Aristóteles (Grécia AC) criação do termo OIKO NOMIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aristóteles (Grécia AC) criação do termo OIKO NOMIA"

Transcrição

1 Aula 2 - PENSAMENTO ECONÔMICO ANTIGUIDADE Aristóteles (Grécia AC) criação do termo OIKO NOMIA PLATÃO - ( AC) Xenofonte ( AC) Material de Aula Capítulo 2 Fontes História do Mundo - Gracia & Vasconcelos Saraiva (Material de Aula Estacio)

2 Mercantilismo Mercantilismo - conjunto de práticas e idéias econômicas desenvolvidas na Europa entre o séc. XV e XVIII. Criado pelo economista Adam Smith em Objetivo - fortalecer o Estado e enriquecer a burguesia, para isso, era preciso ampliar a economia (maior lucro para que a população pudesse pagar mais impostos) Consideravam que a exportação (na linguagem de hoje) é que traria riquezas e vantagens e assim começou uma competição comercial. Ocorreu então o metalismo - acumulo de moedas dentro do país e isso era considerado um sinal de que o objetivo havia sido alcançado

3 FISIOCRACRIA (trad. regras da natureza) Escola de pensamento francesa Sustentavam que a terra era a única fonte de riqueza havia uma ordem natural que fazia com que o Universo fosse regido por leis naturais, absolutas, imutáveis, universais, desejadas pela providência Divina com objetivo de promover a felicidade dos homens Neste campo o principal destaque foi FRANÇOIS QUESWNAY, autor de Tableau Economique (aperfeiçoado por Wassily Leontief). Dividiu a Economia em setores demonstrando a relação entre eles. Fisiocracia surgiu como reação ao mercantilismo. Despreza a regulamentação governamental, pois a lei da natureza era suprema tudo contrario a esta lei será derrotado. O poder supremo apena serve de intermediário para que as leis da natureza sejam cumpridas.

4 Os Clássicos (1) Adam Smith ( ) Precursor da moderna Economia Publicou A Riqueza das Nações Livre iniciativa e Livre concorrência sem interferência, crescimento da economia guiada pela mão invisível Todos os agentes em atividade levam ao bem comum O Laissez-faire O Estado proteção da Sociedade

5 Os Clássicos (2) David Ricardo ( ) Teve como ponto de partida as idéias de Smith Desenvolvimento de modelos Econômicos Os custos concentram-se nos custos do trabalho Acumulação do capital + aumento populacional = elevação da renda da terra Origem às correntes neoclássica (simplificação) x marxista (distribuição e aspectos sociais) Estudos sobre o comércio internacional (teoria das vantagens comparativas)

6 Os Clássicos (3) Stuarl Mill ( ) Sintetizador do pensamento Econômico (consolidando os estudos anteriores, incorporando mais elementos institucionais) Jean Baptist Say Ampliou a obra de Smith, incorporando o problema de trocas de mercadorias e sua produção A LEY de SAY a oferta cria a sua própria procura (o aumento de produção torna-se em renda para os trabalhadores e empresários)

7 Os Clássicos (3) Thomas Malthus ( ) Primeiro a sistematizar uma teoria geral sobre a população o crescimento da população depende rigidamente da oferta de alimentos os salários de subsistência (população geométrico alimentos aritmético) Os males da humanidade residia no crescimento excessivo da população Capacidade de crescimento: instinto de reprodução + obstáculos (miséria, contenção moral atuando contra a mortandade e natalidade. A guerra como instrumento para interrupção do crescimento populacional.

8 Teoria Neo Clássica (1870) [1] + Microeconomia... - aspectos de mercado Alfred Marshall ( ) Obra Princípios de Economia (1890) Análise do Comportamento do Consumidor (maximização de utilidade, satisfação no consumo) e maximização do lucro do produtor. Estudo de funções de curvas de utilidade e de produção (restrições de fatores e orçamento) que permite determinar as funções de equilíbrio de mercado Teoria Marginalista (análise marginal)

9 Teoria Neo Clássica [2] Teoria do desenvolvimento econômico (Schumpeter) e Teoria do Capital e dos Juros (Böhm-Bawerk) Análise Monetária teoria quantitativa da moeda (que relaciona a quantidade de dinheiro com os níveis gerais de atividades econômicas de preços)

10 Teoria Keynesiana [1] Início - publicação da Teoria Geral do Emprego dos Juros e da Moeda John Maynard Keynes ( ) Propunha a intervenção estatal na vida econômica com o objetivo de conduzir a um regime de pleno emprego. Enorme influência na renovação das teorias clássicas e na reformulação da política de livre mercado. Acreditava que a economia seguiria o caminho do pleno emprego, sendo o desemprego uma situação temporária que desapareceria graças às forças do mercado. O objetivo da teoria keynesiana era manter o crescimento da demanda em paridade com o aumento da capacidade produtiva da economia, de forma suficiente para garantir o pleno emprego, mas sem excesso, pois isto provocaria um aumento da inflação.

11 Teoria Keynesiana [2] Impactos importantes na Economia mundial, quando esta enfrentava uma crise conhecida como a Grande Depressão com altos índices de desemprego, com a quebra da bolsa de valores em Nova York e desemprego na Europa. A teoria econômica acreditava tratar-se de uma situação temporária apesar da duração da crise. Keynes demonstrou que as teorias econômicas adotadas não funcionavam adequadamente naquele contexto econômico, apontando soluções para tirar o mundo da recessão. Responsável pelo emprego -> nível de produção nacional de uma economia, determinando a demanda agregada ou efetiva. Em uma economia em recessão não existem forças de auto-ajustamento, daí a intervenção do estado por meio de políticas de gastos públicos.

12 Teoria Keynesiana [2] As teorias de Keynes influenciaram muito a política econômicas dos países capitalistas apresentaram resultados positivos nos anos seguintes à segunda grande guerra, quando houve desenvolvimento expressivo das teorias econômicas. Debates teóricos sobre as suas teorias duram até o presente Monetaristas- controle da moeda e baixa intervensão do Estado Fiscalistas uso de políticas fiscais ativas e acentuada intervenção do Estado Pós keynesianos- defendem que Keynes não negligenciou o papel da moeda e política monetária. Enfatizam a especulação financeira e Estado na condução da Economia

13 Teoria Marxista Karl Max ( ) O Capital O capital aparece com a burguesia (Classe social pós período feudal) Em 1867 publicou Marx o primeiro volume de sua obra mais importante: O Capital. É um livro principalmente econômico, resultado dos estudos no British Museum, tratando da teoria do valor, da mais-valia, da acumulação do capital. Trata-se essencialmente da diferença entre o valor das mercadorias produzidas pelos trabalhadores em dado período de tempo e o valor da força de trabalho vendida pelos trabalhadores. Lucros, juros e alugueis (rendimentos de propriedades) representam mais valia. O valor transferido para o capitalista que excede o valor da força de trabalho representa a mais valia.

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO Início da teoria econômica de forma sistematizada a partir da publicação de A riqueza das nações de Adam Smith (1776). PRECURSORES DA TEORIA ECONÔMICA ECONOMIA NA ANTIGUIDADE

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 2 Ementa do Curso Introdução (4 aulas) O que é Economia?; O Sistema Econômico (Representação Simplificada Fluxo Circular); A Evolução do Pensamento

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária º Nome da Disciplina / Curso CIÊNCIAS ECONÔMICAS HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária º Nome da Disciplina / Curso CIÊNCIAS ECONÔMICAS HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 020006 3º 04 60 Turma Nome da Disciplina / Curso 2010.1 CIÊNCIAS ECONÔMICAS HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO Introdução à Economia e História Econômica Geral

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONOMICO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONOMICO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONOMICO Evolução do pensamento econômico Pontos a serem destacados Como era a Economia Medieval? O que foi o Mercantilismo? O que representa a escola fisiocrata? Qual a relação

Leia mais

Módulo 5 A Construção da Ciência Econômica

Módulo 5 A Construção da Ciência Econômica Módulo 5 A Construção da Ciência Econômica Há um consenso entre os cientistas econômicos de que o marco inicial de uma teoria econômica sistematizada remonta à publicação da obra de Adam Smith A riqueza

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA

INTRODUÇÃO À ECONOMIA INTRODUÇÃO À ECONOMIA A economia é simultaneamente arte e ciência. Como ciência procura estabelecer as relações constantes existentes entre os fenômenos econômicos ; como arte, visa indicar os meios para

Leia mais

Unidade: FACE Semestre: 2011/1 Pré-Requisitos: Microeconomia II, Macroeconomia I Horário: Segunda-Feira, 20:30 a 22:00 e Terça-Feira, 20:30 a 22:00

Unidade: FACE Semestre: 2011/1 Pré-Requisitos: Microeconomia II, Macroeconomia I Horário: Segunda-Feira, 20:30 a 22:00 e Terça-Feira, 20:30 a 22:00 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PLANO DE ENSINO Disciplina: História do Pensamento

Leia mais

HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO

HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO 1 EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO Origens do pensamento econômico Do pensamento liberal ao pensamento socialista Pensamento marginalista e síntese de Marshall Pensamento

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO Adam Smith: divisão do trabalho, produtividade e custos David Ricardo: vantagens comparativas Malthus: controle demográfico Marx: mais-valia e crises capitalistas Marx:

Leia mais

Material de Introdução a Economia para revisão na Reunião de Estudo

Material de Introdução a Economia para revisão na Reunião de Estudo Material de Introdução a Economia para revisão na Reunião de Estudo 1. Módulo 1 História da Economia Questão 1 O objeto de estudo em economia é a escassez. A escassez é fruto de que fatores? Como a economia

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02. Código: DIR 141 CH Total: 60 Pré-requisito: PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02. Código: DIR 141 CH Total: 60 Pré-requisito: PLANO DE CURSO Componente Curricular: ECONOMIA CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Código: DIR 141 CH Total: 60 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2016.1 Professor: Edilene

Leia mais

Unic Sorriso Economia

Unic Sorriso Economia Professor FÁBIO TAVARES LOBATO Economista(UFRGS) MBA Gestão em Agribusiness(FGV) MBA Gestão Empresarial(UFRJ) MBA Finanças Empresariais (UNIC) MBA Liderança e Coaching (UNIC) 3. Evolução do Pensamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONÔMICAS ESAG PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIO-ECONÔMICAS ESAG PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Curso: Ciências Econômicas Departamento: Ciências Econômicas Disciplina: História do Pensamento Econômico Código: 23HPE Carga horária: 72 horas Período letivo: 2011.1 Termo:

Leia mais

Liberalismo Econômico

Liberalismo Econômico Liberalismo Econômico O bem-estar da sociedade está ligado ao do indivíduo! Com liberdade a todos para ganharem o mais que puderem, no interesse pessoal, toda a sociedade melhorará. Trabalhe para si mesmo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC Disciplina: RESUMO UNIDADE I 1 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA Ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem (escolhem) empregar recursos produtivos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA 80H Profª Adriana Mendes. Aula I 01/08

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA 80H Profª Adriana Mendes. Aula I 01/08 FUNDAMENTOS DE ECONOMIA 80H Profª Adriana Mendes Aula I 01/08 ? é Enfim... Método ECONOMIA E para MAX WEBER o que é economia? Economia como administração dos recursos raros ou dos meios destinados

Leia mais

Prof. Maurício Felippe Manzalli. Unidade II ECONOMIA E NEGÓCIOS

Prof. Maurício Felippe Manzalli. Unidade II ECONOMIA E NEGÓCIOS Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II ECONOMIA E NEGÓCIOS 1 - Espírito empreendedor Empreendedor = imprendere Quem decide efetuar tarefa difícil e laboriosa; Quem coloca em execução; Relacionado a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO II Disciplina: HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO II Código: CSA132 Teórica l h/a Ementa: A Escola Marginalista e Economia Neoclássica. O paradigma de equilíbrio: Walras e o desenvolvimento dos modelos de equilíbrio.

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Fundamentos de economia: introdução à microeconomia e macroeconomia Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Introdução à Microeconomia Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Introdução à Microeconomia

Leia mais

Um Breve Histórico do Estudo das Finanças Públicas

Um Breve Histórico do Estudo das Finanças Públicas Um Breve Histórico do Estudo das Finanças Públicas Edson Ronaldo Nascimento 1 www.editoraferreira.com.br A origem do conceito moderno de finanças públicas está fundamentada a partir de duas escolas do

Leia mais

DISCIPLINA: ECONOMIA POLÍTICA (CÓD. ENEX60078) PERÍODO: 2º PERÍODO. Expositiva. Expositiva

DISCIPLINA: ECONOMIA POLÍTICA (CÓD. ENEX60078) PERÍODO: 2º PERÍODO. Expositiva. Expositiva PLANO DE AULA DISCIPLINA: ECONOMIA POLÍTICA (CÓD. ENEX60078) PERÍODO: 2º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 40 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos, filmes e outros

Leia mais

História das Teorias Econômicas Aula 5: Karl Marx Instituto de Geociências / Unicamp

História das Teorias Econômicas Aula 5: Karl Marx Instituto de Geociências / Unicamp História das Teorias Econômicas Aula 5: Karl Marx Instituto de Geociências / Unicamp 2 Semestre de 2008 1 Apresentação - de origem alemã - 1818 1883 - Economista, sociólogo e filósofo - Recebeu influência

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA (CÓD. ENEX60075) PERÍODO: 1º PERÍODO

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA (CÓD. ENEX60075) PERÍODO: 1º PERÍODO PLANO DE AULA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA (CÓD. ENEX60075) PERÍODO: 1º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 40 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos, filmes e outros

Leia mais

Capitalismo x Socialismo. Introdução para o entendimento do mundo bipolar.

Capitalismo x Socialismo. Introdução para o entendimento do mundo bipolar. Capitalismo x Socialismo Introdução para o entendimento do mundo bipolar. Capitalismo Sistema econômico, político e social no qual os agentes econômicos (empresários, burgueses, capitalistas), proprietários

Leia mais

Organização da Disciplina. Economia do Turismo. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Seis aulas. Temas de estudo

Organização da Disciplina. Economia do Turismo. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Seis aulas. Temas de estudo Organização da Disciplina Economia do Turismo Aula 1 Prof. Pedro Monir Rodermel Seis aulas Temas de estudo História do pensamento econômico Funcionamento do mercado Organização da Aula Estruturas de mercado

Leia mais

O Século das Luzes HISTÓRIA 01 AULA 25 PROF. THIAGO

O Século das Luzes HISTÓRIA 01 AULA 25 PROF. THIAGO O Século das Luzes HISTÓRIA 01 AULA 25 PROF. THIAGO Contexto Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Crise do Antigo

Leia mais

A Teoria Neoclássica da Firma. Aula de setembro de 2008

A Teoria Neoclássica da Firma. Aula de setembro de 2008 A Teoria Neoclássica da Firma Alfred Marshall Aula 7 29-30 de setembro de 2008 Questões principais abordadas pela Teoria Neoclássica Como se relacionam produtores e consumidores no mercado? Qual o resultado

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ECONOMIA Código: CTB-140 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2013.1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Professor: WILTON

Leia mais

Objetivo da aula: Origens da ciência econômica. A Economia Política e sua critica (aula 1 Adam Smith)

Objetivo da aula: Origens da ciência econômica. A Economia Política e sua critica (aula 1 Adam Smith) Ciências Sociais (P.I) A Economia Política e sua critica (aula 1 Adam Smith) Temática: Economia e funcionamento social: fundamentos Adam Smith. Profa. Luci Praun Objetivo da aula: Conhecer as formulações

Leia mais

A teoria macroeconômica de John Maynard Keynes

A teoria macroeconômica de John Maynard Keynes A teoria macroeconômica de John Maynard Keynes Dr. Antony P. Mueller Professor de Economia Universidade Federal de Sergipe www.continentaleconomics.com John Maynard Keynes (1883-1946) Teoria Geral do Emprego,

Leia mais

1B Aula 01. O Iluminismo

1B Aula 01. O Iluminismo 1B Aula 01 O Iluminismo O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo O Iluminismo foi acima de tudo uma revolução cultural porque propôs uma nova forma de entender a sociedade e significou uma transformação

Leia mais

Unidade I ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I ECONOMIA E NEGÓCIOS Prof. Maurício Felippe Manzalli O que estuda a economia? Economia é a ciência que trata da administração eficiente de recursos escassos com vistas à satisfação dos ilimitados

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz KARL MARX. Tiago Barbosa Diniz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz KARL MARX. Tiago Barbosa Diniz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz KARL MARX Tiago Barbosa Diniz Piracicaba, 29 de abril de 2016 CONTEXTO HISTÓRICO Início da Segunda fase da Revolução Industrial

Leia mais

SISTEMAS ECONÔMICOS. Capitalista Socialista Misto

SISTEMAS ECONÔMICOS. Capitalista Socialista Misto SISTEMAS ECONÔMICOS Capitalista Socialista Misto 1 Sistema Econômico / Organização Econômica Principais formas:. Economia de Mercado (ou descentralizada, tipo capitalista) Sistema de concorrência pura

Leia mais

Os modelos econômicos capitalistas

Os modelos econômicos capitalistas Os modelos econômicos capitalistas Maturidade do Iluminismo Liberalismo Contexto: crise do Antigo Regime Aumento do individualismo Direitos Naturais: Vida Liberdade Propriedade Constituição Laissez-faire

Leia mais

Aula 4 Fisiocracia. Profa. Eliana Tadeu Terci

Aula 4 Fisiocracia. Profa. Eliana Tadeu Terci Aula 4 Fisiocracia Profa. Eliana Tadeu Terci 1 Lideranças Turgot, Mirabeau, Quesnay médicos. Quesnay médico de Luís XV, amigo de Mme. Pompadour exaltação da economia rural francesa transposição absoluta

Leia mais

Introdução à. Macroeconomia

Introdução à. Macroeconomia Introdução à Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez IBMEC-RJ / UCP O que é? É o estudo da economia como um todo, pois analisa a economia através de suas variáveis fortemente agregadas. Abrange o comportamento

Leia mais

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia Fundamentos 1. O Mercado e o Estado Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Plano As sociedades d e a actividade id d económica: produzir

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO DE TUTORES NA MODALIDADE À DISTÂNCIA

PROVA DE SELEÇÃO DE TUTORES NA MODALIDADE À DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROVA DE SELEÇÃO DE TUTORES NA MODALIDADE À DISTÂNCIA GRUPO: ECONOMIA DATA: HORÁRIO:

Leia mais

ANEXO II - RESOLUÇÃO Nº 282/2006-CEPE

ANEXO II - RESOLUÇÃO Nº 282/2006-CEPE PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO: 2009 ANO DO CURSO: 3º Curso: Ciências Econômicas Modalidade: Bacharelado Turno: Noturno Centro: Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA) Campus: Cascavel Disciplina

Leia mais

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Aula Data 1 29/out 1 30/out Ter 2 31/out Qua 2 1/nov Qui Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Conteúd o Especificado Economia: análise (ec. positiva ) e política (ec. normativa ),

Leia mais

Macroeconomia Aberta. CE-571 MACROECONOMIA III Prof. Dr. Fernando Nogueira da Costa Programa 1º semestre.

Macroeconomia Aberta. CE-571 MACROECONOMIA III Prof. Dr. Fernando Nogueira da Costa Programa 1º semestre. Macroeconomia Aberta CE-571 MACROECONOMIA III Prof. Dr. Fernando Nogueira da Costa Programa 1º semestre http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ PARTE I: Determinantes da taxa de câmbio e do balanço

Leia mais

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MACROECONOMIA KEYNESIANA Nesta aula, estudaremos que variáveis determinam

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE CAA NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL AULA 01 INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES Prof. Leonardo Herszon Meira, DSc DEFINIÇÕES

Leia mais

DISCIPLINA: Assunto: Contatos:

DISCIPLINA: Assunto: Contatos: DISCIPLINA: Assunto: Por que investir? Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Reciprocidade, responsabilidade e a cultura do valor

Reciprocidade, responsabilidade e a cultura do valor Reciprocidade, responsabilidade e a cultura do valor Helena Biasotto Faculdade Antonio Meneghetti direção@faculdadeam.edu.br Eixo Temático: Educação para a Economia Verde e para o Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

A Medida do Valor em Adam Smith

A Medida do Valor em Adam Smith A Medida do Valor em Adam Smith José Luis Oreiro Departamento de Economia UnB Pesquisador Nível N I do CNPq O Processo de Gravitação dos Preços A preocupação fundamental da economia política clássica era

Leia mais

Economia. Prof. Me. Wesley V. Borges

Economia. Prof. Me. Wesley V. Borges Economia Prof. Me. Wesley V. Borges ECONOMIA Seja em nosso cotidiano, seja nos jornais, rádio, televisão, internet, deparamo-nos com inúmeras questões econômicas, tais como: Aumento de preços; Períodos

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS 3 APCC 4 Total 202 História do Pensamento Econômico 120/a 120/a.

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS 3 APCC 4 Total 202 História do Pensamento Econômico 120/a 120/a. PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO: 2008 ANO DO CURSO: 2º Ano Curso: Ciências Econômicas Modalidade: Bacharel Turno: Noturno Centro: Centro de Ciências Sociais Aplicadas Campus: Cascavel Disciplina Código

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais

Mercado Financeiro e de Capitais Mercado Financeiro e de Capitais Professor conteudista: Roberto Cruz Sumário Mercado Financeiro e de Capitais Unidade I 1 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS...1 1.1 Conceitos básicos do mercado financeiro...1

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

Economia - Aula 3. Conceitos Introdução capitulo 1 (parcial) Conceitos Economia e Direito capitulo 3

Economia - Aula 3. Conceitos Introdução capitulo 1 (parcial) Conceitos Economia e Direito capitulo 3 Economia - Aula 3 Conceitos Introdução capitulo 1 (parcial) Conceitos Economia e Direito capitulo 3 Prof Isnard Martins Bibliografia: Material de Aula Estácio de Sá FUNDAMENTOS DE ECONOMIA 3ª. EDIÇÃO /

Leia mais

9 Ano Lista de Exercícios

9 Ano Lista de Exercícios 9 Ano Lista de Exercícios 1- A Revolução industrial foi um conjunto de mudanças que aconteceu na Europa nos séculos XVIII e XIX. A principal particularidade dessa revolução foi a substituição da manufatura

Leia mais

O SETOR PÚBLICO LEITURA OBRIGATÓRIA

O SETOR PÚBLICO LEITURA OBRIGATÓRIA LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 28 O SETOR PÚBLICO Pinho, Diva Benevides & Vasconcellos, Marco Antonio S.(Org.), Manual de Economia, 5ª Edição. São Paulo, Editora Saraiva, 2006. No início do século XX passou-se

Leia mais

Biografia. Filho de capitalista rico e fez a própria fortuna antes dos 30 anos;

Biografia. Filho de capitalista rico e fez a própria fortuna antes dos 30 anos; DAVID RICARDO Aula 4 08-09 09/setembro Hunt (1981), cap. 4 Denis (2000), cap. 2 (parte IV) Viveu de 1772 a 1823; Biografia Filho de capitalista rico e fez a própria fortuna antes dos 30 anos; Contemporâneo

Leia mais

Programa de Curso 1º Semestre de 2013

Programa de Curso 1º Semestre de 2013 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ECONOMIA Programa de Curso 1º Semestre de 2013 Professor (a): Maria de Lourdes Rollemberg Mollo Disciplina: História do Pensamento Econômico Código: 132047 E-mail:

Leia mais

Austeridade História de uma ideia perigosa

Austeridade História de uma ideia perigosa Austeridade História de uma ideia perigosa Com base no livro de Marc Blyth Socialismo, 2014 «O Estado tem de cumprir a sua parte, gastando menos, e as empresas privadas e as famílias vão ter de gastar

Leia mais

AS IDÉIAS DE MENGER E MARX ACERCA DA TEORIA DO VALOR

AS IDÉIAS DE MENGER E MARX ACERCA DA TEORIA DO VALOR DOI: 10.4025/4CIH.PPHUEM.464 AS IDÉIAS DE MENGER E MARX ACERCA DA TEORIA DO VALOR INTRODUÇÃO Moacir José da Silva, Dr. Professor do Departamento de História da Universidade Estadual de Maringá. Erimar

Leia mais

Ideias e movimentos sociais e políticos no século XIX

Ideias e movimentos sociais e políticos no século XIX Ideias e movimentos sociais e políticos no século XIX O LIBERALISMO ECONÔMICO Adam Smith Pai da economia Obra: A riqueza das nações defesa da propriedade privada, livre iniciativa, livre contrato de trabalho,

Leia mais

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 1

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 1 INTRODUÇÃO A ECONOMIA espartanos.economia@gmail.com AULA 1 Apresentação elaborada por: Roberto Name Ribeiro/ Francisco Carlos B. dos Santos Adaptado por: Andréa de Souza, MS.c 1 A concepção A economia

Leia mais

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas.

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. 1 Do trabalho, segundo Marx Há uma frase de Marx nos Manuscritos de 1861-63

Leia mais

MECANISMOS DE ACOMPANHAMENTO DO NÍVEL DA ATIVIDADE ECONÔMICA DE UM PAÍS

MECANISMOS DE ACOMPANHAMENTO DO NÍVEL DA ATIVIDADE ECONÔMICA DE UM PAÍS MECANISMOS DE ACOMPANHAMENTO DO NÍVEL DA ATIVIDADE ECONÔMICA DE UM PAÍS De há muito os economistas tentam encontrar mecanismos para medir o nível da atividade econômica dos países. De fato, o primeiro

Leia mais

PRO 2208 Introdução à Economia

PRO 2208 Introdução à Economia PRO 2208 Introdução à Economia Introdução Prof. Regina Meyer Branski Slides cedidos pelo Professor David Nakano 2015 Objetivos Apresentar Princípios básicos de Economia Alguns Modelos Econômicos Princípios

Leia mais

Poli-UFRJ/ Sistemas Econômicos Cap. 02

Poli-UFRJ/ Sistemas Econômicos Cap. 02 Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 2: Sistemas Econômicos Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER 2-1 32/01-05 Sistemas Econômicos Concorrência Pura Economia Centralizada

Leia mais

MICROECONOMIA

MICROECONOMIA MICROECONOMIA 01. (Fiscal ISS-SP/98) Se a quantidade demandada de um bem permanece inalterada quando o seu preço aumenta, pode-se concluir que a elasticidade preço deste bem é: a) Menor do que a unidade.

Leia mais

A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O LIBERALISMO ECONÔMICO

A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O LIBERALISMO ECONÔMICO A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O LIBERALISMO ECONÔMICO Na segunda metade do século XVIII, a Inglaterra iniciou um processo que teve consequências em todo o mundo. Esse novo sistema de produção modificou as relações

Leia mais

UNIDADE IV FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO, DÉFICIT E DÍVIDA PÚBLICA

UNIDADE IV FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO, DÉFICIT E DÍVIDA PÚBLICA UNIDADE IV FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO, DÉFICIT E DÍVIDA PÚBLICA 131 Daniele Oliveira, Dra. Déficit Público (R) (G) equilíbrio orçamentário ou superávit fiscal situação considerada pelas escolas clássica

Leia mais

A Política Monetária de Milton Friedman

A Política Monetária de Milton Friedman A Política Monetária de Milton Friedman SE506 Economia Monetária e Financeira Fabiano Abranches Silva Dalto Bibliografia utilizada: FRIEDMAN, M. O Papel da Política Monetária. In Carneiro, Ricardo. Clássicos

Leia mais

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin Unidade III ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Introdução Macroeconomia: Grandes questões econômicas; Comportamento global do sistema; Análise dos grandes agregados econômicos. Estrutura básica

Leia mais

Bloco I A economia política e o capitalismo como ordem natural.

Bloco I A economia política e o capitalismo como ordem natural. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Economia Economia Política I - 60 horas aula Prof. Alexandre Laino Freitas Programa 2016-02 -EMENTA: As origens da Economia Política Clássica. Fisiocracia:

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II David Ricardo Profa. Enimar No século XVIIII tem início a fase científica da Economia. As Escolas Fisiocrata e Clássica foram as primeiras Escolas do Pensamento Econômico

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ECONOMIA

PRINCÍPIOS DE ECONOMIA PRINCÍPIOS DE ECONOMIA OBJETIVO GERAL Apresentar de forma geral os fundamentos e objetivos do estudo de sistemas econômicos, bem como os tópicos a serem abordados durante os cursos de economia do IFMG

Leia mais

Qual é o ponto de humor da charge abaixo? SOCIALISMO

Qual é o ponto de humor da charge abaixo? SOCIALISMO Qual é o ponto de humor da charge abaixo? SOCIALISMO SOCIALISMO SOCIALISMO A História das Ideias Socialistas possui alguns cortes de importância. O primeiro deles é entre os socialistas Utópicos e os socialistas

Leia mais

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia Fundamentos 1. O Mercado e o Estado Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Plano As sociedades d e a actividade id d económica: produzir

Leia mais

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 1 TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O ser humano trabalha quando cria a vida ou melhora as condições de vida. O trabalho transforma a natureza O trabalho também serve a estratificação está

Leia mais

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento 31. e Demanda s FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo Flutuações econômicas ocorrem de ano para ano Na maioria dos anos a produção de bens e serviços aumenta Em alguns anos esse crescimento não acontece,

Leia mais

Índice ECONOMIA E NEGÓCIOS PARTE I. Índice de caixas, figuras e tabelas 13. Prefácio para os estudantes 19. Prefácio para os professores 21

Índice ECONOMIA E NEGÓCIOS PARTE I. Índice de caixas, figuras e tabelas 13. Prefácio para os estudantes 19. Prefácio para os professores 21 Índice Índice de caixas, figuras e tabelas 13 Prefácio para os estudantes 19 Prefácio para os professores 21 PARTE I ECONOMIA E NEGÓCIOS Capítulo 1 Ambiente empresarial 1.1. Âmbito da economia empresarial

Leia mais

I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS,

I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS, Sumário Resumido Ordem dos Economistas do Brasil, xiii Apresentação, xv Introdução Teoria Macroeconômica: Evolução e Situação Atual, 1 Parte I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS, 17 Apresentação,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de , DOU de

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de , DOU de CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11 Componente Curricular: ECONOMIA Código: ADM 140 Pré-requisito: ----- Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO 1 OBJETIVOS DA AULA 3 Dinâmica dos Mercados em Macroeconomia Contas Nacionais - Quantificando o Desempenho da

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 1 Fonte: Elaboração Própria, com base em dados de WTO (2014) International Trade Statistics, disponível em www.wto.org 2 Fonte: Elaboração Própria,

Leia mais

FUNDAMENTOS TEÓRICOS DAS TROCAS INTERNACIONAIS

FUNDAMENTOS TEÓRICOS DAS TROCAS INTERNACIONAIS FUNDAMENTOS TEÓRICOS DAS TROCAS INTERNACIONAIS -AUTARCIA -COMÉRCIO (LIVRE) VANTAGENS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL -MERCANTILISMO: SÉC. XVI XVIII; Bulionismo; Colbertismo; -Mercantilismo comercial e marítimo.

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Oferta Agregada Nível de preços e custos Produto potencial Capital,

Leia mais

Desenvolvimento Econômico Desenvolvimento Segundo os Economistas Clássicos.

Desenvolvimento Econômico Desenvolvimento Segundo os Economistas Clássicos. Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana Desenvolvimento Econômico Desenvolvimento Segundo os Economistas Clássicos. Prof. Ms. Marcelo Vargas 1 INTRODUÇÃO Através de alguns autores determinaremos

Leia mais

Virtudes e defeitos do mercado como mecanismo de alocação de recursos na economia.

Virtudes e defeitos do mercado como mecanismo de alocação de recursos na economia. Virtudes e defeitos do mercado como mecanismo de alocação de recursos na economia. Autore: Velloso Renato Ribeiro In: Diritto brasiliano 1 di 28 Para responder a essa questão, devemos voltar no tempo,

Leia mais

12 Flutuações de Curto Prazo

12 Flutuações de Curto Prazo 12 Flutuações de Curto Prazo Flutuações Econômicas de Curto Prazo A atividade econômica flutua de ano para ano. Em quase todos os anos, a produção aumenta. Nem toda flutuação é causada por variação da

Leia mais

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia?

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Aula Teórica nº 1 Sumário: Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Objectivos da aula: No final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Identificar os principais problemas abordados pela Macroeconomia.

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Modelo Macroeconómico Procura Agregada Políticas macroeconómicas

Leia mais

Organização da Disciplina. Mercado de Capitais. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Aula 1 Economia e moeda

Organização da Disciplina. Mercado de Capitais. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Aula 1 Economia e moeda Organização da Disciplina Mercado de Capitais Aula 1 Prof. Cleverson Luiz Pereira Aula 1 Economia e moeda Aula 2 Sistema financeiro nacional X mercado financeiro Aula 3 Mercado de capitais e o mercado

Leia mais

Do liberal ao neoliberal. A Política e Economia Capitalista

Do liberal ao neoliberal. A Política e Economia Capitalista Do liberal ao neoliberal A Política e Economia Capitalista O surgimento do liberalismo Grupo de intelectuais que prima pela liberdade de homem feudal: Liberdade para produzir e comercializar; Liberdade

Leia mais

ECONOMIA EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO. Prof. Thiago Gomes. Economia EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

ECONOMIA EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO. Prof. Thiago Gomes. Economia EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO ECONOMIA Prof. Thiago Gomes 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 1 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Retomando o conceito de economia Homem, sociedade e economia: Linhas gerais Grupos nômades: Predominava a economia de subsistência

Leia mais

Conferência na UFRGS com apoio do Corecon. Porto Alegre, Luiz Carlos Bresser-Pereira

Conferência na UFRGS com apoio do Corecon. Porto Alegre, Luiz Carlos Bresser-Pereira Conferência na UFRGS com apoio do Corecon. Porto Alegre, 16.6.2014 Luiz Carlos Bresser-Pereira www.bresserpereira.org.br } Como tipo ideal o desenvolvimentismo é a abstração de uma forma histórica (realmente

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA

MANUAL DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA JEFFERSON MARIANO MANUAL DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Adaptado à realidade socioeconômica brasileira Rio de Janeiro, 2017 Sumário Introdução... 1 Capítulo 1: Definição: O que se estuda na disciplina... 3 Os

Leia mais

Marco Antonio Sandoval de Vasconcellos Apresentação elaborada por: Roberto Name Ribeiro Francisco Carlos B. dos Santos

Marco Antonio Sandoval de Vasconcellos Apresentação elaborada por: Roberto Name Ribeiro Francisco Carlos B. dos Santos Marco Antonio Sandoval de Vasconcellos Apresentação elaborada por: Roberto Name Ribeiro Francisco Carlos B. dos Santos 1 Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais

Leia mais

CAPÍTULO: 38 AULAS 7, 8 e 9

CAPÍTULO: 38 AULAS 7, 8 e 9 CAPÍTULO: 38 AULAS 7, 8 e 9 SURGIMENTO Com as revoluções burguesas, duas correntes de pensamento surgiram e apimentaram as relações de classe nos séculos XIX e XX: o Liberalismo e o Socialismo. O LIBERALISMO

Leia mais

1B Aula 01. O Iluminismo

1B Aula 01. O Iluminismo 1B Aula 01 O Iluminismo O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo O Iluminismo foi acima de tudo uma revolução cultural porque propôs uma nova forma de entender a sociedade e significou uma transformação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA UFV Catálogo de Graduação 2002 349 DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROFESSORES Adriano Provezano Gomes Alfredo Lopes da Silva Neto Carlos Gomide da Silva Eloy Alves Filho Evaldo Henrique da Silva Evonir Pontes

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: ECONOMIA Código: DIR 141 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2013.1 Professor: PRISCILA

Leia mais

Demanda Agregada salários e preços rígidos

Demanda Agregada salários e preços rígidos Demanda Agregada salários e preços rígidos Arranjos institucionais salários são periodicamente e não continuamente. revistos (1) comum em suporte para a rigidez de preços: custos associados com mudanças

Leia mais