SAÚDE CORPORATIVA: ASSOCIAÇÃO ENTRE A MEDICINA ASSISTENCIAL A MEDICINA PREVENTIVA E A SAÚDE OCUPACIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SAÚDE CORPORATIVA: ASSOCIAÇÃO ENTRE A MEDICINA ASSISTENCIAL A MEDICINA PREVENTIVA E A SAÚDE OCUPACIONAL"

Transcrição

1 SAÚDE CORPORATIVA: ASSOCIAÇÃO ENTRE A MEDICINA ASSISTENCIAL A MEDICINA PREVENTIVA E A SAÚDE OCUPACIONAL

2 A expansão do mercado de equipamentos hospitalares quase triplicou seu faturamento nos últimos cinco anos, alcançando 7 bilhões de reais em 2008

3 Nos últimos cinco anos, a receita dos 30 maiores hospitais privados do país dobrou, as vendas de medicamentos cresceram quase 80% e o faturamento das operadoras de planos de saúde aumentou 111%.

4 Brasil é hoje o nono maior consumidor de medicamentos do mundo e a previsão é que alcance a sétima posição em quatro anos.

5

6 2007 GASTOS COM BENS E SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL FORAM DE R$ 224,5 BILHÕES 8,4% DO PIB (PRODUTO INTERNO BRUTO)

7 AUMENTO DOS CUSTOS NA ASSISTÊNCIA MÉDICA AUMENTO DA EXPECTATIVA DE VIDA DA POPULAÇÃO ALTERAÇÃO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO COM INCREMENTO DAS DOENÇAS CRÔNICO- DEGENERATIVAS

8 AUMENTO DOS CUSTOS NA ASSISTÊNCIA MÉDICA REGULAMENTAÇÃO ANS JUDICIALIZAÇÃO DA MEDICINA Poder Judiciário

9 AUMENTO DOS CUSTOS NA ASSISTÊNCIA MÉDICA MAIOR ACESSO A INFORMAÇÃO PELOS USUÁRIOS; INFLAÇÃO TECNOLÓGICA

10 AUMENTO DOS CUSTOS NA ASSISTÊNCIA MÉDICA FRAUDES USUÁRIOS PRESTADORES

11 AUMENTO DOS CUSTOS NA ASSISTÊNCIA MÉDICA

12

13

14

15 ROBÓTICA

16

17

18

19 MORBI-MORTALIDADE NOS EUA 50% DA MORTALIDADE NOS EUA TEM CAUSAS PREVENÍVEIS E RELACIONADAS COM O ESTILO DE VIDA. 70% DE TODA A MORBIDADE NOS EUA TEM CAUSAS PREVENÍVEIS E RELACIONADAS COM O ESTILO DE VIDA. McGinnes M, and Foege W. Actual causes of death in the USA. Journal of the American Medical Association 1993;270 (18): DOCTOR S

20 IMPACTO CAUSADORES DE MORTE ESTILO AMBIENTE BIOLOGIA SERVIÇOS SAÚDE DOENÇAS 54% 9% 25% 12% CORONÁRIAS CÂNCER 37% 24% 29% 10% DIABETES 34% 0 60% 6% AVC 50% 22% 21% 7% ACIDENTES 51% 31% 4% 14% ACIDENTES VEÍC. MOTORIZADOS 51% 18% 1% 12% HOMICÍDIOS 63% 35% 2% 0% DOCTOR S

21 CAUSAS DE MORTES EUA E CANADÁ 1.o - CARDIOVASCULARES 2.o - CANCER 3.o - AIDS 4.o - MORTES VIOLENTAS DOCTOR S

22 CAUSAS DE MORTES BRASIL 1.o CARDIOVASCULAR 2.o MORTES VIOLENTAS 3.o NEOPLÁSICAS 4.o DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS DOCTOR S

23 GASTOS EM SAÚDE DOENÇAS CARDIOVASCULARES MATAM CERCA DE 820 BRASILEIROS A CADA DIA; SÃO RESPONSÁVEIS POR 16,22% DOS GASTOS EM SAÚDE; IMPLICAM EM GASTOS DIÁRIOS DE R$ 10,7 MILHÕES POR DIA, APENAS PARA O SUS. DOCTOR S

24 IMPACTO DE FATORES DE RISCO SOBRE CUSTOS DE SAÚDE TABAGISMO (24% DA POPULAÇÃO) 114% MAIS TEMPO DE INTERNAÇÃO FALTAM 40% MAIS QUE NÃO FUMANTES DESPESA COM SAÚDE 26% MAIOR DOCTOR S

25 CIGARRO E SAÚDE

26 IMPACTO DE FATORES DE RISCO SOBRE CUSTOS DE SAÚDE SEDENTARISMO (60 A 70% DA POPULAÇÃO) 54% MAIS TEMPO DE INTERNAÇÃO 36% MAIS EM DESPESAS COM SAÚDE JOVENS 40% NÃO PRATICA NENHUM ESPORTE DOCTOR S

27 IMPACTO DE FATORES DE RISCO SOBRE CUSTOS DE SAÚDE OBESIDADE CUSTAM 8% DESPENDEM 85% SÃO PAULO EXECUTIVOS EM CHECK UP 66% SOBREPESO E OBESOS 30% SEDENTÁRIOS DOCTOR S

28 IMPACTO DE FATORES DE RISCO SOBRE CUSTOS DE SAÚDE HIPERTENSÃO ARTERIAL DETECÇÃO PRECOCE E O TRATAMENTO CORRETO REDUZ A MORTALIDADE: POR AVC: REDUÇÃO EM 36% POR INFARTO DO MIOCÁRDIO: REDUÇÃO EM 25% DOCTOR S

29 CUSTO PER CAPITA POR FATORES DE RISCO (ANO FATOR DE RISCO) 0 ano U$ ano U$ a 3 anos U$ a 8 anos U$ ou mais anos U$ 1,600.00

