FLRY3. A marca mais valiosa do setor de saúde do Brasil A 6ª empresa mais valiosa no setor de serviços do Brasil A 25ª marca mais valiosa do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FLRY3. A marca mais valiosa do setor de saúde do Brasil A 6ª empresa mais valiosa no setor de serviços do Brasil A 25ª marca mais valiosa do Brasil"

Transcrição

1 FLRY3 Prêmio IBGC 2010 Governança Corporaiva na caegoria companhias las IBGC - Insiuo Brasileiro Governança Corporaiva A marca ma valiosa seor saú Brasil A 6ª empresa ma valiosa no seor serviços Brasil A 25ª marca ma valiosa Brasil Millward Brand / BrandAnalyics TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 2010

2 Es apresen aç po con er formaç õeso breven os fu uros. Ta formaç õesn ser iam apenas fa os h ór icos, masre fle ir iamos se joseasexpec a ivas direç compan hia. As pa lavras "acre dia ", espera ", p lane ja ", "prev ê", es ima, "pro je a ", "a lme ja "es im ilarespre en m ificara firmaç õesque, necesar iamen e, envo lvemr coscon hec e scon hec. R cos con hec c luem cer ezas, quen s lim ia sao impac o compe i iv i spreçose con hec c luem cer ezas, quen s lim ia sao impac o compe i iv i spreçose serv iços, ace iaç serv içosnomerca, ransaç ões serv iço compan hiae seus compe ires, aprovaç regu lamen ar, flu uaç moe, mu nçasnom ix serv iços o ferec eou rosr cos scr iosnosre la ór ios compan hia. Es apresen aç es áa ua liza a éapresen e aeo Grupo F leuryn seo br iga ua liz á- lame dian enovas formaç õese /ou acon ec imen os fu uros.

3 Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico L has Neg ioeav en is cresc imen o L has Neg ioeav en is cresc imen o Se or Sa úno Bras il Se or Sa úno Bras il Van agenscompe i iv as Van agenscompe i iv as Des aqu es Operac iona e F ance iros Des aqu es Operac iona e F ance iros Merca Cap ia e Agen RI Merca Cap ia e Agen RI Q &AQ &A

4 Evoluç Cumulaiva Geraç Líqui Empregos oal e por regi (milhões empregos) 5,6 6,5 8,0 4,1 2,5 1,3 Fone: CAGED / MTE

5 oç p co sap p ) %popu laç bras ile ira lu Ev %popu laç co ber apor lano sa úsu lemen ar ber aporp úsu lemen ar lano l 208; Source: IBGE, ANS; U. S. Census Bureau; Ins iu o Nac iona lu dpu blica Sa Carno Informaç Saú Suplemenar édicapr iva ênc iam oscomas Gas $B ilhões (R cagr 15% 5 Fone: SIB/ANS/MS - 12/2009 e SIB/ANS/MS - 03/2010 Carno Informaç Saú Suplemenar - junho/2010

6 ) 1 o a anos ou ma Femo 1,1 Masculo 1,7 Pirâmi eária populaç (Brasil 2009) 70 a 79 anos 60 a 69 anos 50 a 59 anos 40 a 49 anos 30 a 39 anos 14,3 11,7 8,3 4,9 2,6 3,4 5,7 9,2 12,6 14,9 20 a 29 anos 10 a 19 anos 0 a 9 anos 17,6 16,9 16,6 16,4 17,6 16,0 20,0 10,0 0,0 10,0 20,0 Milhões lpopu laç 60anose % pesoascoma (Milhões 0, 0, 0, 0, 0, % Populaç a crescene % % % % % Fone: Populaç - IBGE/DATASUS/2009 e SIB/ANS/MS - 03/2010 Carno Informaç Saú Suplemenar - junho/2010 6

7 Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico L has Neg ioeav en is cresc imen o L has Neg ioeav en is cresc imen o Se or Sa úno Bras il Se or Sa úno Bras il Van agenscompe i iv as Van agenscompe i iv as Des aqu es Operac iona e F ance iros Des aqu es Operac iona e F ance iros Merca Cap ia e Agen RI Merca Cap ia e Agen RI Q &AQ &A

8

9 % 5 % 5 8% 2% 9 9, 7 20, 31, 68, õescom dire ioavo m ilhões aç

10 Laboraório análes clínicas Cenro Medica Diagnósica Diversificaç negios Fleury Hospial- Dia 2008 Ges Doenças Crônicas 2009 Ingresso no Merca Capia Novo Merca BM&FBovespa 1951 Anaomia Paológica Promoç Saú Auaç como consolir Telemedica 1975 Conceio Res Unis

11 Equipe profsiona alamene capacias: cerca colaborares a o u m c u a e s a a a 9 Receia brua: R$ 820,4 milhões 0 0 3,3 milhões clienes aend por ano 2 l 28 milhões exames realizas, por meio ipos eses em 40 áreas diagnósicas d b 16 marcas que reúnem ma 140 unis aendimeno presenes em S Paulo, Rio Janeiro, Bahia, Pernambuco e Paraná, Rio Gran Sul, além Drio Feral D

12 Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico L has Neg ioeav en is cresc imen o L has Neg ioeav en is cresc imen o Se or Sa úno Bras il Se or Sa úno Bras il Van agenscompe i iv as Van agenscompe i iv as Des aqu es Operac iona e F ance iros Des aqu es Operac iona e F ance iros Merca Cap ia e Agen RI Merca Cap ia e Agen RI Q &AQ &A

13 Re 140Un i s Aen dimen oso b16marcas Respons áve lpe los Cen ros D iagn ós icos 8 sme lhores hosp ia Pres a rnac iona lso luç ões dió i id30 lb UNIDADESDE ATENDIMENTO OPERAÇ ÕESEM HOSPITAIS LABORAT ÓRIODEÊ 1313 diagn ós icasparama 3. 0 la bs L ír merca (programas persona liza sparaexecu ivos ) Programas bemes arpara compan hias REFER ÊNCIA CHECK- UP PROMOÇ ÃODE SA ÚDE GEST ÃODEDOENÇAS CR ÔNICAS Pione ironomerca bras i le iro Parcer iacom Hea l hways

14 L has Neg io L has Neg io Pos ic ionamen o diferenc iaç, exce lênc iaemqua li ma en dimen o Amp lorecon hec imen oerespe ioporc lien es, opera ras p lanos sa ú, hosp ia, empresas, comun i m édicaeop ip ública. Por fólio ún ico, aprox ima men e exameseserv iços: 1414 An áles Clín icas, exames a lovo lume, ana om ia pa o lóg icae a lacomp lex i ; Imagemeou ros, c lu diagn ós icospor imageme em diferen esespec ia li sm édicas (car dio log ia, me dic ama ernofe a l, pneumo log iae c )

15 queconcen econ 202 DF á l Pernam buco 1un Ba hia 14un 1un i Rio Jane iro 1un i 10un 9un 21un 3un 2un 10un S Pau lo 18un 2un 5un 8un 1515 Presençanospr c ipa cen ros ram ôm icos, 46%s bene fic iár ios p lanos sa ú 24aqu iç ões s d. 140Un id. Aen 16marcas, 14un Paran Rio Gran Su 13un 13un

16 aquições s Rio Janeiro Bahia Pernambuco S Paulo Paraná Rio Janeiro S Paulo S Paulo Rio Janeiro Bahia S Paulo Rio Gran Sul Paraná

17 L has Neg io L has Neg io S Pau lo: Pres aç serv iços diagn ós icoa impor an es s iu iç ões hosp ia laresquepasama con arcomumpor fólioma amp lo xames. Pernam buco: R io Gran Su l: 1717

18 L has Neg io L has Neg io Rea lizaç diagn ós ico xames an álesc lín icaseana om iapa o lóg ica paracerca 3. 0 la bora ór iose hosp ia loca liz a sem o er i ór ionac iona l. Marca F leury, com focopr c ipa l emexamesespec ia liza s ma ior comp lex i. Marca Cr iesp, dica exc lus ivamen eaosexames m édiacomp lex i. 1818

19 apar OF has Neg io L formaç ões, sas ir sa ú, ls iuaç ua bresu ár ioso a Consc ien izausu prevenç. ba lho ionaum ra direc FLEURY - PROMOÇÃO DE SAÚDE P R E V E N Ç Ã O D I A G N Ó S T I C O sconce ios bases ba lhos ra cu jas éumaso luç egra ú Sa Promoç leury emsa ú icoeprevenç diagn ós 1919

20 2020 A PREVENÇÃO é uma aç que agrega o FUNCIONÁRIO e sua FAMÍLIA O DIAGNÓSTICO siuaç e populaç envolvi marca o ício qualquer ciclo. A INTERVENÇÃO é uma aç que agrega a INFORMAÇÃO, o FUNCIONÁRIO e a EMPRESA

21 O ferec i semam bien en hosp ia larcomacarac er ís icacomum av a liarasa ú u m div ídu o mane irapersona liz a, acor comosexo, i h ór ico c lien e. L has Neg io L has Neg io Chec k- up Execu ivo; Chec k- up F es; Chec kup N ipon; Chec k- up N ipon; Chec k- up Func iona l Ma ur i ; Consu la V ia jan e. Pos ibili m ódu loscon ua s: Acompan hamen o Nu r ic iona l, A iv i F ís ica, en reou ros. 2121

22 Foconaprev enç hosp ia liz aç õeseproce dimen os v as iv os, ev ian comp licaç ões ençaseseus ra amen os. Parcer iacoma Hea l hw ay s, lírnapres aç serv iços Ges Doenças Cr ôn icasnos Es a s Un i s. L has Neg io L has Neg io Recomen ç ões pr á icasm édicas foca sem ra amen oscomprova s Acompan hamen o sc lien esa rav és cen ra a en dimen o e le fôn ico, comp lemen a comv ias m ic iliares; S ema formaç senvo lv ipe la Hea l hways; 2

23 P lanos Sa ú Osprogramas ges ençascr ôn icaso bje ivamen regar aospac ien esas con diç õesneces ár iasparau mav ima sau dáv e l, longaea iv a. Pac ien es Fu nc ion ár iosma au dáv e cu s a me nosaosegurosa ú, consequen emen e, àsempresas, au men an apro du iv i. L has Neg io L has Neg io EMPRESAS PACIENTES Me lhor con ro le cu s osequ a li serv iços, ba lancean as man s seusc lien es. Oprogramaprop ic iaum v es imen o re ornosmensu r áv e. Aumen aoen en dimen o spac ien esesua a r ênc iaos ra amen os dica s, a lém me lhoraracapac i os au oges sa ú spac ien es. M édicos PLANOS DESA ÚDE M ÉDICOS 2323

24 2424

25 Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico L has Neg ioeav en is cresc imen o L has Neg ioeav en is cresc imen o Se or Sa úno Bras il Se or Sa úno Bras il Van agenscompe i iv as Van agenscompe i iv as Des aqu es Operac iona e F ance iros Des aqu es Operac iona e F ance iros Merca Cap ia e Agen RI Merca Cap ia e Agen RI Q &AQ &A

26 Opera ras P lanos Sa ú Oferecem diversasopç ões co ber uras 7 2%rece ia F leury E d Pac ien es Esco lhempres a res serv iço Nosopor ifólio marcasco bre o segmen aç co ber ura sp lanos sa ú Ofereceso luç ões me dic a preven ivaparame lhoraro bemes ar s func ion ár ios Emprega res Esco lhemopres a r serv içoseaempresa p lano sa ú:para es e, o F leury é dpens áve l M édicos Recomen mopres a r serv içosm édicos Me lhorema con fiáve lcen ro me dic a diagn ós icapara 85 %sm édicos * p ç basean senaco ber ura p lano sa ú, pre fer ênc iapesoa le dicaç m édico Ín dice sa faç c lien e ma iorque 85 % (1)In Fone: 2008 IBOPE; 2010 Ipsos

27 85% me dic a lhorema fi áve lcen ro con Me sm édicos icapara diagn ós Fleury compeir A compeir B Fone: 2008 IBOPE; 2010 Ipsos (1)In

28 Tra diç ov aç ep ione ir mo, v es na área pesqu ae senv o lv imen o: - Geraç con ínua novosexames diagn ós icos: Rece iae m ilhões BRL #novospro du os Ap licaç me o log ias pon anapr á ica la bora or ia l, comoaespec rome r ia masase écn icasmo lecu lares úl imageraç h Qr s Qr nd Qr rd Qr h Qr

29 Geraç con hec imen o * 530m édicos 172ar igospu blica srev a s 313resumosemreun iõesc ien íficas 95cap íu los livros So lu ç ões egra s Feramen as e lig ênc iar ific ia l parana laresu la s xames *209 26espec ia li sm édicas 52 ipos re la ór ios egra s 5749re la ór ios egra sen regues 2929

30 2002 Inroduç Relaórios Inegras 2004 Resulas exames com s hóricos 40,00 Tempo Proromba 2006 Programas promoç saú Valor (seguns) 32,00 24,00 16,00 8,00 0,00 16/11/ /10/2009 5/10/ /9/2009 7/9/ /8/2009 Daa Resula Referência Máxima Referência Mínima 2007 Ges ovaç e conhecimeno 2003 Resulas imagem na Inerne 2005 Check-up diversifica Programa Ges Doenças Crônicas Uni Iaim Incubara Inovações para Experiências s Clienes Uso are e culura na ovaç serviços

31 funcionários e 548 médicos Profsiona por área 12% 11% 77% 3.2% 0.2% 2.6% Busess Un Admraive areas Physicians I 4% Anos rabalhan no Grupo Fleury 4% 4.3% 66.2% 10.3% 14% 18% 13% 17% 13.3% 38% 26% 26% 40% a up o 25 years above 50 years less han 1 year 1-3 years 4-10 years years above 20 years

32 Qualificaç Médicos - Mesres/PhD 37% - Pós Doc 5% Invesimenos em educaç (R$ milhões) 0, 0, , 0, Horas reameno por funcionário ,4 horas Média mundial¹ 0, 0, 0, 0, (1) fone: American Sociey of Trag and Developmen, 2008 Turn Over (média 12 meses) 2.37% 2.09% 2.60% * * média março

33 Se cen ra procesamen o amos ras an áles loca liza snospr c ipa cen ros econ ôm icos Bras il. Os ves imen osem ecno log iaeau omaç garan em o a lprec nasan áles, a lém umexpres ivogan ho pro du iv i. M édicosespec ia l as eragemecompar ilhamcon hec imen o, exper iênc iaeso luç õespara o berome lhorema comp le oresu la. OF leury fo iopr ime iroa forma izarseusprocesoseoa en dimen oaosc lien es.

34 Acre diaç CAP: 207 O benç cre diaç Co legeo famer ican Pa ho log s (CAP ): recon hec imen o ernac iona l; Acre diaç PALC Cer i fica Acre diaç La bora ór ios C lín icos Soc ie Bras i le ira Pa o log ia C lín ica; Cer ificaç ISO1401: 196: - Pr ime iro la bora ór io Bras i laes a be lecer um S ema Ges In egra Qua li e Me io Am bien ecomcer i ficaç ISO901: 20 e ISO1401: 196; Cer ificaç ISO901: 20: Pr ime iro la bora ór io Bras i larece beracer i ficaç ISO 901: 194 (19 ); - Aua liza para ISO90: 20emagos o 202.

35 OF leury éo pr ime iroes a be lec imen o sa úno Bras i lao ber ocer i fica Lea rs hip Energyan denv ironmen a ldes ign (Le d), pa dr Go ld, para Un i Roc haver á- Morum bi. *Ocer ifica éem i ipe lo U SGren Bu ildg Counc il, en i amer icana sem fs lucra ivosque emcomo bje ivoes a be lecernormaspara cons ruç dificaç õesus en áve Programasoc ia vo la s àárea sa ú, cu lura e ducaç : Rec ic lan Son hos Ges Aç. Campan haspon ua Vo lun ar ia En reou rasaç õesam bien a, po mos s acar: Su bs iu iç qu ipamen oscon en merc úr io Aç ões conservaç recursos, comre duç ões consumo *: 32% água 10%nerg ia 13%pape l *Mon ioramen o ic ia em 202

36 25 16 Pr c ipa Execu ivos Anos xper iênc ia Se or sa ú Fleury Mau ro F igu e ire W ilson Pe dre ira Omar Hau ac he Pres e Dire or Execu ivo Un i s Aen dimen o Dire or Execu ivo Aqu iç ões, Me dic a In egra F ábio Marc hior i Ren dr ikfranco Mar ia L úc ia Feraz Pau lo Pe e Dire or Exec. Fançase RI Dire or Execu ivo Es ra ég iae Mar ke g Dire ora Execu iva Pesoas Dire or Execu ivo In fraes ru ura Rog ér io Ra be lo Dire or Execu ivo Operaç ões 20 1

37 Conse lho A dm raç s 198 Mem bros pen n es s acr iaç 3 s 9mem bros pen n es Com i ê Au dior iae Compensaç Com i ê Suces 3737 Au dior iaex erna s 192 Re la ór io Anu a lpu blica s 205 C ódigo Con du a Pac o Empresar ia lpe la In egr i Con ra Coru pç Pr êm io 208e 209Execu ivo Va lor Se or Sa ú

38 Pr êm io IBGC2010 Gov ernança Corpora iv anaca egor ia empresas l a snopr ime iroanocomocompan hia ber a. A lguns spon os s aca s: Regras /res r iç õesr íg i sem ransaç õescompar esre lac iona s Omo lom im izapro blemas suces nacompan hia (sem her iros ) Boms ema ava liaç xecu ivose func ion ár ios o sosn íve 3838 Pr êm io IBGC207 Gov ernança Corpora iv anaca egor ia empresan l a. Remuneraç var i áve lbemes ru ura ep lano opç ões OConse lho A dm raç ému io foca naes ra ég iaemenosem ques õesoperac iona

39 3939 Uma s empresas ma valiosas 2º lugar no seor 1 o enre presares acor com Valor 1000, reva Valor Econômico. Empresa ano em Ges Recursos Humanos Prêmio reva Ges & RH, em seembro o em Geraç Valor e margem s operações Uma s marcas ma valiosas Fleury foi classifica como uma s marcas ma valiosas Brasilpela pesqua BrandAnalyics e Millward Brown*. A 6ª marca ma valiosa enre as empresas serviço A marca ma valiosa no Brasil no seor saú Agoso, º lugar no seor 1 o enre presares acor com As Melhores Dheiro, reva Isoé Dheiro. 1 o lugar em Susenabili Fanceira e Governança Corporaiva Agoso, 2010 * Millward Brown é uma agência lír global pesqua especializa em publici, comunicaç markeg, mídia e equiy research marcas. A BrandAnalyics é uma s consulorias marca ma imporanes Brasil.

40 Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico L has Neg ioeav en is cresc imen o L has Neg ioeav en is cresc imen o Se or Sa úno Bras il Se or Sa úno Bras il Van agenscompe i iv as Van agenscompe i iv as Des aqu es Operac iona e F ance iros Des aqu es Operac iona e F ance iros Merca Cap ia e Agen RI Merca Cap ia e Agen RI Q &AQ &A

41 ) 4141 $M ilhões (R Source: Company a

42 6% FHD ena 3T09 3T10 i %R 0% C 2% F 4242 ia. 6%emrece 19, ocresceram dimen i s Aen Un õesem ia. Hosp Operaç cresc imen oem 68, )cresceu 45, 9%. iv (exdic a Prev Me brea kwn by bus es le Revenue Gros % $m lhões R$ milhões Unis Aendimeno 208,0 83,7% 173,9 84,5% 19,6% 25,8 10,4% 15,3 7,4% 68,6% Operaç õesem Hosp ia Laboraório Referência e Pesq. Clínicas 9,6 3,9% 10,6 5,1% -9,3% Laboraório Referência 8,7 3,5% 8,6 4,2% 1,8% 1, -56,5% 0,9 0,4% 2,0 lín Pesqu as icas 5,1 2,1% 6,0 2,9% -14,7% Me dic a Preven iva Medica Preveniva (ex-fhd) 5,1 2,1% 3,5 1,7% 45,9% 1, -100% 0,0 0,0% 2,5 l- Dia leury Hosp ia

43 Rece iam édiapor Un i Aen dimen o (R $m ilhões ) Aumen o 19, 6%narece ia bru a (15, 9% 9M 10), o a lizan R $208m ilhõesno r imes re. Arece iam édiaporme roqua dra cresceu 13, 4 %. Arece iam édiapor UAcresceu 10, 2%. Expans non úmero pac ien esem 15, 6%compara ao 3T 09. Aumen o 12%em sames oresa les (apenasasmesmas UAsex en es duran eoper ío comparaç ). Rece iam édiaporme roqua dra e o a l me rosqua dra s N úmero UAs

44 Aumen o 68, 6%no 3T 10compara ao 3T 09, a g R $26m ilhões, 10, 4 %rece ia o a l Grupo F leury v ia: Cresc imen o Org ân ico for e man s úl imos 12meses; Aaqu iç We man rouxe 2hosp ia líresno R io Gran Su l. Aaqu iç DI pos ibiliouaexpans parcer iacomo Hosp ia la lem Oswa l Cruz (S Pau lo ). N úmero xameserece iam édiaporexame ilh $ M ilharese R $ Número exames Receia média por exame 4

45 Var iaç 1, 8%no 3T 10compara ao 3T 09no La bora ór io Re fer ênc ia, R $8, 7m ilhõesno r imes re. Houveumcresc imen o 0, 7 %compara ao r imes rean er ior. Descon uaç progres iva neg io Pesqu as Clín icas. Arece ia R $2, 0m ilion 3T 09fo i re duz ipara R $0, 9m ilhõesno 3T 10. Arece ia o a lcons iran as duas l has neg io cresceu 9, 3%. N úmero xameserece iam édiaporexame (ex- Pesqu as Clín icas ) (ex Pesqu as Clín icas ) M ilharese R $ Número exames Receia média por exame 4545

46 Ex ames Imageme Ou ras Espec ia li s D iagn ós icascresceu 17, 5%, expans rg ân ica Serv iços Imagemnas UAseme lhor ia m ix. + 7%non úmero xames. Arece ia An áles C lín icascresceu 24, 9%, li ra pr c ipa lmen epe las Operaç õesem Hosp ia epe laqu iç We man. + 27, 9%non úmero xames. A ber u ra s UAs: 14, 4 %cresc imen org ân iconarece ia Exames Imageme Ou ras Espec ia li s; ARece ia An áles Clín icascresceu 23, 0%, lira pe locresc imen org ân ico epe laqu iç We man. 4646

47 Aumen o 45, 9%exc lu asoperaç F leury Hosp ia l- D ia. Oserv iço Ges Doenças Cr ôn icasa g iu 27m ilv iscon ra a s. Arece ia Chec k- upcresceu 28, 1%, comaumen o 31, 6%non úmero consu las. Rece ia bru a r imes ra l Me dic a Preven iva (R $m ilhões )

48 EBITDA ilhões ) (R cro ilhões ) (R 4848 EBITDAemargem $M 19,5% 19.5% 17.9% 22.9% 23.3% 22.6% 23.3% 24.2% 24.5% 17,9% 22,9% 23,3% 24,4% 24,2% 27,8% 25,9% líqu i iemargem líqu Lu $M 6,6% 4,6% 6,2% 10,9% 11,2% 15,3% 17,8% 19,2%

49 2l 1EBITDA (%) 4949 breo Cap ia ornoso 209ARe 2)Fleury Company a Pers by Blom berg 209Amargem (%) 1)Fleury Company a DASACompany a O herpers by Blom berg

50 5050

51 Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico L has Neg ioeav en is cresc imen o L has Neg ioeav en is cresc imen o Se or Sa úno Bras il Se or Sa úno Bras il Van agenscompe i iv as Van agenscompe i iv as Des aqu es Operac iona e F ance iros Des aqu es Operac iona e F ance iros Merca Cap ia e Agen RI Merca Cap ia e Agen RI Q&A Q&A

52 FLRY 3 / $ +31,3% Aç õese Mar ke Cap (30 /se /2010) To a l Aç ões Fre F loa (31, 8%) Mar ke Cap R $2, 7 6bilhões Var iaç re la ivaemre laç ao IPO Close (09 /30 /2010) R $21, 0 3Q10H ig h R $23, 17 3Q10Low R $19, 82 +1,2% Per formance ç 3T , 1% 9M , 2% IP O + 31, 3%

53 2010 Even os 30 /nov- 01 /z UBSeven hanua llat /EMEAInves or Con ference Nova Yorque- EUA 01 /z CSLAHea l hcare: Opor un i ies Emerg g Mar ke s Nova Yorque EUA 29 /nov- 09 /z Nona lroa ds how EUAe Cana dá Even os 1-13 /jan 15 hanua lla Amer ica CEOCon ference Cancun Méx ico 7-8 /fev UBS21 hanua lglo ba lhea l hcare Serv ices Con ference Nova Yorque- EUA 24 /fev Divu lgaç resu la anua l /mar Asem bléia Gera lor d ár ia

54 Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico Es ênc ia, Es ru u ra Soc ie ár iae H ór ico L has Neg ioeav en is cresc imen o L has Neg ioeav en is cresc imen o Se or Sa úno Bras il Se or Sa úno Bras il Van agenscompe i iv as Van agenscompe i iv as Des aqu es Operac iona e F ance iros Des aqu es Operac iona e F ance iros Merca Cap ia e Agen RI Merca Cap ia e Agen RI Q &AQ &A

55 FLEURY S.A.

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO A Co o r d e n a ç ã o d e E s t á g i o d a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú b l i c a

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Resultados 3T10. Novembro, 2010 FLRY3

Resultados 3T10. Novembro, 2010 FLRY3 Resultados 3T10 FLRY3 A marca mais valiosa no setor de saúde Brasileiro A 6ª marca mais valiosa entre as empresas de serviços A 25ª marca mais valiosa no Brasil Millward Brand / BrandAnalytics A Empresa

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental Izac Trindade Coelho 1 1. I n t r o d u ç ão Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão! (Graciliano Ramos)

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

P la no. B a nda L a rg a

P la no. B a nda L a rg a de P la no N a c io na l B a nda L a rg a 1 Sumário 1. Im p o r tâ n c ia E s tr a té g ic a 2. D ia g n ó s tic o 3. O b je tiv o s e M e ta s 4. A ções 5. In v e s tim e n to s 6. G o v e r n a n ç a

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

Região Quantidade % Norte 339.270 19,39% Nordeste 1.039.640 59,41% Sudeste 179.511 10,26% Sul 113.678 6,50% Centro-Oeste 77.952 4,45% Total Brasil 1.750.051 100,00% Fundação João Pinheiro, 2007. BENEFICIÁRIOS:

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I.

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. DAN TAS 1, Jessica Soares SILVA 2, Mykeline Vieira da CCHLA/ DLEM/ PROBEX RES

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) D imens õ es do P ro blema do L ixo Q ua lquer s o luç ã o tem que s er a na lis a

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA Luísa Oliveira e Helena Carvalho Resumo A inovação tecnológica como força motriz de um novo padrão de competitividade coloca, como questão central,

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná.

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Advo ga dos Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Man da do de Se gu ran ça 768.003-5 Jul ga men to: Órgão Espe ci al. Rel.:

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar?

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar? White Paper E-mail Marketing: por onde começar? Primeiros passos para definir o planejamento de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação, é importante criar suas

Leia mais

M U R I L O R U B I Ã O : U M A R E S E N H A C R Í T I C A D O C O N TO O P I R O T É C N I C O Z A C A R I A S

M U R I L O R U B I Ã O : U M A R E S E N H A C R Í T I C A D O C O N TO O P I R O T É C N I C O Z A C A R I A S ISSN 2236-3335 M U R I L O R U B I Ã O : U M A R E S E N H A C R Í T I C A D O C O N TO O P I R O T É C N I C O Z A C A R I A S P o r F l á v i a R o d r i g u e s d o s S a n t o s L i c e n c i a t u

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O.

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. C o n s e lh o N a c io n a l d e D e s e n v o lv im e n

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

10 motivos para investir e se apaixonar

10 motivos para investir e se apaixonar 10 motivos para investir e se apaixonar CONHEçA UM POUCO MAIS SObRE A CIDADE que NãO PARA DE CRESCER E que TEM TUDO PARA fazer O MESMO PELA SUA EMPRESA. o Brasil está se firmando como um gigante do desenvolvimento

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 R eg is tro de P rodutos R em edia dores Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 Remediadores Ambientais LEGIS LAÇÃO ES PECÍFICA: Res olução CONAMA nº 314, de 29/10/2002 D is põe

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet Sandra Pereira Introdução O po der é um pro ble ma cen tral nas or ga ni za ções en quan to es pa ços de con fli

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

ESTE É UM TRABALHO DE CONSULTORIA EMPRESARIAL, COMO TAMBÉM TREINAMENTO NESTA ÁREA.

ESTE É UM TRABALHO DE CONSULTORIA EMPRESARIAL, COMO TAMBÉM TREINAMENTO NESTA ÁREA. ESTE É UM TRABALHO DE CONSULTORIA EMPRESARIAL, COMO TAMBÉM TREINAMENTO NESTA ÁREA. ] ORÇAMENTO MÃO-DE-OBRA DIRETA QUANTIDADE HORA MÃO-DE-OBRA. QT D E H OR A S 1º P ER IOD O 2º P ER IOD O 3º P ER IOD

Leia mais

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone C en t r o C o l a b o r a d o r em A l i m en t aç ão e N u t r i ç ão E sc o l ar U n i v e r si d ad e F ed er al d e S ão P au l o P r o je t o d e L e i 6

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto Primórdios Afir mar que a so ci o lo gia por tu gue sa só co me çou ver da de i ra men te

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

Fi si o te ra pia re a li za jor na da aca dê mi ca nos 40 anos da pro fis são

Fi si o te ra pia re a li za jor na da aca dê mi ca nos 40 anos da pro fis são Informativo mensal da PUC Minas em Betim nº 91 Agosto de 2009 Fi si o te ra pia re a li za jor na da aca dê mi ca nos 40 anos da pro fis são As ins cri çõ es para apre sen ta ção de pôs ter es tão aber

Leia mais

White Paper. Gestão Ágil de Produtos

White Paper. Gestão Ágil de Produtos White Paper Gestão Ágil de Produtos Um bom gestor de produtos de software oferece o suporte e a confiança que a equipe de desenvolvimento precisa Com o advento das metodologias ágeis de desenvolvimento

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G M E T O D O L O G I A U T I L I Z A D A P E L O P E T C O M P U T A Ç Ã O D A U F C G P A R A M I N I S T R A R C U R S O S DE I N F O R M À T I C A B À S I C A G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o C u

Leia mais

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano L e i M u n i c i pa l n. º 2 1 0 7, d e 0 5 d e J u l h o d e 1 9 9 9. Dispõe s o b r e a d i v i s ã o d o ter r i t

Leia mais

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA.

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. A LINGUAGEM DOS JOVENS E A CONSCIENTIZAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ATRAVÉS

Leia mais

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quant o à veloc idade Rápidas: neut ralizaç ões em m eio aquoso, c om bust ões,...

Leia mais

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança M. J. Ryan O poder da autoconfiança Para a verdade, a beleza e a sabedoria que existem em cada um de nós. E, em particular, para Dawna Markova, que me ensinou a cultivar essas qualidades. Confie em si

Leia mais