Melhoria de uma Unidade Instrucional para Planejamento de Custos de Projetos de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Melhoria de uma Unidade Instrucional para Planejamento de Custos de Projetos de Software"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Melhoria de uma Unidade Instrucional para Planejamento de Custos de Projetos de Software ALEXIS PIAZZA Florianópolis SC 2012/2

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA MELHORIA DE UMA UNIDADE INSTRUCIONAL PARA PLANEJAMENTO DE CUSTOS DE PROJETOS DE SOFTWARE ALEXIS PIAZZA Trabalho de conclusão de curso apresentado como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. UFSC Florianópolis 2012.

3 ALEXIS PIAZZA MELHORIA DE UMA UNIDADE INSTRUCIONAL PARA PLANEJAMENTO DE CUSTOS DE PROJETOS DE SOFTWARE Trabalho de conclusão de curso apresentado como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador(a): Prof. Dr. rer. nat. Christiane A. Gresse von Wangenheim, PMP Banca examinadora: Prof. Dr. Vitório Bruno Mazzola Dr. Rafael Savi

4 Resumo: Atualmente as disciplinas de Gerenciamento de Projetos apresentadas nas grades de currículo dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação das universidades brasileiras geralmente contam com aulas expositivas e de caráter teórico. Ao mesmo tempo, essa disciplina vem ganhando importância no cenário mundial, seja em âmbito acadêmico ou não. O mercado de trabalho vem exigindo cada vez mais pessoas possuidoras deste conhecimento, e em grande parte dos casos, certificadas através de certificações oficiais como Project Management Professional (PMP) e Certified Associate in Project Management (CAPM). Para isso, é necessário que os cursos não só possuam a matéria em seu currículo, mas também consigam atrair o interesse dos estudantes e motivem os mesmos a estudar e tomar gosto pelo assunto. Uma das áreas importantes estudadas na disciplina é a área de planejamento de custos de projeto. Muitas vezes o alto custo de um projeto mal planejado pode acabar inviabilizando a realização do mesmo. Por isso, o assunto deve ser muito bem estudado durante a graduação do profissional da área e o conhecimento deve ser absorvido de maneira sólida. Por conta disso, surgiu a ideia de encontrar um meio de tornar as aulas de planejamento de custos mais interessantes, atraindo a atenção dos alunos e criando métodos que facilitem a aprendizagem mais profunda do conhecimento.

5 Este trabalho tem como objetivo principal criar um objeto de ensino para melhorar uma unidade instrucional para ensinar planejamento de custo para melhorar a aprendizagem dos alunos.

6 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS METODOLOGIA DE PESQUISA E TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA GERENCIAMENTO DE PROJETOS PLANEJAMENTO DE CUSTOS GERENTE DE PROJETO ENSINO DE GP ENSINO JOGOS EDUCACIONAIS ESTADO DA ARTE UNIDADE INSTRUCIONAL JÁ EXISTENTE DEFINIÇÃO DA PRIMEIRA REVISÃO SISTEMÁTICA EXECUÇÃO DA PRIMEIRA REVISÃO SISTEMÁTICA DEFINIÇÃO DA SEGUNDA REVISÃO SISTEMÁTICA EXECUÇÃO DA SEGUNDA REVISÃO SISTEMÁTICA DEFINIÇÃO DA TERCEIRA REVISÃO SISTEMÁTICA ANÁLISE DE RESULTADOS JOGO 1: COFFEESHOP JOGO 2: LEMONADE STAND A UNIDADE INSTRUCIONAL DE PLANEJAMENTO DE CUSTOS ANÁLISE DA UI OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM ANÁLISE DO CONTEXTO PROJETO DA UI DESENVOLVIMENTO DA UI EXECUÇÃO DA UI AVALIAÇÃO DA UNIDADE INSTRUCIONAL DEFINIÇÃO DA AVALIAÇÃO EXECUÇÃO DA AVALIAÇÃO ANÁLISE DOS RESULTADOS MOTIVAÇÃO EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO APRENDIZAGEM PERGUNTAS QUALITATIVAS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A: SLIDES COM CONTEÚDO TEÓRICO DA UI... 82

7 APÊNDICE B: QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA UI APÊNDICE C: AUTORIZAÇÃO PARA USO DE IMAGEM E VOZ... 94

8 ÍNDICE DE FIGURAS: Figura 1 - Os cinco grupos de processos (MÁRCIO D ÁVILA, 2007) Figura 2 - Matriz de Processos e Áreas de Conhecimentos (PMI, 2009) Figura 3 - Baseline dos custos (SURVEYOR PRO PROJECT COST BASELINE, 2006) Figura 4 - Competências do gerente de projetos (PMBOK, 2004) Figura 5 - Modelo ADDIE (DICK & CAREY, 1996) Figura 6 - Estratégias de ensino (SPS, ) Figura 7 - Exemplo de slide da UI já existente Figura 8 - Exemplo de slide da UI já existente Figura 9 - Aquisição de insumos Figura 10 - Vendas no decorrer do dia Figura 11 - Tela de compra de insumos Figura 12 - Tela de compra de itens diversos Figura 13 - Vendas no decorrer do dia Figura 14 - Relatório de venda ao final do dia Figura 15 - Modelo ISD de Dick & Carey e modelo ADDIE (DICK & CAREY) Figura 16 - Slide sobre objetivo de aprendizagem Figura 17 - Slide sobre "estimar custos" Figura 18 - Slides com "componentes de custo" e exemplos reais Figura 19 - Slide com charge sobre planejamento de custos Figura 20 Slide com primeiro exercício prático Figura 21 - Slide com segundo exercício prático Figura 22 - Slide com jogo dos sete erros Figura 23 Resolução do jogo dos sete erros Figura 24 - Alunos durante a aula Figura 25 - Alunos durante atividade prática Figura 26 - Modelo de avaliação adaptado (SAVI, 2011) Figura 27 - Primeira parte de perguntas de caráter quantitativo Figura 28 - Perguntas de caráter qualitativo Figura 29 - Análise dos dados referente ao fator de Motivação Figura 30 - Gráfico das perguntas de "Experiência do usuário" Figura 31 - Gráfico das perguntas de "Aprendizagem"... 71

9 ÍNDICE DE TABELAS: Tabela 1 - Comparação entre antes e depois Tabela 2 - Comparativo antes e depois da UI... 72

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS GP Gerenciamento de projetos; GQS - Grupo de Qualidade de Software; PMI Project Management Institute PMBOK Project Management Book of Knowledge; UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina; UI - Unidade Instrucional;

11 1. INTRODUÇÃO A área de gerenciamento de projetos que pode ser definida como a aplicação de conhecimentos, habilidades e técnicas na elaboração de atividades relacionadas para atingir um conjunto de objetivos pré-definidos, num certo prazo, com certo custo e qualidade, através da mobilização de recursos técnicos e humanos (IRELAND, 2006) - se torna a cada dia mais importante e indispensável em diversas áreas do conhecimento, sejam elas tecnológicas ou não. Atualmente, 24% dos projetos iniciados em todo o mundo são cancelados por problemas variados (Standishgroup: CHAOS Report, 2009). Ou seja, aproximadamente um em cada quatro projetos é mal gerenciado (seja no planejamento, execução ou monitoramento) por conta do problema da falta de profissionais capacitados para exercer o papel de gerente de projeto. A inviabilidade de um projeto pode ser atribuída a diversos fatores, estes geralmente atrelados à tripla restrição: escopo, custo e tempo estas que afetam diretamente a qualidade ou mesmo o sucesso de um projeto. Existem ainda outros fatores além destes citados anteriormente, como a falta de interesse, motivação e/ou comprometimento dos stakeholders (pessoas ou organizações ativamente envolvidas no projeto ou cujos interesses podem ser positiva ou negativamente afetados pela execução ou término do projeto (PMBOK, 2009)). Porém, se levar em conta apenas os projetos realizados por profissionais da área de gerenciamento de projetos, este número se reduz para 10% (PMI-SP, 2009).

12 Por conta da importância, analisada através dos dados apresentados, as empresas atualmente buscam profissionais mais capacitados para desenvolver atividades de Gerenciamento de Projetos, o que incentiva também as instituições de ensino a dar ênfase no ensino desta área, bem como estudar e pesquisar mais a fundo o assunto (TERRIBLI, ARMANDO, 2011). Dentro da área de Gerenciamento de Projetos, existem diversos assuntos de bastante importância a serem estudados, que podem afetar direta ou indiretamente o sucesso ou fracasso de um projeto. Por isso, a disciplina de Gerenciamento de Projetos foca os mais diversos assuntos da área, como planejamento e monitoramento do escopo, do tempo, do custo, dos riscos, aquisições entre outros (PMBOK, 2009). O gerenciamento de custos do qual o tema deste trabalho faz parte - agrega processos que envolvem planejamento, estimativa, orçamento e controle de custos que serão necessários para a conclusão do projeto a partir de uma previsão orçamentária (ALLORA, 2010). Um orçamento mal planejado pode tornar um projeto inviável, por conta da falta de recursos financeiros ao longo do projeto, acarretando assim na inviabilidade do projeto ou então na alteração da sua qualidade (exclusão de parte do escopo, por exemplo). Dentro desse contexto, o gerente de projetos precisa ter algumas competências para exercer o papel de líder no projeto (PMBOK, 2004), sendo algumas delas: Conjunto de conhecimentos em planejamento e gerenciamento de custos; Conhecimento e habilidades de gerenciamento geral; Entendimento do ambiente do projeto;

13 Conhecimento, normas e regulamentos da área de aplicação. (PMI, 2004) Acreditamos que para se ter melhor aproveitamento e absorção do conteúdo estudado numa disciplina de Gerenciamento de Projetos, os estudantes necessitam uma vivência mais prática (PRIKLADNICKI & WANGENHEIM, 2008), além do conteúdo teórico estudado nas disciplinas de gerenciamento de projetos. Desta maneira, jogos educativos e/ou outras atividades práticas são uma boa maneira de fornecer ao aluno essa vivência prática, deixando os estudantes mais interessados e motivados a aprender o conteúdo de estudo, obtendo resultado mais satisfatório, com melhor compreensão dos conceitos estudados e de uma maneira mais agradável. Existe aqui, portanto, uma oportunidade de aprimorar o ensino de gerenciamento de projetos de software no Brasil, desenvolvendo uma melhoria de uma unidade instrucional, tornando-a mais efetiva e atualizada, possibilitando que muitos estudantes do país desfrutem da mesma.

14 1.1. OBJETIVOS OBJETIVO GERAL O objetivo do trabalho é o design de uma unidade instrucional para o ensino de conhecimento sobre planejamento de custo como parte de uma disciplina de Gerenciamento de Projetos em cursos de graduação na área de computação OBJETIVOS ESPECÍFICOS Os objetivos específicos são: O1. Analisar a fundamentação teórica sobre Gerenciamento de Projetos e planejamento de custos; O2. Analisar o estado da arte sobre como planejamento de custo é atualmente ensinado em disciplinas de gerenciamento de projetos em cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação; O3. Projetar uma unidade instrucional de ensino de planejamento de custos de projeto; O4. Aplicar e avaliar a unidade instrucional criada na pratica. Premissas e restrições: O projeto será realizado de acordo com o regulamento vigente do Departamento de Informática e Estatística (INE - UFSC) em relação aos Trabalhos de Conclusão de Curso. A UI tem como foco somente o planejamento de custos de projeto.

15 1.2. METODOLOGIA DE PESQUISA E TRABALHO A metodologia de pesquisa utilizada neste trabalho é dividida em quatro grandes etapas: Etapa 1 Análise da literatura referente à Gerenciamento de Projetos, tendo como foco principal conceitos relacionados ao PMBOK, principalmente enfocando no planejamento de custo. Além disso, será necessário também estudar conceitos de metodologias de ensino, de modo a garantir um resultado satisfatório ao fim do trabalho. Esta primeira grande etapa será dividida em duas partes: A1.1 Análise da teoria de Gerenciamento de Projetos, principalmente o planejamento de custo. A1.2 Análise da teoria de ensino. Durante esta etapa de fundamentação teórica, utilizamos também trabalhos anteriores do Grupo de Qualidade de Software (UFSC) como parte da bibliografia. Sendo eles: BONETTI, Thiago M. Desenvolvimento de um Repositório Colaborativo para Compartilhar Atividades de Ensino na Área de Gerenciamento de Projetos, 2011; RAUSIS, Bruno Z.; SOARES, Gustavo M. Desenvolvimento de um Jogo Educacional para o Ensino de Gerenciamento de Projetos em Cursos de Graduação na Área de Computação, 2011; Etapa 2 Revisão sistemática de unidades instrucionais/estratégias de ensino atualmente sendo utilizadas e voltadas ao ensino de planejamento de

16 custo. Nesta etapa será realizada uma revisão sistemática da literatura seguindo (KITCHENHAM, 1994). Essa etapa está dividida em três partes: A2.1 Definição da revisão sistemática. A2.2 Execução da busca. A2.3 Extração e análise da informação. Etapa 3: Desenvolvimento da unidade instrucional para o ensino de planejamento de custo seguindo uma metodologia de design instrucional, conhecida como ADDIE (DICK & CAREY, 1996). Esta etapa está dividida em quatro partes (sendo completada pela Etapa 4: Avaliação): A3.1 Análise do contexto da unidade instrucional e definição do objetivo de aprendizagem. A3.2 Desenho (ou Design) da unidade instrucional. A3.3 Desenvolvimento a unidade instrucional. A3.4 Implementação da unidade instrucional. Etapa 4: Aplicação e avaliação da unidade instrucional desenvolvida. Nesta etapa a melhoria desenvolvida deverá ser colocada em prática através de uma série de estudos de casos aplicando a unidade instrucional na disciplina: INE5427 Planejamento e Gestão de Projetos/CCO do Departamento de Informática e Estatística (INE) da UFSC. Essa etapa está dividida em cinco atividades: A4.1 Solicitação de aprovação da CEPSH. A4.2 Definição do estudo. A4.3 Planejamento do estudo.

17 A4.4 Execução do estudo. A4.5 Análise dos dados coletados.

18 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo são apresentados os principais conceitos teóricos abordados neste trabalho. Dentre os temas que são apresentados, podemos destacar: Gerenciamento de projetos: Características, processos, áreas de conhecimento; Gerente de projeto: seu papel e suas competências; Teoria de ensino: O que é, como lidar com o ensino e aprendizagem, métodos alternativos de ensino; 2.1. GERENCIAMENTO DE PROJETOS Antes de destacar o que é Gerenciamento de Projetos, é necessário definir o que é um projeto. Para isto, citaremos a definição descrita pelo PMBOK (2004): Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. A sua natureza temporária indica um inicio e um término definidos. O término é alcançado quando os objetivos tiverem sido atingidos ou quando se concluir que esses objetivos não serão ou não poderão ser atingidos e o projeto for encerrado, ou quando o mesmo não for mais necessário. Gerenciamento de projetos aplica o conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas a todas as atividades do projeto para que se consiga atender todos os requisitos do mesmo (PMBOK, 2004). Ele é realizado

19 aplicando e integrando os 42 processos agrupados logicamente, que abrangem cinco grupos de processos. Os cinco grupos de processos são (PMBOK, 2009): Iniciação, Planejamento, Execução, Monitoramento e controle, e por último, Encerramento (figura 1). Figura 1 - Os cinco grupos de processos (MÁRCIO D ÁVILA, 2007) O primeiro deles, grupo de processos de iniciação, é o grupo que reúne os processos os quais são realizados com objetivo de definir um novo projeto ou uma fase de um projeto já existente, dependendo de uma autorização para dar início a este projeto ou fase. Nos processos de iniciação, o escopo inicial é definido e os recursos financeiros iros iniciais são comprometidos, além de se designar quem será o gerente de projetos.

20 Após o fechamento deste primeiro grupo de processos, dá-se início ao grupo de processos de planejamento. Nesta fase estão os processos que são realizados com objetivo de definir todo o escopo do projeto, além de refinar objetivos e desenvolver as ações necessárias para alcançar os objetivos desejados. Aqui se estabelece todos os aspectos de escopo, tempo, custos, qualidade, comunicação, risco e aquisições. Todo o plano de gerenciamento e os documentos do projeto que serão utilizados para a execução do mesmo são desenvolvidos nesta fase. Dependendo da quantidade de informações ou características que são adicionadas ao projeto, pode ser necessário criar um planejamento adicional ao projeto. É dentro desta fase que se encontra o planejamento de custos do projeto, tema deste trabalho. Portanto, após uma visão geral de Gerenciamento de Projetos, voltaremos a focar este item para um maior detalhamento. Após o planejamento, inicia-se o grupo de processos de execução. Neste grupo estão os processos que serão adotados para realizar o trabalho definido no plano de gerenciamento do projeto, de maneira que cumpra todas as especificações prévias do projeto. Aqui se coordena pessoas e recursos, além de integrar e executar as atividades de acordo com o plano de gerenciamento do projeto. No quarto grupo de processos, conhecido como grupo de processos de monitoramento e controle, estão os processos que são necessários para acompanhar, revisar e regular todo o andamento do projeto, bem como seu desempenho. Além disso, identifica-se e iniciam-se aqui todas as áreas onde será necessário haver mudanças.

21 O quinto e último grupo de processos é o grupo de processos de encerramento. Neste último estão os processos que são executados para finalizar todas as atividades do projeto, de forma a completar formalmente este projeto ou mesmo uma fase, além de obrigações contratuais. Nesta fase é que se obtém a aceitação do projeto pelo cliente ou patrocinador. São nove as áreas de conhecimento abrangidas no Gerenciamento de Projetos. Nesta seção iremos citá-las em poucas linhas, de maneira a dar ao leitor uma visão geral sobre esses itens. 1. Gerenciamento de integração do projeto: aqui estão os processos necessários para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar todos os processos e as atividades dos grupos de processos de gerenciamento. 2. Gerenciamento do escopo do projeto: aqui estão os processos necessários para garantir que o projeto contém todo o trabalho necessário para finalizar o projeto com sucesso. Aqui se define o que está e o que não está incluso no projeto. 3. Gerenciamento do tempo do projeto: aqui estão incluídos os processos necessários para gerenciar o término pontual do projeto. 4. Gerenciamento dos custos do projeto: aqui estão os processos envolvidos em estimativas, orçamentos e controle dos custos, para garantir que o projeto possa ser terminado dentro do orçamento aprovado. Este item será detalhado mais a frente. 5. Gerenciamento da qualidade do projeto: aqui estão os processos e atividades que determinam as políticas de qualidade, os objetivos e as responsabilidades, para garantir que o projeto como um todo atenda as necessidades desejadas.

22 6. Gerenciamento dos recursos humanos do projeto: aqui estão os processos com objetivo de organizar e gerenciar a equipe do projeto. Nessa equipe estão as pessoas com seus respectivos papéis e responsabilidades. 7. Gerenciamento das comunicações do projeto: aqui estão os processos necessários para garantir que as informações do projeto funcionem corretamente, sendo geradas, coletadas, distribuídas, armazenadas, recuperadas e organizadas de maneira apropriada. 8. Gerenciamento dos riscos do projeto: aqui estão os processos de planejamento, identificação, análise, planejamento de respostas monitoramento e controle de riscos do projeto. O objetivo desse gerenciamento é diminuir a probabilidade e o impacto dos eventos negativos 9. Gerenciamento das aquisições do projeto: aqui estão os processos de compra ou aquisição de produtos, serviços ou resultados externos à equipe do projeto PLANEJAMENTO DE CUSTOS O planejamento de custos envolve dois dos três processos dentro da área de gerenciamento de custos, conforme indicado na matriz da figura 2.

23 Figura 2 - Matriz de Processos e Áreas de Conhecimentos (PMI, 2009) Nesta seção detalhamos todos os processos de planejamento de custos, uma vez que este é o tema principal deste trabalho. Muitas vezes, projetos relativamente pequenos (menor escopo), a estimativa e o orçamento de custos são interligados tão fortemente que chegam a ser vistos como uma coisa só, um único processo, que pode ser realizado de maneira rápida e simples pelo gerente do projeto, ou mesmo outra pessoa dentro do projeto. Porém, segundo o PMBOK, esses processos são distintos, visto que as técnicas e ferramentas utilizadas para realização dos mesmos são diferentes. Os custos do projeto são muito mais influenciáveis no início do projeto, por isso a definição do escopo no início do projeto se torna crítica.

24 A seguir veremos mais detalhadamente esses dois processos que fazem parte do planejamento dos custos. Estimar os custos: é o processo que faz uma estimativa dos recursos monetários necessários para o projeto. Essas estimativas são um prognóstico baseado na informação conhecida num determinado momento. Isso inclui a identificação e a consideração das alternativas de custo para iniciar e terminar o projeto. Devem ser consideradas compensações de custos e riscos, como por exemplo: fazer x comprar ou comprar x alugar. Geralmente essas estimativas são expressas em unidades de alguma moeda, porém podem ser expressas também como horas de pessoal, de maneira que fique mais fácil fazer comparações evitando alterações no valor das moedas. Os custos são estimados para todos os recursos do projeto, incluindo a mão de obra, materiais, equipamentos, serviços e instalações, além de categoriais especiais como provisão para inflação ou custos de contingência. Determinar o orçamento: é o processo onde se agrega todos os custos estimados para estabelecer uma baseline dos custos. Essa baseline inclui todos os orçamentos autorizados, mas exclui as reservas de gerenciamento. Mais detalhes sobre a linha de base dos custos será visto mais pra frente. Os orçamentos do projeto compõem os recursos financeiros autorizados para executar o projeto. O desempenho dos custos do projeto será medido em relação ao orçamento autorizado.

25 Portanto, o planejamento de custos é fundamental para o sucesso de um projeto. A falta de recursos por conta de um custo mal estimado pode acabar por inviabilizar o projeto, interrompendo-o antes do final ou então extrapolando os limites de orçamento, ou seja, gastando mais do que o que foi planejado. Muitas vezes para não extrapolar o orçamento pagando horas extras ou contratando mais pessoas para finalizar o projeto dentro do prazo previsto, os responsáveis pelo projeto acabam ultrapassando os limites de prazo. Ou seja, direta ou indiretamente o mal planejamento dos custos interfere significativamente no sucesso ou fracasso de um projeto. Para isso, utilizamos uma baseline dos custos, que será detalhada mais a frente. Na atualização do orçamento, registram-se os custos reais gastos até determinada data. Assim, qualquer aumento do orçamento autorizado só poderá ser aprovado através do processo de controle integrado de mudanças. É essencial para um controle eficaz de custos, o gerenciamento da baseline dos custos e suas mudanças. A baseline dos custos é o resultado da divisão do orçamento em várias fases do projeto, sendo usada como base para a relação a qual o desempenho de custos será medido, monitorado e controlado. Ela é construída da seguinte maneira: Monta-se uma tabela com todos os custos envolvidos no projeto em relação ao tempo de execução do mesmo. Ao final de cada linha com os valores divididos para determinada parte do projeto, coloca-se o valor total gasto. No final de cada coluna, também há o valor total de cada período (dias, meses, anos, etc.) em qual a baseline foi

26 dividida. No cruzamento entre a linha e coluna dos valores totais, encontra-se o valor total do projeto. Figura 3 - Baseline dos custos (SURVEYOR PRO PROJECT COST BASELINE, 2006) Em projetos grandes podem existir várias baselines de custos e recursos e também linhas de base de produção de consumíveis (por exemplo, quantidade de metros cúbicos de concreto por dia) para medir diferentes aspectos do desempenho do projeto GERENTE DE PROJETO O gerente de projetos é a pessoa responsável por fazer o projeto atingir seus objetivos, sendo escolhida pela organização executora. O papel deste gerente é diferente de um gerente funcional ou gerente de operações. Como já dito na introdução deste trabalho, para o planejamento de custos o gerente de projetos deve possuir as seguintes competências (PMBOK, 2004):

27 Conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos, mais especificamente em planejamento de custos; Conhecimento e habilidades de gerenciamento geral e contabilidade; Entendimento do ambiente de projeto; Conhecimento, normas e regulamentos da área de atuação; Habilidades interpessoais; A figura 4 representa visualmente essas competências e suas relações entre si. Figura 4 - Competências do gerente de projetos (PMBOK, 2004)

28 2.2. Ensino de GP ENSINO O ensino pode ser definido como: uma forma sistemática de transmissão de conhecimentos utilizada pelos humanos para instruir e educar seus semelhantes (WIKIPEDIA). Ele se dá através de unidades instrucionais. Uma unidade instrucional pode ser uma aula, um jogo, um exercício, um curso, um evento de aprendizado, entre outras coisas (GONÇALVES, 1993). Em uma unidade instrucional, a aprendizagem é influenciada pelas interações entre o professor, o aluno e os materiais da aula. O conhecimento é mediado e distribuído por esses elementos (COHEN & BALL, 1999). Essas unidades instrucionais são planejadas e desenvolvidas de acordo com o design instrucional. O design instrucional tem a função de habilitar estudantes a adquirir conhecimento e habilidades. Ele desenvolve experiências e ambientes que facilitam a absorção do conhecimento pelos estudantes. Além disso, ele incorpora o saber e as estratégias de ensino em uma experiência instrucional que torna a aquisição do conhecimento mais eficiente, efetiva e atrativa (Merrill, M. D.; Drake, L.; Lacy, M. J.; Pratt, J., 1996). O modelo ADDIE é um modelo genérico de design instrucional (figura 5).

29 Figura 5 - Modelo ADDIE (DICK & CAREY, 1996) Este modelo possui cinco estágios: Análise: nesta fase, o problema instrucional é clarificado, as metas e objetivos são estabelecidos e o ambiente de aprendizado e as características do aprendiz são identificados; Design: na fase de design, as estratégias instrucionais são desenhadas, define uma abordagem instrucional; Desenvolvimento: nesta fase a UI é de fato criada. Todo o design e seleção dos materiais apropriados para a aprendizagem é feito aqui; Implementação: é nesta fase que se implanta ou distribui os materiais instrucionais, ou seja, coloca em prática o que foi desenvolvido. Além disso, testam-se os protótipos e coloca o produto em produção completa. Também treina os usuários de como usar o produto; Avaliação: por fim, na quinta e última fase se faz uma avaliação da UI, de modo a garantir que os objetivos foram alcançados; (W. Strickland, Ph.D. Idaho State University, College of Education)

30 Um design instrucional pode fazer uso de diferentes estratégias instrucionais (estratégias de ensino) para tornar o aprendizado mais efetivo. Uma estratégia instrucional pode ser definida como o processo de sequenciamento e organização do conteúdo, especificando atividades de aprendizagem, e decidindo como transmitir o conteúdo e as atividades ao aluno (DICK&CAREY, 2001). A aquisição de diferentes tipos de conhecimento e habilidades requer diferentes condições para o aprendizado. Se uma experiência ou ambiente instrucional não incluir estratégias de instrução que são requeridas para a aquisição do conhecimento ou habilidade desejada, então não haverá um aprendizado com eficiência, efetividade e atratividade (Merrill, M. D.; Drake, L.; Lacy, M. J.; Pratt, J, 1996). Dentro do ensino, existem cinco estratégias 1 que podem ser usadas de maneira a determinar como o instrutor agirá para ter sucesso na aprendizagem do aluno. Essas estratégias são conhecidas como: instrução direta, instrução indireta, aprendizagem experiencial, estudo independente e instrução interativa. Essas estratégias de ensino têm o papel de unir o interesse e as necessidades dos alunos, de maneira a facilitar e melhorar seu aprendizado. 1

31 Figura 6 - Estratégias de ensino (SPS, ) Instrução direta: A estratégia de instrução direta é normalmente direcionada ao professor e é uma das mais usadas hoje. Esta estratégia é bastante efetiva para fornecer informações e desenvolver habilidade de passo a passo. Esta estratégia consiste em aulas expositivas, onde o professor fala ou mostra ao aluno os conceitos que pretende passar. Instrução indireta: Ao contrário da estratégia de instrução direta, esta outra é mais centrada no estudante, embora ambas as estratégias se complementem. Esta procura um envolvimento maior do aluno na observação, investigação, formação de

32 hipóteses, etc. Nesta estratégia, o professor pode ter diversos papéis, como facilitador ou suporte, além de fornecer um ambiente de aprendizado, oportunidades para o envolvimento do aluno, e quando apropriado, fornecer um feedback aos alunos enquanto estes conduzem suas pesquisas, consultas, etc. Aprendizado experiencial: Esta estratégia é centrada no aluno e orientada a atividades. A reflexão sobre uma experiência e a formulação de planos para aplicar o aprendizado em outros contextos são fatores críticos para um aprendizado experiencial efetivo. A ênfase no aprendizado experiencial está no processo de aprendizado e não no seu produto. Jogos educacionais são uma forma de aprendizado experiencial, onde o aluno (jogador) aprende através das experiências obtidas dentro do jogo, e as aplica em outros contextos fora do mesmo. Estudo independente: O estudo independente se trata de métodos instrucionais os quais são propositadamente fornecidos para promover o desenvolvimento da iniciativa de estudo individual, autoconfiança e auto-aperfeiçoamento. A estratégia se foca no estudo independente planejado pelo aluno sob a orientação do professor. O estudo independente também inclui estudo com parceiros ou em pequenos grupos de alunos.

33 Instrução interativa: A última das estratégias se baseia principalmente na discussão e compartilhamento de ideias entre os alunos. Esses podem aprender através de seus parceiros e professores para desenvolver suas habilidades sociais, organizar seus pensamentos e desenvolver argumentos racionais. É importante que um professor delimite o assunto a ser discutido, bem como o tempo de discussão, a composição e o tamanho dos grupos, etc. É necessário que os participantes, tanto alunos quanto o professor, façam uso de suas habilidades de observação, escuta, além de habilidades interpessoais e de intervenção, de modo que a discussão se mantenha em bom nível. O sucesso desta estratégia depende fortemente da capacidade do professor de estruturar e desenvolver as dinâmicas de grupo. Ainda se tratando de estratégias de aprendizado, segundo a taxonomia de Bloom (1956), existem três domínios de uma divisão da aprendizagem: Cognitiva, Psicomotora e Afetiva. O domínio cognitivo tem como objetivo a capacidade de relembrar ou reproduzir algo que foi aprendido. Está ligado ao saber, visto como os objetivos conceituais. O segundo, chamado de psicomotor, tem como objetivo enfatizar alguma habilidade motora (ou muscular). Está ligada às ações físicas (objetos procedimentais). O terceiro e último domínio, chamado de afetivo, tem como objetivo enfatizar o sentimento, emoção ou grau de aceitação ou rejeição. Esses objetivos podem ser expressos como interesses, atitudes ou valores. Está ligada a posturas e sentimentos (objetivos atitudinais).

34 JOGOS EDUCACIONAIS Segundo Thompson (2007), um jogo é um tipo de atividade conduzida em um contexto de realidade imaginada, onde os participantes tentam alcançar ao menos uma meta, atuando de acordo com as regras estabelecidas. Um jogo educacional nada mais é do que um jogo propriamente dito, porém com os objetivos finais educacionais, projetados para ensinar determinados temas ou reforçar e apoiar a aprendizagem de habilidades (PRENSKY, 2001; DEMPSEY et al, 2001; ABT, 2002). Esses jogos são utilizados tanto no ensino básico, onde o público alvo são crianças e os temas de estudo são mais simples, como em cursos de graduação, pós-graduação, especialização (SAVI; ULBRICHT, 2008), onde o público alvo são adultos e os temas são mais específicos e até muito mais complexos. A vantagem de se utilizar jogos como ferramenta de ensino e aprendizagem, é a capacidade do mesmo de manter a concentração dos alunos de forma divertida. Com isso, o aluno acaba não só compreendendo, mas também fixando melhor todo o conteúdo de conhecimento o qual o jogo tem por objetivo transmitir.

35 3. ESTADO DA ARTE Neste capítulo é feita uma revisão completa de tudo que já existe relacionado ao tema do trabalho. Em primeiro lugar, analisamos a unidade instrucional já utilizada anteriormente na disciplina para qual este trabalho é desenvolvido. Após isso, são feitas as buscas para encontrar outros materiais já existentes. Cada busca é definida com diversas características como termos de busca, critérios de inclusão e exclusão, domínio da busca, língua procurada, entre outras coisas UNIDADE INSTRUCIONAL JÁ EXISTENTE Na disciplina INE5427 Planejamento e Gestão de Projetos do curso de Bacharelado em Ciências da Computação já existe uma unidade instrucional para planejamento de custos de projetos de software. Essa UI aborda os principais assuntos relacionados ao planejamento de custos em forma de instrução direta com a apresentação de slides com o conteúdo teórico. Embora apresente os principais conceitos relativos ao assunto, os slides são pouco atrativos. Também nota-se um volume muito grande de informação para ser estudado em pouco tempo. As figuras 7 e 8 mostram exemplos de slides presentes na UI.

36 Figura 7 - Exemplo de slide da UI já existente Figura 8 - Exemplo de slide da UI já existente É possível notar que a quantidade de texto em um mesmo slide é relativamente grande, o que faz com que o aluno perca o interesse no conteúdo que está sendo apresentado. Além disso, para passar toda essa informação ao aluno, o professor demandaria muito mais tempo do que ele tem, de fato, disponível. Como não é

37 possível estender o assunto em mais horas-aula, o conteúdo acaba sendo passado de maneira mais rápida, o que dificulta o aprendizado do aluno. Após fazer uma análise da UI já existente na disciplina, inicia-se as buscas pela internet para encontrar outros materiais que podem ser aproveitados para desenvolvimento da melhoria proposta no trabalho DEFINIÇÃO DA PRIMEIRA REVISÃO SISTEMÁTICA Primeiramente, é importante definir qual o objetivo da busca, o que se pretende encontrar para analisar. Esta definição pode ser feita através de perguntas, as quais responderiam aquilo que se procura. A primeira pergunta definida neste trabalho é: Como ensinar planejamento de custo em Gerenciamento de Projetos? Após isso, deve-se escolher em qual domínio a busca será feita. Na primeira revisão sistemática feita, é escolhido o domínio do Google Scholar (scholar.google.com) e a busca somente por artigos, com o objetivo de encontrar artigos publicados a respeito do tema que foi procurado. Neste trabalho escolhe-se a princípio analisar apenas os artigos publicados na língua inglesa. Não há critérios de exclusão para a busca EXECUÇÃO DA PRIMEIRA REVISÃO SISTEMÁTICA No mês de Abril foi realizada a busca conforme definida. O termo de busca utilizado foi: Como ensinar planejamento de custo em gerenciamento de projetos? Com esses termos de busca, nenhum resultado foi retornado.

38 Por conta disso, foi realizada uma segunda revisão sistemática utilizando outros termos de busca e critérios de seleção DEFINIÇÃO DA SEGUNDA REVISÃO SISTEMÁTICA Nesta nova busca, ao invés de elaborar uma pergunta, é utilizado um novo termo de busca, desta vez separado por uma ou duas palavras, sem formar uma frase completa. Com isso esperava-se obter resultados na busca, ao contrário da primeira que não retornou nenhum resultado. O termo de busca utilizado foi: Project management cost planning teaching computing courses ; O domínio utilizado desta vez é apenas o Google. A pesquisa apenas por resultados na língua inglesa também é mantida EXECUÇÃO DA SEGUNDA REVISÃO SISTEMÁTICA Ainda no mês de Abril, Google inicialmente retornou 39 resultados. Analisando cada um dos resultados pelo título e suas palavras-chaves, não foi encontrado nenhum resultado relevante para o trabalho. Novamente, pela falta de resultados relevantes, foi necessário realizar uma terceira busca DEFINIÇÃO DA TERCEIRA REVISÃO SISTEMÁTICA A terceira e última busca realizada foi feita de maneira informal, sem definir anteriormente todos os termos que seriam utilizados. Assim, é possível obter uma ideia melhor de como o ensino de planejamento de custos em

39 projetos de software é ensinado hoje em dia em cursos e instituições. Além disso, é possível também analisar outras Unidades Instrucionais, bem como jogos, vídeos, e outros tipos de instrução para diversas outras áreas do ensino. 4. ANÁLISE DE RESULTADOS buscas. Neste capítulo encontram-se alguns dos materiais encontrados nas JOGO 1: Coffeeshop O jogo Coffeeshop (ARMOR GAMES INC, Disponível em: simula uma cafeteria, onde o jogador é encarregado de realizar diversas tarefas para obter sucesso no seu negócio, desde a aquisição de insumos para preparar o café, até o preço de venda para os clientes. Embora seja um jogo simples, ele traz ao jogador conceitos importantes do planejamento de custos.

40 Figura 9 - Aquisição de insumos O objetivo do jogo é ganhar o máximo de dinheiro possível em 14 dias de venda, e para isso o jogador deve fazer um planejamento de custos para não gastar mais do que o necessário a fim de obter o maior lucro possível na venda dos cafés. Para a venda de café, o jogador deve comprar quatro itens: copos, café, leite e açúcar. Quanto maior número de produtos adquiridos, maior será o gasto. Portanto, o ideal é comprar a quantidade exata de produtos que conseguirá vender em um dia. Após a compra dos itens desejados, prepara-se a receita e escolhe-se o preço desejado de venda, levando em conta fatores externos como, por exemplo, a temperatura externa, visto que quanto mais frio, mais clientes aparecerão para comprar o café.

41 Depois de ter iniciado o dia, é possível acompanhar o que os clientes estão pensando, seja em relação à temperatura externa, à qualidade do café ou ao preço. Durante o dia é possível alterar o preço com que o café é vendido. Figura 10 - Vendas no decorrer do dia Após o final do dia, é necessário adquirir novamente os itens para a venda de café no dia seguinte. Alguns itens, como copos, podem sobrar no final do dia, e assim serem utilizados no dia seguinte. Outros itens, como o leite, estragam de um dia para o outro, portanto é muito importante que se compre apenas o que for utilizar na venda. Pode-se colocar um novo preço no café antes do início do próximo dia, sempre tentando adequar o preço com a qualidade do café, temperatura e sua reputação com os clientes.

42 Embora bastante simples, o jogo dá ao jogador a ideia de como os custos devem ser planejados antes de se iniciar um projeto, e também gerenciados durante sua execução. Quanto melhor planejado os custos, melhor será o resultado do projeto. JOGO 2: Lemonade Stand Assim como no jogo anterior, no jogo Lemonade Stand (FREE ONLINE GAMES, Disponível em: também é necessário aplicar conceitos de planejamento de custos para alcançar os objetivos do jogo. Neste jogo, o jogador é responsável por uma barraca de limonada, onde deve vender o máximo possível gastando somente o necessário dos recursos para conseguir juntar o máximo de clientes e a maior receita possível. O jogador planeja seus custos com os insumos necessários para vender a limonada, sendo eles: copos, limão, açúcar e gelo. Além disso, outros itens podem ser comprados ao decorrer do jogo para maximizar as vendas, como anúncio no jornal, no rádio e na TV e também pôsteres. Também é possível comprar uma barraca maior, boné, camiseta, máquina registradora, etc. Esses itens são vantajosos para o negócio, porém tem um custo. É preciso planejar com muito cuidado o que comprar para que não corra o risco de gastar em excesso no começo e ficar sem dinheiro no futuro para a compra dos insumos. As duas figuras a seguir mostram as telas onde os insumos e os demais produtos podem ser adquiridos.

43 Figura 11 - Tela de compra de insumos

44 Figura 12 - Tela de compra de itens diversos Depois de comprado todos os ingredientes, o jogador deve selecionar a receita da limonada (quantidade de cada um dos itens, limão, açúcar e gelo por copo) e o preço de venda. É necessário levar em conta também a temperatura externa, que ao contrário do jogo anterior, neste caso, quanto maior a temperatura, mais será a procura pela limonada. Durante o dia, é possível acompanhar o andamento das vendas, como mostra a figura 11.

45 Figura 13 - Vendas no decorrer do dia Ao final de cada dia, o jogador recebe um relatório das vendas (figura 12), contendo a quantidade de copos de limonada vendidos, quantidade de dinheiro recebida, custo total para produção das limonadas, o lucro obtido e, por fim, se algum item foi estragado. Com isso o jogador consegue ter o controle dos custos e ganhos durante cada dia, podendo gerenciar de maneira mais eficiente os custos do seu negócio.

46 Figura 14 - Relatório de venda ao final do dia É necessário atentar-se para o planejamento de custos antes de começar as vendas, já que o gasto excessivo no início do jogo pode custar caro quando dias mais frios chegarem e as vendas forem menores. Portanto, o planejamento de custos deve ser feito cautelosamente e sempre mantendo uma reserva de contingência. À medida que as vendas aumentam, a popularidade da barraca segue a mesma linha, trazendo cada vez mais clientes. Sendo assim, é necessário sempre refazer o planejamento dos custos levando em conta o aumento do número de clientes (e claro, do número de limonadas a serem feitas).

47 Assim como no outro jogo, embora este possua um design e uma jogabilidade simples, ele aborda conceitos importantes do planejamento de custos de um projeto. Ambos os jogos podem ser utilizados como ferramentas para reforçar a absorção do conhecimento pelo aluno, além de ser uma maneira mais interessante e divertida de ensinar do que os métodos convencionais.

48 5. A UNIDADE INSTRUCIONAL DE PLANEJAMENTO DE CUSTOS Como primeiro passo para a implementação da Unidade Instrucional, é necessário definir: Quais serão os objetivos de aprendizagem; Quais conceitos os estudantes já têm conhecimento até o momento; Qual será o conteúdo tratado; Esses três itens fazem parte da Análise apresentada no modelo ADDIE (ver figura 13). A seguir veremos cada um desses itens em maiores detalhes. Figura 15 - Modelo ISD de Dick & Carey e modelo ADDIE (DICK & CAREY)

49 5.1. ANÁLISE DA UI OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM O principal objetivo de aprendizagem da Unidade Instrucional é ensinar aos alunos como fazer o planejamento de custos de um projeto de software, mais precisamente os processos de estimar custos e determinar o orçamento do projeto, em conjunto com outros processos que também fazem parte do planejamento de custos. A unidade instrucional tem como finalidade dispor aos alunos diferentes estratégias instrucionais, de modo a garantir o pleno entendimento dos assuntos estudados através de aula expositiva, exercícios práticos e jogos, permitindo a interação e a competitividade entre os alunos, criando assim um ambiente divertido e mais favorável à aprendizagem. Após a aplicação desta unidade instrucional, os alunos devem ser capazes de estimar os custos e determinar o orçamento de projetos de software por conta própria ANÁLISE DO CONTEXTO Antes de estudar o assunto de planejamento de custos, os estudantes da disciplina de Gerenciamento de Projetos já devem saber como fazer o planejamento de escopo e de tempo. Sendo assim, ao final desta unidade instrucional, o aluno já terá o conhecimento para fazer o planejamento em cima da tripla restrição: escopo,

50 tempo e custo, de maneira que possa trabalhar para desenvolver um projeto com qualidade, mantendo um equilíbrio entre esses três itens. Esta unidade instrucional se baseia na aprendizagem intelectual do aluno, sendo aplicada em sala de aula, trabalhando assim no domínio cognitivo de BLOOM (1956). A Unidade Instrucional aborda os seguintes assuntos: Conceitos básicos o Preço x custo o Fluxo de caixa o Ciclo de vida de custo o Componentes de custo Estimar os custos o Técnicas de estimativa de custo o Estimativa dos recursos (humanos ou não) Determinar o orçamento o Agregação de custos o Análise de reservas Reserva de contingência Reserva de gerenciamento o Baseline dos custos o Orçamento

51 5.2. PROJETO DA UI Concluída a fase de análise da Unidade Instrucional, avançamos para a fase de projeto da UI. A unidade instrucional é realizada com base em duas estratégias instrucionais, sendo elas: instrução direta e aprendizagem experiencial. Portanto, como resultado dessas estratégias instrucionais, temos os seguintes materiais instrucionais: Instrução direta: o Slides com todo o conteúdo teórico que o aluno deve conhecer; Aprendizagem experiencial: o Exercícios práticos com interação entre alunos e professor; o Jogo abrangendo parte do conteúdo apresentado; o Outras atividades extra-aula (jogos indicados para se jogar em casa); 5.3. DESENVOLVIMENTO DA UI Seguindo o modelo ADDIE, após as fases de análise e projeto, a UI é desenvolvida. SLIDES Todo o conteúdo teórico dos slides teve como base slides utilizados anteriormente na disciplina, porém foram totalmente revisados e aprimorados.

52 Este conteúdo aborda com detalhes os conceitos básicos e os processos de estimar os custos e determinar o orçamento. Para a elaboração dos slides explicativos, faz-se um estudo de quais conceitos devem ser apresentado aos alunos. É importante que o conteúdo não fique sobrecarregado para alunos no nível de graduação. As explicações devem ser simples e claras, além de utilizar exemplos voltados a projetos de software para facilitar a compreensão por parte dos alunos. Para tornar a aula menos cansativa, os slides alternam entre explicações teóricas (explicação dos conceitos) e atividades práticas (exercícios e jogos), utilizando assim diferentes estratégias de ensino. Desta maneira é mais fácil atrair a atenção do aluno para o que o professor está apresentando. No início são expostos ao aluno os objetivos de aprendizagem da aula, bem como uma tabela indicando onde se encaixa este assunto dentro das diversas fases estudadas na disciplina. Figura 16 - Slide sobre objetivo de aprendizagem

53 Após isso se inicia a exposição dos conceitos de planejamento de custo e os processos estimar os custos e determinar o orçamento (figura 15), com exercícios para serem feitos em grupo ou individualmente durante a aula. Figura 17 - Slide sobre "estimar custos" Os slides foram construídos com várias imagens, de modo a manter a atenção do aluno voltada à aula. Também foram utilizados exemplos reais para que os alunos pudessem compreender melhor os conceitos que estavam sendo ensinados. Por exemplo, para estimar o custo de um computador, foi exibido um slide contendo a imagem de um site de compras com o preço de um notebook a mostra, exibindo de maneira clara para o aluno como o custo daquele item foi estimado (figura 16).

54 Figura 18 - Slides com "componentes de custo" e exemplos reais A apresentação toda foi dividida em pequenas partes, com um slide de descontração ou alguma atividade prática entre as partes para que a aula não se tornasse monótona. A figura 17 mostra um dos slides contendo uma pequena charge sobre planejamento de custos. Figura 19 - Slide com charge sobre planejamento de custos

55 EXERCÍCIOS PRÁTICOS O primeiro exercício consiste no aluno estimar os custos para o projeto da construção de um software para uma pizzaria, denominada Tio Chico. Este projeto da pizzaria do Tio Chico é utilizado durante todo o semestre na disciplina, de modo que os conceitos estudados se relacionem como um todo, para que o aluno perceba como um assunto pode interferir no outro. O projeto do Tio Chico se baseia em construir um sistema onde os clientes da pizzaria possam utilizá-lo para obter informações sobre a pizzaria, como localização, contatos, cardápio, preços, fotos do local, reservas, etc. Os projetos podem variar entre si, dependendo da imaginação de cada aluno. Por exemplo, um grupo de alunos pode decidir que será possível fazer pedidos de pizzas online, e o entregador poderá ter acesso a um dispositivo móvel para localizar a residência do cliente quando estiver próximo ao seu endereço. No exercício, o aluno deve estimar os custos fixos e variáveis, tanto de recursos humanos quanto físicos, do projeto em questão. Alguns exemplos desses custos seriam: Encargos e salários dos recursos humanos; Computadores; Dispositivo móvel; Servidor de hospedagem do website; Aluguel da sala onde o projeto será desenvolvido; Entre outros;

56 O importante neste exercício é que o aluno consiga encontrar o máximo de requisitos possíveis para que a estimativa dos custos fique o mais próximo do real. Figura 20 Slide com primeiro exercício prático O segundo exercício prático trata do mesmo projeto para a pizzaria do Tio Chico, porém agora o aluno deve determinar o orçamento para este projeto, a partir da estimativa dos custos feita no exercício anterior. O aluno deve também construir a baseline de custos deste projeto, lembrando de incluir a reserva de contingência. A reserva gerencial também deve aparecer no orçamento final.

57 Figura 21 - Slide com segundo exercício prático

58 JOGO DOS SETE ERROS A última atividade prática da unidade instrucional é o jogo dos sete erros da baseline de custos. A ideia de fazer este jogo surgiu após uma análise dos erros mais comuns cometidos pelos alunos nos trabalhos práticos da disciplina. Um alto número de alunos cometia erros na baseline, sendo que muitos deles se repetiam. Foram identificados sete erros mais comuns, sendo eles: 1. Falta de padronização (papel vs. Pessoa); 2. Unidade monetária não indicada; 3. Erro na soma dos valores; 4. Erro ao indicar um custo no tempo; 5. Reserva de contingência não aparece; 6. Reserva gerencial aparece; 7. Soma dos valores totais por período não aparece; A partir desses sete erros, surgiu-se a ideia de fazer um jogo dos sete erros, onde o aluno deve analisar a baseline e indicar os sete erros presentes na mesma. Este jogo poderia ajudar os alunos a compreender melhor o tema estudado, bem como fixar os conceitos para diminuir a incidência desses erros nos trabalhos seguintes. os alunos. Sendo assim, a figura 20 mostra como a baseline foi apresentada para

59 Figura 22 - Slide com jogo dos sete erros Nota-se que os sete erros acima mencionados estão presentes nessa baseline de custo. Foi dado um tempo de cinco minutos para que os alunos pudessem encontrar e corrigir todos estes erros. Ao final do tempo, os erros encontrados são discutidos com os alunos utilizando um slide mostrando cada um dos sete erros.

60 Figura 23 Resolução do jogo dos sete erros 5.4. EXECUÇÃO DA UI A execução da Unidade Instrucional ocorreu às 8:20 às 10:00 do dia 4 de Outubro de 2012, na sala 108 do prédio do Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina com a turma da disciplina INE5427 Planejamento e Gestão de Projetos do curso de Bacharelado em Ciências da Computação, e contou com 18 alunos presentes 2. 2 O uso das imagens da aula foi previamente autorizado por todos os presentes, seguindo o termo que foi passado aos alunos antes do início da aula. O termo de autorização se encontra anexado no Apêndice C, ao final deste trabalho.

61 Figura 24 - Alunos durante a aula Os alunos puderam interagir durante as atividades práticas, como pode ser visto na figura 23. Figura 25 - Alunos durante atividade prática

62 6. AVALIAÇÃO DA UNIDADE INSTRUCIONAL A avaliação foi aprovada pela Comissão de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEPSH) DEFINIÇÃO DA AVALIAÇÃO A avaliação tem como objetivo principal avaliar toda a unidade instrucional quanto à sua qualidade. Entende-se como qualidade os seguintes aspectos da UI: Possuir objetivos de aprendizagem bem definidos; Motivar os alunos; Ser agradável e motivante para os alunos; Para avaliar a Unidade Instrucional, foi adaptado o modelo MEEGA de avaliação de jogos educacionais proposto pelo SAVI (2011). Este é baseado nos quatro níveis de avaliação de Kirk&Patrick (2006), que é uma estrutura padronizada utilizada em larga escala para avaliação da aprendizagem. A avaliação aqui apresentada se encontra no nível de reação, que é o primeiro nível da estrutura de Kirk&Patrick. Esta reação é uma forma de se avaliar o sentimento dos alunos em relação à experiência de aprendizado.

63 Existem três subcomponentes que devem ser avaliados, sendo eles: Motivação: este primeiro item se decompõe de acordo com o modelo ARCS (KELLER, 1987), definindo quatro categorias: atenção, relevância, confiança e satisfação. Essas quatro categorias representam a motivação no design instrucional. Experiência do usuário: o segundo item, experiência do usuário, avalia a interação dos indivíduos com a Unidade Instrucional apresentada. Para isso, são considerados pensamentos, sentimentos, prazer e outras percepções que resultam interação (TULLIS, 2008). Ela envolve as dimensões de imersão, desafio, competência, diversão e interação social. Aprendizagem: o último dos três itens, aprendizagem, tem relação com os três primeiros níveis da taxonomia de Bloom, que são o conhecimento, compreensão e aplicação. Além disso, inclui também duas dimensões, sendo elas: aprendizagem de curto prazo e aprendizagem de longo prazo (SINDRE, 2003).

64 Figura 26 - Modelo de avaliação adaptado (SAVI, 2011) Para as respostas a essas perguntas é usado uma escala likert de 5 pontos, usando o valor -2 para Discordo fortemente e 2 para Concordo fortemente (figura 25) 3. 3 O questionário completo pode ser visto no Apêndice B, ao final deste trabalho.

65 Figura 27 - Primeira parte de perguntas de caráter quantitativo As perguntas sobre os objetivos de aprendizagem tratam exclusivamente dos dois principais processos abordados na UI: estimar custos e determinar o orçamento. Aqui o aluno deve preencher uma tabela a fim de estabelecer um comparativo entre o antes e o depois de aplicada a UI, nesses três aspectos: 1. Lembrar o que é 2. Compreender como funciona 3. Aplicar na prática A tabela para avaliar os objetivos de aprendizagem deve ser preenchida com valores inteiros entre 1 e 5, onde 1 representa pouco e 5 representa muito. A tabela 1 mostra o modelo da avaliação.

66 Tabela 1 - Comparação entre antes e depois Houve também perguntas de caráter qualitativo, onde o aluno é convidado a citar três pontos fortes e três pontos fracos da UI como um todo. Além disso, o aluno é livre para fazer qualquer outro comentário que achar pertinente. Estas perguntas procuram obter com mais precisão pontos a serem trabalhados para aprimorar ainda mais a UI.

67 Figura 28 - Perguntas de caráter qualitativo 6.2. EXECUÇÃO DA AVALIAÇÃO A avaliação foi executada uma semana após a aplicação da UI, para que os alunos tivessem tempo de fazer as atividades extra-aula (jogos indicados). Os alunos tiveram tempo suficiente para responder todas as perguntas com calma, para que o feedback fosse o mais real possível ANÁLISE DOS RESULTADOS A análise dos resultados foi feita seguindo os três subcomponentes: Motivação, Experiência do Usuário e Aprendizagem.

68 MOTIVAÇÃO O resultado obtido está representado de acordo com a figura 27. Figura 29 - Análise dos dados referente ao fator de Motivação O gráfico ilustra a quantidade de alunos que concordam ou discordam da afirmação proposta. Como é possível notar, as perguntas que tiveram melhor resultado foram perguntas referentes à categoria Confiança, obtendo 17 respostas positivas, o que significa aproximadamente pouco mais de 94% da amostra. Apenas uma resposta foi neutra, enquanto ninguém discordou das afirmações. Cabe observar que a categoria Satisfação, apesar de ter no geral resultado positivo, obteve oito respostas neutras (44%), o que significa que

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

PLANEJAMENTO DO ESCOPO

PLANEJAMENTO DO ESCOPO PLANEJAMENTO DO ESCOPO Dr. rer. nat. Christiane Gresse von Wangenheim, PMP Objetivo de aprendizagem desta aula Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Motivar a importância do planejamento de escopo.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3.

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3. 02m Conteúdo Apresentação do PMBOK Brasília, 25 de Junho de 2015 Fase 01 1.PMBOK e PMI 2. Conceitos 3.Processos Fase 02 4. Áreas de Conhecimento 10m Gerenciamento de Projetos Projeto A manifestação da

Leia mais

WWW.RJN.COM.BR/SIMULADOPMP

WWW.RJN.COM.BR/SIMULADOPMP EMENTA DO TREINAMENTO Apresentar metodologia de estudo dos fundamentos de gerenciamento de projetos, das áreas de conhecimento (integração, escopo, tempo, custo, qualidade, recursos humanos, comunicação,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

ROSALDO DE JESUS NOCÊRA PMP, PMI-SP, PMI-RMP, MCTS

ROSALDO DE JESUS NOCÊRA PMP, PMI-SP, PMI-RMP, MCTS ROSALDO DE JESUS NOCÊRA PMP, PMI-SP, PMI-RMP, MCTS Project Management Professional do PMI - Project Management Institute De acordo com a 5ª edição (2013) do PMBOK Guide GUIA DEFINITIVO 2ª edição Inclui:

Leia mais

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012 Logística Profª. Paula Emiko Kuwamoto Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos Agenda da Teleaula Reforçar a importância dos projetos no cenário atual. Apresentar os principais conceitos envolvendo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Gerenciamentode Custos PMBOK apresentaosseguintesconceitos: Gerenciamento de custos; Processos de Gerenciamento de custos: Estimar custos; Determinar

Leia mais

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP Por que projetos falham? Gestão Moderna (anos 90 em diante):

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos Fórum QPC O Gerenciamento de Projetos na abordagem do PMI - Project Management Institute Marco Antônio Kappel Ribeiro Presidente do PMI-RS

Leia mais

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição Project Management Institute UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição NOTA As

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

Preparatório para o Exame de PMP Autora: Rita Mulcahy Edição: 8ª, em português (alinhado ao Guia PMBoK 2013 5ª Edição)

Preparatório para o Exame de PMP Autora: Rita Mulcahy Edição: 8ª, em português (alinhado ao Guia PMBoK 2013 5ª Edição) Preparatório para Certificação PMP Objetivo Este treinamento tem como finalidade preparar o profissional que atua como gerente de projetos, para que possa realizar com segurança o exame de Certificação

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Gerenciamento de Projetos PM00.99 YOUR ACHIEVEMENT! OUR GUIDANCE TenStep PMP Exam Prep PRÉ-APROVADO PELO PMI

Gerenciamento de Projetos PM00.99 YOUR ACHIEVEMENT! OUR GUIDANCE TenStep PMP Exam Prep PRÉ-APROVADO PELO PMI Preparatório Para o Exame de Certificação PMP Gerenciamento de Projetos PM00.99 YOUR ACHIEVEMENT! OUR GUIDANCE TenStep PMP Exam Prep PRÉ-APROVADO PELO PMI Este é o curso ideal para os gerentes de projetos

Leia mais

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS Ribeirão Preto, Franca, Araraquara e São Carlos MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS COORDENAÇÃO: Profº Edmarson Bacelar Mota, M.Sc APOIO: SOBRE O CURSO Com a abertura dos mercados e o enorme aumento da competitividade,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Introdução à Gestão de Projetos

Introdução à Gestão de Projetos Introdução à Gestão de Projetos Cleide Possamai - cleide@inf.ufpr.br Abril/2012 Introdução A Gestão de Projetos é, atualmente, vital para empresas de todos os ramos; A Gestão de Projetos proporciona os

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

PMBOK e Gerenciamento de Projetos

PMBOK e Gerenciamento de Projetos PMBOK e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos (GP) é uma área de atuação e conhecimento que tem ganhado, nos últimos anos, cada vez mais reconhecimento e importância. Um dos principais difusores

Leia mais

www.plathanus.com.br

www.plathanus.com.br www.plathanus.com.br A Plathanus Somos uma empresa com sede na Pedra Branca Palhoça/SC, especializada em consultoria e assessoria na criação e desenvolvimento de estruturas e ambientes especializados com

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda?

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda? Resumo Integrar é procurar tornar partes distintas em um todo e que não percam seu objetivo. Gerenciar um projeto requer uma forte atuação integradora, visto que são muitas e complexas as funções a serem

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

WWW.RJN.COM.BR. De acordo com a 5ª Edição (2013) do PMBOK

WWW.RJN.COM.BR. De acordo com a 5ª Edição (2013) do PMBOK De acordo com a 5ª Edição (2013) do PMBOK EMENTA DO TREINAMENTO Apresentar metodologia de estudo dos fundamentos de gerenciamento de projetos, das áreas de conhecimento (integração, escopo, tempo, custo,

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO

PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO Visão Geral do PMBOK As três dimensões da GP Ciclo de Vida de s Operação Grupo de Processos Encerramento Teste / Pré Operação Execução Execução Monitoramento

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos

MBA em Gerenciamento de Projetos MBA em Gerenciamento de Projetos Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 18 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas em outras turmas que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE - DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA SIN SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE - DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA SIN SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE - DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA SIN SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Bruno Zacchi Rausis Gustavo Machado Soares DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO EDUCACIONAL PARA

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br ORIGEM E EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS Diferente do que muitos acham, o gerenciamento de projetos não propõe nada revolucionário e novo; Sua proposta

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5a edição

Novidades do Guia PMBOK 5a edição Novidades do Guia PMBOK 5a edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, vai ser lançado oficialmente pelo

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA SÉRGIO MENDES DE OLIVEIRA ABREU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA SÉRGIO MENDES DE OLIVEIRA ABREU UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA SÉRGIO MENDES DE OLIVEIRA ABREU EVOLUÇÃO DA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS DOTPROJECT PARA SUPORTE AO GRUPO DE

Leia mais

Gerenciamento de Projetos: Conceitos.

Gerenciamento de Projetos: Conceitos. ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aula 10: 1 1 O que é Projeto 2 Caracterização de um projeto 3 Processos e áreas do gerenciamento de projeto 4 Análise de viabilidade do projeto 5 O papel do gerente de

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Fundamentos Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira Atenção! Este material inclui anotações, imagens e notas que têm como objetivo exemplificar e esquematizar alguns dos conceitos

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1ª edição - 2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 O QUE É UM PROJETO?...04 O QUE É UM PROGRAMA?...07 ESTUDOS E PROJETOS...08 O QUE É O GERENCIAMENTO DE PROJETOS...09 QUEM É

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

Oficinas de Integração 3

Oficinas de Integração 3 Oficinas de Integração 3 Introdução à Disciplina IF66J/S71 Oficinas de Integração 3 Eng. Computação Profs. João A. Fabro e Heitor S. Lopes.-Slide 1/32 Oficinas de Integração 3 Introdução (Ementa e Objetivos)

Leia mais

O padrão de gerenciamento de projetos

O padrão de gerenciamento de projetos O padrão de gerenciamento de projetos Processos de Gerenciamento de Projetos 1 Áreas de Conhecimento do Gerenciamento de Projetos Trinômio Sagrado Custos Tempo Qualidade 2 Áreas de Conhecimento do Gerenciamento

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistemas de Informação Professores: Rafael Francisco Thibes thibes@uniarp.edu.br Período/ Fase: 5º Semestre:

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Ficha técnica do curso

Ficha técnica do curso Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática 40h Domine os conhecimentos em gerenciamento de projetos e esteja um passo a frente no mercado. Cada vez mais, as empresas reconhecem a importância de profissionais

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares GESTÃO DE PROJETOS Prof. Anderson Valadares Projeto Empreendimento temporário Realizado por pessoas Restrições de recursos Cria produtos, ou serviços ou resultado exclusivo Planejado, executado e controlado

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

7 Seminário em Gerenciamento de Projetos PMI-GO

7 Seminário em Gerenciamento de Projetos PMI-GO 7 Seminário em Gerenciamento de Projetos PMI-GO PROJETO: OFICINA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ABORDAGEM PMI Vivian Borim www.vivianborim.com.br viborim@uol.com.br Agenda 22.08.2011 08h Apresentação

Leia mais

Gerenciamento da Integração com metodologia PMBOK 30 h/a

Gerenciamento da Integração com metodologia PMBOK 30 h/a da Integração com 30 h/a Facundo Barbosa, MBA, PMP, ITIL, CSP 85 9444.9544 e 85 4005.5644 facunndo@mdb.com.br Slide 1 Metodologia Explanação Discussões em grupo Exercícios práticos Apresentação e estudo

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Introdução História Ferramentas Áreas do Conhecimento - Exercício AULA 3 Gestão de Projetos

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E R E N C I A M E N T O D E P R O J E T O S * Programa sujeito a alterações

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E R E N C I A M E N T O D E P R O J E T O S * Programa sujeito a alterações depto. mkt. IBE FGV * Programa sujeito a alterações RESOLUÇÃO DO MEC Os cursos MBA Pós-Graduação Especialização da Fundação Getulio Vargas atendem aos requisitos da Resolução CNE / CES nº 01, de 08/06/07.

Leia mais

Workshop em Gerenciamento de Projetos

Workshop em Gerenciamento de Projetos Workshop em Gerenciamento de Projetos 1 Agenda MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Introdução Apresentação do Palestrante Introdução Conceituação Melhores Práticas Histórico (PMI, PMBok, PMO) Grupos de Processos

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Áreas de conhecimento do PMBOK - Custo - Determina os processos necessários para assegurar que o projeto seja conduzido e concluído dentro

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos 1.1 Introdução 31 1.2 O que é um projeto? 31 1.3 Ciclo de vida do projeto 33 1.4 O que é gerenciamento de projetos? 36 1.5 Relacionamento entre grupos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS E CERTIFICAÇÕES PMI. Hedson Rodrigues Lima, CTFL, PMP

GERENCIAMENTO DE PROJETOS E CERTIFICAÇÕES PMI. Hedson Rodrigues Lima, CTFL, PMP GERENCIAMENTO DE PROJETOS E CERTIFICAÇÕES PMI Hedson Rodrigues Lima, CTFL, PMP Sobre o Palestrante Hedson Rodrigues Lima, CTFL, PMP Atua como: Gerente de Projetos Na Empresa: Gestao TI E também como: Instrutor

Leia mais