UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE URBANO RAIMUNDO FARIAS DE OLIVEIRA JÚNIOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE URBANO RAIMUNDO FARIAS DE OLIVEIRA JÚNIOR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE URBANO RAIMUNDO FARIAS DE OLIVEIRA JÚNIOR A CONTRIBUIÇÃO DOS INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO CONTEXTO URBANO DE MUNICÍPIOS DIRETAMENTE AFETADOS PELA HIDRELÉTRICA DE BELO MONTE: ALTAMIRA E VITÓRIA DO XINGU BELÉM - PA 2013

2 RAIMUNDO FARIAS DE OLIVEIRA JÚNIOR A CONTRIBUIÇÃO DOS INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO CONTEXTO URBANO DE MUNICÍPIOS DIRETAMENTE AFETADOS PELA HIDRELÉTRICA DE BELO MONTE: ALTAMIRA E VITÓRIA DO XINGU Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano da Universidade da Amazônia como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano. Orientador: Prof. Dr. Marco Valério de Albuquerque Vinagre. BELÉM - PA 2013

3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) O48c Oliveira Júnior, Raimundo Farias de. A contribuição dos indicadores de desenvolvimento humano na formulação de políticas públicas no contexto urbano de municípios diretamente afetados pela hidrelétrica de Belo Monte: Altamira e Vitória do Xingu / Raimundo Farias de Oliveira Júnior. Belém, f.: il.; 30 x 21 cm. Dissertação (Mestrado) Universidade da Amazônia, Programa de Pós- Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano, Orientador: Prof. Dr. Marco Valério de Albuquerque. 1. Indicadores de desenvolvimento humano políticas públicas - Amazônia. 2. Políticas públicas evolução Altamira/Pa. 3. Politícas públicas evolução Vitória do Xingú/Pa. 4. Hidrelétrica de Belo Monte desenvolvimento urbano. I. Albuquerque, Marco Valério de. II. Título.

4 RAIMUNDO FARIAS DE OLIVEIRA JÚNIOR A CONTRIBUIÇÃO DOS INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO CONTEXTO URBANO DE MUNICÍPIOS DIRETAMENTE AFETADOS PELA HIDRELÉTRICA DE BELO MONTE: ALTAMIRA E VITÓRIA DO XINGU Banca Examinadora: Prof. Dr. Marco Valério de Albuquerque Vinagre Orientador - UNAMA Prof. Dr. Dilaelson Rego Tapajós Examinador Externo - MPE Prof. Drª. Maria Lúcia Bahia Lopes Examinador Interno - UNAMA Apresentado em: 13/12/2013. Conceito: 8,5 BELÉM - PA 2013

5 Aos meus pais Maria e Raimundo (in memoriam) que dedicaram as suas vidas em prol da formação de meu caráter pessoal e profissional. A meu filho Arthur que ao nascer no transcorrer dessa jornada fortaleceu meus passos nos momentos mais difíceis. A Kátia e família pelo auxílio na criação do Arthur durante minhas ausências. Aos professores Dilaelson Rego Tapajós, Maria Lúcia Bahia Lopes, Marco Valério de Albuquerque Vinagre e Rosália do Socorro da Silva Corrêa pela valorosa contribuição para o aprimoramento teórico desse estudo. Aos guerreiros (as) do Xingu que lutam por dignidade e justiça social na Amazônia. A todos (as) que direta e indiretamente auxiliaram na concretização deste sonho.

6 RESUMO OLIVEIRA JÚNIOR, Raimundo F. de. A contribuição dos indicadores de desenvolvimento humano na formulação de políticas públicas no contexto urbano de municípios diretamente afetados pela hidrelétrica de Belo Monte: Altamira e Vitória do Xingu. 121 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano) - Universidade da Amazônia - UNAMA, Belém, A pesquisa objetiva compreender a influência dos indicadores de desenvolvimento humano - IDH, no planejamento e implantação de políticas públicas relacionadas à estrutura urbana dos municípios de Altamira e Vitória do Xingu, necessárias ao atendimento da demanda gerada com a implantação da hidrelétrica de Belo Monte. O método de investigação a ser desenvolvido na construção do estudo caracteriza-se pela analise comparativa entre os municípios de Altamira e Vitória do Xingu durante as décadas de 1990 e 2010 no que diz respeito aos impactos provenientes da implantação do projeto hidrelétrico Belo Monte. Enfatizando literaturas que abordam Amazônia, urbanização, Política pública e desenvolvimento humano. Enquanto estudo de caso, optou-se pela análise diagnostica de indicadores representativos da realidade em questão. A abordagem da estrutura urbana perpassa respectivamente pela compreensão do IDH enquanto instrumento numérico que auxilia sobre maneira no acompanhamento, na avaliação e proposição de políticas públicas que venham a proporcionar qualidade da vida aos munícipes das cidades acima mencionadas. Palavras-chave: Amazônia. Urbanização. Política pública. Desenvolvimento humano.

7 ABSTRACT OLIVEIRA JÚNIOR, Raimundo F. The contribution of human development indicators in the formulation of public policies in the urban context of municipalities directly affected by the Belo Monte Dam: Altamira and Vitória do Xingu. 121 f. Dissertation (Master of Urban Development and Environment), University of the Amazon - UNAMA, Belém, The research aims to understand the influence of human development indicators over the planning and implementation of public policies related to urban structure of the municipalities of Altamira and Vitoria do Xingu, required to meet the demand generated by the deployment of the Belo Monte hydroelectric dam. The research method being developed in the construction of the study is characterized by comparative analysis between the municipalities of Altamira and Vitoria do Xingu during the decades of 1990 and 2010 with regard to the impacts from the implementation of the Belo Monte hydroelectric project. Emphasizing literature dealing Amazon, urbanization, public policy and human development. As a case study, we chose to analyze diagnostic indicators representative of the reality in question. The approach of the urban structure pervades respectively by understanding the HDI as a numeric tool that strongly assists the way of monitoring, in the evaluation and proposals for public policies that will provide quality of life to residents of the cities mentioned above. Keywords: Amazon. Urbanization. Public Policy. Human Development.

8 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ADA AID AHE AM ANEEL BNDES BASA BB BIS CEF CF CHBM CHE Chesf CONAMA CO2 COSANPA CNPE DNAEE EIA ELETROBRAS ELETRONORTE EPE ETA ETEs FAT FGTS FNHIS FNO FPE FPM Área Diretamente Afetada Área Indiretamente Afetada Aproveitamento Hidrelétrico Área de Marinha Agencia Nacional de Energia Elétrica Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco da Amazônia S.A Banco do Brasil Batalhão de Infantaria de Selva Caixa Econômica Federal Constituição Federal Complexo Hidrelétrico de Belo Monte Complexo Hidrelétrico Companhia Hidrelétrica do São Francisco Conselho Nacional de Meio Ambiente Gás Carbônico Companhia de Saneamento do Pará Conselho Nacional de Política Energética Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica Estudo de Impacto Ambiental Centrais Elétricas Brasileiras Centrais Elétrica do Norte do Brasil S.A Empresa de Pesquisa Energética Estação de Tratamento de Água Estações Elevatórias Fundo de Amparo ao Trabalhador Fundo de Garantia por Tempo de Serviço Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social Fundo Constitucional do Norte Fundo de Participação dos Estados Fundo de Participação dos Municípios

9 FUNDEB GT GWP HMSR IBAMA IBGE ICMS ICV IDESP IDH IDHM INCRA INSS IPI IPVA IPTU IR ISA ISS ITBI ITERPA IVV LDB LI LP MF MinC MIN MMA MME MPF MPOG MW Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica Grupo de Trabalho Global Water Partnership Hospital Municipal São Rafael Instituto Brasileiro de Meio Ambiente Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços Índice de Condição de Vida Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social do Pará Índice de Desenvolvimento Humano Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Instituto Nacional de Seguridade Social Imposto sobre Produtos Industrializados Imposto sobre Veículos Auto Motores Imposto Predial Territorial Urbano Imposto de Renda Instituto Sócio Ambiental Imposto Sobre Serviços Imposto sobre Transmissão de Bens Intervivos Instituto de Terras do Pará Imposto sobre Vendas a Varejo de Combustíveis Líquidos e Gasosos Lei de Diretrizes e Bases da Educação Licença de Instalação Licença Previa Ministério da Fazenda Ministério da Cultura Ministério da Integração Nacional Ministério do Meio Ambiente Ministério das Minas e Energia Ministério Público Federal Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Mega Watt

10 OGU OIT ONG ONU PAC PBA PDEE PDMA PDRSX PHC PI PIB PIN PMDB PMA PMVX PND II PNDU PSDB PT RADAM RIMA RSS SEDU SEMAT SENAI SEOVI SESI SIGEP SIN SUDAM SUS SPEVEA Orçamento Geral da União Organização Internacional do Trabalho Organização Não Governamental Organização das Nações Unidas Programa de Aceleração do Crescimento Plano Básico Ambiental Plano Decenal de Expansão de Energia Plano Diretor do Município de Altamira Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu Pequenas Centrais Hidrelétricas Proteção Integral Produto Interno Bruto Plano de Integração Nacional Partido do Movimento Democrático Brasileiro Prefeitura Municipal de Altamira Prefeitura Municipal de Vitória do Xingu Plano Nacional de Desenvolvimento II Política Nacional de Desenvolvimento Urbano Partido Social Democrata Brasileiro Partido dos Trabalhadores Radar da Amazônia Relatório de Impacto Ambiental Resíduos de Serviços de Saúde Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria Municipal da Gestão do Meio Ambiente Serviço Nacional da Indústria Secretaria de Obras, Viação e Infraestrutura Serviço Social da Indústria Sistema de Informações Georreferenciadas do Estado do Pará Sistema Interligado Nacional Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia Sistema Único de Saúde Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia

11 UCF UHE US UTGE TEP TI TQ Twh ZEIS Unidade de Conservação Federal Usina Hidroelétrica Uso Sustentável Unidades Territoriais de Gestão Especial Tonelada Equivalente de Petróleo Terra Indígena Terra Quilombola Tonelada Wat Hora Zonas Especiais de Interesse Social

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - IDH Brasil e Pará 1991/2000/ Quadro 2 - Esperança de vida ao nascer Brasil e Pará (Idade em anos) 23 Quadro 3 - IDH longevidade Brasil e Pará 1991/2000/ Quadro 4 - IDH Educação Brasil e Pará 1991/2000/ Quadro 5 - Renda per capita média Brasil e Pará (Rendimento mensal domiciliar) 24 Quadro 6 - IDH renda Brasil e Pará 1991/2000/ Quadro 7 - IDH-M Altamira e Vitória do Xingu 1991/2000/ Quadro 8 - Esperança de vida ao nascer Altamira e Vitória do Xingu (Idade em anos) 49 Quadro 9 - IDH-M longevidade Altamira e Vitória do Xingu 1991/2000/ Quadro 10 - IDH-M Educação Altamira e Vitória do Xingu 1991/2000/ Quadro 11- Renda per capita média de Altamira e Vitória do Xingu (Rendimento 51 mensal domiciliar) Quadro 12 - IDH-M renda Altamira e Vitória do Xingu 1991/2000/ Quadro 13 - Evolução populacional de Altamira 92 Quadro 14 - População urbana e rural de Altamira 95 Quadro 15 - População Vitória do Xingu 108

13 LISTA DE MAPAS Mapa 1 - Localização de Altamira e Vitória do Xingu 34 Mapa 2 - Áreas federais e estaduais no Pará 46 Mapa 3 - Localização da UHE Belo Monte no Rio Xingu 59 Mapa 4 - CHE Belo Monte 60 Mapa 5 - Área de reassentamento populacional A1 75 Mapa 6 - Área de reassentamento populacional A2 76 Mapa 7 - Área de reassentamento populacional A3 77 Mapa 8 - Área de moradia dos trabalhadores da UHE Belo Monte AMT 78 Mapa 9 - Localização da cidade de Altamira no Estado do Pará 88 Mapa 10 - Perímetro urbano de Altamira 103 Mapa 11 - Zoneamento urbano de Altamira 104

14 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Estado do Pará (Áreas Federais em 2010) 47 Gráfico 2 - Percentual da população por município da região do Xingu em

15 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Evolução urbana de Altamira 91 Figura 2 - Moradias irregulares as margens dos igarapés de Altamira 93 Figura 3 - Eixos principais e secundários de Altamira 96 Figura 4 - Tipos de pavimentação em Altamira 97 Figura 5 - Rede de abastecimento de água/drenagem pluvial e pontos de descarte de 98 resíduos Figura 6 - Fossa em área de ocupação irregular em Altamira 99 Figura 7 - Galeria de drenagem desembocando no Rio Xingu em de Altamira 100 Figura 8 - Vista aérea do lixão de Altamira 101 Figura 9 - Uso do solo urbano em Altamira 102 Figura 10 - Vista Aérea da cidade de Vitória do Xingu 107 Figura 11 - Ruas sem drenagem em Vitória do Xingu 109 Figura 12 - Lançamento de esgoto direto no Igarapé em Vitória do Xingu 110

16 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Fluxo migratório previsto para o período Tabela 2 - População a ser remanejada em função da UHE Belo Monte 74 Tabela 3 - Receitas municipais Tabela 4 - Transferências Constitucionais do ICMS, FPM, IPI, FUNDEF/FUNDEB e 106 IPVA (1) Tabela 5 - Transferências Constitucionais do ICMS, FPM, IPI, FUNDEF/FUNDEB e 111 IPVA (1) Tabela 6 - Receitas municipais

17 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA PROBLEMA Saúde Esperança de vida ao nascer (IDH LONGEVIDADE) Educação (IDH EDUCAÇÃO) Rendimento médio mensal (IDH RENDA) ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO HIPÓTESE OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos 26 2 REVISÃO DA LITERATURA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO HUMANO METODOLOGIA ÁREA DE ESTUDO FONTE DE DADOS MÉTODOS DE ANALISE Estudo Índice de Desenvolvimento Humano IDH 38 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO EVOLUÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NA AMAZÔNIA E NO ESTADO 40 DO PARÁ 4.2 O DESENVOLVIMENTO HUMANO DOS MUNICÍPIOS DE ALTAMIRA E 48 VITÓRIA DO XINGU NO PERÍODO DE 1991 A IDH-M Altamira e Vitória do Xingu IDH-M Longevidade IDH-M Renda IDH-M Educação O AHE BELO MONTE E OS POSSÍVEIS EFEITOS NA CONFIGURAÇÃO 52

18 URBANA DE ALTAMIRA E VITÓRIA DO XINGU Histórico Condicionantes Socioambientais (EIA/PBA) Intervenções em Altamira Intervenções em Vitória do Xingu CRESCIMENTO URBANO DOS MUNICÍPIOS DE ALTAMIRA E VITÓRIA 87 DO XINGU NO PERÍODO DE 1990 A CONCLUSÃO 113 REFERÊNCIAS 117

19 17 1 INTRODUÇÃO A Amazônia e o estado do Pará figuram como fornecedores de recursos naturais para regiões e países industrializados centrais há mais de 300 anos, mas ainda figuram como áreas das mais dependentes e pobres do mundo. Isso ocorre, em parte, pelo fato de serem regiões extrativistas periféricas que ao estabelecerem relações de troca desiguais têm dificuldades em alavancar seus indicadores de desenvolvimento Bunker (1984) e Drummond (2002). Ao realizarem a simples coleta de recursos naturais brutos as regiões extrativistas geram uma perda de valor nas regiões de origem e um acréscimo de valor nas regiões de consumo e transformação Bunker (1986). O fato da região possuir a maior bacia hidrográfica do mundo tem levado a transformação de seus rios em verdadeiras jazidas de megawats. A utilização dos rios e da água tem se revestido em fonte de energia elétrica para o setor industrial. Dentre os exemplos de atividade extrativista desenvolvida na Amazônia, mais precisamente no estado do Pará, que apresenta as características mencionadas acima e que será destacada no presente estudo se encontra a captação de água para fins energéticos por meio de grandes hidrelétricas. 1.1 JUSTIFICATIVA Os princípios que levam a região Amazônica, em especial o estado do Pará, a pautarem o seu desenvolvimento regional, por meio da implantação de projetos de exploração intensiva de recursos naturais, demonstram a pouca contribuição para o desenvolvimento regional (IDESP, 2011a). No decorrer do século XIX até 1870, com a estagnação da economia amazônica, os conflitos à época da Independência e o movimento nativista da Cabanagem acirraram o contexto adverso pelo qual passava o Norte brasileiro, que conheceu um refluxo da força de trabalho e a depauperação de sua frágil atividade econômica. Esse quadro se alterou a partir do final do século XIX, quando a região amazônica passou a extrair a borracha da seringueira (Hévea brasiliensis) e exportar para os mercados da Europa e Estados Unidos. Tal atividade estimulou a moldagem de um novo padrão de mercado, no qual a exploração extrativista constituiu a mola mestra. Configurou-se, a partir de então, uma nova base econômica regional fundada na exploração extrativista da borracha sob a égide de um sistema de financiamento

20 18 chamado aviamento (IDESP, 2011a). Entre o final do século XIX e primeira metade do século XX, desenvolveram-se sucessivas fases de exploração extrativa (caucho, castanha, borracha) Correa, No estado do Pará, esse sistema espacial condicionou o processo de produção e circulação da borracha ( ), da castanha-do-pará ( ). O período entre 1970 a 1990 corresponde à fase do processo de uso do território: a fase da intervenção federal. Segunda metade dos anos 60 representa um marco do ponto de vista do reordenamento político-institucional para a Amazônia Oriental. No âmbito das mudanças de ordem política e institucional do Estado brasileiro, após o golpe militar de 1964, as primeiras medidas de política são lançadas com o objetivo de assegurar a ação federal na região de forma efetiva. A Operação Amazônica, em 1968, redefiniu o arcabouço institucional regional ao criar o Banco da Amazônia (BASA), a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). No período de duas décadas, as alterações na estrutura socioeconômica do território estadual ocorrem por meio da ação federal. Tendo como meta a integração nacional, criam-se mecanismos institucionais de incentivo à apropriação privada das terras, à diversificação das atividades econômicas - agropecuária, mineração, energia e industrialização - e de desestímulo à economia extrativista. (IDESP, 2011a). Entre 1972 e 1974, seguindo a perspectiva do Governo Federal à época, é lançado o Programa de Integração Nacional (PIN) cujo principal objetivo foi à abertura da região por meio da construção dos eixos do desenvolvimento. As rodovias constituíram as principais vias de penetração no território. A rodovia Transamazônica por outro lado, finalizada em 1974, representa um dos principais eixos de articulação regional e de integração com o Nordeste brasileiro. (CAMARGO, 1973). Todavia, é a partir da segunda metade da década de 1970, que se inicia um processo mais veloz de aproveitamento dos recursos naturais e de inserção privada no espaço regional. No âmbito do II PND (II Plano Nacional de Desenvolvimento: ) é lançado o II PDA (II Plano de Desenvolvimento da Amazônia) que explicitamente procura integrar a Amazônia ao Centro-Sul pelo lado da oferta: a região deveria participar do Plano Nacional de Desenvolvimento a partir das suas especificidades regionais, em especial da aptidão e vocação natural dos recursos existentes em seu território.

21 19 A crise energética mundial (choque do Petróleo de 1973) e seguindo as orientações do II PND de equipar o território nacional dotando-o de infraestrutura, sobretudo energética, possibilita o início do aproveitamento hidrelétrico da bacia hidrográfica do Araguaia- Tocantins com a construção da Usina Hidrelétrica de Tucuruí. Associado ao insumo energia é lançado o POLAMAZÔNIA, Programa de Polos Agropecuários e Agrominerais da Amazônia. No estado do Pará são escolhidas cinco áreas dentre as quinze programadas da Amazônia Legal para implantação dos Polos de Crescimento: Carajás, Trombetas, Altamira, Tapajós e Marajó. Os dois primeiros polos têm na mineração a mola propulsora dada às peculiaridades naturais existentes na mesorregião do Sudeste Paraense, província mineral com a presença de uma das maiores reservas de minério de ferro do mundo e as reservas de bauxita no Baixo Amazonas. Na mesorregião do Sudoeste Paraense, os pólos Altamira e Tapajós têm na agropecuária a atividade econômica principal. As possibilidades de exploração desses recursos condicionam à dotação de créditos e incentivos fiscais, infraestruturas de transportes e energia e investimentos peculiares à vocação de cada polo, nesses novos recortes territoriais definidos externamente à região. O segundo choque do petróleo de 1979 condiciona o redirecionamento dos investimentos. A escassez de recursos financeiros face à crise do Estado brasileiro centraliza os recursos em poucos pontos do território: a partir do Pólo Carajás, tendo o projeto Ferro - Carajás da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), cria-se o Programa Grande Carajás (PGC). O Leste do Estado do Pará, reconfigura-se como espaço de investimentos prioritários na Amazônia pelo Governo Federal. O PGC define-se, sobretudo, pela diversificação do território e pela sua concepção de programa: um conjunto integrado de projetos de mineração, de exploração madeireira e do carvão vegetal e projetos industriais de siderúrgicas como o da Companhia Siderúrgica do Pará - COSIPAR, com produção de ferro-gusa; Camargo Corrêa Metais (CCM), de silício metálico e Albrás-Alunorte, de alumínio (IDESP, 2011a). As ações que transformaram a organização espacial da Amazônia acabam por adjetiva-la enquanto fronteira. O termo fronteira encontra-se relacionado aos movimentos de povoamento e colonização a partir de fundamentos geográficos que associam a noção de fronteira a de espaços vazios ou espaços abertos ao povoamento, isto é, espaços com baixa densidade populacional. Nesse sentido a definição de fronteira tornou-se uma espécie de modelo devido estabelecer relações entre os fatores de desenvolvimento nacional.

22 20 Entre os temas incluídos na referida tese da fronteira, se encontrava o da modernização, associada ao nacionalismo. Outro aspecto, da tese da fronteira, diz respeito ao papel das terras livres ou dos espaços vazios nas formações nacionais, principalmente nas que apresentam base territorial de grandes dimensões. Neste sentido, a fronteira atuaria enquanto válvula de escape para populações pauperizadas Turner, 1893; 1920 (apud MACHADO, 1992). O uso do território amazônico como válvula de escape para a população pauperizada de outras regiões do País fora sintetizado na seguinte frase: terras sem homens para homens sem terra (MACHADO, 1992). O modelo de fronteira aplicado para a Amazônia parte do principio da centralização das decisões políticas, ou seja, a integração das terras livres e a modernização econômica deveriam ser administradas pelo Estado central. Silva, 1955; 1967 (apud MACHADO, 1992). Na região de fronteira as relações entre nacionalismo, modernização e expansão interna do território cumprem a expectativa de transformar o país na grande potencia que a dimensão territorial e as riquezas naturais parecem prometer. Turner, 1893; 1920 (apud MACHADO, 1992). Nesse contexto o debate acerca do desenvolvimento humano é fundamental para a compreensão de como ele reflete questões maiores sobre a Amazônia, o uso do IDH na formulação de projetos e a maneira como as decisões costumam ser tomadas. As tomadas de decisões relacionadas à Amazônia mostram aspectos conflitivos no que diz respeito ao modelo de desenvolvimento utilizado no Brasil. Nas últimas quatro décadas, tem se reforçado a ideia de que o planejamento deva ser orientado pela obstinação ao crescimento econômico acelerado a qualquer custo, sem que sejam contempladas todas as dimensões do desenvolvimento. (ACEVEDO, 1996). 1.2 PROBLEMA O quadro de Desenvolvimento Humano no Brasil e no estado do Pará conforme dados do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos anos de 1991, 2000 e 2010, sua taxa de variação e decomposição em: IDHM - Renda, Longevidade e Educação, contidos no Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil que tem como base os censos de 1991, 2000 e 2010 do IBGE apresentados no quadro 1.

23 Quadro 1 - IDH Brasil Pará (1991/2000/2010). IDH 1991 IDH 2000 IDH 2010 VARIAÇÃO Brasil 0,493 0,612 0,727 47, 46% Pará 0,650 0,723 0,646 56,42% Fonte: Adaptado de PARÁ. SEIR, 2010; IDESP, 2012; Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, Os dados expostos no quadro 1 indicam uma evolução no IDH tanto do Brasil como do estado do Pará que teve o seu IDH em 2010 um pouco abaixo do IDH do Brasil estando classificado enquanto IDH médio. O IDH por apresentar a evolução de um problema, corrobora para a formulação de novas políticas públicas. Auxiliando em ações de planejamento e implementação de infraestrutura urbana dos municípios. Uma análise mais apurada, porém, pode ser feita conforme PARÁ. SEIR, 2010 a partir da decomposição do IDH em suas três (3) dimensões: IDH- Renda, IDH- Longevidade e IDH- Educação. Isso porque tal exame pode revelar, por exemplo, um possível descompasso entre o nível de renda obtido (IDH-Renda) e o padrão social obtido, revelado (ainda que parcialmente) pelos níveis de escolaridade (IDH-Educação) e longevidade (IDH- Longevidade). Tal exame pode ajudar a desfazer o mito de que regiões com renda elevada tendem a ter níveis de desenvolvimento semelhantes. Um exame mais apurado da composição do IDH pode revelar justamente o contrário Saúde Na análise dos indicadores de Saúde, procurou-se destacar aqueles indicadores que se notabilizam pelos componentes sociais, políticos e éticos. É o caso, por exemplo, dos chamados Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), que são compromissos mundiais firmados por 191 Estados-membros da Organização das Nações Unidas (ONU), em reunião realizada em setembro de 2000 em Nova York, em um evento conhecido como Cúpula do Milênio, com a participação de 147 chefes de Estado, além de representantes de Governo de 191 países. Em um documento denominado Declaração do Milênio das Nações Unidas, foi definida uma série de compromissos a serem seguidos pelos países membros (inclusive o Brasil), que ficaram conhecidos como Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), entre os quais constam 8 (oito) objetivos e uma série de metas a serem alcançadas até o ano de 2015.

24 22 No que concerne à área de saúde, foram estipulados três (3) objetivos: a) Redução da mortalidade infantil (objetivo 4); b) Melhorar a saúde materna (objetivo 5); c) Combater o HIV/AIDS, a malária e outras doenças (objetivo 6) Esperança de vida ao nascer (IDH-LONGEVIDADE) Outro indicador de saúde muito importante, utilizado, inclusive, na composição do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), é a Taxa de Longevidade ou Esperança de Vida ou Expectativa de Vida. A Esperança ou Expectativa de Vida é definida como o número médio de anos que um indivíduo pode esperar viver se submetido, desde o nascimento, às taxas de mortalidade observadas no momento (ano de observação). É calculada considerando a população e os obituários, além de refletir o nível e a qualidade ao acesso à saúde, educação, cultura e lazer, bem como a violência, criminalidade, poluição e situação econômica do lugar em questão. O incremento da longevidade do paraense se dá em parte à melhoria relativa ao acesso da população a alguns serviços de infraestrutura de saneamento básico, uma redução na mortalidade infantil, e outros fatores também determinantes para a qualidade de vida. Expressa segundo IDESP (2013), o número médio de anos de vida esperados para um recém-nascido, mantido o padrão de mortalidade existente na população residente, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. Assim, indica a longevidade média esperada para um determinado grupo populacional ao nascer. Relaciona-se com as condições de vida de uma população. Sua avaliação reflete os resultados dos investimentos em saúde pública e na qualidade ambiental. A esperança de vida ao nascer no Brasil em 1991 era 64,73 anos e, em 2010, 73,90 anos. O índice paraense estava abaixo da média nacional em 1991 (63,4 anos) e em 2010 (72,40 anos). Conforme quadro 2.

25 Quadro 2 - Esperança de vida ao nascer Brasil e Pará. (Idade em anos) 1991/2000/ Pará 63,40 68,50 72,40 Brasil 64,73 68,61 73,90 Fonte: Adaptado de Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil, 2013; IBGE Censo demográfico, 1991/2000/2010. Indicadores de Avaliação da Qualidade Ambiental da RI do Xingu IDESP, Tais investimentos proporcionam a melhora dos indicadores de desenvolvimento humano apresentado tanto pelo país como pelo estado durante o lapso de tempo descriminado no quadro 3. No caso do Pará houve um significativo avanço saindo o estado de um patamar médio em termos de IDH longevidade para se aproximar do considerado bom. Com relação ao Brasil o progresso foi ainda maior, pois já ultrapassa o índice classificado como bom. Quadro 3 - IDH longevidade Brasil e Pará (1991/2000/2010) Pará 0,640 0,725 0,789 Brasil 0,662 0,727 0,816 Fonte: Adaptado de Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, Educação (IDH-EDUCAÇÃO) A educação básica para todos é segundo PARÁ. SEIR (2010) um dos princípios dos direitos humanos e se tornou uma questão estratégica mundial na organização da Cúpula do Milênio. Dessa forma, um dos objetivos que compõem os ODM é o de atingir o ensino básico universal. Para conseguir tal objetivo, foram propostas duas metas: (1) garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, terminem um ciclo completo de ensino básico; (2) garantir que, até 2015, as crianças de todas as regiões do país, independentemente de raça/ cor e sexo, concluam o ensino fundamental.

26 24 Quadro 4 - IDH educação Brasil e Pará (1991/2000/2010) Brasil 0,279 0,456 0,637 Pará 0,194 0,319 0,528 Fonte: Adaptado de Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, O quadro 4 apresenta índices que apontam para uma evolução do IDH educação tanto no cenário nacional como no estadual nas ultimas três décadas. No caso do Brasil tínhamos um índice de 0,279 em 1991 que passa para 0,456 em 2000 atingindo o patamar de 0,637 em 2010, cenário esse que atesta uma evolução da área educacional. No Pará a situação não difere, pois também se identifica um processo evolutivo no que diz respeito ao IDH educação. O estado que em 1991 detinha índice igual a 0,194 apresenta em 2000 indicador igual a 0,319 e 0,528 em Tanto no cenário nacional como no estadual o IDH educação apresentado aponta para uma evolução, onde em 1991 a classificação que era tida como de baixo desenvolvimento humano passa a ser de médio desenvolvimento humano em Rendimento médio mensal (IDH- RENDA) Conforme IDESP (2013), esse indicador expressa a distribuição do rendimento médio mensal per capta. Ou seja, a soma do rendimento mensal referente ao trabalho formal de cada indivíduo. A partir desse indicador é possível conhecer e avaliar a distribuição de renda dos municípios. Sua importância se dá por ser um dos indicativos das condições de vida da população. Em 2000 a renda per capita média do Brasil era de R$ 596,46 e a do Estado do Pará R$ 331, 96, no ano de 2010 a renda brasileira passou para R$ 793,87 e a estadual R$ 446,76 (QUADRO 5). Quadro 5 - Renda per capita média Pará e Brasil 1991/2000/2010 Rendimento mensal (Domiciliar) Pará R$273,22 R$ 331,96 R$ 446,76 Brasil R$ 447,56 R$ 596,46 R$ 793,87 Fonte: Adaptado de DATASUS/IBGE Censo demográfico 2000/2010. Indicadores de Avaliação da Qualidade Ambiental da RI do Xingu IDESP, Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, 2013.

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA Silvio A. F. Cario Prof. dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Economia e Administração da Universidade

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Problema Questionamentos no Brasil a respeito dos conceitos de cumulatividade

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

2ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 08 de Maio de 2015

2ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 08 de Maio de 2015 2ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop Sinop, 08 de Maio de 2015 AGENDA 9h Boas vindas / Apresentação 9h15 - Exibição da Maquete Eletrônica

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte SEMINÁRIO NACIONAL DO ESPORTE EM CONSTRUÇÃO: SISTEMAS PÚBLICOS NACIONAIS E MODELOS ESPORTIVOS INTERNACIONAIS Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte Prof. Dr.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

A Dimensão Territorial do Planejamento

A Dimensão Territorial do Planejamento A Dimensão Territorial Impactos econômicos da agregação de valor da Indústria Mineral César Labuto Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Belém, 21 de fevereiro de 2013 O Território como

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO. Seminário LIDE Abril de 2012

MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO. Seminário LIDE Abril de 2012 MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO Seminário LIDE Abril de 2012 A NOSSA MINAS GERAIS MINAS EM NÚMEROS América do Sul 588.000 KM² DE TERRITÓRIO. Brasil MAIOR DO QUE PAÍSES COMO A FRANÇA, SUÉCIA E ESPANHA.

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto

META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto Interno Bruto - PIB do País no 5 o (quinto) ano de vigência

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Feagri/UNICAMP Fórum: Combate à Pobreza e Segurança Alimentar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL Santa Carolina (denominado Projeto Santa

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 1 PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 08H ÀS 09H 09H ÀS 09:H30 09H30 ÀS 10H 10H ÀS 10:15 10H15 ÀS 12H 12H ÀS 13H 13H ÀS 13H30 CREDENCIAMENTO ABERTURA DO EVENTO CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS Painel 3 A Importância da Integração das Estatísticas Oficiais Paulo de Martino Jannuzzi IDH Data: 14 e 15 de abril de 2014. 1 Limitações

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades II Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Fortaleza 17 de março de 2010 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia Dr. Josef Leitmann 12 de junho de 2015 Qual a Importância da Questão Metropolitana e dos Aspectos de Governança

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais