CADERNO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE LOGÍSTICA E MOBILIZAÇÃO NACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE LOGÍSTICA E MOBILIZAÇÃO NACIONAIS"

Transcrição

1 ISSN v 1 n. 4 janeiro/dezembro 2013 ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA DIVISÃO DE ASSUNTOS DE LOGÍSTICA E MOBILIZAÇÃO CADERNO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE LOGÍSTICA E MOBILIZAÇÃO NACIONAIS SEGURO DE VIDA DA NAÇÃO! Rio de Janeiro

2 ISSN Vol. 1 n 4 janeiro/dezembro 2013 Caderno de Estudos Estratégicos de Logística e Mobilização Nacionais Trabalhos selecionados do Curso de Logística e Mobilização Nacional (CLMN) Rio de Janeiro Caderno de Estudos Estratégicos de Logística e Mobilização v. 1 n. 4 p jan./dez

3 Caderno de Estudos Estratégicos de Logística e Mobilização Nacionais é uma publicação da Divisão de Assuntos de Logística e Mobiliação da Escola Superior de Guerra (ESG) e possui circulação de caráter nacional e internacional. Qualquer parte dessa publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Os conceitos expressos neste caderno são de responsabilidade dos autores e não expressam qualquer orientação da ESG. Esta publicação está disponível no endereço eletrônico no link Produção Intelectual. Impressão: Gráfica da ESG Tiragem: 100 exemplares Caderno de Estudos Estratégicos de Logística e Mobilização Nacionais / Escola Superior de Guerra, Divisão de Assuntos de Logística e Mobilização. - Vol. 1, n. 4 (jan./dez. 2013). Rio de Janeiro: ESG, 2007 v.: il. Anual Artigos selecionados do Curso de Logistica e Mobilização Nacional (CLMN) ISSN Mobilização Nacional - Periódicos. 2. Logística - Periódicos. I. Brasil. Escola Superior de Guerra. Divisão de Assuntos de Logistica e Mobilização. CDD: Comando da Escola Superior de Guerra Almirante-de-Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira Diretor do Curso de Logística e Mobilização Nacional Brigadeiro do Ar Helio Severino da Silva Filho Chefe da Divisão de Assuntos de Logística e Mobilização Cel. Int. Ref. Aer Antonio Celente Videira Editor Responsável Cel. Int. Ref. Aer. Antonio Celente Videira Organizador Coronel Com R1 EB Paulo Roberto Vilela Antunes Avaliadores de Conteúdo Cel. Int. R1 Aer Ilton Agostinho de Oliveira Cel. Ref. EB Eduardo José Andrade de Barros Moreira Revisão Prof.ª Dr.ª Aileda de Mattos Oliveira Padronização Bibliotecária Maria de Fátima de Figuedo Lopes Bibliotecária Andreia Teles Saroldi Diagramação e Arte Final Anério Ferreira Matos 2

4 SUMÁRIO Editorial 5 Antonio Celente Videira A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, a Orientação do Supremo Tribunal Federal e a Mobilização Nacional 7 Brenno Cruz Mascarenhas Filho A Realização do Apoio de Transporte às Organizações Militares de Fronteira na Amazônia Ocidental e seus Reflexos para a Mobilização Nacional 23 Alberes José Quintans de Freitas A Logística Nacional, a Defesa, a Ciência-Tecnologia e Inovação 39 Erenito Alves Azeredo Logística, Mobilização e Regulação de Transportes: Estudo de Conceitos e Perspectivas para os Jogos Olímpicos/Copa do Mundo Rio 2014/ Nauber Nunes do Nascimento Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa 74 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/ Maria Inês da Penha Gaspar Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais A Identificação da Sociedade com as Atividades de Mobilização Nacional por Meio de sua Atuação em Casos de Catástrofes 112 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva A Indústria Brasileira de Material de Defesa e sua Contribuição para a Mobilização Nacional 131 Ilton Agostinho de Oliveira A Segurança da Informação no Contexto Cibernético e a Mobilização Nacional 147 Luiz Guilherme Sá da Silva O Marketing e a Comunicação Social na Mobilização Nacional 163 Marcelo Adahir Vieira Ferrera Caderno de Estudos Estratégicos de Logística e Mobilização v. 1 n. 4 p jan./dez

5 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística 176 Silvia Maria Pineschi Braun Expansão da Malha Ferroviária Brasileira e Sul-Americana para o Desenvolvimento e Integração Regional, com Prioridade nas Expressões Econômica e Militar Reflexos na Mobilização Nacional 196 Rafael Aquino dos Santos Reflexões Econômicas sobre a Dissuasão como Elemento de Defesa Nacional 217 Júlio Grevy Montenegro Osório e Alves Serviço Civil Obrigatório: Idéias, Reflexões e Aplicações para a Mobilização 230 Fernando Henrique da Conceição Sobrinho A Tecnologia da Informação na Mobilização de Recursos Humanos 243 Anderson dos Santos Bartz O Papel do Corpo de Bombeiros Militar na Mobilização Nacional 257 Carlos Alberto Rasia A Tecnologia da Informação, Utilizada na Logística Empresarial, e a Aplicabilidade dos Sistemas Integrados de Gestão nas Fases da Função Suprimento da Logística Militar: A Utilização do RFID 274 Warlei Oliveira Gomes Defesa Alimentar no Teatro de Operações, Combate ao Inimigo Invisível 291 Mario Roberto Ziccardi de Camargo Salles 4

6 EDITORIAL Estamos em plena era do Conhecimento. Inovação é a palavra de ordem em todos os segmentos produtivos, quer em produtos físicos, quer em produtos intangíveis. Criar passou a ser o recurso pelo qual uma organização, privada ou pública, compete no meio onde estão seus negócios. O Caderno de Estudos Estratégicos de Logística e Mobilização Nacionais, em sua quarta versão, explora essa mesma linha de ação, à medida que apresenta temas oportunos em que o binômio Desenvolvimento e Defesa são explorados, dando sentido ao amalgamento sinergético entre Empresa e Forças Armadas. É uma publicação que, por trazer em seu bojo, temas palpitantes e instigantes, na linha do Estudo do Poder (Cratologia), torna-se inédita entre a literatura relativa à Logística no âmbito empresarial como no militar. A Divisão de Assuntos de Logística e Mobilização (DALMob), da Escola Superior de Guerra (ESG), coordenadora do Curso de Logística e Mobilização Nacional (CLMN), é protagonista desse produto intelectual. Temas como Reflexão sobre o Serviço Militar Obrigatório ; Mobilização Nacional e Econômica, Infraestrutura ; Integração Sul-Americana ; Sistema de Transporte e Intermodalidade ; Indústria de Defesa ; Indústria Naval ; Telecomunicações como Processo de Crescimento e Segurança ; Papel das Agências Reguladoras na Mobilização Nacional ; Força Auxiliares e Mobilização Nacional, Logística Reversa, Segurança Alimentar nas Operações, Ferramentas da Logística Empresarial aplicadas à Logística Militar, dentre outros, caracterizam o ineditismo de um Curso que, a cada dia, se desponta como modelador de um amanhecer, por pensar gestão neste mundo dinâmico e repleto de desafios. Com toda certeza, esta publicação anual que consolida os melhores artigos dos estagiários (alunos) do CLMN/2011, circulará nos estabelecimentos públicos e privados. Será lida por milhares de chefes, executivos e gestores, tornando-se manancial para profundas reflexões sobre a integração dos nossos meios produtivos, através da empresa e da organização militar. Esse intento é o que se busca, sendo, portanto, entendido como fator preponderante à contribuição para as melhores práticas administrativas no âmbito Nacional. Boa leitura. ANTONIO CELENTE VIDEIRA Editor Responsável 5

7 6

8 A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, a Orientação do STF e a Mobilização Nacional A TERRA INDÍGENA DE RAPOSA SERRA DO SOL, A ORIENTAÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E A MOBILIZAÇÃO NACIONAL Brenno Cruz Mascarenhas Filho Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol foi demarcada pela Portaria nº 534/2005, do Ministro da Justiça, e homologada por Decreto Presidencial. Com isso, a índios de diversas etnias foi atribuída a posse de hectares de terras contínuas no extremo Norte do país e nas fronteiras do Brasil com Venezuela e Guiana. O Supremo Tribunal Federal (STF), em processo decorrente do ajuizamento de ação popular, se pronunciou no sentido de que foi legítima a demarcação da referida terra indígena, tendo em vista a norma do art. 231 da Constituição. Apesar das limitações e das salvaguardas estabelecidas pelo Portaria 534 do Ministro da Justiça e pelo STF, a demarcação de que se trata se revela deveras perigosa para a integridade territorial do Brasil. Dessa forma, a decisão do STF vulnerou a norma que elevou a soberania nacional à condição de primeiro fundamento da República (art. 1º, caput, I, da Constituição). Diante desse quadro, compete à sociedade e ao Estado brasileiro investir decididamente na preparação da mobilização nacional, de forma a desestimular qualquer iniciativa voltada para a violação de direitos nossos no concerto das nações. Palavras-chave: Ministério da Defesa; Mobilização Nacional; Estratégia Nacional de Defesa; Lei de Mobilização Nacional. 1 INTRODUÇÃO Uma longa série de atos administrativos iniciada em 1993 (no governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso) culminou com a Portaria nº 534/2005, do Ministro de Estado da Justiça, que delimitou a Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, e com o Decreto Presidencial (do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva) que homologou a demarcação, em abril de Com a instituição da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol foi reconhecida a cerca de índios das etnias Ingarikó, Macuxi, Taurepang e Wapixana, a posse da área demarcada (Art. 1º da Portaria nº 534/05 do Ministro da Justiça). Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez

9 Brenno Cruz Mascarenhas Filho Dessa forma, a União cumpriu o preceito do art. 231 da Constituição Federal, que a obriga a demarcar terras tradicionalmente ocupadas por índios. Trata-se de hectares (17.430,89 km²) de terras contínuas demarcadas no extremo norte do estado de Roraima, nos municípios de Normandia, Pacaraima e Uiramutã (Art. 2º da Portaria nº 534/05 do Ministro da Justiça), entre os rios Tacutu, Maú, Surumu e Miang e junto às fronteiras do Brasil com a Venezuela e a Guiana. Predominam as imensas planícies, cobertas pela vegetação de cerrado ( lavrado, como se diz na região), mas são importantes também as áreas de florestas densas, que cobrem inclusive a parte mais setentrional da Reserva 1. Entre a década de 1970 e 2005, a atividade econômica mais importante na região foi à cultura do arroz. Em aproximadamente 100 mil hectares no Sul e no Sudoeste do que é hoje a terra indígena, fazendeiros não índios chegaram a produzir 160 mil toneladas de grãos por ano 2. A região é ainda rica em ouro, diamante e nióbio, metal leve empregado em siderurgia e nas indústrias aeronáutica e espacial, e abriga a segunda maior reserva de urânio do planeta 3. O objetivo deste trabalho é verificar se a demarcação de forma contínua da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, legitimada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), exacerba o risco de uma intervenção estrangeira na Amazônia, com reflexos no campo da mobilização nacional. 2 A POSIÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO QUE SE REFERE À TERRA INDÍGENA DE RAPOSA SERRA DO SOL Apoiado politicamente por produtores de arroz, criadores de gado, por grande parte da população não indígena da região e pelo próprio estado de Roraima, o Senador Augusto Affonso Botelho Neto, recorreu ao Supremo Tribunal Federal 4 : Em ação popular ajuizada contra a União em maio de 2005 (ao processo foi atribuído o número 3.388/RR), o senador, como autor, e os seus assistentes, entre os quais o estado de Roraima, impugnaram a demarcação contínua da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, sustentando a inconstitucionalidade e a ilegalidade da mencionada Portaria do Ministro de Estado da Justiça que a homologou. 1 Disponível em: Acesso em: 19 out Acesso em: 24 out UND Brasil, Raposa Serra do Sol A terra onde brotam ouro, mistificação e cupidez, Acesso em 22 nov Âmbito Jurídico, A exploração ilegal dos minérios na Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, Acesso em 22 out No julgamento da Reclamação ficou decidido que compete ao Supremo Tribunal Federal julgar todos os feitos processuais intimamente relacionados com a demarcação da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol. 8 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez. 2012

10 A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, a Orientação do STF e a Mobilização Nacional Ao final do processo, em março de 2009, o STF, por maioria de votos, reconheceu a regularidade da demarcação contínua da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol e a legitimidade da Portaria nº 534/2005/MJ e do Decreto Presidencial homologatório da demarcação, resultando na remoção da área dos seus ocupantes não índios (art. 5º, parágrafo único, da mencionada Portaria) 5. Foram aprovadas também as salvaguardas indicadas no voto do Ministro Menezes Direito, que mais adiante serão ventiladas. A base normativa fundamental da decisão do Supremo é o já mencionado art. 231 da Constituição Federal. Confira-se a redação do dispositivo: Art São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens. 1.º São terras tradicionalmente ocupadas pelos índios as por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições. 2º As terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinamse a sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo dos rios e dos lagos nelas existentes 6. O Supremo Tribunal Federal entendeu que os direitos dos índios à sua cultura e sobre as terras que ocupam são originários e que, portanto, a sua demarcação tem caráter declaratório, e não constitutivo. Dessa forma, e pelo que dispõe o 6º do referido art. 231 da Constituição, tais direitos se sobreporiam a eventuais direitos de posse ou de propriedade de não índios, mesmo aqueles derivados de contratos ou relacionados a registros em cartórios imobiliários. Com essa perspectiva, a opção pela demarcação contínua das terras indígenas prevaleceu em relação ao modelo alternativo, de demarcação insular, isto é, em bolsões, que, de acordo com o Supremo Tribunal Federal, não atenderiam aos interesses das comunidades usufrutuárias. A decisão do Supremo destaca também os seguintes aspectos: a) não há incompatibilidade jurídica entre faixa de fronteira e terras indígenas; b) a situação geográfica da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol pode ser até considerada politicamente conveniente, porque obriga que as instituições de Estado (Forças Armadas e Polícia 5 Acompanharam o relator, Ministro Ayres Britto, os Ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Carmen Lucia, Menezes Direito, Cezar Peluso e Eros Grau, vencidos o Ministro Joaquim Barbosa, que julgava totalmente improcedente a ação popular, e o Ministro Marco Aurélio Mello, que a julgava inteiramente procedente. 6 Os 3.º, 4.º, 5.º, 6.º e 7.º do art. 231 da Constituição não são relevantes para o que se pretende demonstrar nesta altura do trabalho. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez

11 Brenno Cruz Mascarenhas Filho Federal, principalmente) se façam também presentes com seus postos de vigilância, equipamentos, batalhões, companhias e agentes, sem precisar de licença de quem quer que seja para fazê-lo 7, porque enseja a criação de mecanismos de conscientização de nossos indígenas contra a influência eventualmente malsã de certas organizações não-governamentais estrangeiras 8 e porque nos estimula a reforçar neles o inato sentimento de brasilidade, missão favorecida pelo fato de serem os nossos índios as primeiras pessoas a revelar devoção pelo nosso País 9 ; c) terra (indígena) e território são conceitos inconfundíveis. Território constitui uma categoria jurídico-política, nele vigora uma dada ordem jurídica soberana 10, enquanto o substantivo terras é termo que assume compostura nitidamente sociocultural, e não política 11, certo que a Constituição teve o cuidado de não falar em territórios indígenas, mas, tão-só, em terras indígenas 12, para concluir que nenhuma das comunidades indígenas brasileiras detém estatura normativa para comparecer perante a Ordem Jurídica Internacional como Nação, País, Pátria, território nacional ou povo independente 13 ;d) a demarcação das terras indígenas constitui manifestação de um constitucionalismo fraternal 14 ; e e) foi obedecido o princípio da proporcionalidade, dados os objetivos econômicos e sociais a serem alcançados. Mas é importante registrar que o posicionamento do Supremo não garante aos índios o usufruto irrestrito da terra, dos rios e dos lagos da região demarcada. A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol integra o patrimônio da União pelo que estabelece o art. 20, caput, XI, da Constituição Federal. Do usufruto indígena estão excluídos o sitio ocupado pelo 6º Pelotão Especial de Fronteira, os equipamentos e instalações públicos federais e estaduais atualmente existentes, o núcleo urbano atualmente existente da sede do Município de Uiramutã, as linhas de transmissão de energia elétrica e os leitos das rodovias públicas federais e estaduais atualmente existentes (art. 4º da Portaria 534/2005 do Ministro da Justiça). Outrossim, às Forças Armadas incumbe a defesa do território e da soberania nacionais. Deriva daí a necessidade de se compatibilizar a atividade das Forças Armadas com os direitos dos índios, especialmente na chamada faixa de fronteira, assim designada a faixa de até 150 quilômetros de largura ao longo das fronteiras terrestres. Pois bem, a Terra Indígena de Raposa Serra do Sol se submete à norma do art. 20, 2º, da Constituição (art. 3º da Portaria 534/2005 do Ministro da Justiça), que define a faixa de fronteira como fundamental para a defesa do território nacional e 7 Fls. 239 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 8 Fls. 239 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 9 Fls. 239 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 10 Fls. 233 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 11 Fls. 233 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 12 Fls. 233 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 13 Fls. 234 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 14 Fls. 234 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 10 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez. 2012

12 A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, a Orientação do STF e a Mobilização Nacional positiva que, para esse fim, a sua ocupação e utilização serão reguladas em lei. Embora seja em regra proibido o ingresso de não índios na área demarcada, é permitida a ação de autoridades federais, bem como a de particulares especialmente autorizados, desde que a sua atividade não seja nociva, inconveniente ou danosa [...] aos índios (art. 5º da Portaria 534/2005 do Ministro da Justiça). Também quanto ao Parque Nacional do Monte Roraima, situado nos limites da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol e administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, não é absoluto o direito dos índios à posse da área. Essa área se destina tanto à preservação do meio ambiente quanto ao usufruto dos índios e, dessa forma, se submete a regime jurídico de dupla afetação. Assim, têm acesso ao Parque os índios, obviamente, e, ao mesmo tempo, visitantes e pesquisadores, como se verá a seguir. Ademais, o próprio Supremo estabeleceu certas salvaguardas. As mais relevantes, para o que interessa a este trabalho, passo a relacionar. O usufruto das riquezas do solo, dos rios e dos lagos [...] não se sobrepõe ao [...] interesse público da União, o usufruto dos índios não abrange a exploração mercantil dos recursos hídricos e dos potenciais energéticos, não alcança a pesquisa e a lavra das riquezas minerais, não compreende a garimpagem nem a faiscação e não se sobrepõe aos interesses da política de defesa nacional ; serão implementados independentemente de consulta às comunidades indígenas a instalação de bases, unidades e postos militares e demais intervenções militares, a expansão estratégica da malha viária, a exploração de alternativas energéticas de cunho estratégico e o resguardo das riquezas de cunho igualmente estratégico ; fica assegurada a atuação das Forças Armadas e da Polícia Federal ; o usufruto dos índios não impede a instalação, pela União Federal, de equipamentos públicos, redes de comunicação, estradas e vias de transporte, além das construções necessárias à prestação de serviços públicos pela União ; o usufruto dos índios na área do Parque Nacional do Monte Roraima fica sob a responsabilidade do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, que responderá pela administração da área ; o trânsito de visitantes e pesquisadores não-índios é de ser admitido na área do referido Parque Nacional; e admitem-se o ingresso, o trânsito e a permanência de não-índios em terras indígenas não ecologicamente afetadas, observados, porém, as condições estabelecidas pela FUNAI e os fundamentos da decisão do Supremo A TERRA INDÍGENA DE RAPOSA SERRA DO SOL E A GEOPOLÍTICA A decisão do Supremo Tribunal Federal relativa à Terra indígena de Raposa Serra do Sol causa indisfarçável desconforto. Com efeito, por uma série de 15 Fls. 241/243 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez

13 Brenno Cruz Mascarenhas Filho motivos, entre os quais a inequívoca cobiça internacional no que se refere aos recursos naturais da Amazônia, pode-se afirmar que a instituição da mencionada terra indígena, da maneira como acabou por ser demarcada, acarreta significativo prejuízo à segurança nacional. O temor não é infundado, nem se caracteriza como manifestação de um nacionalismo exacerbado ou despropositado. Recentemente, folheei um atlas infantil produzido nos Estados Unidos da América e verifiquei que um de seus mapas não indicava as fronteiras políticas entre Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela e Guianas na grande massa territorial do norte da América do Sul ocupada por esses países. Informava simplesmente que a região se designava como Amazônia, como se ali não se encontrassem territórios nacionais, tratamento diverso do dispensado à parte Sul da America do Sul, em que a fronteira entre os diversos países era bem evidenciada. Em 1989, Al Gore, ex-vice-presidente dos Estados Unidos da América, afirmou categoricamente que Ao contrário do que os brasileiros pensam, a Amazônia não é deles, mas de todos nós. 16 No mesmo ano, o ex-presidente da França François Mitterrand defendeu sem demonstrar constrangimento uma soberania relativa sobre a Amazônia. 17 Mikhail Gorbachev, ex-presidente da Rússia sustentou em 1992 a conveniência de o Brasil delegar parte de seus direitos sobre a Amazônia aos organismos internacionais competentes. 18 O ex-primeiro-ministro britânico John Major, por sua vez, seguiu a mesma linha e, em 1992 disparou: as campanhas ecologistas internacionais sobre a região Amazônica estão deixando a fase propagandística para dar inicio a uma fase operativa, que pode [...] ensejar intervenções militares diretas sobre a região. 19 Como se vê, poderosos políticos de diferentes partes do mundo já cogitam abertamente de intervenção militar na Amazônia, o que conduz à certeza de que seus países já planejam a aventura. Em debate em universidade norte-americana, o senador brasileiro Cristovam Buarque foi indagado sobre a internacionalização da Amazônia. O estudante que o interrogava advertiu que esperava uma resposta do humanista e não do brasileiro. A indagação, por si só, já revela a natureza dos pensamentos que passam pelas cabeças de parte expressiva da elite intelectual americana. Mas é a resposta do senador que se destaca agora: 16 Informação extraída do voto do Ministro Marco Aurélio no Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 17 Informação extraída do voto do Ministro Marco Aurélio no Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 18 Informação extraída do voto do Ministro Marco Aurélio no Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 19 Informação extraída do voto do Ministro Marco Aurélio no Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 12 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez. 2012

14 A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, a Orientação do STF e a Mobilização Nacional De fato, como brasileiro, eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso. Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, posso imaginar a sua internacionalização, como de tudo o mais que tem importância para a humanidade. Se a Amazônia, sob uma ótica humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço. Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado. Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono ou de um país. Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação. Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu no mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar que esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país. Não faz muito tempo, um milionário japonês decidiu enterrar com ele um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado. Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu acho que Nova Iorque, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua história do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro. Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maiores do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil. Nos seus debates, os atuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a idéia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida. Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança no mundo tenha possibilidade de ir à escola. Internacionalizemos todas as crianças, tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram como patrimônio que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazônia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um patrimônio da humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez

15 Brenno Cruz Mascarenhas Filho quando deveriam estudar; que morram quando deveriam viver. Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa. 20 A própria decisão do Supremo de que aqui se trata, revela temor relacionado a intervenções diplomáticas e militares na Amazônia brasileira. Como se viu, prega a necessidade de se alertar os nossos indígenas contra a influência eventualmente malsã de certas organizações não governamentais estrangeiras, de se mobilizálos em defesa da soberania nacional e de se reforçar neles o inato sentimento de brasilidade 21. A orientação se afigura assaz ingênua e se manifestou depois da declaração de que a situação topográfica da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol era até favorável do ponto de vista geopolítico, porque obriga que as instituições de Estado (Forças Armadas e Polícia Federal, principalmente) se façam também presentes com seus opostos de vigilância, equipamentos, batalhões, companhias e agentes 22. Lembro que, no início do século passado, em 1904, o Brasil perdeu em favor da Guiana Britânica, na época colônia inglesa, mais de 19 mil quilômetros quadrados de terra junto à face oriental do que é hoje o Estado de Roraima a partir de decisão do rei da Itália, incumbido da arbitragem da questão de fronteira, tendo o italiano argumentado que os índios Macuxi, que habitavam a região, haviam optado pela cidadania inglesa 23. De idêntico temor, relativo à segurança da Amazônia, compartilha o deputado Aldo Rebelo, do PC do B, que, em entrevista concedida ao jornal O Estado de São Paulo, em 25 de novembro de 2007, se referiu a manifestações em favor da submissão da Amazônia a uma espécie de tutela internacional 24. Ives Gandra Martins e Celso Ribeiro Bastos, constitucionalistas de renome, também alertaram para o problema, dando conta de que as organizações internacionais procuram tratar o território como indígena, mais do que brasileiro, razão pela qual, em eventual internacionalização da Amazônia [...] os verdadeiros titulares da terra seriam os indígenas e não os brasileiros 25. O jurista Paulo Bonavides, por sua vez, em sua Teoria do Estado, se reporta aos casos do México e da Colômbia, que se viram mutilados do que é hoje o estado 20 Informação extraída do voto do Ministro Marco Aurélio no Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 21 Fls. 239 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 22 Fls. 239 dos autos do Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 23 Área Indígena de Raposa/Serra do Sol: Visão Regional, Alcir Gursen De Miranda [et AL.], Boa Vista, GTE/RR, 2004, p Informação extraída do voto do Ministro Marco Aurélio no Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 25 Informação extraída do voto do Ministro Marco Aurélio no Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 14 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez. 2012

16 A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, a Orientação do STF e a Mobilização Nacional norte-americano do Texas e a República do Panamá, e adverte: Hoje nos países em desenvolvimento desconfia-se de que camufladamente grande parte daquelas sociedades não governamentais e missões religiosas desempenham a mesma função do vilipêndio; na rota da ocupação fingem-se de zelo sacerdotal pela causa indígena ou se credenciam como cientistas do solo, da fauna e da flora. São a ponta de lança da invasão futura. [...] Não é sem razão que a demarcação das reservas indígenas, ocorrendo mediante sub-reptícia pressão internacional, em verdade não corresponde aos interesses do nosso índio, mas aos desígnios predatórios da cobiça imperialista, empenhada já na ocupação dissimulada do espaço amazônico e na preparação e proclamação da independência das tribos indígenas como nações encravadas em nosso próprio território, do qual se desmembrariam. Essa demarcação, desde muito, deixou de ser uma questão de proteção ao silvícola para se converter numa grave ameaça à integridade nacional 26. As dificuldades de acesso à água vão causar a próxima grande guerra, alertou o Brigadeiro do Ar Roberto de Medeiros Dantas, gerente do Programa Calha Norte do Ministério da Defesa, em palestra proferida na tarde de 18 de outubro do corrente ano, no Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra. Grande conhecedor da Amazônia e da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, o Brigadeiro afirmou também que as ONG que funcionam na região trabalham no sentido de preparar terreno para a intervenção estrangeira. De fato, a água é mais uma riqueza da Amazônia que atrai a cobiça estrangeira. Vêm escasseando dramaticamente os recursos hídricos à disposição da humanidade. Em 2025, mais de 60% da humanidade sofrerá com a falta de água, assegurou o Professor Gustavo Alberto Trompowsky Heck em aula ministrada no referido Curso de Logística e Mobilização Nacional, no dia 25 de outubro deste ano. Considerando a íntima relação entre a posse por índios de grandes extensões territoriais e os movimentos ordenados para a internacionalização da Amazônia, não se pode escapar da conclusão de que a instituição da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol inspira séria preocupação. Com efeito, a proteção conferida às fronteiras pelo Direito Internacional é precária, já que nesse terreno nada é coercitivamente executável. De qualquer forma, a experiência evidencia que os tratados internacionais valem pouco, se, por algum motivo, deixarem de corresponder aos interesses de países capazes de fazer prevalecer pela força o que mais lhes convêm. Frequentemente, tratando-se de tais países, quanto um interesse maior se alevanta, se pelas vias contratuais ou diplomáticas nada conseguem, iniciam imediatamente a montagem dos pretextos que sustentarão a intervenção militar. 26 Paulo Bonavides. Teoria do Estado, 7ª ed, São Paulo, Malheiros, 2008, p Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez

17 Brenno Cruz Mascarenhas Filho Os exemplos recentes da precariedade da proteção conferida pelo direito e pelos tratados internacionais não são poucos. Basta lembrar a tortura, oficialmente admitida nas prisões americanas de Guantânamo, na ilha de Cuba, e de Abu Ghraib, no Iraque, a morte de Osama Bin Laden no Paquistão pelo exército americano, do enforcamento de Sadam Hussein quatro dias depois de sua condenação por tribunal, constituído sob a tutela das forças de ocupação do Iraque, sem observância do devido processo legal, e a execução no Iêmen do americano Anwar al-awlaki, quadro da al-qaeda, fulminado por um petardo lançado de avião não tripulado e teleguiado por agentes dos Estados Unidos. Os Estados Unidos da América dispõem de grande quantidade de armas de destruição em massa e, ainda assim, invadiram o Iraque por supostamente possuir armas dessa natureza. Nessas condições, a demarcação de forma contínua de enormes extensões territoriais e a sua atribuição com exclusividade a indígenas facilitam a construção do pretexto que poderá legitimar as investidas das maiores potências militares do planeta. Atribuir amplas extensões de terra a etnias indígenas dotadas de lideranças políticas (governo) é imaginar uma desculpa de que, mesmo sem relação com a realidade, poderá servir para justificar a intervenção militar no Brasil. No que diz respeito à Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, torna-se óbvia a facilidade de se enxergar ali uma nação que ocupa um território e é dotada de governo. Mesmo que algum sofisma se torne necessário, não será difícil arrematar o raciocínio com a conclusão que essa suposta nação tem direito à autodeterminação. Enfim, a ameaça é real e não pode ser ignorada. Nota: o Brasil concorreu com o seu voto para a proclamação da Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas, que estabelece que os povos indígenas sejam livres e iguais a todos os demais povos (art. 2º) e que os povos indígenas têm direito à autodeterminação e, em consequência, determinam livremente a sua condição jurídica (art. 3º). Deve-se convir que os conceitos, as ressalvas e as salvaguardas fixados no processo que legitimou a demarcação contínua da Reserva de Raposa Serra do Sol são insuficientes para deter eventual iniciativa mais arrojada de potência estrangeira no sentido de ofender a nossa integridade territorial. Adianta pouco diferenciar terra de território, como fez o Supremo, ou mesmo diferenciar etnia de nação. 4 APRECIAÇÃO CRÍTICA DA DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A despeito do notável saber jurídico dos ministros integrantes do Supremo Tribunal Federal, a sua decisão a que se vem referindo não foi a melhor. Como se viu, a ameaça estrangeira à soberania nacional no que concerne às terras indígenas e à própria Amazônia é uma realidade flagrante. A par disso, o art. 20, 2º, da Constituição Federal, estabelece que a faixa de fronteira (faixa de até Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez. 2012

18 A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, a Orientação do STF e a Mobilização Nacional quilômetros de largura ao longo das fronteiras terrestres) é fundamental para defesa do território nacional. O Art. 91, 1.º, III, da Constituição Federal, por sua vez, é claro no sentido de que o Conselho de Defesa Nacional é órgão de consulta do Presidente da República nos assuntos relacionados com a soberania nacional e que compete a esse Conselho propor os critérios e condições de utilização de áreas indispensáveis à segurança do território nacional e opinar sobre seu efetivo uso, especialmente na faixa de fronteira. Ora, a Terra Indígena de Raposa Serra do Sol é contígua às fronteiras do Brasil com a Venezuela e a Guiana, parte dela se situa na faixa de fronteira e, no processo administrativo que resultou na sua demarcação, o Conselho de Defesa Nacional não foi ouvido. Abordando esse aspecto do processo de demarcação, o Ministro Marco Aurélio, em seu voto, concluiu, acertadamente que é formalidade essencial a audição do Conselho de Defesa Nacional e que, portanto, há de julgar-se procedente o pedido formulado, atentando o Supremo para a responsabilidade que possui. Por outro lado, a soberania nacional é o primeiro fundamento da República Federativa do Brasil, pelo que dispõe o art. 1º, caput, I, da Constituição. Atente-se para o aspecto topológico: trata-se do primeiro inciso do primeiro artigo da Constituição. Curiosamente, o capítulo dedicado aos índios, composto de dois artigos, é o último da Constituição. Entre um fundamento da República e o direito indígena às terras que tradicionalmente ocupam deve prevalecer o primeiro. Observe-se que, à luz dos elementos de geopolítica acima mencionados, a Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, tal como se constituiu, é absolutamente incompatível com a segurança da integridade territorial do Brasil e, consequentemente, com a soberania nacional. Merecem destaque também as observações do Professor Denis Lerrer Rosenfield, da Faculdade de Filosofia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Em artigo publicado em 16 de março de 2009 no jornal O Estado de São Paulo, ele afirma: O Brasil é uma unidade federativa, não uma comunidade de nações. O processo histórico que conduziu a esse arcabouço constitucional, construído com muita dor e luta, não pode ser levianamente questionado por movimentos sociais, por ONGs nacionais e estrangeiras e organizações políticas que procuram redesenhar o País. Surge aí a idéia e, pior, a pretensão de formação de nações indígenas, com direito à autodeterminação e ao autogoverno. Os mais engajados, como o CIMI, vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e ONGs internacionais, já falam de reconhecimento internacional dessas nações em organismos internacionais. Advogam para que o País reconheça a Declaração dos Povos Indígenas, que sinaliza para esse caminho. A soberania nacional ficaria inviabilizada, com o País não podendo mais explorar livremente seus recursos minerais e hídricos. Inclusive a atuação das Forças Armadas e da Polícia Federal estaria comprometida. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez

19 Brenno Cruz Mascarenhas Filho Note-se a pertinência das observações do professor. Comunidade de nações é algo previsto na Constituição do Brasil, é um objetivo nacional a ser alcançado no âmbito dos povos da América Latina. É o que estabelece o Art. 4º, parágrafo único, da Constituição, dedicado aos princípios concernentes às relações internacionais: A Republica Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações. Em suma, o Brasil se constitui de um único povo. Assim, não será com os índios brasileiros que o Brasil procurará formar uma comunidade de nações. Uma comunidade de nações o Brasil criará com os povos da América Latina. É certo ainda que os direitos dos índios relativos às terras que tradicionalmente ocupam foram proclamados pela Constituição promulgada em 5 de outubro de 1988 (em seu Art. 231, caput). Consolidou-se o entendimento de que a Constituição não visou a reparar as injustiças perpetradas historicamente contra os índios, de que nada atribui aos índios direitos sobre as terras que ocupavam em tempos imemoriais e de que as terras que os índios tradicionalmente ocupam são aquelas que ocupavam em 5 de outubro de O verbete n.º 650 da Súmula do Supremo Tribunal Federal ratifica esse entendimento, positivando que Os incisos I e XI do Art. 20, da Constituição Federal não alcançam terras de aldeamentos extintos, ainda que ocupadas por indígenas em passado remoto. Impunha-se, dessa forma, apurar que espaço físico estava de fato sob a posse dos índios na aludida data no extremo norte do estado de Roraima. Como isso não foi feito, o Ministro Marco Aurélio, com razão, apontou a nulidade do processo administrativo que levou à demarcação da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol e consignou que os atos de transferência de posse que se seguiram não favorecem os interesses maiores da nacionalidade, harmonizando-se, isto sim, com as diversas sinalizações internacionais de cunho separatista. Note-se que os produtores de arroz chegaram à região no início da década de 1970, quando compraram terras de antigos fazendeiros na borda Sul da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol e chegaram a produzir cerca de 160 mil toneladas de grãos por ano, em aproximadamente 100 mil hectares 27 e, muito importante, dadas as regras atinentes ao direito de ampla defesa consubstanciadas nos incisos LIV e LV do art. 5.º da Constituição, titulares de direitos relativos às terras abrangidas pela Portaria 534/2005 do Ministro da Justiça não foram convocados para se manifestar no processo administrativo que as demarcou. Finalmente, o princípio da proporcionalidade. Os cerca de indígenas de Raposa Serra do Sol ocupam mais de km², isto é, quase 15 vezes a extensão territorial da cidade do Rio de Janeiro, cujos habitantes dispõem de km². Para justificar ocupação tão rarefeita, era indispensável que um laudo antropológico consistente, assinado por pelo menos dois especialistas, instruísse 27 Acesso em: 19 out Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez. 2012

20 A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, a Orientação do STF e a Mobilização Nacional o processo administrativo de demarcação e, ademais, que esse documento fosse submetido à apreciação detida do mais amplo espectro de interessados. Mas nada disso foi feito. Vale registrar que, em 1996, o então Ministro da Justiça Nelson Jobim, referindo-se à Terra Indígena de Raposa Serra do Sol e ao seu processo de demarcação, observou formalmente, mediante despacho, que o levantamento antropológico de 1993 [...] não contém fundamento específico algum que demonstre ser essa parte da área indispensável à preservação indígena 28 e que comissão da Câmara dos Deputados, também tendo em vista o processo administrativo de demarcação da reserva indígena em pauta, fez constar de relatório seu que peças centrais do laudo antropológico foram elaboradas por entidades ligadas à defesa dos direito indígenas, o que compromete a sua isenção, em prejuízo dos princípios da impessoalidade e da razoabilidade da atuação da Administração Pública A TERRA INDÍGENA DE RAPOSA SERRA DO SOL E A MOBILIZAÇÃO NACIONAL O General Augusto Heleno, na condição de Comandante Militar da Amazônia, sem se referir especificamente à Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, mas refletindo sobre a política nacional de demarcação de terras indígenas, afirmou que A melhor maneira de evitar uma ofensiva militar na Amazônia é manter uma força de dissuasão na floresta 30. Tem razão o general. Diante do quadro apresentado, cumpre colocar o Poder Nacional a serviço da nossa integridade territorial e da soberania nacional e, mais do que isso, aumentar a capacidade que tem o conjunto de homens e meios que constituem a Nação para alcançar e manter os Objetivos Nacionais, em conformidade com a Vontade Nacional 31. E a vontade nacional é aquela expressa na Constituição, que estabelece como fundamento (e objetivo) do Estado brasileiro a manutenção da soberania nacional. Em suma, sabendo que a preparação para a mobilização nacional para fins de defesa não é algo que se faz da noite para o dia, aos brasileiros e ao Estado brasileiro compete, desde já, imediatamente, direcionar o Poder Nacional para a preparação dessa mobilização. Para tanto, a base jurídica é bastante satisfatória. A Constituição Federal atribui respectivamente à União e ao Presidente da República competência privativa para legislar sobre defesa territorial e mobilização nacional (art. 22, XXVIII) e para decretar a mobilização nacional (art. 84, XIX). 28 Área Indígena Raposa/Serra do Sol Visão Regional, Alcir Gursen De Miranda [Et al.], Boa Vista, GTE/RR, 2004, p Informação extraída do voto do Ministro Marco Aurélio no Processo 3.388/RR do Supremo Tribunal Federal. 30 Acesso em: 19 out Manual básico. Rio de Janeiro: Escola Superior de Guerra Volume I, 2009, p. 31. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez

21 Brenno Cruz Mascarenhas Filho Na senda aberta pela Constituição, foi promulgada a Lei /2007, que dispõe sobre a Mobilização Nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização SINAMOB (Art. 1º). O Art. 3.º dessa lei impõe que, em tempos de paz, de modo contínuo, metódico e permanente, se realizem ações estratégicas que viabilizem a execução da mobilização nacional. Como se infere da análise do dispositivo legal, trata-se da preparação da mobilização nacional, algo que se deve executar com antecedência e de maneira contínua, para permitir que se leve a efeito a mobilização nacional nas melhores condições possíveis. O Art. 2.º, I, da Lei /2007, por sua vez, define mobilização nacional como o conjunto de atividades planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado, complementando a Logística Nacional, destinadas a capacitar o País a realizar ações estratégicas, no campo da Defesa Nacional, diante de agressão estrangeira. A Estratégia Nacional de Defesa (END), por sua vez, aprovada pelo Presidente da República 32, pretende modernizar e fortalecer a estrutura nacional de defesa, tudo de maneira sistemática, reorganizando as forças armadas, dando consistência à indústria de material bélico e compondo o efetivo das três forças. Fica claro que a END depende decisivamente da estratégia nacional de desenvolvimento, na medida em que esta condiciona o Poder Nacional e, portanto, não pode ser levada a cabo sem o envolvimento da sociedade brasileira. Com essa perspectiva, verifico que os investimentos do Brasil em defesa não alcançam 2% do PIB, percentual significativamente inferior aos cerca de 3% investidos por nossos vizinhos Equador, Chile e Colômbia 33. É fundamental atentar para a importância do desenvolvimento da tecnologia. Em situação de crise, notadamente de conflito armado, somente se poderá alcançar um grau razoável de certeza quanto ao fornecimento do equipamento necessário, se o país dispuser de tecnologia capaz de permitir a sua produção com os próprios recursos. Felizmente, parece que já se disse adeus ao modelo caixa preta que prevaleceu até décadas atrás, pelo qual se adquiria o equipamento no exterior sem se esboçar qualquer movimento no sentido de adquirir também o conhecimento que permitiu a sua produção. Igualmente importantes são os investimentos em infraestrutura logística, para também, nesse terreno, o Brasil libertar-se da dependência externa, e em inteligência, para que nenhum movimento hostil aos interesses da nação não a surpreenda. No que diz respeito à Amazônia, em geral, e à Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, em particular, o Poder Público e a sociedade brasileira devem adotar as providências necessárias para melhorar as condições logísticas na região, e no caso de mobilização, possa contar com as melhores condições de intervenção militar. 32 Mediante o Decreto 6.703/ FLORES, Mario Cesar. Segurança internacional na América do Sul (e o Brasil nela). In Política Externa, p Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez. 2012

22 A Terra Indígena de Raposa Serra do Sol, a Orientação do STF e a Mobilização Nacional No tocante à Região Norte do país, chama a atenção o Programa Calha Norte, subordinado ao Ministério da Defesa, que abrange integral ou parcialmente os Estados do Para, do Amapá, de Roraima, do Amazonas, do Acre e de Rondônia. As ações desenvolvidas no âmbito do Programa Calha Norte visam a contribuir para a manutenção da soberania nacional e da integridade territorial na região e para a promoção do desenvolvimento regional e, portanto, se situam no terreno da preparação da mobilização nacional. O Brasil é pacífico. Por tradição e por força dos princípios constitucionais de defesa da paz e de solução pacífica dos conflitos que consagrou (art. 4.º, VI e VII, da Constituição). Dessa forma, porque se quer a paz, tem que haver o preparo para a guerra. O poder militar do Brasil tem que estar à altura do poder nacional, das suas riquezas naturais, em terra e no mar, e da posição que quer ocupar no campo das relações internacionais. 5 CONCLUSÃO Como se pretendeu demonstrar, são reais e não se afiguram remotas as ameaças militares à integridade territorial do Brasil. Chamam a atenção os movimentos, mais ou menos velados, que objetivam a internacionalização da Amazônia, movimentos esses capitaneados pelos países centrais da América do Norte e da Europa. Não obstante, o Supremo Tribunal Federal, pela decisão proferida no Processo 3.388/2005, legitimou a portaria ministerial relativa à demarcação da Terra Indígena de Raposa Serra do Sol e consagrou o direito originário dos índios da região à posse dessa terra e à reprodução de sua cultura. Prevaleceu, portanto, a demarcação contínua das terras indígenas e a sua extensão inclusive à chamada faixa de fronteira. Essa decisão, a despeito das salvaguardas estabelecidas, acima aludidas, fragiliza de maneira significativa o sistema de defesa nacional, porque, como se viu, fornece ao inimigo pretexto de que necessita para justificar eventual intervenção. Ressalto que não se trata de deixar de fazer algo, apenas para não desagradar os circunstantes, países interessados em dispor das riquezas naturais da Amazônia, o que caracterizaria alienação de soberania, pois estar-se-ia conduzindo, de acordo com uma pauta de prioridades elaborada à revelia das instâncias nacionais de poder. Trata-se, reitera-se, de aplicar o direito pátrio e demarcar as terras indígenas brasileiras, de acordo com os princípios constitucionais mais relevantes. Com esse viés, mais acertado e conveniente teria sido atribuir aos índios, obedecendo ao preceito constitucional, à posse de terras descontínuas e fora da chamada faixa de fronteira. Agora, todavia, com o trânsito em julgado da decisão do Supremo Tribunal Federal no Processo 3.388/RR, a transformação da feição da Terra Indígena de Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez

23 Brenno Cruz Mascarenhas Filho Raposa Serra do Sol se torna politicamente difícil, porque depende de emenda constitucional ou da instituição de nova assembléia constituinte. Enquanto isso não se viabiliza, cumpre preparar com empenho a mobilização nacional, proporcionando ao país uma pujante e consistente estrutura de defesa, tanto para fins de dissuasão como para fins de efetivo emprego das forças armadas, certo que, como se sabe, defender o status quo é quase sempre mais fácil do que, diante do fato consumado, reverter à situação. De qualquer forma, na paz ou, eventualmente, na guerra, o Brasil verá que seus filhos não fogem à luta. REFERÊNCIAS ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA, Manual básico: Assuntos específicos. Rio de Janeiro: ESG, ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Manual básico: assuntos específicos. Rio de Janeiro, FREGAPANI, Gélio. Amazônia: A grande cobiça internacional. Brasília: Thesaurus, A LOGÍSTICA na Amazônia. 12. RM. Manaus: Comando do Exército, [19---]. Disponível em: Acesso em: 29 ago MATTOS, Luis Carlos Gomes. A Amazônia. In: SEMINÁRIO DE SEGURANÇA DA AMAZÕNIA, 2010, Ponta Negra, Manaus. Painel... Ponta Negra, Manaus: [s..n.], Disponível em: Acesso em: 29 ago Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p. 7-22, jan./dez. 2012

24 A Realização do Apoio de Transp. às Org. Mil. de Front. na Amaz. Ocid. e seus Reflexos para a Mob. Nac. A REALIZAÇÃO DO APOIO DE TRANSPORTE ÀS ORGANIZAÇÕES MILITARES DE FRONTEIRA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL E SEUS REFLEXOS PARA A MOBILIZAÇÃO NACIONAL. Alberes José Quintans de Freitas Tenente-Coronel do Exército Brasileiro, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo A Amazônia representa um dos focos de maior interesse para a defesa. O Brasil será vigilante na reafirmação incondicional de sua soberania sobre a Amazônia brasileira. Na Amazônia, em especial na sua porção ocidental, o desafio da selva e o isolamento da área impõem restrições à logística, em especial à sua função transporte. Na Amazônia Ocidental, o apoio de transporte às Organizações Militares de Fronteira enfrenta vários óbices que dificultam e/ou impedem a sua realização. Naquela região, a logística é realizada em tempo de paz como se fosse numa situação real de combate. Daí surge como reflexo, a necessidade de uma maior Mobilização Nacional para se complementar a Logística Nacional, de forma a atender o emprego das Operações de Defesa da Amazônia. Dessa forma, o presente artigo tem o objetivo de identificar os principais óbices para a realização do apoio de transporte às Organizações Militares de Fronteira (OM Fron), do Exército Brasileiro (EB), na Amazônia Ocidental (Amz Oc) e seus reflexos para a Mobilização Nacional (Mob Nac). Palavras-chave: Óbices; Amazônia Ocidental; Organização Militar de Fronteira; Apoio de Transporte; Mobilização Nacional. 1 INTRODUÇÃO 1.1 Considerações iniciais A doutrina militar atribui grande importância às atividades logísticas, dentre as quais se destaca a função transporte. Todas as demais funções logísticas militar (recursos humanos, saúde, suprimento, manutenção, engenharia, salvamento) dependem dos transportes em sua implantação ou na sua execução. A função logística transporte é ditada, principalmente, pelos meios de transportes e pelas condições das vias de transporte e interferem diretamente no seu planejamento. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

25 Alberes José Quintans de Freitas Na Amazônia Ocidental (Amz Oc), o desafio da selva e o isolamento da área impõem restrições à logística, em especial à sua função transporte. A 12ª Região Militar (12ª RM), Região Mendonça Furtado, é o Grande Comando Logístico responsável pelo apoio logístico às Organizações Militares (OM) localizadas na Amazônia Ocidental. A logística na Amazônia é realizada em tempo de paz como se fosse numa situação real de combate. O planejamento e a execução do transporte, naquela região, são, sem dúvida, as funções logísticas mais críticas realizadas por aquele Grande Comando. O transporte na Amazônia Ocidental deve ser tratado de forma diferenciada, por ser uma região com grande vazio demográfico e econômico, pela precariedade das suas vias de transportes e pela dispersão das Organizações Militares em toda a sua extensão, o que, às vezes, impede ou dificulta a realização de tão importante função logística. Este trabalho tomou como base, para estudo, a função logística transporte na Amazônia Ocidental, formulando o seguinte problema: Quais são os principais óbices existentes para o apoio de transporte às Organizações Militares de Fronteira (OM Fron) do Exército Brasileiro (EB), na Amazônia Ocidental? Do problema surge o objetivo que é apontar os principais óbices para a realização do apoio de transporte às Organizações Militares de Fronteira do Exército Brasileiro, na Amazônia Ocidental e seus reflexos para a Mobilização Nacional (Mob Nac). A conclusão deste trabalho permitirá identificar esses óbices e, dessa forma, apresentar uma contribuição para o aperfeiçoamento dos transportes em apoio às Organizações Militares, na Amazônia Ocidental, para o fortalecimento do Poder Nacional e facilitação da tomada de medidas necessárias a uma necessidade de Mobilização Nacional. O trabalho será limitado ao apoio de transporte às Organizações Militares de Fronteira, do Exército Brasileiro, na Região da Amazônia Ocidental. Este artigo valeu-se de uma pesquisa de natureza teórica e se utilizou do método de raciocínio dedutivo. Para atingir os propósitos predeterminados, foram estabelecidos objetivos intermediários: descrever as características fisiográficas da Amazônia Ocidental que interferem e ou influenciam nos transportes; descrever a rede de transportes da Amazônia Ocidental de interesse das Organizações Militares de Fronteira, do Exército Brasileiro e seu reflexo para o apoio logístico; e estudar a função logística transporte, na Amazônia Ocidental. Também, para responder ao problema levantado na pesquisa, foram estabelecidas as seguintes hipóteses: a deficiência do sistema de transportes da Amazônia Ocidental, aliada aos fatores fisiográficos, é um grande óbice para a realização do apoio de transporte às Organizações Militares de Fronteira, do Exército Brasileiro; a falta de meios de transportes adequados, somada à precariedade dos 24 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

26 A Realização do Apoio de Transp. às Org. Mil. de Front. na Amaz. Ocid. e seus Reflexos para a Mob. Nac. existentes, nas Organizações Militares de Apoio do Exército Brasileiro, dificulta a logística de transporte; e a dependência da Força Aérea Brasileira (FAB) com reduzida disponibilidade de aeronaves e horas de vôo e da 12ª Região Militar com poucos meios disponíveis de transporte, são os principais óbices ao apoio. Do estudo destas variáveis, partiu-se para uma análise exploratória de dados, através de uma pesquisa bibliográfica, em livros, decretos, leis, periódicos e sites; e, ainda, do conhecimento profissional de militares que atuaram no ambiente operacional da Amazônia Ocidental. Os dados levantados foram analisados de forma qualitativa. 1.2 Tópicos importantes Para melhor entendimento do presente artigo é necessária a compreensão de alguns conceitos que serão apresentados abaixo: Objetivos Nacionais (ON) resultam da identificação de necessidades, interesses e aspirações que, em determinada fase de sua evolução históricocultural, a Nação busca satisfazer. Poder Nacional é a capacidade que tem o conjunto dos homens e dos meios que constituem a Nação, atuando em conformidade com a vontade nacional, para alcançar e manter os ON. Óbices são obstáculos de toda ordem que dificultam ou impedem a conquista e a manutenção de objetivos. Estratégia Nacional é a arte de preparar e de aplicar o Poder Nacional para, superando os óbices, alcançar e preservar os ON, de acordo com a orientação estabelecida pela Política Nacional. Logística Nacional é o conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos necessários à realização das ações planejadas para a consecução da Estratégia Nacional. Função logística transporte é o conjunto de atividades que são executadas, visando ao deslocamento de recursos humanos, materiais e animais por diversos meios, em tempo e para locais predeterminados, a fim de atender às necessidades. Mobilização Nacional (Mob Nac) é o conjunto de atividades planejadas, empreendidas ou orientadas pelo Estado, complementando a Logística Nacional, para capacitar o Poder Nacional a realizar Ações Estratégicas de Defesa, em face da declaração de estado de guerra ou resposta à agressão armada estrangeira. Meios de transporte são os equipamentos especiais como o avião, o trem, o navio, o automóvel etc. Via de transporte é a estrutura física e seu balizamento, através da qual se desloca um meio de transporte. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

27 Alberes José Quintans de Freitas Modais de transporte são caracterizados conforme a via empregada, podendo ser rodoviário, aquaviário ou hidroviário, aéreo, ferroviário e dutoviário. Transporte Intermodal é aquele em que são empregados dois ou mais modais de transporte. O termo Reflexos para a Mob Nac equivale à consequências para a Mob Nac. II - CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA 2.1 Delimitação da área A Amazônia Ocidental compreende os estados de Rondônia, Acre, Amazonas e Roraima. Possuí uma extensão de km², o que corresponde a aproximadamente 25% do território nacional. A região faz fronteira com Guiana, Venezuela, Colômbia, Peru e Bolívia. 2.2 Principais aspectos fisiográficos que interferem nos tipos de transportes Clima É equatorial, quente e úmido. As chuvas são abundantes durante quase todo o ano, o que acarreta consequências significativas para os transportes. A construção de estradas e aeródromos é dificultada, pois o regime de trabalho não pode ser contínuo o que eleva os custos. A manutenção e conservação das estradas e aeródromos se torna onerosa devido ao desgaste excessivo. O transporte aéreo também é prejudicado pelas fortes chuvas e nebulosidades que tornam os deslocamentos das aeronaves em operações arriscadas, principalmente os pousos e as decolagens. O transporte fluvial depende do regime dos rios, determinado pelas chuvas. Sendo assim, o Rio Solimões/Amazonas atinge seu nível máximo no mês de junho e no período de setembro a dezembro, o seu nível mínimo Hidrografia A densa e extensa rede hidrográfica, sendo o rio Amazonas o coletor das águas da maior bacia hidrográfica do planeta, impede a construção de estradas, porém facilita os transportes fluviais, desde que se respeite os regimes dos rios. Outra importante característica é a variação do leito e das margens de alguns rios, o que obriga a uma navegação cuidadosa, a utilização de equipamentos auxiliares de navegação e o emprego de peritos como condutores das embarcações. Em algumas situações, os rios de maior porte podem ser usados como pista de pouso, no caso de hidroaviões. 26 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

28 A Realização do Apoio de Transp. às Org. Mil. de Front. na Amaz. Ocid. e seus Reflexos para a Mob. Nac Vegetação É caracterizada por densa floresta tropical, predominante em quase toda a extensão da Amazônia Ocidental. Essa vegetação, aliada ao clima e ao relevo, dificulta a construção de estradas e aeródromos, bem como o pouso e decolagem (de aeronaves) Relevo Possuí grandes ravinas, resultantes dos cortes profundos dos cursos d água que dificultam a construção de estradas. A existência de algumas elevações, como as do Planalto das Guianas, no alto do Rio Negro, e a pedra de Cucuí que, somadas às fortes chuvas e nebulosidades, limitam o deslocamento de aeronaves, particularmente no pouso e na decolagem Solo O tipo de solo que ocorre na maior parte da região é pobre, quase não possuí rochas e cascalho e sua constituição dificulta a terraplanagem, consequentemente, dificulta os trabalhos como drenagem e obras de arte em concreto. E ainda, aliado às fortes chuvas, está sujeito a erosão, aumentando o desgaste das estradas e dos aeródromos e tornando difícil a manutenção Principais consequências para os transportes Destacaram-se abaixo, as principais consequências para os transportes, decorrentes dos fatores fisiográficos: Dificuldade de construção e da manutenção de rodovias e aeródromos; Dependência do regime das águas dos rios para o transporte fluvial; Dificuldade para a navegação fluvial, devido à variação das margens e dos leitos de alguns rios; Limitação no deslocamento de aeronaves, particularmente no pouso e na decolagem, durante as fortes chuvas e nebulosidade; Existência de poucas rodovias; Deficiência dos portos e ancoradouros existentes; Deficiência na interligação de modais; e Necessidade de grandes deslocamentos, devido às grandes distâncias entre os principais núcleos populacionais. Por todos os aspectos e consequências acima citados, verifica-se que a Amazônia Ocidental é uma região com características próprias e sua utilização para Operações Militares, principalmente no campo da logística, reveste-se de grandes Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

29 Alberes José Quintans de Freitas desafios. Há necessidade da adoção de Políticas voltadas para o desenvolvimento e a segurança da Amazônia, que resultem em ações estratégicas direcionadas para superar os óbices relacionados ao sistema de transportes naquela região. 3 A REDE DE TRANSPORTES DA AMAZÔNIA OCIDENTAL, DE INTERESSE DAS OM, E SEU REFLEXO NO APOIO LOGÍSTICO 3.1 Considerações iniciais A Amazônia Ocidental, conforme foi descrito na caracterização da área, é uma região que possui um sistema de transportes com características próprias. Os modais que se destacam e de interesse das OM são: o hidroviário, o rodoviário e o aéreo. 3.2 Modal Hidroviário Na rede hidroviária, encontra-se o principal meio de transporte da região. A bacia Amazônica estende-se por mais de km². Seus rios constituem praticamente as únicas vias de transporte. Principais Rios: Amazonas, Solimões, Juruá, Tefé, Purus, Madeira, Negro, Branco. A maior limitação é o regime de chuvas. O rio Amazonas/Solimões permite a navegabilidade em qualquer época do ano e permite o apoio logístico a todas as Organizações Militares localizadas próximas às suas margens. Figura 1 28 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

30 A Realização do Apoio de Transp. às Org. Mil. de Front. na Amaz. Ocid. e seus Reflexos para a Mob. Nac. O rio Negro permite o apoio logístico com embarcações maiores até a localidade de Camanaús, que fica a 22 km de São Gabriel da Cachoeira. De São Gabriel da Cachoeira até Cucuí, aproximadamente 150 km de extensão, o rio permite navegação de pequenas embarcações. O rio Juruá permite o apoio logístico às Organizações Militares das cidades de Cruzeiro do Sul e Eirunepé. O rio é muito sinuoso o que torna as viagens longas e apresenta restrições à navegação de junho a novembro. O rio Javari permite suprir, por pequenas embarcações, os pelotões de fronteira (PEF) localizados em Palmeira do Javari e Estirão do Equador. O rio Iça é bastante sinuoso, permite a navegação ao longo de todo o ano, com calados máximos de 3,70 m na seca e 6,00 m na cheia, proporcionando o apoio logístico ao pelotão de fronteira de Ipiranga. O rio Japurá possuí uma variação de nível de suas águas entre 6m e 8m, entre o período da vazante e enchente. O rio facilita o apoio logístico ao pelotão de fronteira de Vila Bittencourt. O rio Purus proporciona o apoio logístico aos tiros de guerra de Lábrea e Boca do Acre, e também ao pelotão de fronteira de Santa Rosa do Purus. O rio Acre permite o apoio logístico de Manaus, nos meses de dezembro a maio. O rio Madeira permite o apoio logístico entre Manaus e Porto Velho e, dessa cidade, para o sul do País. O rio Uaupés apresenta diversas corredeiras no trecho Iauaretê até a localidade de Querari. O rio permite o apoio logístico ao pelotão de fronteira de Iauaretê. O rio Tiquié permite o apoio logístico ao pelotão de fronteira de Pari- Cachoeira. O rio Mamoré permite o apoio logístico, à montante de Guajará-Mirim juntamente com o rio Guaporé, ao pelotão de fronteira de Forte Príncipe da Beira. Do acima exposto, pode observar-se, como principal reflexo do modal fluvial, que o mesmo se constitui no meio de transporte mais importante e econômico para o apoio às Organizações Militares de Fronteira Rodoviário Na rede Rodoviária, destacam-se abaixo as principais vias de transporte de interesse para o apoio às Organizações Militares de Fronteira do Exército Brasileiro: Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

31 Alberes José Quintans de Freitas Figura 2 A BR 364 apresenta-se como o principal eixo dos Estados do Acre e Rondônia, como apoio logístico de Porto Velho (RO) à Rio Branco (AC). De Rio Branco segue para Cruzeiro do Sul. A BR 319 liga Manaus a Porto Velho, e desta cidade para Humaitá. A BR 425 liga a BR 364 na altura de Abunã-RO à Guajará-Mirim-RO. Permite o apoio logístico de Porto Velho à Organização Militar localizada em Guajará-Mirim. A BR 317 permite o apoio logístico de Rio Branco à Companhia Especial de Fronteira em Brasiléia e ao pelotão de fronteira de Assis-Brasil. A BR 174 permite o apoio logístico de Manaus às Organizações Militares de Boa Vista e ao pelotão de fronteira localizado no marco BV-8. A BR 401 permite o apoio logístico de Boa Vista aos pelotões de fronteira de Bonfim e Normandia. A estrada que liga São Gabriel da Cachoeira à Cucuí, permite o apoio logístico ao pelotão de fronteira localizado naquela área. Como reflexo ao apoio logístico às Organizações Militares da Fronteira do Exército Brasileiro, o transporte rodoviário tem se tornado um meio importante de complemento ao transporte fluvial Aeroviário Na rede aeroviária, pode-se dizer que o transporte aéreo constitui-se num importante complemento do transporte fluvial, sendo, às vezes, o único meio para algumas Organizações Militares de Fronteira. 30 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

32 A Realização do Apoio de Transp. às Org. Mil. de Front. na Amaz. Ocid. e seus Reflexos para a Mob. Nac. A existência de aeroportos e terminais domésticos nas capitais e em algumas das cidades do interior possibilita o transporte aéreo de carga e passageiros pelas principais companhias aéreas nacionais e regionais. Nos pelotões de fronteira, também existem pistas de pouso que facilitam o apoio logístico pela FAB. O transporte aéreo para determinados Pelotões de Fronteira é o único meio possível, fazendo com que se estabeleça uma grande dependência desses Pelotões às aeronaves da FAB. 4 APOIO DE TRANSPORTE ÀS ORGANIZAÇÕES MILITARES DE FRONTEIRA E OS PRINCIPAIS ÓBICES EXISTENTES 4.1 Considerações iniciais A 12.ª Região Militar (12.ª RM), Região Mendonça Furtado, é parte integrante do Comando Militar da Amazônia (CMA) e se localiza na cidade de Manaus. Na condição de Grande Comando Logístico, é responsável pelo apoio logístico às Organizações Militares do CMA na Amazônia Ocidental. Dentro da sua área de responsabilidade, a 12.ª RM apoia 61 Organizações Militares, sendo 25 de Fronteira. Figura 3 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

33 Alberes José Quintans de Freitas Para realizar o apoio, na Amazônia Ocidental, devem-se levar em consideração as peculiaridades da área, principalmente a hidrografia, o clima e os meios de transporte. Dessas peculiaridades, surgem diversos obstáculos, tais como: a precariedade da malha rodoviária; o imenso vazio demográfico; a navegação condicionada ao regime das águas dos rios; as grandes distâncias que separam os núcleos populacionais; o limitado número de aeródromos e pistas de pouso para as aeronaves e a falta e limitação de portos e ancoradouros. É importante também destacar as seguintes particularidades logísticas, na Amazônia Ocidental, para a realização dos transportes: a adoção de métodos, processos e técnicas especiais nas atividades do transporte; as dificuldades para manter o apoio, devido à imensidão da área; o planejamento centralizado e a execução descentralizada e flexível, decorrentes dos meios de transportes e das grandes distâncias; e a necessidade de se manter, nas Organizações Militares de Fronteira, elevados níveis de estoque de suprimentos. Na Amazônia, também se deve levar em consideração que durante a realização de qualquer atividade de transporte, é o momento em que se realiza também o patrulhamento de áreas isoladas e, nessas ocasiões, muitas vezes pode-se obter o levantamento de informações importantes, junto aos nativos e ribeirinhos, para a realização de operações militares futuras. É também uma das formas pela qual o Exército Brasileiro se faz presente na Amazônia e participa ativamente da integração daquela região ao restante do País. Dessa forma, a atividade de transporte na Amazônia Ocidental deve ter um planejamento detalhado e uma execução precisa e eficiente, pois, naquela região, a atividade de transporte vai muito além de uma função logística, nela o Exército Brasileiro mantém a constante defesa do território nacional. 4.2 Meios de transporte utilizados Hidroviário A Amazônia Ocidental, pela sua grande malha hidrográfica, torna o transporte fluvial como o principal meio empregado e, consequentemente, obriga que grande parte dos meios de transporte existentes seja voltada para as aquavias. O apoio às Organizações Militares de Fronteira é realizado pelo Centro de Embarcações do Comando Militar da Amazônia (CECMA). O regime dos rios e as grandes distâncias são os maiores problemas enfrentados pelo transporte fluvial. Abaixo as distâncias percorridas pelas embarcações do CECMA a partir de Manaus. 32 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

34 A Realização do Apoio de Transp. às Org. Mil. de Front. na Amaz. Ocid. e seus Reflexos para a Mob. Nac. Tabela 1 Localidade Distância Tempo (Ida e volta) São Gabriel da Cachoeira - AM km 16 dias Barcelos - AM 485 km 08 dias Porto Velho - RO 21 dias km 14 dias Tefé AM 631 km 10 dias Tabatinga - AM km 14 dias Cruzeiro do Sul - AC km 45 dias Este Centro possui diversos tipos de embarcações táticas e logísticas, destacando-se, para o transporte de suprimentos, as balsas de 40, 100, 150, 200 e 250 toneladas e seus empurradores. Para o transporte de pessoal, o CECMA conta com embarcações do tipo regional, lanchas rápidas e táticas, como segue: Embarcações de carga com capacidade total de transporte de ton.; Embarcações de transporte de pessoal com capacidade total de transporte de 278 passageiros e 140 ton. de carga; e Embarcações de emprego tático capacidade total de transporte de passageiros. A 12.ª Região Militar realiza o planejamento dos transportes aquaviários e coordena as ações das Organizações Militares de Apoio do CECMA e de outros usuários do sistema de transporte fluvial regional. O CECMA, além de realizar, com as suas embarcações, o transporte fluvial para apoiar as Organizações Militares da Fronteira, também realiza a capacitação de militares para a operação e manutenção de embarcações. O apoio se dá trimestralmente, quando de Manaus partem embarcações conduzindo suprimentos de todas as classes, principalmente equipamentos pesados, viaturas, embarcações, material de construção, gêneros alimentícios, óleos, combustíveis e outros, com destino a Tefé, São Gabriel da Cachoeira, Tabatinga, Boa Vista, Cruzeiro do Sul, Porto Velho e Rio Branco. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

35 Alberes José Quintans de Freitas Figura 4 Os principais óbices para o apoio de transporte fluvial às Organizações Militares da Fronteira, na Amazônia Ocidental, são: o regime das águas dos rios e as grandes distâncias a serem percorridas; a falta de modernos portos, ancoradouros e sistema de carregamento de cargas; e a falta de meios de transportes adequados das Organizações Militares, principalmente, para o transporte de combustível Aeroviário Para o apoio às Organizações Militares de Fronteira, empregam-se os meios disponíveis da Força Aérea Brasileira (FAB) e, excepcionalmente, os do 4º Batalhão de Aviação do Exército, com sede em Manaus. Por intermédio do Plano de Apoio à Amazônia (PAA) e do Plano de Missões Conjuntas (PMC), o CMA, a 12ª RM e a FAB desencadeiam, bimestralmente, um planejamento para o transporte aéreo, com a finalidade de apoiar as sedes das Brigadas e seus respectivos Pelotões de Fronteira (PEF). Partindo de Manaus, aeronaves C105A (Amazonas) ou C98 (Caravan), e de acordo com o tipo de pista de pouso, apoiam os Pelotões de Fronteira, principalmente aqueles em que o meio aéreo é a única forma de apoio. O suporte aéreo se torna imprescindível, quando se trata de uma evacuação de emergência nos PEF, bem como no transporte de frigorificados. É também indicada a sua utilização em situações, como: operações militares que exijam 34 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

36 A Realização do Apoio de Transp. às Org. Mil. de Front. na Amaz. Ocid. e seus Reflexos para a Mob. Nac. deslocamentos longos e rápidos; interdição das vias terrestres e aquáticas; e isolamento de tropas. Os principais óbices ao apoio de transporte aéreo às Organizações Militares de Fronteira, na Amazônia Ocidental são: as condições climáticas adversas que influem nos meios aéreos e nas pistas de pouso, impedindo o pouso e a decolagem de aeronaves e a reduzida disponibilidade de aeronaves e horas de vôo, da FAB, tendo em vista que ela apoia, também, na Amazônia Ocidental, diversos outros órgãos da Administração Pública Federal e Estadual Rodoviário Para efeito de apoio logístico na Amazônia Ocidental, o transporte rodoviário é um importante meio e complemento ao hidroviário. São utilizadas as viaturas de transporte de carga geral e de frigorificados, do 12.º Depósito de Suprimentos e das Bases Logísticas. Basicamente, o transporte rodoviário é utilizado no apoio às Organizações Militares de Boa Vista, através da BR 174, e de lá para os Pelotões de Fronteira (PEF) de Pacaraima, Bonfim e Normandia. Ainda, nas ramificações existentes entre: São Gabriel da Cachoeira e Cucuí (AM); Porto Velho e Guajará-Mirim (RO); Porto Velho e Humaitá (RO); Porto Velho e Rio Branco (AC); e nas ligações rodoviárias entre Rio Branco e Plácido de Castro, Brasiléia e Assis Brasil (AC). Os principais óbices para o apoio de transporte rodoviário às Organizações Militares de Fronteira, na Amazônia Ocidental, são: falta de uma malha rodoviária; dificuldade de construção e manutenção das rodovias e estradas existentes, em função dos fatores fisiográficos e a precariedade dos meios de transportes disponíveis nas Organizações Militares. 5 ÓBICES PARA O APOIO DE TRANSPORTE ÀS ORGANIZAÇÕES MILITARES DE FRONTEIRA E SEUS REFLEXOS PARA A MOBILIZAÇÃO NACIONAL A importância estratégica da Amazônia é um fato incontestável. Países do primeiro mundo há muito, reconheceram esta evidência, pois sobre a região lançaram suas vistas e seus interesses. As pressões sobre a soberania brasileira, na área, manifestam-se por bandeiras, como: o da preservação ambiental, a da sobrevivência dos índios e o combate ao narcotráfico. No entanto, observa-se que alguns governantes do passado não estabeleceram Políticas de Governo e/ou de Estado que dessem a devida importância àquela vasta região. Poucas são as atividades socioeconômicas ou projetos que promovam o desenvolvimento e a consequente integração da Amazônia ao restante do País. A Amazônia Ocidental é uma região com uma grande extensão territorial, faz fronteira com diversos países e possuí uma limitada rede de transportes. As Forças Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

37 Alberes José Quintans de Freitas Armadas, em especial o Exército, não têm como estar presente em todos os pontos ao mesmo tempo. Nesse caso, a mobilidade é um fator mais do que estratégico, é vital. Em 2008, o Governo aprovou e sancionou a Estratégia Nacional de Defesa (END). Nela se estabeleceu orientação estratégica para a Amazônia, em circunstância de paz e de guerra. Na paz, para monitorar as fronteiras e a soberania sobre a Amazônia. Na guerra, mobilizar rapidamente recursos físicos e humanos para impedir ameaças àquela região. Ainda, o governo propõe fortalecer a presença militar na Amazônia, desenvolver ações socioeconômicas na área e ampliar a cooperação com os países vizinhos. Para fazer face às hipóteses de emprego na Amazônia Ocidental, há necessidade de, desde já, o Poder Nacional empreender ações estratégicas que visem a deixar o País em condições de realizar, de forma imediata, uma Mobilização Nacional (Mob Nac). O preparo da Mobilização Nacional consiste na realização de ações estratégicas que viabilizem a sua execução, sendo desenvolvido desde a situação de normalidade, de modo contínuo, metódico e permanente. Porém, verifica-se que na região da Amazônia Ocidental esse preparo é deficiente devido aos óbices existentes pela peculiaridade da área, principalmente os que estão relacionados ao sistema de transportes: a dependência do regime das águas dos rios e as grandes distâncias a serem percorridas; a falta de modernos portos, ancoradouros e sistema de carregamento de cargas; a falta de uma malha rodoviária; a dificuldade de construção e manutenção das rodovias e estradas existentes, em função dos fatores fisiográficos; a falta de meios de transportes adequados das Organizações Militares, principalmente, para o transporte de combustível; as condições climáticas adversas que intervêm nos meios aéreos e nas pistas de pouso, impedindo o pouso e a decolagem de aeronaves; e a reduzida disponibilidade de aeronaves e horas de vôo da FAB. Como na END prevê em suas diretrizes uma maior prioridade para a região Amazônica e o desenvolvimento da mobilidade para o aumento da capacidade de responder prontamente a qualquer ameaça ou agressão; e, ainda, por se encontrar na Amz Oc o sistema de transportes prejudicado pelos diversos fatores já citados; sendo as operações logísticas dificultadas, principalmente a função logística transporte, que é de fundamental importância para uma imediata concentração de meios e pessoal, e para a realização de eficientes Operações Militares de Defesa; pode-se afirmar que, como reflexo, será necessária uma maior Mob Nac para se complementar a Logística Nacional, no caso de necessidade de emprego na defesa da Amazônia. Como consequência, ainda há necessidade de capacitar o Poder Nacional, para que este desenvolva as atividades de preparo da Mobilização Nacional, através da adoção de medidas, tais como: melhorar as condições de navegação das aquavias, principalmente através da sinalização e da drenagem de alguns 36 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

38 A Realização do Apoio de Transp. às Org. Mil. de Front. na Amaz. Ocid. e seus Reflexos para a Mob. Nac. rios; construção de portos e ancoradouros em locais estratégicos e melhoria das condições dos existentes; cadastramento dos meios de transporte disponíveis, tanto públicos quanto privados; realização de adestramento de atividades de Mobilização Nacional; construção de rodovias e melhoria das existentes; construção de pistas de pouso em locais estratégicos e melhoria das existentes; e a aquisição de meios de transporte para as Forças Armadas, com o objetivo de aumentar a sua mobilidade. Enquanto não se executam as ações estratégicas necessárias para melhorar o sistema de transportes da Amazônia, o País só poderá contar, no momento, caso necessite realizar uma imediata e eficiente Mobilização Nacional na Amazônia Ocidental, do sistema de transportes atual que vem atendendo às Organizações Militares de Fronteira e à população local. 6 CONCLUSÃO Do estudo feito na atual forma de apoio de transporte às Organizações Militares de Fronteira da Amazônia Ocidental, fica claro que o principal meio de transporte utilizado é o fluvial, e que durante a realização do mesmo são executadas operações militares que proporcionam a segurança e a defesa de toda a área percorrida. Consequentemente, ainda proporcionam o desenvolvimento e a integração da região ao restante do País, uma vez que o comboio militar muitas vezes é a única presença do Estado naquela região. Foi observado que, em algumas situações, é importante e necessária a realização da complementação dos meios fluviais, principalmente, com o aéreo e o rodoviário, de forma a atenuar ou eliminar os óbices existentes e assegurar o contínuo e eficiente apoio de transporte às Organizações Militares de Fronteira. Foram identificados como óbices para o apoio de transporte: a dependência do regime das águas dos rios e as grandes distâncias a serem percorridas; a falta de modernos portos, ancoradouros e sistema de carregamento de cargas; a falta de uma malha rodoviária; a dificuldade de construção e manutenção das rodovias e estradas existentes, em função dos fatores fisiográficos; a falta de meios de transportes adequados das Organizações Militares, principalmente, para o transporte de combustível; as condições climáticas adversas que influem nos meios aéreos e nas pistas de pouso, impedindo o pouso e a decolagem de aeronaves; e a reduzida disponibilidade de aeronaves e horas de vôo, da FAB. Como reflexo, os mesmos óbices impõem a necessidade de uma maior Mob Nac para se complementar a Logística Nacional, no caso de emprego da defesa da Amz, incluindo, ainda, a adoção urgente de medidas estratégicas, tais como: melhoria das condições de navegação das aquavias, principalmente através da sinalização e da drenagem de alguns rios; construção de portos e ancoradouros em locais estratégicos e melhoria das condições dos existentes; cadastramento dos meios de transporte disponíveis, tanto públicos como privados; realização Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

39 Alberes José Quintans de Freitas de adestramento de atividades de Mobilização Nacional; construção de rodovias e melhoria das existentes; construção de pistas de pouso em locais estratégicos e melhoria das existentes; e a aquisição de meios de transporte para as Forças Armadas, com o objetivo de aumentar a sua mobilidade. Por fim, este trabalho alerta sobre as dificuldades encontradas para a realização da função logística transporte na Amazônia Ocidental, tendo como reflexo uma maior necessidade de Mobilização Nacional para se complementar a Logística Nacional naquela região. É importante ter em mente que não se pode separar defesa de desenvolvimento, e para que o Exército Brasileiro execute uma eficiente atuação na defesa da Amazônia, é necessário que aquela região tenha seu processo de desenvolvimento acelerado e se integre realmente ao restante do País. Só assim, pode-se contar com uma eficaz Logística e Mobilização Nacional para atender uma eventual necessidade de defesa da nossa Amazônia. Referências ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Manual básico: assuntos específicos. Rio de Janeiro, FREGAPANI, Gélio. Amazônia: a grande cobiça internacional. Brasília: Thesaurus, A LOGÍSTICA na Amazônia. 12. RM. Manaus: Comando do Exército, [20--]. Disponível em: Acesso em: 29 ago MATTOS, Luís Carlos Gomes. A Amazônia.In: SEMINÁRIO DE SEGURANÇA DA AMAZÔNIA, 2010, Ponta Negra, Manaus. Painel... Ponta Negra, Manaus: [s.n.], Disponível em: Acesso em: 29 ago Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

40 A Logística Nacional, a Defesa, a Ciência-Tecnologia e Inovação A LOGÍSTICA NACIONAL, A DEFESA, A CIÊNCIA-TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Erenito Alves Azeredo Major Bombeiro Militar do Estado de Minas Gerais, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo O propósito deste trabalho é discorrer de forma critica sobre a Logística Nacional e sua importância na Defesa da Nação, enquanto processo organizacional de previsão e provisão dos meios necessários para consecução dos objetivos nacionais. Mostrar quais as ações previstas na Estratégia Nacional de Defesa que buscam reforçar a Logística Nacional, através do emprego da expressão do Poder Nacional na área da Ciência Tecnologia e Inovação, bem como promover a segurança e o desenvolvimento nacional pelo incentivo à Indústria Nacional de Material de Defesa. Palavras-chave: Logística Nacional; Defesa Nacional; Ciência-Tecnologia e Inovação; Estratégia Nacional de Defesa. 1 INTRODUÇÃO A invencibilidade está na defesa; a possibilidade de vitória, no ataque. (Sun Tzu) Desde a ocorrência dos primeiros homicídios na Terra, há cerca de 20 milhões de anos, os saltos de qualidade que levaram a humanidade a um patamar mais avançado na história da evolução, sempre estiveram atrelados, de alguma forma à ciência, tecnologia e inovação. A Pré-história, período conhecido como paleolítico, pedra antiga ou pedra lascada, refere-se ao período que vai de cerca de 2,5 milhões a. C. Nessa época, pode-se destacar que o homem começou a produzir os primeiros artefatos em pedra lascada, até cerca de a. C., e era essencialmente nômade, caçador-coletor, tendo que se deslocar, constantemente, em busca de alimentos. Foi na Pré-história que desenvolveram os primeiros instrumentos de caça feitos de madeira, osso ou pedra, e quando também o homem dominou o uso do fogo. Outra figura simbólica que representou a inovação na humanidade, e que não se pode deixar de citar, é a invenção da roda, considerada por muitos como o maior feito de todos os tempos. Acredita-se que seus inventores foram os povos que habitavam a antiga Mesopotâmia, atual Iraque, há cerca de anos. Tal inovação permitiu o transporte de materiais em maior quantidade em menor tempo, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

41 Erenito Alves Azeredo possibilitando o aparecimento de grandes civilizações e construções. Também foi fundamental para a expansão territorial e no uso em guerras e defesas. Os dois exemplos, acima citados, podem ser considerados como inovações, pois trouxeram o ineditismo, agregando valor à sociedade, mudando seu comportamento, além de contribuir de forma significativa para aumentar a riqueza dos povos. Ao voltarem-se os olhares para as sociedades dos séculos XVIII e XIX, constata-se que os países que fizerem a opção por investir na ciência, tecnologia e inovação assumiram papel de destaque no mundo, impondo suas idéias e por vezes, determinando o papel de outros países periféricos. O Reino Unido, formado pela Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e País de Gales, foi pioneiro na Revolução Industrial por diversos fatores dentro os quais se destacam: a) Pela aplicação de uma política econômica liberal, desde meados do século XVIII. Antes da liberalização econômica, as atividades industriais e comerciais estavam cartelizadas pelo rígido sistema de guildas 34, razão pela qual a entrada de novos competidores e a inovação tecnológica eram muito limitadas. Com a liberalização da indústria e do comércio, ocorreu um enorme progresso tecnológico e um grande aumento da produtividade em um curto espaço de tempo. b) O processo de enriquecimento britânico adquiriu maior impulso após a Revolução Inglesa 35, que forneceu ao seu capitalismo a estabilidade que faltava para expandir os investimentos e ampliar os lucros. c) A Grã-Bretanha firmou vários acordos comerciais vantajosos com outros países. Um desses acordos foi o Tratado de Methuen, celebrado com a decadente monarquia absolutista portuguesa, em 1703, por meio do qual conseguiu taxas preferenciais para os seus produtos no mercado português. d) A Grã-Bretanha possuía grandes reservas de ferro e de carvão, minerais em seu subsolo, principais matérias-primas utilizadas neste período. Dispunha de mão de obra em abundância desde a Lei dos Cercamentos 34 As guildas, corporações artesanais ou corporações de ofício, eram associações de artesãos de um mesmo ramo, isto é, pessoas que desenvolviam a mesma atividade profissional que procuravam garantir os interesses de classe. Existiram, na Europa, durante a Idade Média e mesmo após. Cada cidade tinha sua própria corporação de ofício. Essas corporações tinham como finalidade proteger seus integrantes. 35 A Guerra Civil Inglesa, que aconteceu durante a Revolução Inglesa, ocorreu entre os partidários do rei Carlos I, da Inglaterra e o Parlamento, liderado por Oliver Cromwell. Começada em 1642, terminou com a condenação à morte de Carlos I em Antes da revolução, o poder do rei era absolutista, uma vez que contestá-lo era um sacrilégio. Depois da Revolução, o poder do rei se viu reduzido, quando o rei existe e reina, mas não governa, quem governa é o Primeiro-Ministro, através do Parlamento. 40 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

42 A Logística Nacional, a Defesa, a Ciência-Tecnologia e Inovação de Terras, que provocou o êxodo rural. Os trabalhadores dirigiram-se para os centros urbanos em busca de trabalho nas manufaturas. e) A burguesia inglesa tinha capital suficiente para financiar as fábricas, adquirir matérias-primas e máquinas e contratar empregados. Para ilustrar a relativa abundância do capital que existia na Inglaterra, pode se constatar que a taxa de juros no final do século XVIII era de cerca de 5% ao ano; já na China, onde praticamente não existia progresso econômico, a taxa de juros era de cerca de 30% ao ano. O Reino Unido tem quatorze territórios, todos remanescentes do Império Britânico que era composto por domínios, colônias, protetorados, mandatos e territórios governados ou administrados pelo Reino Unido. O Império Britânico originou-se das colônias ultramarinas e entrepostos estabelecidos pela Inglaterra no final do século XVI e início do século XVII. No seu ápice, possuía quase um quarto da superfície terrestre mundial, constituindo-se no maior império da história. Em 1922, o Império Britânico dominava cerca de 458 milhões de pessoas, um quarto da população do mundo, na época, e abrangia mais de mil km². Como resultado do Império, a influência britânica pode ser vista na língua, cultura e sistemas judiciários de muitas de suas ex-colônias como o Canadá, Austrália, Índia e Estados Unidos. Na expressão militar do Poder Nacional, a Marinha Real Britânica (em inglês:royal Navy) é o ramo naval das Forças Armadas do Reino Unido. Fundada no século XVI, é o mais antigo dos serviços e por isso é conhecida como Serviço Sênior. Desde o final do século XVII até meados do século XX, era a marinha mais poderosa do mundo, desempenhando um papel fundamental no estabelecimento do Império Britânico como a potência mundial dominante. Os investimentos na Real Marinha Britânica foram de tal monta que permitiram a expansão territorial, bem como a garantia da defesa em caso de ameaças estrangeiras da época. Todos estes feitos do Reino Unido somente foram possíveis devido à definição de Objetivos Nacionais e na busca em satisfazê-los, em decorrência da identificação de necessidades, interesses e aspirações, parametrizadas e respeitando, à época, a recente evolução histórico-cultural da Nação. Com a definição de Objetivos Nacionais de crescimento econômico e na esteira da expansão territorial, o Reino Unido usou a estratégia política para financiar a Revolução Industrial, proporcionando, desta forma, a ampliação dos recursos produtivos, criação e aperfeiçoamento de instituições econômicas, melhoria na repartição da renda, elevação dos padrões de consumo e ampliação das oportunidades econômicas. Noutro viés, investiram em Ciência, Tecnologia e Inovação, surgindo nesta época as principais invenções que iriam mudar o modo produtivo do mundo: as máquinas a vapor, pelo que se pode citar: Thomas Newcomen (Dartmouth, 24 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

43 Erenito Alves Azeredo de fevereiro de Bunhill Fields, 1729) foi um ferreiro e mecânico inglês. É considerado o pai da máquina a vapor. Em 1712, Newcomen instalou uma máquina para drenar a água acumulada nas minas de carvão, em Staffordshire, na Grã- Bretanha, a primeira movida a vapor, patenteada em Posteriormente, em 1765, James Watt, mecânico escocês, aperfeiçoou o modelo de Newcomen. Este seu invento deflagrou a Revolução Industrial e serviu de base à mecanização de toda a indústria. Em 1814, o inglês George Stephenson revolucionou os transportes com a invenção da locomotiva a vapor. O exemplo do Reino Unido, no aspecto da logística nacional, pode ser interpretado como a conquista e manutenção dos Objetivos Nacionais, mediante a realização de Ações Estratégicas, cujo preparo constituiu uma exigência permanente e continuada. A intensidade das Ações Estratégicas variaria em cada Nação, de acordo com a Natureza e o grau dos óbices a serem vencidos, ou de acordo com a expressão do Poder Nacional de cada país ser mais ou menos exigida, conforme a necessidade da área a ser por ele reforçada, em determinado momento. Desta forma, é importante que todas as expressões do poder, sejam elas política, econômica, psicossocial, militar ou cientifico-tecnológica & inovação estejam com as forças equilibradas, para juntas comporem a logística nacional que será acionada a serviço do país, quando de uma mobilização nacional, ou mesmo em suas atividades correntes. 1.1 A logística nacional Na Constituição Federal de 1988, o Brasil, através do legislador originário, delineou os Objetivos Nacionais, que são aqueles que a Nação busca satisfazer, em decorrência da identificação de necessidades, interesses e aspirações, em determinada fase de sua evolução histórico-cultural (Manual Básico V. I ESG, p. 22). Ainda de acordo com a citada publicação da Escola Superior de Guerra, os Objetivos Nacionais podem ser classificados, segundo sua natureza, como Objetivos Fundamentais que são os Objetivos Nacionais que, voltados para o atingimento dos mais elevados interesses da Nação e preservação de sua identidade, subsistem por longo tempo. A Nação Brasileira tem como Objetivos Fundamentais: Democracia, Integração Nacional, Integridade do Patrimônio Nacional, Paz Social, Progresso e Soberania. Para que a Nação atinja os Objetivos Fundamentais usa de Planos Estratégicos que vão estabelecer e definir ações para perseguir, conquistar e manter os objetivos propostos. Ao definir as ações estratégicas surge um ponto de inflexão: como conseguir os meios necessários para cumpri-las. Neste momento, entra em ação a Logística Nacional de Desenvolvimento e a Logística Nacional de Defesa, sendo a Logística de Desenvolvimento o conjunto 42 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

44 A Logística Nacional, a Defesa, a Ciência-Tecnologia e Inovação de atividades de previsão e de provisão dos meios necessários à realização das ações decorrentes da Estratégia de Desenvolvimento, e a Logística de Defesa o conjunto de atividades de previsão e de provisão dos meios necessários à realização das ações decorrentes da Estratégia de Defesa (Manual básico.esg, v. II, p. 104). O filósofo e estrategista militar chinês Sun Tzu, vislumbrando a importância do apoio logístico no comando da guerra, estabeleceu que os suprimentos logísticos de intendência e armazéns deveriam, permanentemente, estarem em condições de emprego, protegidos em abrigos fora de intempéries e de acidentes imprevistos, conforme relato que segue: Suponho que comeces a tua campanha com um exército de cem mil homens, que dispõe de dois mil carros, mil destinados à marcha e os outros reservados para o transporte de suprimentos. Ademais, transporta com cuidado tudo o que pode servir para o reparo de armas e carros. Suponho que tens víveres e munições suficientes, que a tua volta haja, em toda parte, provisões para a manutenção do exército. Suponho ainda que os artesãos e outros homens que não pertencem ao corpo dos soldados já o precederam ou marcham em teu séquito. Suponho também que os diferentes suprimentos, tanto para uso bélico quanto pessoal, estejam permanentemente ao abrigo da intempérie e de acidentes imprevistos. (In: CASSAL, tradução, 2011, p. 27.) Com base nos conceitos expostos, pode-se entender a Logística Nacional de forma mais ampla, como sendo o conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos necessários à realização das ações planejadas para a consecução da Estratégia Nacional. Tendo a Logística Nacional como principais características as atividades permanentes, ou seja, existindo tanto em situações de normalidade, em apoio às ações correntes, como em situações de ataque estrangeiro, e, ainda, em apoio às ações de emergência, requer um planejamento dinâmico e flexível para se adaptar, com presteza, às mutações decorrentes da variação da necessidade de meios para a execução das Ações Estratégicas (Manual Básico V. II - ESG, pg. 103). Outro elemento importante a ser considerado para o fortalecimento da logística nacional é a promoção do aprimoramento da Indústria de Defesa, principalmente no desenvolvimento de produtos duais. Marcio Ramos Teixeira, em monografia apresentada ao CAEPE-ESG/2007, esclarece que tecnologias de emprego dual são todas aquelas que podem ser empregadas seja em material de defesa, seja em materiais de uso civil em diversas áreas, tais como: na da saúde, na da educação, na industrial, na aeronáutica, na química, na ambiental e em qualquer outra área que se possa imaginar. Na verdade, o produto dual pode tanto ser oriundo da indústria de defesa e migrar para a indústria civil e vice-versa. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

45 Erenito Alves Azeredo 2 A ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA A Estratégia Nacional de Defesa foi aprovada pelo Decreto n.º 6.703, de 18 de dezembro de 2008, que estabelece ações estratégicas de médio e longo prazo e objetiva a modernização da estrutura nacional de defesa, atuando em três eixos estruturantes: Reorganização das Forças Armadas; Reestruturação da indústria brasileira de material de defesa; e Política de composição dos efetivos das Forças Armadas. Ligada à Ciência, Tecnologia e Inovação a Estratégia Nacional de Defesa aponta para a reestruturação da indústria brasileira de material de defesa, tendo como propósito assegurar que os atendimentos das necessidades de equipamentos das Forças Armadas apoiem-se em tecnologias sob domínio nacional. É plenamente desejável que a promoção da defesa parta de princípios que possam sustentar não somente a segurança interna e externa da Nação, mas também garanta o desenvolvimento do país como um todo. Neste contexto, a Estratégia Nacional de Defesa elegeu três setores de importância: o espacial, o cibernético e o nuclear. No setor espacial, as prioridades estabelecidas foram às seguintes: a) Projetar e fabricar veículos lançadores de satélites e desenvolver tecnologias de guiamento remoto, sobretudo sistemas inerciais e tecnologias de propulsão líquida. b) Projetar e fabricar satélites, sobretudo os geoestacionários, para telecomunicações e os destinados ao sensoriamento remoto de alta resolução, multiespectral e desenvolver tecnologias de controle de atitude dos satélites. c) Desenvolver tecnologias de comunicações, comando e controle a partir de satélites, com as forças terrestres, aéreas e marítimas, inclusive submarinas, para que elas se capacitem a operar em rede e a se orientar por informações deles recebidas. d) Desenvolver tecnologia de determinação de coordenadas geográficas a partir de satélites. Já no setor cibernético, a destinação será o mais amplo espectro de usos industriais, educativos e militares. Incluirão como partes prioritárias, as tecnologias de comunicação entre todos os contingentes das Forças Armadas, de modo a assegurar sua capacidade para atuar em rede. Contemplarão o poder de comunicação entre os contingentes das Forças e os veículos espaciais. No setor cibernético, será constituída organização encarregada de desenvolver a capacitação cibernética nos campos industrial e militar. Desta forma, os setores espacial e cibernético permitirão, em conjunto, que a capacidade de visualizar o próprio país não dependa de tecnologia estrangeira e que as três Forças, mutuamente, possam atuar em rede, instruídas por 44 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

46 A Logística Nacional, a Defesa, a Ciência-Tecnologia e Inovação monitoramento que se faça também a partir do espaço, sendo necessário, entre outros, o desenvolvimento e lançamento de satélites próprios. Como exemplo, cita-se o primeiro satélite projetado, construído e operado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o SCD-1 que completou 17 anos em órbita, no dia 09 de fevereiro de Lançado pelo foguete norte-americano Pégasus, em 1993, a expectativa era de apenas um ano de vida útil. Contudo, o SCD-1 (Satélite de Coleta de Dados) se mantém operacional e retransmitindo informações para a previsão do tempo e monitoramento das bacias hidrográficas, entre outras aplicações. O setor nuclear tem valor estratégico que transcende, por sua própria natureza, os aspectos de desenvolvimento e defesa. O Brasil é signatário do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, contudo, pugna através de sua soberania a necessidade de utilização estritamente pacífica da energia nuclear, de modo a garantir o equilíbrio e a versatilidade da sua matriz energética. Para o Brasil alcançar à independência tecnológica e garantir a sustentabilidade às próximas gerações, deve estrategicamente empenhar-se nos seguintes projetos: a) Completar, no que diz respeito ao programa do submarino de propulsão nuclear, a nacionalização completa e o desenvolvimento em escala industrial do ciclo do combustível, inclusive a gaseificação e o enriquecimento. b) Desenvolver a tecnologia necessária para projetar e fabricar, para uso exclusivo no Brasil, de reatores. c) Acelerar o mapeamento, prospecção e o aproveitamento das jazidas de urânio. d) Desenvolver o potencial de projetar e construir termelétricas nucleares, com tecnologia e capacitações que acabem sob domínio nacional, ainda que desenvolvida por meio de parcerias com Estados e empresas estrangeiras. e) Empregar a energia nuclear criteriosamente, e sujeitá-la aos mais rigorosos controles de segurança e de proteção do meio-ambiente, como forma de estabilizar a matriz energética nacional, ajustando-a às variações no suprimento de energias renováveis, sobretudo a energia de origem hidrelétrica. f) Aumentar a capacidade de usar a energia nuclear em amplo espectro de atividades. É importante ressaltar que para o desenvolvimento dos setores da Ciência, Tecnologia e Inovação a prioridade do Estado deve ser a formação de recursos humanos nas áreas de relevância. Para tanto, deve financiar programas de pesquisa e de formação universitária, bem como centros nacionais de pesquisas, aumentando as ofertas de bolsas de doutorado e pós-doutorado nas instituições internacionais pertinentes. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

47 Erenito Alves Azeredo III A CIÊNCIA, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO Na história da humanidade, a Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) sempre ocuparam lugar de relevância nas sociedades, pois possibilitam para quem as dominam, conquistar e manter posição de destaque entre os demais. Atualmente, na economia globalizada a CT&I é também fator estratégico para o desenvolvimento e para a Defesa Nacional. De modo geral, a Expressão Cientifica, Tecnológica e Inovação engloba todas as atividades relacionadas à geração, disseminação e aplicação dos conhecimentos científicos e tecnológicos de uma sociedade. A expressão CT&I apresenta-se de forma destacada na atualidade em relação a outras expressões do poder nacional, sobretudo porque se revela capaz de influir diretamente nas demais áreas de interesse da Defesa Nacional. Dentro deste arcabouço teórico, podemos entender a expressão cientifica e tecnológica, como o motor primário do poder nacional. Sem conhecimento, puro e aplicado, sem inovação e/ou produto, processo ou serviço não terá uma expressão econômica forte e, na falta desta, teremos uma expressão psicossocial abalada, uma expressão política sem capacidade de definir o que deve ser feito e, finalmente, uma expressão militar sem ter o que segurar e defender. (BRANDÃO, 2007, p. 796) Pode-se confirmar a afirmativa acima ao se analisar os principais países de maior grau tecnológico em defesa do mundo, dentre os quais são citados: Estados Unidos, Inglaterra, França, Alemanha, Canadá, Japão, Israel e Coréia do Sul. Notase que estes países investiram, após a 2º Guerra Mundial, em CT&I como forma de desenvolver sua indústria interna, conjugando este esforço para aprimorar a Defesa Nacional, fator que contribuiu para mantê-los em papel de destaque e estratégico, fazendo frente a uma economia globalizada. O Governo Federal objetivando desenvolver a Expressão CT&I do Poder Nacional editou o Decreto n.º 6.703/2008, que estabeleceu a Estratégia Nacional de Defesa (END). No campo Tecnológico, prevê a reorganização da indústria nacional de material de defesa, priorizando o desenvolvimento tecnológico. Dentre as várias diretrizes traçadas pela Estratégia Nacional de Defesa, uma estabeleceu a prioridade ao desenvolvimento de capacitações tecnológicas independentes, com vistas a condicionar as parcerias com países e empresas estrangeiras para o desenvolvimento progressivo e de produção no País. Com vistas a atingir essa meta cita-se o programa da EMBRAER para produção do KC-390, aeronave de transporte. Recente publicação na revista Jane`s Defence Weekly, de 03 de agosto de 2011, revela que a EMBRAER continua buscando contratar os subsistemas em relação ao KC-390, com ênfase em forte relação com a indústria americana, com uma clara estratégia de seleção de parcerias comerciais de base tecnológica. 46 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

48 A Logística Nacional, a Defesa, a Ciência-Tecnologia e Inovação Subsistemas adjudicados ao programa KC aeronave de transporte Sistemas Empresa Tecnologia Data Controle primário de voo Controle eletrônico de voo Componentes estruturais Pro FusionTM avionics package Ambiente e controle de pressão da cabine Movimentação de carga e entrega aérea Autothrottle system Goodrich BAE Systems Fabrica Argentina de aviones Rockwell Collins Liebherr DRS Esterline Julho 2011 Julho 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Março 2011 Junho 2011 Trem de pouso ELEB/ Embraer Abril 2011 Motores aeronáuticos Rodas, freios, sistema de extensão e retração do trem de pouso, sistema de pouso auxiliar. Pratt &Whitney, Rolls Royce, Japanese Aero Engine Corp and MTU Aero Engines Messier-Bugatti- Dowty Julho 2011 Junho 2011 Fonte: Jane s Defence Weekly, 03 ago *As bandeiras nacionais mostram a localização do contratante ou o local onde os trabalhos serão desenvolvidos. Pela análise da planilha acima apresentada, observa-se que atualmente, no campo aeroespacial, a ciência e tecnologia apresentam-se no mundo com uma Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

49 Erenito Alves Azeredo acentuada relação de interdependência tecnológica entre as Nações, aliada às parcerias para o desenvolvimento de programas multinacionais. Tais parcerias visam à inovação com base na tecnologia já conhecida e desenvolvida por determinados países, reduzindo o tempo e, por conseqüência, os custos de colocação de um produto inovador no mercado por um país isoladamente. Outra diretriz significativa prevista na Estratégia Nacional de Defesa trata de subordinar as considerações comerciais aos imperativos estratégicos, importando em organizar o regime legal, regulatório e tributário da indústria nacional de material de defesa. Neste sentido, cita-se a Medida Provisória (MP) n.º 544, assinada pela Presidenta Dilma Rousseff, na data de 29/09/2011, instituindo regras especiais para compra e contratação de produtos e sistemas de defesa para o país. Ainda cria um regime especial de tributação (denominado RETID), desonerando empresas que produzem equipamentos de defesa de encargos fiscais. Além de diminuir o custo de produção de companhias legalmente classificadas como estratégicas, a MP estabelece incentivos ao desenvolvimento de tecnologias indispensáveis ao país. A Medida preenche uma lacuna existente na legislação, passando a ser o marco legal para as obtenções de produtos de defesa e, consequentemente, para a reorganização da base industrial de defesa brasileira. O Governo federal, através de sites oficiais, esclarece que o Regime Especial Tributário para a Indústria de Defesa (RETID) terá como beneficiárias as empresas que obtiverem o registro do Ministério da Defesa. Poderão obter os benefícios as empresas estratégicas de defesa e também as que participem da cadeia produtiva dos chamados produtos estratégicos de defesa. A isenção contempla o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), a Contribuição para o Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Atualmente, segundo a Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados (DFPC), órgão subordinado ao Comando do Exército Brasileiro, 186 empresas estão capacitadas para se beneficiar do novo regime. Incluem-se nesse rol, tanto companhias de menor porte quanto grandes fornecedoras das Forças Armadas, a exemplo da AVIBRAS, EMBRAER, HELIBRAS, INBRA e Odebrecht Defesa. No campo da Defesa Nacional, por vezes, países menos desenvolvidos tecnologicamente fazem a opção em adquirir material de defesa estrangeiro, com transferência de tecnologia. Neste aspecto, assevera-se que a suposta transferência de tecnologia, possa não ocorrer de modo pleno, devido às restrições e às limitações impostas pelos países detentores da tecnologia ou pela dificuldade do próprio país em recebê-la. Esse fato agrava-se, pois os países que vendem nem sempre se revelam de forma clara quanto às suas reais intenções. Corrobora esse entendimento o professor Bautista Vidal que leva a que se reflita sobre os países menos desenvolvidos que devem buscar romper com o ciclo do colonialismo, que reserva a esses países função de fornecedores de matérias- 48 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

50 A Logística Nacional, a Defesa, a Ciência-Tecnologia e Inovação primas às nações hegemônicas, ao mesmo tempo em que cria uma dependência de produtos industrializados e tecnológicos. No atual mundo globalizado, essa dependência apresenta-se com outra face mais requintada, porém, não menos pungente e desumana, como se vê: A chamada tecnologia externa é o principal meio de condicionamento e subjugação, mediante o qual se molda e se controla a estrutura produtiva nacional para subordiná-la a interesses externos. Isso acarreta graves consequências para o desenvolvimento, especialmente em setores estratégicos, com efeitos diretos sobre a educação em geral e as universidades em especial. Essa tecnologia engendra novo tipo de colonialismo, que atinge profundamente a estrutura de produção, de modo subjugador, como jamais imaginou o mercantilismo colonial do século XIX, que operava por ação externa no contexto dos mercados e das alfândegas [ ]. O que equivocadamente designamos como transferência de tecnologia não passa de aluguel a ser pago pelo uso de determinada forma de produção, que privilegia as políticas e os fatores produtivos ligados a interesse alienígenas, em detrimento dos fatores e políticas nacionais.[...]. A ideologia colonialista fundamenta-se, desde o século XVI, em países dirigentes e países subjugados. É o imperativo da divisão internacional do trabalho e do saber: à colônia cabe fornecer matérias-primas, de modo cada vez mais oneroso para si, ao passo que o comando do processo fica com a metrópole. (BAUTISTA VIDAL, 2002, p. 11,12 e 13) Os meios produtivos da Nação devem ser usados para conquistar e manter os Objetivos Nacionais, tendo como foco garantir e promover a segurança e o desenvolvimento do país. Interesses estrangeiros não devem imperar de modo a influir nos setores estratégicos produtivos a ponto de subjugar e promover um novo tipo de colonialismo. Um país que busca o desenvolvimento tecnológico deve priorizar os setores da sociedade responsáveis pela ciência, tecnologia e inovação. Desta forma, as universidades e os centros tecnológicos devem constar dos planos estratégicos para esse fim. No ano de 2008, o Governo brasileiro iniciou o processo de negociação para aquisição de aviões caça. Entre as aeronaves em questão, surgiram como concorrentes ao fornecimento para o Brasil, além da Dassault, com o caça Rafale; o F-18 Super Hornet, da Boeing (EUA); e o Grinpem, do grupo sueco Saab. O Governo brasileiro chegou a comunicar que optou pelo Rafale, levando em conta a amplitude das transferências de tecnologia propostas e das garantias oferecidas, bem como o compromisso do governo francês em adquirir unidades do KC-390, avião de carga da Embraer. Contudo, até a presente data não foi oficializada a compra por parte do Brasil. Cita-se esse caso como emblemático, no qual a Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

51 Erenito Alves Azeredo transferência de tecnologia surgiu como fator decisivo à aquisição, cabendo ao governo e ao Comando da Aeronáutica resguardarem-se com as garantias de que toda a tecnologia será transferida, sem restrições, pois, dentre outras, a nação quer ter certeza que os seus aviões não serão desligados ou monitorados a distância sem o conhecimento da defesa do país. 5 CONCLUSÃO A Ciência, Tecnologia e Inovação é a expressão do Poder Nacional que se manifesta através dos setores ligados à ciência e tecnologia do país. É a atividade que pelos seus organismos próprios, como universidades, centros de tecnologia e pesquisa, bem como, indústrias tecnológicas, são capazes de promover a geração, disseminação e inovação em vários campos de interesse da logística nacional e em prol da defesa da nação. A CT&I deve ser utilizada pela Nação como mecanismo principal para impulsionar o Poder Nacional, à medida que interferem nas demais expressões do poder, alavancando as áreas: econômica, psicossocial, política e militar. A Estratégia Nacional de Defesa (END) tem-se revelado como importante instrumento de planejamento, capaz de levar o Brasil a um novo patamar na segurança e desenvolvimento nacionais. Deve ser notado como Política de Estado e suas ações seguidas e mantidas conforme metas colimadas. As indústrias nacionais de material de defesa devem receber tratamento adequado, com específica normatização fiscal e tributária, considerando a importância estratégica que assumem ao contribuir para desenvolver uma tecnologia própria, trazendo maior independência para fazer frente aos interesses estrangeiros. A Logística Nacional é, por conseguinte, reforçada com os avanços na ciência, tecnologia e inovação, pois a provisão dos meios necessários à defesa torna-se mais acessíveis e eficientes. É bem verdade que a garantia da paz encontra-se no poder de dissuasão infligido às demais nações, que a obtenção desse poder passa por uma logística nacional de defesa bem-estruturada e permanentemente apta ao pronto emprego. O Brasil assume, na atualidade, uma condição natural de liderança entre os países que formam a América Latina, e se pretende consolidar, a cada dia, essa conquista, deve investir em Ciência, Tecnologia e Inovação, uma vez que tal investimento se revela de importância fundamental como ação estratégica para conquistar e manter posição de destaque entre os demais. Pelo exposto, pode-se asseverar que a invencibilidade de um país está na garantia da soberania nacional, através do processo contínuo do exercício da defesa nacional. 50 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

52 A Logística Nacional, a Defesa, a Ciência-Tecnologia e Inovação Referências ALVES, Carlos Frederico Estrada. Ciência, tecnologia e inovação da defesa e o desenvolvimento nacional. Rio de Janeiro: ESG, BRANDÃO, Mauricio Pazini. Ciência, tecnologia e inovação e a defesa nacional. In: SEMINÁRIOS TEMÁTICOS PARA A CONFERÊNCIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO, 3., jun. 2005, Brasília. Anais... Brasília: MCT, BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de ed. São Paulo: Saraiva, Medida provisória n.º 544, de 29 de setembro de Estabelece normas especiais para as compras, as contratações de produtos, de sistemas de defesa, e de desenvolvimento de produtos e de sistemas de defesa, e dispõe sobre regras de incentivo à área estratégica de defesa e dá outras providências. Disponível em: Decreto nº 6.703, de 18 de dezembro de Aprova a Estratégia Nacional de Defesa, e dá outras providências. Disponível em: WWW. Planalto.gov. br/ccivil_03/_.../2008/decreto/d6703. CARMO, Ricardo Torga do. Sistemas de C&T&I para a defesa nacional. Rio de Janeiro:. ESG, ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Manual Básico: assuntos específicos. Rio de Janeiro, v.2. MARINHA Real Britânica. Jane s Defence Weekly, Reino Unido, 3 ago Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/marinha_real_brit%c3%a2nica> Acesso em: 12 set SILVA, Júlio Sérgio Dolce da. Ciencia, tecnologia e inovação da defesa nacional. Rio de Janeiro, TEIXEIRA, Mario Marcio Ramos. A política de ciência e tecnologia e sua contribuição na defesa nacional. Rio de Janeiro, TZUN, Sun. A arte da guerra. Tradução de Sueli Barros Cassal. Porto Alegre: L&PM, VIDAL, J.W Bautista. O esfacelamento da nação. 2. ed.. Petrópolis: Vozes Dialética dos trópicos. 1. ed. Porto Alegre: Instituto do Sol Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

53 Nauber Nunes do Nascimento LOGÍSTICA, MOBILIZAÇÃO E REGULAÇÃO DE TRANSPORTES: ESTUDO DE CONCEITOS E PERSPECTIVAS PARA OS JOGOS OLÍMPICOS/COPA DO MUNDO RIO 2014/2016 Nauber Nunes do Nascimento Especialista em Transportes Terrestres da Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo A gestão civil e militar da logística constitui um conhecimento de imprescindível importância para a adequada implementação da mobilização, nos moldes definidos pelo ordenamento jurídico brasileiro vigente. A logística é parte integrante da mobilização e a suporta com a abrangência dada pela medida do desenvolvimento do país. O desenvolvimento das nações modernas passa necessariamente pela atuação do setor privado, posto que os governos comprometidos com a eficiência utilizam a regulação como instrumento de garantia do cumprimento dos contratos e indutor do engajamento dessas organizações em ações de mobilização. É o caso do setor de Transportes que, com a crescente inclusão do capital privado, demanda cada vez mais a adoção de instrumentos de regulação. Todos estes elementos estão presentes quando da organização de um megaevento, como está previsto ocorrer nos próximos anos no Brasil. A capacidade de mobilizar-se nessas ocasiões, pode servir como indicador da capacidade do país, na ampliação do Poder Nacional, frente a uma real situação de conflito armado. Palavras-chave: Logística; Mobilização; Regulação; Megaeventos. 1 INTRODUÇÃO Qualquer que seja a atividade, necessita de logística para atingir seu objetivo, supondo que seja realizada por um conjunto de pessoas que se propõe a algum objetivo possível e racional. Se esta atividade acontece no âmbito de uma organização civil, então demandará o que se chama de logística empresarial. Logística empresarial, tal como se conhece hoje, é um conceito oriundo da logística militar. Tanto o conceito de logística empresarial como o conceito de logística militar tem sofrido, com o tempo, correções e ajustes na sua concepção, sobretudo, quando de sua aplicação em realidades específicas, inclusive na realidade brasileira. O modelo e explicações correntes de logística, em grande parte retirados da literatura técnica dos Estados 52 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

54 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 Unidos, muitas vezes não são aderentes à realidade em que vive o país. No Brasil, a logística pode até ser considerada o conjunto de todas as atividades da área meio das empresas. Na outra ponta, ainda há quem confunda a logística com transporte. Estão todos certos? Estão todos errados? Não se sabe. No entanto, como em qualquer ciência social, deve-se estar atentos aos conceitos utilizados, para que se possa construir uma ideia coerente da realidade. Em se tratando de logística, obviamente, os gestores operacionais, tanto civis como militares, são obrigados a enxergar os problemas logísticos sob ângulos distintos, mas certamente concordando quanto ao seu objetivo principal: é fundamental tornar disponível os produtos e serviços no local onde são necessários, no momento em que são desejados. Esta divergência de abordagem dos gestores militares e civis da logística, com convergência de propósitos, ocorre também em relação a outros conceitos, como mobilização e regulação, por exemplo. A mobilização, em princípio e por princípio, requer urgência, posto que a mobilização nacional só ocorra em ocasiões de extrema necessidade. A mobilização requer, também, a integração dos diversos setores da sociedade em prol do aumento da Força Nacional, complementando a capacidade já instalada. Já a regulação é uma novidade para a maioria das empresas brasileiras. Há certa dificuldade para a academia e para o setor produtivo compreender o que é regulação, posto que sua implementação ocorresse apenas na última década do século passado. E o que logística mobilização e regulação têm em comum? Este artigo busca refletir sobre esses conceitos e propor uma integração entre eles. Assim, primeiramente serão analisadas as diferentes abordagens do conceito de logística, distinguindo-se entre logística empresarial e logística militar. Em seguida, será abordado o termo mobilização, também com sua dupla vertente, civil e militar, tratando-se de deduzir as várias implicações que a mobilização sugere aos profissionais de Defesa e à sociedade civil. Como não é possível tratar de mobilização civil sem abordar a regulação de setores privatizados importantes para o Poder Nacional, este assunto será analisado sob a ótica de seu agente, ou seja, uma agência reguladora. A ideia é discutir o papel que corresponde à Regulação, em especial à ligada aos Transportes Terrestres, no contexto da Logística e Mobilização Nacional. Por fim, o assunto será contextualizado, lançando foco na realização de um megaevento como um estudo de caso que, por maior exposição ao risco e pela existência de ameaças, há maior possibilidade teórica de mobilização. 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 Definição de Logística Considerando que o mais importante para se atingir um objetivo é ter bem claro o fim e dispor dos meios, então logística está perto de ser quase tudo. Assim Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

55 Nauber Nunes do Nascimento que se nasce, há a percepção evidente da necessidade da logística para suprir nossas primeiras necessidades: alimento e abrigo. Ambos eram fornecidos sem problemas. Deste dia em diante, funções logísticas como transporte (nosso até a fonte de calor ou vice versa), estoque (reserva de leite materno) e informações relativas às necessidades (nosso choro), farão parte de nossas vidas, mesmo que não seja perceptível. Neste caso, sua aplicação é tão íntima à natureza humana que é quase instintiva. Para fins de estudo, o importante é saber que a logística reúne todos os meios para atingir o fim desejado. A logística, então, assume várias formas de ser compreendida e aplicada, posto que não configure um procedimento, mas é mais bem-entendida como um processo ou um ambiente de execução das atividades de acordo com uma sequência de instruções - uma concepção taylorista 36, prescritiva e normativa. Logística, então, pode ser confundida com a própria administração do negócio, posto que lance mão das principais ferramentas administrativas (planejamento, controle, coordenação, comando, organização) para que seja possível viabilizar a ação. Faz melhor logística quem muito pratica e aprende com seus erros, como um processo de melhoria contínua. Obviamente, a primeira etapa da gestão logística, como todo primeiro passo de qualquer atividade que deseja ser bem-sucedida, é executar as ações de planejamento. O planejamento requer um esquema, um programa de previsão, um projeto, um arranjo sistemático de elementos em busca de um benefício. Quanto maior a cultura de um país ou de uma organização que favoreça o planejamento, mais eficiente será sua logística. Esta cultura deve favorecer uma contextualização realista dos problemas por meio de um coerente diagnóstico, uma clara política (definição do que fazer), uma exequível estratégia (como fazer) que favoreçam uma eficiente gestão. O segundo passo é a implementação, ou seja, a capacidade de executar os planos elaborados e verificar se sua execução foi realizada de acordo com o previsto. Neste sentido, o sucesso de uma atividade-fim não é garantia da eficácia da logística, mas uma logística ineficaz, com certeza, contribuirá para que a atividade pretendida não atinja seu objetivo. Logística eficaz é, grosso modo, ter os recursos necessários no local certo e na hora certa. A eficácia deve ser constante, os insumos devem estar sempre disponíveis quando requeridos, e não uma vez ou outra, e sempre dentro das expectativas de quem os requereu. Logística supõe também um sistema de informações que possa dar essa certeza. 36 Frederick Winslow Taylor ( ) é considerado o Pai da Administração Científica por propor a utilização de métodos científicos cartesianos na administração de empresas. Seu foco era a eficiência e eficácia operacional. Trouxe contribuições em relação ao desenvolvimento da Administração Científica, que consiste em propor uma forma de alcançar resultados dividindo tarefas mais complexas em operações menores e progressivas. Para Taylor, sempre há uma melhor forma de executar determinada atividade. 54 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

56 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/ Diferenciação entre Logística Militar e Logística Empresarial É possível unificar, conceitualmente, para fins de compreensão, a concepção militar de logística e a abordagem empresarial da logística. No primeiro momento, parecem disciplinas distintas, pois enquanto a primeira é de uso eventual e de grande intensidade (batalhas e guerras devem ser ganhas o mais rapidamente possível), a logística empresarial aproxima-se dos conceitos de gestão contínua abordados anteriormente. Segundo essa intensidade, o ambiente no qual se executa as ações de logística determina a diferença de concepções. Na guerra, a falha significa perder a vida ou o território. Na empresa, significa perder mercado ou o emprego. A logística militar reconhece a urgência das operações e não admite ausência. Se não há estradas ou pontes que viabilizem o transporte até o campo de batalha, que se construa; se não há soldados preparados, que se convoque e se treine; se o equipamento falhar, que se conserte; se houver feridos, que se cure e assim por diante. A logística empresarial, por outro lado, irá focar sua atenção no custo, viabilizando ou não suas operações em função da possibilidade de manter um nível de serviço dentro da exigência do cliente e economicamente lucrativo. É importante salientar que as concepções militar e empresarial de logística não são, de forma alguma, excludentes. Pelo contrário, a primeira inclui a segunda e a segunda, por sua vez, dá sentido econômico à primeira. Tanto a logística militar quanto a logística empresarial devem ser estudadas por meio das funções. Funções são áreas de preocupação que todo gestor logístico deve ter no momento de realizar os planos de operação de suporte das operações. O gestor da logística militar tem mais aspectos a considerar no seu planejamento e, por esse motivo, a logística militar é mais abrangente que a logística empresarial. Considera-se no Brasil 37 as seguintes funções da logística militar: engenharia, transporte, manutenção, saúde, salvamento, suprimento e pessoal. As funções (áreas de cobertura) da logística empresarial são apenas quatro: nível de serviço, transporte, estoque e informações do serviço. A logística militar é tudo, menos o combate; a logística empresarial é focada no suprimento físico de materiais ao menor custo possível. Doravante, neste texto, a logística será tratada como a concepção militar, deixando de lado a abordagem empresarial da logística. A logística militar, que é o conjunto de ações militares voltadas para a defesa, consiste, portanto, em todas as ações militares atuais. A explicação disso é que, considerando que em tempos de paz não há combate armado, todas as atividades militares, atualmente, podem ser consideradas atividades logísticas, segundo a concepção militar de logística. 37 Cada país tem uma concepção de logística militar diferente. Na prática, querem dizer a mesma coisa. Por exemplo, para a doutrina militar dos Estados Unidos (FM 100-5), as funções são: Pessoal, Armamento, Suprimento de combustível, Conserto de materiais, Movimentação e Manutenção do poder operativo do pessoal e seus sistemas de combate. (Para mais informações, vide:) Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

57 Nauber Nunes do Nascimento A história dos conflitos armados, contudo, informa que quando ocorrem, não somente os militares são envolvidos, mas toda a nação. E se o conflito assim exigir, este envolvimento organizado da sociedade é chamado de mobilização. 2.3 Definição de Mobilização A mobilização é um instrumento de gestão, empregado para a realização de uma atividade específica que, por ser especial, requer capacidades ampliadas para fazer frente às necessidades de momento. A mobilização pode ser feita com os recursos existentes, direcionando toda a força existente para um determinado fim, unificando todos os esforços em um único foco. A outra forma de considerar uma mobilização é a gestão do aumento da capacidade operacional, por meio do incremento dos recursos disponíveis para a realização de uma tarefa, geralmente oferecida por aqueles que, embora não pertençam à organização, não têm interesse em ver os esforços da organização falharem. De qualquer forma que se considere a mobilização, seu emprego deve ser utilizado cuidadosamente porque se supõe que outras atividades menos importantes deixem de ser realizadas em favor da concentração de energias na realização da atividade principal. Em termos militares, significa que a capacidade de fazer frente a um inimigo requer o recebimento de recursos da sociedade civil. A soma da capacidade logística instalada com a possível capacidade de mobilização informa o poder militar daquela nação. Para qualquer país, a necessidade do uso da mobilização está na razão direta do tamanho da ameaça e na razão inversa do tamanho da capacidade logística existente. Por este princípio é até mesmo possível identificar as nações que possuem maior capacidade logística (Estados Unidos, como maior expoente). Também se podem identificar as nações que possuem maior capacidade de mobilização (Israel, como maior expoente) Implicações que a mobilização sugere aos profissionais de defesa e à sociedade civil Assim, considerando o que foi exposto no item anterior, caso ocorra uma ameaça externa que exija, para fazer frente a ela, uma capacidade maior que a logística existente, a sociedade deverá ser mobilizada. Se necessário for, a população brasileira, a indústria e demais setores estarão prontos para responder, dentro de suas capacidades e de um arcabouço jurídico já bem-definido 38. Mas a mobilização não está circunscrita aos militares, por contar com a sociedade civil no esforço de guerra. A sociedade também pode mobilizar as forças militares para fins civis. 38 Ver Dec. Lei 5484/2005; Dec. Lei 6703/2008; Dec. Lei 7294/2010; Dec. Lei 6592/2008 e Lei 11631/2008 que tratam do tema Mobilização, dando ao Estado Brasileiro subsídios jurídicos para realizar a Mobilização conforme estabelece a Constituição Federal. 56 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

58 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 Este último caso é aplicável porque atualmente existem outras ameaças que estão fora do ambiente normal da contribuição militar à nação brasileira 39. Citam-se, como exemplos, furacões, tornados, terremotos, enchentes, trombas d água, manifestação de endemias ou pandemias etc. Existem, até mesmo, circunstâncias que não são propriamente uma ameaça, mas que podem demandar um esforço concentrado da sociedade para fazer frente aos objetivos, como Jogos Olímpicos, Reunião de Chefes de Estado, Copa do Mundo, Encontro Mundial da Juventude etc. Para todos estes casos, a mobilização do poder militar é imprescindível. No caso da mobilização militar, a idéia é inversa: se a logística militar não é capaz de suportar, sozinha, o desafio que se impõe, é necessário apoio da sociedade civil. E vice-versa: se a sociedade civil não é capaz de responder a uma situação aguda, é necessária a convocação do poder militar. Nesta última, há uma nuance: lançar mão da capacidade de organização (leiam-se condições de ser mais eficiente em ambiente estressante) do militar é tão ou mais importante que a própria mão de obra militar. E na história recente do Brasil, os militares foram mais mobilizados para atender às necessidades da sociedade frente a problemas civis, que os civis mobilizados para atender às necessidades militares. 40 E sempre que a força militar foi acionada, sempre correspondeu ao esperado dela, gerando um ambiente de confiança da sociedade. Mas esta realidade de confiança da população em suas Forças Armadas no apoio às suas necessidades, aliado ao crescente desinteresse geral pelas questões de defesa, sugerem eventuais dificuldades de mobilização da sociedade, caso seja necessária. Um exemplo de dificuldade atual é o debate sobre a obrigatoriedade do alistamento militar. Perde-se a cada dia a noção de que Defesa Nacional não pode ser assunto somente de militares, mas de toda a nação. Por esse motivo, a mobilização, pelo conceito militar, é proposta em duas fases: preparo e execução. Não há adequada execução da mobilização, se não houver um adequado preparo prévio. 39 A lista, não exaustiva, considera as contribuições dos militares e contempla circunstâncias de paz e de guerra: 1. Monitoramento das fronteiras, do litoral e do território, incluindo espaço aéreo, em circunstâncias de paz com poder de polícia; 2. Penetração das fronteiras ou abordagem do litoral por uma força paramilitar com a ajuda velada ou a complacência de um Estado fronteiriço ou com engajamento aberto de Estado fronteiriço; 3. Guerra contra forças muito superiores na Amazônia; 4. Guerra em outra região do mundo, ultrapassando os limites de uma guerra regional controlada, com emprego efetivo ou potencial de armamento nuclear; 5. Participação do Brasil em Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas; 6. Participação em operações internas em garantia da lei e da ordem. 40 As principais mobilizações militares em face de agressões externas foram para a Guerra do Paraguai, para a força Expedicionária Brasileira na Segunda Guerra Mundial e para compor o chamado Exército da Borracha entre os anos 1940 e (Para mais informações, vide Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

59 Nauber Nunes do Nascimento Mobilização: essencialmente fase do preparo. Não há mobilização sem uma vertente econômica O preparo da mobilização consiste em estabelecer condições possíveis para que a sua execução seja feita com o menor dispêndio de esforço possível e com a menor interferência na vida regular da sociedade. Obviamente, a eficiência do preparo da mobilização está vinculada à não necessidade de realizar sua execução. Quanto mais preparada está a nação, maior estrutura logística ela dispõe. Quanto maior estrutura logística a nação dispõe, menos necessidade terá de realizar a execução da mobilização. E quanto menor a necessidade de execução da mobilização, menor esforço deve ser empregado na preparação da mobilização, posto que, certamente, está-se tratando de país com elevado grau de desenvolvimento. Vê-se, então, que há uma relação direta entre mobilização e desenvolvimento de uma nação. Nesse caso, preparar a mobilização é, em última análise, participar ativamente do desenvolvimento. Por exemplo, faz parte da preparação de mobilização criar e disseminar uma estratégia de defesa que tenha como protagonistas não somente as Forças Armadas, mas também a sociedade civil. Neste sentido, é fundamental promover a reorganização dos investimentos na indústria de defesa nacional, a partir das diretrizes da política de defesa, de ciência e tecnologia e de proteção da propriedade industrial. Estas políticas devem convergir para a promoção dos Objetivos Nacionais, a longo prazo, a fim de que se torne cada vez menor a dependência a empresas estrangeiras, desvinculação de fundamental importância para a construção da Base Industrial de Defesa no Brasil. É igualmente importante para o desenvolvimento socioeconômico da nação, posto que estas empresas se proponham a produzir produtos duais, ou seja, bens de consumo civil em tempos de paz que podem facilmente ser convertidos em equipamentos militares, em caso de mobilização. Preparar a mobilização, neste caso, seria fomentar a participação do capital privado no surgimento de novas estruturas produtivas tendo, como núcleo, empresas nacionais de grande porte, contribuindo, assim, para a organização de empresas menores, além de atrair centros de pesquisa, favorecendo a formação de um ambiente propício à inovação. Como resultado, cria-se uma Base Industrial de Defesa que pode apresentar benefícios econômicos fundamentais para o País, como os ganhos em termos de balanço de pagamentos, que aparecem na forma de economia de divisas e exportação de equipamentos. Conclui-se, portanto, que a preparação da mobilização militar nada mais é do que engajar os responsáveis pela área de defesa em um engajamento maior, em favor do desenvolvimento, porque não há como implementar uma estratégia de defesa sem crescimento econômico, inclusão social e uma busca de melhoria contínua da capacidade de gestão do Estado. Como será visto adiante, todos esses fatores estão presentes na organização de um grande evento esportivo, por exemplo. 58 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

60 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 Historicamente, observa-se que as Forças Armadas sempre foram participantes deste esforço de desenvolvimento 41, desempenhando atualmente um papel importante e essencial quando cada vez mais participa de atividades, como controle do tráfego aéreo civil, o pronto-serviço de busca e salvamento, apoio às forças auxiliares em operações de segurança interna, o levantamento cartográfico de rios navegáveis e da plataforma continental brasileira, o treinamento do pessoal da Marinha Mercante, na preparação de reservistas capacitando-os em profissões técnicas civis, o transporte aéreo de doentes e órgãos para transplante, o trabalho de navios-hospitais na Amazônia brasileira, a distribuição de alimentos a comunidades carentes, além de projetos na área aeroespacial, nuclear, cibernética, na construção de açudes, ferrovias e rodovias, e gestão do programa antártico brasileiro, entre outros. A área de defesa tem participado de ações que visam ao desenvolvimento da nação. As Forças Armadas concentram seus esforços: a) na proteção de fronteiras, estimulando o desenvolvimento da infraestrutura das cidades limítrofes a outros Estados e o patrulhamento contra a pirataria e o tráfico de drogas; b) na redução da violência interna, criando um ambiente de ordem e justiça; c) na capacitação do conscrito para a consciência de cidadania, para o esporte, na sua capacitação através da educação e da inovação; d) na engenharia civil, construindo nos locais pelos quais a iniciativa privada não tem interesse; e) na aviação civil e na marinha mercante, pela facilitação dos transportes, reduzindo o custo Brasil. Essas ações são mais evidentes quando a nação solicita uma conjunção de esforços, como no caso da realização dos Jogos Olímpicos e da Copa do Mundo. Convém ressaltar que, embora extremamente relevantes para o desenvolvimento da nação, algumas dessas ações constituem desvio de sua função básica, enfraquecendo a capacidade de fazer valer o poder de dissuasão esperado pela força militar. Tal diretriz no preparo da mobilização contribui para solucionar duas grandes dificuldades dos órgãos governamentais, e das Forças Armadas, em particular: crescente isolamento em relação à sociedade ( Afinal, para que servem as Forças Armadas? perguntam-se muitos) e a redução contínua do orçamento. Ao adotar como diretriz ações desenvolvimentistas justifica-se a sua existência e importância das Organizações Militares no cenário pós Guerra-Fria. Neste cenário moderno, é cada vez menor a probabilidade de guerra convencional, substituída pela guerra tecnológica ou de guerra assimétrica (terrorismo). Assim, atividades de integração com os planos de desenvolvimento governamentais, abrem a possibilidade de receber parte do orçamento hoje destinado ao Ministério da Justiça, ao Ministério da Saúde, ao Ministério da Educação, dos Transportes, da Ciência e Tecnologia, dos 41 Para mais detalhes, recomenda-se a leitura do seguinte artigo: D ARAÚJO, Maria Celina. Forças armadas e desenvolvimento econômico e social. In: XXIX International Congress of the Latin American Studies, 2010, Toronto. Área LASA 2010 Congress Paper Archive, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

61 Nauber Nunes do Nascimento Esportes etc., para a realização das atividades, emprestando a cada uma dessas ações a reserva moral típica de uma organização militar e a conduta pessoal irrepreensível que configuram a imagem clássica das Forças Armadas, de Norte a Sul do país. A mobilização, se não for vista como um fomento ao desenvolvimento corre o risco de ser apenas uma carta de boas intenções, entre tantas existentes no Brasil, que jamais saem do papel. Por esse motivo, é altamente recomendável que os assuntos de mobilização para defesa sejam geridos por duas esferas: a) a Casa Civil que deveria ser encarregada da preparação da mobilização, posto que, por ser multidisciplinar, requer uma coordenação semelhante ao PAC 42 e b) o Ministério da Defesa que ficaria encarregado da execução da mobilização. Outra vertente da preparação da mobilização é o mapeamento dos recursos civis, que poderão ser empregados em caso de conflito armado. Tais recursos, em sua maioria, estão sob a responsabilidade de entes privados, que operam suas estruturas voltadas ao lucro, como não poderia deixar de ser numa economia de mercado. Setores como energia, saúde, telecomunicações e transporte são exemplos. No caso do setor de transporte, não é concebível imaginar um esforço de mobilização sem contar com vias e equipamentos para os modos terrestre, marítimo, aéreo e ferroviário, hoje, praticamente todos privatizados. Neste segmento, a presença do Estado se faz por meio da regulação. Então, a regulação deve ser um instrumento efetivo da mobilização, para ser um indutor do desenvolvimento (preparação) e ser um meio para que o setor privado cumpra as determinações tendo em vista a segurança nacional (execução). 2.4 Definição de Regulação a partir da apresentação de uma Agência Reguladora de Transportes Uma Agência Reguladora de Transporte é um órgão, especialmente criado para atuar, eficientemente em um ambiente privatizado, ou seja, de crescente complexidade técnica, de aumento do número de participantes, dos conflitos de interesses e que, por estas características, requer arbitragem e coordenação com outros órgãos governamentais. Cabe a ela realizar constantemente diagnóstico do setor, preocupando-se, permanentemente com a matriz de transporte de carga e passageiros, com os ofertantes e demandantes dos serviços. O setor de transporte é um setor particularmente difícil de ser regulado, de acordo com o interesse público. Sempre a iniciativa privada esteve presente neste setor e o governo tem tido muita 42 O Programa de Aceleração do Crescimento (mais conhecido como PAC) prevê investimentos totais de R$ 503,9 bilhões até 2010 (PAC 1, lançado em 2007) e R$ 1,59 trilhão (PAC 2, lançado em 2010) nas áreas de transportes, energia, cultura, meio ambiente, saúde, área social, habitação e em projetos, como Cidade Melhor, Comunidade Cidadã, Minha Casa, Minha Vida, Água e Luz para todos, entre outros. 60 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

62 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 dificuldade em lidar com o problema regulatório central que surge nos transportes: a mistura de elementos competitivos e monopolísticos na oferta dos serviços. Como fazer para que o capital privado atue conforme os interesses da sociedade e da nação (inclusive as preocupações com a defesa), já que muitas vezes nem mesmo o empresariado brasileiro tem poder de decisão? 43 Apesar de difícil a atuação do Estado nesse setor, cada vez mais os agentes públicos e privados se dão conta da importância de um disciplinamento do setor rodoviário, com a implementação de mecanismos regulatórios que permitam adequar a oferta e a demanda do transporte e que definam parâmetros operacionais mínimos, resultando na diminuição da informalidade, na melhoria das condições de segurança e do aproveitamento energético dos recursos. Tendo em vista a existência de falhas de mercado e desvio dos objetivos sociais da concessão, autorização ou permissão do serviço ou infraestrutura pública para o lucro puro e simples, o instrumento da regulação é imprescindível. Na presença de falhas, os mercados não fornecem sinais suficientes para garantir escolhas adequadas, que levem ao equilíbrio entre ofertantes e demandantes por um lado, e que sua operação seja de elevado custo social, dissociado dos objetivos nacionais, por outro. O grande desafio para a regulamentação é encontrar o ponto ótimo que viabilize a lucratividade e, portanto, a manutenção da operação e do investimento das empresas. Assim, desonera-se o Estado para aplicar o seu orçamento em outras prioridades. E tão importante quanto viabilizar o negócio, é o desafio para a regulamentação zelar para que as empresas reguladas alcancem parâmetros aceitáveis de bem-estar da sociedade, na forma de disponibilidade de bens e serviços de qualidade, a preços razoáveis, sempre com a atenção aos requisitos de segurança e defesa nacionais, posto que desenvolvimento e segurança andem juntos. Em outras palavras, é também desafio das agências reguladoras prepararem as empresas reguladas para as ações de mobilização nacional. Percebe-se que, no Brasil, as maiorias dos setores empresariais alavancaram seu desenvolvimento graças ao apoio do Governo, que ora o protege, ora o subsidia. A estreita ligação desses setores com o Estado pode impedir que as 43 Por exemplo: A OHL Brasil S.A. é uma das maiores companhias do setor de concessões de rodovias do Brasil em quilômetros administrados, com km em operação. Através de suas nove concessionárias, a OHL Brasil administra rodovias localizadas nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Paraná. Atualmente, detém 100% do capital das seguintes concessões estaduais: Autovias, Centrovias, Intervias e Vianorte; e das concessões federais: Autopista Fernão Dias, Autopista Regis Bittencourt, Autopista Litoral Sul, Autopista Planalto Sul e Autopista Fluminense. A Companhia é uma empresa brasileira com 60,0% do seu controle detido pela OHL Concesiones, além de ser acionista majoritária da OHL Brasil, administra diversas sociedades concessionárias de rodovias na Espanha, Chile, Peru, México e Argentina. A OHL Concesiones é subsidiária integral da OHL S.A. empresa espanhola do setor de construção e concessão e uma das líderes desses setores. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

63 Nauber Nunes do Nascimento Agências Reguladoras tenham a autonomia necessária para regular o setor. E regulação é aqui entendida como a capacidade de ditar normas específicas e fiscalizar seu cumprimento. Se o Estado Brasileiro quer que as empresas privadas tenham preocupação com a Defesa Nacional, suas agências reguladoras devem adotar uma atitude independente e isenta voltada para os interesses nacionais. Preparar uma ferrovia ou uma rodovia para que possa transitar um tanque de guerra de 60 t significa custo e esta despesa tem que constar na regra da concessão e ser internalizada pela organização privada, via ação governamental mais direta e constante de fiscalização. Estas eventuais demandas por segurança têm como consequência a redução das margens de lucro das empresas, que farão pressão no Governo no sentido de transferir para a tarifa cobrada ao usuário este custo suplementar. Existe, portanto, uma grande pressão do Governo e da Sociedade sobre empresas para que melhorem seus resultados, quer seja nos aspectos econômicos, quer seja nos aspectos de segurança, em respeito ao meio ambiente ou no melhor aproveitamento dos recursos energéticos empregados. As empresas exercem por sua vez pressão para que todos estes custos sejam pagos pela própria sociedade, salvaguardando sua margem de lucro e viabilizando assim seu negócio. É neste ambiente que as Agências Reguladoras funcionam como um poder atento às diretrizes de Governo, às necessidades da Sociedade e capacidade financeira das empresas, julgando oportunos ou não os movimentos destes três entes, zelando pela harmonização dos interesses de todos, inclusive quanto aos assuntos de mobilização. A regulação, portanto, desempenha função primordial, ao buscar reproduzir as condições de competição, para que os consumidores tenham acesso a produtos e serviços com qualidade e os níveis de preços que obteriam em um ambiente competitivo. A ação regulatória costuma se concentrar em três pontos: preços, qualidade e condições de entrada e saída. Os principais objetivos da regulação são: a) garantir simultaneamente preços baixos e elevados níveis de produção; b) resolver as tensões entre os três entes (Governo, Sociedade e Empresas); e c) incorporar mecanismos de indução à eficiência do mercado. O conjunto de medidas implementadas pelo órgão regulador é chamado de marco regulatório. O marco regulatório nos transportes se caracteriza por promover a concorrência onde seja possível de se reproduzir as condições de competição, de forma que os consumidores tenham acesso a produtos e serviços com qualidade e nível de preços que obteriam em um ambiente competitivo. Por exemplo, o marco regulatório no setor rodoviário tem sido alcançado por meio da implementação de mecanismos regulatórios que permitam adequar a oferta e a demanda do transporte de carga e que definam parâmetros operacionais mínimos, resultando na diminuição da informalidade, na melhora das condições de segurança e do aproveitamento energético dos recursos. 62 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

64 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 Cabe também às agências reguladoras a prestação de contas à sociedade (accountability), transparência do conteúdo e do processo de tomada de decisões, no que se refere à definição dos parâmetros para o setor como, por exemplo, a preocupação com a segurança nacional e a mobilização. Desta forma, se tais conceitos de Defesa não estiverem muito claros para a Agência Reguladora e para o público, não será razoável esperar que sejam implementadas obrigações para as empresas a fim de que facilitem a Mobilização, sobretudo na sua fase de execução. De fato, da análise de todo o marco regulatório da regulação de transportes terrestre atualmente vigente, não há em nenhum momento a menção às palavras defesa ou mobilização. 44 Este exemplo mostra que as agências reguladoras existentes precisam aperfeiçoar seus mecanismos de relação com a sociedade. Em especial, é importante que sejam propostos para consultas, audiências e sessões públicas assuntos de relevância nacional, como defesa. As seções abertas tendem hoje a ser muito mais processos formais de autojustificação do que de interação constante e efetiva com indivíduos, entidades, associações e outros órgãos de governo (Ministério da Defesa) que não tenham interesse econômico direto na área regulada. 2.5 Papel que corresponde à regulação em especial A ligada aos transportes terrestres, no contexto da logística e mobilização acional A Mobilização Nacional, aplicável a um caso concreto, efetivamente deve utilizar-se da Regulação de Transporte e Logística Nacional existente, e se houver a necessidade de mobilização geral, esta necessidade torna-se mais aguda. Em locais onde cada vez é menor a presença do Estado na área de transportes, a regulação dos agentes privados se reveste de suma importância para potencializar as capacidades de logística e de mobilização. Um dos aspectos relevantes para a mobilização na área de transportes terrestres, no que se refere à fase de preparo, e, consequentemente, ao desenvolvimento do país, é o combate a um inimigo muito poderoso que causa constantemente sério dano à sociedade: o trânsito. O trânsito brasileiro mata anualmente mais do que qualquer guerra convencional moderna. Enquanto cerca de 2500 soldados norte-americanos morreram em dois anos de ocupação no Iraque, o trânsito no Brasil matou 14 mil pessoas somente no primeiro semestre de Em 2010, cerca de 35 mil pessoas perderam a vida no trânsito nas estradas e nas cidades, considerando apenas os que morreram no local do acidente. Acrescentando a este 44 Todas as Resoluções da Agência Nacional de Transportes Terrestres que disciplinam o setor de transporte rodoviário e ferroviário de cargas e passageiros podem ser encontradas no seguinte endereço: Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

65 Nauber Nunes do Nascimento quadro, a elevadíssima carga tributária 45 a que toda a sociedade está submetida, então se tem uma situação intolerável de segurança pública. Esta mobilização não é a mobilização militar, por suposto, mas sua execução poderia ser realizada utilizando o mesmo mecanismo jurídico já criado para fazer frente a uma ameaça externa. Com a coordenação do Ministério da Defesa, todas as demais áreas devem contribuir para dar combate a este inimigo urbano, mas ao mesmo tempo poderoso, que ceifa principalmente a vida daqueles na idade de maior produtividade, sem contar com os prejuízos financeiros e materiais. Neste exemplo, a regulação da área de transportes pode criar normas e resoluções que obriguem as empresas a utilizarem seus recursos para contribuir na mobilização geral de redução do número de acidentes. Um exemplo mais recente foram os eventos naturais na serra de Teresópolis, quando na madrugada do dia 11 para o dia 12 de janeiro deste ano, choveu mais de 200 mm, o dobro do esperado para todo o mês. As principais rodovias que servem àquela região são privatizadas, o que quer dizer que está sob responsabilidade da agência reguladora, a ANTT. Sendo assim, para que as empresas concessionárias de infraestrutura rodoviária contribuam com este esforço de mobilização, é necessário que haja a previsão dessa solicitação no contrato de concessão. Assim, torna-se possível a operação conjunta com as Forças Armadas, Defesa Civil e Corpo de Bombeiros no mutirão organizado para atendimento às vítimas, sempre que houver ocorrência de catástrofe semelhante. Ressalta-se, nesse caso, o desvio de função das Forças Armadas, embora tenha sido de grande importância o seu emprego. As Agências Reguladoras, assim como boa parte dos órgãos de gestão pública que tratam dos serviços e da infraestrutura mobilizável, devem aprender com toda a experiência de mobilização das Forças Armadas, sempre presente todas as vezes que foram solicitadas pela sociedade. Uma pronta resposta à mobilização depende de uma adequada organização da estrutura já existente. Não se alcança um nível de mobilização desejado em um ambiente de baixa organização, e os recentes fatos acontecidos no Japão comprovam 46. No Brasil, não há dúvida que as Forças Armadas, que sempre estão prontas para a mobilização e em constante treinamento, são uma das instituições mais capacitadas e organizadas para dar o exemplo de como deve ser uma mobilização com ordem e eficácia. Esta performance foi recentemente 45 Principais impostos brasileiros: Incidentes sobre renda, Imposto de Renda e Contribuição Social, PIS, Cofins, IPI, ICMS, ISS, IOF, Cide, IPTU, ITCMD, ITBI, ITR, IPVA e contribuição ao INSS e afins (assim entendidas as várias contribuições para o sistema S acrescidas do SAT, e o salário educação), e as taxas federais, estaduais e municipais instituídas. 46 Em 11 de março de 2011, um terremoto de 8,9 graus de magnitude na escala de Richter atingiu o Japão.Em meio à tragédia, a mobilização e o comportamento da população chamou a atenção de todos. O desespero não dominou, não houve saques aos supermercados, não houve preço abusivo da água, nem brigas no recebimento dos donativos. Ao contrário, houve ordem e união de esforços. Parecia que já estariam preparados para situações assim. Desde a infância as pessoas recebem treinamentos para tais circunstâncias. Aprenderam a lidar com as situações adversas. 64 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

66 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 verificada quando da realização dos Jogos Pan-Americanos e é razoável propor mobilização similar na realização dos próximos megaeventos que ocorrerão no Rio de Janeiro. 2.6 Estudo de caso: realização de um megaevento no Rio de Janeiro - exposição ao risco; possibilidade da mobilização Até o momento, foi visto que logística, seja na sua concepção militar, seja na sua concepção civil, é uma componente da mobilização dos diversos setores da sociedade para fazer frente a uma ameaça. A logística instalada, por sua vez, corresponde ao grau de desenvolvimento de uma nação. Na sociedade moderna, o papel do Estado está em contínua revisão e aprimoramento. Observa-se, atualmente, uma tendência de deixar que a iniciativa privada tome conta de certos produtos e serviços e que eles sejam controlados pelo instrumento da regulação. Tais atividades econômicas são relevantes para a mobilização, mas não fazem parte das funções elementares de um país 47, como a construção e conservação de estradas, prestação de serviços de telecomunicações, geração e distribuição de energia elétrica, serviços de saúde, abastecimento, combustíveis, etc. Surge daí a figura das organizações estatais que irão regular estas atividades, as agências reguladoras. Quanto maior preparação e consciência do seu papel de preparação da mobilização por parte da gestão dessas agências, maior será a possibilidade de fazer efetiva a execução desta mobilização caso seja necessário. Não há outro caminho para uma eficiente mobilização que não seja uma integração entre os agentes responsáveis pelo desenvolvimento (leia-se: fase de preparação da mobilização). Já foi dito que a regulação, a logística e a mobilização não são fins em si mesmos. Regulação, logística e mobilização são instrumentos que os Estados organizados utilizam para atingir o desenvolvimento com segurança ou, melhor dito, cria um ambiente seguro que favoreça o crescimento. Quanto mais desenvolvido, maior capacidade de mobilização tem o país. É importante salientar que as condições que favorecem o crescimento são as mesmas que ampliam a capacidade de mobilização, a saber: uma sólida base educacional, num ambiente de oportunidades econômicas. Mas, diriam alguns, mobilização é como um seguro; e como tal, só se sabe se realmente funciona quando se precisa dele. Como então verificar a capacidade de mobilização? Primeiramente, deve-se preocupar com o tamanho da mobilização requerida, para imaginar, por exemplo, se a nação brasileira seria capaz ou não de atender a esta necessidade. O raciocínio seria simples: quanto maior for à ameaça e maior 47 São atividades exclusivas do Estado: poder de definir, fiscalizar o cumprimento das leis do país, de impor a justiça, de manter a ordem, de defender o país, de representá-lo no exterior, de policiar, de arrecadar impostos e de regulamentar as atividades econômicas. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

67 Nauber Nunes do Nascimento for o tempo em que a ameaça pode causar dano, maior então a necessidade de mobilização. Para fins desse artigo, as ameaças podem ser separadas em três tipos: a) ameaça externa invasora, b) ameaça interna à governança do Estado, c) ameaça interna ou externa assimétrica (terrorismo, guerrilha, violência interna). No primeiro caso, considerando as características atuais da guerra moderna, a mobilização tende a ser de pouca valia ou necessidade. Caso o inimigo seja um outro país sul-americano, possivelmente não será necessária a mobilização, uma vez que a logística nacional disponível provavelmente já atenderia a necessidade de defesa nacional em pronta resposta. Caso o inimigo seja uma superpotência ou o conjunto de superpotências (interessadas nas riquezas da Amazônia, por exemplo), dada a assimetria de forças e a dependência tecnológica, provavelmente a mobilização seria uma demonstração de caráter e valor dos brasileiros, mas de pouca valia. Ampliar a capacidade de resposta a uma superpotência é um desafio, o mesmo desafio que o Brasil tem que superar para alcançar o status de país desenvolvido. Ambas as hipóteses possuem atualmente pouca aderência à realidade, embora possíveis. No segundo caso, a mobilização não só é importante como tem sido permanentemente utilizada, embora, neste caso, não seja considerada como mobilização militar 48 :quando ocorre algum dano aos recursos materiais brasileiros e à saúde da população; quando vidas humanas, fauna, flora, reservas naturais, reservas minerais, patrimônio histórico, artístico e cultural são ameaçados por desastres naturais. Estes desastres ocorrem em um ambiente em que os próprios brasileiros (daí a ameaça interna), ou por adotarem políticas equivocadas, ou por priorizarem outros interesses que não os da sociedade, ou, ainda, por dificuldade de implementar ferramentas como o planejamento, coordenação e controle, potencializam o poder destrutivo dos fenômenos naturais 49. Nestes casos, ocorre a mobilização inversa, ou seja, a sociedade civil mobiliza as forças militares. Ao considerar o histórico dos recentes eventos que mobilizaram as Forças, afirma-se que houve sempre uma resposta pronta, eficiente e organizada. Tais ocorrências sugerem também que, por outro lado, o poder público civil ainda tem, de uma forma geral, um longo caminho a percorrer no sentido de atender com qualidade e eficácia ao que a sociedade espera nestes momentos. Por exemplo, vide a reação do Estado japonês quando do recente terremoto seguido de tsunami. Há ainda outras ameaças internas que se encaixam neste modelo. Embora não causadas por fenômenos da natureza, trazem igual ou pior poder de destruição de vidas e de patrimônio, como, por exemplo, a ameaça no 48 Pela legislação vigente, para que haja mobilização militar, é necessário que exista uma ameaça externa de uma nação agressora. Ver Art. 2. do Dec. N.º 6.592, de 2/10/2008 que regulamenta o disposto na Lei no e dispõe sobre a Mobilização Nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização - SINAMOB. 49 Exemplo: Um terremoto de mesma intensidade no Haiti foi muito mais destrutivo do que na Itália; ambos aconteceram no mesmo ano. 66 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

68 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 trânsito (já comentada anteriormente), as epidemias (em especial a dengue), o desmatamento e, até mesmo, a fome. Não há dúvida de que a sociedade se mobilizaria para atender a um chamado seguro e firme para focar seus esforços para combater ou minimizar qualquer uma dessas ameaças internas, face ao potencial dano que causam e face às características do povo brasileiro, tão generoso quanto intimista. 50 No terceiro caso, a mobilização já existe e é atualmente uma constante nas Forças Armadas com foco na intervenção localizada e eficiente sempre que solicitada em substituição ou em apoio às Forças Auxiliares, embora constitua, como abordado anteriormente, um desvio de função. Alguns exemplos são o patrulhamento de fronteira, ocupação do Morro do Alemão no Rio de Janeiro, segurança nos dias de eleição, etc. Mas ainda há aquela ameaça que, embora não faça parte da história do Brasil, está cada vez mais em voga e sendo mais utilizadas por minorias e até mesmo por alguns governos ao redor do mundo: o terrorismo. Como seria a mobilização da sociedade brasileira nestes casos? É difícil prever. No entanto, pode-se inferir que a realização de um megaevento pode ser um bom indicador de performance. Quanto maior a capacidade de o Estado Brasileiro realizar eventos que demandem grandes esforços logísticos, maior será a possibilidade de sucesso desse Ente em efetivar a Mobilização Nacional caso seja convocada. E de certa forma, toda vez que se organiza um megaevento, já há um natural espírito de mobilização, de voluntarismo, de predisposição de todos a se sacrificarem por um único objetivo comum. E se há o envolvimento de todos, civis e militares, na realização desses eventos e se o resultado é uma organização eficiente, então pode-se supor que, caso haja uma ameaça externa assimétrica, haveria uma adequada mobilização nacional para fazer frente a ela. Em resumo e recuperando todo o exposto anteriormente: considerando a tarefa de realizar com efetividade eventos críticos como Copa do Mundo ou Olimpíadas: a) o grau de desenvolvimento atingido é suficiente? b) o desenvolvimento do Brasil permite afirmar que o país possui a logística adequada? c) como aspecto fundamental da logística atual, atuam eficazmente as Agências Reguladoras? Se a resposta for positiva, então também pode-se afirmar que o Brasil é capaz de atingir graus importantes de mobilização contra qualquer ameaça, seja ela interna ou externa. A forma de se mobilizar para um evento (pacífico) tende a ser a mesma forma que se mobilizaria para um conflito. É importante considerar que megaevento é uma atividade que demanda um comprometimento dos recursos em escala e escopo excepcionais, em particular com relação à construção de infraestrutura (ênfase no transporte público) e organização de espaços (por exemplo, estada e acomodação) e também em termos de operação. Por exemplo, a Olimpíada de Londres, em 2012, representa uma mobilização social 50 Conforme afirma Sérgio Buarque de Holanda em seu livro Raízes do Brasil. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

69 Nauber Nunes do Nascimento das organizações públicas e privadas sem precedentes, para receber um total de 26 diferentes modalidades em 31 tipos diferentes de competições em apenas 17 dias de competição, reunindo cerca de 204 nações, atletas, técnicos e componentes de delegações, com aproximadamente visitantes por dia de competição. Os jogos terão o policiamento feito por 15 mil agentes públicos e seguranças privados. A complexa interdependência da infraestrutura com as operações esportivas em curto espaço de tempo gera uma elevada exposição ao risco, quando comparado com eventos regulares ou campeonatos nacionais ou internacionais regulares. Megaeventos, além disso, são momentos em que ocorre a exposição de todos os tipos de falhas organizacionais e tecnológicas, combinada com a elevação do nível de ameaça de ações terroristas, incidentes diplomáticos, ações de transcendência geopolítica ou tensões nacionalistas e outros incidentes críticos. Durante a sua apresentação ao COI, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, afirmou que os eventos esportivos são veículos para chamar atenção dos problemas sociais que podem ser hospedeiros de uma eventual ameaça à boa condução desses jogos, como dito anteriormente. É uma oportunidade também para implementar meios para superar esses problemas. Os jogos são uma oportunidade de a sociedade mudar a visão e acelerar a implementação de ações de desenvolvimento, de pular etapas rumo à criação de uma logística instalada que sugere o desenvolvimento local. Aqui encaixa o relevante papel que a Regulação deve prestar. No caso, exemplos de melhoria logística (desenvolvimento) como segurança no recebimento de turistas e fortalecimento da economia local, bem como melhoria contínua da infraestrutura, via investimento privado. A preparação atual da cidade do Rio de Janeiro para a Copa do Mundo de 2014, com a construção de hotéis, vias de transporte, reforma de aeroportos, entre outros, tem caminhado neste sentido. O prefeito costuma dizer que o planejamento dos Jogos confunde-se com o planejamento da própria cidade. Se se considerar mobilização como escolha de um foco, então o Rio de Janeiro encontra-se, atualmente, em uma experiência de mobilização. No plano da mobilização social, pode-se apontar como relevantes iniciativas: criar a mobilização da sociedade organizada, através de movimentos sociais, de representantes da classe política, de organizações não governamentais e de entidades de classe, de maneira que as forças de todos colaborem em todas as áreas de atuação, visando, como se propõe na mobilização, o alcance de maiores resultados efetivos. Ao se tratar de organização civil, é importante que sejam envidados esforços no sentido de zelar para que os tomadores públicos de decisão busquem elaborar e implementar medidas para que a maior parte da população se beneficie com a realização de um megaevento, tanto social, como economicamente, como forma de minimizar os inevitáveis impactos negativos causados, sobretudo na exposição ao risco e problemas com a segurança nacional. 68 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

70 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 Na prática, esse desenvolvimento da logística e estratégia de segurança nos jogos raramente ocorre em compasso com as políticas públicas de segurança social, nacional e internacional. Estas políticas são geralmente fruto de uma soma de esforços históricos e políticos que geralmente são formuladas e implementadas na velocidade própria do desenvolvimento de cada nação. Até porque, a implementação desses eventos acrescenta algumas formas de ameaças que não são típicas do dia a dia da sociedade local, mas que pertencem ao microcontexto dos Jogos Olímpicos ou Copa do Mundo. Por exemplo, para casos especiais, como sequestro político, carros-bomba, manifestações nacionalistas, a nação deve estar preparada para o pior cenário possível, incluindo a detonação de bombas de alto valor destrutivo, ataque com antrax, severas mudanças climáticas e evacuação em massa da população. Todos esses eventos não têm qualquer registro histórico no Brasil. É, portanto, de fundamental importância, quando do planejamento de segurança de um megaevento, a criação de cenários de possíveis ameaças. Esta atividade é muito aderente ao conceito de mobilização militar, que depende também da construção de hipóteses de emprego para focar os seus esforços de preparação da logística nacional. O objetivo da mobilização na construção de uma logística para esses eventos deve caminhar no sentido de implementar ações para proteger os cidadãos nacionais, atletas estrangeiros e turistas vindos de todos os cantos do mundo. Também é objetivo a segurança de fronteiras nacionais, portos e aeroportos e proteção do território da ação de grupos terroristas. Deve prevenir atividades clandestinas por meio da fiscalização constante e monitoramento de grandes grupos de estrangeiros. A grande vantagem dos formuladores de políticas de fortalecimento da logística voltados à execução desses eventos é que são dados vários anos para incrementarse o planejamento, a fim de que as propostas sejam desenvolvidas e, geralmente, com a garantia orçamentária para que os projetos oriundos desses planos sejam executados. A ideia da preparação da mobilização para estes eventos é permitir que os recursos disponíveis na nação fortaleçam a segurança contra o maior tipo de ameaças possível, bem como reconfigurar a dinâmica da cidade, de forma a eliminar, enfraquecer ou reduzir as causas da violência e da atividade ilegal. É importante notar que as causas de ameaças estão todas inter-relacionadas e a resposta dos planejadores de um megaevento a estes possíveis ataques se baseia sempre em alternativas que não podem tolerar o status quo após tais ameaças se tornarem realidade, o que torna todas as decisões muito complexas. O ideal, portanto, é uma mobilização para a prevenção. A total ausência de qualquer incidente durante a realização dos Jogos Pan- Americanos realizados no Rio de Janeiro sugere a eficácia do modelo de policiamento, caracterizado por um único comando responsável por todas as unidades de policiamento e de forças especiais. É interessante notar, no entanto, que este Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

71 Nauber Nunes do Nascimento modelo apenas foi utilizado durante a realização dos jogos, sendo desativado logo após o encerramento do evento. O próprio governo do Estado do Rio de Janeiro afirmou que a união de esforços entre a sociedade civil (aumento do número de ligações para o serviço disque denúncia, por exemplo) e as Forças Auxiliares de segurança resultou em excelentes resultados. Tais resultados mostram, na prática, como o poder do Estado aumenta quando a população se submete a uma política de mobilização. Da experiência dos Jogos Pan-Americanos, os resultados foram muito positivos considerando o uso da mobilização popular. No entanto, muito mais necessita ser feito para que esses resultados sejam, não apenas eficazes no momento de emprego, mas efetivos no futuro 51. Na avaliação do COI, com referência à seleção da cidade-sede do evento de 2016, pode ser percebida esta preocupação pelos desafios de segurança, na qual se reitera que a escolha da cidade deve fazer parte de um projeto ambicioso de ampliação de capacidades das Forças Auxiliares, via investimento em recursos materiais, tecnologias e treinamento dos seus agentes. Para atender a este propósito, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça (SENASP) estabeleceu um gabinete de segurança para os megaeventos, com pessoal de todas as Forças Auxiliares trabalhando em conjunto, a fim de desenvolver os planos e as operações para a preparação do evento. Este gabinete respondeu adequadamente às demandas surgidas até o momento, com ênfase no monitoramento das ações dos jogos Pan-Americanos e dos Jogos Mundiais Militares. Em ambos os casos, constatou-se um aumento da sensação de segurança e redução das taxas oficiais de criminalidade no período. 3 CONCLUSÃO E Considerações finais Ao tornarem-se mais claro os conceitos, contextualizados à nossa realidade, pode-se compreendê-los e, por conseguinte, aplicá-los com mais eficácia, por já saberem os motivos pelos quais foram criados. Regulação, Logística e Mobilização não são fins em si mesmos. São instrumentos que os Estados organizados utilizam para atingir objetivos, tais como Desenvolvimento (agora com o epíteto Sustentável ), Progresso e Manutenção da Paz Social e Soberania Nacional. A Nação Brasileira está experimentando a honra de se mobilizar para sediar os Jogos Olímpicos e demais megaeventos. O sentimento geral é de que este é um crédito de confiança da comunidade internacional e, como tal, aumenta a autoestima 51 Por exemplo, em 2007, o governo federal destinou cerca de 60 milhões de dólares ao esforço de fortalecimento da polícia do Rio de Janeiro, melhorias na tecnologia, armamento e mobilidade. No entanto, os últimos resultados de estudos na área de segurança informam que seriam necessários cerca de 3,5 bilhões de reais em quatro anos para implementar todas as melhorias necessárias na área de segurança da cidade. 70 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

72 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 dos brasileiros. O Brasil está confiante na sua crescente prosperidade, mas teme-se que as persistentes desigualdades e a violência operem em sentido contrário. Brasil e Rio de Janeiro têm muito a ganhar, economicamente e socialmente, com uma bem-sucedida edição dos Jogos Olímpicos e demais megaeventos. Os gestores de planejamento agora têm tempo, recursos e talento ao seu lado, e a Copa do Mundo de 2014 testará seus resultados, tal como ocorreu no Pan- Americano. A utilização dos Jogos Olímpicos como uma plataforma para promover a estabilidade nas Nações emergentes corresponde ao desafio de mostrar que o Rio de Janeiro é capaz de implementar, com eficiência, uma estratégica de segurança duradouras. E para conseguir este desafio, o Brasil deve desenvolver uma abordagem que envolva a mobilização social. Esta mobilização, nas dimensões de preparação e execução, deve detalhar os papéis dos agentes públicos e dos agentes privados. Sabe-se que os agentes privados em operação no Brasil, de controle de indivíduos ou grupos estrangeiros, farão ou deixarão de fazer algo em relação à mobilização, conforme a atuação das agências reguladoras setoriais. Assim, é possível alcançar tal cooperação entre todos, que permita o Brasil fazer frente a qualquer ameaça. As organizações militares, em Estados desenvolvidos, sempre ocupam uma posição de vanguarda, pois garantem a segurança indispensável ao desenvolvimento da nação. Na Mobilização, conceito abstrato, posto que não se tem ameaças externas prováveis, mais uma vez as Forças Armadas dão o exemplo, considerando que, nos últimos anos, Exército, Marinha e Aeronáutica têm sido mobilizados para atender emergências, apoiar segurança interna, zelar pela realização de grandes eventos internacionais no Brasil etc. Em todos os momentos em que as Forças foram chamadas pelo poder civil, para atender a fins civis, a resposta sempre foi pronta e os resultados muito positivos. O exemplo então deve ser seguido pela sociedade civil para o caso de ser chamada a mobilizar-se para fins militares. Referências ALVARENGA, A. C.; NOVAES, A. G. N. Logística aplicada: suprimento e distribuição física. 3. ed. São Paulo: Edgar Blücher, ARAGÃO, Alexandre Santos de. Agências reguladoras e a evolução do direito administrativo econômico. Rio de Janeiro: Forense, BALLOU, Ronald H. Gerenciando a cadeia de suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

73 Nauber Nunes do Nascimento BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de Juarez de Oliveira (Org.). 4. ed. São Paulo: Saraiva, Decreto-Lei n.º 6.592, de 2 de outubro de Regulamenta o disposto na Lei n.º , de 27 de dezembro de 2007, que dispõe sobre a Mobilização Nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização - SINAMOB. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2008/decreto/d6592. htm>.. Decreto-Lei n.º 5.484, de 30 de junho de Aprova a Política de Defesa Nacional. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ Ato /2005/Decreto/ D5484>.. Decreto-Lei n.º 6.703, de 18 de dezembro de Aprova a Estratégia Nacional de Defesa. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2008/Decreto/D6703>.. Lei n.º , de 27 de dezembro de Dispõe sobre a Mobilização Nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização. Disponível em: <http://www. planaltogov.br/ccivil_03/_ato /2007/lei/l11631.ht> CASTRO, Newton. A privatização do setor de transportes no Brasil. In: PINHEIRO, Armando Castelar ; FUKASAKU, Kiishiro (Eds.). A privatização no Brasil: o caso dos serviços de utilidade pública. Rio de Janeiro: BNDES, fev CUÉLLAR, Leila. As agências reguladoras e seu poder normativo. São Paulo: Dialética, ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Cadernos de estudos estratégicos de logística e mobilização nacionais. Rio de Janeiro, Manual básico: assuntos específicos. Rio de Janeiro, V. 1.. Manual básico: elementos doutrinários. Rio de Janeiro, V.2. FLEURY, P. F.; FIGUEIREDO, K.; WANKE, P. (Orgs.). Logística empresarial: as perspectivas brasileiras. São Paulo: Atlas, (Coleção COPPEAD de Administração). FLEURY, Paulo F. Perspectivas para logística brasileira. Disponível em: Publicações CEL, COPPEAD, UFRJ, abr Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

74 Log., Mob. e Regul. de Transp.: Est. de Conceitos e Persp. para os Jogos Olímp./Copa do Mundo Rio 2014/2016 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA - FIPE. Impactos sócio-econômicos dos Jogos Pan-americanos: Rio Brasília: Ministério dos Esportes, GOLD,J. R.; GOLD, M. Olympic cities: city agendas, planning and world s games: end. ed. Routledge, IPEA. Leitura econômica dos Jogos Olímpicos: financiamento, organização e resultados. Rio de Janeiro, JENNINGS, Will; LODGE, Martin. Governing mega-events: tools of security risk management for the London 2012 Olympic Games and FIFA 2006 World Cup in Germany. Government and opposition, London, v.2, n.46, p , MAJONE, Giandomenico. Do estado positivo ao estado regulador: causas e consequências de mudanças no modo de governança. Revista do Serviço Público, ano 50, n.1, jan./mar MELO, Erick S. O.; GAFFNEY, Christopher. Mega-eventos esportivos: reestruturação urbana para quem? Revista Proposta. Rio de Janeiro: FASE, NOVAES, Antônio G.: Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. Rio de Janeiro: Campus, PIRES, J. C. L.; GOLDSTEIN, A. Agências reguladoras brasileiras: avaliação e desafios. Revista do BNDES, v. 8, n. 16, p. 3-42, dez SALGADO, Lucia Helena. Agências regulatórias na experiência brasileira: um panorama do atual desenho institucional. Rio de Janeiro: IPEA, mar p. (Texto para discussão, n. 941). Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

75 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran MOBILIZAÇÃO NACIONAL E AS INDÚSTRIAS DE DEFESA Guilherme Luiz Passos Miranda Autran Economista, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo A proposta deste trabalho é discorrer sobre a Indústria de Material de Defesa no Brasil e a Mobilização Nacional, buscando-se óbices e estratégias visando a justificar a indispensável e eficaz participação das indústrias nacionais no fortalecimento da defesa do Estado para uma ação imediata ante qualquer ameaça. São abordados os aspectos históricos, das origens da produção do material de defesa no país, no Brasil colonial, até os dias de hoje, com uma análise do estágio em que a indústria de defesa se encontra, assim como as políticas públicas e os instrumentos para possibilitar a revitalização da Indústria de Material de Defesa em consonância com a Estratégia Nacional de Defesa e o Sistema Nacional de Mobilização. Também será abordada a situação da Indústria de Material de Defesa em face de um cenário prospectivo de uma ação Nacional de Mobilização. Palavras-chave: Mobilização; Defesa; Indústria. 1 INTRODUÇÃO O Brasil, na década de 1980, ostentou o título de quinto maior exportador mundial de armamentos. Com o passar dos anos, diversos óbices: como a crise da dívida externa, a alta prioridade nos investimentos militares, a inflação galopante, a concorrência internacional decorrente da ampla disponibilidade de material bélico proveniente das antigas repúblicas soviéticas, ou decorrente da deflagração do Conflito no Golfo que fechou as portas de tradicionais compradores de nossos produtos de defesa, as empresas da nossa Base Industrial de Defesa sofreram um duro revés, culminando com a falência da ENGESA. O desmantelamento da Indústria Nacional de Defesa (IND), a partir dos anos 1990, em função desses diversos fatores, distanciou tecnologicamente, os fabricantes nacionais de seus congêneres no exterior, enfraquecendo a expressão Científica e Tecnológica do Poder Nacional. O Poder Nacional do Brasil se apresenta como uma conjugação interdependente de vontades e meios, voltada para o alcance de uma finalidade 52 subdividido nas expressões política, econômica, psicossocial, militar e científica & 52 Manual básico: Elementos fundamentais. Rio de Janeiro: Escola Superior de Guerra, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

76 Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa tecnológica, abalado, no início dos anos 1990, pelos aludidos óbices e por retração na capacidade de pesquisar novas tecnologias, apresentava enfraquecimento em todas as suas expressões. A partir da reversão deste ciclo depressivo da economia do Brasil, com a adoção de medidas de contenção inflacionária e crescimento econômico (políticas monetária, cambial e fiscal), apresentando melhora significativa no quadro geral da economia com a queda da inflação, com a balança comercial superavitária, com as reservas internacionais e crescimento do PIB, as agendas dos governos passaram novamente a procurar fortalecer as expressões do Poder Nacional. Assim sendo, a partir de 2005, começou a ser implantado um conjunto de leis e diretrizes que vieram regular a Mobilização Nacional e a Base Nacional de Defesa. A Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID), aprovada em 19 de julho de 2005, que entrou em vigor na data da publicação da Portaria Normativa do Ministério da Defesa n.º 899/MD e no Diário Oficial da União de 20 de julho de 2005, é a mais recente política setorial relacionada com a Indústria da Defesa na busca da autonomia nacional. Tem como objetivo geral o fortalecimento da Base Industrial de Defesa (BID). A Portaria Normativa do Ministério da Defesa n.º 586/MD, de 24 de abril de 2006, descreve as ações estratégicas para a implementação da Política Nacional da Indústria de Defesa PNID e entrou em vigor na data da publicação no Diário Oficial da União, em 25 de abril de Considerando as diretrizes traçadas pela Política Nacional de Defesa, estabelecendo que: o país deve ter condições de um emprego imediato de Defesa ante ameaças externas de qualquer natureza, foi elaborada a Lei n.º , de 27/12/2007. Esta Lei dispõe sobre a Mobilização Nacional, sendo criado o Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB), instrumento previsto nos art. 22, inciso XXVIII e art.84, inciso XIX da Constituição Federal, que estabelece: quais ações imediatas a empregar, de acordo com o espaço geográfico do território nacional. As ações de defesa não são apenas de militares, muito menos exclusivas de órgãos específicos. Pela ótica da Política Nacional de Defesa, para garantir a soberania do país no mundo de hoje, por meio de desenvolvimento pleno, há que se pensar em compromissos contínuos e interdependentes entre defesa e ciência, tecnologia e inovação. Levando-se em conta que esta interdependência seja, de imediato, concretizada, através da Mobilização Nacional, é necessário ter uma autonomia tecnológica cada vez maior de itens de defesa, sendo essencial a participação do Governo junto às indústrias no fabrico de produtos e incentivando pesquisas científicas e desenvolvimentos tecnológicos. A independência tecnológica só é alcançada com o sentimento determinístico do civismo, do patriotismo e da ética da população. Nenhum país pode prescindir de saber e poder fabricar os seus próprios meios de defesa. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

77 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran A Estratégia Nacional de Defesa, Decreto n.º 6.703, de 18/12/2008, preconiza o fortalecimento da Base Industrial de Defesa, voltada para o desenvolvimento de tecnologias com aplicação dual (civil e militar) sendo de grande relevância a adoção de medidas visando a facilitar a interação civil/militar no campo de P&D, principalmente no que tange ao financiamento de estudos e projetos, aos incentivos fiscais às indústrias de defesa e à criação de instrumentos que garantirão a elas a penetração de seus produtos no mercado externo. 2 HISTÓRICO O ano de 1762 marca o início das atividades industriais no âmbito das Forças Armadas, em território brasileiro. Naquele ano, o Vice-Rei Gomes Freire de Andrade, o Conde de Bobadela, fundou, no Rio de Janeiro, o Arsenal de Guerra da Corte ou Casa do Trem, com a finalidade de suprir as necessidades de defesa da Coroa, em termos de reparação de material bélico e de fundição. Em 1763, era fundado Arsenal Naval do Rio de Janeiro pelo primeiro Vice-Rei de Portugal, o Conde da Cunha, que teve como primeiro produto um navio de guerra concluído em Mas, foi com a chegada de D. João ao Brasil que as atividades industriais ganharam maior incremento. Assim, em 1808, foi inaugurada a Fábrica de Pólvora da Lagoa Rodrigo de Freitas (na altura, hoje, do Jardim Botânico). Em 1811, o Arsenal do Trem foi transformado em Arsenal de Guerra da Corte, hoje Arsenal de Guerra do Rio, com a finalidade de fabricar armas, munições e outros artigos bélicos para as Forças Armadas. Em 1828, foi criado o Arsenal de Guerra de Porto Alegre, hoje localizado em General Câmara, com o objetivo de tornar mais próximo o apoio logístico a operações militares no Sul do Brasil. Em 1863, foi criado o Laboratório Pirotécnico de Campinho, no Rio de Janeiro, com a finalidade de fabricar espoletas, cartuchos, foguetes a congrève, morrões, iluminativos e outros, visando a atender ao Exército e à Marinha. A guerra da Tríplice Aliança ( ) deu importante estímulo para a indústria militar. Este conflito reuniu o Brasil, a Argentina e o Uruguai em combate contra o expansionismo do Paraguai. Em face da necessidade de conseguir um meio efetivo de controle dos rios paraguaios, o Brasil se tornou a segunda nação do mundo a produzir navios de guerra blindados, no Arsenal Naval do Rio de Janeiro, tendo construído seis dessas belonaves. Este conflito armado forçou a expansão da produção, pelo Exército, de cartuchos, projéteis e pólvora. Com a Proclamação da República em 1889, marcando o fim do regime imperial, surgiu um inusitado interesse no reequipamento do Exército e da Marinha, que após a guerra do Paraguai haviam sofrido grande desgaste. A diretriz básica era importar os armamentos necessários e estabelecer, nos arsenais, oficinas para a montagem e manutenção dos mesmos. Além disso, foi criada a Fábrica de Realengo (hoje, desativada) em 1898, destinada a produzir munição de 76 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

78 Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa pequeno calibre, e em 1909 a Fábrica de Piquete, primeira indústria de pólvora de base simples. Após o destronamento do imperador, realizado por uma coalizão de diferentes forças, que incluía o Exército, os barões do café de São Paulo, alguns segmentos da oligarquia rural e as novas classes urbanas, cujo crescimento a guerra com o Paraguai tinha propiciado, é iniciado o período de quatro décadas ( ) conhecido como a República Velha. No que diz respeito a economia, o período foi marcantemente, o da produção e comercialização do café. Contrastando com a expansão havida durante a guerra na década de 1870, a indústria militar apresentou pouco progresso durante a República Velha. As dificuldades eram tanto industriais quanto políticas. A produção naval se estagnou após a formação da República, incapaz de resistir ao duplo gravame da obsolescência tecnológica e da posição política enfraquecida da Marinha. Em face destas condições políticas e da carência de uma infraestrutura industrial tal como a que afligia à Marinha - a dependência a fornecedores estrangeiros permaneceu como norma. Empresas da Alemanha, como a Krup, estavam entre os principais fornecedores do Exército, antes da Primeira Guerra, num elo reforçado pelo treinamento de um quadro de jovens oficiais brasileiros na Alemanha no início da década de Na virada do século, as Forças Armadas mantinham três arsenais do Exército, três arsenais da Marinha, e três fábricas de munição (uma para cartucho e duas de pólvora). As tentativas de expansão dessa base industrial alcançaram sucesso apenas limitado. Uma moderna Fábrica de Pólvora foi construída em Piquete SP (1908), hoje Fábrica Presidente Vargas. Paralelamente, o Exército procurou expandir sua fábrica de cartuchos em Realengo RJ. Um Departamento de Material Bélico foi implementado em 1915, com o propósito de coordenar tais atividades, e o Exército logrou êxito em aumentar a produção das fábricas existentes. É relevante mencionar que as compras de equipamentos para estabelecer um novo Arsenal de Guerra no Rio de Janeiro, e posteriormente incrementar a produção das fábricas existentes, foram embargadas pela falta de mão de obra especializada e por uma interrupção das importações de maquinário durante a Primeira Guerra. Durante esse período, foram criados: o Parque de Aeroestação em Realengo- RJ (1908); Parque de Realengo (Aeronáutica) RJ (1920); a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) SP (1926) e o Parque de São Paulo (Campo de Marte) SP, destinado à manutenção de aeronaves e de motores (1930). A década de 1930 assinalou o Primeiro Ciclo Industrial Militar, um momento decisivo, de profundas transformações tanto para a política de segurança quanto para o desenvolvimento industrial no Brasil, com reflexos diretos na industrialização militar do País. A depressão global, que teve um impacto devastador nos lucros das exportações agrícolas e no comércio com o exterior, deflagrou o começo da industrialização com vistas à substituição das importações. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

79 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran O governo de Getúlio Vargas desempenhou um papel de destaque nesse processo, ao estimular a instalação de indústrias de base durante este período. Assim, foram criadas, a Fábrica do Andaraí RJ (1932), destinada à fabricação de munição de artilharia; a Fábrica de Curitiba PR (1933), destinada à fabricação de material hipomóvel e de engenharia; a Fábrica de Juiz de Fora MG (1933), destinada à fabricação de artilharia; a Fábrica de Itajubá MG (1933), destinada à fabricação de armamento leve; e o Parque Aeronáutico dos Afonsos RJ (1933). Em 1936, foi fundada a Fábrica Brasileira de Aviões para a fabricação em série do M-7, que funcionou até 1941, tendo produzido um protótipo e vinte e seis exemplares. Getúlio Vargas, em 1937, valendo-se do apoio militar Marinha e Exército - declarou o Estado Novo, lançando as fundações do crescimento industrial, dirigido pelo Estado. Em 1938, foi criada a Fábrica do Galeão - RJ, onde se instalaram as Oficinas Gerais de Aviação Naval e, em 1939, surgiam a Fábrica de Material de Comunicações RJ e a Taurus, no Rio Grande do Sul. A estabilidade imposta pelo Estado Novo e a ascendente influência política dos militares, traduzida em orçamentos cada vez maiores, propiciaram uma mudança de atitude em relação às necessidades de reequipamento das Forças Armadas. O Exército começou a montar aviões desenhados no Brasil com motores americanos, enquanto a Marinha montava aviões de treinamento FOCKE WULF com assistência técnica da Alemanha. No final da década de 30, uma linha de montagem de aviões foi iniciada pelo Ministério dos Transportes em Lagoa Santa MG, passando para o Ministério da Aeronáutica, quando este foi criado em A construção naval também foi retomada nos últimos anos da década; os estaleiros do Rio de Janeiro lançaram um monitor e caça-minas, e deram início à montagem de três contratorpedeiros projetados nos Estados Unidos. A Segunda Guerra Mundial estimulou a produção doméstica de armamentos, aumentando o suporte econômico e a pressão política por uma indústria nacional que respondesse ao aumento da demanda. Em Lagoa Santa, foi iniciada a montagem de aviões produzidos nos Estados Unidos incluindo-se aviões de treinamento Fairchild PT-19B, Vultee BT-15 e North American Texas AT-6. A Fábrica Nacional de Motores também foi instalada e a fabricação de material de defesa atingiu um novo auge. Até então não se fabricavam, no Brasil, materiais pesados de emprego militar, como canhões, metralhadoras e viaturas blindadas, só possíveis com a implantação no país da indústria siderúrgica pesada. O engenheiro militar Edmundo de Macedo Soares soube liderar esse processo de modernização e, como assessor de Getúlio Vargas, foi o inspirador da construção da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Como recompensa pela entrada na Segunda Guerra Mundial, os americanos financiaram a construção da Companhia Siderúrgica Nacional, que começou a funcionar em Cinco anos depois, gerou uma capacidade de produção de aço pesado e especializado que até então não existia. 78 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

80 Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa Em 1947, foram criados: a Fábrica de Artefatos da Marinha, o Arsenal da Urca e a Fábrica de Bonsucesso RJ, a Fábrica de Torpedos e o Centro de Armamento da Marinha, em Niterói RJ, o Parque Aeronáutico de Belém PA e o Parque Aeronáutico de Porto Alegre RS e o Instituto Tecnológico da Aeronáutica em São José dos Campos SP, em janeiro de Cabe fazer menção ao Acordo de Assistência Militar Brasil-EUA ( Military Assistance Program ), firmado em 1952, solapando por muito tempo os planos dos militares brasileiros para o investimento na produção doméstica. Na segunda metade dos anos 40, como decorrência natural da 2ª Guerra Mundial, germinou a consciência da importância da pesquisa e desenvolvimento (P&D) para a capacitação e autonomia na obtenção e produção de material bélico: a Força Aérea, com o atual Centro Técnico Aeroespacial, a Força Naval, com o Instituto de Pesquisas da Marinha, e a Força Terrestre, com o Centro Tecnológico do Exército. Assim, o Brasil se desdobrou para desenvolver a tecnologia militar nas décadas de 60, 70 e 80. O final da década de 80 marcou o apogeu da Base Industrial de Defesa brasileira (BID). Naquele instante, o país atingiu a situação de 5. exportador mundial como consequência de políticas de fomento em P&D e fomento industrial, muito bem planejadas e executadas nas décadas de 70 e 80. Naquela ocasião, mais de 90% dos meios mobilizados pelo Exército eram fabricados em território nacional. As principais empresas de capital brasileiro, então formadas, voltadas para aprodução de material de defesa foram: Forjas Taurus S.A., IMBEL, CBC, AVIBRAS, Helibras, Mectron e ENGESA. A Forjas Taurus S.A., fabricante de armas de fogo, produz revólveres, pistolas, carabinas, armas de pressão e armas policiais, para o mercado interno e internacional, além de equipamentos para motociclismo como capacetes e roupas de proteção contra chuva. A IMBEL é uma empresa vinculada ao Ministério da Defesa por intermédio do Exército Brasileiro, que a ele fornece armas portáteis, munições, explosivos e equipamentos de comunicações. É também o campo de capacitação dos engenheiros formados pelo Instituto Militar de Engenharia, que adquirem em suas unidades experiência em fabricação e desenvolvimento industrial. Dadas as severas exigências de aprovação pelo Centro Tecnológico e pelo Centro de Avaliação do Exército, a qualidade de seus produtos segue os padrões internacionais consagrados. A Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) é uma fábrica brasileira de munições e armas que detém praticamente o monopólio da produção de munições no Brasil. Sua composição social é do tipo Economia Mista. Tem uma linha de produção diversificada na área de munições de uso civil, policial e militar. A AVIBRAS é uma empresa brasileira privada de engenharia, criada em 1961, e que ao longo de 45 anos, vem desenvolvendo e produzindo sistemas e materiais de alta tecnologia, atendendo às necessidades específicas de cada cliente. Pioneira Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

81 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran no Brasil, no setor aeroespacial, alcançou significativo sucesso ao equipar as Forças Armadas Brasileiras e nações amigas com sistemas de armas avançados. A filosofia da Empresa foi fundamentada no desenvolvimento de novas tecnologias que hoje constituem o seu mais importante patrimônio, um acervo tecnológico de valor inestimável. A HELIBRAS é a única fabricante brasileira de helicópteros. Responsável pela montagem, venda e pós-venda no Brasil de aeronaves do Grupo Eurocopter, maior fornecedor mundial do setor, controlado pela EADS - European Aeronautic Defence and Space Company, a empresa desenvolve tecnologia de ponta, contribuindo para o fortalecimento da indústria aeronáutica nacional. Está em atividade no Brasil desde 1979 e emprega mais de 300 profissionais. Com uma capacidade de produção de 30 aeronaves por ano, está localizada na cidade de Itajubá (MG), onde são produzidos diversos modelos que atendem aos segmentos civil, governamental e militar. A MECTRON - Engenharia, Indústria e Comércio S.A. é uma empresa formada pela associação de engenheiros de aeronáutica, eletrônica e mecânica, tendo iniciado suas atividades em fevereiro de Desde a sua fundação, a empresa dedicouse a projetos de alto teor tecnológico, atuando nas seguintes áreas: automação industrial, médica, aeronáutica, espacial e defesa. Atualmente, a Mectron é uma empresa brasileira com plena capacitação para o desenvolvimento e fabricação de sistemas inteligentes de defesa, tendo um quadro de funcionários distribuídos em áreas de engenharia, projeto, manufatura e administração. Dentre as empresas que não mais existem, a que mais se destacou foi a ENGESA - Engenheiros Especializados S/A que controlava um grupo de empresas focado no setor de defesa. Os produtos mais conhecidos foram os veículos blindados EE-9 Cascavel e EE-11 Urutu, os caminhões táticos militares e blindado leve EE-T4 Ogum e o carro de combate EE-T1 Osório. O grupo também fabricava diversos outros proutos, como por exemplo: tratores, rodas, trilhos e vagões, motores, mísseis, foguetes, giroscópios, radares e possuia a única fábrica de munição pesada do Brasil. 3 FASE ATUAL O Brasil possui uma conjuntura política e econômica de grande destaque no contexto internacional, exigindo uma nova atitude frente ao campo de defesa. Para trabalhar dentro desse novo contexto, enfoca-se o marco regulatório de 25 de julho de 2005 que aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa PNID. É bom dizer que o desenvolvimento da Base de Indústria de Defesa BID exerce influência direta sobre a capacidade de um Estado melhor desempenhar a função de Defesa Nacional. Por essa razão, as políticas voltadas para o incremento da Indústria de Defesa devem estar em conformidade com a Estratégia Nacional de Defesa de um país. 80 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

82 Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa Relativamente ao Brasil o Decreto n.º 6.703, de 18 de dezembro de 2008, estabelece e aprova a Estratégia Nacional de Defesa organizada em três tópicos. O primeiro diz respeito à reestruturação das Forças Armadas como medida de aprimorar o que lhe é previsto na Constituição, assim como aprimorar as suas atribuições de paz e guerra. O segundo aborda a reorganização da Indústria Nacional de Material de Defesa, de modo a assegurar que o atendimento das necessidades de equipamento das Forças Armadas sustente-se em tecnologia sob o domínio nacional. O último trata da composição dos efetivos das Forças Armadas, conglomerando o assunto sobre o futuro do Serviço Militar Obrigatório. Releva destacar que uma Base de Indústria de Defesa Nacional (BID), fortemente estruturada, emancipa o país da dependência externa em suas necessidades de produtos e serviços de defesa, além de promover inúmeros benefícios econômicos. Tais assertivas podem ser manifestadas através da geração de empregos, na área tecnológica, na criação de produtos duais e na economia de divisas. Outro fator determinante para o desenvolvimento da Indústria de Defesa são os indicadores de inovação dos países desenvolvidos, os quais se encontram superiores à média nacional. Como se pode observar, o futuro da base de defesa tecnologicamente sólida está diretamente ligado à necessidade de serem solucionados problemas de intervalo dos orçamentos para pesquisa e desenvolvimento no Brasil, sempre considerando a ampliação do montante investido. O orçamento para a Defesa Nacional alcança a iniciativa privada e as parcerias geoestratégicas intergovernamentais. Tudo porque as demandas de defesa compõem um sistema que envolve atores públicos e privados, com reflexos no preparo dos meios militares, no poder dissuasório do país, na percepção que o exterior tem do país e na economia nacional. A singularidade do orçamento de defesa transcende o binômio aumentoredução de recursos. A instabilidade e a descontinuidade do fluxo de recursos para custeio e investimentos das Forças Armadas são práticas prejudiciais ao planejamento e a execução de projetos estratégicos concebidos em cronogramas definidos com diversos atores públicos e privados. Essa instabilidade e descontinuidade provocam aumento de custos e levam os meios militares à obsolescência em decorrência da defasagem tecnológica, que pode ocorrer mesmo antes da conclusão dos processos de aquisição. Por conseguinte, é necessária a fixação de um parâmetro real e factível para as despesas (custeio e investimentos). Devem-se afastar, de forma seletiva, os contingenciamentos para proporcionar um planejamento adequado ao exercício das atribuições constitucionais das FFAA. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

83 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran Ao mesmo tempo, é necessário estabelecer mecanismos que, sem prejudicar as atividades convencionais das FFAA, propiciem ao Poder Público a alocação de recursos adicionais, para atender às demandas de ampliação da capacidade dissuasória e de desenvolvimento tecnológico do País. A intenção consiste em estabelecer um modelo compatível com a projeção internacional do Brasil e com as demandas internas dirigidas às atividades desempenhadas pelas FFAA, a compreender o planejamento de curto, médio e longo prazos que garanta a aplicação regular de recursos. Recursos para as despesas de pessoal e para a amortização e encargos da dívida não seriam incluídos na proposta, pois pertencem a campos específicos da Administração Pública. A Estratégia Nacional de Defesa - END (Decreto 6.703, de ) contempla, como um dos seus eixos estruturantes, a obrigação de reorganizar a indústria de defesa, para poder garantir a exigível autonomia operacional requerida para o exercício das competências atribuídas às FFAA, atrelada ao desenvolvimento tecnológico nacional. O mercado de produtos de defesa apresenta algumas singularidades, dentre as quais podem ser destacadas: Alto valor agregado; Fortes investimentos em pesquisa e desenvolvimento; Longo prazo de maturação; Comercialização restrita e altamente regulada; Produção dependente das compras governamentais. Tal amplitude e características explicam a necessidade de um projeto específico voltado para consolidar a capacidade de produzir e promover equipamentos e materiais de defesa. A Estratégia Nacional de Defesa define uma política pública norteando as ações estratégicas a serem seguidas visando o fortalecimento do poder militar, com os seus equipamentos decorrentes. Assim sendo, poderão ser implementadas as várias ações que se seguem, sendo que algumas delas já estão em curso: a) Fortalecimento do Poder Naval: Programa de desenvolvimento de submarinos (PROSUB) Outros meios (construção de 6 fragatas) Navios (patrulha oceânico e costeiro e de propósitos múltiplos) Aviões Helicópteros Veículos aéreos não tripulados (VANT) Meios de fuzileiros navais para duas divisões anfíbias (efetivos e material bélico). A Marinha já recebeu no serviço ativo a corveta V-34 Barroso, adquiriu dois 82 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

84 Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa navios desembarque-doca (NDD) usados, ex-royal Navy; conclui a construção de 2 navios patrulha de 500 ton. e prepara licitação para mais 4 unidades da mesma classe. Foram adquiridas 4 unidades do helicóptero Sea Hawk SH-70, com opção para mais 2 unidades. Acordo com a França para a construção de 6 fragatas da classe FREMM e 4 submarinos da classe Scorpene. O Brasil se associou à África do Sul para o desenvolvimento conjunto do míssil ar-ar A-Darter e do veículo aéreo não tripulado Bateleur. b) Fortalecimento do Poder Terrestre: Programa de Mobilidade Estratégica helicópteros Programa Combatente Brasileiro (COBRA) Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT) Guarani III Programa Amazônia Protegida Programa Sentinela da Pátria O Exército Brasileiro acelera o processo de desenvolvimento da família de veículos blindados de transporte sobre rodas VBTP; inicia o processo de modernização dos M-113B e está concluindo o processo de aquisição dos MBT Leopard 1A5. A obtenção de obuseiros Oto Melara de 105 mm e L-118 Light Gun e a chegada de alguns exemplares do morteiro de 120 mm, nacional revitalizam um pouco a artilharia de campanha. Há estudos para a aquisição de mísseis antiaéreos de médio alcance, que complementaria os mísseis de curto alcance Igla. Espera-se que a arma leve anticarro (ALAC) e o míssil anticarro MSS 1.2, ambos os projetos nacionais coordenados pelo CTEx, sejam em breve produzidos em larga escala. c) Fortalecimento do Poder Aéreo: Aquisição de aeronaves de caça (F-x2) Desenvolvimento de aeronaves de transporte/reabastecimento em vôo (KC-390-Embraer) Desenvolvimento e Lançamento do veículo lançador de Satélites (VLS) Modernização do centro de lançamento de Alcântara Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT) Helicópteros A Força Aérea reativou o Projeto FX e já anunciou os três finalistas: F-18E Super Hornet, Rafale C e Gripen NG, e aguarda a decisão final. Completou sua dotação de F-5E/F adquirindo 11 unidades usadas da Jordânia, recebeu 6 helicópteros UH-60L Black Hawk e colocou uma proposta de aquisição de mais 15 unidades. A grande novidade fica por conta da montagem no país dos helicópteros de transporte franceses EC-725 Super Cougar, com uma encomenda inicial de 51 aeronaves, sendo 17 para cada uma das três Armas; a primeira unidade chegou em A modernização dos caças leves AMX/A-1 foi aprovada e a primeira aeronave já foi entregue à Embraer. Os aviões de patrulha marítima Lockheed P-3 Orion deverão ser entregues ao serviço ativo. Foram adquiridos casulos de navegação e ataque Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

85 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran Litening III e de interferência eletrônica Skyshield, pequenos lotes de mísseis ar-ar Derby e Python IV, e a FAB finaliza a compra de 12 helicópteros de ataque Mil Mi- 35M russos. A BID (Base Industrial de Defesa) é o conjunto das empresas estatais e privadas, (organizações militares e civis), que participam de uma ou mais das etapas de pesquisa, desenvolvimento, produção, distribuição e manutenção de produtos estratégicos de defesa (bens e serviços). A ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) é uma entidade civil, sem fins lucrativos, que congrega as empresas do setor de material de emprego militar com a finalidade de patrocinar, promover e representar seus interesses e objetivos comuns, visando ao engrandecimento social e econômico do País. Atua no relacionamento entre as Indústrias e os órgãos governamentais, procurando agilizar e incentivar a comercialização, o desenvolvimento e a qualidade dos produtos brasileiros. A missão da ABIMDE é congregar, representar e defender os interesses das empresas associadas, contribuindo para a formulação de políticas públicas, para o setor de Defesa e também a criação e manutenção de uma Base Industrial, Logística, Científica, Tecnológica & Inovação forte e saudável, voltadas para a Defesa, em consonância com os objetivos de soberania nacional e da Constituição Brasileira. Atualmente, a ABIMDE conta com mais de cem associadas, a seguir relacionadas: ATEM E REMER - ACUMULADORES MOURA - AEL AEROELETRÔNICA AGRALE - AGS- AGUSTA WESTLAND- AIRCRAFT AKAER ANCORATEK - ARES ARMTEC ASU ATECH ATMOS ATRASORB - AVIBRAS - BAE Systems do Brasil BCA BERTONI BLUEPEX - BOMBAS TRIGLAU BOXFILE - BRASILIA MOTORS LTDA BRASILSAT BRASTECH BRAVIO CBC - CELLIER Alimentos COLUMBUS COMTEX CONDOR CONNECTION DATAPOOL DCNS - DGS Industrial Ltda. - DIANA PAOLUCCI I DIGEX DIMENSÃO DOX - DSND CONSUB EADS - EAE Soluções Aeroespaciais ELIMCO EMBRAER EMGEPRON EMITER ENGEFOOD - ENGEMOTORS EQUIPAER - ESTALEIRO EISA ESYSTECH EUROBRAS - FAER Fazenda da Aeronáutica - FIRST WAVE FLEXPRIN FLIGHT - FLIR FOCALENG - TAURUS FRIULI - FRONT RUBBER - FUNDAÇÃO ATECH GARDY GEHR - GE SPI GIGACOM GLIGIO- H2 LIFE BRASIL - HAGA TEC - HB DEFENSE - HB HOSPITALAR HELIBRÁS - HOBECO IACIT IAS - IBQIDS ENGENHARIA SISTEMAS LTDA IMBEL - INACE INBRAFILTRO INDIOS INFAX - ITA KRYPTUS LARRUCE LEAP - LEISTUNG LOGITEC LOGSUB - MAGMEC MASTER MECTRON NAVTEC - NOVA CONSTAL ODEBRECHT OMNISYS OPENCADD - OPTOVAC -ORBISAT - PATRULHA PERISCÓPIO - PINHO & BRITO - POLY DEFENSOR POWERPACK - PRENSAS SCHULER - PRESSTÉCNICA RC - RENK ZANINI - RF COM - RHINO TECH - RJC RUFEX SANTOS LAB SATURNIA - SATURNO SCHMID - SELEX-SI - SKM SOLUTIONS DESIGN SPACECOMM SPECTRA SSELL- TAP - TAROB -TAURUS BLINDAGENS TECHLABOR - THYSSENKRUPP - TROPICAL - TURBOMECA - UNIMIL 84 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

86 Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa UNIVERSAL VBJ - VERTICAL DO PONTO - VISION MARINE VITRUS VJF - WELSER ITAGE. Estas empresas integrantes do Complexo Industrial de Defesa têm como: Objetivos - Recuperar e estimular o crescimento da base industrial instalada, ampliando o fornecimento para as Forças Armadas Brasileiras, o emprego dual e as exportações. Metas - Investir R$ 1,4 bilhão em modernização e PD&I, assim previsto: a partir de 2010, elevar em 50% o fornecimento nacional nas compras de defesa; em 2020, elevar em 80%. Desafios - Aumentar os investimentos em PD&I; Promover isonomia tributária em relação aos produtos/materiais importados; Expandir a participação nos mercados interno e externo; Fortalecer a cadeia de fornecedores no Brasil. Diante do cenário atual constata-se uma intenção nacional de tornar o segmento industrial compatível com a Estratégia Nacional de Defesa e consequente preparo para uma eventual mobilização do país. 4 CENÁRIO PROSPECTIVO (MOBILIZAÇÃO) Um país como o Brasil, de grandes proporções continentais e incontáveis riquezas, nas suas diferentes formas, como: biodiversidade, minérios, recursos do mar (inclusive o pré-sal), possuidor das maiores reservas de água potável do mundo e enorme potencial de energia hidroelétrica (limpa), frente aos constantes interesses internacionais, por essas riquezas, deve dispor de alto poder dissuasório. demonstrado por efetivo potencial de defesa e estar provido da capacidade de promover imediata mobilização. Um Estado que se projeta no cenário mundial desperta ambições e suscita novos interesses que podem resultar em áreas de atrito com a possibilidade de gerarem antagonismos. Atender às necessidades surgidas por deflagração de conflito armado e despender os recursos que essa situação exige, depende, fundamentalmente, da capacidade do Poder Nacional e do Potencial Nacional Utilizável. A grave crise econômica mundial deixou profundas sequelas na já combalida situação financeira de diversos países de nosso continente, que tentam agora retomar o caminho do crescimento e estabilização de suas economias. O Brasil, talvez, tenha sido, em nível global, um dos menos atingidos e que mais rapidamente conseguiu sair dela. A partir de 2011, com novos governos, Brasil, Chile e Colômbia, trazem incertezas sobre como será conduzida a defesa, já que as prioridades e interesses de um governo não são necessariamente as mesmas do governo que assume um novo mandato. No Peru, o movimento guerrilheiro Sendero Luminoso, que parecia desmobilizado, volta a promover atentados e a trazer preocupação às autoridades, que estão reforçando algumas unidades militares para fazer Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

87 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran frente a esta ameaça. A Colômbia, sempre com o apoio dos Estados Unidos, está conseguindo infringir sérios danos à estrutura das FARC, eliminando seus principais líderes e desmobilizando boa parte de suas forças. Hugo Chávez continua tentando disseminar sua revolução bolivariana, mas apesar de conseguir conquistar fiéis seguidores como os presidentes da Bolívia e do Equador, tudo não tem passado de uma mera figura de retórica, pura ilusão de, um ditador populista. O Brasil, com km2, é o quinto país em superfície do mundo, sendo a sexta economia do globo, apresentando em 2010 um PIB de bilhões de dólares. No que concerne ao poder militar, o nosso país é classificado como o primeiro no ranking da América do Sul. Ranking do Poder Militar na América do Sul / 2010 País Exército (pontos) Marinha (pontos) Força Aérea (pontos) Efetivos / Pop. (pontos) G.M. / PIB (pontos) EDN (pontos) P.E. (pontos) Total de pontos Ranking Brasil º Chile º Peru º Colômbia º Argentina º Fonte: Military Power Review 4.1 A Mobilização nacional no caso de agressão estrangeira. O conceito de Mobilização Nacional, segundo o Ministério da Defesa: Conjunto de atividades planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado, complementando a Logística Nacional, destinadas a capacitar o País a realizar ações estratégicas, no campo da Defesa Nacional, diante de agressão estrangeira. A mobilização nacional, em havendo agressão estrangeira, é decretada pelo Presidente da República, conforme preceitua a Constituição Federal. Dispõe a nossa 86 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

88 Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa Carta Magna: Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República: XIX - declarar guerra, no caso de agressão estrangeira, autorizado pelo Congresso Nacional ou referendado por ele, quando ocorrida no intervalo das sessões legislativas, e, nas mesmas condições, decretar, total ou parcialmente, a mobilização nacional. 4.2 Fases da mobilização Conforme o pensamento da ESG, as atividades de mobilização devem se desenvolver, tanto em situação de normalidade como nas situações de emergência, em duas fases sucessivas: a do Preparo e a da Execução. Preparo: Conjunto de atividades planejadas, empreendidas ou orientadas pelo Estado, desde a situação normal, visando a facilitar a Execução da Mobilização Nacional. Execução: Conjunto de atividades que, decretada a Mobilização, são empreendidas pelo Estado, de modo acelerado e compulsório, a fim de transferir meios existentes no Poder Nacional e promover a produção oportuna de meios adicionais. 4.3 Mobilização e as expressões do poder nacional, segundo a ESG: Política Conjunto de atividades planejadas, empreendidas ou orientadas pelo Estado, desde a situação normal, com o propósito de adaptar o ordenamento jurídico-institucional, para fazer em face de uma situação de emergência, decorrente da declaração de Estado de Guerra ou resposta à agressão armada estrangeira Econômica Conjunto de atividades de natureza econômica, planejadas, empreendidas ou orientadas pelo Estado, desde a situação normal, visando à transformação da Economia de Paz em Economia de Guerra (nova condição operacional a que a Economia de Paz é conduzida pelo governo, mediante a utilização de instrumentos e medidas apropriados, visando a atender, oportuna e adequadamente, as necessidades da Nação, em tempo de Guerra), para fazer face à situação de emergência decorrente da declaração de estado de guerra ou resposta à agressão armada estrangeira. A Mobilização Industrial, parte da mobilização econômica, é o conjunto de atividades planejadas, empreendidas ou orientadas pelo Estado, no quadro da Mobilização Nacional, desde a situação normal, com o propósito de possibilitar a adequação da capacidade industrial da Nação ao atendimento das Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

89 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran necessidades militares e civis, determinadas por uma situação de emergência decorrente da declaração de estado de guerra ou resposta à agressão armada estrangeira Psicossocial Conjunto de atividades planejadas, empreendidas ou realizadas pelo Estado, desde a situação normal, com o propósito de preparar a Nação, social e psicologicamente, para fazer face a uma situação de emergência decorrente da declaração de estado de guerra ou resposta à agressão armada estrangeira Militar Conjunto de atividades planejadas, empreendidas ou orientadas pelo Estado, desde a situação normal, com o propósito de preparar a Expressão Militar para a passagem da estrutura de paz para a estrutura de guerra, em face de uma situação de emergência decorrente da declaração de estado de guerra ou resposta à agressão armada estrangeira. Científico-Tecnológica Conjunto de atividades planejadas, empreendidas ou orientadas pelo Estado, desde a situação normal, com o propósito de preparar a Nação, científica e tecnologicamente, para fazer face à situação de emergência, decorrente da declaração de estado de guerra ou resposta à agressão armada estrangeira Cabe dizer que terminados os motivos que determinaram a execução da mobilização, o país retornará à normalidade, não podendo o Estado manter os recursos do Poder Nacional voltados, prioritariamente, para a Segurança Nacional tendo que promover a desmobilização nacional. Pode-se conceituar a desmobilização nacional, como: O conjunto de atividades planejadas, empreendidas ou orientadas pelo Estado, visando ao retorno gradativo da Nação à situação normal, uma vez cessados ou reduzidos em sua intensidade os motivos determinantes da execução da mobilização nacional O Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB) Os órgãos encarregados do planejamento da mobilização estão previstos para trabalhar em uma união sistêmica, chamada de Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB). O conceito do Sistema Nacional de Mobilização é o seguinte: Conjunto de órgãos que, atuando de modo ordenado e integrado, objetiva planejar e realizar todas as fases da Mobilização e da Desmobilização Nacionais. Ressalta-se que, para se ter uma mobilização nacional efetiva, precisa-se de ter programas de mobilização e projetos inovadores, contínuos, como a participação ativa da indústria nacional, desde a concepção do projeto até a solicitação de demandas comuns (garantia de compra pelo governo) entre as três Forças Armadas, a existência da dualidade militar-civil e a ampliação da competitividade da indústria nacional. 88 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

90 4.5 Mobilização militar no caso de agressão externa: Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa Neste caso, a mobilização deverá ser planejada de modo a assegurar os recursos necessários à rápida transformação estrutural das Forças Armadas, fornecendo-lhes pessoal com habilitações requeridas, para preenchimento de claros, além do material na qualidade e especificação solicitadas. Medidas Imediatas: Convocação imediata da reserva apta; Adequação das indústrias para a produção de material bélico; Incremento na produção de produtos de defesa. Marinha: Negação do uso do mar Utilização de submarinos convencionais e de propulsão nuclear; Emprego de aeronaves nacionais e estrangeiras (todos os meios disponíveis), de ataque e de defesa; Controle de áreas marítimas; Projetar poder em terra. Exército: Emprego do módulo de Brigada em todos os seus modais para a ocupação (mobiliar) as possíveis áreas de conflito; Utilização de tecnologias vigilância, localização e posicionamento por satélites; Operar em guerra convencional; Combater em guerra não convencional (estratégia da resistência). Força Aérea: Incrementar a vigilância aérea; Assegurar superioridade aérea local; Combater integrada à Marinha e ao Exército, em todo o território nacional; Dominar as tecnologias para plataformas, sistemas de armas, cartografia, inteligência, operação em rede, VANT e atividades espaciais. 5 CONCLUSÃO O fortalecimento do Poder Militar, com equipamentos decorrentes da necessidade de manter-se em estado permanente de alerta, esbarra nos óbices financeiros para a consecução desse objetivo nacional. O contingenciamento de recursos orçamentários, por exemplo, leva a que se tenha a trivial ideia de uma fatia do orçamento fixada e blindada com relação a remanejamentos. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

91 Guilherme Luiz Passos Miranda Autran Assim sendo, livres de fatores adversos e antagonismos e com planos que prevejam com precisão os recursos econômico-financeiros necessários e suficientes à sua execução, poderão ser implementadas várias ações visando a propiciar o aumento do Poder Militar, sendo que algumas delas já estão em curso como a Estratégia Nacional de Defesa. Com a política de incremento da Indústria Nacional de Defesa, com incentivos fiscais, segundo Medida Provisória n.º 544 de 29/09/2011, que estabelece normas especiais para as compras, será possível manter as empresas de material bélico em ritmo regular de funcionamento, assegurando o mercado de trabalho aos respectivos funcionários e permitindo o cumprimento dos cronogramas de entrega. A produção de materiais bélicos de maior valor agregado, com início de um processo de transformação para exportação sem dependência de tecnologia externa nos componentes de seus produtos, e ainda com uma produção dual, visando a fatias de mercado de produtos civis e militares, será o grande passo para fomentar o desenvolvimento da nossa Base Industrial de Defesa. Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE MATERIAIS DE DEFESA E SEGURANÇA ABIMDE. São Paulo, Disponível em: BARROS, Paulo Cesar Martins. A mobilização nacional e a indústria de material de defesa no brasil. Rio de Janeiro: ESG, BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília, DF: Senado, Decreto n.º 6.592, de 2 de outubro de Regulamenta a Lei , de 27 de dezembro de Disponível em: Decreto/D6592htm.. Decreto nº 6.703, de 18 de dezembro de Aprova a Estratégia Nacional de Defesa, e dá outras providências. Disponível em: br/ccivil_03_.../2008/decreto/d Lei nº , de 27 de dezembro de Dispõe sobre a Mobilização Nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB). Brasília, DF. Disponível em: Medida Provisória n.º 544, de 29 de setembro de Estabelece normas especiais para as compras, as contratações de produtos, de sistemas de defesa, e 90 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

92 Mobilização Nacional e as Indústrias de Defesa de desenvolvimento de produtos e de sistemas de defesa, e dispõe sobre regras de incentivo à área estratégica de defesa e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Seção 1.. Ministério da Defesa. Livro branco de defesa nacional. Brasília, DF, Portaria Normativa nº 899/MD, de 19 de julho de Aprova a política nacional da indústria de defesa. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 jul Seção 1.. Portaria Normativa nº 586/MD, de 24 de abril de Aprova as ações estratégicas para a implementação da política nacional da indústria de defesa. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Seção 1, p.9. DELLAGNEZZE, René. 200 anos da indústria de defesa no Brasil - categoria: geografia e história do Brasil. Brasília, DF: Editora Universitária, Disponível em: www. defesa.ufjf.br. ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Manual básico: elementos fundamentais. Rio de Janeiro, Manual básico: Assuntos específicos. Rio de Janeiro, SILVA, Maria Aparecida da. A Capacidade industrial brasileira de material de defesa: perspectivas para uma mobilização. Rio de Janeiro: ESG, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

93 Maria Inês da Penha Gaspar A MOBILIZAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS SOB A ÓTICA DO DECRETO-LEI N.º DE 08/10/1942 Maria Inês da Penha Gaspar Desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, estagiária do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo O objetivo do presente trabalho é examinar a legislação envolvendo a requisição de serviços e bens móveis e imóveis de propriedade particular, no caso de Mobilização Nacional, sob a ótica do Decreto-Lei n.º de 08 de outubro de Procurouse, inicialmente, apresentar o contexto histórico e a cronologia da legislação constitucional e infraconstitucional sobre o tema antes ventilado. Buscou-se, ainda, conceituar a Mobilização Nacional e a requisição de serviços e bens imóveis ou móveis dentro do Sistema Constitucional Brasileiro e da legislação infraconstitucional, comparando-se, inclusive, com o que ocorre em outros países, para uma melhor visão da questão. Por fim, procurou-se dar uma descrição genérica dos principais tipos de bens sujeitos à requisição, bem como da execução e eventuais direitos decorrentes desta. Concluiu-se que, embora o Decreto-Lei n.º de 08/10/42 seja portador de situações que se fariam presentes até o momento, a legislação necessita de adequações à realidade atual brasileira. A metodologia aplicada consistiu, basicamente, na coleta de informações através de pesquisa realizada por meios vários, em especial, literatura disponível, legislação, sites de internet, jornais e revistas. Não houve, contudo, intenção de se esgotar o tema, merecendo ser ressalvado que a matéria comporta debates. Palavras-chave: Mobilização Nacional; Requisição; Serviços; Bens móveis e imóveis; Decreto-Lei n.º de 08/10/ INTRODUÇÃO Nos termos do artigo 2.º, I da Lei n.º /2007, considera-se mobilização nacional o conjunto de atividades planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado, complementando a Logística Nacional, destinadas a capacitar o País a realizar ações estratégicas, no campo da Defesa Nacional, diante de agressão estrangeira. A mobilização nacional representa, assim, o grau de aptidão que tem uma Nação para, em tempo oportuno, passar de uma situação de paz para uma de guerra, com o máximo de eficácia e o mínimo de transtornos para a vida nacional BRASIL. Escola Superior de Guerra. Mobilização nacional. Rio de Janeiro: ESG, NCE Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

94 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 No Brasil, em decorrência da relativa tranquilidade no território nacional, pontuado apenas pelas Guerras da Cisplatina, do Prata, do Uruguai, e do Paraguai, todas ocorridas na região de fronteira, no período que vai da Declaração de Independência até a Segunda Guerra Mundial, tem-se que somente em 1942, com a entrada no Brasil neste conflito, começou-se efetivamente a discutir e legislar sobre mobilização nacional, aí incluído o Decreto-Lei n.º de 8 de outubro de 1942, objeto do presente trabalho, o qual dispõe sobre a requisição de serviços e bens móveis e imóveis necessários às Forças Armadas e à defesa passiva da população. Constatando-se, pois, que a citada Lei data de quase 70 (setenta) anos, afigura-se imperioso analisar a eventual necessidade de seu aprimoramento, mormente diante do quadro conjuntural nacional e internacional, em que despontam pressões dominantes envolvendo o domínio da Amazônia. São pressões devidas à grande importância estratégica da região por seu potencial hídrico, por sua rica biodiversidade e, ao mesmo tempo, à necessidade de se monitorar uma área de baixa densidade demográfica, de difícil acesso, cujas fronteiras encontram-se suscetíveis ao tráfico internacional de drogas e ameaças terroristas. Entre essas ameaças estão as das FARC e do ressurgimento do Sendero Luminoso, principalmente diante do novel movimento bolivariano revolucionário, fundado pelo atual Presidente da Venezuela Hugo Chávez. Além disso, há o interesse por combustíveis e bens minerais estratégicos, tais como o petróleo da camada do pré-sal e o Nióbio, elemento considerado essencial para conferir melhorias a ligas de aço utilizadas em turbinas de aviões, do qual o Brasil detém mais de 91% das reservas mundiais conhecidas. O presente trabalho abrangerá, assim, a conceituação e aspectos históricos sobre a mobilização nacional e a requisição de serviços e bens, além da cronologia da legislação pertinente, comparando-as, ainda, com o que ocorre em outros países. Assinalar-se-á quem pode exercer a requisição dentro do Sistema Constitucional Brasileiro, bem como será apresentada uma visão genérica dos principais tipos de bens sujeitos à requisição, sua execução e eventuais direitos decorrentes do exercício desta, tecendo, em sua conclusão, algumas sugestões para elaboração de legislação atual a respeito. 2 ASPECTOS HISTÓRICOS SOBRE A MOBILIZAÇÃO NACIONAL E A REQUISIÇÃO DE SERVIÇOS E BENS PARTICULARES Em que pese algumas ações isoladas nos séculos XVII (Rei Gustavo II Adolfo da Suécia) e XVIII (Frederico II da Prússia), apenas no início do século XIX, as nações ocidentais começaram a despender maior atenção à importância das atividades de mobilização nacional, mormente diante dos reveses sofridos pelos inúmeros conflitos armados de longa duração que assolavam a Europa, desde o século anterior, destacando-se nesse período os ensinamentos do General Gerhard Johann David Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

95 Maria Inês da Penha Gaspar Von Scharnhorst, do General Carl Phillip Gottlieb Von Clausewitz, do Barão Antoine- Henri Jomini e do Marechal de Campo Helmuth Karl Bernhard Graf Von Moltke. No âmbito brasileiro, observa-se que, antes do advento da Segunda Grande Guerra, a legislação nacional apenas tangenciava a matéria envolvendo mobilização nacional, estabelecendo a Constituição Imperial de 1824, de forma singela, em seu artigo 36, II ser privativa da Câmara dos Deputados a iniciativa sobre recrutamentos, bem como em seu artigo 145 que todos os brasileiros são obrigados a pegar em armas, para sustentar a independência e integridade do Império, e defendê-lo dos seus inimigos externos ou internos. Por sua vez, a Constituição Republicana de 1891 normatizou, em seu artigo 34, item 18, a competência privativa do Congresso Nacional para legislar sobre a organização do Exército e da Armada ; e no item 20, do mesmo artigo, para mobilizar e utilizar a guarda nacional ou milícia cívica, nos casos previstos pela Constituição, prevendo em seu artigo 80, a possibilidade de declaração de estado de sítio e a consequente suspensão das garantias constitucionais, nos seguintes termos: Art Poder-se-á declarar em estado de sítio qualquer parte do território da União, suspendendo-se aí as garantias constitucionais por tempo determinado quando a segurança da República o exigir, em caso de agressão estrangeira, ou comoção intestina (art. 34, n.º 21). 1º - Não se achando reunido o Congresso e correndo a Pátria iminente perigo, exercerá essa atribuição o Poder Executivo federal (art. 48, n.º 15). 2º - Este, porém, durante o estado de sítio, restringir-se-á às medidas de repressão contra as pessoas a impor: 1º) a detenção em lugar não destinado aos réus de crimes comuns; 2º) o desterro para outros sítios do território nacional. 3º - Logo que se reunir o Congresso, o Presidente da República lhe relatará, motivando-as, as medidas de exceção que houverem sido tomadas. 4º - As autoridades que tenham ordenado tais medidas são responsáveis pelos abusos cometidos. Posteriormente, o Código Civil promulgado em 1º de janeiro de 1916, dispôs expressamente, sobre a requisição da propriedade particular, na forma do artigo 80 da citada Constituição de 1891, sendo o primeiro diploma legal a estabelecer o direito do proprietário à indenização, in verbis: Art Em caso de perigo iminente, como guerra ou comoção intestina (Constituição Federal, art. 80), poderão as autoridades competentes usar da propriedade particular até onde o bem público o exija, garantido ao proprietário o direito à indenização posterior. Parágrafo único. Nos demais casos o proprietário será previamente indenizado, e, se recusar a indenização, consignar-se-lhe-á judicialmente o valor. 94 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

96 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 Vale ressaltar que, a requisição, como se verá mais adiante, é uma das formas de execução da Mobilização Nacional, dentre outras, especificadas no artigo 4.º, parágrafo único e seus incisos da Lei n.º , de 27 de dezembro de 2007, e que são: a) convocação dos entes federados para integrar o esforço da Mobilização Nacional; b) a reorientação da produção, da comercialização, da distribuição e do consumo de bens e da utilização de serviços; c) a intervenção nos fatores de produção públicos e privados; e d) a convocação de civis e militares. A Constituição de 1934 foi a primeira que, expressamente, disciplinou a requisição da propriedade particular, mantendo em seu texto (artigo 113, item 17) a previsão de indenização ulterior, nos moldes do artigo 591 do Código Civil de 1916, na forma abaixo reproduzida: Art A Constituição assegura a brasileiros e a estrangeiros residentes no País a inviolabilidade dos direitos concernentes à liberdade, subsistência, segurança individual e à propriedade, nos termos seguintes: (...) 17) É garantido o direito de propriedade, que não poderá ser exercido contra o interesse social ou coletivo, na forma que a lei determinar. A desapropriação por necessidade ou utilidade pública far-se-á nos termos da lei, mediante prévia e justa indenização. Em caso de perigo iminente, como guerra ou comoção intestina, poderão as autoridades competentes usar da propriedade particular até onde o bem público o exija, ressalvado o direito à indenização ulterior. A Constituição de 1937 nada dispôs sobre a matéria, em que pese tenha sido justamente sob a sua vigência que se deu a única Mobilização Nacional da história do País, em decorrência da entrada no Brasil na 2.ª Guerra Mundial, em Nesse diapasão, em razão da ausência de normas regulamentando a matéria, fezse necessário uma intensa atividade legiferante por parte do Poder Executivo, por meio de Decretos-Lei, dentre estes o Decreto-Lei n.º 4.812/42, objeto de análise pelo presente trabalho, posteriormente alterado pelos Decretos-Lei n. os 5.451/43 e 5.453/43, e complementado pelos Decretos-Lei n. os 5.999/43 e A/45. Curiosamente, em , o Decreto-Lei n.º declarou insubsistente o Decreto-Lei n.º 4.812/42, contudo, poucos dias após, na data de , foi editado o Decreto-Lei n.º 8.158, o qual revogou o Decreto-Lei n.º 8.090/45, revigorando o aludido Decreto-Lei n.º 4.812/42, que se encontra em vigor até hoje. A Constituição de 1946 resgatou em seu artigo 5.º, XV, a competência da União para legislar sobre requisições civis e militares em tempo de guerra, bem como em seu artigo 141, 16.º, a possibilidade de as autoridades competentes se utilizarem da propriedade particular, em caso de perigo iminente, como guerra ou comoção intestina, se assim o exigir o bem público, ficando, todavia, assegurado o direito a indenização ulterior, dispositivos estes mantidos na Constituição de 1967, sob o manto dos artigos 8.º, XVII, alínea g e 150, 22.º, respectivamente. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

97 Maria Inês da Penha Gaspar Em 1962, a legislação brasileira inovou ao admitir, na Lei Delegada n.º 04, de 26 de setembro, a requisição de bens e serviços também em tempo de paz, no intuito de intervir no domínio econômico, para assegurar a livre distribuição de produtos necessários ao consumo e uso do povo e às atividades agropecuárias, da pesca e indústrias do País. Outra inovação foi trazida pela Lei n.º 4.737, promulgada em , que instituiu o Código Eleitoral. Com efeito, o referido Códice previu em seu artigo 365, a requisição de serviços pessoais (por exemplo: mesários), bem como no artigo 135, 2.º e 3.º, a requisição de propriedade particular para o funcionamento das mesas receptoras de votos (por exemplo: clubes, escolas privadas), restrita ao período eleitoral, distinguindo-se das demais formas de requisição por não comportar pagamento pelo uso do bem requisitado, ressalvado, outrossim, o direito à indenização a posteriori, apenas no caso de o proprietário comprovar a ocorrência de algum dano em razão da utilização de seu bem pelo Poder Público. Saliente-se, ainda, dispor o artigo 1.º da Lei n.º 6.091/74 sobre a requisição de veículos e embarcações, pertencentes à União, aos Estados, Territórios e respectivas autarquias e sociedades de economia mista, para o transporte gratuito de eleitores em zonas rurais, em dias de eleição, além de estabelecer o artigo 23, XIV do Código Eleitoral, atualmente regulamentado pela Resolução TSE n.º , de , a possibilidade de o Tribunal Superior Eleitoral requisitar a força federal necessária ao cumprimento da lei, de suas próprias decisões ou das decisões dos Tribunais Regionais que o solicitarem, visando a garantir o livre exercício do voto, a normalidade da votação e da apuração dos resultados, consoante, inclusive, ocorreu no Rio de Janeiro, Alagoas e Amapá na turbulenta eleição no ano de As fotos abaixo ilustram a atuação das Forças Armadas na Operação Eleições 2008 : Eleição no Amapá 54 Eleição no Rio de Janeiro 55 Eleição em Alagoas Disponível em <http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.jcmogi. com.br/fotos// fotos_ jpg&imgrefurl>. Acesso em: 17 out Disponível em <http://g1.globo.com/noticias/rio/foto/0,, ex,00.jpg>. Acesso em: 17 out. 2011; 56 Disponível em <http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.alagoas24horas.com.br/ legba/bancodemidia/3/3/%257b335fc0e6-b788-4cf8-a0e1-1b67e5c8dc7e%257d_exercito%2520- %2520elei%C3%A7%C3%B5es% jpg&imgrefurl=http://www.alagoas24horas.com.br/ eleicao2010/>. Acesso em: 17 out. 2011; 96 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

98 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 De outro giro, a Lei n.º 6.439, editada em 1/09/1977, autorizou em seu artigo 25, a possibilidade de o Poder Executivo requisitar os bens e serviços essenciais à continuidade das atividades de interesse da população a cargo das entidades da Previdência e Assistência Social SINPAS, em caso de calamidade pública, perigo público iminente ou ameaça de paralisação, assegurada ao proprietário indenização ulterior. A atual Constituição Federal, promulgada em 5/10/1988, foi, dentre todas as que mais extensamente, dispôs sobre mobilização nacional e requisição de bens e serviços necessários para sua execução, e será devidamente analisada no próximo capítulo. De seu turno, após séculos de inexplicável ausência, finalmente em 27/12/2007 foi editada a Lei n.º , dispondo sobre a Mobilização Nacional: Art. 2 o Para os fins desta Lei, consideram-se: I - Mobilização Nacional o conjunto de atividades planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado, complementando a Logística Nacional, destinadas a capacitar o País a realizar ações estratégicas, no campo da Defesa Nacional, diante de agressão estrangeira; e Por fim, restou também previsto no artigo 15 da Lei nº 8.080, de uma nova espécie de requisição de bens e serviços particulares, restrita às ações e serviços de saúde em todo o território nacional: Art. 15. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios exercerão, em seu âmbito administrativo, as seguintes atribuições:(...) XIII - para atendimento de necessidades coletivas, urgentes e transitórias, decorrentes de situações de perigo iminente, de calamidade pública ou de irrupção de epidemias, a autoridade competente da esfera administrativa correspondente poderá requisitar bens e serviços, tanto de pessoas naturais como de jurídicas, sendo-lhes assegurada justa indenização; 3 A REQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS NO ATUAL SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO E EM OUTROS PAÍSES, NA HIPÓTESE DE MOBILIZAÇÃO NACIONAL 3.1 Conceito Doutrinariamente, conceitua-se a requisição, como a utilização coativa de bens ou serviços particulares pelo Poder Público por ato de execução imediata e direta da autoridade requisitante e indenização ulterior, para atendimento de necessidades coletivas urgentes e transitórias MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 36 ed. São Paulo: Malheiros, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

99 Maria Inês da Penha Gaspar Na esteira dos ensinamentos ministrados pela professora Maria Sylvia Z. Di Pietro 58, a propriedade é o direito individual que assegura a seu titular uma série de poderes, cujo conteúdo constitui objeto do direito civil (artigo do atual Código Civil 59 ), compreendendo os poderes de usar, gozar e dispor da coisa, de modo absoluto, exclusivo e perpétuo. Entretanto, tais poderes não podem ser exercidos de forma ilimitada, tanto por conflitar com direitos alheios de igual natureza, quanto por existirem interesses públicos maiores, quais sejam, a necessidade ou utilidade pública e o interesse social, bem como, situação de perigo público iminente, conforme expressamente ressalvado na Constituição Federal e no artigo 1.228, 3.º, do Código Civil, incumbindo ao Poder Público exercer sua tutela, ainda que acarrete prejuízo a interesses individuais. Nesse diapasão, para viabilizar tal destinação pública ou de interesse social à propriedade, criou-se para o Estado uma série de mecanismos que o possibilitam intervir no domínio privado e na ordem econômica, a saber: a desapropriação 60, a 58 DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 22 ed. São Paulo: Atlas, Art O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha. 1.º O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas. 2.º São defesos os atos que não trazem ao proprietário qualquer comodidade, ou utilidade, e sejam animados pela intenção de prejudicar outrem. 3.ºO proprietário pode ser privado da coisa, nos casos de desapropriação, por necessidade ou utilidade pública ou interesse social, bem como no de requisição, em caso de perigo público iminente. 4o O proprietário também pode ser privado da coisa se o imóvel reivindicado consistir em extensa área, na posse ininterrupta e de boa-fé, por mais de cinco anos, de considerável número de pessoas, e estas nela houverem realizado, em conjunto ou separadamente, obras e serviços considerados pelo juiz de interesse social e econômico relevante. 5.º No caso do parágrafo antecedente, o juiz fixará a justa indenização devida ao proprietário; pago o preço, valerá a sentença como título para o registro do imóvel em nome dos possuidores. 60 Segundo Hely Lopes Meirelles, desapropriação é a mais drástica das formas de manifestação do poder de império, ou seja, da Soberania interna do Estado no exercício de seu domínio eminente sobre todos os bens existentes no território nacional. É a transferência compulsória da propriedade particular ou pública (de entidade de grau inferior para a superior) para o Poder Público ou seus delegados, por utilidade ou/e necessidade pública e, ainda, por interesse social, mediante prévia e justa indenização em dinheiro (artigo 5.º, XXIV da CF), salvo as exceções constitucionais de pagamento em títulos da dívida pública de emissão previamente aprovada pelo Senado Federal, no caso de área urbana não edificada, subutilizada ou não utilizada (artigo 182, 4.º, III da CF), e de pagamento em títulos da dívida agrária, no caso de Reforma Agrária, por interesse social (artigo 184 da CF). Cf. op. cit. p. 632/ Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

100 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 ocupação temporária 61, a servidão administrativa 62, as limitações administrativas 63, o tombamento 64, o parcelamento e edificação compulsórios 65, bem como, a requisição, esta última objeto de análise no presente trabalho. Observa-se, ainda, coexistirem em nossos dias atuais, a requisição civil e a requisição militar, ambas com conceituação jurídica idêntica e com os mesmos fundamentos, mas com objetivos diversos. A requisição civil objetiva evitar danos à vida, à saúde e aos bens da coletividade, enquanto a requisição militar visa ao resguardo da segurança interna e a manutenção da Soberania Nacional. Ambas são cabíveis em tempo de paz, independentemente de qualquer nova regulamentação legal, desde que se apresente uma real situação de perigo público iminente (inundação, incêndio, sonegação de gêneros de primeira necessidade, conflito armado, comoção intestina), todavia, em tempo de guerra, as requisições, tanto civis como militares, deverão atender aos preceitos da lei federal específica, in casu, o Decreto-Lei n.º 4.812/ A requisição de bens particulares e serviços pessoais no sistema constitucional brasileiro, na hipótese de mobilização nacional Dispõe o artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 4.812, de 8 de outubro de 1942, que: As requisições das coisas móveis, dos serviços pessoais e da ocupação temporária de propriedade particular, que forem efetivamente necessárias à defesa e à segurança nacional, observarão as formalidades da presente lei. 61 É a utilização transitória, remunerada ou gratuita, de bens particulares pelo Poder Público, para a execução de obras, serviços ou atividades públicas ou de interesse público (artigo 5º, XXV da CF). Seu fundamento normalmente é a necessidade de local para depósito de equipamentos e materiais destinados à realização de obras e serviços públicos nas vizinhanças da propriedade particular. 62 É um ônus real de uso imposto pela Administração à propriedade particular para assegurar a realização e conservação de obras e serviços públicos ou de utilidade pública, mediante indenização dos prejuízos efetivamente suportados pelo proprietário. Detém caráter perpétuo. 63 É toda imposição geral, gratuita, unilateral e de ordem pública condicionadora do exercício de direitos ou de atividades particulares às exigências do bem-estar social. Afeta o caráter absoluto do direito de propriedade, ou seja, o atributo pelo qual o titular tem o poder de usar, gozar e dispor da coisa da maneira que melhor lhe aprouver. 64 Nas palavras de Maria Sylvia Z. Di Pietro (DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 22 ed. São Paulo: Atlas, 2009), implica em limitação parcial e perpétua ao direito de propriedade em benefício do interesse coletivo; afeta o caráter absoluto do direito de propriedade e acarreta ônus maior do que as limitações administrativas, porque incide sobre imóvel determinado. Visa a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Cf. op. cit. p São medidas impostas ao proprietário que não utiliza adequadamente a sua propriedade, e atingem o caráter absoluto e perpétuo do direito de propriedade. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

101 Maria Inês da Penha Gaspar Conforme anteriormente assinalado, por se tratar de uma exceção a um direito fundamental, a requisição de bens e serviços, em tempo de guerra, não se faz de forma arbitrária, por critério discricionário das autoridades. Ela é instituída pela Constituição e regulada por leis federais que a disciplinam e estabelecem o modo e forma de sua execução. A requisição de bens e serviços encontra seu principal fundamento legal no artigo 5.º, XXV da Constituição Federal: Art. 5.º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, igualdade, segurança e à propriedade, nos termos seguintes: XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade competente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver dano; E se insere no Sistema Constitucional Brasileiro como uma das medidas necessárias à execução da Mobilização Nacional, nos termos do artigo 4.º, parágrafo único, inciso IV, da Lei n.º , de 27 de dezembro de 2007, representada esta como no conjunto de atividades planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado, complementando a Logística Nacional, destinadas a capacitar o País a realizar ações estratégicas, no campo da Defesa Nacional, diante de agressão estrangeira, nos termos do artigo 2.º da Lei n.º , de 27 de dezembro de 2007 e do artigo 2º. do Decreto n.º 6.592, de 2 de outubro de 2008, que o regulamentou, in verbis: Art. 2. o A Mobilização Nacional conceituada no art. 2. o da Lei n. o , de 2007, é a medida decretada pelo Presidente da República, em caso de agressão estrangeira, visando à obtenção imediata de recursos e meios para a implementação das ações que a Logística Nacional não possa suprir, segundo os procedimentos habituais, bem como de outras necessidades. 1. o São parâmetros para a qualificação da expressão agressão estrangeira, dentre outros, ameaças ou atos lesivos à soberania nacional, à integridade territorial, ao povo brasileiro ou às instituições nacionais, ainda que não signifiquem invasão ao território nacional. 2. o Para fins de Mobilização Nacional, entende-se como Logística Nacional o conjunto de atividades relativas à previsão e provisão dos recursos e meios necessários à realização das ações decorrentes da Estratégia Nacional de Defesa. 3. o A Mobilização Nacional subdivide-se na fase do preparo e na da execução. Com efeito, tem-se que, nos termos da Proposta Preliminar de Política e Diretrizes Governamentais da Mobilização Nacional, elaborada pelo Ministério da Defesa, a Mobilização Nacional constitui uma: 100 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

102 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 Complexa gama de atividades integradas, planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado com o concurso dos bens e serviços, das habilidades e do esforço de cooperação estabelecido entre o poder público, a sociedade e a iniciativa privada, para o fim de evitar, prevenir ou reparar os efeitos decorrentes de agressão estrangeira. 66 Daí, sua alta relevância para a Nação e a Federação, a atrair a competência privativa da União para legislar sobre a matéria, consoante a Carta Magna de 1988, em seu artigo 22, III e XVIII: Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: [...] III - requisições civis e militares, em caso de iminente perigo e em tempo de guerra; [...] XXVIII - defesa territorial, defesa aeroespacial, defesa marítima, defesa civil e mobilização nacional; De seu turno, dispõe o artigo 84, XIX, da Constituição Federal competir privativamente ao Presidente da República declarar guerra, no caso de agressão estrangeira, autorizado pelo Congresso Nacional ou referendado por ele, quando ocorrida no intervalo das sessões legislativas, e, nas mesmas condições, decretar, total ou parcialmente, a mobilização nacional. Determinam, ainda, os artigos 136, 1.º, II e 137 da Lei Máxima, sobre a decretação do Estado de Defesa e do Estado de Sítio, constituindo o primeiro uma modalidade mais branda do segundo, visando a preservar ou a restabelecer a ordem pública ou a paz social ameaçada por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidades de grandes proporções da natureza, enquanto o Estado de Sítio corresponde à suspensão temporária e localizada de garantias constitucionais, diante da ineficácia da decretação do Estado de Defesa, de comoção grave de repercussão nacional, ou da declaração de estado de guerra ou resposta à agressão armada estrangeira, nos seguintes termos: Art O Presidente da República pode, ouvidos o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional, decretar estado de defesa para preservar ou prontamente restabelecer, em locais restritos e determinados, a ordem pública ou a paz social ameaçada por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidades de grandes proporções na natureza. 1.º - O decreto que instituir o estado de defesa determinará o tempo de sua duração, especificará as áreas a serem abrangidas e indicará, nos termos e limites da lei, as medidas coercitivas a vigorarem, dentre as seguintes: [...] 66 BRASIL. Ministério da Defesa. Proposta preliminar de política e diretrizes governamentais da mobilização nacional. Disponível em <http://www. mobilizacaonacional.org.br/mobnac/pmn_ minuta.pdf>. Acesso em: 28 set Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

103 Maria Inês da Penha Gaspar II - ocupação e uso temporário de bens e serviços públicos, na hipótese de calamidade pública, respondendo a União pelos danos e custos decorrentes. Art O Presidente da República pode, ouvidos o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional, solicitar ao Congresso Nacional autorização para decretar o estado de sítio nos casos de: I - comoção grave de repercussão nacional ou ocorrência de fatos que comprovem a ineficácia de medida tomada durante o estado de defesa; II - declaração de estado de guerra ou resposta a agressão armada estrangeira. Parágrafo único. O Presidente da República, ao solicitar autorização para decretar o estado de sítio ou sua prorrogação, relatará os motivos determinantes do pedido, devendo o Congresso Nacional decidir por maioria absoluta. [...] Art Na vigência do estado de sítio decretado com fundamento no art. 137, I, só poderão ser tomadas contra as pessoas as seguintes medidas: [...] VII - requisição de bens; Dessa forma, constata-se que o Decreto-Lei n.º 4.812/42 destina-se à regular a requisição de bens e serviços, na hipótese de Mobilização Nacional decorrente de resposta à agressão armada estrangeira e/ou decretação de estado de guerra pelo Presidente da República, na forma do artigo 5.º, XXV da Constituição Federal. Outrossim, uma vez evidenciada a necessidade de requisição de bens e/ou serviços para a defesa e a segurança nacional, impende definir a quem incumbe tal procedimento. Com efeito, a competência para o exercício do poder de requisitar encontra-se regulada no artigo 12 do Decreto-Lei n.º 4.812/42, constituindo ato próprio dos Ministros (atual Ministério da Defesa) 67 e Comandos Militares e do Ministro da Justiça, sendo extensível, por ato do Presidente da República, a outros Ministros, Interventores e Governadores de Estado, nos termos do artigo 12, caput e 1.º do mesmo diploma legal, ou a eventual Presidente de Comissão Central de Requisições, acaso nomeado pelo Presidente República, a teor do disposto no 2.º do mesmo artigo. 3.3 A mobilização nacional e a requisição de bens e serviços em outros países Até 27 de dezembro de 2007, data da promulgação da Lei n.º , o Brasil sequer possuía uma lei que orientasse a estratégia de defesa do País, no caso de 67 Os antigos Ministérios da Marinha, do Exército e da Aeronáutica foram transformados em Comandos do Ministério da Defesa, o qual foi oficialmente criado através da Lei Complementar n. 97 de 10 de junho de Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

104 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 ameaça de agressão estrangeira, encontrando-se em muito defasado em relação aos demais Estados Nacionais. Enquanto enfrentou-se uma única Mobilização Nacional na época da 2.ª Guerra Mundial, outros países, tais como Israel e Suíça, vivem em constante estado de mobilização para uma eventual agressão armada contra seu território. Na Suíça, por exemplo, a prestação do serviço militar é obrigatória para os homens entre os 20 e os 42 anos, sendo optativo para as mulheres e os que vivam no exterior. Após o treino oficial, cada cidadão fica obrigado a um treinamento de três a quatro semanas por ano e é responsável pelo equipamento individual, da farda à arma (pistola ou fuzil de assalto). Extrai-se, ainda, dos órgãos de informação e notícias divulgadas pela internet, ser a única nação do ocidente que tem abrigos completamente fornidos de comida e suprimentos para um ano, para todos os seus cidadãos em caso de guerra, além de fortificações civis de defesa, detendo capacidade para mobilizar toda a nação em menos de quarenta e oito horas. No que tange à requisição de bens, vale citar deterem, os cidadãos-soldados, autorização para fazerem parar veículos que estiverem passando pelas ruas e estradas e ordenar que os transportem até os pontos de mobilização. Tal grau de preparação faz com que a Suíça não se torne um alvo atraente para invasões, tendo funcionado diversas vezes como efeito dissuasório, inclusive durante as duas grandes guerras mundiais, de modo a garantir a integridade de seu território e sua neutralidade nos conflitos, ainda que deveras atraente por suas substanciais reservas financeiras e localização estratégica. As fotografias seguintes bem retratam o grau de preparação: Treinamento militar feminino na Suiça 68 Exército suíço 69 Seguindo a mesma estratégia de defesa, há o Estado de Israel, no qual o serviço militar é obrigatório para ambos os sexos, a partir dos dezoito anos, sendo que os cidadãos do sexo masculino devem servir por um período de três anos e, após terminado, cada um é indicado para uma unidade da reserva, na qual servirá 68 Disponível em <http://www.zecamat.com.br/swiss2.jpg>. Acesso em: 17 out. 2011; 69 Disponível em <http://www.en.sgwp.wp.mil.pl/plik/image/_dsc9160.jpg>. Acesso em: 17 out. 2011; Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

105 Maria Inês da Penha Gaspar por um período que varia entre trinta a sessenta dias e que pode ser prorrogado por mais tempo, dependendo da necessidade. Já as mulheres devem prestar o serviço militar por um período inicial de dois anos, após o que servem na reserva uma vez por ano, até os vinte e quatro anos de idade, enquanto os homens servem até os quarenta anos. Pode-se citar, ainda, Portugal, que desde a Lei n.º 20/1995, já conta com uma legislação mais moderna em termos de Mobilização Nacional e requisição de bens, prevendo em seu artigo 37 a possibilidade de intervenção do Estado no funcionamento das empresas ou serviços requisitados, e se for o caso, até mesmo substituir, temporariamente os respectivos órgãos de gestão, dispositivo este inexistente na legislação brasileira. 4 OS SERVIÇOS E BENS SUJEITOS À REQUISIÇÃO, SUA EXECUÇÃO E DIREITOS DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS E PROPRIETÁRIOS 4.1 Dos serviços e bens sujeitos à requisição Da análise da legislação brasileira, é possível afirmar constituir a requisição de serviços e bens um procedimento unilateral e autoexecutório, o qual se efetiva independentemente da vontade do particular. É sempre um ato de império do Poder Público, discricionário quanto ao objeto e oportunidade da medida, mas condicionado à existência de iminente perigo público e à necessidade de defesa ou segurança do País e/ou à manutenção da vida normal da população civil e dos animais úteis, no caso de mobilização nacional. A requisição deve ser exercida de acordo com decreto a ser expedido pelo Poder Executivo Federal, nos termos do artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 4.812/42, o qual deverá determinar a área em que poderá ser exercido o direito de requisição, na hipótese de não se tratar de mobilização geral, a teor do disposto no parágrafo único do mesmo artigo e reproduzido no artigo 4.º, parágrafo único, IV da Lei n.º , de 27 de dezembro de No tocante à requisição de serviços, encontra-se esta regulamentada no artigo 5.º do referido decreto, sendo ressalvado no 1.º somente poderem ser requisitados os serviços de pessoas nacionais ou estrangeiras, maiores de dezoito anos, aí inclusos os funcionários aposentados, desde que julgados aptos em inspeção de saúde, conforme assinalado em seu 2.º. Em relação aos bens passíveis de requisição, estabelece o artigo 2.º do Decreto-Lei n.º 4.812/42 ser permitida a requisição do que for indispensável ao aprestamento, aprovisionamento e transporte das forças armadas de terra, mar e ar, quando empenhadas em operações de guerra ou de defesa da segurança nacional, sendo também lícito, no interesse da defesa nacional e da salvaguarda do Estado, requisitar a ocupação e utilização de empresas e instituições de fins econômicos 104 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

106 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 ou não, que se tornarem necessários à mobilização do país, a teor do disposto no artigo 3.º do mesmo diploma legal. Já o artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 4.812/42 determina serem permitidas em todo o território nacional ou em parte dele, as requisições de tudo quanto for necessário à alimentação, abrigo/habitação e vestuário da população civil e alimentação de solípedes, gado, aves, animais úteis, bem como as de combustíveis e meios de iluminação das cidades, vilas e povoados e respectivas casas, de meios de transporte em geral, urbanos, interurbanos e interestaduais, de serviços de abastecimento d água e tudo, enfim, quanto for útil à vida normal das populações, do indivíduo e dos animais úteis, quando se verificar aumento sem causa justificada do custo de vida ou quando houver deslocamento de populações ou de grupos de pessoas em virtude de necessidades militares. O Decreto-Lei n.º 4.812/42 enuncia em seu artigo 15 os bens e coisas sujeitas à requisição, tais como, o alojamento e o acantonamento das tropas nas casas de residência de particulares; a utilização dos meios de atrelagem e de transporte de qualquer espécie, inclusive navios para tráfego marítimo, fluvial e lacustre; os caminhos de ferro e os aparelhos e material de transporte aéreo, tudo com seu pessoal e suas instalações e dependências; a ocupação dos hospitais com todo seu pessoal, instalações, dependências instrumentos e medicamentos; frisando, ainda, em seu item 14, ser passível de requisição tudo quanto, embora não indicado nos números acima, for necessário ao serviço de defesa da Nação e à manutenção da ordem e do moral da população civil, tendo posteriormente o artigo 2.º do Decreto- Lei n.º 5.999, de 18 de novembro de 1943 acrescentado estar também sujeito à requisição tudo aquilo que, a juízo do Governo, for útil ao esforço de guerra do país ou ao esforço econômico decorrente do estado de guerra. Dos artigos 16 a 28, o Decreto-Lei n.º 4.812/42 detalha a forma de requisição dos bens ali mencionados, excepcionando em seu artigo 29 os bens e coisas que não poderão ser objeto de requisição, a saber: 1 - os víveres destinados ao consumo da família durante um mês; 2 - as forragens destinadas à alimentação dos animais durante 15 dias; 3 - os materiais, mercadorias e objetos destinados ao funcionamento normal dos estabelecimentos não requisitados, durante um período de três meses; 4 - os meios de transporte dos médicos, cirurgiões e parteiros, salvo caso de necessidade imprescindível; 5 - os bens imóveis e moveis indispensáveis às obras de caridade e assistência; 6 - os bens de qualquer natureza de uso dos agentes diplomáticos e consulares dos países que concedem igual isenção aos agentes diplomáticos e consulares do Brasil. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

107 Maria Inês da Penha Gaspar Vale assinalar, por fim, ser vedada a requisição de bens integrantes do patrimônio público estadual e municipal pelo Poder Público Federal em período de normalidade, permitindo a Constituição a requisição de tais bens apenas nas hipóteses de decretação do Estado de Defesa e do Estado de Sítio, previstos em seus artigos 136, 1.º, II e 137, tendo sido a matéria, inclusive, objeto de apreciação pelo E. Supremo Tribunal Federal, no Mandado de Segurança n.º 25295/DF, Relator Min. Joaquim Barbosa, julgado em 20/04/2005, no qual concedeu-se a ordem, reconhecida a inconstitucionalidade do Decreto n.º 5.392/2005 da União, que requisitava hospitais do Município do Rio de Janeiro, em razão da decretação de estado de calamidade pública no Sistema Único de Saúde deste município. 4.2 Execução da requisição Com relação à forma de execução das requisições, encontra-se esta disciplinada no artigo 31 do Decreto-Lei n.º 4.812/42, o qual estabelece deverem essas ser dirigidas aos Prefeitos Municipais ou à autoridade civil mais graduada da localidade e, apenas nos casos justificadamente, excepcionais e urgentes, poderá ser feita diretamente ao requisitado. Ressalte-se incumbir aos Prefeitos ou à autoridade civil nomeada, analisar a validade da requisição e repartir os encargos entre os munícipes, de modo a adequar o pedido de acordo com os recursos de cada um, sem sobrepujar as possibilidades do local e de seus habitantes, além de serem aqueles obrigados a providenciar os meios para que a requisição seja satisfeita no lugar e dia marcados pela autoridade requisitante. 4.3 Direitos dos prestadores de serviços e proprietários A requisição de serviços pessoais é em regra onerosa, a ensejar remuneração equivalente a que os indivíduos perceberiam exercendo funções assemelhadas (artigo 5.º, 3º do Decreto-Lei nº 4.812/42), enquanto a requisição de bens móveis e imóveis não comporta pagamento de indenização pelo uso do bem requisitado, a menos que tenha havido dano, consoante expressamente previsto no artigo 5.º, XXV da Constituição Federal. Com efeito, o Poder Público assume a posse do bem para utilizá-lo, o qual deve ser restituído ao seu devido proprietário findado o prazo para a requisição, acaso não se trate de um bem consumível, ou seja, cujo uso consistirá na sua consunção, hipótese em que deverá ser substituído por outro de igual quantidade e qualidade, ou indenizado pelo seu justo valor, a teor do disposto no artigo 10 do decreto em tela. Por sua vez, em tendo o bem requisitado sofrido alguma avaria ou seu proprietário tenha sofrido algum prejuízo em decorrência de sua privação temporária, é facultada a indenização ulterior, todavia incumbindo ao particular 106 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

108 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 a sua comprovação, não decorrendo da legislação qualquer presunção a seu favor. Acrescente-se que tais pedidos de indenização deverão ser apreciados e julgados pela Comissão Central de Requisições a ser criada, na forma dos artigos 34, alínea b do Decreto-Lei n.º 4.812/42; 3.º do Decreto-Lei n.º 5.275, de 24 de fevereiro de 1943; e 3.º do Decreto-Lei n.º A, de 10 de fevereiro de 1945, sendo que eventual ação judicial deverá ser ajuizada em face da União e, consequentemente, perante a Justiça Federal. 5 CONCLUSÃO Os procedimentos afetos à Mobilização Nacional têm natureza preventiva e antecipatória, pois exigem prévio planejamento desde a normalidade das relações internacionais até a indesejável situação de crise e de beligerância que possa resultar em agressão contra a soberania do Estado brasileiro. A legislação brasileira pertinente à Mobilização Nacional deve ter como meta, assim, capacitar o País a realizar ações estratégicas no campo da defesa, compreendendo não só a intervenção nos fatores de produção e a ocupação de bens e serviços no caso de ameaças ou de efetivos atos lesivos à soberania nacional, mas até mesmo a reorientação da produção, da comercialização, da distribuição e consumo de bens e da utilização de serviços. Nesse diapasão, em que pese o Decreto-Lei n.º 4.812/42 ser minucioso ao especificar os bens e serviços requisitava, não só para uso militar, mas também para garantir o máximo de normalidade a população civil, especialmente no que tange à alimentação, saúde e transporte, por outro lado, não há como olvidar encontrarse tal decreto desatualizado, em verdadeiro descompasso com a evolução da tecnologia e ao moderno conceito de guerra, bem como em relação à Lei n.º , de 27 de dezembro de 2007, instituiu o SINAMOB, e às demais leis que dizem respeito à execução da mobilização nacional, referindo-se, inclusive, a órgãos da Administração Pública não mais existentes. O ideal, portanto, é que seja elaborada nova legislação envolvendo a requisição de bens e serviços, no caso de execução da Mobilização Nacional mais adequada à realidade atual brasileira, e que poderia observar como sugestão, os seguintes pontos abaixo descritos: Disciplinar o funcionamento do sistema financeiro nacional na fase da Mobilização Nacional e durante o período das requisições; Prever a requisição de serviços e bens de estrangeiros, inclusive de empresas multinacionais, bem como regular a situação dos trabalhadores nacionais de países inimigos que prestem serviço nas empresas ou nos serviços requisitados; Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

109 Maria Inês da Penha Gaspar Dispor sobre eventual tributação incidente sobre os bens e serviços a ser objeto de requisição; Elaborar e atualizar cadastros de empresas com bens requisitava; Padronizar, em período anterior à Mobilização Nacional e requisições, as especificações técnicas de produtos e serviços, tais como unificação da bitola dos trens, a fim de viabilizar o transporte de tropas, armamentos, suprimentos e deslocamento da população civil; Incentivar a integração entre os diversos modais no país, bem como à utilização maior de hidrovias e ferrovias, no intuito de reduzir a dependência do meio rodoviário, possibilitando sua imediata requisição; Regulamentar direito e deveres dos cidadãos mobilizados, com parâmetros para fixação de remuneração, regime e horário de trabalho; Dispor, especificamente, sobre a requisição de fontes produtoras de energia, tais como refinarias e usinas termelétricas; e Estabelecer parâmetros para utilização de redes de comunicação, por exemplo, telefonia fixa e celular, bem como satélites, equipamentos de Informática, e acesso à rede mundial de computadores; Todavia, para que a requisição de bens e serviços, como modalidade de Mobilização Nacional, possa ser prontamente executada, é necessário, inicialmente e antes de qualquer ação, incentivar a que os particulares responsáveis por indústrias ou equipamentos considerados estratégicos sejam convidados, ainda, antes de sua instalação/construção a aderirem ao Plano Nacional de Mobilização, visando a estudar e a implementar adaptações necessárias que facilitem sua conversão ao uso militar, como por exemplo, a construção de uma terceira faixa de rolamento em uma rodovia, que permita o pouso e decolagem de aeronaves naquele trecho; uma empresa de barras de cereais que possa converter a produção para rações de emergência para combate com alimentos liofilizados e em conserva; ou até mesmo transformar uma fábrica de batons em produtora de projéteis para metralhadoras e fuzis de baixo calibre, ao trocar o plástico da embalagem por metal e a massa do batom por chumbo. Faz-se mister, portanto, maior conscientização da sociedade na possibilidade de Mobilização Nacional, bem como na adequação/elaboração de legislação pertinente à sua execução, aí incluída a requisição de bens e serviços, merecendo ser salientado que a Mobilização Nacional exige planejamento e preparo eficiente, ainda em tempo de paz. Por fim, cumpre assinalar a recente edição da Medida Provisória n.º 544, de 29 de setembro de 2011, a qual estabelece normas especiais para compras, contratações e desenvolvimento de produtos, sistemas de defesa, dispondo, ainda, sobre regras de incentivo a áreas estratégicas de defesa, o que acena para o 108 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

110 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 reaparelhamento da indústria de defesa brasileira, espinha dorsal da Mobilização Nacional. Referências ANTOINE-HENRI JOMINI. In: WIKIPEDIA: a enciclopedia livre. Estados Unidos: Fundação Wikimedia, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/antoine- Henri_ Jomini> Acesso em: 26 set BARBOSA, Edgard Fernando. Requisição de imóveis de particulares pela Justiça Eleitoral. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/direito/article/ download /.../1468>. Acesso em: 27 set BASTOS, Celso Ribeiro; MARTINS, Ives Gandra. Comentários à Constituição do Brasil. 2 ed. São Paulo: Saraiva, v. 2 e 3. BRASIL. Ministério da Defesa. Proposta preliminar de política e diretrizes governamentais da Mobilização Nacional. Brasília, DF. Disponível em: <http://www. mobilizacaonacional.org.br/mobnac/pmn_minuta.pdf> Acesso em: 28 set BRASIL. Presidência da República. Diretrizes de governo: atualizada em: 4 de julho de Disponível em: <http://www2.planalto.gov.br/presidenta/diretrizes-degoverno> Acesso em: 29 set BULOS, Uadi Lammêgo. Constituição federal anotada. 9 ed. São Paulo: Saraiva, CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. 21. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, CARL VON CLAUSEWITZ. In: WIKIPEDIA: a enciclopedia livre. Estados Unidos: Fundação Wikimedia, Disponível em: < Clausewitz Acesso em: 26 set DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 22 ed. São Paulo: Atlas, ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Mobilização Nacional: nota complementar de estudos. Rio de Janeiro, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

111 Maria Inês da Penha Gaspar EXÉRCITO SUÍÇO. In: WIKIPEDIA: a enciclopédia livre. Estados Unidos: Fundação Wikimedia, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/exército_suíço> Acesso em: 29 set FORÇAS DE DEFESA DE ISRAEL. In: WIKIPEDIA: a enciclopédia livre. Estados Unidos: Fundação Wikimedia, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/forças_ de_defesa_de_israel> Acesso em: 29 set FREDERICO II DA PRÚSSIA. In: WIKIPEDIA: a enciclopédia livre. Estados Unidos: Fundação Wikimedia, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/frederico_ii_da_ Pr%C3%BAssia> Acesso em: 27 set GERHARD VON SCHARNHORST. In: WIKIPEDIA: a enciclopédia livre. Estados Unidos: Fundação Wikimedia, Disponível em:< von_ Scharnhorst> Acesso em: 26 set GUERESCHI, João Fernando. Mobilização Nacional: A criação de um Sistema Nacional de Mobilização. Idéias em Destaque, Rio de Janeiro, n.1, p.09-28, Disponível em: <http://www.esg.br/uploads/2010/12/cadernosalmob 2007_r. pdf> Acesso em: 28 set GUSTAVO II ADOLFO DA SUÉCIA. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/ Gustavo_II_ Adolfo_da_Su%C3%A9cia>. Acesso em 26 set HELMUTH VON MOLTKE. In: WIKIPEDIA: a enciclopédia livre. Estados Unidos: Fundação Wikimedia, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/helmuth_ von_ Moltke> Acesso em 26 set ISTO É ISRAEL: Forças de Defesa de Israel. Disponível em: <http://brazilia.mfa.gov.il/mfm/web/main/print. asp?documentid= 23232> Acesso em: 19 ago MATOS, Fabio Souza Lopes de. Os Minerais críticos Estratégicos e a Mobilização Nacional. O Caso Específico do Nióbio. Rio de Janeiro: ESG, Disponível em: < pdf> Acesso em: 28 set MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 36 ed. São Paulo: Malheiros, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

112 A Mobilização de Bens e Serviços Sob a Ótica do Decreto-Lei Nº 4.812, de 8/10/1942 MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil interpretada e legislação constitucional. 6 ed. São Paulo: Atlas, NASCIMENTO, Alexandre Costa. A indústria do PR em tempos de guerra. Gazeta do Povo, Curitiba, 28 jun Disponível em: <http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?id= > Acesso em: 29 set OS SUÌÇOS E SUAS ARMAS. Disponível em: <http://www.armaria.com.br/suiços. htm> Acesso em: 23 ago PINHEIRO, Dirceu Resende. A Constituição e a Mobilização Nacional. Disponível em: <http://www.esg.br/uploads/2010/12/cadernosalmob2007_r. pdf> Artigo científico. ESG, Acesso em: 26 set PORTUGAL. Lei n.º 20, de 13 de julho de Regula a mobilização e a requisição no interesse da defesa nacional. Disponível em: < mobilizacao_e_ requisicao.html> Acesso em: 29 set PRIMO, Carlos Henrique Carvalho. Mobilização de bens e serviços. Rio de Janeiro: ESG, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

113 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva MOBILIZAÇÃO EM CASOS DE CATÁSTROFES NATURAIS OU ARTIFICIAIS A IDENTIFICAÇÃO DA SOCIEDADE COM AS ATIVIDADES DE MOBILIZAÇÃO NACIONAL POR MEIO DE SUA ATUAÇÃO EM CASOS DE CATÁSTROFES Paulo Roberto Neves Augusto da Silva Capitão de Mar e Guerra (IM) da Marinha do Brasil, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo Alguns dos grandes obstáculos ao efetivo desenvolvimento da atividade mobilização estão no comprometimento dos órgãos envolvidos em seu sistema, no reconhecimento de sua importância pelos dirigentes e pela sociedade. Decorre desse distanciamento, a escassez de recursos e estagnação das ações de implementação da mobilização nacional. O questionamento eleito para esta postura temática recai exatamente sobre a identificação social, na atualidade, com as atividades da mobilização nacional e como alcançar o comprometimento da sociedade como um todo com a mobilização. A atuação da mobilização nacional em catástrofes será capaz de alcançar esse desiderato? Em busca de tais respostas este artigo tem por objetivo apresentar as transformações dogmáticas ocorridas na mobilização nacional tendo como limitação temporal a lei de requisições de 1942, o conceito atual de mobilização e a possibilidade do incremento da identificação da sociedade com suas atividades, por meio da atuação em tempos de paz, nas catástrofes naturais e artificiais. Perscrutar-se-á ainda quanto a sua contribuição na atuação em catástrofes, para o crescimento e aperfeiçoamento tanto da atividade de mobilização nacional, como da sociedade, por meio do desenvolvimento da mentalidade de mobilização. Observa-se, portanto, neste trabalho a grande oportunidade de angariar apoio e motivação social quando da atuação em tempos de paz da mobilização em atendimento às catástrofes, analisando para tal, os dispositivos legais vigentes, os princípios que cercam os conceitos onde se insere a mobilização e o volume cada vez maior dos acontecimentos de consequências calamitosas na atualidade em níveis globais. Palavras-chave: Mobilização e sociedade; Importância da mobilização nacional; Atendimento em catástrofe. 112 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

114 Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais 1 INTRODUÇÃO O ser humano só é magnânimo no sofrimento. Partindo dessa premissa, quem sabe se as catástrofes sirvam para tocar o coração do homem e através de um mutirão engajado abra-se a janela da consciência solidária. (Otto Lara Resende) O problema em questão que se desvela no presente trabalho é de como, por meio da atuação da mobilização nacional em catástrofes, pode-se obter a imprescindível identificação da sociedade com as atividades da mobilização e, por conseguinte, o comprometimento social com a mobilização nacional. Essa questão necessariamente determina, para uma melhor compreensão, que se faça uma apresentação das transformações dogmáticas ocorridas ao longo de décadas, no que concerne à mobilização nacional, às transformações legislativas que regularam e regulam essa atividade em apoio às vítimas das catástrofes e às transformações havidas também nas catástrofes, em sua forma e dimensões que na atualidade atingem o mundo. O dicionário Aurélio define mobilização como sendo o Conjunto de medidas governamentais e militares destinadas à defesa de um país ou à preparação dele para determinada ação militar Segue-se a este conceito inúmeras definições em uma miríade de normas e dispositivos legais sob o mesmo entendimento, qual seja, de uma atividade voltada a ameaças externas, a ações militares, à Defesa Nacional e a guerras. Trata-se de um conceito muito mais abrangente. Assim é que, nesta postura temática, o autor deteve-se sobre um dos conceitos mais imbricados que diz respeito à Defesa Nacional, à abrangência e ao escopo do que vem a ser mobilização, à identificação de suas atividades, bem como à sua importância junto à opinião pública. Tomando-se, portanto, a definição do dicionário Aurélio como ponto de partida, identifica-se prima facie um dos maiores óbices enfrentados na captação do envolvimento social com a mobilização nacional e, por conseguinte, com as suas atividades de preparo, qual seja, exatamente no alcance de seu conceito, seu papel, sua abrangência e importância para o país já desde uma fase anterior a de uma situação de conflito, quando não há ameaças aparentes, no preparo e atuação em acontecimentos súbitos internos, como, por exemplo, em nossas catástrofes. Especificamente, ainda, procura-se identificar a fundamentação legal para o desenvolvimento da atividade de mobilização em catástrofes tendo como marco as catástrofes que atingiram o mundo e o Brasil, de forma mais marcante até os dias atuais. Faz parte, ainda, deste estudo, a análise das transformações ocorridas na atividade de mobilização nacional, em catástrofes que favoreceram a identificação da sociedade e a avaliação de seu papel em catástrofes naturais e artificiais nos dias presentes. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

115 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva A avaliação dos Objetivos Nacionais, Fundamentais, Segurança Nacional e Defesa Nacional, bem como os princípios do SINAMOB em cotejo com as dimensões das catástrofes, permite a identificação de diversas atividades afins à mobilização e que têm real importância junto ao papel do Estado ante as catástrofes, sejam naturais ou artificiais. Destarte ao ser avaliado o papel da atividade da mobilização em catástrofes naturais e artificiais, procura-se contribuir para o aperfeiçoamento da mobilização nacional. Ainda no cerne do presente artigo, busca-se identificar os Objetivos e Diretrizes da Política de Mobilização Nacional consentâneos às atuações em catástrofes naturais e artificiais. Tenta-se ainda buscar respostas a perguntas como, se há deficiências no reconhecimento, no comprometimento e na motivação da sociedade com as atividades de mobilização nacional, decorrentes da percepção da relevância, ou não, desta atividade no contexto nacional. No que concerne à contribuição científica deste artigo, espera-se, ao final deste trabalho, identificar qual proposta de transformações pode ser oferecida à sociedade, quando da atuação da mobilização nacional em catástrofes naturais e artificiais, ao mesmo tempo em que se objetiva, num sentido contrário, identificar a forma de se obter um maior comprometimento, uma maior percepção e motivação da sociedade com as atividades da mobilização nacional, a partir da atuação desta em acontecimentos súbitos de consequências calamitosas. 2 OS DISPOSITIVOS LEGAIS PARA A MOBILIZAÇÃO E O RESPALDO PARA SUA UTILIZAÇÃO EM CATÁSTROFES Um dos questionamentos centrais, quando se busca a motivação social às atividades de mobilização em catástrofes, está na sua legitimidade, não só no sentido jurídico de estar apoiada em lei, mas de forma mais abrangente, como no sentido político, na qual refere-se à necessária qualidade de tornar válida a sua atuação em face dos demais cidadãos 70 Tal questionamento, por conseguinte, passa a ser o escopo deste tópico, qual seja: a legitimidade na atuação da mobilização em catástrofes, segundo as normas vigentes. A delimitação no tempo enseja a análise dos dispositivos legais e normativos atinentes à mobilização, que guardem alguma correspondência com a sua utilização em catástrofes, dispositivos existentes no Brasil, desde 1942, cujo marco inicial é o Decreto 4812 de 08 de outubro de Com foco neste decreto, a União procurou ordenar as hipóteses de requisição de bens imóveis e móveis, que fossem necessários às Forças Armadas e à defesa 70 SILVA, Plácido e. Vocabulário jurídico. 15. ed. Rio de Janeiro:Forense, 1998, p Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

116 Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais passiva da população. Este Decreto, que permanece em vigor, segundo a análise aqui realizada,, encerra algumas questões deletérias à identificação da sociedade com as atividades de mobilização e, por conseguinte, contribuiu para a incompreensão social da atividade de mobilização, gerou desconfianças quanto à sua aplicação, mesmo em casos de catástrofes. Muito embora tenha sido o decreto editado no cerne de um embate global, carece de alguns aperfeiçoamentos para que seja considerado útil à sociedade e, mormente que não traga insegurança jurídica na sua aplicação. Entende-se, inicialmente, que no seu Art 2.º, permanece consentâneo com a temática aqui desenvolvida, quando estabelece uma ligação direta entre a requisição e a questões de defesa da segurança nacional 71. Entende-se, também, que toda questão ligada à segurança nacional estabelece um liame à mobilização em ocasiões catástrofes, tendo em vista tratarem-se tais questões de preservação dos objetivos fundamentais, estando ai, portanto, inseridos e relacionados à democracia, à integração nacional, à integridade do patrimônio, à paz social, ao progresso e à soberania 72, objetivos esses, passíveis de comprometimento, quando submetida uma determinada região do país a acontecimentos súbitos de consequências calamitosas (catástrofes). Os itens elencados no art.15, sujeitos à mobilização, demonstram a logística embrionária que possuía o país em 1942, tratando-se de requisições de víveres e, inclusive, a ocupação temporária de propriedades, mantendo ainda em aberto em seu item 14 do Art 15 quanto à possibilidade da requisição de tudo quanto, embora não indicado nos números acima, for necessário ao serviço de defesa da Nação e à manutenção da ordem e do moral da população civil, causando grande insegurança social em sua operacionalização. A idéia que este decreto encerra é de um verdadeiro confisco, tornandose um entrave a uma autêntica e responsável atividade de mobilização, quando, ao contrário, procura-se a identificação da sociedade com as atividades de mobilização. Há entendimentos e pareceres, atualmente, no sentido do não reconhecimento da existência de uma norma que regule a requisição em casos de mobilização, não cabendo, entretanto, no bojo deste artigo, o tratamento mais detido desta questão. Entre todos os dispositivos que se seguiram ao longo dos anos, não se conseguiu identificar qualquer traço que apontasse para a atividade de mobilização em situações de catástrofe. O decreto referente ao serviço militar 73 prevê, tão 71 Art. 2.º É permitida a requisição do que for indispensável ao aprestamento, aprovisionamento e transporte das forças armadas de terra, mar e ar, quando empenhadas em operações de guerra ou de defesa da segurança nacional. 72 Manual básico. Assuntos específicos. Rio de Janeiro: Escola Superior de Guerra, v.ii, 2009, p Decreto N.º de 20 jan Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

117 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva somente, a mobilização nos casos de interesse da defesa nacional, o que pode, de forma indireta, estabelecer ligação a atividade de mobilização em catástrofes. Em ordem cronológica, a pesquisa que se fez, sobre o amparo legal às atividades de mobilização em catástrofes, em dissecção aos dispositivos de nossa Carta Magna de 1988, observa, inicialmente, nas atribuições de competência da União em seu Art.21, inciso XVIII que compete a ela planejar e promover a defesa permanente contra as calamidades públicas, especialmente as secas e as inundações ; prosseguindo ainda em seu Art. 22, inciso XXVIII, que compete privativamente a União legislar sobre defesa territorial, defesa aeroespacial, defesa marítima, defesa civil e mobilização nacional ; Destaca-se, ainda, na Constituição Federal (CF), em seu Art. 136, importante papel que pode representar a decretação do estado de defesa, o que também respalda a utilização da mobilização aqui amparada constitucionalmente 74 Elegeram-se, portanto, estes aspectos da CF como modais ao aproveitamento da mobilização, nas atividades de apoio às catástrofes por contarem com amparo constitucional. A lei de 11 de abril de 1991, que dispõe sobre a organização e o funcionamento do Conselho de Defesa Nacional (CDN), não estabelece, de forma clara, o papel deste Conselho nas orientações quanto às atividades de mobilização e tampouco na atuação em catástrofes. Entende-se que tal dispositivo necessita de revisões, objetivando tornar amplo o papel do CDN e, principalmente, rever a sua composição com a inserção de outros ministérios, como por exemplo, o Ministério da Integração Nacional, principalmente quando se considera o papel deste Conselho no cumprimento do preconizado e já acima destacado Art 136 da Carta Magna. Como fazê-lo sem a importantíssima contribuição daquele Ministério que sequer figura como órgão de assessoria em um contexto no qual deveria integrar o Conselho de Defesa Nacional? Carece de profunda reformulação tal dispositivo legal. Nessa dissecção dos dispositivos legais, que tratam das catástrofes e da mobilização em caso de catástrofes, destaca-se o Decreto 5376, de 17 de fevereiro de 2005, que trata de maneira bem detalhada das atividades da Defesa Civil no país. Ainda destaca-se, na composição do Conselho Nacional de Defesa Civil (órgão colegiado de caráter normativo, deliberativo e consultivo), a presença dos Comandos das três Forças Armadas, o que denota que sua estrutura considera a possibilidade de utilização da atividade de mobilização nacional, no enfrentamento de catástrofes, tendo em vista as atividades de defesa civil compreenderem: a prevenção de desastres; a preparação para emergências e desastres; a resposta aos 74 Art O Presidente da República pode, ouvidos o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional, decretar estado de defesa para preservar ou prontamente restabelecer, em locais restritos e determinados, a ordem pública ou a paz social ameaçada por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidades de grandes proporções na natureza. 116 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

118 Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais desastres e a reconstrução e a recuperação, todas estas ações em perfeita sintonia às atividades de preparo e execução da mobilização nacional. Sobressai-se, ainda, no presente Decreto, a previsão de Grupo de Apoio a Desastres, formado por equipe técnica multidisciplinar, mobilizável a qualquer tempo, para atuar em situações críticas, por solicitação expressa de Estados, Municípios e do Distrito Federal; o que representa uma convergência em relação à atividade de mobilização nacional em catástrofes. 75 Outra importante iniciativa na direção da mobilização em catástrofes, disposta no Decreto 5376/2005, é a possibilidade da criação das mobilizações comunitárias 76, que consta em seu Art. 13, como competência das COMDECs (Coordenadorias Municipais de Defesa Civil), ou órgãos correspondentes, células estas responsáveis, em nível municipal, de articular a coordenação de todo o sistema e, por conseguinte de importância nodal na estrutura da mobilização em catástrofes. Até o ano de 2005, observou-se que os dispositivos que tratavam da mobilização tinham como mote as hipóteses de guerra, ou mesmo, as possibilidades maiores de um enfrentamento ante ameaças externas. Acontece que, por diversas vezes, os olhos da mobilização passaram a se preocupar também com a atuação em catástrofe, independente de previsão legal. Ressalta-se que, apesar de as Forças Armadas já atuarem em nível nacional em catástrofes, pouco se falava em termos legais da atividade de mobilização. A situação exigia e ainda carece de transformações. Observem-se, portanto, tais transformações. O Decreto 5484, de 30 de junho de 2005, aprova a Política de Defesa Nacional, voltada conforme estabelecido em seu texto preponderantemente para ameaças externas, porém, não exclusivamente para tais ocorrências. Ao estabelecer objetivos e diretrizes para o preparo e o emprego da capacitação nacional, com a participação de civis e militares em todas as esferas do poder nacional, apresenta este decreto o cerne da mobilização nacional, por meio de um esforço conjunto sob coordenação do Ministério da Defesa, nas ações necessárias à Defesa Nacional. Mas, em termos de transformações, cabe a indagação de como a Política de Defesa Nacional estabeleceu uma nova forma de pensar, para a mobilização nacional em situações de catástrofes? Essa nova forma de pensar a mobilização, entende-se, teve seus passos iniciais rumo a um novo paradigma de atuação da mobilização nacional, quando do reconhecimento por parte deste dispositivo de que a percepção de ameaças está desvanecida para muitos brasileiros, justamente por uma permanência de longos períodos sem embates, não obstante a existência de antagonismos. O que não se 75 Inc. IX, Art.10 do Decreto 5376 de 17 fev XIX: Promover a mobilização comunitária e a implantação de NUDECs, ou entidades correspondentes, especialmente nas escolas de nível fundamental e médio e em áreas de riscos intensificados e, ainda, implantar programas de treinamento de voluntários. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

119 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva deve olvidar, entretanto, é que a opinião pública, considerada aqui, a parte política deste dispositivo legal, é um dos institutos de maior influência no pensamento político como nos ensina Paulo Bonavides: Sendo a opinião pública a mais eficaz forma de presença indireta do corpo social na formação da vontade política, não é de admirar que sua excepcional força haja sido já proclamada e reconhecida por governantes, filósofos e cientistas políticos, do século XVIII aos nossos dias 77 E este é considerado um marco para a postura temática, ou seja, a preocupação política com a opinião pública, enquanto mobilizável, no sentido de conscientizar todos os segmentos da sociedade brasileira de que a defesa da Nação é um dever de todos os brasileiros 78. Como será posteriormente desenvolvido, e ora se antecipa, entende-se que a atuação em catástrofes da atividade de mobilização é uma autêntica questão de Defesa Nacional. De forma explicita, portanto, apenas a partir da edição da Política de Defesa Nacional, identificam-se as preocupações institucional e política com o envolvimento da sociedade em questões centrais para o país, como destaca este documento quando trata do assunto Estado, Segurança e Defesa, elegendo a Defesa Civil como uma das importantes medidas de segurança e também ligadas à Defesa Nacional. 79 Em 2007, temos a edição da lei dispondo sobre a mobilização nacional, onde não há previsão de utilização da mobilização em circunstâncias distintas da agressão estrangeira, o que se considera um retrocesso aos entendimentos anteriores que sinalizavam no sentido de sua irrestrita utilização também em circunstâncias catastróficas. A criação do Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB), pelo que se depreende, representa a grande transformação havida com a edição dessa lei, no sentido de oferecer uma estrutura, definir papéis e atribuições aos órgãos integrantes, passível também de produzir benefícios na atuação em catástrofes, em face ao estabelecimento de um sistema específico, carecendo ainda de definições e regulamentações que chegam com o Decreto 6592 de Por este decreto, o SINAMOB ganha, representatividade, define atribuições e estabelece condições de verdadeiramente caminhar no sentido da primeira fase da mobilização, o preparo, mas permanece carente no que concerne a sua atuação 77 BONAVIDES, Paulo. Ciência política. 10. ed. /S;l./: Malheiros, 2003, p Decreto n.º 5.484, de 30 jun. 2005, aprova a Política de Defesa Nacional. 79 As medidas que visam à segurança são de largo espectro, envolvendo, além da defesa externa: defesa civil; segurança pública; políticas econômicas, de saúde, educacionais, ambientais e outras áreas, muitas das quais não são tratadas por meio dos instrumentos político-militares. Decreto n.º 5.484, de 30 jun. 2005, aprova a Política de Defesa Nacional 118 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

120 Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais em catástrofes, quando novamente estabelece como mote em seu Art 2.º apenas a agressão estrangeira para seu estabelecimento. Mas destaca-se como importante ainda no mesmo dispositivo em seu Art. 35 que A estrutura do SINAMOB poderá ser utilizada no auxílio às situações emergenciais, desde que aprovada pelo seu Comitê. Há de se considerar, portanto, essa possibilidade legal no incremento, desde já, das ações de preparo da mobilização nacional para sua atuação em catástrofes. No mesmo decreto, que regula a atividade da mobilização, ficam estabelecidos seus princípios que deverão nortear todas as ações decorrentes do SINAMOB, de onde derivará tudo o que for concernente às fases de preparação e execução, 80. Esses mesmos princípios (permanência, flexibilidade, economia, coordenação, controle, oportunidade, prioridade e cooperação) são nodais ao desenvolvimento da atividade de mobilização em catástrofes, considerando-se o sentido e a abrangência que encerram em cada um deles. Assim é que, ao se tratar da permanência como princípio, a atenção de todos os órgãos envolvidos no SINAMOB deve estar dirigida para a necessidade de um planejamento e execução robustas, interligadas, e indeléveis. Há de se considerar este princípio na atuação da mobilização em catástrofes, mesmo nas fases preventivas que ensejará um menor aporte de recursos e envolvimentos materiais e de pessoal, quando da execução dessa atividade em calamidades. Há de se considerar que todos esses princípios têm influência direta em todas as ações a serem desenvolvidas pela mobilização em caso de catástrofes, sendo que o desenvolvimento de cada princípio e a sua influência na atuação da mobilização em catástrofes, por motivos de limitação do escopo desta postura temática, não serão ora aqui desenvolvidos. Na perquirição que se fez da legitimidade da aplicação da atividade de mobilização em catástrofes naturais ou artificiais, encontrou-se o Decreto 6703, de 18 de dezembro de 2008, que aprova a Estratégia Nacional de Defesa (END). Por este dispositivo, dividido em duas partes, uma focada na formulação sistemática e a outra em medidas de implementação, fica clara a atenção voltada para a Defesa Nacional. Pauta-se ainda a END em diretrizes, onde se destaca, em perfeita sintonia e aproveitamento na mobilização em catástrofes, o oportuno conceito de elasticidade da capacidade de mobilização nacional e militar para atender aos desafios apresentados ao país. Trata-se, salvo melhor juízo, de verdadeira diretriz às ações decorrentes, ad hoc, o que se entende ser o princípio maior da atividade de mobilização, ou seja, atuar na defesa pró-ativa, mediante as atividades de planejamento, preparo, execução e controle das atividades de mobilização 80 Conforme nos ensina Aurélio Buarque de Holanda; 7. Filos. Origem de algo, de uma ação ou de um conhecimento. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

121 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva contribuindo para mitigar as mudanças estruturais havidas por ocasião de uma catástrofe. 81 Por outro lado, o reconhecimento das vulnerabilidades da logística e da mobilização nacional também constitui importante passo em busca de soluções e mudanças estruturais e legais, no sentido de se obter uma estrutura mobilizável assim reconhecida, isto é, realmente mobilizável. Carece, no entanto, este dispositivo, do reconhecimento da possibilidade clara da utilização da mobilização nacional nos casos de catástrofes, embora não torne tal atividade exclusiva às ameaças externas. Em termos de análise dos dispositivos legais vigentes, passa-se a perscrutar como derradeira a Lei da Política de Mobilização Nacional, Decreto n.º 7.294, de 06 de setembro de 2010, no qual se encontra o passo direto, cristalino e evidente de que a mobilização deve, sim, ser utilizada em tempos de paz na atuação em catástrofes, quando, é necessário destacar, que para o alcance de seus objetivos gerais, tem a mobilização nacional dentre seus objetivos específicos: IX - envolvimento da sociedade brasileira com a mobilização nacional; X - minimização dos efeitos negativos decorrentes da mobilização nacional na sociedade; e a XI - integração das atividades de defesa civil à mobilização nacional; Estes objetivos encontram-se estreitamente vinculados à possibilidade de sua atuação em situações calamitosas, enquanto busca a necessária sustentação popular, por meio do reconhecimento e aprovação social de sua atividade. Há de se considerar, ao final da análise dos dispositivos legais, possam eles ser utilizados em aproveitamento às atividades de mobilização em catástrofes, pois urgem mudanças para o seu pleno aproveitamento e legitimidade de tal atividade, visto que, independente de dispositivo autorizador, em face aos colapsos por diversas vezes sofrido pelas defesas civis municipais e estaduaibs, ao longo de todas essas décadas, desde 40, em todas as grandes tragédias que assolaram o país, em sua maioria, climáticas, houve a participação das Forças Armadas, compreendendo um verdadeiro esforço de mobilização. Haveria respaldo, portanto, em dispositivos legais para efetivamente ocorrer a mobilização, quando a população estiver submetida a catástrofes? Não totalmente, embora se perceba, que diante de tais sinistros, tornamse deletérias e desprovidas de cabimento tais arguições, cabendo, portanto, em tempos de normalidade, o trabalho profícuo no sentido da aprovação de dispositivos que detalhem e amparem essa forma específica de atuar da mobilização nacional. 81 Diretriz 21, Decreto n.º 6.703, de 18 dez. 2008, aprova a Estratégia Nacional de Defesa, e dá outras providências 120 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

122 Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais 3 OS OBJETIVOS NACIONAIS E A DEFESA NACIONAL ANTE AS CATÁSTROFES Muito embora o Brasil não figure entre os países detentores de qualquer uma das cem maiores catástrofes da história 82, isso não significa que não tenha sofrido calamidades perturbadoras e que, ainda, não haja, ao longo de décadas, acumulado perdas consideráveis de vidas e incomensuráveis prejuízos materiais com desastres naturais e artificiais. Em recente trabalho, foi produzido o novo relatório de Risco Mundial, elaborado pelo Instituto de Meio Ambiente e Segurança Humana da Universidade das Nações Unidas, o qual, avaliando o nível de exposição a desastres naturais em 173 países, posiciona o Brasil em 121.º lugar 83 com percentual de 4,26%, bem abaixo de vários países da América do Sul, como por exemplo, o Chile com 11,96% de riscos: Tais catástrofes representam uma real ameaça aos Objetivos Nacionais pela fragilidade a que podem submeter o país e remeter a uma condição de comprometimento; representam também uma ameaça à Defesa Nacional, razão pela qual é merecedora (DN) de um tratamento prioritário dentro das possibilidades de mobilização nacional. Na leitura dos conceitos dos Objetivos Nacionais/Fundamentais 84, constatase que uma catástrofe que assole o Brasil pode, em determinadas circunstâncias, comprometer, de forma superficial ou profunda, o estado democrático de direito, a integração nacional, a integridade do patrimônio nacional, a paz social, o progresso e a soberania, isolados ou em conjunto; parcial ou totalmente. Decerto que, independente da gradação com que a catástrofe ofereça comprometimento, todos os institutos acima elencados retratam os Objetivos Nacionais. 85 A partir desse entendimento, destaca-se que: Quando o Poder Nacional é aplicado efetivamente, por intermédio de ações visando a superar Antagonismos, internos ou externos, que possam afetar o atingimento e/ou a manutenção dos Objetivos Fundamentais, fica materializada a Defesa Nacional. 86 Assim sendo, muito embora as ameaças consideradas como passíveis de gerar antagonismos sejam em sua maioria originadas em ambientes externos, não se pode desconsiderar que as ameaças internas podem levar a esse comprometimento 82 SPIGNESI, Stephen J. As 100 maiores catástrofes da história; tradução de Flávio Marcos e Sá Gomes. Rio de Janeiro: DIFEL, 2005, 496 p. 83 acessado em 08/11/2011 às 22: Escola Superior de Guerra. Manual básico. Assuntos específicos. Rio de Janeiro: ESG, v. II, 2009, p Idem, p Ibidem, p. 64. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

123 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva e aqui se elegem as catástrofes como tais ameaças de ordem interna. Portanto, devem ser essas, efetivamente, consideradas como motivadoras para a utilização da atividade de mobilização na atuação em catástrofes, por tratar-se de uma questão de Defesa Nacional. O problema em questão, já destacado, recai na identificação social, na atualidade, com as atividades da mobilização nacional e como alcançar o comprometimento da sociedade com a mobilização. Independente de qualquer análise dos procedimentos que regulam as atividades de defesa civil, ante as catástrofes naturais ou artificiais, o que aqui se pretende identificar são as oportunidades de, utilizando-se a mobilização por ocasião da ocorrência de sinistros, angariarem o envolvimento social e as consequentes atuação e motivação da sociedade com as atividades de mobilização. Assim é que, das fases que constituem a mobilização (preparo e execução), pode-se assegurar que, especificamente, na atuação em catástrofes, a partir da excelência da fase de preparo, decorrerá o êxito ou não da fase de execução, quando da ocorrência de catástrofes, podendo, desse apuro na fase de preparação, a mitigação dos efeitos decorrentes do sinistro ocorrido. Considera-se, assim, que o desenvolvimento da fase de preparo da mobilização dar-se-á de modo contínuo, metódico e permanente 87, desde a situação de normalidade, ações essas consideradas nodais no que concerne, não só à atuação em catástrofes, mas, principalmente, na sua prevenção. 4 AS CATÁSTROFES NATURAIS EM PRETO E BRANCO Como pontuado em nossa introdução, o dicionário Aurélio define catástrofe como todo acontecimento súbito de consequbências trágicas e calamitosas. Entende, assim, que tais acontecimentos pela sua magnitude devem ser eleitos a um patamar superior e mais abrangente do que as guerras. A partir desse raciocínio, considera-se que a própria guerra, em seu sentido amplo, está contida e considerada como uma espécie de catástrofe, o que, destarte, também justificaria a preparação e atuação da atividade mobilização ante todas as catástrofes ai incluída também a defesa nacional perante uma ameaça externa (guerra). A história, porém, por meio de uma definição mais realista e, portanto, dura, ensina que as catástrofes são todos aqueles acontecimentos que impactam e permeiam, sobremaneira, por todas as áreas sociais, sejam elas econômicas, educacionais, criminais, e mesmo culturais, com tal profundidade e intensidade, que mesmo onde as sociedades são dotadas de um alto grau de resiliência, passam carência, após um sinistro, invariavelmente de décadas, para alcançar os índices de desenvolvimento experimentados antes da catástrofe vivida Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

124 Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais Spignesi relata 88 que, ao longo de milhares de anos, catástrofes das mais diversas assolaram a humanidade, destacando-se a Peste Negra que ceifou cerca de vidas na Europa, de 1347 à 1351; a fome na China, em 1876; ciclones, terremotos, guerras e tsunâmis. O que se pode observar em todas essas catástrofes é que, em qualquer época, e de das várias maneiras pelas quais fossem organizados ou denominados os sistemas de defesa civil de cidades, estados, províncias ou mesmo regiões, os mesmos foram incapazes, de sozinhos, atuarem ante tais ocorrências dessa magnitude. Os países envolvidos em catástrofes tiveram que atuar diretamente nos desastres por meio do que se denomina, embrionariamente, de mobilização nacional em catástrofes e não invariavelmente necessitaram de uma mobilização internacional, em face do colapso em determinados países assolados por catástrofes. Em outro estudo de importância para este desenvolvimento temático, produzido pelo Instituto de Geografia de Uberlândia, MG 89, há de se considerar que, a partir da década de 50, ocorreu um considerável crescimento de desastres naturais em todo o mundo, quando a taxa de crescimento da população gravitava na faixa de 15% do crescimento de desastres ficava na faixa de 56% em um período de análise compreendido de 1900 á Destaca-se ainda que na década de 80, a taxa de desastres atingiu a surreal marca de 100%. Tais dados, frutos de estudo em banco de dados, representam uma funesta estatística que não pode ser desprezada. Este prólogo faz desaguar no aspecto do desenvolvimento, exaustivamente tratado por todos os países em suas estratégias e não de forma diferente no Brasil no binômio Defesa Desenvolvimento. Considerando, portanto, conforme disposto na Estratégia Nacional de Defesa a indissociabilidade desta da Estratégia Nacional de Desenvolvimento, tem-se que a mobilização em suas fases de preparo, principalmente, voltadas também para a prevenção de catástrofes, tem papel primordial na Estratégia Nacional de Desenvolvimento e, destarte, motivando a Estratégia Nacional de Defesa, assunto que será tratado mais detidamente em tópico específico. Muito embora a história das catástrofes seja composta de sinistros naturais e artificiais, inegável se mostra o papel devastador das catástrofes naturais quando comparada àquelas provocadas pelo homem, tanto no que concerne ao número de vítimas, quanto às perdas materiais No Brasil, as catástrofes naturais parecem mesclar uma significativa contribuição humana para seu agravamento, quais sejam: 1 O crescimento descontrolado da população com a ocupação irregular de áreas; 2 A desídia das autoridades públicas encarregadas de regular essas ocupações 88 SPIGNESI, Stephen J. Op. citado. 89 Caminhos de Geografia Revista On line, Disponível em: html, Acesso em: 8 out.2011, 18h30m Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

125 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva 3 A inexistência de campanhas de esclarecimentos, não só em relação aos fenômenos da natureza, mas em relação a algumas outras catástrofes relacionadas a doenças epidêmicas. Essa receita monstruosa parece operar, ano após ano, catástrofes que assumem dimensões cada vez maiores. Não obstante a inexistência de uma previsão legal, envolvendo diretamente a atividade de mobilização nacional em catástrofes, a possibilidade da utilização de sua estrutura está prevista De acordo com o detalhado trabalho publicado no INPI em revista eletrônica dos Caminhos da Geografia, é apresentado, em Banco de Dados de Desastres Naturais, que surpreendentemente em todo o mundo, notadamente a partir da década de 50, houve um incremento significativo dos desastres naturais 90 Por esse mesmo estudo destacam-se, conforme dados do EM-DAT, que: A taxa de crescimento da população (15%) foi bem inferior à taxa de crescimento dos desastres (56%) para o período analisado ( ). Ressalta-se que na década de 80, a taxa de desastres atingiu seu pico máximo, que foi de 100%. 91 Mas ainda segundo tal relatório, várias foram às causas desse aumento dos desastres no século XX, seja em função do crescimento populacional, ou mesmo, da segregação socioespacial, da acumulação de capital em zonas perigosas ou mesmo do avanço das comunicações e das mudanças globais. No caso específico do Brasil, destaca esse trabalho, os dados totais do EM-DAT (261 registros) apresentaram-se bem inferiores aos dados da DEDC-SC computados para Santa Catarina (3,373 registros), onde, embora tal erro por possível omissão encontrado no EM-DAT, torne defasado seus dados, ambos os bancos de dados apresentaram grandes similaridades em relação à porcentagem de cada tipo de desastre, com correlação de 0,87. Destaca-se, nesse relatório, que as inundações representam 61% do total registrado. Em termos de relatórios produzidos, no já mundialmente consagrado relatório da Munich Re 92, foram apresentados, agora, em 2011, o mapa mundial de catástrofes naturais de 2010, onde se pode constatar que, mesmo longe de comparação às catástrofes mundiais, o Brasil tem, sim, ameaças palpáveis, quando considerados os tornados no sul do país, chuvas associadas à ocupação cada vez mais desordenada de áreas de morros e encostas nas cidades e tempestades extratropicais, contando ainda com uma miríade de eventos climáticos em toda 90 dados_de_desastres_naturais.pdf, acessado em 08/10/2011 as 18:00h; 91 Idem, pág, aspx?tt=naturalhazards acessado em 11/10/2011 às 10:15h 124 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

126 Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais a América do Sul, especialmente na costa do pacífico, o que pode mesmo ensejar a aplicação da mobilização internacional, assunto este que, pela sua importância, merece ser tratado em artigo específico, não sendo objeto no presente deste desenvolvimento temático. Na história da humanidade, e aqui considerados tão somente a história contemporânea, as catástrofes sejam naturais ou artificiais já ceifaram milhões de vidas por todo o mundo e, inegável é, que, por ocasião dessas ocorrências, a mobilização nacional (latu sensu) demonstrou ser a saída mais eficiente para a contenção do evento, socorro, estabilização e reestruturação da área afetada. Na prevenção das ocorrências de catástrofes naturais, a mobilização nacional também tem demonstrado, ao longo da história, ser uma das melhores opções. Nos mais recentes exemplos ocorridos no Brasil e mais especificamente na região serrana do Rio de Janeiro, a mobilização nacional foi utilizada com abrangência e intensidade. Chuvas em grande quantidade, num volume não registrado antes, tomaram a região serrana do Rio de Janeiro, a partir de 11 de janeiro de O resultado, conhecido em todo o Brasil e também no mundo, foram as consequências da maior catástrofe climática do país com 506 mortes, ultrapassando outra infeliz marca do passado, quando, em 1967, em Caraguatatuba, houve 436 mortos. Foram também severamente atingidas as cidades de Bom Jardim, Areal, Itaipava, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto. Nos primeiros dias de chuva, a maioria das mortes ocorreu em Nova Friburgo e em Teresópolis. O colapso das principais cidades da região serrana foi total. Além de vidas ceifadas, pessoas enterradas vivas (e que até hoje permanecem desaparecidas), essas regiões tiveram perdas materiais, como desabamentos de casas, ruas e vilas inteiras; sua infraestrutura de serviços essenciais como abastecimento de água, esgoto, energia elétrica e telefonia foi completamente comprometida. As Forças Armadas necessitaram da utilização de comunicação satelital nos primeiros dias de atuação A cidade de Teresópolis, que normalmente era responsável por 70% das hortaliças produzidas no estado do Rio de Janeiro, tiveram 80% das plantações devastadas pelas chuvas. Tudo do que acima foi mencionado contribui tão somente para que se possa retratar de forma minimizada a catástrofe de magnitude incomensurável ocorrida na região serrana do Estado do Rio de Janeiro e destacar o desafio que ali foi lançado quanto à atuação da mobilização nacional. As estradas de acesso estavam irremediavelmente comprometidas, não havia como demandar à região serrana pelos caminhos convencionais rodoviários. A Marinha do Brasil, deslocando-se para o local da catástrofe em 13 de janeiro, já possuía um Hospital de Campanha montado no dia 14, além de disponibilizar helicópteros no transporte de pessoal e materiais. Como atividades finalísticas a cargo da Marinha do Brasil, entre os dias 14 e Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

127 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva 25 de janeiro, foram realizados atendimentos, apoio de viaturas e aeronaves à Secretaria de Ação Social para transporte de donativos; tarefas de reconhecimento aéreo e resgate de pessoal por aeronave. Aqui, devem-se considerar aspectos nodais que justificaram a atividade de mobilização nacional, mesmo que constituída por meios não expressamente constantes da legislação que trata do assunto. 1 Muito embora as defesas civis de diversos municípios e do estado do Rio de Janeiro tenham atuado com presteza e motivados com a envergadura da missão, sozinhos não teriam condições de prontamente oferecer a resposta que o momento exigia. 2 Os princípios consagrados no SINAMOB só tiveram condições de serem observados e terem ações decorrentes, com a atuação das Forças Armadas na atividade de mobilização. No que dizem respeito aos aspectos doutrinários da mobilização nacional, estes podem ser atualmente encontrados numa miríade de dispositivos legais, normativos, artigos, resoluções, inúmeras portarias, exposição de motivos, manuais e memorandos, todos espraiados por longas décadas, quando o cerne da questão não foi enfrentado com a seriedade necessária, qual seja, a motivação da sociedade para o comprometimento com a mobilização nacional. E decorre dessa questão a indagação de como se processa esse comprometimento social, do qual decorrerá todo o sucesso esperado, não só para a fase de preparo, mas também para a fase de execução da mobilização. A resposta poderá ser encontrada nos princípios do SINAMOB, ou melhor, na identificação social com os princípios do SINAMOB. A falta de integração entre os órgãos competentes se apresenta como outro aspecto que tem nodal influência na mobilização em catástrofes, a saber, o pouco entrosamento entre os órgãos encarregados de fazer frente a esses sinistros. A experiência dá conta de que essa integração é hoje, ainda, muito incipiente, desde a capacidade para atuação conjunta até os aspectos mais simples, porém não menos fundamentais como o estabelecimento, quando da ocorrência do sinistro, de uma rede de comunicações que permita que toda a estrutura de mobilização fale entre si. Portanto, pode-se destacar como principais óbices à atuação isolada dos órgãos de defesa civil, no enfrentamento de catástrofes, conforme destaca o próprio Ministério da Integração Nacional: 1 O enfraquecimento dos órgãos de Defesa Civil, Estaduais e Municipaisb. 2 O distanciamento entre União, Estados e Municípios. Destacam-se exemplos de eficiência das Forças armadas e Forças Auxiliares que, em conjunto, trazem enormes benefícios na atuação da mobilização em catástrofes: 1 Os Hospitais de Campanha (HCamp), a exemplo do socorro em apoio ao terremoto do Haiti, Chile e chuvas da região serrana. Os HCamp contribuíram, sobremaneira, para o equilíbrio e o restabelecimento das condições mínimas de saúde à população afetada e devem ser considerados indispensáveis nas atividades 126 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

128 Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais de mobilização nacional. 2 As células de Intendência da Força Aérea são estruturas que devem também ser consideradas como de grande importância no estabelecimento dessa estrutura de mobilização. Há de se levar em conta, no entanto, que, embora este artigo entenda a necessidade de mudança da legislação e da doutrina, no sentido de que a atuação em catástrofes (e nas catástrofes esteja inclusa a defesa ante ameaças externas guerra) esteja inserida nas atividades de mobilização, há ainda um longo caminho a percorrer, no sentido da identificação social com as atividades de mobilização nacional. Especificamente, em relação às catástrofes, carece-se, em muito, de investimentos na fase de preparo da mobilização, voltada exclusivamente para a prevenção e a preparação em caso de desastres. Há de se as considerar o importante trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Ministério da Integração Nacional no sentido de estabelecer uma Plataforma Brasileira para redução de Riscos de Desastres, tendo como base cinco prioridades do marco de Hyogo, quais sejam: 1 - Garantir que a redução de risco seja prioridade nacional e local. 2 - Identificar, avaliar e vigiar riscos e potencializar o alerta prévio. 3 - Criar cultura de segurança e resiliência. 4 - Reduzir fatores de risco. 5 - Fortalecer a preparação para os desastres. Outra medida que importará em subsídios às ações de preparo para a mobilização em desastres diz respeito ao Atlas Brasileiro de Desastres, este ainda em fase final de publicação pelo Ministério da Integração Nacional, que dissecará os municípios brasileiros com maior recorrência de desastres, contando para isso, com uma série histórica de até 30 anos de registros, o que propiciará a priorização do mapeamento de áreas de risco em 234 municípios, para subsidiar aplicação dos recursos de prevenção. A divulgação desses dados, paralela a atividades de esclarecimentos junto a população, tudo isso, em conjunto ao aporte de recursos, ensejará o reconhecimento da atividade de mobilização pela sociedade, desde a sua fase de preparação, tendo em vista a identificação prévia das fraquezas municipais e por apontar o caminho para a correção das mesmas. A desoneração da indústria nacional de determinados encargos tributários foi um enorme passo dado quando da assinatura dia 29 de setembro de 2011, desse novo regime especial de tributação, o que propiciará não só a diminuição da dependência externa em equipamentos de defesa, como também incentivará as indústrias no desenvolvimento de equipamentos, equipagens e oferecimento de serviços duais, atendendo não só as necessidades das Forças Armadas, como também da sociedade. Possibilitará à indústria trabalhar em prol da defesa nacional sem comprometer o seu mote, qual seja, o lucro. Ainda de acordo com o Governo Federal, os fabricantes de produtos militares ficarão isentos, por cinco anos, do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

129 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/PASEP) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Tal isenção alcançará também as compras de insumos, mesmo os importados. As empresas precisam ter sede ou fábrica no Brasil para ter direito ao novo benefício, comprovar conhecimento tecnológico na área, ter registro no Ministério da Defesa e produzir equipamentos considerados estratégicos e de difícil obtenção, como munição, armas, aviões, satélites, foguetes, fardas, veículos e rações. De acordo com o Ministério da Defesa, 186 empresas se encaixam dentro dos requisitos exigidos. Segundo dados ainda do Ministério da Defesa, divulgados de 2000 a 2010, o Brasil importou US$2,37 bilhões em equipamentos militares, contra US$470 milhões de exportações no mesmo período déficit de cerca de US$1,9 bilhão. 5 CONCLUSÃO De tudo o que foi aqui exposto, considera-se que, embrionariamente, poderse-á contribuir para o aperfeiçoamento da mobilização nacional, a partir do ponto em que se observe a motivação social como mecanismo impulsionador e legitimador para tal atividade. Conclui-se, ainda, que a atuação forte, incisiva e participativa nas catástrofes, cada vez mais frequentes e contundentes em nosso país, é o caminho para a plena identificação e reconhecimento social da magnitude dessa atividade. Apresenta-se, destarte, este caminho, como legítimo ao estabelecimento de uma base de preparo para uma mobilização maior, aqui considerada, a voltada para as ameaças externas, base esta construída a partir da atuação em catástrofes. Enceta-se tal identificação social ao considerar que a palavra princípio tem como significado maior uma fonte de onde nasce um caminho e de onde tudo decorre, razão pela qual coadunar a motivação social aos princípios do SINAMOB representa a identificação e o comprometimento social com a mobilização nacional. Entende-se, ainda, que sem orçamento próprio, especificamente destinado à mobilização, e sem o palpável reconhecimento popular, será difícil desencadear ações duradouras e abrangentes de mobilização. O caminho para a estruturação da mobilização é atuar em catástrofes, é possuir orçamento próprio. Há dependência, ainda, de uma preparação da classe dirigente, no sentido de propor mudanças legais, de ativar os embotados artigos de excelentes dispositivos já existentes, enquanto procura-se alcançar do empresariado e da sociedade, em geral, sua participação, reconhecimento e motivação, para, numa situação de catástrofes, seja ela a guerra ou as calamidades, evoluir de uma situação de economia de paz, com uma estrutura produtiva normal, para uma outra, voltada ao atendimento, prioritariamente, dos esforços que lhe forem impostos, considerados aqui a dualidade no desenvolvimento da indústria nacional de defesa e a resiliência da nação. Há de se considerar ainda a possibilidade de criação de um Fundo de Mobilização Nacional, sem que haja necessidade de participação de cada integrante 128 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

130 Mobilização em Casos de Catástrofes Naturais ou Artificiais do subsistema setorial de mobilização, com seus já escassos orçamentos, e contando para tal com recursos próprios, objetivando o cumprimento de suas atribuições legais para a mobilização nacional, aí incluídas as catástrofes, sobretudo nas atividades de preparação que abrangeria a prevenção às situações de calamidade. O princípio da mobilização deverá subsumir as atividades de preparação e atuação para a guerra, bem como a preparação e a atuação em catástrofes, esta abrangendo aquela, quando ambas as formas de atuar estão em completa sintonia com as atividades de defesa nacional. O alargamento das possibilidades de utilização da mobilização, não só ensejará a identificação social com a atividade, como também possibilitará o aperfeiçoamento dos setores envolvidos na mobilização. A integração das capacidades dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, possibilitará a orientação e a coordenação, com o máximo de eficiência, estimulando o fluxo de informações entre os órgãos integrantes, o que contribuirá para o reconhecimento social da atividade de mobilização nacional, sua importante atuação em catástrofes e, por conseguinte, propiciarão transformações que tornem robustas e perenes as ações em prol da defesa nacional. 6 Referências BONAVIDES, Paulo. Ciência política. 10. ed. [S.l.]: Malheiros, BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de Brasília, DF: Senado Federal, BRASIL. Decreto n.º 5.376, de 17 de fevereiro de Dispõe sobre o sistema nacional de Defesa Civil, e dá outras providências. Disponível em: gov.br/ccivil_03/_ /decreto.. Decreto n.º 5.484, de 30 de junho de Aprova a Política de Defesa Nacional, e dá outras providências. Disponível em: ato /2005/decreto.. Decreto n.º 6.592, de 2 de outubro de Regulamento da Lei de Mobilização Nacional. Disponível em: Decreto n.º 6.703, de 18 de dezembro de Aprova a Estratégia Nacional de Defesa, e outras providências. Disponível em: ato /2008/decreto.. Decreto n.º 7.294, de 6 de setembro de Aprova a lei da Política de Mobilização Nacional. Disponível em: Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

131 Paulo Roberto Neves Augusto da Silva. Decreto-Lei n.º 4.812, de 8 de outubro de Dispõe de normas para a requisição de bens imóveis e móveis, necessários às Forças Armadas e à defesa passiva da população, e outras providências. Disponível em: ccivil_03/decreto-lei/ /del4812., Decreto-Lei n.º , de 20 de janeiro de Regulamento da Lei do Serviço Militar. Disponível em: Lei nº 8.183, de 11 de abril Dispõe sobre a organização e o funcionamento do Conselho de Defesa Nacional e dá outras providências. Disponível em: www2. camara.gov.br/.../lei/1991/lei abril norma-pl.html.. Lei n.º , de 27 de dezembro Dispõe de normas para a mobilização nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização SINAMOB. Disponível em: www. planalto.gov.br/ccivil_03/_ato Lei Complementar n.º 97, de 9 de junho de Dispõe de normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. Disponível em: Lei Complementar n.º 117, de 2 de setembro Estabelece novas atribuições subsidiárias para as Forças Armadas. Disponível em: br/ccivil_03/leis/lcp.. Ministério da Defesa. Portaria Normativa n.º 614/MD. Aprova a Doutrina de Logística. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jul Seção 1, p.12.. Ministério da Defesa. Portaria Normativa n.º 973/MD, de 24 de julho de Dispõe da criação do sistema de Mobilização Militar SISMOMil e estabelece a diretriz setorial de Mobilização Militar (MD41-D-02). Disponível em: Portarias/Portaria%20Normativa%20973_MD_24jul2007,pdf. CONSELHO DE SEGURANÇA NACIONAL. Portaria n.º 073/SG-CSN, de 10 de agosto de Aprova o manual básico de Mobilização Nacional. Disponível em: /guardião/controle.php.3modulo.. Exposição de Motivos n.º 006/SG-CSN. Aprova a Doutrina Básica de Mobilização Nacional. Brasília, 14 set ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Manual básico: assuntos específicos. Rio de Janeiro, V.2. Manual Básico: elementos doutrinários. Rio de Janeiro, V.1. SILVA, Plácido e. Vocabulário jurídicon. 15. ed. Rio de Janeiro: Forense, SPIGNESI, Stephen J. As 100 maiores catástrofes da história. Tradução de Flávio Marcos e Sá Gomes. Rio de Janeiro: DIFEL, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

132 A Indústria Brasileira de Material de Defesa e sua Contribuição para a Mobilização Nacional A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE MATERIAL DE DEFESA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A MOBILIZAÇÃO NACIONAL Ilton Agostinho de Oliveira Coronel Intendente da Reserva da Aeronáutica, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo O objetivo deste trabalho é estudar, de forma crítica e objetiva, a importância da Indústria Brasileira de Material de Defesa, e sua contribuição para a mobilização nacional, de acordo com o orçamento do Ministério da Defesa. Percebe-se que a indústria de defesa anda estagnada, pois nada havia que garantisse o prosseguimento dos investimentos em tecnologia. A legislação brasileira sobre a mobilização nacional existe desde 1988, com a Constituição Federal, e foi devidamente incrementada com a criação da Política Nacional de Defesa, de 2005, que veio alavancar a esperança para o renascimento da indústria brasileira de defesa. Tal situação somente poderá ser revertida se o governo federal cumprir com o que prevê o Plano Nacional de Defesa, fomentando o aumento da mão de obra especializada, apoiando e destinando recursos para o cumprimento do que foi planejado, aliado à Medida Provisória n.º 544, de 29 de setembro de 2011, que dispõe sobre regras de incentivo à inovação tecnológica e à agregação de valor. A Indústria Nacional de Material de Defesa faz parte da Política Nacional de Defesa, e dessa forma pertence ao universo de defesa do Brasil, possuindo um amplo potencial de desenvolvimento. Assim, estudar o atual posicionamento dessa indústria dentro do espectro nacional, bem como a sua capacidade de desenvolvimento, proporcionando a geração de empregos, a utilização e o desenvolvimento da tecnologia nacional, sem a devida contrapartida governamental, levará o leitor a ter uma visão diferenciada sobre o que é a teoria e como se apresenta a realidade. Este artigo revê alguns tópicos históricos da indústria nacional de defesa, sua situação atual e suas principais empresas. A análise das conjunturas internacional e nacional permitirá identificar alguns óbices que impedem o desenvolvimento da indústria de defesa brasileira, bem como o que está sendo feito em favor dessa indústria. Palavras-chave: Política Nacional; Orçamento; Legislação; Tecnologia; Conjuntura. 1 INTRODUÇÃO Ganha a guerra, quem mobiliza primeiro, e não quem dá o primeiro tiro. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

133 Ilton Agostinho de Oliveira (General Moltke, prussiano, em 1870, na Guerra Franco- Prussiana) A compreensão crítico-científica das relações de poder, na esfera internacional, depende de uma profunda análise dos fundamentos sobre os quais estão constituídas, sobretudo, na tradição greco-romana, na cristão-medieval e modernizadas pela Paz de Westfália. Percebe-se que é indissociável compreender a relação entre a religião cristã com a política internacional européia, a partir da sua iniciativa internacionalista, quando a Europa une a cruz à espada durante as Grandes Navegações, para empreender seu modelo expansionista sobre o mundo. Novamente, no século XIX, as necessidades para atender as motivações imperialistas sob o domínio da Pax Britannica, por ocasião da Revolução Industrial, a Europa parte para o neocolonialismo, com o subsídio ideológico e conta com a religião cristã, através de ações missionárias-catequetéticas. Verifica-se que a ciência, aliada ao capital, opera na estruturação e manutenção do poder, relacionando sua dinâmica com os poderes, tradicionalmente, constituídos. Rompida a ordem neocolonial ao final da Segunda Guerra Mundial, os países ricos mantêm a relação de poder aos agora emancipados Estados Nacionais. As estruturas políticas, aliadas às políticas econômicas alicerçadas na agregação tecnológica, impõem uma ordem competitiva, inatingível para os que não dispõem de meios científicos. A produção tecnológica é o principal suporte de barganha na política internacional, a partir da hegemonia da revolução científicotécnica. Novos atores internacionais passam a exercer importância significativa, ao lado dos Estados Nacionais, como a ONU, o sistema internacional a ela vinculado e as companhias multinacionais. Assumem papel de destaque no novo sistema internacional a partir da Segunda Guerra Mundial e, posteriormente, lançam as bases da globalização. A nova ordem internacional, estabelecida após a Guerra Fria, destacou diferentes tipos de conflitos de interesses, os quais possuíam características únicas em um mundo bipolar. Mais recentemente, questões como segurança nacional, poder bélico e poder econômico, continuam destacando o Estado como sendo o principal interventor nas relações de poder e nas relações políticas no globo, enquanto que as empresas transnacionais vão dinamizando a ordem e a economia mundial. Este artigo foi elaborado como uma viagem, onde são abordados aspectos históricos e jurídicos. Caminhando com base no marco legal, chegar-se-á ao clímax, que é o orçamento, ponto de fundamental importância para que a Indústria Nacional de Defesa - IND possa existir; e por fim será apresentada uma visão futurística sobre a contribuição que a IND poderá dar à mobilização nacional. 132 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

134 A Indústria Brasileira de Material de Defesa e sua Contribuição para a Mobilização Nacional 1.1 O que conta a história O fortalecimento da capacitação do País no campo da defesa é essencial e deve ser obtido com o envolvimento permanente dos setores governamental, industrial e acadêmico, voltados à produção científica e tecnológica e para a inovação. O desenvolvimento da Indústria de Defesa, incluindo o domínio de tecnologias de uso dual, é fundamental para alcançar o abastecimento seguro e previsível de materiais e serviços de defesa. (Item 6.9 do Decreto 5.484, de 30 de junho de 2005, que aprovou a Política de Defesa Nacional). É ponto pacífico dizer que a Indústria de Defesa - ID é um setor estratégico para qualquer nação. Quando o governo dessa nação cria incentivos que favorecem seu desenvolvimento dual, comercializando seus produtos com as Forças Armadas FA, e também no âmbito internacional, diz-se que esse país tem consciência do significado de mobilização. É preciso que a ID esteja inserida perfeitamente no Parque Industrial Nacional, constituindo-se de forma diferenciada na produção de equipamentos e materiais específicos, o que obrigará o país a planejar seus elevados custos, pois o processo de fabricação exige investimentos de monta. Sabe-se que o Brasil possui grande capacidade intelectual para o desenvolvimento tecnológico e industrial, o que certamente proporcionará a produção de componentes de defesa de excelência e de renome mundial. Mas nem sempre foi assim. As cabeças pensantes sempre existiram, mas uma política de destruição avassaladora de nossa ID, praticamente acabou com a esperança que havia no anseio de muitos brasileiros, paralisando as aquisições de material para as Forças Armadas, fazendo com que os equipamentos nacionais fossem praticamente deteriorados. Atualmente, depois da criação do Ministério da Defesa MD, o que se nota é um descaso com o preparo e emprego das instituições militares brasileiras, pois os investimentos voltados para esse campo têm sido bastante prejudicados com o constante contingenciamento, que já se tornou uma rotina anual. De nada adianta a aprovação do orçamento pela Lei Orçamentária Anual - LOA, se depois surge o famoso contingenciamento, que vem arrasando os planejamentos militares e, consequentemente, não deixando migalhas, sequer, para a Indústria Nacional de Defesa - IND. A verdade é que não há, em pleno século XXI, uma Política de Defesa adequada, voltada para a Indústria de Defesa. De uma forma geral, o mundo entende que uma economia forte gera uma indústria forte, e por analogia, uma defesa forte gera uma IND forte. O mundo atual não é confiável, e dessa forma o país que depender da Indústria de Defesa externa estará propenso a fracassar, pois na hora que houver real necessidade poderá sofrer embargos, e dessa forma poderá ser prejudicado, pois sua IND doméstica não estará à altura de suas necessidades. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

135 Ilton Agostinho de Oliveira O poder militar, a guerra como arte, sempre entusiasmou os homens, fazendo com que uma parte do conhecimento sempre se voltasse para os fenômenos da guerra, seus ataques e suas defesas. Por outro lado, as FA do mundo todo sempre dedicaram sua atenção ao progresso da ciência, da tecnologia, da inovação e da pesquisa, a fim de que pudessem utilizá-las de acordo com os interesses militares. O conhecimento científico e os avanços tecnológicos passaram a ser desejados pela área militar por razões estratégicas, procurando de alguma forma utilizá-los na consecução de materiais e equipamentos militares com o firme propósito de defender a soberania do país. Procurando nos anais da história é fácil identificar que nenhum país alçou o patamar de potência mundial com uma indústria nacional de defesa baseada e controlada por interesses externos. O MD ao divulgar a Estratégia Nacional de Defesa - END visou a uma estratégia de defesa que deverá ser desenvolvida a longo prazo, com a intenção de aparelhar as FA, incentivando a participação da indústria nacional de defesa. Em última instância, concedendo benefícios e isenção de impostos na produção de equipamentos de forma dualista, consolidando dessa forma a indústria nacional de defesa no Brasil. 1.2 Marco legal [...] é a criação de um verdadeiro regime especial tributário para a Indústria da Defesa. É isso que nós hoje estamos, aqui, enfaticamente lançando, através dessa Medida Provisória [...] (Presidente da República Dilma Rousseff, na apresentação da MP 544, de 29 de setembro de 2011). Antes de prosseguir nessa viagem, é importante saber o que é Mobilização Nacional. A Mobilização Nacional está capitulada na Constituição Federal de 1988, especialmente nos artigos 22 e 84, informando que é competência da União legislar a Mobilização Nacional, bem como, decretar total ou parcialmente a Mobilização Nacional. A Mobilização Nacional é assim conceituada, de acordo com a Lei n.º , de 27 de dezembro de 2007: Mobilização Nacional é o conjunto de atividades planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado, complementando a Logística Nacional, destinadas a capacitar o País a realizar ações estratégicas, no campo da Defesa Nacional, diante de agressão estrangeira. Para se falar sobre a IND, faz-se necessário mostrar a legislação existente e efetuar algum comentário, o que facilitará a conclusão do trabalho. Numa linha temporal, será mostrado o marco legal da política da Indústria Nacional de Defesa. 134 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

136 A Indústria Brasileira de Material de Defesa e sua Contribuição para a Mobilização Nacional Em 19 de julho de 2005, foi assinada a Portaria Normativa n.º 899/MD, que aprovou a Política Nacional da Indústria de Defesa PNID, constituída de seis artigos, adotando definições, estabelecendo objetivos e orientações e estabelecendo responsabilidade por sua coordenação. Após sua publicação, a Associação Brasileira das Indústrias de Material de Defesa ABIMDE declarou ter certeza de que a aprovação desta política é um passo decisivo para o fortalecimento da Base Industrial de Defesa no Brasil BID, pois, além de definir a abrangência desta indústria, e os produtos estratégicos de defesa, coloca como objetivos para o fortalecimento da BID a necessidade de conscientização da sociedade, quanto às necessidades da BID; produzir e desenvolver os produtos estratégicos no Brasil; reduzir a carga tributária; ampliar a capacidade de aquisição das FA em indústrias brasileiras; melhorar a qualidade dos produtos e aumentar a competitividade para expandir as exportações e melhorias da capacidade de mobilização. Já em 24 de abril de 2006, o MD assina a Portaria Normativa n.º 586, que aprovou as Ações Estratégicas para a Política Nacional da Indústria Nacional de Defesa, com apenas três artigos, que se destacam quanto à conscientização da sociedade; quanto à necessidade de o País dispor de uma forte Base Industrial de Defesa; e por propor a participação da Presidência da República, dos Ministérios e de outras Entidades nesse esforço em prol do incremento da indústria de defesa. Assim, são partícipes desse trabalho: _ Ministério da Ciência e Tecnologia; _ Ministério do Desenvolvimento; _ Ministério da Indústria e Comércio Exterior; _ Ministério das Relações Exteriores; _ Ministério da Fazenda; _ Ministério do Planejamento; _ Ministério do Orçamento e Gestão; _ Confederação Nacional das Indústrias (CNI); _ Federações das Indústrias _ Federação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil (AIAB); _ Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa (ABIMDE); _ Sindicato Nacional das Indústrias de Materiais de Defesa (SIMDE). Além das citadas, há outras instituições. Cabe ampliar a atuação da Assessoria Parlamentar do Ministério da Defesa (MD) junto ao Congresso Nacional nos assuntos de interesse da BID, buscando o apoio das empresas e entidades de classe ligadas à indústria de defesa. Mas como será verificado tudo isso ficou no papel, surgindo dificuldades e restrições orçamentárias, contrariando a estratégia adotada pelo Governo Federal. Sabe-se que o MD é o órgão do Governo Federal responsável pela direção superior das FA, constituído pelos Comandos da Marinha, do Exército e da Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

137 Ilton Agostinho de Oliveira Aeronáutica. Sua principal missão é manter a soberania nacional e a integridade territorial, bem como estabelecer políticas ligadas à defesa e à segurança do País, como a PND. Cabe ao MD promover a ID. Particular atenção deverá ser dada a essa missão, pois não poderá ser responsabilizado um agente da administração federal, ficando essa missão de forma acéfala, uma vez que não são criadas responsabilidades e punições para uma instituição. Para a Mobilização Nacional - MN ser implementada foi preciso a criação de um sistema complexo que foi estatuído por meio da Lei n.º , de 27 de dezembro de 2007, que dispõe sobre a Mobilização Nacional, criando o Sistema Nacional de Mobilização SINAMOB, que consiste no conjunto de órgãos que atuam de modo ordenado e integrado, a fim de planejar e realizar todas as fases da Mobilização e da Desmobilização Nacionais. No Decreto n.º 6.703, de 18 de dezembro de 2008, que estabelece a Estratégia Nacional de Defesa - END, o Governo federal buscou o fortalecimento das expressões do poder nacional, baseado nas condições econômicas existentes na ocasião, em particular no volume registrado de exportações. A END preconiza o fortalecimento da BID, voltada para o desenvolvimento de tecnologias com aplicação civil e militar. Necessário é que seja implementada uma série de medidas destinadas a facilitar a interação militar com o âmbito civil, aliadas aos instrumentos que garantam as exportações, uma vez que somente o mercado interno não é capaz de sustentar essa indústria, no longo prazo, nem de propiciar o retorno aos pesados investimentos em pesquisas, desenvolvimento e inovações por ela demandados. Já o Decreto n.º de 6 de setembro de 2010, dispõe sobre a Política de Mobilização Nacional, sendo que em seu art. 2.º estatui que a Política de Mobilização Nacional consiste no conjunto de orientações do governo federal, com o objetivo de impulsionar o Estado Brasileiro para o preparo e a execução de Mobilização Nacional e da consequente Desmobilização Nacional. Em 29 de setembro de 2011, foi assinada a Medida Provisória n.º 544 que estabelece normas especiais para as compras, contratações de produtos, de sistemas de defesa, e de desenvolvimento de produtos e de sistemas de defesa, além de dispor sobre as regras de incentivo à área estratégica de defesa. Esse mecanismo de fomento à IND é um desdobramento do Plano Brasil Maior, lançado em agosto, que alia defesa comercial e compras governamentais a incentivos, à inovação em produtos e métodos produtivos para tornar mais competitivos os setores que costumam ter dificuldades com o real valorizado, sofrendo a concorrência de competidores internacionais e empregam muito em confecção, calçado, móveis e softwares, para aumentar a competitividade da indústria nacional, a partir do incentivo à inovação tecnológica e à agregação de valor. Para a compra e contratação de produtos e sistemas de defesa, a MP institui regras especiais, além de criar um regime especial de tributação que desonera as 136 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

138 A Indústria Brasileira de Material de Defesa e sua Contribuição para a Mobilização Nacional empresas voltadas para o setor. Entre os principais encargos desonerados podemse citar o IPI, PIS/PASEP e COFINS. Para o desenvolvimento de tecnologias voltadas para o setor de defesa, a MP estabelece incentivos que trarão benefícios às indústrias do setor, como aos trabalhadores, proporcionando maior oferta de empregos e melhores condições para aquisição de bens e serviços importantes para o Brasil. A MP contempla aqueles produtos considerados estratégicos; entre eles estão os veículos, foguetes, equipamentos eletrônicos, armas e munições, satélites, aviões, embarcações, fardamento, rações e softwares, além de obras e serviços utilizados em atividades de defesa. A Mobilização Nacional deve ser entendida como uma atitude eminentemente consciente e participativa, que tem como estímulo preponderante uma expectativa de permanente possibilidade de conflitos que possam direta ou indiretamente, envolver o país. (Slide da palestra da Professora Maria Leonor da Silva Teixeira no CLMN-2011) Conforme exposto até o momento, pode-se dizer que a mobilização nacional afeta as cinco expressões do Poder Nacional, verificando alguns fatores: Expressão Econômica: Fatores econômicos são os meios capazes de produzir variações, quantitativas e qualitativas, nos fundamentos do Poder Nacional e em todos os demais componentes do sistema econômico, bem como nas relações que entre eles se processam, com vistas à produção de efeitos econômicos. No rol desses fatores, destacam-se: modernização e adaptação às mudanças; capacidade do conhecimento científico e tecnológico; capacidade de acumulação e absorção do capital fixo; capacidade empresarial; capacidade e financiamento; capacidade de consumo e capacidade de participação. Expressão Psicossocial: Os fatores são, entre outros: Cultura e padrões de comportamento; níveis de bem-estar; dinâmica ambiental e dinâmica estrutural. Expressão Militar: Destacam-se os seguintes fatores: doutrina militar; estrutura militar; capacidade de comando e controle; integração das Forças Armadas; instrução, adestramento e aprestamento; moral militar; capacidade logística; capacidade de mobilização; serviço militar e capacidade científico-tecnológica. Expressão Política: Os fatores indicam estados e comportamentos dos fundamentos e dos órgãos e ainda, as diferentes formas e variações de intensidade das interações mantidas entre esses diversos componentes analíticos da expressão: situação geopolítica; condicionamentos históricos; cultura política; doutrinas e ideologias políticas; qualidade e ordenamento jurídico; qualidade e atitude do eleitorado; qualidade e atuação das elites e lideranças políticas e Interação dos poderes do Estado. Expressão Ciência, Tecnologia e Inovação: Os fatores são os elementos dinâmicos que influem sobre os fundamentos da expressão, valorizando-os ou depreciando-os, entre eles destacam-se: educação; comunicação; nível de pesquisa Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

139 Ilton Agostinho de Oliveira e desenvolvimento experimental; dinâmica produtiva; infraestrutura científica e tecnológica; biodiversidade; diversidade mineral e proteção ambiental. 2 DO ORÇAMENTO O desejo de conquistar é sem dúvida algo de ordinário e natural, e todo aquele que se entrega a tal desejo, quando possui os meios para realizá-lo, é antes louvado que censurado. (Niccolo Maquiavelli, em O príncipe ) Esta é uma das melhores definições sobre o que vem a ser orçamento para a administração pública. Segundo Willoughby (Apud BUEHLER, 1940): 2.1 Marco legal [...] o orçamento é um documento que o executivo principal, sendo a autoridade responsável pela conduta de aplicação dos recursos das atividades governamentais, utiliza diante das entidades e autoridades que levantam receitas ou concedem recursos, para relatar a forma que ele e seus subordinados administraram os recursos do governo durante o ano fiscal findo. Mostra também a situação atual do tesouro público e, baseado nestas informações, ele estabelece o plano de ação para o ano seguinte e aponta os meios pelos quais as atividades serão financiadas. Traçando uma linha do tempo é possível conhecer a história do orçamento no Brasil. A primeira Constituição Brasileira de 1824 apresentou os primeiros passos, ainda incipientes, sobre a elaboração do orçamento da União, estipulando que a iniciativa das leis sobre impostos competia à Câmara dos Deputados, enquanto ao Poder Executivo cabia a elaboração da proposta orçamentária que seria enviada à Assembléia Geral, composta pelo Senado e pela Câmara para aprovação da Lei Orçamentária. No que tange ao orçamento, era atribuição do Ministério da Fazenda receber o orçamento dos outros ministérios e seus respectivos orçamentos, e apresentá-los à Câmara dos Deputados, juntamente, com as possíveis receitas, cabendo ao Poder Legislativo a competência para fixação anual das receitas e despesas do Governo Federal. Na Constituição de 1891, o orçamento passou a ser competência do Congresso Nacional, sendo que a proposta orçamentária seria encaminhada pelo Poder Executivo para votação do Poder Legislativo. Em 1922, com a implantação do Código de Contabilidade da União surgem as orientações contábeis, financeiras patrimoniais e orçamentárias. A Constituição Federal de 1934 introduziu a classificação da despesa, dividindo-a em duas partes: uma fixa e outra variável, além de atribuir a responsabilidade pela elaboração da proposta orçamentária ao Presidente da República, cabendo ao Poder Legislativo a votação do orçamento e o julgamento das contas do Presidente. 138 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

140 A Indústria Brasileira de Material de Defesa e sua Contribuição para a Mobilização Nacional Já em 1937, a Constituição possuía um capítulo com seis artigos sobre a elaboração da proposta orçamentária, tendo como característica a classificação da despesa em itens para cada serviço, departamento, estabelecimento ou repartição, facultando a necessária flexibilidade na fase da execução. Em 1946, a nova Constituição no quesito proposta orçamentária era semelhante à de 1934, onde o Poder Executivo elaborava o projeto de lei, que era debatido e votado no Poder Legislativo. Em 17 de março de 1964, surge a Lei n.º 4.320, que vigora até os dias atuais, que estatuiu normas gerais de direito financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. A Constituição de 1988 estatuiu que a prerrogativa de propor emendas ao Projeto de Lei Orçamentária cabe ao Poder Legislativo, além de indicar quais serão as receitas que suportarão as despesas públicas, exigindo ainda do Poder Executivo a elaboração anual da LDO Lei de Diretrizes Orçamentárias, com a finalidade de orientar a confecção da Lei Orçamentária. A Constituição se refere aos planejamentos de médio e longo prazos e ao controle do setor público pelo Poder Legislativo. No Brasil, depois de aprovada a LDO, é confeccionada a LOA, votada pelo Congresso e sancionada pelo Presidente da República. O orçamento do Governo Federal é um instrumento para a organização e planejamento dos recursos financeiros. A Política de Defesa do Brasil garante recursos suficientes e contínuos para proporcionar condições eficazes e eficientes para o preparo e emprego das FA, mas é verificado que, ano após ano, o orçamento de defesa representa muito pouco em relação ao Orçamento Geral da União - OGU, onde a maior parcela está voltada para o pagamento de pessoal. 2.2 Os números Assim, com base em pesquisa realizada no site da Secretaria de Orçamento Federal SOF, serão analisados os valores repassados no último quinquênio, conforme abaixo: Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

141 Ilton Agostinho de Oliveira Numa abordagem rápida, verifica-se que pouquíssimos recursos foram destinados ao MD para aplicação em investimentos. A razão entre o orçamento aprovado pela LOA e o valor destinado para investimentos ficaram assim: 2007 (1,7%), 2008 (7,6%), 2009 (2,2%), 2010 (2,5%) e 2011(3,6). Os recursos destinados aos investimentos do MD são ínfimos, em relação às suas necessidades, não servindo de atrativo para os empresários envolvidos com a IND. Em países em outro estágio econômico, onde a ID é bastante desenvolvida, o governo proporciona esse crescimento, efetuando grandes encomendas, aumentando o PIB, o número de trabalhadores empregados e aumentando suas divisas externas com a venda para os países dependentes. Está claro que se faz necessário o reaparelhamento das FA tendo em vista a cobiça de todo nosso território, por suas riquezas e, em particular, da Amazônia. O ideal seria que os equipamentos militares fossem produzidos em nosso quintal, com uma tecnologia autóctone, favorecendo dessa forma a IND com o objetivo de monitoramento de nossas fronteiras, além de uma integração dos projetos militares aos projetos nacionais, facilitando assim uma indústria dualística, ora favorecendo a tecnologia militar, ora favorecendo os interesses industriais. Todos sabem que a Segurança Nacional estará comprometida se não possuir os devidos meios contra ameaças externas, pois o Brasil depende, grandemente, da indústria de outros países, que em caso de conflito poderão cancelar os contratos de materiais existentes, deixando o Brasil em situação difícil. Conforme pesquisa da SIPRI - Stockholm International Peace Research Institute Suécia , entre as dez maiores produtores mundiais de material de defesa, seis são americanas (Boeing, Lockheed Martin, Northhrop Grumman, Raytheon, General Dynamics e L-3 Communications); uma é italiana (Finmeccanica); uma é francesa (Thales) uma é inglesa (BAE Systems) e uma é do Oeste Europeu (EADS). Dessa forma, é possível verificar a dependência mundial existente. É comum países sul-americanos adquirirem armamento e outros produtos militares em fornecedores fora do continente sul-americano, por falta de uma IND, não somente brasileira, mas também sul-americana, o que contribui para o enfraquecimento da defesa desses países, como também cria uma oportunidade para os empresários que ainda não vislumbraram esse nicho sul-americano, bastando para isso que a IND seja devidamente estimulada, com investimentos agradáveis, a fim de que os fornecedores estrangeiros possam ser substituídos por fornecedores nacionais, com apoio governamental. No Brasil, as maiores empresas voltadas para a indústria de defesa são: Embraer, Taurus, CBC, Condor e IBCA. Para estimular uma indústria, seja ela de defesa ou não, o mínimo necessário é o capital, e em nosso caso os recursos destinados a investimentos do orçamento da União. Se não houver um entendimento governamental, voltado para um orçamento atrativo, proporcionando o surgimento de empresas voltadas para a 140 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

142 A Indústria Brasileira de Material de Defesa e sua Contribuição para a Mobilização Nacional defesa nacional, de nada adiantará regular ou legislar em prol desse segmento da indústria. A PND, de 2005, estabeleceu objetivos para o fortalecimento da BID, havendo a necessidade de conscientizar a sociedade em geral quanto à necessidade de: produzir e desenvolver produtos estratégicos no Brasil; reduzir a carga tributária; ampliar a capacidade de aquisição das FA em indústrias brasileiras; melhorar a qualidade dos produtos; aumentar a competitividade para expansão das exportações e melhorar a capacidade de mobilização. Até a criação da END, em 2008, o Brasil não havia experimentado uma política de Estado voltada para a Defesa Nacional. Nunca foi elaborado um programa de aquisições voltado para a indústria nacional, com uma política adequada para a previsão de sua demanda, e, em consequência, impossibilitado de programar e calcular essa demanda. Hoje é uma realidade o fato de que possuir uma Indústria Nacional de Defesa é a garantia de suprimento das FA e a sustentação da Soberania Nacional. Merino identificou que as deficiências estruturais do setor da Indústria de Defesa carregam um sério problema institucional. A raiz do problema estaria na falta de uma clara política de apoio ao setor, que procurasse atender aos interesses da Segurança Nacional. Uma política que garantisse o permanente desenvolvimento de uma tecnologia autóctone, de forma estável e longe de sobressaltos capazes de provocar perdas de capacitação tecnológica já adquirida, e que afastasse o perigo de aquisições oportunistas que afetam a sobrevivência da indústria no longo prazo. (MERINO, 1991). 3 VISÃO PROSPECTIVA As coisas futuras ainda não existem; e se ainda não existem, não existem presentemente. De modo algum podem ser vistas, se não existem. Mas podem ser prognosticadas pelas coisas presentes que já existem e se deixam observar. (Santo Agostinho) Prever o futuro é futurar; predizer, prognosticar; supor, conjecturar. O futuro possível de ser previsto é um futuro feito de conjecturas gestadas no presente e que serão, ao longo do tempo, testadas, confirmadas ou refutadas. Oráculos, pitonisas, sacerdotes, adivinhos, santuários e sortilégios são palavras recorrentes na mitologia e traduzem a fé na existência de um poder superior e na possibilidade de relações recíprocas com este poder. Tirésias foi o maior deles. Cego, recebeu de Zeus o dom da manteia, conhecia o passado, o presente e o futuro. De Atena, ele recebeu o dom da adivinhação, da interpretação do voo e da linguagem dos pássaros. Compreender o futuro, como processo, implica ultrapassar os limites da Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

143 Ilton Agostinho de Oliveira linearidade e da causalidade e percebê-lo sempre como um tempo que se situa no encontro do presente e do futuro. Um intervalo dinâmico, onde sujeitos e sociedades se posicionam e se reposicionam constantemente na busca da realização da vida presente e futura. Toffler (1994, p. 157) advoga que a sedução da informação e o desprezo por tudo o que é estável e consolidado provoca a antecipação sistemática do futuro, o que pode ser visualizado nos sinais indiscutíveis de uma estrutura social doente. O dilúvio de novidades que está a ponto de se despejar sobre todos nós irá se espalhar das universidades e centros de pesquisa para as fábricas e escritórios, do mercado e dos meios de comunicação de massa para os nossos relacionamentos sociais, da comunidade para o lar. (TOFFLER, 1994, p. 196) Sobreviver ao futuro é adaptar-se. Adaptar-se é superar o choque do futuro que já está entre nós. Para muitos, isto é um desafio intransponível, crise derradeira num cenário marcado pela transitoriedade, que promove a emergência da adversidade e multiplica ao infinito as possibilidades de escolha e a responsabilidade do indivíduo pelas mesmas. A partir dos idos de 90, numa conjuminância de fatores, a ciência, tecnologia e inovação na área de defesa foram afastadas do país, o que veio dilapidar os fabricantes nacionais, quando então o Brasil se tornara dependente do exterior. É preciso ter em mente que o Conflito das Malvinas ainda é recente na página da história, onde se pode tirar como lição a competência da IND inglesa que foi de fundamental importância na vitória, uma vez que os argentinos não possuíam uma IND tendo que adquirir seus materiais no exterior, quando sofreram embargos, facilitando sua derrota. Para os tempos modernos, o futuro é o suporte do progresso, um acelerador do presente que nos impulsiona em direção a novas conquistas. O futuro não mais a Deus pertence, é uma conquista e construção do homem no exercício da sua racionalidade. Um horizonte temporal a partir do qual se subtrai, supera e ultrapassa ao presente. Na concepção moderna, o futuro não é algo que surge, de forma independente e autônoma, ele é causado e como tal pode ser conhecido, antecipado, controlado, ou melhor, projetado e planejado. É importante que a IND tenha seu foco voltado para a defesa dissuasória, contra novos e potenciais atores agressivos. É digna de apreço a projeção de poder, em qualquer lugar do mundo, para a defesa do país contra crescentes interesses de aliados e para a manutenção da paz, o que exigirá sempre uma pronta resposta. É necessário que o desenvolvimento científico, tecnológico e industrial com escala e criatividade inovadora suficientes aos diversos projetos, atuais e futuros, e a multiplicação de efeitos por toda a economia brasileira, ajudem a colocar a IND, em novo e superior patamar de desenvolvimento social e de significativa 142 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

144 A Indústria Brasileira de Material de Defesa e sua Contribuição para a Mobilização Nacional projeção econômica na comunidade internacional. Apesar do anúncio bombástico do Governo Federal proclamando benesses para os empresários da ID, o orçamento do MD não contemplou somas importantes para investimentos nos últimos cinco anos. De nada adianta a existência de uma END se não houver recursos disponíveis e suficientes. Como defender a Amazônia (Verde e Azul) se as FA não possuem a tecnologia necessária? Os parcos recursos destinados aos investimentos inibem o desenvolvimento de tecnologias de defesa, sejam aquelas desenvolvidas dentro dos quartéis, sejam aquelas desenvolvidas em parceria com as empresas da ID. Torna-se praticamente impossível atender às missões contempladas na END sem um aporte orçamentário significativo, a fim de acompanhar o desenvolvimento científico-tecnológico. Até quando o país estará à mercê das tecnologias e engenhocas estrangeiras adquiridas com cláusulas de transmissão de tecnologia e conhecimento? Dentro de um cenário prospectivo para destacar a importância da IND na MN podem-se citar alguns aspectos considerados importantes para seu desenvolvimento: 1 - Considerável aumento no orçamento da União para os investimentos voltados para a defesa, viabilizando os investimentos de longo prazo, com a determinação de um orçamento consolidado, estabelecendo seu valor em percentuais do PIB, além de financiamentos a longo prazo destinados à pesquisa, tecnologia e inovação. Esse orçamento serviria para incrementar o setor, atendendo de forma dual ao mercado militar interno e também aos mercados externo e não militares. 2 Ampliação da capacidade de aquisição das FA, livrando-as das constantes restrições orçamentárias e contingenciamentos, o que prejudica o planejamento e a não realização dos objetivos propostos, nos quais os casos mais exemplares são: a aquisição de aviões de caça e a construção do submarino nuclear. É preciso investir em pesquisa e desenvolvimento, favorecendo a indústria brasileira com aquisição de equipamentos comuns às três Forças, com programas de aquisição proporcionando ganho de escala e de economia. 3 Abertura de financiamentos para desenvolvimento de pesquisas voltadas para a defesa, quando concursos acadêmicos premiariam a inovação, favorecendo o produto nacional, principalmente no que se refere à modificação das linhas de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES, para os produtos de defesa, no mesmo grau de igualdade às outras atividades. Se o país quiser garantia da Soberania e da Segurança Nacional é preciso que a ID seja realmente encarada como um setor produtivo, gerador de trabalho e de riqueza, a fim de fortalecer a nossa capacidade dissuasória e as necessidades existentes nas áreas industrial, científica e tecnológica de defesa. A importação de material de defesa, em detrimento da produção interna, está pautada na falta de recursos voltados para investimentos, causando baixa Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

145 Ilton Agostinho de Oliveira demanda interna, impossibilitando o reconhecimento da IND no cenário mundial, obrigando o Brasil a ficar dependente da tecnologia de outras nações. Assim, além de manter-se vulnerável, a falta de recursos contribui para deteriorar, ainda mais, o desenvolvimento de pesquisas nacionais voltadas para a defesa. Sabe-se que não é possível identificar uma expressão do poder de forma isolada. Assim, todas possuem um inter-relacionamento e uma interdependência, pois quando se trata de realizar uma ação direta do governo ou do financiamento estatal para universidades, institutos de pesquisa e indústrias de caráter estratégico, é necessário ter em mente o objetivo de produzir material de emprego militar, evidenciando a capacidade de mobilização, pois estarão em movimento todas as expressões do Poder Nacional. Em face do estágio avançado de desenvolvimento dos produtos de defesa no planeta, com certeza uma nação jamais será capaz de produzir a totalidade dos itens de suas necessidades, por isso é necessário concentrar esforços na produção da maior parte dos insumos estratégicos, principalmente, daqueles julgados de importância crítico-estratégica, cabendo tão-somente ao Governo Federal esse papel fundamental, pois ideias, intelecto e insumos o Brasil já possui. A grande contribuição da IND para a Mobilização Nacional está na disposição de avançar, tecnologicamente, em produtos de defesa numa colaboração biunívoca com o campo militar, transformando o conhecimento em capacidade de produzir bens e serviços, o que significa produtividade, competitividade, elevação de renda, capacidade de investimento, prosperidade, poder militar e, finalmente, soberania. É mister salientar que o assunto defesa não diz respeito somente aos militares. Defesa abrange todas as expressões do Poder Nacional. Mas, como a Indústria de Defesa Nacional poderá colaborar com a Mobilização Nacional se ela praticamente não existe? 4 Referências AGOSTINHO. Confissões. São Paulo: Abril Cultural, (Coleção Os pensadores). BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 31. ed. São Paulo: Saraiva, Decreto n.º 5.484, de 30 de junho de Aprova a Política de Defesa Nacional, e dá outras providências. Disponível em: ato /2005/decreto.. Decreto n.º 6.703, de 18 de dezembro de Aprova a Estratégia Nacional de Defesa, e dá outras providências. Disponível em: ccivil_03/_.../2008/decreto/d6703.htm. 144 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

146 A Indústria Brasileira de Material de Defesa e sua Contribuição para a Mobilização Nacional. Decreto n.º 7.294, de 6 de setembro de Dispõe sobre a Política de Mobilização Nacional. Disponível em: Decreto n.º , de 16 de setembro de Decreta mobilização geral. Disponível em: Decreto-Lei n.º 4.812, de 8 de outubro de Dispõe sobre a requisição de bens imóveis e móveis, necessários às Forças Armadas e à defesa passiva da população, e dá outras providências. Disponível em: decreto-lei/ /del Lei n.º 4.320, de 17 de março de Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Disponível em: www2.camara.gov.br/ internet/legislação/.../visualização.. Lei n.º , de 27 de dezembro de Dispõe sobre a Mobilização Nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização - SINAMOB. Disponível em: www. planalto.gov.br/ccivil_03/_ato Medida Provisória n.º 544, de 29 de setembro de Estabelece normas especiais para as compras, as contratações de produtos, de sistemas de defesa, e de desenvolvimento de produtos e de sistemas de defesa, e dispõe sobre regras de incentivo à área estratégica de defesa e dá outras providências. Disponível em: httm.. Ministério da Defesa. Portaria Normativa n.º 899/MD, de 19 de julho Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa - PNID. Brasília, DF, CONSTITUIÇÕES DO BRASIL: 1824, 1891, 1934, 1937, 1946 e 1967 e suas alterações. Brasília,DF: Senado Federal: Subsecretaria de Edições Técnicas, ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Elementos de logística e mobilização. assuntos específicos. Rio de Janeiro, Parte 3.. Manual básico: elementos fundamentais. Rio de Janeiro, V.1. Manual básico: assuntos específicos. Rio de Janeiro, V.2. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

147 Ilton Agostinho de Oliveira MARQUES, Alexandre Cassel. Um estudo sobre a mobilização nacional para a guerra das Malvinas/Falklands. Rio de Janeiro: ESG, MERINO, Flávio Escosteguy. A crise atual na indústria bélica brasileira. Rio de Janeiro: ESG, RIPPEL JR, Irtonio Pereira. A indústria brasileira de material de defesa. Rio de Janeiro: ESG, SOUZA JR; Afonso Farias; FREIRE, Luis Tirre. Orçamento e contingenciamentos: potencialização dos impactos negativos e fragilização da defesa nacional. Rio de Janeiro: ESG, TOFFLER, Alvin. O choque do futuro. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, TZU, Sun. A arte da guerra. São Paulo, Pensamento Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

148 A Segurança da Informação no Contexto Cibernético e a Mobilização Nacional A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NO CONTEXTO CIBERNÉTICO E A MOBILIZAÇÃO NACIONAL Luiz Guilherme Sá da Silva Tenente-coronel de Infantaria da Força Aérea Brasileira, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo Esta pesquisa visa a atender ao aprimoramento da Gestão da Segurança da Informação no contexto cibernético, nas ações e atividades visando à Defesa Nacional e sua relação com a Mobilização Nacional. O levantamento dos assuntos relevantes foi realizado por meio de uma pesquisa exploratória constituída por uma análise bibliográfica e uma análise documental. A análise documental está baseada nos documentos do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da Republica e também nos atos normativos referentes à Mobilização Nacional. Os dados obtidos na pesquisa documental são tratados qualitativamente. São abordados temas da gestão da segurança da informação dentro do Setor Cibernético apresentado como o GSI-PR trata o assunto. É feita uma avaliação dos atos normativos e sua conformidade com as ações da Mobilização Nacional. Ao final, conclui-se sobre as ações do Governo Federal alinhadas à Política de Mobilização Nacional como forma de adequar e manter-se atualizado frente às constantes inovações de TI e preparado para se contrapor às possíveis ameaças no campo da Segurança da Informação que afetam a Defesa Nacional. Os dados estão atualizados até 30 de outubro de Palavras-chave: Conformidade; Controles; Cibernética; Segurança da Informação; Mobilização. 1 INTRODUÇÃO Na atualidade, as organizações sejam governamentais sejam privadas, necessitam de agilidade e eficácia, na condução dos seus negócios, para que possam sobreviver em mercados cada vez mais competitivos onde existem riscos ao seu funcionamento. A grande quantidade de informações disponíveis tem vital importância para a correta tomada de decisão por parte dos governantes e representantes do setor privado. Por esse motivo, as instituições públicas e privadas começaram a realizar investimentos tecnológicos e computacionais para registrar e armazenar informações, visando a facilitar a obtenção de resultados mais precisos e em menor tempo. A Segurança da Informação (SI), no âmbito da Administração Pública Federal Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

149 Luiz Guilherme Sá da Silva (APF), foi considerada estratégica, tendo como pilares a Tecnologia da Informação (TI), a Gestão do Conhecimento e também a Segurança da Informação. A proteção da informação como patrimônio é crucial nos tempos atuais, e pode vir a ser o grande diferencial para o sucesso ou fracasso de uma instituição. Sua importância dentro do Governo Federal é evidente, pois tendo em vista a sua importância estratégica, proporcionará uma vantagem competitiva perante um eventual oponente racional, quando da proteção do ativo chamado Informação. Corroborando com o citado anteriormente, no momento atual, encontram-se em vigor a Estratégia Nacional de Defesa e a Política Nacional de Defesa. Tanto a Política como a Estratégia enfatizam a importância dada ao setor cibernético na Defesa Nacional, sendo este um dos assuntos com afinidade com a Segurança da Informação. O autor atua na área de TI, desde 1998, tendo realizado diversas especializações nesta área e cursos afetos ao campo de Segurança da Informação, o que motivou o interesse por esta pesquisa que procura relacionar o setor cibernético e a mobilização nacional. Na atualidade, os ataques cibernéticos se caracterizam pelo uso dos meios computacionais para ações ofensivas, na rede mundial de computadores, contra alvos estratégicos vulneráveis, os quais são buscados com o propósito de causar enfraquecimento das suas defesas convencionais e também causar transtornos na capacidade de comandar e controlar áreas sensíveis da infraestrutura de um determinado país ou instituição. A Gestão da Segurança da Informação e, consequentemente, a respectiva proteção da informação, tratam não só da sua produção, mas também, como compartilhá-la, corretamente, e preservá-la quando necessário. Para isso, a referida gestão deve ter requisitos de disponibilidade, integridade, confidencialidade e autenticidade. Desta forma, o tema proposto pretende responder ao seguinte problema: em que nível os processos de segurança da informação referentes ao setor cibernético estão alinhados com a mobilização nacional? Assim, o objetivo geral será verificar se as documentações normativas sobre segurança da informação, no setor cibernético, estão alinhadas com as atividades de mobilização nacional. No intuito de atingir o objetivo geral, os seguintes objetivos específicos foram estabelecidos: a) Descrever os requisitos de segurança da informação no setor cibernético; b) Citar os aspectos aplicáveis da segurança da informação no setor cibernético aplicáveis na mobilização nacional; e c) Realizar o processo de verificação de conformidade. Com os objetivos da pesquisa definidos, é necessário verificar as argumentações que justificam o presente trabalho. Nesse sentido, o tema da pesquisa, em questão, despertou a inquietação e preocupação do autor, principalmente para ações 148 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

150 A Segurança da Informação no Contexto Cibernético e a Mobilização Nacional normativas de cunho estratégico e suas consequências nos níveis operacional e tático da gestão da segurança da informação. É dentro desse contexto que o problema já mencionado passa a ser o objetivo intrínseco deste trabalho, mostrando a importância da proteção da informação para o Estado, através das práticas recomendadas para a Gestão da Segurança da Informação. O presente trabalho está estruturado em cinco tópicos. No segundo, foram descritos a revisão literária e fundamentação do estudo. A etapa seguinte abordou gestão da segurança da informação no GSI-PR. A quarta parte apresentou os resultados da investigação, com a análise dos dados obtidos. Ao final, apresentaramse as considerações decorrentes do estudo. 2 REVISÃO LITERÁRIA E FUNDAMENTAÇÃO Compartilhar informações e ao mesmo tempo protegê-las é um desafio a ser vencido nos tempos atuais. Para que isto possa ocorrer, sem perdas para aqueles que usam a informação, a Gestão da Segurança da Informação, atuando nos Processos, Tecnologia e Recursos Humanos, utiliza práticas e normas técnicas adotadas no Brasil e no mundo. Além de valor significativo, a informação possui seu ciclo de vida, segundo Beal (2004). Ela segue um fluxo dentro das organizações que vai da identificação da necessidade de requisitos, sua obtenção, tratamento, armazenamento, distribuição, uso e descarte. Logo, é preciso que este administrador entenda e gerencie bem os conceitos afetos a proteção da informação, pois a conscientização dos integrantes é muito importante, tendo em vista que as informações circulantes armazenadas têm o valor que lhes é dada pela organização. A segurança de uma determinada informação pode ser afetada por fatores comportamentais e de uso de quem se utiliza dela, pelo ambiente ou infraestrutura que a cerca ou por pessoas mal-intencionadas que têm o objetivo de furtar, destruir ou modificar tal informação. Os controles aplicados são extremamente importantes para assegurar o correto tratamento dado à informação. É necessário que cada informação possua um proprietário e que o mesmo consiga avaliar o quão crítica é esta informação para a proteção do conhecimento. Ameaças de todas as espécies deverão receber atenção, para que a informação a ser protegida não perca seus requisitos de segurança: perda de confidencialidade, perda de integridade e perda de disponibilidade. Níveis de Segurança, Segurança Física, Segurança Lógica e Política de Segurança também devem ser implementados para o tratamento da informação. As pessoas são ativos que possuem vulnerabilidades, e por isso recebem também a atenção da Segurança Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

151 Luiz Guilherme Sá da Silva da Informação, pois o ativo mais importante pode vir a ser elo mais fraco na proteção do conhecimento. A estrutura atual de Governo Federal e de sua área de Defesa será avaliada ao longo da pesquisa. Esta mostrará em que nível o Estado Brasileiro se encontra, atualmente, e as deficiências, porventura, encontradas na estrutura organizacional, nos seus integrantes, na infraestrutura de suporte tecnológico e na área afeta à Segurança da Informação. Depois de expostas, tornar-se-ão base para a sugestão de melhorias nos processos que tratam da proteção da informação em proveito da mobilização nacional. Este cenário, observado nas organizações públicas, mostra a dificuldade de se implantar uma Gestão de Segurança de Informação neste tipo de estrutura vertical. Dificuldade esta, nem sempre visível nas proposições de boas práticas de proteção de informação, principalmente, quando agilidade nem sempre está presente nas organizações públicas. 2.1 Metodologia O levantamento dos assuntos relevantes será realizado por meio de uma pesquisa exploratória constituída por uma análise bibliográfica e uma análise documental. A análise documental está baseada nos documentos formalmente publicados no âmbito da Administração Federal. Os dados obtidos, na pesquisa documental, são tratados de forma qualitativa. Serão abordados temas da gestão da segurança da informação e do setor cibernético, mostrando como o MD trata a Gestão da Segurança da Informação e sua infraestrutura no uso da rede mundial de computadores, bem como as interações desta temática com a mobilização. O campo de pesquisa deste trabalho verificará, através de comparação, a normatização que trata de SI, no Governo Federal, verificando a conformidade com as diretrizes de mobilização nacional. 2.2 Mobilização De acordo com a Estratégia Nacional de Defesa e a Política Nacional de Defesa, a vertente do setor cibernético é uma das três áreas de atuação estratégica da Defesa Nacional. Mas antes que se fale em segurança da informação e em setor cibernético, algumas informações sobre a mobilização nacional devem ser conhecidas para melhor compreensão do tema da pesquisa. A MOBILIZAÇÃO destina-se a preparar o País para fazer frente a uma agressão estrangeira. É um instrumento legal, previsto na Constituição Federal, que reúne um conjunto de atividades planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado, complementando a LOGÍSTICA NACIONAL, destinadas a capacitar a Nação Brasileira a realizar ações estratégicas, no campo da Defesa Nacional, diante de agressão 150 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

152 A Segurança da Informação no Contexto Cibernético e a Mobilização Nacional estrangeira, para garantir a defesa e a sua soberania. A MOBILIZAÇÃO envolve todas as expressões do Poder Nacional, possibilitando a soma de esforços no sentido de garantir a soberania do Estado, como guardiã dos mais valiosos bens nacionais. Desde a situação de normalidade, a MOBILIZAÇÃO deve ser objeto de atenção do Governo e de toda a sociedade. A aplicação dos recursos financeiros destinados aos Programas de Desenvolvimento Nacional deve guardar perfeita sintonia com os setores de interesse da Defesa Nacional, utilizando-se, para tal, de um sistema integrado por órgãos do governo, denominado Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB). Durante um conflito, a MOBILIZAÇÃO canaliza todos os recursos do País humanos, financeiros e materiais para atender aos esforços contra a agressão estrangeira. A MOBILIZAÇÃO compreende duas FASES: o PREPARO e a EXECUÇÃO. A FASE DO PREPARO consiste na realização de ações estratégicas que viabilizem a execução da MOBILIZAÇÃO, sendo desenvolvida desde a situação de normalidade, de modo contínuo, metódico e permanente. A FASE DA EXECUÇÃO consiste no conjunto de atividades que, depois de decretada a MOBILIZAÇÃO, são empreendidas pelo Estado, de modo acelerado e compulsório, a fim de transferir meios existentes no Poder Nacional e promover a produção e obtenção oportuna de meios adicionais. Ao longo da história mundial, ocorre um evento de longa duração, a I Guerra Mundial ( ), o qual não foi corretamente avaliado por franceses e alemães. Ficou patenteado que, para sustentar a guerra, era necessário mobilizar todas as expressões do Poder Nacional. As lições aprendidas nesse grande conflito, posteriormente, foram objeto de estudo, tanto por parte das elites civis como das militares. Com a eclosão da II Guerra Mundial ( ) e de suas repercussões em todos os continentes, ficou evidenciado ser a guerra um assunto vital para as nações, não podendo ficar restrito apenas aos chefes militares. Assim, os civis, sobretudo das vertentes política e econômica, sentiram a necessidade de participar da formulação e condução da estratégia nacional. A partir daí, consagra-se a responsabilidade histórica da sociedade em promover o preparo e o emprego do Poder Nacional para atender aos objetivos da Política. Até outubro de 1988, a mobilização foi de responsabilidade da Secretaria- Geral do Comitê de Segurança Nacional (SG/CSN). De novembro de 1988 a dezembro de 1989, passou a ser encargo da Secretaria de Assessoramento da Defesa Nacional (SADEN). De janeiro de 1990 a dezembro de 1998, a mobilização nacional ficou a cargo da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR). Com a extinção da SAE/PR, a mobilização nacional passou, em janeiro de 1999, a ser encargo do Ministério Extraordinário de Projetos Especiais (MEPE), que foi extinto em junho de Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

153 Luiz Guilherme Sá da Silva A partir da criação do Ministério da Defesa, em 10 de junho de 1999, a mobilização nacional passou à responsabilidade do Departamento de Mobilização (DEPMob), da Secretaria de Logística, Mobilização, Ciência e Tecnologia (SELOM). O Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB) consiste no conjunto de órgãos que atuam de modo ordenado e integrado, a fim de planejar e realizar todas as fases da mobilização e da desmobilização Nacionais. O SINAMOB, tendo como órgão central o Ministério da Defesa, estruturase sob a forma de direções setoriais que responderão pelas necessidades da mobilização nacional nas áreas política, econômica, social, psicológica, segurança e inteligência, defesa civil, científico-tecnológica e militar. Será de competência do SINAMOB: Prestar assessoramento direto e imediato ao Presidente da República na definição das medidas necessárias à mobilização nacional, bem como aquelas relativas à desmobilização nacional; Formular a Política de Mobilização Nacional; Elaborar o Plano Nacional de Mobilização e os demais documentos relacionados à mobilização nacional; Elaborar propostas de atos normativos e conduzir a atividade de mobilização nacional; Consolidar os planos setoriais de mobilização nacional; Articular o esforço de mobilização nacional com as demais atividades essenciais à vida da Nação; e Exercer outras competências e atribuições que lhe forem cometidas por regulamento. O SINAMOB poderá requerer dos órgãos e entidades dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e de pessoas ou de outras entidades as informações necessárias às suas atividades. Os recursos financeiros indispensáveis ao preparo da Mobilização Nacional serão consignados nos orçamentos dos órgãos integrantes do SINAMOB, respeitada a característica orçamentária de cada órgão. O SINAMOB é composto pelos seguintes órgãos: I - Ministério da Defesa; II - Ministério da Justiça; III - Ministério das Relações Exteriores; IV - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; V - Ministério da Ciência e Tecnologia; VI - Ministério da Fazenda; VII - Ministério da Integração Nacional; VIII - Casa Civil da Presidência da República; IX - Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; e 152 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

154 A Segurança da Informação no Contexto Cibernético e a Mobilização Nacional X - Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. O SINAMOB, tendo como órgão central o Ministério da Defesa, estrutura-se sob a forma de direções setoriais que responderão pelas necessidades da mobilização nacional nas áreas política, econômica, social, psicológica, de segurança e inteligência, de defesa civil, científico-tecnológica e militar. A base legal da mobilização começa na Constituição Federal, onde diz que a mobilização nacional é um instrumento constitucional que o País dispõe para, por meio do investimento em áreas econômicas e sociais, garantir o desenvolvimento e a soberania nacional. O dispositivo constitucional contido no art. 22 atribui competência à União para legislar sobre mobilização: A Constituição Federal trata, ainda, no Art. 84, inciso XIX, acerca da prerrogativa de decretação da mobilização nacional. Nos termos deste dispositivo, cabe ao Presidente da República, ao decretar a mobilização nacional, especificar o espaço geográfico ou a área de interesse estratégico para a Defesa Nacional em que será aplicado o esforço da mobilização. A Mobilização Nacional é um ato exclusivo do Poder Executivo, autorizado pelo Congresso Nacional ou referendado por ele, quando no intervalo das sessões legislativas. A Lei n.º , de 27 de dezembro de 2007, dispõe sobre a Mobilização Nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB), instrumento previsto nos art. 22, inciso XXVIII e art. 84, inciso XXIX da Constituição Federal, que carecia de um marco regulatório. O SINAMOB consiste no conjunto de órgãos que atuam de modo ordenado e integrado, a fim de planejar e realizar as fases de preparo e de execução da mobilização e da desmobilização nacionais, sendo que este Ministério (Defesa) está elencado no art. 6.º da Lei de Mobilização Nacional como um dos componentes deste Sistema. A regulamentação da Lei de Mobilização Nacional criou o Comitê do SINAMOB, órgão colegiado deliberativo, constituído pelos agentes representantes dos órgãos previstos no art. 6.º da Lei no , de 2007, com a finalidade de deliberar sobre as matérias previstas no art. 7.º daquela Lei. A citada norma estabelece parâmetros para qualificação da agressão estrangeira, condição necessária para a decretação da mobilização nacional quando das ameaças ou atos lesivos à soberania nacional, à integridade territorial, ao povo brasileiro ou às instituições nacionais, ainda que não signifiquem invasão ao território nacional. A Política de Defesa Nacional, voltada para ameaças externas, tem por finalidade fixar os objetivos para a defesa da Nação, bem como orientar o preparo e o emprego da capacitação nacional, em todos os níveis e esferas de poder, e com o envolvimento dos setores civil e militar. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

155 Luiz Guilherme Sá da Silva A Doutrina Básica de Mobilização, de 14 de setembro de 1987, o Manual Básico de Mobilização Nacional, de 10 de agosto de 1988 e a Política e Diretrizes Governamentais de Mobilização Nacional, de maio de 1989, todas em processo de atualização, complementam a base legal de Mobilização Nacional. Tendo sido vistas as referências legais que normatizam a mobilização nacional, ver-se-á, a seguir, a Segurança da Informação com seu mapa conceitual e seus princípios básicos. 2.3 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Atualmente, percebe-se, de maneira clara, junto às instituições, sejam privadas sejam públicas, a grande dependência de tecnologia. Os sistemas informatizados são muitos e complexos, tornando as organizações dependentes, pois são utilizados para diversos fins, além de controlar o fluxo de informação nas organizações. Diante desse fato, pode-se afirmar que a informação é um bem que tem valor para a organização e que, portanto, deve ser protegida adequadamente, assim como os ambientes e os equipamentos utilizados para o seu processamento. Informações adulteradas, não disponíveis quando são necessárias, sob o conhecimento de pessoas de má fé ou de concorrentes, podem expor a organização e seus profissionais a grandes perigos e prejuízos consideráveis. Não existe segurança 100% efetiva. Esta premissa parece assustar, mas a gestão da segurança da informação tem que conviver com esta realidade. Pelo Decreto-Lei n.º 3505 de 2000, tem-se o conceito de Segurança da Informação: Proteção dos sistemas de informação contra a negação de serviço a usuários autorizados, assim como contra a intrusão, e a modificação desautorizada de dados ou informações, armazenados, em processamento ou em trânsito, abrangendo, inclusive, a segurança dos recursos humanos, da documentação e do material, das áreas e instalações das comunicações e computacional, assim como as destinadas a prevenir, detectar, deter e documentar eventuais ameaças a seu desenvolvimento. Segundo Allemand, Freire e Netto (2007), a segurança da informação, para ser efetiva, possui controles através de políticas, práticas, procedimentos, estruturas organizacionais, hardwares e softwares. Estes controles visam, basicamente, a garantir os seguintes objetivos de segurança: Confidencialidade - Garantir que a informação seja acessível somente a pessoas autorizadas; 154 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

156 A Segurança da Informação no Contexto Cibernético e a Mobilização Nacional Integridade - Garantir que as informações e métodos de processamento somente sejam alterados através de ações planejadas e autorizadas; Disponibilidade - Garantir que os usuários autorizados tenham acesso à informação e aos ativos correspondentes sempre que necessário; Autenticidade - Garantir a veracidade do emissor, sendo genuíno, e que possa ser verificado quanto à sua confiança. Mais recentemente outros dois objetivos têm sido bastante discutidos: Irretratabilidade (ou Não Repúdio) - Garantir a autoria de determinadas ações, impedindo o repúdio (negação) da mesma; e Legalidade (ou Conformidade) - Garantir que as medidas legais cabíveis sejam aplicadas quando necessárias. Deve-se buscar o equilíbrio entre a segurança e o negócio principal da organização, para o melhor cumprimento da missão-fim. Para que esse equilíbrio seja atingido, a questão a seguir deve ser abordada para a compreensão do leitor PORQUE SE PRECISA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO? A informação, os processos de apoio, os sistemas e as redes são importantes ativos para os negócios. Segundo Allemand, Freire e Netto (2007), a informação possui mais valor que qualquer outro bem da organização. Cada vez mais as organizações, seus sistemas de informação e redes de computadores são testados por diversos tipos de ameaças à segurança da informação, que estão se tornando rotineiras e mais sofisticadas. Segundo o Livro Verde de Segurança Cibernética no Brasil, cujo objetivo visa a expressar potenciais diretrizes estratégicas para o estabelecimento da Política Nacional de Segurança Cibernética, articulando visão de curto (2-3 anos), médio (5 7 anos) e longo (10 15 anos) prazos no tema, abrangendo como ponto de partida, os seguintes vetores: Político Estratégico, Econômico, Social e Ambiental, CT&I, Educação Legal, Cooperação Internacional e Segurança das Infraestruturas Críticas. Outrossim, há uma diversidade de atores atuando no Governo Federal em prol da segurança cibernética, em que a título de exemplo, cita-se o GSIPR (DSIC e ABIN), o MRE, o MJ (DPF), o MD, a MB, o EB, o COMAER, o que faz com que a proposição da Política fique ainda mais reforçada, uma vez que a mesma viabilizará o exercício da macro-coordenação do tema, e propiciará a congruência dos esforços e iniciativas entre os diferentes atores da citada rede, apoiada no senso comum e suas derivações. Levantamento feito pelo CERT-BR (Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil) mostrou aumento dos incidentes relacionados à Segurança da Informação, no período de 1999 a 2010, conforme mostra a figura do gráfico a seguir: Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

157 Luiz Guilherme Sá da Silva Figura 1: Incidentes reportados Cert. br Fonte:Cert.br Os controles de segurança da informação, segundo Allemand, Freire e Netto (2007), são baratos e eficientes, se forem incorporados projetos e especificações dos requisitos de um sistema de informação. No entanto, muitos dos sistemas de informação atuais ou em produção, não foram projetados para serem seguros. A identificação de quais controles devem ser implantados requer um planejamento atento aos detalhes. Para que uma gestão de segurança realmente ocorra, é necessária, a participação de todas as pessoas da organização. De nada adiantam dispositivos de hardware protegendo a rede, auxiliados por softwares sofisticados e processos bem-estruturados, se as pessoas não estão conscientizadas sobre a importância da segurança da informação e não sabem como administrá-la. 156 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

158 A Segurança da Informação no Contexto Cibernético e a Mobilização Nacional 3 GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NO GOVERNO FEDERAL A informação tem grande importância pelo seu valor no atual cenário mundial, pois é o principal ativo das instituições, estando constantemente exposta a riscos, necessitando por isso de um processo de Gestão de Segurança que proteja esse ativo. O Governo Brasileiro possui, em sua estrutura governamental, o Departamento de Segurança da Informação e Comunicações (DSIC), que faz parte do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. Esta estrutura centralizada de coordenação e planejamento é essencial para realizar a gestão da Segurança da Informação. O DSIC possui a seguinte estrutura: Figura 2: Organograma do DSIC Fonte: site dsic.planalto.gov.br As missões do DSIC 1 são as discriminadas a seguir: 1. Adotar as medidas necessárias e coordenar a implantação e o funcionamento do Sistema de Segurança e Credenciamento - SISEC, de pessoas e empresas, no trato de assuntos, documentos e tecnologia sigilosos; 2. Planejar e coordenar a execução das atividades de segurança cibernética e de segurança da informação e comunicações na administração pública federal; 3. Definir requisitos metodológicos para implementação da segurança cibernética e da segurança da informação e comunicações pelos órgãos e entidades da administração pública federal; 4. Operacionalizar e manter centro de tratamento e resposta a incidentes ocorridos nas redes de computadores da administração pública federal; 1 De acordo com o Artigo 6.º do Decreto N.º 7.411, de 29 dez (Publicado no DOU N.º 250, de 30 dez Seção 1). Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

159 Luiz Guilherme Sá da Silva 5. Estudar legislações correlatas e implementar as propostas sobre matérias relacionadas à segurança cibernética e à segurança da informação e comunicações; 6. Avaliar tratados, acordos ou atos internacionais relacionados à segurança cibernética e à segurança da informação e comunicações, referentes ao inciso I; 7. Coordenar a implementação de laboratório de pesquisa aplicada de desenvolvimento e de inovação metodológica, bem como de produtos, serviços e processos, no âmbito da segurança cibernética e da segurança da informação e comunicações; e 8. Realizar outras atividades determinadas pelo Ministro de Estado ou pelo Secretário-Executivo. O arcabouço legal que trata da Segurança da Informação tem como base o Decreto n.º 3.505, de 13 de junho de 2000, que institui a Política de Segurança da Informação nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, sendo complementado por normas editadas pelo DSIC. Tais normas servem como guia para administração pública federal. As normas são as seguintes: - Norma Complementar n.º 01/DSIC/GSIPR, Atividade de Normatização que disciplina a Gestão de Segurança da Informação e Comunicações na APF, direta e indireta. - Norma Complementar n.º 02/DSIC/GSIPR, Metodologia de Gestão de Segurança da Informação e Comunicações. - Norma Complementar n.º 03/DSIC/GSIPR, Diretrizes para a Elaboração de Política de Segurança da Informação e Comunicações nos Órgãos e Entidades da Administração Pública Federal. - Norma Complementar n.º 04/DSIC/GSIPR, e seu anexo, Diretrizes para o processo de Gestão de Riscos de Segurança da Informação e Comunicações - GRSIC nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal. - Norma Complementar n.º 05/DSIC/GSIPR, e seu anexo, Disciplina a criação de Equipes de Tratamento e Respostas a Incidentes em Redes Computacionais - ETIR nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal. - Norma Complementar n.º 06/IN01/DSIC/GSIPR, Estabelece Diretrizes para Gestão de Continuidade de Negócios, nos aspectos relacionados à Segurança da Informação e Comunicações, nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, direta e indireta APF. - Norma Complementar n.º 07/IN01/DSIC/GSIPR, Estabelece as Diretrizes para Implementação de Controles de Acesso Relativos à Segurança da Informação e Comunicações, nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, direta e indireta APF. - Norma Complementar n.º 08/IN01/DSIC/GSIPR, Estabelece as Diretrizes para Gerenciamento de Incidentes em Redes Computacionais nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal. 158 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

160 A Segurança da Informação no Contexto Cibernético e a Mobilização Nacional - Norma Complementar n.º 09/IN01/DSIC/GSIPR, Estabelece orientações específicas para o uso de recursos criptográficos como ferramenta de controle de acesso em Segurança da Informação e Comunicações, nos órgãos ou entidades da Administração Pública Federal, direta e indireta. O DSIC tem diversas metas a atingir, entre elas: disseminar os conceitos de segurança de informação para todos os servidores públicos. Outros pontos não podem ser desconsiderados. Vulnerabilidades, muitas vezes, causadas por erro humano são as mais difíceis de prevenir e detectar. O Brasil, atualmente, possui grupos de resposta a ataques cibernéticos ao país. O conhecimento adquirido por esses grupos será disseminado para governos estaduais e municipais, bem como, para os integrantes dos poderes legislativos e judiciário. Desta forma, estabelece o Governo Federal as suas recentes ações na área de Segurança da Informação. No tópico seguinte, será feita, portanto, a interpretação qualitativa dos dados bibliográficos e documentais obtidos, de forma a responder ao problema de pesquisa estabelecido para este estudo. 4 ANÁLISE QUALITATIVA DO SETOR CIBERNÉTICO E A MOBILIZAÇÃO NACIONAL Neste item, apresenta-se a análise preliminar de conformidade das normas e ações que estão em andamento no Setor Cibernético e de Segurança da Informação dentro do enfoque Mobilização Nacional. A análise qualitativa foi realizada com base em normas e ações do Governo Federal que tratam de Segurança da Informação e sua inter-relação com a Mobilização Nacional. Relembra-se, aqui, o conceito de Mobilização: Conjunto de atividades empreendidas pelo Estado, ou por ele orientadas, desde a situação de normalidade, completando e complementando a Logística Nacional, com o propósito de capacitar o Poder Nacional a realizar ações estratégicas, no campo da Segurança Nacional, para fazer face a uma situação de emergência, decorrente da iminência de concretização ou efetivação de uma Hipótese de Guerra. Segundo a Doutrina de Mobilização Nacional (1987), a mesma deve ser apreciada sob dois aspectos distintos: Como atividade ou conjunto de atividades desenvolvidas, desde o tempo de paz, em todas as Expressões do Poder nacional, visando à consecução de Objetivos estabelecidos por uma Política de Mobilização. Como um estado ou situação emergencial em que todas as forças da Nação são compelidas a fazer face às contingências decorrentes de uma guerra. Tendo como foco os aspectos apresentados anteriormente, cabe situar a segurança da informação no contexto cibernético atual. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

161 Luiz Guilherme Sá da Silva As atividades de Gestão da Segurança da Informação desenvolvidas pelo DSIC, no âmbito do Poder Executivo, amparadas pelas Leis, Decretos, Portarias, Instruções Normativas, Normas Complementares e Legislação Específica. Relacionada à Segurança da Informação, atuam em consonância com a Doutrina de Mobilização Nacional e os objetivos geral e específicos da Política de Mobilização Nacional, bem como, estão pertinentes a Estratégia Nacional de Defesa e Política Nacional de Defesa. São diversos os atores e órgãos envolvidos da Administração Federal (Mandarino, 2008). A interação entre eles se faz necessária para as ações de segurança e defesa cibernética da nação através de uma possível Estratégia de Defesa Cibernética. Ações estas as quais terão efeitos em todas as Expressões do Poder Nacional: Política; Econômica; Militar; Psicossocial; e Científico e Tecnológica. Estes mesmos atores e órgãos da Administração Federal estão presentes nos Subsistemas Setoriais de Mobilização, quando no trato do assunto segurança e defesa cibernética. Tendo sido realizada a analise qualitativa das normas e ações do Governo Federal de SI, no contexto cibernético e da Mobilização Nacional, a seguir são apresentadas as considerações finais. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Esta pesquisa verificou se os instrumentos normativos e ações da APF sobre Segurança da Informação estão em conformidade com as diretrizes da Mobilização Nacional. O levantamento dos assuntos relevantes à SI foi realizado por meio de uma pesquisa exploratória, constituída por uma análise bibliográfica e documental. A análise documental foi baseada nos documentos formalmente publicados no âmbito do Governo Federal. Os dados obtidos na pesquisa documental foram tratados de forma qualitativa. Foram abordados temas da gestão da segurança da informação no setor cibernético e sua relação com a mobilização nacional. Foi feita uma avaliação comparativa de conformidade dos controles afetos ao setor cibernético emanados do Governo Federal e seu alinhamento com Mobilização Nacional. O presente estudo procurou ressaltar a importância do assunto segurança, o qual veio atrelado ao ativo que possui um valor inestimável nos dias atuais, a informação. Com isso seu foco principal passou a ser a proteção de tão valioso ativo, juntamente com a avaliação dos aspectos normativos existentes no Governo Federal referente aos controles recomendados de Segurança da Informação afetos ao setor cibernético. Estabeleceu-se o PROBLEMA a ser resolvido: Em que nível os processos de segurança da informação referentes ao setor cibernético estão alinhados com a mobilização nacional? 160 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

162 A Segurança da Informação no Contexto Cibernético e a Mobilização Nacional Os objetivos específicos foram alcançados através da leitura das normas afetas ao setor cibernético que tratam da Segurança da Informação, que forneceu os critérios adotados ao longo da pesquisa, para comparar a documentação normativa de SI do Governo Federal com as diretrizes da mobilização nacional. As ameaças existentes, na atualidade, devem ser mitigadas, para não colocarem em risco os ativos que uma organização classifica como críticos, dentre eles seu conhecimento. Os controles melhoram os processos e procuram manter os requisitos exigidos para garantia da Segurança da Informação: integridade, disponibilidade e confidencialidade da informação. A pesquisa realizada procurou, na documentação consultada, mostrar a conformidade do Governo Federal em relação às práticas e processos referentes à Segurança da Informação e seu alinhamento com a Mobilização Nacional, sendo este o principal objetivo deste projeto de pesquisa. Para isso, os assuntos referentes à Segurança da Informação e sua gestão foram mostrados. Tendo como embasamento sólidos conceitos teóricos contidos na pesquisa bibliográfica realizada, bem como foram elencadas em normas utilizadas nas boas práticas de Gestão da Segurança da Informação. Sem dúvida, o tema abordado merece a reflexão de todos os integrantes da Sociedade Brasileira. Dessa forma, os resultados obtidos dessa sa comparação permitem inferir que o Governo Federal, em suas normatizações de SI, possui aspectos que garantem a disponibilidade, a integridade, a confidencialidade e a auten- ticidade, quando na proteção da informação e estão, dessa forma, alinhados com o preparo e execução da Mobilização Nacional na Defesa e Segurança do Estado Brasileiro, principalmente, no que concerne à prevenção e à repressão de ações hostis no setor cibernético. Como trabalhos futuros, sugerem-se que medidas sejam tomadas, a fim de que o tema desta pesquisa possa vir a ter uma estrutura adequada no tratamento da gestão da Segurança da Informação, de forma a permitir que o setor responsável pela estratégias do Governo Federal direcione ações que norteiem os níveis operacionais e táticos, através dos Planos de Mobilização a serem elaborados nas instituições pertencentes ao Estado. 6 Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS: NBR ISO/IEC 17799: tecnologia da informação: técnicas de segurança: código de prática para a gestão da segurança da informação. Rio de Janeiro, NBR ISO/IEC27001: tecnologia da informação: técnicas de segurança: sistemas de gestão da segurança da informação: requisitos. Rio de Janeiro, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

163 Luiz Guilherme Sá da Silva ALLEMAND, M,; FREIRE, P,; NETTO, G. Gestão operacional da segurança da informação. Disciplina do Curso de especialização de gestão da segurança da informação e comunicações. Brasília, DF: UNB, ALMEIDA, P. Os doze trabalhos da boa governança. Revista Espaço Acadêmico, n. 34, mar Disponível em Acesso em: 2 abr BEAL, A. Gestão estratégica da informação. São Paulo: Atlas, BOWEN, P.; HASH, J.; WILSON, M. NIST SP : Information security handbook: a guide for managers. NIST, Segurança da informação: princípios e melhores práticas para a proteção dos ativos de informação. São Paulo: Atlas, Manual básico: elementos doutrinários. Rio de Janeiro, V.1. Mobilização nacional: nota complementar de estudos. Rio de Janeiro, BRASIL. Ministério da Defesa. Comando da Aeronáutica. Glossário da aeronáutica: MCA Brasília, DF, 30 jan BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas. 3. ed. São Paulo: Makron Books, ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (BRASIL). Manual básico: assuntos específicos. Rio de Janeiro, 2006.v.2. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, McGEE, J; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação. Rio de Janeiro: Campus, REVISTA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Brasília: IBICT, v. 31, n. 2, REZENDE, D. A. Sistemas de informações organizacionais. São Paulo: Atlas, SÊMOLA, Marcos. Gestão da segurança da informação: uma visão executiva. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

164 O Marketing e a Comunicação Social na Mobilização Nacional O MARKETING E A COMUNICAÇÃO SOCIAL NA MOBILIZAÇÃO NACIONAL Marcelo Adahir Vieira Ferrera Capitão de Corveta da Marinha do Brasil, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo Este artigo tem por finalidade verificar o papel do Marketing e da Comunicação Social na Mobilização Nacional. A presente conjuntura internacional tem exigido a preocupação das nações no planejamento e aplicação de um sistema de mobilização eficaz, para que possam responder, prontamente, a qualquer ameaça às suas soberanias. Com o Brasil não é diferente. Desta forma, a Comunicação Social, aliada às técnicas de Marketing, surge como o veículo que irá atuar como um vetor de conscientização da sociedade, evidenciando a importância do Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB). Para tanto, se faz necessário conhecer os fundamentos do Marketing e da Comunicação Social, desde os conceitos, passando pelos seus elementos e os princípios existentes. Este trabalho analisa os meios de comunicação e o impacto nas expressões do Poder Nacional, apresentando as políticas e as estratégias a serem implementadas. Enfim, constata-se que uma mentalidade de mobilização requer o emprego de uma Comunicação Social eficiente para atuar em ambas as fases da mobilização com absoluta eficácia. Palavras-chave: Mobilização; Marketing; Comunicação Social. 1 INTRODUÇÃO Há muita coisa terrível, mas nada é mais terrível do que o homem. (Sófocles) A Mobilização Nacional envolve todas as expressões do Poder Nacional num processo amplo e global, desenvolvendo um conjunto de atividades orientadas pelo Estado, partindo da situação de normalidade em complemento à logística nacional, com a intenção de capacitar o Poder Nacional a realizar ações estratégicas, no campo da Segurança Nacional. No entanto, sua organização é complexa. Suas concepções, planejamento e execução movimentam e atingem contingentes de todas as regiões do Brasil. Além disso, faz-se necessário seu perfeito entendimento por parte de todos os brasileiros, dos mais diversos segmentos da sociedade, bem como suas completas adesões. Tendo em vista nosso gigantismo territorial, bem como o crescente interesse Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

165 Marcelo Adahir Vieira Ferrera despertado em outros países, devido à descoberta recente de novas riquezas, devem-se possuir mecanismos para que a população brasileira tenha noção das ameaças que o território nacional possa sofrer. Considerando os recentes e constantes avanços tecnológicos, constatam-se mudanças profundas no processo de Comunicação Social. As mídias tradicionais (jornal, revista, livro, rádio, televisão), aliadas ao advento de novas mídias, principalmente da internet e com alcance cada vez mais difundido em vários segmentos da sociedade, tornam aquele processo (comunicação) cada vez mais dinâmico. Nesse contexto, a comunicação social, aliada a técnicas de marketing, tornase o veículo de suma importância, pela influência que desempenha em todas as expressões do Poder Nacional, pois serve para conscientizar a população da importância de a sociedade também estar mobilizada. O marketing aplicado à comunicação social torna-se vetor fundamental no processo de mobilização nacional, na medida em que evidencia a importância de se ter o Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB) pronto para ser empregado. II - FUNDAMENTOS DO MARKETING E DA COMUNICAÇÃO SOCIAL A explosão da comunicação fará do homem uma vítima das técnicas, ou permitirá como tinham desejado seus promotores, construir uma sociedade melhor, sem qualquer tipo de exclusão? (Phillipe Breton e Serge Proulx, em A Explosão da Comunicação ). Marketing é uma palavra que se confunde muito com vendas, propaganda, merchandising... De fato, em termos de empresa, marketing é tudo isto, mas encerra outros significados, pois se preocupa também com o planejamento, com a organização, com o produto e, principalmente, com o consumidor. Quando todas as atividades dentro de uma empresa encontram-se integradas, tendo como foco principal o atendimento da necessidade do consumidor e a sua satisfação, temse o que se chama de marketing. Em sentido mais amplo, segundo Moreira, conceitua-se marketing como um conjunto de atividades que, através de um instrumento chamado pesquisa de mercado, possibilita à autoridade decisória preparar o planejamento de um produto e determinar seu preço, adotar a melhor estratégia para divulgar seu produto e manter satisfeitas as necessidades dos clientes, bem como utilizar-se da logística para efetuar a distribuição adequada, de maneira eficiente e eficaz, em se comparando aos seus concorrentes. Por meio da propaganda e publicidade, atividades mercadológicas que utilizam mídias pagas e 164 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

166 O Marketing e a Comunicação Social na Mobilização Nacional não pagas, respectivamente, o marketing procura levar o cliente ao produto. Para tratar com o público, segundo Blythe (2010), Margolis e Garrigan (2008), o marketing faz uso da função de Relações Públicas. Esta função normalmente é desempenhada por um profissional de Comunicação Social. Pode-se notar o entrelaçamento de definições, o que já possibilita fazer uma analogia ao escopo deste trabalho: o marketing utiliza a ferramenta comunicação social para tratar com o grande cliente, povo brasileiro, na tentativa de apresentar e vender o produto Mobilização Nacional. Pode-se dizer que há uma intensa aplicação de marketing social na difusão da ideia de mobilização nacional, considerando que esta forma de marketing difere da mercadológica, por focar o bem-estar do cidadão como objetivo principal. As campanhas de marketing social são campanhas de formação e informação, dependendo da capacidade de comunicar, eficazmente, a mensagem social pretendida. Podem-se identificar as variáveis publicidades, relações públicas e marketing relacional como as principais ferramentas a serem utilizadas. Kotler (1978) explica qual a importância do marketing social para que algumas mudanças aconteçam na sociedade: O Marketing Social visa a produzir um plano ótimo para proporcionar uma mudança social desejada. O fato de o plano ser ótimo, no entanto, não garantirá que a mudança-alvo será atingida. Dependerá de quanto fácil ou difícil seja a mudança social alvo. Sem o Marketing Social, poderá acontecer que a mudança social desejada tenha somente dez por cento de possibilidade de ser alcançada; o melhor plano de Marketing Social poderá aumentar essa possibilidade a quinze por cento. Em outras palavras, algumas mudanças sociais são relativamente fáceis de acontecer, mesmo sem o marketing social; outras são extremamente difíceis de acontecer, mesmo com o Marketing social. São agentes de marketing social o Governo, empresas, Organizações Não Governamentais e Organizações Internacionais, como, por exemplo, a Organização das Nações Unidas (ONU). A comunicação social existe desde o momento em que o homem passou a viver em grupo, e sua valorização implica estimular um crescente nível de participação e aumentar, em cada cidadão, o sentimento de responsabilidade em relação à Instituição a que pertence. Sua descrição inicial nos remete a Aristóteles, quando formulou seu clássico esquema, representado pela pessoa que fala (QUEM/ emissor), pelo discurso que pronuncia (QUE/mensagem) e pela pessoa que ouve (A QUEM/receptor). Por emissor, entende-se aquele que fala, escreve, desenha, faz gestos ou movimentos. Todas essas formas expressam sinais codificados, os quais consubstanciam a mensagem. Por sua vez, receptor é aquele que recebe os sinais, interpreta-os e transforma-os em emissor mediante uma resposta aos estímulos Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

167 Marcelo Adahir Vieira Ferrera contidos na mensagem, realimentando o circuito comunicacional. Ao longo do estudo do processo de comunicação social, dois novos componentes foram acrescentados aos anteriores: o Canal que caracteriza o meio para a transmissão da mensagem e o Efeito que determina a resposta obtida junto ao receptor. De acordo com Rodrigues (2006), a comunicação social, em seu planejamento e execução, reger-se- á pelos seguintes princípios de ética, conforme destacados a seguir: a) Verdade A que assegura coerência, credibilidade e confiança; verdade é a essência da atividade da comunicação social, dado b) Austeridade O exercício da atividade envolve muito mais o uso da inteligência e da sensibilidade do que propriamente a aplicação de recursos financeiros; c) Impessoalidade É indispensável retirar das atividades da comunicação social qualquer conotação de promoção pessoal ou de grupo. Devem ser exaltados os aspectos coletivos da Instituição, o valor do homem em seu trabalho anônimo e, sobretudo, sua vocação para servir; d) Dignidade Não é aconselhável a solicitação ou aceitação de favores ou doações que possam, de alguma forma, levantar suspeitas ou dar margem a falsas interpretações; e) Exemplo Em qualquer Instituição, o exemplo é importante princípio de comunicação social. Exemplo de dedicação à missão, de simplicidade e austeridade, de capacidade de renúncia e de serviço, de relacionamento e de respeito pela opinião alheia; f) Imparcialidade Considera-se necessária a existência, em todos os escalões da Instituição, da salutar mentalidade de comunicação social, voltada para o tratamento imparcial da opinião coletiva, pública, e da opinião publicada pelos órgãos de comunicação social; e g) Legitimidade Em qualquer situação ou atividade, o respeito às Instituições Nacionais, à ordem jurídica vigente e aos fundamentos morais da nacionalidade devem ser considerados pela comunicação social. Acrescentam-se aos princípios anteriores alguns conceitos básicos, para que a comunicação social possa manter a sociedade devidamente informada: a) O Direito do Público em Saber A comunicação de um país democrático contempla o acesso do público às informações sobre quaisquer atividades, particularmente, sobre o emprego da expressão militar, bem como de qualquer órgão do governo. A democracia também garante o direito de a imprensa livre publicar informação sem coerção ou censura; b) Máxima Divulgação com o Mínimo de Retardo Fornecer informações oportunas e precisas, para que o governo, a mídia e o povo possam compreender aspectos da defesa nacional. Deve ser o objetivo principal. Não se devem restringir informações com o objetivo de evitar críticas. É importante reduzir ao mínimo o 166 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

168 O Marketing e a Comunicação Social na Mobilização Nacional tempo para eventuais especulações da mídia. A comunicação social, ao manipular as notícias ou restringir o acesso a informações não sigilosas, porém comprometedoras, só logrará publicidade negativa para a Instituição; e c) Informação Sempre de Fonte Confiável A informação de uma fonte confiável, competente e respeitada tem maior credibilidade que aquela que provém de uma fonte pouco confiável. Normalmente, apenas pessoas credenciadas estão autorizadas a divulgar informações ao público e aos meios de comunicação em nome da instituição, em razão da capacidade que possuem de relacionamento com o público e com os meios de comunicação social. Existe um número de princípios importantes que fundamentam os conceitos básicos detalhados anteriormente, regendo a comunicação social em ambiente de mobilização nacional, conforme se verifica: a) Comunicação Social é um Processo Contínuo A comunicação social tem a obrigação constante de divulgar a Instituição. Fazê-lo, diariamente, é investir paulatinamente, na construção de uma imagem de credibilidade e na confiança da Instituição perante a sociedade. Quando a comunicação social divulga informações sobre a Expressão Militar especialmente notícias favoráveis desperta na população a existência do profissionalismo militar e lhe dá o retorno do correto investimento efetuado na atividade de segurança nacional; b) Comunicação Social tem um Efeito Multiplicador Abrange todas as expressões do Poder Nacional, mantendo contato com os públicos externo e interno. Tal relação permite conquistar a opinião pública, além de reforçar os valores da instituição internamente; e c) Comunicação Social é um Sistema Único Uma das razões básicas da utilização da comunicação social é evitar a disseminação de informações desorganizadas e conflitantes aos seus diferentes públicos, pois estas demonstram falta de organização, causam confusão e diminuem a confiança pública. 3 O MARKETING E A COMUNICAÇÃO SOCIAL NA MOBILIZAÇÃO NACIONAL A civilização judaico-cristã ocidental, herdeira do humanismo e racionalismo greco-romanos, bem como dos valores renascentistas e iluministas, coloca o Homem como centro de todas as ações. Como ser que se comunica e que pensa, ao receber o feed-back de seu interlocutor, pode ser influenciado por este estímulo, podendo alterar seu comportamento a adaptar-se a um processo de vida diferente. Isso se conclui pelo forte poder socializador da palavra humana. O Homem nasce como ser único, indivisível e individual, mas torna-se comunicativo e social, na medida em que avança seu processo educacional. Com o passar dos séculos, o ser humano foi inovando seu processo de inserção pela comunicação, principalmente pela adoção de veículos (meios) de transmissores cada vez mais abrangentes, eficientes e eficazes. Se no passado Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

169 Marcelo Adahir Vieira Ferrera remoto havia papiros e livros rudimentares, hoje o homem utiliza cada vez mais a internet para se comunicar, além dos livros eletrônicos. Até chegar a este ponto, foram utilizados (e ainda são) o rádio, a televisão, bem como as mais variadas formas de mídia. O processo de comunicação passou a ser coletivo com o alcance de multidões e emprego de meios de comunicação de massa. Passou-se, então, ao que se denomina comunicação social. Em paralelo à evolução da socialização humana, ocorreu a formação e consolidação dos conceitos de País, Estado, Nação, Povo, Território. Tais conceitos, obviamente ainda presentes na Humanidade, foram duramente atingidos pelo processo de globalização, por alterar o conceito de soberania, diminuindo o poder do Estado Nacional. Surgem novos atores no cenário internacional, como as Organizações Não Governamentais e empresas transnacionais, que pressionam governos de acordo com seus interesses. Soma-se a isto a constituição de blocos econômicos, diminuindo sobremaneira a capacidade de o Estado garantir sua plena autonomia. Interesses das mais variadas ordens (política, diplomática, econômica, militar) condicionam ou até determinam quais serão os objetivos fundamentais durante as situações críticas, quando o Estado deverá manter o máximo de liberdade de ação. O advento das comunicações digitais, fruto do elevado desenvolvimento tecnológico, observado na segunda metade do século XX, possibilitou a inserção de um número cada vez maior de indivíduos na complexa rede social de comunicações. Distâncias foram encurtadas, na medida em que a velocidade dos eventos aumentou substancialmente. O fluxo de informações também aumentou, possibilitando a formação de algo extremamente importante para qualquer governo: a opinião pública. Conquistar o apoio da opinião pública, ou pelo menos de grande parte dela, tornou-se imperativo para quem exerce o poder, principalmente durante situações críticas, ou de emergência. Para atingir este propósito, faz-se cada vez mais uso da mídia, em todas as suas formas, sendo que esta passou a adquirir cada vez maior evidência e importância. O fluxo de informações veiculado pela mídia, utilizando ferramentas de propaganda e de comunicação de massa, possibilita o exercício de efetiva modelagem sobre a formação da opinião pública. Como o fluxo de informações atinge um número cada vez maior de indivíduos, estes as recebem praticamente em tempo real, tendo em vista o advento da era digital. As comunicações de massa passaram a ser globais. Conquistar o apoio da opinião pública tornou-se fundamental para os tomadores de decisão, pois qualquer decisão tomada afeta sobremaneira a opinião pública. Na maior parte dos Estados ocidentais, encontra-se o aparato militar (Forças Armadas) subordinado ao poder político civil, característica básica da democracia. A ação armada, ou seja, a entrada de um país em um conflito armado dar-se-á após decisão tomada pelo poder vigente, em função da opinião pública. Caso esta avalie e julgue ser necessário o Estado conflagrado, então o país irá à guerra. Caso 168 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

170 O Marketing e a Comunicação Social na Mobilização Nacional contrário, não irá. O apoio da opinião será a garantia para a tomada de qualquer decisão estratégica, a fim de que o Poder Militar adote e persiga seus objetivos. Conquistar o apoio da opinião pública passou a ser fundamental! Passada a etapa de entrar ou não em uma situação de beligerância, respaldada pelo apoio popular, o país (e seu governo) se defronta agora com a condução e manutenção do Poder Militar durante o conflito, na busca de seus objetivos. Se os custos materiais num conflito armado são altos, a perda de vidas humanas tem um preço maior ainda. A manutenção do esforço de guerra requer que a sociedade, mobilizada em torno deste objetivo, realmente tenha noção da importância de se manter nacionalmente mobilizada. Vê-se a importância da mobilização nacional. Para isso, é mister que a sociedade seja bem-educada, pois só assim terá a exata noção desta importância. O público educado, ciente do poder de sua opinião e de estar mobilizado, quer ser informado sobre o andamento do conflito. O público educado tem ciência da importância da mobilização de toda a Nação, não somente da classe militar, que é a que mais se envolve nas ações em uma situação de conflito. O público educado tem ciência dos valores nacionais e das tradições comuns, cultuadas por todos, como, por exemplo, os Símbolos Nacionais. Se achar necessário retirar o apoio à manutenção do país no conflito, assim o fará, ficando o Poder Militar esvaziado na busca de seus objetivos. Observa-se agora a importância de se manter um efetivo e eficaz aparato de comunicação social, por parte dos poderes vigentes (civil e militar), durante a situação de conflito. Somente com um bom sistema de comunicação social, a sociedade será mantida informada e ciente da importância de permanecer mobilizada. Os poderes vigentes terão conseguidos o apoio e o engajamento positivo da opinião pública. A comunicação social, como processo que visa a aperfeiçoar o relacionamento entre os homens, quer como indivíduos, quer como integrantes de um grupo social, na fase de planejamento da mobilização nacional, deve ser direcionada para os campos da propaganda institucional, por meio dos veículos de comunicação de massa, da publicidade e/ou propaganda comercial, das relações públicas, da operação psicológica e das ações comunitárias. A Comunicação Social, quando bem utilizada, é um multiplicador do poder de combate. Dentro deste foco, cresce em importância a função da mídia, como instrumento de assessoria do governo para o planejamento de todas as operações, na medida em que serve de termômetro das percepções e anseios populares. Na busca incessante do apoio da mídia em todas as suas formas (falada, escrita, eletrônica), de maneira a receber, fidedignamente, qual é a opinião pública durante a situação de conflito, torna-se imperioso o estabelecimento de boas relações com a imprensa. Para o cientista político Marcus Figueiredo, hoje em dia: [...] o poder da Imprensa na formação da opinião é mediado por outras fontes de informação e, com isso, deixa de ser absoluto [... ] como a Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

171 Marcelo Adahir Vieira Ferrera mídia é um autoemissor de mensagens que atua ao lado de outras fontes no mercado de informação, a sua credibilidade, frente às demais fontes, é um facilitador para o público na aquisição e processamento da informação. Em outras palavras, quanto maior a credibilidade da fonte emissora da mensagem, maior será a sua influência, pois a credibilidade na fonte orienta positivamente a seletividade na aquisição da informação e diminui a ansiedade do povo, na busca de outras fontes para confronto. A mobilização nacional, como atividade humana, para realizar-se plenamente, busca no homem e na comunicação humana seus instrumentos de realização nas fases de preparo, execução e desmobilização. A mobilização nacional arregimenta os diversos meios e recursos, materiais e imateriais, para fortalecer o Poder Nacional e capacitá-lo para a previsão das necessidades e a provisão dos recursos para subvencionar a realização de ações de emergência, em proveito direto da Segurança Nacional 2. Segundo Aguiar (1998), tanto na fase de preparo, como na fase de execução, a mobilização nacional é dinamizada pelo poder da comunicação social, que atua em todas as expressões do Poder Nacional: política, econômica, psicossocial, militar e científico-tecnológica. A expressão política é fundamental para o sucesso de implantação do Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB, órgão central de coordenação Ministério da Defesa, de atuação também na Casa Civil e Ministério das Relações Exteriores), pois atua diretamente nos três poderes da República: Executivo, Legislativo e Judiciário. Enquanto o Executivo atua no cenário internacional, pela pessoa do próprio Presidente da República, o Legislativo trata da legislação pertinente à mobilização nacional (o SINAMOB é disposto pela Lei n , de 27/12/2007, regulamentada pelo Decreto n , de 02/10/2008). Já o Judiciário deve atuar junto aos demais Poderes, no sentido de fazer garantir a aplicação da Lei referente ao SINAMOB. Ademais, da atuação dos Poderes constituídos da República, espera-se a positiva atuação dos partidos políticos, no sentido de se estabelecer a consciência política dos representantes do povo no que se refere à importância da mobilização nacional. Verifica-se, neste contexto, que o papel desempenhado pela comunicação social, em consonância às técnicas de marketing, busca a harmonia entre os Poderes, permitindo que o apoio popular se torne uma fonte para o governo, que a usa como uma justificativa contínua para sua política. Por outro lado, quando o público recebe poucas informações sobre a política nacional, é fácil para os líderes políticos tomarem decisões que não são do interesse geral. A expressão econômica, abrangendo os Ministérios da Fazenda, Agricultura, Comunicações, Desenvolvimento Agrário, Desenvolvimento da Indústria e 2 1 ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA. Fundamentos doutrinários. Rio de Janeiro: ESG, 2000, p Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

172 O Marketing e a Comunicação Social na Mobilização Nacional Comércio, Minas e Energia e Transportes, tem impacto de suma importância no contexto da mobilização, por ser a fonte da maioria dos recursos a serem empregados. Portanto, requer condições plausíveis, em tempo de paz, para que possa se adaptar, com eficácia, quando ocorrer situações de emergência. Nota-se a importância da mobilização nos mais diversos setores da economia, como o agrário e o industrial, sendo que este último reveste-se de importância maior, no conjunto da mobilização nacional, por proporcionar reflexos em outros campos do Poder. O perfeito entrosamento entre Indústria e Universidade possibilitará o fomento das mais variadas formas de tecnologias, garantindo a segurança e a independência nacional de tecnologias estrangeiras, fundamental no processo de mobilização. Dentro deste foco, o marketing e a comunicação social devem ser empregados para convencer o mundo corporativo de que o setor industrial deve estar em sintonia com os interesses da nação, quando sua força produtiva for exigida. Cabe às Federações das Indústrias dos Estados atuarem no segmento empresarial, convencendo-o do valor de cada indústria para uma mobilização eficaz. Por intermédio da expressão psicossocial, dirigida pela Secretaria de Comunicação Social e de atuação pelos Ministérios do Planejamento, Desenvolvimento Social, Cidades, Cultura, Educação, Esporte, Meio Ambiente, Previdência, Saúde, Trabalho e Turismo, busca-se a formação de uma consciência nacional voltada para a mobilização nacional, com o objetivo de fortalecer o Poder Nacional e definir as necessidades básicas das expressões desse Poder, para dar suporte à Segurança Nacional, quando da iminência de eclosão de situações emergentes no país. O mecanismo da comunicação social buscará a referida consciência da sociedade, que estará devidamente informada e ciente do valor que o País possui em função de suas riquezas. É na expressão psicossocial, segundo Silva (2000) e Alzicorbe (2002), que a comunicação social desempenha sua função principal, pois retrata fielmente a postura da nação nas três fases da mobilização (preparo, execução e desmobilização). Por trabalhar diretamente o homem, foco que se procura atingir com a importância da mobilização, requer que se utilize todo o poderio da mídia, empregando os meios disponíveis, de modo a se transmitir o conhecimento necessário à população de maneira equilibrada. A expressão militar, dirigida pelo Ministério da Defesa, requer Forças Armadas preparadas e extremamente detentoras de meios modernos e eficazes, com recursos humanos devidamente conhecedores dos meios a serem empregados. Também requer uma indústria bélica em consonância com a expressão econômica e capaz de subsistir com tecnologia própria, sem dependência externa. A expressão militar é de maior representação em caso de mobilização, por caracterizar o braço militar da operação. Possui órgãos de comunicação social, de modo a instruir o público interno e orientar o público externo. No entanto, tais órgãos enfrentam dificuldades para exercer o seu papel de difundir a imagem das Forças Armadas, por não possuírem Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

173 Marcelo Adahir Vieira Ferrera elementos especializados para este tipo de trabalho e nem meios de comunicação de massa, além de as verbas próprias para este fim serem praticamente inexistentes. A expressão científica e tecnológica, dirigida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, deve ser a garantidora do binômio Desenvolvimento e Segurança. Um país que investe na educação de seus nacionais tem maior chance de possuir profissionais altamente qualificados e que trabalharão no sentido de produzir bens e serviços de alta qualidade e que poderão ser requisitados, numa situação de mobilização. Utilizando se a comunicação social aliada ao marketing, na divulgação do valor agregado a tais produtos, poder-se-á atingir até mesmo o mercado externo. Através de mídias especializadas (revistas, portais eletrônicos, etc.), os conhecimentos sobre o que a tecnologia pode proporcionar, bem como sua evolução, tornam-se conhecidos pela população. 4 POLÍTICAS E ESTRATÉGIAS (PROPOSTAS) PARA A FORMAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A MOBILIZAÇÃO NACIONAL É imperioso que a ferramenta comunicação social, utilizada em conjunto às técnicas de marketing, seja mais atuante por ocasião do processo de mobilização nacional, em todas as suas fases (preparo e execução) e na posterior desmobilização. Desta maneira, sugere-se a adoção das seguintes propostas: - Difundir a ideia e o significado de mobilização nacional a toda a população; - Programar e promover as ações de comunicação social no País, por meio do Ministério das Comunicações e da Secretaria de Comunicação Social do Governo Federal; - Elevar o nível educacional e de consciência política da população, com o total engajamento do Ministério da Educação, tendo por objetivo primeiro transmitir a solidificar elementos da moral e do civismo, como o culto aos Símbolos Nacionais, a toda a sociedade, a fim de permitir o correto entendimento sobre o que é mobilização nacional e sua importância, bem como o comprometimento de todas as classes socioeconômicas com a mobilização. O incremento educacional possibilitará, dependendo do relacionamento do governo com a mídia, obter o apoio da opinião pública; - Difundir, de maneira especial, a ideia de mobilização nacional aos profissionais de mídia, a fim de que estes se tornem elementos propagadores e facilitadores do entendimento e adoção desta ideia pelo restante da população; - Incentivar a valorização das relações sociais; - Identificar e segregar os públicos que deverão ser tratados psicologicamente; - Realizar painéis e produzir documentos sobre a Política de Mobilização Nacional, objetivando o engajamento da sociedade na discussão do assunto e reduzindo óbices ainda existentes; 172 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

174 O Marketing e a Comunicação Social na Mobilização Nacional - Atuar, por intermédio das assessorias parlamentares (Forças Armadas) no Congresso nacional, tendo como base a Política de Mobilização Nacional e a Comunicação Social; - Concitar o mundo empresarial (indústria e comércio) e as federações que os representam, bem como os órgãos educacionais do Sistema S (SENAI e SENAC), para apoiarem e participarem efetivamente da divulgação e da ideia de mobilização nacional; - Conscientização de todo o segmento político, de forma a manter a classe dirigente ciente da importância da mobilização nacional, bem como manter o Sistema Nacional de Mobilização SINAMOB, corretamente estruturado e regulamentado juridicamente; - Buscar a integração dos centros de comunicação social das Forças Armadas, a fim de permitir a concentração de esforços, no objetivo de difundir a ideia de mobilização nacional por quem exerce seu esforço principal no caso de situação de conflito, ao restante da sociedade; - Descrever as características científico-tecnológicas das camadas da população que produzem bens e serviços utilizáveis numa situação de mobilização nacional, em todas as expressões do Poder Nacional, notadamente a psicossocial; - Coordenar, por meio de programas de fomento específicos do Estado, as repartições públicas, privadas, estatais, paraestatais, indústrias e empresas especializadas na produção de meios necessários à execução da mobilização nacional; - Fortalecer o papel da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM/PR) e proporcionar ao referido Órgão condições para que possa integrar os demais Órgãos envolvidos no SINAMOB, a fim de que uma política de comunicação social governamental seja criada, bem como incentivar a integração da SECOM/PR a outros Órgãos de comunicação, privados, ou não; - Possibilitar à SECOM/PR a difusão da política de mobilização nacional a todo o território nacional; e - Em associação à política de mobilização nacional, fomentar uma política de defesa nacional e difundi-la no Brasil e no exterior, a fim de que seja transmitida a imagem de que a indústria nacional de defesa, ativa e vibrante, encontra-se sintonizada à ideia de mobilização nacional. 5 CONCLUSÃO Através deste trabalho, tarefa curricular do Curso de Logística e Mobilização Nacional/2011, procurou-se mostrar a importância da aplicação das técnicas de marketing, na comunicação social, por ocasião da difusão da necessidade de mobilização nacional. Não basta haver apenas uma conscientização da necessidade de mobilização. Deve, sim, haver uma política de mobilização nacional, já disposta Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

175 Marcelo Adahir Vieira Ferrera e regulamentada, devendo ser a comunicação social e o marketing aplicados em todas as suas fases: planejamento e execução e, posterior, desmobilização. Inegável o avanço social observado nos últimos anos, bem como a consolidação das instituições democráticas nacionais, após Vive-se o pleno e tão sonhado Estado Democrático de Direito. A Constituição Cidadã, de 1988, possibilitou o ingresso de milhões de brasileiros ao cenário político e econômico nacional. Milhões de brasileiros tornaram-se conscientes do exercício de seu poder pelo voto. A palavra cidadania entrou no vocabulário nacional. No entanto, para garantir os direitos conquistados, uma série de deveres também veio associada, sendo, muitas vezes despercebida. Este tema, proposto pela Coordenação do Curso, reveste-se de algo, ao mesmo tempo desafiador e motivante, tendo em vista a elevada carência que se observa, no cenário nacional, de elementos propagadores da política de mobilização nacional. O Sistema de Mobilização Nacional, já disposto e regulamentado desde 2008, apesar de atuação interministerial, coordenado pelo Ministério da Defesa, carece de elementos propagadores de seu significado e das responsabilidades atinentes aos diversos setores da sociedade. Como é de praxe, para o cidadão comum, o assunto defesa é apenas restrito ao meio militar. Se perguntado sobre o que é mobilização nacional, provavelmente não saberá definir. Logo, torna-se necessário, como ponto de partida, investir maciçamente em educação, pois somente desta maneira os cidadãos entenderão que também são parte deste binômio: defesa e mobilização. Soma-se à problemática educacional, a quase completa falta de produção científica sobre mobilização nacional, principalmente na expressão psicossocial do Poder Nacional. Desenvolver ações que criem e consolidem a imagem da mobilização junto à sociedade brasileira, associada a fortes referências como Soberania, Segurança, Democracia, assim como os outros Objetivos Nacionais, é o desafio que se apresenta. Neste contexto, surge a imperiosa necessidade de se estabelecer uma Política de Comunicação Social, associada a técnicas de aplicação de marketing social, para a mobilização nacional. Para tal fim, o estabelecimento de bom relacionamento com a imprensa, na busca do apoio da opinião pública, torna-se fundamental. Deve-se aproveitar a imensa rede de comunicação de massa, com o objetivo de propagar a mentalidade e política de mobilização nacional a toda a população, independente de classe social e de localização geográfica. A mobilização nacional é dever de todos os cidadãos! No entanto, não bastam apenas os recursos materiais para tal fim. O material humano também deve ser de primeira qualidade. Para isso, deve-se investir maciçamente em educação. É exatamente o que faz esta Escola Superior de Guerra, ao transmitir aos seus estagiários as ideias fundamentais de mobilização, numa tentativa de ajudar na conscientização de sua necessidade, no contexto do país. Esta Instituição é, atualmente, o principal vetor de influência no meio civil, sobre a Mobilização Nacional. 174 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

176 O Marketing e a Comunicação Social na Mobilização Nacional Deve-se, sobretudo, fazer crer ao cidadão de que, assim como a defesa, a mobilização é assunto de todos, não somente da classe militar. Para isso, cresce em importância a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, como vetor principal de coordenação de todos os Órgãos de Comunicação Social, para a propagação da Política de Mobilização Nacional. A mobilização nacional determinará o cenário que o país terá como pano de fundo, na busca de melhor e mais eficaz política para seu desenvolvimento. A comunicação social é um vetor que deve ultrapassar as fronteiras nacionais, no trabalho de informação de que a Nação Brasileira encontra-se em permanente estado de mobilização. Desta maneira, sairá fortalecido o Poder Nacional. Para tanto, a comunicação social deve ser entendida como elemento garantidor da soberania nacional. 6 Referências AGUIAR, Cleusa Maria Paim de. A Comunicação social na mobilização psicológica. Rio de Janeiro: ESG, AIZCORBE, José Ricardo Bezerra Herce. A comunicação social na mobilização psicossocial. Rio de Janeiro: ESG BLYTHE, Jim. Um livro bom, pequeno e acessível sobre marketing. São Paulo: Ed. Bookman, MARGOLIS, Jonathan ; GARRIGAN, Patrick. Marketing de guerrilha para leigos. Rio de Janeiro: Ed Altabooks, MOREIRA, Eduardo J.A. Fundamentos de marketing. Pernambuco: Ed. Quickgraphic, RODRIGUES, Luiz Olavo Martins. A comunicação social e a mobilização nacional. Rio de Janeiro: ESG, Disponível em: Acesso em: 16 out SILVA, Valdísio Vieira da. A comunicação social na mobilização psicossocial: uma política de comunicação social na Mobilização Nacional. Rio de Janeiro: ESG, Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

177 Silvia Maria Pineschi Braun O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística Silvia Maria Pineschi Braun Assessora de Diretoria no Instituto de Resseguros do Brasil/RJ, estagiária do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo A conjuntura mundial pressiona as empresas a caminharem na direção da otimização de processos, redução de custos, agilidade máxima. Ao buscarem a competitividade desejada e necessária, estressando seu processo ao limite, as empresas expuseramse cada vez mais a riscos. Nesse contexto, a sobrevivência das organizações será determinada pela capacidade de gerenciar riscos, ou seja, identificar e transpor os óbices para atingir seus objetivos estratégicos. Este trabalho analisa a importância da Gestão de Riscos para as organizações e sua extrema relevância para a Logística Empresarial e Nacional. Também são apresentados os fatores que influenciam o desenvolvimento da Gestão de Riscos no contexto internacional e sua direta relação com o desenvolvimento socioeconômico e a Mobilização Nacional. Ao final, são apresentadas algumas sugestões para o desenvolvimento de uma consciência de prevenção de perdas e, consequentemente, da Mobilização Nacional. Palavras-chave: Logística; Gerenciamento de Risco; Mobilização Nacional. 1 INTRODUÇÃO Novos riscos surgem a cada dia. O aumento da complexidade dos processos industriais e logísticos, alterações no ambiente macroeconômico, novas tecnologias, redes sociais, bem como a alteração dos fatores climáticos são os desafios que se apresentam para as organizações e para as Nações. As recentes e definitivas transformações nos cenários macroeconômicos mundiais têm se refletido nos diversos segmentos industriais. Motivadas por este novo ambiente, as empresas estão se voltando para a busca de novas tecnologias e técnicas gerenciais que lhes garantam a competitividade necessária e desejada. Como os reflexos dessas mudanças não ocorrem de maneira uniforme em todos os setores industriais, a intensidade da velocidade e o impacto das transformações estão sendo determinados pelo ambiente competitivo em cada setor. Nos setores onde a competição entre as empresas é claramente percebida, o desenvolvimento tecnológico e a preocupação com os clientes têm papel fundamental. Nesses setores, as transformações das estruturas empresariais e da 176 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

178 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística filosofia de abordagem do mercado consumidor se utilizam dos conceitos de gestão de riscos, dentro da gestão de ativos. Já em outros setores onde a competição não é intensa, sobressai o modelo, desprovido da preocupação com a gestão de riscos. Apesar de sua importância para a economia moderna, o desenvolvimento da gestão de riscos muitas vezes parece não corresponder às necessidades impostas pelos riscos existentes. Sendo assim, a análise do desenvolvimento da gestão de riscos requer, antes, a análise do panorama mundial da gestão de riscos, considerando os fatores que o influenciam, tendo em vista osefeitos da globalização. 2 GESTÃO DE RISCOS. CONCEITOS O risco é uma condição própria da existência humana (BERNSTEIN, 1997). De maneira geral, o risco está sempre associado a uma exposição à adversidade. Segundo Redja (1996), mesmo que a percepção do risco seja clara do ponto de vista do indivíduo, seus conceitos e definições irão variar de acordo com o campo de aplicação, podendo ser considerados como: possibilidade de perda, incerteza, desvio que prejudique um objetivo inicialmente traçado, probabilidade de ocorrência de um evento indesejado. Apesar das diferenças, diversos autores entre eles Redja (1996), Vaughan (1996), Candel (1990) costumam se referir à presença de dois elementos fundamentais ligados ao risco: a indeterminação e a perda. Para que se configure o risco é preciso que haja pelo menos duas possibilidades distintas, e que pelo menos uma seja indesejada, podendo significar perda ou ganho menor que o esperado. O risco, aqui considerado como exposição à adversidade ou vulnerabilidade, pode surgir a partir de uma série de fatores e alterações circunstanciais. Esses fatores são normalmente denominados perigos (incêndio, roubo, alagamento, desmoronamento, etc.) que podem ser ou não potencializados ou reduzidos em função do ambiente, ou seja, da exposição ao risco. A exposição ao risco ou hazard, como é largamente conhecida, é a condição que pode não só aumentar a probabilidade de ocorrência de um evento adverso, como agravar suas consequências, caso este venha a ocorrer. A eliminação total do risco é impossível (VAUGHAN, 1996), mesmo assim este pode ser reduzido a níveis bastante satisfatórios, do ponto de vista empresarial, que é o da continuidade das operações. Com este objetivo, deve ser reduzida a incerteza e seu caráter subjetivo, pois esta é derivada da falta de capacidade ou conhecimento em relação ao objeto do risco. Administrar o risco e seus efeitos passa necessariamente pela redução da incerteza, o que representa uma visão mais objetiva ou mais real do risco. Bernstein (1997) destaca que em um mundo de causas e efeitos, o conhecimento das causas permitirá a previsão dos efeitos. Segundo ele, o acaso para o ignorante não é o acaso para o cientista. O acaso é apenas a medida da nossa ignorância. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

179 Silvia Maria Pineschi Braun Nesta concepção o risco é uma opção e não um destino. A necessidade de domínio do risco teve sua origem nos primórdios da humanidade com os jogos de azar, mas somente no século XVII, época do Renascimento (princípio da teoria das probabilidades) e, posteriormente, no nascimento do capitalismo, foram registrados os primeiros movimentos científicos envolvendo o estudo do risco. A administração estruturada e sistemática do risco, denominada Gestão de Riscos, somente foi implementada nos Estados Unidos por volta de 1950, pósguerra, quando, pela primeira vez, foi mencionado o termo risk manager para definir o profissional dedicado em tempo integral às funções, não só de contratação de seguros, mas também de prevenção e de controle de perdas. Devido ao rápido desenvolvimento tecnológico, a maioria dos riscos que envolve a atividade empresarial, atualmente, não poderia ser sequer imaginada há uma década, quando seus efeitos raramente atingiam simultaneamente uma grande diversidade de áreas, de ambientes e de pessoas. Mudanças sociais, climáticas, ambientais e empresariais, novas formas de comunicação têm sido os principais responsáveis pelo surgimento de novos riscos. Em adição, os mega empreendimentos, principalmente relacionados a um elevado grau de complexidade, sofisticação e vulto de investimentos representam exposição de ativos de grande monta a riscos mais evidentes. Diante do avanço experimentado pela humanidade, a gestão de riscos extrapolou os conceitos de engenharia, segurança, administração de seguros e finanças, e tornou-se uma ferramenta de administração indispensável no mundo corporativo, para qualquer empresa, independentemente de porte ou ramo de atuação. Suas técnicas estão em contínuo processo de evolução, uma vez que a cada dia o ambiente se transforma trazendo novos riscos. 3 PROCESSO DE GESTÃO DE RISCOS A evolução das técnicas de gerenciamento e principalmente da maneira de enxergar o papel da gestão de riscos fez surgir um novo conceito não mais limitado a um mero controle de perdas, mas de forma mais ampla. A chamada Segurança Integral partiu dos seguintes princípios: 1. Controlar perdas, pois estas podem comprometer o bom funcionamento das empresas; 2. Transformar a Segurança em fator estratégico com uma abordagem bastante ampla. Para ser efetivo, o processo de gestão de riscos deve ser sistemático. Portanto, para implementar a análise e controle dos riscos se faz necessária a elaboração de um Programa de Gestão de Riscos que deve ser moldado de acordo com as características técnicas e financeiras da empresa. 178 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

180 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística A escolha das técnicas utilizadas no processo de gestão de riscos deve ser baseada na disponibilidade de recursos da empresa. Para a escolha, prevalece a relação custo/ benefício, embora a utilização desse critério leve a alguns desvios, porque, normalmente, os custos são tangíveis mas os benefícios, algumas vezes, não. Ainda assim, deve-se considerar que a forma com que a empresa irá implementar uma determinada técnica ou metodologia é que determinará o quão caro ou barato será o Programa de Gestão de Riscos. Muitas vezes, a opção por técnicas qualitativas pode trazer resultados igualmente satisfatórios ou até melhores do que sofisticados modelos matemáticos. O ideal é a combinação de técnicas qualitativas e quantitativas, na medida do possível, levando em consideração o ambiente e a organização em que o programa será implementado. Segundo Brasiliano (2010), a adoção de uma política de gestão de riscos deve ser norma de conduta de qualquer organização, porque representa um conjunto de diretrizes estabelecidas pela empresa (acionistas, conselho de administração, proprietários) para orientar o processo de gestão de risco, a escolha da metodologia, o que estabelecerá os níveis de criticidade. 3.1 Determinação de Objetivos A determinação dos objetivos é fundamental para que a empresa possa empregar seus recursos e esforços na direção correta. Sendo assim, é necessário que a empresa determine quais as metas devem ser atingidas, tanto para a manutenção do programa (pré-perdas) quanto para quando um evento adverso vier a ocorrer (pós-perdas). Os objetivos devem ser quantificados sempre que possível para que se possa avaliar os resultados e reformular o programa continuamente. De forma geral, os objetivos da Gestão de Riscos devem ser: Minimizar os efeitos adversos que o risco pode trazer para a empresa pelo menor custo possível (investimentos em prevenção). Adequação dos recursos pós-perda. Redução dos custos relacionados aos riscos puros 3. Segurança do Trabalho. Atendimento às obrigações legais e contratuais. Redução da incerteza em relação à continuidade dos negócios. 3.2 Identificação e Análise de Riscos Os riscos significativos para uma organização são aqueles que, isoladamente ou em conjunto (ou série), podem comprometer o cumprimento de seus objetivos 3 1. Riscos Puros: situações em que só há possibilidade de perdas; Riscos Especulativos: situações em que há possibilidade de lucro ou perda, sucesso ou fracasso. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

181 Silvia Maria Pineschi Braun (ARM 54, 1997). Portanto, identificar e analisar riscos é sempre um grande desafio. Frequentemente, surgem técnicas para identificação de riscos, dentre as mais difundidas e utilizadas, podem-se destacar (BENTES, 2007): - Série de Riscos (SR): Técnica qualitativa que promove a análise da sequência de eventos por relação de causa e efeito, que podem levar a um acidente ou falha; - Análise Preliminar de Riscos: Técnica para análise inicial qualitativa, mais utilizada em novos produtos e processos. A ênfase é na revisão dos aspectos de segurança; - Análise de Modos de Falhas e Efeitos: Técnica mais específica para a análise de riscos de equipamentos ou sistemas, também utilizada para manutenção e análise de desempenho. O objetivo é partir das falhas para determinar suas causas; - Técnica de Incidentes Críticos: Análise operacional qualitativa, com o objetivo de identificar erros e condições inseguras. Baseia-se no levantamento de informações através de entrevistas; - Análise de Árvore de Falhas: Técnica qualitativa e quantitativa, aplicável principalmente na análise de eventos indesejados em sistemas complexos; - Hazop (Hazard Operability Study): Mais utilizado pelas indústrias petroquímicas para avaliar os riscos nas linhas de processo. Em termos gerais, pode-se dizer que o HAZOP é bastante semelhante à AMFE, contudo, a análise realizada pelo primeiro método é feita através de palavras-chave que guiam o raciocínio dos grupos de estudo multidisciplinares, fixando a atenção nos perigos mais significativos para o sistema; e - What If/Checklist: Técnica de análise geral qualitativa com base em questionamento sistemático de procedimentos, processos e instalações. Independentemente das técnicas, a gestão de riscos é uma arte. Em função do elevado grau de complexidade e interdependência de processos e fornecedores, a identificação dos riscos e sua análise depende, fundamentalmente, da qualidade das informações disponíveis e de que maneira estas serão trabalhadas pelas empresas, inclusive, considerando a elaboração de cenários futuros de perdas. A empresa deve buscar pleno conhecimento do seu ambiente e de suas interfaces. Todas as técnicas costumam utilizar isoladamente, ou em conjunto, as seguintes ferramentas: Brainstorming. Questionários. Análise do histórico de eventos, na empresa ou em empresas do mesmo segmento. Análise de registros financeiros e contábeis. Análise do fluxo de processo e forma de operação. Análise das instalações. A utilização da Tecnologia da Informação é essencial para que os dados 180 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

182 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística obtidos no processo de investigação possam ficar registrados, de forma adequada, e sirvam de base para as análises quantitativas do histórico de perdas e elaboração das projeções. 3.3 Avaliação de Alternativas para Tratamento dos Riscos As empresas, de maneira geral, podem sofrer perdas em virtude de uma grande variedade de causas. A diferente natureza dos riscos é que irá determinar sua classificação, que resulta no estabelecimento de procedimentos para prevenção e enfrentamento do problema ou seja, estruturação de procedimentos de tratamento. A Figura 1, apresenta uma visão simplificada da natureza dos riscos industriais. Figura 1 Natureza dos Riscos Industriais (CANDEL, 1990) Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

183 Silvia Maria Pineschi Braun Assim, todo o processo de identificação e análise de riscos tem por objetivo dar subsídios para o que pode ser considerado como a finalidade principal da Gestão de Riscos que é a escolha da resposta mais adequada para cada risco apresentado, ou seja decidir as medidas a serem adotadas para evitar a ocorrência de acidentes e ao mesmo tempo minimizar os impactos financeiros que estes possam causar, caso ocorram. As medidas para tratamento dos riscos podem ser segmentadas em dois grupos principais com finalidades específicas: medidas de controle para evitar a ocorrência dos eventos e/ou minimizar os efeitos em caso de ocorrência, e medidas de financiamento para garantir que haja recursos disponíveis para continuidade e sobrevivência da empresa Medidas de Controle (redução da frequência e severidade) As medidas de controle podem ser preventivas quando se referem ao uso ou instalação de dispositivos de segurança em equipamentos, procedimentos de manutenção preditiva e preventiva, planejamento de condições mais seguras, etc., ou protetivas quando estão associadas aos sistemas como hidrantes, extintores, sprinklers, brigadas de incêndio que visam a minimização dos danos. Nas medidas protetivas podem ser incluídos ainda os planos de emergência e contingência. Abaixo, alguns exemplos de medidas de controle: Eliminação (extinção ou abandono de um processo ou procedimento). Prevenção (manutenção preditiva e preventiva): alarmes, processos operacionais mais seguros, respeito às normas de segurança física e patrimonial. Redução de perdas (protetiva): extintores, sprinklers, ou outros sistemas que minimizam a extensão dos danos. Separação ou duplicação (planos de contingência, planos de emergência, redundâncias e alternativas operacionais). Transferência contratual de responsabilidades (terceirização) Financiamento O financiamento de riscos, por sua vez, visa a garantir os recursos necessários para fazer frente a perdas de alta severidade que porventura venham a ocorrer. Há duas formas de garantir esses recursos: retenção e transferência. Através da retenção, a empresa financia as perdas com recursos próprios (constituição de reservas ou provisões, administração de fundos, empréstimos). Na transferência, esses recursos são obtidos fora da empresa, como é o caso do seguro. A contratação de seguros é a forma mais conhecida de transferência de riscos e tem, por objetivo, maximizar a sua utilização, ou seja, a obtenção da cobertura mais ampla pelo menor custo. 182 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

184 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística Os erros mais comuns na contratação de seguros estão ligados à falta ou ao excesso de coberturas. Enquanto o excesso representa um desperdício, a falta pode trazer a exposição a riscos indesejáveis. Esses erros costumam ocorrer simultaneamente. A finalidade básica do seguro é restabelecer um equilíbrio econômico perturbado, isto é, voltar aos mesmos padrões imediatamente anteriores à ocorrência do sinistro, não podendo ser entendido como jogo ou qualquer atividade com fins lucrativos para o segurado. Um risco para ser segurável deve atender aos seguintes critérios (FUNENSEG, 1993): ser possível, futuro e incerto (a única exceção é o seguro de vida cuja ocorrência é certa, porém, indefinida no tempo). Além disso, o risco, para ser segurável, deve independer da vontade das partes contratantes, resultar em prejuízo de ordem econômica e ainda ser mensurável. As melhores praticas (VAUGHAN, 1996) recomendam a combinação de retenção parcial e transferência para que as empresas obtenham melhores resultados. 3.4 Determinação dos Limites de Retenção e Transferência. Matriz de Riscos A empresa deve procurar estabelecer os limites de retenção e transferência, que é determinar, na política de gestão de riscos, o nível de aversão ao risco pretendido, que é a definição do nível de perdas que a organização está disposta a assumir e a partir de que limite deverão ser transferidos, em um determinado espaço de tempo. Uma ferramenta bastante utilizada é a Matriz de Riscos. Através da matriz de riscos, é possível comparar os diversos eventos, a partir do seu, em termos de severidade (impacto) e frequência (probabilidade de ocorrência), dentro de um espaço de tempo pré-estabelecido, e promover o tratamento mais adequado e as prioridades de ação. Figura 2 Matriz de Riscos (BRASILIANO, 2011) Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

185 Silvia Maria Pineschi Braun De forma conceitual, os riscos com baixa severidade (impacto) e alta frequência (probabilidade de ocorrência) devem ser trabalhados pela empresa através de ações de manutenção e procedimentos operacionais, e, em geral, representam as franquias das apólices de seguro e/ou a POS (Participação Obrigatória de Segurado). São as PNE Perdas Normais Esperadas que a empresa controla e assume com recursos próprios. Já os riscos de alta severidade devem ser, em sua maioria, transferidos pois podem comprometer a continuidade de suas operações ou a sobrevivência da organização e seu financiamento é caro, considerando a necessidade de constituição de reservas e/ou provisões de valor elevado. Nem sempre os riscos de alta severidade podem ser seguráveis, o que torna o controle desses riscos e seu financiamento um grande desafio. 3.5 Monitoramento dos Riscos e do Programa de Gestão de Riscos Como todo o processo de gestão, o Programa de Gestão de Riscos deve ser planejado, de forma que possa ser eficientemente, implementado e monitorado, para que venha a ser continuamente melhorado. Nessa etapa, é fundamental estabelecer indicadores de performance para acompanhamento, divididos em preventivos e de sinistralidade. Exemplos de Indicadores Preventivos: - Indicadores Econômicos: Custo do programa, percentual de investimentos/ ano, investimentos totais por funcionário. - Indicadores Organizacionais: Detalhamento das ações realizadas em cada ano de desenvolvimento do programa, benefícios obtidos diretos e indiretos. - Indicadores Técnicos: Quantidade de ações ou condições inseguras detectadas, tempo de treinamento em segurança dos funcionários, ações recomendadas x ações implementadas. - Indicadores Legais e Normativos: Percentual de cumprimento de normas por grupo de risco, normas e dispositivos legais considerados, quantidade de inspeções preventivas realizadas. Exemplo de Indicadores de Perdas: - Indicadores de Danos Pessoais: Número de acidentados/total de empregados, dias não trabalhados/dias trabalhados, - Indicadores de Danos Físicos Diretos: Quantidade de incidentes/valor das perdas, tempo de paralisação, custo da paralisação. - Indicadores de Danos a Terceiros: Quantidade de reclamações/valor das reclamações, quantidade e custo dos funcionários que trataram as reclamações. Honorários advocatícios/custo das reclamações. 184 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

186 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística Figura 3 Exemplo de Indicadores de Gestão de Riscos em Projetos (UNISIS PMBOK, 2011) IV - GERENCIAMENTO DE RISCOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS O processo de globalização da economia, iniciado a partir dos anos 80, foi responsável por uma verdadeira mudança de paradigma, para as empresas em função da necessidade de incremento da produção com significativa redução de custos. Nesse sentido, (FM GLOBAL, 2006) as empresas procuraram reduzir ao máximo seus estoques, seguindo as tendências de produção Just-in-time, produção enxuta, sempre com ênfase à velocidade e otimização de processos e recursos. Buscouse eliminar redundâncias, contingências, localizar o fornecimento em regiões e fornecedores de baixo custo, segmentando a produção por diversas empresas. A terceirização das atividades fora do core business ou da atividade principal da empresa virou uma tendência. As empresas que antes produziam um determinado bem se tornaram responsáveis apenas pela montagem. Ao mesmo tempo, a internet passou a representar uma ferramenta poderosa para a comercialização dos produtos. O e-commerce pressionou a velocidade de resposta das empresas, com necessidade de acompanhamento em tempo real do processo logístico e de gerenciamento dos fornecedores da cadeia de produção. Evidencia-se assim um ambiente de crescente complexidade, advinda da competitividade no meio empresarial e da constante necessidade de se obter vantagem estratégica, com forte demanda por agilidade, velocidade e menores Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

187 Silvia Maria Pineschi Braun custos. Todo esse ambiente, em contrapartida, expõe as empresas a riscos cada vez maiores. Apenas um evento pode determinar o fim de uma empresa, se não estiver bem gerenciado. Somente para demonstrar a afirmativa acima, foram destacados alguns eventos que, se não abalaram a continuidade das empresas, pelo menos impactaram, fortemente, em suas operações: Incêndio no Centro de Distribuição do Ponto Frio, em 12 de maio de 2010, Guarulhos/SP: perdas diretas e indiretas estimadas em R$400 milhões; Incêndio no Centro de Distribuição da Gradiente, em 19 de março de 2002, Barueri/SP: perda total, prédio e conteúdo, incluindo lucros cessantes; Incêndio no Centro de Distribuição da Sony, Londres, em 9 de agosto de 2011, em função dos distúrbios/tumultos ocorridos na cidade: perda total, prédio e conteúdo, incluindo lucros cessantes. No Brasil, o problema relacionado aos acidentes rodoviários e o roubo de cargas representa um custo significativo para os embarcadores e transportadores. Todo esse custo, incluindo o seguro, é repassado ao consumidor, final encarecendo os produtos. A legislação brasileira, a exemplo do DPVAT, obriga a contratação de seguros tanto para o embarcador quanto para o transportador (Decreto Lei 73/66) Transporte Nacional, Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga e Responsabilidade do Transportador Roubo de Carga. Somente em 2010, foram registrados prêmios da ordem de R$1,4 bilhão, pagos pelos segurados, e sinistros de aproximadamente R$1 bilhão (Fonte: SUSEP 2011). O prêmio pago pelos segurados (embarcadores e transportadores) cresceu 20% em relação ao ano anterior, apesar de todo o investimento em tecnologia de gestão de riscos (atualmente exigida por todas as seguradoras nesse segmento) e tecnologia embarcada, o que representa grande preocupação para as empresas brasileiras. Com essa preocupação, foi realizada uma pesquisa pela AMR Research (MALONE, 2011), junto aos principais executivos especialistas em Supply Chain Management dos EUA, que procurou identificar quais as principais preocupações e qual a percepção em relação ao crescimento e/ou surgimento de novos riscos. Com base na pesquisa realizada, foram evidenciados os principais riscos envolvidos na cadeia de suprimentos, pela percepção de seus executivos: -- Falha de fornecedores (28%); -- Falha na Estratégia (17%); -- Desastres Naturais (15%); -- Eventos Geopolíticos (11%); -- Risco Regulatório (11%); -- Falha na Logística (10%); -- Infrações relacionadas à propriedade intelectual/ patentes (7%); -- Outros (1%). 186 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

188 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística Quanto à evolução dos riscos identificados, a maioria dos executivos percebe que os riscos estão se agravando rapidamente. Tais aspectos estão estimulando o desenvolvimento e a priorização do gerenciamento de riscos na cadeia de suprimentos. Na pesquisa, aproximadamente 30% dos executivos entrevistados estão aplicando as tecnologias e metodologias de gerenciamento de riscos, enquanto 50% ainda estão avaliando a utilização dessas tecnologias. A pesquisa apurou ainda que a cadeia de suprimentos é muito mais suscetível ao risco. À medida que as empresas se internacionalizam, ampliando sua área de atuação para a redução de custos, mais dependente e, consequentemente, mais crítico se torna o processo. Os clientes globais, cada vez mais exigentes, demandam produtos e serviços de alta qualidade, forçando a capacidade logística. A volatilidade e a variabilidade provocam incerteza para as empresas, cuja sobrevivência vai depender fortemente do gerenciamento de riscos. Furacões como Katrina e Rita e Tsunamis são eventos que as empresas têm que estar preparadas para enfrentar. Outro estudo realizado pela empresa FM Global, 2006 destacou que os novos riscos relacionados à cadeia de suprimentos nem sempre encontram amparo no seguro, ou por não encontrarem cobertura disponível no mercado ou pelo elevado custo que pode inviabilizar a contratação. Neste caso, o seguro representa a última fronteira. 4.1 Caso FEDEX A FEDEX (FEDEX, 2010) é um exemplo de empresa da cadeia de suprimentos que saiu da armadilha da otimização e obteve uma posição de liderança de mercado através de ênfase nos planos de contingência. Ao invés de ficar engessada em um modelo de otimização, que provavelmente não teria sustentação, considerando os riscos climáticos, técnicos e operacionais de se movimentar um volume significativo de cargas, com garantia de entrega rápida, a FEDEX agregou valor à sua operação por meio do investimento em gerenciamento de riscos. A estratégia de verticalizar serviços e equipamentos críticos foi determinante para o sucesso das operações. Os Estados Unidos contam com serviços meteorológicos disponíveis de reconhecida competência, mas a FEDEX optou por desenvolver e operar sua própria central de controle meteorológico, com pesado apoio de TI, como diferencial para identificar riscos e promover ação rápida para a alteração de rotas. Para que a estratégia funcione, não basta identificar os riscos. A empresa optou por ter frota própria de aviões, aeródromos exclusivos, localizados em pontos determinados e em quantidade suficiente para suprir as operações normais e a reserva de contingência. Em diversos pontos do globo, a empresa mantém aviões Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

189 Silvia Maria Pineschi Braun prontos para decolar (em standby, aguardando o comando para pronto emprego), com equipes preparadas para promover a transferência das cargas em tempo hábil. Essa reserva tática faz parte do plano de contingência que a empresa põe em prática em cada situação de risco ou óbice (furacões, erupções vulcânicas, situações de emergência como o 11 de Setembro 2001 ) 4.2 Exemplos de Ações para Controle dos Riscos nas Operações Logísticas: Considerando o exemplo da FEDEX, as empresas que não puderem verticalizar seus processos logísticos devem gerenciar os riscos da cadeia de suprimentos, além das suas fronteiras. As empresas devem avaliar os riscos de trabalhar com um fornecedor de baixo custo estabelecido em um país em desenvolvimento, sujeito a catástrofes naturais, com padrão de segurança e gestão de riscos deficiente e sistema legal pouco confiável (FM Global, 2006). A necessidade de gerenciamento de risco dos fornecedores inclui, ainda, o controle das instalações físicas, recursos humanos, fornecimento de energia, sistemas operacionais, redes de transportes e procedimentos de segurança, até o menor nível da cadeia. Esses dispositivos ou requisitos de gestão de riscos podem inclusive constar dos contratos de fornecimento, embora um litígio internacional não seja desejado. Não basta gerenciar apenas os riscos catastróficos, neste segmento de mercado, atrasos freqüentes podem significar danos à imagem e a perda de mercado. Por isso, o gerenciamento de riscos deve incluir planos de contingência, prevendo fornecedores alternativos, em locais diferentes, que não estejam sujeitos aos mesmos riscos de catástrofes naturais e/ou riscos políticos. Para tanto, são necessárias: Ações Institucionais: Cadastramento de fornecedores, principalmente fornecedores críticos; Verificação do cumprimento das exigências legais, normas técnicas e regras estabelecidas pelos órgãos governamentais, não-governamentais que dizem respeito à Segurança, à proteção à Saúde e ao Meio Ambiente e à Qualidade; Utilização de instalações físicas, de infraestrutura e de equipamentos operacionais adequados; Institucionalização e cumprimento de normas, procedimentos e planos de 188 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

190 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística contingência específicos para cada tipo de operação; Institucionalização e cumprimento de programa de treinamento intensivo; e Elaboração de banco de dados com informação de sinistros com a descrição das causas e seus efeitos. Exemplo de Planilha de Análise de Riscos em Centros de Distribuição Riscos Hazard Ação/ Controle Financiamento Incêndio Roubo Acidentes Pessoais Resp. Civil Freqüência x Severidade (R$) Instalação e inspeção de redes de hidrantes, conjuntos de extintores, sprinklers, brigadas de incêndio operativas, sistema de pára-raios Instalação de comportas e bombas (contra alagamentos e inundações) Retenção: (R$) Seguro: Limites da Apólice: Coberturas: Franquias Instalação de controles de temperatura e umidade Segregação de mercadorias e controle de compatibilidade Programa de manutenção mecânica e predial Utilização de equipamentos adequados a cada tipo de operação Inspeções periódicas das estruturas físicas da empresa, nas quais são checados os itens de segurança contra incêndio, segurança patrimonial e segurança do trabalho, com relatórios de recomendações imediatas, de curto, médio e longo prazo. Vigilância 24 horas, sensores de presença, barreiras físicas e controle de acesso Exemplo de Ações/ Controles no Transporte Rodoviário de Cargas Preparação da carga e da viagem de forma sigilosa, com proibição de paradas ou pernoites em locais não autorizados, quando for o caso; Cadastramento e qualificação de motoristas ou do proprietário do veículo Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

191 Silvia Maria Pineschi Braun autônomo, com pesquisa detalhada, incluindo análises nos âmbitos financeiro, criminal e civil, entre outros; Utilização obrigatória de meio de comunicação (rádio ou telefone celular) por parte do motorista para cada viagem; Utilização de equipamentos adequados a cada tipo de transporte; Utilização de sistema de rastreamento e monitoramento de veículos, quando necessário; e Obrigatoriedade de cumprimento da tabela de ações preventivas, principalmente no que diz respeito à escolta armada ou patrulhamento, dependendo do caso. 5 Contexto Internacional da Gestão de Riscos A partir de sua origem e tomando por base os Estados Unidos, considerado um dos países mais desenvolvidos, em termos de Gestão de Riscos é possível traçar paralelos entre os padrões de desenvolvimento de um país e sua postura, no que concerne à segurança e à prevenção de riscos. Com este objetivo, Rancan, (1996) comparou países da Comunidade Europeia e os Estados Unidos, entre outros, e analisou de fatores relevantes para a compreensão do padrão de desenvolvimento da gestão de riscos em cada país e em determinado setor industrial, sendo os seguintes: Contexto sócio econômico; Sistema jurídico com relação à proteção do meio ambiente, dos trabalhadores e da qualidade dos produtos; e Nível de desenvolvimento do mercado segurador local. Partindo da pesquisa realizada por RANCAN (1996), este trabalho procurou identificar semelhanças no comportamento dos diversos países o que permitiu agrupá-los em desenvolvidos e em desenvolvimento Países desenvolvidos O grupo de países considerados desenvolvidos, como os Estados Unidos, Alemanha, Bélgica, Holanda e Inglaterra, fora algumas diferenças regionais, apresentam diversos pontos em comum. Nesses países, o padrão socioeconômico é bastante elevado, há grande disponibilidade de informação e, consequentemente, grande interesse da sociedade pelos assuntos relacionados à proteção ambiental e aos direitos do consumidor. As leis relacionadas ao meio ambiente e aos direitos sociais costumam ocasionar penalidades para as empresas infratoras na forma de multas de valor elevado. O sistema jurídico é eficiente, julgando com rapidez, principalmente os casos relacionados a empresas, não cedendo facilmente às pressões econômicas. 190 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

192 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística O mercado segurador é bastante desenvolvido, tendo em vista principalmente o fato de terem sido os primeiros a criarem os mecanismos de transferência de riscos. A gestão de riscos não está limitada às grandes empresas, mas abrange também as pequenas e médias, além de várias empresas do setor público. Os conceitos de segurança integral são largamente difundidos e a maioria das empresas possui, em seu quadro funcional, a figura do Gerente de Riscos. A matriz industrial varia de um país para o outro, mas, de maneira geral, é formado por uma gama diversificada de indústrias com grande desenvolvimento tecnológico. 5.2 Países em desenvolvimento Os países considerados como em desenvolvimento foram Itália, China, Rússia e Espanha, embora estes últimos tenham apresentado grande progresso nos últimos anos. Analisando o modelo apresentado por RANCAN (1996), pode-se enquadrar o Brasil neste grupo. De forma geral, nestes países, a mobilização da sociedade e o interesse pelas questões de segurança e meio ambiente é recente, e mesmo assim não é expressivo. Os meios de comunicação costumam dar ênfase somente nos casos de grandes acidentes ou catástrofes naturais devido à repercussão popular. No entanto, não há por parte da sociedade e da imprensa um movimento de conscientização, de educação, ou mesmo, cobrança de atitudes que pressionem as empresas a mudar seu comportamento. A instabilidade econômica contribuiu fortemente para agravar o quadro de dificuldades, inibindo os investimentos em prevenção de riscos. Apesar de o Brasil estar passando por um período de estabilidade e crescimento econômico, as crises dos anos anteriores inibiram o planejamento dos investimentos nessa área. As empresas resistem em cumprir as normas de segurança e o ambiente legal favorece esse comportamento. O mercado segurador, nesses países, tem pouco interesse no segmento de riscos industriais, o que dificulta a transferência de conhecimento em gestão de riscos entre seguradora e empresas. Neste grupo, a maioria das empresas não tem gerentes de risco com dedicação exclusiva e este papel costuma ser representado pelo corretor de seguros, unicamente, com a finalidade da contratação de seguros pura e simples. 5.3 Novas Tendências ISO Uma ferramenta que contribuirá para a melhoria e desenvolvimento da gestão de riscos, no Brasil, é a ISO 31000, que foi lançada no Brasil como ABNT NBR ISO 31000: Gestão de Riscos - Princípios e Diretrizes. Essa norma apresenta os mesmos conceitos já praticados internacionalmente, segundo o Guia PMBOK Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

193 Silvia Maria Pineschi Braun de Gerenciamento de Projetos e também da OHSAS 18001:2007 (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS REQUIREMENTS) e não tem por finalidade a certificação, mas sim o objetivo de servir como um guia para as empresas implementarem o processo de maneira sistemática. A norma ISO pode ser utilizada por qualquer empresa pública ou privada, associação, ONGs, grupo ou indivíduo, e não é específica para uma determinada indústria ou setor. DE Cicco, (2011) ressalta que foi iniciado o primeiro levantamento global sobre a norma ISO 31000:2009. O objetivo da pesquisa é avaliar como a ISO é percebida pelos gestores de riscos e organizações dos setores econômicos escolhidos, além de contribuir para a elaboração da ISO 31004, Gestão de Riscos - Orientações para a Implementação da ISO 31000, que deverá ser publicada em Membros de mais de 100 associações de gestão de riscos de todo o mundo estão sendo convidados a participar do estudo. Essas iniciativas contribuem para a disseminação da cultura de gestão de riscos nas empresas brasileiras. 6 CONSIDERAÇÕES SOBRE GESTÃO DE RISCOS E MOBILIZAÇÃO NACIONAL Qual a relação entre Gestão de Riscos empresarial e Mobilização Nacional? Partindo dos estudos elaborados pelo Manual Básico, da ESG (2009), destacam-se alguns conceitos: 1. Envolvida uma coletividade em situação que ponha em risco sua sobrevivência, é imperioso reagir no sentido de neutralizar ou eliminar a ameaça. 2. A ação de prevenir, neutralizar e eliminar ameaças que surjam na vida das nações, não deve ficar ao sabor das improvisações, pois que, dessa forma, estaria comprometida a própria Soberania Nacional e estimulada a atuação do inimigo ante a imprevidência do oponente. 3. A Mobilização Nacional é o conjunto de atividades planejadas, orientadas e empreendidas pelo Estado, desde a situação de normalidade, complementando a Logística Nacional, com o propósito de capacitar o País a realizar ações estratégicas no campo da Defesa Nacional, para fazer face a uma agressão estrangeira. Comparando os conceitos apresentados pela ESG e os conceitos de Gestão de Riscos, é possível considerar que a Mobilização Nacional é a Gestão de Riscos Nacional. Assim como as empresas, com visão estratégica, estão elaborando planos para transformar a superação dos riscos em diferencial competitivo, o que estão fazendo os países mais avançados ou mais preparados para mobilizar? Qual o nível de redundância ou contingência estabelecido por países como os Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha? Os Estados Unidos e a Alemanha têm uma estratégia clara nesse sentido. Além dos fortes incentivos à indústria Nacional de Defesa, esses países controlam importantes indústrias e empresas (públicas 192 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

194 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística e privadas) mobilizáveis como é o caso da FEDEX (EUA) e da DHL (Alemanha). Em 2010, somente com a indústria de defesa os Estados Unidos gastaram USD bilhões, com um adicional de USD 130 bilhões para contingência relacionada às operações externas de combate ao terrorismo, o que significa estar a contingência presente no planejamento. Outro dado de destaque é que a preparação para a mobilização de catástrofes é um importante passo para a mobilização em caso de conflito. Também, considerando o exemplo dos Estados Unidos, é possível destacar novamente a FEDEX. Em seu site na internet, (FEDEX, 2011) a empresa apresenta seus serviços de assistência, de fácil acesso, com missão claramente definida: A missão da FedEx é apoiar ativamente e fornecer uma contribuição de valor para as comunidades a que presta serviço e de fortalecer a sua reputação global através de uma alocação estratégica dos seus recursos, funcionários e rede. Somente no serviço de Assistência em Emergências e Catástrofes, a FedEx oferece contribuições e apoio logístico/transporte através de protocolos que mantém com diversas instituições de socorro, de forma a assegurar que o apoio chegue de forma rápida e eficiente. Além disso, nos países sujeitos a catástrofes naturais, a população é treinada nas escolas, desde o ensino fundamental, inclusive através de participação em simulações. Nos Estados Unidos, simulações de incêndio, furacão e terremoto nas escolas é prática comum pelo menos a cada 6 meses ou em caso de alerta. O Brasil pode explorar mais o enfoque de gestão de riscos empresarial para tratar as questões relacionadas à mobilização nacional, utilizando os conceitos e sistemática próprios da gestão de riscos, para o desenvolvimento da logística nacional, seja como abordagem estratégica para mapear os óbices e quantificar seus impactos, seja para melhor desenvolver as empresas brasileiras. Para fins de exemplo, os projetos de infraestrutura revelam sua relevância como objetivo estratégico e a partir daí, quantificar os riscos que podem advir de sua não realização e suas consequências. Em relação a cada projeto, podem ser estabelecidos marcos e indicadores de riscos e as ações capazes de possibilitar a transposição dos óbices, dimensionados em termos de recursos e meios necessários à prática. Com relação às catástrofes naturais, também há muito que desenvolver, não só no sentido da prevenção como da resposta rápida de eficiente mobilização. No Brasil, as mudanças climáticas não eram relevantes e não provocavam danos significativos, e passaram a ser uma nova preocupação. Há necessidade de fomento por meio de convênios com centros de pesquisa exclusivos para tratar de metodologia de gestão de riscos, incluindo os riscos climáticos e mapeamento de áreas de risco. Cadastramento de fornecedores de suprimentos, equipamentos, mão-de-obra em regiões próximas as áreas de risco podem ser um caminho, além de convênios com empresas transportadoras e construtoras para que sejam prontamente mobilizadas. Inciativas nesse sentido já Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

195 Silvia Maria Pineschi Braun estão em andamento, como o cadastramento de Empresas de Interesse da Defesa Nacional (EIDN), estabelecido pela Portaria Normativa N.º /MD, de 31 de maio de 2011 e o Sistema de Georreferenciamento da Presidência da República. Estabelecimento de parcerias com Seguradoras e Resseguradoras, como o IRB-Brasil RE, também devem ser considerados para a União, com objetivo de transferência de tecnologia em gestão de riscos, metodologias e questionários específicos para avaliação e monitoramento dos riscos, além do expertise em regulação de sinistros (processo de avaliação e indenização de sinistros). Nos mercados dos Estados Unidos e da Alemanha, há muitas parcerias entre o governo e as Seguradoras e Resseguradores, seja na forma de administração de pools, sejam fundos, seja na forma de seguro convencional. Para financiamento dos riscos, há alternativas como a formatação e administração de Fundo de Catástrofes, a exemplo do Fundo de Estabilidade do Seguro Rural, que foi criado pelo Decreto Lei 73/66 para proteção de eventos climáticos somente para o Seguro Rural, para que possam ser disponibilizados tecnicamente recursos com o objetivo de amparar tais eventos. 7 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Em tempos de crise, especialmente, a gestão de riscos passou a ser uma ferramenta estratégica para o desenvolvimento, e indispensável para empresas que desejem ser competitivas. Os países desenvolvidos já caminham neste sentido. A relação entre desenvolvimento da gestão de riscos e desenvolvimento da mobilização nacional pode ser considerada direta. Investimentos em contingência e redundância são necessários se comparados a um evento indesejado e imprevisto de grandes dimensões ou uma série de eventos pequenos e não identificados que funcionam como uma torneira aberta de recursos. Para o Brasil, a abordagem estratégica da gestão de riscos pode representar uma importante ferramenta para o desenvolvimento do País e da mobilização nacional. Além da redução de perdas humanas e materiais provocadas por acidentes, por mau planejamento e supervisão deficiente de serviços, e perdas causadas por paralisação de produção, pode-se considerar o aumento da produtividade, redução de custos operacionais ou custo Brasil, sem falar na qualificação dos recursos humanos que saem do processo mais colaborativos e difusores das políticas de segurança e qualidade. O ensino dos principais conceitos de gestão de riscos nas Escolas e Universidades deveria ser obrigatório, como forma de disseminação de uma cultura nacional voltada para a segurança e proteção. Os meios de comunicação também têm papel importante, tanto para a divulgação de práticas seguras das empresas, normas de segurança, responsabilidade civil, social e ambiental quanto para a divulgação de ações práticas em situações de emergência. 194 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

196 O Papel do Gerenciamento de Riscos na Logística A mobilização nacional tem muito a ganhar com isso, seja por ocasião de catástrofes naturais ou em hipótese de conflito armado. Recursos humanos com consciência em gestão de riscos são mais facilmente mobilizáveis e mais conscientes de seu papel social. Quanto mais o Brasil puder identificar seus riscos, suas ameaças, seus principais óbices, mais rapidamente e de maneira mais eficiente e eficaz poderá enfrentá-los. 8 Referências ARM 54, Insurance Institute of America. Associate Risk Management Program. Pennsylvania, BERNSTEIN, Peter L. Desafio aos deuses: a fascinante história do risco. Rio de Janeiro: Campus, BRASILIANO, Antonio. Política de gestão de riscos: o documento basilar. Disponível em: Acesso em: 9 out CANDEL, Filomeno Mira. A gerência de riscos e o seguro industrial: gerência de riscos. [S.l.]: Mapfre, DAY, George S. A dinâmica da estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Campus, DISASTER readiness, relief and recovery. FEDEX. Disponível em:<http://about.van.fedex.com/corporate_responsibility/philanthropy/ disaster_relief> Acesso em: 27 out. de COMUNIDADE FEDEX. Disponível em: <http://www.fedex.com/pt/about/ socialresponse/community.html>. Acesso em: 29 out THE New supply chain challenge: risk management in a global economy FM Global. Disponível em: <http://www.fmglobal.com/pdfs/chainsupply.pdf> Acesso em: 8 out RANCAN, Verónica. Comparación entre modelos internacionales de gerencia de riesgos: gerencia de riesgos. [S.l.]: MAPFRE, Ed. Espanhola, n.º 52, VAUGHAN, Emmett J. Fundamentals of risk and insurance. 7th Ed., [S.l.]: John Wiley & Sons, Inc, GERENCIAMENTO de Riscos: parte I, 04 abr Unisis PMBOK Disponível em: <http://unisis.wordpress.com/2011/04/04/pmbok-%e2%80%93-areas-deconhecimento-%e2%80%93-gerenciamento-de-riscos/ Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

197 Silvia Maria Pineschi Braun EXPANSÃO DA MALHA FERROVIÁRIA BRASILEIRA E SUL-AMERICANA PARA O DESENVOLVIMENTO E INTEGRAÇÃO REGIONAL, COM PRIORIDADE NAS EXPRESSÕES ECONÔMICA E MILITAR REFLEXOS NA MOBILIZAÇÃO NACIONAL Rafael Aquino dos Santos Major de Engenharia do Exército Brasileiro, estagiário do Curso de Logística e Mobilização Nacional da Escola Superior de Guerra, em Resumo Será abordada a expansão da malha ferroviária no cenário brasileiro e sulamericano, como meio de integração e desenvolvimento. Como metodologia para o desenvolvimento deste artigo, será apresentado somente o modal ferroviário, dentro do tema proposto pelo CLMN , onde se destacará o processo de investigação, iniciado por uma pesquisa sobre o tema em artigos e publicações diversas. Para alcançar esse objetivo o referido trabalho foi dividido em tópicos. O primeiro aborda a expansão da malha ferroviária brasileira, o segundo a expansão da malha ferroviária sul-americana, ambas com seu histórico, situação atual, aspectos de planejamento de expansão e o consequente desenvolvimento 4 e integração brasileira e sul-americana, tanto no campo da expressão do poder econômico, como no campo da expressão militar. As considerações parciais, ao final desses tópicos, feitas de forma dedutiva, partiram de dados gráficos e análises estatísticas para melhor subsidiar os reflexos na Mobilização Nacional. Palavras-chave: Integração Sul-americana; Ferrovia; Mobilização Nacional. 1 introdução A oportunidade de o Brasil participar das rodas de decisão dos destinos mundiais faz com que ele assuma responsabilidades dentro e fora do país. Estas, que dizem respeito à sua afirmação como país em pleno desenvolvimento, o colocou como contribuinte de algumas instituições supranacionais. Instituições como o Fundo Monetário Internacional (FMI), membro da Organização Mundial do 4 É o processo global de fortalecimento e aperfeiçoamento do Poder Nacional, particularmente de seus fundamentos (Homem, Terra e Instituições), visando à conquista, à manutenção dos Objetivos Nacionais e à consecução do Bem Comum. (Prof. Gustavo Alberto Trompowsky Heck). 196 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

198 Expansão da Malha Ferrov. Brasileira e Sul-Americana para o Desenvolvimento e Integração Regional Comércio (OMC), e integrante de grupos de países que se destacam, por estar entre os maiores exportadores de minérios, de alimentos, e ter a maior reserva de água potável do mundo (Aquíferos Guarani e Álter do Chão), deixando-o em posição de destaque internacional. Além disso, deve ser considerada a posição geopolítica do país. Possuidor das riquezas já citadas, de uma população aproximada de 190 milhões de habitantes, base física com cerca de 8,5 milhões de quilômetros quadrados, km de litoral, km de fronteiras terrestres, uma área vital como o estreito do Oceano Atlântico, rios navegáveis no interior do país e um relevo pouco movimentado, entre outros fatores, torna-se objeto de cobiça no cenário internacional. Assim, por mais que o panorama lhe seja favorável, com produtos de necessidade internacional, é preciso maior colaboração dos seus parceiros do continente para melhor desenvolver-se. De acordo com o Tratado de Assunção, a nação deve manter seus vizinhos fortes e desenvolvidos, integrando-se, a fim de crescerem juntos, enfrentando as ameaças do mercado globalizado. Nesse contexto, foi dada ênfase a uma pesquisa bibliográfica preliminar que auxiliou o embasamento teórico, facilitando a seleção de dados bibliográficos. O caráter desta pesquisa qualitativa certamente possibilitará que o assunto seja tratado por outros interessados pelo tema em questão, abordando aspectos das expressões do Poder Nacional relacionados com a Logística e Mobilização Nacional. 2 EXPANSÃO DA MALHA DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO PARA O DESENVOLVIMENTO E INTEGRAÇÃO REGIONAL 2.1 Malha de transporte brasileira Histórico A história das ferrovias no Brasil inicia-se com a estrada de ferro da Baía da Guanabara até a cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro, com quatorze quilômetros e meio de extensão. Foi à primeira operação de intermodalidade no Brasil, pois integrava o transporte hidroviário e o ferroviário. Foi inaugurada em 1854, pelo empreendedor Irineu Evangelista de Souza, que via neste modal o apoio a uma exportação mais competitiva para o mercado agroexportador, utilizando tecnologia do exterior. Após esta primeira experiência, seguiram-se várias outras ferrovias com o cunho de país exportador de produtos primários, nos estados do Rio de Janeiro, Bahia, São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Recentemente, o fato que marcou o uso de ferrovias foi a necessidade das nações se manterem dentro do mercado exportador e importador mundial, devido à globalização. Diante disso, as nações buscaram atender ao comércio internacional, a fim de obter maiores lucros, desprezando, parcialmente, o mercado regional. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

199 Silvia Maria Pineschi Braun Contudo, com a formação de blocos econômicos, foi notória a necessidade de manter o mercado circunvizinho aquecido e cooperativo, conforme o Protocolo do Tratado de Assunção, para manter o mercado interno competitivo. Assim, fez-se imprescindível a integração do mercado econômico sulamericano e de suas infraestruturas, para que pudessem diminuir custos e competirem em melhores condições com os demais países de outros mercados ou blocos econômicos Situação atual A infraestrutura ferroviária existente no país é concentrada nas proximidades do litoral, atendendo, precariamente, o escoamento da produção agrícola do interior do país para o litoral. No entanto, possibilita o escoamento de minério de áreas inóspitas para qualquer parte do mundo. Hoje, há aproximadamente quilômetros de malha ferroviária no Brasil, tendo aproximadamente quilômetros em operação. As bitolas da malha ferroviária brasileira estão divididas em métricas (1,00 metros) com extensão de quilômetros, largas (1,60 metros) com extensão de quilômetros e mistas, com 523 quilômetros de extensão, dados de 2011, da Associação Brasileira da Indústria Nacional de Ferrovias (ABINFER). Uma das mais sérias restrições que se fazem à bitola métrica refere-se à velocidade máxima que o afastamento de 1m admite. As linhas de bitola métrica sempre foram instaladas tendo em vista velocidades baixas, reduzido custo de implantação, trilhos leves e outros fatores técnicos e econômicos restritivos. Isso porque, na época, essas linhas eram construídas em países que apresentavam baixos recursos de capital ou baixa expectativa de expansão de tráfego futuro, sem a perspectiva de retorno financeiro certo e liquido para a economia daquele tempo. Diga-se de passagem, para países como a Austrália, África do Sul e Japão, também (VFCO). No entanto, o que mais interessa, em economia dos transportes, é o gabarito útil dos veículos. Por exemplo, o gabarito útil do material rodante de carga da bitola métrica brasileira oferece maior capacidade de oferta de espaço e de peso que a maior parte das ferrovias europeias, asiáticas e africanas. O Japão (1,067 m) opera vagões-cegonha de dois andares, destinados ao transporte de automóveis, pois a altura e a largura dos túneis são compatíveis com o que transporta. Portanto, o mais importante é o escoamento fácil, rápido e confiável do tráfego, do que propriamente a bitola. Por isso, a uniformização da bitola deve darse, tendo padrão aquela que ofereça menores custos, inclusive, de manutenção e de operacionalidade. Diante da existência de bitolas diferentes entre as linhas e concessões, o transporte ferroviário brasileiro fica prejudicado pela perda de tempo no transbordo 198 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

200 Expansão da Malha Ferrov. Brasileira e Sul-Americana para o Desenvolvimento e Integração Regional de carga. Desta maneira, acarreta perda na concorrência com outros países que já fizeram a unificação das bitolas, conseguindo aumentar a velocidade de transporte e cumprir horários de entrega de mercadorias. A malha ferroviária brasileira foi privatizada em linhas, com o Plano Nacional de Desestatização (PND) 5, conforme diretrizes internacionais para promover o desenvolvimento seguindo o Consenso de Washington, justamente com a liberalização do mercado e afastamento do Estado dos meios produtivos, conforme o pensamento de Keynes. Com isso, a privatização da malha ferroviária foi efetuada em regime de concessões (arrendamento), no ano de Assim, as ferrovias que eram onerosas ao governo até a década de 1990, aproximadamente 1 milhão de reais por dia, passaram a render até o ano de 2010, 2 bilhões de reais em impostos e pagamentos pelas concessões. Por outro lado, o investimento em melhorias chegou a 23 bilhões de reais até o ano de 2010, o que antes não podia ser feito. Da mesma maneira, a carga transportada que era de 45 mil toneladas passou a ser de 144 mil toneladas por ano, com possibilidades de aumentar ainda mais com a instalação de fábricas de vagões (03) e locomotivas (02) no Brasil, possibilitando a inclusão de mais tipos de vagões para transportar outros produtos do mercado nacional. O exemplo da concessão da MRS Logística torna evidente a corrida para esse modal. Enquanto possuía 13 empresas no portfólio, em 1996, passou a 77 até o ano 2011, em setores antes dominados pelo modal rodoviário. A demanda prioritária para cada concessão do transporte de carga é evidenciada na Tabela 1. Tabela 1 - DEMANDA DE PRODUTOS TRANSPORTADOS Fonte: ANTT Criado pela Lei n.º 8.031/90 de 14 de abril de 1990, este Programa representou um marco para diversos segmentos da estrutura estatal estratégica por meio de privatizações/desestatizações de empresas estatais. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

201 Silvia Maria Pineschi Braun A evolução das ferrovias também é ressaltada quanto à situação de pessoas empregadas. Enquanto nos anos 90 eram empregadas pessoas, atualmente passam de pessoas (ABINFER). Isso acarreta o desenvolvimento psicossocial e circulação financeira no mercado interno, favorecendo o crescimento econômico. Seguiu-se, ainda, a instalação e criação de diversas empresas em território nacional que desenvolvem vagões de passageiros (Alstom, Bombardier, Bom Sinal, CAF Brasil, Siemens, IESA-Hitachi e Grupo MPE) com 80 % de nacionalização. Da mesma forma, o setor de locomotivas até 3000 HP (General Electric, Project way MGE e ZEIT) com 100% de nacionalização e locomotivas com mais de 3000 HP com 50 % de nacionalização. Outros produtos como dormentes (Grupo Singapure, Thermit do Brasil, etc.), molas (Randra, Marafon e Cia Ltda.), desvios hidráulicos (VAE, Voith e Altran), entre outros. Há um total de 428 empresas voltadas para o modal ferroviário, o que evita importação de produtos fabricados no Brasil. No entanto, há a impossibilidade de alguns produtos não atingirem escala de produção ou por serem muito onerosos ou por serem fabricados no Brasil, como motores eletrodiesel e dormentes. Considerando as concessões existentes e suas áreas de atuação, a extensão da malha ferroviária, suas interconexões e conexões com outros modais, são evidenciadas a situação da existência de bitolas diferentes e os seus problemas decorrentes das necessidades de transbordo de carga para o produto seguir até o seu destino. Diante deste contexto, o Governo Federal procura desenvolver políticas governamentais atreladas a programas para auxiliar o desenvolvimento do país, como o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) 1 e 2, o Plano Nacional de Logística e Transporte (PNLT) e a Câmara de Política de Integração Nacional e Desenvolvimento Regional. O PNLT consiste na retomada da valorização do Ministério dos Transportes, com base em dados georreferenciados com a participação da iniciativa privada, do setor produtivo, dos consumidores e dos governos nas três esferas, para mudar as matrizes energética e econômica de transporte, para maior eficiência logística nacional. Entre as dez premissas básicas do Plano, se destaca a ideia de que é um Plano de Estado, buscando atender à nação e os Estados, continuadamente, com foco no aspecto logístico, com gestão institucional e garantindo a segurança nacional, a territorialidade e o meio ambiente. Por conseguinte, a infraestrutura de ferrovias entra na pauta para ser implantada conforme a necessidade econômica regional de desenvolvimento. Com o mesmo propósito, os PAC 1 e 2, mais que planos de expansão do investimento, pretendem introduzir um novo conceito de investimento em infraestrutura no Brasil. Um conceito que faz das obras de infraestrutura (energia, transporte e comunicações) um instrumento de universalização dos benefícios econômicos e sociais para todas as regiões do País. Esse plano busca estimular a 200 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

202 Expansão da Malha Ferrov. Brasileira e Sul-Americana para o Desenvolvimento e Integração Regional eficiência produtiva dos principais setores da economia, impulsionar a modernização tecnológica, acelerar o crescimento nas áreas já em expansão, e ativar áreas deprimidas, aumentar a competitividade e integrar o Brasil com seus vizinhos e o mundo. Surge assim a Câmara de Política de Integração Nacional e Desenvolvimento Regional, iniciativa governamental que busca o desenvolvimento integrado e sustentável, sob a coordenação da Casa Civil da Presidência da República, de modo a promover ações coordenadas, aproveitando complementaridades e proporcionando desenvolvimento e sustentabilidade das políticas estabelecidas. Estas políticas são priorizadas de acordo com as necessidades, problemas e potencialidades locais, consideradas as diretrizes políticas estaduais, municipais e das sociedades locais. Com isso, os recursos e os passos do desenvolvimento dos modais, principalmente o ferroviário, são acompanhados para proporcionarem o desenvolvimento regional e nacional. Desta forma, nos dias atuais, têm-se diversas linhas de ação para instituir o desenvolvimento e a integração do país, com a participação de diversos atores políticos de expressão nacional que podem influir no processo decisório favorável à consecução dos programas e planos. Salientam-se, por isso, programas complementares aos já citados, como: o Programa de Promoção da Sustentabilidade de Espaços Sub-Regionais, o Programa de Promoção e Inserção Econômica de Sub-Regiões, o Programa de Desenvolvimento da Faixa da Fronteira e o Programa de Gestão da Política de Desenvolvimento Regional e Ordenamento Territorial. Todos, parte constituinte do plano de governo de desenvolvimento do país e de sua integração. Assim, como os anteriores, o Plano Brasil Maior delineia uma nova política industrial, tecnológica, de serviços e de comércio exterior, com o objetivo de aumentar a competitividade dos produtos nacionais, a partir do incentivo à inovação e à agregação de valor. Tendo-se o conhecimento dos programas para desenvolvimento econômico e social brasileiro, de toda malha ferroviária nacional atual e das concessões ferroviárias, é notório que a infraestrutura ferroviária existente não atende às pretensões governamentais de integrar o território nacional e o mercado interno, a fim de melhorar a logística. Contudo, antes de apresentar as necessidades de expansão da malha ferroviária brasileira, será apresentada a matriz nacional de transporte, com suas distorções, eficiência operacional dos sistemas de transporte, a sua economicidade e o impacto no meio ambiente Aspectos econômicos A matriz de transporte do Brasil reflete a falta de planejamento a longo prazo e a indisponibilidade de recursos financeiros em um período da história em que Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

203 Silvia Maria Pineschi Braun imperava uma inflação alta, precariedade de tecnologia e capacitação das indústrias para fabricação de produtos para os transportes, como o aquaviário e ferroviário. O país teria que importar muito material e equipamento para implantar ferrovias e o modal aquaviário no processo agroexportador. Com isso, o custo e o benefício teriam uma disparidade muito grande para a economia nacional na, época, voltada para o modal rodoviário, refletida na Tabela 2. Meio de transporte Tabela 2 - MATRIZ DE TRANSPORTE DO BRASIL Total de tonelada x Km úteis cargas transportada 2006 (%) Previsão 2023(%) Rodoviário Ferroviário Aquaviário Dutoviário 3,6 5 Aéreo 0,4 1 Fonte: PNLT do Ministério dos Transportes Para se entender o porquê de implantar outros modais, além do rodoviário, será apresentada a eficiência dos meios de transporte. Se for considerado o consumo de combustível e custo de transporte, a eficiência do transporte rodoviário chega até aos 400 quilômetros, o ferroviário fica dos 900 aos 1500 quilômetros e o aquaviário acima dos 1500 quilômetros. Do mesmo modo, um vagão graneleiro que transporta 100 toneladas de grãos teria sua equivalência equiparada a uma locomotiva com cem vagões transportando o equivalente a 357 caminhões de 28 toneladas. Outra maneira de compararem-se os transportes é por meio do emprego da energia para transporte de carga com potencia de um HP (Horse Power). Com a mesma potência de um HP, em meio aquático se transporta 4000 quilogramas, em meio ferroviário se desloca 500 quilogramas, por meio rodoviário se transporta 150 quilogramas e por via aérea se transporta 6 quilogramas. Além disso, pode-se fazer referência à capacidade dos diferentes modais quando se utiliza a energia de um quilo de carvão mineral para transportar uma tonelada. O comparativo ficaria conforme Tabela 3: 202 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

204 Expansão da Malha Ferrov. Brasileira e Sul-Americana para o Desenvolvimento e Integração Regional Tabela 3 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE TRANSPORTE Meio de transporte Distância percorrida (quilômetros) Aquaviário 40,0 Ferroviário 20,0 Rodoviário 6,5 Fonte: ANTT e COPPEAD A equivalência de rendimento e economicidade entre modais de transporte faz da ferrovia a mais viável para o país, pois os polos agroindustriais e agropecuários estão além de 400 quilômetros de distância dos portos de exportação, e atendidas por rodovias com sérias dificuldades de manutenção, um dos principais gargalos. Levando-se em consideração o terreno e a necessidade de transporte, o modal hidroviário, o mais econômico, não atende a todas as áreas produtivas do Brasil. Os rios não podem ser mudados de curso para atender as áreas produtivas que necessitam de escoamento para centros consumidores ou polos industriais. Por isso, as ferrovias se tornam o modal mais conveniente, pois o peso transportado do produto, a distância a ser percorrida e a quantidade acentuam a economia. Contudo, o emprego da multimodalidade é a forma mais eficiente para aproveitar o máximo de efetividade no transporte nacional. No aspecto de poluição do meio ambiente, para transportar uma tonelada a uma distância de 1500 quilômetros, um trem produz três vezes mais CO2 e um caminhão produz nove vezes mais do mesmo gás que um rebocador. O transporte aquaviário é mais sustentável, mas possui restrição de transporte no centro-sul do país, quanto à proximidade dos centros de produção, Região Centro-Oeste, e de beneficiamento ou polos industriais. Ainda que alinhado com a análise no campo econômico, passam-se a abordar em seguida outros aspectos relevantes. Com os vários programas nacionais, que abordam o aproveitamento das áreas com suas peculiaridades e vocação produtiva, bem como corredores de transporte no mercado interno, o Brasil vem perseguindo o desenvolvimento integral de seus Estados, de acordo com o posicionamento econômico-político do mercado internacional. Com a sobreposição do mapa da malha ferroviária brasileira sobre o que foi anteriormente comentado, observa-se que a malha ferroviária existente se concentra em áreas de recursos naturais seguindo na direção dos polos industrializados e com intensidades tecnológicas média e alta. Já as Regiões Centro- Oeste e Norte não possuem a mesma concentração de estradas de ferro, o que dificulta o escoamento da produção, extrativismo, minérios e outros produtos da margem direita do rio Amazonas. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

205 Silvia Maria Pineschi Braun O Governo ciente da situação, com impasses burocráticos devido às concessões, buscou normatizá-las e regularizá-las por meio de resoluções, amparadas na agência reguladora do transporte terrestre, a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), do Ministério do Transporte (MT). Surgiu com isso a resolução número 3.694, de 2011, que busca regulamentar a situação dos usuários dos serviços de transporte ferroviário de cargas, estabelecendo o regulamento às empresas que contratam as Concessionárias para Transportar suas Cargas. À esteira da anterior surgiram outras duas: a resolução número 3.695, de 2011, que regulamenta as Operações de Direito de Passagem e Tráfego Mútuo, visando à integração do Sistema Ferroviário Nacional. Diante desta resolução, as empresas terão que acordar com outras o uso da via concedida, a fim de propiciar maior emprego da malha ferroviária disponível. A última resolução, a de número 3.696, também de 2011, pactua as metas de produção por trecho e metas de segurança para as concessionárias de serviço público de transporte ferroviário de cargas. Estas resoluções não se limitam a tratar dos pontos elencados, mas buscam discipliná-los por meio de regras para novos investimentos de elevada importância para a superação de gargalos logísticos que diminuem o potencial das ferrovias brasileiras. Em suma, elas reequilibram a relação entre a concessionária e os usuários, pois estes são a parte mais frágil e precisam de um quadro legal que garanta seus direitos. Não é possível que os ganhos de produtividade das ferrovias, proporcionados, em parte, pelos volumes contratados pelos usuários, sejam aspirados pelas concessionárias que, em última instância, são prestadoras de serviços públicos. A aplicação imediata dessas mudanças operacionais tornará o transporte ferroviário mais eficiente e trará benefícios ao País, reduzindo empecilhos logísticos normativos, tornando a produção nacional mais competitiva. Também deve ser levado em conta que o atraso na infraestrutura de transporte e a falta de visão multimodal provocam custos logísticos de 11,6% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, contra 8,7% nos Estados Unidos, diferença que representa R$ 120 bilhões, aproximadamente o lucro total das 500 maiores empresas nacional no ano de 2010, segundo a última edição de Melhores e Maiores, da Revista Exame. Para ultrapassar este percalço; o país necessita investir na infraestrutura de transporte, por volta de R$ 400 bilhões para transformar os obstáculos em fator de competitividade, segundo o Plano CNT de Transporte e Logística Inserem-se neste bojo outros R$ 57 bilhões para a construção de 500 km de metrôs ou trens urbanos e implantação dos Veículos Leves sobre Trilhos (VLT), nas principais cidades do país. A fim de apresentar as vantagens dos VLT, segue as seguintes comparações. Um trem com capacidade de 1800 passageiros equivale a 43 ônibus ou 200 vans 204 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

206 Expansão da Malha Ferrov. Brasileira e Sul-Americana para o Desenvolvimento e Integração Regional ou 1200 veículos particulares. Isso representaria uma retração na quantidade de ônibus e veículos de transporte, nas ruas das principais cidades do país, diminuindo os congestionamentos urbanos e propiciando um desenvolvimento sustentável. Ainda com transporte de passageiros surgem os Trens de Alta Velocidade (TAV), os quais gerariam empregos diretos e indiretos, na fabricação de vagões, locomotivas, acessórios e equipamentos, além de acarretar a evolução na área tecnológica pela passagem de projetos com turn key 6, o que viabiliza a passagem de conhecimentos. De outra forma, acarretaria a redução no tempo de deslocamento, maior competitividade entre aeronaves e trens entre as cidades beneficiadas e redução de congestionamentos em aeroportos e rodovias. Havendo decisão política, os recursos aparecem. E, tal qual na política industrial e de inovação, o Governo deveria buscar parcerias na iniciativa privada, para suprir suas deficiências de capital e gerência para superar os gargalos em infraestrutura de transporte. A tentativa de melhorar esta situação é o planejamento de desembolso previsto com o PAC 1 e 2, PNLT e Plano de Logística Brasileira (pelo Conselho Nacional de Transporte), que fica a mercê da situação do mercado financeiro mundial, com seus altos e baixos devido à especulação financeira. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por meio do Departamento de Energia Elétrica, informou que existem na carteira do Banco 268 projetos, distribuídos da seguinte forma: 113 destinados à energia alternativa, 16 em hidrelétricas, 21 para a área de distribuição de energia, 31 para transmissão, 9 na área de ferrovias, 29 em rodovias e 16 térmicas, ou seja, há previsão de desembolso a fim de efetivar obras para desenvolvimento do país e integrá-lo. A situação atual dos empreendimentos esta sendo levada ao cabo pela VALEC Engenharia, Construção e Ferrovia, empresa pública, responsável por construir quilômetros de ferrovias até o final de 2015, o equivalente a 40% da malha ferroviária atual. As Estradas de Ferro (EF) 151, 267, 334 e 354, fazem parte dos serviços da VALEC, enquanto o que falta para completar os quilômetros de estradas de ferro de 1,60 metros e 859 quilômetros de 1,00 metros é de responsabilidade de outras instituições (EF 232- Transnordestina). A EF 151, Ferrovia Norte-Sul, que hoje transporta, principalmente, soja, farelo de soja, fertilizantes e combustíveis, passaria a transportar produtos manufaturados, em container, da região de Manaus para a região Centro-Sul. A Região Sul e o Mato Grosso do Sul (MS) receberiam as benesses da EF 151. Anunciado pelo governo federal em abril deste ano, através de um acordo firmado entre Brasília e o Conselho de Desenvolvimento do Sul, que reúne RS, SC, PR e MS, os estados se comprometem a realizar esforços conjuntos de apoio à proposta federal. Esforço este para que a VALEC, realize os estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental para a 6 Projetos fechados. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

207 Silvia Maria Pineschi Braun realização do projeto. O ramal ferroviário entraria no Rio Grande do Sul (RS) pela cidade de Erechim e iria até o porto de Rio Grande. Isso viabilizaria a integração do país e o deslocamento de mercadorias de Norte a Sul, entre os dois portos nos extremos da linha férrea, Barbarena ou Belém e Rio Grande, gerando maior circulação de mercadorias e, consequentemente, o desenvolvimento. Além das EF já citadas, tem-se a 334, denominada de Ferrovia de Integração Oeste- Leste (FIOL), integrando a região de Figuerópolis, no Tocantins, até Ilhéus, na Bahia, com o transporte de grãos, algodão, insumos agropecuários, minérios e fertilizantes. Com isso, tornando os produtos transportados por ferrovias mais competitivos, favorecendo o crescimento econômico e aumentando a integração da região. Não distante, a EF 267 (em projeto), a Ferrovia do Pantanal ligaria Panorama, em São Paulo, até Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, transportando minérios, calcário, cimento, soja, carne de frango e de gado. Tudo isso, por que há a possibilidade de ligação com a EF 280, a ferrovia do frango, que liga Chapecó e Itajaí, em Santa Catarina, por meio da conexão na cidade de Dourados, no MS, de onde pode sair pela hidrovia Paraná-Paraguai, ou via férrea pelo Paraguai, melhorando a economia e ligando o interior do Brasil. Outro aspecto que favorece o desenvolvimento do país é a capacitação de pessoal fornecida em parcerias com instituições de ensino e a iniciativa privada, na área de engenharia ferroviária, com cursos técnicos (ABIFER, ALL, Siemens, VALE, AmstedMaxion, MRS, SENAI, Escola James Stewart e Escola Técnica Silva Freire) e de especialização (Universidade Federal de Juiz de Fora, POLI/USP e Instituto Militar de Engenharia), ampliando ainda mais os horizontes no transporte ferroviário. Sendo assim, a malha ferroviária nacional passaria a ter a situação propícia a integração do país por meio do modal ferroviário, conforme Anexo F.2 e F.3. Por conseguinte, o desenvolvimento, com aproveitamento do potencial das áreas integradas, suas matérias-primas, indústrias, serviços, capital econômico disponível para empregar, força de trabalho (rural e urbana), polos tecnológicos e comércio existente, poderiam criar uma conexão ferroviária com outros modais (rodoviário, marítimo e fluvial), já existentes. Com isso aumentaria a competitividade dos produtos nacionais e diminuiriam os problemas nas interconexões de malhas e modais Aspectos relacionados ao Campo Militar Quanto ao aspecto militar, o principal seria o carreamento de meios e pessoas para áreas que necessitassem de concentração para fins belicosos e de apoio logístico, pois possibilitaria a distribuição de suprimentos com maior facilidade estratégica, em praticamente todo o território nacional. Além disso, tornaria viável o emprego de um transporte mais barato para a 206 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

208 Expansão da Malha Ferrov. Brasileira e Sul-Americana para o Desenvolvimento e Integração Regional realização de adestramentos, a exemplo do que é realizado na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), utilizando a malha ferroviária da MRS Logística para deslocamento de tropas em exercícios. Da mesma forma, a facilidade de apoio logístico de manutenção em localidades mais longínquas, aos equipamentos e viaturas, em tempo de paz, ao invés do sobrecarregado modal rodoviário, minimizando a vulnerabilidade logística de apoio de manutenção pesada. Da mesma maneira, o apoio à mobilidade estratégica para o interior do país em convulsões internas, apoio sanitário à tropa e evacuação em apoio à tropa seriam facilitados. Com a Política de Defesa Nacional (PDN) 7, foi viabilizada uma agenda para que o Ministério da Defesa apresente ao Ministério dos Transportes uma programação de investimentos de médio e longo prazos, a fim de que as vias de transporte sejam priorizadas conforme as necessidades estratégicas advindas de Hipóteses de Emprego. Desta forma, poderão ser incluídas as vias de transporte de acordo com as prioridades no PNLT. Contudo, será trocada a denominação desta política para Política Nacional de Defesa (PND) no final do ano de 2011, a fim de evocar todos os demais ministérios em suas áreas de atuação na Defesa do país. Avulta-se com isso, a necessidade de seguir as orientações estratégicas de número 6.6 da PDN, onde a Expressão Militar do País deve fundamentar-se na capacidade das Forças Armadas e no potencial dos recursos nacionais mobilizáveis para defender o Brasil. Com isso, fica evidente a necessidade de entendimentos de mobilização para a nação, por meio da percepção da sociedade, surgindo à viabilidade de aproximar produtos de defesa e empresas estratégicas da área ferroviária para beneficiar as ações de mobilização, como a MRS Logística, VALE e CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), por exemplo. Assim, surge a possibilidade de adentrar a Amazônia por via férrea até as cidades de Vilhena e Porto Velho, ambas em Rondônia e outra linha até a cidade de Santarém, no Pará, pois a manutenção da normalidade no transporte à Região Centro-Sul do país por rodovias deve permanecer sem prejuízo. Isso porque a Força Terrestre deve apoiar as suas tropas empregadas em possíveis Zonas de Combate e Administrativa com outra linha de ação que não só a via rodoviária, que pode se deteriorar com o excesso de peso e prejudicar as vias de acesso normais de Manaus e Porto Velho. Isso tudo, porque o emprego militar, em caso de guerra, deve interferir o mínimo na vida do país. Deve-se buscar a manutenção da rotina do país na sua Zona Interna, onde não deverá haver combates, mas a segurança da população com as Forças Auxiliares. Seguindo o raciocínio da PDN, no número 7, das Diretrizes, vem o inciso XIII, que apresenta o fortalecimento da infraestrutura de valor estratégico para a Defesa Nacional, prioritariamente a de transporte, energia e comunicações. Além 7 Política de Defesa Nacional - Decreto N.º 5.484, de 30/06/2005. Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

209 Silvia Maria Pineschi Braun deste inciso, o XIV busca promover a interação das demais políticas governamentais com a Política de Defesa Nacional, o que facilitaria em muito a ação operacional na Amazônia ou em qualquer porção do território nacional. Assim, como a área a ser servida pela malha ferroviária seria aumentada em torno de quilômetros, de Norte a Sul e de Leste a Oeste, seria positivo para o país tal empreendimento no campo militar Considerações Parciais Levando-se em conta a malha ferroviária existente, em estado precário, a necessidade de melhorias a serem feitas, devido à exigência do mercado nacional e mundial para transformar pessoas e os produtos nacionais mais competitivos, os planos e programas governamentais e da iniciativa privada estão facilitando o acesso das mercadorias dos diversos setores ao transporte ferroviário. Esses empreendimentos estão auxiliando no desenvolvimento do país e na integração da população brasileira por meio do acesso a mercadorias de outras áreas do território nacional. Não obstante, colabora com a Expressão do Poder Militar por facilitar, nos deslocamentos de pessoal e de suprimentos logísticos em caso de exercícios ou de necessidade estratégica para o país, o atingimento de todos os pontos de seu território. 2.2 Malha de transporte da América do Sul Histórico A primeira ferrovia da América do Sul foi inaugurada em 1851, no Peru, com um trecho de 14 quilômetros, entre Lima e Calero. Um ano depois, em 1852, o Chile inaugurou sua primeira ferrovia, cuja construção teve início em O principal emprego, nos países que as utilizavam, era transportar as mercadorias de exportação aos portos, tanto os do Oceano Pacífico como os do Atlântico. Assim, foram instaladas as primeiras linhas férreas no continente, ligando os centros consumidores e exportadores nacionais, atendendo ao trânsito de pessoas e de mercadorias. Cabe salientar que alguns países não as empregaram para integração regional, por questões do terreno ou vegetação, que impediam sua construção. Entre esses, pode-se salientar a Venezuela, Equador, Guiana e Suriname. Com o passar do tempo, as linhas férreas diminuíram de tamanho devido ao incremento das rodovias, com veículos produzidos em grande escala e possibilitando a entrega de produtos de porta em porta. Os novos interesses do mercado, na década de 1960, também contribuíram para a diminuição das ferrovias, pois a indústria de material ferroviário era diminuta, embora não desprezível. Com isso, o material para conservação tornava-se oneroso 208 Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez. 2012

210 Expansão da Malha Ferrov. Brasileira e Sul-Americana para o Desenvolvimento e Integração Regional para os países sul-americanos, no contexto da época. Assim, ficou restrito a interesses de exportadores de materiais em grandes volumes e pesados, em enviálos diretamente aos portos e, daí, para o mercado externo, o que fez a malha férrea diminuir na média de 26,1%, no período avaliado. Tabela 4 - EVOLUÇÃO DA MALHA FERROVIÁRIA SUL-AMERICANA ( ) Situação Atual Destaca-se que a América do Sul possui uma região verdadeiramente amazônica, outra andina e a considerada como cone sul. Observa-se que os obstáculos naturais, a mata Amazônica e a Cordilheira dos Andes, forçaram os países a maior ou menor coalizões, visando à obtenção de interesses comuns. Assim, como programas e planos nacionais para desenvolvimento e integração desses países, há programas brasileiros e sul-americanos que convergem para políticas públicas setoriais e regionais, como o Programa Faixas de Fronteiras. Além disso, há política de estado que regem as estratégias dos países, como o Mercado Comum do Sul (MERCOSUL), Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), Comunidade Andina de Nações (CAN), União das Nações Sul-Americanas (UNASUL) e Iniciativa de Integração da Infraestrutura Sul- Americana (IIRSA). O programa Faixas de Fronteira busca o fortalecimento das regiões de fronteira e de seus subespaços, envolvendo a Amazônia, a região central e o MERCOSUL. Configura-se como uma oportunidade de adquirir a competitividade necessária, para o desenvolvimento sustentável integrado com os países da América do Sul, o que estimula investimentos em arranjos e cadeias produtivas prioritárias para o desenvolvimento sustentável de regiões menos dinâmicas. Com isso, otimiza benefícios sociais deles decorrentes, o desenvolvimento local e a integração da América do Sul. O mesmo ocorre com o MERCOSUL, que busca a integração da Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela, com outros países, por meio de planos Caderno de Estudos Estratégicos de Log. e Mob. Nac., v.1, n.4, p , jan./dez

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Internacionalização da Amazônia

Internacionalização da Amazônia Internacionalização da Amazônia Cristovam Buarque A partir dos anos 1970, o planeta deixou de ser um conceito abstrato apenas dos geógrafos e astrônomos e começou adquirir uma dimensão concreta para os

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

Excelentíssimo Senhor (a) Ministro (a)...

Excelentíssimo Senhor (a) Ministro (a)... Excelentíssimo Senhor (a) Ministro (a)... O Procurador-Geral da República, nos autos da Petição nº 3388 em que é requerente Augusto Afonso Botelho Neto e requerida a União, tendo em vista as condições

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

SHOW DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO! VALE A PENA LER!?

SHOW DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO! VALE A PENA LER!? SHOW DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO! VALE A PENA LER!? ESSA CALOU OS AMERICANOS.!!! SHOW DO EX-MINISTRO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO NOS ESTADOS UNIDOS Essa merece ser lida, afinal não é todo dia que um brasileiro

Leia mais

Viabilidade Jurídica do Projeto de Carbono da Comunidade Suruí. Questões analisadas

Viabilidade Jurídica do Projeto de Carbono da Comunidade Suruí. Questões analisadas Viabilidade Jurídica do Projeto de Carbono da Comunidade Suruí Rodrigo Sales Viviane Otsubo Kwon FUNAI Brasília DF 19 de fevereiro de 2009 Questões analisadas Elegibilidade dos participantes; Titularidade

Leia mais

CONSTITUCIONALIDADE DA LEI DO PETRÓLEO E DA ADOÇÃO DE NOVOS REGIMES DE CONTRATAÇÃO

CONSTITUCIONALIDADE DA LEI DO PETRÓLEO E DA ADOÇÃO DE NOVOS REGIMES DE CONTRATAÇÃO CONSTITUCIONALIDADE DA LEI DO PETRÓLEO E DA ADOÇÃO DE NOVOS REGIMES DE CONTRATAÇÃO PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos FEVEREIRO/2009 Paulo

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente,

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente, ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/06/2013. MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, No dia

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

Principais temas em conflito UHE Belo Monte. Marcia Camargo Eletrobras

Principais temas em conflito UHE Belo Monte. Marcia Camargo Eletrobras Principais temas em conflito UHE Belo Monte Marcia Camargo Eletrobras Set/2012 Localizada no rio Xingu, Estado do Pará; Capacidade total instalada de 11.233,1 MW; Previsão de entrada em operação de sua

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte.

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. A contratação de servidores por prazo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público e a competência da Justiça do Trabalho. Cleber Lúcio de Almeida 1 I. Constitui objeto

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme86242 DE-SM Diário da Justiça de 09/06/2006 03/05/2006 TRIBUNAL PLENO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES EMBARGANTE(S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO EMBARGADO(A/S) : FERNANDA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 18/11/2014 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 804.674 SÃO PAULO RELATOR : MIN. ROBERTO BARROSO AGTE.(S) :MUNICÍPIO DE SANTOS PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA Em nome de seus Povos, os Governos representados naconferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, animados pelo desejo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas!

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Os povos indígenas Kaingang, Guarani, Xokleng, comunidades Quilombolas do Rio Grande

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452, de 1º

Leia mais

MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000

MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000 MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000 Brasília (DF), junho de 2015. No dia 19 de maio de 2015, na Câmara dos Deputados, organizações e movimentos sociais, indígenas, indigenistas e ambientalistas, junto

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Brasília (DF), junho de 2015.

Brasília (DF), junho de 2015. Brasília (DF), junho de 2015. No dia 19 de maio de 2015, na Câmara dos Deputados, organizações e movimentos sociais, indígenas, indigenistas e ambientalistas, junto com as Frentes Parlamentares de Apoio

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros Da competência privativa da União para legislar sobre seguros A autonomia das entidades federativas pressupõe repartição de competências para o exercício e desenvolvimento de sua atividade normativa. (HORTA,

Leia mais

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ Segue um relato de uma pessoa conhecida e séria, que passou recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em Roraima: Trata-se de um Brasil que a gente não conhece.

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS Maria Carolina de Sá França* RESUMO Este artigo objetiva desenvolver um estudo a cerca das cotas raciais na perspectiva das

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 18, de 2011 (Projeto de Lei nº 4.605, de 2009, na origem), do Deputado

Leia mais

Consultor Legislativo da Área XVII Segurança e Defesa Nacional

Consultor Legislativo da Área XVII Segurança e Defesa Nacional OBRIGATORIED ORIEDADE DE CRIAÇÃO DE GUARD ARDAS AS MUNICIPAIS EM TODOS OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS JOÃO RICARDO CARVALHO DE SOUZA Consultor Legislativo da Área XVII Segurança e Defesa Nacional OUTUBRO/2000

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2014 JULGAMENTO DOS RECURSOS CONTRA QUESTÕES E GABARITO DAS PROVAS ESCRITAS Número de recursos Prova/Conteúdo Questão Despacho Decisão Dois candidatos impetraram recurso

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO RELATOR

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO RELATOR Nº 1696/PGR/DD PETIÇÃO Nº 3.388/RR RELATOR: MINISTRO AYRES BRITTO REQTE : AUGUSTO AFFONSO BOTELHO NETO REQDO : UNIÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO RELATOR A PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA, em exercício,

Leia mais

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva.

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva. Goiânia e Heidelberg, 02 de setembro de 2015 Senhora Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes, Brasília DF Ref.: Ataque à comunidade Guarani

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

O diploma e o exercício da profissão de Jornalista.

O diploma e o exercício da profissão de Jornalista. O diploma e o exercício da profissão de Jornalista. A intenção deste artigo é de forma imparcial trazer as verdadeiras informações sobre o caso, sem opinar ou influenciar no mérito (motivo) da discussão,

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 2.576, DE 2000

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 2.576, DE 2000 PROJETO DE LEI Nº 2.576, DE 2000 (Apensos: PL s nºs 4.399, de 2001; 4.505, de 2001; 4.587, de 2001; 5.241, de 2001; 5.843, de 2001; 6.835, de 2002) Dispõe sobre a instalação de fontes emissoras de radiação

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 21- Compete à União: TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO I - Manter relações com Estados estrangeiros e participar de organizações internacionais; II - Declarar a guerra e celebrar

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL A organização político administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal, e os Municípios, todos autônomos, nos termos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI)

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Processo de sua criação no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, com vistas ao estabelecimento de um Código

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

19/08/2014 PRIMEIRA TURMA : MIN. ROBERTO BARROSO ÓLEOS LTDA QUEIROZ E OUTRO(A/S)

19/08/2014 PRIMEIRA TURMA : MIN. ROBERTO BARROSO ÓLEOS LTDA QUEIROZ E OUTRO(A/S) Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 19/08/2014 PRIMEIRA TURMA EMB.DECL. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 628.848 RIO GRANDE DO SUL RELATOR EMBTE.(S) ADV.(A/S) EMBDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão DJe 14/08/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 26/06/2012 SEGUNDA TURMA AG.REG. NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 837.350 SÃO PAULO RELATOR : MIN. JOAQUIM BARBOSA AGTE.(S) :DIVICOM ADMINISTRADORA

Leia mais

Da competência privativa da União

Da competência privativa da União Opinião 38 Da competência privativa da União Para legislar sobre seguros ALESSANDRA CARNEIRO A autonomia das entidades federativas pressupõe repartição de competências para o exercício e desenvolvimento

Leia mais

Presidente do TRF5 faz palestra em encontro dos advogados das União >Encontro acontece de 15 a 17 deste mês no Atlante Plaza 06/11/2006-17:00

Presidente do TRF5 faz palestra em encontro dos advogados das União >Encontro acontece de 15 a 17 deste mês no Atlante Plaza 06/11/2006-17:00 Presidente do TRF5 faz palestra em encontro dos advogados das União >Encontro acontece de 15 a 17 deste mês no Atlante Plaza 06/11/2006-17:00 O presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5),

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL O Governador do Estado Y, premido da necessidade de reduzir a folha de pagamentos do funcionalismo público estadual, determinou que o teto remuneratório dos Defensores

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes Nos Estados Unidos o uso de nações indígenas serviu como uma espécie de senha para a tomada

Leia mais

crenças, a proteção em seus territórios ou ainda a garantia de posse das terras ocupadas por eles.

crenças, a proteção em seus territórios ou ainda a garantia de posse das terras ocupadas por eles. Os índios do Brasil Muitos foram os temas tratados pela mídia com o início nessa primeira década do século XXI. As questões econômicas, a instabilidade e desvalorização cambial, quebras de países da zona

Leia mais

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos Nota Técnica nº 07/2008 SINASEFE. Dispositivo do Estatuto que permite a incorporação de outros sindicatos à entidade, na condição de seções sindicais. Análise da legalidade da disposição à luz da Constituição

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL COORDENAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES INDÍGENAS DA AMAZÔNIA BRASILEIRA COIAB, organização indígena de caráter associativo, de direito privado e sem fins

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Diário da Justiça de 12/05/2006 18/04/2006 PRIMEIRA TURMA RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE RECORRENTE(S) : CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO - CEFET/MA ADVOGADO(A/S) : PROCURADORIA-GERAL

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

Licitações sustentáveis Como fazer?

Licitações sustentáveis Como fazer? Licitações sustentáveis Como fazer? Madeline Rocha Furtado Monique Rafaella Rocha Furtado Palavras chave: Licitações. Sustentabilidade. Contratações públicas. Sumário: Introdução Da Lei de Licitações Introdução

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO Procuradoria-Geral de Justiça EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS A PROCURADORA-GERAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS, no uso das atribuições

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 26.448 - CLASSE 22 a - NATAL - RIO GRANDE DO NORTE. Relator: Ministro Ricardo Lewandowski. Agravante: Wilma Maria de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 10/02/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 08/12/2011 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 600.867 SÃO PAULO RELATOR : MIN. JOAQUIM BARBOSA

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2012.

Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2012. ;/ / -/ Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2012. Ref.: Indicação 094/2011, sobre Projeto de Lei Complementar n 116/2007 de autoria da Deputada Elcione Barbalho que "Desonera do Imposto sobre a Propriedade

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 447.888 - RO (2002/0084713-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : ADMINISTRADORA E CORRETORA DE SEGUROS - RONSEG ADVOGADO : ODAILTON KNORST RIBEIRO RECORRENTE : SUL AMÉRICA

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 89457 AL (2008.05.00.054927-8) AGRTE : LUCAS FERREIRA DE CARVALHO ASSIST : ELIANE FERREIRA DE M. E SILVA ADV/PROC : LUIS GUSTAVO GONÇALVES VIEIRA FIRMINO AGRDO : UFAL - UNIVERSIDADE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO 1 PARECER nº 1075/2003 REQUERENTE: ROFINO MARCON E OUTROS END. RUA JOÃO CAETANO n. 507 PROCESSO n 2.249815.00.4 ASSUNTO: Limitação ambiental. Área não edificável. Projeto especial para alteração do regime

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 266, DE 2007 (Apensos: PLs n os 453/2007, 701/2007, 6.519/2009 e 3.729/2012) Altera a Lei nº 9.985, de 2000, que regulamenta o

Leia mais

O TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA

O TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA O TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA As Repúblicas da Bolívia, do Brasil, da Colômbia, do Equador, da Guiana, do Peru, do Suriname e da Venezuela, CONSCIENTES da importância que para cada uma das Partes têm

Leia mais

LEI Nº 2.673, DE 24 DE AGOSTO DE 2010. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a

LEI Nº 2.673, DE 24 DE AGOSTO DE 2010. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a LEI Nº 2.673, DE 24 DE AGOSTO DE 2010 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Altera a Lei nº 2.396,

Leia mais