Fontes de Tecnologia no Setor de Telecomunicações: Um Estudo Multicaso em Três Multinacionais (MNC s) e um Centro de Pesquisa Instalados no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fontes de Tecnologia no Setor de Telecomunicações: Um Estudo Multicaso em Três Multinacionais (MNC s) e um Centro de Pesquisa Instalados no Brasil"

Transcrição

1 Fontes de Tecnologia no Setor de Telecomunicações: Um Estudo Multicaso em Três Multinacionais (MNC s) e um Centro de Pesquisa Instalados no Brasil Tema: Cooperação empresa-instituto tecnológico-universidade. Categoria: artigo científico Flávia Oliveira do Prado USP- Universidade de São Paulo Geciane Silveira Porto FEA/USP Resumo As telecomunicações vêm ocupando cada vez mais uma posição de destaque, em nível mundial, em face do intenso desenvolvimento tecnológico atribuído ao setor, e da globalização de atividades produtivas e financeiras. Observa-se que esse setor é extremamente dependente de inovação e das várias fontes geradoras de pesquisa e informação. Em decorrência desse cenário, torna-se de extrema importância entender o processo de identificação e utilização das fontes de inovação e tecnologia por parte das empresas do setor de telecomunicações Esta pesquisa é um estudo multicaso realizado em 3 empresas multinacionais fabricantes de equipamentos para o setor, que segundo o modelo de Frassman (2001) encontram-se no nível 1; e em um dos institutos de pesquisa cuja competência principal é a geração de tecnologia para o setor. Este estudo abordou o processo de seleção das fontes de inovação, identificou as fontes mais utilizadas para produtos e processos, a freqüência e a importância do uso destas para as empresas do setor, a natureza do conhecimento buscado em cada fonte de inovação, o processo de transferência tecnológica, as razões pelas quais levam as empresas cooperarem com as universidades e a importância da lei de informática (lei nº ). Apresenta-se também a ótica do Instituto de Pesquisa, referente às questões citadas anteriormente. Palavras-chave: fontes de tecnologia, cooperação empresa/universidade/instituto de pesquisa, transferência tecnológica.

2 Fontes de Tecnologia no Setor de Telecomunicações: Um Estudo Multicaso em Três Multinacionais (MNC s) e um Centro de Pesquisa Instalados no Brasil 1 1. Introdução No setor de telecomunicações as empresas necessitam se adequar ao arranjo competitivo imposto pelo mercado, ampliando tanto sua capacidade interna de inovação e de incorporação de novos conhecimentos, como buscando novas fontes de tecnologia que sejam complementares, a fim de proporcionar um grande diferencial no mundo competitivo. López (1998) salienta que com a globalização, as companhias terão que operar em um novo ambiente de pesquisa, com uma estrutura mais complexa devido a diferentes fatores. Uma das principais mudanças na estrutura de pesquisa está no aumento da necessidade de fontes externas de conhecimento, tanto em importação de tecnologia embarcada, quanto em parcerias e alianças estratégicas. Assim, este estudo pretende analisar o que faz com que as empresas do setor de telecomunicações busquem fontes de inovação e/ou tecnologia, como essas empresas selecionam estas fontes, quais são as fontes mais utilizadas para produtos e para processos e quais são as contribuições mais relevantes em relação a produtos e processos que estas fontes fornecem. Outro ponto a ser analisado são os mecanismos utilizados pela empresa para garantir a transferência da tecnologia tanto aquela contratada quanto à adquirida e qual é a ótica dos institutos de pesquisa sobre as questões citadas anteriormente. 2. Referencial Teórico 2.1 O Processo de Inovação Tecnológica Rieg (2000, p.8) afirma que a partir da década de 80, o enfoque interativo do processo de inovação começou a ter mais força, ou seja, a interação entre os subsistemas científicos, tecnológicos, produtivos e financeiros em todas as etapas do processo de inovação, cada qual desempenhando funções específicas: geração de conhecimento, desenvolvimento de tecnologias, produção de bens e serviços e apoio aos demais agentes, respectivamente. Gassmann et alii (1998) também observaram em seus estudos que empresas intensivas em tecnologia procuram localizar suas atividades de pesquisa próximas aos centros de excelência tecnológica. A gerência das atividades externas é caracterizada por maior complexidade do que as locais, porém os custos adicionais da coordenação internacional 1 Este trabalho integra o projeto temático FAPESP/PRONEX - Gestão da Inovação para a Competitividade Empresarial Brasileira no Contexto de Globalização da Economia (GICEG) subprojeto 7 : Fontes de Inovação para o Setor de Telecomunicações 2

3 devem ser balanceados com efeitos sinérgicos, como a redução de tempo de lançamento, a melhora da efetividade e o aumento da capacidade de aprendizagem. Bignetti (2001, p.1) ressalta a importância da inovação para empresas intensivas em conhecimento que são caracterizadas pela introdução de inovações radicais e de produtos com ciclos de vida curtos. Segundo o autor, a velocidade com que ocorre atualmente a competição tecnológica desafia os dirigentes das organizações a adotarem novas posturas estratégicas e conceberem novas formas de desenvolver tecnologias e de criar oportunidades de mercado para seus produtos. O setor de telecomunicações comporta-se de forma similar a descrita pelo autor citado acima. As empresas estão buscando cada vez mais inovar, pois o ciclo de vida dos produtos está mais curto, e desse modo o desenvolvimento de novas tecnologias tornou-se essencial para que as empresas venham a obter vantagem competitiva e descobrir novas oportunidades, já que o mercado está mais pulverizado e o lançamento de novas tecnologias é cada vez maior. 2.2 As Fontes de Inovação e Tecnologia As fontes de inovação e tecnologia são de extrema relevância para a performance inovadora apresentada pelas empresas. De acordo com Quadros et alii (2001), os esforços tecnológicos realizados pelas empresas brasileiras são reduzidos, assim as atividades relacionadas à inovação deveriam ser identificadas de modo a explicar como a atividade inovadora no Brasil é desenvolvida. Daim et alii (1998) verificaram que dentre os possíveis canais de aquisição de tecnologia os mais importantes eram justamente o desenvolvimento interno, seguido pelos fornecedores, suporte à educação dos funcionários e encontros tecnológicos. Os autores concluíram que as fontes de aquisição tecnológica podem ser agrupadas em três fatores: a) a pesquisa e educação (Consórcio com universidades, Consórcio de pesquisa, Educação de funcionários, Faculdades, P&D externo); b) Redes de trabalho (Encontros tecnológicos, Periódicos, feiras); c) Desenvolvimento interno/ fornecedores, (Interno, Licença, Fornecedores). Barañano (1998), em um estudo com 652 empresas portuguesas, identificou como as fontes de inovação mais utilizadas para produtos ou serviços: a interligação com outras empresas; as associações com organizações externas de P&D; a imprensa, as feiras ou exposições; o departamento interno de P&D; as equipes interfuncionais; a inovação no equipamento adquirido; a relação próxima com concorrente, fornecedor, clientes-chave; as necessidades dos clientes; a análise minuciosa dos produtos concorrentes. Destacou que a principal fonte para todas as dimensões de empresas foi a necessidade do cliente, fato que comprova a preocupação em adaptar novos produtos e serviços às exigências do mercado. Uma importante diferença entre as grandes e pequenas empresas é que as primeiras se utilizam mais os departamentos internos de P&D, enquanto as pequenas empresas nem possuem tal departamento formalizado. Para inovação nos processos e procedimentos, Barañano (1998) destaca que a fonte mais utilizada, em todas as dimensões, é o benchmarking, seguido do trabalho com clienteschave, do relacionamento com fornecedores chave e com concorrentes chaves. Dentre as fontes internas de inovação de processos, a autora constatou a predominância da criação de 3

4 grupos internos para todas as empresas, enquanto fatores como equipes multifuncionais e departamento de informação interna são mais relevantes para as empresas de maior porte, uma vez que as pequenas empresas não possuem sistemas complexos de informação. Silva et alli (2000) observam que as empresas pertencentes a setores mais tradicionais absorvem predominantemente tecnologia de suporte à sua operação, caracterizando-se como usuárias e/ou receptoras de tecnologia gerada fora de sua indústria por outros setores. Já as empresas pertencentes aos setores dinâmicos têm na tecnologia o objetivo de suas atividades, desenvolvendo-se e conquistando mercados e os resultados de P&D mostram-se superiores, tanto os processos produtivos quanto os produtos finais incorporam relativa densidade tecnológica. Assim, a elevação nos níveis competitivos resulta diretamente no progresso tecnológico dos setores com os quais mantém estreita relação. Quadros et alii (2001) ao analisar as empresas industriais de São Paulo, constataram que a importância de fontes externas de informação é maior para as pequenas e médias empresas do que para as grandes empresas. No que se refere ao grau de importância atribuído as fontes de inovação, constataram que clientes, fornecedores e competidores estão em primeiro lugar para as pequenas e médias empresas, sendo que o departamento interno de P&D aparece somente em sexto lugar, o que indica que a inovação começa em áreas que não estão diretamente ligadas a atividades tecnológicas. Já as grandes organizações possuem clientes em primeiro lugar e o departamento interno de P&D em segundo, demonstrando que apesar destas seguirem a demanda do mercado como padrão de inovação, este é baseado na adoção e melhoria de tecnologias. Segundo Porto (2000, p.219), ao comparar empresas que cooperam e as que não cooperam com a universidade no que se refere às fontes de tecnologia e inovação, destaca que as primeiras atribuem maior importância e também utilizam com maior freqüência o departamento interno de P&D, as outras empresas do mesmo grupo empresarial, as universidades, os institutos de pesquisa e a aquisição de patentes. Já as empresas que não cooperam valorizam e utilizam mais o departamento interno de P&D, publicações especializadas, conferências, simpósios e os clientes. Bicalho-Moreira e Ferreira (2000) destacam que a interação universidade-empresa é crucial para a sobrevivência e eficiência de ambas instituições bem como para o desenvolvimento tecnológico do país. Na universidade percebe-se a falta de uma definição clara do que é considerado atividade científica ou tecnológica. Essa característica pode ser resultado de vários fatores: culturais, econômicos, institucionais, ou então, a não existência de uma consciência, tanto pela instituição como pelo pesquisador, da importância de tornar visíveis os resultados dos desenvolvimentos tecnológicos. A OECD (2000) indica que o patenteamento é tendência dos países para buscar fontes de inovação e tecnologia onde quer que elas estejam, já que os custos e os riscos da inovação têm aumentado nesse cenário globalizado de alta competitividade. Isso tem levado as empresas a aumentarem a cooperação com outras empresas para dividir os custos de trazer novos produtos e serviços para o mercado e reduzir a incerteza. Dados sobre patentes mostram que tal cooperação acontece em nível internacional. Seixas et alii (2001) também destacam a importância da formação e desenvolvimento de uma aliança estratégica em empresas de alta tecnologia, como é o caso das empresas que estão voltadas para o ramo de telecomunicações. 4

5 2.3 O Processo de Inovação no Setor de Telecomunicações Observa-se que o setor de telecomunicações é usuário e promotor de desenvolvimento tecnológico proveniente de várias fontes geradoras de pesquisa e informação. Szapiro (2000) observa que para as subsidiárias de MNC s, a principal fonte de tecnologia é a matriz e que estas não têm desenvolvido uma base tecnológica forte no local. Tal fato tem gerado um efeito negativo no sistema de inovação local. Por outro lado, há a expectativa de que o fundo setorial FUNTEL - Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações, venha ao encontro a esta necessidade. Outro instrumento de ação política é a Lei da Informática nº10.176, de 11/01/2001 que objetiva a criação de inteligência nacional e o fomento ao setor. Brufato e Maculan (2000, p.9), no estudo sobre a dinâmica da inovação no setor de equipamentos de telecomunicações, concluem que não há interações entre as empresas locais. Também não há interações entre as empresas locais e as filiais de multinacionais instaladas no país, ou seja, não há fluxos de tecnologia localizados no país. Essa limitada articulação das empresas locais com empresas internacionais restringe o acesso dessas empresas a novas tecnologias e a novos produtos, colocando o país em uma posição modesta no mercado mundial e revelando que o processo de inovação de geração de inovações é exógeno ao ambiente nacional. 3. Aspectos Metodológicos Esta pesquisa é um estudo multicaso em três empresas multinacionais fabricantes de equipamentos para o setor, que segundo o modelo de Fransman (2001) encontra-se no nível 1, fabricantes de equipamentos. Foram realizadas entrevistas em profundidade com os dirigentes da área de P&D para obtenção de informações sobre as fontes e arranjos para inovação que as empresas desse setor utilizam e com o diretor de inovação tecnológica de um Instituto de Pesquisa. 4. A Empresa Alpha A empresa analisada trata-se de uma multinacional, fabricante de equipamentos e softwares para o setor, a qual passa a ser denominada de Alpha. A matriz está localizada nos EUA, onde a empresa possui um dos maiores centros de pesquisa do mundo, responsável pelo desenvolvimento da maioria das inovações radicais geradas para toda a corporação. 4.1 Fontes de Inovação e Tecnologia A empresa Alpha para entrar no mercado brasileiro adquiriu duas empresas brasileiras para incorporar a tecnologia de centrais telefônicas. Essas empresas desenvolviam a sua tecnologia internamente no país por meio de grupos de pesquisa próprios e institutos de 5

6 pesquisa. Esses grupos e institutos de pesquisa eram fomentados pela antiga lei nº 8248 de 23 de outubro de 1991, que mais tarde deu origem a lei nº de 11 de janeiro de Atualmente, a empresa não faz desenvolvimentos internos, mas continua investindo recursos próprios e os da lei, para desenvolver novos projetos e tecnologias no País. A empresa investe em parcerias com universidades e centros de pesquisa, tais como: UFMG, PUC-MG, UNICAMP, PUC-RJ, INATEL, CÉSAR, FITec e o CPqD. O trabalho desenvolvido com as universidades em conjunto com a empresa Alpha é um pouco diferenciado, pois a experiência de parceria com essas instituições, segundo o entrevistado, tem apresentado dificuldades ao longo dos projetos. Dentre as dificuldades mais relevantes foram destacados os custos elevados quando a empresa deseja ser detentora exclusiva dos resultados, já que essa é uma política interna da organização. No quesito negociação, geralmente estas têm sido avaliadas como muito burocráticas. No quesito cumprimento dos prazos, estes se mostraram difíceis de serem atingidos nos projetos de cooperação. Dessa forma, quando a empresa deseja gerar inovações, decide por buscar associação com as fundações ou institutos de pesquisa em razão destes apresentarem um comportamento mais ágil. Esse cenário decorre em parte da atual posição que as universidades têm perante a indústria, uma vez que priorizam a sua independência e há dificuldades para trabalhar com prazos rígidos, enquanto a empresa visa resultados em prazo determinado. Um outro ponto de divergência é a discussão da propriedade dos resultados das pesquisas, uma vez que as indústrias, em geral, requerem 100% da propriedade intelectual e muitas universidades não aceitam esta situação, devido as suas políticas de divisão da propriedade industrial, as quais diferem conforme a instituição de pesquisa. Quando o objetivo é o desenvolvimento de pesquisa básica e capacitação tecnológica, desenvolvimento de cursos específicos e treinamento do pessoal, estes são realizados nas universidades, que revelam possuir maior competência nestas atividades. No caso de desenvolvimento dos softwares, a parceria com universidades tem sido avaliada como bem sucedida. Outro ponto destacado é o fato de que dos projetos com as universidades ser mais barato do que o desenvolvimento interno. A empresa desenvolve grande número de pesquisas básicas com o centro de P&D da matriz; estas pesquisas não necessitam de um fim específico, sendo dirigidas para romper fronteiras do conhecimento. Tal fato corrobora os estudos de Galina (2001) e Gasmam et alii (1999), quando destacam que as estruturas de P&D estão se tornado cada vez mais globais. O desenvolvimento de novas tecnologias consideradas estratégicas não é realizado por meio de projetos de cooperação com as universidades, devido as dificuldades de gerenciamento adequado para manter o sigilo das novas tecnologias. No Brasil, a empresa concentra-se em pesquisa aplicada e desenvolvimento tecnológico específico para atender metas internas de desenvolvimento científico. Com as fundações e centros de pesquisa, citados anteriormente, a empresa realiza projetos de pesquisa e desenvolvimento de produtos. 6

7 4.2 Seleção das Fontes de Tecnologia Para selecionar as fontes de inovação a empresa possui um grupo que visita universidades e institutos de pesquisa e classifica-os segundo as suas melhores competências, com o propósito de melhorar a transferência da tecnologia e monitorar as tendências tecnológicas. O Gerente de P&D citou como exemplo de instituições com competência diferenciada, o INATEL na área de telecomunicações, a UFMG, na área de telemática e o CESAR - Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, no desenvolvimento de software. A empresa, normalmente, também envia um ou mais funcionários para o centro de pesquisa localizado nos EUA, para fazer um estágio a fim de trazer conhecimentos inovadores. Segundo o entrevistado os pesquisadores brasileiros possuem muita competência e são reconhecidos nesse centro. Devido a essa característica, a empresa desenvolve projetos em parceria com a matriz para o mercado internacional, além dos projetos específicos para o mercado brasileiro. Essa também é uma maneira que a empresa utiliza para buscar inovação. Outro mecanismo utilizado pela empresa é a Intranet, na qual são disponibilizados muitos cursos de treinamento; além de informações sobre tudo o que está sendo desenvolvido por toda a corporação, permitindo uma troca de informações entre os pesquisadores via teleconferências. A empresa é muita aberta em relação à disseminação das informações, o que revigora a sua capacidade inovativa. A organização faz monitoramento dos concorrentes, pois o mercado de telecomunicações está sempre sofrendo mudanças rápidas e os produtos têm um ciclo de vida muito curto, assim se faz necessário estar à frente do concorrente. Além deste estar se tornando muito fragmentado. O papel do cliente tem sido importante dentro do processo de inovação da empresa. As operadoras, que constituem-se no seu consumidor final, participam na definição dos produtos que eles desejam, destacando os custos e as especificações que gostariam que fossem atendidos, assim a empresa busca antecipar o que o seu consumidor final realmente necessita. A empresa também monitora as tecnologias comercializadas junto às operadoras, a fim de manter sua operacionalidade, sanar eventuais deficiências, fazer melhorias, ou mesmo simplificar processos. Tudo isso é feito para minimizar esses problemas, por meio de processos inovadores. Observa-se que as tecnologias desenvolvidas pela corporação, na sua maioria são inovadoras, sendo esta uma tendência do setor de telecomunicações. As inovações incrementais são mais freqüentes em atendimento a solicitações por parte das operadoras. Segundo o entrevistado, a participação da empresa na geração do conhecimento em relação à corporação é pequena, entretanto, no Brasil a sua representação é expressiva no desenvolvimento de produtos. 7

8 4.3 Fontes mais utilizadas e Gerenciamento dos Projetos A fonte mais utilizada pela empresa, tanto para produtos quanto para processos, é o centro de pesquisa da matriz. Os processos são desenvolvidos sempre pela matriz devido à sua universalização, que permite a utilização em diferentes plantas. Já os equipamentos desenvolvidos no Brasil são sempre desenvolvidos em conjunto com as fundações e institutos de pesquisa. Pesquisadores da empresa responsabilizam-se pelas especificações a serem atendidas, participando diretamente do projeto cooperativo, de maneira a garantir um melhor gerenciamento do desenvolvimento; este grupo interno permite que a transferência da tecnologia seja feita naturalmente ao longo do processo, podendo colocar mais pessoas quando o projeto está atrasado, ou mais recursos financeiros quando for necessário. O gerenciamento dos projetos internos é feito por gestores específicos para cada projeto com o suporte de uma ferramenta de controle, que atualiza diariamente a situação dos projetos. Este controle é realizado por meio do acompanhamento das horas gastas em cada atividade, dos custos, do número de pessoas que estão trabalhando e das compras realizadas. Já as universidades e os centros externos possuem ferramentas próprias, e, desta forma, para que a empresa acompanhe os resultados são feitas reuniões semanalmente. Os centros mais usados pela empresa são CETUC, CESAR, USP, UNICAMP, CPqD, INATEL e FITec. A matriz não possui contatos diretos com esses centros e fundações. Todos os projetos realizados no País são coordenados pela organização brasileira sem triangulação. Quando a tecnologia é desenvolvida pela matriz, o processo de produção é importado e na subsidiária são feitas as melhorias nos processos e adaptações ao mercado brasileiro, caracterizando a tropicalização dos produtos. No desenvolvimento de produtos em conjunto com a matriz, ou gerados no Brasil, para garantir a transferência de tecnologia, são enviadas várias pessoas do Brasil para o centro de pesquisa da corporação. No caso das patentes, quando a tecnologia é desenvolvida no Brasil, ela é patenteada também nos EUA, com o nome do pesquisador, sendo os direitos atribuídos à empresa local. 5. A Empresa Orium A empresa Orium trata-se de uma multinacional, com a matriz localizada nos EUA, sendo fabricante de equipamentos e softwares para o setor. Está no país há 9 anos e a sua fábrica foi instalada há 6 anos. A empresa desenvolve com as suas fontes de tecnologia os desdobramentos da idéia mãe. Segundo a empresa, as tecnologias que são avaliadas como estratégicas sempre são desenvolvidas internamente, já os desdobramentos podem vir a ser desenvolvidos externamente, em centros de pesquisa que são parceiros da corporação. 8

9 5.1 Fontes de Inovação e Tecnologia As principais fontes de tecnologia para empresa são: INATEL, CESAR Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, Instituto de Pesquisa Eldorado (IPE), CPqD e o CEITEC Centro de Excelência Ibero Americana de Eletrônica Avançada, situado em Porto Alegre. O desempenho dessas fontes de tecnologia tem sido considerado muito bom, já que o escopo financeiro e o cumprimento de prazos têm sido alcançados conforme o planejado. A empresa desenvolve várias parcerias com universidades. Um caso interessante é o chamado PCT Programa de Capacitação Tecnológica. O intuito desse programa era realizar uma atualização dos currículos, ou seja, gerar profissionais qualificados em telecomunicações, trabalhando em parceria com as principais universidades e escolas técnicas brasileiras. Esse programa foi composto por 17 universidades, sendo que 5 delas aprimoravam-se no desenvolvimento de hardware e 12 no desenvolvimento de software. A parceria com as universidades e centros de pesquisa surgiu a partir desse momento quando foram colocadas algumas questões que deveriam ser aprimoradas. O Instituto de Pesquisa Eldorado (IPE) foi fundado, em 1997, devido a essa percepção. A empresa faz parceria com este instituto para a realização de projetos sob o amparo da Lei de Informática (Lei n , de 11/01/2001), em que, no mínimo, 2% do faturamento bruto da empresa é aplicado em projetos de P&D desenvolvidos em parceria com entidades/universidades externas, tais como projetos de desenvolvimento de recursos humanos e projetos especiais nos seguimentos ligados à área de telecomunicações. A empresa também viabiliza projetos com o ITA. O grande desafio destacado pela entrevistada com relação à cooperação empresa-universidade é que dentro das universidades não há uma gestão que visa a realização de um trabalho em conjunto, geralmente os objetivos são distintos em relação aos da empresa, além da burocratização ser muito grande. Dentro da universidade não há uma separação entre o mundo da pesquisa e o outro que está focado nas parcerias. A parceria é muito relevante já que a inovação gera recursos que geram empregos, assim o seu desenvolvimento deveria ser mais natural. Na visão da entrevistada, o CPqD é uma instituição que tinha grande expressão no âmbito nacional, em razão de ter sido a principal fonte de tecnologia até a privatização do sistema. Entretanto devido a cultura organizacional resultante da era monopolista, o centro tem-se mantido distante das empresas. A instituição ainda não conseguiu implementar totalmente a sua mudança organizacional, eles não possuem preço de mercado, falta uma política para estabelecimento de um convênio em que o centro participa com o conhecimento e a empresa com o financiamento dos recursos necessários. A entrevistada ressaltou que as empresas estão buscando com as instituições fazer a inovação e não gerar a inovação, ou seja, o mundo organizacional está em cima do D e não do P. 5.2 Seleção das Fontes de Tecnologia A empresa classifica os centros de pesquisa e universidades segundo as suas competências de gestão e habilidades específicas de pesquisa. O PCT, Programa de Capacitação Tecnológica, mapeou de Norte a Sul, as principais universidades e centros de pesquisa do Brasil com o objetivo de verificar as principais atividades e tendências que estão sendo desenvolvidas no país. 9

10 No Brasil há o desenvolvimento dos produtos, majoritariamente, na área de software. A política interna da corporação é a pesquisa interna sigilosa, nem as subsidiárias possuem o conhecimento do que está sendo realizado, somente quando o produto se torna comercializável é que os desdobramentos são feitos pelas subsidiárias. O processo de inovação tecnológica na Orium é focado na necessidade do cliente. Realizam-se pesquisas para conhecer os diferentes perfis de usuários de aparelhos celulares. Como, por exemplo: executivos, mães, jovens, profissionais liberais das mais diversas áreas (pedreiros, encanadores e eletricistas, etc). O objetivo desse tipo de pesquisa é conhecer para cada um desses segmentos a razão que leva essas pessoas a usar determinado tipo de celular, para que elas usam o aparelho e quais são as funções mais importantes do celular. Os produtos globais são definidos com base nesses perfis. Nos mercados regionais, como o Brasil, são feitas customizações, isto é, adaptações, desenvolvimentos específicos e os testes dos produtos para toda América Latina. A política da corporação é saber o que é estratégico para cada subsidiária e cada uma faz as regionalizações necessárias, como já foi mencionado anteriormente. Observa-se que o mercado brasileiro é bastante diversificado, uma vez que são vendidos tanto produtos de baixo quanto de alto valor agregado. Entretanto, vale ressaltar que a maioria do mercado está direcionada para produtos mais baratos. 5.3 Gerenciamento de Projetos e importância da Lei de Informática O acompanhamento do desenvolvimento de projetos é feito semanalmente e há toda uma documentação dos processos que estão sendo realizados. A empresa está buscando a certificação nível quatro do CMM 2, portanto a instituição que faz parceira com a empresa tem que seguir a mesma sistemática, ou seja, pessoal técnico com uma ótima formação e link direto para o acompanhamento fase a fase. O gerenciamento de projetos nas universidades que a empresa tem parceria é feito de forma análoga. Quando questionada sobre a importância da lei da informática para as empresas, ou seja, caso ela desaparecesse, quais seriam os prejuízos, a entrevistada declarou que o impacto para a empresa não seria tão grande, já que a organização tem uma relação de parceria com os centros de pesquisa que não se constitui apenas como um meio para a utilização dos recursos provenientes da lei. Os centros de pesquisa e universidades que a empresa possui como fontes de inovação são considerados como parceiros externos da empresa, sendo que estes são atestados pelos seus fornecedores. A entrevistada destacou que as empresas precisam ser competitivas em custos para garantir a sua sobrevivência. Assim, o governo deveria subsidiar P&D, já que não dá tempo das empresas obterem o retorno do investimento feito nas inovações, principalmente devido ao ciclo de vida curto dos produtos. CMM - Capability Maturity Model for Software - um modelo para julgar a maturidade dos processos do software de uma organização e para identificar as práticas chaves que são requeridas para aumentar a maturidade destes processos. Há cinco níveis : initial, repeatable, defined, managed e optimizing. 10

11 6. A Empresa Antares A empresa Antares também é uma multinacional, fabricante de equipamentos e softwares para o setor e com a matriz situada no Canadá, onde estão presentes os gerentes de projetos PMLs (Product Line Managers), que possuem o papel de observar quais são as novas tendências de mercado e quais os produtos que devem ser gerados para suprir cada tendência em particular. São eles que definem quais institutos internos (laboratórios de desenvolvimento nas diferentes subsidiárias) e externos que serão utilizados para desenvolver um determinado produto. Segundo o entrevistado, os PMLs estão mais preocupados com mercados globais, com grande potencial de consumo. Geralmente as diversas subsidiárias recebem as encomendas de acordo com a sua competência principal e desenvolve o produto, a unidade brasileira trabalha dessa forma. Nos EUA, por exemplo, as operadoras influenciam no processo de inovação. 6.1 Fontes de Inovação e Tecnologia Até 1998, a unidade brasileira só trabalhava com o processo produtivo. Quando havia uma demanda específica de mercado, vinha uma equipe especializada para instalar a linha produtiva de um determinado produto. Atualmente, a empresa brasileira ganhou uma maior autonomia, entretanto os projetos que vêem para o Brasil são produtos que compõem redes que utilizam equipamentos manufaturados localmente e também importados. Isso se tornou possível com a lei de informática, pois em razão desta, a empresa teve um incentivo para criar um centro de pesquisa no país e começar fazer algum tipo de desenvolvimento. A empresa no Brasil responde à sede administrativa denominada CALA (Central América and Latin América), que está instalado na Flórida devido ao tamanho e importância do mercado. Cabe ressaltar que a estratégia tecnológica da empresa é determinada pelos PLMs que atendem as necessidades específicas do mercado e da legislação. O principal centro de fornecimento de tecnologia para empresa é a matriz e para capacitação dos funcionários são as instituições parceiras. O relacionamento da matriz com a subsidiária é feito a partir de três variáveis: disponibilidade de tempo, custo do desenvolvimento e capacitação técnica. Destaca-se que os engenheiros brasileiros têm desempenhado um papel importante, já que o nº de falhas é muito pequeno e o cumprimento dos prazos é preciso. O histórico do centro de desenvolvimento no Brasil é um grande argumento dentro da corporação para garantir o desenvolvimento de novos projetos. Os profissionais brasileiros têm que apresentar um menor custo e ter maior qualidade. Os principais concorrentes são a Índia e a China por terem, em geral, um custo menor, entretanto ao comparar o Brasil com a China, por exemplo, o Brasil possui um histórico de qualidade superior. Os principais parceiros da empresa no Brasil são a FINATEL (Fundação Inatel), a qual colabora com 1/3 da força de trabalho do laboratório e está totalmente integrada na estrutura de desenvolvimento da empresa, possuindo instalações dentro da organização. O CPqD é um parceiro diferente da Inatel já que este não é integrado na estrutura de desenvolvimento da empresa. Para este são enviadas partes de algum módulo que está sendo desenvolvido e que não interferem no sigilo da empresa e o instituto desenvolve a 11

12 sua parte e entrega pronto para empresa. Atualmente, embora a parceria seja em caráter permanente, a empresa não tem nenhum projeto em andamento com este instituto. O CÉSAR - Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife - também é um parceiro da empresa, além da FUNCAMP que aloca estagiários para a empresa, o COPPE-RJ e a Brisa que é uma empresa de consultoria sobre certificação de produtos junto a Anatel. Destaca-se que estas fontes são mais utilizadas para prover tecnologia incremental e contribuir para capacitação humana. Nesse aspecto, tanto o CESAR quanto o CPqD são igualmente relevantes. Com o CPqD, todos os projetos realizados foram bem sucedidos com relação ao cumprimento de prazos, qualidade técnica e cumprimento do orçamento. O desenvolvimento é estratégico para empresa e a necessidade de controle se tornou indispensável, dessa forma a tendência que a organização está seguindo é passar partes bem definidas de um projeto, que não prejudicam o sigilo e são passíveis de serem realizadas fora da organização. A FINATEL é vista como a fonte de tecnologia mais eficaz já que há uma total integração entre esta e a organização, na visão da empresa este relacionamento é uma espécie de aliança. O relacionamento com a FUNCAMP segue um modelo parecido com do INATEL, eles cuidam da parte administrativa, de contratação dos estagiários, e estes são alocados dentro da estrutura da empresa, se reportando aos funcionários de cada área específica. Desta forma o resultado do trabalho dos mesmos fica totalmente sob controle da empresa. 6.2 Gerenciamento dos Projetos e a importância da Lei de Informática Todos os projetos realizados em conjunto com os centros de pesquisa são acompanhados durante o desenvolvimento. Esse processo é natural e garante a transferência da tecnologia, uma vez que todas as fases são acompanhadas para certificar se o desenvolvimento está sendo alcançado e dessa forma há uma troca permanente de informações. Há também uma pessoa designada (Prime) para fazer a interface com centros de pesquisa cujo nível hierárquico é definido dependendo do tamanho do projeto. Essa pessoa é responsável pelo monitoramento da parte técnica, do desenvolvimento financeiro e da parte administrativa. A existência de um laboratório, no Brasil, foi possível devido à existência da lei de informática, assim o que é gasto com o laboratório é o que a empresa deixa de recolher em impostos. Segundo o entrevistado, se essa lei desaparecesse, a existência do laboratório seria repensada e muito provavelmente, as fundações seriam abaladas. A empresa também está desenvolvendo projetos com parcerias mais amplas, como por exemplo, o projeto de aplicações de Internet Móvel que está em processo de aprovação pela FINEP e será uma parceria entre várias organizações. A Empresa Antares entrará com a infra-estrutura e os parceiros farão o desenvolvimento de aplicações de Internet Móvel. O uso dos laboratórios beneficiará todos, ou seja, as operadoras, a comunidade e as universidades que deverão participar. 12

13 7. O Centro de Pesquisas Beta O Centro de Pesquisas Beta foi criado, na década de 70, com o intuito de desempenhar um papel estratégico na capacitação tecnológica brasileira no setor de telecomunicações. Integrava uma grande empresa estatal e o Governo Federal o tinha como instrumento de política setorial. Como a economia brasileira pautava-se pelo modelo de substituição de importações, era atribuída ao Centro de Pesquisas a tarefa de liderar as iniciativas de desenvolvimento local em tecnologias de telecomunicações, articulando as atividades empreendidas por Universidades, empresas e demais centros de pesquisa, por meio da concepção e desenvolvimento de equipamentos e sistemas. Nesse período o centro possuía grande demanda devido ao poder de compra do Estado. Até então o modelo era composto por um tripé, Indústria Centro de Pesquisas Beta - Universidades (Recursos Humanos,) que se configurava como uma base consistente para o desenvolvimento de novas tecnologias. As principais universidades que participaram de pesquisas conjuntas eram a Unicamp, a PUC-Rio, a USP, o ITA e a UFMG. O centro era responsável pela transformação do conhecimento gerado pelas atividades de pesquisa em produtos industrializáveis. Após o processo de abertura da economia brasileira, o Centro de Pesquisas Beta passou a enfatizar o desenvolvimento de aplicativos de software, como por exemplo, o SAGRE (sistema de gerenciamento da planta por meio de informações geográficas). O desenvolvimento de hardware passou a ser feito de forma bastante seletiva, destacando-se apenas o projeto da central telefônica Trópico e da tecnologia de telefone público a cartão indutivo (TPCI). O centro também passou a oferecer às empresas estatais de telecomunicações uma gama de serviços tecnológicos, consultorias e projetos de engenharia. 7.1 Transformação do centro em uma fundação de direito privado Com a privatização das empresas de telecomunicações, o Centro de Pesquisas foi transformado em uma fundação de direito privado. Assim, o centro foi posto diante do desafio de transformar suas competências acumuladas conhecimentos, sistemas, tecnologias em recursos aptos para garantir a sobrevivência da instituição em um ambiente de mercado. Esta situação corrobora o trabalho de Graciosa (2000), que enfatiza que no cenário pós-privatização haverá a necessidade de uma importante fonte de recursos para a instituição, um quadro no qual não se desenvolverá tecnologia exclusivamente para um monopólio público, mas para as diferentes empresas deste setor, bem como a identificação de outros setores para os quais a instituição poderá passar a destinar os seus conhecimentos. O Centro de Pesquisas, após essa mudança institucional, passou a ter uma dupla função, a primeira voltada para o mercado, para a comercialização direta de seus desenvolvimentos e a segunda de caráter estratégico, voltada para preservação da competência em pesquisa e desenvolvimento, conforme preconizado em lei federal. Do ponto de vista temático, o centro intensificou a sua concentração no desenvolvimento de software, sem, contudo abandonar o perfil de atividades adotado ao longo da década de

14 7.2 Comercialização de tecnologia e oportunidades de negócios O Centro Pesquisas Beta se apresenta como fonte de tecnologias sob três formas principais: Provedor de serviços tecnológicos de telecomunicações, a fim de manter a inteligência nacional em tecnologias de telecomunicações por meio de trabalhos de vanguarda, neutros e independentes. Provedor de tecnologias de equipamentos e sistemas de telecomunicações, transferindo tecnologia para a indústria nacional e promovendo a criação de novas empresas de alto conteúdo tecnológico (spin offs). Provedor de sistemas software para telecomunicações, buscando competir globalmente como fornecedor de aplicativos de grande porte e complexidade para telecomunicações e promover um efeito arraste que beneficie as empresas nacionais ao longo da cadeia de serviços de software. Esta última forma é a que deverá ter maior peso do ponto de vista comercial, pois é onde acredita-se que estejam as maiores oportunidades brasileiras no novo cenário mundial das telecomunicações. A instituição também manteve uma competência para transferir para a indústria a tecnologia gerada nos projetos de P&D. Algumas empresas que possuem um interesse específico em determinadas tecnologias podem concretizar essas oportunidades propondo projetos em parceria com o centro e utilizando mecanismos governamentais, como os incentivos da lei da informática e os recursos do FUNTTEL. Esta é uma área que apresenta um grande potencial para a instituição, seja pelo lado da receita, seja pelo lado do benefício para as empresas do país. Outros produtos vendidos pelo Centro são as consultorias e os ensaios laboratoriais para homologar e certificar equipamentos para as indústrias. No caso dos ensaios, o centro prepara relatórios e emite certificados para verificação, por exemplo, da qualidade do produto. A instituição é credenciada pelo INMETRO e outras instituições do gênero. Segundo o Diretor de Gestão da Inovação do Centro, vislumbram-se, no momento, grandes oportunidades no desenvolvimento de novos serviços de telecomunicações para as operadoras, no fornecimento de aplicativos de software para suporte a operação e negócios dessas prestadoras e, de uma forma geral, serviços e software para aquelas empresas que desejam utilizar tecnologias de telecomunicação e tecnologia da informação voltadas para a melhoria dos seus produtos e processos. O fornecimento de tecnologia (hardware) para as indústrias sem o apoio do governo não é mais a principal forma de comercialização de tecnologia da instituição. O entrevistado ressaltou que a maioria das empresas operadoras e fornecedoras de equipamentos de telecomunicações são de origem estrangeira e possuem centros de P&D próprios em seus países de origem. Hoje, no Brasil, são poucas as instituições não-acadêmicas que possuem um trabalho independente com linhas de pesquisa próprias, podendo-se citar o CPqD, CERTI, LACTEC e CESAR. Uma possibilidade interessante para desenvolvimento tecnológico é explorar certas exigências da nova regulamentação das telecomunicações como o desenvolvimento de 14

15 tecnologias que venham permitir a desagregação do acesso à casa do usuário (unbundling), o que poderá estimular a concorrência de diversas operadoras no segmento residencial, visto que, hoje, o consumidor somente tem acesso total aos serviços de telecomunicações através da operadora local. Novas oportunidades de comercialização foram identificadas na adaptação de tecnologias originárias das telecomunicações para outros setores de atividade econômica. É o caso, por exemplo, de aplicativos de software de telecomunicações adaptados para uso no setor elétrico. Também é o caso de tecnologia de hardware para transmitir sinais de comunicação nos próprios cabos e fios elétricos ( power line comunication ), empregada para identificar e rastrear problemas no sistema, por meio de modems especiais. 8. Considerações Finais Uma vez que esta pesquisa está em andamento e, ainda não foi possível alcançar o seu objetivo principal que é verificar como funciona a dinâmica da inovação das empresas fabricantes de equipamentos do setor de telecomunicações, o estudo apresentado está restrito a três empresas e um dos centros de pesquisa. Observa-se que as empresas estudadas seguem a mesma tendência apresentada por Barañano (1998) e Daim et alii (1998) em que as principais fontes de inovação identificadas foram o departamento interno de P&D, a cooperação com universidades, as associações com organizações externas de P&D, e as necessidades dos clientes. A empresa Alpha utiliza principalmente como fontes de tecnologia a fundação interna, as universidades e centros de pesquisa como o CÉSAR, o INATEL e o CPqD. Já a empresa Orium tem como seus principais parceiros o CESAR, o INATEL e o Instituto de Pesquisa Eldorado. A empresa Orium assim como a Alpha e a Antares têm o cliente como fator chave no processo de inovação, fato que ressalta a preocupação em adaptar novos produtos e serviços às necessidades do mercado, corroborando com a colocação feita por Baranãno (1998). Outra situação observada é a interação empresa-universidade, a qual ainda apresenta algumas dificuldades. Na ótica das empresas, principalmente da Alpha e Orium, não há uma definição clara da postura das universidades perante as empresas, o que pode ser causado pelos fatores culturais, econômicos e institucionais. Isso demonstra que há uma necessidade de mudança na postura tanto das empresas quanto das universidades para que o intercâmbio de informações e conhecimentos seja mais efetivo e dinâmico. Outra evidência é que as empresa estudadas realizam no Brasil, somente desenvolvimento tecnológico, ou seja, a adaptação de novos produtos e/ou produção de produtos novos que atendam as necessidades do cliente. As inovações radicais são realizadas na matriz, o conhecimento é gerado fora do país, contribuindo assim para a fragilidade da infra-estrutura científica do País. Outro aspecto observado é que a lei de informática continua sendo decisiva para a manutenção de investimentos no país, sugerindo que a sua suspensão impactará diretamente os esforços tecnológicos atualmente desenvolvidos. 15

16 Em relação ao centro de pesquisa estudado, observa-se que este vem se adaptando às mudanças organizacionais e às necessidades do mercado. O atual foco é oferecer para o mercado novos serviços, empregando novas estratégias, que inclui atender outros setores que não sejam somente o setor de telecomunicações. Com a nova configuração, o centro deixou de ser o principal player para o desenvolvimento da pesquisa nacional, fato que contribuí para a dispersão da capacidade tecnológica brasileira. 9. Referências Bibliográficas Barañano, A. M.. A Relação entre a Inovação e a Dimensão de Empresas, XX Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Bicalho-Moreira, Lucinéia Maria; Ferreira, Marta Araújo Tavares. Inovação Tecnológica na Universidade: Representação nos indicadores de ciência e tecnologia. XXI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Bignetti, Luiz Paulo. O Processo de Inovação em Empresas Intensivas em Conhecimento, XXV ENANPAD, Campinas, de setembro de Brufato, Aline Winckler; Maculan, Anne-Marie. A Dinâmica da Inovação no Setor de Equipamentos de Telecomunicações, XXI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Daim, T.; Kocaoglu, D. F.. Technology Acquisition in the US Electronics Manufacturing Industry, Management of Technology, Sustainable Development and Eco-Efficiency, Fransman, M. Industry Mapping The Layer Model. Disponível na internet via Galina, Simone Vasconcelos Ribeiro. Reestruturação na Indústria de Telecomunicações e suas repercussões: uma análise do desenvolvimento de produtos através de estudos com fornecedores de equipamentos. Anais do XXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Gassmann, O.; Zedtwitz, Maximilian von. Towards the Integrated R&D Network- New Aspects of Organizing International R&D, Management of Technology, Sustainable Development and Eco-Efficiency, Graciosa, Hélio. P&D em telecomunicações: O Desafio de uma Organização Nacional O CPqD. In Márcio Wohlers e Crisanto Plaza (orgs), Informe Anual: Telecomunicações e Tecnologias da Informação, López, Vladimir. How R&D is Changing, The OECD OBSERVER, n. 213, Lorenzo, Modesto. A Indústria de Telecomunicações e os Grandes Fabricantes Internacionais. In Márcio Wohlers e Crisanto Plaza (orgs), Informe Anual: Telecomunicações e Tecnologias da Informação, OECD (2000), A New Economy? The Changing Role of Innovation and Information Technology in Growth. Mimeo, 90 pags. 16

17 Porto, G. S. A decisão empresarial de desenvolvimento tecnológico por meio da cooperação empresa-universidade. Tese de doutorado defendida na FEA/USP, São Paulo, Quadros, Ruy; Furtado, André; Bernardes, Roberto; Franco, Eliane. Technological Innovation in Brazilian Industry: An Assessment Based on the São Paulo Innovation Survey, International Journal of Technological Forecasting and Social Change, 67(2): Rieg, Denise. Anexo 1 Considerações sobre o Processo de Inovação Tecnológica. In Projeto Políticas Públicas, Fapesp, Agosto, Seixas, Claudiner Mendes; Grave, Paulo Sérgio; Gimenez, Fernando Antonio Prado. Globalização, Aliança Estratégica e Desenvolvimento Tecnológico: estudo do caso de uma empresa de alta tecnologia. XXV ENANPAD, Campinas, de setembro de Silva, Francisco Antônio Cavalcanti; Quirino, Lúcia Morgana de Lima; Arias, Adriana Salete Dantas. Gestão da tecnologia e competitividade: um estudo multicaso. XXI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Szapiro, M. H. S. Technological Capability in Telecommunications Industry in Brazil. Development and Impacts of the Structural Reform in the 90s. Anais da 4 th Internacional Conference on Technology Policy and Innovation, Curitiba, 28 a 31 agosto,

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Eng. Fabián Yaksic Presidente do IPD Eletron Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Complexo Eletroeletrônico e Tecnologia da Informação Associação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Desenvolvimento de Competências para. Desenvolvimento de Competências para Gestão de Inovação. Gestão de Inovação

Desenvolvimento de Competências para. Desenvolvimento de Competências para Gestão de Inovação. Gestão de Inovação Desenvolvimento de para Gestão de Inovação Prof. Dr. Sérgio Takahashi GECIN /FEA-RP/USP Estrutura Paradigmas de Gestão Inovação e Realidade Nacional Conceitos sobre Inovação Gestão de Inovação: Fases Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM O DMS (Digital Manufatcturing and Simulation) é um grupo de pesquisas com foco em PLM (Product Lifecycle Management), Manufatura Digital e Simulação para sistemas de manufatura e produção. Faz parte do

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional SUMÁRIO EXECUTIVO Linha Temática PN solicita Recursos Não - Reembolsáveis 1 1 - Título do Plano de Negócio 2 - Cadastramento: 2.1 - Proponente Razão Social CNPJ Grupo Econômico CNAE principal Faturamento

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA

Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA Centro de Competência em Manufatura CCM Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias 12228-900

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / -

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / - IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO 0 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa são essenciais

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Inteligência Competitiva e Tecnológica

Inteligência Competitiva e Tecnológica Inteligência Competitiva e Tecnológica Gilda Massari Coelho, Lúcia Regina Fernandes, Cícera Henrique da Silva, Vera Lúcia Maria Lellis A globalização constitui uma chave essencial para explicar os fenomênos

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Projetos PBQP do CPqD

Projetos PBQP do CPqD ome ou Logo da presa ou o cliente Projetos PBQP do CPqD Certificação CSQE André Villas-Boas Grupo Institucional da Qualidade Agenda Histórico do CPqD Histórico dos trabalhos Apresentação dos projetos Perguntas

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais