CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS SUSANE PONTES DOS REIS ANÁLISE DE IMPLEMENTAÇÃO DE REGRAS DE NEGÓCIOS EM BANCO DE DADOS ORACLE E APLICAÇÃO JAVA. ESTUDO DE CASO: SISTEMA PAROQUIAL LINS/SP 1º SEMESTRE/2011

2 CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS SUSANE PONTES DOS REIS ANÁLISE DE IMPLEMENTAÇÃO DE REGRAS DE NEGÓCIOS EM BANCO DE DADOS ORACLE E APLICAÇÃO JAVA. ESTUDO DE CASO: SISTEMA PAROQUIAL Projeto de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins para obtenção do Título de Tecnóloga em Informática com ênfase em Banco de Dados. Orientador: Prof. Me. Luiz Fernando Oliveira Silva. LINS/SP 1º SEMESTRE/2011

3 SUSANE PONTES DOS REIS ANÁLISE DE IMPLEMENTAÇÃO DE REGRAS DE NEGÓCIOS EM BANCO DE DADOS ORACLE E APLICAÇÃO JAVA. ESTUDO DE CASO: SISTEMA PAROQUIAL Projeto de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins, como parte dos requisitos necessários para obtenção do título de Tecnóloga em Informática com ênfase em Banco de Dados sob orientação do Prof. Me. Luiz Fernando Oliveira Silva. Orientador (Prof. Me. Luiz Fernando Oliveira Silva) Examinador 1 ( ) Examinador 2 ( )

4 Dedico este trabalho aos meus pais Adão e Maria Clara, irmãs Érica e Suélen e ao meu namorado Gustavo.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus em primeiro lugar, pelo dom da vida e por me abençoar nessa caminhada. A minha família que me deu muito apoio, força necessária para que conseguisse alcançar essa meta profissional muito importante, meta essa, que ainda é a primeira de muitas, se Deus quiser. Ao meu namorado Gustavo, que me incentivou e esteve sempre ao meu lado expressando seu carinho, amor e contribuindo muito para a realização desse trabalho. Aos meus amigos de turma, que foram maravilhosos durante esses três anos juntos, pela amizade que construímos e união em todos os momentos. Ao Professor Me. Luiz Fernando Oliveira Silva, pela amizade e orientação na realização desse trabalho. Aos meus professores, que contribuíram para a minha formação, em especial ao professor Mário Pardo e as professoras Adriana de Bortoli e Elaine de Moraes, que colaboraram para a concretização dessa monografia. A equipe da Fatec, que de uma forma ou de outra, contribuíram para minha formação.

6 RESUMO Este trabalho tem como objetivo geral, apresentar técnicas de regras de negócios aplicadas em Banco de Dados e parte desenvolvido na aplicação Java e sendo aplicada também a regra de negócio para ser comparado o código fonte de ambos. Dentre os objetivos específicos estão compreender a importância da regra de negócio e verificar como podem ser utilizadas em um protótipo em software da Paróquia São Francisco de Assis, situada na cidade de Araçatuba - SP. Grande parte da segurança fica por conta da programação e de regras estabelecidas de acordo com funcionamento da empresa, durante a fase de desenvolvimento, o estabelecimento de regras explícitas no Banco de Dados utilizando estudos de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional muito utilizado, principalmente em grandes organizações com alta demanda de informações, o Oracle 10g, ferramenta de programação PL/SQL. Com essas regras de negócios aplicadas adequadamente, permitiu verificar a comparação dos códigos, onde constatou a quantidade de linhas programadas, sua complexidade, segurança e produtividade. Palavras-chave: Análise de Implementação. Regras de Negócios. Banco de Dados. PL/SQL

7 ABSTRACT This work aims generally present techniques of business rules applied in Database and partly developed in Java and also being applied to the business rule to be compared the source code of both. Among the specific objectives are to understand the importance of business rule and see how they can be used in a software prototype in the St. Francis of Assis Parishi, in the city of Araçatuba SP. Large part of security is left to the programming and rules establishment of explicit rules in studies using Database Management System for Relational Database widely used, high demand for information, Oracle 10g, a tool for PL/SQL programming. With these business rules applied adequately, has permitted the comparison of codes, where he saw the number of lines programmed its complexity, safety and productivity. Keywords: Business Rules. Database. Parish. PL/SQL

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1.1: O modelo de desenvolvimento em três camadas Figura 2.1: Diagrama de Use Case Figura 2.2: MER Figura 2.3: Diagrama de Classe Figura 2.4: Modelo Relacional Figura 3.1: Cadastro de casamento sem regras de negócios Figura 3.2: Cadastro de casamento com regras de negócios Figura 3.3: Cadastro de pessoas sem regras de negócios Figura 3.4: Cadastro de pessoas com regras de negócios Figura 3.5: Cadastro de pessoas com chamada de procedimento Figura 3.6: Inserção de cadastro de pessoas na aplicação... 43

9 LISTA DE TABELAS Tabela 2.1: Projeto de Banco de Dados Entidade Pessoa Tabela 2.2: Projeto de Banco de Dados Entidade Receitas Tabela 2.3: Projeto de Banco de Dados Entidade Casamento Tabela 2.4: Projeto de Banco de Dados Entidade Missa Tabela 2.5: Projeto de Banco de Dados Entidade Escala Tabela 2.6: Projeto de Banco de Dados Entidade EscalaPessoa Tabela 2.7: Projeto de Banco de Dados Entidade Evento Tabela 2.8: Projeto de Banco de Dados Entidade Despesas Tabela 2.9: Projeto de Banco de Dados Entidade Grupo Tabela 2.10: Projeto de Banco de Dados Entidade PessoaGrupo Tabela 2.11: Projeto de Banco de Dados Entidade Reunião Tabela 2.12: Projeto de Banco de Dados Entidade Sala Tabela 2.13: Projeto de Banco de Dados Entidade Curso Tabela 2.14: Projeto de Banco de Dados Entidade Cursando Tabela 2.15: Projeto de Banco de Dados Entidade TipoCurso... 30

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ECA Evento, Condição e Ação SGBD Sistema Gerenciador de Banco de Dados TI Tecnologia da Informação BD Banco de Dados MER Modelo Entidade Relacional CPP Conselho Paroquial de Pastorais CAP Conselho Administrativo Paroquial CRP Conselho Regional de Pastorais ECC Encontro de Casais com Cristo

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 13 CAPÍTULO I - BANCO DE DADOS SISTEMA EM TRÊS CAMADAS REGRAS DE NEGÓCIO 17 CAPÍTULO II- ESTUDO DE CASO LEVANTAMENTO DE REQUISITOS LISTA DE USE CASE DIAGRAMA DE USE CASE MER E DIAGRAMA DE CLASSE PROJETO DE BANCO DE DADOS FUNCIONALIDADES DO SISTEMA E REGRAS DE NEGÓCIO Funcionalidades do Dizimista Funcionalidades do Catequista Funcionalidades de Crisma Funcionalidades do Coroinha Funcionalidades do Batizado Funcionalidades do Casamento Funcionalidades do Músico Funcionalidades da Missa Funcionalidades da Reunião Funcionalidades do Grupo Funcionalidades de Evento Funcionalidades do Recebimento Funcionalidades do Pagamento 34 CAPÍTULO III - REGRAS DE NEGÓCIOS APLICADAS NO PROJETO 35

12 3.1 ANÁLISE DE IMPLEMENTAÇÃO DE REGRAS DE NEGÓCIO NO BANCO DE DADOS E NA APLICAÇÃO 37 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 45 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 46

13 13 INTRODUÇÃO Segundo Silva et al.(2001), a separação das regras de negócio nos sistemas de informação apresenta uma série de vantagens amplamente aceitas (Validar o Sistema, Validar os dados legados, Auxílio para a Extração das Regras de Negócio) na comunidade de sistemas de informação. Uma dificuldade na administração das regras de negócios está no fato de que as bases de conhecimento não devem conter incongruências lógicas. Ainda segundo Silva et al.(2001), formalizar as regras de negócio utilizandose uma linguagem declarativa permite que as mesmas sejam convertidas para uma representação em lógica de primeira ordem, o que irá facilmente permitir que tais incongruências sejam identificadas. Mais do que isso, ao se modificar uma regra, ou acrescentar uma nova, a consistência da base poderá ser testada para a verificação de incongruências, de modo listar as regras conflitantes auxiliando a equipe no trabalho de resolver tais problemas. Além disso, a formalização de parte do conhecimento obtido durante a fase de análise é um grande passo na direção de se gerar código automaticamente. Este trabalho monográfico irá detalhar as regras de negócio de um sistema Paroquial, e mostrar a importância da mesma. O resultado da pesquisa é apresentado, nesta monografia, em três capítulos. No capítulo 1, apresenta-se considerações gerais sobre banco de dados, seu funcionamento, como é feito o compartilhamento de dados, o funcionamento do sistema em três camadas, e enfim, a regra de negócio e sua definição. O segundo capítulo apresentará a análise de requisitos de um sistema paroquial, e com base nesse levantamento, foram criados os diagramas de Caso de Uso e Classe, o MER e modelo relacional. Apresenta também todas as tabelas, seus

14 14 respectivos atributos, chaves e regras de negócios que serão criadas para a funcionalidade do sistema. No terceiro capítulo relatará a regra de negócio criada em cada tabela, mostrando a função de cada uma no sistema. Relata também, a comparação do código fonte onde se encontra um procedimento criado na aplicação e o outro, procedimento criado no banco de dados e sendo chamado na aplicação. Conclui-se a monografia retomando as questões que a motivaram e avaliando se nossos objetivos foram alcançados. E, para finalizar, levanta as lacunas deixadas, sugerindo continuidade em pesquisas desta natureza que contribuam para o conhecimento mais amplo acerca das práticas de regras de negócios.

15 15 1. BANCO DE DADOS Neste capítulo apresenta-se o funcionamento do banco de dados, como são feitos os compartilhamentos de dados e como serão implementadas as regras no banco de dados. Um banco de dados é um conjunto integrado de elementos de dados relacionados logicamente. Consolida registros previamente armazenados em arquivos separados em uma fonte comum de registros de dados que fornece dados para muitas aplicações (...) (O BRIEN, 2004, pág. 136). Com o uso do banco de dados, consegue-se visualizar registros armazenados em uma base de dados, através de consultas ao banco, na qual são observados em diversas aplicações SISTEMA EM TRÊS CAMADAS O sistema em três camadas esta sendo abordado nesse trabalho, pois contem uma camada chamada servidor de aplicação, que vai exercer a função de regras de negócios. Segundo Battisti (2003), a ideia do modelo de três camadas, é retirar as Regras do Negócio do cliente e centralizá-las em um determinado ponto, o qual é chamado de Servidor de Aplicações. O acesso ao Banco de dados é feito através das regras contidas no Servidor de Aplicações. Ao centralizar as Regras do Negócio em um único ponto, fica muito mais fácil a atualização destas regras sem ter que interver nas demais camadas. O acesso total do cliente ao Banco de dados é feito de acordo com as regras contidas no servidor de aplicações. O cliente não acessa diretamente ao Banco de dados, sem antes passar por esse servidor. Com isso as três camadas são as seguintes:

16 16 Apresentação: Continua no programa instalado no cliente. Alterações na Interface do programa geram a necessidade de atualizar a aplicação em todos os computadores, em que está sendo utilizada. Porém, cabe ressaltar, que alterações na interface, são menos frequentes do que alterações nas regras do negócio. Lógica: São as regras do negócio, que determinam de que maneira os dados serão utilizados. Esta camada foi deslocada para o servidor de aplicações. Desta maneira, quando uma regra do negócio for alterada e atualizá-la no servidor de aplicações, todos os usuários passarão a ter acesso a nova versão, sem que seja necessário reinstalar o programa em cada um dos computadores da rede. Ao centralizar as regras do negócio em um Servidor de aplicações, facilita a tarefa de manter a aplicação atualizada. Dados: Nesta camada temos o servidor de Banco de dados, no qual reside toda a informação necessária para o funcionamento da aplicação. Cabe ressaltar, novamente, que os dados somente são acessados através do Servidor de aplicação, e não diretamente pela aplicação Cliente. Com a introdução da camada de Lógica, resolvemos o problema de termos que atualizar a aplicação, em centenas ou milhares de computadores, cada vez que uma regra do negócio for alterada. Porém continuamos com o problema de atualização da aplicação, cada vez que forem necessárias mudanças na Interface. Figura 1.1: O modelo de desenvolvimento em três camadas Fonte: BATTISTI, 2003 De acordo com Battisti (2003), o software é dividido em três camadas, sendo que cada uma delas trabalhada independentemente, tornando o sistema flexível e são colocadas em uma unidade de servidor diferentes, como vemos na figura acima. Esse modelo é muito utilizado, pois independente de cada camada que for alterar/atualizar, não precisa alterar as demais camadas.

17 REGRAS DE NEGÓCIO Regras do Negócio são componentes de um sistema de informação organizacional, cuja importância tem sido reconhecida nos últimos anos. Em Banco de Dados, as regras de negócio expressam como a coleção de informações são estruturadas, em termos de relacionamento e armazenamento, assim como os meios que acessam essas informações. Um exemplo deste tipo de regra de negócio seria: todas as informações do negócio são estruturadas usando o Modelo Relacional de Dados, e o meio de acesso às informações é através de um software de gerenciamento de bancos de dados que implementa este tipo de modelo de dados (ALVARENGA, 2007, p.16). A aplicação bem estruturada no banco reduz muito as chances de erros e acelera o processo do sistema. Para que isso ocorra, o desenvolvedor deve conhecer bem o funcionamento da empresa para poder aplicar essas regras de forma correta e assim possuir um resultado final esperado. Nesse contexto, as regras dizem respeito aos dados que podem ser cadastrados em um sistema de informação. Segundo Cardoso (2005) muitos sistemas de informações hoje necessitam ser dinâmicos e configuráveis de modo que possam ser rapidamente adaptados para novas necessidades de negócio. Isto normalmente é feito movendo-se certos aspectos do sistema, tais como as regras de negócio, para dentro de banco de dados de maneira que eles possam ser facilmente modificados. O modelo resultante permite que um sistema possa ser adaptado às novas regras de negócio através de uma simples mudança nos valores no banco de dados em vez de realizar uma mudança no código. Desta maneira é possível introduzir novos produtos sem programação e até mesmo fazer mudanças nos modelos de negócio em tempo de execução. As Regras de Negócio são políticas, normas e padrões que influenciam ou guiam o comportamento do negócio. A execução das atividades deve sempre respeitar as regras que o negócio possui. O conjunto de regras de negócio que governam uma atividade pode criar complexidade no processo, quanto mais complexo o processo, mais chances de haver falhas. As regras de negócio devem ser aplicadas para nortear a execução de um sistema, forçar políticas organizacionais ou regulamentações externas, reduzir erros de processo e agilizar

18 18 sua execução. Esta solução consiste em tratar e propor regras que beneficiem o desempenho do processo 1. As aplicações das regras de negócios em banco de dados relacionais podem ser feitas através dos gatilhos (Trigger), na qual verifica a validação dos dados de acordo com as normas dos negócios das empresas, elas ficam armazenadas no SGBD e são disparadas automaticamente por atividades realizadas e são responsáveis por definirem a integridade e consistência no banco, a trigger é administrada de forma centralizada, no qual o DBA define suas situações, eventos e ações, outra regra, são os procedimentos (Stored Procedures) que define o que ocorre quando se insere, altera ou apaga informações dentro de uma tabela, a vantagem sobre outras alternativas de regras, é a sua compilação que melhora a performance de execução, os comando são compilados quando se executa pela primeira vez e é mantido na memória, para execuções posteriores mais rápidas. As regras de negócios podem estar na aplicação, banco de dados ou servidor de aplicação. No capítulo 3, apresenta-se uma análise entre a implementação das regras de negócios em banco de dados e na aplicação. 1 Informações obtidas no site

19 19 2. ESTUDO DE CASO Neste capítulo será abordada a análise do sistema, onde terá como embasamento a Paróquia São Francisco de Assis, situada na cidade de Araçatuba - SP, onde visa apresentar o seu funcionamento e sua estrutura de negócio LEVANTAMENTO DE REQUISITOS Dizimistas: A equipe de Dízimo montou um livro onde há todo o cadastro das pessoas da comunidade, e onde eles registram o pagamento do dízimo e também o mês de pagamento. Lança no computador no programa Excel, as entradas dia por dia, como receitas para fechar o balancete mensal. Batizado: As inscrições são feitas de acordo com as datas de missas onde são realizadas o batizado no final da missa. Essas informações são geradas no Word. Catequistas e Crismandos: As inscrições para crisma e catequese são feitas no inicio do ano de acordo com a quantidade de crianças inscritas e as turmas são divididas de acordo com o número de catequistas. Essas informações são geradas no Word. Coroinhas: As escalas de coroinhas são geradas no Word, onde tem uma coordenadora que se responsabiliza por escalar as crianças no dia da missa e para celebrações matrimoniais. Casamento: São lançadas as informações referentes aos dados dos noivos que comporão a Habilitação Matrimonial parte no Word, parte no Excel. A Habilitação Matrimonial é um documento que deve ser preenchido a mão, depois arquiva toda a documentação (cópia RG e cópia certidão, curso de noivos, lista de padrinhos de ambos, solicitação de batistério que é feita de Paróquia por Paróquia).

20 20 Agenda o casamento na agenda pessoal do Padre, para não coincidir as datas. Também é preenchida a certidão de casamento (gerado no Word), recolhida um taxa que varia de acordo com o salário mínimo correspondente á 50%(lançado no Excel). Músicos: É feita um a escala anual onde relata a participação dos músicos nas missas ou eventos, isso é gerado no Word e fixado no mural da secretaria, onde cada coordenador de grupo recebe uma cópia logo no início do ano. Pagamento e Recebimentos: Todo o recebimento e pagamento são controlados em planilhas no Excel e é feita a emissão de um recibo comprovando tal transação. Grupos: Os grupos: Conselho Paroquial de Pastorais - CPP, Conselho Administrativo Paroquial - CAP, Conselho Regional de Pastorais - CRP, Grupo de Noivos, ECC Paroquial, Ministros, Liturgia, todos os grupos são gerados no Word LISTA DE USE CASE Use case: Cadastrar Pessoas Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Pessoas Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar uma pessoa. 2. O sistema verifica se não há mais de um CPF cadastrado. 3. O sistema verifica se o CPF é válido. Pós-condições: 1. A pessoa foi gravada com sucesso. Use case: Cadastrar Dizimista Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Dizimista Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar um dizimista. 2. O sistema verifica se o mês de referência já foi pago. Pós-condições:

21 21 1. O dizimista foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Catequizando Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Catequizando Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar um catequizando. 2. O sistema verifica se a pessoa é maior do que dez anos. Pós-condições: 1. O catequizando foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Crismando Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Crismando Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar um crismando. 2. O sistema verifica se a pessoa já fez a catequese. Pós-condições: 1. O crismando foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Músico Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Músico Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar um músico. 2. O sistema verifica se não há mais de um músico em uma única missa. Pós-condições: 1. O músico foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Casamento Atores: Secretária

22 22 Pré-condições: 1. Cadastrar Casamento Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar um casamento. 2. O sistema verifica se os noivos já fizeram crisma. 3. O sistema verifica se não há mais nenhum casamento marcado na mesma data e hora. Pós-condições: 1. O casamento foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Missa Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Missa Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar uma missa. 2. O sistema verifica se não há mais de uma missa marcada na mesma hora e data. Pós-condições: 1. A missa foi gravada com sucesso. Use case: Cadastrar Coroinha Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Coroinha Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar um coroinha. 2. O sistema verifica se o coroinha está somente em uma missa na semana. Pós-condições: 1. O coroinha foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Sala Atores: Secretária Pré-condições:

23 23 1. Cadastrar Sala Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar uma sala. 2. O sistema verifica a sala disponível para catequistas, primeira comunhão e crismandos. 3. O sistema verifica se a sala esta completa. Pós-condições: 1. A sala foi gravada com sucesso. Use case: Cadastrar Grupo Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Grupo Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar um grupo. Pós-condições: 1. O grupo foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Evento Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Evento Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar um evento. 2. O sistema verifica a data e local do evento. 3. O sistema verifica os gastos e valor arrecadado. Pós-condições: 1. O evento foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Recebimento Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Recebimento Fluxo:

24 24 1. O Use case inicia quando for cadastrar um recebimento. 2. O sistema verifica o valor, a descrição e data do recebimento. Pós-condições: 1. O recebimento foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Pagamento Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Pagamento Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar um pagamento. 2. O sistema verifica o valor, a descrição e data do pagamento. Pós-condições: 1. O pagamento foi gravado com sucesso. Use case: Cadastrar Reunião Atores: Secretária Pré-condições: 1. Cadastrar Reunião Fluxo: 1. O Use case inicia quando for cadastrar uma reunião. 2. O sistema verifica o motivo, hora e data da reunião. Pós-condições: 1. A reunião foi gravada com sucesso DIAGRAMA DE USE CASE O diagrama de USE CASE, foi baseado a partir dos levantamentos de requisitos da paróquia São Francisco de Assis. Com isso, mostra-se a secretária como sendo responsável por todo o processo de lançamento de cadastros.

25 25 Figura 2.1: Diagrama de Use Case 2.4. MER E DIAGRAMA DE CLASSE O Modelo Entidade Relacionamento (MER) e o diagrama de Classe, mostra os relacionamentos e as cardinalidades entre as entidades e relata todo o funcionamento Paroquial, onde será focada as tabelas Pessoa e Casamento, que serão aplicadas as regras de negócios no Banco de Dados e na aplicação Java. As tabelas Escala e EscalaPessoa, estão relacionadas com Missa e Pessoa, pois é feito a escala das pessoas que irão participar das missas que por sua vez, relaciona-se com Receitas, que é gerado o ofertório. A tabela Evento está relacionada com as tabelas Receitas e Despesas, que é gerado a partir de eventos realizados pela Paróquia. A tabelas GrupoPessoa e Grupo está relacionada com as tabelas Pessoa e Reuniões, pois a Paróquia possui grupos internos, que por sua vez, relaciona-se com Sala para fazer as reuniões. As tabelas Cursando, Curso e TipoCurso, estão relacionadas com Sala, que as utilzam para serem ministradas aulas de catequese, crisma, curso de noivos, entre outros.

26 26 Figura 2.2: MER Figura 2.3: Diagrama de Classe

27 PROJETO DE BANCO DE DADOS Figura 2.4: Modelo Relacional Tabela 2.1: Projeto de Banco de Dados Entidade Pessoa Nome tabela Campo Tipo Observação PK FK Pessoa CodPessoa Inteiro Código da pessoa X Nome String Nome da pessoa Rua String Rua da pessoa Bairro String Bairro da pessoa Cidade String Cidade da pessoa UF Char UF da pessoa Telefone String Telefone da pessoa RG String RG da pessoa CPF String CPF da pessoa Salário Number Salário da pessoa Cargo String Cargo da pessoa Idade Inteiro Idade da pessoa Sexo Char Sexo da pessoa DataNasc Date Data Nascimento da pessoa Tipo Char Tipo CodEscala Inteiro Código da escala X

28 28 Tabela 2.2: Projeto de Banco de Dados Entidade Receitas CodRec Inteiro Código da receita X Data Date Data da receita Valor Number Valor da receita Tipo Char Tipo da receita Receitas MesReferencia String Mês de referência da receita Descrição String Descrição da receita Hora Time Hora da receita CodMissa Inteiro Código da missa X CodCasamento Inteiro Código do casamento X CodEvento Inteiro Código do evento X Tabela 2.3: Projeto de Banco de Dados Entidade Casamento CodCasamento Inteiro Código do casamento X CodPessoa Inteiro Código da pessoa X CodNoivo Inteiro Código do noivo CodNoiva Inteiro Código da noiva Casamento Data Date Data do casamento Hora String Hora do casamento CrismaNoivo Char Crisma do noivo CrismaNoiva Char Crisma da noiva Tabela 2.4: Projeto de Banco de Dados Entidade Missa CodMissa Inteiro Código da missa X Missa CodEscala Inteiro Escala da missa X Tabela 2.5: Projeto de Banco de Dados Entidade Escala CodEscala Inteiro Código da escala X Escala Descrição String Descrição da escala Tabela 2.6: Projeto de Banco de Dados Entidade EscalaPessoa CodEscala Inteiro Código da escala X EscalaPessoa CodPessoa Inteiro Código da pessoa X

29 29 Tabela 2.7: Projeto de Banco de Dados Entidade Evento CodEvento Inteiro Código do evento X Evento Descrição String Descrição do evento Tabela 2.8: Projeto de Banco de Dados Entidade Despesas CodDesp Inteiro Código da despesa X Data Date Data da despesa Despesas Valor Number Valor da despesa Tipo Char Tipo da despesa CodEvento Inteiro Código do evento X Tabela 2.9: Projeto de Banco de Dados Entidade Grupo CodGrupo Inteiro Código do grupo X Grupo NomeGrupo String Nome do grupo Tabela 2.10: Projeto de Banco de Dados Entidade PessoaGrupo CodPessoa Inteiro Código da pessoa X PessoaGrupo CodGrupo Inteiro Código do grupo X Tabela 2.11: Projeto de Banco de Dados Entidade Reunião CodReunião Inteiro Código da reunião X Data Date Data da reunião Reunião Hora String Hora da reunião CodSala Inteiro Código da sala X CodGrupo Inteiro Código do grupo X Tabela 2.12: Projeto de Banco de Dados Entidade Sala CodSala Inteiro Código da sala X Sala descricao String Descrição da sala

30 30 Tabela 2.13: Projeto de Banco de Dados Entidade Curso CodCurso Inteiro Código do curso X Período Char Período do curso Curso CodSala Inteiro Código da sala X CodPessoa Inteiro Código da pessoa X CodTipoCurso Inteiro Código tipo curso X Tabela 2.14: Projeto de Banco de Dados Entidade Cursando CodPessoa Inteiro Código da pessoa X Cursando CodCurso Inteiro Código do curso X Tabela 2.15: Projeto de Banco de Dados Entidade TipoCurso CodTipoCurso Inteiro Código tipo curso X TipoCurso Descricao String Descrição do tipo curso 2.6. FUNCIONALIDADES DO SISTEMA E REGRAS DE NEGÓCIO Funcionalidades do Dizimista O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de dizimistas, a pessoa responsável pelo dízimo informa ao banco quem pagou o valor referente ao mês, e faz um levantamento no final do mês de quem está devendo. Quando for fazer o pagamento de um dízimo, não deixar que o dizimista pague duas vezes o mesmo dízimo. Contendo os seguintes atributos: código do dizimista, nome, sexo, endereço, cidade onde mora, estado, telefone, , documento de identificação (RG ou CPF), data de nascimento, valor do dízimo, referência do mês, valor total, data de pagamento e status(pago ou não). Regras: Conterá chave primária, os campos: código, CPF, valor, data de pagamento e status não poderão ser nulos. Cálculo para verificar se o CPF é válido, CHECK (SEXO IN ( M, F )) para verificar se é feminino ou masculino.

31 Funcionalidades do Catequista O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de catequizando. Quando for efetuar o cadastro de um catequizando e este for menor de 10 anos, não permitir o cadastro. Contendo os seguintes atributos: código do catequista, nome, sexo, endereço, cidade onde mora, estado, telefone, , data de nascimento, data de inicio, data de termino, nome do pai e da mãe e catequista responsável. Regras: Conterá chave primária, os campos: código e data de nascimento não poderão ser nulos. Trigger para que os catequistas sejam maiores do que 10 anos, caso contrário não permitir o cadastro e CHECK (SEXO IN ( M, F )) para verificar se é feminino ou masculino Funcionalidades de Crisma O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de crismandos. Quando for efetuar o cadastro de um crismando e este não tiver feito catequese, não permitir o cadastro. Contendo os seguintes atributos: código do crismando, nome, sexo, documento de identificação (RG ou CPF), endereço, cidade onde mora, estado, telefone, , data de nascimento, data de inicio, data de termino, nome do pai e da mãe, nome do catequista e se possui catequese ou não (sim ou não). Regras: Conterá chave primária, os campos: código e CPF não poderão ser nulos. Trigger para verificar se o crismando já fez catequese, caso contrário não poderá fazer crisma, CHECK (SEXO IN ( M, F )) para verificar se é feminino ou masculino e trigger para quem tiver CPF, fazer o cálculo para verificar se o mesmo é válido Funcionalidades do Coroinha O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção dos coroinhas, com os seguintes atributos: código do coroinha, nome, sexo, endereço, cidade onde mora, estado, telefone, , data de nascimento, nome do pai e da mãe, escala das missas.

32 32 Regras: Conterá chave primária e o campo código não poderá ser nulo. CHECK (SEXO IN ( M, F )) para verificar se é feminino ou masculino Funcionalidades do Batizado O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção dos batizados, com os seguintes atributos: código do batizado, nome, sexo, endereço, cidade onde mora, estado, telefone, data de nascimento, nome do pai e da mãe e dos padrinhos. Regras: Conterá chave primária e o campo código não poderá ser nulo. CHECK (SEXO IN ( M, F )) para verificar se é feminino ou masculino Funcionalidades do Casamento O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de casamentos, sendo que deverá ser bloqueado caso queira marcar dois casamentos na mesma hora e dia e se caso não tenham feito crisma. Não permitir casamento do mesmo sexo. Contendo os seguintes atributos: código do casamento, nome do noivo e da noiva, documento de identificação (RG ou CPF), endereço, cidade onde mora, estado, telefone, , data de nascimento, data do casamento, verificar se fez crisma, taxa e sexo. Regras: Conterá chave primária, os campos código, data do casamento, crisma, catequese e CPF não poderá ser nulos. Trigger para quando for casamento do mesmo sexo para não deixar agendar, trigger para não deixar marcar casamento na mesma hora de data, CHECK (SEXO IN ( M, F )) para verificar se é feminino ou masculino e cálculo para verificar se o CPF é válido Funcionalidades do Músico O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de músicos, sendo que deverá ser bloqueado caso queira marcar dois grupos de músicos no mesmo dia.

33 33 Contendo os seguintes atributos: código do grupo, nome do coordenador, telefone, e escala das missas. Regras: Conterá chave primária, onde o campo código não poderá ser nulo. Trigger para quando for marcar grupos para a missa, não deixar marcar dois no mesmo dia e CHECK (SEXO IN ( M, F )) para verificar se é feminino ou masculino Funcionalidades da Missa O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de missas, no final de cada missa o responsável pela contagem faz as contas e alimenta o banco com o total arrecadado. E constam os seguintes atributos: código da missa, dia da missa, horário da missa, descrição e valor do ofertório. Regras: Conterá chave primária onde o campo código não poderá ser nulo Funcionalidades da Reunião O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de reunião, contendo os seguintes atributos: código da reunião, descrição, motivo, endereço, horário e data. Regras: Conterá chave primária e o campo código não poderá ser nulo Funcionalidades do Grupo O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de grupos, contendo os seguintes atributos: código do grupo, nome do grupo, nome do coordenador, sexo, nome do vice-coordenador, nome do agente. Regras: Conterá chave primária onde o campo código não poderá ser nulo Funcionalidades de Evento

34 34 O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de eventos, contendo os seguintes atributos: código do evento, descrição, data do evento, valor gasto e valor recebido. Regras: Conterá chave primária onde o campo código não poderá ser nulo Funcionalidades do Recebimento O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de recebimentos. O recebimento pode ser através dos dízimos, taxa de casamento, ofertório, esses devem ser alimentado através dos cadastros do mesmo (itens 2, 6 e 8) e/ou pode ser feito através de rifas, festas, etc, esses devem ser alimentado pelos eventos. Contendo os seguintes atributos: código do recebimento, descrição, data de recebimento e valor. Regras: Conterá chave primária onde o campo código não poderá ser nulo Funcionalidades do Pagamento O banco deve permitir a inclusão, alteração e remoção de pagamentos, ao fazer um pagamento não permitir que pague duas vezes o mesmo pagamento. Os pagamentos são feitos pelo responsável por pagamentos. Contendo os seguintes atributos: código do pagamento, descrição, valor, data de pagamento. Regras: Conterá chave primária onde o campo código não poderá ser nulo.

35 35 3. REGRAS DE NEGÓCIOS APLICADAS NO PROJETO Neste capítulo serão relatadas as regras de negócios, stored procedure, triggers e views que serão apresentadas a seguir e exemplificar as suas funcionalidades. Stored Procedure: ANIVERSARIO: Mostra os aniversariantes do dia, caso não tenha nenhum aniversariante, retorna um aviso que não tem nenhum aniversariante no dia. CALC_CPF_VALIDO: Faz o calculo para verificar se o CPF é valido ou não. CALCULO_IDADE: Calcula a idade da pessoa através da data de nascimento INSERE_PESSOA: Insere as pessoas no banco com todos os parâmetros que existe na tabela pessoa. ALTERA_PESSOA: Altera os dados das pessoas no banco com todos os parâmetros que existe na tabela pessoa. DELETA_PESSOA: Deleta as pessoas no banco através do código da pessoa. GERAR_DATAS: Gera datas das missas, através de um período informado. Ex. digito data inicial, 1/01/2011 e data final 31/01/2011, ele gera os 31 dias que tem no mês. GERAR_DÍZIMOS: gera copias de um dízimo já cadastrado e muda somente o mês e ano de referencia, conforme a quantidade informada no campo gerar vários. Trigger: CAD_CASAMENTO: Se for inserir ou alterar: A trigger verifica se o sexo do noivo é masculino e sexo da noiva é feminino, caso estiver errado o sistema retorna a mensagem de erro.

36 36 Se a data do casamento for menor do que a data atual, o sistema retorna à mensagem de erro falando que não pode inserir a data anterior a data atual. Se for deletar, o sistema não permite a deleção, o usuário terá que cancelar o casamento através do campo cancelar (S,N). CAD_DÍZIMO: Se o campo "PAGO" for igual a 'S' ele vai gerar uma receitas na tabela "Receitas" CAD_EVENTO: Se o campo TIPO for 1 vai gerar uma receita na tabela Receitas, caso o campo TIPO for 2 vai gerar uma despesa na tabela Despesas CAD_REUNIÃO: Verifica se já existe reunião na sala e com a data da nova reunião, se tiver uma reunião com a mesma data e sala vai retornar a seguinte mensagem: 'erro, já existe uma reunião nesta sala com essa data'. Depois verifica se a data da nova reunião vai ser em uma data maior que a data atual, se for menor vai retornar a seguinte mensagem: erro, não é possível marcar reunião com data anterior a data atual'. CPF_PESSOA: Vai executar o procedimento calc_cpf_valido com o novo nº do CPF. CURSANDO_MENOR: Verifica se a pessoa tem idade menor que 7 anos e se o campo tipo é igual a 1, se a condições forem verdadeiras retornará a seguinte mensagem: 'Erro, Não é permitido fazer catequese pessoa menor de 7 anos'. Depois verifica se a pessoa tem idade maior que menor que 10 e se que o campo tipo é igual a 2, se as condições forem verdadeiras retornará a seguinte mensagem: 'Erro, Não é permitido fazer crisma pessoa menor de 10 anos'. Por ultimo verifica a quantidade de alunos em um curso, se a quantidade for maior ou igual a 20 retornará a seguinte mensagem: 'Erro, O nº máximo de alunos permitido em uma sala é 20'. GENCASAMENTO: Gera o código automático do casamento GENCURSO: Gera o código automático do curso GENDESPESAS: Gera o código automático da despesa GENDÍZIMO: Gera o código automático do dízimo GENESCALA: Gera o código automático da escala GENEVENTO: Gera o código automático do evento GENGRUPO: Gera o código automático do grupo GENMISSA: Gera o código automático da missa GENPESSOA: Gera o código automático da pessoa

37 37 GENRECEITAS: Gera o código automático da receita GENREUNIOES: Gera o código automático da reunião GENTIPOCURSO: Gera o código automático do tipo do curso IDADE_PESSOA: Calcula a idade da pessoa através da data de nascimento. IN_CASAMENTO: Se estiver inserindo vai gerar uma receita na tabela Receitas. Se estiver alterando o campo CANCELAR para S vai gerar uma despesa na tabela Despesas. ON_CASAMENTO: Verifica se já existe casamento cadastrado na nova data de casamento, se houver retornará a seguinte mensagem: 'Erro, Já existe casamentos nesta data'. Depois verifica se o noivo e/ou a noiva já estão cadastrados em outro casamento, se estiverem retornará a seguinte mensagem: 'Erro, O noivo e/ou noiva está cadastrado em outro casamento'. ON_MISSA: Se o valor arrecadado no ofertório da missa for maior que zero vai gerar uma receita na tabela Receitas. VARIOS_DÍZIMOS: Insere na View DÍZIMO_TEMP a quantidade de dízimo informado no campo GERARVARIOS, porem com a referência e ano de referência diferente. Ex.: se colocar o valor 3 no campo GERARVARIOS vai inserir três vezes na View DÍZIMO_TEMP VARIOS_DÍZIMOS_TEMP: Insere os dados na tabela Dízimo. View: DÍZIMO_TEMP: Mostra os dados da tabela Dízimo. TL_DESPESA: Mostra o total de cada tipo de despesa TL_RECEITAS: Mostra o total de cada tipo de receitas 3.1. ANÁLISE DE IMPLEMENTAÇÃO DE REGRAS DE NEGÓCIO NO BANCO DE DADOS E NA APLICAÇÃO Ratificando o explanado por Cardoso(2005), no subtítulo 1.3 do capítulo 1, salienta-se que as regras de negócios aplicadas no Banco de Dados se dá a vantagem de não somente se restringir ao fato da integridade dos dados, mas também ao ganho de segurança, sobre o trabalho do programador, porque as triggers serão disparados a partir de eventos que são habilitados igualmente as procedures são chamadas a avaliar um conjunto maior de alternativas na qual o programador seria capaz de fazer. Isso será feito automaticamente em tempo de

38 38 execução do sistema gerenciador de banco de dados e o custo será relativamente baixo. Figura 3.1: Cadastro de casamento sem regras de negócios Conforme a Figura 3.1, o cadastro de casamento não possui regras de negócios embutido no código da aplicação, portanto, analisa-se que contêm 12 linhas constituídas por campos. As citadas linhas são chamadas para serem inseridas na tabela Casamento. Contudo, as regras de negócio estão aplicadas no banco de dados, e sendo disparadas quando se cria um cadastro de casamento e caso o cadastro esteja de acordo com as regras, é apresentado uma mensagem que o mesmo foi efetuado com sucesso, caso contrário, aparece o erro no console da aplicação mostrando a mensagem de erro que está programada na regra, como por exemplo, a trigger: On_Casamento, que ao informar a data de casamento, e caso o mesmo já estiver ocupado por outro casamento, ele mostra que já existe casamento cadastrado na data digitada.

39 39 Figura 3.2: Cadastro de casamento com regras de negócios Conforme Figura 3.2, o cadastro de casamento possui regras de negócios embutido no código da aplicação, analisa-se que contêm 49 linhas constituídas por campos e as regras de negócios. As citadas linhas são chamadas para serem

40 40 inseridas na tabela Casamento. Nesse caso, não é necessário que existam as regras no banco de dados, pois o mesmo já aparece na aplicação, executando as mesmas funções das incluídas no banco. Figura 3.3: Cadastro de pessoas sem regras de negócios A Figura 3.3, o cadastro de pessoas não possui regras de negócios embutido no código da aplicação, portanto, analisa-se que contêm 15 linhas constituídas por campos. As citadas linhas são chamadas para serem inseridas na tabela Pessoa. Contudo, as regras de negócio estão aplicadas no banco de dados, e sendo disparadas quando se cria um cadastro de pessoa e caso o cadastro esteja de acordo com as regras, é apresentado uma mensagem que o mesmo foi efetuado com sucesso, caso contrário, aparece o erro no console da aplicação mostrando a mensagem de erro que está programada na regra, como por exemplo, a trigger: Cálculo_Idade, que através da data de nascimento informada, ela calcula a idade da pessoa.

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1 MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento Toledo PR Página 1 INDICE 1. O QUE É O SORE...3 2. COMO ACESSAR O SORE... 4 2.1. Obtendo um Usuário e Senha... 4 2.2. Acessando o SORE pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

Manual NFSe - Prestadores e Tomadores de Serviço

Manual NFSe - Prestadores e Tomadores de Serviço VALPARAÍSO DE GOIÁS quarta-feira, 28 de outubro de 2014 Manual NFSe - Prestadores e Tomadores de Serviço ÍNDICE Legislação Cadastrando A Senha Eletrônica Acessando O Sistema De Nfs- E Pela Primeira Vez

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Assim que o usuário entrar nesta ferramenta do sistema a seguinte tela será exibida:

Assim que o usuário entrar nesta ferramenta do sistema a seguinte tela será exibida: O que é o TDMax Web Commerce? O TDMax Web Commerce é uma ferramenta complementar no sistemas de Bilhetagem Eletrônica, tem como principal objetivo proporcionar maior conforto as empresas compradoras de

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

MONTE CARMELO MINAS GERAIS

MONTE CARMELO MINAS GERAIS MONTE CARMELO MINAS GERAIS Manual NFSe - Prestadores e Tomadores de Serviço ÍNDICE Legislação Cadastrando A Senha Eletrônica Acessando O Sistema De Nfs- E Pela Primeira Vez Alterando a senha eletrônica

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software. White Label

Especificação dos Requisitos do Software. White Label Ubee Especificação dos Requisitos do Software White Label Review 0.3 Autores: Airton Sampaio de Sobral (asds@cin.ufpe.br) Alan Gomes Alvino (aga@cin.ufpe.br) Glauco Roberto Pires dos Santos (grps@cin.ufpe.br)

Leia mais

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com MANUAL ESCOLA FLEX Revisado em 09/07/2008 Sistema Flex www.sistemaflex.com Índice Manual Escola Flex Índice... 2 Tela de Abertura (Splash Screen)... 3 Login... 4 Seleção de Empresas... 5 Tela Principal...

Leia mais

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaespecificacaocasouso.odt Número de páginas: 10 Versão Data Mudanças Autor 1.0 09/10/2007

Leia mais

Perguntas Frequentes (FAQ) Portal do Professor

Perguntas Frequentes (FAQ) Portal do Professor Universidade Federal do Espírito Santo Perguntas Frequentes (FAQ) Portal do Professor Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) Novembro/2014 Sumário 1 ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 1.1 O que é o menu

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Documentação de visão: Sistema de Controle de ponto eletrônico para empresas. Documentados por: Halison Miguel e Edvan Pontes

Documentação de visão: Sistema de Controle de ponto eletrônico para empresas. Documentados por: Halison Miguel e Edvan Pontes Documentação de visão: Sistema de Controle de ponto eletrônico para empresas Documentados por: Halison Miguel e Edvan Pontes Versão do documento: 1.4 Data de atualização: 04 de Fevereiro de 2012 Histórico

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Desde o dia 01 de dezembro, o novo sistema de Gestão do Programa Bolsa Família (SIGPBF) do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) está disponível para os

Leia mais

Manual CORP Microlins Dinâmica

Manual CORP Microlins Dinâmica Manual CORP Microlins Dinâmica Índice 1. Acesso ao CORP 2. Cadastro de Colaborador 1. Dados 2. Endereço 3. Telefone 4. E-mail 5. Franquias vinculadas 6. Cursos 7. Permissões 3. Cadastro de Recesso 4. Cadastro

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo de operação Ativo Bem vindo à Vorage CRM! Nas próximas paginas apresentaremos o funcionamento da plataforma e ensinaremos como iniciar uma operação básica através do nosso sistema,

Leia mais

Sistema de Prestação de Contas Siprec

Sistema de Prestação de Contas Siprec Sistema de Prestação de Contas Siprec Manual de Utilização Perfil Beneficiário Versão 1.3.4 Agosto de 2013 1 SUMÁRIO Manual do Usuário... 3 1. Objetivo do manual... 3 2. Sobre o sistema... 3 3. Quem deve

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO AMAZONAS ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO EM SOFTWARE LIVRE CONCEITOS E PROJETOS DE BANCO DE DADOS E SQL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO AMAZONAS ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO EM SOFTWARE LIVRE CONCEITOS E PROJETOS DE BANCO DE DADOS E SQL O trabalho consiste na resolução de um exercício e na confecção de um relatório. 17/10/2005 é o último dia para entrega. O trabalho deverá entregue impresso e o seu conteúdo gravado numa mídia. O formato

Leia mais

1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS

1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS 1 1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS 1.ACESSANDO O SITE DA FEOL 1.1 Endereço do Site O endereço para acessar o site da Fundação Educacional de Oliveira é: www.feol.com.br Obs: experimente digitar apenas feol.com.br

Leia mais

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Sumário 1. Ambiente Group Shopping... 3 2. Alteração na Tela de Contratos e Controle de Edições... 7 3. Propagação de Contratos... 10 4. Configuração de Impressora

Leia mais

Inspirado pela inovação, na continuidade

Inspirado pela inovação, na continuidade CAPA Para inovar, uma Instituição forte e inabalável como a nossa precisa continuar criando projetos coerentes para inspirar as pessoas, afim de facilitar seus mecanismos de trabalho através da inovação.

Leia mais

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. INFORMAÇÕES REGULAMENTARES:...3 3. ACESSO AO SISTEMA...3 4. INCLUSÃO DE USUÁRIOS...4 5. FATURAMENTO ELETRÔNICO...5 6. GUIA

Leia mais

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174 Versão Liberada A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível. A atualização da versão

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR SAF SUL Qd. 02, Bl. E/F, Ed. Premium Torre II Auditório Sala 05 Telefone: (61) 3315 9052

Leia mais

Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Manual: Sistema de Controle Patrimonial Inventário

Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Manual: Sistema de Controle Patrimonial Inventário Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul Manual: Sistema de Controle Patrimonial Inventário Sumário 1. Introdução... 3 2. Acessar o Controle Patrimonial Web... 4 2.1. Login... 4 3. Inventário...

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Help de NFSe. 2011 E&L Produções de Software LTDA. Contador

Help de NFSe. 2011 E&L Produções de Software LTDA. Contador Contador 2 1 Credenciamento Se for prestador do município, substituto ou empresas de outros municípios clique na opção credenciar Para acessar a tela de credenciamento do contador, clique na opção Contador

Leia mais

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor H6Projetos Documento de Requisitos Versão 1.3 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2013 1.0 Preenchimento do Capítulo 2 Requisitos Funcionais Evilson Montenegro 26/09/2013 1.1 Preenchimento

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani Manual de Operações Básicas Thiago Passamani 1 - Entrando e saindo do sistema O Zimbra Suíte de Colaboração é um software de correio eletrônico open source com suporte para e-mail, contatos, calendário

Leia mais

Manual do Módulo SAC

Manual do Módulo SAC 1 Manual do Módulo SAC Índice ÍNDICE 1 OBJETIVO 4 INICIO 4 SAC 7 ASSOCIADO 9 COBRANÇA 10 CUSTO MÉDICO 10 ATENDIMENTOS 11 GUIAS 12 CREDENCIADO 13 LIVRETO 14 BUSCA POR RECURSO 15 CORPO CLÍNICO 16 MENU ARQUIVO

Leia mais

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br 2013 inux Sistemas Ltda. s MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br Sumário 1 Introdução... 2 2 Visão Geral do Sistema... 2 3 Tela de Configuração... 3 4 Tela de Mensagens... 5 5 Tela de Importação... 8 6 Tela

Leia mais

Documento de Casos de Uso. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho

Documento de Casos de Uso. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho Documento de Casos de Uso MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho 1. Índice 2. Introdução 3 3. Descrição dos atores 3 4. Diagrama de caso de uso 4 5. 5.1 5.2

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes GESTOC Versão 9.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Introdução... 2 2. Escopo... 2 3. Implementações... 2 0002061: Emissão de notas de remessa com vasilhames e embalagens... 3 0002062: Emissão

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Desenvolvido por Hamilton Dias (31) 8829.9195 Belo Horizonte hamilton-dias@ig.com.br www.h-dias.cjb.net ÍNDICE Introdução...3 Implantação...3 Instalação...3

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA SECRETÁRIAS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA SECRETÁRIAS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA SECRETÁRIAS 1 - A TELA AGENDA 1.1 - TIPOS DE AGENDA 1.1.1 AGENDA NORMAL 1.1.2 AGENDA ENCAIXE 2 - AGENDANDO CONSULTAS 2.1 - AGENDANDO UMA CONSULTA NA AGENDA

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais?

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Desde o dia 21/10/2013, esta em operação o Módulo Estadual de Licenciamento

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

1. Objetivos do curso 2. 2 Comunicação Interna (CI) 13 3 Ofício 18 4 DEFINIÇÕES GERAIS 23 5 CONCLUSÃO 27

1. Objetivos do curso 2. 2 Comunicação Interna (CI) 13 3 Ofício 18 4 DEFINIÇÕES GERAIS 23 5 CONCLUSÃO 27 1. Objetivos do curso 2 Introdução 2 Funções do Sistema: 2 Da Comunicação Interna: 3 o Enviadas: 3 o Recebidas: 3 o Com Cópia Pessoal: 3 Ofícios 4 o Enviados: 4 o Recebidas com Cópia: 5 Contatos Externos:

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!!

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! TUTORIAL DO ALUNO Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! O Moodle é a plataforma de ensino a distância utilizada pela Uniapae sendo a unidade de ensino para rápida capacitação

Leia mais

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon MDaemon GroupWare plugin para o Microsoft Outlook Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon Versão 1 Manual do Usuário MDaemon GroupWare Plugin for Microsoft Outlook Conteúdo 2003 Alt-N Technologies.

Leia mais

Bem vindo ao Programa de Controle de Dízimo da Paróquia Nossa Senhora da Luz.

Bem vindo ao Programa de Controle de Dízimo da Paróquia Nossa Senhora da Luz. Caro paroquiano, Bem vindo ao Programa de Controle de Dízimo da Paróquia Nossa Senhora da Luz. Aqui você encontrará uma ajuda PASSO A PASSO para se cadastrar como dizimista ou alterar o seu cadastro quando

Leia mais

Manual Geral do OASIS

Manual Geral do OASIS Manual Geral do OASIS SISTEMA DE GESTÃO DE DEMANDA, PROJETO E SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO OASIS Introdução Esse manual tem como objetivo auxiliar aos usuários nos procedimentos de execução do sistema

Leia mais

Manual do sistema SMARsa Web

Manual do sistema SMARsa Web Manual do sistema SMARsa Web Módulo Gestão de atividades RS/OS Requisição de serviço/ordem de serviço 1 Sumário INTRODUÇÃO...3 OBJETIVO...3 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo gestão de atividades...4

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO M3

MANUAL DO USUÁRIO DO M3 MANUAL DO USUÁRIO DO M3 1 CADASTROS 1.1 Clientes Abre uma tela de busca na qual o usuário poderá localizar o cadastro dos clientes da empresa. Preencha o campo de busca com o nome, ou parte do nome, e

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Moodle - Tutorial para Professores

Moodle - Tutorial para Professores Moodle - Tutorial para Professores por Prof. Maurício Lima 1 agosto de 2010 Objetivo Este documento apresenta aos professores da Faculdade Novos Horizontes os primeiros passos na utilização do pacote Moodle.

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES Sumário 1. O que são interações?... 3 2. Posso registrar uma interação com um parceiro?... 3 3. Posso registrar interações para empresas?... 3 4. Quando converso informalmente com um cliente, parceiro

Leia mais

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian Manual do Produto Índice Introdução - Assistente do Certificado Digital Serasa Experian 3 1. Verificação de Ambiente 4 2. Instalação

Leia mais

MANUAL MANUTENÇÃO ON LINE

MANUAL MANUTENÇÃO ON LINE MANUAL DE MANUTENÇÃO ON LINE R: Santa Cruz, 647 CENTRO Limeira/SP - CEP 13.480-041 - Fone (19) 3404-4949 - e-mail: scpclimeira@acil.org.br 1 ÍNDICE Inclusão de Pessoa Física... 5 Inclusão de Cheque: Pessoa

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

Integridade dos Dados

Integridade dos Dados 1 Integridade dos Dados Integridade dos Dados Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br A integridade dos dados é feita através de restrições, que são condições obrigatórias impostas pelo modelo. Restrições

Leia mais

3 - Tela Principal. Itens importantes da página

3 - Tela Principal. Itens importantes da página SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

Manual da Nota Fiscal Eletrônica

Manual da Nota Fiscal Eletrônica Manual da Nota Fiscal Eletrônica Memory Informática Tabela de Conteúdos Meu Usuário Meu Perfil --------------------------------------------------------- 4 Minha Empresa Configurar Minha Empresa -------------------------------------

Leia mais

Usar o Office 365 no iphone ou ipad

Usar o Office 365 no iphone ou ipad Usar o Office 365 no iphone ou ipad Guia de Início Rápido Verificar o email Configure o seu iphone ou ipad para enviar e receber emails de sua conta do Office 365. Verificar o seu calendário onde quer

Leia mais

Manual de Acesso ao Sistema SAORI Portal do Aluno

Manual de Acesso ao Sistema SAORI Portal do Aluno Manual de Acesso ao Sistema SAORI Portal do Aluno 1) Procedimentos que deverão ser executados antes do primeiro acesso ao sistema. (Caso você já acesse o sistema com regularidade vá para o item 2). Abra

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Sistema de Cancelamento Eletrônico Manual do Usuário

Sistema de Cancelamento Eletrônico Manual do Usuário Sistema de Cancelamento Eletrônico Manual do Usuário IEPTB-MG Belo Horizonte, 2014 Índice Sumário I. Uso do sistema pelo credor... 4 1. Acesso ao sistema... 5 1.1 Uso da assinatura digital... 5 2. Criação

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Índice 1 Acessando o sistema via internet...3 2 Funcionalidades...6 2.1 Horário Individual...7 2.2 Calendário Acadêmico...8 2.3 Biblioteca...9 2.3.1 Consultar

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Cenários do CEL. Acessar ao sistema

Cenários do CEL. Acessar ao sistema Cenários do CEL Acessar ao sistema Permitir que o usuário acesse ao Sistema de Léxicos e Cenários nas seguintes condições: logando-se, quando já estiver cadastrado; ou incluindo usuário independente, quando

Leia mais

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 1 COMO ACESSAR O PATRONAGE... 4 2 INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO... 5 3 PRESTAÇÃO DE CONTAS... 8 3.1 Execução do projeto... 8 3.2 Autorização de recursos (remanejamento de recurso,

Leia mais

Operações de Caixa. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais

Operações de Caixa. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Operações de Caixa Versão 2.0 Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Sumário Introdução... 3 Suprimento... 3 Sangria... 4 Abertura de Caixa... 6 Fechamento de Caixa...

Leia mais

Copyright 2004/2015 - VLC

Copyright 2004/2015 - VLC Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Perguntas Frequentes Versão 8.1 Atualizado em 26/08/2015 Copyright 2004/2015 - VLC As informações contidas neste caderno de Perguntas e Respostas são de propriedade da

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: PROPOSTAS VERSÃO 1.1 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 10/11/2011 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 07/01/2013 1.1 Atualização do

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA Jeferson Boesing 1 ; Tiago Heineck 2 ; Angela Maria Crotti da Rosa 3 ; Leila Lisiane Rossi 4 INTRODUÇÃO Alunos

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais