Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2012)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2012) 10032-10036"

Transcrição

1 Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2012) Efeitos do 4-fluorbenzaldeidotiossemicabazona sobre a progressão do ciclo celular, indução de apoptose e autofagia em células de adenocarcinoma prostático PC-3 1 Bruna dos Santos RODRIGUES, 1 Marize Campos VALADARES, 1 Polyana Lopes BENFICA, 2 Cecília Maria Alves de OLIVEIRA. 1 Laboratório de Farmacologia e Toxicologia Celular- FARMATEC, Faculdade de Farmácia, UFG, Goiânia-GO. 2 Laboratório de Bioatividade Molecular- Instituto de Química, UFG, Goiânia-GO. Palavras-chave: tiossemicarbazona, câncer de próstata, PC-3, autofagia 1. Introdução O câncer de próstata, segundo a última estimativa mundial (FERLAY et al, 2008) é o segundo câncer mais diagnosticado em homens e o quinto tipo com maior incidência no mundo. Essa estimativa também se repete no Brasil (BRASIL, 2011). É notadamente reconhecido como um problema de saúde pública, devido à grandeza no quadro de morbimortalidade masculina e ao consenso nos métodos de controle e prevenção (GOMES et al., 2008). Sua incidência tem aumentado progressivamente ao longo dos anos (GUERRA; GALLO; MENDONÇA, 2005). As condutas terapêuticas do câncer de próstata ainda são limitadas. Com o aumento da incidência novas abordagens são necessárias, uma opção é a quimioprevenção, que pode prevenir, diminuir ou reverter sua ocorrência pela administração de compostos naturais ou sintéticos (ADHAMI et al., 2007). A molécula 4-fluorbenzaldeidotiossemicarbazona (4-FTC) é bastante promissora como uma candidata a novo fármaco para o tratamento ou prevenção do câncer de próstata. Devido a esse potencial, investigamos seus efeitos na indução da apoptose, autofagia e progressão do ciclo celular nas células de adenocarcinoma prostático PC-3. Capa Índice 10032

2 2. Material e métodos O 4-fluorbenzaldeidotiossemicarbazona (4-FTC) foi sintetizado pelo Laboratório de Bioatividade Molecular do Instituto de Química, UFG, coordenado pela professora Drª Cecília Maria Alves de Oliveira, para objeto de estudo. A linhagem celular de adenocarcinoma de próstata PC-3 foi mantida em meio de cultura HAM-F12, suplementado com 10% de soro fetal bovino e antibióticos, em atmosfera contendo 5 % de CO 2 a 37ºC. Para avaliar o potencial indutor de apoptose, as células (1x10 6 ) foram cultivadas em placa de Petri de 35x10 mm estéril e expostas ao 4-FTC (0,02 µm) por 48 h. Foram lavadas com PBS e coradas com o corante Giemsa. As alterações morfológicas foram observadas em microscopia óptica de campo claro. A externalização da fosfatidilserina foi analisada através da marcação com Anexina V-FITC/IP. Na determinação das fases do ciclo celular as células PC-3 foram fixadas com solução fixadora (etanol a 70% gelado), e incubadas a 4 C, 24 h; lavadas em PBS gelado e ressuspendidas com solução contendo 200 µg/ml de RNAse A e 50 µg/ml de IP (iodeto de propídio), incubadas a 4 C, protegidas de luz por 1 h. Para a análise da indução de formação de vesículas ácidas autofágicas, as células foram marcadas com o corante laranja de acridina. As amostras foram analisadas por citometria de fluxo (FACSCanto II, Becton Dickinson). Os resultados das avaliações foram expressos em média e desvio padrão. A diferença entre controle e células tratadas com 4-FTC foi avaliada usando teste t não pareado, a diferença entre grupos por análise de variância (ANOVA) e o teste de Tukey para múltiplas comparações. A significância estatística foi considerada quando p < As análises estatísticas foram realizadas usando o software GraphPad Prism (versão 5.0). 3. Resultados e discussão Os mecanismos de morte celular, principalmente as vias indutoras de apoptose, são alvos importantes para o desenvolvimento de novos agentes quimioterápicos. A atividade indutora de apoptose na linhagem celular PC-3 não foi observada através da análise morfológica, pois apenas alterações discretas não características de apoptose foram observadas, comparado ao controle (Figura 1), Capa Índice 10033

3 apesar do efeito antiproliferativo detectado. Os sinais de morte foram analisados pela dupla marcação com anexina V e iodeto de propídio. A figura 3d mostra que as pequenas modificações observadas não foram estatisticamente significativas. Assim sendo, a morte por apoptose não foi induzida pelo 4-FTC na concentração e tempo de exposição adotados. SOARES, GUILLO, OLIVEIRA, 2008, demonstraram que alguns derivados de tiossemicarbazona tiveram atividade antiproliferativa e indutora de apoptose em células de melanoma humano SK-MEL-37; uma investigação com outras concentrações de 4-FTC poderá indicar se também possui essa propriedade. A B Figura 1: Células PC-3 coradas com Giemsa após 48 h de exposição a 4-FTC, incubadas a 37ºC, 5% de CO 2. A- Células controle-não tratadas, B- células tratadas com 4- FTC (0,02 µm), apresentando alterações morfológicas discretas e efeito antiproliferativo. Para investigar outro tipo de morte possivelmente induzido pelo 4-FTC avaliamos a indução da formação de vesículas ácidas autofágicas, características de autofagia. O 4-FTC foi capaz de aumentar o número de vesículas autofágicas ácidas formadas (15,8%) (figura 2), comparadas ao controle (6,3%), demonstrando, assim, que induziu a morte por autofagia. A PC-3 controle PC-3 0,013 µm B Fluorescência PercP VAAs (%) 20 * Controle 0,013mM Fluorescência FITC Figura 2: a) Histogramas representando a indução da formação de vesículas autofágicas ácidas (VAAs) em células PC-3 controle e tratadas com 4-FTC. b) Porcentagem de vesículas autofágicas ácidas induzidas após tratamento com 4-FTC. Os Capa Índice 10034

4 resultados representam a média ± desvio padrão. Os dados são representativos de três experimentos independentes (*p<0,05). Fatores específicos do ciclo celular podem influenciar na proliferação desregulada das células tumorais, por isso avaliamos os efeitos do 4-FTC na progressão do ciclo celular nas células PC-3. O perfil do ciclo celular teve pequenas modificações (Figura 3b), com significante aumento na fase sub-g1, que representa a fragmentação de DNA, indicativa da citotoxicidade da molécula. A PC-3 Controle C PC-3 Controle Counts PC-3 0,02 µm Fluorescência Iodeto de propídio PC-3 0,02 µm Iodeto de propídio Fluorescência Anexina V B Número de células (%) * Controle 0,013M D Número de células (%) Controle 0,013M 0 Sub G1 G0/G1 S G2/M 0 A-/PI- A-/PI+ A+/PI+ A+/PI- Figura 3:a) Histogramas representando o perfil do ciclo celular das células PC-3 controle e das tratadas com 4-FTC marcadas com iodeto de propídio. b) Porcentagem de células PC-3 nas fases sub-g1, G1, S, G2/M do ciclo celular após tratamento com 4-FTC. Cada barra representa a média ± desvio padrão de três experimentos independentes (*p < 0.05). c) Histogramas representando análise da apoptose das células PC-3 controle e tratadas com 4-FTC marcadas com anexina V/FITC e iodeto de propídio. d) Comparação da intensidade de fluorescência de anexina V/FITC e IP das células tratadas com 4-FTC com as células controle, A-/IP- =% de Capa Índice 10035

5 células viáveis, A-/IP+=% de apoptose recente, A+/IP+=% de apoptose tardia, A+/PI-=% de necrose (*p< 0.05). 4. Conclusões Os resultados demonstraram que o 4-FTC possui atividade antiproliferativa nas células PC-3, induzindo a morte por autofagia. Não induziu a morte por apoptose e aumentou o número de células na fase sub-g1 na progressão do seu ciclo celular, indicando sua citotoxicidade. 5. Referências bibliográficas ADHAMI, V.M.; MALIK, A.; ZAMAN, N.; SARFARAZ, S.; SIDDIQUI. A.; SYED, D.N.; AFAQ, F.; PASHA, F.S.; SALEEM, M.. MUKHTAR, H. Combinated inhibitory effects of green tea of polyphenols and selective cyclooxygenase-2 inhibitors on the growth of human prostate cancer cells both in vitro and in vivo. Clin Cancer Res; 13(5) March1, 2007 BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro: INCA, FERLAY, J.; SHIN, H.R.; BRAY, F.; FORMAN, D.; MATHERS, C. e PARKIN, D.M. GLOBOCAN 2008 v1.2, Cancer Incidence and Mortality Worldwide: IARC CancerBase No. 10 [Internet]. Lyon, France: International Agency for Research on Cancer; Disponível em: acesso em 06/08/2012. GOMES, R.; REBELLO, L.E.F.S.; ARAÚJO, F.C.; NASCIMENTO, E.F. A prevenção do câncer de próstata: uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 13(1): , GUERRA, M.R.; GALLO, C.V.M.; MENDONÇA, G.A.S. Risco de câncer no Brasil: tendências e estudos epidemiológicos mais recentes. Revista Brasileira de Cancerologia, 51(3): , SOARES, P.R.O.; GUILLO, L.A.; OLIVEIRA, C.M.A. Atividade antiproliferativa de benzaldeído canfeno tiossemicarbazonas em células de melanoma humano (SK-MEL-37). Dissertação (Mestrado em Biologia). Universidade Federal de Goiás, Apoio financeiro: Capes, CNPq, FINEP, FUNAPE. Capa Índice 10036

6 Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2012) UTILIZAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES DE PROFILAXIA DE TERAPIA ANTIRRETROVIRAL E DEMAIS CONDUTAS RELACIONADAS À TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV EM GESTANTES DURANTE O PRÉ-NATAL, PARTO E PUÉRPERIO EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA DE GOIÁS Bruna Lígia Ferreira ALMEIDA; Janaína Valadares GUIMARÃES. Faculdade de Enfermagem Palavras chave: Transmissão Vertical, HIV, Gestante. INTRODUÇÃO Há mais de duas décadas o mundo convive com a epidemia de aids. Desde então muito se descobriu sobre formas de transmissão, terapias medicamentosas mais eficazes, marcadores laboratoriais mais precisos, imunogenicidade, entretanto, ainda é evidente o preconceito que as pessoas sofrem após a realização do diagnóstico (CARVALHO; GALVÃO, 2008). Nos últimos anos houve uma mudança do perfil da epidemia, chamado por feminização da epidemia de HIV, um número crescente de mulheres em todo o mundo estão infectadas, sendo que mulheres e meninas constituem quase metade de todas as pessoas que vivem com HIV/aids, as mulheres jovens entre 15 e 24 anos são duas vezes mais propensas a viver com a doença na população (QUINN, 2005; REMIEN, 2009). A feminização da epidemia têm numerosas consequências, dentre elas, o aumento do número de crianças infectadas pelo HIV tendo a transmissão vertical como principal via de infecção (SILVA et al., 2010). Os principais fatores que contribuem para a vulnerabilidade das mulheres à aids são: menor escolaridade, condição socioeconômica menos privilegiada, relacionado à raça, etnia, vida extraconjugal dos parceiros, violência sexual, entre outros (SANTOS et al., 2002; DECKER, 2009). De acordo com o Centers For Disease Control and Prevention (CDC) o uso de drogas injetáveis se tornou um fator fundamental da feminização da epidemia em todo o mundo (CDC, 2009). Dentro desse contexto, e vislumbrando a problemática do aumento do número de mulheres em idade reprodutiva portadoras do HIV, torna-se necessária a utilização de medidas que controle a crescente transmissão vertical desse vírus. A transmissão vertical pode ocorrer no período intrauterino, intraparto e após o parto através do aleitamento materno. A maioria dos casos ocorre durante o Capa Índice 10037

7 trabalho de parto e durante o parto (60% - 65%) e o restante (35% - 40%) no período intrauterino, principalmente nas últimas semanas de gestação, em estudos realizados em locais onde as mães não amamentaram seus bebês (NISHIMOTO et al., 2005). A amamentação eleva o risco de transmissão de 7% até 22% por exposição (mamada) (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2007). A taxa de transmissão vertical do HIV, sem intervenção situa-se em torno de 20% e com o uso combinado de determinadas intervenções pode ser reduzida para menos que 1% (LANA, LIMA; 2010). Em 2006, o Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e aids reuniu o Comitê Assessor para Recomendações de profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia antirretroviral em gestantes, que revisou as Recomendações de Terapia Antirretroviral (TARV) e as demais condutas relacionadas a profilaxia da transmissão vertical do HIV (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). Em 2010 houve uma reformulação deste Manual de Recomendações de profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia antirretroviral em gestantes, onde algumas informações foram mantidas e outras acrescentadas (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2010). Embora a TARV seja de oferta universal no Brasil, ainda é grande a proporção de gestantes infectadas pelo HIV que não são sujeitas às ações profiláticas recomendadas pelo Plano Nacional DST/aids. Grande parte destas mulheres não tem acesso ao teste de HIV, seja pela sua condição social, seja por falhas no sistema de saúde (SOUZA JR et al., 2004).). Baseado no contexto acima é de fundamental importância investigar se estão sendo realizados os cuidados preconizados pelo Ministério da Saúde de acordo com as Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Antirretroviral em gestantes, durante o pré-natal, parto e puerpério das gestantes HIV positivas atendidas no Sistema Único de Saúde (SUS) em Goiânia, o que torna relevante a execução deste trabalho. Através dessas ações irá se tornar possível e real, a queda dos índices de transmissão vertical do HIV na cidade de Goiânia. É de extrema importância a atuação do enfermeiro no cuidado a gestante HIV positivo e ao recém nascido (RN) exposto, pois esse profissional é responsável pelo acompanhamento e cuidado prestado a esse público durante o Capa Índice 10038

8 pré-natal, parto e puerpério, sendo assim o profissional de enfermagem assiste a todo o ciclo passível de ocorrer a transmissão vertical dessa e de demais infecções. Enfim, através desse estudo torna-se possível o acompanhamento próximo para análise do perfil sócioeconômico e demográfico das gestantes HIV positivas, a avaliação dos aspectos fisiológicos e clínicos dessas gestantes atendidas em Goiânia, além da análise do conhecimento dos profissionais que lidam com as gestantes HIV positivo acerca do tema em estudo. Este estudo tem como objetivos: verificar se as medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde como controle da transmissão vertical do HIV estão sendo adotadas pelas gestantes e profissionais de saúde de uma maternidade pública de Goiânia; Traçar o perfil sócio-demográfico das mulheres e relacioná-los à transmissão vertical do HIV; Identificar os principais fatores de risco relacionados à transmissão vertical do HIV durante o pré-natal, parto e puerpério; Verificar quais as medidas adotadas pelos profissionais de saúde para reduzir a transmissão vertical do HIV e analisar o conhecimento dos profissionais de saúde que lidam com gestantes HIV positivos, sobre as medidas profiláticas da transmissão vertical do HIV. MATERIAL E MÉTODO O estudo foi dividido em três etapas que correspondem a: Revisão da literatura; Estudo descritivo, retrospectivo, transversal, de abordagem quantitativa para traçar o perfil sócio-demográfico das mulheres e relacioná-los à transmissão vertical do HIV; estimar os principais fatores de risco e quais as medidas adotadas pelos profissionais de saúde para reduzir a transmissão vertical do HIV nos períodos prénatal, parto e puerpério Será estudado o período entre janeiro de 2006 a dezembro de 2011; Estudo descritivo, prospectivo, transversal, de abordagem quantitativa para traçar o conhecimento dos profissionais de saúde da Instituição em estudo, em como lidar com gestantes HIV positivo no período do parto e puerpério. A fonte de informação para esse estudo foi composta pelo prontuário médico de cada gestante, de onde foram coletados e transcritos em formulário próprio, dados sóciodemográficos (idade, cor, estado civil, escolaridade, ocupação, renda familiar); as doenças de base maternas e a história obstétrica. Além disso, foram aplicados aos Capa Índice 10039

9 profissionais questionários próprios que visavam analisar o conhecimento dos mesmos sobre o tema em estudo. Para a análise estatística será elaborada uma planilha eletrônica. As informações serão analisadas através do programa eletrônico Sigma Start versão 4.0. Os dados quantitativos serão analisados descritivamente através de distribuição de freqüências, médias e desvio padrão. Em seguida, as variáveis normais, homocedásticas, serão analisadas utilizando-se testes paramétricos, na comparação entre dois grupos, o teste "t" de Student; e na comparação entre três ou mais grupos a análise de variância (ANOVA), seguidos do teste de Dunn. Para a distribuição não normal, será utilizado os testes não paramétricos, na comparação entre dois grupos, o teste de Mann-Whitney, e na comparação entre três ou mais grupos o teste de Kruskal-Wallis, seguidos do teste de Tukey. As proporções serão comparadas pelo teste do 2, acompanhado do teste exato de Fisher. Serão consideradas estatisticamente significantes as diferenças em que p foi menor que 5% (p<0,05). O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) local, recebendo o número de protocolo 29/11, nº 02/12. ANDAMENTO DA PESQUISA Foram coletados dados de 323 prontuários de gestantes HIV positivo atendidos na Instituição em estudo entre o ano de 2006 a Também foram aplicados 25 questionários entre os profissionais de saúde atuantes no setor em estudo. Dentre esses profissionais 4 (16%) são enfermeiros, 9 (36%) médicos e 12 (48%) correspondem a equipe de enfermagem de nível médio ( Auxiliares de Enfermagem e Técnicos de Enfermagem). Os dados estão sendo processados pelas pesquisadoras responsáveis, sendo que no momento estão sendo feitas as análises estatísticas dos 323 prontuários referentes as gestantes HIV positivo e os 25 questionários respondidos pelos profissionais atuantes no setor em estudo. Capa Índice 10040

10 REFERÊNCIAS Carvalho CML, Galvão MTG. Enfrentamento da AIDS entre mulheres infectadas em Fortaleza CE. Rev Esc Enferm USP.2008; 42(1):90-7. Centers for Disease Control and Prevention (CDC) et al. Incorporating HIV prevention into the medical care of persons living with HIV. Recommendations of CDC, the Health Resources and Services Administration, the National Institutes of Health, and the HIV Medicine Association of the Infectious Diseases Society of America. MMWR Recomm Rep. 2003; 52(12):1 24. Decker MR, Seage GR, Hemenway D, Raj A, Saggurti N, Balaiah D, et. al. Intimate Partner Violence Functions as Both a RiskMarkerand Risk Factor forwomen s HIV Infection: Findings From Indian Husband Wife Dyads. J Acquir Immune Defic Syndr. 2009; 51(5): Lana FCF, Lima AS. Avaliação da prevenção da transmissão vertical do HIV em Belo Horizonte, MG, Brasil. Rev Bras Enferm, 2010; 63(4): Ministério da Saúde. Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia antiretroviral em gestantes. Brasília (Brasil): Ministério da Saúde, Ministério da Saúde. Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia antiretroviral em gestantes. Brasília (Brasil): Ministério da Saúde, Ministério da Saúde. Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis.secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids.Brasília (Brasil): Ministério da Saúde, Nishimoto TMI, Eluf Neto J, Rozman MA. Mother-to-child transmission of human immunodeficiency virus (HIV-I): evaluation of control measures in the city of Santos. Rev. Assoc. Med. Bras. 2005; 51(1): Quinn TC, Overbaugh J. HIV/AIDS in women: an expanding epidemic. Science. 2005;308: Remien RH, Chowdhury J, Mokhbat JE, Soliman C, Adawy ME, El-Sadr W. Gender and Care: Access to HIV Testing, Care and Treatment. J Acquir Immune Defic Syndr. 2009; 51(3): Santos NJS, Tayra A, Silva SR, Buchalla CM, Laurenti R. A AIDS no Estado de São Paulo. As mudanças no perfil da epidemia e perspectivas da vigilância epidemiológica; Rev. Bras. Epidemiol.2002;5(3): Silva MJM, Mendes WS, Gama MEA, Chein MBC, Veras DS. Perfil clínico-laboratorial de crianças vivendo com HIV/ AIDS por transmissão vertical em uma cidade do Nordeste brasileiro. Rev. Soc. Bras. Med. Trop.2010; 43(1): Souza Jr PRBS, Szwarcwald CL, Junior AB, Carvalho MF,Castilho EA. Infecção pelo HIV durante a gestação: Estudo-Sentinela Parturiente, Brasil, Rev Saúde Pública 2004;38(6): Capa Índice 10041

11 Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2012) AGRICULTURA FAMILIAR E POLÍTICAS PÚBLICAS Bruna Nogueira Almeida RATKE e Rabah BELAIDI 1 Faculdade de Direito da UFG. Mestrado em Direito Agrário. Órgão Financiador: FAPEG PALAVRAS-CHAVE: políticas públicas, direito agrário e agricultura familiar. INTRODUÇÃO O reconhecimento legal da agricultura familiar e a sua definição oficial se estabeleceram recentemente com a Lei da Agricultura Familiar (Lei /06). O primeiro e principal programa de fortalecimento da categoria, denominado PRONAF 2, foi instituído pelo Decreto n /96, através de mobilizações unificadas do sindicalismo rural e dos movimentos sociais. A atual discussão sobre a agricultura familiar foi impulsionada pelos debates que envolvem as temáticas de segurança alimentar, pobreza rural, desigualdade social e desenvolvimento sustentável, impelida por pesquisas e discussões políticas sobre o reconhecimento e importância da agricultura familiar como uma forma social de trabalho e produção. Insurge desses elementos a importância jurídica de analisar o processo histórico de reconhecimento do agricultor familiar como sujeito de direitos e objeto de políticas públicas, sendo a temática de grande relevância ao direito agrário, o qual tem como base o estudo da atividade agrária e depende de políticas públicas, elaboradas com respeito e observâncias aos princípios agrários, destinadas a fomentar essas atividades. A política agrária (CF, art. 184 a 191) está constitucionalizada com o objetivo de efetivar os fundamentos da República (CF, art. 3º, inc. II), pois abrange institutos que são capazes de promover transformações econômicas e sociais a garantir o desenvolvimento nacional, o bem estar da sociedade, a redução das desigualdades 1 Bruna Nogueira Almeida Ratke é mestranda em do Programa de Mestrado em Direito Agrário da Faculdade de Direito da UFG, bolsista da FAPEG. Prof. Rabah Belaidi (Orientador da Pesquisa) é professor efetivo da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás UFG e atual Coordenador do Programa de Mestrado em Direito Agrário. O presente resumo insere-se na pesquisa realizada para fins de apresentação de dissertação junto ao Programa de Mestrado em Direito Agrário da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás (UFG). 2 Pronaf Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Capa Índice 10042

12 2 sociais e a melhoria da qualidade de vida. Assim, o direito agrário tem um papel importante na promoção da dignidade da pessoa humana 3. As políticas públicas constituem temática da ciência política e da ciência da administração pública, portanto, não são definidas e instituídas pelo direito, todavia, o direito deve estar apto a descrever, compreender e analisar de modo a integrar à atividade política os valores e métodos próprios do universo jurídico, nos termos de Bucci (2006). MATERIAL E MÉTODOS Utiliza-se o método de abordagem hipotético-dedutivo e a investigação do tipo histórico-jurídico 4. Trata-se de pesquisa teórica, mediante catalogação e compilação de dados primários, extraídos da legislação vigente e revogada, e dados secundários, consistentes em artigos, doutrinas e etc., sendo que esses não se restringem as fontes imediatas jurídico-formais de pesquisa (BITTAR, 2012), em razão do seu aspecto interdisciplinar 5. RESULTADOS E DISCUSSÃO A história brasileira é marcada por lutas pela terra, de acesso à propriedade rural e pelo trabalho. Os militares ( ) trouxeram a questão fundiária e a reforma agrária para o controle do Estado através da aprovação do Estatuto da Terra (ET), para administrar institucionalmente as reivindicações e a inquietação dos movimentos surgidos no final dos anos 1950 e início dos anos 1960, e eliminar todos os fatores que pudessem interferir no pleno controle. Esses movimentos contestavam a desigualdade social e a concentração fundiária existentes no Brasil e protestavam pela realização de uma Reforma Agrária. O Estatuto da Terra Lei n , de 30 de novembro de 1964 constituía uma lei de Reforma Agrária (Título II) e Política Agrícola (Título III) visando a modernização através da execução de uma Política de Desenvolvimento Rural. O resultado dessa política foi a reprodução do latifúndio moderno e do aumento da 3 Essa concepção pode ser observada na afirmação de Borges (1995, p. 24): a consolidação de políticas agrícolas gera uma harmonia social, uma sociedade justa, aquela que oferece a cada homem condições de vida digna. 4 Segundo Gustin e Dias (2006) e Lakatos e Marconi (1991), esse método analisa a evolução de determinado instituto jurídico pela compatibilização de espaço/tempo, partindo da importância de investigar acontecimentos, processos e instituições do passado para compreender o surgimento do termo agricultor familiar, além de sua concepção histórica e atual. 5 A interdisciplinaridade, nos termos de Bittar (2012), amplia a capacidade de formação e melhora a qualidade de reflexão jurídica, por promover um movimento de compreensão mais aberto, dilatado e qualificado sobre os múltiplos aspectos envolvidos nas discussões do direito. Capa Índice 10043

13 3 concentração fundiária, agravando a exclusão social e a violência no campo. A grande propriedade, predominante em toda a história brasileira, se impôs como um modelo socialmente reconhecido, recebendo estímulos de uma política agrária (crédito rural, seguros agrícolas, políticas de preços mínimos, etc.) centrada na concretização da modernização, para adotar a lógica empresarial moderna, ampliando as desigualdades sociais, destruindo a pequena propriedade e a propriedade familiar em prol da consolidação do latifúndio. A partir de 1994, ocorreram inúmeras mobilizações no campo que ganharam grande repercussão política, sendo articulado em torno de sete eixos temáticos: reforma agrária, política agrícola, direitos sociais e trabalhistas, previdência social, saúde e segurança no trabalho, política energética, meio ambiente e importância da agricultura familiar (PICOLOTTO, 2009). Ao longo das reivindicações e mobilizações sociais, aliadas as pesquisas acadêmicas, introduziu-se a necessidade de novo modelo de desenvolvimento baseado na agricultura familiar, termo que passou a ser adotado como uma nova categoria sócio-profissional. Destaca-se dois 6 fatores decisivos para o reconhecimento da agricultura familiar, como objeto de políticas públicas, e alteração dos rumos do desenvolvimento rural: o movimento sindical dos trabalhadores rurais; e os estudos realizados pela FAO/INCRA 7. Perante essas demandas, insurgem iniciativas governamentais, inserindo no centro dos debates os temas de reforma agrária e agricultura familiar, com a criação do Pronaf, através do Decreto Presidencial nº 1.946, datado de 28 de julho de 1996, considerada a principal política pública para apoiar essa classe social com a finalidade de promover o desenvolvimento sustentável do segmento rural constituído pelos agricultores familiares, de modo a propiciar-lhes o aumento da capacidade produtiva, a geração de empregos e a melhoria de renda (D /96, art. 1º). Com a institucionalização do Pronaf os agricultores familiares foram reconhecidos 6 Alguns autores incluem um terceiro fator relacionado ao reconhecimento da agricultura familiar vinculado ao Banco Mundial que, através do relatório n BR, de 27 de maio de 1993, elaborou recomendações ao governo brasileiro visando alterações profundas nos objetivos e consolidação de uma agricultura com um perfil diferente. As propostas do Banco Mundial foram divulgadas no documento Brasil: o gerenciamento da agricultura, do desenvolvimento rural e dos recursos naturais, publicado em 1993 (GÓMEZ e THOMAZ JÚNIOR, 2009, p. 80). A expressão agricultura familiar aparece no relatório do Banco Mundial como protagonista de um desenvolvimento econômico e social, que se propõe a reduzir os níveis de pobreza, alterar os paradigmas de produção tecnológicos diante da sustentabilidade ambiental e melhorar as condições de vida. 7 FAO -Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação; INCRA - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Capa Índice 10044

14 4 como atores políticos,sujeitos de direitos e objeto de políticas públicas. A intervenção do Estado nas atividades agrárias, por meio de políticas públicas, insurge como um instrumento de mudança social para garantir a sobrevivência dos agricultores familiares, resultando no reconhecimento dessa categoria como sujeito de direito 8. A concepção de sujeito de direito elaborada por Ricoeur (2007) pode ser utilizada na discussão dessa temática para visualizar os agricultores familiares como sujeitos de direitos construídos em um contexto histórico e político. O indivíduo inserido na sociedade que se reconhece como capaz de seus atos e demandam estruturas institucionais que o reconheça e concretize seus direitos. Os agricultores familiares emergem dentro de um contexto histórico e político reconhecendo sua capacidade e demandando o seu reconhecimento como sujeitos de direitos. Apesar da importância do Pronaf, considerado um marco histórico na intervenção do Estado perante a agricultura, havia necessidade de um estatuto que conceituasse a agricultura familiar para o ordenamento jurídico e delimitasse as diretrizes de uma política pública que tenha como público alvo essa categoria 9. Esses elementos sustentaram a criação do Projeto de Lei da Câmara n. 32 de 2006 (Projeto de Lei n. 3952/2004), tendo como justificativa a contribuição dos agricultores familiares para o desenvolvimento econômico e social, com produções destinada a alimentação da população brasileira e para a exportação. Diante dessas justificativas, sobreveio a Lei n de 24 de julho de 2006 que estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais, tendo como eixo central delimitar os conceitos, princípios e instrumentos destinados à formulação das políticas públicas direcionadas à Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. A Lei n /06 consolida o conceito de agricultor familiar e empreendedor familiar rural como aquele que pratica atividades no meio rural, atendendo, simultaneamente, aos seguintes requisitos: I - não detenha, a qualquer título, área maior do que 4 módulos fiscais; II - utilize predominantemente mão-de-obra da própria família nas atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento; III - tenha renda familiar predominantemente originada de 8 Segundo Grau (2008, p. 22): A expressão políticas públicas designa todas as atuações do Estado, cobrindo todas as formas de intervenção do poder público na vida social. E de tal forma isso se institucionaliza que o próprio direito, nesse quadro, passa a manifestar-se como uma política pública o direito é também, ele próprio, uma política pública. 9 Em adendo, o Pronaf, restrito a uma política de crédito rural, não conceitua a agricultura familiar, apenas enumera os seus beneficiários relacionando-os aos fatores estruturais como renda e integração ao mercado, com caráter de seletivo e excludente. Ademais, o Pronaf, atualmente, está regulamentado apenas pelas resoluções do BC e do CNM. Capa Índice 10045

15 5 atividades econômicas vinculadas ao próprio estabelecimento ou empreendimento; III - tenha percentual mínimo da renda familiar originada de atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento, na forma definida pelo Poder Executivo; IV - dirija seu estabelecimento ou empreendimento com sua família (art. 3º). Apenas em 2011 foram incluídos pela Lei n como beneficiários da Lei da Agricultura Familiar os silvicultores, aqüicultores, extrativistas, pescadores, povos indígenas (art. 3º, 2º) CONCLUSÕES A adoção da terminologia agricultura familiar deve-se a uma conjunção de fatores que contribuíram para a intensificação dos debates sobre a importância econômica e social dessa categoria. A agricultura familiar foi reconhecida como objeto de políticas púbicas através do PRONAF no Brasil, fruto de reivindicações dos representantes da agricultura familiar 10. Destarte, a forma de implementação dessa política de fomento pode estar descaracterizando os princípios de sustentabilidade e segurança alimentar atreladas a agricultura familiar por promover o uso de pacotes tecnológicos de modelo empresarial nesse tipo de agricultura. A Lei /06 reconheceu juridicamente a classe da agricultura familiar trazendo benefícios para o desenvolvimento desse modelo de agricultura. Não há dúvidas sobre a capacidade produtiva da agricultura familiar em ser responsável por um projeto de desenvolvimento, porém essa categoria social ainda precisa de políticas públicas de fortalecimento e não apenas de política de crédito, mas de medidas que melhorem a vida no campo, envolvendo saúde, educação, saneamento e previdência, além da assistência técnica. REFERÊNCIAS BILIOGRÁFICAS BITTAR, Eduardo C. B. Metodologia da pesquisa jurídica: teoria e prática da monografia para os cursos de direito. 10. ed. São Paulo: Saraiva, BORGES, Paulo Torminn. Institutos básicos do direito agrário. 9. ed. São Paulo: Saraiva, BUCCI, Maria Paula Dallari. O conceito de política pública em direito. In: Bucci, 10 Outras políticas também foram construídas para incentivar a agricultura familiar diante da proposta de um projeto alternativo de desenvolvimento rural que integre a reforma agrária e o fortalecimento da agricultura familiar (MDA, 2011): Alimentação Escolar, Agroindústrias, Assistência Técnica, Biodiesel, Garantia-Safra, Mais Alimentos, Aquisição de Alimentos, Garantia de Preços para a Agricultura Familiar, Redes Temáticas de Ater, Seguro da Agricultura Familiar, Sistema Único da Atenção à Sanidade Agropecuária e Talentos do Brasil. Capa Índice 10046

16 6 Maria Paula Dallari (Ed.). Políticas Públicas. Reflexões sobre o conceito jurídico. São Paulo: Ed. Saraiva, GÓMEZ, Jorge R. Montenegro; THOMAZ JÚNIOR, Antonio. Novo sentido da luta de classes e do controle social no meio rural. Uma contribuição à geografia do conflito capital x trabalho. In: Júnior, Antonio Thomaz (Ed.). Dinâmica geográfica do trabalho no século XXI: Limites Explicativos, Autocrítica e Desafios Teóricos. São Paulo: UNESP, v. 11, apêndice 3, p GRAU, Eros Roberto. A ordem econômica na Constituição de ed. São Paulo: Malheiros, GUSTIN, Miracy Barbosa De Sousa; DIAS, Maria Tereza Fonseca. (Re)pensando a pesquisa jurídica: teoria e prática. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina De Andrade. Metodologia científica. 2. ed. São Paulo: Atlas, MDA, Ministério de Desenvolvimento Agrário. Secretaria da Agricultura Familiar. Crédito Rural. Disponível em <http://portal.mda.gov.br/portal/saf/programas/pronaf>. Acesso em 24 de nov PICOLOTTO, Everton Lazzaretti. A emergência dos "agricultores familiares" como sujeitos de direitos na trajetória do sindicalismo rural brasileiro. Mundo Agrário, v. 9, n. 18. Centro de Estudios Histórico Rurales. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Universidad Nacional de La Plata, p., primer semestre de RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora Unicamp, Capa Índice 10047

17 Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2012) ESTRUTURAÇÃO GENEALÓGICA, IMPLANTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE PROGRAMAS DE ACASALAMENTOS EM REBANHOS CURRALEIROS 1 Bruna Paula Alves da SILVA 2* ; José Robson Bezerra SERENO 3 ; Emmanuel ARNHOLD 4 ; Raquel Soares JULIANO 5 ; Maria Clorinda Soares FIORAVANTI 4,Diogo Alves da Costa FERRO 2,6 ; Rafael Alves da Costa FERRO 2,6 1 Dissertação que compõe a rede Caracterização, conservação e uso das raças bovinas locais brasileiras: Curraleiro e Pantaneiro. Financiado pelo CNPq, CAPES e FAPEG. ²Mestranda(o) do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal EVZ-UFG. * ³Pesquisador Dr. da Embrapa Cerrados 4 Professor(a) Dr.(a) da EVZ/UFG 5 Pesquisadora Dra. da Embrapa Pantanal 6 Professor do curso de Zootecnia da UEG Palavras-chave: Pé Duro, marcadores microssatélites, endogamia, seleção de reprodutores, variabilidade genética. INTRODUÇÃO Muitas raças locais brasileiras encontram-se em processo de deriva genética e poderão desaparecer sem que o seu potencial zootécnico seja revelado. A causa mais frequente deste processo de extinção são os cruzamentos absorventes ocorridos com as raças exóticas. Para reverter essa situação faz-se necessário a realização de estudos de caracterização genética e racial, envolvendo matriz de parentesco e diversidade genética, possibilitando o uso destes animais em programas de multiplicação de germoplasma, seleção e melhoramento genético, proporcionando finalmente alternativas de produção animal para o meio rural. O rebanho Curraleiro ou Pé Duro encontra-se adaptado às condições do Cerrado e está ameaçado de extinção. Esses animais têm sua origem na Península Ibérica e foram trazidos ao Brasil pelos portugueses. Passaram por seleção natural ao longo dos anos e tornaram-se muito adaptados (MARIANTE & EGITO, 2002). É um rebanho rústico, de baixo custo de produção e possui carne saborosa. Os Capa Índice 10048

18 animais estão concentrados no Piauí, Pará, Tocantins e Goiás. Estima-se que existam cerca de animais dessa raça (FIORAVANTI et al., 2008). As avaliações genéticas das raças estabelecem informações a respeito do parentesco dos animais sujeitos aos testes de paternidade (CURI & LOPES, 2001). O conhecimento genético das populações é importante para a implantação de programas de melhoramento e conservação do patrimônio genético (RANGEL et al., 2004). A caracterização genética promove a avaliação da distância entre populações, possibilitando a estimação dos índices de similaridade entre os animais e a recomendação do sistema de acasalamento (EGITO et al., 2001). Os marcadores moleculares têm sido muito utilizados na caracterização de populações bovinas brasileiras, em relação ao monitoramento de regiões do genoma, destacando-se os marcadores do tipo microssatélites que são altamente polimórficos e obtidos pela técnica de PCR (TAMBASCO, 2000). Objetiva-se com este trabalho realizar a estruturação genealógica de rebanhos Curraleiros com vista a estimativas de índices produtivos e zootécnicos destas populações em seu habitat natural e elaborar programas de acasalamentos para manutenção da variabilidade genética do rebanho. MATERIAL E MÉTODOS Para a realização das provas genéticas de atribuição de parentesco e diversidade genética estão sendo analisadas amostras de pelos de 745 animais pertencentes a cinco rebanhos da raça bovina Curraleiro, colhidas em propriedades nos municípios de Cavalcante-GO (150 animais), Campestre-GO (350 animais), Monte Alegre de Goiás-GO (110 animais), Planaltina-DF (50 animais) e Mimoso de Goiás-GO (85 animais). Todos os animais foram identificados e suas amostras enviadas ao laboratório. Foram colhidas amostras de pelos em envelopes de papel, armazenadas em temperatura ambiente e enviadas para análises genéticas e moleculares no Laboratório de Genética Molecular Aplicada da Universidade de Córdoba, Espanha. Para a extração de DNA do pelo dos animais está sendo seguido o protocolo proposto por ALJANABI & MARTINEZ (1997). Está sendo realizada a amplificação de 28 microssatélites recomendados pela FAO, mediante a técnica de reação em cadeia de polimerase (PCR). A separação dos fragmentos está sendo realizada por eletroforese em gel de agarose Capa Índice 10049

19 em sequenciador automático ABI A tipificação alélica e análise dos fragmentos estão sendo realizadas com o auxílio dos programas GENESCAN ANALYSIS e GENOTYPER respectivamente. As freqüências alélicas e heterozigosidade (observada e esperada) estão sendo calculadas pelo programa informático GENETIX v (BELKHIR, 1999). A prova de equilíbrio Hardy-Weinberg (HW) está sendo realizada pelo programa GENEPOP v. 3.1c (RAYMOND & ROUSSET, 1995), que aplica o teste exato de Fisher usando o método em cadeia de Monte Carlo Harkov (GUO & THOMPSON, 1992). O conteúdo da informação polimórfica (PIC) de cada microssatélite está sendo calculado pela aplicação da fórmula proposta por BOTSTEIN et al. (1980). A probabilidade de exclusão por marcador (PE) e para o conjunto de marcadores (PEC) está sendo calculada pelo programa informático CERVUS 2.0 (MARSHALL et al., 1998) e a probabilidade de identidade por marcador (PI), além do conjunto de marcadores (PI acumulada) pelo programa informático API-CALC (AYRES & OVERALI, 2004). A distância genética-da (NEI, 1987) está sendo calculada pelo programa computacional POPULATIONS. Com os valores de distância obtidos está sendo realizado um dendrograma utilizando o algarítimo Neighbor-Joining (SAITOU & NEI, 1987). A acurácia da árvore obtida está sendo examinada com um teste de replicação (bootstraping) com reamostragens com substituição dos loci utilizando o programa POPULATIONS (LANGELLA, 1999). Estão sendo realizadas análises de atribuição dos indivíduos a sua população e da subestrutura das populações bovinas de Curraleiro utilizando um algoritmo bayesiano do programa de análise STRUCTURE v. 2. (PRITCHARD et al,. 2000), que emprega um modelo baseado no método de cadeias Markov de Monte Carlo, que estima a distribuição a posteriori de cada coeficiente de mistura de cada indivíduo (q). As representações gráficas dos resultados do programa STRUCTURE estão sendo obtidas com o programa DISTRUCT 1.1 (ROSENBERG, 2004). RESULTADOS E DISCUSSÃO Os dados desta pesquisa estão sendo analisados pelo Laboratório de Genética Molecular Aplicada da Universidade de Córdoba, Espanha, portanto ainda não foram obtidos resultados. Mas espera-se com estas análises obter o grau de parentesco entre animais e entre rebanhos Curraleiros para estruturação do rebanho Capa Índice 10050

20 em famílias com vistas a proporcionar maior controle da endogamia destas populações e possibilitar a ampliação do número de animais da raça por meio de programas de acasalamentos específicos para cada rebanho, possibilitando maior controle genealógico, além de intercâmbio de material genético entre rebanhos endogâmicos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALJANABI, S. M.; MARTINEZ, I. Universal and rapid salt-extraction of high quality genomic DNA for PCR-based techniques. Nucleic Acids Research, v. 25, p , AYRES, K. L.; OVERALL, A. D. J. API-CALC 1.0: a computer program for calculating the average probability of identity allowing for substructure, inbreeding and the presence of close relatives. Molecular Ecology Notes, v. 4, p , BELKHIR, K. Logiciel sous Windows TM pour la genétique des populations. In: Laboratoire Génome, Populations, Interactions, v. CNRS UPR BOTSTEIN, D.; WHITE, R. L.; SKOLMICK, H.; DAVIS, R. W. Construction of a genetic linkage map in man using restriction fragment length polymorphism. American Journal of Human Genetics, v. 32, p , CURI, R. A.; LOPES, C.R. Teste de paternidade em bovinos. Biotecnologia, Ciência & Desenvolvimento, v. 21, p , EGITO, A. A.; ALBUQUERQUE, M.S.; MARIANTE, A. S. Caracterização genética de raças naturalizadas. In: SIMPÓSIO DE RECURSOS GENÉTICOS PARA AMÉRICA LATINA E CARIBE, 3., 2001, Londrina. Anais... Londrina: Instituto Agronômico do Paraná, p FIORAVANTI, M. C. S.; SERENO, J. R. B.; NEIVA, A. C. G. R.; ABUD, L. J.; LOBO, J. R.; DI FRANCESCANTÔNIO, D.; CARDOSO, W. S.; SILVA, F. X.; MACHADO, J. R. L. Reintrodução do Gado Curraleiro na Comunidade Kilombola kalunga de Cavalcante, Goiás, Brasil: Resultados Parciais. In: IX SIMPÓSIO NACIONAL DO CERRADO, 2008, Brasília. Resumos... Parlamundi: II Simpósio Internacional Savanas Tropicais, GUO, S. W.; THOMPSON, E. A. Performing the exact test of Hardy-Weinberg proportions for multiple alleles. Biometrics, v. 48, p , LANGELLA, O. Populations CNRS UPR9034. http//www.cnrsgif.fr/pge/bioinfo/populations/index.php, Capa Índice 10051

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Congresso de Prevenção à Aids e de Saúde Sexual e Reprodutiva (Gapa-Bahia) Salvador, 19.03.07 Cristina Câmara Contexto social da aids no Brasil Democratização

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA Eva Aparecida Prado do Couto (UEG) 1 evinhacouto@hotmail.com Flávia Melo Rodrigues ² rflamelo@gmail.com Introdução Segundo Queiroz (1986) o uso das espécies

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO FÁBIO DE BARROS CORREIA GOMES Consultor Legislativo da Área XVI Saúde Pública, Sanitarismo MAIO/2009 Fábio de Barros Correia Gomes 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3

Leia mais

Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000

Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000 Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000 Introdução Célia Landmann Szwarcwald (1), Aristides Barbosa Júnior(2) e Maria Goretti P. Fonseca(2) A epidemia de aids no

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 Projeto Troca

Mostra de Projetos 2011 Projeto Troca Mostra de Projetos 2011 Projeto Troca Mostra Local de: Campo Mourão Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Prefeitura Municipal de Campo Mourão Cidade: Campo Mourão Contato:

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal O que é Transmissão Vertical HIV e Sífilis? A transmissão vertical do

Leia mais

ATENÇÃO: As informações abaixo são um resumo do projeto. A sua íntegra está disponível para consulta na secretaria do PPGAS/UFRGS

ATENÇÃO: As informações abaixo são um resumo do projeto. A sua íntegra está disponível para consulta na secretaria do PPGAS/UFRGS ANEXO 1: Informações sobre o Casadinho/Procad UFG/UFRGS/UFSC ATENÇÃO: As informações abaixo são um resumo do projeto. A sua íntegra está disponível para consulta na secretaria do PPGAS/UFRGS Chamada Pública

Leia mais

Manual. de Utilização das fichas de referência

Manual. de Utilização das fichas de referência Manual de Utilização das fichas de referência P roposta pedagógica para uso de material educativo (fichas de referência) em oficinas que incluam os temas vulnerabilidade e violência associadas ao uso de

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

Termos de Referência Projeto BRA5U201

Termos de Referência Projeto BRA5U201 Plano Integrado de enfrentamento à epidemia Projeto: BRA5U201 Fortalecimento das capacidades nacionais para a promoção e atenção à saúde sexual e reprodutiva e redução da morbi-mortalidade materna Produto

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPEEX: CAMPANHAS SÓCIO EDUCATIVAS NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA PARA PREVENÇÃO DE DST/AIDS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPEEX: CAMPANHAS SÓCIO EDUCATIVAS NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA PARA PREVENÇÃO DE DST/AIDS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPEEX: CAMPANHAS SÓCIO EDUCATIVAS NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA PARA PREVENÇÃO DE DST/AIDS GONDIM, Bruno Ferreira 1 ; CARDOSO, Bruno Freitas 1 ; MESQUITA,

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA CONCEITO DE SAÚDE da OMS Saúde é o perfeito bem estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. Portanto: Ter saúde é fenômeno complexo

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (X

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar Lei da Agricultura Familiar LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Art. 3 Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Resumo: O presente trabalho tem por intuito analisar os fatores que condicionam o aumento da vulnerabilidade da transmissão do vírus do HIV entre

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV.

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: A EPIDEMIA DA AIDS EM ADOLESCENTES NO BRASIL, 2001-2010. KOGLIN, Ilivelton Martins 1 ; TASSINARI, Tais Tasqueto 2 ; ZUGE, Samuel Spiegelberg 3 ; BRUM, Crhis Netto de 3 ;

Leia mais

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores.

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Joyce Santiago Ferreira Orientador: Profa. Dra. Claci Fátima Weirich Faculdade de Enfermagem, Goiânia-GO,

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor RH/2014/022

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor RH/2014/022 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor RH/2014/022 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Pesquisa. Ações Nacionais de Pesquisa

Pesquisa. Ações Nacionais de Pesquisa Pesquisa O câncer vem apresentando prevalência crescente na população brasileira. Exige, portanto, ações estratégicas no âmbito da atenção oncológica, que envolvem a busca de incentivo à pesquisa nas áreas

Leia mais

Plano Intersetorial de Atenção Integral à Saúde da Mulher

Plano Intersetorial de Atenção Integral à Saúde da Mulher GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DA MULHER ANEXO 08 Plano Intersetorial de Atenção Integral à Saúde da Mulher Cais do Apolo, 222-4 e 5 andar - Bairro do Recife- Recife/PE - CEP: 50.030-905 secmulher@secmulher.pe.qov.br

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil

Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil Sheila Maria Doula Ana Louise de Carvalho Fiuza Wander Torres Costa Alexandra Santos Programa de Pós-graduação e Extensão Rural UFV/Brasil

Leia mais

Vigilância epidemiológica de surtos de doenças diarreicas e alimentares 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE

Vigilância epidemiológica de surtos de doenças diarreicas e alimentares 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE UNIVERSALIDADE, IGUALDADE E INTEGRALIDADE DA SAÚDE: UM PROJETO POSSÍVEL A experiência do Pet-Saúde/Vigilância em Saúde na implementação

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DAS GESTANTES HIV/AIDS ATENDIDAS NO HOSPITAL MATERNO INFANTIL E NO HOSPITAL ANUAR AUAD EM GOIÂNIA-GOIÁS, ENTRE OS ANOS DE 2003 E 2005. Raffaella Silva Pinheiro 1,4

Leia mais

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER 1. Riscos e causas de contaminação na Central de Material de Juliana Santos Andrade Esterilização: uma análise teórico-reflexiva 2. Biossegurança e Higienização das mãos:

Leia mais

Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense

Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense Pereira Machado Soares, Eliane; Rodrigues Brito, Áustria Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense V Jornadas Internacionales de Investigación en Filología

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Banco de preservativos: dinâmica e repercussões 1

Banco de preservativos: dinâmica e repercussões 1 1 Banco de preservativos: dinâmica e repercussões 1 Viviane Aparecida Siqueira Lopes Universidade Federal Fluminense Email: vivianelopes@censanet.com.br Apresentação Em março de 2009, foi criado um Banco

Leia mais

A EDUCAÇÃO COMO DIREITO HUMANO: DESIGUALDADES E DIREITO À EDUCAÇÃO NO BRASIL* Palavras chaves: Educação, Diversidade, Direitos Humanos e Inclusão

A EDUCAÇÃO COMO DIREITO HUMANO: DESIGUALDADES E DIREITO À EDUCAÇÃO NO BRASIL* Palavras chaves: Educação, Diversidade, Direitos Humanos e Inclusão A EDUCAÇÃO COMO DIREITO HUMANO: DESIGUALDADES E DIREITO À EDUCAÇÃO NO BRASIL* ROCHA, Leonor Paniago 1 ; BENETI, Hercília Maria Fayão 2 ; SILVA, Halline Mariana Santos 3 ; ALVES, Joana D'arc Moreira 4 ;

Leia mais

Termos de Referência Projeto BRA5U201

Termos de Referência Projeto BRA5U201 (02 cópias) Data limite para apresentação de candidaturas: 08/08/2013 Endereço eletrônico para envio de candidaturas: selecao@unfpa.org.br Identificação a ser utilizada como título do e-mail de candidatura:

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

O USO DA EPIDEMIOLOGIA NO PLANEJAMENTO DAS AÇOES DE SAÚDE: UM ESTUDO NOS PSF s DE FORMIGA-MG

O USO DA EPIDEMIOLOGIA NO PLANEJAMENTO DAS AÇOES DE SAÚDE: UM ESTUDO NOS PSF s DE FORMIGA-MG O USO DA EPIDEMIOLOGIA NO PLANEJAMENTO DAS AÇOES DE SAÚDE: UM ESTUDO NOS PSF s DE FORMIGA-MG Aline Rodrigues ALVES Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí RESUMO A inserção efetiva do uso da epidemiologia

Leia mais

APRESENTAÇÃO COORDENAÇÃO LINHAS DE PESQUISA DOCENTES PESQUISADORES

APRESENTAÇÃO COORDENAÇÃO LINHAS DE PESQUISA DOCENTES PESQUISADORES APRESENTAÇÃO O Núcleo de Pesquisa de Enfermagem (NEPE) foi fundado em julho de 2014 e tem o objetivo de oferecer um espaço de reflexão acerca de temáticas referentes à área de saúde e oportunizar o crescimento

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO Cynthia Germoglio Farias de Melo cynthia_fariasm@hotmail.com Rayner Anderson Ferreira do Nascimento raynerbiomedicina@gmail.com

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações 1 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013 Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP n.043 /2012 CT. PRCI n 100.513 Tickets n 278.426, 280.843, 287.631 e 295.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP n.043 /2012 CT. PRCI n 100.513 Tickets n 278.426, 280.843, 287.631 e 295. PARECER COREN-SP n.043 /2012 CT PRCI n 100.513 Tickets n 278.426, 280.843, 287.631 e 295.241 Assunto: O enfermeiro pode realizar o teste rápido Ementa de HIV? Pode delegar ao auxiliar e técnico no caso

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais