Gasto público com a saúde no Brasil: possibilidades e desafios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gasto público com a saúde no Brasil: possibilidades e desafios"

Transcrição

1 Versão preliminar Gasto público com a saúde no Brasil: possibilidades e desafios Hugo Vocurca Teixeira Viviane Barroso Gonçalves Outubro de 2003

2 INTRODUÇÃO A concepção institucional do Sistema Único de Saúde (SUS), espelha um novo paradigma para a organização do Estado e a formulação de políticas públicas. Sua implementação não só requer, mas também provoca inovações contínuas, do ponto de vista do pacto federativo, do controle social, dos instrumentos de gestão e negociação e da incorporação progressiva de novos segmentos do Estado brasileiro nesse processo de construção. Otimizar a saúde da população a partir da utilização de conhecimento apropriado e minimizar as disparidades entre determinados grupos são pontos referenciais para a organização dos sistemas de saúde. O entendimento de que é preciso utilizar adequadamente os recursos para atender as necessidades e demandas existentes no campo da saúde é enfatizado por diversos autores e traduzido no conceito utilizado por muitos para abordar a Atenção Primária em saúde. Uma maior riqueza nacional não garante as condições socioeconômicas que produzem um alto nível de saúde. A forma de aplicação dos recursos impacta diretamente nas condições de vida e, por conseguinte, nas condições de saúde da população. O trecho que segue, aborda esses aspectos: (...) a saúde está diretamente associada à vantagem social em termos absolutos. Quanto mais recursos sociais de indivíduos e comunidades, maior a probabilidade de uma saúde melhor. Além disso, a privação social relativa, mais do que a absoluta também está associada a uma saúde pior. Ou seja, quanto maiores as disparidades na riqueza em qualquer população, maiores as disparidades na saúde.(starfileld, 2002) A promoção da cidadania de parcela significativa da população, considerando a relação existente entre vantagem social e saúde, depende, por conseguinte, da eficiência do setor público na provisão adequada de ações e serviços de saúde. 2

3 Segundo Teixeira e Teixeira (2003), este desafio mostra-se particularmente difícil em um contexto de demanda crescente e de restrição orçamentária. Os recursos são escassos, as possibilidades de utilização de subterfúgios de administração financeira são limitadas, e por isto, é preciso planejar as ações a serem desenvolvidas. O planejamento eficaz do gasto e a adequada gestão dos limitados recursos disponíveis são imprescindíveis em todos os setores da economia, em especial no setor público. Afirmam ainda que tão importante como o planejamento, é a mensuração e a avaliação das ações empreendidas e dos resultados alcançados. A condução da política pública requer mais do que boa intuição. São necessárias informações precisas, pertinentes e detalhadas sobre a realidade. Além de funções afetas aos gestores do SUS, mensurar e avaliar são também importantes contribuições sob a responsabilidade das instituições de pesquisa, que interagem com segmentos da sociedade para o aperfeiçoamento contínuo nesse segmento. A disponibilidade de informações financeiras sobre o perfil do financiamento e do gasto com as políticas públicas de saúde, para cada esfera de governo, constitui um imperativo para o processo de construção e avaliação do desempenho do SUS. Tais informações podem viabilizar o aprimoramento da gestão, a disseminação de experiências bem sucedidas entre os entes federados, e a adequada distribuição dos gastos entre investimento e custeio, tendo em vista o dimensionamento das redes de atenção, dentre outras questões. Apesar dos avanços, a base de dados sobre a situação dos gastos com saúde disponível no País ainda é incipiente. A construção de indicadores de avaliação de políticas de saúde tem se demonstrado um desafio sob vários aspectos. Em particular pode-se mencionar a qualidade do serviço prestado, as possíveis alternativas para o tratamento dos problemas diagnosticados, o resultado propriamente dito e a relação custo-benefício. 3

4 Diante do número de variáveis a serem consideradas quando se analisa o contexto da saúde, e da ineficiência de sistemas de informações que contribuam para tal, a construção de um mecanismo de avaliação que permita a comparação dos dados fornecidos pelas diferentes esferas governamentais torna-se fundamental. A análise dos dados à luz dos indicadores de saúde obtidos, pode constituir importante instrumento gerencial. A operação conjunta de tecnologias de informação, ferramentas de gestão, controle social e pesquisa permitirá não só observar as diretrizes constitucionais na provisão de serviços públicos, como também realizar significativos avanços de gestão, redundando em ganhos de bem estar para a sociedade brasileira. As políticas públicas na saúde combinam financiamento das três esferas de governo com execução descentralizada no nível local. A partir da Emenda Constitucional nº 29, de 2000, o aporte de recursos por estados e municípios passou a depender da sua capacidade fiscal, enquanto a União tem seu dispêndio vinculado ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Este desenho enseja a discussão sobre o caráter redistributivo do gasto federal e do volume de recursos necessário ao financiamento do SUS. A avaliação da qualidade do gasto, ou a adequação dos mesmos às necessidades da população, constituem pré-requisitos para o avanço desta discussão. Diante da necessidade de ampliação dos dados disponíveis de gastos com a saúde é preciso encontrar instrumentos de avaliação que possam contribuir para a melhoria do gerenciamento do sistema de saúde. Este texto, corroborando com o mencionado anteriormente, aborda um possível mecanismo de avaliação da efetividade do gasto público com saúde no Brasil tomando como base as informações de utilização de recursos tornadas públicas pelo Ministério da Saúde, correlacionando-as com um indicador de desenvolvimento disponibilizado 4

5 mundialmente, de forma a levantar aspectos que afirmem a importância da utilização dos recursos para a melhoria das condições de saúde e vida. A análise dos resultados obtidos através da associação entre alguns indicadores disponíveis no Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos de Saúde (SIOPS) e o indicador de desenvolvimento humano (IDH) possibilitou o registro de observações que podem subsidiar, no cotidiano do trabalho em saúde, os atores envolvidos na construção de políticas de saúde mais equânimes e efetivas. A análise conjugada das vertentes: financiamento e gasto e qualidade de vida da população, na medida em que associa indicadores de educação, renda e longevidade, este último bastante afeto à saúde, possibilitou a visualização de tendências sobre a utilização dos recursos e o desenvolvimento da população. Ampliar as possibilidades de utilização dos indicadores disponíveis enquanto instrumentos gerenciais e contribuir para o processo de discussão sobre a gestão no setor saúde são os permanentes desafios. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A importância que vem sendo atribuída ao debate das questões relacionadas à gestão no setor saúde pode ser percebida a partir da análise de diferentes fatores, mas relaciona-se, fundamentalmente, à necessidade de, diante das transformações econômicas e sociais, investir em instrumentos e ações que propiciem a melhoria da condição de vida da população. O fortalecimento do poder local, a partir da capacidade de implementação de ações integradas e regionalizadas, tem sido uma das possibilidades de contribuição para o desenvolvimento. Relações de parceria e maior participação popular promovem mudanças na relação entre as esferas governamentais e 5

6 favorecem a descentralização, o que propicia o melhor reconhecimento dos problemas e a utilização de soluções mais adequadas, a partir dos recursos disponíveis. Essas formulações são compartilhadas por Augusto de Franco 1, conforme abordagem no trecho que segue: O local é compreendido como a esfera em que os problemas são mais bem reconhecidos, pela proximidade com as comunidades, o que facilita encontrar soluções mais adequadas, no sentido de identificar tanto as necessidades do grupo, como as potencialidades e vocações locais e os recursos existentes para enfrenta-los. (Franco) Para Fagnani e Spink, é preciso estabelecer critérios transparentes para a aplicação dos recursos e ampliar os mecanismos de controle social. É fundamental também a incorporação de metodologias de avaliação de projetos, especialmente de custos, de critérios de acompanhamento das ações que impliquem a responsabilização dos executores e de modalidades de gerenciamento que incluam a flexibilidade e o gradualismo nos processos de implementação. A transparência nas decisões na ação pública, assim como a avaliação de políticas e programas sociais, é questão central na medida em que possibilita a medida da eficiência, da eficácia e da efetividade do gasto público. Apesar da necessidade de se avaliar a aplicação dos recursos, existem dificuldades na apropriação dos dados, pois as informações são, em sua maioria, inexistentes ou pouco utilizadas. Alternativas para a análise dos dados disponíveis são importantes para o efetivo conhecimento da situação e, por conseguinte, para a proposição de novas medidas. É preciso mais do que afirmar quanto se gasta com saúde. Questões como a destinação do recurso, a utilização e os resultados reais sobre a saúde da população devem ser respondidos. Os trechos seguintes abordam as questões mencionadas: 1 Este autor, assim como Eduardo Fagnani, Silvio Bava e Peter Spink, teve seu texto publicado no livro Gestão Social: uma questão em debate; organizado por Elizabeth de Melo Rico e Raquel Raichelis 6

7 As ações de governo desenvolvidas nos setores de saúde, educação fundamental e assistência social revelam impulsos positivos no sentido da reestruturação dos mecanismos de gestão dessas políticas. No setor da saúde destacam-se os impulsos no sentido de avançar o descontínuo processo de descentralização e implementação do SUS. Importante passo inicial foi a edição, pelo Ministério da Saúde, em 1993 da Norma Operacional Básica (NOB 1/93), que introduz, de forma pactuada com estados e municípios, novos mecanismos operacionais e critérios de repasse automático de recursos federais, visando a impulsionar a implementação do SUS de acordo com os princípios estabelecidos pela Constituição de Posteriormente, em 1996, o Ministério da Saúde instituiu a NOB 1/96 que, intensificando o processo iniciado em1993, estabelece outras modalidades de descentralização de competências e responsabilidades para estados e municípios. Outra inovação é a introdução do Piso de Atenção Básica (PAB), que assegura a transferência de forma regular e automática de recursos aos municípios que aderirem ás formas de gestão previstas na NOB 1/96. (Fagnani) Analisar e sugerir indicadores de gasto em saúde que possam contribuir para a formulação de políticas que busquem a redução das desigualdades no âmbito da saúde brasileira foi a proposta deste trabalho, que associou três indicadores Índice de Desenvolvimento Humano, percentual de Receita Própria aplicada em saúde e Gasto per capita em saúde. Todos referem-se à esfera municipal, devendo-se destacar que o gasto per capita em saúde engloba o financiamento realizado pelo poder público local através da arrecadação de impostos, somado ao oriundo das transferências constitucionais e legais no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) provenientes das demais esferas de governo. Algumas informações sobre o sistema de informação utilizado, bem como sobre a composição dos indicadores trabalhados são apresentadas a seguir: Degenszajn. 7

8 1- SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS DE SAÚDE Com o objetivo de promover debates em torno do tema Contas Nacionais de Saúde, foi realizado em 2000, com a participação de representantes da Organização Mundial de Saúde (OMS), da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e do Banco Mundial seminário que constituiu passo importante para o estabelecimento de parcerias que resultaram, inclusive, na aprovação de um grupo de trabalho para o desenvolvimento de indicadores na área. Desta forma, potencializou-se a avaliação de quanto se gasta em saúde, bem como ampliou-se o acesso à informação sobre o perfil do financiamento do setor em cada esfera, e sobre os fluxos financeiros entre as mesmas. Neste sentido, O Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos de Saúde (Siops), contribui com dados e estimativas referentes ao gasto público, o que possibilita a realização de estudos e a formulação de políticas que redimensionem o financiamento da saúde, tendo em vista uma distribuição mais eqüitativa de recursos. A partir da aprovação da Emenda Constitucional 29 (EC29), em setembro de 2000, ficou definida para cada esfera de governo a aplicação de montantes específicos de recursos em saúde. Para a União, ficou estabelecido, para o primeiro ano, o aporte de pelo menos 5% a mais em relação ao orçamento empenhado do exercício anterior e, para os anos seguintes, a correção do valor apurado no ano anterior pela variação nominal do Produto Interno Bruto. Quanto aos Estados e Municípios, ficou reservada a destinação de pelo menos 7% das receitas de impostos para a saúde sendo que este percentual deveria ser aumentado anualmente, até atingir, em 2004, 12% no caso dos Estados e 15% no caso dos Municípios. A importância desta medida é registrada no trecho que segue: 8

9 Reconhece-se que esta medida, de extraordinário impacto potencial na melhoria e ampliação dos serviços de saúde, contribui para realizar o princípio constitucional que define a saúde como direito do cidadão e dever do Estado (CF, art.196). A plena aplicação desse princípio constitucional depende, também, de outros fatores, como o esforço de gestores e trabalhadores da saúde na organização do sistema e no oferecimento dos serviços assistenciais à população, e no desenvolvimento de hábitos culturais, tais como o cuidado com a alimentação e a realização constante de exercícios físicos. (Teixeira e Teixeira, 2003) Os significados da aprovação desta Emenda são percebidos, ainda, a partir do aumento do volume de recursos em algumas situações, da possibilidade de previsibilidade de recursos a serem aplicados, o que não era possível diante da instabilidade do financiamento do SUS, e da exigência de aplicação mínima pelas três esferas de governo, dentre outros aspectos. O acompanhamento do cumprimento da EC29 passou a ser uma das responsabilidades do Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos de Saúde (Siops) a partir do ano de De acordo com Teixeira e Teixeira, este Sistema, desde que começou a ser implantado pelo Ministério da Saúde, em 1999, reúne informações sobre o financiamento e o gasto com saúde pública de Municípios, Estados e União e tem como objetivo instrumentalizar o poder público no planejamento, gestão, acompanhamento e avaliação do sistema de saúde, bem como apoiar os órgãos de controle na fiscalização dos dispêndios. As informações coletadas pelo Siops dizem respeito aos gastos realizados pelo SUS nas Administrações Diretas e Indiretas com ações e serviços de saúde de acesso universalizado e visam, ainda, subsidiar os debates para a regulamentação da EC29, em particular no que diz respeito à definição do conceito de ações e serviços públicos de saúde. 9

10 O número de municípios que alimenta a base de dados vem sendo ampliado, anualmente. O caráter de preenchimento das informações é declaratório e orientado por um manual disponível no site do Siops, que contém explicações e critérios aplicados aos campos a serem preenchidos. O banco de dados permite visualizar, conforme o grau de agregação desejado, o dispêndio e a capacidade de financiamento das ações e serviços públicos de saúde, em nível local, estadual ou federal e, diante de amplitude e versatilidade possíveis através de um sistema interno de verificação de informações recebidas e a partir do cruzamento dos dados impostados produz informações com regularidade. O Siops constitui-se, ainda, como uma importante fonte de dados para a realização de estudos por instituições de pesquisa, para o exercício do acompanhamento e fiscalização pelos órgãos de controle e para a gestão e avaliação das ações no âmbito do SUS. Algumas informações acerca de sua origem são descritas no trecho que segue: Foi concebido, inicialmente, como um banco de dados contendo as receitas totais e despesas com ações e serviços públicos de saúde da União, dos estados e dos municípios, mas vem, gradualmente, evoluindo e assumindo novas funcionalidades. Exemplo disso são os indicadores já disponibilizados aos gestores, que possibilitam avanços no acompanhamento e avaliação de gastos públicos no setor. Este avanço só se tornou possível porque a coleta é padronizada pelas informações contábeis e pelo formulário único de declaração. A base de dados é, portanto, homogênea, e a disponibilização utiliza os mesmos parâmetros para as três esferas. Uma das vantagens daí derivadas é a possibilidade de comparações entre os dados financeiros e de resultado dos serviços prestados de um determinado ente, com outras unidades semelhantes na federação (Teixeira e Teixeira, 2003) 10

11 A partir deste instrumento, é possível obter um relatório gerado automaticamente pelo sistema e um conjunto de indicadores essenciais para o planejamento, avaliação e controle social das ações e serviços de saúde. Dentre os indicadores que podem ser obtidos, destacam-se: Relação entre despesa com saúde e receita total; Participação da despesa com saúde na despesa total; Despesa per capita com saúde; Receita de impostos na receita total. Teixeira e Teixeira abordam esta questão da seguinte forma: Essas informações, como as outras disponíveis no site, podem também ser analisadas por município, Estado ou região, assim como permitem estimativas com alto grau de precisão sobre dados e indicadores de abrangência nacional. Isso faz do Siops uma importante ferramenta de apoio às negociações e decisões dos gestores, seja nos espaços de pactuação intergovernamental do SUS, seja junto à área financeira do respectivo ente na busca por mais recursos. A transparência do financiamento do setor público também viabiliza a interlocução mais qualificada com órgãos e instâncias de controle social. 2- INDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), é um indicador criado em 1990 pela organização das Nações Unidas (ONU), com o objetivo de avaliar as condições de vida, até então analisadas por índice econômico. Operado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o IDH mede a qualidade de vida dos diferentes países, o que propicia sua utilização para diversos fins comparativos. Foi desenvolvido para medir o nível de desenvolvimento humano a partir de indicadores de educação, longevidade e renda, entre vários outros. Estes índices são construídos a partir da associação de dados referentes à alfabetização, esperança de vida ao nascer e PIB per capita. Países com IDH até 0,499 têm desenvolvimento humano considerado baixo; índices entre 0,500 e 0,799 indicam médio desenvolvimento e IDH maior que 0,800 indica desenvolvimento humano alto. 11

12 Nos municípios, para a avaliação da dimensão educação, o cálculo considera dois indicadores com pesos diferentes; taxa de alfabetização de pessoas acima de 15 anos de idade (peso dois) e a taxa bruta de freqüência à escola (peso um). A dimensão longevidade, é avaliada a partir do indicador de esperança de vida ao nascer que mostra o número médio de anos que uma pessoa nascida na localidade no ano de referência deve viver. Este indicador sintetiza as condições de saúde e salubridade daquele local. Para a avaliação da dimensão renda, o critério utilizado é a renda municipal per capita, expandida para o total da população e corrigido pela paridade do poder de compra. Os índices específicos de cada uma das dimensões analisadas são trabalhados de forma que a média aritmética simples desses três sub-índices resulta no IDH médio (IDHM) e considera que a melhoria no indicador não está associada à riqueza em si, mas na utilização desta. A base de dados dos municípios favorece a desagregação territorial e amplia as possibilidades de análise da realidade. Nos últimos nove anos, o Brasil melhorou sua posição no IDH Mundial, passando de 0,709, em 1991, para 0,764, em A mudança demonstra avanços nas três variáveis que compõe o IDHM. O IDH aumentou em todos os estados e em quase todos os municípios brasileiros. No entanto, é preciso ressaltar que permanecem imensas disparidades entre os municípios. O mapa que segue demonstra o crescimento mencionado numa comparação com os países da América Latina. 12

13 IDH do Brasil cresce acima da média da América Latina 0,85 0,8 0,777 0,756 0,75 0,738 0,741 0,7 0,678 0,685 0,691 0,700 0,712 0,717 0,65 0,643 0,656 0,6 0,55 0, Argentina Chile Uruguai Costa Rica México Panamá Colômbia Venezuela Brasil Peru Paraguai Equador El Salvador Bolívia Honduras Nicarágua Guatemala América Latina Tendência Brasil METODOLOGIA O trabalho foi realizado a partir de pesquisa bibliográfica e documental sobre o Siops e sobre o Índice de Desenvolvimento Humano, buscando identificar indicadores que pudessem, ao serem associados, fornecer indicativos acerca da aplicação de recursos em saúde. Teve como base, ainda, as modalidades de pesquisa descritiva e exploratória. Aspectos inerentes a estas modalidades estão presentes nas atividades realizadas. A partir dos bancos de dados existente no Siops e no Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil, foram desenvolvidas tabelas que permitiram o estabelecimento de correlações entre variáveis, a percepção de características de utilização dos 13

14 recursos destinados à assistência à saúde e a discussão acerca dos fatores que determinam a ocorrência dos resultados obtidos. As tabelas de origem dos bancos de dados já citados, disponíveis na internet, foram trabalhadas de forma a possibilitar a utilização de informações sobre a utilização dos recursos destinados à saúde. A posterior comparação, no mesmo período trabalhado, permitiu a percepção de padrões de resultados. Para a construção das tabelas foram utilizadas informações referentes ao ano de Apesar de encontrarmos informações referentes aos anos de 2001 e 2002 no Siops, não foi possível a utilização desta série, pois os dados referentes ao IDH só se encontram disponíveis até A alimentação dos dados se deu a partir das informações de municípios da federação. Estes, a partir da agregação em novas tabelas, resultaram na organização dos dados por estados, regiões e no País. Foram utilizadas apenas as informações relativas aos municípios que estavam com os dados coerentes a partir de parâmetros estabelecidos pelo Siops e, por isso, diante da necessidade de correlação de dados, alguns municípios que constavam no Atlas de Desenvolvimento no Brasil foram desprezados. A amostra utilizada garantiu a composição necessária para a visualização das correlações em todos os níveis de organização. Aproximadamente 3500 municípios foram trabalhados. Para eliminar as distorções causadas por casos extremos no que diz respeito à aplicação de receita própria e gasto per capita em saúde, optou-se por excluir 0,5% de municípios no extremo superior e no extremo inferior das tabelas. Os dados das tabelas deram origem a gráficos de dispersão que associaram o índice de desenvolvimento humano ao percentual de receita própria aplicada em saúde e ao gasto per capita em saúde. Estes foram elaborados de forma a 14

15 possibilitar a visualização de linhas de tendência diante da utilização de recursos municipais quando agrupados por estados, regiões ou mesmo compondo o cenário brasileiro. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS Como a apresentação dos gráficos possibilita o agrupamento dos dados por estados e regiões, além da apresentação da situação do Brasil é possível realizar diferentes comparações e estabelecer distintas suposições acerca da aplicação dos recursos municipais em saúde. A análise individual de cada gráfico torna-se, por si só, pouco atraente, pois, além da interpretação inicial, que apontaria apenas para uma tendência isolada, tem-se a possibilidade de, diferentemente, procedermos a comparação dos resultados entre gráficos distintos. O entendimento de receita vinculada, para fins de impostação dos dados no Siops e para efeito de cálculo da EC29, pode ser visualizado, de forma resumida, no esquema: Receita Total = Receita Vinculada. Da mesma forma, para fins de cálculo do gasto per capita, é utilizada a seguinte operação: Despesa Própria = Despesa Total - Transferências. A análise inicial dos resultados obtidos a partir da combinação dos indicadores já referidos possibilitou a identificação de situações pontuais. As aplicações de percentuais superiores a 40% de receita própria, valores incluídos no Siops apenas mediante justificativa dos gestores municipais; bem como os valores negativos nos indicadores de despesa per capita, proporcionam distorções importantes nos gráficos elaborados. Estes fatos ocorrem por estarem estes municípios situados nos extremos das tabelas de origem dos gráficos de dispersão que foram corrigidas, posteriormente. 15

16 O município de Itaipulândia no Paraná, por possuir a maior parte de suas receitas compostas por royalties, uma vez que estes não são computados no cálculo da EC29, apresenta um percentual de receita própria próximo de 150%. Este dado distancia-se enormemente dos demais o que propicia uma distorção gráfica que foi corrigida, posteriormente, com a eliminação dos 0,5% dos municípios nos extremos inferiores e superiores. O gráfico original, antes da correção da tabela de origem, estava assim configurado: Inserir gráfico que contém o município de Itaipulândia, antes da correção da tabela. CONCLUSÕES As análises realizadas a partir do estudo proposto reafirmam a importância da série histórica para a ampliação das possibilidades de análise, bem como da associação de outros indicadores para a melhor composição do cenário das condições de vida e de saúde das populações. A escolha da utilização do IDH procurou favorecer a percepção de que a otimização da saúde está relacionada a outros determinantes. A percepção do impacto da aplicação dos recursos em saúde poderia ser mais bem visualizada se fossem associados diferentes indicadores num período maior de tempo. Podemos sugerir a utilização do Índice de Mortalidade Infantil e/ou do Índice de Qualidade de Vida (IQV) para a ampliação das possibilidades de análise. O trecho que segue valida tal afirmativa: O desenvolvimento local integrado e sustentável exige uma nova base de informação desagregada que permita uma análise mais apurada da economia e da realidade social local, bem como novos indicadores locais de 16

17 desenvolvimento, que incorporem índices capazes de aferir os níveis de qualidade de vida e de sustentabilidade alcançados nos diversos momentos do processo.(franco) O trabalho realizado apresentou limitações em função do grande número de informações disponíveis e da utilização de bancos de dados que não foram construídos de forma a favorecer a inter-relação e a comparação dos dados existentes. O pequeno tempo de alimentação da base de dados do SIOPS, associado à não disponibilização de dados posteriores ao ano de 2000 no que diz respeito ao IDH, reduziu as possibilidades de correlação das informações, o que pode ser corrigido, posteriormente, quando da existência de série histórica suficiente. A dificuldade de encontrar indicadores que refletissem a situação de saúde de cada localidade e a utilização de hipóteses que para serem confirmadas exigiriam uma ampliação do estudo foram outros limitadores. É importante ressaltar, entretanto, as possibilidades de utilização da metodologia proposta em estudos futuros; principalmente se forem associados outros indicadores. Ainda, vale registrar que este trabalho, ainda que de pequena monta, favorece a transparência e a democratização das informações, mecanismo de aperfeiçoamento da sociedade e, por conseguinte, é capaz de estimular a permanente criação de instrumentos para a observação e a análise da realidade brasileira. Para melhorar a qualidade de vida é preciso saber se os recursos foram bem gerenciados. E isto é só é possível a partir do planejamento com base em informações que retratem a realidade. Associar arrecadação, gestão financeira com responsabilidade social e investimento no capital humano, inclusive incentivando a participação e o controle social pode levar a um bom desenvolvimento humano. 17

18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1) BRASIL. Constituição de Emenda Constitucional nº 29, de Brasília: Diário Oficial da união nº 178 E, 14 de setembro de ) BRASIL. Ministério da Saúde; Brasil. Portaria Interministerial Ministério da Saúde e Procuradoria Geral da República nº 529, 30 de abril de Brasília: Diário Oficial da União nº 82, 03 de maio de 1999, Seção II. p ) BRASIL. Ministério da Saúde; Brasil. Procuradoria Geral da República. Portaria Conjunta nº 1163 de 11 de outubro de Brasília: Diário Oficial da União nº 203, 20 de outubro de 2000, Seção I.pp ) SOUZA, M.F (org). Os Sinais Vermelhos do PSF. São Paulo: Hucitec, ) STARFIELD, Bárbara. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, ) RICO, E.M., DEGENSZAIN, R.R. /orgs. Gestão Social: uma questão em debate. São Paulo: EDUC; IEE, ) TEIXEIRA, H.V. TEIXEIRA, M.G. Financiamento da saúde pública no Brasil: a experiência do Siops. ABRASCO - Ciência e Saúde Coletiva: Economia e Gestão da Política de Saúde. Volume 8 número 2, ) Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil Instituto de Pesquisa econômica Aplicada (IPEA), Fundação João Pinheiro (MG) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Outubro de ) Endereços eletrônicos: e 18

19 ANEXOS 19

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

2. Relato da situação anterior à introdução da inovação

2. Relato da situação anterior à introdução da inovação 1 Experiência: SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Instituição: Diretoria de Projetos Secretaria de Investimentos em Saúde Ministério da Saúde Nome do responsável: Marcelo Gouvêa

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA Silvio A. F. Cario Prof. dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Economia e Administração da Universidade

Leia mais

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Áquilas Mendes Professor Doutor Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP-USP e do Departamento de Economia da PUC-SP ABRES Encontro Alocação de Recursos e

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto

META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto Interno Bruto - PIB do País no 5 o (quinto) ano de vigência

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Altera dispositivos da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 que Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP O mercado de PPPs na visão do Setor Privado Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP OS AGENTES PRIVADOS DO MERCADO DE PPPS Principais Players do Setor

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia?

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Por Grazielle David, assessora política do Inesc Introdução A mineração

Leia mais

Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade

Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade CFM analisa relatórios internacionais e mostra preocupação com subfinanciamento da saúde, que tem afetado

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld O que é IDH? O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa de renda, escolaridade e longevidade para os diversos

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SEMINÁRIO BINACIONAL NA ÁREA DE SAÚDE BRASIL PERU LIMA - SETEMBRO/2011 VISÃO GERAL Abrangência: Governo Federal Marcos Legais Visão Geral do Planejamento e do Orçamento Recursos

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios

Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios Modelo de Regionalização de Saúde no Ceará População Estado do Ceará - 8.530.058 habitantes Modelo de reorganização de saúde: 4 Macrorregiões

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sistemas de Saúde Comparados Conformação dos sistemas de saúde é determinada por complexa interação entre elementos históricos, econômicos, políticos e

Leia mais

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007.

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007. PROGRAMA LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ACORDOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PLACEA: 2005-2007 1 (DOCUMENTO EM VERSÃO PRELIMINAR) Introdução: Os especialistas em Gestão Pública

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o O Brasil e o IDH No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) divulgou o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH 2005), com a análise de 177 países. Com dados

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS NOTA TÉCNICA 34 2013 Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS Brasília, 24 de agosto de 2013 I NTRODUÇÃO NOTA TÉCNICA 34 2013 Nesta Nota Técnica vamos analisar a proposta do

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 1 PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 08H ÀS 09H 09H ÀS 09:H30 09H30 ÀS 10H 10H ÀS 10:15 10H15 ÀS 12H 12H ÀS 13H 13H ÀS 13H30 CREDENCIAMENTO ABERTURA DO EVENTO CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META S AO PLN0002 / 2006 - LDO Página: 2355 de 2392 1 de 9 ESPELHO DE S DE AUTOR DA 27 Valorizar a diversidade das expressões culturais nacionais e regionais 1141 Cultura, Educação e Cidadania 5104 Instalação

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Financiamento da saúde

Financiamento da saúde Financiamento da saúde Sessão de debates temáticos no Senado Federal Senado Federal 19 de setembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios?

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? O que prevê a legislação e qual tem sido a participação estadual, municipal e privada na oferta de educação básica no RJ? Nicholas Davies, prof.

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Decreto n 5.707/2006 Marco Legal Decreto nº 5.707, de 23/02/2006 Instituiu a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Estudo Comparativo 1991-2000

Estudo Comparativo 1991-2000 Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações DESENVOLVIMENTO HUMANO EM NATAL Estudo

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Programa de Capacitação e Apoio aos Municípios na Ação Fiscal em Tributação Imobiliária

Programa de Capacitação e Apoio aos Municípios na Ação Fiscal em Tributação Imobiliária Programa de Capacitação e Apoio aos Municípios na Ação Fiscal em Tributação Imobiliária Objetivo Apoiar à ação fiscal dos Municípios em tributação imobiliária no Brasil, absorvendo a preocupação com a

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

A importância do planejamento na organização da oferta de serviços, benefícios e projetos: concepção e metodologia

A importância do planejamento na organização da oferta de serviços, benefícios e projetos: concepção e metodologia A importância do planejamento na organização da oferta de serviços, benefícios e projetos: concepção e metodologia Planejar é muito mais do que uma atividade burocrática, pois......organiza as idéias;...expõe

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais