 11,5 Sem informação 6 10,9 8 24,2 Responsável pela compra de alimentos b Entrevistada / mãe da família 45 45, ,7 Marido 27 27, ,1 Os dois 19 19, ,6 Outro 8 8, ,6 Definição sobre escolha da compra do alimento c Entrevistada / mãe da família 71 71, ,7 Os dois 16 16, ,8 Marido 8 8, ,7 Outro 4 4,0 9 8,8 a Qui 2 =7,59 p=0,022 b Qui 2 =1,19 p=0,552 NS c Qui 2 =2,66 p=0,264 NS O aumento do poder de compra das mulheres é visível e é apontado por elas como a maior mudança ocorrida após recebimento do Programa, não só porque possibilita a compra de gêneros alimentícios e material escolar, mas, sobretudo, porque permite que exerçam a cidadania e experimentem o exercício de negociação com o parceiro no domicílio. Apesar de verificar tais impactos, não se pode afirmar que tem havido uma redução das desigualdades de gênero e dos padrões tradicionais de distribuição de papéis entre mulheres e homens no âmbito doméstico. Exemplo disso é o fato da maioria dos domicílios serem chefiados por homens, mesmo em famílias cuja renda é apenas o PBF, cuja titularidade pertence às mulheres. 13

14 3.3 Percepção sobre as condicionalidades Quando questionadas sobre as condicionalidades do programa Bolsa Família, apenas a metade (52%) das famílias beneficiárias respondeu afirmativamente, demonstrando grande desconhecimento sobre esta norma básica do programa (Tabela 2). As famílias que afirmaram conhecer o Programa, no geral, fizeram uma avaliação positiva sobre a existência das condicionalidades, somente 3,8% achavam que era ruim cumprir tais exigências. Vale destacar que nos grupos focais houve uma avaliação menos positiva por parte das beneficiárias, uma vez que várias participantes questionaram a obrigatoriedade do cumprimento das condicionalidades, reforçando a polêmica discutida por Monnerat et al. De acordo com as autoras, a exigência de contrapartidas não é um consenso, portanto, desperta bastante polêmica. Afirmam que a controvérsia aparece, por um lado, no reconhecimento de que as condicionalidades do programa tem um potencial de pressionar a demanda sobre os serviços de educação e saúde (...), por outro lado, se traduz na idéia de que à medida que o direito social é condicionado ao cumprimento de obrigatoriedades, podem ser ameaçados os princípios de cidadania (Monnerat et al. 2007). No geral, tanto beneficiárias quanto não beneficiárias, parece ter uma maior aceitação sobre a exigência de freqüência escolar, afirmando a importância da escolaridade na vida dos filhos. A freqüência aos serviços de saúde foi menos citada pelos entrevistados e também pelas participantes dos grupos focais. Tabela 2 - Distribuição segundo cumprimento de condicionalidades entre as famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família, municípios de baixo IDH, Brasil Variáveis Beneficiárias N % Família sabe que existe condicionalidades no Programa Sim 52 52,5 Não 44 44,4 Não informou 3 3,0 Avaliação da família sobre as condicionalidades do Programa Boa 46 88,5 Ruim 2 3,8 Não informou 4 7,7 Quanto ao acesso das famílias beneficiárias e do grupo comparação aos serviços de saúde observa-se na Tabela 3 que o primeiro grupo declara maior freqüência, porém a diferença não foi significativa (Qui2= 2,76 p= 0,095). O pequeno número de gestantes na amostra impossibilita a análise neste grupo. 14

15 Tabela 3 - Distribuição segundo acesso ao serviço de saúde de famílias beneficiárias e não beneficiárias do Programa Bolsa Família, municípios de baixo IDH, Brasil 2006 Variáveis Beneficiárias Não beneficiárias % % Freqüenta Posto de Saúde Sim 92,9 84,5 Não 7,1 15,5 Membro da família que mais freqüenta posto Criança 42,9 34,1 Idoso 2,2 16,5 Mãe 41,7 35,3 Outros 13,2 14,1 Freqüência ao posto de saúde Semanal 9,9 9,4 Quinzenal 9,9 5,9 Mensal 39,6 37,6 Esporadicamente 31,9 32,9 Outro 8,7 14,1 Tipo de serviço que utiliza Serviço de pesagem 80,8 62,1 Serviço de vacinação 84,3 93,1 Outro tipo de serviço 79,3 87,2 Dificuldade para atendimento no posto de saúde Sim 41,3 37,2 Não 53,3 53,5 As vezes 5,4 9,3 Gestante realiza pré-natal Sim 55,6 83,3 Não 44,4 16,7 Recebe visita do Agente Comunitário de Saúde Sim 87,9 82,4 Não 12,1 17,6 Freqüência de visita do Agente Comunitário de Saúde Semanal 23,0 28,6 Quinzenal 5,7 4,8 Mensal 51,7 44,0 Esporadicamente 19,5 19,0 Outro 3,6 Criança medida e pesada mensalmente Sim 72,7 68,8 Não 27,3 31,2 Cartão da Criança tem acompanhamento de peso Sim 43,6 27,3 Não 40,0 45,5 Não tem cartão 5,5 3,0 Não foi verificado 10,9 24,2 15

16 3.4 Segurança alimentar das famílias e situação nutricional das crianças menores de cinco anos Considerando a aplicação da escala de insegurança alimentar, observa-se que, de um modo geral, as famílias investigadas apresentam uma situação crítica de insegurança alimentar, com mais de 50% experimentando uma situação de IA moderada e grave, sendo o maior percentual entre as famílias beneficiárias (Tabela 4). Destaca-se que a gravidade da situação de insegurança alimentar foi mais alta entre as famílias beneficiárias (29,3%), ao passo que a condição de segurança alimentar foi maior entre as não beneficiárias. Esta diferença, contudo, não foi estatisticamente significativa. Tabela 4 Percentual de famílias beneficiarias e não beneficiárias do Programa Bolsa Família, segundo a situação de segurança alimentar, municípios de baixo IDH, Brasil Variáveis Beneficiárias a Não beneficiárias a N % N % Segurança Alimentar 14 14, ,4 Insegurança Alimentar Leve - IA Leve 28 28, ,1 Insegurança Alimentar Moderada - IA Moderada 28 28, ,1 Insegurança Alimentar Grave - IA Grave 29 29, ,4 Total , ,0 a Qui 2 =2,82 p=0,420 NS Buscando analisar se o recebimento do PBF repercutiu positivamente na quantidade de refeições que a família realizava, proporcionado o seu aumento, as famílias foram questionadas sobre alteração no número de refeições nos últimos seis meses (Tabela 5). Neste quesito, observou-se que o relato de aumento do número de refeições foi maior entre as famílias beneficiárias, embora o maior percentual nos dois grupos referiu-se a não alteração na quantidade de refeições diárias realizadas pelas famílias. A diferença não foi significativa. Importa destacar que esta resposta depende, em grande medida, do tempo de inscrição das famílias no Programa, ou seja, o efeito seria mais positivo para as famílias que passaram a ser beneficiárias nos últimos seis meses, enquanto que as famílias que já são beneficiárias há um longo tempo, tendem a não mais perceber diferenças. Nesse sentido, vale destacar que apenas 33% das famílias beneficiárias foram inscritas nos últimos seis meses, percentual que se aproxima daquele que revela aumento no número de refeições neste período. 16

17 Tabela 5 Percentual de famílias beneficiarias e não beneficiárias do Programa Bolsa Família, segundo percepção sobre aumento do número de refeições nos últimos 6 meses, municípios de baixo IDH, Brasil Variáveis Beneficiárias Não beneficiárias N % N % Aumentou número de refeições 25 26, ,4 Diminui número de refeições 6 6,4 9 8,7 Não alterou número de refeições 63 67, ,9 Total , ,0 a Qui 2 =1,27 p=0,529 NS A análise dos dados antropométricos das 75 crianças pesquisadas está apresentada na Tabela 6. Nota-se a alta prevalência, sobretudo de retardo de crescimento, evidenciado pelo indicador Altura/Idade (17,6%). O pequeno número de crianças avaliadas não permitiu uma análise comparativa entre os dois grupos. Tabela 6 Percentual de crianças de zero a seis anos com déficits nutricionais, municípios de baixo IDH, Brasil Indicador N % < -3SD [IC 95% ] % < -2SD [IC 95% ] Altura/Idade (%) 74 4,1 [0,0-9,2] 17,6 [8,2-26,9] Peso/Idade (%) 74 2,7 [0,0-7,1] 6,8 [0,4-13,2] Peso/Altura (%) 75 0 [0,0-0,7] 2,7 [0,0-7,0] 3.5 Percepção sobre ações complementares para emancipação dos beneficiários A maioria dos entrevistados citou a necessidade de ações complementares à transferência de renda, inclusive na área de capacitação para o mercado de trabalho, conforme relato descrito abaixo: No momento tem essa ajuda financeira para eles. Eles não têm condição de mercado de trabalho, atividade para eles aprenderem... aí não tem jeito... (Representante da Sociedade Civil) No que diz respeito à opinião dos beneficiários sobre o Programa e as possibilidades de ações de geração de renda, vários relatos apontaram a dificuldade de emprego nos municípios, 17

18 e face a esta situação, o Programa garantia a renda para sobrevivência, embora desejassem uma inserção no mercado de trabalho local. Portanto, o emprego seria a única possibilidade para não dependência da transferência de renda. Tal como pode ser observado no seguinte relato: Acho que a pessoa tendo um emprego, ela deixa de ser pobre e sobe um degrauzinho... Ter um lazer melhor, uma casinha melhor (Beneficiaria, Grupo focal) Por outro lado, alguns relatos também indicam que o Programa tem permitido ampliar as possibilidades de um futuro melhor para as crianças, uma vez que com a transferência de renda oportuniza a permanência da criança na escola. O relato de beneficiárias revelam que, em certa medida, o benefício tem efeito a longo prazo. Reforça esta percepção, relatos num grupo focal, no qual as beneficiárias afirmaram que o benefício deveria permanecer até a maioridade das crianças....se acabasse, não ia ter nenhum que estudasse (Beneficiária) Ia ficar difícil, até para os filhos estudarem ; (Beneficiária) Pelo menos até quando os meninos estivessem maiores... Maior de idade... Até para ajudar, ter um emprego pelo menos para manter a ele. Até que as crianças tivessem formadas, que tivessem o serviço deles,. Se manter... (Beneficiaria) A opinião sobre o Programa não é uniforme entre os gestores locais, existem aqueles que acreditam tratar-se de um programa assistencialista, que leva os beneficiários a acomodação. Outros gestores o julgam necessário face às adversidades do contexto local. Ou seja, atende, ainda que em parte, as necessidades básicas das famílias beneficiárias. E há ainda aqueles que acreditam que o programa é necessário, no entanto remetem à necessidade de ações estruturantes, ou de desenvolvimento de políticas que se configurem como porta de saída do programa. 4. Considerações Finais Políticas sociais voltadas à redução da pobreza e da fome são instrumentos eficazes na ação de reduzir as desigualdades sociais e de promover um país mais equitativo, além de garantir o direito à alimentação. No caso do Programa Bolsa Família, além da alimentação, o Programa objetiva também garantir o acesso das famílias beneficiárias a educação e saúde. Dessa forma, torna-se um Programa estratégico para promover a interrupção no ciclo intergeracional da pobreza. Em nome disso, os achados da pesquisa, ora apresentados, são importantes para o aperfeiçoamento, bem como para a análise das ações governamentais. 18

19 Assim, vale destacar alguns dados encontrados sobre os efeitos e dimensões do Programa no que diz respeito às famílias beneficiárias: houve aumento no poder de compra e os recursos monetários recebidos destinam-se basicamente à compra de alimentos para a família. Observou-se que grande parte das entrevistadas associou a posse feminina do cartão à responsabilidade das mulheres em atender as necessidades dos filhos. Os comerciantes apontaram aumento nos lucros após o PBF e destacaram a importância do PBF para o comércio local e para a economia do município. O estudo mostra um aumento do acesso das mulheres ao crédito local em decorrência do benefício, tendo, portanto, uma maior visibilidade como consumidoras. Tanto as mulheres beneficiárias como as não beneficiárias consideram a possibilidade de comprar a prazo, a posse do cartão e a negociação com o comércio como as principais vantagens do Programa. Houve uma diferença significativamente maior de beneficiarias que tinham a responsabilidade pela administração dos recursos familiares. Esse resultado demonstra um aumento na autonomia das mulheres no domicílio, uma vez que passam a ter maior oportunidade de decidir como os recursos serão gastos, ou seja, ocorre uma maior participação das mulheres nos processos de tomada de decisão no âmbito familiar. Ações complementares foram vistas como importantes por gestores, representantes da sociedade civil e pelas beneficiárias entrevistadas. Verificou-se que apesar do discurso dos gestores apontarem a necessidade e importância dessas ações, concretamente, os municípios não destacaram iniciativas associadas ao PBF com enfoque na geração de emprego e renda. O caminho percorrido pela investigação mostra, por um lado, que o Programa tem gerado efeitos positivos na vida dos beneficiários, contudo, verificou-se que a execução do Programa enfrenta o desafio de formular e implementar políticas sociais sustentáveis. Responder a esse desafio significa promover políticas de combate à pobreza, fortalecer a rede de proteção social e contribuir para a possibilidade de emancipação sustentada das famílias beneficiárias. 19

20 Referências Bibliográficas BANDEIRA, Lourdes. Relações de Gênero, Corpo e Sexualidade. In: Galvão, L.; Díaz, J., (Orgs.) Saúde Sexual e Reprodutiva no Brasil: Dilemas e Desafios. São Paulo: Hucitec, BRASIL. Lei No , de 11 de abril de Cria o Programa Nacional de Renda Mínima vinculada à educação - "Bolsa Escola", e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 abr. 2001a.. Medida Provisória No , de 10 de agosto de Cria o Programa Nacional de Renda Mínima vinculado à Saúde: Bolsa-Alimentação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 ago. 2001b.. Lei nº de 13 de junho de Cria o Programa Nacional de Acesso à Alimentação - "Cartão Alimentação". Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 Jun Lei No , de 9 de janeiro de Cria o Programa Bolsa Família e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 jan. 2004a.. Decreto nº 5.209, de 17 de setembro de Regulamenta a Lei n o , de 9 de janeiro de 2004, que cria o Programa Bolsa Família, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 set. 2004b. CONTANDRIOPOULOS, A-P.; CHAMPAGNE, F.; DENIS, J.F.; PINEAULT, R. A avaliação na área da saúde: conceitos e métodos. In: Hartz, Z.M.A (Org) Avaliação em Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, DONABEDIAM, A. The role of outcomes in quality assessment and assurance. Quality Review Bull, v. 18, n 11, p , FRONGILLO, E.A. Validation of measures of food insecurity and hunger. J Nutr 129(2S Suppl): 596S-509S, HARTZ, Z.M.A.; CHAMPAGNE, F.; CONTANDRIOPOULOS, A.P.; LEAL, M. C. Avaliação do Programa Materno-Infantil. In: Hartz, Z.M.A (org) Avaliação em Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, MINAYO M.C. S. O Desafio do Conhecimento; Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec/ Rio de Janeiro: Abrasco, MONNERAT, G. L. et al. Do direito incondicional à condicionalidade do direito: as contrapartidas do Programa Bolsa Família et al. Ciência & Saúde Coletiva, 12(6): , SANTOS, S.M.C., SANTOS, L.M.P. Avaliação de políticas públicas de segurança alimentar e combate à fome no período de : 1-Abordagem metodológica. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23(5): , SEGALL-CORREIA, A.M. et al. (In)segurança alimentar no Brasil. Acompanhamento e avaliação da segurança alimentar de famílias brasileiras: validação de metodologia e de instrumento de coleta de informação. Relatório técnico. Campinas: Unicamp, Disponível em: SENNA, M. C. M. et al. Programa Bolsa Família: nova institucionalidade no campo da política social brasileira? Rev. Katál. Florianópolis v. 10 n. 1 p jan./jun SILVA, L.M.V., FORMIGLI V.L. A Avaliação em Saúde: Limites e Perspectiva. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 10 (1):80-91, SILVA, M. O. S. O Bolsa Família: problematizando questões centrais na política de transferência de renda no Brasil Ciência & Saúde Coletiva, 12(6): , TANAKA, O. Y., MELO, C. Avaliação de Programas de Saúde do Adolescente: Um modo de fazer. São Paulo: Edusp, WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. WHO Technical Report Series, 854.Geneva: WHO;

e seus resultados na área de saúde

e seus resultados na área de saúde O Programa Bolsa Família e seus resultados na área de saúde Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Contexto histórico América Latina: proteção social baseada no seguro. Brasil, anos 1970,

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

. 61. BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE

. 61. BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE CAPÍTULO BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 61 7 Funcionamento do programa As etapas qualitativa e quantitativa da pesquisa mostraram enorme desconhecimento das famílias beneficiadas com relação às regras

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Pólis Pesquisa Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO Com um registro único para programas sociais é possível saber quem são as pessoas mais vulneráveis, suas necessidades e onde elas moram. É possível

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Renise Bastos Farias Dias (UFAL) renisebastos@gmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa de campo, de análise quantitativa, realizada

Leia mais

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família Gestão Municipal do Cadastro Único e Programa Bolsa Família Gestora Olegna Andrea da Silva Entrevistadora e Operadora de Cadastro Ana Paula Gonçalves de Oliveira A porta de entrada para receber os bene?cios

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS Fórum Banco Central de Inclusão Financeira Painel MDS Brasília, 18/nov/2010 Sumário Breve descrição do PBF; Razões para inclusão financeira; Marco legal da inclusão financeira; Atual agenda de inclusão

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) é responsável por sistematizar os resultados do acompanhamento das condicionalidades

Leia mais

Pesquisa Piloto de Avaliação dos Resultados Sociais da Concessão do Bolsa Família para os beneficiários em Vitória

Pesquisa Piloto de Avaliação dos Resultados Sociais da Concessão do Bolsa Família para os beneficiários em Vitória Pesquisa Piloto de Avaliação dos Resultados Sociais da Concessão do Bolsa Família para os beneficiários em Vitória O presente relatório tem como objetivo apresentar os resultados da Pesquisa piloto de

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO.

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. Lina Penati Ferreira 1 - li.penati@hotmail.com Universidade Estadual de Londrina GT 8- As interface entre teoria democrática,

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria Financeira de conciliação das informações repassadas pelos

Leia mais

Instituição executora: N. C. Pinheiro ME. Equipe responsável: Neida Cortes Pinheiro e Sara Berardi.

Instituição executora: N. C. Pinheiro ME. Equipe responsável: Neida Cortes Pinheiro e Sara Berardi. ESTUDO SOBRE O DESENHO, A GESTÃO, A IMPLEMENTAÇÃO E OS FLUXOS DE ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE ASSOCIADAS AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) PARA POVOS INDÍGENAS ficha técnica Instituição

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Transferência condicionada de renda Características Objetivos focalizado condicionado de livre utilização Alívio imediato da pobreza (renda) Ruptura do ciclo intergeracional da

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

68. IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas

68. IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas CAPÍTULO 68. 8 IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas Percepções dos(as) titulares sobre o programa Os(as) titulares do Programa Bolsa Família percebem a situação de pobreza de forma

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO)

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) Realização: Ibase, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) Objetivos da Pesquisa: Os Diálogos sobre

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ PREFEITURA DE LARANJAL DO JARI SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA/CADÚNICO.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ PREFEITURA DE LARANJAL DO JARI SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA/CADÚNICO. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ PREFEITURA DE LARANJAL DO JARI SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA/CADÚNICO. Relatório das Atividades do Programa Bolsa Família Laranjal do Jarí-AP Ano: 2011. SOBRE

Leia mais

Desafios na gestão do Programa Bolsa Família em municípios de baixo IDH 1

Desafios na gestão do Programa Bolsa Família em municípios de baixo IDH 1 Desafios na gestão do Programa Bolsa Família em municípios de baixo IDH 1 Resumo A gestão do Programa Bolsa Família foi analisada em cinco municípios, os de mais baixo IDH por região. Gestores e informantes

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a portaria GM/MDS nº 321, de 29 de setembro de 2008, e dá outras

Leia mais

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV).

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). Maria Mabel Nunes de Morais; Raiany Augusto Carvalho; Samara Pereira de Sousa; Édja Larissa Simão de Lacerda; Maria

Leia mais

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Projeto de Educação Financeira de Adultos Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Relatório Parcial A AEF-Brasil é uma entidade da sociedade civil que promove e executa ações transversais

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas Profa. Dra. Maria Ozanira da Silva e Silva, GAEPP/UFMA Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas

Leia mais

Acompanhamento da Freqüência Escolar de Crianças e Jovens com Vulnerabilidade. Condicionalidades Bolsa Família

Acompanhamento da Freqüência Escolar de Crianças e Jovens com Vulnerabilidade. Condicionalidades Bolsa Família Acompanhamento da Freqüência Escolar de Crianças e Jovens com Vulnerabilidade Condicionalidades Bolsa Família 1) Constituição Federal: Frequência Escolar Marcos Legais -Art. 6º : Estabelece a educação

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA O que é É o maior e mais ambicioso programa de transferência de renda da história do Brasil. O Bolsa Família nasce para enfrentar o maior desafio da sociedade brasileira, que é o

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Recife, 2004 Sumário Objetivo Beneficiários Diagnóstico Horizonte Temporal

Leia mais

Palavras-chave: programa bolsa família; desempenho escolar; políticas públicas.

Palavras-chave: programa bolsa família; desempenho escolar; políticas públicas. POLÍTICA PÚBLICA DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E EDUCAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NA ESFERA ESCOLAR Sônia Selene Baçal de Oliveira - UFAM 1 Sammya Danielle Florencio dos Santos - UFAM 2 Resumo

Leia mais

O Sistema de Monitoramento e Avaliação dos Programas de Promoção e Proteção Social do Brasil

O Sistema de Monitoramento e Avaliação dos Programas de Promoção e Proteção Social do Brasil O Sistema de Monitoramento e Avaliação dos Programas de Promoção e Proteção Social do Brasil Brasília, 27 de Agosto de 2008 Programa Brasil África de Cooperação em Promoção e Proteção Social Missão de

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Introdução. O estudo proposto pretende apreender tais mudanças através de três estratégias:

Introdução. O estudo proposto pretende apreender tais mudanças através de três estratégias: Pobreza Extrema, Insegurança Alimentar e Políticas Públicas: Estudo Longitudinal de Famílias Atendidas pelo Programa Bolsa Família no Município de Duque de Caxias. Proponente: Rosana Salles da Costa Professor

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

Palavras-chave: Administração Pública. Gestão Participativa e Democrática. Responsabilidade Socioambiental.

Palavras-chave: Administração Pública. Gestão Participativa e Democrática. Responsabilidade Socioambiental. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: gestão participativa e democrática e a responsabilidade socioambiental Pedro Cássio CABRAL 1 Kerla Cristina Parreira LIMA 2 Wilson Alves de MELO 3 RESUMO A administração Pública

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Coordenação: Profª Vera Rodrigues

Coordenação: Profª Vera Rodrigues III Oficina Técnica da Chamada CNPq/MDS - 24/2013 Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas Sociais, Combate à Fome e à Miséria no Brasil Projeto E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do

Leia mais

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária Acesso a produtos e serviços bancários a cidadãos de baixa renda; Serviços bancários + preocupação social. Ações para inclusão

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

CCSVP: ESTRATÉGIA DO SERVIÇO SOCIAL NA GARANTIA DE DIREITOS COM MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS.¹

CCSVP: ESTRATÉGIA DO SERVIÇO SOCIAL NA GARANTIA DE DIREITOS COM MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS.¹ CCSVP: ESTRATÉGIA DO SERVIÇO SOCIAL NA GARANTIA DE DIREITOS COM MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS.¹ TASCHETTO, Ketheni Machado²; MARQUES, MARQUES Nadianna Rosa ³ ; KAEFER Carin Otília 4 ¹Trabalho desenvolvido

Leia mais

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Mais de um terço dos brasileiros desconhecem o valor das contas que vencem no próximo mês. Falta

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza?

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza? Transferências de renda no Brasil O Fim da Pobreza? PET - Economia - UnB 20 de novembro de 2013 Outline A Autora 1 A Autora Sonia Rocha 2 Renda Mensal Vitaĺıcia (RMV) Bolsa Escola 3 Fome Zero O Novo Programa

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

II. Envio dos públicos (listagens) para acompanhamento aos parceiros da saúde e educação;

II. Envio dos públicos (listagens) para acompanhamento aos parceiros da saúde e educação; CONDICIONALIDADE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA COMO FUNCIONA? A gestão de condicionalidades compreende um conjunto de ações em diferentes períodos visando ao acompanhamento dos compromissos nas áreas de educação

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

SENADO FEDERAL SECRETARIA DE PESQUISA E OPINIÃO PÚBLICA. As ONGs na Mídia. O perfil do Terceiro Setor na Imprensa. Estudo elaborado pela SEPOP/SECS

SENADO FEDERAL SECRETARIA DE PESQUISA E OPINIÃO PÚBLICA. As ONGs na Mídia. O perfil do Terceiro Setor na Imprensa. Estudo elaborado pela SEPOP/SECS As ONGs na Mídia O perfil do Terceiro Setor na Imprensa Estudo elaborado pela SEPOP/SECS Brasília, novembro de 2006 1 Apresentação Uma marca forte, com alta credibilidade, boa visibilidade, nítido perfil

Leia mais

Avaliação do estado nutricional das crianças beneficiárias do Bolsa Família. - Projeto CadSISVAN -

Avaliação do estado nutricional das crianças beneficiárias do Bolsa Família. - Projeto CadSISVAN - Avaliação do estado nutricional das crianças beneficiárias do Bolsa Família - Projeto CadSISVAN - Bolsa Família e Atenção Básica à Saúde Condicionalidades de Saúde PBF REDUÇÃO DE INIQUIDADES Garantia do

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

08 a 13 de Julho de 2012 UEFS Feira de Santana - BA

08 a 13 de Julho de 2012 UEFS Feira de Santana - BA PERCEPÇÃO PÚBLICA ACERCA DO SANEAMENTO BÁSICO NO BAIRRO PEDRA DO LORDE, JUAZEIRO BA. Roberta Daniela da Silva Santos (1) Anne Kallyne dos Anjos Silva (2) Simone do Nascimento Luz (3) Marcello Henryque

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1.

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. Com base no estudo do texto anterior, pode-se constatar que o Bolsa Família pode ser compreendido

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DO PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA CONDITIONAL CASH TRANSFER PROGRAMS: OPERATIONAL EXPERIENCES WORLD BANK WORKSHOP O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA Contexto Após

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família

Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família 3 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Acompanhamento Familiar Programa Bolsa Família Brasília, 2009 2009 Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Mensurar a inclusão financeira Uma abordagem focada no cliente. Caitlin Sanford

Mensurar a inclusão financeira Uma abordagem focada no cliente. Caitlin Sanford Mensurar a inclusão financeira Uma abordagem focada no cliente Caitlin Sanford 2 O caminho em direção a uma mensuração da inclusão financeira Mensurar a EXISTÊNCIA dos serviços financeiros em um país (

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais