ANÁLISE ESPACIAL: UM ESTUDO SOBRE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE ESPACIAL: UM ESTUDO SOBRE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ"

Transcrição

1 XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ESPACIAL: UM ESTUDO SOBRE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ Julio Francisco Barros Neto (UFC) João Welliandre Carneiro Alexandre (UFC) Silvia Maria de Freitas (UFC) Tiago Maia Magalhãies (UFC) A evolução dos Sistemas de Informações Geográficas possibilitou sua crescente utilização como ferramenta de auxílio à análise espacial, tornando possível avaliar cenários geográficos com rapidez e conseqüentemente tornar mais ágil a tomada de decisão tanto em nível governamental como no gerenciamento de uma empresa. O desenvolvimento regional, até então caracterizado como uma região evolui, é agora visto como relação de interdependência espacial entre regiões, na qual atributos são correlacionados por grau de vizinhança ou proximidade. Assim, neste trabalho, apresentam-se algumas características socioeconômicas dos municípios do estado do Ceará que determinam o desenvolvimento regional, associando técnicas análise espacial a fim de mensurar de o nível de dependência geográfica. Palavras-chaves: análise espacial, desenvolvimento regional, dependência geográfica

2 1. INTRODUÇÃO Ao se estudar o desenvolvimento regional, muito além de se dizer que uma região é desenvolvida, é muito mais importante dizer que esse desenvolvimento é igualmente distribuído entre todos os seus municípios. Para se ter uma melhor visão desse desenvolvimento é importante saber se apenas um município é responsável por esse nível ser alto, ou baixo, ou se é igualmente distribuído entre todos. Um índice muito utilizado para se mensurar o desenvolvimento de uma região é o IDH - Índice de Desenvolvimento Humano que mede o nível de desenvolvimento humano dos países, e que hoje também pode ser aplicado em municípios, utilizando como critérios indicadores de educação (alfabetização e taxa de matrícula), longevidade (esperança de vida ao nascer) e a renda (PIB per capita), conhecido como IDH-M. De forma mais direta, o IDH varia de zero até um, sendo que quanto mais próximo de um for o índice de uma região maior é seu desenvolvimento humano. Anteriormente, tinha-se a idéia de que o crescimento econômico era o único fator gerador do desenvolvimento. Hoje, ganhou espaço a idéia de promover o bem-estar social de um determinado local ou região, a partir de uma estrutura em que a participação da sociedade civil, em conjunto com os governos federal, estadual e municipal, seria responsável por identificar o potencial produtivo da comunidade e criar condições melhores de vida. O IDH-M pode servir como um sinal de alerta para uma sociedade que pretende combater a miséria do país e promover o progresso nas áreas sociais. Mas o mapa da pobreza é apenas um indicador de algumas manifestações importantes, mas insuficientes, diz o professor Jara (1998). Segundo ele, é preciso olhar o verdadeiro significado da pobreza como um fenômeno também cultural, gravado na subjetividade das pessoas. Carlos Jara ainda relata ou se continua caminhando na mesma rota de crescimento indiscriminado isento de qualquer qualificação até destruir nosso sistema de apoio natural, ou se muda o caminho do desenvolvimento." Neste trabalho é abordado o desenvolvimento regional, de uma forma diferente, utilizando as técnicas de analise espacial. As regiões de estudo foram os municípios do estado do Ceará. Além de se observar as regiões, em função de suas características integrantes de indicadores socioeconômicos, tenta-se encontrar a existência de alguma relação entre elas, talvez até como um fator que explique ou não, o desenvolvimento no local. 2. SIG E ANÁLISE ESPACIAL O termo Sistemas de Informações Geográficas SIGs é utilizado para caracterizar sistemas computacionais que tratam dados com características espaciais, ou seja, manipulam banco de dados geograficamente referenciados. Em um contexto mais amplo, os SIGs permitem capturar, modelar, recuperar, manipular, consultar, apresentar e analisar bases de dados conectadas a informações geográficas. Os SIGs são importantes instrumentos de análise espacial. Através deles é possível espacializar um fenômeno, e, com o auxílio de uma série de técnicas, determinar a sua evolução espacial e temporal, bem como a sua relação com fenômenos diferentes. Análise espacial é qualquer processo de apresentação, manipulação, análise, inferência e estimação de dados espaciais. Dados espaciais, resumidamente, é qualquer tipo de dado que possa ser apresentado na forma de um mapa. BAILEY (1995) define a analise espacial como 2

3 uma ferramenta que possibilita manipular dados espaciais de diferentes formas e extrair conhecimento adicional como resposta. Incluindo funções básicas como consulta de informações espaciais dentro de áreas de interesse definidas, manipulação de mapas e a produção de alguns breves sumários estatísticos dessa informação; incorporando também funções como a investigação de padrões e relacionamentos dos dados na região de interesse, buscando, assim, um melhor entendimento do fenômeno e a possibilidade de se fazer predições. Os dados geográficos (ou georreferenciados) são dados espaciais cuja dimensão espacial está associada à sua localização na superfície da terra, em um determinado instante. Segundo BERTINI (2003) as entidades geográficas estão no espaço geográfico e são objetos identificáveis no mundo real, com características espaciais e relacionamentos espaciais com outras entidades geográficas. O dado espacial descreve fenômenos associados a dimensões espaciais. A representação espacial de um objeto geográfico é a descrição de sua forma geométrica associada à posição geográfica. Os dados geográficos possuem três características importantes: Espaciais: informam a geometria e posição geográfica do fenômeno; Nãoespaciais: descrevem o fenômeno; Temporais: informam o período de validade dos dados geográficos e suas variações no tempo. O processo da análise espacial segundo CÂMARA et al. (2002) compreende um conjunto de procedimentos encadeados cuja finalidade é a escolha de um modelo inferencial que considere explicitamente o relacionamento espacial presente no fenômeno. Os procedimentos iniciais da análise incluem o conjunto de métodos genéricos de análise exploratória e a visualização dos dados, em geral através de mapas. Essas técnicas permitem descrever a distribuição das variáveis de estudo, identificar observações atípicas não só em relação ao tipo de distribuição, mas também em relação aos vizinhos e buscar a existência de padrões na distribuição espacial. Através desses procedimentos é possível estabelecer hipóteses sobre as observações, de forma a selecionar o modelo inferencial melhor suportado pelos dados. A análise espacial pode ser dividida em Seleção, Manipulação, Análise Exploratória e Confirmatória. Essas quatro distinções são assim descritas: Seleção: compreende os processos de navegação num Banco de Dados Geográficos, realizando consultas e apresentando mapas cloropléticos simples; Manipulação: envolve todas as funções que criam dados espaciais. Nesta etapa, é que será utilizada Álgebra de Mapas em Geoprocessamento, ampliando a capacidade de análise e correlações; Análise Exploratória: permite descrever e visualizar distribuições espaciais, descobrir padrões de associação espacial (aglomerados espaciais), sugerir a existência de instabilidades espaciais (não-estacionariedade) e identificar observações atípicas (outiliers). Essas técnicas, quando aplicadas a dados espaciais, são essenciais ao desenvolvimento das etapas da modelagem estatística espacial, em geral, muito sensível ao tipo de distribuição, à presença de valores extremos e à ausência de estacionariedade; Análise Confirmatória: envolve o conjunto de modelos de estimação e procedimentos de validação, necessários para implementar análises multivariada com componentes espaciais. O objetivo das técnicas de análise espacial é descrever os padrões existentes nos dados espaciais e estabelecer, preferencialmente de forma quantitativa, os relacionamentos entre as 3

4 diferentes variáveis geográficas. A análise exploratória espacial nos permite descrever e visualizar distribuições de dados espaciais, descobrir padrões de associação espacial, bem como identificar nos fenômenos, outros tipos de comportamento considerados atípicos. A estatística espacial é uma das vertentes principais da análise espacial, abrangendo todo o ferramental matemático destinado a fornecer ao planejador a capacidade de estabelecer critérios quantitativos de agrupamento ou dispersão dos dados espaciais, determinando o grau de dependência espacial entre as observações. A técnica da estatística espacial nasce da necessidade de quantificação da dependência espacial presente num conjunto de geodados, distinguindo-se das demais técnicas empregadas em análise estatística por considerar explicitamente as coordenadas dos dados no processo de coleta, descrição ou análise. Na estatística espacial, a correlação pode ser entendida como a tendência a que o valor de uma ou mais variáveis associadas a uma determinada localização assemelhe-se mais aos valores de suas observações vizinhas do que ao restante das localizações do conjunto amostral. Ela também pode ser denominada autocorrelação, quando medir o grau de influência que uma dada variável tem sobre si mesma. Se a ocorrência de um dado evento influencia para que outros semelhantes aconteçam ao seu redor, tem-se autocorrelação positiva, ou atração, o que implica em uma distribuição aglomerada de eventos. Se a ocorrência deste mesmo evento dificulta ou impede a ocorrência de outros em seu entorno, tem-se autocorrelação negativa, ou repulsão, resultando em uma distribuição aproximadamente eqüidistante dos eventos (QUEIROZ, 2003). As estatísticas locais e globais objetivam caracterizar a distribuição relativa dos eventos observados no espaço, ou seja, o arranjo espacial destes eventos. Esta caracterização objetiva detectar padrões de aglomerados espaciais, verificando se os eventos observados apresentam algum tipo de padrão sistemático, ao invés de estarem distribuídos aleatoriamente. Estas duas estatísticas diferenciam-se pela unidade de análise, sendo que as globais consideram todas as observações, e as locais, apenas os eventos que ocorrem até uma distância considerada significativa, conforme o critério usado Ferramentas de análise de dados em área Dentre as ferramentas disponíveis de análise de dados em área, algumas delas foram selecionadas por permitirem uma caracterização espacial sistêmica sobre a ocorrência de determinado fenômeno espacial Visualização dos dados A visualização de dados consiste em apresentar a distribuição dos atributos por área usando mapas temáticos, verificando como cada um destes atributos influencia os demais e estimando relações de causa e efeito. Vários mapas temáticos podem ser feitos, modificando o limite e a quantidade de classes para obter uma visão geral da distribuição dos atributos. Esta variação pode ser feita manualmente ou usando as ferramentas de geração de mapas disponíveis nos pacotes computacionais de SIG, que oferecem diversas opções de mapas temáticos. Deve-se observar também que os diferentes tipos de mapas gerados induzem a visualização de diferentes aspectos, tendo cada um, características específicas Média espacial móvel Em análise espacial, a média móvel objetiva identificar padrões e tendências espaciais, produzindo uma superfície menos descontínua (mais suave) que os dados originais, ou seja, se uma área tem atributo reduzido/elevado e os seus vizinhos tem atributos elevados/reduzidos, ela tenderá a elevar/reduzir o valor desta área. Esta medida também pode apresentar 4

5 indicações de locais de transição entre regimes espaciais. Considerando a matriz de proximidade espacial W, a estimativa desta média pode ser expressa pela Equação 2.1. (2.1) Onde: z i : diferença entre o valor do atributo no local i e a média de todos os atributos; w ij : pesos atribuídos conforme a relação topológica entre os locais i e j. A matriz de proximidade poder ser definida com pesos do tipo 0 ou 1, o valor 1 atribuido a w ij indique que as regiões i e j são vizinhas (adjacentes), e 0 caso contrário Índice Global de Moran (IGM) As estatísticas de autocorrelação espacial global possuem como objetivo caracterizar a dependência espacial mostrando como os valores estão correlacionados no espaço, fornecendo uma medida geral da associação espacial. O índice global de Moran (IGM) é um dos indicadores que realizam esta função, sendo calculado pela Equação 2.2. (2.2) Onde: n: quantidade de áreas; z i : diferença entre o valor do atributo no local i e a média de todos os atributos; z j : diferença entre o valor do atributo dos vizinhos do local i e a média de todos os atributos; w ij : pesos atribuídos conforme a relação topológica entre os locais i e j. O índice global de Moran compara a distribuição observada do atributo em relação a distribuição esperada num padrão aleatório. A hipótese nula é a de completa aleatoriedade espacial, quando o atributo se distribui ao acaso entre as áreas, sem relação com a posição. De uma forma geral, embora isto não seja estritamente verdadeiro, este índice tende a ter valores entre -1 e +1, quantificando o grau de autocorrelação existente, sendo positivo para correlação direta e negativo quando inversa (CARVALHO, 1997 apud QUEIROZ, 2003). Valores próximos de zero indicam a inexistência de autocorrelação espacial significativa entre os valores dos objetos e seus vizinhos. Valores positivos para o índice indicam autocorrelação espacial positiva, ou seja, o valor do atributo de um objeto tende a ser semelhante aos valores dos seus vizinhos. Valores negativos para o índice indicam autocorrelação espacial negativa Índice Local de Moran (ILM) Os indicadores locais produzem um valor específico para cada área, permitindo a identificação de agrupamentos (clusters), de valores extremos (outliers) e a existência de vários regimes espaciais, que não são identificados pelo cálculo dos indicadores de associação espacial global, conforme apresentado pela Equação

6 (2.3) Onde: z i : diferença entre o valor do atributo no local i e a média de todos os atributos; z j : diferença entre o valor do atributo dos vizinhos do local i e a média de todos os atributos; w ij : pesos atribuídos conforme a relação topológica entre os locais i e j. A autocorrelação do índice local de Moran é calculada a partir do produto dos desvios em relação à média, como uma medida de covariância. Dessa forma, valores significativamente altos indicam altas probabilidades de que haja locais de associação espacial, tanto de polígonos com altos valores associados, como com baixos valores associados. Por outro lado, baixos valores apontam para um padrão que pode ser entendido como locais de comportamento mais errático da variável observada entre um polígono e seus vizinhos (QUEIROZ, 2003) Diagrama de Espalhamento de Moran (DEM) Diagrama de Espalhamento de Moran (DEM) foi proposto por ANSELIN (1992) como uma forma adicional de se visualizar a dependência espacial dos dados e consiste na construção de um gráfico bidimensional de Z (valores normalizados) por WZ (média dos vizinhos) que permite analisar o comportamento da variabilidade espacial, indicando os diferentes regimes espaciais de associação presentes nos dados, através da comparação dos valores normalizados do atributo numa área com média dos valores normalizados dos seus vizinhos. A variabilidade espacial é representada no gráfico por quatro quadrantes (figura 2.1.) que indicam tanto pontos de associação espacial positiva, onde os valores dos vizinhos são semelhantes ao valor do local (Q1: valores positivos, médias positivas; e Q2: valores negativos, médias negativas), como pontos de associação espacial negativa, os vizinhos possuem valores distintos do valor local (Q3: valores positivos, médias negativas; e Q4: valores negativos, médias positivas). Elementos de WZ Q 4 1 Q 1 1 a IGM= tang(a) : Indice de Moran Elementos de Z Q 2 Q 3 Figura 2.1. Gráfico 1 do Diagrama 1 de Espalhamento de Moran A análise do diagrama de espalhamento de Moran permite identificar a presença de valores extremos, ou outiliers, os quais não seguem o mesmo processo de dependência espacial que a maioria das outras observações. Esses valores são identificados no diagrama como sendo os pontos extremos em relação à tendência central, refletida pela inclinação da regressão, ou como pontos cujos valores estão acima de dois desvios padrões da média. Geralmente esses 6

7 pontos se localizam nos quadrantes Q3 e Q4 e indicam regimes de transição espacial entre regimes espaciais distintos. O DEM também pode ser apresentado na forma de um mapa temático bidimensional, conhecido como Box Map, no qual cada polígono é apresentado indicando-se seu quadrante no diagrama de espalhamento. Outro tipo de mapa que pode ser elaborado é o Moran Map, que classifica em quatro grupos somente os objetos para os quais os valores do índice local de Moran foram considerados significantes, conforme o quadrante aos quais pertencem no gráfico de espalhamento de Moran. Os demais objetos ficam classificados como "sem significância". O Lisa Map é um mapa no qual os valores do Índice Local de Moran são classificados em quatro grupos: não significante, com significância de 95% (classe 1), 99% (classe 2) e 99,9% (classe 3). 3. REGIÃO DE ANÁLISE E DADOS Neste trabalho é caracterizado espacialmente os municípios do Estado Ceará segundo indicadores socioeconômicos na perspectiva de se verificar alguma relação espacial no desenvolvimento regional e econômico, através do uso dos sistemas de informações geográficas e da análise espacial. A analise de dados será feito por área, no caso, cada município será uma unidade de análise. Uma desagregação maior que essa, por exemplo, seria dividir o município em zona rural e zona urbana, que seria melhor abordado a partir de um estudo individual de cada município. O índice escolhido para se avaliar o desenvolvimento regional foi o IDH - Índice de Desenvolvimento Humano. O IDH mede o nível de desenvolvimento humano dos países utilizando como critérios indicadores de educação (alfabetização e taxa de matrícula), longevidade (esperança de vida ao nascer) e renda (PIB per capita). O índice varia de zero (nenhum desenvolvimento humano) a um (desenvolvimento humano total). Países com IDH até 0,499 têm desenvolvimento humano considerado baixo, os países com índices entre 0,500 e 0,799 são considerados de médio desenvolvimento humano e países com IDH superior a 0,800 têm desenvolvimento humano considerado alto. Para a avaliação da educação, o cálculo do IDH municipal (IDH-M) considera dois indicadores com pesos diferentes. A taxa de alfabetização de pessoas acima de 15 anos de idade tem peso dois, e a taxa bruta de freqüência à escola peso um. O segundo indicador é resultado de um somatório de pessoas que freqüentam os cursos fundamental, secundário e superior é dividido pela população na faixa etária de 7 a 22 anos da localidade. Para a avaliação da dimensão longevidade, o IDH-M considera a esperança de vida ao nascer. Esse indicador mostra o número médio de anos que uma pessoa nascida naquela localidade no ano de referência deve viver. Para a avaliação da dimensão renda, o critério usado é a renda municipal per capita, ou seja, a renda média de cada residente no município. Ficou definido que o IDH-M seria a variável de interesse e também, as variáveis que a compõem: expectativa de vida ao nascer, renda per capta, freqüência escolar, taxa de alfabetização e também o índice de desenvolvimento educacional (idh educacional). Para um estudo mais detalhado. Os dados foram retirados do IPEA Instituto de Pesquisa Econômico Aplicada e pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística serão analisados espacialmente. 7

8 Na parte da análise exploratória foram feito mapas temáticos para cada variável, a fim de observar, se existia alguma distribuição espacial, algum aglomerado ou algum valor discrepante. 4. ANÁLISE DOS DADOS Para se fazer os gráficos, os mapas e os cálculos foi o utilizado o software Geoda i, de autoria de Luc Anselin Mapas temáticos Para muitos a análise espacial se restringe apenas, na construção de mapas temáticos para as variáveis de interesse em um determinado estudo. Serão apresentados a seguir os mapas temáticos referentes aos indicadores que compõem o IDH-M, a fim de que se possa conhecêlos melhor e se realizar algumas análises. Sobre a renda per capta, a capital Fortaleza está na classe que contém os municípios com as maiores rendas (região metropolitana de Fortaleza). Também estão incluídas nessa classe Sobral, Juazeiro do Norte, Crato e Iguatu. Dentre os municípios que estão na classe mais baixa tem-se como exemplo Croata e Aiuba. Sobre a expectativa de vida, a região leste do estado apresenta os melhores índices, são eles: Russas, Limoeiro do Norte e São Jorge do Jaguaribe. Pode-se citar que Barroquinha, Chaval, Croatá, Umari e Baixio foram os municípios que obtiveram os menores valores de expectativa de vida. Os municípios de Apuiarés, Catunda e Jardim apresentam as maiores taxa de freqüência escolar (92,96%), já capital do Estado, Fortaleza, está na média de freqüência escolar. Itapajé e Granja foram os municípios que apresentaram as menores freqüências. Sobre a taxa de alfabetização, os municípios que tinham os maiores índices de freqüência escolar estão apenas entorno da média estadual. E os municípios Fortaleza, Caucaia e Crato estão entre os que apresentaram as maiores taxa de alfabetização. O município de Granja continua como exemplo negativo, apresentando também um índice baixo em relação aos outros. Quando se analisa o IDH Educacional, verifica-se este índice apresentou as mesmas características quando comparado com a taxa de alfabetização. O que era de se esperar, uma vez que, a taxa de alfabetização tem peso dois na construção do índice. Por fim, referente ao IDH-M, entre os municípios que apresentaram os maiores índices de desenvolvimento está Limoeiro do Norte, pelas análises anteriores, pode-se supor que tenha sido o fato deste município apresentar uma das maiores expectativa vida. O mesmo acontece com os municípios Fortaleza e Crato. E a cidade de Granja deixou claro que precisa de uma atenção maior dos dirigentes, já que se apresentou entre os piores resultados. Apesar de os mapas temáticos não serem realmente uma análise espacial, eles são muito úteis para facilitar a visualização dos dados, tornando de fácil entendimento para quem não é da área e também para quem não é acostumado com os gráficos convencionais Análise Confirmatória Para o estudo da analise confirmatória foi usada técnica de referente ao Diagrama de Espalhamento de Moran (DEM) para as diversas variáveis e que apresentaram as seguintes análises Renda per Capta 8

9 Como foi visto anteriormente, Fortaleza possui uma das maiores renda per capta do Estado, e pode-se verificar agora que ela sofre, e também influencia seus vizinhos, como por exemplo, Caucaia e Aquiraz. O mesmo ocorre com alguns dos municípios da região leste do Estado (Limoeiro do Norte, Tabuleiro do Norte, por exemplo) e também da região sul. Isto pode ser visto na figura Na região noroeste do Estado, tem-se uma região com uma alta correlação espacial negativa, e que é uma das regiões que contém os municípios com as mais baixas rendas. São exemplos: Acaraú, Chaval e Granja. Pode-se destacar também os municípios de Itapipoca, Tianguá e Campos Sales que pertencem à região Q3, isto é, sua renda per capta aumenta enquanto os dos seus vizinhos diminuem. E de se destacar também o município de Sobral que está na classe dos que possui as maiores rendas, mas não sofre a influência de seus vizinhos. O nível de autocorrelação espacial global dado pelo índice global de Moran (IGM) foi de 0, Expectativa de Vida ao Nascer Em relação à expectativa de vida (figura 4.2.2), a região leste do Estado já havia de destacado pela maior longevidade e a através da análise confirmatória mostra-se que esta região influencia positivamente os seus vizinhos próximos. São exemplos, Quixeré, Limoeiro do Norte e Tabuleiro do Norte. Por outro lado, estão incluídos os municípios de Barroquinha, Chaval e Umari que antes, apresentaram uma das menores expectativas de vida e agora pôde-se verificar que sofrem influência e também influenciam os seus vizinhos de forma negativamente. Nas consideradas regiões de transição, tem-se Antonina do Norte, Lavras da Mangabeira e Cariús que, à medida que as expectativas de vida de seus vizinhos diminuem as desses municípios aumentam. De forma contrária é observado no município de Novo Oriente. O índice global de Moran (IGM) foi de 0, Freqüência Escolar A figura apresenta os resultados da análise sobre a freqüência escolar, que deixam claro a preocupação com a região sudoeste do Estado do Ceará, já que ela se apresentou como sendo a região com as mais baixas taxas de freqüência escolar e que, além disso, ela influencia negativa os seus vizinhos próximos. A autocorrelação espacial de Moran foi de 0,1735, a menor entre as variáveis analisadas. Os municípios de Brejo Santo, Jati e Penaforte, são exemplos dos que influenciam positivamente os seus vizinhos, o que pode justificar os altos índices na região. Nova Russas é um bom objeto de estudo, já que ela pertence a região em que seus índices diminuem a medida em que seus vizinhos aumentam, bastando observar o mapa temático referente a esse indicador, os seus vizinhos apresentam índices maiores do que ela. Os municípios de Camocim e Chaval são exemplos das regiões que tendem a ter seus índices de freqüência escolar aumentar enquanto os dos seus vizinhos decrescem Taxa de alfabetização A região norte do estado concentrou os municípios que tem uma associação espacial positiva com os seus vizinhos, em termo de taxa de alfabetização (figura 4.2.4). São exemplos desses municípios a capital Fortaleza, Caucaia e Aquiraz. O que é bom, já que suas taxas são altas, 9

10 ajudando assim, os seus vizinhos. Nesta variável de estudo o IGM foi de 0,5028, sendo o maior valor obtido entre as seis variáveis estudadas. A região noroeste do estado já se mostrou como uma área preocupante pelos os seus baixos resultados. Mas uma nova região que começa do centro e vai até a parte do sudoeste do estado se mostrou como uma região crítica que, pelo menos nesse quesito, além de ter as menores taxas, influenciam negativamente os seus vizinhos próximos. O município de Quixeré esta numa região de transição na qual a sua taxa decresce enquanto a dos seus vizinhos cresce. Isto explicado pela sua taxa alfabetização ser baixa enquanto os dos seus vizinhos são bem superiores. Os municípios de Camocim, Tianguá e Crateús estão numa região de transição contraria a do município de Quixeré, isto é, as suas taxas de alfabetização aumentam enquanto os dos seus vizinhos decrescem IDH Educacional O IDH Educacional é construído a partir dos indicadores de freqüência escolar e da taxa de alfabetização, atribuindo a esta última, um peso dois. Era de se esperar que se encontrem nas nossas visualizações, certa similiariedade entre elas. Observando a figura a região norte tinha apresentado os municípios com os maiores índices de desenvolvimento educacional e pôde-se observar que ela também contribui com que seus vizinhos, elevando seus índices. Destaca-se o município de São Gonçalo do Amarante que embora pertencente a essa região, não tenha índice tão elevados quanto dos outros componentes. Um fato preocupante é que o Estado do Ceará apresentou muitos municípios que estão numa região de autocorrelação espacial negativa. São exemplos: Granja, Tianguá, Tauá, Aiuaba e Campos Sales. Camocim, Crateús e Iguatu conseguem se sobressair nessa região, uma vez que, seus índices crescem enquanto os dos seus vizinhos caiem. Enquanto o contrário é verificando com o município de Jaguaruana. O IGM desta variável foi de 0, IDH-M Em termos de IDH-M (figura 4.2.6), a região norte do Estado do Ceará foi uma região que sempre apresentou os melhores índices, não tendo sido surpresa que ela tenha os melhores índices de desenvolvimento humano no Estado. Mas, o mais importante é que ela tem uma correlação espacial positiva com seus vizinhos, o que contribui para que os seus vizinhos possam também se desenvolver. Este fenômeno também foi observado para região leste do estado, onde estão, por exemplo, os municípios de Limoeiro do Norte, Quixeré e Tabuleiro do Norte. A região noroeste do estado é a região que carece de mais atenção, pois além de apresentar os piores índices, ela tem uma influencia negativa sobre os seus vizinhos próximos. Infelizmente ela não é a única, a região sudoeste também sofre do mesmo problema. Chaval, Granja, Barroquinha, Potengi e Araripe, são exemplos dos municípios contidos nessa região. Há também municípios que se destacaram por não seguir o padrão existente nos seus vizinhos. Cariré tende a ter seus índices diminuídos quando os dos seus vizinhos aumentam. Já nos municípios de Campos Sales, Lavras das Mangabeiras e Tianguá acontece o contrário. O IGM desta variável foi de 0, CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS 10

11 A Análise Espacial é uma ferramenta que vem sendo atualmente bastante difundida e utilizada, permitindo que conclusões acerca de fenômenos diversos possam ser fundamentadas teoricamente, não se limitando a construção de simples mapas temáticos. Talvez uma das maiores dificuldades para a aplicação destas ferramentas seja a ausência de domínio dos conceitos de análise espacial e a não disponibilidade das ferramentas de análise espacial com técnicas mais robustas inseridas em pacotes comerciais de SIG. Neste trabalho pôde-se verificar a importância da análise espacial, mesmo nos seus recursos mais simples (a visualização dos dados espacialmente facilita bastante o estudo, permitindo facilmente a percepção de onde estão as regiões mais pobres, mais ricas, etc). Também fica explícito para quem não é da área, mesmo com os mapas temáticos, a visualização das informações e de suas possíveis correlações. Com a análise espacial propriamente dita podese explicar, por exemplo, como uma determinada região apresenta índices ruins, enquanto que seus vizinhos possuem índices elevados. Já em termo de análise dos índices, é importante que se tome providências com os municípios que apresentaram os piores índices como, por exemplo, os municípios de Araripe e Granja, entre outros. Bem como, deve-se tomar como exemplo os municípios como Barbalha e Limoeiro do Norte que, mesmo estando longe da região metropolitana, apresentaram índices bastante satisfatórios, influenciando positivamente seus vizinhos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACIOLI, Patrícia. Revista Sebrae - Crescimento Regional. Disponível em: Acesso em: 04/06/2007. ANSELIN, Luc. Spacestat User s Guide. University of Illinois, Urbana - Champaign. Urbana, EUA, Disponível em: Acesso em: 18/06/2005. BAILEY, T. C. e GATRELL, A. C. Interactive Spatial Data Analysis. Longman, Londres, Inglaterra, BERTINI, G. C. (2003) Uma modelagem orientada a objeto para o mapa urbano básico de Belo Horizonte (MUB/BH), Monografia de Especialização, Pontifica Universidade Católica de Minas Gerais. CÂMARA, G. e CARVALHO, M. S. Análise de Eventos Pontuais. In: Fuks, S., 2000 D.; M. S. Carvalho; G. Câmara; A. M. V. Monteiro (eds.). Análise Espacial de Dados Geográficos. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Divisão de Processamento de Imagens, São José dos Campos, São Paulo. Disponível em: em 12/03/2005. CÂMARA, G. eti alli (ed); Geoprocessamento teoria e aplicação, Obtido em em 12/03/2005. CÂMARA, G.; A. M. V. MONTEIRO; S. DRUCK e M. S. CARVALHO. Análise Espacial e Geoprocessamento. In: Fuks, S. D.; M. S. Carvalho; G. Câmara; A. M. V. Monteiro (eds.), Análise Espacial de Dados Geográficos. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Divisão de Processamento de Imagens, São José dos Campos, São Paulo, Disponível em: em 18/03/2005. CHOU, Y. H. Exploring Spatial Analysis in Geographical Information Systems. On World Press, Santa Fe, EUA,

12 HENRIQUE, C. S. Diagnóstico Espacial da Mobilidade e da Acessibilidade dos Usuários do Sistema Integrado de Transporte de Fortaleza. Dissertação de Mestrado, Programa de Mestrado em Engenharia de Transportes, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, fl. QUEIROZ, M. P. Análise Espacial dos Acidentes de Trânsito do Município de Fortaleza. Dissertação de Mestrado, Programa de Mestrado em Engenharia de Transportes, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, 2003, 124 fl. RAMOS, F. R. Análise Espacial de Estruturas Intra-urbanas: o Caso de São Paulo. Dissertação de Mestrado. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE, São José dos Campos, SP, Disponível em: Acesso em 15/04/2005. JARA, Carlos J. A Sustentabilidade do Desenvolvimento Local: Um processo em Construção. Brasília: Instituto Interamericano de Cooperação para Agricultura: Recife: Secretaria de Planejamento do Estado de Pernambuco - SEPLAN, 1998, 316p. SMITH, T.; PEUQUET, D.; MENON, S.; AGARWALL, P. KBGIS-II, A Knowledge-based Geographical Information Systems. International Journal of Geographical Information Systems. Vol. 1, nº. 2, Pp Agradecimentos: a FUNCAP/CNPq: Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico, convênio 06/2006 processo nº. 1099/06. IGM = 0,2645 Figura 4.2.1: Moran Map para a Renda per capta IGM = 0,3854 Figura 4.2.2: Moran Map para a Expectativa de Vida ao Nascer 12

13 IGM = 0,1735 IGM = 0,5028 Figura 4.2.3: Moran Map para a Freqüência Escolar Figura 4.2.4: Moran Map para a Taxa de alfabetização IGM = 0,4500 IGM = 0,4863 Figura 4.2.5: Moran Map para o IDH Educacional Figura 4.2.6: Moran Map para o IDH-M 13

Estatística Espacial como Ferramenta do Planejamento Urbano

Estatística Espacial como Ferramenta do Planejamento Urbano Estatística Espacial como Ferramenta do Planejamento Urbano Análise de Áreas: Setores Censitários, Zonas OD, Distritos e Subprefeituras. Este resumo foi desenvolvido com base nos seguintes estudos: Dissertação

Leia mais

Sociedade & Natureza ISSN: 0103-1570 sociedadenatureza@ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Brasil

Sociedade & Natureza ISSN: 0103-1570 sociedadenatureza@ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Brasil Sociedade & Natureza ISSN: 0103-1570 sociedadenatureza@ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Brasil dos Santos, Luciano; Azevedo Raia Junior, Archimedes ANÁLISE ESPACIAL DE DADOS GEOGRÁFICOS: A UTILIZAÇÃO

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Análise Espacial 2 1 Distribuição Espacial A compreensão da distribuição

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA Abaiara Acarape Acarau Acopiara Aiuaba Alcantaras Altaneira Alto Santo Amontada Antonina do Norte Apuiares Aquiraz Aracati Aracoiaba Ararenda Araripe Aratuba Arneiroz Assare Aurora Baixio Banabuiu Barbalha

Leia mais

Uma visão espacial da produção de cana-de-açúcar nos municípios de Minas

Uma visão espacial da produção de cana-de-açúcar nos municípios de Minas Uma visão espacial da produção de cana-de-açúcar nos municípios de Minas 1 Introdução Gerais Flaviano José Teixeira UFLA Micherlania da Silva Nascimento - UFV João Domingos Scalon - UFLA Com terras férteis,

Leia mais

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Ceará PERÍODO:

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Ceará PERÍODO: Módulo introdutório de dos Orientadores de Estudo 2300101 ABAIARA MUNICIPAL 2300150 ACARAPE MUNICIPAL 2300200 ACARAU MUNICIPAL 2300309 ACOPIARA MUNICIPAL 2300408 AIUABA MUNICIPAL 2300507 ALCANTARAS MUNICIPAL

Leia mais

ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842

ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842 SEFAZ-CE * RATEIO DO ICMS * PAGINA - 1 RTP00849 2A. PUBLICACAO EXERCICIO 2010 HORA - 08.12.46 ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842 ACARAPE 12.444.283,10

Leia mais

ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312

ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312 SEFAZ-CE * RATEIO DO ICMS * PAGINA - 1 RTP00849 2A. PUBLICACAO EXERCICIO 2009 HORA - 16.12.13 ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312 ACARAPE 14.645.466,74

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS COORDENAÇÃO ESTADUAL DA ATENÇÃO BÁSICA LABORATÓRIO CENTRAL - LACEN ORGANIZAÇÃO DA REDE DE

Leia mais

VACINA CONTRA HEPATITE B DOSES APLICADAS EM MENORES DE 20 ANOS, COBERTURA VACINAL E POPULAÇÃO A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007

VACINA CONTRA HEPATITE B DOSES APLICADAS EM MENORES DE 20 ANOS, COBERTURA VACINAL E POPULAÇÃO A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007 DOSES APLICADAS EM MENORES DE, E A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007 2300101 ABAIARA 2300150 ACARAPE 2300200 ACARAU 2300309 ACOPIARA 2300408 AIUABA 2300507 ALCANTARAS 2300606 ALTANEIRA

Leia mais

UF Município Micro-Região Classificação Tipo

UF Município Micro-Região Classificação Tipo CE Abaiara Brejo Santo Baixa Renda Estagnada CE Acarapé Baturité Baixa Renda Estagnada CE Acaraú Litoral de Camocim e Acaraú Baixa Renda Dinâmica CE Acopiara Sertão de Senador Pompeu Baixa Renda Dinâmica

Leia mais

Página 1. Quantidade de AF necessários para atender os 30% (6) Nº de Agricultores Familiares (3) Valor do Repasse do FNDE (1) Alunado (2)

Página 1. Quantidade de AF necessários para atender os 30% (6) Nº de Agricultores Familiares (3) Valor do Repasse do FNDE (1) Alunado (2) 2300101 ABAIARA 148.140,00 2.220 44.442 755 688 PAA Leite 5 2300150 ACARAPE 166.440,00 2.658 49.932 521 378 PAA Leite 6 2300200 ACARAU 1.058.700,00 13.767 317.610 4.477 938 PAA Leite/DS/CD 35 2300309 ACOPIARA

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo Universidade

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES Nada se sabe, tudo se imagina Frederico Fellini CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES 6.1 - Considerações Finais A principal contribuição deste trabalho volta-se para a produção e validação de métodos para o tratamento

Leia mais

INDICADORES DE AUTOCORRELAÇÃO LOCAL EXEMPLO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

INDICADORES DE AUTOCORRELAÇÃO LOCAL EXEMPLO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO INDICADORES DE AUTOCORRELAÇÃO LOCAL EXEMPLO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO INTRODUÇÃO O ferramental de análise espacial em unidades de áreas é muito importante dentro do universo de possibilidades já disponíveis

Leia mais

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências Probabilidade Introdução Tabelas Estatísticas População, Amostra e Variáveis Gráficos e Distribuição de Freqüências Renata Souza Conceitos Antigos de Estatística stica a) Simples contagem aritmética Ex.:

Leia mais

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO ART. 1º O Concurso de Frases e Desenhos visa incentivar a conscientização sobre a política nacional do sangue

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO OBJETIVO DO PROJETO Promover

Leia mais

PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL

PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL 1 1. APRESENTAÇÃO O SENAR tem como missão executar a Formação Profissional Rural e a Promoção Social do produtor rural, do trabalhador rural e de suas famílias, o que inclui os jovens que vivem no meio

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

Região de Saúde de Caucaia

Região de Saúde de Caucaia Região de Saúde de Fortaleza Fortaleza CONSULTÓRIO DE RUA Eusébio I CAPS i Itaitinga Aquiraz LEITO HOSPITAL GERAL ENFERMARIA ESPECIALIZADA COMUNIDADE TERAPÊUTICA RESIDÊNCIA TERAPÊUTICA PVC AQUIRAZ 73.561

Leia mais

Tem SEBRAE em todo Ceará

Tem SEBRAE em todo Ceará Não cabem mais questionamento sobre a importância e os méritos dos pequenos negócios como forma mais eficiente de promover a estabilidade política, econômico e social de um país, estado ou região. O Universo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL E GEOPROCESSAMENTO

ANÁLISE ESPACIAL E GEOPROCESSAMENTO 1 ANÁLISE ESPACIAL E GEOPROCESSAMENTO 1.1 INTRODUÇÃO " #$%&' () +, # '$%&+ -+ + (. ) / - 0)( 0) / 01 0 23( 4 0 &5 ( 5, 3 0 23 ( 6 6 0 - / - ) + (7 ++" ), 3( ( ( 8(" " +9%9:$;) ?@ 5 A, 2 (3. 3 ( " 7

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS CEARENSES A PARTIR DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO FAMILIAR IDF*

MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS CEARENSES A PARTIR DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO FAMILIAR IDF* GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 69 MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS

Leia mais

TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES

TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES Nº 51 Novembro / 2012 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Crescimento e Realocação Populacional no Espaço Intra-Urbano de São José dos Campos (1991-2000) - Análise Espacial -

Crescimento e Realocação Populacional no Espaço Intra-Urbano de São José dos Campos (1991-2000) - Análise Espacial - Crescimento e Realocação Populacional no Espaço Intra-Urbano de São José dos Campos (1991-2000) - Análise Espacial - Mestrado em Sensoriamento Remoto - INPE Disciplina de Análise Espacial Prof: Antônio

Leia mais

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy.

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Marcelo Musci Baseado no artigo: Change detection assessment using fuzzy sets and remotely sensed data: an application

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL Eixo temático: Indicadores Sociais 1 Variável: IDESE O Idese (Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico) é um índice sintético, inspirado

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

Inquérito soroepidemiológico para avaliação de circulação do vírus da Febre Aftosa no Estado do Ceará

Inquérito soroepidemiológico para avaliação de circulação do vírus da Febre Aftosa no Estado do Ceará Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará Diretoria de Sanidade Animal Coordenação Estadual do PEEFA Inquérito soroepidemiológico para avaliação de circulação do vírus da Febre Aftosa no Estado

Leia mais

Nº 35 Junho 2012. A Composição das Famílias no Ceará- Identificação das Relações Homoafetivas

Nº 35 Junho 2012. A Composição das Famílias no Ceará- Identificação das Relações Homoafetivas Nº 35 Junho 2012 A Composição das Famílias no Ceará- Identificação Análise a partir dos dados Preliminares do Universo - Censo Demográfico 2010 dm GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENAÇÃO Antonio de Oliveira Lima MPT/CE Célia Chaves Gurgel do Amaral UFC Sandra Maria Silva Leite Reis UNDIME/CE EDUCAÇÃO:

Leia mais

JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES SALAS ALVES MARIA ISABEL ESCADA

JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES SALAS ALVES MARIA ISABEL ESCADA Utilização de Técnicas de Análise Espacial no Estudo da Correlação entre Expansão das Áreas Desflorestadas e da Fronteira Agropecuária no Estado do Mato Grosso JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES

Leia mais

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE Valéria D.Sartori Bassani 1 Introdução Este artigo tem por objetivo apresentar uma descrição sintética socioeconômica da cidade de Porto Alegre,

Leia mais

Métodos computacionais

Métodos computacionais Métodos computacionais Métodos Computacionais: Dependem de computadores para o cálculo de recurso/reserva e fazem uso de funções matemática de interpolação, as quais são aplicadas para o cálculo de teor

Leia mais

FAQ - Perguntas Frequentes

FAQ - Perguntas Frequentes FAQ - Perguntas Frequentes Desenvolvimento Humano, IDH e IDHM O que é Desenvolvimento Humano? Difundido no primeiro Relatório de Desenvolvimento Humano Global do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

4.1 A distribuição das características escolares: Infraestrutura

4.1 A distribuição das características escolares: Infraestrutura 52 4. Análise dos dados 4.1 A distribuição das características escolares: Infraestrutura Depois de formadas as escalas, o próximo passo foi analisar como as características das escolas estão distribuídas

Leia mais

ROTATIVIDADE DE CARGOS NA SES RELATÓRIO DE PESQUISA

ROTATIVIDADE DE CARGOS NA SES RELATÓRIO DE PESQUISA 1 ROTATIVIDADE DE CARGOS NA SES RELATÓRIO DE PESQUISA INTRODUÇÃO Um das questões pertinentes à gestão do trabalho na área da saúde diz respeito a efetiva fixação do trabalhador ao seu posto de trabalho.

Leia mais

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada OS ATLAS ELETRÔNICOS E O DESENVOLVIMENTO DO APLICATIVO PARA A PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL TerraViewWeb

Leia mais

UMA ANÁLISE ESPACIAL DE FATORES QUE AFETAM OS DESLOCAMENTOS POR MODOS NÃO-MOTORIZADOS

UMA ANÁLISE ESPACIAL DE FATORES QUE AFETAM OS DESLOCAMENTOS POR MODOS NÃO-MOTORIZADOS UMA AÁIE EPACIA DE FATRE QUE AFETAM DECAMET... 293 UMA AÁIE EPACIA DE FATRE QUE AFETAM DECAMET PR MD Ã-MTRIZAD ívia Maria da ilva Mário Angelo unes de Azevedo Filho Antônio élson Rodrigues da ilva Departamento

Leia mais

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação 1 AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação Ernesto F. L. Amaral 14 e 26 de abril de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O que é Estatística? Coleção de métodos

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Análise espacial de indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Aplicação do índice de Moran

Análise espacial de indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Aplicação do índice de Moran Análise espacial de indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Aplicação do índice de Moran Rogério Gutierrez Gama Julia Célia Mercedes Strauch Resumo Nos estudos de desenvolvimento sustentável, indicadores

Leia mais

LISTAGEM DOS FESTIVAIS DE QUADRILHAS JUNINAS SEDES DO EVENTO CEARÁ JUNINO2008 REGIÃO METROPOLITANA CARIRI / CENTRO SUL

LISTAGEM DOS FESTIVAIS DE QUADRILHAS JUNINAS SEDES DO EVENTO CEARÁ JUNINO2008 REGIÃO METROPOLITANA CARIRI / CENTRO SUL LISTAGEM DOS FESTIVAIS DE QUADRILHAS JUNINAS SEDES DO EVENTO CEARÁ JUNINO2008 LISTA DE CONTATOS Nome do Festival: Festejo Junino de São Gonçalo do Amarante Local: Praça da Matriz Dias: 29/06 a 04 /07/2008

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Workshop: Como usar o software estatístico DAD?

Workshop: Como usar o software estatístico DAD? Workshop: Como usar o software estatístico DAD? Medidas de Pobreza e Desigualdade: algumas aplicações teóricas Prof. Caio Piza CCSA - Depto de Economia/NPQV Medidas de Pobreza e Desigualdade O que é DAD

Leia mais

Análise espacial da formação de agrupamentos hoteleiros em Belo Horizonte. Dayane Letícia Rodrigues dos Reis

Análise espacial da formação de agrupamentos hoteleiros em Belo Horizonte. Dayane Letícia Rodrigues dos Reis Análise espacial da formação de agrupamentos hoteleiros em Belo Horizonte Dayane Letícia Rodrigues dos Reis Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/IGC Caixa postal 253-31270-901 Belo Horizonte MG, Brasil

Leia mais

ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO

ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO Nº 52 Novembro / 2012 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO E GESTÃO

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas 5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas O capitulo anterior descreveu as facilidades de acesso às informações estatíticas e este capítulo descreve, exemplifica e mostra a usabilidade destas informações

Leia mais

O Olhar Participante: Contribuições do INPE ao Mapa da Exclusão/Inclusão Social de SP

O Olhar Participante: Contribuições do INPE ao Mapa da Exclusão/Inclusão Social de SP O Olhar Participante: Contribuições do INPE ao Mapa da Exclusão/Inclusão Social de SP Antônio Miguel Monteiro Eduardo Camargo Frederico Roman Ramos Gilberto Câmara Divisão de Processamento de Imagens INPE

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Luciene Bianca Alves ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Integração de Mapas Temáticos e Dados Censitários

Integração de Mapas Temáticos e Dados Censitários Integração de Mapas Temáticos e Dados Censitários P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t o d e A g r o

Leia mais

Integração entre SIG e Modelos Inferenciais Bayesianos

Integração entre SIG e Modelos Inferenciais Bayesianos Integração entre SIG e Modelos Inferenciais Bayesianos Ilka Afonso Reis 1,2 1 Programa de Pós-graduação - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) Av. dos Astronautas,1.758 - CEP 12227-010 São

Leia mais

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS INFORMATIVO ANO I N II ABRIL 2007 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000 Prof Dr. Vitor

Leia mais

3 Metodologia para Segmentação do Mercado Bancário

3 Metodologia para Segmentação do Mercado Bancário 3 Metodologia para Segmentação do Mercado Bancário Este capítulo descreve a metodologia proposta nesta dissertação para a segmentação do mercado bancário a partir da abordagem post-hoc, servindo-se de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

Nesta subseção, estimaremos via mínimos quadrados ordinários (MQO), a seguinte regressão:

Nesta subseção, estimaremos via mínimos quadrados ordinários (MQO), a seguinte regressão: 46 4 Resultados MQO Nesta subseção, estimaremos via mínimos quadrados ordinários (MQO), a seguinte regressão: PoupancaPC = α 0 + α 1 Crime100 + Xβ + ε onde PoupancaPC é o logaritmo da medida principal

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

REDE ESTADUAL DE ATENÇÃO Á SAÚDE AUDITIVA. LOCALIZAÇÃO UNIDADE NÍVEL DE ATENÇÃO Núcleo de Assistência Médica Integral/NAMI

REDE ESTADUAL DE ATENÇÃO Á SAÚDE AUDITIVA. LOCALIZAÇÃO UNIDADE NÍVEL DE ATENÇÃO Núcleo de Assistência Médica Integral/NAMI REDE ESTADUAL DE ATENÇÃO Á SAÚDE AUDITIVA LOCALIZAÇÃO UNIDADE NÍVEL DE ATENÇÃO Núcleo de Assistência Médica Integral/NAMI AC Núcleo de Tratamento e Estimulação Precoce - NUTEP/UFC Hospital das Clínicas

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais

O Mapa de Porto Alegre e a Tuberculose : Distribuição Espacial e Determinantes Sociais

O Mapa de Porto Alegre e a Tuberculose : Distribuição Espacial e Determinantes Sociais O Mapa de Porto Alegre e a Tuberculose : Distribuição Espacial e Determinantes Sociais Enf. Ms. Lisiane Morélia Weide Acosta Enf. Márcia Calixto Prof. Dr. Sérgio Luiz Bassanesi INTRODUÇÃO A cidade de Porto

Leia mais

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG Daniel da Silva Marques (UFAM) daniel.ufam2009@hotmail.com Caio Ronan Lisboa Pereira (UFAM) caioronan@hotmail.com Almir Lima Caggy (UFAM) almir_kggy@hotmail.com

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Introdução ao Geoprocessamento

Introdução ao Geoprocessamento Sistema de Informação Geográfica SIG Introdução ao Geoprocessamento Professor: Daniel Luis Nithack e Silva O processo de urbanização marcha em um ritmo mais acelerado do que as possibilidades de planejar

Leia mais

ANÁLISE DA ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR MÍNIMA PARA O ESTADO DO CEARÁ A PARTIR DE DADOS SRTM

ANÁLISE DA ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR MÍNIMA PARA O ESTADO DO CEARÁ A PARTIR DE DADOS SRTM ANÁLISE DA ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR MÍNIMA PARA O ESTADO DO CEARÁ A PARTIR DE DADOS SRTM P. C. Viana 1 ; J. B. Oliveira ; E. M. Araújo 3 ; F. F. Carmo ; M. M. Pereira 4 ; A. S. Alves RESUMO:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES Sylvio Bandeira de Mello e Silva Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Tópic i o c s s E s E p s ec e i c a i i a s Gerencia i me m nto t d e D ados e I n I fo f rma m ção Ban a co c s s d e e D ad a os s N ão ã

Tópic i o c s s E s E p s ec e i c a i i a s Gerencia i me m nto t d e D ados e I n I fo f rma m ção Ban a co c s s d e e D ad a os s N ão ã Tópicos Especiais Gerenciamento de Dados e Informação Ana Carolina Salgado Fernando Fonseca Valeria Times Bernadette Lóscio Bancos de Dados Não Banco de Dados Multimídia Banco de Dados Ativos Banco de

Leia mais

Geomarketing Uso de análise espacial como suporte ao marketing empresarial

Geomarketing Uso de análise espacial como suporte ao marketing empresarial Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.4752 Geomarketing Uso de análise espacial como suporte ao marketing empresarial

Leia mais

O QUE É O IDT. É a instituição executora da política pública do trabalho do governo do estado.

O QUE É O IDT. É a instituição executora da política pública do trabalho do governo do estado. O QUE É O IDT O Instituto de Desenvolvimento do Trabalho IDT, é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, qualificada pelo Governo do Estado do Ceará como Organização Social apta a executar políticas públicas

Leia mais

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld O que é IDH? O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa de renda, escolaridade e longevidade para os diversos

Leia mais

ID 395 EFEITO DAS DESIGUALDADES SOCIAIS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL.

ID 395 EFEITO DAS DESIGUALDADES SOCIAIS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL. ID 395 EFEITO DAS DESIGUALDADES SOCIAIS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL. Ribeiro Barbosa, Isabelle; Bezerra de Souza, Dyego Leandro; Bernal Perez, Milagros; Clara Costa, Íris

Leia mais

Estratégias Produtivas

Estratégias Produtivas Estratégias Produtivas Seminário Internacional Desenvolvimento Econômico Regional para a Redução da Pobreza e Desigualdade: o Modelo do Ceará Prof. Jair do Amaral Filho Evolução das estratégias produtivas-ceará

Leia mais

Procedimentos de Conexão dos Órgãos do Governo. Reunião com Secretários e Gestores de TI

Procedimentos de Conexão dos Órgãos do Governo. Reunião com Secretários e Gestores de TI Procedimentos de Conexão dos Órgãos do Governo Reunião com Secretários e Gestores de TI Maio/2011 Todos os órgãos do governo devem estar conectados às redes do Governo até 31.08.2011. Até esta data devem

Leia mais

Professor X Software Educativo: a difícil tarefa de escolher

Professor X Software Educativo: a difícil tarefa de escolher Professor X Software Educativo: a difícil tarefa de escolher Maria de Fátima Costa de Souza 1,*, Mauro C. Pequeno 1, José Aires C. Filho 2 1 Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará (UFC)

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1. INTRODUÇÃO Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) A boa notícia

Leia mais

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios 1 Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios Alexandre da Silva Medeiros UFRGS Juan Mario Fandiño Marino UFRGS Pedro Vargas Fernandes

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 MONIB: Painel de Indicadores de Monitoramento do Plano Brasil Sem Miséria concepção e funcionalidades MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais