ELABORAÇÃO DE PROJETOS PARA CAPTAÇÃO DE RECURSOS EM SAÚDE BASEADO EM INDICADORES SOCIAIS: O CASO DA CIDADE JOÃO PESSOA RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELABORAÇÃO DE PROJETOS PARA CAPTAÇÃO DE RECURSOS EM SAÚDE BASEADO EM INDICADORES SOCIAIS: O CASO DA CIDADE JOÃO PESSOA RESUMO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL MODALIDADE A DISTÂNCIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS PARA CAPTAÇÃO DE RECURSOS EM SAÚDE BASEADO EM INDICADORES SOCIAIS: O CASO DA CIDADE JOÃO PESSOA Geórgia de Sousa Ferreira Soares Pós-graduando lato sensu em Gestão Pública Municipal - UFPB Prof Dr Bruno Ferreira Frascaroli Professor do Departamento de Economia - UFPB RESUMO O município de João Pessoa, além de capital do estado da Paraíba, é sua maior e principal cidade. Destacada no turismo, possui vantagens em relação à capitais do centro sul do país, como ampla costa marítmica e proximidade com os continentes europeu e africano. Como tantas cidades brasileiras, enfrenta problemas na área da saúde, dentre os quais a concentração de usuários. Para suprir os déficits e engessamento do setor público, elencamos nesse trabalho alguns indicadores sociais com relações diretas e indiretas na saúde, e identificamos alguns órgãos e dispositivos públicos e privados com planos e disposição de interação com o setor da saúde. Palavras-chave: Captação de recursos. Indicadores sociais. Saúde. João Pessoa. 1 INTRODUÇÃO O município de João Pessoa é a capital do Estado da Paraíba, com uma área geográfica de 210,80 km², clima quente e úmido, localizado na porção mais oriental da Paraíba (Figura 1), limita-se ao norte com o município de Cabedelo; ao sul com o município do Conde; a leste

2 2 com o Oceano Atlântico; e a oeste com os municípios de Bayeux pelo rio Sanhauá e Santa Rita pelo rio Mumbaba. João Pessoa é o centro de uma região metropolitana que inclui atualmente 8 municípios, e que tem mais de de habitantes (IBGE, 2000). Se considerarmos apenas o sentido geográfico do aglomerado de municípios de fluxos mais intensos e processos de conurbação mais claros, teríamos o aglomerado formado, além da capital, pelos municípios de Bayeux, com habitantes; Cabedelo, com habitantes; Conde, com habitantes e Santa Rita, com habitantes. Este aglomerado mais somaria a população de habitantes, segundo a estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística - IBGE. O conhecimento sobre o tamanho e distribuição da população é de extrema importância para os gestores municipais, proporcionando desta forma uma boa gestão do gasto público de maneira que permita a diminuição dos gastos contribuindo para uma melhoria nas políticas sociais, tais como: saúde, educação, renda, entre outras. Figura 1- Localização dos principais municípios da Paraíba e destaque para a cidade de João Pessoa e seus barirros (site PMJP: Jampa em Mapas, 2011). O único porto do estado e da região metropolitana situa-se no município de Cabedelo. O aeroporto regional, recentemente reformado, localiza-se no município de Bayeux. Ambos os municípios são vizinhos e conurbados com o município da Capital. João Pessoa apresenta tanto patrimônio natural quanto patrimônio histórico e cultural. Sua condição urbanística também mostra muita adequação e atratividade (Figura 2), com recentes investimentos em um Centro de Convenções (em fase de construção) e a Estação Ciência, esta última com um projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer.

3 3 Ainda referente a situação urbanística, a cidade também possui atrativos que a tornam em situação privilegiada no âmbito nacional e global. Figura 2 - Parte histórica do centro: Praça Antenor Navarro (Site: PMJP, 2011). A economia da capital paraibana está interligada no seu comércio e indústria. A pesca também é uma das principais atividades econômicas, além da extração de caju e de coco. Em relação ao turismo existe um litoral privilegiado, com 30 km de praias (PMJP, 2011). Estudos a respeito da eficiência em saúde vem elevando-se anualmente no cenário internacional.(lavado; CABANA, 2009). O Relatório nº BR (2007) do Banco Mundial, que evidencia a Qualidade do Gasto Público e Gestão de Recursos no Sistema Único de Saúde do Brasil, evidencia a sua preocupação com a eficiência do gasto em saúde, focando que a qualidade do gasto em saúde se diferencia como o que proporciona o melhor resultado possível. A pertinência de se analisar a eficiência nos gastos do setor público torna-se evidente para os países em desenvolvimento, onde os recursos públicos normalmente são insuficientes. A partir do momento em que os serviços são fornecidos pelo poder público, a avaliação da eficiência torna-se uma inevitável ferramenta de gestão; quando a ineficiência permanece os usuários desses serviços sofrem. Para isso, uma das medidas necessárias é aumentar o aporte de recursos nos diversos indicadores de saúde abordados que conduzirá o aumento no desenvolvimento humano (LAVADO; CABANDA, 2009). Segundo o IBGE (2009), a cidade de João Pessoa possui 2 estabelecimentos de saúde federais, 15 estaduais, 135 municipais e 294 privados, possuindo uma participação relativa deste último setor maior que o percentual paraibano e brasileiro. Tanto a Paraíba quanto o

4 4 Brasil apresentam um maior percentual de estabelecimentos de saúde municipais que João Pessoa, como mostrado na Figura 4. Figura 4 Censo dos estabelecimentos de saúde em João Pessoa-PB e comparação com os percentuais da Paraíba e Brasil (Fonte: IBGE, 2009). A estrutura da saúde pública no Brasil conta também com atuação das secretarias estaduais e municipais de saúde. A Constituição Federal de 1988 promoveu um importante passo na garantia do direito à saúde com a criação do Sistema Único de Saúde, o SUS. Seus princípios estão direcionados para a democratização nos serviços de saúde, que deixam de ser restritos e passam a ser universais, deixam de ser centralizados e passam a ser norteados pela descentralização, com os estados e municípios assumindo suas responsabilidades e prerrogativas diante do SUS, bem como desenvolvendo ações que promovam à prevenção e à promoção da saúde (BRASIL, 2011). Segundo a Secretaria de Saúde de João Pessoa, dentro da construção da rede progressiva de cuidados em saúde do município de João Pessoa, a Coordenadoria de Gestão Hospitalar é responsável por promover a integração dos hospitais municipais dentro dessa rede em construção, acompanhando os parâmetros de gestão, buscando melhor acolhimento e maior resolutividade para as necessidades dos usuários que buscam socorro em situações de urgência e emergência nos hospitais. A rede hospitalar do município de João Pessoa é responsável pelo atendimento da população da cidade, como também de todos os usuários do Sistema único de Saúde-SUS que porventura necessitem de uma intervenção hospitalar. A cidade atende a uma demanda de

5 5 aproximadamente 50% de usuários de regiões circunvizinhas e até mesmo de outros estados. Em João Pessoa, a rede hospitalar municipal é assim distribuída: Hospital Geral Santa Isabel, Hospital Valentina Figueiredo, Instituto Cândida Vargas e Complexo Hospitalar Mangabeira. A Gestão da Política de Saúde tem como objetivo promover a equidade na atenção integral à saúde, aperfeiçoar os mecanismos de financiamento reduzindo as desigualdades regionais e ampliando o acesso da população a ações e serviços de qualidade, oportunos e humanizados. Um aspecto a ser abordado neste tema é que muitos municípios não possuem pessoas capacitadas para elaborar projetos para captar recursos e desconhecem também os órgãos de fomentos os quais devem recorrer. É sabido que o poder público sozinho não consegue acabar ou resolver todos os problemas do município. Nos dias atuais, os grupos organizados têm demonstrado uma grande eficácia no poder de ação e através da procura de parcerias, conseguem financiamentos para seus projetos. Diante deste cenário objetiva-se elencar fontes e definir estratégias para elaboração de projetos para captação de recursos em saúde a partir de indicadores sociais, identificando os principais problemas englobando saúde, educação e renda do município de João Pessoa, e com isso identificar parcerias para a resolução destes problemas. Essas parcerias podem ser buscadas dentro do próprio município, com o poder público, com o comércio e outras parcerias como órgãos de fomento em âmbito nacional (Federal e Estadual), Universidades, entre outros. 2 FUNDAMENTAÇÃO 2.1 Indicadores sociais Indicadores sociais são ferramentas de avaliação quantitativa, obtidas aplicando-se métodos estatísticos de seleção e classificação de variáveis, de modo a expressar um aspecto social aparentemente isolado e qualitativo numa expressão matemática, que deve ser interpretada de maneira científica e política, de forma ilustrativa ou para tomadas de decisão. Nesse sentido, os indicadores sociais devem ser continuamente atualizados, permitindo o ajuste dinâmico das equações que os predizem (podendo incluir a variável "tempo"), de modo que as políticas adotadas para a melhoria de qualidade social sejam as mais adequadas possíveis, antecipando-se a fenômenos não detectados imediatamente por análises qualitativas.

6 6 O caráter multifatorial que levam à composição dos indicadores sociais já é fato consolidado (OMS, 2010). Para os leigos no assunto, indicadores sociais seriam uma medida direta da condição econômica de uma população, justificando o fato de que os indicadores econômicos foram os primeiros a serem definidos e usados para medir o desenvolvimento de Estados em termos do seu desempenho econômico. Tais indicadores eram modestos do ponto de vista matemático, e apenas com a aplicação de modelos estatísticos mais robustos, passaram a tratar sistemas complexos. Mesmo com sofisticados modelos de predição e descrição econômica de países, observou-se que os mesmos não eram capazes de descreverem sozinhos aspectos relacionados à qualidade de vida das referidas populações. Informações como: expectativa de vida, taxa de mortalidade, taxa de mortalidade infantil, taxa de analfabetismo, renda nacional bruta, saúde, alimentação, acesso à saúde, condições médico-sanitárias, acesso aos consumos, dentre inúmeros outros, compõem indicadores sociais aceitos na atualidade. Ao longo das últimas décadas, a Organização das Nações Unidas-ONU no seu Relatório de Desenvolvimento Humano, vem introduzindo novas medidas para avaliar o progresso na redução da pobreza e as diferenças de gênero. Esses índices são (ONU, 2011): Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): mede as realizações médias de um país em três dimensões básicas do desenvolvimento humano: uma vida longa e saudável, acesso ao conhecimento e um padrão de vida decente. Índice de Desenvolvimento Humano Ajustado pela Desigualdade (IDHAD): ajusta o IDH pela desigualdade na distribuição de cada dimensão entre a população. O IDHAD é igual ao IDH quando não há desigualdade entre as pessoas, mas é menor do que o IDH com o aumento da desigualdade. Assim, o IDHAD pode ser visto como o nível real de desenvolvimento humano (responsável por essa desigualdade), enquanto o IDH pode ser visto como um desenvolvimento "potencial" humano, pois refere-se ao máximo que aquela população teria se dela fosse excluída a desigualdade entre seus indivíduos. A "perda" pela desigualdade pode ser obtida pela diferença entre esses dois índices e expresso como porcentagem. A título de ilustração, o Brasil cai 13 posições no ranking da ONU quando o IDH é ajustado pela desigualdade. Índice de Desigualdade de Gênero (IDG): reflete a perda no desenvolvimento humano devido à desigualdade entre realizações femininas e masculinas sob três dimensões: saúde reprodutiva, ampliação de poderes (empowerment) e mercado de trabalho. O IDG varia de 0 (homens e mulheres exatamente no mesmo pé de

7 7 igualdade) a 1 (indica que as mulheres sairão tão mal quanto possível para todas as medidas possíveis nas três dimensões). Índice de Pobreza Multidimensional (IPM): reflete múltiplas privações a nível individual em saúde, educação e padrão de vida. Ele difere do IDHAD no que tange ao banco de dados utilizado, sendo nesse caso um banco de micro dados de pesquisas domiciliares, onde cada pessoa em uma mesma casa pode ser classificada como pobre ou não pobre, dependendo das privações individuais. Esses dados são posteriormente agregados na medida nacional de pobreza. Consonante ao Brasil, temos na Tabela 1 os respectivos índices, seguido das posições e informações sobre países bem posicionados e alguns vizinhos próximos do Mercosul. A tabela completa pode ser observada nos relatórios da ONU de Tabela 1 - Índices de Desenvolvimento Humano da ONU. País Classificação IDH IDH (posição) IDHAD (perda %) IDG (posição) Noruega Muito Alto (1º) (5.6) 0.075(6º) EUA Muito Alto (4º) (15.3) 0.299(47º) Japão Muito Alto (12º) (14º) Argentino Muito Alto (45º) (19.5) 0.372(67º) Uruguai Alto (48º) (16.4) 0.352(62º) Cuba Alto (51º) (58º) Rússia Alto (66º) (11.3) 0.338(59º) Brasil Alto (84º) (27.7) 0.449(80º) Paraguai Médio (107º) (24.0) 0.476(87º) Bolívia Médio (108º) (34.1) 0.476(88º) Fonte: Relatórios da ONU, Na Figura 5 são mostradas as evoluções no IDH e índices como Educação, Saúde e Renda nos períodos de 1980 a 2011 em escala mundial, incluindo todos os afiliados da ONU, com destaque para o país com maior potencial de desenvolvimento humano (Noruega), o menor do ranking (Congo) e o Brasil. Observa-se um considerável avanço a nível global, principalmente em educação, enquanto que saúde e renda apresentaram menores saltos, em geral.

8 8 Figura 5 Evolução do IDH e indicadores de educação, saúde e renda no período de 1980 a Em destaque o Brasil em verde, Congo em vermelho e Noruega em Azul (Fonte: PNUD, 2011). A nível municipal, existem alguns índices que permitem de certa forma entender e separar fatores em escala global ou nacional do cenário municipal, como o IDH-M e o IFDM. Este último é um índice desenvolvido pela FIRJAN - Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. 2.2 Fontes de captação de recursos para Saúde Nos dias atuais, a expressão mobilização de recursos, que tem um sentido mais amplo do que captação de recursos, atende melhor a conceituação que o setor envolve. Mobilizar recursos não significa apenas assegurar recursos novos ou adicionais, mas também otimizar os recursos existentes (aumento da eficácia e eficiência dos planos); conquistar novas parcerias e encontrar fontes alternativas de recursos financeiros. O termo recursos pode ser utilizado para representar recursos financeiros ou pessoas (recursos humanos), materiais e serviços (SPEAK; MCBRIDE; SHIPLEY, 2002). Os recursos, físicos e humanos devem ser captados e mobilizados de forma eficiente, envolvendo os seguintes aspectos: análise, planejamento, pesquisa de fonte de recursos e estratégias de captação de recursos. O início do processo de captação deve conter um profissional capacitado para desenvolver da melhor maneira um plano de captação. É perceptível que a teoria sobre a captação de recursos vem se desenvolvendo muito no Brasil nos últimos anos. Em relação às

9 9 fontes de recursos, estas podem ser provenientes de empresas, fundações, pessoas, agências internacionais de financiamento, instituições locais, governo, venda de serviços e eventos (DIMENSTEIN, 2005). Segundo Cicca (2009), é de grande relevância mencionar que para a saúde da organização devem-se captar recursos de diferentes fontes e que nenhuma delas represente 60% ou mais da receita. As estratégias de captação de recursos devem ser aplicadas de acordo com o tipo de fonte, que podem ser institucionais, empresariais, ou individuais. Desta forma, Dimenstein (2005) destaca que a captação de recursos deve se pautar em alguns princípios básicos, quais sejam: i. definição exata da verba necessária para realizar a ação; ii. pesquisa dos potenciais doadores; iii. levantamento dos contatos no entorno da entidade; iv. confecção de uma lista ou banco de dados; v. elaboração de uma proposta bem estruturada, com orçamento; vi. montagem de uma apresentação sobre a proposta; vii. abordagem clara e objetiva; viii. realização de contato de retorno; ix. encaminhamento de agradecimento; x. prestação de contas. Speak, Mcbride e Shipley (2002) compreendem que um plano de captação deve conter as diretrizes para direcionar as ações. Desta forma, a missão da organização é o ponto de partida para a construção do plano de captação. Infelizmente muitos municípios não possuem corpo técnico capaz de montar um projeto e os mesmos precisam captar recursos financeiros, mas não conseguem elaborar um projeto adequadamente por ausência de pessoal qualificado, inviabilizando, desta forma, a captação de recursos. Para formação e capacitação de recursos em saúde, são necessários mecanismos de articulação entre setores de desenvolvimento de recursos humanos do SUS, órgãos de fomento e instituições de ensino e de educação, de maneira a garantir a formação e capacitação de profissionais de saúde, gestores e pesquisadores. É de extrema importância identificar a demanda de recursos humanos motivados pelas prioridades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico e pelos processos de aplicação do conhecimento e incorporação de tecnologias no sistema de saúde (BRASIL, 2001).

10 10 As três principais fontes de recursos são: recursos governamentais (próprios ou transferidos), renda gerada pela venda de serviços e recursos captados através de doações (de indivíduos ou instituições). É importante para os profissionais e gerentes locais conhecerem a situação epidemiológica da comunidade, suas demandas e sua condição de vida, no momento da organização das ações básicas que responderão às necessidades regionais. Um dos grandes desafios para qualidade em saúde é a definição de responsabilidades entre trabalhadores e as instituições de saúde, pressupondo a autonomia e o envolvimento para atender os problemas de saúde da população. A necessária conformidade da Política de Gestão do Trabalho com os princípios do SUS, implica a ampliação da descentralização, o respeito à autonomia das diferentes esferas de gestão. Requer, finalmente, a construção de estratégias políticas inovadoras para ampliar a relação entre gestores, trabalhadores e usuários do SUS e promover a reorganização do processo de trabalho e a instituição da gestão democrática (PLANO NACIONAL DE SAÚDE, 2001). A política na assistência de saúde no Brasil encontra-se dividida em linhas principais de ação nas quais a é baseada na criação de estruturas permanentes que visam à integração de ações de distintas instâncias de governo e da sociedade, é caracterizada pelas ações de caráter emergencial, para atender problemas de saúde mais evidentes, preconizando a promoção de ações eficazes e eficientes no curto prazo, com ênfase na ação em si mesma e no processo de mobilização social e em captação de recursos para garantir o funcionamento da estrutura já existente (PLANO NACIONAL DE SAÚDE, 2001). 2.3 Estratégias para captação de recursos Projetos sociais têm relação direta com a captação de recursos, pois bons projetos trazem recursos para ação social como contrapartida. Tais projetos são resultado de avançada relação entre governo e sociedade civil, modificando o paradigma tradicional onde os gestores públicos não ouviam as partes diretamente beneficiadas com os recursos. Essa mudança levou a modificação ao longo do tempo das relações de implementação de políticas sociais e o avanço das articulações governo/sociedade civil, caracterizando um verdadeiro processo de democratização da gestão de recursos. Atualmente, o governo federal possui vários projetos no âmbito social, com repasses para estados, municípios,organizações Não Governamentais- ONGs e empresas privadas, ou

11 11 projetos em outras áreas, mas com contrapartida com esse caráter, gerando uma descentralização do Estado e reduzindo as barreiras de desigualdade social no país. Define-se Projetos Sociais como ferramentas de ação que delimitam uma intervenção quanto aos objetivos, metas, formas de atuação, prazos, responsabilidades e avaliação. Projetos sociais são uma forma de organizar ações para transformar determinada realidade social ou alguma instituição. Alguns riscos são inerentes aos projetos sociais, como a fragmentação das ações, a excessiva dependência, a falta de legitimidade ou representatividade, indefinição de responsabilidades e méritos, descontinuidade de ações e pessoas, baixo controle da efetividade das ações e dificuldade de interpretar desdobramentos. Dentre as tendências e desafios dos projetos sociais pode-se elencar: gestão compartilhada, ênfase na ação local, articulação entre esferas de governo (união, estados e municípios), gestão em rede, flexibilização de programas e serviços, participação social nas decisões, controle e execução de projetos ou programas. Para enfrentar esses desafios, o gestor dos recursos deve ter compreensão dos contextos políticos, sociais e institucionais, capacidade de comunicação e negociação, de definir, delegar e cobrar responsabilidades. Ainda faz-se necessário agilidade de avaliação, propor mudanças, motivar pessoas, administrar conflitos e frustrações, ou seja, capacidade de gerenciamento global, além da capacidade de valorizar e promover a visibilidade do projeto e seus resultados. Entretanto, um bom gestor isolado não é capaz de realizar ou dirigir um projeto. Fazse necessária organização de uma equipe com pessoas apitas, boa articulação política e social no contexto de aplicação do projeto, visibilidade e sustentabilidade, e principalmente transparência. Em nível de articulação um projeto se relaciona com a captação de recursos financeiros e a articulação global de políticas. Diversos órgãos de fomento e parceiros podem tornar praticável um projeto para saúde (lembrando que saúde engloba o completo bem-estar físico, psíquico e social), como doadores privados, associações, agências de cooperação, fundos de investimento, bancos, igrejas, universidades e centros de ensino, pesquisa e extensão entre outros. É importante perceber as condições de possíveis financiadores e as relações políticas decorrentes destes possíveis apoios. Deve haver um equilíbrio entre captação de recursos financeiros e articulação de parcerias em torno do projeto. Assim, as articulações em torno de políticas públicas têm sua importância relacionada com a construção de projetos em comum, o que implica nas definições em torno da missão de cada organização.

12 12 A mediação e articulação podem envolver organizações não-governamentais, organizações sociais ou comunitárias, organismos públicos e redes solidárias. Os primeiros passos na captação de recursos para saúde com base em indicadores sociais pode ser feita elencando: necessidades da população; quais necessidades se traduzem em demandas; quais as prioridades; quais as potencialidades de organização; como podem ser organizadas as reivindicações; quais personagens e agentes podem apoiar as ações e quais destes se opões ao projeto; quem pode ser conquistado para o projeto; viabilidade do projeto. No contexto da viabilidade do projeto, deve-se observar os aspectos econômicos tais como: identificação de fontes de financiamento, conhecimento dos procedimentos e condições das fontes de recursos, negociação de visões, expectativas e formatos entre financiadores, financiados e beneficiários, e indicação das possibilidades da comunidade.. Na fase de captação, deve-se fundamentar o porquê de o projeto ser implementado, apresentando-se a relação do mesmo com problemas sociais importantes, destacando os seus benefícios à população, ressaltar a qualificação da organização e destacar o papel estratégico do projeto. Quanto ao orçamento, o mesmo deve conter todas as ações do projeto. Em mão dupla, tudo que for calculado deve fazer parte do projeto. Pontos relevantes merecem evidência: deve estar atento às condições de financiadores; deve ser objetivo em relação aos gastos; deve ser detalhado e claro quanto aos gastos e receitas; quando possível, indicar contrapartidas; fontes de contribuição local são importantes; quando possível, indicar possibilidades de sustentação própria; citar outros apoios recebidos e outras fontes em negociação. 3 METODOLOGIA Para o levantamento da literatura, realizou-se consulta nas seguintes bases de dados: Ministério do Planejamento e da Saúde, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Medical Literature Analysis and Retrieval Sistem on-line (Medline), Google acadêmico, nos sites de órgãos internacionais, nacionais e estaduais: organização Mundial de Saúde (OMS), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Organização das Nações Unidas (ONU). Os critérios de inserção estabelecidos para a seleção dos artigos foram: artigos publicados em português, inglês e espanhol; artigos na íntegra que abordassem a temática referente à revisão e artigos publicados e indexados nos referidos bancos de dados nos últimos dez anos. Para a síntese dos dados extraídos dos artigos foram realizadas de forma descritiva,

13 13 permitindo narrar com a finalidade de reunir o conhecimento produzido sobre o tema abordado na revisão. Nesse trabalho foram utilizados os indicadores sociais IDH-M e IFDM do município de João Pessoa, como parâmetro do desenvolvimento socioeconômico e outros bancos de dados como o DATASUS, Sistemas de Informação sobre Mortalidade (SIM), IBGE e Ministério da Educação (Senso Escolar). A partir desses dados, serão discutidas estratégias que mostrem o impacto de fatores sociais sobre os gastos em saúde, de modo a gerar captação de recursos para essa área, como o indicador de Óbitos por Causas Mal Definidas, que está relacionado ao acesso aos serviços básicos de saúde, pois permite inferir a cerca da qualidade da atenção médica, que, em geral, varia na mesma direção das variações da qualidade no preenchimento das declarações de óbito (IBGE, 2009). 4 RESULTADOS Em relação ao município de João Pessoa, alguns indicadores do índice IDH-M nos anos de 1991 e 2000 são mostrados na Tabela 2. Tabela 2 - Índices de Desenvolvimento Humano da ONU. Índice Variação (%) IDH-M 0,719 0, ,9 IDH-M Renda 0,693 0, ,2 IDH-M Longevidade 0,660 0, ,1 IDH-M Educação 0,803 0, ,2 Fonte: Relatórios PNUD/ONU 2000 Embora não estejam disponíveis dados da década corrente, foi possível verificar um aumento discreto em todos os indicadores do IDH-M, como renda, longevidade e educação, seguindo a tendência nacional, como visto na Figura 5. O maior ganho percentual e em valores absolutos foi para o indicador de educação. Apesar de não possuirmos os indicadores relacionados à saúde para esse período, sabe-se que os aumentos nas taxas de alfabetização e tempo de estudo de uma população

14 14 refletem em medidas de saúde pública, como redução nos casos de gravidez precoce (abaixo dos 20 anos), número de filhos, ciência de hábitos de saúde em geral, entre outros. No ano 2000, o Índice de Desenvolvimento Humano IDH do município de João Pessoa estava calculado em 0,783, estando situado um pouco acima do índice nacional (0,766). Entre as capitais do Nordeste, ocupava um índice intermediário, superado apenas pelas 3 metrópoles regionais (Salvador, Recife e Fortaleza) e pelas capitais Aracaju e Natal. Entre as capitais de porte médio nacional, entre os anos de 1991 e 2000 a cidade foi a que mais cresceu no seu índice de desenvolvimento humano. Atualmente, o índice nacional é de 0,813, já considerado um índice alto, uma vez que a faixa entre 0,800 e 1,000 é considerada faixa de alto IDH, e o índice da cidade deve estar situado na faixa entre 0,820 e 0,830, podendo ser calculado mais precisamente após o Censo Outro índice pesquisado foi o índice FIRJAN - Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro - de Desenvolvimento Municipal (IFDM). A atualização desse índice provém de um estudo anual do Sistema FIRJAN que acompanha o desenvolvimento de todos os municípios brasileiros em três áreas: Emprego & Renda, Educação e Saúde. Ele é elaborado, exclusivamente, com base em estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde. Para o município de João Pessoa, o IFDM é mostrado junto com os indicadores na Figura 6. Figura 6 IFDM e indicadores de educação, saúde e emprego e renda no período no ano de 2009 (Fonte: FIRJAN, 2011).

15 15 Diferentemente do IDH-M, o IFDM aponta uma maior tendência de crescimento para emprego e renda, em detrimento à educação. Além dos dados serem referentes a anos diferentes, a base de cálculo de cada índice é diferente, podendo superestimas ou subestimar alguns indicadores. De modo simplificado, o IFDM varia de 0 a 1. Quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento da localidade. Além disso, sua metodologia possibilita determinar, com precisão, se a melhora relativa ocorrida em determinado município decorre da adoção de políticas específicas ou se o resultado obtido é apenas reflexo da queda dos demais municípios, envolvidos em um cenário globalizado ou de políticas nacionais. Na Figura 7 observa-se uma discreta melhoria do IFDM no período de 2000 a 2009 no município de João Pessoa, com um pequena variação negativa nos anos de 2007 e Figura 7 Evolução anual do IFDM e dos indicadores de educação, saúde e emprego e renda no período no ano de 2000 a 2009 (Fonte: FIRJAN, 2011).

16 16 A análise considerando o tempo é mais fidedigna que uma análise pontual, onde inúmeros fatores podem convergir para um aumento o diminuição brusca dos índices sociais. Observa-se na Figura 7 que houve uma queda no índice de emprego e renda de 2007 e 2008 em relação a 2006, possivelmente decorrente da crise econômica de , também chamada de Grande Recessão. Haja vista a globalização dos mercados, o desdobramento da crise financeira internacional, precipitada pela falência do tradicional banco de investimento estadunidense Lehman Brothers, fundado em 1850, gerou um efeito dominó, onde outras grandes instituições financeiras quebraram, gerando desaceleração da economia mundial, com menor impacto no Brasil. O mesmo decréscimo na disponibilidade de emprego e renda também pode ser observado para outros municípios no mesmo período (FIRJAN, 2011) A relação entre saúde, emprego e renda pode refletir efeitos mais elásticos no longo prazo devido a maior demanda da máquina pública com a diminuição da condição sócioeconômica de uma população. Esse ponto, associado às estatísticas relacionadas a doenças do mundo subdesenvolvido, deve ser um ponto-chave para a captação de recursos quando eventos dessa natureza são observados. Assim, medidas de saúde pública e os investimentos no setor da Atenção Básica de Saúde devem ser voltadas (bairro a bairro) para áreas de expansão suburbana sem estrutura adequada. Para os setores da cidade onde os índices de desenvolvimento mostram-se maiores em valores absolutos (onde os ganhos percentuais ao longo dos anos podem não ser determinantes para a classificação), outras medidas de saúdepública podem ser adotadas, deslocando recursos humanos (profissionais de saúde) especializados em doenças negligenciáveis para o subúrbio. Segundo o IBGE, o Produto Interno Bruto (PIB) municipal em 2007 atingiu R$ ,00, o que significava um PIB per capita médio de R$ ,00, para o mesmo ano.a renda nominal média mensal das pessoas residentes, no ano 2000 foi de R$ 684,75, mas segundo a evolução verificada no período a renda média mensal atualmente está superior aos R$ 900,00. Contudo, são índices que apresentam grandes desigualdades entre os segmentos da sociedade e entre os bairros de alta renda e os de baixa renda. Os bairros de alta renda atingem atualmente níveis de renda per capita média superior aos R$ 3.000,00, enquanto os bairros de menor renda não chegam a 50% do atual salário mínimo.

17 17 Figura 8 Taxa de desemprego da população de 15 anos ou mais em (Fonte: Atlas Municipal de Desenvolvimento Humano, 2008). Vale ressaltar que o destacamento de bairros da cidade com relação a renda superior à média não pode ser critério de ausência do estado frente a seus deveres impostos pela Constituição mais recente. Quando isso ocorre, observa-se a substituição de atividades precípuas do estado sendo realizados e supridos pelo setor privado. O problema maior é observado (não só em João Pessoa) quando o poder público se ausenta de regiões onde a população não tem condições financeiras para acessar dispositivos de saúde e educação a que têm direito. Na região metropolitana de João Pessoa, isso é observado pelo grau de concentração de atendimentos especializados sob um mesmo ponto de referência, atraindo pacientes de várias localidades, que não apresentam os comprovantes de residência e encaminhamento dos municípios provenientes para que os mesmos repassem os recursos à João Pessoa, ocasionando em uma população virtualmente aumentada na capital do estado. Em relação à saúde, o IFDM Saúde foca na saúde básica e utiliza bancos de dados considerados pelos especialistas como relevantes e confiáveis, como os bancos de dados dos Sistemas de Informação sobre Mortalidade (SIM) e os bancos de dados sobre Nascidos Vivos (SINASC). Os indicadores variáveis são muito locais para evitar elevados graus de exigência para todos os municípios do Brasil. Esses indicares básicos são: Quantidade de Consultas Pré-Natal = 33,33% Taxa de Óbitos Mal-Definidos = 33,33% Taxa de Óbitos Infantis por Causas Evitáveis = 33,33% Considerando a importância que o financiamento da saúde (SUS) é, em parte, regido pela Emenda Constitucional 29/2000. Nela estão definidos os limites mínimos que cada esfera de governo deve investir em saúde: a União investe o equivalente ao do ano anterior mais a

18 18 variação do PIB nominal, que considera a inflação (aproximadamente 1,75% do PIB); o estado 12% e o município 15% dos recursos próprios. Acompanhando a evolução dos gastos com a saúde, no município de João Pessoa, observa-se que ela vem sendo crescente e acumulou de 2004 a 2009, um aumento de 242% de investimentos com recursos próprios. O investimento com recursos próprios, associados com plenárias do programa municipal de Orçamento Democrático, permitiram a expansão do número de unidades de saúde em João Pessoa (Figura 9). Figura 9 Distribuição das unidades de saúde do município de João Pessoa (Fonte: GeoMapas/PMJP, 2011). Quanto a educação, é perceptível uma grande evolução, com progressos na taxa de alfabetização e na escolaridade das ultimas gerações em relação às anteriores. Verifica-se ainda que apesar da carência econômica de algumas secções da sociedade, várias famílias de

19 19 baixa renda mantêm seus filhos estudando, onde um dos fatores contribuintes foi o programa bolsa-escola e bolsa-família. Pela Figura 7 observa-se que João Pessoa avançou 1 nível no IFDM-Educação em uma década. A taxa de analfabetismo media foi de 13,76% menor, abaixo do índice médio brasileiro de 17,6% segundo a pesquisa do INEP (2001) e melhor que o índice médio da região Nordeste (28,7%). Desta forma, dados internos da Prefeitura Municipal mostram que os índices revelam uma grande diferença entre os bairros, com bairros de maior renda, apresentando índices de analfabetismo até menores que 2% como os municípios brasileiros de maior índice de escolaridade (Niterói, São Caetano, Santos, Florianópolis, etc.). Ao mesmo tempo, os bairros periféricos de baixa renda, particularmente os bairros da borda semi-rural chegam a índices próximos de 50%. Na Figura 10 é mostrada a distribuição espacial das unidades educacionais do município de João Pessoa. Figura 10 Distribuição das unidades de educação do município de João Pessoa (Fonte: GeoMapas/PMJP, 2011).

20 20 Pela definição da OMS, saúde é o completo bem-estar físico, psíquico e social, o que justifica a mobilização de recursos para atividades não apenas de saúde na forma de postos de atendimento, mas também como medidas de prevenção associadas ao bem-estar social. Recentemente a prefeitura de João Pessoa seguiu o modelo adotados em outras cidades do Brasil no que tange à reestruturação de praças públicas, incluindo pistas de caminhada, equipamentos de musculação e alongamento e a contratação de educadores físicos para orientação de atividades e recreação. Essa é uma vertente a ser explorada dentro do conceito de indicadores sociais e de qualidade de saúde de uma população. Estudos diversos apontam na melhoria da qualidade de vida, tempo de redução de internação e redução do número de internações por ano para pessoas que praticam atividade física. Diante dos indicadores apresentados, diretamente entrelaçados no que concerne educação, saúde e emprego e renda, podemos elencar algumas instituições nacionais (públicas, privadas ou sem fins lucrativos) financiadoras de projetos cujos pré-requisitos residem muitas vezes em contrapartidas sociais ou mesmo podem ser usadas como fontes de recursos humanos (e.g. Universidades que disponibilizam seus estudantes para projetos de extensão em saúde e educação). São elas (MELO 2007): Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Embaixadas da Alemanha, Canadá, Reino Unido Fundação Abrinq Fundação José Silveira Grupo de Institutos Fundações Empresas Instituto Alcoa Instituto CREDICARD Ministério da Saúde SUS PETROBRAS UNICEF VOLKSWAGEM Brasil BROT FUR DIE WELT PÃO PARA O MUNDO CATHOLIC RELIEF SERVICES CRS CHEVRON OVERSEAS PETROLEUM DUPONT GENERAL MOTORS JOHNSON&JOHNSON

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento e Desenvolvimento de Projetos Especiais. Coordenação Geral de Planejamento de Educação a Distância. PROGRAMA TV ESCOLA

Leia mais

Brasil. Valores de IDH e mudanças de classificação no Relatório de Desenvolvimento Humano 2011

Brasil. Valores de IDH e mudanças de classificação no Relatório de Desenvolvimento Humano 2011 Relatório de Desenvolvimento Humano 2011 Sustentabilidade e igualdade: Um futuro melhor para todos Nota explicativa sobre os índices compostos do IDH 2011 Brasil Valores de IDH e mudanças de classificação

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS Painel 3 A Importância da Integração das Estatísticas Oficiais Paulo de Martino Jannuzzi IDH Data: 14 e 15 de abril de 2014. 1 Limitações

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade

Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade CFM analisa relatórios internacionais e mostra preocupação com subfinanciamento da saúde, que tem afetado

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

Classificação dos Países

Classificação dos Países Indicadores Sociais: Os indicadores sociais são meios utilizados para designar os países como sendo: Ricos (desenvolvidos), Em Desenvolvimento (economia emergente) ou Pobres (subdesenvolvidos). Com isso,

Leia mais

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE Samuel Kilsztajn* Dorivaldo Francisco da Silva** Marcelo Bozzini da Câmara** Vanessa Setsuko Ferreira** RESUMO: O

Leia mais

Diagnóstico da Educação Municipal

Diagnóstico da Educação Municipal Diagnóstico da Educação Municipal Oneide Ferraz Alves Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Temas 1º dia Planejamento Planejamento Educacional Plano Anual de Educação Diagnóstico da Educação no

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS

SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS Tema 2 Salvador metropolitana: configuração urbana e mobilidade espacial SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS Prof. Dr. Sylvio Bandeira de Mello

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 1 PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 08H ÀS 09H 09H ÀS 09:H30 09H30 ÀS 10H 10H ÀS 10:15 10H15 ÀS 12H 12H ÀS 13H 13H ÀS 13H30 CREDENCIAMENTO ABERTURA DO EVENTO CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

Sistema de Informação

Sistema de Informação Sistema de Informação Conjunto de elementos inter-relacionados que coleta, processa (manipula e armazena), transmiti e dissemina dados e informações; Manual ou informatizado; Envolve pessoas, máquinas,

Leia mais

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld O que é IDH? O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa de renda, escolaridade e longevidade para os diversos

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo *** Esta apresentação propõe-se a trazer um breve panorama do trabalho realizado e, para isso, omite diversos pontos metodológicos e de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos

3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos 3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos João Ferreira de Oliveira UFG Karine Nunes de Moraes UFG Luiz Fernandes Dourado UFG O objetivo deste texto é

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

Sobre o cenário da sustentabilidade das ONG no Brasil

Sobre o cenário da sustentabilidade das ONG no Brasil Sobre o cenário da sustentabilidade das ONG no Brasil Cristina Câmara Rio de Janeiro, 07 mar. 2012 Um grupo social organizado é movido por uma causa, estabelece alianças políticas com outros atores sociais

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Recife, 2004 Sumário Objetivo Beneficiários Diagnóstico Horizonte Temporal

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

V ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE Área Temática: 6. Economia Social e Políticas Públicas

V ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE Área Temática: 6. Economia Social e Políticas Públicas V ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE Área Temática: 6. Economia Social e Políticas Públicas UMA ANÁLISE DAS POLÍTICAS SOCIAIS E DOS INDICADORES DE EDUCAÇÃO NOS MUNICÍPIOS DO COREDE METROPOLITANO DELTA DO

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVO DE GESTÃO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVO DE GESTÃO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVO DE GESTÃO INOVA, UERGS! Por uma Universidade Estadual pública, de excelência e comprometida com o desenvolvimento regional. Reitor: Prof. Dr. Fernando Guaragna

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

3 INDICADORES SOCIAIS

3 INDICADORES SOCIAIS 3 INDICADORES SOCIAIS Investigar o estágio de desenvolvimento de uma sociedade é uma tarefa extremamente desafiante, visto a inexistência de um indicador absoluto, consensual, inquestionável. Medir qualidade

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS Sobre o SUS A Constituição Federal do Brasil define, em seu artigo 196 que a saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas,

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO PARCERIAS Governo do Estado do Espírito Santo por meio do Instituto Jones

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PARTICPATIVA Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo Brasília - DF Abril

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas social.vania@gmail.com Mapeamento e cobertura da rede prestadora de

Leia mais

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção Índice de Gini e IDH Prof. Antonio Carlos Assumpção Redução da pobreza e Desigualdade de Renda Redução da pobreza e Desigualdade de Renda A partir da estabilização da economia, em 1994, houve no Brasil

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais