Processo de software: do alinhamento estratégico até a sustentação do software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de software: do alinhamento estratégico até a sustentação do software"

Transcrição

1 Processo de software: do alinhamento estratégico até a sustentação do software Renata Assunção Farias Introdução Em 2007, após pesquisa com órgãos da Administração Pública Federal (APF), o TCU atestou a grave situação da governança e da gestão de tecnologia da informação (TI) nos órgãos e recomendou por meio do Acórdão 1.603/2008 que os órgãos governantes superiores promovessem ações no sentido de disseminar a importância do planejamento estratégico, procedendo inclusive, mediante orientação normativa, ações voltadas para o aperfeiçoamento do planejamento estratégico institucional, planejamento estratégico de TI e comitê diretivo de TI, com vistas a propiciar a alocação dos recursos públicos conforme as necessidades e prioridades da organização. Em 2010, nova pesquisa foi realizada para acompanhamento da situação da governança na APF e demonstrou que houve uma melhora nos números de órgãos que fazem o planejamento estratégico institucional, mas número de órgãos que fazem planejamento de TI ainda é preocupante visto que o TCU é pacífico quanto à necessidade de planejar as contratações de TI em harmonia com o planejamento estratégico institucional. Neste cenário, é importante perceber que a governança de tecnologia da informação ainda tem muito a melhorar, mas já está sendo tratada como um assunto de relevância dentro da APF. Delimitação do problema A ausência de uma metodologia de desenvolvimento de sistemas, onde são definidos processos TI para o desenvolvimento de um software, dificulta o trabalho dos servidores dos órgãos integrantes do SISP, pois apesar de a maioria dos órgãos não desenvolverem internamente, é necessário saber quais os artefatos devem ser cobrados da empresa contratada para que o conhecimento do software fique internalizado. Além disso, é necessário saber como avaliá-los para dar o aceite com a certeza de que o produto corresponde ao esperado. Assim, o problema que pretende ser superado com esta proposta é a ausência ou pouca maturidade dos órgãos integrantes do SISP em processos de alinhamento estratégico, segurança da informação, gestão de projetos, engenharia de software, produção colaborativa e contratação. Este tema é bastante relevante, pois o objetivo deste processo de software é ser usado pelos diversos órgãos do SISP para que assim, eleve o grau de maturidade e promova a utilização responsável e mais eficiente dos recursos públicos, a elevação dos níveis de qualidade e controle das soluções, o alinhamento das soluções ao planejamento estratégico, a retenção da inteligência das soluções nos órgãos e a padronização de processos e artefatos. O projeto tem como objetivo principal apresentar o processo de software que está sendo elaborado pela SLTI para que seja usado como referência pelos órgãos integrantes do SISP. Tal objetivo se dedobra especificamente nos seguintes itens: Detalhar quais as fases do processo. Detalhar quais as disciplinas do processo. Detalhar qual o objetivo de cada fase do processo. Detalhar qual o objetivo de casa disciplina do processo. 1

2 Desenvolvimento Para que haja uma boa governança de TI, é necessário que os processos de ti estejam alinhados aos negócios da organização. Por isso, se faz necessária uma constante avaliação e melhoria dos processos de TI. Talvez por isso, em pesquisa de auto-diagnóstico realizada pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), cujo objetivo era conhecer os órgãos e suas necessidades, constatou que a Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) é a uma das maiores necessidade dos órgãos do Sistema de Administração de Recursos de Informação e Informática (SISP). O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão é o órgão central deste sistema e atua por meio da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI, na normatização, gestão e coordenação das ações do SISP. As áreas de Tecnologia da Informação dos diversos Ministérios e dos órgãos equivalentes às demais entidades do SISP, atuam como órgãos setoriais na implantação direta das ações e colaboram com a coordenação e desenvolvimento das políticas, normas e diretrizes do sistema. As fundações e autarquias são classificadas como órgãos seccionais (vinculados aos Ministérios) pertencentes ao SISP e contribuem, no âmbito de sua atuação, na coordenação e no desenvolvimento programático, normativo e diretivo das ações de TI. Neste contexto que a SLTI decidiu por elaborar um MDS que contemple todos os processos relacionados ao software. Desde a fase de alinhamento com o planejamento estratégico de TI até a fase de sustentação, passando por disciplinas de gestão de projetos, segurança da informação, software público, contratação, engenharia de software. Por isso, deu-se o nome de Processo de Software do SISP, pois não contempla apenas processos de desenvolvimento do software. Referencial teórico Existem processos de softwares adaptados para um órgão em específico, mas não há um processo que tenha sido desenvolvido para ser usado por vários órgãos e que englobe processos desde a fase de alinhamento com o planejamento estratégico de TI até a fase de sustentação. Neste capítulo, serão abordados conceitos de governança de TI, melhoria de processos de software e qualidade de software. Estes temas foram escolhidos, pois são as motivações da elaboração do processo de software do SISP. Governança de tecnologia da informação Governança de TI é definida como a especificação dos direitos decisórios e do framework de responsabilidade para estimular comportamentos desejáveis na utilização da TI. A governança de TI não consiste na tomada de decisões específicas sobre a Tecnologia da Informação a administração já faz isso -, mas determina quem sistematicamente toma decisões e contribui para elas. Reflete princípios mais amplos da governança corporativa, ao mesmo tempo em que se concentra na administração e utilização da TI para concretizar metas de desempenho corporativo. A Governança de TI eficaz estimula e amplifica a engenhosidade dos funcionários no emprego da Tecnologia da Informação e assegura a observância da visão e dos valores gerais da empresa. (Peter Weill Jeanne W. Ross, 2004, p.2) 2

3 Alinhamento estratégico de TI O alinhamento estratégico é o processo de transformar a estratégia do negócio em estratégias e ações de TI que garantam que os objetivos de negócio sejam apoiados. Atualmente, o alinhamento estratégico é bidirecional, ou seja, da estratégia do negócio para a estratégia de TI e vice-versa, pois a TI pode potencializar estratégias de negócio que seriam impossíveis de serem implantadas sem o auxílio da tecnologia da informação. Este alinhamento ocorre no dia-dia, quando os clientes de TI demandam soluções novas que mudam os requisitos do negócio estabelecidos no alinhamento estático, quando foi feito o plano de tecnologia. Chamamos de alinhamento estático a derivação da estratégia de TI a partir do plano estratégico ou de negócios da empresa e de alinhamento dinâmico a alteração da estratégica de TI em função da mudança aleatória da estratégia de negócios da empresa. Planejamento estratégico A tecnologia da informação, como as demais áreas da empresa, demanda recursos e esforços que exigem um planejamento prévio de suas ações. A principal peça desse planejamento estratégico de tecnologia da informação (Paulo Rogério Foina, 2001, p.35). O planejamento estratégico pode demorar até um ano, dependendo do tamanho e complexidade da empresa e do grau de alteração e mudanças que se pretende. Como é a principal peça de orientação da empresa para os próximos anos, não devemos terminar o plano estratégico antes de certificarmos que todos os pontos principais foram abordados com a profundidade necessária e todos os envolvidos tenham participado e estejam de acordo com os objetivos e metas estabelecidos. O comprometimento e aceitação do planejamento estratégico pelos membros da empresa, principalmente pela alta administração, são fator crítico de sucesso para a empresa nos próximos anos. As etapas adotadas no planejamento estratégico de tecnologia da informação são as seguintes: Diagnóstico amplo da situação atual da empresa: são explicitadas as principais dificuldades e potencialidades da empresa no estágio atual do mercado em que ela atua. A tecnologia da informação disponível é analisada por sua capacidade de suportar a empresa neste estágio, mostrando suas potencialidades, deficiências e pontos críticos; estabelecimento da situação desejada para o período de planejamento: estabelece para os próximos anos os objetivos a serem perseguidos pela empresa e por seus setores. A cada objetivo desejado deve-se associar metas de curto, médio e longo prazo a serem perseguidas. A tecnologia da informação necessária; definição das políticas e diretrizes básicas: explicita as políticas, diretrizes e restrições organizacionais que nortearão o detalhamento dos planos de ação (táticos). Essas políticas são relativas ao processamento, à terceirização dos serviços, às restrições orçamentárias e às restrições organizacionais; estabelecimento dos planos de ação (táticos): o resultado do planejamento estratégico é um conjunto de planos de ação formado pelo plano de informação, plano de sistemas, plano de tecnologia, plano de organização e recursos humanos, plano de capacitação e plano de revisão. Por melhor que seja o planejamento estratégico, ele está sujeito a alterações decorrentes das inovações tecnológicas que surgem no período e mudanças do ambiente externo/interno da empresa. Assim, é importante prever etapas de reavaliação do planejamento estratégico (anualmente) e pontos de averiguação do andamento de seus planos (plano de revisão). (Paulo Rogério Foina, 2001, p.35). 3

4 Documentos estratégicos relevantes no âmbito do SISP Estratégia geral de TI - EGTI: documento banalizador das diretrizes estratégicas e metas de aprimoramento institucional, visando orientar o aprimoramento da governança de TI dos órgãos integrantes do SISP. O objetivo da EGTI é elevar a maturidade da governança de TI nos órgãos integrantes do SISP com foco na integração e interação dos órgãos para que assim, possa adicionar valor às ações do governo. Além disso, a EGTI tem como objetivo que a TI seja estratégica no Governo. A primeira versão da EGTI foi publicada em 30 de dezembro de 2008 e teve como objetivo estabelecer as bases para transição da situação atual de gestão dos ambientes de informática do Executivo Federal com o pleno cumprimento da Instrução Normativa SLTI 04/2008 IN04/2008. IN04/2008: dispõe sobre o processo de contratação de serviços de tecnologia da informação pela Administração Pública Direta, Autárquica e Fundacional. Plano Diretor de TI - PDTI: instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de TI que visa atender às necessidades de informação de um órgão ou entidade por um determinado período. O PDTI contém elementos da EGTI e do PETI. A IN04 normatiza por meio de seus artigos que as contratações deverão ser precedidas de planejamento, elaborada em harmonia com o PDTI, alinhado a estratégia do órgão ou entidade. Melhoria de processos de software A melhoria de processos de software é uma ação feita para mudar os processos de uma organização para que eles sigam as necessidades de negócio de uma organização e alcancem suas metas de negócio mais efetivamente. (ISO, 2003) Um dos principais motivos para que organizações de software adotem uma visão de melhoria contínua de seus processos é o fato da qualidade do produto final depender diretamente da qualidade do processo de software adotado. Definir processos é fundamental, mas insuficiente. Processos não podem ser definidos e mantidos congelados para sempre. Processos precisam continuamente passar por mudanças e refinamentos para aumentar a sua habilidade de lidar com requisitos e expectativas da organização e do mercado no qual ela atua. Assim, processos precisam ser continuamente melhorados (Fuggetta, 2000). Uma parte importante da melhoria de processos é a avaliação de processos. A avaliação sistemática da qualidade de um processo, de seus ativos (atividades, ferramentas, procedimentos etc) e de seus produtos resultantes é essencial para apoiar a implementação de estratégias de melhoria (Fuggetta, 2000) Qualidade de software Qualidade de software é definida como a conformidade a requisitos funcionais e de desempenho, a padrões de desenvolvimento claramente documentados e a características implícitas que são esperadas de todo software profissionalmente desenvolvido. (Roger S. Pressman, 2009, p.724) 4

5 A garantia da qualidade de software é uma atividade de guarda-chuva que é aplicada ao longo de todo o processo de engenharia de software. A garantia de qualidade de software abrange métodos e ferramentas de análise, projeto, codificação e teste; revisão técnicas formais que são aplicadas a cada fase de engenharia de software; uma estratégia de teste de múltiplas fases; controle de documentação de software e das mudanças feitas nela; um procedimento para garantir a adequação aos padrões de desenvolvimento de software (quando aplicáveis); e mecanismos de medição e divulgação. (Roger S. Pressman, 2009, p.724) Desenvolvimento Núcleo de padronização tecnológica (NTP) O Núcleo de Padronização Tecnológica NPT é composto por servidores públicos de órgãos integrantes do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática (SISP) e indicados pelos membros da Comissão de Coordenação, com o objetivo de realizar estudos, sistematizar e disseminar melhores práticas, especificar soluções e levantar demandas de capacitação sobre padronização tecnológica, inclusive de bens, serviços, produtos, soluções, processos, metodologias e métricas. Desafios e problemas enfrentados O SISP tem vários desafios e problemas a serem solucionados. Um dos problemas enfrentados é a dificuldade em gerenciar contratos de desenvolvimento ou manutenção de softwares, pois a falta de conhecimento de quais artefatos devem ser cobrados para internalizar o conhecimento do software, de como avaliar os produtos entregues pela empresa contratada e quais indicadores podem medir a qualidade esperada, dificulta o gerenciamento por parte do gerente do contrato. Além disso, a pequena quantidade de profissionais de tecnologia da informação dificulta ou torna inviável, a execução dos processos de software, como o processo de levantamento de requisitos e de testes, que deveriam ser executados, preferencialmente pelos órgãos, pois assim teriam maior controle do escopo e da qualidade do projeto. Pesquisa Em 2010, foi realizada uma pesquisa por meio de formulário eletrônico enviado aos órgãos do SISP, cujo objetivo era conhecer a situação atual dos órgãos em relação a Governança de Tecnologia da Informação, Governo Eletrônico, Sistemas de Informação, Infraestrutura e Gestão de Pessoas, de forma a continuar o processo de melhoria das áreas de Tecnologia da Informação. Para fins de maior esclarecimento se apresenta a seguir alguns conceitos utilizados na pesquisa: Órgão central: A Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (SLTI/MPOG) é o órgão central do SISP. Órgãos setoriais: São os Ministérios e equivalentes (administração direta). Refere-se aqui às áreas centrais de TI, vinculadas à estrutura da Secretaria-Executiva. Órgãos seccionais: São as Fundações e Autarquias (administração indireta). Refere-se aqui às áreas centrais de TI, vinculadas à estrutura da Secretaria-Executiva ou equivalente. Órgãos correlatos: São as outras secretarias e unidades do órgão setorial ou seccional, que não a sua Secretaria-Executiva. Refere-se aqui às áreas de TI diretamente subordinadas ao órgão correlato e não à estrutura central do órgão setorial ou seccional. 5

6 Área de TI: estrutura organizada, fornecedora de serviços de TI e ligada a um dos órgãos acima descritos. Área finalística: estrutura organizacional voltada para consecução das competências legais de uma entidade do serviço público. O formulário foi respondido por 102 (cento e dois órgãos) e as perguntas que fizeram parte do questionário juntamente com os resultados gráficos das respostas seguem abaixo: 1. Qual o âmbito de preenchimento do formulário? Gráfico 01 Âmbito do Preenchimento do SISP 2. O Órgão possui carreira própria especializada em TI? Gráfico 02 Carreira Especializada em TI 3. O Órgão possui plano de capacitação para a área de TI? Gráfico 03 Plano de Capacitação de TI 4. O Órgão possui uma instância, área ou responsável pela Segurança da Informação? Gráfico 04 Responsável por Segurança da Informação 5. A área de TI adota uma Metodologia de Gerenciamento de Projetos? Gráfico 05 - Metodologia de Gerenciamento de Projetos 6. O Órgão desenvolve e/ou mantém internamente sistemas de informação? Gráfico 06 Mantém Sistemas de Informação Internamente 7. A área de TI do Órgão possui processo formal de desenvolvimento de software? Gráfico 07 Processo Formal de Desenvolvimento 8. O Processo de Desenvolvimento de Software possui modelos de artefato para cada entregável? Gráfico 08 Artefatos Padrões 9. Em quais metodologias de mercado o processo baseia-se: Gráficos 09 Metodologias de Mercado 10. O Órgão possui processos de melhoria contínua do Grupo de Processos de Software? Gráfico 10 Melhoria Continua de Processos 11. O Órgão possui processo para decidir a estratégia em relação ao desenvolvimento de sistemas: fazer, reusar ou contratar? Gráfico 11 Processo de Decisão 12. O desenvolvimento de novos sistemas é feito visando sua publicação futura no Portal de Software Público? Gráfico 12 Publicação no Portal de Software Público 13. O Órgão já implantou algum modelo de maturidade ou capacidade? Gráfico 13 Modelo de Maturidade ou Capacidade O resultado dessa pesquisa mostrou o quanto os órgãos ainda são imaturos com relação a processos de TI, sejam eles de gerência de projetos, de segurança da informação ou de desenvolvimento sistemas. Além disso, a maioria dos órgãos não tem uma carreira específica de TI e isso é um indicativo de que ainda não é vista como estratégica dentro dos órgãos. Além desta pesquisa, em um evento do SISP foram distribuídos questionários para que os órgãos respondessem qual é a maior dificuldade de tecnologia da informação e o resultado dessa pesquisa apontou a falta de uma metodologia de desenvolvimento de sistemas como a maior dificuldade. 6

7 Proposta de processo de software para o SISP Como foi visto na pesquisa acima, grande parte dos órgãos ainda não tem um processo formal de desenvolvimento de software, por isso o objetivo é elaborar um processo de software que atenda às diversas necessidades dos órgãos do SISP, eleve os níveis de maturidade e promova: a utilização responsável e mais eficiente de recursos públicos; a elevação dos níveis de qualidade e controle das soluções; o alinhamento das soluções ao planejamento estratégico; a retenção da inteligência das soluções nos órgãos; a padronização de processos e artefatos. Além disso, o processo de software deve ser aderente à legislação e suficientemente flexível em relação aos diversos contextos em que será aplicado. A princípio o processo de software para o SISP terá 6 fases (concepção e alinhamento estratégico, especificação e dimensionamento, reutilização e contratação, desenvolvimento, implantação e estabilização, e sustentação e evolução) e 6 eixos de trabalho (gestão estratégica, gestão de projetos, produção colaborativa, gestão de segurança da informação, engenharia de software, gestão da contratação e gestão de infraestrutura), conforme a figura 1, apresentada abaixo: Figura 01 Estrutura do Processo de Software do SISP A intenção é levantar os processos de gestão estratégica, gestão de projetos, gestão de segurança, engenharia de software, gestão de contratação, gestão de infraestrutura e gestão de operação e sustentação para cada uma das fases do processo. Não necessariamente, os eixos de trabalho terão processos em todas as fases. Fases Concepção e alinhamento estratégico: Essa fase tem como objetivo o alinhamento da TI com o negócio, por exemplo, quando chegar uma requisição de desenvolvimento de software, deverá ser verificado se este software foi previsto no PDTI. Se tiver sido previsto, o desenvolvimento do software seguirá nas demais fases do processo. Caso não tenha sido previsto e o software for realmente necessário, uma requisição de atualização do PDTI deverá ser encaminhada a área responsável para que, em uma próxima revisão do PDTI, seja analisada a viabilidade do software ser entrada no PDTI. Especificação e dimensionamento: Essa fase será dedicada a definição do escopo e especificação dos requisitos macro do software para que assim, seja possível dimensionar o tamanho do software em pontos de função. Reutilização e contratação: Depois de definido o escopo e os requisitos macro do software, será feita uma análise da possibilidade de utilizar um software público ou reutilizar componentes e bibliotecas que já foram utilizados e testados em outro software. Caso não seja possível utilizar um software público, será decidido pela contratação de empresa especializada no ramo. Desenvolvimento: Essa fase é destinada ao desenvolvimento do software, seja interno ou externo ao órgão. Se for decidido pelo uso de um software público e o mesmo não precisar de nenhum tipo de alteração, esta fase se destinará a todos os processos necessários para que o software seja utilizado no órgão. Pode ser, por exemplo, o treinamento dos servidores e funcionários na ferramenta. 7

8 Implantação e estabilização: O objetivo dessa fase é a implantação do software no ambiente de produção para que seja usado e, conseqüentemente, testado até chegar a uma versão estável. Sustentação e evolução: Essa fase tem por objetivo definir processos necessários ao correto funcionamento do software, além da definição de requisitos que possam melhorar e evoluir o software. Áreas de Conhecimento Gestão estratégica: Como o PETI e o PDTI são instrumentos onde são determinadas ações de TI que possam auxiliar no alcance de um objetivo estratégico, a função dos processos de gestão estratégica é não permitir que um software seja desenvolvido sem estar alinhado com o negócio do órgão. Por isso, sempre que surgir uma nova requisição de compra, desenvolvimento ou manutenção de software, devese avaliar se o software em questão já estava previsto no PDTI, para evitar que o mesmo seja desenvolvido sem a finalidade de atingir um objetivo estratégico. Também pode acontecer de surgir uma demanda emergencial de um software que não estava previsto no PDTI de 2 (dois) anos com revisão anual, por exemplo, neste caso, serão feitas requisições de alteração do PDTI, para que em uma próxima revisão essas alterações sejam avaliadas. Gestão de projetos: Os processos de gestão de projetos serão feitos tendo como referência o PMBOK, onde um projeto poderá ser a contratação de um software ou o próprio desenvolvimento de um software. Quando a contratação for considerada um projeto, o processo de software do SISP terá dois projetos: um para planejar e acompanhar o andamento dos processos da contratação, onde os produtos do projeto serão os artefatos da IN04 e outro para o gerenciamento do projeto desenvolvido por uma empresa contratada. Gestão de segurança da informação: A segurança da informação deverá ser feita visando a proteção das informações dos órgãos e será baseada nas normas e padrões de segurança como, por exemplo, a ISO/IEC e a NBR ISO/IEC Para a ISO/IEC (2005a, 2005b, 2005c), o desenvolvimento seguro de software envolve segurança tanto do ambiente de desenvolvimento quanto da aplicação desenvolvida. As necessidades de segurança devem ser tratadas em todo o ciclo de vida, passando pela gerência de requisitos de segurança, especificação funcional, projeto de alto nível, projeto de baixo nível, até a implementação final do sistema em seu ambiente de produção. A NBR ISO/IEC (2005) objetiva preservar a confidencialidade, integridade e disponibilidade das informações, através da implementação de controles, através da implementação de políticas, práticas ou processos. Esses controles garantem que os objetivos estabelecidos para a segurança serão atendidos satisfatoriamente. O essencial para uma organização é identificar os requisitos de segurança. Engenharia de Software: Os processos da engenharia de software serão feitos com base no RUP e estarão presentes em quase todas as fases do processo de software do SISP e, além disso, farão interface com quase todas as áreas de conhecimento, por exemplo: no estudo de viabilidade de um projeto (gestão de projetos), os requisitos macro do software deverão ser descritos no artefato Análise de Viabilidade e o levantamento dos requisitos macro deverá estar previsto na área de conhecimento da engenharia de software em alguma fase do processo. 8

9 Gestão de Contratação: Os processos de gestão de contratação serão baseados e alinhados com a IN04/2008. A IN04/2008 tem processos cujo principal objetivo é a confecção dos seguintes documentos: Documento de oficialização da demanda: documento que contém o detalhamento da necessidade da área requisitante da solução a ser atendida pela contratação; Análise de viabilidade da contratação: documento que demonstra a viabilidade técnica e econômica da contratação; Plano de sustentação: documento que contém as informações necessárias para garantir a continuidade do negócio durante e após a implantação da Solução de Tecnologia da Informação, bem como após o encerramento do contrato; Estratégia da contratação: documento contendo a definição de critérios técnicos, obrigações contratuais, responsabilidades e definições de como os recursos humanos e financeiros serão alocados para atingir o objetivo da contratação; Análise de riscos: documento que contém a descrição, a análise e o tratamento dos riscos e ameaças que possam vir a comprometer o sucesso em todas as fases da contratação; Plano de inserção: documento que prevê as atividades de alocação de recursos necessários para a contratada iniciar o fornecimento da Solução de Tecnologia da Informação; Termo de referência ou projeto básico: documento elaborado a partir da Análise de Viabilidade da Contratação, do Plano de Sustentação, da Estratégia da Contratação e da Análise de Riscos. Gestão de infraestrutura: Os processos dessa área de conhecimento têm como objetivo prover a infraestrutura necessária tanto para o desenvolvimento quanto para o uso da solução de software. Produção colaborativa: A idéia dessa área de conhecimento é o desenvolvimento conjunto de software, ou seja, processos que promovam o levantamento de requisitos comuns a mais de um órgão para que possam produzir ou contratar um software colaborativamente. O objetivo é evitar o desperdício de dinheiro público, pois hoje a Administração Pública tem um software em cada órgão para uma finalidade comum, por exemplo, um sistema para controle de portaria poderia ser um só para todos os órgãos. Estrutura analítica do trabalho O trabalho para elaboração do processo de software para o SISP será dividido em 6 (sete) etapas que terão como resultado produtos e serviços que serão oferecidos pelo órgão central do SISP. A estrutura analítica do trabalho é apresentada abaixo: EAT Processo de Software para o SISP 9

10 Etapas Concepção Plano de Trabalho Planos de Projeto Levantamento dos Processos Existentes Por Eixos Gestão Estratégica Gestão de Projetos Gestão de Produção Colaborativa Gestão de Contratação Gestão de Segurança da Informação Engenharia de Software Gestão de Infraestrutura Gestão de Sustentação Por Fases Concepção e Alinhamento Estratégico Especificação e Dimensionamento Colaboração e/ou Contratação Desenvolvimento Implantação e Estabilização Sustentação e Evolução Por Amostragem Orgãos Setoriais Orgãos Seccionais Autarquias Mercado Estudos de Contexto Por Area de Conhecimento Legislação Metodologias Práticas Por Entidade Orgãos Setoriais Orgãos Seccionais Autarquias Mercado Elaboração da Primeira Versão do Processo de Software para o SISP Definição do Macro Processo Definição de Pontos Focais por Eixo Detalhamento de sub processos Integração de todos os sub processos Análise de Aderência Legislação Metodologias Práticas Validação Interna SLTI 10

11 Apresentação às áreas e núcleos Consulta Interna Levantamento de não conformidades Adequação de não conformidades Análise final de aderência Aprovação interna Validação Externa Apresentação aos Órgãos Consulta Pública Levantamento de não conformidades Adequação de não conformidades Análise final de aderência Aprovação ampla Publicação Oficial Produtos Finais Site web Modelos de Processo Artefatos Padrões Guias Serviço Consultoria do Processo via C3S Desdobramentos Possíveis Insumos para elaboração e revisão de normas Concepção Na concepção será elaborado o plano de trabalho que servirá como guia para o projeto de construção do processo de software. No plano de trabalho serão descritos os objetivos do processo, cronograma, prerrogativas, papéis e responsabilidades dos envolvidos no projeto, recursos adicionais e riscos associados. Levantamento dos processos existentes Como na SLTI existem equipes trabalhando para levantar processos de diversos eixos de trabalho como, por exemplo: gestão de projetos, governança de ti, contratação entre outros. Os processos levantados por essas equipes serão estudados pela equipe de processo de software e mapeados em um das 6 (seis) fases do processo. Estudos de Contexto Nesta fase, serão estudados os contextos onde o processo de software será aplicado, desde aspectos relacionados ao impacto da legislação no processo de software até metodologias de desenvolvimento de software, práticas e ferramentas usuais no mercado. Além disso, será feito um levantamento das metodologias de desenvolvimento de software já utilizadas nos órgãos setoriais, seccionais e autarquias, para conhecer os pontos positivos e negativos do que tem sido utilizado. 11

12 Primeira Versão do Processo de Software e Análise de Aderência Quando a primeira versão do processo de software for finalizada, passará por uma análise de aderência, onde serão avaliados aspectos relativos à aderência do processo de software a legislação, metodologias e práticas de mercado. Validação Externa A validação externa será feita por meio da apresentação do processo aos órgãos, que serão convocados via pela SLTI, para poderem avaliar e sugerir melhorias. As sugestões serão avaliadas por todos os participantes da apresentação, para que juntos possam decidir se as mesmas serão aplicadas ou não no processo. Conclusões e próximos passos Diante do cenário exposto pela pesquisa, pode-se concluir que os órgãos ainda não estão maduros não só com relação a processos de software, mas com relação a processos de TI como um todo. Este trabalho é uma tentativa de prover os órgãos de um modelo de processo de software que seja completo e aborde várias áreas de conhecimento: alinhamento estratégico, gestão de projetos, segurança da informação, engenharia de software, entre outras. O processo de software apresentado neste trabalho é bastante complexo, visto a diversidade de áreas de conhecimento, onde cada área será mapeada, definidas as entradas e saídas e intersecções com as outras áreas de conhecimento, por isso este trabalho tem previsão de ser concluído em, no mínimo, um ano. Como os órgãos ainda não têm maturidade para aplicar um processo dessa complexidade, é previsto que seja utilizado um esquema de cores para definição dos processos denominados essenciais, ou seja, os que têm que ser executados sempre e os não-essenciais, que devem ser executados, pois vão garantir uma qualidade maior ao software, mas não são essenciais. O processo de software do SISP, se amplamente usado, será uma evolução da área de tecnologia da informação nos órgãos, pois o mesmo garantirá que os softwares sejam desenvolvidos com maior qualidade e com a documentação necessária para internalizar o conhecimento do software dentro do órgão, evitando assim, que o órgão fique nas mãos de um único fornecedor. Bibliografia DECRETO 1048/ INSTRUÇÃO NORMATIVA 04/ PETER WEILL JEANNE W. ROSS. Governança de TI: Tecnologia da Informação PAULO ROGÉRIO FOINA. Tecnologia da Informação: Planejamento e Gestão PRESSMAN, ROGER S. Engenharia de Software SUMÁRIO EXECUTIVO. Levantamento de Governança de TI Resenha biográfica Renata Assunção Farias Analista de Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão do Governo Federal brasileiro. Graduado em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Brasilia, Especialistas em Governança de Tecnologia da Informação pela Universidade Católica de Brasília. O autor pode ser contatado pelo telefone: , pelo ou por carta no endereço: Esplanada dos Ministérios Bloco C 9º andar sala 906, Brasília - DF, Brasil. 12

13 Anexos Figura 01 Gráfico 01 Âmbito do Preenchimento do Formulário Órgão Setorial 17% Órgão Setorial 34% Órgão Setorial 50% 13

14 Gráfico 02 Carreira Especializada em TI Sim 22% Gráfico 03 Plano de Capacitação de TI Não 78% Sim 38% Não 62% Gráfico 04 Responsável por Segurança da Informação Não 49% Sim 51% 14

15 Gráfico 05 - Metodologia de Gerenciamento de Projetos Gráfico 06 Processo de Desenvolvimento de Software Não 51% Sim 49% Gráfico 07 Órgão Desenvolve ou Mantém Sistemas de Informação Internamente Não 10% Sim 90% 15

16 Gráfico 08 Modelos de Artefatos Padrões Não 20% Gráficos 09 Metodologias de Mercado Sim 80% Gráfico 10 Melhoria Continua de Processos 16

17 Gráfico 11 Processo de Decisão Gráfico 12 Publicação no Portal de Software Público Gráfico 13 Modelo de Maturidade ou Capacidade 17

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

A IN/SLTI nº 04/2008 e Avaliação dos Resultados Análise de Pontos de Função Âmbito do SISP The IN SLTI 04/2008 and Results Assessment

A IN/SLTI nº 04/2008 e Avaliação dos Resultados Análise de Pontos de Função Âmbito do SISP The IN SLTI 04/2008 and Results Assessment A IN/SLTI nº 04/2008 e Avaliação dos Resultados Análise de Pontos de Função Âmbito do SISP The IN SLTI 04/2008 and Results Assessment Cláudio Muniz Machado Cavalcanti claudio.cavalcanti@planejamento.gov.br

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Modelo de Referência Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Versão 1.0 Premissas do modelo 1. Este modelo foi extraído do material didático do curso Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA)

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA) Projeto 1: Elaboração dos Planos Diretores de TI da Administração Pública de Pernambuco Projeto 2: Elaboração do Plano de Governo em TI Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Modelo de Referência 2011-2012

Modelo de Referência 2011-2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI Modelo de Referência 2011-2012 Plano Diretor de Tecnologia de Informação Ministério do Planejamento,

Leia mais

Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior

Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior O PDTI 2014 / 2015 contém um conjunto de necessidades, que se desdobram em metas e ações. As necessidades elencadas naquele documento foram agrupadas

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação 1 Agenda Contexto SISP Planejamento de TI PDTI 2 SISP Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática Decreto nº 1.048, de 21 de janeiro

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG Forplad Regional Sudeste 22 de Maio de 2013 Erasmo Evangelista de Oliveira erasmo@dgti.ufla.br Diretor de

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica... 1 de 1 19/4/212 17:17 EGTI 211/212 - Autodiagnostico 21 Imprimir Identificação 1. Qual a identificação do órgão? AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS 2. Qual o âmbito de preenchimento do formulário?

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Contratações de TI na APF

Contratações de TI na APF Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação SLTI Contratações de TI na APF Rogério Santanna dos Santos Brasília, 20 novembro 2008 TCU Agenda Contexto Instrução Normativa nº 4/2008 Modelo de Governança

Leia mais

Gestão e Tecnologia da Informação

Gestão e Tecnologia da Informação Gestão e Tecnologia da Informação Superintendência de Administração Geral - SAD Marcelo Andrade Pimenta Gerência-Geral de Gestão da Informação - ADGI Carlos Bizzotto Gilson Santos Chagas Mairan Thales

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Metodologia de Gerenciamento de Projetos do SISP (MGP-SISP) Ricardo Miotto Lovatel Jaguarão, 2012. Estrada para o Futuro Tópicos Apresentação do SISP e da MGP-SISP; Objetivo da MGP-SISP Alinhamento Estratégico;

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PERÍODO 2012 A 2016 MANAUS/AM VERSÃO 1.0 1 Equipe de Elaboração João Luiz Cavalcante Ferreira Representante da Carlos Tiago Garantizado Representante

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014 Auditoria Interna Planejamento Estratégico 2014 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO... 4 MISSÃO... 5 VISÃO... 5 VALORES... 5 ANÁLISE AMBIENTAL... 6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 MACROPROCESSO

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

Comparação entre a Instrução Normativa SLTI/MP n 4 e o Guia de Aquisição do MPS.BR

Comparação entre a Instrução Normativa SLTI/MP n 4 e o Guia de Aquisição do MPS.BR Comparação entre a Instrução Normativa SLTI/MP n 4 e o Guia de Aquisição do MPS.BR Rejane Maria da Costa Figueiredo UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAMPUS FGA *Fonte: Material: Edméia Andrade e Claudio Cruz Agenda

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e PDTI - Definição Instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de Tecnologia da Informação que visa atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade

Leia mais

Como o TCU vem implantando a governança de TI

Como o TCU vem implantando a governança de TI Como o TCU vem implantando a governança de TI Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI - Assig - Marisa Alho Chefe de Assessoria Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI

Leia mais

Measurement A Strategic Tool for Cost Planning and Auditing

Measurement A Strategic Tool for Cost Planning and Auditing Measurement A Strategic Tool for Cost Planning and Auditing Renato Cesar da Cunha Ferreira Marinha do Brasil Pagadoria de Pessoal da Marinha renato.cesar@papem.mar.mil.br Rua da Ponte s/nº Ed. 23, 4º andar

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Palestra UNICEUB Estratégia utilizada para implantação da Governança

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 10/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Inventário e Mapeamento de Ativos de Informação nos

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. André Dutton. www.portaldoaluno.info 1

GOVERNANÇA EM TI. Prof. André Dutton. www.portaldoaluno.info 1 GOVERNANÇA EM TI Prof. André Dutton www.portaldoaluno.info 1 O QUE É GOVERNANÇA EM TI A governança em TI é de responsabilidade da alta administração (incluindo diretores e executivos), na liderança, nas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A Escola A Escola Superior de Redes da RNP privilegia um ensino totalmente prático. Os laboratórios são montados de forma

Leia mais

Implantação do modelo integrado de consultoria para aumentar a maturidade de governança de tecnologia da informação do Estado brasileiro

Implantação do modelo integrado de consultoria para aumentar a maturidade de governança de tecnologia da informação do Estado brasileiro Implantação do modelo integrado de consultoria para aumentar a maturidade de governança de tecnologia da informação do Estado brasileiro Vinicius Eloy dos Reis Tiago Chaves Oliveira Introdução O Brasil

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Marta Suplicy Ministra da Cultura Ana Cristina Wanzeler Secretária-Executiva Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Paulo Cesar Kluge Coordenador-Geral de Tecnologia

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. 13/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA GESTÃO DE MUDANÇAS NOS ASPECTOS RELATIVOS

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP)

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP) 1.JUSTIFICATIVA A administração pública vem nos últimos anos sofrendo mudanças estruturais em sua forma de atuação, saindo de um modelo patrimonialista e burocrático para um modelo gerencial, focando nos

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais