INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO SÓCIOECONÔMICO: UM OLHAR A PARTIR DA REALIDADE LOCAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO SÓCIOECONÔMICO: UM OLHAR A PARTIR DA REALIDADE LOCAL"

Transcrição

1 INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO SÓCIOECONÔMICO: UM OLHAR A PARTIR DA REALIDADE LOCAL Jordana de Souza Morais 1 Amélia Carla Sobrinho Bifano 2 Flávia Leão Almeida Silva 3 Luis Gustavo Ferreira Cabral 4 Maria das Dores Saraiva de Loreto 5 Tatiana Silva Teixeira 6 RESUMO Esta proposta trata de analisar as origens e características do Produto Interno Bruto (PIB) e do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), destacando suas principais vantagens e limitações em representar o que se propõe a indicar. O artigo busca também apresentar os vários indicadores sociais propostos (por institutos estaduais de planejamento e estatística, centros de pesquisa, universidades e órgãos de governo) no país, apresentando seus pontos fracos e fortes a partir do olhar da realidade local. Desde os primórdios do processo de desenvolvimento brasileiro, o crescimento econômico tem gerado condições extremas de desigualdades sociais, que se manifestam sobre a vida dos sujeitos. A construção de indicadores está sendo cada vez maior pela sociedade por presumir serem capazes de resumir aspectos importantes sobre a vida dos sujeitos e nortear esses gestores na distribuição dos escassos recursos destinados a população. A literatura, entretanto, traz a discussão dos vários indicadores construídos no país, no entanto não nenhum consenso sobre qual o melhor indicador para mensurar o desenvolvimento de forma que mapeasse de fato o cotidiano dos sujeitos a partir da realidade vivenciada por eles e pelo espaço onde vivem. 1. INTRODUÇÃO Esta proposta trata de analisar as origens e características do Produto Interno Bruto e do Índice de Desenvolvimento Humano, destacando suas principais vantagens e limitações em representar o que se propõe a indicar. O artigo busca também apresentar os vários indicadores sociais propostos (por institutos estaduais de planejamento e estatística, centros de pesquisa, universidades e órgãos de governo) no país, apresentando seus pontos fracos e fortes a partir do olhar da realidade local. 1 Estudante do curso de Economia Domestica/UFV e Bolsista PIBIC/CNPq/UNIEDHS 2 Professora adjunta do Departamento de Economia Domestica/UFV e Orientadora do projeto 3 Estudante de Pós-Graduação da Economia Domestica/UFV e Bolsista SESu/MEC/UNIEDHS 4 Estudante do curso de Geografia/UFV e Bolsista SESu/MEC/UNIEDHS 5 Professora adjunta do Departamento de Economia Domestica/UFV 6 Estudante do curso de Economia Domestica/UFV e Bolsista SESu/MEC/UNIEDHS 1

2 Desde os primórdios do processo de desenvolvimento brasileiro, o crescimento econômico tem gerado condições extremas de desigualdades sociais, que se manifestam sobre a vida dos sujeitos. Essa desigualdade social é um fenômeno socioeconômico inerente ao sistema capitalista, onde um pequeno grupo de pessoas detém os meios de produção e o capital financeiro, enquanto a grande maioria da população é possuidora de sua força de trabalho. No entanto, vale salientar que o conceito desigualdade social é multidimensional, ou seja, são muitos os aspectos que devem ser analisados para que seja possível a avaliação desse fenômeno. Além disso, o conhecimento da natureza das desigualdades sociais e o impacto social de políticas, programas, projetos e ações sobre a realidade dos sujeitos e seus determinantes orientam as prioridades para a gestão pública. Dessa forma, a construção de indicadores está sendo cada vez maior pela sociedade por presumir serem capazes de resumir aspectos importantes sobre a vida dos sujeitos e nortear esses gestores na distribuição dos escassos recursos destinados a população. A literatura, entretanto, traz a discussão que os indicadores utilizados inicialmente centravam-se apenas em variáveis econômicas, não dando conta das conseqüências imprevistas do desenvolvimento econômico, como desigualdade social e degradação do ambiente. Com o intuito de suprir essa lacuna é construído outro indicador que mensura além da produção econômica, o desenvolvimento social da população, levando em consideração as dimensões longevidade e educação. Posteriormente, viu-se a necessidade de uma avaliação que levasse em conta, além dos aspectos econômicos e sociais, o olhar dos sujeitos em seu contexto específico, pois os indicadores utilizados até então não mapeavam de fato o cotidiano dos sujeitos a partir da realidade vivenciada por eles e pelo espaço onde vivem. A partir das discussões apresentadas e entendendo ser necessário se debruçar sobre as questões relativas ao entendimento da desigualdade social e seus aspectos que devem ser analisados para que seja possível a avaliação desse fenômeno, este trabalho pretende colaborar com o aprofundamento da temática a partir dos diversos indicadores que existem para mensurar o desenvolvimento social da sociedade. Objetivos específicos: Apresentar as origens e características do Produto Interno Bruto (PIB) e do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH); Caracterizar os indicadores encontrados na literatura para a mensuração do desenvolvimento social; Sistematizar as limitações e vantagens dos indicadores para a mensuração do desenvolvimento social apresentados na literatura; Apresentar os principais pontos fracos e fortes dos a partir do olhar da realidade local. 2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 2

3 Para recuperar as origens do Produto Interno Bruto (PIB) e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e apresentar suas características, escolheu-se como técnica de pesquisa o Estado da Arte. Segundo Ferreira (2002), o Estado da Arte pode ser compreendido também como Estado do Conhecimento : Definidas como de caráter bibliográfico, elas têm em comum o desafio de mapear e de discutir certa produção acadêmica em diferentes campos do conhecimento, tentando responder que aspectos e dimensões vêm sendo destacados e privilegiados em diferentes épocas e lugares, de que formas e em que condições têm sido produzidas certas dissertações de mestrado, teses de doutorado, publicações em periódicos e comunicações em anais de congressos e de seminários (FERREIRA, 2002, p. 258). Neste trabalho o Estado da Arte, compreendeu coleta de dados em Home Page de sites acadêmicos da internet e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) na busca de materiais 7 que abordassem o assunto proposto nos objetivos. Para caracterizar os indicadores para o desenvolvimento social e discutir seus pontos fracos e fortes, utilizou-se o método da Análise de Conteúdo. Segundo Bardin (2009), a Análise de Conteúdo, é um conjunto de técnicas que têm por objetivo explicitar e sistematizar o conteúdo da mensagem, tendo como referência a origem, o contexto e os efeitos dessa mensagem. Na busca no Home Page de sites acadêmicos, inciou-se a pesquisa sem filtros para seleção, encontrando-se dezenove mil e duzentos artigos relacionados ao termo Indicadores Econômicos e cento e oitenta e seis mil artigos relacionados ao termo Indicadores Sociais. Especificando a busca pelas palavras-chave Indicadores Econômicos e Indicadores Sociais, o número de artigos sobre Indicadores Econômicos foi reduzido a oitenta e seis artigos e para Indicadores Sociais, noventa e três artigos. Restringindo ao período de 2009 a 2010, o números de artigos obtidos foram de dezenove artigos para o termo Indicadores Econômicos e trinta e sete para o termo Indicadores Sociais. No Home Page do PNUD, encontrou-se para consulta os Relatórios de Desenvolvimento Humano e o Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil, do qual foram úteis na obtenção de dados sobre o IDH. Procedeu-se à leitura dos resumos dos artigos. Utilizou-se como critério nesta etapa, a existência de algum tópico específico, cujo título apresentasse o termo Indicadores Econômicos ou Indicadores Sociais. No total foram selecionados para leitura completa, vinte e três artigos, e uma notícia de jornal e duas dissertações de mestrado. 3 REFERENCIAL TEÓRICO Considerando os objetivos propostos para análise e discussão do material, a revisão de literatura foi dividida nos seguintes tópicos: 7 Os materiais encontrados foram artigos de revistas e jornais e notícias. 3

4 3.1 Em termos da desigualdade social Neste tópico será apresentada uma breve descrição da desigualdade social, apresentando dados recentes do Brasil e os diferentes aspectos da vida que devem ser analisados. Analisar a desigualdade é importante porque ela tem impacto direto sobre a qualidade de vida da população e está diretamente relacionada ao nível de diversas variáveis socioeconômicas. Desde os primórdios do processo de desenvolvimento brasileiro, o crescimento econômico tem gerado condições extremas de desigualdades sociais, que se manifestam sobre a vida dos sujeitos. Segundo Ferreira; Latorre (2011) essa desigualdade social é um fenômeno socioeconômico inerente ao sistema capitalista, onde um pequeno grupo de pessoas detém os meios de produção e o capital financeiro, enquanto a grande maioria da população é possuidora de sua força de trabalho. A partir do momento em que a sociedade sai de uma produção de subsistência para uma produção de excedentes em grande escala, surgiram as desigualdades sociais, as quais persistem até hoje nas sociedades. Essa disparidade econômica se reflete especialmente sobre a qualidade de vida da população: expectativa de vida, mortalidade infantil e analfabetismo, dentre outros aspectos (VILELA, 2010 apud RIBEIRO, 2009; HASENBALG; VALLE SILVA, 2003). O conceito desigualdade social é multidimensional, ou seja, são muitos os aspectos da vida (renda, saúde, educação, cultura, raça, gênero, dentre outros) que devem ser analisados para que seja possível a avaliação desse fenômeno. Nos seus diferentes conceitos, o que difere as desigualdades entre uma sociedade e outra é o grau, que pode ser alto, médio ou baixo; e a sua rigidez que varia entre maior ou menor probabilidade de mudança entre as classes ou grupos segregados dentro da sociedade. Essas desigualdades são resultantes dos arranjos socialmente construídos e levam à exclusão ou à inclusão de certos grupos na estrutura social (VILELA, 2010). Em relação ao Brasil o relatório das Nações Unidas (PNUD) mostra que o Brasil tem um dos maiores níveis de desigualdade social do mundo. Mas os números revelam também que, nos últimos anos, houve avanços para reduzir o problema. Segundo o relatório do PNUD, que compara a situação dos países em 2006, o Brasil é o sétimo mais desigual atualmente. O índice que mede essa diferença varia de zero a um. Quanto mais perto de um, pior é o nível de desigualdade. O do Brasil ficou 0,56. Na América Latina, nosso país tem o terceiro pior índice, à frente apenas do Haiti e da Bolívia. Nos últimos anos, o Brasil melhorou seu índice de desigualdade, que em 2008 chegou a 0,54, mas ainda há um longo caminho (JORNAL NACIONAL, 2010). Além disso, o conhecimento da natureza das desigualdades sociais e o impacto social de políticas, programas, projetos e ações sobre a realidade dos sujeitos e seus determinantes orientam as prioridades para a gestão pública. Dessa forma, a construção de indicadores está sendo cada vez maior pela sociedade por presumir serem capazes de resumir aspectos importantes sobre a vida dos sujeitos e nortear esses gestores na distribuição dos escassos recursos destinados a população. 4

5 A parir desta apresentação no próximo tópico serão analisados as origens e características do Produto Interno Bruto (PIB) e do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), destacando suas principais vantagens e limitações em representar o que se propõe a indicar. 3.2 Origens e características do Produto Interno Bruto (PIB) e do Índice de Desenvolvimento Humano e Social (IDH) Segundo Caldas (2008) foi principalmente no século XX que dados econômicos começaram a ser coletados por departamentos, agências e divisões de repartições públicas nacionais, surgindo assim os indicadores econômicos. O mais conhecido desses indicadores é o Produto Interno Bruto (PIB). O PIB foi criado na década de 1930 pelo russo naturalizado americano Simon Kuznets, que na década de 1971 ganha o Prêmio Nobel de Economia pela construção desse indicador. O PIB é um índice que mede o crescimento econômico de um país, região ou cidade. Sob a responsabilidade da Faculdade Getúlio Vargas (FGV) foi aplicado pela primeira vez em 1948, no mundo e no Brasil. A partir da década de 1990, passa a ser medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com base em metodologia recomendada pela Organização das Nações Unidas (ONU). O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos em um país durante certo período de tempo. Para evitar o problema de dupla contagem, o PIB considera apenas bens e serviços finais, excluindo da conta todos os bens de consumo intermediário (insumo) (LOURENÇO; ROMERO, 2002). Os indicadores econômicos agregados (produto, renda, despesa) indicam os mesmos valores para a economia de forma absoluta. Para obter o PIB per capita ou renda per capita de uma região (país, estado ou cidade), dividi-se o valor do Produto Interno Bruto pelo número de habitantes da área em estudo. A partir desse cálculo é possível apresentar o que cada sujeito da região seria responsável em média pela produção de riqueza no período de um ano (FJP; IPEA; PNUD, 2011). O PIB é um índice que determina tudo aquilo que é produzido e consumido através de transações monetárias, mas não mede outras formas de capital e serviços, tais como aqueles providos pelo meio ambiente, humanos e sociais. Nesse caso, se algum bem for conservado e não consumido, deixa de ser registrado como bem de valor. Sendo uma medida de fluxo de produção por unidade de tempo, não considera estoques de capital (economia), que são importantes componentes determinantes dos fluxos de produção, como por exemplo, capital social, capital humano (educação, saúde, etc) e capital natural (FIB, s.d). Indicadores econômicos como o PIB per capita, foi por muito tempo a medida mais difundida e importante do desenvolvimento econômico, que comparava a qualidade de vida entre diferentes países, regiões e cidades e culturas. Esse era um indicador que avaliava a sociedade economicamente, mostrando que os países cujo economia fossem as melhores, consequentemente sua população tinha melhor qualidade de vida (PASCHOAL, 2000). Atualmente, o PIB continua sendo um indicador importante do desenvolvimento econômico de um país. No entanto, o próprio Simon Kuznets, seu criador, mostrou sua 5

6 opinião frente ao PIB durante um Congresso dos Estados Unidos em 1932, quando disse que, "A riqueza de uma nação dificilmente pode (...) ser aferida pela medida da renda nacional" (CALDAS, 2008, p.1). Como o próprio Simon Kuznets destaca, o PIB não pode ser considerado como indicadores gerais do progresso de um país. Na verdade, este índice difundiu durante a II Guerra Mundial para mensurar a produção voltada para o conflito em forma de tanques, aviões, automóveis e todos os outros bens e serviços comercializados com base na economia monetária de uma nação (CALDAS, 2008). Nesse contexto, entende-se que um indicador com base na renda, é insuficiente para avaliar o desenvolvimento da população. Sendo o Produto Interno Bruto (PIB), um instrumento limitado para medir o progresso das sociedades, uma vez que não consegue mensurar, com eficácia, o desenvolvimento social de uma nação, a Organização das Nações Unidas (ONU), lança em 1990 o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que leva em conta outras dimensões além da monetária. Este índice parte do pressuposto de que para avaliar o desenvolvimento da população não deve considerar apenas a dimensão econômica, mas também as dimensões longevidade e educação, o que minimizaria a unidimensionalidade do PIB, levando em consideração as características sociais, culturais e políticas que constituem também fatores relacionados à qualidade da vida dos sujeitos (PNUD, 2011). O IDH é um índice de comparação entre países, calculado com base em dados econômicos e sociais, com o objetivo de medir o grau de desenvolvimento socioeconômico e a Qualidade de Vida oferecida à população (PNUD, 2011). Criado por Mahbub ul Haq com a colaboração do economista indiano Amartya Sen, ganhadores do Prêmio Nobel de Economia de 1998, o IDH pretende ser uma medida geral, sintética, do desenvolvimento humano. Não abrange todos os aspectos de desenvolvimento e não é uma representação da "felicidade" das pessoas, nem indica "o melhor lugar no mundo para se viver" (PNUD, 2011). O IDH é composto por três dimensões, acessíveis em todo mundo e de simples entendimento: a) PIB per capita, b) longevidade e c) educação. Para aferir a longevidade, são utilizados dados sobre a expectativa de vida ao nascer; a educação é avaliada pelo índice de analfabetismo e pela taxa de matrícula em todos os níveis de ensino e a renda é mensurada pelo PIB per capita, em dólar PPC (paridade do poder de compra, que elimina as diferenças de custo de vida entre os países) (PNUD, 2011). A primeira publicação do Relatório de Desenvolvimento Humano, foi na década de 1990, no entanto, o índice foi recalculado para os anos anteriores, a partir de É um índice-chave dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas e, no Brasil, tem sido utilizado pelo governo federal e pela administração municipal com o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) (PNUD, 2011). Atualmente é um índice muito conhecido e de referência para o país, apresentando grande importância para obtenção de dados da sociedade civil. 3.3 Limitações e vantagens do Produto Interno Bruto (PIB) e do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 6

7 A proposta deste tópico é apresentar as principais limitações e vantagens do Produto Interno Bruto (PIB) e do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a partir das origens e características descritas anteriormente. A primeira vantagem encontrada tanto no PIB quanto no IDH, é que estes utilizam dados que são acessíveis em quase todos os países do mundo, possibilitando, portanto a comparação dos níveis de desenvolvimento humano entre os países e a conseqüente elaboração do ranking mundial de desenvolvimento humano (PNUD, 2011). No que diz respeito às limitações do PIB na sua utilização em representar o desenvolvimento socioeconômico pode-se citar: (a) a incapacidade de refletir a distribuição da renda interna em cada unidade territorial; (b) o fato de ser sensivelmente afetado pela variação cambial e; (c) o seu caráter unidimensional, ou seja, não capta outros aspectos essenciais, da realidade social da população (GUIMARÃES; JANNUZZI, 2004); (d) sendo o PIB uma medida de renda coletiva, não leva em consideração as diferenças na distribuição de renda entre pobres e ricos, podendo aumentar enquanto a maioria dos cidadãos de um país fica mais pobres, ou proporcionalmente não tão ricos, (FIB, s.d). Em relação ao IDH, cita-se algumas vantagens em relação a sua representação: (a) o fato de ser um índice que apresenta maior número de indicadores: a) esperança de vida ao nascer; b) taxa de analfabetismo; c) taxa de matrícula combinada; e d) renda per capita, o que minimizaria a unidimensionalidade do PIB, levando em consideração as características sociais, culturais e políticas, que constituem também fatores relacionados ao desenvolvimento e à qualidade da vida da população; (b) apesar de ser um índice composto, na qual, utilizam quatro indicadores que representam as dimensões renda per capita, educação e longevidade, o IDH, mantém uma simplicidade de entendimento para transmitir seu significado a um público amplo e diversificado, o que tem constituído num fator muito importante na sua transparência; (c) este índice tem visão etnocêntrica, ou seja, uma visão do mundo onde determinado grupo é modelo de referência, reduzindo os demais grupos e culturas diferentes. Utilizar desta teoria para representar o desenvolvimento de uma localidade, não considera as particularidades, desigualdades e culturas de cada região ou local CALDAS (2001, p. 28); (d) a arbitrariedade, ou seja, o seu resultado do IDH provém da média aritmética de indicadores específicos e tão distintos que captam renda, escolaridade e longevidade (VEIGA, 2003). Fato esse que é questionado pelo autor Veiga, 2003, p.1: Mesmo que se aceite a ausência de outras dimensões do desenvolvimento para as quais ainda não há disponibilidade de indicadores tão cômodos como a ambiental, a cívica, ou a cultural é duvidoso que seja essa média aritmética a que melhor revele o grau de desenvolvimento atingido por uma determinada coletividade. Ao contrário, é mais razoável supor que o cerne da questão esteja justamente no possível descompasso entre o nível de renda obtido por determinada comunidade e o padrão social que conseguiu atingir, mesmo que revelado apenas pela escolaridade e longevidade (VEIGA, 2003, p.1). E por fim: (e) no processo de construção do índice são misturados indicadores de estoque (alfabetização e esperança de vida) com indicadores de fluxo (escolaridade bruta e PIB per capita). Sendo o PIB per capita uma variável susceptível a variações 7

8 conjunturais, o que não acontece com os indicadores, alfabetização e esperança de vida, as alterações anuais do IDH e a classificação entre os países podem estar refletindo, em muitos casos, de forma mais efetiva as mudanças desta componente e não dos eventuais progressos nas dimensões de educação e saúde (GUIMARÃES; JANNUZZI, 2004, p.6). O conjunto dessas problemáticas aponta as limitações e falta de especificidade do IDH para retratar avanços e retrocessos do desenvolvimento socioeconômico e de determinadas políticas sociais, principalmente em países de natureza como o Brasil. Índices, como o PIB e o IDH, que já são predeterminados, ou seja, primeiro escolhe o indicador e depois associa ao problema da realidade estudada, não oferece ações eficientes de acordo com a realidade com que se deseja trabalhar (JANNUZZI, 2002). 3.4 Pontos fracos e fortes dos indicadores a partir da realidade local Embora a insuficiência de renda seja um dos primeiros indicadores construídos para representar o desenvolvimento de uma população, não é o único que existe e que deve ser considerado. Após o Produto Interno Bruto (PIB), que tem como único indicador a renda, outros índices foram construídos com a intenção de sintetizar outras dimensões relevantes para o desenvolvimento da população. O índice que mais se destacou e teve verdadeiro impulso foi o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Com a criação do IDH, outros índices similares foram criados, entretanto com um número maior de dimensões e indicadores e adaptações na metodologia. Dentre eles pode-se citar: o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M), o Índice de Condições de Vida (ICV), o Índice Social Municipal (ISM), o Índice de Desenvolvimento da Família (IDF) e o Índice de FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM). O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) foi construído com base no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o Índice de Condições de Vida (ICV) é uma extensão do IDH-M. Ambos foram desenvolvidos pela Fundação João Pinheiro (FJP) e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), o primeiro criado na década de 1996 e o segundo na década de 1998 (FJP; IPEA; PNUD, 2011). Tanto o IDH-M quanto o ICV utilizam exclusivamente variáveis obtidas, direta ou indiretamente, dos Censos Demográficos do IBGE. O IDH-M é composto das dimensões renda, educação e longevidade, do qual são representados por quatro indicadores. O ICV além de incorporar duas novas dimensões (habitação e infância), abrange dezoito indicadores, destinados a captar outros aspectos das dimensões longevidade, educação e renda, que já estavam presentes no IDH-M (SANTOS, 2005). Para o cálculo do IDH-M e do ICV as dimensões longevidade, educação, renda, habitação e infância, são transformadas em índices que variam de 0 (pior) a 1 (melhor), ou seja, quanto mais próximo de 1, maior é o nível de desenvolvimento e quanto mais próximo de 0 menor o desenvolvimento (SANTOS, 2005). Embora o IDH-M utilize metodologia semelhante ao IDH, foram realizadas algumas adaptações nas dimensões renda e educação, de modo a representar melhor as condições efetivamente vigentes no nível municipal. Isso se deve ao fato de os municípios serem unidades geográficas 8

9 menores e sociedades mais abertas, dos pontos de vista econômicos e demográficos, do que um país ou uma região (FJP; IPEA; PNUD, 2011). A partir das características apresentadas, foi possível apresentar alguns pontos fracos e fortes desses índices em representar a realidade local na sua complexidade. Em relação aos pontos fortes pode-se citar que: (a) estes índices são estimados para áreas geográficas e não estão adaptados para serem calculados para a população que está inserida no local. Pode-se calcular o Índice de Desenvolvimento Humano para um país, região e município, mas não, para grupos etários, famílias, negros, dentre outros. A justificativa para tal fato é porque esses índices, primeiro agrega espacialmente as informações sobre as famílias de uma determinada área (...) e somente depois é que se passa à agregação temática ou relativa às dimensões de pobreza. Os autores Barros; Carvalho, Franco (2003) justificam que o: O fato de o IDH realizar a agregação temática num segundo passo permite que se recorra a diversas bases de dados para melhor expressar as diferentes dimensões da pobreza. Essa é, sem dúvida, uma grande vantagem de indicadores como o IDH, que permitem que dimensões raramente contempladas numa mesma base de informações possam ser conjuntamente incluídas no índice sintético. Além disso, no cálculo do IDH, é possível se fazer um melhor uso de toda a riqueza de informações disponíveis em uma determinada área geográfica (BARROS; CARVALHO; FRANCO, 2003 p. 7). No que diz respeito aos pontos fracos pode-se citar: (a) expandir o número de dimensões e indicadores é um trabalho simples, muito mais fácil do que determinar como tais indicadores devem ser mensurados em determinada localidade (BARROS; CARVALHO; FRANCO, 2003, p.2). Como exemplo, pode-se citar o Índice de Condições de Vida, que acrescenta com facilidade no seu índice quatorze indicadores a mais que o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal; (b) a falta de agregabilidade. O fato de vários dos indicadores adotados terem diferentes bases populacionais, ou seja, na dimensão renda per capita o IDM-M utiliza toda a população para o seu calculo e na dimensão educação, a taxa de analfabetismo refere-se apenas à população de 15 anos e mais e a taxa combinada de matrícula, à população de 7 a 22 anos (BARROS; CARVALHO; FRANCO, 2003, p.7). Ao final, as dimensões renda e educação vão compor o mesmo índice, mas com uma parcela da população representando a situação da educação, enquanto toda a população representa situação da renda naquele local. Essa falta de agregabilidade pode não representar de fato a realidade vivenciada pela comunidade daquele local específico, já que não considera todos os sujeitos que vivem no local; (d) dificuldades de agregação. Enquanto muitos indicadores de pobreza para um país se igualam à média ponderada dos correspondentes indicadores para os estados, temos que, no caso do IDH do país, este não pode ser obtido de qualquer média ponderada dos IDHs dos estados ; (e) para criar um índice, não existem regras para a seleção dos indicadores e pesos que irão compor este índice, assim estes são determinados de acordo com o pesquisador ou órgão responsável pela pesquisa (BARROS; CARVALHO; FRANCO, 2003). A escolha final de quais indicadores deve compor o índice e de que pesos devem ser utilizados não é uma questão técnica ou estatística, essa escolha deve refletir preferências sociais e, portanto, deve ser uma questão percebida pela sociedade e não por sujeitos que se encontram fora dessa realidade. 9

10 A partir desses indicadores apresentados, não é possível representar a vulnerabilidade da sociedade. Cada família encontra em determinado momento da vida. Com a presença de gestantes, crianças, adolescentes, jovens e idosos, a vulnerabilidade das famílias aumentam, porque aumenta o volume de recursos necessários para a satisfação de suas necessidades básicas (BARROS; CARVALHO; FRANCO, 2003). A desigualdade é um fenômeno multidimensional, que abrange aspectos complexos da vida como, educação, saúde, habitação, transporte, lazer, trabalho, dentre outros. Essa característica, dificulta a classificação ou ordenação dos aspectos da vida. Em uma sociedade complexa e desigual, não é possível afirmar que uma cidade é pior em condições de desenvolvimento do que a outra, só pelo fato de apresentar piores condições em certas dimensões se comparando com a outra cidade. O que pode afirmar é que uma cidade é melhor do que a outra em certas dimensões, devido as suas particularidades e diferenças individuais. Além disso, é preciso analisar o que a sociedade considera mais relevante para sua vida. A opinião dos sujeitos é de fato importante na construção dos indicadores, no entanto, estes fazem suas escolhas levando em consideração suas preferências individuais, escolhendo que algumas dimensões sejam mais importantes que outras do que outras. O principal problema é que não se sabe os motivos das escolhas das pessoas. Sendo assim, para a construção de um índice que apresente de fato a realidade vivenciada pelos sujeitos em determinada localidade, deve haver um consenso entre a sociedade civil, ONG s e até mesmo o apoio de instituições acadêmicas, que podem promover e estimular esse contato. Além disso, outro ponto fraco está em definir os programas sociais que sejam prioritários para a localidade. Já que a sociedade compõem de populações heterogêneas e com olhares diferentes para a realidade, não é possível estabelecer para a população o que é mais importante para ela própria. Deve ser considerado alguns aspectos mais importantes que outro, como por exemplo a educação pode ser mais importante que a saúde para pessoas diferentes, mas residentes em uma mesma localidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este estudo foi motivado pelas conclusões de pesquisas anteriores, que demonstraram a necessidade de desenvolver índices que capturem de fato as necessidades da sociedade. Com isso, ficamos instigados a aprofundar este trabalho nos indicadores sociais construídos para os países, regiões, cidades e municípios, reconhecendo o que de fato estes mapeam a partir realidade local da população. A partir do desenvolvimento do trabalho, foi possível perceber que nem mesmo os índices construídos á nível municipal são capazes de retratar a realidade vivenciada pela população, principalmente as carências locais permitindo, assim, um direcionamento mais eficaz das políticas públicas que visam atenuar tais necessidades. Concluímos que apesar de as limitações que os indicadores apresentam, estes são instrumentos importantes no desenvolvimento do país em representar questões relativas, á pobreza, saúde, educação, habitação, dentre outras. 10

11 A falta de indicadores mais focados à realidade local, representando as necessidades reais da população, são essenciais para uma aplicação efetiva dos indicadores. O movimento, entretanto, de busca de outras variáveis, tem conduzido a novas possibilidades de incorporação da subjetividade assim como das características particulares a cada realidade. Embora tenhamos apresentado as dificuldades dos indicadores em representar a realidade social, é importante ressaltarmos que esse cenário de construção e aprimoramento dos índices, significa que os esforços contínuos e colaborativos dos países, regiões e municípios, representam a grande força propulsora em prol do desenvolvimento social e melhoria na qualidade de vida da sociedade. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARROS, P. A.; CARVALHO, M., FRANCO, S. Índice de desenvolvimento da família (IDF). IPEA: Rio de Janeiro, (Texto para discussão N0 986). CALDAS, C. A história da arte de mensurar. Revista eletrônica de jornalismo cientifica, 10 mar Disponível em: <http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=33&id=387>.acesso em: jan FERREIRA, M. A. F.; LATORRE, M. R. D. O. desigualdade social e os estudos epidemiológicos: uma reflexão social. Revista Ciência & Saúde Coletiva para a Sociedade, Rio de Janeiro, RJ, ISSN FERREIRA, N.S.A. As pesquisas denominadas Estado da Arte. Revista Educação e Sociedade, São Paulo, ano XXIII, nº 79, Agosto/2002. FIB - FELICIDADE INTERNA BRUTA Índice de Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <http://www.felicidadeinternabruta.org.br/>. Acesso em: 11 out FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO FJP, INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA IPEA, PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PNUD. Índice de desenvolvimento Humano dos Municípios Brasileiros IDH. Disponível em: <http://www.fjp.gov.br/publicaçoes/indicededes envolvimentohumanodosmunicipiosbrasileirosidh(fjp/ipea/pnud).html>. Acesso em 23 nov GUIMARÃES, J. R. S.; JANNUZZI, P. M. IDH, indicadores sintéticos e suas aplicações em políticas públicas: uma análise crítica. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 14. Anais... Caxambu, JANNUZZI, P. M. Considerações sobre uso, abuso e mau uso de indicadores nas políticas públicas municipais. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 36(1):51-72,2002. JORNAL NACIONAL. Relatório diz que desigualdade no Brasil é uma das maiores do mundo, Rio de Janeiro, 23 jul Disponível em: <http://g1.globo.com/jornal- 11

12 nacional/noticia/2010/07/relatorio-diz-que-desigualdade-no-brasil-e-uma-das-maioresdo-mundo.html>. Acesso em: 12 jan LOURENÇO, M. G.; ROMERO, M. Indicadores econômicos. Coleção Gestão empresarial, Curitiba, PR, v.1, n. 3, p.27-41, PASCHOAL, S. M. P. Qualidade de Vida do idoso: elaboração de um instrumento que privilegia sua opinião p. Dissertação (Mestrado em Medicina) Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PNUD. Desenvolvimento Humano e IDH. Disponível em: <http://www.pnud.org.br/idh/>. Acesso em: jan SANTOS, M. J. S. Indicadores de Desenvolvimento Humano e Qualidade de Vida na Amazônia: A Experiência do Acre p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) Universidade de Brasília, Brasília-DF, VEIGA, J. E. Problemas do uso ingênuo do IDH-M. Valor, 14/01/2003. VILELA, E. M. Desigualdade social: permanência e evolução no Brasil Minas Gerais: Centro de Referência Virtual do Professor - SEE-MG / setembro

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL Eixo temático: Indicadores Sociais 1 Variável: IDESE O Idese (Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico) é um índice sintético, inspirado

Leia mais

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld O que é IDH? O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa de renda, escolaridade e longevidade para os diversos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

FAQ - Perguntas Frequentes

FAQ - Perguntas Frequentes FAQ - Perguntas Frequentes Desenvolvimento Humano, IDH e IDHM O que é Desenvolvimento Humano? Difundido no primeiro Relatório de Desenvolvimento Humano Global do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores.

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores. DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI Jeniffer Fonseca da Silva Jean Carlos da Silva Américo Tito Carlos Machado de Oliveira 1 Aluna do curso de ciências econômicas da UFMS,

Leia mais

3 INDICADORES SOCIAIS

3 INDICADORES SOCIAIS 3 INDICADORES SOCIAIS Investigar o estágio de desenvolvimento de uma sociedade é uma tarefa extremamente desafiante, visto a inexistência de um indicador absoluto, consensual, inquestionável. Medir qualidade

Leia mais

Como funciona o índice de Desenvolvimento humanos IDH

Como funciona o índice de Desenvolvimento humanos IDH Como funciona o índice de Desenvolvimento humanos IDH 1 Introdução 2 Metodologia 3 Resultados Introdução O propósito básico do desenvolvimento é ampliar as escolhas das pessoas, criando um ambiente capacitante

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

Índices de Desenvolvimento e de Desigualdade

Índices de Desenvolvimento e de Desigualdade Martin Handford, Where s Wally? População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Índices de Desenvolvimento e de Desigualdade Antonio

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA Silvio A. F. Cario Prof. dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Economia e Administração da Universidade

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o O Brasil e o IDH No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) divulgou o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH 2005), com a análise de 177 países. Com dados

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção Índice de Gini e IDH Prof. Antonio Carlos Assumpção Redução da pobreza e Desigualdade de Renda Redução da pobreza e Desigualdade de Renda A partir da estabilização da economia, em 1994, houve no Brasil

Leia mais

RESULTADO DO IDH-M DAS UNIDADES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DA REGIÃO METOPOLITANA DE SÃO LUÍS

RESULTADO DO IDH-M DAS UNIDADES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DA REGIÃO METOPOLITANA DE SÃO LUÍS RESULTADO DO IDH-M DAS UNIDADES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DA REGIÃO METOPOLITANA DE SÃO LUÍS GOVERNADORA DO ESTADO DO MARANHÃO Roseana Sarney SECRETÁRIO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO João Bernardo

Leia mais

e-mail: lucilene_lima@uol.com.br Nome do Professor PDE: Lucilene de Souza Lima Corrêa Escola: Escola Estadual Desembargador Clotário Portugal - EFM

e-mail: lucilene_lima@uol.com.br Nome do Professor PDE: Lucilene de Souza Lima Corrêa Escola: Escola Estadual Desembargador Clotário Portugal - EFM 1 NRE: Área Metropolitana Sul Nome do Professor PDE: Lucilene de Souza Lima Corrêa Escola: Escola Estadual Desembargador Clotário Portugal - EFM Disciplina: Geografia Conteúdo Estruturante: Dimensão socioambiental

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Brasil. Valores de IDH e mudanças de classificação no Relatório de Desenvolvimento Humano 2011

Brasil. Valores de IDH e mudanças de classificação no Relatório de Desenvolvimento Humano 2011 Relatório de Desenvolvimento Humano 2011 Sustentabilidade e igualdade: Um futuro melhor para todos Nota explicativa sobre os índices compostos do IDH 2011 Brasil Valores de IDH e mudanças de classificação

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS INFORMATIVO ANO I N II ABRIL 2007 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000 Prof Dr. Vitor

Leia mais

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE Valéria D.Sartori Bassani 1 Introdução Este artigo tem por objetivo apresentar uma descrição sintética socioeconômica da cidade de Porto Alegre,

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010)

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010) Paraná Em, no estado do Paraná (PR), moravam 1,4 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,5%, 786,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 399 municípios, dos quais 23

Leia mais

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS Painel 3 A Importância da Integração das Estatísticas Oficiais Paulo de Martino Jannuzzi IDH Data: 14 e 15 de abril de 2014. 1 Limitações

Leia mais

O IDH Percebido. Marcelo Neri Centro de Políticas Sociais /IBRE, REDE e EPGE Fundação Getulio Vargas

O IDH Percebido. Marcelo Neri Centro de Políticas Sociais /IBRE, REDE e EPGE Fundação Getulio Vargas O IDH Percebido Marcelo Neri Centro de Políticas Sociais /IBRE, REDE e EPGE Fundação Getulio Vargas Olho O podium do IDH percebido é Singapura, Finlândia e Irlanda. O Brasil é 62º em 110 paises. Em nota

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA NA REGIÃO NORTE: DISCREPÂNCIAS, DISPARIDADES E ASSIMETRIAS DA SAÚDE COMO DIREITO SOCIAL

SAÚDE PÚBLICA NA REGIÃO NORTE: DISCREPÂNCIAS, DISPARIDADES E ASSIMETRIAS DA SAÚDE COMO DIREITO SOCIAL SAÚDE PÚBLICA NA REGIÃO NORTE: DISCREPÂNCIAS, DISPARIDADES E ASSIMETRIAS DA SAÚDE COMO DIREITO SOCIAL Prof. Dr. David Lopes Neto - UFAM Prof a Dr a Eliana Ofélia Llapa-Rodriguez - UFS Prof. Dr. António

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE Unidade III Cidadania e movimento. 2 Aula 14.2 Conteúdos Outros elementos medidos pelo IDH. Comentários sobre o IDH de 2011. 3 Habilidade

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

Aplicação dos Royalties do Petróleo: uma Proposta de Avaliação Qualitativa da Eficácia das Ações de Governo

Aplicação dos Royalties do Petróleo: uma Proposta de Avaliação Qualitativa da Eficácia das Ações de Governo Aplicação dos Royalties do Petróleo: uma Proposta de Avaliação Qualitativa da Eficácia das Ações de Governo João Alberto Neves S. joaoneves@vm.uff.br UFF Marcelo dos Santos de Oliveira marcelooliveira@criterioauditores.com.br

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

2. DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO: UMA REVISÃO

2. DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO: UMA REVISÃO CARACTERÍSTICAS DO INDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: COMPARATIVO ENTRE CASCAVEL E FOZ DO IGUAÇU Área: ECONOMIA Leila Fernanda Pedron UNIOESTE lfpedron@hotmail.com Marcia Rudy

Leia mais

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010)

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010) Rio Grande do Sul Em 21, no estado do Rio Grande do Sul (RS), moravam 1,7 milhões de pessoas, onde parcela importante (9,3%, 989,9 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 496 municípios,

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

A influência dos setores econômicos no Desenvolvimento Humano dos municípios Brasileiros

A influência dos setores econômicos no Desenvolvimento Humano dos municípios Brasileiros A influência dos setores econômicos no Desenvolvimento Humano dos municípios Brasileiros Leandro Sauer (leandrosauer@uol.com.br) Matemático e Doutor em Engenharia Elétrica, chefe e professor do Departamento

Leia mais

Anexo 1. Definição das variáveis de análise

Anexo 1. Definição das variáveis de análise Métodos Anexo 1 Definição das variáveis de análise 1. Saúde: a. Taxa de mortalidade infantil (TMI): número de óbitos de menores de um ano de idade, por mil nascidos vivos, na população residente em determinado

Leia mais

Plataforma IPEA de Pesquisa em Rede PROJETO: MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE SOCIAL NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS TERMO DE REFERÊNCIA

Plataforma IPEA de Pesquisa em Rede PROJETO: MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE SOCIAL NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS TERMO DE REFERÊNCIA Plataforma IPEA de Pesquisa em Rede PROJETO: MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE SOCIAL NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS TERMO DE REFERÊNCIA 1. Título da Pesquisa/Projeto: Mapeamento da Vulnerabilidade

Leia mais

Classificação dos Países

Classificação dos Países Indicadores Sociais: Os indicadores sociais são meios utilizados para designar os países como sendo: Ricos (desenvolvidos), Em Desenvolvimento (economia emergente) ou Pobres (subdesenvolvidos). Com isso,

Leia mais

A Utilização do IDH para Políticas Públicas de Inclusão Digital nos Municípios Brasileiros: Conceitos Metodológicos e Legitimidade desse Critério.

A Utilização do IDH para Políticas Públicas de Inclusão Digital nos Municípios Brasileiros: Conceitos Metodológicos e Legitimidade desse Critério. A Utilização do IDH para Políticas Públicas de Inclusão Digital nos Municípios Brasileiros: Conceitos Metodológicos e Legitimidade desse Critério. Autoria: Steven Dutt-Ross, Leonardo Lobo Pires, Janaina

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010)

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010) Santa Catarina Em 21, no estado de Santa Catarina (SC), moravam 6,3 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,9%, 43,7 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 293 municípios,

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo 1) Introdução Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco O desenvolvimento humano, como conceito, tem-se mostrado polêmico e, muitas vezes, provisório.

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010)

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010) São Paulo Em 21, no estado de São Paulo (SP), moravam 41,3 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,8%, 3,2 milhões) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 645 municípios,

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Econômico

Crescimento e Desenvolvimento Econômico FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Crescimento e Desenvolvimento Econômico Prof. Tiarajú A. de Freitas Bem-vindo! É com grande

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA de Andrade Lima, Ana Elizabeth; Pinheiro Rodrigues, Cristina; da Fonseca Santa Cruz,

Leia mais

Módulo: Indicadores Sintéticos: IPRS e IPVS Parte 2 Palestrante: Maria Paula Ferreira

Módulo: Indicadores Sintéticos: IPRS e IPVS Parte 2 Palestrante: Maria Paula Ferreira Módulo: Indicadores Sintéticos: IPRS e IPVS Parte 2 Palestrante: Maria Paula Ferreira Roteiro da Apresentação Nova Forma de Atuação do Setor Público O papel das Estatísticas e Indicadores Indicadores O

Leia mais

ALTO IGUAL OU MAIOR QUE 0,8 MÉDIO DE 0,5 A 0,79 BAIXO MENOS QUE 0,5 COLOCAÇÃO DO BRASIL NO RANKING MUNDIAL 69º CLASSIFICAÇÃO MÉDIA 0,792

ALTO IGUAL OU MAIOR QUE 0,8 MÉDIO DE 0,5 A 0,79 BAIXO MENOS QUE 0,5 COLOCAÇÃO DO BRASIL NO RANKING MUNDIAL 69º CLASSIFICAÇÃO MÉDIA 0,792 IDH ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO O IDH foi criado pelas Nações Unidas para medir o grau de desenvolvimento humano dos países. O índice é composto por uma série de indicadores sociais e econômicos,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Por que fazer o Censo de 2010?

Por que fazer o Censo de 2010? Por que fazer o Censo de 2010? Diretoria de Pesquisas 18.08.2010 Introdução...2 Para acompanhar evolução da ocupação do território e planejar o seu desenvolvimento sustentável....2 Para avaliar, planejar

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

ERIKA ROCHA FERREIRA LIMA

ERIKA ROCHA FERREIRA LIMA ERIKA ROCHA FERREIRA LIMA Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-graduação do como parte das exigências do Curso de Especialização em Orçamento Público Brasília 2008 2008 1. IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

UM PANORAMA DAS RAZÕES DOS DESCUMPRIMENTOS DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE RESERVA-PR RESUMO

UM PANORAMA DAS RAZÕES DOS DESCUMPRIMENTOS DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE RESERVA-PR RESUMO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA UM PANORAMA DAS RAZÕES DOS DESCUMPRIMENTOS DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

Leia mais

Notas sobre o IDH/PNUD 2010

Notas sobre o IDH/PNUD 2010 Notas sobre o IDH/PNUD 2010 Rogério Vianna, agosto de 2013 O PNUD vem de publicar o IDH 2010 dos municípios e estados brasileiros (http://www.atlasbrasil.org.br/2013). Conquanto nem sempre se possa encontrar

Leia mais

Cartografia Sociocultural uma análise alternativa de qualidade de vida

Cartografia Sociocultural uma análise alternativa de qualidade de vida Cartografia Sociocultural uma análise alternativa de qualidade de vida Luis Gustavo Ferreira Cabral 1 luis.cabral@ufv.br Amélia Carla Sobrinho Bifano 2 abifano@ufv.br Jordana de Souza Moraes 3 jordana.moraes@ufv.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES Sylvio Bandeira de Mello e Silva Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Estudo Comparativo 1991-2000

Estudo Comparativo 1991-2000 Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações DESENVOLVIMENTO HUMANO EM NATAL Estudo

Leia mais

Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômico-Sociais INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PARA UBERLÂNDIA E MUNICÍPIOS SELECIONADOS (1991 2000)

Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômico-Sociais INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PARA UBERLÂNDIA E MUNICÍPIOS SELECIONADOS (1991 2000) Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômico-Sociais INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PARA UBERLÂNDIA E MUNICÍPIOS SELECIONADOS (1991 2000) Uberlândia MG Julho / 2005 INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo *** Esta apresentação propõe-se a trazer um breve panorama do trabalho realizado e, para isso, omite diversos pontos metodológicos e de

Leia mais

VIDA LONGA - Idosas conversam em Tóquio: com alto índice de desenvolvimento humano, o Japão têm a maior expectativa de vida, com 83,5 anos

VIDA LONGA - Idosas conversam em Tóquio: com alto índice de desenvolvimento humano, o Japão têm a maior expectativa de vida, com 83,5 anos 1 de 7 31/01/2014 23:22 Aumentar a fonte Diminuir a fonte Demografia e IDH Márcia Nogueira Tonello VIDA LONGA - Idosas conversam em Tóquio: com alto índice de desenvolvimento humano, o Japão têm a maior

Leia mais

V ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE Área Temática: 6. Economia Social e Políticas Públicas

V ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE Área Temática: 6. Economia Social e Políticas Públicas V ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE Área Temática: 6. Economia Social e Políticas Públicas UMA ANÁLISE DAS POLÍTICAS SOCIAIS E DOS INDICADORES DE EDUCAÇÃO NOS MUNICÍPIOS DO COREDE METROPOLITANO DELTA DO

Leia mais

Juliana Geyna Régis Auxiliar de Pesquisa Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA e-mail: mapas@ipea.gov.br (0xx61 3315-5389) Setembro / 2012

Juliana Geyna Régis Auxiliar de Pesquisa Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA e-mail: mapas@ipea.gov.br (0xx61 3315-5389) Setembro / 2012 Juliana Geyna Régis Auxiliar de Pesquisa Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA e-mail: mapas@ipea.gov.br (0xx61 3315-5389) Setembro / 2012 O que veremos? Ipea Instituição, missão e divulgação;

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Socioeconômico e pobreza extrema: um cenário para os municípios gaúchos. Ely José de Mattos. Marcos Vinicio Winck Junior

Índice de Desenvolvimento Socioeconômico e pobreza extrema: um cenário para os municípios gaúchos. Ely José de Mattos. Marcos Vinicio Winck Junior Índice de Desenvolvimento Socioeconômico e pobreza extrema: um cenário para os municípios gaúchos Ely José de Mattos Pesquisador FEE, Professor do curso de Economia da PUCRS, Doutorando em Economia da

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

PDR - Critério de classificação de microrregiões

PDR - Critério de classificação de microrregiões PDR - Critério de classificação de microrregiões Na definição deste critério, procurou-se inspiração na metodologia desenvolvida por ocasião da elaboração da Política Nacional de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais