Indicadores de Sustentabilidade no Semi-árido Brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores de Sustentabilidade no Semi-árido Brasileiro"

Transcrição

1 Indicadores de Sustentabilidade no Semi-árido Brasileiro Reginaldo Alves Paes (CDS/UnB) Biólogo, aluno regular do curso de mestrado em Desenvolvimento Sustentável Vanessa Maria de Castro (CDS/UnB) Geógrafa, Doutora em Desenvolvimento Sustentável e Professora Resumo Este artigo analisará indicadores do Semi-árido brasileiro 1 relacionados às dimensões da sustentabilidade: ambiental, social, econômica e institucional, comparados aos do Brasil e às grandes regiões geográficas. Os indicadores são importantes para retratar uma dada realidade, quantificar e comunicar fenômenos. Um indicador de sustentabilidade, além de incluir várias dimensões da sustentabilidade, deve se adequar à realidade local. Pretende-se contribuir para preencher uma lacuna de falta de informações específicas para o. É muito comum a utilização de dados relacionados à região Nordeste como se fossem do, o que mascara a realidade da região. Apesar da região Nordeste ser associada ao fenômeno das secas, é no onde esse fenômeno se manifesta com maior intensidade e onde as condições de vida são mais precárias, conforme será demonstrado ao longo do artigo. A análise conjunta da caracterização dos recursos naturais e dos dados socioeconômicos poderá subsidiar a gestão de políticas públicas para o seu desenvolvimento sustentável. Baseado nos indicadores apresentados, conclui-se que as desigualdades em relação às condições de vida estão concentradas na região Semi-árida e, apesar das melhorias verificadas na última década, elas foram insuficientes para reduzir de forma significativa as disparidades em relação às demais regiões do País. 1. INTRODUÇÃO O apresenta uma área de ,4 Km 2, abrangendo municípios de 9 estados (Mapa Anexo I), com cerca de 2,9 milhões de habitantes, dos quais 56,4% residiam em áreas urbanas. Possui uma densidade demográfica de 21,26 hab/km 2 (Tabelas 1 e 2). É marcado pela sua vulnerabilidade climática, escassez de recursos naturais, principalmente de recursos hídricos, e pela caatinga como vegetação predominante. Tem sido cenário de enormes contradições e injustiças sociais, apresentando péssimos indicadores socioeconômicos, que podem ser atribuídos a uma complexa articulação entre fatores ambientais, socioeconômicos e políticos. É a única região semi-árida localizada em zona equatorial tropical no mundo. Além das fragilidades ambientais, historicamente, tem sido cenário de enormes contradições e injustiças sociais que assumem proporções de calamidade com as freqüentes estiagens prolongadas. Apesar das limitações, a região apresenta grandes potencialidades, que se forem devidamente aproveitadas por intermédio das políticas públicas apropriadas, terá possibilidades de alcançar um 1 A Lei 7.827, de 27/9/1989 define Região Semi-árida como...a região inserida na área de atuação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste Sudene, com precipitação pluviométrica média anual igual ou inferior a 8 mm, definida em portaria daquela Autarquia (http://www.planalto.gov.br/ccivil_3/leis/l7827.htm). 1

2 desenvolvimento sustentável. A definição de estratégias de desenvolvimento pressupõe o conhecimento prévio do ambiente objeto da ação e precisa estar embasada em dados da realidade devidamente contextualizados. Pretende-se contribuir para preencher uma lacuna de falta de informações específicas para o. Para a obtenção das informações estatísticas apresentadas neste trabalho, foi utilizado o banco de dados do Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2, que apresenta informações socioeconômicas dos 5.57 municípios brasileiros, baseado nos microdados dos censos de 1991 e de 2 do IBGE. 2. INDICADORES DE DENVOLVIMENTO STENTÁVEL O grande marco no tratamento das questões ambientais foi a publicação, em 1987, do relatório da Comissão Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento CMMAD, também conhecido como relatório Brundtland ou Nosso Futuro Comum. Define o Desenvolvimento Sustentável (DS) como aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem a suas próprias necessidades (CMMAD, 1988, p. 46). O desenvolvimento sustentável obedece ao duplo imperativo ético da solidariedade com as gerações presentes e futuras, e exige a explicitação de critérios de sustentabilidade social e ambiental e de viabilidade econômica (SACHS, 24, p. 36). Deve, portanto, significar desenvolvimento social e econômico estável e equilibrado, com mecanismos de distribuição das riquezas geradas e com capacidade de considerar a fragilidade, a interdependência e as escalas de tempo próprias e específicas dos elementos naturais. O conceito de DS é muito abrangente, evoca a diferentes interpretações e expõe diversos conflitos de interesses, principalmente, entre os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento. Para a sua operacionalização é necessário um mínimo de consenso que englobe suas diferentes dimensões. A ausência desse consenso em torno do conceito dificulta a elaboração de indicadores que possam mensurar os aspectos da sustentabilidade e torná-la operacional. As necessidades de desenvolver indicadores de desenvolvimento sustentável foram expressas na Agenda 21. Por ser um tema recente na pauta internacional, há poucos sistemas de indicadores que lidam especificamente com o desenvolvimento sustentável, sendo em sua maioria em caráter experimental. Os indicadores são importantes elementos na maneira como a sociedade entende seu mundo, toma suas decisões e planeja a sua ação. São utilizados para retratar de forma simplificada 2 Este sistema disponibiliza informações sobre o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) e 124 outros indicadores georreferenciados de população, educação, habitação, longevidade, renda, desigualdade social e características físicas do território (PNUD, 23). 2

3 informações sobre fenômenos complexos e para tornar a comunicação acerca destes fenômenos mais compreensível e quantificável (VAN BELLE, 27). Um aspecto necessário para a implementação do DS é a sua aplicação em níveis locais, ou microrregionais, aonde os problemas se manifestam e onde as pessoas vivem e agem. Assim, a definição de um indicador de sustentabilidade, além de incluir as várias dimensões da sustentabilidade, deve se adequar a esta realidade. A elaboração de indicadores de sustentabilidade está recebendo importância cada vez maior no processo de planejamento, principalmente após as crises econômicas das últimas décadas, e diante das demandas sociais cada vez maiores e do aumento da preocupação mundial com a temática ambiental. A partir da década de 195 os principais indicadores utilizados foram o Produto Interno Bruto (PIB) e PIB per capita que apresenta a vantagem de ter dados disponíveis para todos os países, é de fácil entendimento e permite comparações. Algo diferente surgiu no início da década de 199 O Relatório de Desenvolvimento Humano, elaborado pelo Programas das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O Relatório de 199 apresenta um índice de desenvolvimento humano (IDH) que é composto por três indicadores, sendo dois sociais (educação e saúde) e um econômico (renda). Rompendo-se, assim, pela primeira vez, em escala mundial a visão anteriormente consolidada que era o PIB per capita. Porém, também apresenta suas limitações (GUIMARÃES; JANNUZZI, 24). 3. AS DIMENSÕES DA STENTABILIDADE Os indicadores analisados nesse trabalho são baseados nas dimensões da sustentabilidade propostas pelo economista Ignacy Sachs: social, econômica, ambiental, político e territorial (SACHS, 24, p.15). Apresenta-se a seguir indicadores da região, comparados com as regiões geográficas e o Brasil. A análise será concentrada no por ser esse o foco do presente estudo DIMENSÃO SOCIAL Tem como meta a melhoria das condições de vida e de cidadania das pessoas, por meio da satisfação de suas necessidades básicas, como a universalização dos serviços de educação, saúde, assistência social e a erradicação da pobreza. Não pode haver saúde, nem prosperidade e muito menos felicidade se não existe a satisfação das necessidades materiais, elementares, da vida (DUQUE, 24, p. 28). Neste estudo a dimensão social compreende os indicadores de educação, pobreza e população. Esses serviços em muitas localidades encontram-se praticamente universalizados, porém, no ainda demonstra um baixo índice, como pode ser verificado a seguir. 3

4 População Apesar dos Estados terem pouca interferência no controle da taxa de crescimento populacional, há necessidade de redução dessas taxas e, principalmente, redução no padrão de consumo per capita para que sejam diminuídas as pressões sobre o uso de materiais e energia e seus rejeitos. Na tabela 1 são apresentadas a evolução do crescimento das populações do, Brasil e suas regiões, no período de 1991 a 26. A população total do, no ano 2, representava 12,3% da população total do país. Observa-se uma diminuição na taxa de crescimento da população do, comparada a obtida pelo Brasil. No período de 1991/2 a taxa de crescimento verificada no foi de 8,62%, enquanto que no Brasil foi de 15,65%. Já no período de 2/26, de acordo com a estimativa feita pelo IBGE, essas taxas foram, respectivamente, de 5,69 e 9,99%. Essa diminuição da taxa de crescimento no pode ser explicada por meio do número de emigrações, principalmente no período de estiagens prolongadas. De acordo com os dados do censo do IBGE 2, a metrópole paulista teve no Nordeste a sua principal fonte de imigrantes: aproximadamente 73% do total (ITO, 26). Tabela 1 - Crescimento da População do, Brasil e Regiões, no período de 1991 a 26. Fonte: Regiões População total 1991 População total 2 Estimativa da população 26 % crescimento 1991/2 % crescimento 2/ ,46 8, ,42 9, ,43 14, ,61 16, ,34 8, ,62 5, ,65 9,99 Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, 23 (tabulações a partir de microdados). IBGE: Estimativa da população para o ano de 26. % % cres cim ento 1991/2 % crescim ento 2/26 Na Tabela 2, são apresentadas as taxas de urbanização e densidade demográfica (Hab/km 2 ) do, Brasil e suas regiões, nos anos de 1991 e 2. Sobre a urbanização, observa-se no uma taxa de 56,4% no ano 2, bem abaixo da taxa do Brasil que foi de 81,2% no mesmo ano, 4

5 porém, passando por um acelerado processo de urbanização. Nesse período a população urbana ultrapassou a população rural. Tabela 2 Taxa de urbanização e densidade demográfica (Hab/km 2 ) do, Brasil e Regiões, nos anos de 1991 e 2. Fonte: Regiões Taxa de Urbanização 1991 (%) Taxa de Urbanização 2 Densidade demográfica 1991 Densidade demográfica 2 Densidade 26 (estimativa) 74,1 8,9 39,2 44,5 48,4 88, 9,5 67,7 78,1 85,8 81,3 86,7 5,8 7,2 8,2 59, 69,9 2,6 3,3 3,9 6,7 69,1 27,3 3,6 33,1 48,4 56,4 19,6 21,3 22,5 75,6 81,2 17,2 19,9 21,9 Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, 23 (tabulações a partir de microdados). IBGE: Estimativa da população para o ano de 26. % Taxa de Urbanização, 1991 Taxa de Urbanização, 2 Hab/km ² Densidade demográfica, 1991 Densidade demográfica, 2 Estimativa Densidade demográfica, 26 Quanto à densidade demográfica, merece destaque o fato do apresentar uma densidade superior à do Brasil (21,3 e 19,9 Hab/km 2, no ano 2, respectivamente), e por ser considerado o semi-árido mais povoado do mundo (AB,ER, 1999). 5

6 Educação Entre as formas mais eficazes de reduzir as desigualdades está a educação universal e de qualidade. Estima-se que cerca de até 5% da desigualdade social brasileira seja devida à educação. Projeções da crescente escolaridade brasileira permitem prever que a desigualdade comece a cair a partir de 27 e, de forma mais acentuada, a partir de 217 (STEIR, 26). A melhoria do nível de acesso e qualidade no ensino, principalmente no nível fundamental, constituise em um dos principais desafios para o. Apesar do grande avanço no acesso ao ensino básico, o que realmente preocupa é a sua qualidade. Parece se formar um consenso de que essa é a questão de maior prioridade e de maior dificuldade para o país nesse momento (STEIR, 26, p. 81). O apresenta um elevado índice de analfabetismo, em 2 havia 32,5% de analfabetos com idade acima de 15 anos de idade. Além disso, havia um baixo acesso de sua população aos cursos superior apenas 1,9% (Tabela 3). Apesar dos avanços, no período de 1991 a 2, há necessidade de grandes investimentos para que o venha a apresentar indicadores, no mínimo, equivalentes às demais regiões do País. Mas isso, apenas, não será suficiente, o Plano Nacional de Educação (publicado em 21) prevê que, ao final da década (21), o número de matriculados no ensino superior seja de 3% da população em idade entre dezoito e 24 anos. A título de comparação, na Coréia do Sul chega a 8% (STEIR, 26, p. 82). Tabela 3 Indicadores de educação no, Brasil e Regiões, nos anos de 1991 e 2. Regiões/ano Acesso ao curso 85,5 94,8 85,4 93,1 82, 91,5 68,9 84,1 65,3 87,8 61,5 87,9 77,3 9,7 fundamental Acesso ao curso superior 5,7 11,2 6,1 9,8 4, 8,9 1,6 3, 2,2 3,8 1,1 1,9 4,4 7,6 Taxa de analfabetismo 11,8 7,7 12,3 8,1 16,7 1,8 24,8 16,3 37,7 26,2 45,5 32,5 2,1 13,6 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, 23 (tabulações a partir de microdados). 6

7 % Acesso ao curso fundamental (7 a 14 anos), 1991 Acesso ao curso fundamental (7 a 14 anos), 2 % Acesso ao curso superior (18 a 22 anos), 1991 Acesso ao curso superior (18 a 22 anos), 2 % Taxa de analfabetismo (pessoas de 15 anos ou mais), 1991 Taxa de analfabetismo (pessoas de 15 anos ou mais), 2 7

8 Pobreza A pobreza é um dos problemas sociais do Brasil de maior relevância na atualidade, que apresenta características globais e particularidades regionais e locais. A persistência da pobreza absoluta no Brasil decorre da forte desigualdade na distribuição do rendimento. Com o aumento da renda, a incidência de pobreza absoluta declinou, na última década, mas se situa em níveis elevados em função da persistência da enorme desigualdade na distribuição de rendimentos (ROCHA, 23). Na Tabela 4, são apresentados as taxas de indigentes e de Pobres, no, Brasil e macrorregiões, para os anos de 1991 e 2. A população total do, no ano 2, representava 12,3 % da população do país. Porém, nessa região, o número de pessoas indigentes e de pessoas pobres, no ano 2, representam, respectivamente, 28,8% e 23,9% do número de indigentes e pobres do Brasil. Pelo método da renda, a indigência é definida segundo o gasto mínimo para suprir as necessidades alimentares nos domicílios brasileiros, enquanto a pobreza abrange, além da alimentação, outros gastos como transporte, vestuário, habitação, entre outros (IBARRA, 23, p. 3). Tabela 4 Taxa de Indigentes e de Pobres, no, Brasil e Regiões, nos anos de 1991 e 2. Regiões Percentual de indigentes 3 Percentual de pobres ,2 7,9 3,8 2,5 9,6 8,2 24,2 19,8 12, 9,8 32,7 25,5 27,3 26,6 52,8 49,6 4,6 32,5 67,1 56,9 48,4 38,6 75,7 64,1 2,3 16,5 4,1 33, Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, 23 (tabulações a partir de microdados). % Percentual de indigentes, 1991 Percentual de indigentes, 2 3 Pessoas com rendimento abaixo de 25% (R$ 37,75) do salário mínimo vigente em agosto de 2 (R$ 151,). 4 Pessoas com rendimento abaixo de 5% (R$ 75,5) do salário mínimo vigente em agosto de 2. 8

9 % Percentual de pessoas pobres, 1991 Percentual de pessoas pobres, 2 Segundo dados divulgados no relatório sobre a Situação Mundial da Infância 25 do Fundo das Nações Unidas pela Infância (Unicef), no, 75% das crianças vivem em famílias pobres e esse número chega a 9% em alguns municípios. A taxa nacional de mortalidade infantil (33 mortes para cada mil nascidos) é superada em 95% das cidades do semi-árido, Podemos dizer que a pobreza brasileira tem cara de criança do semi-árido, afirma Marie Pierre Poirier, representante do Unicef no Brasil (UNICEF, 25). Em relação ao Índice de Desenvolvimento Humano Municipal IDH-M, no ano 2, entre os mil municípios com menores IDH-M do Brasil 535 estão no SAN, por outro lado, entre os mil municípios brasileiros com melhores IDH-M nenhum é do Semi-árido. O município do SAN com melhor IDH-M é Caicó-RN, com IDH-M de,756, ocupando a 1.692ª colocação entre os melhores do país DIMENSÃO ENÔMICA O crescimento é uma condição necessária e importante para o DS do, porém não é suficiente, para se alcançar a meta de uma vida melhor, mais feliz e mais completa para os sertanejos. O crescimento, mesmo que acelerado, não é sinônimo de desenvolvimento se ele não amplia o emprego, se não reduz a pobreza e se não atenua as desigualdades (SACHS, 24, p ). Num contexto de acelerado crescimento, as possibilidades de transformação do quadro de desigualdades sociais e regionais são, a princípio, mais amplas. A redução das desigualdades num quadro de estagnação tende a gerar tensões sociais e políticas que, normalmente, dificultam o processo de mudança social. Antes que modelos que privilegiem apenas poucas atividades, a própria diversidade de condições ecológicas e socioculturais e a dimensão territorial no apontam para uma estratégia de DS baseada num mosaico de atividades econômicas que reflitam tal diversidade. Segundo Carvalho e Egler (23), as condições de vida no Semi-árido, comparadas com a Região Nordeste, pioraram, em termos médios, nos últimos 3 anos. O PIB per capita do Semi-árido comparado com a Região 9

10 Nordeste, diminuiu consideravelmente entre 197 e 1998, baixando de 74,67%, em 197, para 53,19%, em DIMENSÃO AMBIENTAL A dimensão ambiental deve ter como referência a implementação do Programa Nacional de Combate à Desertificação - PAN-ASIL, como forma de atender aos compromissos assumidos ao ratificar a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, que tem como foco de atuação as áreas áridas e semi-áridas. O apresenta 74,4% de sua área submetidos a alterações ambientais variadas, sendo que 4,8% é considerada moderada, 27,7% grave e 5,9% muito grave (PAN-ASIL, 24, p. 33). Segundo pesquisadores da Embrapa Semi-árido 5, o apresenta 65,93% de degradação ambiental, sendo 7,7% considerada baixa, 1,21% moderado, 1,23% acentuado e 38,42% severo. Observa-se que esses dados são divergentes e suscitam dúvidas. Torna-se necessário estudos mais precisos que possam dimensional o nível de degradação ambiental na região. Na Tabela 5 são apresentadas as taxas de acesso à água encanada e serviço de coleta de lixo, no, Brasil e regiões, nos anos de 1991 e 2, os quais expressam pressões sobre os recursos naturais e envolvem questões pertinentes à política ambiental. Quando comparados aos dados das regiões e ao Brasil, fica evidente as péssimas condições de vida no Semi-árido. A construção de indicadores ambientais é mais recente, quanto comparados aos sociais e econômicos. Consequentemente, há uma menor disponibilidade de informações. Tabela 5 Taxa de acesso à água encanada e serviço de coleta de lixo, no, Brasil e Regiões, nos anos de 1991 e 2. Regiões Percentual de pessoas em domicílios com água encanada Percentual de pessoas em domicílios urbanos com serviço de coleta de lixo ,9 95,1 8,3 96,4 89,6 94,7 83,4 95,5 71,8 86,8 7,7 91,7 4,4 5,1 4,4 69,8 44,6 58,7 53,6 77,2 34,3 5,8 5, 77,8 71,5 8,7 7,5 88,3 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, 23 (tabulações a partir de microdados). 5 SÁ, Iêdo Bezerra. Degradação ambiental e reabilitação natural no Trópico Semi-árido Brasileiro. Fortaleza: Fundação Grupo Esquel Brasil,

11 % Percentual de pessoas em domicílios com água encanada, 1991 Percentual de pessoas em domicílios com água encanada, 2 % Percentual de pessoas em domicílios urbanos com serviço de coleta de lixo, 1991 Percentual de pessoas em domicílios urbanos com serviço de coleta de lixo, DIMENSÃO POLÍTI INSTITUCIONAL A dimensão político institucional diz respeito à orientação política, capacidade e esforço despendido para as mudanças requeridas para uma efetiva implementação do desenvolvimento sustentável. Deve-se mencionar que esta dimensão aborda temas de difícil medição e que carece de mais estudos para o seu aprimoramento. No ano 2, o percentual de pessoas em domicílios com água encanada foi de 5,8%, em domicílios urbanos com coleta de lixo foi de 77,8%, em domicílios com energia elétrica foi de 81,%, domicílios com telefone foi 11,3% e 1,8% com computador. O Brasil, apresentava no mesmo ano, respectivamente, 8,7%; 88,3%; 93,5%; 37,4% e 1,3 (Tabela 6). Mais uma vez, fica demonstrado o baixo nível de acesso da população do a esses serviços/bens. 11

12 Tabela 6 Taxa de pessoas que vivem em domicílios com acesso à energia elétrica e computadores, no, Brasil e Regiões, nos anos de 1991 e 2. Regiões Percentual de pessoas em domicílios com energia elétrica Percentual de pessoas em domicílios com telefone Percentual de pessoas em domicílios com computador ,2 97,9 17,5 41,7 11,7 95,2 98,6 22,8 47,7 14,9 86,4 95,6 18,8 44,8 9,5 64,8 79,5 1,1 25,5 4,1 7,1 86,6 8,9 2,9 4,3 57,8 81, 4,7 11,3 1,8 84,9 93,5 16,8 37,4 1,3 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, 23 (tabulações a partir de microdados). % Percentual de pessoas em domicílios com energia elétrica, 1991 Percentual de pessoas em domicílios com energia elétrica, 2 % Percentual de pessoas em domicílios com telefone, 1991 Percentual de pessoas em domicílios com telefone, 2 Percentual de pessoas em domicílios com computador, 2 12

13 O DS requer, acima de tudo, a garantia do exercício dos direitos civis, cívicos e políticos. A democracia é um valor verdadeiramente fundamental e garante também a transparência e a responsabilização necessárias ao funcionamento dos processos de desenvolvimento (SACHS, 24, p. 39). A fraca participação na vida política, ou completa exclusão dela, de grande setores da população, pouco instruída, suborganizada e absorvida na luta diária pela sobrevivência, sendo as mulheres, sujeitas à discriminação de gênero, as mais fortemente atingidas, são fatores que muito contribuem para a situação de insustentabilidade no. Muitas instiuições governamentais e não governamentais atuam no 6, muitos investimentos já foram feitos, porém não foram suficientes, e muito precisa ser feito para a melhoria das condições básicas nas vidas de seus habitantes. A recriação da Sudene, em 27, deverá contribuir para um melhor planejamento das políticas públicas e integração e articulação com as demais institições que atuam no. Estrutura Fundiária Uma importante característica do é a concentração da propriedade e do uso da terra que constitui um dos traços marcantes da realidade fundiária na Região e é uma das principais causas do atraso no. Para Celso Furtado no Nordeste, a estrutura agrária é o principal fator causador da extremada concentração da renda no conjunto da economia, pelo fato de que, não havendo no campo possibilidade de melhoria das condições de vida para a massa trabalhadora, a população rural tende a se deslocar para as zonas urbanas, congestionando nestas a oferta de mão-de-obra não especializada (FURTADO, 1989). O número de estabelecimentos com menos de 1 ha é superior a 9% do total de estabelecimentos do. De acordo com o INCRA 49,7% dos estabelecimentos familiares brasileiros estão no Nordeste, desses, apenas 3,4% tem mais de 1 ha, a área média desses estabelecimentos é de 17, ha. Entre os agricultores familiares que são proprietários, muitos possuem menos de 5 ha, o que, na maioria dos casos, inviabiliza sua sustentabilidade econômica. A Região Nordeste é a que apresenta o maior número de minifúndios, com 58,8% de seus estabelecimentos familiares com menos de 5 ha. Entre esses agricultores, a área média é de 1,7 ha, por estabelecimento (INCRA, 2). A Ciência e Tecnologia O DS do depende da ciência, tecnologia, inovação e educação de alto nível, de forma a promover uma transformação efetiva no perfil socioeconômico da região e provê-lhe os meios para ingresso em um novo ciclo de desenvolvimento, próprio das sociedades contemporâneas, baseado na valorização do capital humano e no conhecimento. Qualquer modelo de desenvolvimento científico e tecnológico a ser implantado no, só terá consistência se a educação for fortalecida em todos os níveis. A história mostra que somente os 6 Por exemplo: Sudene, DCS, Banco do Nordeste, Codevasf, CHESF, Fundaj, Instituto do Semi-árido, Embrapa, Universidades. 13

14 países que estruturaram devidamente a sua base educacional -condição essencial para a inovação - alcançaram níveis de desenvolvimento tecnológico de primeiro mundo. A ciência começa com o ensino fundamental e que por isso a educação deve se integrar em todos os níveis com os programas e projetos relacionados com a pesquisa, o desenvolvimento tecnológico e a extensão. No existe um elevado número de analfabetos; um número reduzido de mestres e doutores; número reduzido de cursos de pós-graduação; poucos recursos para a pesquisa; pequena parte da população com curso superior. A distribuição desigual dos recursos federais ao fomento científico dentre as regiões, com acentuado desequilíbrio e concentração da base nacional de C, T & I no Sudeste do País Segundo o Ministério da Educação em 2 o Brasil possuía 1.4 instituições de ensino superior, sendo que 73,4% do total de instituições e alunos matriculados está concentrado nas Regiões Sudeste e Sul. A distribuição regional dos números referentes à pós-graduação também evidencia a concentração no Sudeste de bolsistas de mestrado e doutorado, bem como de professores doutores pertencentes aos programas de pós-graduação, e de concentração de recursos. No que se refere ao número de alunos matriculados em áreas de formação tecnológica a má distribuição é semelhante. Por exemplo, o Nordeste detém apenas 15% do total de alunos matriculados. As dez principais universidades do País que detêm cerca de 53% dos pesquisadores com doutorado e 45% do total de pesquisadores localizam-se nas Regiões Sudeste (seis) e Sul (duas), excetuando-se a UnB e a UFPE. Metade dos investimentos do CNPq em 1998 foram destinados a estas dez principais universidades. Quanto aos dez institutos de pesquisa não universitários mais importantes, também se constata a concentração naquelas mesmas regiões, com aproximadamente 8% dos doutores ali empregados (citado por SICSÚ & BOLANÕ, 27, p. 34). Nas tabelas 6 e 7 são apresentadas, respectivamente, informações sobre o número de pesquisadores e os investimentos do CNPq em bolsas, segundo as regiões e o Brasil, pode-se observar uma concentração na região Sudeste. Tabela 7 Número de Pesquisadores segundo região Anos 2, 22, 24. Fonte: CNPq, 25. Pesquisadores Região Sul Sudeste CentroOeste Norte Nordeste Brasil

15 Nº Pesquisadores (P) Tabela 8 - Investimentos do CNPq em bolsas por região (R$ mil) Investimentos em Bolsas do País (R$ mil) Região Sul Sudeste Centro-Oeste Norte Nordeste Brasil Fonte: CNPq, 25. R$ m il Para diminuir as desigualdades regionais no País é essencial uma política de C&T regionalizada. É preciso investir na geração, incorporação e difusão do conhecimento. A geração e a difusão do conhecimento tem como conseqüência prática o estabelecimento da cidadania, a restauração da dignidade dos cidadãos e criação de condições para que a população possa desfrutar de uma qualidade de vida decente. É necessária e urgente uma política de ciência e tecnologia para o em particular, centrada num intenso processo de capacitação das diversas instituições, com pessoal especializado e infraestrutura laboratorial, de tal modo que se possa pôr em prática, de imediato, a execução de programas de pesquisas voltados para o apoio às cadeias produtivas existentes na região e atividades vocacionadas em cada Estado. É fundamental a formação e treinamento da mão-de- 15

16 obra regional a fim de atender às demandas da sociedade. Deve estimular a participação da iniciativa privada nos investimentos e promover a desconcentração geográfica de CT&I (Cência, Tecnologia e Inovação). Desigualdade Abordando o tema das desigualdades, Jean-Jacques Rousseau, em sua obra Discurso Sobre a Origem da Desigualdade, escrita em 1753, afirmou que: é manifestamente contra a lei de natureza, de qualquer maneira que a definamos, que uma criança mande num velho, que um imbecil conduza um homem sábio, ou que um punhado de pessoas nade no supérfluo, enquanto à multidão esfomeada falta o necessário. A Comisão Mundial Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento considera a desigualdade entre os povos a como o maior problema ambiental da Terra; é também seu maior problema de desenvolvimento (CMMAD, 1988, p. 6) e quando os ecossistemas se aproximam de seus limites ecológicos a tendência é de agravamento das desigualdades. No Brasil, as grandes desigualdades regionais, principalmente em relação ao constitui-se num dos grandes entraves ao seu desenvolvimento. Faz parte do nosso senso comum a afirmação de que o Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. Portanto, torna-se cada vez mais urgente a implementação de políticas que possam reverter esse quadro, sob pena de comprometer a consolidação da democracia no Brasil. O problema regional espelha e responde por boa parte dos obstáculos para a superação do subdesenvolvimento brasileiro (GALVÃO, 26, p.2). No Brasil, as desigualdades regionais constituem um fator de entrave ao processo de desenvolvimento e possuem aguda expressão regional. Enquanto algumas áreas dinâmicas se destacam, outras são condenadas à estagnação econômica. Com isso, acentuam-se as desigualdades sociais e regionais e desencadeiam-se fluxos migratórios rumo às regiões dinâmicas, o que acirra conflitos sociais e intensifica as pressões sobre as políticas sociais e o planejamento (PNDR, p. 6). O Brasil possui uma característica singular, que intriga qualquer analista social. Não há no mundo outro país de nível de renda e qualidade de vida assemelhada que apresente tamanhas desigualdades (GALVÃO, 26). De acordo com o índice de Gini - é utilizado para medir a desigualdade social - o Brasil tem um dos piores índices do mundo cerca de,59, sendo superado apenas por alguns países como o Haiti, Serra Leoa, Botswana, Leshoto e Namíbia. A Constituição de 1988 já determinava a redução das desigualdades regionais como um dos objetivos fundamentais do Brasil, fato esse que se consolida no enunciado do PPA , que eleva o tema da redução das desigualdades regionais brasileiras a um dos mega-objetivos do Plano Plurianual vigente. 16

17 NCLUSÃO Baseado nos indicadores apresentados, pode-se concluir que as desigualdades em relação às condições de vida estão concentradas na região Semi-árida e, apesar das melhorias verificadas na última década, elas foram insuficientes para reduzir, de forma significativa, as disparidades em relação às demais regiões do País. O que constitui num dos grandes entraves ao desenvolvimento do. Apesar da importância do desenvolvimento de indicadores de sustentabilidade para a viabilização do desenvolvimento sustentável, ainda há uma grande carência de informações, principalmente, relacionadas ao, daí a necessidade de mais estudos para uma melhor compreensão da região. Para a melhoria desses indicadores no é essencial a implantação de políticas adequadas que possam criar uma economia resistente às secas e reestruturar a sua economia agrária, de forma que possa gerar emprego e renda e melhorar as condições de vida, em caráter permanente, na região. Também são muito importantes os programas governamentais de transferências de renda, para que possam reduzir as desigualdades de renda e assegurar o acesso às condições básicas para uma vida decente e investimentos no sistema educacional para que possa garantir o acesso à educação de boa qualidade e contextualizada com o Semi-árido, sobretudo para os mais pobres. O avanço conquistado pelos movimentos dos trabalhadores rurais sem terras, o aumento da participação política por parte da sociedade civil, o aumento da consciência por uma gestão equilibrada dos recursos naturais, notadamente, dos recursos hídricos, dão sinais de esperança de que mudanças efetivas estão se conformando. Uma estratégia de DS para o SAN tem como ponto central a percepção do meio ambiente regional a partir dos interesses diretos das populações locais. Nesse contexto, em condições de pobreza que impera em grande parte na área rural e urbana da região, um conceito-chave para abordar os problemas ambientais dessa região é o atendimento das necessidades básicas das populações, principalmente dos mais pobres. Aqui se trata de dar atenção aos problemas relacionadas à moradia, alimentação, saúde, saneamento, educação, entre outros. É importante que se pense o semi-árido de forma permanente, com uma integração entre a sociedade e a natureza e não se deixando para enfrentar os problemas apenas nos períodos de seca, quando as ações emergenciais substituem a visão permanente dos problemas a serem solucionados. São necessárias medidas preventivas, não de caráter emergencial. Estes requisitos somente serão atendidos com a implantação de vigorosas políticas públicas, desenhadas e implementadas, focalizando os interesses da população local. 17

18 BIBLIOGRAFIA AB ER, Aziz Nacib. Nordeste sertanejo: a região semi-árida mais povoada do mundo. Estudos avançados, Universidade de São Paulo, Instituto de Estudos Avançados, maio/ago. 1999, vol. 13, nº 36, p (Dossiê Nordeste Seco). ASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Recursos Hídricos. Programa de ação nacional de combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca: PAN-ASIL. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 24. ASIL, Ministério da Integração Nacional, Secretaria de Políticas de Desenvolvimento Regional, GTI Grupo de Trabalho Interministerial para Recriação da Sudene. Oficina do Semi-Árido: contribuição da Nova Sudene para o desenvolvimento da região Semi-Árida do Nordeste. mimeo. Disponível em Acesso em 1 Nov 23. ITO, Fausto. O deslocamento da população brasileira para as metrópoles. Estud. av., São Paulo, v. 2, n. 57, 26. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 2 Nov 27. CARVALHO, Otamar de; EGLER, Claudio A. G. Alternativas de desenvolvimento para o Nordeste semi-árido. Fortaleza: CE, Banco do Nordeste do Brasil, 23. CMMAD, Comissao Mundial Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. Rio de janeiro: Fundação Getúlio Vargas, p CNPq. Estatísticas e Indicadores da Pesquisa no Brasil segundo Regiões Geográficas Elaboração: CNPq/Assessoria de Estatísticas e Informação, ago/set/25. Brasília- DF, Disponível em: Acesso em: 3 Mar 28. DUQUE, José Guimarães. Solo e água no polígono das secas. 6ª ed. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 24. FURTADO, Celso. A Fantasia Desfeita. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 3 ed GALVÃO, A. C. F. A Política Brasileira de Desenvolvimento Regional e Ordenamento Territorial. Brasília, 26. GUIMARÃES, José Ribeiro Soares; JANNUZZI, Paulo de Martino. Indicadores sintéticos no processo de formulação e avaliação e políticas públicas: limites e legitimidades. Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP. Caxambu-MG. Set 24. IBARRA, Antônio. E. R. Estudo sobre as metodologias para estimação da pobreza no Brasil: f..dissertação (Mestrado em Sociologia) Universidade de Brasília, Brasília, 23. INCRA. Novo retrato da agricultura familiar: O Brasil redescoberto. Brasília: INCRA, 2. PNDR. Política Nacional de Desenvolvimento Regional Sumário Executivo. Brasília-DF. Disponível em: Acesso em: 15 Out 27. PNUD; IPEA e Fundação João Pinheiro. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Brasília: PNUD, 23. CD-ROM.. ROCHA, Sônia M. R. Pobreza no Nordeste: A década de 199 vista de perto. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 34, n. 1, jan-mar

19 ROUSAU, Jean-Jacques. Discurso Sobre a Origem da Desigualdade. Disponível em: culturabrasil.pro.br/origemdadesigualdade.htm. Acesso em: 22 de outubro de 24. SACHS, Ignacy. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 24; 152p. SICSÚ, Abraham; BOLANÕ, César R. S. Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Regional. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional. Taubaté-SP, v. 3, n.1, p. 23-5, janabr/27. Disponível em: Acesso em 18 Out 27. STEIR, João E.. Conhecimento: gargalos para um Brasil no futuro. Estud. av., São Paulo, v. 2, n. 56, 26. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 2 Nov 27. UNICEF. Situação Mundial da Infância 25. Disponível em: <http://www.unicef.org/brazil/sowc5/cap2.htm>. Acesso em 31 jan 25. VAN BELLEN, Hans Michael. Desenvolvimento sustentável: uma descrição das principais ferramentas de avaliação. Ambiente & sociedade, Campinas, v. 7, n. 1, 24. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=s x2415&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 2 Set

20 AXO I - Mapa da Região Semi-árida brasileira Fonte: Ministério da Integração Nacional-MI. Relatório final do Grupo de Trabalho Interministerial para redelimitação do semi-árido nordestino e do polígono das secas. Brasília: março, 25. 2

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA Silvio A. F. Cario Prof. dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Economia e Administração da Universidade

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 1 PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 08H ÀS 09H 09H ÀS 09:H30 09H30 ÀS 10H 10H ÀS 10:15 10H15 ÀS 12H 12H ÀS 13H 13H ÀS 13H30 CREDENCIAMENTO ABERTURA DO EVENTO CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS Painel 3 A Importância da Integração das Estatísticas Oficiais Paulo de Martino Jannuzzi IDH Data: 14 e 15 de abril de 2014. 1 Limitações

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Feagri/UNICAMP Fórum: Combate à Pobreza e Segurança Alimentar

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção Índice de Gini e IDH Prof. Antonio Carlos Assumpção Redução da pobreza e Desigualdade de Renda Redução da pobreza e Desigualdade de Renda A partir da estabilização da economia, em 1994, houve no Brasil

Leia mais

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população.

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população. RESULTADOS O Espírito Santo que se deseja em 2015 é um Estado referência para o País, na geração de emprego e renda na sua indústria, com conseqüente eliminação das desigualdades entre os municípios capixabas.

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS Plano Nacional de Educação COORDENAÇÃO GERAL DE INTEGRAÇÃO E ANÁLISE DE INFORMAÇÕES Departamento de Condicionalidades x Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e

Leia mais

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010 ATLAS de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil 1991 a 2010 Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde Representação no Brasil Atlas de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sistemas de Saúde Comparados Conformação dos sistemas de saúde é determinada por complexa interação entre elementos históricos, econômicos, políticos e

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ REUNIÃO DA EXECUTIVA ESTADUAL RESOLUÇÃO PT CEARÁ: DIRETRIZES PARA O MODO PETISTA DE GOVERNAR O CEARÁ Após 32 (trinta e dois) anos da primeira disputa ao governo do estado, com a candidatura do inesquecível

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) Brasília, agosto de 2006 Entre 2001 e 2004 a

Leia mais

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Brasília, Dezembro de 2015 Exma. Sra. Dilma Rousseff Presidente da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto Gabinete da Presidência Praça dos Três Poderes, Brasília - DF, 70150-900. REF: As pautas

Leia mais

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL Argileu Martins da Silva Diretor do Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretário Adjunto de Agricultura Familiar SAF A EDUCAÇÃO

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais