O ÍNDICE DE EXCLUSÃO SOCIAL COMO CARACTERÍSTICA DA INSUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO: REFLEXÕES PRELIMINARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ÍNDICE DE EXCLUSÃO SOCIAL COMO CARACTERÍSTICA DA INSUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO: REFLEXÕES PRELIMINARES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCELO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA -NCT MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE PGDRA SANDRA DA CRUZ GARCIA MAGALHÃES O ÍNDICE DE EXCLUSÃO SOCIAL COMO CARACTERÍSTICA DA INSUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO: REFLEXÕES PRELIMINARES Porto Velho 2006

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA-NCT MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE PGDRA SANDRA DA CRUZ GARCIA MAGALHÃES Artigo apresentado à Universidade Federal de Rondônia, no curso de mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, como requisito avaliativo na disciplina de Teoria do Desenvolvimento, sob orientação dos Profs. Dr. Sérgio Rivero e Dra. Arneide Cemin. Porto Velho Agosto/2006

3 O ÍNDICE DE EXCLUSÃO SOCIAL COMO CARACTERÍSTICA DA INSUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO: REFLEXÕES PRELIMINARES 1 SANDRA DA CRUZ GARCIA MAGALHÃES 2 Seis anos semearás o teu campo, e seis anos podarás a tua vinha, e colherás os seus frutos. Porém, no sétimo ano, haverá sábado de descanso solene para a terra, um sábado ao SENHOR; não semearás o teu campo, nem podarás a tua vinha. O que nascer de si mesmo na tua seara não segarás e as uvas da tua vinha não podada não colherás; ano de descanso solene será para a terra. Levítico 25:3-5 RESUMO A preocupação em realizar este estudo, surgiu da constatação da diversidade de conceituação, e abrangência de indicadores no entorno de Desenvolvimento Sustentável e a forma como os indicadores, que dão indícios das interferências em todos os campos da sociedade. O objetivo deste estudo foi o de identificar esses temas de inclusão/exclusão social sob o prisma: padrão de vida digno, conhecimento e vulnerabilidade juvenil. Os indicadores selecionados na pesquisa foram os mesmos utilizados por Pochman e Amorim (2003): concentração de jovens, analfabetismo, escolaridade, emprego, violência, pobreza, desigualdade e exclusão social. Conclui-se que os programas e ações do governo devem estar voltados de forma à redução dos bolsões de inclusão social, delineados em conformidade com os objetivos estratégicos de médio prazo e definidos no PPA. PALAVRAS CHAVE: Sustentabilidade, Exclusão social Desenvolvimento Sustentável ABSTRACT The concern in carrying through this study, appeared of the verification of the diversity of conceptualization, and aboveboard of pointers around of Sustainable Development and the form as the pointers, that give to indications of the interferences in all the fields of the society. The objective of this study was to identify to these subjects of inclusion/social exclusion under the prism: worthy standard of living, knowledge and youthful vulnerability. The pointers selected in the research had been the same ones used for Pochman and Amorim (2003): concentration of young, illiteracy, time of studies, job, violence, poverty, inaquality and social exclusion. One concludes that the programs and actions of the government must be come back of form to the reduction of the sea of social inclusion, delineated in compliance with the strategical of average stated period and defined objectives in the PPA. 1 Artigo apresentado à Universidade Federal de Rondônia, no curso de mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, como requisito avaliativo na disciplina de Avaliação do Desenvolvimento Sustentável, sob orientação do ProfS. Dr. Sérvio Rivero e Dra. Arneide Cemin. 2 Professora Assistente da Universidade Federal de Rondônia UNIR e Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente

4 2 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas, a sociedade tem assistido um intenso processo transformação, sob a influência de vigoroso processo desenvolvimentista, que pode ser analisada sob o prisma dos impactos negativos que causa, tanto nos aspectos sociais como nos ambientais. Discussões a respeito da culpabilidade da degradação em foco apontam de um lado o homem como agente da degradação e de outro nós, os mesmos homens como agentes passivos desta degradação. O fato é que o avanço de tecnológico e científico, facilmente identificada nos últimos séculos, eleva o poder predatório do homem sobre uma frágil natureza, que desprotegida, pressente sua incapacidade de reagir. Em meio a esta crise, surge, neste contexto, segundo Matos (1997), as primeiras propostas de desenvolvimento sustentável, discutidas primeiramente em Estocolmo e materializadas na Conferência Rio-92. Pela primeira vez, sentiu-se a globalização dos problemas ambientais, e a partir daí o discurso em torno de sustentabilidade está cada vez mais presente em todos os ambientes. A definição mais disseminada de sustentabilidade, enquanto desenvolvimento, é a do Relatório de Brundtland (WCED, 1987), que considera que o desenvolvimento deve satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a habilidade das gerações futuras para satisfazerem suas próprias necessidades. Apesar de não ser a única, e da falta de consenso na definição, esta visão focaliza o longo prazo e os interesses inter-geração. Baseia-se ainda nas dimensões econômica, ambiental e social, intimamente relacionados. Em meio ao emaranhado de definições, autores como Temple (1992) afirma que o uso massivo do termo significa que este representa muitas coisas e nada ao mesmo tempo. Neste contexto, definir quais os indicadores que melhor represente o DS torna-se uma árdua tarefa. Pensando nisso, optou-se por trabalhar com um índice que fosse mais abrangente que o IDH, que considera apenas três indicadores, e que pudesse mostrar outros temas que configuram a desigualdade social. Assim, o objetivo deste estudo foi o de identificar esses temas de inclusão/exclusão social sob o prisma: padrão de vida digno, conhecimento e vulnerabilidade juvenil.

5 3 O artigo caracteriza-se na sua metodologia como uma revisão de literatura dentro das abordagens a respeito dos índices de sustentabilidade. Para isso fora realizadas leituras e apontamentos de autores, tais como: Osmar Siena, Fritjof Capra, Márcio Pochman, que tratam a respeito dos índices de sustentabilidade e exclusão social. O Índice de exclusão social (IES) foi apresentado por Pochmann e Amorin (2003) e avaliam-se sete indicadores: concentração de jovens, analfabetismo, escolaridade, emprego, violência, pobreza, desigualdade e exclusão social. Esse estudo traz as reflexões preliminares sobre as relações existentes entre os indicadores que formam o índice de exclusão social e como este se conectam com o desenvolvimento sustentável. 2. O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CARACTERÍSTICAS GERAIS Pensar em desenvolvimento sustentável, nos remete a pensar em meio ambiente, à sua constante degradação, à industrialização alicerçada em desmatamento, mutações ambientais e perda do solo. Para Schumpeter (1911), em seu clássico: A Teoria do Desenvolvimento Econômico, essas mudanças históricas, não constituem nem um processo circular, nem movimentos pendulares em torno de um centro. Para ele, o desenvolvimento é definido por essas duas circunstâncias, juntamente com o fato de que se não se consegue explicar um dado estado de coisas histórico a partir do precedente adequadamente, isto não o caracteriza como um problema não resolvido, mas como não insolúvel. Segundo este autor, a idéia evolucionista esteve desacreditada, sob a acusação de misticismo não-científico e extracientífico que cerca as idéias evolucionistas, pois por muito tempo, a relação homem X natureza foi visto sob a ótica de crenças religiosas como uma ação predatória do primeiro sobre o segundo. Segundo Siena, hoje, esses mesmos são vistos como os detentores da solução para muitos dos problemas ambientais que se vivem hoje, visão esta que é um dos fundamentos de sustentabilidade. O advento da Revolução Industrial trouxe consigo um outro tipo de relação homem X natureza (Capra, 1999). Pode-se reconhecer outros tipos de desemprego e pobreza. Considerando

6 4 estes aspectos, Malthus 3 observou que a população deveria parar de crescer, porque havia um limite para produção de alimentos devido à escassez de terra e a perda de fertilidade do solo (Pearce e Turner, 1990). A necessidade de um conceito que definisse Desenvolvimento Sustentável em todo seu arcabouço originou-se com as idéias precursoras de Shumacher 4 (1982) com o livro Small is beautiful, ou O negócio é ser pequeno, o qual defende um estilo de vida baseado no associativo e habilidades manuais. Passa pela Conferência das Nações Unidas (ONU) de Estocolmo (1972) onde é inicialmente reconhecida a importância da gestão ambiental. Nesta mesma época, um grupo conhecido como Clube de Roma reúne-se para analisar a crise ambiental. Porém o conceito surge formalmente com o Relatório Brundtland (Matos, 1997), sendo a Rio-92, a Conferência da ONU sobre Desenvolvimento e Ambiente, de maior relevância para tratar da crise ambiental como a Agenda 21 e Desertificação. Em vista da multiplicidade de conceito de desenvolvimento sustentável, o desafio passa a ser estabelecer uma definição mais genérica e unificada, que considere o crescimento dos centros urbanos frente à capacidade de suporte dos ecossistemas: Do ponto de vista econômico, a possibilidade de crescimento tem que ser definida de acordo com a capacidade de suporte dos ecossistemas, pensando-se simultaneamente em maior equidade e aumento da eficiência econômica (que suavize os processos de elevação da entropia). Essas são regras iniciais de um modelo de desenvolvimento sustentável, que deve contemplar objetivos ecológicos relacionados com a integridade dos ecossistemas, com a manutenção da capacidade de suporte dos sistemas naturais, com a preservação da biodiversidade (necessária 3 Thomas Malthus ( ) considerou que a revolução industrial aconteceu devido ao crescimento populacional e não em conseqüências das instituições humanas, formulando a chamada teoria da população ou dos limites segundo a qual era insustentável o crescimento geométrico desenfreado da população, frente ao aumento linear da produção de alimentos. 4 Ernest Fritz Shumacher (1982), lançou em 1979 o livro Small is beautiful, fazia parte de vertente da economia política, surgida no século XX, chamada de economia orgânica ou descentralista, cuja idéia chave da sua filosofia econômica é a introdução explícita de valores no pensamento econômico.

7 5 para assegurar a evolução biológica), com o respeito aos limites do meio ambiente físico. (CAVALCANTI, 2001) Desta forma os conceitos e princípios de DS ainda estão sendo desenvolvidos, alicerçado numa perspectiva de crescimento sem a adequada consideração dos efeitos sobre a qualidade de vida, a ecologia e as habilidades das futuras gerações. O que se deseja é encontrar um equilíbrio entre a manutenção do crescimento econômico, uso prudente dos recursos naturais e proteção ambiental e o progresso social que reconheça a necessidade de todos. Dentre os aspectos do planejamento do desenvolvimento, está incluído o plano plurianual PPA, o qual se projeta as políticas públicas para minorar os impactos do meio ambiente urbano. Assim, a tomada de decisão do administrador publico no combate às mazelas das cidades passa pelo plano plurianual- PPAs. 3. O ÍNDICE DE EXCLUSÃO SOCIAL COMO INDICADOR DE SUSTENTABILIDADE A função básica e principal dos indicadores de sustentabilidade, segundo Gallopin (1996), é apoiar e melhorar a política ambiental e o processo de tomada de decisão em diferentes níveis, em relação aos objetivos estabelecidos. Para ele, indicadores são componentes essenciais na avaliação geral do progresso em direção ao desenvolvimento sustentável. Diante das muitas definições encontradas na literatura para o conceito de indicadores, observa-se que diferentes atores definem diferentes indicadores. O indicador representa uma medida do comportamento de um sistema em termos de significados e atributos perceptíveis. Para desenvolver e identificar indicadores de sustentabilidade são utilizados alguns tipos de sistemas. Nesse caso específico, o sistema utilizado é o município e foi produzido de forma a abranger cada um dos municípios brasileiro, segundo o Censo do IBGE (2000). Desta forma foi proposto o índice de exclusão social com o objetivo de ser uma ferramenta analítica capaz de apurar, a partir de dados mais recentes, novos indicadores sociais para o Brasil,

8 6 de forma a mapear a exclusão em termos de indicadores mais relevantes do que o IDH-M 5, Índice de Desenvolvimento Humano do Município, e que cobrisse todo o território nacional (Pochmann e Amorim, 2003) O IDH como indicador, surgiu da necessidade de revisão das abordagens tradicionais sobre Desenvolvimento Humano. A partir dos trabalhos realizados pela equipe liderada pelo consultor Amartya Sen, foi proposto um novo qualificativo humano, frente à falência dos programas de desenvolvimento no Terceiro Mundo. No entanto, o índice que engloba as dimensões sociais com saúde, educação e renda, não permite transparecer, dado à sua parcialidade, problemas como os que acontecem no Brasil, frente às discrepâncias de rendas, sob o risco de continuar criando apenas um crescimento empobrecedor. Diante disto, Pochmann e Amorim, propuseram um índice mais abrangente, que pudesse expor a realidade brasileira. Segundo os autores, o Índice de Exclusão, é capaz de medir, a partir do afastamento em relação à linha de inclusão, qual o grau de exclusão/inclusão em determinado município, capacitando assim o poder público a visualizar os bolsões de exclusão, definindo políticas públicas adequadas. É desse modo que são apresentados o índice de exclusão social, como um indicador que é concebido pela agregação de dois ou mais valores, que se representa por um único escalar. Segundo Pochmann e Amorim (2003), visualizar um único número torna-se prático para um usuário de índices e indicadores, porém, é preciso que o usuário esteja consciente que, os diversos valores que compõem o índice estão ocultos, ou deverá compreender a complexidade resultante. Isto inclui aceitar eventuais distorções introduzidas no processo de agregação da informação. Em relação ao Cálculo do IES, Jannuzzi (2002) entende que os indicadores buscam sinalizar algum aspecto da realidade, baseando-se na escolha de variáveis capazes de expressar o conceito que se busca representar. A consistência dos indicadores depende da sua referência a um modelo teórico ou a um modelo de intervenção social, em que as variáveis e categorias relevantes e o encadeamento causal lógico entre elas estejam explicitados. 5 Utiliza a metodologia do IDH que investiga apenas quatro indicadores de bem estar social, desenhando a partir dele o grau de exclusão social nos municípios

9 7 Para encontrar o Índice de Exclusão Social, os autores usaram como parâmetros: a escolha como unidade fundamental, o município, totalizando e os resultados do Censo do IBGE (2000). A construção se deu da seguinte forma: foram definidos 3 grandes temas que configuram os componentes da exclusão/inclusão social ou de risco de exclusão/inclusão social: 1. Padrão de vida digno: este componente foi observado por meio de três indicadores: a. Porcentagem de chefes de família pobres no município; b. quantidade de trabalhadores com emprego formal sobre a população em idade ativa; c. uma proxi do índice de desigualdade de renda, calculado pela razão entre a quantidade de chefes de família que ganham acima de dez salários mínimos sobre o número de chefes de família que ganham abaixo disso. Desta forma, foi possível inibir as situações adversas que ocorrem da apuração do IDH tradicional, no que tange à checagem da distribuição de renda no município e a situação do mercado de trabalho. 2. Conhecimento: referenciado pelos indicadores anos de estudo do chefe de família e alfabetização da população acima de cinco anos de idade; 3. Vulnerabilidade ou risco juvenil, no qual o estudo identificou um indicador amplo, considerando o risco da população de tenra idade envolver-se com o crime. Utilizando-se de indicadores como: a. participação de jovens de 0 a 19 anos na população; b. taxa de homicídios por 100 mil habitantes. Utilizando-se destes indicadores, os autores transformaram os dados em índices segundo a fórmula usada por Amartya Sen, quando da criação do IDH (ONU, PNUD, 2002) X i - MIN( X i ) X i,p = MAX(X i) - MIN( X i ) Onde: p: identifica qual indicador de bem-estar social está em estudo; i : índice que identifica o município; X: valor do indicador utilizado no cálculo; MIN(X): valor mínimo escolhido do indicador X MAX(X): valor máximo escolhido do indicador X

10 8 Os valores atribuídos a este índice, foram colocados na mesma base, de modo a dirimir as diferenças de unidades em que se apresentavam. A somatória ponderada dessas variáveis leva a uma pontuação entre 0 e 1. Quanto mais próximo de zero, pior a exclusão. Para Jannuzzi (2002), uma limitação inerente ao indicador social está relacionada à sua capacidade de representar o conceito indicado, sobretudo quando se trata de fenômenos sociais mais complexos, pois, muitas vezes, é preciso valer-se de um conjunto de medidas indiretas com probabilidade de gerar uma mensuração adequada, como condições de vida, desenvolvimento humano e responsabilidade social. Os indicadores do desenvolvimento têm servido como uma importante ferramenta de legitimação do conceito e do paradigma. Neste caso o paradigma foi alicerçado nos seguintes indicadores: concentração de jovens, analfabetismo, escolaridade, emprego, violência, pobreza e desigualdade. Este índice de exclusão social (IES) foi apresentado por Pochmann e Amorin (2003), e se classificam em 3 categorias: Padrão de vida digno, caracterizado pelo Indicador Emprego, que mensura a participação dos assalariados em ocupações formais no total da população em idade ativa, e aponta de maneira indireta uma das marcas da exclusão social própria de onde o mercado de trabalho assalariado nunca chegou a se estruturar minimamente. Pobreza. Este indicador afere a pobreza nas cidades brasileiras. Segundo os princípios básicos da sustentabilidade o princípio de equidade mostra que os problemas ambientais estão relacionados a desigualdades sociais e econômicas. Já o princípio da democracia mostra a importância de resolver problemas ambientais de forma democrática, levando em consideração os anseios dos mais pobres e desvantajosos, incentivando a participação da comunidade envolvida no planejamento político e tomada de decisão. Indicador Desigualdade mede a desequilíbrio entre a distribuição de renda nas famílias situados nos extremos da distribuição de renda. Cada indicador aqui representado contribui com peso de 0,17 do total. A segunda categoria engloba os indicadores relativos ao conhecimento: Analfabetismo. Através deste indicador, com peso de 5,7% do total, pôde-se verificar que a maioria absoluta dos chefes de família não sabe ler ou escrever, indicando que a exclusão social nesses lugares ainda está relacionada à não-alfabetização. Escolaridade, diz respeito ao indicador que mede o nível de

11 9 instrução os chefes de família. Este estudo pressupõe que a interpretação de sustentabilidade é afetada pelo grau de instrução e pelo tipo de tarefa desempenhada pelo chefe de família. Este indicador representa 11,3% do total dos indicadores A terceira categoria abrange os indicadores de vulnerabilidade ou risco juvenil, que são: Concentração de jovens. Que mensura a participação de cidadãos com até 19 anos de idade no total da população, tem peso 0,17. A partir deste indicador, é possível avaliar além da participação de jovens na sociedade, que é uma das características da exclusão social, presentes em famílias numerosas, compostas por muitas crianças e jovens e que apresentam menor expectativa de vida. Violência, indicador que afere a quantidade de homicídios por cem mil habitantes. Com este índice pôde-se observar que a localização onde este índice é alto, não coincide propriamente com a das cidades onde a exclusão se apresenta com mais clareza, indicando que este indicador obedece a critérios próprios de exclusão. Este indicador representa 15% do total. 4. IES como indicador da sustentabilidade O Índice de Exclusão Social - IES - foi criado em 2002, pela equipe de pesquisadores liderados pelos pesquisadores Márcio Pochmann e Ricardo Amorim com os objetivos de possibilitar o reconhecimento do grau de desigualdade social existente nas diferentes regiões do país e de apoiar a implementação de políticas voltadas à inclusão social. Segundo os dados do Prattein, o índice sintetiza a situação de cada município brasileiro no que se refere aos seguintes indicadores do processo de inclusão/exclusão social: porcentagem de chefes de família pobres no município; taxa de emprego formal na população em idade ativa; desigualdade de renda; taxa de alfabetização de pessoas acima de 5 anos; número médio de anos de estudo do chefe de domicílio; porcentagem de jovens na população; número de homicídios por habitantes O índice foi analisado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Enquanto o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da ONU analisa a renda, educação e expectativa de vida; o Índice de Exclusão Social (IES) verifica a renda, alfabetização, escolarização de nível superior, violência e vulnerabilidade infantil.

12 10 Segundo dados dos pesquisadores, o Brasil despencou desde 2000, mais de 40 posições na classificação de exclusão social do mundo e ocupa a 109ª colocação em um ranking de 175 países, segundo estudo elaborado por 18. Com 0,621 pontos, o Brasil sofre com a desigualdade, o desemprego e a violência. Dentre os países sul-americanos, a Argentina está na 57ª posição, Uruguai é o 58º colocado, Chile o 68º e Peru está no 81º lugar. Cuba está em 45º. Na liderança mundial, está o Canadá, seguido por Japão, Finlândia, Bélgica, Espanha, Noruega, Suíça, Suécia, Estados Unidos e Lituânia. Em 11º aparece a Dinamarca, seguida por Alemanha, Eslovênia, Grécia e França. A última posição pertence a Honduras. A exemplo do IDH, o Índice de Exclusão varia de 0 (exclusão absoluta) a 1 (inclusão total). São extremos apenas teóricos. O pior resultado brasileiro é obtido por Jordão (AC), com o índice 0,230. E o melhor se encontra em São Caetano do Sul (SP), com 0,864(Andion, 2006). O Quadro 1, apresenta na primeira coluna, as capitais brasileiras que apresentam maior índice de desenvolvimento humano, a partir dos dados do IBGE de 2000 e na segunda coluna o índice de exclusão social. Quadro 1 Capitais brasileiras que apresentam o maior índice de desenvolvimento humano X índice de exclusão social Estados IDH IES Porto Alegre 0,856 0,730 Brasília 0,845 0,708 Rio de janeiro 0,842 0,694 São Paulo 0,841 0,667 Manaus 0,839 0,710 Belo Horizonte 0,774 0,522 Curitiba 0,753 0,486 Fonte: Pochmann e Amorin (2003), IPEA (2003), IBGE (2003)

13 11 Verifica-se que comparando o IDH com IES, nas mesmas regiões, não significa que os valores do primeiro sejam correlatos ao segundo, indicando que há a impossibilidade de checar itens como a distribuição de renda dentro da unidade escolhida (o município), e a situação do mercado de trabalho. Essas diferenças não invalidam nenhum dos índices, porém indicam os diferentes aspectos que abordam e a variação de valores que ocorre em decorrência dessas diferenças. Para Andion (2006), chama a atenção a urgente necessidade de reversão desse quadro de exclusão histórica, antes que os acampamentos de inclusão sejam engolidos pela selva de exclusão. Não é possível conceber um real projeto de nação sem que se construam alternativas viáveis para diminuir as desigualdades presentes no país. (Andion, 2006).

14 12 FONTE: POCHMANN e AMORIM (2003) O mapa de exclusão social no Brasil revela de forma geral a insustentabilidade do desenvolvimento do sistema social brasileiro como o conhecido jargão: O Brasil é o país do futuro. Baseando-se nos indicadores supracitados e considerando que o índice toma como base o município, naqueles municípios de grande área geográfica, é possível que se tenha a falsa impressão de que a intensidade de exclusão seja maior em uma região que em outra de menor extensão territorial. Observa-se que nos municípios localizados nos estados das regiões norte e nordeste, grandes áreas de alto grau de exclusão social. Ainda que nos estados da região norte, haja baixa densidade populacional em contraposição a grandes áreas, a exclusão é relativa. Os estados das regiões Sul e Sudeste são os que apresentam as menores áreas de exclusão social.

15 13 As informações visuais do mapa mostram que a situação se agrava à medida que se caminha do sul do Brasil, para o norte, com alguns bolsões de melhores resultados de difícil compreensão, já que esses indicadores são incapazes de detectar a heterogeneidade existente no interior dos grandes centros urbanos, podendo haver distorções da realidade e mascarando as condições de vida de parte da população brasileira. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O interesse em realizar este estudo surgiu da constatação da diversidade de informações e indicadores de sustentabilidade gerados no âmbito da sociedade brasileira e do seu potencial de uso no processo de planejamento e orçamento. Assim, procurou-se caracterizar e analisar cada um dos indicadores que compõem o índice de exclusão social, bem como identificar possibilidades e limitações de integração destes. O entendimento do significado, dos limites e as potencialidades do uso de indicadores é relevante para subsidiar o processo de tomada de decisões de todos os envolvidos no processo de definição de prioridades sociais, de alocação de recursos orçamentários, execução e avaliação de programas. Os indicadores, quando usados adequadamente, enriquecem a interpretação empírica da realidade social e orienta de forma mais competente a análise, formulação e implementação de políticas sociais (JANNUZZI, 2001). A partir dos dados estudados, e com as informações apresentadas é possível perceber que o que causa a exclusão social não tem fonte única. Numa concepção mais complexa verificase que se trata de um fenômeno multidimensional, que não pode ser explicado sob um único aspecto. Com o levantamento dos dados, pode-se então dar suporte e orientar a escolha de políticas publicas, direcionando para metas relativas a sustentabilidade, encaminhar programas e ações de governo e delineá-los em conformidade com os objetivos estratégicos de médio e curto prazo definidos no PPA. O uso de indicadores como ferramentas, fornecem um senso de direção

16 14 para tomadores de decisão e quando escolhem entre alternativas de ação, funcionam como ferramentas de planejamento. Para Silva (1995), a sustentabilidade está baseada num processo de melhoria na qualidade de vida da sociedade, pela redução das discrepâncias entre a opulência e a miséria, por meio de diversos mecanismos. Esses mecanismos podem ser: nivelamento do padrão de renda, acesso à educação, moradia, alimentação, entre outros. A gestão publica e o processo decisório, por sua vez, necessitam de novas maneiras de medir o progresso e os indicadores são importante ferramenta nesse processo. Este constituirá o ponto de partida para o cadastro dos programas e ações da proposta orçamentária, que poderá ser utilizado de modo a reduzir o índice de exclusão social no Brasil e as diversas faces dos vários brasis que se construiu ao longo dos séculos. É necessário conhecer essa realidade para enfim transformá-la e torná-la sustentável para a gerações vindouras. 6.REFERÊNCIAS ANDION, Carolina. Revista da FAE. Publicação nº9. Disponível em <http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/revista_fae_business/n9/13_atlas.pdf>acessado em 27/07/2006. CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação.são Paulo: Ed. Cultrix, 1999 CAVALCANTI, C. Condicionantes biofísicos da economia e suas implicações quanto à noção do desenvolvimento sustentável. In: Economia do Meio Ambiente: teoria, políticas e a gestão de espaços regionais. ROMEIRO, A. R. et alli. Org. Instituto de Economia, UNICAMP. Ed. EDUNICAMP, 3 a ed.. Campinas, GALLOPIN. G. S. Emvironment e Sustentability indicators, and concept of situacional indicators. A system approach. Emvironment Modelling & Assessment.n GUIMARÃES, R. P. A ética da sustentabilidade e a formulação de políticas de desenvolvimento. In: O desafio da sustentabilidade: um debate sócio-ambiental no Brasil. Org. Gilney Viana et alli. SP. Fudação Perseu Abramo, 2001 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Rio de Janeiro: síntese de indicadores sociais Disponível em <http://www.ibge.gov.br/>. Acessado em 10/07//2006.

17 15 IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Disponível em <http://www.ipea.gov.br/asocial/>. Acessado em 25/07/2006. JANNUZZI, Paulo de Martino. Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, v.36, n.1, p , Jan./Fev MATOS, Carlos. Desenvolvimento Sustentável nos territórios da globalização: alternativa de sobrevivência ou nova utopia? In: BECKER, Bertha K., MIRANDA, Mariana (orgs). A geografia política do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: editora UFRJ, 1997, ONU - ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Manual de orçamento por programas e realizações. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento e Coordenação Geral, POLLITT, C. Performance management and financial management: how to integrate them? PUMA/SBO, 1999 apud PUMA/OCDE. Estudos sobre orçamento e gestão nos países da OCDE: uma proposta de estrutura. Revista do Serviço Público. Brasília, ano 53, n. 4, p.5-30, Out./Dez PEARCE, D.W., E TURNER, R.K. (Economics of natural resources and the environment. New York : Harvester Wheatshef, SIENA, Osmar. Método para avaliar progresso em direção ao desenvolvimento sustentável. Florianópolis: [s.n], Tese de doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Centro Tecnológico (CTC), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP), SHUMACHER, E.F.O negócio é ser pequeno. São Paulo : Círculo do Livro, SILVA, J.A. Direito ambiental constitucional. 2.ed. São Paulo: Malheiros, p. SPANGENBERG, J.H.; BONNIOT, O. Sustainability indicators: a compass on the road towards sustainability. Wuppertal: Wuppertal Institute, Paper n.81, p. TEMPLE, S. Old Issue, New Urgency? In Wisconsin Environmental Dimension, Spring Issue, 1: VARELA, Patrícia S., MARTINS, Gilberto A.. Indicadores Sociais no Processo Orçamentário do Setor Público: Possibilidades e Limites WCED- WORLD COMISSION ON ENVIROMENTAL AND DEVELOPMENT. Our Common Future. Oxford: Oxford University Press WWF: Fundo Mundial para a Natureza (WWF/Brasil). Living Planet Report Disponível em <http://www.wwf.org.br/informa/doc/livingplanet_2002.pdf>. Acessado em

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS Mensurando a sustentabilidade ambiental: uma proposta de índice para o Mato Grosso do Sul Marlos da Silva Pereira; Leandro Sauer Área temática: Estratégias sustentáveis Tema: Gestão socioambiental 1. Introdução

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA Silvio A. F. Cario Prof. dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Economia e Administração da Universidade

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo Inovação e Gestão Empreendedora atuação empreendedora no brasil desenvolvimento da teoria do empreendedorismo diferenças entre empreendedores, empresários, executivos e empregados Introdução ao empreendedorismo

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

População, Recursos e Ambiente Desenvolvimento Sustentável 5ª aula teórica PRINCÍPIO DA PROCURA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Conferência de Estocolmo: 1º Conferência ONU sobre Ambiente e Estabelecimentos

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO Com um médico para 410 habitantes, taxa cresceu 33% em dez anos, revela levantamento do Cremesp realizado em março de 2010 Aconcentração de médicos

Leia mais

VIDA LONGA - Idosas conversam em Tóquio: com alto índice de desenvolvimento humano, o Japão têm a maior expectativa de vida, com 83,5 anos

VIDA LONGA - Idosas conversam em Tóquio: com alto índice de desenvolvimento humano, o Japão têm a maior expectativa de vida, com 83,5 anos 1 de 7 31/01/2014 23:22 Aumentar a fonte Diminuir a fonte Demografia e IDH Márcia Nogueira Tonello VIDA LONGA - Idosas conversam em Tóquio: com alto índice de desenvolvimento humano, o Japão têm a maior

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

FAQ - Perguntas Frequentes

FAQ - Perguntas Frequentes FAQ - Perguntas Frequentes Desenvolvimento Humano, IDH e IDHM O que é Desenvolvimento Humano? Difundido no primeiro Relatório de Desenvolvimento Humano Global do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990*

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* Rafael Loures Ogg¹ Cleise Maria de Almeida Tupich Hilgemberg² Palavras-chave: Violação; Criança;

Leia mais

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL ESTUDO DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL Luciana da Silva Teixeira Consultora Legislativa da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional ESTUDO NOVEMBRO/2004

Leia mais

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA.

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. RESUMO: O Centro de Desenvolvimento Industrial de Guarapuava foi criado

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE E SUA AGENDA. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil

O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE E SUA AGENDA. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE E SUA AGENDA Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília 3 novembro de 2014 O Conceito de Trabalho Decente O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE Formalizado pela

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr

PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr 1 Introdução 1 - MASSUr A urbanização sem planejamento tem trazido conseqüências nos diferentes campos apresentando impactos na saúde do indivíduo. Segundo Scaringella (2001) a crise da

Leia mais

Ilustrações Andrea Costa Gomes 58 DOM

Ilustrações Andrea Costa Gomes 58 DOM Ilustrações Andrea Costa Gomes 58 DOM responsabilidade social Grau de inclusividade: uma ferramenta para o desenvolvimento de mercados inclusivos por Cláudio Boechat e Júnia Faria Segundo dados do IPEA

Leia mais

Carta da Terra e Ecopedagogia

Carta da Terra e Ecopedagogia Carta da Terra e Ecopedagogia A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana Labrea O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo um

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo 1) Introdução Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco O desenvolvimento humano, como conceito, tem-se mostrado polêmico e, muitas vezes, provisório.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

A participação do Brasil em estudos e avaliações educacionais comparados internacionais

A participação do Brasil em estudos e avaliações educacionais comparados internacionais A participação do Brasil em estudos e avaliações educacionais comparados internacionais Maria Helena Guimarães de Castro (**) Na década de 90 e com maior intensidade a partir de 1995 o Brasil vem empreendendo

Leia mais

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES Nada se sabe, tudo se imagina Frederico Fellini CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES 6.1 - Considerações Finais A principal contribuição deste trabalho volta-se para a produção e validação de métodos para o tratamento

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

PROJETO MASSUr. Mobilidade e Acessibilidade Sustentáveis em Saúde Urbana: pesquisa e transformação em transporte

PROJETO MASSUr. Mobilidade e Acessibilidade Sustentáveis em Saúde Urbana: pesquisa e transformação em transporte PROJETO MASSUr Mobilidade e Acessibilidade Sustentáveis em Saúde Urbana: pesquisa e transformação em transporte 2011 1 Mobilidade e Acessibilidade Sustentáveis em Saúde Urbana: pesquisa e transformação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 A educação que movimenta o desenvolvimento Natalino Salgado Filho O ano de 2011 encerra com uma notícia que, aparentemente, parece muito alvissareira para o Brasil. O país ultrapassou a Grã Bretanha

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de 10.06.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Classificação dos Países

Classificação dos Países Indicadores Sociais: Os indicadores sociais são meios utilizados para designar os países como sendo: Ricos (desenvolvidos), Em Desenvolvimento (economia emergente) ou Pobres (subdesenvolvidos). Com isso,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

Roteiro. Desenvolvimento Sustentável: Conceitos e dimensões 27/10/2011. Histórico. Conceitos. Princípios. Dimensões. Pegada ecológica.

Roteiro. Desenvolvimento Sustentável: Conceitos e dimensões 27/10/2011. Histórico. Conceitos. Princípios. Dimensões. Pegada ecológica. Desenvolvimento Sustentável: Conceitos e dimensões Out/2011 Roteiro Histórico Conceitos Princípios Dimensões Pegada ecológica TI Verde Cidades Sustentáveis 1 Paradigma do desenvolvimento O desenvolvimento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

e-mail: lucilene_lima@uol.com.br Nome do Professor PDE: Lucilene de Souza Lima Corrêa Escola: Escola Estadual Desembargador Clotário Portugal - EFM

e-mail: lucilene_lima@uol.com.br Nome do Professor PDE: Lucilene de Souza Lima Corrêa Escola: Escola Estadual Desembargador Clotário Portugal - EFM 1 NRE: Área Metropolitana Sul Nome do Professor PDE: Lucilene de Souza Lima Corrêa Escola: Escola Estadual Desembargador Clotário Portugal - EFM Disciplina: Geografia Conteúdo Estruturante: Dimensão socioambiental

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SAÚDE PÚBLICA: uma análise crítica da literatura

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SAÚDE PÚBLICA: uma análise crítica da literatura EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SAÚDE PÚBLICA: uma análise crítica da literatura Ana Carolina Pires Vieira * Silmara Sartoreto de Oliveira ** RESUMO Cada vez mais as políticas de saúde pública vêm se ampliando e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES Sylvio Bandeira de Mello e Silva Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - NCT MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE PGDRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - NCT MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE PGDRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - NCT MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE PGDRA 1 SANDRA DA CRUZ GARCIA MAGALHÃES Artigo apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 MONIB: Painel de Indicadores de Monitoramento do Plano Brasil Sem Miséria concepção e funcionalidades MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Políticas públicas de juventude e o Observatório da Juventude. Thomás Lafetá Alvarenga Superintendente de Articulação

Políticas públicas de juventude e o Observatório da Juventude. Thomás Lafetá Alvarenga Superintendente de Articulação Políticas públicas de juventude e o Observatório da Juventude Thomás Lafetá Alvarenga Superintendente de Articulação AS POLÍTICAS DE JUVENTUDE "A juventude merece nosso total comprometimento - pleno acesso

Leia mais

Retratos da Sustentabilidade no Mundo

Retratos da Sustentabilidade no Mundo Retratos da Sustentabilidade no Mundo Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice-Presidente, Comitê Técnico 207 da ISO (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente,

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

Palavras-chave: desenvolvimento local, responsabilidade social, cidadania.

Palavras-chave: desenvolvimento local, responsabilidade social, cidadania. MARIA IVONETE SOARES COELHO E CARLA MONTEFUSCO DE OLIVEIRA DESENVOLVIMENTO LOCAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL: ESTRATÉGIAS DE CIDADANIA OU MARKETING SOCIAL? Resumo: Desenvolvimento local e responsabilidade

Leia mais

Indicadores Sociais na Formulação e Avaliação de Políticas Públicas

Indicadores Sociais na Formulação e Avaliação de Políticas Públicas Indicadores Sociais na Formulação e Avaliação de Políticas Públicas Autor: Paulo de Martino Jannuzzi 1 1 Pontifícia Universidade Católica de Campinas Campinas, SP Brasil 1 Escola Nacional de Ciências Estatísticas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

PROFª MSc. MARIA CECILIA

PROFª MSc. MARIA CECILIA PROFª MSc. MARIA CECILIA Kofi Atta Annan é um diplomata de Gana. Foi, entre 1 de janeiro de 1997 e 1 de janeiro de 2007, o sétimo secretário-geral da Organização das Nações Unidas, tendo sido laureado

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

UM PANORAMA DAS RAZÕES DOS DESCUMPRIMENTOS DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE RESERVA-PR RESUMO

UM PANORAMA DAS RAZÕES DOS DESCUMPRIMENTOS DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE RESERVA-PR RESUMO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA UM PANORAMA DAS RAZÕES DOS DESCUMPRIMENTOS DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Diagnóstico da Educação Municipal

Diagnóstico da Educação Municipal Diagnóstico da Educação Municipal Oneide Ferraz Alves Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Temas 1º dia Planejamento Planejamento Educacional Plano Anual de Educação Diagnóstico da Educação no

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 LEMOS, Haroldo Matos. Desenvolvimento Sustentável: antecedentes. Rio

Leia mais