30 MEDICINA PREVENTIVA X MEDIDAS PREVENTIVAS X PROMOÇÃO A SAÚDE

31 PREVENÇÃO EM SAÚDE ECONOMIA DE QUATRO DOLARES NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE A CADA DOLAR INVESTIDO NA PREVENÇÃO ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE) DOCTOR S

32 PREVENÇÃO EM SAÚDE GESTÃO DE MEDICINA PREVENTIVA ATRAI CAPITAL QUEDA DA SINISTRALIDADE DE 100% PARA 76% AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS): OS PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DE RISCOS REPRESENTAM O FUTURO ECONÔMICO DAS OPERADORAS DOCTOR S

33 POLÊMICAS SAÚDE ATUAL TEM ÊNFASE NO TRATAMENTO DE DOENÇAS E NÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE POPULAÇÃO TEM UMA MENTALIDADE HOSPITALOCÊNTRICA PESSOAS SADIAS NÃO ACEITAM PAPEL DE PACIENTES OU FUTUROS PACIENTES DOCTOR S

34 POLÊMICAS DESPREPARO PROFISSIONAL DE SAÚDE REMUNERAÇÃO PELO ATENDIMENTO A PESSOAS DOENTES FALTA DE PROJETOS DE INCORPORAÇÃO DE GANHOS JUNTO AOS PRESTADORES (PRESTADOR COMO GESTOR DE SAÚDE) DOCTOR S

35 POLÊMICAS MERCADO DA SAÚDE NOVOS PRODUTOS, EQUIPAMENTOS E MEDICAMENTOS PLANOS DE SAÚDE x PLANOS DE TRATAMENTO A DOENÇAS DOCTOR S

36 POLÊMICAS CURSOS: SAIBA COMO NEGOCIAR A REDUÇÃO DE CUSTOS DE SUAS APÓLICES COM AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE COM PROGRAMAS DE MEDICINA PREVENTIVA E REDUÇÃO DE SUA SINISTRALIDADE DOCTOR S

37 POLÊMICAS ARGUMENTOS ECONÔMICOS MÁ SAÚDE LEVA A PERDA DE CAPACIDADE PRODUTIVA CUSTOS DOS CUIDADOS MÉDICOS SÃO CAROS E CONTINUAMENTE ASCENDENTES PREVENÇÃO POUPA DINHEIRO DOCTOR S

38 POLÊMICAS RESULTADO PARADOXAL: CUSTOS COM A SAÚDE SÃO SÓ POSTERGADOS, MAS NÃO EVITADOS. CUSTOS CONTINUAMENTE CRESCENTES PARA SE INVESTIGAR E TRATAR CADA PACIENTE (TAMBÉM PELA GENIALIDADE DOS PROFISSIONAIS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE) DOCTOR S

39 POLÊMICAS RESULTADO PARADOXAL: MEDICALIZAÇÃO DE ESTADOS PRÉ-DOENÇA E DE FATORES DE RISCO IATROGENIA CLÍNICA, RELATIVA AOS DANOS CAUSADOS PELA INTERVENÇÃO MÉDICA NO INDIVÍDUO DOCTOR S

40 POLÊMICAS RESULTADO PARADOXAL: CADA MORTE EVITADA, SEJA PELA PREVENÇÃO OU PELO TRATAMENTO, SIGNIFICA UMA PESSOA IDOSA A MAIS OS IDOSOS SÃO: ECONOMICAMENTE IMPRODUTIVOS ONEROSOS, TANTO EM TERMOS MÉDICOS QUANTO EM SUAS NECESSIDADES DE SUPORTE SOCIAL DOCTOR S

41 DOCTOR S

42 POLÊMICAS PARA A ECONOMIA TOTAL DA SOCIEDADE A PREVENÇÃO DAS MORTES SOMENTE TERIA VANTAGENS SE FOR APLICADA A CRIANÇAS OU ADULTOS JOVENS RESULTADOS ECONÔMICOS SERIAM NEGATIVOS SE MEDIDAS PREVENTIVAS AMPLIAREM A SOBREVIDAPARA AQUELES COM MAIS DE 50 ANOS DOCTOR S

43 PROMOÇÃO A SAÚDE CRITÉRIOS MUITO AMPLIADOS TRÊS DIMENSÕES: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PREVENÇÃO EM SAÚDE GERENCIAMENTO DO SERVIÇO DE SAÚDE DOCTOR S

44 GERENCIAMENTO DO SERVIÇO DE SAÚDE PERFEITA ALOCAÇÃO DE RECURSOS PROMOÇÃO DA SAÚDE REDUÇÃO DE CUSTOS REDUÇÃO ABSENTEISMO

45 Fraudes por atestados médicos falsos

46

47 LEGISLAÇÃO ATESTADO MÉDICO

48 ATESTADO MÉDICO VERACIDADE DE FORMA VERACIDADE DE CONTEÚDO

49 ATESTADO MÉDICO Médico emite atestado Paciente reconhece firma em cartório Departamento pessoal Departame nto pessoal entra em contato com médico assistente CONFIRMAÇÃO DOS DADOS DO ATESTADO

50 Bem vindo ao novo conceito de segurança digital para medicina

51 Produtos digitais Produtos digitais

52 Produtos digitais

53 Atestados digitais

54 DADOS DE ACESSO IDENTIFICAÇÃO SENHA

55

56

57 EMISSÃO

58 VISUALIZAÇÃO

59 VISUALIZAÇÃO

60 EMITIR eatestado CANCELAR

61

62 Validação do Atestado Digital

63 Validação Atestado Digital Z

64 Validação do Atestado Digital

65 Validação Atestado Digital

66

67 SAÚDE CORPORATIVA: ASSOCIAÇÃO ENTRE A MEDICINA ASSISTENCIAL A MEDICINA PREVENTIVA E A SAÚDE OCUPACIONAL Valor a ser pago por sinistro Cálculo do prêmio dos produtos

68 OBRIGADO Dr. Marcos E. Pimenta Assessoria Associação Paulista de Medicina

A experiência da SulAmerica na implantação de Programas de Promoção a Saúde e Prevenção de doenças

A experiência da SulAmerica na implantação de Programas de Promoção a Saúde e Prevenção de doenças A experiência da SulAmerica na implantação de Programas de Promoção a Saúde e Prevenção de doenças O Cenário. Os Programas do Saúde Ativa. Qual o Perfil de risco da nossa população e sua evolução nos últimos

Leia mais

Euroamerica Dr. Mario Ivo Serinolli 03/2010

Euroamerica Dr. Mario Ivo Serinolli 03/2010 Visão atual das Consultorias sobre gerenciamento das doenças / medicina preventiva na saúde suplementar Euroamerica Dr. Mario Ivo Serinolli 03/2010 Situação Atual Alto custo da assistência médica para

Leia mais

Cenário Atual e Perspectivas da Saúde Suplementar

Cenário Atual e Perspectivas da Saúde Suplementar Cenário Atual e Perspectivas da Saúde Suplementar Renata Fernandes Cachapuz Chefe de Núcleo - RS Porto Alegre, 04 de dezembro de 2015. Sumário Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Dimensão do Setor

Leia mais

Módulo: Experiência das Autogestões no Gerenciamento de Assistência à Saúde, Painel da Promoção da Saúde à Verticalização do Atendimento.

Módulo: Experiência das Autogestões no Gerenciamento de Assistência à Saúde, Painel da Promoção da Saúde à Verticalização do Atendimento. Módulo: Experiência das Autogestões no Gerenciamento de Assistência à Saúde, Painel da Promoção da Saúde à Verticalização do Atendimento. Ricardo Ayache Diretor de Comunicação da Unidas Presidente da Caixa

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS. Karla Santa Cruz Coelho Diretora de Gestão

Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS. Karla Santa Cruz Coelho Diretora de Gestão Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Karla Santa Cruz Coelho Diretora de Gestão Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora federal vinculada ao Ministério da Saúde Atua na regulação,

Leia mais

Dra Eliane Guimarães Área de Gestão de Saúde PROGRAMA PARA VIVER MELHOR

Dra Eliane Guimarães Área de Gestão de Saúde PROGRAMA PARA VIVER MELHOR Dra Eliane Guimarães Área de Gestão de Saúde PROGRAMA PARA VIVER MELHOR Área de Gestão de Saúde Estrutura Organizacional Área de Gestão de Saúde Núcleo Técnico Administrativo Unidade Saúde Corporativa

Leia mais

Saúde Suplementar Desafios e Perspectivas

Saúde Suplementar Desafios e Perspectivas Saúde Suplementar Desafios e Perspectivas José Carlos de Souza Abrahão Diretor Presidente São Paulo, 01 de setembro de 2016. Dimensão do Setor Suplementar (Brasil, Junho/2016) Beneficiários: 48,5 milhões

Leia mais

Sustentabilidade da Saúde Suplementar

Sustentabilidade da Saúde Suplementar Sustentabilidade da Saúde Suplementar Rafael Pedreira Vinhas Gerente-Geral Gerência-Geral Regulatória da Estrutura dos Produtos Fórum de Regulação do Sistema Unimed - Maceió, 11 de maio de 2016. Agência

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Saúde Suplementar

Desafios e Perspectivas para a Saúde Suplementar Desafios e Perspectivas para a Saúde Suplementar Lenise Barcellos de Mello Secchin Chefe de Gabinete São Paulo, 06 de maio de 2016. Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora federal

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DA SAÚDE

DESAFIOS NA GESTÃO DA SAÚDE Economia e Gestão da Saúde DESAFIOS NA GESTÃO DA SAÚDE Rafaela Landim Dutra Administradora UFJF Residente de Gestão Hospitalar HU/UFJF E-mail: residecoadm.hu@ufjf.edu.br Telefone: (32) 4009-5172 Ementa

Leia mais

Rio de Janeiro, dezembro de 2006

Rio de Janeiro, dezembro de 2006 Política de indução das ações de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças, no âmbito do Setor de Saúde Suplementar, visando à integralidade da Atenção à Saúde. Rio de Janeiro, dezembro de 2006

Leia mais

A CRISE NA SAÚDE E A REVISÃO DO MODELO DE ATENÇÃO

A CRISE NA SAÚDE E A REVISÃO DO MODELO DE ATENÇÃO A CRISE NA SAÚDE E A REVISÃO DO MODELO DE ATENÇÃO ATUALMENTE... Grave crise do modelo de atenção = incoerência entre a situação epidemiológica (dupla carga de doença com predominância das condições crônicas

Leia mais

Visão da ANS e o Sistema Unimed: perspectivas para o futuro

Visão da ANS e o Sistema Unimed: perspectivas para o futuro V Fórum Nacional de Cooperativismo Médico Visão da ANS e o Sistema Unimed: perspectivas para o futuro Brasília,26 junho de 2012 Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência reguladora do Governo Federal,

Leia mais

Desafios para a sustentabilidade da Saúde Suplementar e estratégias de enfrentamento

Desafios para a sustentabilidade da Saúde Suplementar e estratégias de enfrentamento Desafios para a sustentabilidade da Saúde Suplementar e estratégias de enfrentamento Uma visão proativa para a gestão da atenção em saúde Dr. Bernard Couttolenc, Instituto Performa Pano de fundo Brasil

Leia mais

Como melhorar os resultados em saúde populacional

Como melhorar os resultados em saúde populacional Como melhorar os resultados em saúde populacional Como melhorar os resultados em saúde populacional Através da saúde suplementar Através da gestão em saúde na empresa Katia Audi Curci Gerente de Monitoramento

Leia mais

Obesidade - Ingresso

Obesidade - Ingresso Obesidade - Ingresso XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica Novembro / 2008 - SÃO PAULO Sociedade Brasileira de Perícias Médicas Obesidade Definição : IMC Importancia 1.Alta incidencia na população

Leia mais

X CONGRESSO NACIONAL DAS OPERADORAS FILANTROPICAS DE PLANOS DE SAÚDE. Economia e Longevidade: Cenários que Precisam ser trabalhados

X CONGRESSO NACIONAL DAS OPERADORAS FILANTROPICAS DE PLANOS DE SAÚDE. Economia e Longevidade: Cenários que Precisam ser trabalhados X CONGRESSO NACIONAL DAS OPERADORAS FILANTROPICAS DE PLANOS DE SAÚDE Economia e Longevidade: Cenários que Precisam ser trabalhados Mundo dos grisalhos O envelhecimento da população brasileira está relacionado

Leia mais

GUIA PARA GESTÃO DE BENEFICIÁRIOS

GUIA PARA GESTÃO DE BENEFICIÁRIOS saúde GUIA PARA GESTÃO DE BENEFICIÁRIOS Conheça o perfil dos seus pacientes e descubra como melhorar o atendimento para promover a saúde e a gestão de pagamentos 1 Sumário 10 REDUÇÃO DE CUSTOS 12 Conheca

Leia mais

Reinaldo Scheibe Presidente da Abramge

Reinaldo Scheibe Presidente da Abramge 27º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Políticas de Saúde e a Dinâmica dos Serviços Suplementar e SUS Reinaldo Scheibe Presidente da Abramge Panorama Geral Saúde no Brasil Fonte:

Leia mais

Cenários e Perspectivas da Saúde O desafio das Instituições Filantrópicas. Luiz Henrique Mota

Cenários e Perspectivas da Saúde O desafio das Instituições Filantrópicas. Luiz Henrique Mota Cenários e Perspectivas da Saúde O desafio das Instituições Filantrópicas Luiz Henrique Mota Modelo 190,7 milhões de pessoas com acesso universal gratuito ao serviço público de saúde (IBGE - Agosto/2010)

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

GESTÃO DE NEGÓCIOS DE SAÚDE Unifor Mar/14

GESTÃO DE NEGÓCIOS DE SAÚDE Unifor Mar/14 GESTÃO DE NEGÓCIOS DE SAÚDE Unifor Mar/14 1. Evolução da saúde suplementar no Brasil 2. Aspectos legais e gerenciais de planos de saúde Prof. Galba Freire Moita PhD Student -Univ Coimbra Gestão e Decisão

Leia mais

OS AMPLOS BENEFÍCIOS DE UM ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL Alberto José N. Ogata

OS AMPLOS BENEFÍCIOS DE UM ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL Alberto José N. Ogata OS AMPLOS BENEFÍCIOS DE UM ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL Alberto José N. Ogata A saúde e a qualidade de vida das pessoas não se resumem ao seu estado de saúde, identificado pelos resultados de exames laboratoriais

Leia mais

Workshop Mais Saúde Panorama da Saúde Populacional. Resultado da PESQUISA de Maturidade do Mercado Corporativo em Gestão de Saúde Populacional

Workshop Mais Saúde Panorama da Saúde Populacional. Resultado da PESQUISA de Maturidade do Mercado Corporativo em Gestão de Saúde Populacional Workshop Mais Saúde Panorama da Saúde Populacional Resultado da PESQUISA de Maturidade do Mercado Corporativo em Gestão de Saúde Populacional Rio de Janeiro, 17/10/2013 1 Elaborada pela ASAP e executada

Leia mais

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS A região da Serra Gaúcha está localizada no nordeste do estado do Rio Grande do Sul, região sul do Brasil. Área de abrangência

Leia mais

Longevidade: O impacto nos custos da saúde. Antonio Jorge Kropf AMIL 30 de agosto de2017

Longevidade: O impacto nos custos da saúde. Antonio Jorge Kropf AMIL 30 de agosto de2017 Longevidade: O impacto nos custos da saúde Antonio Jorge Kropf AMIL 30 de agosto de2017 17 e 18 de agosto 2017 Cenário da saúde suplementar para 2022 Transição demográfica e seus impactos Idosos apresentam

Leia mais

Existem Formas de Incrementar a Remuneração dos Reumatologistas?

Existem Formas de Incrementar a Remuneração dos Reumatologistas? Existem Formas de Incrementar a Remuneração dos Reumatologistas? AMB Fórum Reumatologia Junho/2010 Pauta Cenário Atual da Cadeia Produtiva da Saúde; Evolução da Atividade Médica; O Médico em Ambiente Hospitalar;

Leia mais

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Tópicos Cenário Atual Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Estratégias e custo efetividade Envelhecimento Populacional Mais Idade Mais DCNT Mortalidade DCNT = 63% dos

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Atualização sobre enfoques e tendências atuais na Gestão da Saúde nas organizações

ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Atualização sobre enfoques e tendências atuais na Gestão da Saúde nas organizações ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO Atualização sobre enfoques e tendências atuais na Gestão da Saúde nas organizações É lançar mão de todas as funções e conhecimentos necessários, para através de pessoas

Leia mais

Mercado de Saúde Suplementar

Mercado de Saúde Suplementar Mercado de Saúde Suplementar A Federação Nacional de Saúde Suplementar É a entidade que representa vinte e três empresas entre seguradoras especializadas em saúde, medicinas de grupo e odontologias de

Leia mais

12,6% O TABAGISMO NO BRASIL TABAGISMO MORTES QUE DE TODAS AS MORTES ANUAIS ATRIBUÍVEIS AO TABAGISMO R$

12,6% O TABAGISMO NO BRASIL TABAGISMO MORTES QUE DE TODAS AS MORTES ANUAIS ATRIBUÍVEIS AO TABAGISMO R$ O TABAGISMO NO BRASIL MORTE, DOENÇA E POLÍTICA DE PREÇOS E IMPOSTOS 428 PESSOAS MORREM POR DIA no Brasil por causa do tabagismo. 56,9 BILHÕES DE REAIS SÃO PERDIDOS A CADA ANO devido a despesas médicas

Leia mais

12,6% O TABAGISMO NO BRASIL MORTES PODERIAM SER EVITADAS A CADA ANO TABAGISMO MORTES QUE DE TODAS AS MORTES ANUAIS ATRIBUÍVEIS AO TABAGISMO

12,6% O TABAGISMO NO BRASIL MORTES PODERIAM SER EVITADAS A CADA ANO TABAGISMO MORTES QUE DE TODAS AS MORTES ANUAIS ATRIBUÍVEIS AO TABAGISMO O TABAGISMO NO BRASIL MORTE, DOENÇA E POLÍTICA DE PREÇOS E IMPOSTOS 428 PESSOAS MORREM POR DIA no Brasil por causa do tabagismo. 56,9 BILHÕES DE REAIS SÃO PERDIDOS A CADA ANO devido a despesas médicas

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 31º Edição - Junho de 2016 Sumário Conjuntura da Saúde Suplementar 1) Emprego e Planos coletivos 3 2) Renda e Planos individuais 4 3) PIB e Receita/Despesa das operadoras

Leia mais

Debates GVsaúde Operadoras e prestadores

Debates GVsaúde Operadoras e prestadores Debates GVsaúde Operadoras e prestadores Álvaro Escrivão Júnior FGV- EAESP O Campo da Saúde Suplementar no Brasil Vieira MMF & Vilarinho PF. - RCA, v.6, n. 11, p. 09-34, jan/jul. 2004. 1 O mercado da saúde

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA Rita de Cássia Sousa Silva (1); Daniele Fidelis de Araújo (1); Ítalo de Lima Farias (2); Socorro Malaquias dos Santos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 Altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, para tornar obrigatória a cobertura de assistência

Leia mais

A nossa Missão. Ser o impulsionador de mudança no conceito de gestão de saúde, com ênfase na Medicina Preventiva.

A nossa Missão. Ser o impulsionador de mudança no conceito de gestão de saúde, com ênfase na Medicina Preventiva. SAÚDE ATIVA A nossa Missão Ser o impulsionador de mudança no conceito de gestão de saúde, com ênfase na Medicina Preventiva. EXEMPLO PRÁTICO DE NOSSA ATUAÇÃO FASE PRÉ-DOENÇA Gestão de fatores de risco

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO E PRIVADO DA SAÚDE NO BRASIL

FINANCIAMENTO PÚBLICO E PRIVADO DA SAÚDE NO BRASIL FINANCIAMENTO PÚBLICO E PRIVADO DA SAÚDE NO BRASIL Gabriel Tannus FGV -NOVEMBRO DE 2013 A RESPONDER Alinhamento do setor privado às políticas e diretrizes do SUS Ações do Estado que impactam diretamente

Leia mais

A Abramge e os Desafios da Saúde Suplementar no Brasil FRANCISCO SANTA HELENA CENTRO CLINICO GAUCHO ABRAMGE RS/SINAMGE

A Abramge e os Desafios da Saúde Suplementar no Brasil FRANCISCO SANTA HELENA CENTRO CLINICO GAUCHO ABRAMGE RS/SINAMGE A Abramge e os Desafios da Saúde Suplementar no Brasil FRANCISCO SANTA HELENA CENTRO CLINICO GAUCHO ABRAMGE RS/SINAMGE Outubro/2016 Planos de Saúde no Brasil Assim começou no país o sistema privado de

Leia mais

Legenda da Guia de Recurso de Glosa

Legenda da Guia de Recurso de Glosa Registro ANS Número da de recurso de glosas no na 1 2 Registro ANS Nº da no String 6 Registro da de plano privado de assistência à saúde na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Número que identifica

Leia mais

Gestão de Custos. Soluções e Controle de Doenças Crônicas. Junho, 2017 Romero Franca

Gestão de Custos. Soluções e Controle de Doenças Crônicas. Junho, 2017 Romero Franca Gestão de Custos Soluções e Controle de Doenças Crônicas Junho, 2017 Romero Franca Nossa missão $184,8 Bi Ajudar as pessoas a viver de forma mais saudável e contribuir para que o sistema de saúde funcione

Leia mais

Constituição Federal/1988

Constituição Federal/1988 Notas da aula 8. MERCADO DE SAÚDE NO BRASIL Constituição Federal/1988 Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco

Leia mais

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo GBECAM O Câncer de Mama no Estado de São Paulo Dra. Maria Del Pilar Estevez Diz Coordenadora Médica -Oncologia Clínica Diretora Médica Instituto do Câncer do Estado de São Paulo -ICESP Epidemiologia Incidência

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

10º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed)

10º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 10º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) DIAGNÓSTICO MEDICAMENTO TRATAMENTO ACOMPANHAMENTO MULTIDISCIPLINAR ESTUDOS NO MUNDO SOBRE MEDICAMENTOS PARA DOENÇAS RARAS 1155

Leia mais

INCOR E SBH FAZEM CAMPANHA DE COMBATE À HIPERTENSÃO

INCOR E SBH FAZEM CAMPANHA DE COMBATE À HIPERTENSÃO INCOR E SBH FAZEM CAMPANHA DE COMBATE À HIPERTENSÃO Evento aberto ao público medirá fatores de risco e orientará a população sobre prevenção dessa doença que é responsável por 40% dos infartos e 80% dos

Leia mais

As novas tecnologias e seus impactos no mercado de Saúde Suplementar

As novas tecnologias e seus impactos no mercado de Saúde Suplementar As novas tecnologias e seus impactos no mercado de Saúde Suplementar Tecnologias em saúde: considerações iniciais O que é tecnologia em saúde? Medicamentos, equipamentos, dispositivos e procedimentos medico-cirúrgicos

Leia mais

Quem Somos. Pode-se dizer que fomos a primeira empresa do Brasil a prestar serviços de prevenção e assistência à saúde do trabalhador.

Quem Somos. Pode-se dizer que fomos a primeira empresa do Brasil a prestar serviços de prevenção e assistência à saúde do trabalhador. Quem Somos Com 17 anos de existência, a Unibem foi criada a partir da União Beneficente Padre Manoel da Nóbrega, fundada em 1918, com o objetivo de prover serviços médicos aos funcionários de panificadoras.

Leia mais

Avaliação de tecnologias em saúde (ATS): um guia prático para Gestores

Avaliação de tecnologias em saúde (ATS): um guia prático para Gestores Avaliação de tecnologias em saúde (ATS): um guia prático para Gestores Manual ATS Capa.indd 1 28/5/2010 17:29:44 Manual ATS :: 5 Introdução Segundo o Ministério da Saúde, a Avaliação de Tecnologia em Saúde

Leia mais

Relatório Mensal - janeiro a julho

Relatório Mensal - janeiro a julho ACOMPANHE NOSSA GESTÃO 2016 Relatório Mensal - janeiro a julho ANS nº 30731-9 BALANÇO DOS PRIMEIROS SETE MESES A partir desse mês, a Cabergs Saúde apresentará, periodicamente, os seus principais números.

Leia mais

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Senado Federal Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Brasília, 26 de maio de 2009 Professora Dra Maria Alice Toledo Professora adjunta de Geriatria e Psiquiatria da

Leia mais

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Parte V - Formulários do Plano de Contingência

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Parte V - Formulários do Plano de Contingência PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA Parte V - Formulários do Plano de Contingência Padrão TISS - Componente de Conteúdo e Estrutura - Maio 2014 323 Registro ANS Nº da no na 1 2 Registro ANS

Leia mais

19 de Setembro de 2013 Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej

19 de Setembro de 2013 Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej 19 de Setembro de 2013 Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej Desempenho do Mercado de Saúde Suplementar Dinâmica dos Custos Setoriais e Desafios A Bradesco Saúde 3 Desempenho do Mercado de Saúde Suplementar

Leia mais

Fórum de Presidentes do Sistema Unimed

Fórum de Presidentes do Sistema Unimed Fórum de Presidentes do Sistema Unimed Agosto 2011 Situação dos Processos Judiciais e Administrativos da Unimed Grande Florianópolis Números Unimed Grande Florianópolis Clientes: 270.737 Cooperados: 1.667

Leia mais

Variação da Despesa Assistencial

Variação da Despesa Assistencial Por Dentro da saúde suplementar Variação da Despesa Assistencial per capita Um dos maiores desafios para a sustentabilidade do mercado de saúde suplementar é o aumento progressivo dos custos médico-hospitalares

Leia mais

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara O Valor de Diagnóstico Antonio Vergara O valor de Diagnóstico em beneficio do paciente O Valor do Diagnóstico Valor Clínico O Valor de Diagnóstico Industria dos Diagnósticos Valor de Inovação IVD da despensa

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais Os números divulgados pela ANS, com database de setembro de 2009, mostram crescimento de 1,6% no número de beneficiários

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 32ª Edição Junho de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (dez/14): 50.819.735; Taxa

Leia mais

15º Comitê Nacional de Integração Brasília, 17 de maio de Desafios para o investimento hospitalar no Sistema Unimed

15º Comitê Nacional de Integração Brasília, 17 de maio de Desafios para o investimento hospitalar no Sistema Unimed 15º Comitê Nacional de Integração Brasília, 17 de maio de 2013 Desafios para o investimento hospitalar no Sistema Unimed Evolução da nossa visão de negócio Cooperativa de trabalho médico Operadora de planos

Leia mais

Case Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Case Hospital Alemão Oswaldo Cruz Case Hospital Alemão Oswaldo Cruz Maio/2017 Quem Somos Quem somos Instituição filantrópica privada sem fins lucrativos com 119 anos de existência, fundado pelas comunidades alemã, austríaca e suíça. Hospital

Leia mais

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Airton Bagatini Vice-Presidente da SBA Corresponsável pelo CET do SANE Coordenador da Perspectiva Assistencial

Leia mais

EIXO 1 SAÚDE DE POPULAÇÕES ESPECÍFICAS E VULNERÁVEIS

EIXO 1 SAÚDE DE POPULAÇÕES ESPECÍFICAS E VULNERÁVEIS RESULTADO FINAL DA OFICINA DE SELEÇÃO DE PRIORIDADES DE PESQUISA EM SAÚDE PARA A EDIÇÃO 2015/2016 DO PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: GESTÃO COMPARTILHADA EM SAÚDE (PPSUS) DO ESTADO DE ALAGOAS (AL) A Fundação

Leia mais

Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade. Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer

Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade. Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer O que é integralidade? s.f. 1 qualidade do que é integral, 1.1 reunião

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

PROGRAMA DE ATENÇÃO A PACIENTES CRÔNICOS UNIMED NATAL. Ass. Social ROSSANA CHACON Gerência de Prevenção e Saúde

PROGRAMA DE ATENÇÃO A PACIENTES CRÔNICOS UNIMED NATAL. Ass. Social ROSSANA CHACON Gerência de Prevenção e Saúde PROGRAMA DE ATENÇÃO A PACIENTES CRÔNICOS UNIMED NATAL Ass. Social ROSSANA CHACON Gerência de Prevenção e Saúde rossanachacon@unimednatal.com.br Programa de Atenção a Pacientes Crônicos Elaborado pela Gerência

Leia mais

V Fórum Nacional de Cooperativismo Médico Modelos e Formas de Remuneração Médica na Saúde Suplementar. Brasília, DF, 26 de junho de 2012

V Fórum Nacional de Cooperativismo Médico Modelos e Formas de Remuneração Médica na Saúde Suplementar. Brasília, DF, 26 de junho de 2012 V Fórum Nacional de Cooperativismo Médico Modelos e Formas de Remuneração Médica na Saúde Suplementar Brasília, DF, 26 de junho de 2012 FINAL 2010 28% 3 MESES DE DILMA 31% PESQUISA DATAFOLHA 25/01/2012

Leia mais

BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS)

BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS) BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS) Britcham: Políticas Públicas e Desenvolvimento Industrial do Setor de Saúde São Paulo, novembro de 2012 Agenda Saúde como desenvolvimento Transições

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 35ª Edição Julho de 2017 SUMÁRIO Conjuntura da Saúde Suplementar 1) Emprego e planos coletivos empresariais 3 2) Planos individuais e renda 5 3) PIB e Receita/Despesa 5 4)

Leia mais

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina.

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. Saúde do Homem Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. saúde do Homem O Ministério da Saúde assinala que muitos agravos poderiam ser evitados caso os homens realizassem, com regularidade,

Leia mais

VIVER BEM RENATO MAURÍCIO EM HERÓI TAMBÉM É GENTE SAÚDE DO HOMEM

VIVER BEM RENATO MAURÍCIO EM HERÓI TAMBÉM É GENTE SAÚDE DO HOMEM VIVER BEM RENATO MAURÍCIO EM HERÓI TAMBÉM É GENTE SAÚDE DO HOMEM Renato Maurício vive achando que é um super-herói. Trabalha muito e resolve tudo. Todo dia se reúne no bar com os amigos, que fazem até

Leia mais

Perspectivas do Setor Privado da Saúde e os Planos Populares GVSaúde

Perspectivas do Setor Privado da Saúde e os Planos Populares GVSaúde Perspectivas do Setor Privado da Saúde e os Planos Populares GVSaúde José Cechin FGV, SP, 29.09.2016 FenaSaúde 2 FenaSaúde Junho de 2016 18 grupos empresariais 23 operadoras associadas Beneficiários 28,8

Leia mais

DIA MUNDIAL DO RIM 13 DE MARÇO DE 2014-FORTALEZA, CE 1 EM 10. O RIM ENVELHECE, ASSIM COMO NÓS

DIA MUNDIAL DO RIM 13 DE MARÇO DE 2014-FORTALEZA, CE 1 EM 10. O RIM ENVELHECE, ASSIM COMO NÓS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CURSO DE MEDICINA LIGA ACADÊMICA DE NEFROLOGIA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CARDIOLOGIA DIA MUNDIAL DO RIM 13 DE MARÇO DE 2014-FORTALEZA, CE 1 EM 10. O RIM ENVELHECE, ASSIM

Leia mais

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE CARTILHA PROGRAM AS DE ATENÇÃO À SAÚDE PROGRAMAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A Unimed Cerrado pensando na saúde e bem-estar do seu cliente, disponibiliza diversos Programas de Atenção Integral à Saúde.

Leia mais

Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude

Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude Fábio Sinisgalli Diretor Geral do Grupo Nossa Senhora de Lourdes Conselheiro da ANAHP Diretor do Sindhosp Apresentação Grupo Nossa

Leia mais

Orçamento Público e Financiamento da Saúde. Sérgio Francisco Piola Ipea

Orçamento Público e Financiamento da Saúde. Sérgio Francisco Piola Ipea Orçamento Público e Financiamento da Saúde Sérgio Francisco Piola Ipea São Paulo, 7 de junho de 2010 Cinco pontos importantes 1. Insuficiência de recursos para a saúde pública não é recente; 2. Gastos

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA

CONGRESSO BRASILEIRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA CONGRESSO BRASILEIRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA 26 o Congresso da Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia FINANCIAMENTO DE SERVIÇOS PRIVADOS DE HEMOTERAPIA Maria Cristina Coimbra Lages Balestrin

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E OS DESAFIOS NO ÂMBITO DOS RECURSOS HUMANOS

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E OS DESAFIOS NO ÂMBITO DOS RECURSOS HUMANOS 1 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E OS DESAFIOS NO ÂMBITO DOS RECURSOS HUMANOS SUS Complexidade do Contexto Dimensão geográfica (8,5 milhões Km²) Estrutura econômica-social heterogênea Grandes diferenças regionais

Leia mais

PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO. Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa

PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO. Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa OBJETIVOS GERAIS Orientar e potencializar a atenção primária para detecção precoce de situações de vulnerabilidade social

Leia mais

Estatísticas do Mercado Segurador

Estatísticas do Mercado Segurador Estatísticas do Mercado Segurador Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Dezembro de 214 Nota: Ressalta-se que há uma subavaliação da arrecadação estimada em R$ 517 milhões no mês de dezembro de 214 na

Leia mais

Transições epidemiológica e demográfica

Transições epidemiológica e demográfica Instituto de Estudos de Saúde Coletiva IESC Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Disciplina de Epidemiologia Transições epidemiológica e

Leia mais

Gestão do SUS nos Municípios

Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS Como o Município participa do SUS? - Atenção básica/primária Atenção integral à saúde - Média complexidade - Alta complexidade Atenção Básica A Atenção Básica

Leia mais

Congresso Internacional: O Poder Judiciário e o controle do tabaco. Conseqüências econômicas do tabagismo para o Sistema Único de Saúde.

Congresso Internacional: O Poder Judiciário e o controle do tabaco. Conseqüências econômicas do tabagismo para o Sistema Único de Saúde. Congresso Internacional: O Poder Judiciário e o controle do tabaco Conseqüências econômicas do tabagismo para o Sistema Único de Saúde Márcia Pinto Tabagismo Morte, adoecimento, danos e custos evitáveis

Leia mais

Seminário de atualização das Ouvidorias da UNIMED

Seminário de atualização das Ouvidorias da UNIMED Seminário de atualização das Ouvidorias da UNIMED Luiz Gustavo Meira Homrich Ouvidor São Paulo, 18 de março de 2016. Roteiro Situação e avanços das Ouvidorias no Setor de Saúde Suplementar; Aspectos fundamentais

Leia mais

Pare. na primeira. primeira fratura seja a sua última. Faça acom que a sua.

Pare. na primeira. primeira fratura seja a sua última. Faça acom que a sua. Pare na primeira Faça acom que a sua primeira fratura seja a sua última www.iofbonehealth.org O QUE É A OSTEOPOROSE? A osteoporose é uma doença na qual os ossos ficam mais frágeis e fracos, levando a um

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY RESUMO PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY FERREIRA 1,Camila da Silva GUIMARÃES, Keyth 2, Sulamitta de Lima

Leia mais

Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Transplantes

Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Transplantes Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Transplantes Gerência de Assistência à Saúde (GEAS) Gerencial Geral de Regulação Assistencial (GGRAS) Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos (DIPRO) 13 de

Leia mais

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Como estimular suas equipes a serem saudáveis,

Leia mais

PRINCIPAIS AGRAVOS UROLÓGICOS FORUM POLÍTICAS PUBLICAS E SAÚDE DO HOMEM/2014

PRINCIPAIS AGRAVOS UROLÓGICOS FORUM POLÍTICAS PUBLICAS E SAÚDE DO HOMEM/2014 PRINCIPAIS AGRAVOS UROLÓGICOS FORUM POLÍTICAS PUBLICAS E SAÚDE DO HOMEM/2014 CARLOS CORRADI CHEFE SERV. UROLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL MINAS GERAIS PRESIDENTE SOCIEDADE BRASILEIRA DE UROLOGIA 2014-2015

Leia mais

Over view Mercado Farmacêutico

Over view Mercado Farmacêutico Paulo Paiva Vice-Presidente Over view Mercado Farmacêutico P r e parado p a r a: CONTEÚDO 2 1. Visão Geral Mercado Farmacêutico 2. Avaliação da Performance 3. Projeções e Desafios para os próximos anos

Leia mais

4 Fórum Político Nacional

4 Fórum Político Nacional 4 Fórum Político Nacional Mercado de Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPMES): como coibir as práticas ilegais Dr. Valdmário Rodrigues Júnior Diretoria de Integração Cooperativista e Mercado da

Leia mais

Seminário de atualização das Ouvidorias da UNIMED

Seminário de atualização das Ouvidorias da UNIMED Seminário de atualização das Ouvidorias da UNIMED Alessandra Pereira Lobo Ouvidora-Substituta São Paulo, 9 de março de 2017. Roteiro Situação e avanços das Ouvidorias no Setor de Saúde Suplementar; Aspectos

Leia mais

A saúde e as políticas públicas: conceitos e tendências Francisco Carlos Cardoso de Campos

A saúde e as políticas públicas: conceitos e tendências Francisco Carlos Cardoso de Campos A saúde e as políticas públicas: conceitos e tendências Francisco Carlos Cardoso de Campos São Paulo 25 de Fevereiro de 2015 Determinantes sociais da saúde Tendências cenário otimista Retomada do crescimento

Leia mais

Demanda crescente aos serviços de saúde Incorporação de tecnologias de mais alto custo Diminuição de qualidade dos serviços

Demanda crescente aos serviços de saúde Incorporação de tecnologias de mais alto custo Diminuição de qualidade dos serviços Redução da mortalidade Prolongamento da vida Demanda crescente aos serviços de saúde Incorporação de tecnologias de mais alto custo Diminuição de qualidade dos serviços PIORA DA QUALIDADE DE VIDA. INCREMENTO

Leia mais

Ref: Consulta Pública à Minuta da Resolução Normativa da ANS, a ser publicada em 2010.

Ref: Consulta Pública à Minuta da Resolução Normativa da ANS, a ser publicada em 2010. São Paulo, 30 de outubro de 2009. À Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS At. Ilmo. Dr. Diretor-Presidente Dr. Fausto Pereira dos Santos Ref: Consulta Pública à Minuta da Resolução Normativa da ANS,

Leia mais

Legenda da Guia de Honorários

Legenda da Guia de Honorários PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA Formulário do Plano de Contingência Legenda da Guia de Honorários Registro ANS Nº da no prestador na 1 2 Registro ANS Número da no prestador String 6 0 Registro

Leia mais

Recursos Próprios 2013

Recursos Próprios 2013 Recursos Próprios 2013 " Serviços Próprios de Atendimento Pré-Hospitalar (SOS) e Assistência Domiciliar ( Home- Care): reconhecendo a importância destas modalidades assistenciais para o cliente e para

Leia mais

Variação de Custos Médico-Hospitalares

Variação de Custos Médico-Hospitalares Variação de Custos Médico-Hospitalares Edição: Setembro de 2017 Data-base: Dezembro de 2016 Sumário Executivo Variação dos Custos Médico Hospitalares/IESS A Variação do Custo Médico Hospitalar - VCMH/IESS

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 35ª Edição Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (set/15): 50.261.602; Crescimento do número

Leia mais

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FGV CORPORATIVO 12.227/14_v3 QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas (**) Carga Horária (*) 1. Cooperativismo e Administração de Serviços

Leia mais