CIRCULAR INFORMATIVA GA/05/2013. SUMÁRIO. Assuntos Trabalhistas / Previdenciários RJ Assuntos Estaduais / Municipais ICMS Nacional...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIRCULAR INFORMATIVA GA/05/2013. SUMÁRIO. Assuntos Trabalhistas / Previdenciários... 24. RJ Assuntos Estaduais / Municipais... 31. ICMS Nacional..."

Transcrição

1 Rio de Janeiro, 23 de Abril de CIRCULAÇÃO DATA RUBRICA. Diretor/Sócio.. Contador.. Chefe D.P.. Chefe D.Fiscal.. Arquivo. CIRCULAR INFORMATIVA GA/05/2013. SUMÁRIO 1 Assuntos Federais pág. 2 3 Assuntos Trabalhistas / Previdenciários RJ Assuntos Estaduais / Municipais ICMS Nacional SP Assuntos Estaduais / Municipais Atenção: O conteúdo desta Circular Informativa poderá ser obtido no endereço eletrônico FUNDADOR: NELSON GORIN DIRETORES: J. ROBERTO FAVERO ILAN GORIN CRC-RJ Nº 176 Cadastro Especial de Auditores Independentes CRC-RJ Nº 49 - CNPJ MF / Insc. Mun

2 ASSUNTOS FEDERAIS IMP. RENDA LUCRO PRESUMIDO NOVO LIMITE. Através da Medida Provisória nº 612, de 04/04/2013 (DO.U de 04/04/2013, foi estabelecido que a pessoa jurídica cuja receita bruta total no ano anterior tenha igual ou inferior a R$ ,00 (setenta e dois milhões de reais) ou R$ ,00 (seis milhões de reais), multiplicados pelos meses de atividade no ano calendário anterior, quando inferior a doze meses de atividades, podem optar pelo lucro presumido. 1.2 IMP. RENDA DECLARAÇÃO DE AJUSTE PESSOA FÍSICA. A Instrução Normativa RFB, de 28/03/2013 (DO.U de 01/04/2013), aprovou o aplicativo m-irpf para transmissão da DIRPF 2013 ano calendário de 2012, por meio de tablets e smartphones que utilizem os sistemas operacionais IOS e Android FEDERAIS IMP. RENDA INCENTIVOS FISCAIS PESSOA FISICA. De acordo com o disposto na Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21/02/2011, com alterações na IN 1.311, de 2012, as pessoas físicas poderão deduzir do imposto devido na declaração as seguintes doações: a) Fundo da Criança e do Adolescente: Do imposto apurado na declaração de ajuste as doações feitas no ano-calendário anterior, bem como as efetuadas no próprio exercício até a data de vencimento da primeira ou quota única aos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente. A doação poderá ser em dinheiro ou bens e não se aplica quando a declaração for apresentada fora de prazo. A doação poderá ser deduzida até o percentual de 3% (três por cento) aplicados sobre o imposto apurado na declaração de ajuste. b) Fundo do Idoso Poderá deduzir, também, do imposto apurado na Declaração de Ajuste as doações feitas aos Fundos Nacional, Estaduais ou Municipais do Idoso. 2

3 As doações sujeitam-se a comprovação por meio de documentos emitidos pelos conselhos gestores dos respectivos órgãos e devem ser em moeda e depositadas em conta especifica aberta em instituição financeira pública. As doações devem atender ao limite de 6% (seis por cento) do imposto devido na declaração de ajuste. c) Atividade Áudio Visual Poderá deduzir do imposto apurado na declaração de ajuste as quantias aplicadas no ano-calendário anterior referentes: I) Investimentos feitos na produção de obras audiovisuais cinematográficas brasileiras de produção independente, até o exercício de 2016, ano-calendário de 2015, mediante aquisição de cotas representativas de direitos de comercialização sobre as referidas obras; II) patrocínio feito à produção de obras cinematográficas Brasileiras de produção independente, até o exercício de 2017, ano-calendário de 2016; e III) aquisição de cotas dos Fundos de Financiamento da Indústria Cinematográfica Nacional (Funcines), até o exercício de 2017, ano-calendário de Limite: A dedução deve atender ao limite global de 6% (seis por cento) do imposto devido na declaração de ajuste). Projetos Específicos A pessoa física pode fruir dos incentivos em relação às quantias aplicadas no anocalendário anterior em projetos ou programas específicos credenciados pela Ancine, desde que efetuados na forma de: I) Investimentos feitos na produção de obras audiovisuais cinematográficas brasileiras de produção independente, até o exercício de 2016, mediante aquisição de cotas representativas de direitos de comercialização sobre as referidas obras; II) patrocínio feito a produção de obras cinematográficas brasileiras de produção independente, até o exercício de 2017, ano-calendário de 2016; e III aquisição de cotas de Fundos de Financiamento da indústria Cinematográfica Nacional (Funcines), até o exercício de 2017, ano-calendário de As deduções previstas nos incisos I e III está condicionado a que os investimentos sejam realizados no mercado de capitais, em ativos previsto em lei. Os investimentos não poderão ser utilizados na produção de obras audiovisuais de natureza publicitária. Os projetos deverão ser previamente aprovados pela Ancine. 3

4 A dedução deve atender ao limite global de 6 (seis por cento) do imposto devido na declaração de ajuste). d) Incentivo à Cultura A pessoa física pode deduzir do imposto apurado na Declaração de Ajuste as quantias efetivamente despendidas no ano-calendário anterior a titulo de doações ou patrocínios, tanto mediante contribuições ao Fundo Nacional da Cultura, na forma de doações, como no apoio direto, desde que enquadrados nos objetivos do Programa Nacional de Apoio a Cultura (Pronac), a programas, projetos e ações culturais: I) em geral definidos no art. 25 da Lei nº 8.313, de 1991; II) a que se refere o 3º do art. 18 da Lei nº 8.313, de 1991, exclusivos dos segmentos de: a) artes cênicas; b) livros de valor artísticos, literários e humanísticos; c) musica erudita ou instrumental; d) exposições de artes visuais; e) doações de acervos para bibliotecas públicas, museus, arquivos públicos de cinematecas, bem como investimentos de pessoal e aquisição de equipamentos para a manutenção desses acervos; f) produção de obras cinematográficas e videofonográficas de curta e média metragem e preservação e difusão do acervo audiovisual; g) preservação do patrimônio cultural material e imaterial; e h) construção e manutenção de salas de cinema e teatro, que poderão funcionar também como centros culturais comunitários, em municípios com menos de (cem mil habitantes). A dedução do imposto devido na declaração de ajuste deve atender o limite de 6% (seis por cento) do devido na declaração de ajuste. e) Projetos Desportivos e Paradesportivos As pessoas físicas poderão, até o exercício de 2016, ano-calendário de 2015, deduzir do imposto sobre a renda apurado na Declaração de Ajuste Anual os valores despendidos a título de patrocínio ou doação, no apoio direto a projetos desportivos e paradesportivos previamente aprovados pelo Ministério do Esporte. Os projetos desportivos e paradesportivos, devem atender a pelo menos uma das seguintes manifestações, nos termos e condições definidas em regulamento: I - desporto educacional; II - desporto de participação; III - desporto de rendimento. As deduções ficam limitadas ao global de 6% (seis por cento) do imposto devido na declaração de ajuste. 4

5 f) PRONON e do PRONAS/PCD A pessoa física poderá deduzir do imposto devido apurado na Declaração de Ajuste Anual, a partir do ano-calendário de 2012 até o ano-calendário de 2015, na qualidade de incentivadora, o valor total das doações e patrocínios despendidos no anocalendário anterior, a que se refere a Declaração de Ajuste Anual, diretamente efetuados em prol de ações e serviços previamente aprovados, desenvolvidos por instituições no âmbito do: I - Pronon; e II - Pronas/PCD. Podem captar recursos: I - relativamente ao Pronon, as instituições de prevenção e combate ao câncer, pessoas jurídicas de direito privado, associativas ou fundacionais, sem fins lucrativos: a) certificadas como entidades beneficentes de assistência social, na forma da Lei nº , de 27 de novembro de 2009; b) qualificadas como organizações sociais, na forma da Lei nº 9.637, de 15 de maio de 1998; ou c) qualificadas como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), na forma da Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999; ou II - relativamente ao Pronas/PCD, as pessoas jurídicas de direito privado sem fins lucrativos que se destinam ao tratamento de deficiências físicas, motoras, auditivas, visuais, mentais, intelectuais, múltiplas e de autismo: a) certificadas como entidades beneficentes de assistência social que atendam ao disposto na Lei nº , de 2009; b) que atendam aos requisitos de que trata a Lei nº 9.637, de 1998; c) constituídas como OSCIP que atenda aos requisitos de que trata a Lei nº 9.790, de 1999; ou d) que prestem atendimento direto e gratuito às pessoas com deficiência, cadastradas no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) do Ministério da Saúde.) As deduções ficam limitadas aos seguintes percentuais sobre o imposto sobre a renda devido, apurado na Declaração de Ajuste Anual: I - 1% (um por cento) relativamente ao Pronon; e II - 1% (um por cento) relativamente ao Pronas/PCD. As deduções não se submetem ao limite global de 6% (seis por cento). g) Contribuição Previdenciária - Domésticos A pessoa física, até o exercício de 2015, ano-calendário de 2014, se empregador doméstico, poderá deduzir do imposto apurado na Declaração de Ajuste Anual, a 5

6 contribuição patronal paga à Previdência Social incidente sobre o valor da remuneração do empregado. Limite A dedução acima, observados os limites previstos nos artigos 55 e 56: I - está limitada: a) a 1 (um) empregado doméstico por declaração, inclusive no caso da declaração em conjunto; b) ao valor recolhido no ano-calendário a que se referir a declaração; e c) ao valor recolhido, na hipótese de pagamentos feitos proporcionalmente em relação ao período de duração do contrato de trabalho; II - não poderá exceder ao valor da contribuição patronal calculada sobre 1 (um) salário mínimo mensal, sobre o décimo terceiro salário e sobre a remuneração adicional de férias, referidos também a 1 (um) salário mínimo; e III - fica condicionada à comprovação da regularidade do empregador doméstico perante o Regime Geral de Previdência Social quando se tratar de contribuinte individual. 1.4 I. FONTE RENDIMENTOS RECEBIDOS ACUMULADAMENTE. De acordo com a Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 07/02/2011 (DO.U de 08/02/2011), os rendimentos decorrentes de aposentadoria, pensão, transferência para reserva remunerada ou reforma, pago pela Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e os provenientes do trabalho, serão tributados exclusivamente na fonte, no mês do recebimento ou crédito, em separado dos demais rendimentos recebidos no mês. Os rendimentos abrangem o décimo terceiro salário e quaisquer acréscimos e juros deles decorrentes. Não se aplica aos rendimentos pagos pelas entidades de previdência complementar. O imposto será retido, pela pessoa física ou jurídica obrigada ao pagamento ou pela instituição financeira depositária do crédito, e calculado sobre o montante dos rendimentos pagos, mediante utilização de tabela progressiva resultante da multiplicação da quantidade de meses a que se referem os rendimentos pelos valores constantes da tabela progressiva mensal correspondente ao mês do recebimento ou crédito. 6

7 Para o ano calendário de 2013 a Tabela Progressiva a ser aplicada é a seguinte: Base de Cálculo em R$ Alíquota Parcela a Deduzir (R$) Até (1.710,78 x NM - - Acima de (1.710,78 x NM) até (2.563,91 x NM) 7,5 128,30850 x NM Acima de (2.563,91 x NM) até (3.418,59 x NM) ,60175 x NM Acima de (3.418,59 x NM) até (4.271,59 x NM) 22,5 576,99600 x NM Acima de (4.271,59 x NM) 27,5 790,57550 x NM O Décimo terceiro, quando houver, representará um mês. Do montante dos rendimentos poderão ser excluídas despesas, relativas aos rendimentos tributáveis, com ação judicial necessária ao seu recebimento, inclusive advogados pagos pelo contribuinte, sem indenização. A base de cálculo será determinada mediante a dedução das seguintes despesas relativas ao montante dos rendimentos tributáveis: I importâncias pagas em dinheiro a título de pensão alimentícia em face das normas do Direito da Família, quando em cumprimento de decisão judicial, de acordo homologado judicialmente ou de separação ou divórcio consensual realizado por escritura pública; e II Contribuições para a Previdência Social da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. Informe de Rendimentos A pessoa responsável pela retenção deverá, na forma, prazo e condições estabelecidas na legislação do imposto, fornecer a pessoa física beneficiária o Comprovante de Rendimentos, bem como apresentar à Secretaria da Receita Federal declaração contendo informações sobre: I os pagamentos efetuados à pessoa física e o respectivo Imposto de Renda Retido na Fonte; II a quantidade de meses; e III se houver, as exclusões e deduções efetuadas DIRF As informações referentes aos Rendimentos Recebidos Acumuladamente deverão ser informados na DIRF. Rendimentos Decorrentes de Decisão Judicial Os rendimentos recebidos acumuladamente que não decorram de aposentadoria, pensão, transferência para a reserva remunerada ou reforma e os rendimentos do trabalho estarão sujeitos: 7

8 I quando pagos em cumprimento de decisão da Justiça: a) Federal, mediante precatório ou requisição de pequeno valor, para retenção do imposto será aplicada alíquota de 3% (três por cento) sobre o montante pago, sem quaisquer deduções, no momento do pagamento ao beneficiário ou seu representante legal. O imposto retido será considerado antecipação do imposto apurado na declaração de ajuste anual da pessoa física e deverá ser deduzido do apurado no encerramento do período de apuração. b) do Trabalho, ao que dispõe o art. 28 da Lei nº /2003, o imposto será retido na fonte pela pessoa física ou jurídica obrigada ao pagamento, no momento em que, por qualquer forma, o rendimento se torne disponível para o beneficiário. II nas demais hipóteses, aplica-se a regra disposta no art. 12 da Lei nº 7.713, de 1988, que a mesma prevista para retenção do Rendimento Recebido Acumuladamente previsto na Instrução Normativa originária deste comentário FEDERAIS BENEFÍCIO FISCAL ISENÇÃO. Jogos Olímpicos e Paraolímpicos A Instrução Normativa RFB, de 26/02/2013 (DO.U de 27/02/2013), estabeleceu os procedimentos para fins de habilitação ao gozo dos benefícios fiscais de que trata a Lei nº , de 2013, referentes à realização, no Brasil, dos Jogos Olímpicos de 2016 e dos Jogos Paraolímpicos de Poderão Habilitar-se: Poderão usufruir dos benefícios somente as pessoas físicas e jurídicas habilitadas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil. Não poderão habilitar-se as pessoas jurídicas: I) optantes pelo Simples Nacional; II) as instituições financeiras e equiparadas, às empresas de seguros privados e de capitalização, agentes autônomos de seguros privados e de crédito e entidades de previdência privados e de crédito e entidades de previdência privada abertas e fechadas, às pessoas jurídicas que tenham por objeto a securitização de créditos imobiliários, financeiras e agrícolas, às operadoras de planos de assistência à saúde e às empresas particulares que exploram serviços de vigilância e de transporte de valores. III com situação irregular perante a RFB. Da Habilitação A habilitação dos prestadores de serviços do CIO e dos prestadores de serviços do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos (Rio 2016) está condicionado ao 8

9 respectivo estabelecimento no Brasil, nos termos da legislação, caso efetuem, ainda que somente para organização ou realização dos jogos, uma das seguintes atividades: I comercialização, realizada no Brasil, de produtos e serviços, ou II contratação de pessoas físicas, com ou sem vínculo empregatício. Para habilitação, o CIO ou o RIO 2016 deverá requerer à Receita Federal do Brasil a habilitação das pessoas físicas ou jurídicas para gozo dos benefícios previstos na Lei nº , de 2013, por meio dos formulários constantes dos Anexos I ou II a esta Instrução Normativa. As pessoas físicas e jurídicas indicadas pelo CIO ou RIO 2016 habilitadas, deverão apresentar documentação comprobatória que as vincule às atividades intrínsecas à realização e a organização dos Eventos, sem prejuízo do cumprimento dos requisitos a serem restabelecidos pelos órgãos oficiais. Da Decisão de Habilitação A decisão de habilitação será formalizada por meio de Ato Declaratório Executivo (ADE), no prazo de até 30 (trinta) dias contado da data de apresentação do requerimento. Divulgação dos Habilitados A Receita Federal divulgará, em seu sítio na Internet, no endereço a relação das pessoas físicas ou jurídicas habilitadas. Da Isenção na Importação A isenção abrange o pagamento de tributos federais incidentes nas importações de bens, mercadorias ou serviços para uso ou consumo exclusivo em atividades e diretamente vinculados à organização ou realização dos Eventos, tais como: I troféus, medalhas, placas, estatuetas, distintivos, flâmulas, bandeiras e outros objetos comemorativos; II) material promocional, impressos, folhetos e outros bens com a finalidade semelhante, a serem distribuídos gratuitamente ou utilizados nos Eventos; e III) outros bens não duráveis, assim considerados aqueles cuja vida útil seja de até 1 (um) ano, dos tipos e em quantidades normalmente consumidos em atividades esportivas da mesma magnitude. A Isenção abrange: I) IPI; II Imposto de Importação II; III Contribuição para o PIS/Pasep Importação; IV Contribuição pata a COFINS - Importação; 9

10 V Taxa de utilização do Sistema Integrado de Comércio Exterior; VI Taxa de utilização do Sistema Eletrônico de Controle da Arrecadação do Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante AFRMM MERCANTE; VII Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante AFRMM VIII CIDE; IX Contribuição para o Programa de Estímulo à Integração Universidade-Empresa para o Apoio à Inovação, instituída pela Lei nº , de Da Isenção às Empresas Domiciliadas no Brasil Fica concedida às empresas brasileiras vinculadas ao CIO, e domiciliadas no Brasil, em relação aos fatos geradores decorrentes das atividades próprias e diretamente vinculadas à organização ou realização dos Eventos, isenção do pagamento dos seguintes tributos federais: I) impostos: a) IRPJ; b) IRRF; c) IOF; e d) IPI. II contribuições sociais: a) Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CSLL; b) Contribuição para o PIS/Pasep; c) Contribuição para a COFINS; E III) contribuições de Intervenção no domínio econômico: a) Contribuição para o Programa de Estímulo à Integração Universidade-Empresa para o Apoio à Inovação, instituída pela Lei nº , de b) Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional CONDECINE. A isenção não alcança os rendimentos e ganhos de capital auferidos em operações financeiras ou alienação de bens e direitos. Isenção do ICMS De acordo com a Resolução SEFAZ nº 293, de 12/05/2010), fica concedida isenção do ICMS às operações com aparelhos, máquinas, equipamentos e demais instrumentos e produtos, nacionais ou estrangeiros, inclusive animais, destinados à realização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, somente se aplicando às operações realizadas com os seguintes entes: I Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016; II Comitê Olímpico Internacional; III Comitê Paraolímpico Internacional; IV Federações Internacionais Desportivas; V Comitê Olímpico Brasileiro; 10

11 VI Comitê Paraolímpico Brasileiro; VII Comitês Olímpicos e Paraolímpicos e outras nacionalidades; VIII Entidades Nacionais e Regionais de Administração de Desporto Olímpico ou Paraolímpico; IX mídia credenciada aos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016; X patrocinadores dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016; XI fornecedores de serviços e bens destinados à organização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de A isenção não se aplica a mercadoria ou bem destinada a membros dos entes mencionados que não tenha relação com os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de A isenção somente se aplica às operações que, cumulativamente, estejam contempladas: I com isenção ou tributação com alíquota zero pelo Imposto de Importação ou IPI; II com desoneração das contribuições para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/PASEP) e para a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS). Estorno de Créditos Não será exigido estorno de crédito fiscal nas operações e prestações abrangidas pela isenção de que trata esta Resolução. 1.6 FEDERAIS MANUAL DO SISCOSERV. A Portaria Conjunta 275 RFB/SCS, de 05/03/2013 (DO.U de 06/03/2013), aprovou a 5ª edição dos Manuais Informatizados dos Módulos Venda e Aquisição do SISCOSERV destinado ao registro de informações relativas às transações entre residentes ou domiciliados no País e residentes ou domiciliados no exterior, que trata o parágrafo 10º do art. 1º da Portaria Conjunta RFB/SCS nº 1908, de 19 de julho de FEDERAIS DCTF NOVA VERSÃO. Através do Ato Declaratório Executivo 12 CODAC, de 01/03/2013 (DO.U de 04/03/2013), foi aprovada a nova versão 2.5 para a DCTF mensal. 1.8 FEDERAIS DÉBITOS FISCAIS - PARCELAMENTO. A Instrução Normativa nº RFB, de 01/03/2013 (DO.U de 04/03/2013), revogou a Instrução Normativa RFB nº 557, de 2005, que estabelecia pedido de parcelamento de débitos administrados pela Receita Federal do Brasil solicitado pela internet, por contribuinte com Certificação Digital e-cpf ou e-cnpj. 11

12 1.9 FEDERAIS IR FONTE RECLAMAÇÕES TRABALHISTAS. (Jurisprudência Recurso Especial STJ-RS). O Recurso Especial STJ.RS, estabelece que incide IRPF sobre os juros de mora reconhecidos em reclamatória trabalhista, apesar de sua natureza indenizatória. São isentos os juros de mora pagos em despedida ou rescisão de contrato e quando a verba principal for isenta ou fora do campo de incidência do Imposto de Renda FEDERAIS DEFESA DO CONSUMIDOR - COMÉRCIO ELETRÔNICO. Através do Decreto nº 7.962, de 15/03/2013 (DO.U de 15/03/2013), foi regulamentada a Lei nº 8.078, de 1990, para dispor sobre a contratação no comércio eletrônico, abrangendo as seguintes situações: I informações claras a respeito do produto, serviço e do fornecedor; II atendimento facilitado ao consumidor; e III respeito ao direito do consumidor. Disponibilização de Informações Os sítios eletrônicos ou demais meios eletrônicos utilizados para oferta ou conclusão de contrato de consumo devem disponibilizar, em local de destaque e de fácil visualização, as seguintes informações: I nome empresarial e número de inscrição do fornecedor, quando houver, no Cadastro Nacional de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda; II endereço físico e eletrônico, e demais informações necessárias para sua localização e contato; III características essenciais do produto ou do serviço, incluídos os riscos à saúde e à segurança dos consumidores; IV discriminação, no preço, de quaisquer despesas adicionais ou acessórias, tais como as de entrega ou seguros; V condições integrais da oferta, incluídas modalidades de pagamento, disponibilidade, forma e prazo de execução do serviço ou de entrega ou disponibilização do produto; e VI informações claras e ostensivas a respeito de quaisquer restrições à fruição da oferta. Atendimento Facilitado Para garantir atendimento facilitado ao consumidor no comércio eletrônico, dentre outras, o fornecedor deverá apresentar sumário com as informações necessárias ao pleno exercício do direito de escolha do consumidor, fornecer ferramentas eficazes ao consumidor para identificação de erros nas etapas anteriores à finalização da contratação, disponibilizar contrato, manter serviço eficaz de atendimento em meio 12

13 eletrônico que possibilite ao consumidor elucidar dúvida, reclamação, suspensão ou cancelamento do contrato, utilizar mecanismos de segurança eficazes para pagamento e para tratamento de dados do consumidor. Direito ao Arrependimento O fornecedor deverá informar, de forma clara e ostensiva, os meios adequados e eficazes para o exercício do direito do arrependimento pelo consumidor, podendo, o consumidor, exercer o direito de arrependimento pela mesma ferramenta utilizada para a contratação, sem prejuízos de outros meios disponibilizados. O direito de arrependimento será comunicado imediatamente pelo fornecedor à instituição financeira ou à administradora do cartão de crédito ou similar, para que a transação não seja lançada na fatura do consumidor ou seja efetivado o estorno do valor, caso o lançamento na fatura já tenha sido realizada FEDERAIS SIMPLES NACIONAL PGDAS-D - MULTA. Informamos que os créditos tributários referentes ao Simples Nacional devem ser declarados, mensalmente, por meio do Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional Declaratório PGDAS-D, devendo ser transmitida mensalmente. A penalidade pela não entrega é multa de 2% (dois por cento) sobre o montante dos impostos e contribuições decorrentes das informações prestadas, ao mês calendário ou fração, a partir de 1º de abril de 2013, limitada a 20% (vinte por cento), sendo que a multa mínima será de R$ 50,00 (cinquenta reais). A multa será aplicada mesmo que não tenha receita bruta no mês FEDERAIS PIS / COFINS ALÍQUOTA ZERO. O Ato Declaratório Interpretativo 1 RFB, de 15/03/2013 (DO.U de 18/03/2013), esclarece que a redução a zero das alíquotas de que trata o art. 1º da Medida Provisória nº 609, de 8 de março de 2013, alcança as receitas de vendas realizadas a partir do dia 8 de março de 2013, inclusive, independentemente de eventual registro de contribuições devidas relativamente às operações realizadas. As devoluções referentes a vendas realizadas até 7 de marco de 2013, geram direito ao desconto de créditos para as pessoas jurídicas tributadas no regime de apuração não cumulativa, desde que atendidas as demais condições previstas na legislação. As devoluções referentes a compras realizadas até 7 de marco de 2013, implicam o estorno do respectivo crédito, ainda que esta devolução ocorra depois dessa data. 13

14 FEDERAIS MARCAS E PATENTES REGISTRO. A Resolução 25 INPI, de 18/03/2013 (DO.U de 19/03/2013), instituiu o e-inpi, Sistema Eletrônico de Gestão da Propriedade Industrial, que é um sistema eletrônico a ser utilizado pelo usuário do INPI para demandar serviços e praticar atos processuais, por meio de formulários eletrônicos próprios, fazendo uso da internet. O e-inpi estará disponível exclusivamente no portal eletrônico do INPI na internet, no endereço O acesso ao e-inpi é livre e aberto a todos os interessados. Para acessar o e-inpi, o usuário deverá cadastrar-se e aceitar o Termo de Adesão ao Sistema, que será disponibilizado no portal eletrônico do INPI FEDERAIS MARCAS E PATENTES REGISTRO. A Resolução 26 INPI, de 18/03/2013 (DO.U de 19/03/2013), instituiu o e-marcas no sistema eletrônico e-inpi. O módulo e-marcas, integrante do sistema e-inpi, é um sistema eletrônico a ser utilizado pelo usuário dos serviços prestados pela Diretoria de Marcas do INPI para demandar serviços ou praticar atos processuais relativos a registros ou pedidos de registro de marcas, por meio dos formulários eletrônicos instituídos por este ato, fazendo uso da Internet. O módulo e-marcas está disponível exclusivamente no portal eletrônico do INPI na Internet, no endereço O acesso aos formulários eletrônicos do módulo e-marcas está condicionado ao prévio cadastro e habilitação do usuário ao acesso ao e-inpi, nos termos da Resolução nº 126/2006, e à prévia emissão da Guia de Recolhimento da União (GRU - COBRANÇA) relativa à retribuição correspondente ao serviço solicitado. O e-marcas entrará em funcionamento às 9:00 horas do dia 1º de setembro de FEDERAIS MARCAS E PATENTES REGISTRO. A Resolução 54 INPI, de 18/03/2013 (DO.U de 19/03/2013), divulga a lista dos contratos de Serviços de Assistência Técnica que não são averbáveis, por não implicarem em transferência de tecnologia, a saber: 1. Agenciamento de compras incluindo serviços de logística (suporte ao embarque, tarefas administrativas relacionadas à liberação alfandegária, etc...); 14

15 2. Serviços realizados no exterior sem a presença de técnicos da empresa brasileira, que não gerem quaisquer documentos e/ou relatórios, como por exemplo: beneficiamento de produtos; 3. Homologação e certificação de qualidade de produtos; 4. Consultoria na área financeira; 5. Consultoria na área comercial; 6. Consultoria na área jurídica; 7. Consultoria visando à participação em licitação; 8. Serviços de marketing; 9. Consultoria remota, sem a geração de documentos; 10. Serviços de suporte, manutenção, instalação, implementação, integração, implantação, customização, adaptação, certificação, migração, configuração, parametrização, tradução ou localização de programas de computador (software); 11. Serviços de treinamento para usuário final ou outro treinamento de programa de computador (software); 12. Licença de uso de programa de computador (software); 13. Distribuição de programa de computador (software); 14. Aquisição de cópia única de programa de computador (software). O INPI promoverá a atualização da listagem sempre que houver a necessidade de adequá-la FEDERAIS ARQUIVOS DIGITAIS RETIFICAÇÃO. Atualmente as empresas atendem a diversas obrigações ligadas ao SPED, como: ECD, FCONT, EFD (ICMS), EFD-Contribuições e e-lalur. 1.ECD Escrituração Contábil Digital O prazo de entrega expira no ultimo dia útil do mês de junho do ano subseqüente. Para executar a retificação a empresa poderá fazê-la, desde que o Livro Diário, não esteja com o status de analise ou Autenticado junto a JUCERJA. Caso esteja sob Analise, a empresa deverá requerer junto a JUCERJA a devolução da escrituração para o status de em exigência, no qual, posteriormente poderá ser substituído através da geração e transmissão de um novo arquivo pelo PVA Programa Validador e Autenticador do ECD. (IN RFB nº 787/2007 e IN DNRC nº 107/2008, art. 5º) 2. FCONT - Controle Fiscal Contábil de Transição O prazo para entrega expira no mesmo prazo do ECD - Escrituração Contábil Digital. A retificação somente será permitida até a entrega do FCONT do ano posterior e será realizado através da geração de novo arquivo substituto através do PVA do FCONT. (IN. RFB nº 967/2009) 15

16 3.EFD (ICMS) Escrituração Fiscal Digital O prazo de entrega expira no 15º dia do mês subseqüente ao mês de referencia. Atualmente a retificação poderá ser realizada das seguintes formas: a. Até a data de entrega normal da EFD; b. Até o ultimo dia do terceiro mês subseqüente ao encerramento do mês da apuração, sem a necessidade de comunicação o fisco; c. Após o prazo descrito no item (b) somente mediante autorização da repartição fiscal do ICMS ou da RFB, se tratar de IPI, e, nos casos em que houver prova inequívoca da ocorrência de erro de fato no preenchimento da escrituração, quando evidenciada a impossibilidade ou a inconveniência de saneá-la por meio de lançamentos corretivos. d. Excepcionalmente até todas as EFD s anteriores a janeiro/2013 poderão ser retificadas, independentes de autorização do Fisco Estadual. Obs: Não produzirá efeito a retificação da EFD, caso, o contribuinte já esteja sobre ação fiscal, ou tenha o débito inscrito em Dívida Ativa nos caso que importem alteração do valor do débito. (Portaria SAF nº 1.165/2013) 4.EFD Contribuições O prazo para entrega será até o 10º dia útil, do segundo mês subseqüente ao mês de referencia. A retificação poderá ser realizada até o ultimo dia útil do ano calendário subseqüente a escrituração a ser substituída. A retificação será realizada mediante substituição integral do arquivo enviado anteriormente através do PVA-EFD. (IN RFB 1.252/2012) 1.17 I. RENDA IMPOSTO INCIDÊNCIA. (Jurisprudência Recurso Especial STJ PE Dje de 15/03/2013) Crédito-prêmio do IPI Compõe a Base de Cálculo do Imposto de Renda 1. Não se controverte a incidência do Imposto de Renda IR sobre o próprio Crédito-prêmio, mas se o beneficio, ao reduzir o prejuízo, aumentando indiretamente o resultado da empresa, repercute na base de cálculo desse imposto. 2. O IR, amparado no princípio da universalidade (art. 153, 2º, I, da CF), incide sobre a totalidade do resultado positivo da empresa, observadas as adições e subtrações autorizadas por lei (art. 154 do RIR de 1980), vigente à época dos fatos). 3. Todo benefício fiscal, relativo a qualquer tributo, ao diminuir a carga tributária, acaba, indiretamente, majorando o lucro da empresa e, consequentemente, impacta na base de cálculo do IR. Em todas essas situações, esse imposto está incidindo sobre o lucro da empresa, que é, direta ou indiretamente, influenciado por todas as receitas, créditos, benefícios, despesas, etc. 16

17 4. Dessarte, deve ser referendada a autuação fiscal, já que o crédito-prêmio de IPI, como inegável acréscimo patrimonial que é, e não havendo autorização expressa de dedução ou subtração, deve compor a base de cálculo do Imposto de Renda FEDERAIS BACEN INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS COBRANÇA. A Circular BACEN de 02/04/2013 (DO.U de 03/04/2013), estabelece norma que regula a emissão de boleto de pagamento. O boleto de oferta passa a se clamar Boleto de Pagamento, contemplando as ofertas de produtos e serviços, proposta de doações e convite para afiliar-se a uma associação FEDERAIS PLANOS DE SAÚDE OUVIDORIA. A Resolução Normativa 323 ANS-DC, de 03/04/2013 (DO.U de 04/04/2013), estabelece que as operadoras de plano privados de assistência a saúde deverão criar ouvidoria com o objetivo de acolher as manifestações dos beneficiários, tais como elogios, sugestões, consultas e reclamações. As demandas dos beneficiários deverão ser resolvidas no prazo máximo de 7 (sete) dias úteis FEDERAIS RECEITA FEDERAL SOLUÇÕES DE CONSULTAS. De acordo com a Solução de Consulta 293, de 30/08/2004 (DO.U de 06/10/2004), da Superintendência Regional da Receita Federal, 10ª Região Fiscal, é ineficaz a consulta que não descrever, completa e exatamente, a hipótese a que se referir, ou que não contiver aos elementos necessários à sua solução. Informamos aos nossos clientes que as Soluções de Consultas são respostas às consultas formuladas por contribuintes à Receita Federal, aplicando-se a casos específicos. Caso a resposta de alguma Solução de Consulta venha a se aplicar a determinada situação do contribuinte, é necessário que este ingresse com processo junto a Receita Federal para que possa se beneficiar da aplicabilidade daquela norma. Solução de Consulta 3, de 17/01/ Disit 10). Assunto: Simples Nacional Ementa: RECEITA BRUTA. VENDAS A PRAZO. JUROS MORATÓRIOS. Os juros auferidos por pessoa jurídica industrial em decorrência do atraso no pagamento de vendas a prazo constituem receita financeira e não integram a receita bruta das vendas de bens e serviços para efeito de apuração do valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte inscrita no Simples Nacional. RECEITA BRUTA. VENDAS A PRAZO. CUSTO DO FINANCIAMENTO. O custo do financiamento, nas vendas a prazo, contido no valor dos bens ou serviços ou destacado na nota fiscal, integra a receita bruta da venda de bens e serviços. 17

18 Disp. Legais: Lei Complementar nº 123, de 2006, art. 3º, 1º, Decreto nº 3.000, de 1999 (RIR/2000), arts. 278, 279 e 373; Parecer Normativo CST nº 21, de 1979; Ato Declaratório (normativo) Cosit nº 7, de Solução de Consulta nº 11, de 25/02/2013 Disit 10. Assunto: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins Ementa: RECEITAS DECORRENTES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS A PESSOA FÍSICA OU JURÍDICA RESIDENTE OU DOMICILIADA NO EXTERIOR. NÃO-INCIDÊNCIA DA COFINS. POSSIBILIDADE DE MERA INTERMEDIAÇÃO ENTRE A PRESTADORA DOS SERVIÇOS E A PESSOA RESIDENTE OU DOMICILIADA NO EXTERIOR. VÍNCULO NEGOCIAL NÃO AFETADO PELA MERA INTERMEDIAÇÃO DE TERCEIRA PESSOA. EFETIVIDADE DE INGRESSO DE DIVISAS. A existência de terceira pessoa, desde que agindo na condição de mero mandatário, entre a pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada no exterior e a prestadora dos serviços não afeta a relação jurídica negocial exigível entre estas últimas. Os mecanismos de pagamento das despesas incorridas no País pelo transportador estrangeiro, previstos no vigente Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI), divulgado pela Circular Bacen nº 3.280, de 2005, representam efetivo ingresso de divisas no País e autorizam a aplicação das aludidas normas exonerativas. Mesmo que sejam utilizadas quaisquer das formas de pagamento válidas para fins de fruição da nãoincidência em questão, persistirá, sempre, a necessidade da comprovação do nexo causal entre o pagamento recebido por uma pessoa jurídica domiciliada no País e a efetiva prestação dos serviços a pessoas físicas ou jurídicas, residentes ou domiciliadas no exterior. Não se considera beneficiada pela não-incidência das contribuições, a prestação de serviços à pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada no exterior cujo pagamento se der mediante qualquer outra forma de pagamento que não se enquadre entre as hipóteses estabelecidas no vigente RMCCI. Se inteiramente atendidos os requisitos para não-incidência da Cofins na prestação de serviços para pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada no exterior, é possível a utilização de créditos na forma prevista no 1º do art. 6º da Lei nº , de Dispositivos legais: Lei nº , de 2002, art. 1º, 1º, e art. 5º, II, e 1º, com a redação dada pelo art. 37 da Lei nº , de 2004; Lei nº , de 10/01/2002, art. 663; e RMCCI, divulgado pela Circular Bacen nº 3.280, de Solução de Divergência Cosit nº 4, de 18/03/2013 (DO.U de 08/04/2013) Assunto: Simples Nacional. Ementa: Informática. Suporte Técnico. Opção. Impossibilidade O suporte técnico em programa e sistemas de computador é atividade intelectual de natureza técnica que impede a opção pelo Simples Nacional. 18

19 Disp. Legais: Lei Complementar nº 123, de 2006, art. 17, XI. Solução de Consulta nº 29 SRRF 9ª RF, de 19/02/2013 (DO.U de 04/03/2013). Assunto: Obrigações Acessórias. Ementa: IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (IPI). DEMONSTRATIVO DE CRÉDITO PRESUMIDO (DCP). ENTREGA EXTEMPORÂNEA DO DEMONSTRATIVO (DCP). POSTERIOR UTILIZAÇÃO DE CRÉDITO PRESUMIDO DO IPI. PENALIDADE. APLICABILIDADE. A pessoa jurídica produtora-exportadora pode, respeitado o prazo prescricional, utilizar o crédito presumido a que faz jus em qualquer tempo, devendo observar, entretanto que, a partir do momento que o utilize, torna-se obrigada à apresentação do DCP, inclusive daqueles referentes a períodos de apuração anteriores à utilização devendo, então, ser observados os prazos para entrega do referido demonstrativo, a partir da utilização. Se a utilização se der em trimestre distinto do trimestre da apuração do crédito presumido, o prazo para a entrega do DCP deverá ser contado a partir da utilização, isto é, a partir do trimestre da utilização contar-se-á o prazo de entrega de todos os demonstrativos referentes a períodos anteriores, se houver; quanto aos posteriores, dependerá da utilização desses créditos. A multa por falta de entrega do DCP torna-se devida a partir da utilização do crédito presumido, por qualquer forma, desde que não sejam observados os prazos de entrega, contados a partir da referida utilização. Solução de Consulta nº 14, de 31 de Janeiro de 2013 Disit 07 Assunto: Contribuição para o PIS/Pasep Ementa: PROPAGANDA E PUBLICIDADE. VEÍCULO DE DIVULGAÇÃO. COMISSÃO DE AGENCIADOR. CRÉDITO. IMPOSSIBILIDADE. Os valores relativos ao pagamento de comissões, efetuado por veículos de divulgação de propaganda a agências de publicidade, para a prestação de serviços de veiculação de propaganda não geram créditos da Contribuição para o PIS apurada pela sistemática da não cumulatividade, por falta de previsão legal. Solução de Consulta nº 21, de 30 de Janeiro de 2013 Disit 09 Assunto: Imposto sobre a Renda Retido na Fonte - IRRF Ementa: REMESSA DE VALORES AO EXTERIOR. DOAÇÃO A PESSOA FÍSICA. Não estão sujeitas ao IRRF as doações a pessoas físicas residentes ou domiciliadas no exterior, tais como missionários. Contudo, para ser considerada uma doação, ela deve ser caracterizada pela liberalidade. Por esse motivo, não se considera doação, mas provento passível de retenção, a remessa de valores com natureza contraprestacional, salarial, remuneratória, bem como os valores 19

20 despendidos pelas entidades religiosas com missionários, mesmo que recebidos em razão do seu mister religioso ou para sua subsistência, ainda que fornecidos em condições que independam da natureza e da quantidade do trabalho executado. Reforma parcial da Solução de Consulta SRRF09/Disit nº 62, de 28 de março de Solução de Consulta nº 12, de 29 de Janeiro de 2013 Disit 07. Assunto: Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CSLL Ementa: PARTICIPAÇÃO DOS TRABALHADORES NOS LUCROS. PROVISÃO MENSAL. INDEDUTIBILIDADE. As participações dos trabalhadores nos lucros e resultados só poderão ser consideradas despesas dedutíveis quando incorridas, ou seja, após o término de seu período de apuração e no montante efetivamente calculado e devido. As provisões mensais referentes à participação dos trabalhadores nos lucros e resultados não representam despesas operacionais dedutíveis e devem ser adicionadas na apuração da CSLL com base no Lucro Real. Solução de Consulta nº 7, de 25 de Janeiro de 2013 Disit 07. Assunto: Imposto sobre a Renda de Pessoa Física - IRPF Ementa: GANHO DE CAPITAL. PERCENTUAL DE REDUÇÃO. IMÓVEL. AQUISIÇÃO POR MEIO DE MEAÇÃO OU HERANÇA. DATA DE AQUISIÇÃO. Para fins de aplicação do percentual de redução do ganho de capital, a data de aquisição, pelo cônjuge sobrevivente, dos bens adquiridos por meação ou herança que já pertenciam ao cônjuge falecido antes da constância da sociedade conjugal é a data do casamento sob o regime de comunhão universal de bens ou a da abertura da sucessão. Solução de Consulta nº 14, de 22 de Janeiro de 2013 Disit 09. Assunto: Imposto sobre a Renda de Pessoa Jurídica - IRPJ Ementa: LUCRO PRESUMIDO. PERCENTUAL. Para efeito de determinação da base de cálculo do imposto de renda, apurado com base no lucro presumido, aplicase o percentual de oito por cento sobre a receita bruta auferida em decorrência da prestação de serviços de instalações elétricas, com fornecimento de todos os materiais indispensáveis à sua execução 20

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped.

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped. 001 O que é a EFD-Contribuições? A EFD-Contribuições é a Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99,

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011(DOU de 02/01/2012) Dispõe sobre o preenchimento da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), em relação a fatos geradores

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA INTRODUÇÃO: Poderão utilizar os INCENTIVOS FISCAIS objetos desta apresentação: As pessoas físicas que entregarem

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 PIS/COFINS EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. CERTIFICADO DIGITAL 3. OBRIGATORIEDADE 3.a Dispensa de Apresentação da EFD-Contribuições

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/01/2013. Sumário: 1 - Introdução

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 Até dia Obrigação 3 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.11.2014,

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

A contratação de serviços técnicos do exterior e a necessidade de registro pelo INPI

A contratação de serviços técnicos do exterior e a necessidade de registro pelo INPI A contratação de serviços técnicos do exterior e a necessidade de registro pelo INPI 24 de outubro de 2013 Marina Inês Fuzita Karakanian marina@dannemann.com.br SERVIÇOS TÉCNICOS Legislação/Histórico Lei

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 02/2015

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 02/2015 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 02/2015 (27 de Fevereiro de 2015) 01. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 669, DE 26.02.2015 - DOU DE 27.02.2015 Ementa: Previdenciária - Aumentadas as alíquotas de contribuição

Leia mais

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (14/02/11 a 18/02/11)

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (14/02/11 a 18/02/11) PIS/ COFINS NOTÍCIAS DA SEMANA (14/02/11 a 18/02/11) I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) LOCADORAS DE VEÍCULOS PODEM SE CREDITAR DE 1/48 (UM QUARENTA O OITO AVOS) NO CÁLCULO DOS CRÉDITOS DE PIS/COFINS

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS Base Constitucional: PIS E COFINS PIS: Art. 149 e 239 da Constituição Federal COFINS: Art. 195 da Constituição Federal 1 COFINS Art. 195. A seguridade social

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta os incentivos fiscais às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, de que tratam os arts.

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS 1. Introdução 2. Obrigatoriedade e dispensa 3. Periodicidade e prazo de entrega (Alterações IN nº 1.305/2012 e ADE Cofis nº 65/2012) 4. Dispensa do Dacon 5. Forma

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal EFD Contribuições Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo EFD Contribuições, que faz parte do Bloco Contábil e Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Vale-Cultura IRRF Tabela Progressiva Atuação do Psicólogo como Perito INFORMATIVO 02/2013 PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761,

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Informativo Março/2015 edição 19. A partir do dia 02 de março do corrente ano, os

Informativo Março/2015 edição 19. A partir do dia 02 de março do corrente ano, os Informativo Março/2015 edição 19 DIRPF2015 A partir do dia 02 de março do corrente ano, os contribuintes poderão entregar suas declarações do Imposto de Renda 2015, até o dia 30 de abril de 2015. É importante

Leia mais

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências.

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o incentivo fiscal de âmbito federal para projetos de atividades de caráter desportivo, procedemos ao

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 Dezembro de 2012 / Janeiro 2013 NOVIDADES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA IOF - OPERAÇÕES DE CÂMBIO - EMPRÉSTIMO EXTERNO - ALÍQUOTA - ALTERAÇÃO DO PRAZO MÉDIO MÍNIMO - DECRETO Nº

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

SUMÁRIO. 5- Certificação Digital e Procuração para a RFB

SUMÁRIO. 5- Certificação Digital e Procuração para a RFB 2 SUMÁRIO I- INTRODUÇÃO II- BREVE HISTÓRICO III- PRINCIPAIS ASPECTOS LEGAIS ( IN 1177/11) 1- Obrigatoriedade da apresentação 2- Dispensa da Apresentação 3- Forma e lugar da apresentação 4- Prazo de entrega

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 258, de 17 de dezembro de 2002

Instrução Normativa SRF nº 258, de 17 de dezembro de 2002 DOU de 19.12.2002 Instrução Normativa SRF nº 258, de 17 de dezembro de 2002 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para fruição dos benefícios fiscais relativos ao Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar:

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar: SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.246,DE 3 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA GA/05/2014 SUMÁRIO. Atenção: O conteúdo desta Circular Informativa poderá ser obtido no endereço eletrônico www.gorin.com.

CIRCULAR INFORMATIVA GA/05/2014 SUMÁRIO. Atenção: O conteúdo desta Circular Informativa poderá ser obtido no endereço eletrônico www.gorin.com. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2014. CIRCULAÇÃO DATA RUBRICA Diretor/Sócio Contador Chefe Depto. Pessoal Chefe Depto. Fiscal Arquivo CIRCULAR INFORMATIVA GA/05/2014 SUMÁRIO 1 Assuntos Federais... 02

Leia mais

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 Cria o Fundo de Prevenção, Recuperação e de Combate às Drogas de Abuso, dispõe sobre os Bens Apreendidos e Adquiridos com Produtos de Tráfico Ilícito de Drogas ou

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

SOLUÇÕES DE CONSULTA PIS/ COFINS

SOLUÇÕES DE CONSULTA PIS/ COFINS Av. Paulista, 475-3º andar / 7º andar conjunto A - CEP 01311-908 - São Paulo - SP Tel: (55 11) 2149.0500 - Fax: (55 11) 2149.0502 www.hondaestevao.com.br SOLUÇÕES DE CONSULTA PIS/ COFINS I NOVAS DECISÕES

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.761, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal Edição nº 140 02 de março de 2015. ALERTA GERENCIAL Alterações na Legislação Federal A Medida Provisória nº 669, publicada no D.O.U. DE 27/02/2014, promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

www.audicgroup.com.br DR SPED

www.audicgroup.com.br DR SPED www.audicgroup.com.br DR SPED a EMPRESA A Audic Group no Brasil tem o compromisso com os seus clientes de buscar a satisfação por eles desejada, para tanto dedica-se na identificação dos problemas, na

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 Dia: 01 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista - TRR O Transportador Revendedor

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Grant Thornton - Brasil Junho de 2015 Agenda Considerações Iniciais; Obrigatoriedade de Transmissão; Penalidades (Multas); Informações a serem Transmitidas; Recuperação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

A PROPOSTA: QUEM PODE DEDUZIR A DOAÇÃO DO IR APURADO?

A PROPOSTA: QUEM PODE DEDUZIR A DOAÇÃO DO IR APURADO? PROMOVER A DOAÇÃO/DESTINAÇÃO DE PARTE DO IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: UMA ÓTIMA OPORTUNIDADE PARA O IEPTB-MG AGIR, TAMBÉM, NO CONTEXTO SOCIAL! Dando continuidade a proposta apresentada no III

Leia mais

Agenda Tributária: de 13 a 19 de agosto de 2015

Agenda Tributária: de 13 a 19 de agosto de 2015 Agenda Tributária: de 13 a 19 de agosto de 2015 Dia: 13 IOF - Imposto sobre Operações Financeiras 1º DECENDIO AGOSTO/2015 O IOF incide sobre as operações de crédito, operações de câmbio, operações de seguro

Leia mais

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED O que é ECF Escrituração Contábil Fiscal? Demonstra o cálculo do IRPJ e da CSLL Sucessora da DIPJ Faz parte do projeto SPED Instituída pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) José Jayme Moraes Junior Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Supervisor Nacional da ECD e da ECF Escrituração Contábil Digital

Leia mais

Projetos Culturais, Esportivos e Sociais: como aproveitar melhor os incentivos fiscais

Projetos Culturais, Esportivos e Sociais: como aproveitar melhor os incentivos fiscais A B B C Projetos Culturais, Esportivos e Sociais: como aproveitar melhor os incentivos fiscais MARCELO DE AGUIAR COIMBRA Graduado e Mestre em Direito pela USP/Doutorando pela Universidade de Colônia, Alemanha.

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS Legislação e G5 Phoenix

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS Legislação e G5 Phoenix CARTILHA DA EFD-CONTRIBUIÇÕES PESSOAS JURÍDICAS DO LUCRO PRESUMIDO PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS Legislação e G5 Phoenix 1 CARTILHA DA EFD-CONTRIBUIÇÕES PESSOAS JURÍDICAS DO LUCRO PRESUMIDO PRINCIPAIS

Leia mais

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED?

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? SPED PIS/COFINS Teoria e Prática O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? E v e l i n e B a r r o s o Maracanaú - CE Março/2 0 1 2 1 2 Conceito O SPED é instrumento que unifica as atividades

Leia mais

AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL: DEZEMBRO DE 2015 - ADE CODAC Nº 37, DE 20/11/2015

AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL: DEZEMBRO DE 2015 - ADE CODAC Nº 37, DE 20/11/2015 AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL: DEZEMBRO DE 2015 - ADE CODAC Nº 37, DE 20/11/2015 Divulga a Agenda Tributária do mês de dezembro de 2015. O COORDENADOR-GERAL DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA, no uso da atribuição

Leia mais

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado TERCEIRO SETOR Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado Modalidade de apoio e financiamento por parte do Estado ESPÉCIE Auxílios Contribuições Subvenções PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA REMUNERAÇÃO INDIRETA - TRATAMENTO TRIBUTÁRIO Introdução - Cômputo na Remuneração do Beneficiário

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

SPED Contábil e SPED ECF

SPED Contábil e SPED ECF SPED Contábil e SPED ECF Impactos nas Rotinas Empresárias Prof. Marcos Lima Marcos Lima Contador (graduado pela UECE) Especialista em Auditoria (UNIFOR) Diretor de Relacionamentos da Fortes Contabilidade

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 1.358, de 29 de dezembro de 2000 que Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas, Cooperativas e Associações

Leia mais

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1 ÍNDICE 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2014... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014 Capítulo XX - IPI 2014 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços

Leia mais

CONTEÚDO JURÍDICO DAS LEIS DE INCENTIVO FISCAL

CONTEÚDO JURÍDICO DAS LEIS DE INCENTIVO FISCAL CONTEÚDO JURÍDICO DAS LEIS DE INCENTIVO FISCAL DEMAREST ADVOGADOS - CARLOS EDUARDO ORSOLON (CEORSOLON@DEMAREST.COM.BR) - RICARDO VALIM (RVALIM@DEMAREST.COM.BR) 29 DE MAIO DE 2014 INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012. O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012 Institui o Programa de Cultura do Trabalhador; cria o vale-cultura; altera as Leis nºs 8.212, de 24 de julho de 1991, e 7.713, de 22 de dezembro de 1988,

Leia mais

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I Lei do Audiovisual I - FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Criado pela Lei 8.685, de 20.07.93 Regulamentação através do Decreto nº 974, de 08.11.93 Limite para Pessoa Jurídica deduzir do Imposto de Renda alterado de 1%

Leia mais